Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA


EEL5104 – Circuitos Elétricos p/ Controle e Automação

AULA 03
AMPERÍMETRO DE CORRENTE CONTÍNUA

1 OBJETIVOS
• Introduzir as noções básicas sobre o amperímetro de C.C.;
• Dar ao aluno o conhecimento adequado para realizar uma medição de
corrente;
• Permitir a comprovação prática da 1ª Lei de Kirchhoff (Lei dos Nós);
• Mostrar as não-idealidades dos instrumentos de medida;
• Introduzir a noção de “limitador de corrente”;

2 INTRODUÇÃO
Formulada em 1845, a primeira Lei de Kirchhoff, conhecida como Lei das Correntes
ou Lei dos Nós, atesta que um nó de um circuito não acumula carga. Sendo assim, a soma das
correntes provenientes dos ramos deve ser igual à soma das correntes que deixam o nó.
Nesta experiência serão realizadas medidas de corrente em alguns pontos de um
circuito com a utilização do amperímetro de C.C., disponível no multímetro analógico
ENGRO 484 e no multímetro digital DAWER DM2020.
O símbolo a ser utilizado para o amperímetro é definido na figura 1. Para medir
correntes com esse instrumento deve-se sempre ligá-lo em série com o circuito, de forma que
a corrente que se deseja saber atravesse tanto o elemento quanto o medidor.
Idealmente, o amperímetro não deve afetar o circuito a ser medido. No entanto, na
prática, ao inserirmos o amperímetro no circuito ele altera a resistência equivalente, pois
possui uma resistência interna Ra de valor reduzido, porém não nulo. O amperímetro com a
sua resistência interna é representado na figura 2.

Ra
A A

Figura 1 - Símbolo do amperímetro ideal. Figura 2 - Símbolo do amperímetro com


sua resistência interna associada.

Importante: o amperímetro deve sempre ser ligado em SÉRIE, caso contrário irá causar
um curto-circuito.
Aula 03 - Amperímetro de Corrente Contínua

3 PRIMEIRA LEI DE KIRCHHOFF (LEI DOS NÓS)


Em um nó, a soma das correntes elétricas que entram é igual à soma das correntes que
saem, ou seja, um nó não acumula carga.
n

∑I
k =1
k =0

Em que: Ik = Corrente no ramo k;


n = nº de ramos do nó.

Quando uma corrente proveniente de um ramo se divide em um nó, as correntes que


saem podem ser calculadas pela regra do divisor de corrente. A corrente nos resistores é
inversamente proporcional à resistência daquele no qual está passando, ou seja:
R3 R2
I2 = .I1 e I3 = .I1
R 2 + R3 R 2 + R3

Aplique a 1ª Lei de Kirchhoff e o divisor de corrente para o circuito da figura 3:

Figura 3 - Circuito a ser utilizado.

a. Calcular a corrente em cada ramo do circuito e preencher os campos


correspondentes na Tabela 1;
b. Calcular a potência dissipada em cada resistor ( P = R ⋅ I 2 ). Verifique se
estes valores não ultrapassam os limites de potência máxima dissipada de
cada resistor (1/8 W);

4 LIMITADOR DE CORRENTE
Para o circuito da figura 3 é possível se determinar a corrente máxima e mínima que
será exigida na fonte (If=IR1), independentemente do valor do resistor R3 conectado entre os
terminais A e B. Para isso, basta se verificar os casos extremos: curto-circuito entre A e B
(Rx=0) e circuito aberto entre A e B (R3=∞). Por essa razão o circuito apresentado pode ser
chamado de limitador de corrente. Calcule os limites.

R3=∞

Figura 4 – Extremos do limitador de corrente.

EEL5104 – Circuitos Elétricos p/ Controle e Automação– 2008/2 2/3


Aula 03 - Amperímetro de Corrente Contínua

5 DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE DOS DADOS


Monte o circuito da figura 3 e com os valores obtidos nos cálculos do item anterior,
utilizar a escala adequada de corrente para cada uma das medidas com o multímetro analógico
ENGRO 484 e com o multímetro digital DAWER DM2020. Realizar as medidas
separadamente, conforme a figura 5. Calcule as correntes com a inserção do amperímetro
digital e o analógico e preencha os campos da tabela 1 adequadamente.

Figura 5 – Circuitos para realização das medidas de corrente.

Tabela 1
Valor Calculado com Calculado com Medida Medida
Corrente
teórico inserção analógico inserção digital Analógico Digital
IR1
IR2
IR3

Conclua sobre a lei dos nós e as diferenças obtidas usando-se o multímetro analógico e
o digital.

6 DADOS DOS MULTÍMETROS


Dados do multímetro ENGRO 484
Resist. Int. εL εIC Δ=εL+εIC
ESCALA no div IC (%)
(Ra)
50 μA 60 6 kΩ 3 0,42 nA 1,5 μA 1,92 μA
AMP. 3 mA 60 210 Ω 3 25 μA 0,09 mA 0, 115 mA
CC
30 mA 60 20 Ω 3 0,25 mA 0,9 mA 1,15 mA
300 mA 60 2Ω 3 2,5 mA 9 mA 11,5 mA
3A 60 1Ω 3 25 mA 90 mA 115 mA
εL = Erro de Leitura: O erro de leitura é igual a metade da menor divisão estimada na escala contínua
do aparelho.
εIC = Erro devido à classe: Limite do erro definido pelo índice de classe e expresso sempre em
relação ao valor final da escala.
Δ=εL+εIC = Soma do erro de leitura e erro devido à classe.

Dados do multímetro digital DAWER (DM 2020)


Precisão do valor Proteção contra
Escala Resolução Resist. Int. (Ra)
lido sobrecarga
AMP. 200 μA 0,1 μA
CC 20 mA 10 μA ±0,8% + 1 dígito 15 Ω 0,5 A/250 V
200 mA 100 μA
20 A 10 mA ±1,5% + 1 dígito 35 Ω Nenhuma

EEL5104 – Circuitos Elétricos p/ Controle e Automação– 2008/2 3/3