Você está na página 1de 15

ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS E INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA

UTILIZADA PELOS ANIMAIS NO ZOOLÓGICO DO PARQUE SABIÁ – UBERLÂNDIA - MG-BRASIL

Fernando Francisco Borges Resende1, Noé Ribeiro da Silva2.

RESUMO
A água, essencial à vida de todo animal, atua também como importante veículo de
contaminação de várias doenças, seja em decorrência de excretos humanos ou de outros animais,
seja pela presença de substâncias químicas nocivas à saúde do indivíduo. As águas utilizadas nos
recintos do zoológico do Parque Sabiá, no município de Uberlândia – MG, são classificadas
como águas doces, classe 01, destinadas ao consumo humano e/ou animal e a qualquer uso mais
exigente quanto a sua qualidade. O nível de contaminação microbiológica de cada ponto de coleta
do zoológico do Parque Sabiá foi avaliado durante nove meses, de junho de 2003 a março de
2004. Foi detectada uma variação de 0 a 104 UFC/100mL na contagem de Coliformes totais e 0 a
103 UFC/100mL na contagem de Coliformes fecais. Dentre os testes físico-químicos realizados,
como: pH, cor, turbidez, Cloreto, Sulfato, Nitrito e Nitrato, somente as análises de pH mostraram
anormalidades, demonstrando características ácidas da água. As águas utilizadas pelo zoológico
do Parque Sabiá, apesar de apresentarem baixos índices de contaminação, tanto por Coliformes
totais quanto por fecais e terem demonstrado boa qualidade físico-química, ainda assim
necessitam de atenção para que estes parâmetros não venham a se alterar, levando a uma possível
poluição dessas águas, bem como a contaminação de seu lençol freático.

Palavras-chave: água, coliformes, controle microbiológico, zoológico.

________________

1 – Discente, bolsista CNPq Faculdade de Medicina Veterinária – UFU;

2 – Prof. Dr. Faculdade de Medicina Veterinária – UFU.


2

ABSTRACT

Water is essential for animal life but also works as a contamination mean for many
diseases. It may occur as a result of human and animal excreta or by the contamination for
chemical substances. The water used at the Parque do Sabiá zoo, in Uberlândia – MG, is
classified as fresh water (Type1). This water is for human and animal use. The microbiological
contamination level of each water point, in the Parque do Sabiá, has been evaluated during nine
months. It is detected, between June 2003 and March 2004, a variation of 0 to 104UFC/100mL
on total count of coliforms and 0 to 103UFC/100mL on total count of faecal coliforms. Amoung
the undertaked physical-chemical tests (pH, color, cooper sulfete, etc), only the pH analysis had
abnormal results. It presented acid characteristics for the water used on the Parque do Sabiá
zoo. Otherwise, the results did not show serious contamination. On the other hand, the water
need a special attention so that quality level keep normal.
3

INTRODUÇÃO apresentaram um quadro de diarréia, que


O zoológico do Parque do Sabiá, em foram controlados prontamente pelo serviço
Uberlândia – MG, encontra-se localizado em de medicina veterinária do zoológico,
área urbana na região leste da cidade. porém, naquele momento não foi possível
Hospeda, no momento, 73 espécies entre indicar a causa da doença, ficando sob
mamíferos, aves e répteis, que necessitam suspeita a água de consumo dos animais.
permanentemente de cuidados especiais, tais Assim, julga-se oportuno realizar esta
como: alimentos, água e acompanhamento pesquisa elegendo os Coliformes totais e
médico veterinário. fecais como microorganismos objeto desta
A água é fartamente utilizada para pesquisa por serem indicadores universais da
suprir suas necessidades biológicas: qualidade higiênico-sanitária da água e
ingestão, banho, preparo dos alimentos, parâmetros físico-químicos, como pH, cor,
limpeza dos recintos e desinfecção dos turbidez, sulfato, cloreto, nitrito e nitrato
utensílios. Esta tem origem em uma nascente com a finalidade de avaliar a presença de
na parte sul do Parque, distante contaminação por detritos provenientes de
aproximadamente 500 metros dos recintos, esgotos ou residências.
chegando até eles por tubulação galvanizada O serviço de Medicina Veterinária do
com diâmetro de 100 milímetros. zoológico do Parque Sabiá tem uma grande
Parte dessa água é armazenada em preocupação com a qualidade da água
uma caixa de alvenaria com capacidade para utilizada pelos animais nos 51 recintos
40.000 litros, para daí ser distribuída a existentes. Apesar da existência de rotina
alguns recintos, sendo que os outros recebem diária com procedimentos higiênico-
água por derivação da tubulação mestra. sanitários em relação à água, utensílios de
Cada recinto apresenta um bebedouro preparação dos alimentos e os bebedouros
coletivo para os animais ali confinados. dos recintos, existem possibilidades de
Os bebedouros são confeccionados contaminação microbiológica dessa água.
em alvenaria, permanecendo fixos ao solo, Em levantamento de reconhecimento
podendo se tornar susceptíveis à do local, realizado pela equipe desse
contaminação microbiana (KNAP, 1970). trabalho, pode-se constatar a existência de
Algumas vezes os animais dos um bairro residêncial ao norte da nascente,
recintos, tanto aves como mamíferos, além de um canil a 150 metros da mesma;
4

sobre este canil é importante salientar que consideração a qualidade desta, sendo que,
não há rede de esgoto instalada e que os animais selvagens em cativeiro estão
detritos são depositados em fossas, o que é bastante predispostos a estresse e dessa
preocupante, visto que o perfil topográfico forma susceptíveis a baixas do sistema
do terreno é caracterizado por um declive imunológico, tornando-se aptos a
acentuado em direção à nascente. desenvolverem patologias causadas por
Esse entorno, assim descrito, pode germes veiculados, principalmente, pela
ser, ou vir a ser, fonte de contaminação para água, como bactérias, vírus e protozoários.
os lençóis freáticos de interesse no Segundo Leclerc (2002) a principal
abastecimento de água em questão. Várias fonte de contaminação da água é justamente
afirmações de pesquisadores atentam sobre a as fezes de animais, tanto selvagens como
possibilidade dessa contaminação (JAY, domésticos e humanos. Essas fezes, que
1994; KNAP, 1970; OLIVEIRA, 1984; podem conter agentes causadores de
SPECK, 1984). enfermidades, costumam ser depositados
Essa suspeita pode ser comprovada sobre o solo, na água ou em fossas e a partir
com monitoramento específico, utilizando-se daí serem espalhadas pela chuva, vento e a
como referência, indicadores própria ação de animais, contaminando o
microbiológicos universais e alguns terreno, o curso de água em questão ou até
parâmetros físico-químicos para mesmo o lençol freático. Alguns fatores vêm
classificação das águas de consumo a aumentar a chance de contaminação do
(KINZELMAN, 2003). local, como o tipo de rocha da região, o
Animais selvagens, como quaisquer perfil topográfico e a profundidade do lençol
outros animais, necessitam de água em freático (KNAP, 1970).
abundância; seja para beber, se lavar ou Geralmente os germes contaminantes
como habitat. são bactérias, vírus e protozoários, bastante
Assim, um dos pontos primordiais resistentes em água e que podem causar
em um zoológico é uma boa disponibilidade enfermidades, principalmente entéricas
de água, tanto para os animais, como para a (HOFFMANN et al, 1997).
higienização dos recintos e utensílios. É grande a variedade de espécies
Porém, apenas a fartura de recursos patogênicas encontrados na água. Entre as
hídricos não é o suficiente, deve-se levar em bactérias, as mais comuns são a Shigella
5

sonnei, Clostridium jejuni, Escherichia coli, Coliformes, decorrente da contaminação de


Vibrio cholerae, Pasteurella aeruginosa, aqüíferos. Sanahu; Warren; Nelson (1979)
Legionella e Mycobacterium avium complex. detalharam informações sobre a presença de
Os vírus mais encontrados são os da hepatite contaminação por Coliformes em água de
tipos A e B e entre os protozoários se nascentes.
encontram o Cryptosporidium spp e a Knap (1970) identificou
Giardia sp, conforme relata Leclerc (2002). Estreptococcus fecais e Coliformes fecais
Para se conseguir manter um nível de em água rural monitorada em dois pontos
qualidade da água são necessários diferentes, sugerindo a possibilidade de
parâmetros para medir e qualificar a contaminação por infiltração do solo.
contaminação desta; para isto, pode-se APHA (1976) informou sobre o
utilizar a contagem de alguns monitoramento realizado em água do mar,
microrganismos e analisar alguns padrões mostrando a presença de Escherichia coli,
físico-químicos. A utilização da contagem Coliformes fecais e Coliformes totais.
de Coliformes fecais é mais significativa, Guerreiro (1984) relata que durante muito
tendo em vista que a maior parte das tempo a Escherichia coli era residente do
bactérias desse grupo são de origem entérica, tubo digestivo dos animais e do homem,
ao contrário do grupo dos Coliformes totais, colaborando nos processos digestivos, sem
que contém bactérias não entéricas, o que ação patogênica. Atualmente, sabe-se que
garante uma maior confiabilidade nos em condições favoráveis pode causar
resultados, mostrando com grande certeza a doenças, chamadas de colibacilose em
origem da contaminação (GUERREIRO, animais e no homem (GLEESON e GRAY,
1984). 1997). Além de sua importância como
A utilização de parâmetros de entidade patogênica, o isolamento da
controle de qualidade da água é de muita Escherichia coli da água é de significado
importância tanto em zoológicos como em sanitário, pois é uma indicação de
qualquer lugar que necessite de água potável contaminação fecal (EDBERG et al, 2000).
(LeCHEVALIER; WELCH; SMITH, 1996). De conformidade com o Bergey's
Brewer e Lucas (1982) relataram que Manual of Determinative Bacteriology, 1974
em 37% de 342 amostras de água de uso o germe está situado no grupo de bactérias
rural, apresentou-se positiva para gram-negativas, facultativamente
6

anaeróbicas, pertencendo à família canil situado a 150 metros de distância da


Enterobacteriaceae, gênero Escherichia e nascente, também dentro do parque.
dentro do grupo dos Coliformes fecais. A água chega até os recintos, através
Causa diarréia em humanos e animais, além das tubulações galvanizadas, percorrendo
de mastite, aborto, salpingites, pericardite, aproximadamente 400 metros até uma caixa
etc. de alvenaria de 40.000 litros, parte dos
Dessa forma o objetivo do presente recintos recebem água desta caixa e os
estudo foi verificar a contagem de outros por derivação da rede principal (entre
Coliformes totais e Coliformes fecais na nascente e caixa).
água do zoológico, bem como analisar os Para realização deste trabalho foram
seguintes parâmetros físico-químicos: pH, coletadas dez amostras de água, de junho de
cor, turbidez, cloreto, sulfato, nitrito e 2003 a março de 2004, em doze pontos
nitrato. diferentes, conforme especificados a seguir:
MATERIAL E MÉTODOS Ponto 1:
No zoológico do Parque Sabiá, que é Nascente, localizada
administrado pela FUTEL - Fundação de aproximadamente a 500 metros dos recintos;
Turismo, Esporte e Lazer da Prefeitura Ponto 2:
Municipal de Uberlândia, apresenta 51 Recinto Lhama (Lama glama) que é
recintos que abrigam 73 diferentes espécies ocupado por um Lhama macho, sendo que o
de mamíferos, aves e répteis. bebedouro é localizado na parte leste do
Estes recintos guardam recinto;
características próprias para atender as Ponto 3:
espécies animais ali instaladas, sendo que, Recinto Cachorro do Mato
todos recebem água, não tratada, da mesma (Cerdocyon thous), ocupado por três animais,
origem, de uma nascente dentro do próprio sendo dois machos e uma fêmea.
parque. Esta se encontra em área bem Ponto 4:
protegida por alambrado e vegetação ciliar, Recinto Macacos, neste ponto a
porém com possibilidades de contaminação coleta é feita em uma caixa de distribuição
pelo lençol freático do seu entorno por estar que fornece água para quatro recintos
próximo a um bairro de periferia e a um diferentes, todos ocupados por macacos;
7

Ponto 5: têm acesso ao bebedouro que fica no centro


Recinto Jaguatirica (Leopardus do recinto.
pardalis), este é ocupado por duas fêmeas e • Ponto12:
um macho. Caixa geral de distribuição.
Ponto 6:
Recinto Leão (Panthera leo), neste A água foi coletada nos referidos
habita um leão macho. pontos em frascos esterilizados com todos os
Ponto 7: cuidados de assepsia que esse tipo de prática
Recinto Arara (Ara ararauna), nesta requer, para em seguida ser transportado até
baia está instalado um casal de Araras o laboratório em caixas de isopor com gelo.
Canindé. As análises foram realizadas no
Ponto 8: Laboratório de Análises de Água do DMAE
Recinto Pavão, neste encontram-se – Departamento Municipal de Água e
nove Pavões, de espécies variadas e também Esgoto da Prefeitura Municipal de
três Mutuns (Crax fasciolata). Uberlândia – MG. Os exames
Ponto 9: microbiológicos foram conduzidos de
Recinto Ouriço Cacheiro (Coendou acordo com as técnicas indicadas pelo
prehensilis), aí vivem dois animais, um LANARA (1992) e os testes físico-químicos
casal, o bebedouro é localizado no centro da seguiram os modelos do APHA (1976).
baia. RESULTADOS E DISCUSSÃO
Ponto 10: Os resultados obtidos por esse
Lagoa dos Patos, está ao norte da trabalho foram analisados segundo a
nascente e abriga várias espécies de pássaros Resolução Número 20 do CONAMA –
aquáticos, como patos, gansos e cisnes; Conselho Nacional do Meio Ambiente, que
Ponto 11: as classifica como água doce, classe 1,
Recinto Tigre d’água (Trachemys destinadas ao consumo humano e/ou animal
elegans), neste, além dos Tigre d’água, e a qualquer uso mais exigente quanto a sua
vivem também Cutias Amarelas qualidade. Dessa forma os limites
(Dasyprocta azaroe) e um Lagarto Teiú estabelecidos pela respectiva Portaria estão
(Tupinambis merrionoe), sendo que todos explicitados no Quadro 1.
8

Quadro 1 – Limites estabelecidos pela Resolução N° 20 do CONAMA, para águas doces, classe
01.

Parâmetro Unidade Valor Máximo Permitido


pH ---- 6,0-9,0
Cor uH N.C.A.
Turbidez NTU 40
Cloreto mg/L 250
Sulfato mg/L 250
Nitrito mg/L 1,0
Nitrato mg/L 10
Coliformes totais UFC/100mL 1.000
Coliformes fecais UFC/100mL 200

NTU - Unidade Nefelométrica de Turbidez. N.C.A – Não Característico da Amostra.


UFC - Unidade Formadora de Colônia.

Analisando os resultados, foi


Os Quadros 2 e 3 mostram os
constatado que a contagem de Coliformes
resultados obtidos nas análises
totais variou na faixa de 0,0 a
microbiológicas, nos doze pontos de coleta
104UFC/100mL (Quadro 2), enquanto a
investigados no zoológico do Parque Sabiá,
contagem de Coliformes fecais variou de 0,0
de junho de 2003 a março de 2004,
a 103UFC/100mL (Quadro 3). A contagem
abrangendo tanto tempo chuvoso como
de Coliformes totais foi 10 vezes maior que
tempo seco, bem como os intervalos de
a contagem de Coliformes fecais cujos
variação dos resultados obtidos em cada
resultados são justificados pela abundante
ponto de coleta. Os intervalos de variação
vegetação presente em todo o zoológico
dos resultados foram expressos por
(CAVALCANTE; SILVA; SALGUEIRO,
aproximações estatísticas. Exemplificando, a
1998).
coleta X do ponto 2 apresentou 6x103
Nas contagens de Coliformes totais
UFC/100mL de Coliformes totais, cujo valor
podemos observar que das 120 amostras
foi aproximado para 104 UFC/100mL.
coletadas nos 12 pontos citados acima, 30
delas foram positivas, ou seja 25% conforme
mostra o Gráfico 1.
9

Quadro 2 – Coliformes totais (UFC/100mL) em doze pontos de coleta investigados no zoológico


do Parque Sabiá de junho de 2003 a março de 2004 em Uberlândia -MG.

Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto
Coleta
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

I 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0
II 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 S/E 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0
III 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 >103 >103 0,0
IV 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 S/E 0,0 >103 0,0 0,0
V 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 S/E 0,0 S/E S/E 0,0 S/E S/E
VI 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 S/E 0,0 0,0 0,0 >103 0,0 0,0
VII 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 >103 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 S/E
VIII 0,0 <103 <103 S/E <103 <103 <103 S/E S/E S/E <103 S/E
IX <103 <103 2x104 104 2x103 <103 4x103 0,0 2x103 104 0,0 0,0
X 0,0 6x103 <103 <103 <103 <103 3x103 5x103 3x103 5x103 <103 S/E

Variação 0 - 103 0 - 104 0 - 104 0 - 104 0 - 103 0- >103 0 - 103 0-104 0 - 103 0 - 104 0- >103 ----

S/E – Sem Exame

permitidos pela Resolução N° 20 do


120
CONAMA, de 1986, conforme o Gráfico 2
100
80 demonstra.
120
60
40
20 30
0 30
Quantidade 25
20
Total de Amostras Amostras Contaminadas
30
15
Gráfico 1 – Quantidade de amostras 10
16
5
contaminadas por Coliformes totais nos doze
0
pontos de coleta investigados no zoológico Quantidade

do Parque Sabiá de junho de 2003 a março Amostras Contaminadas


Amostras Fora dos Padrões
de 2004 em Uberlândia - MG.
Gráfico 2 – Quantidade de amostras
contaminadas por Coliformes totais que não
Pode-se também constatar que dessas
atendem a Resolução N°20 do CONAMA,
30 amostras consideradas positivas, apenas 1986.
16 delas estão acima dos valores máximos
10

Quadro3 – Coliformes fecais (UFC/100mL) em doze pontos de coleta investigados no zoológico


do Parque Sabiá de junho de 2003 a março de 2004 em Uberlândia - MG.

Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto
Coleta
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

I 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0
II 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0
III 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 3x102 0,0 0,0
IV 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 3x102 0,0 0,0
V 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 S/E 0,0 S/E S/E 0,0 S/E S/E
VI 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 S/E 0,0 0,0 0,0 4x102 0,0 0,0
VII 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0
VIII 0,0 <102 2x102 S/E 6x102 0,0 <102 S/E S/E S/E 6x102 S/E
IX 0,0 <102 103 9x102 103 0,0 S/E 0,0 2x102 3x103 0,0 0,0
3 2 2 2 3 3
X 0,0 3x10 0,0 6x10 2x10 < 10 3x10 3x10 103 4x103 8x102 S/E

Variação --- 0 - 103 0 -103 0 - 103 0 - 103 0 - 102 0 - 103 0 - 103 0 - 103 0 - 103 0 - 103 ---

S/E – Sem Exame

Observou-se também que o maior 120

índice de contaminação por Coliformes 100

80
totais se deu no Ponto 10, o que pode ser
60 120
explicado levando-se em conta as
40
características do recinto, que é formado por
20
uma lagoa, onde vivem muitas espécies de 23
0
Quantidade
aves aquáticas, dessa forma a água desse
Total de Amostras Amostras Contaminadas
recinto fica passível à contaminação por
esses animais. Gráfico 3 – Quantidade de amostras
contaminadas por Coliformes fecais nos
Nas contagens de Coliformes fecais, doze pontos de coleta investigados no
pode-se observar que de todas as análises zoológico do Parque Sabiá de junho de 2003
a março de 2004 em Uberlândia - MG.
realizadas, que foram 120, somente 23 delas
apresentaram resultados positivos, ou seja,
Dessas 23 amostras ditas positivas,
aproximadamente 19% (Gráfico 3).
19 delas estão em desacordo com o
CONAMA (1986). (Gráfico 4).
11

pode ser explicado pela abundante vegetação


25
ciliar à sua volta.
20

15 23 Observa-se, desta forma, que os


19
10 focos de contaminação microbiológica na
5
água de uso do Parque Sabiá estão
0
Quantidade
relacionados diretamente com as
Amostras Contaminadas
características de cada recinto, bem como os
Amostras Fora dos Padrões
hábitos dos animais ali instalados, que
Gráfico 4 – Quantidade de amostras
contaminadas por Coliformes fecais que não podem influenciar na contaminação desta
atendem a Resolução N°20 do CONAMA, água, como, por exemplo, o ato de ciscar ao
1986.
redor do bebedouro, que acontece nos
Pontos 7 e 8, recintos Araras e Pavão,
Da mesma forma que nas pesquisas
respectivamente; e também o próprio fato de
de Coliformes totais, o Ponto 10, lagoa dos
defecar dentro d’água, como acontece na
Patos, foi o ponto que demonstrou maiores
lagoa dos patos, Ponto 10. De modo geral,
índices de contaminação por Coliformes
como em todos os recintos os bebedouros
fecais.
ficam no solo, em contato direto com terra,
Dentre os doze pontos analisados,
fezes, urina, capim entre outros agentes
somente o Ponto 12, caixa geral de
contaminantes, é sempre possível que haja
distribuição, não apresentou nenhum tipo de
contaminação por bactérias (KNAP, 1970).
contaminação, o que prova que entre a
Com relação aos testes físico-
nascente e os recintos a água não sofre
químicos, entre todos os parâmetros
contato com os microorganismos em
analisados, somente os testes de pH
questão. Pode-se também dizer que a
demonstraram alteração, ficando sob
nascente, Ponto 1, está praticamente livre de
suspeita a composição geológica do local
contaminação microbiológica, visto que
onde está a nascente do Parque Sabiá. O
dentre as dez amostras coletadas, apenas
Quadro 4 nos mostra todos os valores
uma demonstrou contaminação por
obtidos nas dez coletas realizadas nos doze
Coliformes totais, mesmo assim ficando
pontos investigados no zoológico do Parque
dentro dos padrões estabelecidos pela
Sabiá.
Portaria que rege o assunto, fato que também
12

Quadro 4 – Valores do pH nos doze pontos de coleta investigados no zoológico do Parque do


Sabiá de junho de 2003 a março de 2004 em Uberlândia - MG.

Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto Ponto
Coleta
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

I 5,0 5,5 6,1 5,7 6,1 5,3 5,3 5,4 5,0 6,8 5,8 5,2
II 5,0 5,3 4,8 5,9 5,1 S/E 6,4 5,4 5,2 6,5 5,8 5,0
III 5,0 5,2 6,0 5,9 5,0 6,5 5,5 5,1 5,0 6,9 4,9 5,6
IV 5,4 5,3 5,8 6,0 5,2 6,6 5,4 S/E 5,1 6,5 5,8 6,1
V 5,01 5,11 6,11 5,1 5,7 S/E 6,0 S/E S/E 5,01 S/E S/E
VI 5,2 5,2 6,3 6,1 5,7 S/E 5,9 5,4 5,2 6,3 5,7 5,1
VII 4,6 4,9 5,6 5,44 4,6 5,6 4,8 4,6 4,6 6,4 5,1 S/E
VIII 4,7 4,96 5,81 5,51 5,03 4,67 4,74 4,75 4,73 6,79 5,27 5,66
IX 4,9 4,7 5,1 5,1 4,0 4,7 4,6 4,6 4,7 6,2 2,8 4,8
X 5,0 5,6 6,7 5,6 4,7 4,7 5,1 4,9 4,7 6,3 5,5 S/E

4,6 - 4,7 - 4,8 - 5,1 - 4,0 - 4,67 - 4,6 - 4,6 - 4,6 - 5,01 - 2,8 - 4,8 -
Variação 5,4 5,6 6,11 6,1 6,1 6,6 6,4 5,4 5,2 6,9 5,8 5,66

S/E – Sem Exame

Das 120 amostras coletadas, apenas CONCLUSÕES


22 delas estavam dentro do intervalo de 6,0 a As águas de consumo do zoológico
9,0 indicado pela Resolução N°20 do do Parque Sabiá, apesar de terem
CONAMA de 1986, conforme relata o demonstrado alguns índices positivos de
Gráfico 5. contaminação microbiológica, tanto por
Coliformes totais quanto por fecais, estão

120
relativamente dentro dos padrões
100 estabelecidos pelo Conselho Nacional do
80 120
60 98 Meio Ambiente, sendo que a maioria das
40
20
amostras foram negativas para contagem
22
0 dessas bactérias.
Quantidade
Total de Amostras
Levando em consideração os testes
Amostras Fora dos Padrões
Amostras Normais físico-químicos, essas águas estão fora dos
limites estabelecidos pelo CONAMA, visto
Gráfico 5 – Quantidade de amostras que
ficaram fora dos padrões estabelecidos pelo que aproximadamente 82% delas revelaram
CONAMA, 1986, segundo seus valores de pH abaixo de 6,0, porém esses resultados
pH.
13

podem ser explicados pelas características e Esgoto, a diretoria do Zoológico Municipal


geológicas do local onde se encontra o do Parque Sabiá, ao meu orientador, Noé
Parque do Sabiá. Ribeiro da Silva e ao CNPq pelo apoio
Assim conclui-se que, mesmo a financeiro concedido a esta pesquisa.
nascente estando bem próximo a um canil e
a um bairro residencial e sendo o terreno em REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
questão um declive em direção à nascente, 1. APHA – American Public Health
não houve contaminação por escoamento de Association. Standard Methods for
detritos desse entorno à fonte de água, bem the Examination of Water and
como não houve contaminação do lençol Wastewater. Apha, Awwa, and wpf,
freático em questão. Washington, D.C., 1976.
Os resultados positivos para 2. BERGEY`S MANUAL OF
microbiologia encontrados em algumas DETERMINATIVE
amostras podem ser explicados levando-se BACTERIOLOGY, 8ª ed.
em consideração as características de cada WILLIANS and WILKINS.
recinto e também pelos hábitos de cada Baltimore, 1974.
espécie animal ali instalada. 3. BREWER, S.W.; LUCAS, J.
Contudo, pela importância atrelada a Examination of probable causes of
esse abastecimento de água, não se pode individual water supply
deixar de lado um controle mais minucioso contamination. Journal of
desta. Assim, seria justificada até a Environmental Health, Dayton,
implantação de rede de esgoto neste canil v.44, n.6, p. 305-307, 1982.
próximo à nascente e também a instalação de 4. CAVALCANTE, C.E.M.H; SILVA,
uma Estação de Tratamento de Água dentro V.L; SALGUEIRO, A. A. Avaliação
do Parque, dessa forma haveria um controle Microbiológica da Água do Riacho
mais adequado ao fornecimento de água a Cavouco, Recife – PE. Higiene
esses animais. Alimentar, Recife, v.12, n.57, p. 45-
AGRADECIMENTOS 49, 1998.
Agradeço a todos que auxiliaram 5. CONAMA. Brasil. Ministério do
nesta pesquisa, em especial a diretoria do Meio Ambiente. Conselho Nacional
DMAE – Departamento Municipal de Água do Meio Ambiente. Classificação das
14

águas doces, salobras e salinas do comparison of two methodologies


território nacional. Brasília. DF, and their impacts on public health
1986. regulatory events. Applied and
6. EDBERG, S.C; RICE, E.W.; Environmental Microbiology,
KARLIN, R.J.; ALLEN, M.J. Racine, v. 69, n. 1, p. 92-96, 2003.
Escherichia coli: the best biological 12. KNAP, G. Salmonella and other
drinking water indicator for public enterobacteria group of organism
heath protection. Applied and associated in water. Applied
Environmental Microbiology, Microbiology, Londres, v.24, n.4,
Londres, v.29, p.1245-1325, 2000. p.645-649, 1970.
7. GLEESON, C.; GRAY, N. The 13. LANARA. Brasil. Ministério da
coliforms index and waterborne Agricultura, Abastecimento e
disease. Reino Unido: E & FN Reforma Agrária. Secretaria de
SPON, 1997. 37p. Defesa Agropecuária. Departamento
8. GUERREIRO, G.M. Bacteriologia de Defesa Animal. Métodos de
Especial com interesse em saúde análise microbiológica para
a
pública. Porto Alegre. Sulina, 1984. alimentos. 2 revisão. Brasília. DF,
9. HOFFMANN, F.L.; GARCIA- 1992.
CRUZ, C.H.; VENTURIM, T.M.; 14. LeCHEVALIER, M.W; WELCH,
FAZIO, M.L.S. Qualidade N.J; SMITH, D.B. Full-Scale Studies
microbiológica da água consumida of Factors Related to Coliform
na cidade de São José do Rio Preto – Regrowth in Drinking Water.
SP. Higiene Alimentar, São José do Applied and Environmental
Rio Preto, v. 8, n. 34, p. 36-39, 1997. Microbiology, New Haven, v.62,
10. JAY, J.M. Microbiologia Moderna n.7, p. 2201-2211, 1996.
de Los Alimentos. Zaragoza. 15. LECLERC, H. Microbial agents
Acribia, 1994, 512p. associated with waterborn diseases.
11. KINZELMAN, J; JACKSON, E; Crit. Rev. Microbiol, Lille, v.28,
GRADUS, S; BAGLEY, R. n.4, p.371-409, 2002.
Enterococci as indicators of Lake
Michigan recreational water quality:
15

16. OLIVEIRA, J.S. Salmonella. In:


Bacteriologia Especial. Porto
Alegre. Sulina, v.3, n.1, p.512, 1984.
17. SANAHU, S.S.; WARREN, W.J.;
NELSON, P. Magnitude of pollution
indicator organisms to rural potable
water. Applied And Environmental
Microbiology, Seoul, v.37, p.744-
749, 1979.
18. SPECK, M.L. Compedium of
Methods For the Microbiological
Examination of Foods. Washington,
D.C. American Public Health
Association, Washington, p. 903-
915, 1984.

Você também pode gostar