Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO


DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO
PLANO DE ENSINO

CÓDIGO/DISCIPLINA: BIB03134- Organização de Bibliotecas Escolares em EAD

PRÉ-REQUISITOS DOCENTE: Eliane Lourdes da Silva Moro


Convidada: Prof. Lizandra Brasil Estabel
ETAPA ACONSELHADA: 1ª a 6ª CRÉDITOS/CARGA HORÁRIA: 3 cr/45ha

PERÍODO LETIVO: 2009/2 HORÁRIO: segunda-feira: 18h 30min

NATUREZA: Eletiva

SÚMULA:
Organização de bibliotecas escolares: conceitos, objetivos e funções.
Integração biblioteca-escola-comunidade.
Recursos, atividades e divulgação.

AULAS PREVISTAS PARA O SEMESTRE

Agosto: 03 10 17 24 31

Setembro: 14 21 28

Outubro: 05 19 26

Novembro: 09 16 23 30

Dezembro: 07 14

1 OBJETIVOS
1.1 Geral:
Oportunizar aos alunos de graduação do curso de Biblioteconomia
experiências de aprendizagem através de EAD, trabalhando de forma
compartilhada e cooperativamente com professores e colegas.

1.2 Específicos:
 Capacitar os alunos no uso de recursos da tecnologia da informação na
biblioteca escolar.
 Oportunizar experiências no uso de recursos e serviços na área de
educação à distância via Internet, na área de bibliotecas escolares.
 Propiciar aos alunos conhecimentos na organização dos serviços de
biblioteca escolar.
 Promover a dinâmica do desenvolvimento de atividades de inter-
relacionamento de biblioteca x escola.
 Oportunizar estudos teórico-práticos na organização e funcionamento de
biblioteca escolar.
 Estimular o interesse para o futuro profissional atuar em bibliotecas
escolares.

2 COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

 Conhecimento sobre a estrutura, organização e funcionamento da


biblioteca escolar.
 Desenvolvimento de ações para atuação em biblioteca escolar.
 Conhecimento da legislação no âmbito da biblioteca escolar.
 Capacidade de atuação na comunidade escolar desenvolvendo ações de
integração entre escola, biblioteca e comunidade.

3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

 Conceitos, objetivos e funções da biblioteca escolar.


 Legislação da biblioteca escolar.
 Responsabilidade do bibliotecário no desenvolvimento do ensino, da
aprendizagem e da pesquisa.
 Organização da biblioteca no sistema educacional.
 Relação escola x bibliotecário.
 Relação professor x bibliotecário. Relação usuário x bibliotecário.
 Mediadores de Leitura.
 A pesquisa escolar na biblioteca.
 Leiaute da biblioteca escolar.
 Acessibilidade na biblioteca escolar e as PNEEs.
 A internet e a biblioteca escolar.

4 METODOLOGIA

As aulas serão realizadas através de leituras de textos, discussões e atividades


pedagógicas sobre os temas desenvolvidos. As aulas serão ministradas na
modalidade em EAD mediadas por computador, no ambiente TelEduc, com
realização de atividades síncronas e assíncronas. Além disso, serão
desenvolvidas as seguintes ações pedagógicas:
 Atividades individuais e de grupos
 Aulas mediadas pelo computador no ambiente TelEduc
 Participação de bibliotecários que atuam em bibliotecas escolares
 Atividades de interação e de integração com alunos da Disciplina de
Bibliotecas Escolares da Universidade Federal do Ceará (UFC) através de
atividades síncronas (Bate-papo).
 A Disciplina também será oferecida na modalidade de Curso de Extensão
em EAD com carga horária de 45 horas/aula. Os alunos inscritos que
desejarem receber Certificado de Participação no Curso de Extensão
deverão pagar a taxa do Certificado emitido pela PROREXT.

5 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES •

ATIVIDADES MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS 4


Leituras e discussões do referencial
teórico do conteúdo programático.
X X X X
Discussões.
Aulas mediadas pelo computador no
TeleEduc. Atividades assíncronas e
síncronas. X X X X

Dinâmicas de elaboração de atividades


servindo como objetos de X
aprendizagem.
X

5 EXPERIÊNCIAS DE APRENDIZAGEM

Serão realizados encontros presenciais e a distância, mediado por computador,


sendo um encontro na primeira semana para apresentação da modalidade e
uso das ferramentas tecnológicas do AVA Teleduc e um encontro final
presencial, de encerramento da Disciplina com apresentação do trabalho final e
avaliação da mesma.

O conteúdo programático será trabalhado através de leituras textuais e de


hipertextos, uso de imagens (fotografias), discussões, apresentações de
trabalhos, interação com profissionais da área, entre outros.

Estudo sobre leiaute da biblioteca escolar através de imagens selecionadas


pelo professor e busca dos alunos para ambientes sugeridos.

Apresentação de referencial teórico através de ppt..

Trabalho Final. Seminário de encerramento da Disciplina na modalidade


presencial.

7 RECURSOS

As principais ferramentas utilizadas no desenvolvimento da Disciplina serão:

Agenda:

É a página de entrada do ambiente e do curso em andamento. Traz a


programação das atividades seguindo um cronograma estabelecido e funciona
como uma orientação/informação aos participantes das atividades diárias e/ou
semanais. Lembra ou informa os horários de Bate-Papo (atividade síncrona).

Correio Eletrônico:

caracteriza-se como a correspondência de forma digital enviada pela rede.


Configura um modo de comunicação, possibilita discussões de modo
assíncrono e é bastante eficiente para a interação entre o professor, o monitor
e os alunos. Caracteriza-se como um processo de interação mútua, aonde
cada interagente participante vai se transformando e transformando aos outros
e, ao mesmo tempo, qualificando essa relação construída. É uma das
ferramentas mais utilizadas no Ambiente.

Fóruns de Discussão:

Permite acesso a uma página que contém tópicos que estão em discussão
naquele momento do curso. O acompanhamento da discussão se dá por meio
da visualização de forma estruturada das mensagens já enviadas e, a
participação, por meio do envio de mensagens dos participantes da Disciplina.
Possibilita o recebimento e distribuição de mensagens de todos os
participantes, estabelecendo e permitindo discussão de muitos deles.
Caracteriza-se como interação mútua, onde o processo de comunicação ocorre
através do diálogo que não acontece de forma artificial e mecânica, mas
natural e espontânea. No processo de decodificação/percepção a mensagem é
interpretada, gerando uma nova codificação/expressão, sendo influenciada
com a visão cognitivista de cada agente participante no processo. O tema
proposto para discussão pode ser sugerido pelo professor, monitor ou os
alunos.

Bate-Papo:
Permite uma conversa em tempo-real (síncrono) entre o professor, o monitor e
os alunos da Disciplina. O Bate-Papo é estipulado na primeira aula na
modalidade presencial, combinando-se os horários e sua duração, no dia
estabelecido na matrícula dos alunos.

Perfil:
Trata-se de um espaço reservado para que cada participante do curso possa
se apresentar aos demais de maneira informal, descrevendo suas principais
características, além de permitir a edição de dados pessoais. O objetivo
fundamental do Perfil é fornecer um mecanismo para que os participantes
possam se “conhecer a distância" visando ações de comprometimento entre o
grupo. Além disso, favorece a escolha de parceiros para o desenvolvimento de
atividades do curso (formação de grupos de pessoas com interesses em
comum).

Portfólio:
Cada aluno, o professor e o monitor terão disponível seu Portfólio para
armazenar textos e arquivos utilizados e/ou atividades desenvolvidas no
decorrer da Disciplina. Cada participante pode ver os demais portfólios,
propiciando o compartilhamento das atividades realizadas individualmente ou
em grupos. O professor, o monitor e os colegas poderão comentar sobre a
atividade disponibilizada.
8 AVALIAÇÃO

8.1 Procedimentos

As avaliações serão sistemáticas e contínuas, através de observação


direta, participação e realização das atividades no AVA TelEduc, elaboração e
publicação dos trabalhos solicitados pelo professor em formato eletrônico e
elaboração e aplicação do trabalho final.
Aos alunos que finalizarem o semestre com conceito final D, serão
considerados Reprovados na Disciplina.
As atividades propostas pelo professor e não atendidas ou não
realizadas, o aluno receberá o conceito D.
Os trabalhos e/ou atividades não entregues pelos alunos nas datas
estipuladas pelo professor e postados no ambiente em data posterior, não
concorrem ao Conceito A, a não ser justificado e comprovado o não
atendimento através de Processo encaminhado à COMGRAD/BIBLIO do DCI
com Parecer do Professor.
Alunos que não atingirem 75% de freqüência às aulas ministradas
serão reprovados por FF.

8.2 Critérios

CONCEITOS OBJETIVOS ALCANÇADOS QUALIDADE DE ATINGIMENTO DOS


OBJETIVOS ALCANÇADOS
A PLENAMENTE, COM AVANÇOS EXCELENTE
B PLENAMENTE SUFICIENTE
C PARCIALMENTE SUFICIENTE
D MUITO PARCIALMENTE INSUFICIENTE

8.3 Atividades de Recuperação

No decorrer do semestre o professor realizará a Recuperação


Preventiva, aos alunos que obtiverem conceitos parciais “D”, através de
atividades solicitadas pelo professor que, concomitantemente verificará as
deficiências de aprendizagem quanto ao conteúdo da disciplina.
Ao final do semestre, antes da publicação final dos conceitos pelo
professor, os alunos com conceito final D serão comunicados. Será oferecida a
oportunidade da recuperação terapêutica através de um trabalho final
envolvendo o conteúdo programático de todo o semestre letivo.
Observação: Aos alunos que optarem para receber o Certificado de
participação no Curso de extensão, o aproveitamento será considerado pelo
conceito final obtido na Disciplina.

9 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BLATTMANN, Ursula; CIPRIANO, Aline de Souza. Os Diferentes Públicos e


Espaços da Biblioteca Escolar: da pré-escola à universidade. Disponível em:
<http://www.geocities.com/ublattmann/papers/p12.html>. Acesso em: 17 jan. 2008.

BRASIL. Casa Civil. Lei 10.861, de 14 de abril de 2004. Disponível em: <
https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Lei/L10.861.htm > Acesso
em: 17 jan. 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior.


Resolução 10, de 11 de março de 2002. Disponível em: <
http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/CES102002.pdf >. Acesso em: 17 jan. 2008.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: <


http://www.mec.gov.br/seed/tvescola/ftp/leis/lein9394.doc>. Acesso em: 17 jan. 2008.

BRASIL. Lei n.4.084, de 30 de junho de 1962. Dispõe sobre a profissão de


Bibliotecário e regula seu exercício. Disponível em:
<http://www.crb10.org.br/leidec.htm#4084>. Acesso em: 20 fev. 2008.

BRASIL. Lei n. 9.674, de 25 de junho de 1998. Dispõe sobre o exercício da profissão


de Bibliotecário e determina outras providências. Disponível em: <
http://www.crb10.org.br/leidec.htm#9674>. Acesso em: 20 fev. 2008.

COBRA, Marcos Henrique Nogueira. Estratégias de Marketing de Serviços. 2ed.


São Paulo: Cobra, 2001.

GOMEZ HERNÁNDEZ, J. A. Gestion de Bibliotecas: la planificación y el


marketing. Disponível em:
< www.um.es/gtiweb/jgomez/bibgen/intranet/03gestiona.PDF> Acesso em: 07 mar.
2008.

IFLA/UNESCO. School Library Manifesto. Disponível em:


<http://www.ifla.org/VII/s11/pubs/schoolmanif.htm>. Acesso em: 20 fev. 2008.

MANIFESTO IFLA/UNESCO para Biblioteca Escolar. A Biblioteca Escolar no


Ensino e Aprendizagem para Todos. Disponível em:
< http://www.ifla.org/VII/s11/pubs/portuguese-brazil.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2008.

MANIFEST de la biblioteca escolar. Biblioteconomia i Documentació, Barcelona, n.


5, dic. 2000. Disponível em: <http://www.ub.es/biblio/bid/05manife.htm>.
Acesso em: 20 fev. 2008.

MODELO Flexível para um Sistema Nacional de Bibliotecas Escolares. Brasília:


Comissão Brasileira de Bibliotecas Públicas e Escolares/FEBAB, 1985.
MORO, Eliane L. S.; ESTABEL, Lizandra B.O. Encantamento da Leitura e a Magia da
Biblioteca Escolar. In: Educação em Revista, Porto Alegre: SINEPE, n. 40, v.7, out.
2003.

MORO, Eliane Lourdes da Silva; ESTABEL, Lizandra Brasil; SANTAROSA, Lucila


Maria Costi. O Uso das Tecnologias de Informação e de Comunicação na
Pesquisa Escolar: um estudo de caso com os PNEEs com limitação visual.
Disponível em:
http://www.cinted.ufrgs.br/renote/nov2004/artigos/a10_tecnologias_pnees.pdf. Acesso
em: 20 fev. 2008.

ESTABEL, Lizandra Brasil; MORO, Eliane Lourdes da Silva Lizandra Brasil. A


Pesquisa Escolar Propiciando a Integração dos Atores – alunos, educadores e
bibliotecários - Irradiando o Benefício Coletivo e a Cidadania em um Ambiente de
Aprendizagem Mediado por Computador. Disponível em:
<http://www.cinted.ufrgs.br/renote/mar2004/artigos/03-apesquisa_escolar.pdf>. Acesso
em: 20 fev. 2008.

NEVES, Iara Conceição Bitencourt. Ler e Escrever na Biblioteca. In: NEVES, Iara
Conceição Bitencourt (Org.). Ler e Escrever: compromisso de todas as áreas. Porto
Alegre: Ed. da Universidade, 1998. P.217-227.

RIO GRANDE DO SUL. Assembléia Legislativa do Estado. Constituição do Estado


do Rio Grande do Sul. (Art. 218). Disponível em:
< http://www.al.rs.gov.br/legis/constituicao.htm>. Acesso em: 20 fev. 2008.

RIO GRANDE DO SUL. Assembléia Legislativa do Estado. Lei Estadual n. 8744 de


09 de novembro de 1988. Cria o plano de expansão da rede de bibliotecas de
escolas publicas, estabelece o horário semanal de leitura nas escolas do sistema
estadual de ensino e da outras providencias. Disponível em: <
http://www.al.rs.gov.br>. Acesso em: 20 fev. 2008.

RIO GRANDE DO SUL. Conselho Estadual de Educação. Indicação nº. 33/80, de 04


de junho de 1980. Indica Medidas para a Organização e o Funcionamento de
Bibliotecas em Escolas de 1º e 2º Graus do Sistema Estadual de Ensino. [S.l.]. 1980.
20 p.

RIO GRANDE DO SUL. Conselho Estadual de Educação. Indicação nº. 35/98, de 24


de março de 1998. Acrescenta os Subitens 4.1.3, 4.1.4 e 4.1.5 ao Item 4 da
Indicação CEE n. 33, de 04 de junho de 1980. [S.l.]. 1998. 4 p.

VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N.. Linguagem, Desenvolvimento e


Aprendizagem. 2 ed. São Paulo: Ícone, 1988.