Você está na página 1de 2

O que acontecerá com esta terra... quando Jesus Cristo voltar?

Por Ruy Porto Fernandes

A primeira parte dessa pergunta eu me fiz várias vezes durante a minha vida antes de
me tornar cristão. Eu ouvira que Deus castigara este mundo com dilúvio e que no futuro iria
castigar com fogo. Assim, todos, pecadores e seres que aí vivessem, iriam perecer em meio a
um terrível cataclismo incendiário, que seria o fim de tudo. É claro que tal idéia gerou em
mim forte sentimento contrário à existência de um Deus vingador e à crença de pecado, assim
tomei a decisão de que o pecado não existia e tampouco um Deus que destruiria a terra de tal
forma.

Tempos depois, aos 29 anos, fui convertido pelo Espírito de Deus ao cristianismo e
reconheci que minha decisão estava errada e que o pecado, estado ou ação em que o indivíduo
infringe a lei moral de Deus, realmente existia. Porém, que o perdão ao pecador arrependido é
graciosamente oferecido através do sacrifício vicário do Senhor Jesus Cristo. Assim, resolvido
o entrevero com o pecado, dediquei-me a estudar o conteúdo da Bíblia, no que diz respeito ao
fim do mundo e a vida eterna após a ressurreição dos mortos.

Entretanto, o capítulo 3, versículos 7 e 10, da 2ª epístola do apóstolo Pedro, trouxe-me


novamente a angustia que havia vivido no passado. Pois, se os céus e a terra que conhecemos
serão aniquilados e desfeitos, na volta do Senhor Jesus, qual será o real destino desta terra?

7 Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como
tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios.
10 Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com
grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se
queimarão.

Afinal, o que significa biblicamente este mundo, a terra em que vivemos diariamente e
o céu que descortinamos todas as noites? – Tratam-se do início de uma nova forma de
existência. Forma esta que nunca existiu, mas que foi que sendo paulatinamente moldada por
Deus neste berçário da vida durante todo o tempo de vida evolucionária, que segundo a teoria
de Darwin, é moldada por um processo de adaptação e seleção natural. Sim, a vida tomando
formas por meio de um processo extremamente longo e conflituoso devido à constante
presença desafiadora do Mal, mas que foi o mecanismo e meio que Deus utilizou.

Segundo o relato bíblico da criação, nós não percebemos a extensão dessa longa
tragédia por que somente nos é apresentado um resumo simbólico com ênfase no Deus
criador, incriado. Do livro de Gênesis, no capítulo 1, podemos entender que Elohim, o
Criador, criou o homem à sua imagem, conforme a sua semelhança, com domínio sobre as
outras espécies (Gn 1.26). Portanto, Deus criou o homem à sua imagem, como macho e
fêmea (Gn 1.27). Contudo, no segundo relato da criação, Yahweh Elohim (Gn 2.4) desta terra
(adamah, em hebraico, terra vermelha) formou o homem (Gn 2.7), Adam (Gn 2.19), o
vermelho, o terreno, e de Adam formou a mulher (Gn 2.22), que foi nomeada de Hawa
(vivente, em hebraico) porque era a mãe dos viventes (Gn 3,20). E que para o evangelista
Lucas, Adam é gerado por Deus, portanto, filho de Deus (Lc 3.38).

Também no Gênesis, simbolicamente, tomamos conhecimento que a causa desse


conflito em nossa existência é a presença do Mal – identificado como a serpente (Gn 3.1-24),
que simboliza Satanás (Ap 20.2), e que também é o príncipe deste mundo, para Jesus (Jo
14.30), ou o deus deste século, para Paulo (2Co 4.4) – pois é quem arrasta a criação nesse
doloroso processo evolutivo, e intermediário, por causa da morte (Gn 3.3), da introdução do
pecado pela desobediência do homem (Gn 3.11) e da maldição à terra por causa do seu
comportamento (Gn 3.17).

Contudo, Deus mesmo providencia a solução para este imenso conflito de dimensão
cósmica. Começando no mesmo capítulo 3 do Gênesis, simbolicamente, anuncia que a cabeça
da serpente será esmagada pela semente da mulher (Gn 3.15). E, que a partir daí, e durante o
desenrolar da história da civilização do homem na terra, em várias outras ocasiões, Deus
renova as promessas de salvação e libertação da humanidade, que o Antigo Testamento
registra, culminando com a vida, morte e ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo relatadas
no Novo Testamento.

Então, após a vitória de Jesus Cristo sobre o Mal e sua entronização como Deus e
Senhor (Ap 1; 4; 5). Ele despojou o Mal e o expôs publicamente (Cl 2.15) retendo as chaves
da morte e do inferno (Ap 1.18), conforme o juízo exercido sobre este mundo (do príncipe) e
do próprio príncipe deste mundo, bem como a sua expulsão (do céu) (Jo 12.31; 16.11; Ap
12.9).

Ora, agora vem a magistral solução de Deus para continuar Sua criação neste universo,
que se expande em crescimento acelerado, conforme o Seu propósito inicial, e final, que,
simbolicamente, se situa no primeiro dia da criação, quando o Mal ainda não existia.

No livro do Apocalipse, no capítulo 20, Satanás é feito prisioneiro por mil anos (Ap
20.2) para que seja dado início ao reinado de Cristo. E, onde será o local dessa prisão? – Será
aqui mesmo, nesta terra, nesta galáxia, neste local do cosmo.

Satanás, sendo expulso de todas as outras partes deste universo e do céu, local do Deus
invisível (Cl 1.15), foi lançado aqui terra e nesta região do espaço ocupado por ela (Ap 12.9;
Ef 2.2) para ser aprisionado na volta de Cristo (Ap 20.2), ou seja, após o resgate e
ressurreição dos mortos, o arrebatamento da igreja em perseguição durante a tribulação (Ap
3.10), e o resgate dos salvos vivos, os que foram assinalados e que passarem pela tribulação e
purificação (Ap 7.3-8; 14.6-13; 18.4; 19.9). Portanto, este é o momento do dia do Senhor em
que se cumpre 2º Pedro 3.7 e10.

Assim, nós, os salvos, que seremos retirados desta terra, ressuscitados ou não, porém
purificados, daremos continuidade à criação de Deus em novos céus e novas terras (2Pe
3.13), sob o governo e reinado de Nosso Senhor Jesus Cristo (Ap 20.14). Porque é impossível
que o Senhor Jesus Cristo não tenha, durante os anos que se passaram desde a Sua ascensão, e
até o momento da sua volta, criado muito mais sistemas solares e planetas terras, ou seja,
preparado vários lugares por todo este universo, onde o Mal não mais existe, para que sejam
habitados durante o Seu reinado (Ap 20.14) conforme declara a Sua promessa no Evangelho
do apóstolo João, capítulo 14.

1 “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.”


2 “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito.
Vou preparar-vos lugar.”
3 “E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim
mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. “

Niterói, 10 de junho de 2009.