Você está na página 1de 5
RESPOSTA TÉCNICA

RESPOSTA TÉCNICA

RESPOSTA TÉCNICA
RESPOSTA TÉCNICA
RESPOSTA TÉCNICA

Título

Massa de concreto seca

Resumo

Informações sobre traço para massa de concreto seca.

Palavras-chave

Aditivo para concreto; argamassa; bloco de concreto; traço de concreto

Assunto

Preparação de massa de concreto e argamassa para construção

Demanda

Gostaria de obter informações sobre qual é o traço para massa de concreto seca (farofa) para fabricação de blocos e os aditivos.

Solução apresentada

O concreto é uma mistura dos vários componentes, em determinadas proporções, chamadas

de dosagem ou traço, na linguagem da construção civil.

O traço varia de acordo com a finalidade de uso e com as condições de aplicação. A tabela

seguinte apresenta os traços mais adequados para os principais usos.

Tabela 1 - Traços de concreto

Aplicações cimento

 

Traço

Rendimento por saco

Para base de fundações e metros cúbicos para contrapisos (concreto magro)

 

1

saco de cimento

14 latas ou 0,25

8

latas e meia de areia

11 latas e meia de pedra

   

2

latas de água

Concreto para fundações metros cúbicos

 

1

saco de cimento

9

latas ou 0,16

 

5

latas de areia

 
 

6

latas e meã de pedra

1

lata e meia de água

Concreto para pisos metros cúbicos

 

1

saco de cimento

8

latas ou 0,14

 

4

latas de areia

 
 

6

latas de pedra

1

lata e meia de água

Concreto para pilares, metros cúbicos, vigas, vergas, lajes e produção de pré-moldados

 

1

saco de cimento

8

latas ou 0,14

 

4

latas de areia

 

5

latas e meia de pedra

 

1 lata e um quarto de água

Fonte: (SITE ENGENHARIA.COM.BR., [200-?])

O traço define a proporção dos componentes do concreto simples. Caso seja utilizado o

concreto armado, é preciso definir também a posição, o tipo, a bitola e a quantidade dos

Copyright © Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas - SBRT - http://www.respostatecnica.org.br

1

vergalhões que vão compor a armadura. Essa determinação chama-se cálculo estrutural e deve ser feita, obrigatoriamente, por um profissional habilitado.

Traço de concreto em massa

Considerando um traço de concreto em massa, dado por 1: a: p: x (cimento: areia:pedra: água),

é necessário relacionar cada parcela às propriedades que se deseja obter para o concreto a ser dosado. Em geral, três parâmetros são balizadores para a dosagem: a consistência a coesão e

a resistência à compressão. A consistência se relaciona com os termos do traço através da

relação água-materiais secos (H). A coesão se relaciona com os termos do traço através do teor de argamassa seca (α) e a resistência à compressão (fcj) pela relação água-cimento (x).

A consistência é definida pela relação água/materiais secos (H), que pode ser relacionada com

os termos do traço da seguinte maneira:

H

=

x

100 (%), mas, considerando m= a + p, fica H =

x

100 (%)

 

1 + a + p

1 + m

A coesão3 é definida pelo teor de argamassa seca (α) do concreto. Esta característica

pode ser relacionada com o traço através da expressão a seguir:

α =

1+ a

1 + a + p

x 100 (%) ou α =

1

+ a

1 + m

x 100 (%)

A resistência à compressão, para os mesmos materiais, varia inversamente com a

relação água-cimento (x), de acordo com a equação de Abrams:

fcj = _A_ Bx

Onde:

fcj = resistência à compressão à idade de j dias (MPa);

A

e B = constantes que dependem dos materiais.

x

= relação água-cimento (l/kg);

Com isto, as principais propriedades de interesse no concreto, a consistência, a coesão

e a resistência à compressão, ficam relacionadas com o traço através das características H, α e x, respectivamente. Dado o traço em massa como sendo 1: a: p: x,

Com isso, o traço de concreto (Campiteli, 1993) pode ser expresso em função de suas características H, α e x, que por sua vez se referem às propriedades de interesse, da seguinte

maneira:

Da equação (2), tem-se a =

α x (1 + m) – 1 e, da equação (1), m = 100 . x – 1

100

H

Então, conhecidos os valores de H, α e x, tem-se um traço inicial para o concreto com as propriedades próximas às especificadas, seja pelo projeto estrutural, a resistência à compressão, através de x, seja pelas exigências de execução (consistência e coesão) através de H e de α, respectivamente.

Copyright © Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas - SBRT - http://www.respostatecnica.org.br

2

Tabela 2 - Tabela Consumo de Materiais por m³ de Concreto

Tabela 2 - Tabela Consumo de Materiais por m³ de Concreto Fonte: (SITE ENGENHARIA.COM.BR., [200-?]) Argamassa

Fonte: (SITE ENGENHARIA.COM.BR., [200-?])

Argamassa seca “farofa”

Também uma argamassa de cimento e areia, mas com água o suficiente para que quando apertada com a mão, à superfície dessa massa não apresente nenhum brilho, o que será sinal de excesso de água.

Segundo Souza e Ripper (1998), esta argamassa é utilizada para preencher cavidades maiores que 25 cm, salvo alguns casos, como evitar em revestimentos muito extensos, áreas de difícil acesso ou em cavidades que atravessam o elemento estrutural.

Os trabalhos com este tipo de argamassa devem ser feitos em camadas de no máximo 1 cm, antes do início do processo deve-se garantir uma ponte de aderência entre a argamassa e o concreto original, passando sobre o concreto uma camada de adesivo epóxi, de poliéster ou uma pasta de cimento com adesivo acrílico.

É necessário promover a compactação dessa argamassa com soquete de madeira, pois o

metálico provoca um alisamento da superfície, diminuindo a aderência da próxima camada. A cada duas camadas deve-se encunhar brita com o soquete até penetrar totalmente na argamassa, promovendo o transbordo do excesso de argamassa. O acabamento do reparo deve ser feito com desempenadeira de madeira, promovendo a cura em seguida.

O traço desse tipo de argamassa, de acordo com Bezerra (1998), pode ser o mesmo traço do concreto original, sendo que a brita conforme foi dito anteriormente deve ser encunhada na argamassa.

É importante observar se não surgem fissuras de retração nesta argamassa, para

que isso não ocorra, Bezerra (1998) indica o uso de aditivos expansivos e promover a cura por 5 dias.

Existem diversos processos para calcular a composição de materiais a empregar na mistura, o que se denomina traço de concreto. Os cálculos são baseados em relações experimentais aproximadas, devendo-se sempre confirmar o traço pela observação visual da plasticidade obtida na mistura, e pela resistência dos corpos-de-prova.

O traço calculado deverá ser corrigido se for verificado que a plasticidade do concreto fresco é

insuficiente ou excessiva.

Existem no banco de informações do SBRT, Respostas Técnicas que trazem informações a respeito de aditivos e traço para concreto.

Para visualizar os arquivos referentes a traço para concreto e aditivos, acesse o site <www.respostatecnica.org.br> clique em “Banco de Respostas” ou “Banco de Dossiê”, realize a busca utilizando o Código da Resposta ou Código do Dossiê e clique no ícone buscar.

Sugere-se a leitura das seguintes Respostas Técnicas:

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Traço para concreto celular. Resposta elaborada por: José dos Anjos Soares Júnior. Salvador: RETEC, 2010. (Código da Resposta:

16364).

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Bloco de concreto. Resposta elaborada por: Joel Loureiro. Manaus: SENAI/AM, 2010. (Código da Resposta: 16336).

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Procedimentos para melhorar a resistência MPa de blocos de concreto. Resposta elaborada por: Edésio Rodrigues Alvarenga Júnior. Belo Horizonte: CETEC, 2009. (Código da Resposta: 15582).

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Aditivos para concreto. Resposta elaborada por: Tiago Alves Mesquita. Brasília: CDT/UnB, 2008. (Código da Resposta: 13211).

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Processo e traço para fabricação de bloco de concreto convencional. Resposta elaborada por: Fernando Gusman Brandão. Belo Horizonte: CETEC, 2008. (Código da Resposta: 9169).

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Microconcreto. Resposta elaborada por: Gabriela Saud Rezende Melo. Belo Horizonte: CETEC, 2007. (Código da Resposta: 5879).

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Fabricação de blocos e bloquetes. Resposta elaborada por: Vânia Maria Corrêa de Campos. Belo Horizonte: CETEC, 2007. (Código da Resposta: 6137).

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Dosagem de materiais necessários para fabricação de bloco de cimento com 10x20x40 cm. Resposta elaborada por: Arthur Maciel Nunes Gonçalves. Belo Horizonte: CETEC, 2007. (Código da Resposta: 6016).

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Aditivos para concreto. Resposta elaborada por: Larissa Rodrigues Silva e Silvio Souza. Rio Grande do Sul: SENAI, 2006. (Código da Resposta: 3791).

SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS. Normas de blocos de concreto para vedação e estrutural. Resposta elaborada por: Ivo Mezzadri Filho. Curitiba: TECPAR 2006. (Código da Resposta: 3019).

E do Dossiê Técnico:

Copyright © Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas - SBRT - http://www.respostatecnica.org.br

4

SERVIÇO BRASILEIRO DE REPOSTAS TÉCNICAS. Principais pisos utilizados na construção civil. Dossiê elaborado por: Cristine Canaud. Rio de Janeiro: REDETEC, 2007. (Código do Dossiê: 165).

Fontes consultadas

CAMPITELI, Vicente Coney. Concreto de cimento portland: um método de dosagem. Revista Engenharia Civil, Paraná, Universidade Federal de Ponta Grossa, n. 20, maio de 2004.

Disponível em: <http://www.civil.uminho.pt/cec/revista/Num20/Pag%205-16.pdf>. Acesso em:

12 maio 2010.

CONSTRUINDO. Concreto. [S.l], [200-?]. Disponível em:

<http://www.construindo.com.br/editorial/et/diversos.html>. Acesso em: 12 maio 2010.

SITE ENGENHARIA.COM.BR. Tabela: Dosagem do concreto. Minas Gerais, [200-?].

Disponível em: <http://www.sitengenharia.com.br/tabeladosagem.htm>. Acesso em: 12 maio

2010.

SILVA, Erick Almeida da. Técnicas de Recuperação e Reforço de Estruturas de Concreto Armado. São Paulo: Universidade Anhembi Morumbi, 2006. Disponível em:

<http://cursos.anhembi.br/TCC-2006/Trabalhos/tcc-46.pdf>. Acesso em: 12 maio 2010.

Elaborado por

Lorena de Oliveira Silva

Nome da Instituição respondente

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico – CDT/UnB

Data de finalização

12 maio 2010

Copyright © Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas - SBRT - http://www.respostatecnica.org.br

5