Eleny Aparecida de Oliveira

PENSAMENTO LÓGICO MATEMÁTICO: DA HETERONOMIA À AUTONOMIA

“O Raciocínio Lógico é cheio de desafios e prepara o ser humano para o próximo milênio. Até agora tivemos o século das máquinas e da tecnologia. O primeiro século do próximo milênio vai ser o do pensar. Vai vencer aquele que tiver instrumentais, pensamentos lógicos, quem for criativo e inovador.” (Jonofon Sérates)

A matemática no âmbito escolar sempre foi uma disciplina temida, vista pelos alunos sem funcionalidade em seu contexto e pouco compreendida a sua aplicabilidade na vida cotidiana. Por isso, precisa favorecer um ensino e uma aprendizagem significativa, contextualizada; desenvolvendo o raciocínio lógico, a capacidade de compreender, imaginar e extrapolar do aluno. Segundo os PCNS (Brasil, 2001), os alunos já chegam à escola com conhecimentos, ideias e intuições, construídas pelas experiências vivenciadas em seu grupo sociocultural. Trazendo para a sala de aula diferenciadas ferramentas básicas para classificar, ordenar, quantificar e medir, por exemplo. Logo, o ensino da matemática deve ter como referência as experiências cotidianas do aluno, não desprezando as informações que trás de casa. Porém, o professor, não deve limitarse somente a estes conhecimentos prévios do aluno, mas servindo-se deles para novas possibilidades de aprendizagem e conhecimentos. Esta pode vir a ser uma maneira de sedução e encantamento para o saber matemático.
“É importante destacar que a Matemática deverá ser vista pelo aluno como um conhecimento que pode favorecer o desenvolvimento do seu raciocínio, de sua sensibilidade expressiva, de sua sensibilidade estética e de sua imaginação” (PCN's,2001)

O ensino da matemática deve ter como objetivos: desenvolver o raciocínio lógico; estimular a criatividade na busca de estratégias para resolver problemas; instrumentalizar o aluno com ferramentas que aumentem sua motivação para a aprendizagem; favorecendo assim a socialização e as interações do aluno com seu meio físico e social. Segundo Piaget (1976), “O conhecimento lógico-matemático é uma construção que resulta da ação mental da criança sobre o mundo, construído a partir

os valores morais são construídos a partir da interação do sujeito com os vários ambientes sociais em que está inserido e sendo na sua convivência diária. A pedagogia tradicional aplicada nas escolas é uma educação que ignora as experiências e as verdadeiras necessidades dos alunos. onde o professor é o dono do conhecimento e transmite para seu aluno que. acorrentará todo potencial cognitivo. Se o aluno não se comportar. que ela construirá seus valores. não apenas a difusão de conhecimentos. intelectual. sofrerá alguma sanção. que reúne grupos e que oportuniza a interação entre os sujeitos da aprendizagem. é responsável. absorve esses conhecimentos como se fosse uma "tabula rasa". Para Piaget. temos as contribuições de J. pois promovem a padronização do conhecimento. Ainda encontramos. ou seja. Uma escola que não promove a autonomia do aluno estará reforçando heteronomia. desconsiderando a comunicação como uma interação entre sujeitos da aprendizagem. apenas memorizam. escolas sustentadas na ideia de que o professor é o centro do processo educativo. o campo moral desta escola usa a recompensa para os alunos “modelos”. mas só na autonomia – e pela autonomia – se realiza uma verdadeira educação de homens. acreditando que o professor que detém todo saber e que o aluno apenas reproduz o que lhe foi ensinado. mas também no desenvolvimento moral do aluno. Segundo Kamii. principalmente com o adulto. Esta práxis educativa leva a escola a assumir um papel autoritário. e também das ações sobre os objetos”. se falar durante as aulas. Repetindo e reforçando os conteúdos dos livros didáticos tal como estão neles impressos. nos dias atuais. Piaget (1896-1980) para que sejam formulados os conceitos de autonomia intelectual e moral. (Antonio Sérgio) A escola compreendida como um ambiente que promova a socialização. “obedientes” e a punição para os alunos que não estiverem dentro dos parâmetros impostos por ela. passivamente. que transmite aos seus alunos os conhecimentos de modo tradicional. A heteronomia pode ser um processo de domesticação de bichos. social e moral do aluno. sendo aquele que ensina. princípios e . não havendo nenhuma interação aluno-professor.de relações que a criança elabora na sua atividade de pensar o mundo. Nesse sentido.

pois as crianças precisam debater para chegar a um acordo sobre qual é a forma justa de jogar. da afetividade e da moral é acontece progressivamente através de estágios sucessivos. O jogo é. promove-se a autonomia da criança. elas cheguem a assimilar as realidades intelectuais e que. o respeito mútuo. sem isso. pois o jogo constituiu-se em expressão e condição para o desenvolvimento infantil. Segundo Piaget (1976): “.. porque todos eles têm regras e as crianças devem decidir sobre as regras.normas morais. é preciso que ocorra também a interação entre os processos de assimilação e acomodação. o grupo todo aponta as injustiças. os jogos não são apenas uma forma de desafogo ou entretenimento para gastar energias das crianças. Isso é governar a si próprio”.. Por isso é primordial o uso dos jogos no contexto escolar. uma assimilação da real à atividade própria. Porém. onde a criança organiza o pensamento e o julgamento. entretanto o início da razão. já que as crianças quando jogam assimilam e podem transformar a realidade.. p. promovem também um clima de discussão e troca entre alunos e professor. (Piaget 1976. sob as suas duas formas essenciais de exercício sensóriomotor e de simbolismo. fornecendo a esta seu alimento necessário e transformando o real em função das necessidades múltiplas do eu. Quando alguém infringe uma regra. Em sua teoria. Kamii diz: “Em um jogo você pode esperar por conflitos e essas situações conflituosas são importantes. favorecendo a sua análise e não simplesmente corrigindo-os ou avaliando o produto final.. Além de sua importância nos intercâmbios afetivos . a internalização de regras. Quando começam a jogar. Piaget acredita que os jogos são essenciais na vida da criança. O desenvolvimento moral ocorre simultaneamente com o desenvolvimento lógico. Jogos em grupo são muito interessantes. O jogo reflete e melhora o progresso da criança na escola. Através dos jogos. Psicologia Genética. pois ajuda na tarefa de consolidação do eu. o raciocínio lógico. portanto. mas meios que contribuem e enriquecem o desenvolvimento intelectual”. pois este além de colaborarem para uma aprendizagem efetiva. permanecem exteriores à inteligência infantil.160). O saber é construído e não imposto de fora. jogando. a fim de que. Piaget defende que a inteligência não é inata. os métodos ativos de educação das crianças exigem a todos que se forneça às crianças um material conveniente. se comprometem com as regras. Por isso.

. O jogo é uma “janela” da vida emocional da criança.das crianças entre elas ou com os adultos significativos (os pais e os professores).

2012. Palavra do Mestre: Raciocínio Lógico-Matemático.3.scribd.pedagogiaaopedaletra. Introdução a história da educação matemática. Revista Nova Escola. São Paulo: Scipione 2001. Disponível em http://www.19. 30 anos após o debate entre piaget e chomsky. Jesus Garcia. Constance. 1999. Maria Ângela. Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. PIAGET. Disponível em: http://coopepe. Jean. Rio de Janeiro. Trabalhando habilidades: Construindo ideias. Disponível em: http://pt.com. 2. 2012. . 2012.São Paulo. Psicol. 1976.Raciocínio Lógico Matemático. Zahar. 3 ed. Edição. Editora Pedagógica Universitária: São Paulo. 2012. São Paulo: Atual. Leninha. Silva. Marques. julho 2008. Grandes Pensadores.com/Raciocinio_Logico-Matematico.doc. MACIEL. Importância do trabalho em grupo. 2001. 1998. O pensamento lógico-matemático.html. [online]. Olhar Psicopedagogo . Vicente E. Veras da.br/ 2011/04/olhar- psicopedagogo-raciocinio-logico.com/watch?v=CUotd2XtWns. Acessado em maio.br/ reunioes/28/textos /gt19/gt19697int. Secretaria da Educação Fundamental . PASCUAL. 1999. VITÓRIA. SOUZA. Parâmetros curriculares.blogspot. Piaget e a inteligência.19.REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ANTUNES. Brasília: A Secretaria. Pedro. GUEDES. Donisete. ISSN 1414-9893.anped. Edição Especial. Acessado em: maio.com/doc/ 2910172/Jean-Piaget-e-a-inteligencia.org. A Formação do Pensamento Lógico Matemático. Acessado em maio.php. Cienc. Autonomia intelectual e moral como finalidade da educação contemporânea. Disponível em: http://leninha-cantinhodosaber. Disponível em: http://www. Disponível em: http://www. O nascimento da inteligência na criança. MIORIM. n. Marco Antonio. Acessado em: 01/05/2008. p.29. n. Teorias da Aprendizagem. Acessado em: maio. MOREIRA. prof. Paulo J. Celso.com/posts/formacao-pensamento-logico- matematico/. NACIONAIS. Ministério da Educação. Acessado em maio. vol. KAMII.youtube. 2012.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful