Você está na página 1de 2

Publicado no O. O.

E,
Em, ( .f I (,',l-r () ')

Secretar'
Processo Te N° 02396/07
Prestação de Contas do Fundo Municipal da
Infância e Adolescência de Campina
Grande - FMIA, exercício de 2006, de
responsabilidade do sr. José Vanildo
Medeiros. Julgamento regular com ressalvas,
Recomendações.

ACÓRDÃO APL TC I DF ~
Vistos, relatados e discutidos os presentes autos do Processo TC N° 02396/07, referente à Prestação
de Contas do Fundo Municipal da Infância e Adolescência de Campina Grande - FMIA, exercício
de 2006, sob a responsabilidade do Secretário Municipal do Meio Ambiente, Senhor José Vanildo
Medeiros, ACORDAM os integrantes do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, à unanimidade, em
sessão plenária, hoje realizada, em: a) julgar regular com ressalvas a mencionada Prestação de Contas;
b) aplicar ao Gestor a multa de R$ 1.500,00 (hum mil e quinhentos reais), nos termos do que dispõe o
inciso II do art. 56 da LOTCE; c) assinar ao mesmo o prazo de 60 (sessenta) dias para efetuar o seu
recolhimento ao Tesouro Estadual, à conta do Fundo de Fiscalização Orçamentária e Financeira
Municipal, cabendo ação a ser impetrada pela Procuradoria Geral do Estado, em caso do não
recolhimento voluntário, com a intervenção do Ministério Público, na hipótese de omissão da PGE, nos
termos do § 4° do art. 71 da Constituição Estadual; d) recomendar ao gestor um melhor planejamento
das finanças do Fundo e a estrita observância das normas legais, contábeis e operacionais, em especial
aos preceitos da LRF e da Resolução Normativa TC n° 07/97.

Assim decidem tendo em vista que a falha relativa à não entrega do balancete do mês de
dezembro se trata de irregularidade relativa a 2007 e não 2006, por situar-se a data [mal de sua entrega
em janeiro de 2007. O fato de a receita arrecadada corresponder a apenas 21,87% da receita prevista no
orçamento demonstra falta de planejamento por parte da administração do Fundo, tendo como
conseqüência um déficit de R$ 4.283,98. Finalmente, a não apresentação do relatório detalhado das
atividades desenvolvidas, isto é, apresentando separadamente os custos envolvidos nos programas,
conforme exigido pelo § I ° do art. 2° da Resolução Normativa TC n° 07/97, impossibilitou a Auditoria
de analisar minuciosamente as ações realizadas pelo Fundo.

Publique-se e cumpra-se. t,

TC - Plenário Min. João Agripino, em Otde

r--------
!L '.. AJ-.,--~,-
I' Procuradora Geral
!J ÀNA RÊSA NÓBREGA à
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
Processo Te N° 02396/07

RELATÓRIO

Tratam os presentes autos do Processo TC N° 02396/07, referente à Prestação de Contas do


Fundo Municipal da Infância e Adolescência de Campina Grande - FMIA, cujo gestor foi o
Secretário Municipal de Assistência Social, Senhor José Vanildo Medeiros, exercício 2006.
O relatório elaborado pela Auditoria deste Tribunal, com base na documentação que compõe os
autos, destaca as seguintes irregularidades:

1. não entrega do balancete do mês de dezembro, implicando em multa de R$ 200,00, nos termos
da resolução TC n" 07/97;
2. falta de planejamento orçamentário, tendo em vista que a receita arrecadada representou apenas
21,87% da receita estimada;
3. o relatório de atividades apresentado não demonstra separadamente os custos envolvidos nos
programas, de acordo com as suas atividades, nos termos da Resolução TC n° 07/97, sugerindo-
se que a atual gestão providencie o aprimoramento do referido relatório evidenciando
informações de caráter gerencial.

Notificado, o interessado não apresentou defesa.


Instado a se manifestar, o Ministério Público Especial, em parecer da lavra da Procuradora
Isabella Barbosa Marinho Falcão opinou pela regularidade com ressalvas das contas, com aplicação de
multa, em virtude da inobservância ao que preceitua a LRF e a Resolução Normativa TC n° 07/97 e
recomendação no sentido de que não sejam repetidas as falhas mencionadas.

É o Relatório.

VOTO

A falha relativa à não entrega do balancete do mês de dezembro representa irregularidade relativa a
2007 e não 2006, por ser o prazo de entrega do mesmo em janeiro de 2007.
O fato de a receita arrecadada corresponder a apenas 21,87% da receita prevista no orçamento
demonstra falta de planejamento por parte da administração do Fundo, tendo como conseqüência um déficit
de R$4.283,98.
A não apresentação do relatório detalhado das atividades desenvolvidas, isto é, apresentando
separadamente os custos envolvidos nos programas, conforme exigido pelo § lodo art. 2° da Resolução
Normativa TC n° 07/97, impossibilitou a Auditoria de analisar minuciosamente as ações realizadas pelo
Fundo.
Pelo exposto, VOTO no sentido de que o Tribunal: a) julgue regular com ressalvas a
Prestação de Contas do Fundo Municipal da Infância e Adolescência de Campina Grande - FMIA,
exercício de 2006, sob a responsabilidade do Secretário Municipal de Assistência Social, Senhor José
Vanildo Medeiros; b) aplique ao Gestor a muita de R$ 1.500,00, nos termos do que dispõe o inciso 11
do art. 56 da LOTCE; c) assine ao mesmo o prazo de 15 (quinze) dias para efetuar o seu recolhimento
ao Tesouro Estadual, à conta do Fundo de Fiscalização Orçamentária e Financeira Municipal, cabendo
ação a ser impetrada pela Procuradoria Geral do Estado, em caso do não recolhimento voluntário
devendo-se dar a intervenção do Ministério Público, n . óiese de omissão da PGE, nos termos do §
4° do art. 71 da Constituição Estadual; d) recome tor um melhor planejamento das finanças
do Fundo e a estrita observância das no egais c t is e operacionais, em especial aos preceitos
da LRF e da Resolução Normativa TC IJI-i••••.••.o;f<-I., _