Você está na página 1de 2

••••••

n ("'l:,
iI>oor'::''-'& ,.~-
~.>

)~"ljlk- ~QR
PROCESSO -TC-02024/07
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
~J~~
Poder Legislativo Municipal. Câmara Municipal de Nova Olinda.
Prestação de Contas Anual relativa ao exercício de 2006.
Regularidade com ressalvas. Atendimento integral às exigências
essenciais da LRF.

RELATÓRIO:
O Processo da Prestação de Contas Anual da Câmara Municipal de Nova Olinda, relativa ao exercício de
2006, sob a responsabilidade da Senhora Maria Eurides Lourenço Araújo, atuando como gestora daquela
Casa Legislativa.
A Diretoria de Auditoria e Fiscalização - Departamento de Acompanhamento da Gestão Municipal 1 -
Divisão de Acompanhamento da Gestão Municipal I (DIAFIIDEAGM IIDIAGM I) deste Tribunal emitiu,
com data de 29/11/2007, o Relatório de fls. 92-97, com base numa amostragem representativa da
documentação enviada a este TCE, cujas conclusões são resumidas a seguir:
1. A PCA foi apresentada no prazo legal e de acordo com a RN- TC-99/9i .
2. A Lei Orçamentária Anual de 2006-LOA, nO 390105 - estimou as transferências e fixou a
despesa em R$ 220.000,00.
3. A Receita Orçamentária efetivamente transferida atingiu R$ 268.482,12, enquanto a Despesa
Realizada no exercício alcançou o valor de R$ 270.574,48.
4. A Despesa total com folha de pagamento do Poder Legislativo atingiu 50,30% das
2
transferências recebidas, cumprindo o art. 29-A, § 1°, da CF .
5. A Despesa total do Poder Legislativo Municipal atingiu 8,06% do somatório da receita
tributária e das transferências efetivamente realizadas no exercício anterior (art. 29-A, inciso I,
daCF\
6. A despesa com pessoal do Legislativo Municipal alcançou o montante de R$ 198.437,79,
representando 4,46% da RCL, abaixo do teto fixado pelo art. 20 da LRF (limite 6%).
7. Com relação à Gestão Fiscal, o Órgão Técnico concluiu pelo atendimento integral aos
preceitos da LRF.
Tendo em vista irregularidades apontadas pela Auditoria, o Relator ordenou a notificação da interessada
respeitando, assim, os princípios constitucionais da ampla defesa e do contraditório, tendo o seu
representante legal trazido aos autos defesa acompanhada de documentos, conforme se verifica às fls.
102-109, cuja análise do Órgão de Instrução (fls. 111-112) concluiu pela reminiscência da seguinte
irregularidade:
Gestão Geral:
1. excesso na remuneração dos Vereadores, sendo o excesso de R$ 340,00 para cada Verea-
dor e R$ 624,00 para a Presidenta da Câmara Municipal.
Instado a se pronunciar, o Ministério Público junto ao TCE emitiu o Parecer nO449/08 (fls. 113/114), da
lavra da Procuradora Geral Ana Terêsa Nóbrega, acompanhando o posicionamento do Órgão Técnico de
Instrução ao afirmar que:
" O aumento concedido deve/ pois/ ser considerado irregular, mas deixo de opinar pela imputação da
quantia em face do ínfimo valor atribuído a cada Edtl.", )
W->

1 Art. 1°. As prestações de contas de Prefeito e da Mesa de Câmara Municipal deverão ser entregues ao Tribunal de Contas em uma única via até 31
de março do exercício seguinte a que se referirem.
2 § 1. A Câmara Municipal não gastará mais de setenta por cento de sua receita com folha de pagamento, incluido o gasto com o subsídio de seus
Vereadores.

3 Art. 29-A. O total da despesa do Poder Legislativo Municipal. incluídos os subsídios dos Vereadores e excluídos os gastos com inativos, não poderá
ultrapassar os seguintes percentuais, relativos ao somatório da receita tríbutária e das transferências previstas no § 5· do art. 153 e nos arts. 158 e
159, efetivamente realizado no exercicio anterior:
1- oito por cento para Municípíos com população de até cem mil habitantes:
PROCESSO TC - 02024/07 f1s.2

Ao final, em razão do exame das contas do exercício de 2006, da Mesa da Câmara Municipal de Nova
Olinda, de responsabilidade da sra. Maria Eurides Lourenço Araújo, manifestou-se o Parquet opinando
pela (o):
1. Irregularidade das contas da Mesa da Câmara Municipal de Nova Olinda, relativas ao
exercício de 2006;
2. Atendimento integral às disposições da Lei de Responsabilidade Fiscal.
O Ministério Público junto a este Tribunal emitiu parecer oral na presente sessão retificando seu
posicionamento anterior, opinando, na presente oportunidade, pela regularidade com ressalvas da
Prestação de Contas Anual, referente ao exercício de 2006, da Câmara Municipal de Nova Olinda, sob a
responsabilidade da Senhora Maria Eurides Lourenço Araújo, atuando como gestora do Poder
Legislativo.
O Relator recomendou o agendamento do processo na pauta desta sessão, determinando as
notificações de estilo.

VOTO DO RELATOR:
Inicialmente se faz necessário destacar o percentual referente à Despesa total do Poder Legislativo
Municipal que atingiu 8,06% do somatório da receita tributária e das transferências efetivamente
realizadas no exercício anterior, ultrapassando o limite máximo legal de 8,00%, acompanho o
posicionamento do Órgão Auditor ao afirmar que a diferença entre o percentual exigido e o alcançado é
irrelevante para provocar o não-cumprimento do Art. 29-A da Constituição Federal",

No tocante ao excesso de remuneração dos Vereadores, irregularidade identificada pelo Órgão Técnico
e única remanescente ao final do processo, acosto-me ao Órgão Ministerial pela não imputação da
quantia em face do ínfimo valor atribuído a cada Edil, sendo de R$ 340,00 no exercício para cada
Vereador, fato este que evidencia um excesso de apenas R$ 28,34 por mês, no caso da Presidenta da
Câmara Municipal temos o valor de R$ 624,00 no exercício, redundando num excesso de apenas R$
52,00 por mês.
Destarte, diante das considerações apresentadas, voto pela (o):
a) Regularidade com ressalvas da prestação de contas relativas ao exercício de 2006;
b) atendimento integral às exigências essenciais da LRF.
DECISÃO DO TRIBUNAL PLENO DO TCE-PB:
Vistos, relatados e discutidos os autos, os Membros do TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA
PARAíBA (TCE-PB), à unanimidade, na sessão realizada nesta data, ACORDAM em:
I. JULGAR REGULAR COM RESSALVAS a Prestação de Contas Anual, relativa ao exercício de
2006, da Câmara Municipal de Nova Olinda, sob a responsabilidade da Senhora Maria Eurides
Lourenço Araújo, atuando como gestora do Poder Legislativo;

11. CONSIDERAR o atendimento integral às exigências essenciais da LRF.


Publique-se, registre-se e cumpra-se.
TCE-Plenário Ministro João Agripino

João Pessoa, :)/l de -+--tif-~~===-- __ de 2008.

Conselheir

\
Conselheiro Fábio Túlio Filgueiras Nogueira
Relator

.v>
Fui presente,

!L,?9
I~Ter~a~
Procuradora Geral do Ministério Público junto ao TCE-Pb