Você está na página 1de 4

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

PROCESSO TC 2.875/06

Prestação de Contas do Instituto de Previdência


e Assistência do Município de Bom Jesus
(IPASB) - Exercício de 2005 - Julga-se
irregular - Aplicação de multa

ACÓRDÃO APL TC N° r ~ /08

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos do Processo TC N°


2.875/06, que trata da Prestação de Contas do Instituto de Previdência e
Assistência do Município de Bom Jesus (IPASB), relativa ao exercício
financeiro de 2005, da responsabilidade da Gestora, Sra. Gilselene Dias
Gonçalves.

CONSIDERANDO que a Auditoria, ao examinar o processo, detectou


as seguintes irregularidades:

1) Não adequação da Lei Previdenciária Municipal às exlqências


impostas pela legislação pertinente, quanto às alíquotas de
contribuição.
2) Ausência de envio ao Chefe do Poder Executivo de solicitação da
alteração da alíquota previdenciária, a fim de adequar-se às
exigências legais;
3) Descumprimento a Resolução STN nO 504/03, no tocante a
identificação das receitas de contribuições;
4) Ausência de classificação, de forma clara, de todos os benefícios
previdenciários concedidos;
5) Balanço Financeiro e Balanço Patrimonial elaborados
incorretamente, sendo este último com a ausência de registro da
dívida para o com o Instituto;
6) Descumprimento do que estabelece o art. 42 da Lei Orgânica do
Tribunal, tendo em vista o não atendimento a Ofício Circular desta
Corte, emitido pela DIAFI, na solicitação de documentos;
7) Ausência de controle da dívida da Prefeitura para com o Instituto;
8) Descumprimento à legislação previdenciária, no tocante à existência
de plano atuarial e da reavaliação atuarial do exercício;
9) Situação irregular com relação a vários critérios de avaliação
exigidos pelo Ministério da Previdência e assistência So .

r~ I; ()

rpV
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
PROCESSO TC 2.875/06

10)Não encaminhamento de extratos bancários nos balancetes


mensais de 2005;
11)E, por fim, divergência entre os valores constantes do Termo de
Conciliação Bancária apresentado no Balancete de Dezembro/2005,
em relação os dos extratos bancários enviados ao Tribunal.

CONSIDERANDO que, apesar de notificados, o Prefeito do Município


de Bom Jesus, Sr. Evandro Gonçalves de Brito, e a Gestora do Instituto de
Previdência, Sra. Gilselene Dias Gonçalves, deixaram esgotar o prazo regimental,
sem apresentar quaisquer esclarecimentos.

CONSIDERANDO que o Ministério Público Especial pugnou pela:

a. Julgamento irregular das contas


b. Aplicação à Gestora Responsável da multa prevista no art. 56 da Lei
Orgânica deste Tribunal;
c. Recomendação à atual gestão do Instituto de Previdência no sentido
de que não incida nas falhas apontadas e reavalie a possibilidade
de ser mantido o Instituto de Previdência Municipal, nos termos da
legislação pertinente;
d. Análise da falha de responsabilidade do Prefeito do Município de
Bom Jesus, quando da apreciação da respectiva prestação de
contas da Prefeitura Municipal.

CONSIDERANDO que a falta de adequação da Lei Previdenciária


Municipal às exigências impostas pela legislação pertinente é falha de
responsabilidade atribuída ao Chefe do Poder Executivo;

CONSIDERANDO que os demonstrativos contábeis apresentados


estão erroneamente elaborados, não espelhando a real situação contábil e
financeira do Instituto, inclusive omitindo a dívida da Prefeitura para com a
Previdência Municipal;

CONSIDERANDO a divergência entre os valores constantes da PCA


e os informados ao Ministério da Previdência;

CONSIDERANDO que o Instituto se encontra em situação irregular


perante o Ministério da Previdência e Assistência Social;

CONSIDERANDO
comento todos os documentos solicitados por este TribU{/,//\ ,p
que não foram apresentados pelo instituto em

2
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
PROCESSO Te 2.875/06

CONSIDERANDO que, no entendimento do Relator, a ausência de


apresentação de defesa pelo Prefeito do Município de Bom Jesus e pela Gestora
do Instituto de Previdência daquele Município, embora notificados, revela desídia
por parte desses gestores;

CONSIDERANDO que o Relator entende haver restado evidente a


inexistência de reservas técnicas financeiras capazes de assegurar a
continuidade do pagamento dos benefícios previdenciários em exercícios futuros,
vislumbrando-se que, a médio e longo prazo, o Instituto de Previdência de Bom
Jesus enfrentará sérios problemas financeiros no custeio de seus beneficiários,
tendo em vista a não utilização de projeções de fluxo de caixa com base em uma
análise atuarial consistente;

CONSIDERANDO o Voto do Relator, os Pareceres da Auditoria e da


Procuradoria Geral, e o mais que dos autos consta;

ACORDAM os membros integrantes do TRIBUNAL DE CONTAS DO


ESTADO DA PARAíBA, em sessão realizada nesta data, por unanimidade de
votos, em:

1. JULGAR IRREGULAR a presente Prestação de Contas apresentada pelo


apresentada pela Senhora Gilselene Dias Gonçalves, Presidente do
Instituto de Previdência e Assistência do Município de Bom Jesus,
relativa ao exercício financeiro de 2005;
2. Aplicar à gestora mencionada, pelo não cumprimento da legislação
previdenciária, multa no valor de R$ 2.805,10, com base no art. 56, inciso
ll, da Lei Orgânica deste Tribunal;
3. Assinar à responsável retrocitada o prazo de 60 (sessenta) dias para o
recolhimento da multa ao Tesouro Estadual à conta do Fundo de
Fiscalização Orçamentária e Financeira Municipal, devendo de tudo fazer
prova a esta Corte de Contas, informando-lhe ainda que, caso não efetue
o recolhimento voluntário, cabe ação a ser impetrada pela Procuradoria
Geral do Estado, devendo-se dar a intervenção do Ministério Público, na
hipótese de omissão da PGE, nos termos do § 4° do art. 71 da
Constituição;
4. Recomendar ao atual Chefe do Poder Executivo Municipal e à atual gestão
do Instituto para que proceda à adequação do sistema previdenciário do
Município de Bom Jesus às normas legais aplicáveis, sob pena de
desaprovação de futuras contas e aplicação das sanções legais cabíveis;

YJ~
j
(3
,
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
PROCESSO TC 2.875/06

5. Determinar a remessa de cópias dos presentes autos ao Ministério Público


Comum para que, diante dos possíveis indícios de condutas delituosas,
tome as providências cabíveis inerentes a sua competência

Presente ao julgamento a Exma. Senhora Procuradora Geral.

Publique-se, registre-se, cumpra-se.

TC - PLENÁRIO MINISTRO JOÃO AGRIPINO

João Pessoa, .11 de li/V i'),lttfl 'O de 2008 .

. / '0

' V1~1/
810 ALVES VIANA ( É MARQÚES MARIZ
s Iheiro Presidente Conselheiro Relator
~

!/\.-::::-:.J----
- C'"
. ANA TERESA rw-8REG
.r:G1r-
Procuradora-Geral