Você está na página 1de 3

;" uo.

' \'Ica dO""'"


o no . U, c
~m,.2L1 I,i! í: ,~

PROCESSO TC nO03.946/07

Objeto: Análise de Termos de Parcerias


Órgão: Prefeitura Municipal de Lucena

Análise da legalidade de 05 (cinco) Termos de Parcerias,


firmados entre o Município de Lucena e a OSClP
CEGEPO. Exercício 2006. Julgam-se Irregulares. Aplica-
se Multa.

Vistos, relatados e discutidos os autos do Processo TC n" 03.946/07, referente ao exame da


legalidade de 05 (cinco) Termos de Parcerias, firmados em 02 de janeiro de 2006, entre o município de
Lucena, representado pelo Prefeito, Sr. Antônio Mendonça Monteiro Júnior, e o Centro de Geração de
Empregos - CEGEPO, presidido pelo Sr. Erivaldo Saraiva Feitosa, acordam os Conselheiros membros do
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAÍBA, à unanimidade, em sessão plenária realizada nesta
data, na conformidade do relatório e da proposta de decisão do Relator, em:

a) JULGAR IRREGULARES os 05 (cinco) Termos de Parceiras firmados entre o município de


Lucena, sob a gestão do Prefeito Antônio Mendonça Monteiro Júnior, e o Centro de Geração de
Empregos - CEGEPO, os quais totalizam o valor de R$ 868.392,00 (oitocentos e sessenta e oito mil,
trezentos e noventa e dois reais);

b) APLICAR ao Sr. Antônio Mendonça de Monteiro Júnior, Prefeito do Município, MULTA de R$


2.805,10 (Dois mil, oitocentos e cinco reais e dez centavos), conforme disposto nos incisos 11e III do
art. 56 da LOTCE, concedendo-lhe o prazo de 30 (trinta) dias para recolhimento voluntário ao Fundo
de Fiscalização Orçamentária e Financeira Municipal, consoante art. 3° da RN TC n? 04/2001, sob
pena de cobrança executiva a ser ajuizada até o trigésimo dia após o vencimento daquele prazo,
podendo-se dar a intervenção do Ministério Público, na forma da Constituição Estadual;

c) DETERMINAR o envio de cópia da presente decisão ao DIAGM competente para subsidiar a


respectiva prestação de contas.

Presente ao julgamento a representante do Ministério Público Especial.


Publique-se, registre-se e cumpra-se.
TJPlenáriO MinistroJoãoAgripino,Joãopesso~\mbr~de 2008.

~'1V'.Lf AU~~~lRA FILHO

Fui presente:
Ik CJ-
PJ~curadora ANA TERESA ~
J

REPRESENTANTE DO MINISTÉ~~~Ú~'Ó~o
f-r )
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Processo TC n° 03.946/07

RELATÓRIO

Tratam os presentes autos do exame da legalidade de 05 (cinco) Termos de Parceria, firmado entre o
Município de Lucena, representado pelo Prefeito, Sr. Antônio Mendonça Monteiro Júnior, e a OSCIP
Centro de Geração de Empregos - CEGEPO.

O CEGEPO, fundado em 15. 11.2000, é uma sociedade civil de interesse público, sem fins lucrativos,
de direito privado, situada à rua Professor Othon Paraíso, n° 161, Torreão, Recife PE, de caráter social,
educativo, de saúde básica, técnico, cultural, científico e assistencial, tendo finalidade fundamentada no
desenvolvimento humano.

Os termos firmados, que somados totalizaram R$ 868.392,00, foram:

I) Termo de Parceria I - Operac. do Programa Saúde para Todos, no valor de R$ 217.728,00;


2) Termo de Parceria II - Operacionalização do Programa de Saúde Bucal, no valor de R$ 146.880,00;
3) Termo de Parceria III - Operac. Prog. Agentes Comunit. de Saúde PACS, no valor de R$ 95.040,00;
4) Termo de Parceria IV - Operac. do Programa da Vigilância Ambiental, no valor de R$ 60.480,00;
5) Termo de Parceria V - Operac. do Programa de Ensino Fundamental, no valor de R$ 348.264,00.

Do exame da documentação enviada a este Tribunal, a Unidade Técnica emitiu o relatório de fls. 567/73,
destacando o seguinte:

As atividades a serem desenvolvidas pela OSCIP CEGEPO foram enquadradas nas seguintes hipóteses:
promoção da assistência social; promoção gratuita da educação e da saúde, observando-se a forma complementar de
participação das organizações de que trata essa Lei; defesa, preservação e conservação do meio ambiente e promoção
do desenvolvimento sustentável.

Verificou-se que os Termos de Parceria analisados contém todas as cláusulas essenciais previstas no artigo 10,
§ 2° da Lei n" 9.790/99, entre as quais podemos destacar: a de estipulação das metas e dos resultados a serem atingidos e
os respectivos prazos de execução; a de previsão expressa de critérios objetivos de avaliação de desempenho; a de
previsão de receitas e despesas e serem realizadas com recursos oriundos ou vinculados ao Termo de Parceria; a que
estabelece as obrigações do CEGEPO de apresentar ao Poder Público, ao término de cada exercício, relatório sobre a
execução do objeto; e, ainda, a de publicação na imprensa oficial do extrato do Termo de Parceria e de demonstrativo
da sua execução física e financeira, sob pena de não liberação dos recursos previstos no Termo.

A Unidade Técnica verificou também que foi repassado a OSCIP serviço permanente da Administração
Municipal, os serviços por ela desenvolvidos caracterizam-se como substitutos de mão-de-obra, logo devem ser
escriturados na rubrica de pessoal, consoante artigo 18 da LRF.

Constatou-se por fim, que o total dos Termos de Parceria - R$ 868.392,00, representou cerca de 13% do
orçamento municipal, parcela muito significativa, descaracterizando a complementaridade necessária à contratação de
OSCIP.

Além desses aspectos, foram detectadas algumas irregularidades, ocasionando a notificação do Sr. Antônio
Mendonça Monteiro Júnior, Prefeito do Município, que anexou aos autos sua defesa às fls. 578/612. Do exame dessa
documentação, o Órgão Técnico emitiu novo relatório, entendendo remanescer as seguintes falhas:
Ausência de lei autorizadora habilitando a contratação da OSCIP;
Ausência de lei local disciplinando a contratação de OSCIP;
Ausência do procedimento licitatório anterior ao estabelecimento dos termos de parcerias;
Ausência do ato de criação de comissão de avaliação;
Ausência de autorização para abertura da licitação, art. 38 da Lei n° 8666/93;
Ausência do edital de concurso com os requisitos mínimos;
Ausência da publicidade do aviso da licitação;
As atividades Saúde e Educação são de natureza permanente e final do serviço público municipal, e como tais,
não podem ser repassadas às OSCIP;
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Processo TC n° 03.946/07

Necessidade de prestação de contas do CEGEPO, sob a responsabilidade do Sr. Erivaldo Saraiva Feitosa,
conforme determina o art. 4°, VII da Lei n° 9790/99;
Verifica-se que nos termos de parcerias em epígrafe a administração não respeitou a premissa de
complementaridade imprescindível à utilização dessas organizações no serviço público, uma vez que, o valor
dos termos representa 13% do orçamento geral e, em relação à secretaria de saúde, a relação é de 31%, ou seja,
as atividades transferidas a OSCIP passaram da condição de atividade complementar para principais.

Acrescentou a Unidade Técnica que o postulante não apresentou justificativas pontuais, e alegou que discorda
do valor apresentado pela Auditoria - R$ 868.392,00 -, informando que o gasto com despesas dessa natureza, foi da
ordem de R$ 480.251,89. Por fim, registrou que a prestação de contas suscitada no item 4.10 do relatório exordial
encontra-se inserta nos autos do processo TC n° 02268/07.

Ainda sobre a defesa, foi mencionada a realização da Dispensa de Licitação n° 0112006, cujo objeto
era a contratação da OSCIP. Consultando o SAGRES, A Unidade Técnica não constatou sua existência,
razão pela qual depreende-se a mesma não foi realizada.

No que se refere aos valores efetivamente pagos, consta no SAGRES o valor de R$ 580.251,89, fls.
564/5. E quanto à prestação de contas, a mesma não se encontra nos autos do processo TC n" 2268/07, como
alegado pelo defendente.

Reexaminando os autos, este relator constatou às fls. 582/91: proposta de dispensa de licitação para contratação
da OSCIP no município, Termo de Dispensa de Licitação, pela Comissão, razão da escolha do CEGEPO, Extrato do
Contrato e Homologação da OSCIP CEGEPO, no valor de R$ 1.640.232,00. No entanto não foram apresentadas as leis
autorizando e disciplinando a contratação da OSCIP, não foi constituída a comissão de avaliação (art. 20 do Decreto
3.100/99), não conta o edital de concurso com os requisitos mínimos, não houve a publicação do aviso de licitação e
demais falhas verificadas no relatório inicial.

No presente processo não houve o pronunciamento do MPjTCE.

É o relatório, informando que o interessado foi notificado para ayresente sessão!

PROPOSTA DE DECISÃO

Considerando as conclusões a que chegou a Equipe Técnica, bem como o parecer oral do Ministério Público
Especial, proponho que os Srs. Conselheiros membros do Egrégio Tribunal de Contas do Estado da Paraiba:

a) JULGUEM IRREGULARES os 05 (Cinco) Termos de Parcerias firmados, entre o município de Lucena e o


Centro de Geração de Empregos - CEGEPO, os quais totalizam o valor de R$ 868.392,00;

b) APLIQUEM, ao Sr. Antônio Mendonça Monteiro Júnior, Prefeito do Município, MULTA de R$ 2.805,10
(Dois mil, oitocentos e cinco reais e dez centavos), conforme disposto nos incisos II e II1 do art. 56 da LOTCE,
concedendo-lhe o prazo de 30 (trinta) dias para recolhimento voluntário ao Fundo de Fiscalização
Orçamentária e Financeira Municipal, consoante art. 3° da RN TC n° 04/2001, sob pena de cobrança executiva
a ser ajuizada até o trigésimo dia após o vencimento daquele prazo, podendo-se dar a intervenção do Ministério
Público, na forma da Constituição Estadual;

c) DETERMINEM o envio de cópia da presente decisão ao DIAGM competente para subsidiar a respectiva
prestação de contas. ~--- -""

É a proposta!
ntôni; Gomes Vieira Filho

_1t"'R"")