Você está na página 1de 51

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNAMA

Manual de
Normalização e
Estrutura de Trabalhos
Acadêmicos

BELÉM
2009
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 4
2 ABNT 6
3 NORMALIZAÇÃO 6
3.1 NORMALIZAÇÃO BIBLIOGRÁFICA 6
4 TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS 6
5 APRESENTAÇÃO GRÁFICA (NBR 14724/2006) 7
5.1 FORMATO DO PAPEL 7
5.2 TAMANHO DA FONTE 7
5.3 ESPAÇAMENTO 8
5.4 MARGEM 8
5.5 PAGINAÇÃO 8
6 SUMÁRIO (NBR 6027/2003) 8
7 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA (NBR 6024/2003) 9
7.1 OBJETIVO 9
7.2 SEÇÕES 9
7.2.1 Seções primárias 9
7.2.2 Seções secundárias 9
7.2.3 Seções terciárias 9
7.2.4 Seções quaternárias 9
7.2.5 Seções quinárias 10
8 RESUMO (NBR 6028/2003) 10
8.1 REDAÇÃO 10
8.2 EXTENSÃO 10
8.3 LÍNGUA 10
8.4 PALAVRAS-CHAVE 11
9 CITAÇÕES EM DOCUMENTOS (NBR 10520/2002) 11
9.1 CITAÇÕES DIRETAS 12
9.2 CITAÇÕES INDIRETAS 12
9.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO 13
9.4 CITAÇÃO EM NOTAS DE RADAPÉ 13
9.4.1 Notas de Referência 14
9.5 CITAÇÃO ENFATIZANDO TRECHOS 16
10 ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS (NBR 6023/2002) 17
10.1 MONOGRAFIA 17
10.2 PUBLICAÇÃO PERIÓDICA 18
10.3 DOCUMENTOS JURÍDICOS 18
10.4 DOCUMENTOS EM MEIOS ELETRÔNICOS 19
10.5 ENTREVISTA 20
11 ÍNDICE (6034/2004) 21
11.1 ORDENAÇÃO 21
11.2 APRESENTAÇÃO 21
12 TABELAS E ILUSTRAÇÕES 23
13 ESTRUTURA SUGERIDA PELA ABNT PARA APRESENTAÇÃO DE 24
TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS (NBR-14724/2006)
13.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS 24
13.2 ELEMENTOS TEXTUAIS 25
13.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS 25
14 CONFECÇÃO E MONTAGEM DOS ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS 26
15 ORDEM NA ESTRUTURA DE TRABALHOS ACADÊMICOS 31
15.1 FORMATO E MARGEM 32
15.2 MODELO DE FOLHA GUIA 33
16 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGO 34
16.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS 34
16.2 ELEMENTOS TEXTUAIS 35
16.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS 35
REFERÊNCIAS 37
ANEXOS 38
4

1 INTRODUÇÃO

O Sistema de Bibliotecas da Unama - SBU coloca a disposição de toda a comunidade


acadêmica da instituição e usuários externos o manual de normalização de trabalhos
acadêmicos segundo as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.
Aqui estão reunidas todas as instruções e normas referentes à organização e confecção
de trabalhos acadêmicos, incluindo TCCs, Dissertações, Teses e Artigos.
O objetivo deste manual é ajudar o leitor a formatar e organizar trabalhos dentro dos
padrões da ABNT, que é uma referência nacional de normalização.
As normas consultadas para a elaboração deste manual foram: a NBR 6022/2003 que
estabelece um sistema para a apresentação dos elementos que constituem o artigo em
publicação periódica científica impressa; NBR 6023/2002 que especifica os elementos a
serem incluídos em referências de material utilizado para a produção de documentos e para
inclusão em bibliografias; NBR 6024/2003 que estabelece a numeração progressiva das
seções de documentos escritos; NBR 6027/2003 que estabelece os requisitos para a
apresentação de sumário de documentos; NBR 6028/2003 que estabelece os requisitos para a
redação e apresentação de resumos; NBR 6034/2004 estabelece os critérios para a elaboração
de índices; NBR 10520/2002 especifica as características exigíveis para apresentação de
citações em documentos; e finalmente a NBR 14724/2006 que especifica os princípios gerais
para a elaboração de trabalhos acadêmicos.
6

2 ABNT

Fundada em 1940, a ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o órgão


responsável pela normalização técnica no país, fornecendo a base necessária ao
desenvolvimento tecnológico brasileiro. Tem como objetivo promover a elaboração de
documentos normativos mantendo-os atualizados; colaborar nas atividades relativas à
normalização, fornecendo a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro;
incentivar e promover a participação das comunidades técnicas na pesquisa, desenvolvimento
e difusão da normalização técnica do País.
A ABNT oferece vantagens como: dar clareza aos elementos identificáveis no
documento tanto quem o produz como quem o consome; facilidade em compreender a leitura
do texto; proporciona meios mais eficientes para a troca de informação entre o produtor e o
consumidor; uniformiza os meios de expressão e comunicação entre as partes.

3 NORMALIZAÇÃO

3.1 NORMALIZAÇÃO BIBLIOGRÁFICA


Padronização da apresentação dos elementos bibliográficos constantes em trabalhos
técnico-científicos e estrutura de trabalhos acadêmicos. A Normalização estabelece e aplica
regras com o objetivo de ordenar uma atividade especifica de forma padronizada para trazer
confiabilidade de quem faz e recebe.

4 TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

 Resenha ou fichamento - exposição sobre o conteúdo de uma obra, acompanhada de


uma avaliação crítica.
 Resumo – é uma representação sucinta e objetiva dos pontos relevantes de um texto.
 Artigo científico – texto com produção intelectual individual ou coletiva, que
apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do
conhecimento.
 Paper - Para a ABNT (1989) paper é um pequeno artigo científico, elaborado sobre
determinado tema ou resultados de um projeto de pesquisa para comunicações em congressos
e reuniões científicas, sujeitos à sua aceitação por julgamento.
7

 Original – apresenta temas ou abordagens próprias;


 Revisão – reúne, analisa e discute informações já publicadas.
 Nota Prévia – Texto de extensão reduzida e simples, contendo informações científicas
novas, ou por se tratar de pesquisa em andamento, ou por razões de segurança.
 Relatório técnico-científico – documento que relata os resultados obtidos em uma
pesquisa ou que descreve a situação de uma questão técnico-científica.
 Dissertação – revela a sistematização de conhecimentos já apresentados argumentados
com imparcialidade; de maneira a conduzir o leitor a estabelecer seu próprio argumento.
Destina-se à obtenção do grau acadêmico de mestre.
 Tese – importa em contribuição inédita para o conhecimento. Destina-se à obtenção do
grau acadêmico de doutor.
 Monografia – “documento que representa o resultado de estudo, devendo expressar
conhecimento do assunto escolhido, obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo
independente, curso, programa e outros ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um
orientador. Etimologicamente, significa “trabalho escrito sobre um único tema”

5 APRESENTAÇÃO GRÁFICA (NBR 14724/2006)

5.1 FORMATO DO PAPEL

Os textos devem ser apresentados em papel branco, com formato A4 (21cm x 29,7cm),
digitados no anverso das folhas, com exceção da folha de rosto cujo verso deve conter a Ficha
Catalográfica. A cor da impressão deve ser preta, podendo utilizar cores somente em
ilustrações.

5.2 TAMANHO DA FONTE

Recomenda-se usar no texto tamanho 12. Já o tamanho 10 usa-se nas citações de mais
de três linhas, assim como nas notas de rodapé, paginação e legendas das ilustrações e tabelas.
O tipo de letra adequado para se usar em trabalhos é Times New Roman ou Arial.
8

5.3 ESPAÇAMENTO

Usar preferencialmente espaço 1,5. O fim de uma seção e o cabeçalho da próxima são
separados por 2 espaços de 1,5 entrelinhas. As citações de mais de 3 linhas, as notas de
rodapé, as referências, as legendas das ilustrações e tabelas, a ficha catalográfica, a natureza
do trabalho, objetivo, o nome da instituição a que é submetida a área de concentração devem
ser digitadas em espaço simples. As referências, que ficam no final do trabalho, devem ser
separadas entre si por dois espaços simples.

5.4 MARGEM

O texto deve ser configurado com margem superior e esquerda 3 cm, e inferior e
direita 2 cm.

5.5 PAGINAÇÃO

As páginas são contadas a partir da folha de rosto, mas não são numeradas. As
numerações começam a partir do inicio do texto. Os números da paginação ficam no canto
superior do lado direito da folha em algarismos arábicos. As referências, anexos, apêndices,
glossário e índice devem ser incluídos na numeração seqüencial das páginas do texto
principal.

6 SUMÁRIO (NBR 6027/2003)

É a enumeração das divisões e seções de um trabalho, deve ser apresentado na mesma


ordem e grafia do texto. O Sumário é o último elemento pré-textual
Apresentação do Sumário:
" A palavra sumário deve ser centralizada e com a mesma tipografia utilizada para as
seções primárias (negrito e caixa alta);
" A subordinação dos itens deve ser destacada tipograficamente da mesma forma que se
encontra no texto;
9

" Os elementos pré-textuais não constam no sumário, a numeração começa a partir da


Introdução;

7 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA (NBR 6024/2003)

7.1 OBJETIVO
Permitir através de uma seqüência lógica o inter-relacionamento das seções e
subseções no texto, e ainda, permitir sua localização.

7.2 SEÇÕES
São as partes em que se divide o texto de um documento. O indicativo numérico de
uma seção deve ser separado de um espaço de caractere de seu título. As seções são
classificadas como:

7.2.1 Seções primárias


Principais divisões de um texto (denominadas “capítulos”) e são formatadas em caixa
alta negritadas. Por serem as principais divisões de um texto, devem iniciar em páginas
diferentes.
As seções primárias podem ser divididas em seções secundárias; as secundárias, em
terciárias; as terciárias, em quaternária, etc.

7.2.2 Seções secundárias


É a divisão do texto de uma seção primária. São formatadas em caixa alta sem negrito.

7.2.3 Seções terciárias


È a divisão do texto de uma seção secundária. São formatadas em caixa baixa com
negrito.

7.2.4 Seções quaternárias


É a divisão do texto de uma seção terciária. São formatadas em caixa baixa sem
negrito.
10

7.2.5 Seções quinárias


É a divisão do texto de uma seção quaternária. São formatadas em caixa baixa com
negrito.

8 RESUMO (NBR 6028/2003)

Elemento obrigatório consiste na apresentação concisa dos pontos relevantes de um


texto.

8.1 REDAÇÃO

 Síntese do conteúdo do trabalho, ressaltando o objetivo, método, técnicas de


abordagem, resultados (descobertas) e as conclusões;
 Seqüência de frases afirmativas e não de enumeração dos tópicos;
 Limita-se a um parágrafo sem recuo da margem;
 Uso da terceira pessoa do singular e do verbo na voz ativa;
 Usar linguagem impessoal.

8.2 EXTENSÃO

 De 50 a 100 palavras são destinados a indicações breves;


 Até 100 a 250 palavras são destinados a artigos de periódicos;
 Até 150 a 500 palavras são destinados a trabalhos acadêmicos (teses, dissertações e
outros) e relatórios técnicos-científicos.

8.3 LINGUA

O resumo deve ser na língua do texto, sendo obrigatória sua apresentação em língua
estrangeira, em folha separada com as mesmas características do resumo na língua original do
texto.

 Inglês - Abstract
 Francês - Resumé
11

 Alemão - Zusammenfassung
 Espanhol - Resumen

8.4 PALAVRAS-CHAVE

São termos extraídos do resumo que identificam o conteúdo do documento. Devem ser
colocadas logo abaixo do resumo antecedidas da expressão “Palavras-chave”. São separadas
entre si por ponto e finalizadas também por ponto.

 Inglês – Keywords
 Francês – Mots-clés
 Espanhol – Palabras clave

9 CITAÇÕES EM DOCUMENTOS (NBR 10520/2002)

É a forma de fazer menção em um texto de uma informação colhida em outra fonte


(livro, periódicos, jornais, vídeos, etc.). Os dados da publicação citada devem identificar a
obra de modo a facilitar sua localização. As citações podem aparecer no texto, ou em notas de
rodapé. As regras gerais de apresentação são:

 Quando a citação for no corpo do texto, o sobrenome do autor, a instituição


responsável ou título incluído na sentença devem ser em letras maiúsculas e
minúsculas e, quando estiverem entre parênteses, as letras são maiúsculas;
 Quando a citação for direta, é preciso especificar após a autoria o ano seguido de
virgula e a página da citação. Na citação indireta a indicação da página é opcional;
 As citações diretas de até três linhas devem vir entre aspas duplas no texto. As aspas
simples indicam citação dentro de outra citação;
 As citações diretas, no texto, com mais de três linhas, devem ser destacadas com recuo
de 4 cm de margem esquerda com letra menor que o texto e sem as aspas;
 Quando os dados obtidos forem por informação verbal (palestras, debates, entrevistas)
é preciso informar entre parênteses a expressão “informação verbal”, mencionando-
se os dados disponíveis em nota de rodapé.
12

9.1 CITAÇÕES DIRETAS

São transcrições extraídas do texto consultado, respeitando-se as características


formais.

Exemplos:
Para Darsie (1996, p. 50), “é a avaliação que irá impulsionar o processo de construção
dos conhecimentos no qual o aluno acompanha seu próprio processo de construção, e de
reconstrução, bem como seus ganhos e perdas, sucesso e fracassos.”

“Professores, às vezes, aplicam testes ou provas em um ambiente diferente daquele


usado para o desenvolvimento da aprendizagem.” (PAIVA, 2002, p. 112).

A força da mensagem publicitária é incalculável, uma vez que atinge muitos


leitores/espectadores e terá, assim, muitas leituras de acordo como os interesses de
cada um. Isto porque, ao buscar construir imagem favorável ao produto anunciado,
utiliza arquétipos e símbolos subjetivos, incute hábitos de consumo e manipula
técnicas capazes de identificar as aspirações e os desejos do consumidor/receptor.
(CEZAR; SOUTO, 2003, p. 11).

9.2 CITAÇÕES INDIRETAS

Texto baseado na obra do autor consultado, reproduzindo-se idéias e informações do


documento, sem, entretanto, transcrever as próprias palavras do autor.

Exemplos:
Para Vianna (1976, p. 27), a alocação de que a hegemonia nasce nas fábricas pode ser
confrontada com o conceito de Marx de “submissão real do trabalhador ao capital”.

Moreno (1997) nos mostra que a origem desses núcleos de interesse pode ser
encontrada na cultura grega clássica.
13

9.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO

Transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original, ou


seja, retirada de fonte citada pelo autor da obra consultada. É preciso indicar o autor da
citação, seguido da data e página da obra original, a expressão latina “apud”, o nome do autor
consultado, a data e página da obra onde consta a citação.

Exemplo:
Signo é qualquer coisa de qualquer espécie que represente uma outra coisa,
chamada de objeto do signo, e que produz um efeito interpretativo em uma mente
real ou potencial, efeito este que é chamado de interpretante do signo. (MAGNO,
1998, p. 45 apud SANTAELLA, 2004, p. 8).

9.4 CITAÇÃO EM NOTAS DE RODAPÉ

Aparecem no pé da página do próprio texto. As notas são numeradas seqüencialmente


em algarismos arábicos, sobrescrito (acima da linha). O tamanho da letra e a entrelinha são
menores que o texto.

Exemplos:
“O aprendiz tem a responsabilidade de responder os exercícios, esclarecer suas
dúvidas, e discutir com os colegas virtuais acerca de determinados assuntos.”2
_________________
² Entrevista de Cristiane Alperstedt, transcrita na Revista Melhor, n. 192, p. 42.

A velhice representa para mim, a idade chegada, porque tem que aceitar a velhice
com natureza, porque ao longo dos meus 71 anos e nessa situação que me encontro,
ainda me sinto jovem. Tenho espirito de jovem e não de velha. (T.B.C, informação
verbal).3

___________________________

3 Entrevista de T. B. C. , Belém, 20 de agosto de 2004.


14

“[...] a própria vida pode ser identificada como um contínuo pretender ser, uma tensão
em busca de uma pretensão.” (MACHADO, 2000, p. 1)4
__________________
4
MACHADO, N. Cidadania e educação. São Paulo: Escrituras, 2000.

9.4.1 Notas de Referência

A primeira citação de uma obra, em nota de rodapé, deverá ter sua referência
completa.

Exemplo:
____________________
5
MORIN, Edgar. A ciência total. Folha de São Paulo, 6 set. 1998. Caderno Mais, p. 5-11.

As citações seguintes, usadas da mesma obra, podem ser referenciadas de forma


abreviada, usando as seguintes expressões latinas:

Idem ou Id. (do mesmo autor) – Substitui o nome do autor quando se tratar de obras
diferentes.

Exemplo:
_____________________
6
DINIZ, Maria Helena. Dicionário jurídico. São Paulo: Saraiva, 1998. V. 2.
7
Id. Direito civil: São Paulo: Saraiva, 2002.

Ibdem ou Ibid. (da mesma obra) – Se refere a mesma obra citada anteriormente.

Exemplo:
_____________________
8
BALERA, 1996, p. 76.
9
Ibid., p. 89.
15

Opus citatum ou op. cit. (na obra citada) - Obra citada anteriormente, sem ser a
imediatamente anterior.

Exemplo:
_____________________
10
GOMES, 2003. p. 15.
11
SARAIVA, 2001, p. 26.
12
GOMES, op. cit., p. 20.

Passim (aqui e ali) - Usado para referenciar várias passagens de onde foram retiradas a
idéia do autor, evitando a repetição de páginas.

Exemplo:
_____________________
13
SANTOS, 2001, passim.
14
SANTOS, 2001, p. 18-21 passim.

Confira, confronte (Cf.) - Usada para recomendar a consulta a outras obras ou notas
do mesmo trabalho.

Exemplo:
______________________
15
Cf. CARDOSO, 2004, p. 30.

Loco citado ou loc. cit. (no lugar citado) – Usada para mencionar a mesma página de
uma obra já citada.

Exemplo:
______________________
16
MONTEIRO, 2001, p. 46.
17
MONTEIRO, loc. cit.
16

Sequentia ou et. seq. (seguinte ou que se segue) – Usada quando não se quer citar
todas as páginas das obras referenciadas, seguida apenas da primeira.

Exemplo:
______________________
18
SANTOS, 1999, p. 17 et. seq.

9.5 CITAÇÃO ENFATIZANDO TRECHOS

Para enfatizar trechos da citação, deve-se destacá-los indicando esta alteração com a
expressão “grifo nosso” entre parênteses após a chamada da citação, ou “grifo do autor”,
caso o destaque já faça parte da obra consultada.

Exemplos:

“O papel mais importante do Bibliotecário no século XXI parece ser o de gerenciador


da informação. A importância dessa tarefa pode ser assim colocada: o grande problema
desse século é a superabundância da informação.” (SILVA; CUNHA, 2002, p. 82, grifo
nosso).

As bibliotecas como elementos do sistema educacional necessitam participar


ativamente deste processo, buscando caminhos inovativos e criativos para apoiar a
aprendizagem a distância e principalmente oferecer aos estudantes que optarem por
essa modalidade de ensino oportunidades iguais de acesso às fontes informacionais
como oferecidos aos estudantes do ensino presencial. (BLATTMANN; RADOS,
2001, apud SOUTO, 2002, p. 16, grifo do autor)
17

10 ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS (NBR 6023/2002)

É a representação dos documentos efetivamente citados no trabalho. Fixa a ordem dos


elementos das referências e estabelece convenções para transcrição e apresentação da
informação originada do documento e de outras fontes de informação.

10.1 MONOGRAFIA

" Livro

ARAUJO, Ulisses F. A construção de escolas democráticas: histórias sobre


complexidade, mudanças e resistências. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2002. 158 p.

" Capítulo de livro

ALMEIDA, Alzira Jerônimo de Melo. O professor e a valorização de sua atividade


docente. In: FELTRAN, Regina Célia de Santis. Avaliação na educação superior.
Campinas: Papirus, 2002. p. 45-66.

" Folheto

FERREIRA JUNIOR, Walter. Manual de xadrez para iniciantes: baseado na obra-


prima de Paul Morphy. Divinópolis: Gráfica, 2005. 31f.

" Trabalhos acadêmicos

CARDOSO, Suzana. O Bibliotecário multipresente atuando no ensino a distância via


e-learning. 2004. 76f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia)
– Universidade Federal do Pará, Belém, 2004.

MACIEL, Carlos Alberto Batista. Rito, poder e socialização nos programas de


atendimento aos meninos e meninas de rua. 2000. 112f. Dissertação (Mestrado em
Antropologia Social) – Departamento de Antropologia, Universidade Federal do Pará,
Belém, 2000.
18

" Trabalhos apresentados em eventos


Considerada no todo

CONGRESSO BRASILEIRO DE ASSISTENTES SOCIAIS, 11., 2004, Fortaleza.


Anais... Fortaleza: CFESS, 2004. 368p.

Considerada em parte

PETRELE JUNIOR, Miguel. Pesca na Amazônia. In: SEMINARIO INTERNACIONAL


SOBRE O MEIO AMBIENTE, POBREZA E DESENVOLVIMENTO NA AMAZÔNIA,
5., 1992, Belém. Anais... Belém: Governo do Pará, 1992. p. 72-78.

10.2 PUBLICAÇÃO PERIÓDICA

" Revista no todo

CAMINHOS DA TERRA. São Paulo: Peixes, 2006. Mensal. ISSN 0104 – 1541.

" Artigo de revista

LOPES, Mauricio. Um modelo híbrido. Revista T&D: desenvolvendo pessoas, São


Paulo, v.11, n. 124, p. 40-41, abr. 2003.

" Artigo de jornal

ALVES, Joeldson. Nepotismo chega ao fim no judiciário. O Liberal, Belém, 17 fev.


2006. Painel, p. 1.

10.3 DOCUMENTO JURÍDICO

" Constituição

MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil interpretada. 5. ed. São Paulo: Atlas,
2005.
19

" Emenda Constitucional

BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional nº 45, de 30 de dezembro de


2004. São Paulo: Saraiva, 2005.

" Legislação

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da


educação nacional. LEX: coletânea de legislação e jurisprudência, São Paulo, v. 60, p.
3719-3739, dez. 1996.

" Medida provisória

BRASIL. Medida provisória nº 1.569-9, de 11 de dezembro de 1997. Estabelece multa em


operações de importação, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 dez. de 1997. Seção 1. p. 29514.

10.4 DOCUMENTOS EM MEIOS ELETRÔNICOS

" Documentos consultados na internet

VASCONCELOS, J. L. M. Influência da nutrição sobre performance reprodutiva em


gado leiteiro. Piracicaba: Agripoint, 2001. Disponível em: <http://www.milkpoint.com.br>.
Acesso em: 4 jun. 2001.

" Textos recebidos por e-mail

MUNIZ, Solange J. Cliente satisfeito. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por


<MSN_NewslettersBR@hotmail.com> em 20 fev. 2006.

" Cd-Rom / Dvd / Disquete

BALDASSARINE JUNIOR, Sérgio. A arte na pré-história e na antiguidade. São


Paulo: SBJ Produções, 1997. v.1. (Educação Artística Brasileira e Universal). 1 DVD.

VIEIRA, Cássio Leite; LOPES, Marcelo. A queda do cometa. Neo Interativa, Rio de
Janeiro, n. 2, 1994. 1 CD-ROM.
20

" Artigo de periódico e jornal

CARVALHO, Kátia de. O profissional da informação: o humano multifacetado. Ciência da


Informação, DF, v. 3, n.5, out. 2000. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/out02/Art-
03.htm>. Acesso em: 11 abr. 2003.

PEREIRA, João Carlos. Pará perde Moraes Rego. O liberal, Belém, 20 fev. 2006.
Disponível em: <http://www.orm.com.br>. Acesso em: 20 fev. 2006.

" Evento em meio eletrônico

SOUSA, Thiago Lincka de. Biblioterapia: divulgando o profissional da informação. In:


ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE BIBLIOTECONOMIA,
DOCUMENTAÇÃO, GESTÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 28., 2005, Belém.
Anais... Belém: [s.n], 2005. Disponível em: <http://www2.ufpa.br/enebd/home.htm>.
Acesso em: 20 fev. 2006.

" Documento jurídico

BRASIL. Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o estatuto do idoso e dá


outras providências. Disponível em:
<http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10741.htm>. Acesso em: 20 fev. 2006.

10.5 ENTREVISTA

SOBRENOME DO ENTREVISTADO, Nomes. Título da entrevista. Meio de divulgação.


Local, data. Nota de entrevista.

SPARTI, S. C. M. A mulher em busca de seu espaço. Diário de Sorocaba, São Paulo, 05


abr. 1990. p. 2. Entrevista.

" Informação verbal

WATKINS, M. Ensaios de inglês. Curitiba, 1980. Entrevista concedida a N. H. N. Iwersen


em 30 out. 1980.
21

11 ÍNDICE (NBR 6034/2004)

Conjunto de palavras ou frases, ordenadas segundo determinado critério, que localiza e


remete para as informações contidas em um texto. O índice deve cobrir todas as informações
contidas na obra e deve ser impresso no final do documento, com paginação consecutiva.

11.1 ORDENAÇÃO

 Ordem alfabética;
 Ordem sistemática;
 Ordem cronológica;
 Ordem numérica;
 Ordem alfanumérica.

11.2 APRESENTAÇÃO
 Devem abranger as informações contidas no texto, inclusive as contidas nas notas
explicativas, apêndices e anexos;
 O título do índice deve definir sua função e/ou conteúdo. Exemplos: índice de
assunto, índice cronológico, índice onomástico etc.;
 Em índice alfabético, recomenda-se imprimir, no canto superior externo de cada
página, as letras iniciais ou a primeira e última entrada da página;
 Recomenda-se a apresentação das entradas em linhas separadas, com recuo
progressivo da esquerda para a direita para subcabeçalhos;
 Caso as subdivisões de um cabeçalho se estenderem de uma página para outra, é
necessário acrescentar a palavra “continuação” entre parênteses ou itálico, por
extenso ou abreviada;
 Deve-se evitar o uso de artigos, adjetivos, conjunções etc. no inicio dos cabeçalhos;
 A remissiva ver deve ser elaborada para:

a) termo sinônimo para termo escolhido. Exemplo: Aviação ver Aeronáutica.


b) termo popular para termo científico ou técnico. Exemplo: Sarna ver Escabiose.
c) sigla para nome completo da entidade. Exemplo: UNAMA ver Universidade da
Amazônia.
22

 A remissiva ver também deve ser elaborada para cabeçalhos que se relacionem com
o cabeçalho proposto;
Exemplo: Férias ver também Licença.
 O indicativo dos itens do índice deve ser apresentado por:
a) números extremos, ligados por hífen, quando o texto abranger páginas ou seções
consecutivas.
Exemplo: Violência urbana, 11-18

b) Números separados por vírgula, quando o texto abranger páginas ou seções não
consecutivas.
Exemplo: Violência urbana, 7, 9, 15

NOTA: Não confundir índice com sumário e lista.

ÍNDICE

Catálogo
bibliográfico, 5-7
definição, 3.1.1
on-line, 25, 29

Comunicação
formal, 40-41
informal, 42, 45
processos, 12-13

Informação
explosão, 5-9
fluxo, 10, 15, 20
obsolescência, 60-61, 69
23

12 TABELAS E ILUSTRAÇÕES

As tabelas são apresentadas de acordo com as Normas de Apresentação Tabular do


IBGE (1993).
As Ilustrações podem ser de qualquer tipo (desenhos, esquemas, fluxogramas,
fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros). A
identificação é colocada na parte inferior, diferentemente da tabela, com o nome da ilustração
a que se refere seguida do número da ordem de ocorrência do texto, em algarismos arábicos.
A forma como as tabelas e ilustrações se apresenta será conforme os exemplos abaixo:

Tabela 1 - Movimento diário de usuários do Sistema de Bibliotecas da Unama nos últimos 8 anos.
% %
ANO CONSULTA EMPRÉSTIMO TOTAL CONSULTA EMPRÉSTIMO
2001 89.156 127.452 216.608 41 59
2002 88.455 128.699 217.154 41 59
2003 95.988 145.309 241.297 40 60
2004 87.340 170.622 257.962 34 66
2005 73.441 196.517 269.958 27 73
2006 95.028 274.510 369.538 26 74
2007 304.667 272.098 576.765 53 47
2008 233.597 296.840 530.437 44 56
Fonte: Sistema SABI - SBU

M ovimento diário de usuários do Sistema de Bibliotecas da Unama

80% 74%
73%
Consulta
70% 66%
60%
Empréstimo
59% 59%
60% 56%
53%
50% 47%
44%
41% 41% 40%
40% 34%

30% 27% 26%

20%

10%

0%
2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008

Gráfico 1 - Movimento diário de usuários do Sistema de Bibliotecas da Unama nos últimos 8 anos.
Fonte: Sistema SABI - SBU
24

13 ESTRUTURA SUGERIDA PELA ABNT PARA APRESENTAÇÃO DE


TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS (NBR-14724/2006)

13.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

Capa (obr.) Proteção externa, que reveste o trabalho, geralmente


padronizada pelos cursos.
Lombada (op.) Informações externas do autor, título.

Folha de rosto (obr.) Contêm elementos essenciais ao trabalho: título e subtítulo da


obra; autor; cidade e ano.
Ficha Catalográfica Contêm todas as informações da folha de rosto juntamente
(verso da folha de rosto) com nome da instituição, tipo de trabalho acadêmico, código
de catalogação, etc.
Errata (op.) Elemento eventual, é uma lista das folhas e linhas, onde
ocorreram erros seguidas das devidas correções
Folha de Aprovação (obr.) Contêm os elementos da folha de rosto; data de aprovação e
nome dos membros da banca examinadora.
Dedicatória (op.) Contêm o oferecimento do trabalho a determinada pessoa ou
pessoas, a critério do autor.
Agradecimentos (op.) O autor faz agradecimentos a pessoas e/ou instituições;

Epígrafe (op.) O autor inclui uma citação ou pensamento, desde que seja
relacionado com o texto.
Resumo Nacional (obr.) É a apresentação concisa do texto, destacando os aspectos de
maior interesse e importância;
Resumo Estrangeiro (obr.) É a versão do resumo em português para um idioma
internacional (inglês – Abstracts, em francês – Resumée, ...)
Lista de ilustrações (op.) Recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de
ilustração (quadros, fotografias, gráficos, etc.)
Lista de Tabelas (op.) Elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto.

Lista de abreviaturas e siglas (op.) Consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas
utilizadas no texto.
Lista de símbolos (op.) Elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com
o devido significado.
Sumário (obr.) Inclui as seções e partes em que se divide o trabalho, facilita
a consulta ao documento.
25

13.2 ELEMENTOS TEXTUAIS

Introdução Parte inicial do texto, que apresenta os objetivos da obra,


o método de trabalho ou de pesquisa, etc.
Desenvolvimento Parte principal do texto, que contém a exposição
ordenada do tema enfocado.
Conclusão Parte final do texto, contendo as considerações finais.

13.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

Referências Bibliográficas (obr.) Relação das pesquisas realizadas sobre o tema abordado

Glossário (op.) Lista em ordem alfabética de palavras pouco conhecidas com


os seus devidos significados.
Apêndices (op.) Texto ou documento elaborado pelo autor, acrescentada no fim
da monografia a título de esclarecimento, que pode servir de
apoio ao mesmo;
Anexos (op.) Texto ou documento não elaborado pelo autor, material
adicional no final do texto, que pode servir de fundamentação,
comprovação e ilustração.
Índices (op.) Relação detalhada no final do trabalho incluindo as listas de
autor, título ou assunto.

Obr. (Obrigatório)
Op. (Opcional)
26

14 CONFECÇÃO E MONTAGEM DOS ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

CADA FOLHA REPRESENTA UM ELEMENTO NA COMPOSIÇÃO DO TRABALHO, VEJAMOS:

Capa Folha de Rosto (TCC)

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA Manuela Vieira


(Opcional) Miedja Okada

Autor na forma direta (em


KITSCH OU ARTE PUBLICITÁRIA? A
destaque) – Tam. 14 (neg.) decodificação das artes visuais na
publicidade

TÍTULO Trabalho de Conclusão de


SUBTÍTULO (SE HOUVER) DO curso apresentado à
TRABALHO Universidade da Amazônia
para obtenção do grau de
bacharel em Comunicação
Social.
Orientador: Prof. Ms. Luiz
Cezar.
LOCAL (Cidade)
ANO (Defesa) BELÉM
2005 (defesa)

FOLHA DE ROSTO DE MONOGRAFIA FOLHA DE ROSTO DE DISSERTAÇÃO

Liliana Ferreira da Gama Osvaldo José Pereira de Carvalho

LAZARÓPOLIS DO PRATA: fundação e MEIO AMBIENTE DO TRABALHO:


organização interna: uma obra de Tutela legal e responsáveis por sua
Heraclides Cezar de Souza Araújo (1922- proteção
1923)

Dissertação apresentada
Monografia apresentada à ao programa de Mestrado
Universidade da Amazônia em Direito da Universidade
como requisito para da Amazônia como
obtenção de título de requisito para obtenção do
Especialista em História da título de Mestre em Direito
Amazônia. Orientador: Prof. Dr. José
Orientador:a: Prof. Ms. Cláudio Monteiro de Brito
Eliana Ramos Ferreira Fulho.

BELÉM BELÉM
2004 (defesa) 2005 (defesa)
27

MODELO VERSO DA FOLHA DE ROSTO

V658k Vieira, Manuela


Kitsch ou arte publicitária ? A
decodificação das artes visuais na
publicidade / Manuela Vieira, Miedja Okada
-- Belém, 2005.
117 f.

Trabalho de Conclusão de Curso.


(Graduação) - Universidade da Amazônia,
Centro de Estudos Sociais Aplicados, Curso
de Comunicação Social, 2005.
Orientador: Prof. Msc. Luis Cezar

1. Arte. 2. Publicidade. 3. Artes Visuais.


I. Okada, Miedja. II. Cezar, Luiz. III. Título.

CDD 700

MODELO DE FOLHA DE APROVAÇÃO MODELO DE DEDICATÓRIA (Opcional)

Alda Ângela G. Nery

O BPC – Beneficio de Prestação Continuada:


como instrumento de atenção às necessidades
básicas do portador de necessidades especiais

Trabalho de Conclusão de
Curso apresentado ao curso
de Serviço Social do Centro
de Ciências Humanas e
Educação da Universidade
da Amazônia como requisito
para obtenção do título de
Assistente Social.

Banca Examinadora
________________________
Prof.
________________________
Prof.

Apresentado em: __ / __ / __
Conceito: ___________

BELÉM Aos meus pais.


2006
28

MODELO DE AGRADECIMENTOS MODELO DE EPÍGRAFE


(Opcional) (Opcional)

AGRADECIMENTOS

A Deus pelo dom da vida e a certeza


de meu crescimento profissional.

À minha família, que não pouparam


esforços para eu concluir esse
objetivo.

Ao professor....

Aos amigos...

E a todos aqueles que direta ou


indiretamente contribuíram para este
Uma das tarefas mais
trabalho. importante no processo
educacional, é ensinar
como chegar à
informação.

Edna Lúcia da Silva

MODELO DE RESUMO

RESUMO

Este trabalho irá estudar produtos de diferentes naturezas que


usaram ou, ainda usam, em suas publicidades e na construção
de suas imagens a presença das Artes. Isto será apresentado
estudando os pontos de maior importância de cada escola de
arte e, conectando-os com conceitos vindos da diária experiência
estética e da Semiótica, demonstrando quão presente eles são
em nossas vidas e, especialmente, em nossas mídias, exemplos
de como isto ajuda a construir uma imagem particular e peculiar
da imagem de algum produto, locando-o em uma posição de
distinção em relação a outros produtos.

Palavras-chave: Publicidade. Arte. Estética. Semiótica.


Reprodutibilidade. Comunicação
29

ABSTRACT

This work will study products from different natures that used
or, still use, in their advertisements and in the construction of
their image the presence of Arts. It will be presented studying
the most important topics of each school of art and linking them
with concepts brought from the daily esthetical experience and
from Semiotic, demonstrating how present they are in our lives
and, specially, in our medias, examples of how it helps to
construct a particular and peculiar image of some product,
locating them in a distinguished position from other ones.

Keywords: Publicity. Art. Esthetic. Semiotic. Reproduction.


Communication.

MODELO DE LISTA DE ILUSTRAÇÕES MODELO DE LISTA DE TABELAS


(Opcional) (Opcional)

LISTA DE ILUSTRAÇÕES LISTA DE TABELAS


ILUSTRAÇÃO 1 – Título...................01 TABELA 1 – Título.............................01
ILUSTRAÇÃO 2 – Título...................02 TABELA 2 – Título.............................12
ILUSTRAÇÃO 3 – Título...................03 TABELA 2 – Título.............................34
ILUSTRAÇÃO 4 – Título...................04 TABELA 4 – Título.............................52
ILUSTRAÇÃO 5 – Título...................05 TABELA 5 – Título.............................58
ILUSTRAÇÃO 6 – Título...................06 TABELA 6 – Título.............................66
ILUSTRAÇÃO 7 – Título...................07 TABELA 7 – Título.............................72
30

MODELO DE LISTA DE SIGLAS MODELO DE LISTA DE SIMBOLOS


(Opcional) (Opcional)

LISTA DE SIGLAS
LISTA DE SÍMBOLOS
ABNT – Associação Brasileira de Nor- mas
Técnicas.
α Alfa
ANPAd – Associação Nacional dos Programas
de Pós-graduação em Administração.
β Beta
ANPEd – Associação Nacional de Pós-
graduação e Pesquisa em Educação. © Copyright
CFC – Conselho Federal de Contabilidade.
® Marca registrada
EMERJ – Escola de Magistratura do Estado do
Rio de Janeiro. ] Não fume
HTML – Hypertext Markup Language.
Ω Omega
IBICT – Instituto Brasileiro de Informação em
Ciência e Tecnologia Ê Pare

MADE – Mestrado em Administração e π Pi


Desenvolvimento Empresarial.

OAB – Ordem dos Advogados do Brasil.


UANAMA - Universidade da Amazônia

MODELO DE SUMÁRIO

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 15
2 O QUE É E-LEARNING? 16
2.1 O EAD VIA E-LEARNING 18
2.1.1 As atribuições do aprendiz no EAD 21
2.2 A EDUCAÇÃO CONTINUADA 23
3 FUNÇÃO DA EQUIPE DE EAD 25
3.1 ATUAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO NO EAD 27
3.1.1 Competências e habilidades do Bibliotecário no EAD 29
4 DIREITOS AUTORAIS NA INTERNET 31
4.1 DIREITOS DO AUTOR E PENALIDADES 33
4.2 EAD E DIREITOS AUTORAIS 35
4.2.1 Regulamentação da EAD no Brasil 36
4.2.1.1 Legislações que regem a EAD 38
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 40
REFERÊNCIAS 43
GLOSSÁRIO 46
APÊNDICE 48
ANEXOS 50
INDICE 53
31

15 ORDEM NA ESTRUTURA DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INDICE(S)
Elementos
Pós Textuais ANEXO(S)

APENDICE(S)

GLOSSÁRIO

™ REFERÊNCIAS
Introdução
Desenvolvimento TEXTUAIS
Conclusão
™ SUMÁRIO

LISTA DE SIMBOLOS

LISTA DE ABREV/SIGL.

LISTA DE TABELAS

LISTA DE ILUSTR.

Elementos ™ RESUMO ESTR. Contados e


pré textuais numerados em
™ RESUMO NAC.
algarismos

EPÍGRAFE

AGRADECIMENTOS

DEDICATÓRIA

™ FOLHA DE APROV.
Folha de Aprov. Dedicat. Epigrafe
ERRATA
são elementos sem título e não
numeradas.
™ FOLHA DE ROSTO A folha de rosto, deve ser contada
seqüencialmente, mas não
LOMBADA numerada. A numeração é
colocada, a partir da primeira
™ CAPA folha da parte textual, em
algarismos arábicos, no canto
superior direito da folha. ou seja,
o texto numera-se a partir da
introdução.

™ Elementos obrigatórios
32

15.1 FORMATO E MARGEM

Margem superior 3,0 cm

3,0 cm 2,0 cm

Margem esquerda Margem direita

Margem inferior 2,0 cm


33

15.2 MODELO DE FOLHA GUIA

1 cm
3 cm
2
2 SEÇÃO PRIMÁRIA
2 espaços 1,5
1,25 cm

Parágrafo
3 cm
2 espaços 1,5

2.1 SEÇÃO SECUNDÁRIA

2 cm

2.1.1 Seção terciária


4 cm
Citação longa ( + de 3 linhas)

2.1.1.1 Seção quaternária

2.1.1.1.1 Seção quinária

2 cm
34

16 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGO (NBR 6022/2003)

16.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

 Título e subtítulo

O título e subtítulo (se houver) devem figurar na página de abertura do artigo,


diferenciados tipograficamente ou separados por dois-pontos (: ) e na língua do texto.

 Autor (es)

Nome (s) do (s) autor (es), acompanhados de breve currículo que o (s) qualifique na área
de conhecimento do artigo. O currículo, bem como o endereço postal e eletrônico devem
aparecer em rodapé indicado por asterisco na página de abertura ou, opcionalmente, no final
dos elementos pós-textuais, onde também devem ser colocados os agradecimentos do (s) autor
(es) e a data de entrega dos originais à redação do periódico.

 Resumo na língua do texto

Elemento obrigatório, constituído de uma seqüência de frases concisas e objetivas e não


de uma simples enumeração de tópicos, não ultrapassando 250 palavras, logo abaixo, das
palavras representativas do conteúdo do trabalho, isto é, palavras-chave.

 Palavras-chave na língua do texto

Elemento obrigatório, as palavras-chave devem figurar logo abaixo do resumo,


antecedidas da expressão Palavras-chave:, separadas entre si por ponto e finalizadas também
por ponto.
35

16.2 ELEMENTOS TEXTUAIS

 Introdução

Parte inicial do artigo, onde devem constar as delimitações do assunto tratado, os


objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do artigo.

 Desenvolvimento

Parte principal do artigo, onde devem constar as delimitações do assunto tratado.


Divide-se em seções e subseções, que variam em função da abordagem do tema e do método.

 Conclusão

Parte final do artigo, na qual se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos


e hipóteses.

16.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

 Título e subtítulo em língua estrangeira


O título e subtítulo (se houver) em língua estrangeira, diferenciados tipograficamente ou
separados por dois pontos (:), precedem o resumo em língua estrangeira.

 Resumo em Língua estrangeira


Elemento obrigatório, versão do resumo na língua do texto, para idioma de divulgação
internacional, com as mesmas características (em inglês Abstract, em espanhol Resumem, em
francês Résumé, por exemplo)

 Palavras-chave em língua estrangeira


Elemento obrigatório, versão das palavras-chave na língua do texto para a mesma língua
do resumo em língua estrangeira (em inglês Keywords, em espanhol Palabras clave, em
francês Mots-clés, por exemplo).
36

 Referências (elemento obrigatório)


 Glossário (elemento opcional, elaborado em ordem alfabética)
 Apêndice (elemento opcional)
 Anexo (s) (elemento opcional)
37

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Oderle Milhomem. Elaboração de referências. 2. ed. Belém: Banco da


Amazônia, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6022: informação e


documentação: artigo em publicação periódica científica impressa: apresentação. Rio de
Janeiro, 2003. 5 p.

______. NBR 6023: informação e documentação: referências: apresentação. Rio de Janeiro,


2002. 24 p.

______. NBR 6024: informação e documentação: numeração progressiva das seções de um


documento escrito: apresentação. Rio de Janeiro, 2003. 3 p.

______. NBR 6027: informação e documentação: sumário: apresentação. Rio de Janeiro,


2003. 2 p.

______. NBR 6028: informação e documentação: resumo: apresentação. Rio de Janeiro,


2003. 2 p.

______. NBR 6034: informação e documentação: índice: apresentação. Rio de Janeiro, 2004.
4 p.

______. NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos: apresentação.


Rio de Janeiro, 2002. 7 p.

______. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio


de Janeiro, 2002. 6 p.

______. NBR 14724 Emenda 1: informação e documentação: trabalhos acadêmicos:


apresentação. Rio de Janeiro, 2005. 1 p.

MEDEIROS, Nilcéia Lage de. Fórum de normalização: obra de referência para


Biblioteconomia e Ciência da informação. Belo Horizonte: Fórum, 2006. 73p.
38

ANEXOS

(E X E M P L O S)
39

MODELO DE CAPA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

Maria Célia Santana da Silva

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROFESSORES


DA UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA (UNAMA):
teses e dissertações

BELÉM
2006
40
MODELO DE FOLHA DE ROSTO

Maria Célia Santana da Silva

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROFESSORES DA


UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA (UNAMA): teses e
dissertações

Monografia apresentada à Universidade


Federal do Pará para a obtenção do título de
Especialista em Biblioteca Universitária.
Orientadora: Prof. Dra. Maria Odaísa
Espinheiro de Oliveira.

BELÉM
2006
41
MODELO DE ERRATA

Folha Linha Onde se lê Leia-se


15 7 quixar quaixar-se
21 10 enfiar enviar
... .. ................. ................
... .. ................. ................
37 11 discente docente

MODELO DE FICHA CATALOGRÁFICA

S586p Silva, Maria Célia Santana da


A produção cientifica dos professores da Universidade da
Amazônia (Unama) : teses e dissertações / Maria Célia Santana
da Silva -- Belém, 2006.
47 f.

Monografia (Especialização). Universidade Federal do


Pará, Faculdade de Biblioteconomia, Curso de Especialização
em Bibliotecas Universitárias, 2006.
Orientadora: Profª. Dra. Maria Odaísa Espinheiro de Oliveira

1. Produção Científica – Universidade da Amazônia. 2. Pós-


Graduação-História. I. Oliveira, Maria Odaísa Espinheiro de. II.
Título.

CDD 015.8115
42
MODELO DE FOLHA DE APROVAÇÃO

Maria Célia Santana da Silva

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROFESSORES DA


UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA (UNAMA): teses e
dissertações

Monografia apresentada à
Universidade Federal do Pará para a
obtenção do título de Especialista em
Biblioteca Universitária.
Orientadora: Prof. Dra. Maria Odaísa
Espinheiro de Oliveira.

Banca Examinadora

________________________________
Prof. Dra. Odaísa Espinheiro de Oliveira
Orientadora

_________________________________
Prof. Dr. Hamilton Oliveira

__________________________________
Prof. Ms. Maurila Bentes de Mello e Silva

Apresentado em: ____ / ____ / ____.


Conceito:

BELÉM
2006
43
MODELO DE DEDICATÓRIA

Às minhas filhas, Andreza Carla


e Átila Clivea que muito
contribuíram para o sucesso
deste trabalho.
44
MODELO DE AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTOS

A Deus, que através de sua força divina me deu energia para realização deste
trabalho, diante de muitas dificuldades.

À Prof. Dra. XXXXXXXXXXX, orientadora que contribui muito para a formação


deste trabalho.

Às minhas colegas da equipe YYYYYYYYYYYYY, pela grande compreensão e


paciência nos momentos mais difíceis.

A amiga WWWWWWWWWW que proporcionou parte da pesquisa deste


trabalho.

Ao amigo ZZZZZZZZZZZZZZZZZ, o qual ajudou na finalização desta produção.


45
MODELO DE EPÍGRAFE

Não há liderança sem presença


ativa e pró-ativa.

Édson Franco
46

MODELO DE RESUMO EM LÍNGUA NACIONAL

RESUMO

O estudo realizado para conhecer a quantidade da produção científica dos


docentes da Universidade da Amazônia (UNAMA), no período de 1994 a 2004,
respalda-se na importância da criação de novos conhecimentos, dada a
contribuição dos seus resultados para a sociedade como um todo. Neste aspecto,
foi verificada a produção de 77 teses, 174 dissertações, totalizando 251 produções
em diversas áreas do conhecimento, nas quais a maior incidência é na área das
Ciências Sociais Aplicadas, com temas voltados para o meio ambiente e a
qualidade de vida na Amazônia. Assim, detectou-se o crescimento gradativo do
interesse dos profissionais em desenvolver pesquisas em níveis de Mestrado e
Doutorado, tendo a UNAMA favorecendo, grande parte dessas pesquisas, visando
capacitar e qualificar a seu quadro de professores, e colaborar com o crescimento
da pesquisa científica na Amazônia.

Palavras-chave: Produção Científica. Pós-Graduação na UNAMA.


47

MODELO DE RESUMO EM LÍNGIA ESTRANGEIRA

ABSTRACT

The study accomplished to know the quantity oh the scientific production of


prelecters of Universidade da Amazônia (UNAMA), in the period of 1994 to
2004, it backs in importance of new knowledge’s creation, given the
contribution of their results for the society as one all. In this aspect, it was going
verified the production of 77 Thesis, 174 Dissertations, totalizing 251
productions in several areas of the knowledge, in which the biggest incidence is
in the Applied Social Sciences area, with themes directed to the environment
and life’s quality in Amazonian. Thus, it detected the gradual growth of interest
of professionals in develop researches in Master's levels and Doctorate, having
UNAMA favoring, great part of these researches, aiming enable and to qualify
your teachers' picture. The professionals interest gradual growth in develop
researches in Master's levels and Doctorate, having UNAMA favoring, big part
of these researches, aiming enable and to qualify to your teachers' picture, and
to collaborate with the growth of scientific research in Amazonian.

Keywords: Scientific production. Post graduation in UNAMA.


48

MODELO DE LISTA DE ILUSTRAÇÃO

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Ilustração 1: Modelo de capa de livro Pg.


Ilustração 2: Modelo de folha de rosto ..
Ilustração 3: ..
Ilustração 4: ..
Ilustração 5: ..
Ilustração 6: ..
Ilustração 7: ..
Ilustração 8: ..
Ilustração 9: ..
Ilustração 10: ..
49
MODELO DE LISTA DE TABELAS

LISTA DE TABELAS

Tabela 1: Título da tabela Pg.


Tabela 2: Título da tabela ..
Tabela 3: Título da tabela ..
Tabela 4: Título da tabela ..
Tabela 5: Título da tabela ..
Tabela 6: Título da tabela ..
Tabela 7: Título da tabela ..
Tabela 8: Título da tabela ..
Tabela 9: Título da tabela ..
Tabela 10: Título da tabela ..
50
MODELO DE LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

LISTA DE ABRAVIATURAS E SIGLAS

ABMES Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior


ADVB Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil
ANUP Associação Nacional das Universidades Particulares
AULP Associação das Universidades de Língua Portuguesa.
BASA Banco da Amazônia S/A.
CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
CEAP Centro de Estudos do Amapá
CESEP Centro de estudos Superiores do Pará
CESFE Centro de Estudos Superiores de Formação Específica
CFC Conselho Federal de Contabilidade
CFE Conselho Federal de Educação
CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
CORPAM Comissão Coordenadora Regional de Pesquisas da Amazônia
CRUB Conselho de reitores das Universidades Brasileiras
CRC Conselho Regional de Contabilidade
FAPEAM Fundação de Amparo a Pesquisas do Estado do Amazonas
FAUBAI Fórum de assessorias das Universidades Brasileiras para Assuntos
Internacionais
FGV Fundação Getúlio Vargas
51
MODELO DE SUMÁRIO

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 15
2 O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO 17
2.1 ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES-
18
ALUNOS
2.2 METODOLOGIA 20
2.2.1 Disciplinas do curso 21
2.2.1.1 Participantes do curso 23
3 O CORPO DOCENTE DO CURSO 25
3.1 DESENVOLVIMENTO DO CURSO 26
3.1.1 Postura do educador 28
3.1.2 Problemas encontrados no curso 30
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 32
REFERÊNCIAS 33
GLOSSÁRIO 35
APÊNDICES 36
ANEXOS 38
ÌNDICE 41
52
MODELO DE LISTA DE REFERÊNCIAS

REFERÊNCIAS

ARNHEIM, Rudolf. Arte & percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São
Paulo: Universidade de São Paulo, 1980.

BARTHES, Roland. Análise estrutural da narrativa. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes


Limitada, 1972.

______. Elementos de semiologia.14. ed. São Paulo: Cultrix, 2001.

BRUNO, Marta Regina Pastor. Cidadania não tem idade. Revista do Serviço Social &
Sociedade, São Paulo, v.75. n. 24, p. 74-83, 2003.

CARVALHO, Janete M. A formação do professor e do pesquisador em nível superior


no Brasil. 1992. 164f. Tese (Doutorado em educação) – Faculdade de Educação,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1992.

CONTEXTO BOLETIM. Belém: Banco da Amazônia, v.1, n.1, maio/ago. 1974.

RAUSCH, Rita Buzzi, et al. Formação continuada: em busca do educador reflexivo.


[2001]. Disponível em: <http://www.blumenau.sc.gov.br/educacao/formacao.asp>. Acesso
em: 5 ago. 2004.

REIS, C. F. A ocupação portuguesa do vale amazônico. In: BUARQUE DE HOLANDA,


Sérgio. História geral da civilização brasileira. São Paulo: Difel, 1993. p. 257-272.

VIEIRA, Maria de Nazaré; MATOS, I. R. Planejamento estratégico. 3.ed. [S.l: s.n.],


2002.

WATKINS, M. Ensaios de inglês. Curitiba, 1980. Entrevista concedida a N. H. N.


Iwersen em 30 out. 1980.