Você está na página 1de 17

J.

Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

A reparação civil do dano corporal

"Reflexão jurídica sobre a perícia


médico-legal e o dano dor" ∗

J. Coelho dos Santos∗∗

∗ Artigo públicado na Revista Portuguesa do Dano Corporal, Ano II, N.º 4, pp. 73- 90, Maio de 1994.

∗∗ Advogado. Pós-graduado em Medicina Legal pelo Instituto de Medicina Legal de Lisboa. Sócio
Efectivo da Associação Portuguesa De Avaliação do Dano Corporal.

1
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

Introdução

A temática que nos ocupa mais não será do que beliscada nalgumas questões
que, por razões de ordem prática, entendemos serem agora de maior interesse discutir
no seio da APADAC1. Não podemos, no entanto, deixar de alertar para o que, no
nosso entendimento, seria um verdadeiro estudo sobre o dano dor.
Uma análise profunda sobre este dano implicaria que se procedesse ao estudo
dos danos não patrimoniais, numa vertente actual e histórica e, nesta última
perspectiva, haveria que recuar até data anterior ao Código Civil de 1966, porquanto
já antes deste e, ainda que sem esgotar o conceito, sob a designação de "danos
morais", se tomava em consideração a dor como dano emergente de lesão geradora de
responsabilidade civil. Não ficaria, ainda assim, completo este estudo se não se
tivesse em conta a evolução que as mesmas figuras ou símiles tiveram no direito
comparado.
Na doutrina portuguesa existem numerosos estudos sobre os danos não
patrimoniais, da autoria dos mais ilustres civilistas portugueses. Ainda assim, e ao
invés do que ocorre nos demais países europeus e nos EUA, sobre o estudo
particularizado dos danos não patrimoniais resultantes de lesão corporal com
incidência sobre o físico, o psíquico e a qualidade de vida da pessoa, escasseiam as
monografias.
Muito embora se encontre numerosa jurisprudência no âmbito da
indemnização por danos não patrimoniais e, diga-se em abono da verdade, tenha sido
através desta que se tem recebido e integrado de forma explícita, na cultura jurídica
portuguesa, algumas "novidades" relativas ao dano corporal2, não pode atribuir-se à
jurisprudência o papel de relevo que noutros países tem tido3.
A jurisprudência tem tido uma actuação manifestamente positiva, recebendo e
integrando o impulso inovatório do perito médico-legal, concretizado, especialmente,
através do seu principal instrumento de intervenção judicial: o relatório pericial. Não
tem, quanto a nós, relativamente aos novos conceitos médico-legais e métodos
periciais, efectuado a reflexão crítica que lhe competia, .

1. O texto que se publica corresponde, no essencial, à comunicação proferida na sessão científica da


Associação, de 27 de Novembro de 1993, subordinada ao tema "O dano dor". O assunto que nos ocupou
mereceria, não fora a míngua de tempo, um maior desenvolvimento e, especialmente, a junção de notas
bibliográficas e jurisprudênciais.
2. O conceito de "dano corporal" tem um âmbito mais abrangente do que a literaliedade da expressão
poderá fazer crer, englobando todo o dano físico e psíquico. A preferência desta designação à de "dano
pessoal", comum noutros países, prende-se com a tradição jurídica portuguesa, sendo que as duas
expressões, tomadas na acepção exposta, se identificam.
3. Exemplarmente na França, Reino Unido, Alemanha, Itália e, muito especialmente, nos EUA.

2
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

Entre nós, surpreendentemente, a crítica, a dúvida, a promoção do


diálogo/discussão, da metodologia e dos conceitos médico-legais, no âmbito da
reparação das lesões corporais em direito civil surge, fundamentalmente, no seio da
própria medicina legal4.
O presente artigo situa-se nesse espaço de inter-conexão médico e jurídico que
se designa de medicina legal. É neste âmbito que, ultrapassando um imenso conjunto
de questões pressupostas à análise do dano corporal e, especificamente, do dano dor,
se procurará tratar os aspectos deste último relacionados com a prática dos peritos e a
análise judicial5 do relatório pericial, com vista à valorização médico-legal do dano
corporal em direito civil.
Na sequência desta introdução, delinear-se-à, em traços gerais, o regime
jurídico da responsabilidade civil por danos não patrimoniais e a consequente
obrigação de indemnizar.
Aquele que, com dolo ou mera culpa, violar ilicitamente o direito de outrem,
fica obrigado a indemnizar o lesado pelos danos resultantes dessa violação, devendo
o montante indemnizatório corresponder aos danos causados. Esta é a regra geral
aplicável, independentemente da natureza do dano ser patrimonial ou não
patrimonial.
O ressarcimento dos danos não patrimoniais importa, em regra, a inaptidão
parcial ou total do princípio da reconstituição natural, por impossibilidade de
aplicação, devido à própria natureza dos danos.
Na impossibilidade de reconstituir a situação anterior à lesão ou, quando a
reconstituição natural não repara integralmente os danos (art. 566.º, n.º 1, 1.ª e 2.ª
proposição6), fixa-se uma indemnização em dinheiro, tomando como medida a
diferença entre a situação do lesado na data mais recente que puder ser atendida pelo
tribunal e a que teria se não existissem danos (art. 566.º, n.º 2).

4. É, neste contexto, que se devem louvar os esforços da APADC, ao promover reuniões entre médicos e
juristas, contribuindo para o desenvolvimento duma linguagem comum e do estudo de questões da
medicina legal. Aqui, cumpre destacar o trabalho do Instituto de Medicina Legal de Coimbra e a pessoa
do seu actual Director o Prof. Doutor Oliveira Sá que, com o prestimoso contributo da Faculdade Direito
de Coimbra, iniciaram, em Portugal, a formação específica nesta área e criaram a APADC, dando um
empurrão que, se espera, seja decisivo na investigação científica das questões relativas à valorização
médico-legal do dano em direito civil.
5. Afirma-se análise judicial sem se esquecer que muitos dos processos não chegarão ao contencioso,
sendo regulados entre os intervenientes: lesado, lesante e seguradora. A avaliação do dano deverá fazer-se
sempre com vista à situação extrema das partes não acordarem extra-judicialmente qual a compensação
devida, tanto mais que, quando no processo intervem o segurador, este tenderá a analisar de forma
técnico-jurídica (como se de uma acção em tribunal se tratasse) os elementos reunidos, com vista a aceitar
ou fazer uma proposta de acordo.
6. Todas as disposições legais indicadas no texto, sem expressa referência ao diploma, pertencem ao
Código Civil de 1966.
3
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

Ora, integrando o dano dor um prejuízo insusceptível de avaliação pecuniária,


resulta infrutífera qualquer tentativa de quantificação exacta da divída de valor,
cabendo ao Tribunal fixar equitativamente7 o montante indemnizatório.
Quando não se pode determinar o valor exacto dos danos (patrimoniais ou não
patrimoniais), o Tribunal julga equitativamente, dentro dos limites que tiver por
provados8.
A indemnização pelo dano dor consiste numa compensação de natureza
económica pelos sofrimentos físicos e psíquicos, mais ou menos intensos, que
acompanham a lesão corporal. Sendo que o pretium doloris não é, em bom rigor, uma
indemnização, antes sim, uma compensação/satisfação pelos danos, visando
proporcionar certa margem de bem-estar tendente a fazer esquecer ou minorar os
padecimentos provocados pela lesão.

1. O conceito de dor

A primeira questão que se coloca àqueles que têm de intervir no processo de


avaliação, com vista à reparação da dor, é o de delimitarem o seu conceito.
Para o direito português, os danos indemnizáveis reconduzem-se a duas
grandes categorias: patrimoniais e não patrimoniais. É, nesta última, como sabemos,
que são considerados todos os danos insusceptíveis de avaliação pecuniária que
possam afectar a pessoa humana. Neste conjunto, estão integrados não só os danos
corporais como os danos morais, num sentido estrito e próprio (o direito à honra, ao
bom nome, etc.).
A distinção dentro dos danos não patrimoniais com incidência corporal não
encontra expressão legal, mas tem larga tradição entre a doutrina e jurisprudência
portuguesa. Originariamente, o dano não patrimonial corporal reconduzia-se
exclusivamente ao dano dor. Este, uma vez reconhecido como fundamento
indemnizatório, tem visto o seu âmbito, ora alargado, ora reduzido, ora diferenciado,
surgindo novos danos de natureza não patrimonial, por referência à lesão corporal,
anteriormente integrados no dano dor na sua configuração mais lata.
Numa perspectiva actual, como aproximação à enunciação de um conceito que
não encontra no âmbito médico, ao que se sabe, definição rigorosa e pacificamente
aceite, surge como consensual na literatura médica a apresentação da dor como uma

7. No caso dos danos não patrimoniais, a fixação do montante, segundo um juízo de equidade, importa a
possível redução do valor considerado adequado à satisfação da pretensão indemnizatória, por efeito da
ponderação das circunstâncias do art. 494.º, independentemente da responsabilidade se fundar em mera
culpa ou dolo do lesante.
8. O julgamento, segundo critérios de equidade, é a regra para os danos não patrimoniais - art. 496.º, n.º 3
- que, pela sua própria natureza, são insusceptíveis de avaliação pecuniária; já quanto aos danos
patrimoniais, o juízo de equidade opera quando não se possa averiguar do seu exacto valor - art. 566.º, n.º
3 - e, quando a responsabilidade se fundar em mera culpa - art. 494.º.
4
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

"experiência subjectiva resultante da actividade cerebral como resposta a


traumatismos físicos e/ou psiquícos"9. A enunciação proposta que, pela sua
abrangência, perde o favor daqueles que procuram nos conceitos o rigor da
identificação dum género da espécie não pode, quanto a nós, deixar de ser referida
como pedra de toque para a aceitação dos seus elementos nucleares, ou seja, a dor
física e a dor psicológica10.
Esta distinção é a resultante dum processo omnicompreensivo do fenómeno
humano do padecimento, onde a construção do conceito de dor não se esgota no
conjunto de sensações físicas resultantes da ofensa da integridade física. Os
subjectivos dolorosos terão, ainda, como causa tipo, qualquer ofensa psíquica, sem
compromisso da componente física da pessoa. Esta "dor psicológica" traduzir-se-à,
exclusivamente, numa alteração psíquica em reacção a uma qualquer ofensa externa
(sem compromisso do físico) provocada por terceiro. Compartimentação que
pressupõe, se esclareça, que a dor resultante da ofensa física tem, necessariamente,
uma componente psicológica reflexa indissociável: a reacção emotiva individual, que
pode ser explicitada como o medo sentido aquando da ofensa da integridade física da
vítima ou, o medo e a incerteza que a acompanha durante todo processo de
recuperação e, ainda, o temor das consequências permanentes da ofensa.
Na sequência do exposto, é curial aceitar que a dor física estará acompanhada
de uma dor psicológica reflexa. Esta última, mais não será que o sofrimento
complementar resultante do conhecimento e consciência da dor que a agressão à
integridade física provoca, bem como da necessária sujeição a determinados
tratamentos e a antevisão dum futuro com capacidades funcionais e, ou, psíquicas
diminuídas. Já a ofensa externa, sem compromisso físico, com prejuízo para o
equilíbrio psicológico, apresenta-se com plena autonomia em relação àquela outra.
A dor física afere-se pelas consequências normais da lesão (relativa ao órgão
ou parte do corpo afectado, intervenções cirúrgicas e tratamentos efectuados,
internamentos, medicamentos prescritos e demais impedimentos penosos decorren-
tes).
Por outro lado, a dor psicológica é consequência de fenómenos que,
globalmente, se podem enunciar como de alteração psíquica que, não tendo na sua
génese um "mal orgânico" é, por vezes, de impossível materialização pelos meios
complementares de diagnóstico. A determinação da existência e grau deste tipo de
dor é mais complexa, pois não tem por suporte uma manifestação física da lesão,

9. A presente definição não abrange a dor resultante da doença natural que, agora, não nos preocupa pois,
estamos a analisar a questão da ressarcibilidade dos danos provocados por acção de terceiro geradora de
responsabilidade civil.
10. A dor psicológica aparece inúmeras vezes referenciada como "dor psíquica" e como "sofrimento".
Usaremos com idêntico propósito e indiferenciadamente qualquer das designações.
5
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

consubstanciando-se numa repercussão - independente ou reflexa da afectação do


corpo - ao nível do psíquismo.
Têm-se por certo que, em qualquer caso, seja de dor física e psíquica, seja
desta última de forma autónoma e exclusiva, aquele que as suporta evidenciará uma
afectação com repercussões físicas e psicológicas.
É através destes efeitos que se poderá fazer uma aproximação para determinar,
no concreto, a existência e a intensidade da dor. Há unanimidade em considerar que a
determinação da dor psicológica é de maior dificuldade, cabendo, quantas vezes, ao
perito, afirmar a sua existência, tomando por base a sua observação e convicção,
apoiado num único elemento objectivo: a medicamentação necessária para estabilizar
a vítima (também este susceptível de ser manipulado).
Em suma, o dano dor abarca a dor fisíca e a dor em sentido psicológico, a
primeira resultante dos ferimentos aquando da acção lesiva e das posteriores
intervenções cirúrgicas e tratamentos - tendentes à reconstituição natural da
integridade física da vítima na situação em que se encontrava antes da lesão pois,
idealmente, procura-se a cura, ou seja, impedir que a lesão corporal deixe sequelas
permanentes -, integrando a segunda um trauma psíquico consequente do facto
gerador da responsabilidade civil, quer resulte duma pura reacção emotiva individual
sem relação com qualquer ofensa física, quer seja um reflexo desta.
Temos que, dentro do explicitado, a dor consequente à lesão corporal pode ter
um carácter físico ou psicológico e, quanto à sua duração, pode o processo de
recuperação ter sido bem sucedido não deixando qualquer subjectivo doloroso ou este
subsistir com carácter de permanência.
O dano dor, abrangendo a dor física e psíquica, raramente é acompanhado,
aquando da elaboração dos relatórios, duma distinção e quantificação autónoma, facto
pelo qual a exposição relativa ao conceito importa, para retirar duas breves
conclusões:
1.ª Haverá uma identificação perfeita entre a dor e o dano dor, ou seja,
qualquer dor é relevante no âmbito da avaliação e reparação do dano em direito civil?
A esta questão respondemos afirmativamente. As diferenças entre os subjectivos
dolorosos sentidos e compensados têm exclusivamente a ver, não com o seu
reconhecimento ou relevância pelo e para o direito e, sim, com a relação causal: lesão
- dano (questão do nexo causal).
2.ª Haverá possibilidades de padronizar, conforme à acção lesiva, o tipo e
intensidade de dores sentidas pela vítima? A esta questão respondemos
negativamente. A dor, nas suas componentes física e psicológica, será diferente em
cada pessoa pois, enquanto experiência sensorial, depende dum conjunto de factos e
circunstâncias endógenos e exógenos irrepetíveis. Tomando por referência a regra da
integral reparação do dano, deve a avaliação da dor ser individualizada e não

6
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

"pretensamente" padronizada, afastando-se, posteriormente, aquando da


compensação, a ponderação dos efeitos não adequados (estando-se, novamente,
perante a problemática da causalidade).

2. O dano dor

Não importa para o direito civil se o dano dor é temporário ou permanente, é


presente ou futuro. Antes, é de interesse determinar quais os danos consequentes à
lesão corporal que, no desenvolvimento provável do processo causal, dela teriam
resultado. Neste contexto, seguiremos, analisando duas das questões mais
controversas: o dano dor como dano permanente e como dano temporário.

3 A dor como dano temporário

O quantum doloris, na prática comum da medicina legal portuguesa, é


avaliado no período que medeia entre a acção lesiva e o momento em que, segundo os
conhecimentos médicos do momento, se entende não poder ser melhorado o estado da
vítima, ainda que não tenha sido obtida a cura. É, segundo este critério, que se fixa a
data da consolidação11.
Neste período procura determinar-se quais as dores sofridas por causa directa e
indirecta do acto lesivo, podendo as primeiras serem identificadas com o concreto
modo como a ofensa à integridade psicofísica se processou, o tempo que mediou até à
chegada do auxílio médico, o transporte para unidade de saúde, as lesões (apreciada a
sua sede, extensão e gravidade) e, as indirectas, resultantes das acções médicas
(cirúrgias, tratamentos, exames, medicamentação, internamentos, imobilizações, ...).
Com base nos elementos recolhidos juntos ao processo - fundamentalmente
documentos médicos - e nos exames do lesado, elaborará o perito o seu parecer, onde
decidirá da existência de dores, sua natureza (física ou psicológica), as quantificará e
estimará na duração.
Do exposto, surgem dois aspectos a debater: o primeiro reporta-se ao próprio
conceito de data de consolidação; o segundo, prende-se com o conhecimento de que
os relatórios periciais usam apresentar uma única valoração do quantum doloris para
todo o período em apreço, como que ficcionando uma vítima sentindo dores
constantes de intensidade constante.
A fixação duma data de consolidação procura reflectir o momento em que as
afectações físicas e psiquícas do lesado perdem o seu carácter temporário e, se

11. Tomando a ideia de consolidação como o momento a partir do qual a medicina nada mais pode fazer
para melhorar a situação da vítima, tem sido considerado que, até esta data, os danos revestem a natureza
de temporários e, a partir daí, os remanescentes, revestem a carácter de permanentes.
7
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

remanescerem sequelas, lhes é reconhecido o carácter de permanentes. Se esta ideia é,


grosso modo, verdadeira e correcta, não se pode ter por absolutamente rigorosa pois,
efeitos temporários há que não obstaculizam à fixação da data de consolidação.
Exemplarmente, referiremos intervenções cirúrgicas que têm de ser efectuadas depois
de um longo período de tempo, não alterando, a não ser no período imediato de
convalescença, a capacidade geral da pessoa ou, noutra situação, a necessária
adaptação a novas próteses resultante do crescimento da vítima (lembrem-se os
jovens acidentados).
Esta reflexão deixa no ar a certeza de existirem dores, enquadravéis como
dano temporário, causadas pela lesão corporal geradora da responsabilidade civil e
que se situam para além da data de consolidação ou mesmo para além da decisão
judicial ou do acordo extra-judicial regulador do sinistro.
No que concerne à atribuição dum único grau da dor para todo o período de
incapacidade temporária, mais não se tem que uma espécie de média ponderada das
diversas dores sofridas durante determinado período - quantas vezes extenso -,
efectuada pelo perito de forma equitativa, de acordo com os seus conhecimentos e
prática para arbitrar um quantum de algo que não pode ser apresentado como uma
medida certa. Esta prática, seguida por inúmeros países da europa, não nos
oferecendo elementos concretos, tal como a intensidade da dor em determinados
períodos (ora superior, ora inferior ao valor apontado no relatório), não pode ser
considerada conforme ao estabelecido no direito português, o qual determina que a
fixação da indemnização tome por base os danos reais.
Pela dificuldade em determinar a duração exacta desses períodos, pela falta de
um método objectivo de valoração do quantum da dor12, é de aceitar que o resultado
final seja expresso como uma conclusão pericial reportada a um determinado lapso de
tempo, já feitas as extrapolações médico-legais adequadas para que, na conclusão do
relatório, sejam considerados todos os circunstâncialismos. Tanto mais que, ao
tempero do especialista médico, surgirá o tempero judicial, com uma decisão
equitativa ou o acordo das partes. Admitida esta prática, entende-se que, com o
evoluir da comunicação entre os serviços médicos, judiciais e médico-legais, a
tendência deva ser para passar a determinar vários valores para a dor sentida e o
respectivo período a que se reportam. Entretanto, casos de excepcional relevo devem
merecer do perito, senão uma qualificação extraordinária, pelo menos uma referência
especial.

12. A título de exemplo, refere-se uma das técnicas do cálculo da compensação a atribuir pelo dano dor,
concebida e utilizada nos EUA, designada de «per diem argument» que se reconduz, numa explicitação
sumária, à multiplicação das horas de dor por um valor unitário (que variará consoante a intensidade da
dor), com vista à determinação duma quantia "certa". Técnica que, tal como todas as outras que se
conhecem, acaba por ter um momento de subjectivismo: a determinação da taxa hora de dor versus valor
atribuído.
8
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

Por último, cabe fazer uma referência à dor como elemento determinante da
data de consolidação. À semelhança dos outros danos, também a dor deve ser tomada
em conta para a fixação da data de consolidação podendo, no extremo, estar
unicamente dependente da cura da dor temporária, a determinação da data a partir da
qual se ponderarão os efeitos permanentes da lesão.

4. A dor como dano permanente

A actividade médico-legal portuguesa usa apresentar, no rol dos danos não


patrimoniais de carácter permanente, a incapacidade permanente, o dano estético e o
prejuízo de afirmação pessoal, não considerando o dano dor como passível de integrar
um dano autónomo distinto daqueles outros.
Importa, por isso, na nossa investigação, determinar quais os elementos
distintivos dos quatro tipos de danos não patrimoniais acima enunciados para que, da
distinção, se evidencie a sua autonomia e se possa, consequentemente, averiguar se os
subjectivos dolorosos são completamente cobertos ou se, alternativamente,
poderemos ter padecimentos não cobertos que justifiquem a ponderação destes como
dano permanente.
Assim, antes de defendermos o nosso ponto de vista, será necessário esclarecer
o que entendemos por dano permanente. Este tipo de dano não equivale, como é
comum afirmar-se, à certeza de ser um dano que acompanhará o lesado de forma
constante em cada segundo da sua vida, antes correspondendo à ideia nuclear de dano
duradouro, ou seja, que não se prevê alteração da situação posterior à consolidação.
No entanto, esta situação pode ser caracterizada por momentos em que a dor estará
presente e, por outros, em que o padecimento não se fará sentir.
O dano permanente, na sequência do entendimento exposto, pode ser
presente, presente com agravamento futuro ou exclusivamente futuro - enquanto dano
novo previsível -, podendo ainda manifestar-se de forma ocasional, desde que se
considere que as manifestações dolorosas, ainda que episódicas, são crónicas, isto é,
duradouras, ou, nos termos da lei, permanentes.
De seguida, distinguiremos o dano dor da incapacidade permanente, do dano
estético e do prejuízo de afirmação pessoal13.

4.1 A incapacidade permanente e o dano dor

13. Não cuidando o presente trabalho destes danos expôr-se-à, em relação a cada um, o essencial para
firmar ou infirmar a distinção que se procura.
9
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

Cabe aqui considerar se, após a consolidação, conforme é maioritariamente


aceite no seio da medicina legal e pela jurisprudência, a dor é sempre parte integrante
da incapacidade permanente, reflectindo-se na determinação do grau desta.
Esta posição pretende que um mesmo prejuízo não seja indemnizável como
causa e efeito, ou seja, procura-se que a incapacidade permanente decorrente duma
limitação funcional causada, por exemplo, pela acomodação devida aos subjectivos
dolorosos, não possa dar lugar à dupla qualificação da dor e, consequentemente,
sobrecompensar o dano.
Se a razão acima é, pontualmente, válida, não se deve efectuar uma
generalização apressada declarando sempre a sua procedência. Cabe aos peritos
médicos estudar e tomar posição quanto à existência de um efeito doloroso
permanente (sem rebate incapacitante), o que, a ser possível, implicará a revisão da
clássica posição que é a de não considerar a dor, de per si, como dano permanente.
É pacificamente admitido que a incapacidade permanente aprecia o rebate
funcional que a lesão provocou na vítima, não importando se a diminuição da
capacidade funcional do indivíduo é prejudicada por perda de um membro,
diminuição da mobilidade duma qualquer articulação, ou pelos movimentos
"proibidos" por força da dor subjacente. Ou seja, quando a dor, autónoma ou
conjuntamente com a diminuição física, tem um rebate funcional, é ponderada como
uma incapacidade permanente14.
Decidir se existirá dor crónica sem rebate funcional que deva ser ressarcida é
tarefa eminentemente médica, no particular dependente de cada caso e, em tese geral,
dependente da evolução da ciência médica, cumprindo, quanto a nós, afirmar que não
se pode ter por certo a impossibilidade desta situação tipo.
A ser reconhecida a existência de uma dor crónica que não seja ponderada
como implicando uma incapacidade permanente, exige-se ao perito a sua expressa
indicação no relatório, descrevendo os seus elementos tipo: natureza e intensidade.

4.2 O dano estético, o prejuízo de afirmação pessoal e o dano dor

Vem sendo discutido se o dano estético e o prejuízo de afirmação pessoal (ou


alegria de viver), enquanto sofrimento - dor psicológica -, por a pessoa se ver
prejudicada nas suas relações sociais ou no disfrutar da vida, devem (ou não) ser
integrados no dano dor. A lei, como já se viu, é aberta ao ressarcimento de qualquer
dano e não se perde em considerações doutrinais, pelo que, a tipologia encontrada
pela doutrina e jurisprudência, tem um valor eminentemente organizativo, ou seja,

14.Atente-se que cuidamos unicamente dos aspectos não patrimoniais. Assim, a incapacidade permanente
a que nos referimos é a incapacidade permanente de carácter anátomo-funcional geral, excluídos os seus
aspectos económicos que, em especial, se reconduzem na incapacidade permanente para o trabalho.
10
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

esquematiza os danos enquadrando-os numa figura-tipo, cuja caracterização é


comummente aceite pela comunidade científica (ao caso que nos importa, a
comunidade é interdisciplinar médica e jurídica). Defende-se que a tipificação de
determinados danos reflecte a ideia de que, na sua origem, estão circunstâncias
concretas que, pelo seu valor e pela sua autonomia face a outros efeitos integráveis na
mesma categoria - de sofrimentos -, merecem um referencial próprio. Esta distinção
ganha força se estudarmos os efeitos e os factores de avaliação dum e doutro conjunto
de dores psicológicas que, reconhecidos e ressarcidos nos termos da mesma
legislação, são concretizados por parâmetros diferentes.
Em termos genéricos, pode afirmar-se que o dano estético representado por
uma alteração morfológica do indivíduo, que se traduz numa diminuição da sua
integridade fisíca importa, por isso, uma dupla lesão de interesses (de ordem material
e espiritual ou, se se quiser, psicológica). Temos, por um lado, a deformidade e, por
outro, a dor sentida pela sua existência. É este complexo, a nosso ver indissociável,
que se classifica de dano estético e a que se reconhece o direito de indemnização.
Quanto ao prejuízo de afirmação pessoal, que aspira ser a figura onde se
específica e quantífica o sofrimento resultante da limitação na realização da pessoa no
meio familiar, social e cultural em que se insere, consubstancia o reconhecimento e
valoração da impossibilidade de prosseguir com a integração sócio-comunitária
tendente à realização pessoal do ofendido. Usa englobar-se neste o dano juvenil que,
para além do acima exposto, procura quantificar, para a consequente satisfação, o
prejuízo potencial dum jovem que, antes de atingir a maturidade física e psíquica, vê
o seu universo brutalmente restringido, não podendo aspirar a ser um ser completo e
perfeitamente integrado (direito a brincar, a escolher, a sonhar, ...).
Tendo já referido que a dor psicológica se integra no âmbito do dano dor a
ressarcir, importa pesquisar quais os aspectos distintivos entre aquele sofrimento e o
sentido por força da deformidade ou da perda da alegria de viver. Não é no facto do
primeiro ser classicamente considerado temporário e os demais serem por natureza
permanentes que radica a causa da distinção tipológica.
Antes cremos que o dano dor integra uma dor física e, ou, psicológica com
rebate pessoal; ao invés, a dor psicológica pelo prejuízo estético ou de afirmação
pessoal, consubstancia-se num rebate social: a repulsa física e a impossibilidade de
pleno gozo da vida ou da normal integração social.
A autonomização do dano estético e do prejuízo de afirmação pessoal do dano
dor surge com o entendimento legal de que a vítima deve ter consciência da dor para
que tenha direito à correspondente indemnização pela dano causado.

11
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

Muito embora a ciência médica não seja hoje consensual na afirmação de que
o paciente que se encontra inconsciente15 não sofre, ou seja, não tem dores é, ainda
assim, a posição que mais adeptos recolhe e, nesta sequência, entende-se que a vítima
que está inconsciente não sofre qualquer padecimento, excluindo-se o pagamento da
dor.
A integridade psicofísica do ser humano, independentemente da consciência
que a vítima tenha da sua lesão, não pode deixar de ser considerada como direito
fundamental da pessoa humana. É, neste contexto, que surge o dano estético e o
prejuízo de afirmação pessoal, como danos específicos separados do dano dor.
Conclusivamente, poder-se-à afirmar que, enquanto que o dano dor contém
aquele conjunto de prejuízos não patrimoniais apreciáveis de forma exclusivamente
subjectiva, o dano estético e o prejuízo de afirmação pessoal estão especialmente
destinados a cobrir os prejuízos não patrimoniais permanentes - excluídos os
relacionados com a incapacidade permanente - que podem ser apreciados
objectivamente.
Assume-se assim uma concepção objectiva destes danos.
Entende-se ser este o fundamento distintivo do dano dor em relação aos
demais danos enunciados o que, consequentemente, implica a eleição de diferentes
parâmetros de apreciação.

5. A questão do dano futuro

Não podemos esquecer que o dano não patrimonial permanente pode ser
presente ou futuro, surgindo de novo ou, pura e simplesmente, variando a sua
gravidade.
O quadro legal em que se funda a responsabilidade civil e o consequente dever
de indemnizar não distingue, quanto à natureza dos danos a ressarcir (a não ser nos
termos já indicados na distinção danos patrimoniais versus danos não patrimoniais),
desconsiderando, em absoluto, o carácter permanente ou temporário, presente ou
futuro do dano, cumprindo apreciar e compensar a dor.
O regime jurídico aplicável só impõe que o dano futuro seja previsível,
concluindo-se que nada aponta para o afastamento da obrigação de indemnizar
determinados danos pelo seu carácter futuro.
O n.º 2 do art. 564.º, sem distinguir entre danos patrimoniais e não
patrimoniais, permite que, na fixação da indemnização, se atenda aos danos futuros,
desde que sejam previsíveis.

15.Consciência e inconsciência poderão ser genericamente definidos como termos opostos duma situação
que - no limite - se refere a um estado psíquico dum ser humano que tenha ou não conhecimento da sua
própria existência e do mundo que o rodeia e, ou, que reaja ou não a estímulos externos.
12
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

Na sequência da postura da lei, deve o perito tomar posição quanto à


existência previsível de danos futuros e, no que agora nos importa, determinar a
duração e graduação provável da dor ou, declarar a impossibilidade de antever as
características da dor futura, abrindo assim ao tribunal a possibilidade de, julgando
sempre com equidade, atribuir compensação à vítima em posterior acção judicial. Na
jurisprudência pesquisada, sempre que se discutiu esta questão - uma vez entendido
existir um dano futuro16 -, é arbitrada uma indemnização ou, quando ao momento não
é possível determinar os elementos minímos para fixar equitativamente o seu
montante, é a sua fixação relegada para ulterior decisão judicial.
A alegada dificuldade na determinação do dano futuro não pode servir de
argumento pois, duma maneira geral, todos os danos futuros serão de difícil
ponderação. No caso dos danos não patrimoniais, sendo maior a dificuldade é, a
mesma, temperada, em qualquer circunstância, por um juízo de equidade na fixação
da indemnização devida.
Ao abordarmos agora a questão dos danos corporais permanentes e futuros,
não impede que se abra um parênteses para afirmar que o mesmo regime se aplica aos
danos futuros de cáracter temporário que, como já vimos, aquando das considerações
sobre o conceito de consolidação, são comuns.
A determinação da natureza, duração e intensidade do dano futuro, far-se-à
com base nos elementos de facto e nos conhecimentos de situações similares,
ponderando a sua previsibilidade para determinar a sua futura existência.

6. A valorização médico-legal em direito civil

Enquadrada a questão que nos propomos tratar, abordar-se-ão as questões de


maior relevância para a determinação da existência do dano dor, da sua caracterização
e consequente determinação e fixação da correspondente indemnização.

6.1 O processo de decisão judicial

Já se viu que o dever de indemnizar, no caso dos danos não patrimoniais, passa
por duas operações do julgador, que podem levar a que este atribua (ou não)
determinada compensação: primeiro, reconhecendo a existência do dano, depois,
considerando se a sua gravidade merece a tutela do direito (art. 496.º, n.º 1); uma vez
reconhecida a sua existência e a ressarcibilidade, pondera os elementos processuais
com vista à formação da sua convicção do que será o montante adequado para

16. Dispõe o art. 564.º, n.º 2, 1.ª parte que «na fixação da indemnização pode o tribunal atender aos danos
futuros, desde que sejam previsíveis». Esta questão, no âmbito do dano corporal, pode definir-se como a
probabilidade dos danos futuros consubstanciarem, face ao contexto factual e aos conhecimentos médicos
actuais, o esperado e normal desenvolvimento - dentre os possíveis - de determinada situação clínica.
13
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

compensar a dor, temperando o seu julgamento com a ponderação das circunstâncias


enunciadas no art. 494.º, independentemente da responsabilidade se fundar na mera
culpa do lesante.
Conforme se vê, o papel do julgador é difícil e encerra algo que podemos
definir de subjectivo, ao fixar uma indemnização em dinheiro para compensar de
danos sem equivalente económico. Esta subjectividade aumenta porque, para proferir
decisão, o julgador recorre aos elementos integrados no processo de que se destaca o
parecer médico-legal e, como nos afirma o Prof. Oliveira Sá, esta é uma valoração
"tipicamente subjectiva, ou duplamente subjectiva. Em primeiro lugar, é o próprio
dano em si que é intrinsecamente subjectivo; em segundo lugar, há o omnipresente
subjectivismo da apreciação pericial"17.
A determinação da existência do dano, a sua caracterização e graduação, é a
tarefa que se apresenta ao perito e que se concretiza com a elaboração do seu parecer,
onde deverá, sob pena de ter efectuado tarefa judicialmente inaproveitável, fazer
transparecer toda a operação lógico-científica.
A execução da perícia é o momento de maior importância para a obtenção do
resultado - a valorização médico-legal do dano -, consubstanciando o relatório o
elemento de maior importância para a apreciação desse mesmo resultado.
Apreciar o relatório é tarefa do Juiz. O exame deste passa pela verificação das
conclusões, da motivação, da descrição dos factos trazidos do processo ou
observados, do método científico empregue e do relato do desempenho pericial.
A falta de indicação do método, ou dos dados de facto base do raciocínio
lógico, tornam as conclusões insindicáveis e, enquanto tal, não é possível aceitar a
perícia. A exposição dos motivos deve ser clara e precisa mas, além de tudo, rigorosa,
pois uma conclusão não fundamentada passa a ser uma mera afirmação de natureza
subjectiva, logo desqualificada.
Quanto à intensidade, é prática nas peritagens a utilização duma escala de sete
graus18. Certo é que, a mera designação de um nível de dor como moderado ou
considerável, não é de qualquer ajuda para o julgador que tem por função graduar a
indemnização. O que realmente importa é a exposição da motivação que levou àquela
graduação. O enquadramento numa escala e a exposição dos motivos da graduação,
dão a informação necessária e relativamente segura para decidir qual a compensação
económica adequada.
É, neste quadro, que se entende da maior importância a tripla qualificação da
dor, pelo indicador númerico do quantum na escala de sete graus, pela
designação/caracterização do grau valor com a expressão correspondente -

17. In Clínica médico-legal da reparação do dano corporal em direito civil, pág. 89.
18. Escala de classificação do grau dos subjectivos dolorosos: 1. Muito ligeiro; 2. Ligeiro; 3. Moderado; 4.
Médio; 5. Considerável; 6. Importante; 7. Muito importante.
14
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

qualificativo que visa a tradução intrínseca e, em valor próprio, representativa, da


qualidade do dano real em causa - e, fundamentalmente, com a exposição dos
motivos que levaram àquela escolha.
A apreciação do grau de dor e sofrimento é difícil visto que, não existe
processo de medição. Assim, procuram-se índices subjectivos e objectivos de
controlo das suas manifestações. Por um lado, usa caracterizar-se a dor em função da
sua natureza (fisíca ou psíquica), intensidade, duração e frequência, apreciando-se,
para tanto, as características do lesado - sexo, idade, personalidade, nível cultural,
meio social e profissão - e, por outro lado, a natureza da ofensa, a medicamentação,
tratamentos, intervenções cirúrgicas e as situações penosas a que é sujeito o
ofendido19.
Parece, no entanto que, por força de algumas expressões frequentemente
repetidas pela jurisprudência e pela doutrina médica e jurídica, sintetizada na frase
inúmeras vezes citada do Prof. Antunes Varela "a gravidade do dano há-de medir-se
por um padrão objectivo e não à luz de factores subjectivos (de uma sensibilidade
particularmente embotada ou especialmente requintada)"20, seria aconselhável, senão
mesmo imperioso, que se elaborasse tabela resultante dum consenso cientifíco
aplicável sistematicamente, sem qualquer ponderação concreta. Um pouco à
semelhança da tabela elaborada por autores franceses, passar-se-ía a graduar a dor,
resultante de uma determinada ofensa corporal, dentro dum limite minímo e máximo
tabularmente estabelecido.
Cremos que, quer a lei quer o autor citado, não têm este entendimento do que é
o padrão objectivo a ter em conta e do que é a inadmissibilidade dos factores
subjectivos, tanto mais que a apreciação deve ter sempre em conta as circunstâncias
concretas.
Como se afirmou acima, as sensações são indivíduais e irrepetíveis e, não
podendo existir nenhum padrão de avaliação da dor (psíquica e física), só o especial
conhecimento, experiência e imparcialidade dos peritos, utlizando método que
procura, através das manifestações objectivas da dor e da declaração - criticamente
avaliada - da vítima, a sua quantificação pode ser a base de ponderação da
indemnização a arbitrar. O montante indemnizatório a atribuir a este título será aquele
que o julgamento equitativo do Tribunal decidir, ponderadas as circunstâncias do art.
494.º, uma vez efectuada a prognose póstuma do que, para um qualquer ofendido,
seria a quantia tomada por adequada para equilibrar a dor e sofrimentos infligidos.
Resta, conclusivamente, enumerar os aspectos que consideramos essenciais no
procedimento do perito, aquando da avaliação do dano dor em direito civil.

19. Por exemplo, a necesidade de, durante longo período, o lesado ter de se manter imóvel, não poder falar, ter
de dormir sentado.
20. In "Das Obrigações em Geral", Vol I, 2.ª Ed., pág. 486.
15
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

6.2 EM SÍNTESE:

1. O perito relatará toda a qualidade de subjectivos dolorosas que verifique ou


preveja, independentemente da sua natureza temporária ou permanente, presente
ou futura.

2. O perito relatará a intensidade do quantum doloris efectivamente verificado (ou


previsto), independentemente deste resultar duma especial sensibilidade ou duma
predisposição patológica, acrescentando depois as considerações adequadas para
explicitar em que termos aquelas circunstâncias influiram na graduação da dor.

3. A declaração da superveniência de dano dor futuro ou, o agravamento futuro de


dano presente, não depende da determinação actual da sua intensidade e duração.

4. O perito fundamentará todas as conclusões, indicando os parâmetros de


avaliação e apresentando os vários índices (integração na escala númerica e
adjectiva) de valorização do dano dor, para permitir a plena compreensão do seu
processo lógico-científico de objectivação da qualidade e intensidade dos
"subjectivos doloroso" observados.

SUMÀRIO:

O presente artigo aborda a questão do dano dor no direito civil português,


confrontando a lei e a prática pericial com conceitos enraízados nesta última e aceites
pela jurisprudência.
O tratamento da questão passa pela abordagem do conceito de dor, sua distinção
e autonomização da incapacidade permanente, do dano estético e do prejuízo da
afirmação pessoal.
Defende-se que qualquer dor resultante do acto lesivo deve ser ressarcida,
independentemente do seu carácter temporário, presente ou futuro, ficando em aberto
a discussão da possível existência de dor crónica sem rebate funcional e distinta do
dano estético e do prejuízo de afirmação pessoal.
Analisa-se, finalmente, numa perspectiva judicial, os aspectos relevantes para a
prova da existência e avaliação da dor, com vista à consequente atribuição de
indemnização.

Palavras chave: Dano dor, incapacidade permanente, dano estético, prejuízo de


afirmação pessoal, dano futuro, dano presente, dano temporário, dano permanente.

16
J. Coelho dos Santos Perícia Médico-Legal e oDano Dor

SOMMAIRE:

Le présent article aborde la question de la douleur comme dommage au droit


civil portugais en faisant la confrontation entre la loi et la pratique de l'expertise
laquelle nous apporte des concepts enracinés et acceptés par la jurisprudence.
Le traitement de cette question passe par l'abordage du concept de douleur aussi
bien que par sa distinction et autonomisation des concepts d'incapacité permanente,
de dommage esthétique et de préjudice d'agrément.
La défense de la théorie selon laquelle toute douleur résultante d'un act lésif doit
être recompensée quelque soit son caractere (temporaire, présent ou futur), est
pacifique; elle laisse pourtant en ouvert la discussion d'une possible existence de
douleur chronique déprouvue de conséquences fonctionnelles et différente du
dommage esthétique et du préjudice d'agrément.
On analise, finalement, dans une perspective judiciaire les aspectes les plus
importants pour évaluer et éprouver l'existence de douleur comme moyens décisifs
pour l'attribution d'indemnisation.

Mots Clés: Dommage douleur, incapacité permanente, préjudice esthétique, préjudice


d'agrément, dommage permanente et temporaire, dommage présent et futur.

17