Você está na página 1de 7

A GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO

PIAUÍ

Marcos Airton de Sousa Freitas1, Pedro Marwell Filho2 e Chimi Narita Nunes 2

Resumo - No presente artigo está consubstanciada a estratégia desenvolvida pela


Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMAR, no âmbito do
PROÁGUA/Semi-árido para dotar o Estado do Piauí de mecanismos jurídico-
institucional e operativo, capazes de promover a gestão dos seus recursos hídricos de
forma eficiente e eficaz. Foram definidos programas básicos de atividades, com a
especificação de objetivos, e estabelecimento de ações para serem executadas no ano
de 1998, nas áreas de gestão e estudos e projetos.

Abstract – In this paper is presented the fundamentals of the strategy developed by


SEMAR – Secretary for Environment and Water Resources of the State Piauí, under
program PROÀGUA/Semi-árido, in order to promote an efficient water resources
management. Also the basic programs and actions have been discussed, that water
users and governmental organs will adopt this year.

Palavras-chave - gestão, outorga, semi-árido, PROÁGUA.

INTRODUÇÃO
No presente artigo pretende-se apresentar a estratégia para dotar o Estado do
Piauí de mecanismos jurídico-institucional e de planejamento, capazes de promover a
gestão dos seus recursos hídricos de forma eficiente. Além disso, são relatadas as
propostas de ações na área de estudos e projetos, objetivando a implementação de obras
de aumento da disponibilidade hídrica, bem como a recuperação de infra-estrutura
hidráulica existente.

HISTÓRICO DA SITUAÇÃO ESTADUAL

A Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos


Nos setores de recursos hídricos e ambiental no Estado do Piauí, existem vários
órgãos federais, estaduais, municipais e até organizações não governamentais (ONGs)
que muitas vezes, por não terem competências claramente definidas dentro da legislação
estadual, não atuam de forma otimizada e integrada.
1
Prof. e Coord. do Grupo de Recursos Hídricos, Meio Ambiente e Computação Aplicada da
UNIFOR - Av. Washington Soares, 1321 - 60.811-341 Fortaleza - CE.
2
Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMAR - UEGP-PI/PROÁGUA/Semi-
árido.
A Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMAR, é o órgão
central, gestor e coordenador da Política e do Sistema Estadual de Gerenciamento dos
Recursos Hídricos no Estado do Piauí. Embora essa Secretaria tenha sido criada em
24/10/95, através da Lei n.º 4.797, sua implantação só se verificou em meados de 1996,
de forma bastante precária, não somente quanto à sua infra-estrutura física e de apoio
administrativo, mas, sobretudo, no tocante ao seu corpo técnico, insuficiente em número
e quase a totalidade está voltada para as atividades de Meio Ambiente.
A equipe técnica foi herdada da instituição anteriormente responsável pela
condução das ações no âmbito do Meio Ambiente, entendendo-se aqui o meio ambiente
com exclusão dos Recursos Hídricos, cujas competências encontravam-se dispersas e
desarticuladas em diversas instituições públicas, em nível estadual, como a COMDEPI,
responsável pelas obras de infra-estrutura hídrica superficial e subterrânea, a Secretaria
da Agricultura, responsável pela área de irrigação e informações hidrometeorológicas, e
mais, instituições pertencentes à administração federal como o DNOCS, CPRM,
INEMET, FNS e outros.
A fim de se ajustar aos objetivos propostos no Programa de Desenvolvimento
Sustentável dos Recursos Hídricos do Semi-árido Brasileiro – PROÁGUA – acordado
entre o Banco Mundial, Governo Federal e Governo Estadual, a SEMAR procederá a
sua reestruturação, incorporando às competências e atribuições atualmente exercidas na
área de Meio Ambiente, as atribuições e competências inerentes à área de gestão de
recursos hídricos que lhes forem designadas através de Lei Estadual.

Desenvolvimento Institucional
O Estado do Piauí carece, contudo, de uma legislação estadual no que diz
respeito a gestão de seus recursos hídricos. Entretanto, foi elaborado, recentemente, pela
Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos - SEMAR - Anteprojeto de Lei
Estadual de Recursos Hídricos, o qual está sendo debatido nos diversos órgãos e
instituições relacionados ao Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado. A previsão
é que o mesmo seja encaminhado para a aprovação pela Assembléia Legislativa até
final de agosto de 1998. Além disso, foram elaboradas minutas de Decretos, objetivando
regulamentar o Conselho Estadual de Recursos Hídricos, o Fundo Estadual de Recursos
Hídricos, a Outorga dos Direito de Uso de Recursos Hídricos, o Plano Estadual de
Recursos Hídricos e o Regimento Interno do Conselho Estadual de Recursos Hídricos.
Para fins de planejamento e de gestão de seus recursos hídricos, o Estado do
Piauí foi, entretanto, subdividido em 09 (nove) bacias hidrográficas (figura 1), quais
sejam: (1) Bacias Litorâneas; (2) Bacias do Baixo Parnaíba; (3) Bacia do Longá; (4)
Bacia do Potí; (5) Bacias do Médio Parnaíba; (6) Bacia do Canindé/Piauí; (7) Bacia do
Itaueira; (8) bacia do Gurguéia; (9) Bacia do Alto Parnaíba. Está em fase de execução o
Plano Diretor de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica dos Rios Canindé/Piauí, com
término previsto para agosto de 1998, que deverá subsidiar o futuro Plano Estadual dos
Recursos Hídricos, em processo de licitação.
Figura 1 - Bacias Hidrográficas do Estado do Piauí (PDBC, 1998)

Com apoio da SRH/MMA foi implantada, em outubro de 1997 a Unidade


Estadual de Gerenciamento do PRO/Semi-árido – UEGP-PI, a qual com o apoio de
consultores, vem dando prosseguimento aos estudos de estruturação e organização do
órgão gestor (SEMAR-PI), para as ações de gerenciamento dos recursos hídricos do
Estado.
O investimento em programas de capacitação em recursos hídricos, embora
ainda não tão extenso, contou com a realização dos cursos “Treinamento Básico em
Geoprocessamento – SPRING” – SEMAR/INPE, de 01 a 11.12.1997 (80 horas) e
“Ambiente Windows/Word”, SEMAR, julho/agosto de 1998 (60 horas; em andamento).
Estão ainda previstos os cursos “Introdução à Gestão de Recursos Hídricos”, de 10 a
13.08.1998 e “Introdução ao Geoprocessamento”, de 14 a 16.12.1998, patrocinados pela
SRH/MMA, cursos esses integrantes do Plano Nacional de Capacitação em Recursos
Hídricos - PNCRH.
Foi realizado, no período de 10 a 15.05.1998, o I Encontro Regional sobre a
Bacia dos Rios Canindé/Piauí. O encontro ocorreu de forma itinerante nas sedes dos
municípios de Picos, Oeiras, São João do Piauí e São Raimundo Nonato, principais
centros urbanos da bacia, onde foram debatidos, através de audiências públicas, as
questões fundamentais sobre a situação atual de oferta e demanda de recursos hídricos
levantadas no diagnóstico da bacia, assim como as propostas de aproveitamento racional
e integrado das águas.
Dentre os diversos instrumentos de gestão de recursos hídricos a outorga do
direito de uso da água é considerado o mais importante. Para dar apoio à implementação
da outorga devem ser iniciados o sub-projeto de “Cadastro de Usuários de Água”,
começando pela bacia do rio Guaribas, onde os conflitos pelo uso da água são mais
evidentes e críticos, e o sub-projeto de “Estímulo/Apoio à Criação das Associações de
Usuários de Água”. Em paralelo, pretende-se ainda implementar o sub-projeto de
“Comunicação, Educação e Gestão Participativa”, com o objetivo de promover, através
de uma adequada campanha de comunicação social, a divulgação dos objetivos e metas
do PROÁGUA, bem como o estímulo à formação de uma visão crítica quanto à
utilização e gestão dos recursos hídricos no Estado do Piauí, buscando sua conservação
para a atual e para as futuras gerações.

Bases Técnicas para a Gestão


Em meados de 1997 a SEMAR deu início ao processo de implantação do
Laboratório de Geoprocessamento e Banco de Dados, cujos equipamentos e softwares
foram financiados pela Secretaria de Assuntos Estratégicos, dentro do Programa de
Zoneamento Ecológico Econômico e pelo Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos
Hídricos e Amazônia Legal – MMARHAL – no âmbito do Programa de Gerenciamento
Costeiro – GERCO – Piauí, financiando cada uma dessas instituições uma parcela dos
equipamentos de geoprocessamento, atualmente existentes na SEMAR.
A partir do início de 1998, sob os auspícios do PROÁGUA – Semi-árido,
elaborou-se um programa interno de implementação e operação do Laboratório de
Geoprocessamento e Banco de Dados através da contratação de consultoria que, além
de treinamento em serviço a técnicos da SEMAR, vem desenvolvendo as atividades de
digitação e scanerização de objetos geográficos georreferenciados (plantas temáticas do
Estado do Piauí, bacias e sub-bacias, barragens, localizações de poços, lagoas e outros),
permitindo a visualização gráfica e georreferenciada dos objetos pesquisados em meio
digital. Tais informações serão parte integrante do futuro Sistema de Informação sobre
Recursos Hídricos do Estado do Piauí.
Espera-se com o sub-projeto de "Monitoramento de Açudes e Poços" formar um
banco de dados atualizado com as informações básicas dos reservatórios e poços do
Estado, e ainda levantar e apontar soluções para os principais problemas encontrados. O
monitoramento e a gestão de reservatórios, em especial os de grande porte, vem a ser
uma exigência, pois servem, em sua grande maioria, ao abastecimento de centros
urbanos, freqüentemente sujeitos à conflitos de usos da água. O monitoramento de
açudes é fundamental: na tomada de decisão, a partir de critérios técnicos, sobre a
operação de reservatórios, tanto em período de estiagens como em período de cheias; no
aprofundamento do conhecimento hidrológico da bacia; e, na determinação dos limites
de outorga de direito de uso da água.

Infra-estrutura Hídrica do Estado


No âmbito de obras de infra-estrutura hídrica, o Estado do Piauí é um dos menos
favorecido, não obstante sua dimensão territorial e população. De fato, menos de 1% do
volume de água acumulada no Nordeste por meio de açudes encontra-se no Piauí,
enquanto que os Estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba armazenam, em
conjunto, cerca de 83% das águas barradas da região. Isso significa que o semi-árido
piauiense é dentre eles o mais frágil e vulnerável no aspecto de oferta de água para o
suprimento humano e animal e, em especial, quanto ao desenvolvimento de projetos
econômicos geradores de riquezas, emprego e renda. Faz-se, portanto, extremamente
necessário o desenvolvimento de estudos e projetos de novos reservatórios de porte
médio, com o objetivo de aumentar a capacidade de armazenamento, bem como do
aproveitamento múltiplo das águas acumuladas nos grandes açudes construídos. É ainda
importante a realização de estudos e projetos para a perenização de rios intermitentes,
assim como a recuperação e manutenção de infra-estrutura hidráulica existente. Estas
ações deverão ter como cenário espacial prioritário a região semi-árida do Estado.

AÇÕES NO ÂMBITO DO PROÁGUA/SEMI-ÁRIDO


O objetivo da SEMAR, para o ano de 1998, é realizar ações que permitam a
organização e aprimoramento nos seguintes aspectos:

Estruturação da UEGP-PI e do Órgão Gestor - O objetivo desse sub-projeto é o


fortalecimento da estrutura técnica-operacional do órgão gestor e das instituições
envolvidas na implementação das ações previstas na gestão integrada dos recursos
hídricos no Estado do Piauí.
Sistema de Outorga e Licença de Obras Hídricas - Desenvolver uma metodologia
para a recepção e apreciação pela SEMAR, dos pedidos de outorga do direito de uso da
água e de licença de obras hídricas, além de regulamentar a expedição dos respectivos
documentos de autorização e de orientar os interessados sobre esses assuntos.
Estímulo/Apoio à Criação de Associações de Usuários de Água - Motivar as
comunidades localizadas próximas aos corpos d’água a se organizarem em grupos,
legítima e legalmente constituídos, para que possam atuar como entidades
representativas do interesse comunitário junto à Secretaria do Meio Ambiente e dos
Recursos Hídricos — SEMAR, na tarefa de planejar e gerenciar o uso dos recursos
hídricos das bacias as quais pertençam.
Cadastro de Usuários - Objetiva-se quantificar e qualificar as demandas de água dos
usuários de água por tipo de uso, dando condições à SEMAR de negociar com as
associações de usuários de água, o volume a ser fornecido dentro de um prazo a ser
estabelecido, de forma a atingir o aproveitamento racional e evitar o desperdício de
água.
Comunicação, Educação Ambiental e Gestão Participativa – Promover , através de
uma adequada campanha de comunicação social, a divulgação dos objetivos e metas do
PROÁGUA, bem como o estímulo à formação de uma visão crítica quanto à utilização,
gestão e conservação dos recursos hídricos no Estado do Piauí, buscando sua
preservação para a atual e para as futuras gerações.
Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos - Desenvolvimento e implantação
de um Sistema de Informações de Recursos Hídricos para o Estado do Piauí,
direcionado à obtenção, ao tratamento e ao gerenciamento das informações das bacias
hidrográficas e seus dados correlatos.
Ampliação e Recuperação da Rede Hidrometeorológica – Objetiva-se com esse
subprojeto contratar consultor individual para proceder a um diagnóstico da situação de
rede hidrometereológica do Estado, apresentando propostas alternativas de ampliação e
recuperação de rede existente. Espera-se com a implantação desse sub-projeto a
elaboração de documento contendo: a) diagnóstico da rede hidrometeorológica atual e
proposta de modernização da rede estadual.
Monitoramento de Poços e Açudes – Objetiva-se com esse sub-projeto a implantação
de um Programa de Monitoramento de Açudes e Poços do Estado, tendo por objetivo
maior monitorar e recuperar os açudes e poços existentes, com vista a uma efetiva e
racional gestão das águas de domínio do Estado.
Enquadramento dos Corpos D’água - Desenvolver uma metodologia de
enquadramento dos corpos de água, segundo os usos preponderantes, a ser aplicado aos
corpos d’água de domínio estadual.
Estudos e Projetos - Elaborar propostas de estudos, projetos e planos de recuperação de
estruturas hídricas existentes, numa primeira fase, compreendendo estudos de
reconhecimento, pré-viabilidade, viabilidade e projeto básico, para implantação de obras
de aproveitamento hídrico. Os objetivos específicos estão associados à formulação de
estudos e projetos para aproveitamento de recursos hídricos, conforme segue: a)
executar estudos de viabilidade de médias barragens para abastecimento humano e
animal, e uso de excedente para pequena irrigação; b) elaborar estudos de viabilidade
para aproveitamento múltiplo das águas de grandes barragens construídas; c) elaborar
estudos de viabilidade para perenização de rios intermitentes; d) elaborar projeto básico
para recuperação do sistema de tomada d’água da barragem Bocaina.

CONCLUSÕES
A SEMAR tem como uma de suas atribuições o gerenciamento da oferta dos
recursos hídricos tanto superficiais quanto subterrâneos de domínio do Estado. Entre
seus objetivos destacam-se: desenvolvimento de estudos visando quantificar as
disponibilidades e demandas de águas; implantação de um sistema de informações sobre
recursos hídricos, incluindo coletas de dados, tratamento, cadastro de usuários de água e
das obras de infra-estruturas hídricas no Estado do Piauí; concessão da outorga do
direito de uso da água; licenciamento e fiscalização das obras de captação de água;
monitoramento dos açudes e poços, visando a exploração racional dos recursos hídricos,
etc.
O Estado do Piauí, portanto, concentrará suas ações, no ano de 1998, na
execução dos trabalhos relativos a regulamentação e implementação dos principais
instrumentos da Política Estadual dos Recursos Hídricos, nas ações de capacitação
técnico-gerencial dos atores envolvidos nesse processo e na contratação de consultorias
para elaboração de estudos e projetos, no sentido de elevar a capacidade de acumulação
d’água do Estado e de sua utilização de maneira racional e otimizada.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANTEPROJETO DE LEI ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS E
REGULAMENTAÇÕES.
PLANO DIRETOR DA BACIA DOS RIOS CANINDÉ/PIAUÍ, MMA/SEMAR,
1998.
POA – PLANO OPERACIONAL ANUAL (1998), SRH/MMA/SEMAR.