Você está na página 1de 48

Fissuras e Tr incas

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Definição Porque conhecer e corrigir?
Definição Porque conhecer e corrigir? Porque conhecer e corrigir?

FundaçõesFissuras e Trincas Definição Porque conhecer e corrigir? Alvenarias Fissuras nos rebocos Pilares, vigas e lajes

AlvenariasDefinição Porque conhecer e corrigir? Fundações Fissuras nos rebocos Pilares, vigas e lajes •

Fissuras nos rebocosPorque conhecer e corrigir? Fundações Alvenarias Pilares, vigas e lajes • IFSul-Rio-grandense | Curso

Pilares, vigas e lajese corrigir? Fundações Alvenarias Fissuras nos rebocos • IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações |

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

O que são FISSURAS E TRINCAS? 1) São pequenas aberturas que podem surgir tanto na estrutura, como nos revestimentos de uma edificação. 2) Seccionamento na superfície ou em toda seção transversal de um componente, com abertura capilar, provocado por tensões normais ou tangenciais. Podem ser classificadas como ativas (variação da abertura em função de movimentações higrotérmicas ou outras) ou passivas (abertura

constante).

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Classificação quanto à dimensão da abertura 1) Fissura: abertura ocasionada por ruptura de um material ou componente, com abertura inferior ou igual a 0,5 mm. 2) Microfissura: abertura ocasionada por ruptura de um material ou componente, com abertura inferior a 0,05 mm. 3) Trinca: abertura ocasionada por ruptura de um material ou componente com abertura superior a 0,5 mm e inferior a 1 mm.

4)

mm.

As rachaduras apresentam aberturas mais pronunciadas, da ordem de 5

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Segundo Thomaz (1989), a importância de conhecer e corrigir estas manif estações deve-se a trê s aspectos f undamentais:

O aviso de um eventual estado perigoso para a estrutura; O comprometimento do desempenho da obra em serviço (estanqueidade à água, durabilidade, isolação acústica etc.); e, O constrangimento psicológico que a fissuração do edifício exerce sobre seus usuários.

[As fissuras e trincas dos edifícios são provocadas por tensões oriundas de atuação de sobrecargas ou de movimentações de materiais, dos componentes ou da obra como um todo].

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FUNDAÇÕES Recalques de fundações são causas muito frequentes de rachaduras e outras lesões em prédios. O problema mais comum referente às fundações nas edificações é o recalque diferencial. O recalque das fundações depende de dois fatores:

Carga aplicada;

Resistência do terreno.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas Fissura causada por recalque de fundação tipo isolada. A estaca central encontra terreno

Fissura causada por recalque de fundação tipo isolada. A estaca central encontra terreno com maior resistência.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas Fissura por recalque de fundação. Entre as fissuras haverá uma zona comprimida, que

Fissura

por

recalque

de

fundação.

Entre as fissuras haverá uma zona comprimida, que às vezes pode resultar em descolamento do reboco, mas como as alvenarias sempre têm maior resistência à tração que à compressão, essa lesão só aparece em casos mais graves.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas Fissura fundação. por recalque de Em alguns casos, as fissuras de recalque que

Fissura

fundação.

por

recalque

de

Em alguns casos, as fissuras de recalque que deveriam ser verticais, podem se disfarçar com linhas horizontais. Isso acontece quando ocorre o deslizamento de argamassas de assentamento mais fracas.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Havendo aberturas elas orientam a fissuração.

e Trincas Havendo aberturas elas orientam a fissuração. IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

O RECALQUE DIFERENCIAL PODE OCORRER (entre outros) Q UANDO:

Falta de sondagem prévia resultando em projeto defeituoso (em muitas

ocorrências);

Fundações mal executadas (fora de nível e prumo, por exemplo);

Uma fundação contínua cruza um lugar onde se aterrou uma vala ou poço, resultando diferença na resistência do solo;

A diferença pode se dar também por secagem ou saturação do solo,

diferenciada entre trechos e/ou em épocas;

Os recalques também podem ocorrer em estacas que atravessem fortes

correntes subterrâneas;

Presença de raízes junto às fundações (elas podem tornar o solo mais absorvente ou compacto)

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Quando há esmagamento das camadas inferiores do solo, o prédio pode afundar como um todo, com ou sem inclinação ou fissuramento.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

ALVENARIAS

As rachaduras e fissuras também são um dos defeitos mais comuns em alvenarias. Origens gerais:

Erro de dimensionamento;

utilização do prédio;

Movimentação da estrutura por variação térmica, teor de umidade;

Envelhecimento e fadiga natural dos materiais;

Acidentes imprevistos;
execução da alvenaria.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Primeiro passo:

Conferir se é próprio da parede ou somente do reboco;

Determinar se é ativa ou inativa?

É viável um conserto?

Geralmente se a fissura está estabilizada, sim!

Se está em evolução deve-se esperar que estabilize ou corrigir a causa da

fissura e certificar da estabilização.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas MAIS COMUM É QUE SURJAM FISSURAS NAS DUAS DIREÇÕES. EM QUALQUER CASO AS

MAIS COMUM É QUE SURJAM FISSURAS NAS DUAS DIREÇÕES. EM QUALQUER CASO AS FISSURAS SE DISTRIBUEM EM TODA A ALTURA DA PAREDE.

Fissura por compressão quando somente a Fissura por compressão quando os tijolos estão sendo esmagados.

argamassa de assentamento não está resistindo ao peso (expansão lateral da argamassa).

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM VÃOS DE ESQUADRIAS:

Aberturas alteram a distribuição das tensões. Toda vez que um trecho de parede é retirado os tijolos tendem a cair. Como existe amarração no assentamento forma-se um arco.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas Fissuras em arco em vão de esquadrias. IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações

Fissuras em arco em vão de esquadrias.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM VÃOS DE ESQUADRIAS:

Trincas verticais nos cantos inferiores de peitoris de janelas são devidas à diferenciação de tensão entre a parede que está abaixo da janela e a parede cheia lateral (que recebe carga bem mais elevada). Forma-se um plano de cisalhamento. A contraverga é uma maneira de resolver o problema. Em baixo de janelas podem aparecer trincas inclinadas a partir do canto da

esquadria para fora do vão. A causa é a mesma da situação anterior (diferença de tensão), mas nesse caso há uma flexão. A causa também é a mesma:

vergas ou contravergas fracas e que devem ser refeitas.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas Fissura por cisalhamento. Falta de contraverga. Fissura por flexão. Falta de contraverga ou

Fissura por cisalhamento. Falta de contraverga.

e Trincas Fissura por cisalhamento. Falta de contraverga. Fissura por flexão. Falta de contraverga ou verga.

Fissura por flexão. Falta de contraverga ou verga.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

ASSENTAMENTO:

Assentamento de alvenarias devido à secagem das argamassas também é causa frequente de trincas. É um tipo de lesão que aparece sempre que se usa argamassa de espessura excessiva. Quanto mais fina a argamassa melhor o resultado na alvenaria e no revestimento. Esse tipo de fissura geralmente inicia no alto da parede onde o abatimento é

maior. O mesmo sintoma pode aparecer quando a argamassa de assentamento é fraca ou o revestimento foi feito antes que a argamassa de assentamento tenha secado.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas Fissura causada pelo abatimento no assentamento. IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações

Fissura causada pelo abatimento no assentamento.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

As alvenarias em edifícios com estrutura de concreto armado podem apresentar fissuras causadas pela flexão das vigas em que se apoiam.

causa d as pe la fl ex ão d as v i gas em que se

A viga superior pode flexionar mais que a inferior havendo esmagamento dos tijolos na parte alta. Essa fissuras geralmente se apresentam repetidas em todas as paredes superpostas de um edifício.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

TODOS OS CASOS RELACIONADOS À ESTRUTURA DE CONCRETO SÃO DE DIFÍCIL CORREÇÃO PORQUE A SOLUÇÃO SERIA O REFORÇO NA ESTRUTURA. PREENCHER AS RACHADURAS (SE ATIVAS) NÃO RESOLVE PORQUE AS TRINCAS VÃO REAPARECER.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Paredes que sustentam lajes também costumam apresentar fissuras horizontais nas proximidades da ligação. São fissuras de origem térmica devidas à diferença na dilatação. Quando a laje não pode correr, se levanta e as fissuras indicam tração.

correr, se levanta e as fissuras indicam tração . IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações |

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Se a laje pode correr a fissura apresenta ramais inclinados indicando o sentido da dilatão.

ramais inclinados indicando o sentido da dil at aç ã o. o concreto é duas vezes
o concreto é duas vezes maior que o das alvenarias. Essas fissuras acontecem porque coeficiente
o
concreto é duas vezes maior que o das alvenarias.
Essas
fissuras
acontecem
porque
coeficiente
de
dilatação
térmica
do
IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

A dilatação térmica diferenciada também causa fissuras entre a platibanda e a laje de cobertura (quando de tijolos). A solão seria a colocação de algerós.

os ). A so l uç ão seria a col ocaç ão de al ger ó

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Ainda é comum que as platibandas de alvenaria rompam no sentido vertical.

que as platibandas de alvenaria rompam no sentido vertical. IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações |

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

A umidade é uma das causas mais comuns de trincas em alvenarias. Se uma parte da alvenaria umedece bastante os tijolos incham e o trecho úmido se dilata provocando trincas no limite com a área seca. Nesse caso deve-se eliminar a causa da umidade, esperar secar e então corrigir as trincas.

Ainda podem existir rachaduras devido ao enfraquecimento das paredes para dar passagem às tubulações.

Nos casos em que as fissuras ficam somente na argamassa de assentamento a solução é preencher a fissura com uma argamassa expansiva. A argamassa comum retrai na secagem e abriria nova trinca.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS NOS REBOCOS

Na maior parte as fissuras nos rebocos são consequência de rachaduras em paredes, ou descolamentos. Se uma parede racha é natural que o reboco a ela aderente também rache. Se o reboco se separa da parede, fica sem apoio e flexiona. Como é um material não-armado, quebra na zona tracionada.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS NOS REBOCOS

Aparecendo uma fissura em reboco a primeira providência é retirar o reboco em uma pequena área e verificar se atrás a alvenaria também está . Havendo rachaduras nos tijolos esse defeito deve ser corrigido primeiro.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS NOS REBOCOS

Fissuramento na direção horizontal motivadas pelo assentamento da alvenaria. Pode ter sido causado se a parede foi rebocada cedo. Com a secagem total da parede a baixa de altura pode esmagar o reboco já seco. (a argamassa tem velocidade de evaporação reduzida). Efeito mais pronunciado quanto maior a espessura da argamassa de assentamento.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato logia das Edificações | Profa.
Fissuras e Trincas IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato logia das Edificações | Profa.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS NOS REBOCOS

Fissuramento em mapa aparece quando a argamassa apresenta expansão ou

retração durante a fase de endurecimento. Este defeito é mais pronunciado nos rebocos com mais cimento.

A diferença de dilatação térmica entre reboco e tijolos pode causar trincas

iguais a essas, com uma leve tendência a ter mais trincas no sentido maior de

extensão.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato logia das Edificações | Profa.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS NOS REBOCOS

As fissuras devidas exclusivamente ao reboco geralmente só afetam a

aparência e quase sempre param de aparecer após algum tempo, quando termina a secagem ou expansão.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

Viga com excesso de flexão apresentam fissuras na parte inferior (se devidas a momento positivo) ou na parte inferior (se devidas a momento negativo). Geralmente iniciam com o descolamento da pele e depois formam linhas verticais.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato logia das Edificações | Profa.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

Uma viga com excesso de força cortante (cisalhamento), vai apresentar fissuras a 45° nos locais onde a força cortante é maior, ou seja, próximo às extremidades.

Em ambos os casos citados o tratamento consiste em reduzir a carga e/ou

reforçar a viga.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato logia das Edificações | Profa.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

Uma solução errada para este tipo de problema é a de colocar pilares no meio das vigas que estejam flexionando. Isto induz momentos negativos para os quais a viga não tem armadura.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

Uma viga com excesso de tração vai apresentar fissuras verticais uniformemente distribuídas, e que, tanto podem ficar na parte alta como na parte baixa, mas que, geralmente, ficam no terço médio da altura da viga.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

Fissuras e Trincas IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato logia das Edificações | Profa.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

Viga com fissuras devido à excessiva compressão:

• Viga com fissuras devido à excessiva compressão: IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM LAJES DE CONCRETO ARMADO

Fissuras em lajes armadas numa só direção

ARMADO • Fissuras em lajes armadas numa só direção IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações |

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM LAJES DE CONCRETO ARMADO

Quando a causa é excesso de tração a causa pode ser movimentação térmica, retração hidráulica, juntas de dilatação muito afastadas, por exemplo. Nesse caso, pode-se fazer juntas de dilatação intermediárias para que a movimentação pare. Se a causa é flexão ou cisalhamento, a solução seria refazer a laje ou fazer

uma outra sob a primeira.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM LAJES DE CONCRETO ARMADO

Lajes armadas nas duas direções quando flexionadas apresentam fissuras que geralmente começam no centro, perpendiculares às direções da armadura, pela face inferior.

às direções da armadura, pela face inferior. IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM LAJES DE CONCRETO ARMADO

Trincas retas na face superior, paralelas acompanhando as vigas são, geralmente, devidas à falta ou insuficiência de armadura negativa na laje.

ou insuficiência de armadura negativa na laje . IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Pato

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02

Fissuras e Trincas

FISSURAS EM PILARES DE CONCRETO ARMADO

Tensão de compressão; Flexionado para um lado (determina uma tração no lado oposto);

Flambagem;

Excesso de tração (raro);

Providências: reduzir a carga e/ou aumentar a resistência do mesmo (um novo pilar em torno dele.

IFSul-Rio-grandense | Curso Técnico de Edificações | Patologia das Edificações | Profa. Tatiane Nogueira | 2012/02