Você está na página 1de 12

Igreja

Volume 1 da Série:

Expressões bíblicas que mal interpretadas servem ao único


propósito de alimentar o engano no coração dos homens.

Autor
Luciano Silva

Idealizado e Produzido por:


Missões 2020

Introdução

É fato que a igreja tem obtido um plausível avanço geográfico em


meio aos dois mil anos que se passaram desde o seu nascimento. Lugares
remotos do globo, nunca antes tocados por qualquer tipo de literatura, hoje
contam com exemplares da bíblia traduzidos na língua nativa e em
diversos dialetos de povos que durante séculos estavam isolados dos
olhares do restante dos moradores do planeta. Felizmente hoje, com a
ajuda dos satélites e da produção de documentários transculturais o mundo
tomou conhecimento da existência destes povos e a cada ano missionários
podem ser enviados aos quatro cantos, podendo assim levar o evangelho
da salvação aos até então não alcançados. Por outro lado, todo este avanço
incrivelmente parece ter afastado a igreja da sua essência. Parece que a
medida em que os cristãos obedeceram ao “Ide” e se afastavam de
Jerusalém, eles também se distanciaram de princípios fundamentais do
cristianismo. Algo começou a acontecer em algum lugar do caminho. A
imagem de Cristo começou a se perder da vida dos cristãos nominais.
Estudando um pouco da história percebemos que os desvios começaram
próximo ao terceiro século após o surgimento de um sistema religioso
institucionalizado. É impressionante como os homens conseguiram em tão
pouco tempo se esquecer da simplicidade, da humildade, do poder e
serviço sacrificado presentes na vida de Jesus e de seus discípulos, virtudes
estas que deveriam estar sendo aprendidas e imitadas por qualquer pessoa
que deseja ser considerada cristã, mas ao invés disso estes mesmos homens
preferem dar asas ao ego, a soberba e a ganância e assim a igreja vem
alimentado um abominável parasita chamado, paganismo.
A verdade é que atualmente a maioria das pessoas interpretam o que é
a igreja sob um conceito totalmente fora dos fundamentos bíblicos. Valores
foram invertidos, princípios esquecidos e o amor tem se esfriado no
coração de muitos. Não deveríamos ter sido pegos de surpresa, pois fomos
avisados que esta apostasia viria e embora pareça demasiadamente tarde
para revermos alguns conceitos, não é, e tudo o que podemos fazer deve
ser feito agora, com muita determinação, ousadia e urgência. Este livreto é
uma pequena contribuição que com muito esforço se propõe abrir os olhos
de todos os irmãos e irmãs em Cristo para verdades e mentiras que
parecem estar passando despercebidas aos olhos do povo adquirido. Mais
especificamente procuramos abordar expressões bíblicas que por muito
tempo estão sendo mal interpretadas e que na maioria das vezes resultam
no distanciamento da igreja de Cristo da sua essência. Se de fato
desejamos que o mundo conheça Jesus como deveria, precisamos
urgentemente rever o nosso cristianismo. Precisamos começar a nos fazer
algumas perguntas. Talvez a primeira delas seria: Poderia a igreja de
Cristo, passados mais de dois mil anos, vivendo em um mundo dominado
pelo maligno, estar espiritualmente melhor? Creio que esta também foi
uma grande preocupação de Jesus: “Quando porém vier o Filho do
homem, porventura achará fé na terra?” (Lucas 18:8)
Precisamos nos aprofundar no conhecimento da verdade, pois ainda
que as multidões caminhem em uma só direção, devemos lembrar que não
seriam muitos os que entrariam pela porta estreita e esta é uma triste
verdade.
Oramos para que o Espírito Santo lhe conceda ousadia e coragem para
mudar, ainda que isso aparentemente resulte em algum tipo de perda, e
neste caso, qualquer perda por amor a Cristo será lucro, ainda que
estejamos falando de perdermos as nossas próprias vidas.

“Quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida, por amor
de mim, achá-la-á.” (Mateus 10:39)
Palavras mal interpretadas são cavalgadas pela mentira.
Luciano Silva

IGREJA
Edifício dedicado ao culto de qualquer confissão.
(Dicionário Priberam da língua Portuguesa.)

Quando pensamos em igreja logo nos vem a mente um edifício em


alguma praça central da cidade, com uma torre alta, lindos vitrais multi-
coloridos, um grande sino e uma cruz no topo. Ou ainda, independente de
sua estrutura arquitetônica, lembramos das diversas denominações que se
nos dedicássemos a citá-las todas se estenderiam por dezenas de páginas
neste livro, por tanto segue apenas alguns exemplos: Assembleia de Deus,
Igreja do Evangelho Quadrangular, Igreja Adventista do Sétimo Dia, Igreja
Presbiteriana, Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Igreja
Pentecostal Deus é Amor, Igreja Católica Apostólica Romana, Igreja
Universal do Reino de Deus, Igreja Renascer e por ai vai (me perdoe se
não citei a que você frequenta). Os nomes são tantos que poderíamos
escrever um livro inteiro sobre eles. Desta forma a ideia de igreja da
maioria das pessoas está fundamentada, e por que não dizer limitada, a
exatamente o que os dicionários declaram que ela é, um edifício que
somado a um pouco de religiosidade se torna um lugar sagrado, porém tal
significado está longe de ser sustentado biblicamente, e se realmente
estivermos interessados e procurarmos em nossas bibliotecas também não
encontraremos fundamento histórico para esta afirmação, pelo menos não
no que diz respeito ao cristianismo antes dos três primeiro séculos de vida.
A má interpretação do que realmente é a igreja provavelmente seja o
maior desvio que os cristãos cometeram no que diz respeito aos
ensinamentos de Jesus e o próprio contexto profético do proposito da
igreja.
O que hoje são tidos por igrejas na verdade são templos pertencentes a
sistemas religiosos e isso é tudo, por sua vez estes sistemas são
regimentados por seus devidos estatutos, que são nada menos do que
frutos das divergentes interpretações dos homens que defendem com unhas
e dentes as suas próprias razões e convicções. Esta é a razão de existirem
milhares de denominações, que embora expressem sua fé no mesmo
Cristo, seguem separadas, cada qual com a sua própria verdade. Por um
momento poderíamos pausar aqui e perguntar: Está Cristo dividido?
Obviamente que não. Então o porque de tanta divisão? A resposta é
simples: A velha, e bem conhecida, corrida pelo poder.
Durante muito tempo me perguntei o porque de uma específica oração
de Jesus não estar sendo respondida por Deus. Me refiro quando Jesus
orou:

E rogo não somente por estes, mas também por aqueles que pela sua
palavra hão de crer em mim;para que todos sejam um; assim como tu, ó
Pai, és em mim, e eu em ti, que também eles sejam um em nós; para que o
mundo creia que tu me enviaste. E eu lhes dei a glória que a mim me
deste, para que sejam um, como nós somos um;eu neles, e tu em mim,
para que eles sejam perfeitos em unidade, a fim de que o mundo conheça
que tu me enviaste, e que os amaste a eles, assim como me amaste a mim.
(João 17:20-23)

Eu olhava para as centenas de denominações criadas pelos homens e


tudo o que eu conseguia ver era separação, um reino dividido. E eu
perguntava ao Senhor, até quando o Seu reino estará dividido? Até quando
o Seu Santo nome continuará sendo blasfemado pelos gentios por causa da
desunião destes que se dizem cristãos, que dizem que te servem, mas que
jamais conseguem abandonar o seu orgulho e a sua soberba para andarem
juntos? Essa pergunta perdurou por muitos anos, até que um dia, ouvindo
uma mensagem ministrada por um abençoado evangelista, Paul Washer,
pude perceber e entender que aquela oração de Jesus, desde que foi feita,
tem sido respondida por Deus. Sim, a igreja de Cristo é unida! O problema
é que isso que até então tínhamos por igreja, não é a igreja, mas sim, algo
criado pelos homens, uma instituição humana do tipo empresa/religião,
logo eis a razão de tanta divisão. A igreja de Cristo sempre esteve unida, já
o sistema religioso dos homens jamais conseguiu expressar a essência do
cristianismo, um dos maiores princípios no reino de Deus, a comunhão
verdadeira, a unidade em amor, aprendendo juntos, servindo juntos,
ouvindo o Espírito Santo juntos.
Por não ser o propósito deste livro nos aprofundarmos nos fatos
históricos, aconselho que leia o livro “A igreja de casa em Casa”
disponível gratuitamente no site www.missoes2020.org. Nele você
encontrará, ainda que resumida, uma boa parte da história da igreja e os
seus principais pontos de desvio. Contudo, o fato de que os homens
encontraram no sistema religioso uma grande fonte de lucro e poder você
encontrará em qualquer outro livro histórico sobre o assunto, ou talvez
nem precise, basta seguir os noticiários para assistir todos os dias sobre os
absurdos e abusos financeiros envolvendo padres, pastores e suas
respectivas instituições religiosas, contudo é importante saber que a
origem desta busca por poder e riquezas utilizando-se da fé de pessoas mal
informadas encontram-se lá atrás há quase dois mil anos, quando Roma
começou a edificar o seu império às custas dos Papas corruptos com seus
dogmas e indulgências.
Enquanto Jesus preparava os seus discípulos para continuarem o Seu
trabalho após o Seu retorno aos céus, Ele ensinou sobre administração,
relações públicas, marketing natural de expansão, prestação de serviço e
muitas outras coisas, porém Ele ensinou estas coisas de forma simples e
natural e jamais com a intenção de que os seus discípulos estivessem
capacitados para administrar uma empresa, um novo sistema religioso ou
coisa do tipo. Todos estes pontos quando aprendidos são critérios
importantes para a edificação de um negócio e funcionam perfeitamente
em qualquer empresa, mas Jesus não tinha em mente um “negócio”, Ele
tinha uma missão, construir em nós morada para o Seu Pai, uma casa não
feita por mão de homens.(At 7:47-50 )
Muitos líderes religiosos tem muito clara em sua mentes, a verdade de
que nós é quem somos o templo, o lugar de habitação escolhido por Deus,
o problema é que o coração de muitos deles ainda não se abriu
completamente e definitivamente para esta verdade, talvez por que seja
confortável e rendoso permanecer assim.
Os religiosos do tempo de Jesus não entenderam o que o Filho de Deus
estava querendo dizer com “não ficará pedra sobre pedra”(Lucas 21:5...),
ou ainda, “destruirei e depois em três dias tornarei a edificá-lo”(João
2:13...). Eles não perceberam que Jesus estava seguindo o plano de Deus
que de ante-mão havia sido revelado aos profetas no que diz respeito a
glória da segunda casa(Ageu 2:3...). Jesus tirou o velho para estabelecer o
novo, Ele trouxe a nós a imagem real do que até então era apenas uma
sombra. A antiga casa de Deus, um templo de concreto, era apenas a
sombra, mas nós, pedras vivas, somos a imagem real, a morada de Deus
em Espírito. Os homens não permaneceram na primeira aliança, mas para
que Deus pudesse nos alcançar através de uma nova aliança, um homem
deveria cumprir a lei com perfeição, Jesus foi este homem, por isso na cruz
ele declara: Está consumado. Jesus vence a morte, ressuscita ao terceiro
dia e então é glorificado pelo Pai. Posso dizer que a luz desta glória
dissipou a sombra, iluminou nossos olhos e agora podemos ver claramente
a imagem real, podemos conhecer a vontade de Deus não por uma lei
imposta, mas por amor voluntário. O Espírito Santo é quem coloca esta
vontade em nossa mente e coração, e isso não é obra de homens, pois tudo
o que o homem pode fazer, o próprio homem pode desfazer, mas a obra de
Deus quem a destruirá?
Não creio que tenha sido vontade de Deus que o homem o obedecesse
por meio de uma lei, mas devido a falta de obediência de coração, em
resposta a própria condição do homem, se fez necessário um tipo de
conduta religiosa, com templos e administradores oficiais e tudo mais, da
mesma forma que a pedido dos homens, Deus instituiu o primeiro rei, o
Saul da bíblia, ainda que Deus os tivesse advertido de que isso não seria
bom.(I Samuel 8)
Note que depois de Jesus, o conceito de lugares sagrados, dias
sagrados, pessoas especiais foi extinto. O Espírito Santo veio a nós, e
iniciou o Seu ministério. Sua função é nos consolar em meio as
tribulações do mundo nos orientando em todo o ensinamento dado por
Jesus, nos capacitando para prosseguirmos e crescermos na fé, firmes na
esperança da nossa redenção por meio Jesus, o Ungido de Deus. O que
quero dizer é que se há entre nós alguém importante, este alguém continua
sendo Jesus, o mesmo que disse a mulher samaritana que Deus está a
procura de verdadeiros adoradores, não como a maioria dos que adoram no
templo em Jerusalém(ou em qualquer templo), nem como a maioria dos
que adoram no monte(ou qualquer lugar tido como sagrado), seguindo a
tradição de seus pais, pois estes adoram o que não conhecem, e se não
conhecem não sabem como Ele deseja ser adorado. Ele está a procura
daqueles que adoram em espírito e em verdade.(João 4) Onde dois
estiverem reunidos em Seu nome, em espírito e em verdade, ali Ele estará.
(Mateus 18:20) Pode ser na sala de estar de uma humilde casa da cidade ou
nas montanhas, na rua movimentada de um bairro ou ainda embaixo de
uma árvore no meio do nada. Ele estará ali, pois nós somos a sua casa, nós
somos a Sua igreja, não feita de tijolos, mas feita por pedras vivas. ( Pedro
2:5)
Para os primeiros cristãos estava muito claro que Jesus acabara com o
conceito de templos religiosos, perceba que na crucificação o véu do
templo que separava o homem de Deus se rasgou de alto a baixo(Mateus
27:51), significando que a partir de então o caminho estava livre para
qualquer pessoa, para qualquer pecador arrependido. Jesus nos fez
sacerdotes(Apocalipse 1:6), logo podemos entrar em Sua presença com
liberdade. Não precisamos de santos de gesso ou de pessoas especiais para
intermediar-nos com Deus, já temos um mediador, Jesus.(I Timóteo 2:5)
Esta é a razão dos primeiros cristãos não terem construído um templo
sequer durante quase três séculos, depois disso o Império Romano se
prevaleceu e esta verdade começou a ser adulterada e manipulada para
respaldar as mentiras do Papado o qual reivindicava um poder que jamais
lhe pertenceu. A reconstrução de templos foi uma ação puramente política
com o intuito do fortalecimento do império Romano. Para sustentar tantas
mentira teriam obviamente que ressuscitar os lugares sagrados, dias
sagrados e pessoas especiais. Isto tem se estendido até os nossos dias, e
mesmo que tenham se levantado homens valorosos a favor da verdade,
conhecidos como reformadores, a reforma sequer tocou no conceito
fundamentado em templos. A única razão para isso é o fato de que se o
templo estiver de pé, haverá cargos, salários e benefícios para o clero que o
administra e todo este recurso você sabe de onde vem, do bolso dos
ouvintes passivos. Talvez seja por isso que a maioria dos líderes modernos
procuram desenvolver uma visão de águia como costumam dizer. Os olhos
deles estão nas multidões lotando os seus templos aos domingos, para no
final de cada reunião com alegria contabilizarem os seus lucros. (I Timóteo
6:10)
Os discípulos de Jesus foram ensinados a depender de Deus, a estarem
satisfeitos com o pão de cada dia, a serem como o vento que não sabe de
onde vem nem para onde vai, a não se preocuparem com o que vestir,
comer, ou mesmo onde dormir, visto que o próprio Mestre não tinha onde
reclinar a cabeça(Mateus 8:18...), então como podemos acreditar que Deus
aprova tantos milhões sendo enterrados em edifícios de igrejas, enquanto
que a verdadeira igreja que são as pessoas, pelas quais o Senhor foi a cruz,
estão tão necessitadas? Jesus não recebeu uma coroa de espinhos para que
nós tivéssemos o privilégio de fazer parte da igreja que possui o maior
templo da cidade, se é que isso pode ser considerado um privilégio. Ele
não foi cuspido para que pudéssemos passar o restos das nossas vidas
confortáveis e aquecidos em nossos luxuosos templos com poltronas de
cinema. Ele morreu por nossos pecados! Ele foi para a cruz porque nós
éramos a escória, o lixo do mundo, então Ele nos deu o direito de sermos
feitos filhos de Deus. Como Paul Washer diz, “a cruz não significa o
quanto somos valiosos, como muitos dizem, a cruz revela o quanto somos
depravados”. Não merecemos nada, portanto deveríamos levar mais a sério
o fato de que há uma cruz a ser carregada se é que desejamos ser
discípulos de Jesus, se é que desejamos ser cristãos de fato. Assim deve ser
a verdadeira igreja, o corpo de Jesus na terra. Do contrário, se estivermos
conformados com este sistema religioso moderno, estaremos muito longe
do caminho, nos perdemos na floresta e inacreditavelmente estamos nos
divertindo em dar banana para os macacos.
Entenda que você é uma parte da igreja que quando unido a outras
partes, irmãos e irmãs, juntos formam a igreja, a verdadeira igreja. Quando
estes estão congregados, então podemos dizer eis ai a igreja. Este encontro,
ou reunião, pode acontecer em qualquer lugar, mesmo no edifício de
algum sistema religioso, a diferença é que não deverão ser homens com
títulos e cargos, mas sim Jesus quem deve reinar e governar ali, pois Ele e
somente Ele é o único Cabeça da verdadeira igreja, por tanto quando
homens ocupam este lugar, que cabe somente a Jesus, seja num sistema
religioso, ou num pequeno grupo de convívio, então algo está muito
errado, a sua liberdade conquistada por Cristo provavelmente deve estar
sendo reprimida e o seu sacerdócio anulado.
Preciso esclarecer que eu amo todos os irmãos que professam sua fé
em Jesus independente de onde iniciaram sua caminhada de fé, mas odeio
este sistema religioso, bem como Jesus o odiou a dois mil anos atrás em
virtude da imensa hipocrisia que o constituía.
Uma estatística americana revela que em dez anos das 80% de pessoas
que foram até um templo e ouviram sobre Jesus, 70% delas depois de
pouco tempo saíram e não voltaram mais. Acredito que no Brasil este
números são superiores. O que isso significa? Apenas uma coisa, o sistema
religioso dos homens têm sido eficaz em gerar milhares de desviados a
cada ano. Por que isso acontece? Isso acontece por causa das estratégias
humanas, pelo marketing mentiroso pelo qual estas lideranças estão
atraindo o olhar dos pecadores, que num primeiro momento não querem
abandonar o pecado e depois que chegam, no que entendem ser a igreja,
ouvem tudo o que querem ouvir, se satisfazem por um tempo, mas logo
percebem que o vazio no coração continua ali e então vão embora. Não
digo que estão deixando de pregar a verdade em algum momento, apenas,
claramente estão ensinando as pessoas a entrarem pela porta estreita não se
importando se depois disso continuam a seguir pelo caminho largo,
contanto que continuem a frequentar as suas reuniões de entretenimento e
paguem a conta no final. Com tristeza olho para os jovens “cristãos” e o
seu testemunho nos revela que nunca nasceram de novo, nunca se
tornaram novas criaturas, continuam a desejar tudo o que o mundo deseja,
a amar tudo o que o mundo ama, mas eles tem a sua justificativa, pois os
seus pastores os ensinaram que eles tem que comer o melhor desta terra,
que Deus tem que restituir tudo o que é deles, que eles tem que brilhar e
assim numa crescente desenfreada se mostra este engodo do diabo. Sabe
qual é o final da história para estes que acreditam nestas mentiras? Não
demora e estarão comendo bolotas junto aos porcos. Se isto soa estranho
pra você, releia com atenção a parábola do filho pródigo(Lucas 15). Se
você é um destes que se deixou levar por este ensino fraudulento, por este
evangelho barato da prosperidade e continua empenhado em receber de
volta tudo o que te pertence, preciso te dizer que a única coisa que você
poderá receber de volta é a multidão dos teus pecados que Cristo levou
sobre si naquela cruz, isso é tudo o que te pertence, isso é tudo o que tanto
eu como você merecemos!
(Obrigado Jesus por me amar, por se oferecer em meu lugar e receber
o peso do cálice da ira de Deus naquela cruz, bem sei que eu não
suportaria.)

Então, olhemos para Jesus e jamais vamos encontrar nEle nada do que
estes pregadores modernos estão reivindicando para si mesmos e isso só
revela uma coisa, não são discípulos de Jesus, pois não refletem o mesmo
caráter e obras do Mestre, e o pior, estão formando discípulos iguais a eles.
Estes são lobos devoradores e Jesus nos alertou sobre eles, fiquemos
atentos!(Atos 20:29)

Para entendermos definitivamente o que está no coração de Deus sobre


este assunto(a igreja) basta olharmos com atenção o que João viu para o
futuro da igreja.
Apocalipse
1- E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a
primeira terra passaram, e o mar já não existe.
2- E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus
descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido...
22- E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-
Poderoso, e o Cordeiro.

A bíblia declara que Deus fez o plano e Ele o executará. Paulo sabia o
que estava dizendo ao declarar que a lei foi a sombra dos bens futuros e
não a imagem exata das coisas(Hebreus 10:1). Desta forma o templo era
apenas uma sombra do que Deus já havia planejado. Nesta perspectiva
damos um passo a frente e vemos o Senhor declarando através da carta de
Paulo aos Corintios que nós somos o templo:
1 Corintios 6:18-19
Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem
comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu
próprio corpo. Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito
Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós
mesmos?

2 Corintios 6:16
E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois
o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles
andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.

Atos 7:48-51
Mas o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens,
como diz o profeta: O céu é o meu trono, E a terra o estrado dos meus pés.
Que casa me edificareis? diz o Senhor, Ou qual é o lugar do meu repouso?
Porventura não fez a minha mão todas estas coisas?
Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós
sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais.

Queridos irmãos e irmãs em Cristo, não posso deixar de registrar que


acredito que existam homens fiéis a Deus e a sua palavra ainda que dentro
de um sistema religioso, mas seria prudente observar estes homens. Todo
aquele que exerce a função de pastor, ou qualquer outro que se prontifica
ao ensino, deve refletir a mente de Cristo. Sua vida, seus projetos, suas
decisões, suas palavras devem refletir Jesus em tudo e como sabemos que
isso trata-se de um crescimento contínuo por toda a vida, tal pessoa deve
demonstrar humildade para ouvir e reconhecer os seus erros diante dos
demais irmãos em todo o tempo. Pastor que acha que tem a última palavra
em meio a igreja, não é um pastor bíblico. Pastor que acredita que é o
único que recebe orientação de Deus para a igreja, não é bíblico. Sobre
este assunto reservei um capítulo inteiro, contudo fique atento, a igreja
bíblica é o corpo de Jesus na terra e este é formado por muitos membros,
os quais Jesus é o único cabeça, Ele é quem manda, Ele é quem dirige e
capacita a igreja, pelo Espírito Santo, de maneira que os dons distribuídos
a todos, servem ao único propósito de edificar a Sua igreja. Onde dois ou
três estiverem reunidos em Seu nome, ali Ele estará. Quando dois
concordarem na terra o Pai que está nos céus ouvirá e responderá,(Mateus
18:19) é por isso que as decisões na igreja tomadas por uma só pessoa não
refletem a mente de Jesus, é preciso que todos concordem, sejam
unânimes, sejam igreja.

Não deixe de ler os outros volumes desta série.

Dúvidas, críticas ou sugestões:


contato@missoes2020.org

www.missoes2020.org