Você está na página 1de 30

NÚCLEOS INTEGRALISTAS DO ESTADO

DO RIO DE JANEIRO
Visite nosso portal: www.integralismorio.org
contato@integralismorio.org

A HISTÓRIA DO
INTEGRALISMO
A Historia do Integralismo e de Plínio Salgado
(jornalista; mov. integralista; rev. 1938; cand. pres. Rep. 1955; dep.
fed. PR 1959-1963; dep. fed. SP 1963-1974.)

Plínio Salgado nasceu em São Bento do Sapucaí (SP) no dia 22 de janeiro


de 1895, filho de Francisco das Chagas Esteves Salgado e de Ana Francisca
Rennó Cortez, oriundo de uma família católica de raízes políticas
conservadoras.

Seu pai, farmacêutico de profissão, foi coronel da Guarda Nacional, chefe


político de São Bento desde o início da República e, profundo admirador
de Floriano Peixoto, cultivou o sentimento nacionalista em seus filhos.
Sua mãe foi professora da Escola Normal de sua cidade. Seu avô paterno,
Manuel Esteves da Costa, de origem portuguesa e formação antiliberal,
emigrou para o Brasil por razões políticas após estudar humanidades em
Coimbra. Seu avô materno, Antônio Leite Cortez, nascido na Espanha, foi
professor de letras clássicas e político do Partido Conservador do
Império. No Brasil, os dois ligaram-se por casamento a tradicionais
famílias paulistas. Mariana Salgado César, sua avó paterna, pertencia ao
tronco quatrocentão dos Cerqueira César. Sua avó materna, Matilde Sofia
Rennó, era descendente de Pero Dias, um dos fundadores da cidade de São
Paulo.

Após aprender as primeiras letras com sua mãe, Plínio Salgado iniciou o
secundário no Externato São José, em sua cidade natal. Primogênito da
família, foi obrigado a interromper os estudos em 1911, com a morte de
seu pai, quando cursava humanidades no Ginásio Diocesano de Pouso Alegre
(MG). Ainda em 1911 retornou ao seu estado, estabelecendo-se na cidade de
São Paulo, onde permaneceu por dois anos, vivendo com escassos recursos e
prosseguindo sua formação intelectual como autodidata. Datam dessa época
suas primeiras leituras de filosofia, pedagogia e psicologia. Aos 17
anos, segundo suas próprias palavras, sentiu-se "fascinado pelo
materialismo histórico ao ler as obras de Gustave Le Bon, Ludwig Büchner,
Ernst Haeckel e Lamarck".

Em 1913 regressou a São Bento, tornando-se mestre-escola e trabalhando


ocasionalmente como agrimensor. Em 1916, juntamente com Joaquim Cortez
Rennó Pereira, seu futuro cunhado, fundou o semanário Correio de São
Bento. Além de suas funções como professor e jornalista, dedicou-se às
atividades culturais da cidade, tendo sido diretor de um grupo de teatro
e. de um clube de futebol, supervisor do Tiro de Guerra e membro do
Gabinete Português de Leitura.

Em um de seus primeiros discursos, pronunciado em 1916 por ocasião das


comemorações do aniversário da Independência, exaltou as virtudes do
nacionalismo e dos povos guerreiros, afirmando: "Brasileiros"! Precisamos
amar nossa pátria até o delírio, e entre as duas palavras de Dom Pedro
(Independência ou morte!) optar sempre pela independência. Em seguida,
após elogiar a Alemanha de Bismarck, declarou: "Benditos os povos que
desaparecem lutando porque a guerra é forte e digna e os seus nomes não
morrerão jamais."

Suas crônicas no Correio de São Bento revelaram um escritor de talento,


logo reconhecido por intelectuais como José Bento Monteiro Lobato, que
tratou de publicá-las em sua Revista do Brasil. Algumas foram também
transcritas no Correio Paulistano. Nesse período, Salgado dedicou-se ao
aprofundamento de seus estudos de filosofia, interessando-se sobretudo
pela obra de Herbert Spencer.

Em 1918 iniciou suas atividades políticas, participando da fundação do


Partido Municipalista - organizado por líderes de 16 cidades do vale do
Paraíba em oposição ao Partido Republicano Paulista (PRP) -, e
pronunciando diversas conferências em defesa das comunidades locais e da
autonomia dos municípios.
Nesse mesmo ano, todavia, quase morreu vítima da epidemia de gripe
espanhola que assolou o Brasil.

Ainda em 1918, já restabelecido, casou-se com Maria Amália Pereira,


enviuvando menos de um ano depois, quando sua primeira e única filha
contava com apenas 16 dias de nascida. Transtornado com a morte de sua
mulher, voltou-se para a religião, adotando uma concepção espiritualista
do mundo através da leitura das obras do filósofo anti-spenceriano
Raimundo de Farias Brito e do pensador católico Jackson de Figueiredo. Em
1919 publicou seus dois primeiros livros, Thabor, uma coletânea de poemas
líricos, sociais e religiosos, e A boa nova, uma conferência sobre a vida
de Jesus.

Em 1920, durante a campanha do Partido Municipalista para as eleições


locais, Salgado foi preso após um tiroteio com a polícia. Obtendo sua
liberdade, mudou-se em seguida para São Paulo, onde, através de seu
amigo, o jornalista Nuto Santana, conseguiu o emprego de suplente de
revisor no Correio Paulistano, órgão oficial do PRP.

Na literatura: o movimento modernista e a campanha nacionalista.

Durante a década de 1920, Plínio Salgado dedicou-se essencialmente às


atividades literárias, tornando-se um escritor de renome. Sua atuação
política foi praticamente inexpressiva ao longo de todo esse período,
desenvolvendo-se sempre à margem de grupos oligárquicos paulistas.

Um ano depois de sua chegada a São Paulo, Salgado passou a trabalhar na


redação do Correio Paulistano, por solicitação de Paulo Menotti del
Picchia, então redator-chefe do jornal e um dos principais divulgadores
das novas tendências estéticas, por quem foi influenciado a dedicar-se à
prosa e a abandonar a poesia parnasiana.

Em fevereiro de 1922, participou discretamente da Semana de Arte Moderna,


tendo alguns poemas lidos no Teatro Municipal de São Paulo por Ronald de
Carvalho. Não aderiu de imediato, entretanto, ao movimento modernista,
parecendo mesmo temer essa tendência ao escrever, no final de 1922, que
"as revoluções de arte moderna serão um perigo para os povos sem cultura,
agirão como elemento dissolúvel, em vez de construtor, desorientarão
completamente os 'novos' e corresponderão para o senso estético das
turbas a um movimento de anarquia e regresso."

Os dois anos seguintes foram, segundo seu próprio depoimento, um período


de "experiência do estilo moderno". Assinou então dezenas de crônicas e
ensaios, que em 1927 seriam reunidos e publicados no volume Discurso às
estrelas. No final de 1924, ao lado de intelectuais como Cândido Mota
Filho, ligou-se a uma facção dissidente do PRP que rompera com o
presidente de São Paulo, Washington Luís. Demitiu-se então do Correio
Paulistano e passou a trabalhar no escritório do advogado e empresário
Alfredo Egídio de Sousa Aranha, onde permaneceu por dois anos. Durante
esse período, escreveu artigos sob o pseudônimo de Pinus no jornal O
Estado de São Paulo.

Em janeiro de 1926, publicou seu primeiro romance, O estrangeiro, no qual


descreveu a saga de um imigrante e sua luta para enraizar-se em uma nova
sociedade, a hipocrisia das elites paulistanas e a vitalidade e o
nacionalismo latente de homens simples, como o caboclo Zé Candinho e o
mestre-escola Juvêncio. O romance foi muito bem acolhido - sua primeira
edição esgotou-se em 20 dias -, sendo considerado por alguns críticos
como a primeira obra de ficção moderna escrita no Brasil.

Ao lado de Cassiano Ricardo, Cândido Mota Filho e Menotti del Picchia,


foi um dos ideólogos da tendência nacionalista do modernismo - denominada
Movimento Verde-Amarelo - lançada ainda nesse ano em oposição à corrente
primitivista, que se afirmara a partir do Manifesto pau-brasil, de Oswald
de Andrade. Com esse movimento, segundo Salgado, "iniciei a campanha
nacionalista que já manifestava uma tendência construtiva, depois da fase
irreverente de destruição no campo literário e da anarquia intelectual em
que nos lançáramos". O grupo tornou-se conhecido principalmente pelos
artigos publicados no Correio Paulistano e na Revista Novíssima, do Rio
de Janeiro.

Em 1927, apresentou sua primeira interpretação política da sociedade


brasileira em Literatura e política, uma coletânea de artigos publicados
no Correio Paulistano. Seguindo muito de perto Alberto Torres e Francisco
Oliveira Viana, Plínio Salgado denunciou nesse livro o caráter artificial
do regime republicano, o "desequilíbrio entre a ideologia liberal e a
realidade do país" e os principais mecanismos do sistema democrático. O
sufrágio universal, por exemplo, foi considerado como principal entrave à
"organização das elites dirigentes, por processos seletivos". Apontou
também o que chamou os equívocos da oposição liberal, afirmando que "as
oposições brasileiras inserem em seus programas questões puramente
formais... detêm-se no considerar as piores ou melhores formas de
democracia quando devemos cogitar da própria salvação da democracia com o
imprimir-lhe um sentido novo e consentâneo com as realidades históricas e
sociais". Revelou-se também anticosmopolita e apologista de um Brasil
agrário, defendendo a concepção de que o processo de formação histórica
do país foi determinado, em última instância, pelo conflito entre o
litoral (reduto da influência européia) e o hinterland (núcleo da
verdadeira cultura brasileira). A luta de classes seria apanágio das
sociedades economicamente adiantadas, urbanas e industriais da Europa e,
conforme frisou, provocada "exclusivamente pelo mal urbano, a
centralização industrial e a fascinação das cidades". Considerou,
entretanto, que o Brasil não poderia permanecer à margem da situação
mundial. O conflito entre o fascismo e o comunismo - sobre os quais se
absteve de firmar um julgamento definitivo - já aparecia, em sua opinião,
como o centro das disputas na Europa. “Ambos, profundamente
materialistas, decretam a falência da democracia - ou triunfa o
imperialismo econômico baseado no ‘nacionalismo’ no ‘fascismo’, na
‘ditadura militar’, ou vence o imperialismo político da III
Internacional.”
Julgando prematura a organização de novos partidos no Brasil, preconizou,
em termos práticos imediatos, uma ação de soerguimento espiritual
e moral dentro das tradições do povo brasileiro, referindo-se ao verde-
amarelismo como "a Grande Véspera de um definido pensamento nacional".

Também em 1927, em co-autoria com Cassiano Ricardo e Menotti del Picchia,


Salgado compôs O Curupira e o carão, livro-programa da "revolução da
Anta", denominação que sugerira em homenagem ao mamífero-totem dos tupis.
Esse movimento, que o próprio Salgado definia como sendo a "ala esquerda
do verdeamarelismo", seria revidado com sarcasmo pela Revista de
Antropofagia, lançada em 1928 por Oswald de Andrade. Com o grupo da Anta,
Salgado dedicou-se ao estudo da cultura indígena numa tentativa de
estabelecer as autênticas origens da nacionalidade, tendo inclusive
aprendido a língua tupi com seu amigo Raul Bopp, para estudar com maior
profundidade os temas nativos. Nessa fase, produziu um conjunto de
artigos de exaltação ao índio, voltados para os mitos da terra, da raça e
do sangue, com a perspectiva de que "a nossa formação espiritual
brasileira tem por base a completa destruição dos ídolos europeus e o
despertar das energias adormecidas no recesso do sangue e da alma
do Brasil".

As origens da AIB

Em fevereiro de 1928, Plínio Salgado foi eleito deputado estadual na


legenda do PRP, tendo contado, assim como Menotti de Picchia, com o apoio
do presidente de São Paulo, Júlio Prestes. Participou de um movimento de
intelectuais ligados ao PRP, conhecido como Ação Renovadora Nacional,
que, entretanto, dissolveu-se sem alcançar o objetivo desejado, porque,
segundo Salgado, o próprio partido "desinteressava-se completamente pelas
questões doutrinárias".

Permanecendo vinculado ao PRP, na campanha para as eleições presidenciais


de março de 1930 apoiou a candidatura de Júlio Prestes, patrocinada
oficialmente pelo presidente Washington Luís contra a candidatura
oposicionista de Getúlio Vargas, lançada pela Aliança Liberal. Logo após
a vitória de Júlio Prestes, Salgado aceitou o convite de Sousa Aranha
para viajar ao exterior como preceptor de seu filho, Joaquim Carlos.
Assim, em 26 de abril de 1930, antes de concluir seu mandato de deputado
estadual, deixou o país rumo ao Oriente Médio e à Europa.

Iniciou a viagem visitando o Egito, a Palestina e a Turquia, e percorreu


em seguida cerca de oito países da Europa. A passagem pela Itália
representou, sem dúvida, um momento decisivo para sua futura carreira
política. Durante um mês, observou de perto a experiência fascista, que o
influenciou profundamente, e, após um encontro com o ditador italiano
Benito Mussolini, escreveu a um amigo no Brasil dizendo que um "fogo
sagrado" entrara em sua vida. "Volto para o Brasil, disposto a organizar
as forças intelectuais esparsas, coordenaras dando-lhes uma direção,
iniciando um apostolado." Sobre a aplicação do modelo fascista ressalvou
que "não é exatamente esse regime que precisamos aí, mas é coisa
semelhante". Em Paris, concluiu o romance O esperado - que seria
publicado no Brasil em 1931 - e redigiu o esboço de um manifesto político
com a intenção de lançá-lo imediatamente após sua chegada ao Brasil.

Alguns anos mais tarde, resumiria dessa forma suas impressões da viagem:
"Vira a renovação política da Turquia, o fascismo na Itália, lera uma
vasta literatura comunista que circulava em Paris, estudara a social-
democracia alemã, examinara a pequenina Bélgica, meditara no Egito sobre
o imperialismo inglês, observara a anarquia dos espíritos na Espanha e a
nova ordem em Portugal, e tudo me mostrava a morte de uma civilização, o
advento de uma nova etapa humana."

Após quase seis meses de viagem, em 4 de outubro de 1930 Salgado retornou


ao Brasil, exatamente no dia seguinte à deflagração do movimento
revolucionário contra o presidente Washington Luís. A rebelião fora
articulada pelos dirigentes da Aliança Liberal o pelos "tenentes" -
designação dada aos jovens oficiais do Exército que haviam liderado os
movimentos revolucionários da década de 1920 -, nos meses que se seguiram
às eleições presidenciais. Durante a insurreição, publicou dois artigos
no Correio Paulistano em defesa do governo federal, criticando o que
identificava como a orientação liberal-democrática do movimento. Após a
deposição de Washington Luís em 24 de outubro, o Correio Paulistano foi
depredado e vários de seus companheiros foram presos. Salgado não foi,
todavia, visado pelo interventor federal em São Paulo, o tenente João
Alberto Lins de Barros, permanecendo em liberdade.

No período que se seguiu, adotou rapidamente uma atitude favorável ao


Governo Provisório, chefiado por Vargas, ligando-se à Legião
Revolucionária de São Paulo, fundada em meados de novembro por João
Alberto, Miguel Costa e outros "tenentes", com o objetivo de imprimir um
sentido próprio à revolução e combater o liberalismo ortodoxo da
Constituição de 1891.

Em fevereiro de 1931, em carta a Augusto Frederico Schmidt, Salgado


comunicou sua intenção de criar um jornal com o apoio financeiro de Sousa
Aranha. "É o que nesse momento se pode fazer. Nesse instante, eu me sinto
imensamente desamparado de elementos materiais para qualquer ação
política." No dia 3 de março seguinte, o Manifesto da Legião
Revolucionária, redigido por Plínio Salgado com base no documento
elaborado em Paris, foi divulgado pelo O Jornal, do Rio de Janeiro.
Defendia, entre outras teses, o Estado centralizado e forte, ao lado de
um Poder Judiciário autônomo e unificado e de um Legislativo de técnicos
e não de políticos; a nacionalização de alguns setores da economia, a
eleição indireta do presidente da República e a organização das classes
pelo Estado. O manifesto teve extraordinária repercussão entre os
intelectuais, sendo considerado por Oliveira Viana um "documento de uma
importância vital para a nação".

Viajando em seguida para o Rio de Janeiro com o objetivo de "formar uma


corrente de opinião em defesa dos ideais do manifesto", Plínio Salgado
conseguiu atrair um grupo de estudantes e intelectuais integrado, entre
outros, por Augusto Frederico Schmidt, José Madeira de Freitas, Raimundo
Padilha, Francisco de San Tiago Dantas e Lourival Fontes, muitos dos
quais se tornariam futuros dirigentes da Ação Integralista Brasileira
(AIB).
Paralelamente, tentou também estreitar suas relações com os círculos
tenentistas do Rio, reunindo-se, no dia 31 de março, com o ministro da
Justiça Osvaldo Aranha, em encontro marcado por Sousa Aranha, primo do
ministro. Em abril, compareceu ao Congresso das Legiões, no qual foi
discutido o plano de Aranha para a criação de uma organização de âmbito
nacional de suporte ao Governo Provisório. A essa altura, a Legião
Revolucionária de São Paulo desenvolvia intensa oposição aos grupos
tradicionais na política paulista, defrontando-se, porém, com sérias
dificuldades para se firmar como movimento organizado, a exemplo das
demais legiões fundadas nos estados. Durante o congresso, alguns
delegados contestaram a participação de Salgado em virtude da oposição
que fizera ao movimento armado de 1930, levando-o a se retirar sob
protesto.

Em junho de 1931, o jornal A Razão foi fundado em São Paulo por Sousa
Aranha, tendo como principais redatores Salgado e San Tiago Dantas. O
jornal destacou-se por uma intensa campanha contra a convocação de uma
assembléia constituinte, reivindicada pelas forças políticas tradicionais
de São Paulo - principal centro de oposição ao novo regime - e também por
grupos dirigentes dos estados de Minas e Rio Grande do Sul. No auge da
campanha contra a constituinte, Salgado escreveu diversos artigos
exaltando a liderança de Vargas e conclamando-o a se tornar "o bom tutor
desse povo infantil".
Entretanto, subjacente ao apoio que prestava ao Governo Provisório, havia
fundamentalmente o interesse em evitar um retorno ao regime político da
Primeira República.

Em suas "Notas políticas", redigidas diariamente a partir de julho,


Plínio Salgado fixou os princípios doutrinários de sua futura ação
política. Segundo Hélgio Trindade "alguns temas, tais como o
antiliberalisrno e o nacionalismo foram bem definidos, enquanto outros
permaneceram num nível intuitivo e vago, como por exemplo a organização
do Estado". Assim, ao se referir ao "Estado integral" num de seus
artigos, Salgado definiu-o de forma abstrata como "o conjunto de forças
materiais morais e intelectuais... impondo uma finalidade humana aos
povos". Adiantou porém que esse Estado seria corporativo, unipartidário e
basicamente semelhante ao "Estado fascista", defendendo que "o que há de
essencial na doutrina fascista é perfeitamente aceitável como concepção
do Estado."

No final de 1931, a Legião Cearense do Trabalho - movimento fundado pelo


tenente Severino Sombra - havia conseguido em poucos meses de existência
uma extraordinária penetração, congregando cerca de 15 mil adeptos. Outra
organização identificada como antiliberalismo, o movimento monarquista
Ação Imperial Patrionovista, desenvolvia intenso trabalho de
arregimentação política. Em Minas, o jornalista Olbiano de Melo lançara
as bases do Partido Nacional Sindicalista. Esses movimentos, todavia, não
possuíam qualquer vínculo com o Governo Provisório, diferenciando-se,
portanto, das legiões revolucionárias.

No início de 1932, decepcionado com a indefinição ideológica do regime,


Salgado idealizou a criação de um centro de estudos, visando congregar os
intelectuais e líderes políticos identificados com as idéias fascistas. A
primeira reunião para a organização da Sociedade de Estudos Políticos
(SEP) foi realizada em fevereiro de 1932, na sede do A Razão. Na ocasião
foi discutida e aprovada a carta de princípios da SEP, sob a forma de
nove postulados, redigidos por Salgado. O documento coincidia em linhas
gerais com o manifesto legionário e propunha uma reorganização da
sociedade brasileira a partir do seguinte princípio: "Somos por um ideal
de justiça humana, que realiza o máximo de aproveitamento dos meios de
produção em benefício de todos, sem atentar contra o princípio da
propriedade, ferido tanto pelo socialismo como pelo democratismo, nas
expansões que aquele da à coletividade
e este ao indivíduo."

A SEP chegou a contar com 148 membros, a maioria deles antigos


companheiros de Plínio Salgado da jovem guarda lítero-perrepista,
intelectuais do Rio com quem estabelecera contato após a Revolução de
1930, estudantes da Faculdade de Direito de São Paulo e elementos da Ação
Imperial Patrionovista, como por exemplo Sebastião Pagano. O ideário da
organização foi também difundido em Minas e no Ceará por intermédio de
Olbiano de Melo e do tenente Severino Sombra. Nessa mesma época, Salgado
organizou uma tômbola em benefício da Cruz Vermelha, sendo processado por
jogo fraudulento e apelidado pela imprensa de "Plínio Tômbola."

Em 23 de maio de 1932, a sede do jornal A Razão foi incendiada por


estudantes adeptos do movimento constitucionalista, durante as violentas
manifestações que marcaram a visita de Osvaldo Aranha, já ministro da
Fazenda, a São Paulo.
No dia seguinte, Salgado propôs em assembléia da SEP a criação de uma
"nova comissão técnica, denominada Ação lntegralista Brasileira",
destinada a "transmitir ao povo em uma linguagem simples os resultados
dos estudos e as bases doutrinárias" da organização. Apesar da oposição
de Cândido Mota Filho, que insistiu na manutenção do caráter cultural da
entidade, a proposta foi aprovada pela maioria. Em junho, o manifesto
redigido por Salgado para divulgar publicamente a Ação Integralista
Brasileira (AIB) foi aprovado em assembléia geral da SEP, mas a
publicação do documento foi adiada em virtude do iminente confronto
armado entre São Paulo e o Governo Provisório.

A eclosão da Revolução Constitucionalista, em 9 de julho de 1932, impediu


também a realização de um encontro entre Salgado, OIbiano de Melo e
Severino Sombra, marcado para o dia seguinte, no Rio. Segundo Olbiano de
Melo, os três líderes estavam dispostos, na época, a unificar suas
atividades em torno de "um mesmo e único partido". Diferentemente de
Plínio Salgado, Severino Sombra aderiu à Revolução Constitucionalista,
sendo preso e exilado em Portugal. Mais tarde as divergências entre ambos
se aprofundariam, levando-os ao rompimento político.

O Manifesto de outubro e sua doutrina

Em 7 de outubro de 1932, logo após a capitulação das forças


constitucionalistas, foi divulgado em São Paulo o documento que ficou
conhecido como Manifesto de outubro, que marcou a fundação oficial da AIB
como movimento político independente.

O integralismo de Plínio Salgado fundamentava-se em valores morais e


religiosos e num ideal nacionalista sintetizado no próprio lema da AIB:
"Deus, Pátria e Família". A frase inicial do manifesto, "Deus dirige os
destinos dos povos", assinalou a adoção de um princípio de fé, que
definia o progresso moral como a finalidade superior do ser humano: "O
homem deve praticar sobre a terra as virtudes que o elevam e o
aperfeiçoam... o trabalho e o sacrifício em favor da Família, da Pátria e
da Sociedade". Hélgio Trindade considerou fundamental na doutrina
integralista o ideal de uma sociedade harmoniosa. "Os homens e as
classes", dizia o documento, "podem e devem viver em harmonia. É
possível ao mais modesto operário galgar uma elevada posição financeira
ou intelectual".

Sob esses aspectos doutrinários, observou ainda Hélgio Trindade, "o


integralismo aproxima-se muito mais dos fascismos conservadores - o
português (salazarismo), o espanhol (Falange Espanhola), e o belga
(rexismo), do que do espiritualismo vago do fascismo italiano ou do
agnosticismo nacional-socialista alemão". A começar pelo próprio nome,
identificava-se com o integralismo português - movimento político
nacionalista, católico e antiliberal, fundado em 1914 por Antônio
Sardinha -, que propôs instaurar em Portugal uma nova monarquia, até se
declarar dissolvido em 1933.

O nacionalismo que defendia possuia um sentido mais cultural e político


do que econômico e, em termos culturais, Salgado opunha-se acima de tudo
ao cosmopolitismo. Tal como se encontrava definido no Manifesto de
outubro, sua proposta nacionalista "visava afirmar o valor do Brasil e de
tudo o que é útil e belo no caráter e nos costumes brasileiros". Em
termos políticos, considerou a organização jurídico-política do "Estado
liberal" como o entrave fundamental à unidade nacional. Segundo enfatizou
no manifesto, "o Brasil não pode realizar a união íntima e perfeita de
seus filhos, enquanto existirem estados dentro do Estado, partidos
políticos fracionando a nação, classes lutando contra classes, indivíduos
isolados exercendo ação pessoal nas decisões do governo, enfim, todo e
qualquer processo de divisão do povo brasileiro".

Assim como no conjunto de suas obras doutrinárias, Salgado desferiu no


documento violentas críticas ao capitalismo e ao comunismo, embora não
colocasse em questão os fundamentos econômicos do sistema capitalista,
mas seus aspectos liberais, seu "individualismo desenfreado" e sua
"indiferença criminosa pelos operários e a pequena burguesia". Opunha-se
também ao comunismo como solução para a questão social, combatendo sua
concepção materialista de vida, que apresentava, segundo suas palavras, o
"agravante de reduzir todos os patrões a um só e escravizar o operariado
a uma minoria de funcionários cruéis, recrutados todos na burguesia".

No final do manifesto, definiu como objetivo básico do movimento a


implantação do "Estado integral". Diferentemente do "Estado liberal" e de
seu "falso" sistema de representação, baseado nos partidos políticos e no
princípio do sufrágio universal, o "Estado integral" permitiria a
representação efetiva dos interesses reais e particulares, a partir da
organização dos brasileiros em "classes profissionais". Por esse sistema,
assinalava o documento, "cada brasileiro se inscreverá na sua classe", e
"cada uma de per si" elegerá "seus representantes nas câmaras municipais,
nos congressos provinciais e nos congressos gerais", os quais, por sua
vez, elegerão os poderes executivos correspondentes a cada instância.
Dessa forma, tal como nos regimes fascistas, a organização do "Estado
integral" teria como base o princípio corporativista, embora não se
constituísse, pelo menos teoricamente, como instituição moderadora da
sociedade e seu sistema de valores. Nesse ponto, como observou Hélgio
Trindade, a concepção de Estado de Salgado era diferente da de Miguel
Reale, o segundo teórico de importância do integralismo, para quem o
"Estado é fim enquanto representa o ideal comum".

A teoria integralista sintetizada no Manifesto de outubro, foi


posteriormente desenvolvida por Plínío Salgado em diversos livros
doutrinários, dos quais os mais importantes foram A psicologia da
revolução, O que é o integralismo, ambos publicados em maio de 1933, e A
quarta humanidade, publicado em 1934.
Nessas obras, Salgado apresentou sua visão de universo e de homem e uma
interpretação global da história da humanidade, a fim de situar a missão
histórica do integralismo.

Sua filosofia da história apoiava-se numa concepção evolucionista baseada


no confronto entre o conceito materialista e o espiritualista, e dividida
em quatro idades, positivas ou negativas, espiritualistas ou
materialistas. Na primeira idade - denominada humanidade politeísta -
espiritualismo e materialismo apareceram de forma combinada, sem que um
prevalecesse sobre o outro. A vitória da concepção espiritualista teria
dado origem à segunda humanidade - monoteísta - que se desenvolveu
historicamente na Idade Média. A partir do Renascimento, os princípios
liberais teriam legitimado a liberdade de competição, o individualismo
desenfreado e a busca da riqueza como finalidade única do ser humano. O
materialismo configurava-se, portanto, como o princípio fundamental da
terceira humanidade, dando sentido à civilização burguesa-capitalista. O
triunfo da concepção materialista no século XIX teria subvertido
inteiramente as tradições e os valores morais, levando o homem a uma
situação de miséria, sofrimento e caos. Dissociado da religião, o
trabalho deixara de ser um "atributo de homem", para se transformar numa
mercadoria. O trabalhador teria se tornado um apêndice da máquina,
perdendo inclusive o controle da propriedade de seus instrumentos de
trabalho para os grandes empresários, os "argentários", preocupados
apenas em obter riquezas.

De acordo com seu esquema de interpretação da história, o Brasil foi


situado no contexto da terceira humanidade - a humanidade ateísta. Apenas
no período colonial "o Brasil fora realmente brasileiro, realmente
nacionalista... pois Portugal estava tão longe de nós que tratávamos de
viver uma vida em separado. Uma vida espontânea, bárbara e selvagem". A
independência teria permitido a supremacia do Brasil "formal" sobre o
Brasil "real", ou seja, o domínio e a opressão de uma elite cosmopolita
do litoral sobre as populações sertanejas do interior, divisão que se
constituía no problema básico da nação.

Salgado considerava o integralismo como uma "revolução espiritual" que


abrangeria não só o Brasil, mas "todo o complexo panorama universal",
inaugurando um novo período na história do homem: a quarta humanidade,
denominada humanidade integralista.
A primeira fase da AIB (1932-1934)

A Ação Integralista Brasileira progrediu lentamente nos primeiros meses


que se seguiram à sua fundação. Em São Paulo, no final de 1932, após três
meses de ativa propaganda, o núcleo integralista contava com apenas 50
membros, alguns deles pertencentes à Ação Imperial Patrionovista, que,
entretanto, logo em seguida abandonariam a AIB.

Em Minas, na Bahia e no Ceará, a organização foi lançada oficialmente


ainda em 1932, graças aos contatos de Plínio Salgado com intelectuais e
líderes políticos desses estados. Em Pernambuco, a AIB contou com o apoio
inesperado de estudantes da Faculdade de Direito de Recife, através de um
manifesto assinado entre outros acadêmicos por Álvaro Lins, embora as
adesões mais significativas tenham sido as do padre Hélder Câmara(futuro
D. Helder Câmara) e do "tenente" Jeová Mota, sucessor de Severino Sombra
no comando da Legião Cearense do trabalho.
Em dezembro de 1932, Salgado enviou Pedro Carneiro Leães Sobrinho e
Antônio Giudice a diversas capitais do país, com o objetivo de acelerar a
formação de núcleos integralistas. Apesar disso, o núcleo do Distrito
Federal seria fundado apenas em abril de 1933.

Por outro lado, já nos primeiros meses de 1933, um pequeno grupo de


católicos, estimulados pela tomada de posição de Alceu Amoroso Lima,
secretário-geral da Liga Eleitoral Católica (LEC), aderiu à AIB. Em
seguida, visando às eleições de maio de 1933 para a Assembléia Nacional
Constituinte, Salgado propôs aos dirigentes da liga que reconhecessem a
AIB como partido oficial da Igreja Católica. A LEC, entretanto, recusou a
proposta, limitando-se a apoiar os nomes de alguns candidatos
integralistas como Jeová Mota. Segundo Laurita Raja Gabaglia, Salgado
advertiu então Alceu Amoroso Lima e o padre Leonel Franca que "desta vez
triunfará a LEC, em outra eleição triunfarão os comunistas, e,
finalmente, triunfaremos nós".

Em 23 de abril de 1933, a AIB realizou o primeiro desfile público


integralista, com a participação de cerca de 40 membros que percorreram
as ruas de São Paulo com o uniforme de camisas verdes e a braçadeira com
a letra grega maiúscula sigma, símbolo matemático escolhido como emblema
da organização por significar "soma" ou "integral". Após o desfile,
Salgado presidiu uma convenção dos integralistas de São Paulo, na qual
foi lançada a candidatura de Miguel Reale à Assembléia Nacional
Constituinte. Realizado o pleito, a AIB recebeu cerca de dois mil votos,
não elegendo nenhum candidato, mas conseguiu se fazer representar na
Constituinte, com a eleição de Jeová Mota na legenda da LEC, que disputou
apenas no Ceará.

A formação das "bandeiras integralistas", em julho de 1933, deu novo


impulso ao movimento. A "bandeira" que se dirigiu para o Norte foi
liderada por Plínio Salgado e por Gustavo Barroso, escritor e membro da
Academia Brasileira de Letras (ABL), recém-convertido ao integralismo.
Durante dois meses a caravana percorreu o litoral do Nordeste, promovendo
debates e conferências em quase todas as capitais da região. Por sua vez,
Miguel Reale chefiou uma "bandeira" em direção ao Sul, fundando novos
núcleos no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. No trajeto
de volta, Salgado visitou ainda Vitória e Campos (RJ), e, em 27 de
agosto, liderou a primeira marcha integralista no Distrito Federal, à
frente de cem militantes. No dia 8 de outubro, a pretexto da chegada de
Gustavo Barroso à capital paulista, liderou uma nova marcha, reunindo
dessa vez mais de oitocentos integralistas.

Em novembro, por ocasião da abertura dos trabalhos na Constituinte,


Salgado decidiu instalar a sede nacional da AIB no Rio de Janeiro,
transferindo-se de São Paulo. Nos meses seguintes, dedicou-se basicamente
aos preparativos do I Congresso Nacional da AIB, marcado para fevereiro
de 1934, em Vitória. Nesse meio tempo, ampliou sua liderança sobre o
movimento e sobre as direções dos grupos integralistas locais e
regionais, confiadas a triunviratos, abrindo caminho para sua designação
como dirigente do integralismo. Durante o congresso, realizado entre 28
de fevereiro e 4 de março de 1934, Salgado foi eleito chefe nacional da
AIB, derrotando as pretensões de Severino Sombra e sua proposta de uma
direção colegiada, composta por Salgado, o próprio Sombra e Olbiano de
Melo. Além disso foi instituída uma estrutura organizativa burocrática e
hierarquizada, em substituição ao arremedo de organização improvisado em
1933.

O chefe nacional

Plínio Salgado seria o único chefe nacional da AIB até sua extinção, em 2
de dezembro de 1937. Tal como os chefes dos partidos fascistas europeus
dispunha legalmente pelos estatutos da entidade do poder total e
indivisível do movimento integralista.

Os estatutos, aprovados em 1934 no congresso de Vitória, afirmavam


explicitamente que o "chefe nacional dirigirá e comandará todo o
movimento em todas as províncias através dos departamentos nacionais" e
que em cada departamento "o chefe nomeará para auxiliá-lo um secretário
nacional sob sua imediata fiscalização". Salgado possuía também o direito
exclusivo de nomear os membros do Conselho Nacional, um órgão de funções
meramente consultivas, e os dirigentes da AIB em cada estado, denominados
chefes provinciais. Ainda em 1934, Salgado criou uma nova "província" - a
Província do Mar para os marinheiros e brasileiros residentes no
exterior.

Seu primeiro ato como chefe nacional foi a designação, em 4 de março de


1934, dos chefes provinciais e dos secretários dos departamentos
nacionais: Everaldo Leite (Organização Política), Miguel Reale
(Doutrina), José Madeira de Freitas (Propaganda), J. Rodolfo Josetti
(Cultura Artística), Gustavo Barroso (Milícia) e Belmiro Valverde
(Finanças). Dispunha também de um Gabinete Civil e Militar, subdividido
em vários serviços: a Casa Militar e o Comando de Tropas de Serviços
Especiais - responsável por sua proteção -, o secretariado, o jornal
oficial Monitor Integralista - para divulgação de suas resoluções -,
os serviços de imprensa e os serviços de relações exteriores.

Os estatutos de 1934 consideravam sua pessoa "intangível" e sua função


"perpétua". Nenhum integralista poderia comentar qualquer "ato do chefe
no exercício de suas funções", sob pena de expulsão. Salgado criou
rituais minuciosamente prescritos com o objetivo de infundir entre os
militantes um sentimento de obediência e submissão à sua autoridade, e,
ao mesmo tempo, de refrear as pretensões de liderança de certos
dirigentes integralistas. Pelo menos um deles, Gustavo Barroso, chegou a
rivalizar em prestígio com Salgado, mas seria contido com habilidade até
a extinção da AIB, em dezembro de 1937.

De acordo com os Protocolos e Rituais da AIB de 1936, todo novo militante


integralista deveria prestar solenemente e diante do retrato do chefe
nacional um juramento que incluía as seguintes palavras: "Juro por Deus e
pela minha honra trabalhar para a Ação Integralista Brasileira,
executando sem discutir
as ordens do chefe nacional e dos meus superiores". Em todas as sedes
integralistas era obrigatória a presença de um retrato de Salgado e, em
todas as reuniões e solenidades, os militantes deveriam homenageá-lo
exclamando três vezes a palavra Anauê, que na língua tupi significava um
grito de guerra e um gesto de saudação. Os militantes deveriam saudar-se
uns aos outros com um simples Anauê, enquanto os dirigentes tinham
direito a dois Anauê e Deus poderia ser saudado com quatro Anauê, mas
apenas pelo chefe nacional. O culto a Salgado também era intenso entre as
crianças e os adolescentes inscritos na organização da juventude
integralista, conhecidos como os plinianos. Os militantes, de um modo
geral, compraziam-se no extenso cerimonial da AIB. Como o próprio Salgado
explicaria em 1938 numa carta a Vargas, "todos os sacrifícios são
compensados por coisas simples facilmente compreensíveis - o uniforme, o
gesto simbólico... (os integralistas) adoram essas coisas ao ponto do
delírio."

Além dos rituais, Salgado valeu-se de suas inegáveis qualidades de orador


para ser reconhecido como o chefe onipotente do movimento. Entretanto,
segundo Hélgio Trindade, uma distância enorme se estabeleceu entre a
imagem difundida por seus adeptos e sua atuação concreta como homem de
ação, a julgar pelos depoimentos de seus colaboradores mais próximos. Rui
Arruda, membro do Gabinete do Chefe Nacional, criticaria particularmente
sua inércia, em entrevista dada em 1969, ao afirmar que a maior qualidade
que possuía era "o seu maior defeito como chefe: o excesso de
inteligência... Ele vai ponderar o ônus que uma atitude pode dar e acaba
por tomar a pior solução: não fazer nada."

A atuação de Salgado como chefe da AIB revelaria, portanto, uma


contradição básica entre sua grande capacidade de influenciar as massas
através de discursos eloqüentes e sua timidez em traçar os rumos
concretos do movimento que liderava.

A ascensão da AIB e o confronto ideológico com as esquerdas (1934-1935)

Após o congresso de Vitória, os organismos então instituídos foram


rapidamente articulados e dezenas de jornais foram fundados, entre os
quais A Ofensiva, o mais importante, publicado no Rio de Janeiro a partir
de 17 de maio de 1934.
Nesse ano, Salgado dedicou-se a uma intensa campanha de doutrinação,
realizando diversas viagens e conferências e atraindo estudantes e
intelectuais para as fileiras integralistas. Por outro lado, foram
criadas escolas de alfabetização para jovens, escolas noturnas para
adultos, creches em favelas, garantindo para as uniformizadas fileiras da
AIB milhares de novos quadros. Em maio e junho de 1934, Salgado liderou
desfiles integralistas no Rio e em São Paulo, que reuniram
aproximadamente quatro mil e três mil militantes, respectivamente. A AIB
começava então a se projetar como a primeira organização de massas no
Brasil, alcançando grande penetração tanto entre as classes médias
urbanas como também entre certos segmentos da classe trabalhadora, num
momento em que o ciclo revolucionário, inaugurado em outubro de 1930,
parecia ter chegado ao seu termo com a promulgação da nova Constituição e
a eleição de Vargas, pelo Congresso, à presidência da República, em julho
de 1934. Na ocasião, em artigo publicado em A Ofensiva, Salgado criticou
a nova Constituição como "a firme evidência de incapacidade de organizar-
se para o bem nacional, inerente à liberal democracia".

O crescimento da AIB em 1934 gerou, em contrapartida, uma reação mais


organizada de partidos de esquerda contra o espectro do fascismo,
representado pelo integralismo. Ao longo desse ano, o Partido Comunista
Brasileiro, então Partido Comunista do Brasil (PCB), criou inúmeros
grupos antifascistas, seguindo as recomendações da III Internacional
Comunista, ou Komintern, para a formação de uma grande frente nacional,
democrática e antiintegralista. No início de setembro, Salgado viajou ao
Sul do país para uma série de conferências em cidades do Paraná, Santa
Catarina e Rio Grande do Sul, visando as eleições legislativas de outubro
de 1934. A campanha eleitoral nesse segundo semestre foi bastante
tumultuada pelos confrontos de rua que ocorreram entre os integralistas e
seus adversários de esquerda, registrando-se alguns incidentes
sangrentos, o mais grave no dia 7 de outubro, na praça da Sé, em São
Paulo. Visando comemorar o segundo aniversário da fundação da AIB,
Salgado decidira promover uma manifestação espetacular na capital
paulista, convocando inclusive integralistas de outros estados. O PCB,
por sua vez, conclamou diversas organizações de esquerda e sindicatos
operários a comparecerem ao mesmo local da concentração afim de
manifestarem repúdio à AIB e ao fascismo. Segundo “A Ofensiva”, o
tiroteio, que resultou na morte de cinco pessoas, só terminou quando
Salgado ordenou aos integralistas que se retirassem do local.

Realizado o pleito, os candidatos da AIB todos escolhidos por Salgado


receberam cerca de 40 mil votos, mas apenas um, João Carlos Fairbantes,
candidato à Assembléia Legislativa de São Paulo, conseguiu eleger-se.
Jeová Mota, chefe provincial do Ceará, conquistou uma cadeira da Câmara
dos Deputados, mas ainda na legenda da LEC.

No início de 1935, em meio ao clima de radicalização política e de


agravamento das tensões sociais, o governo Vargas enviou à Câmara um
projeto de lei de segurança nacional. A orientação conservadora do
governo não deixava margens de dúvida quanto ao verdadeiro alvo de
Vargas: a anunciada frente de oposição - a Aliança Nacional Libertadora
(ANL), que estava sendo articulada pelos comunistas, pelos "tenentes" de
esquerda e por_ elementos apartidários. Compreendendo que, se aprovada, a
nova legislação poderia ser igualmente utilizada contra a AIB, em 23 de
janeiro de 1935 Salgado divulgou em São Paulo um manifesto de repúdio a
essa possibilidade, recebendo nas semanas subseqüentes a solidariedade de
magistrados, parlamentares e escritores. Seus esforços para resguardar a
AIB foram parcialmente bem sucedidos. Assim, quando em 4 de abril a Lei
de Segurança Nacional foi promulgada, proibindo, em um de seus
dispositivos, a existência de grupos armados, as milícias integralistas
já haviam sido abolidas formalmente por Salgado, que substituíra o
Departamento Nacional de Milícia pelo Departamento Nacional de Educação
Moral e Cívica. Além disso, o artigo que propunha a interdição do uso de
uniformes, tambores e clarins foi suprimido do texto final.

Nos meses que se seguiram, Salgado radicalizou ao extremo seu discurso


anticomunista, visando, em particular, a ANL, lançada em 30 de março,
tendo como presidente de honra Luís Carlos Prestes. Em seu livro Carta
aos camisas-verdes, publicado em 1935, afirmou ser o integralismo "o
único inimigo do comunismo", e dirigiu-se aos liberais e comunistas em
tom ameaçador: "Ireis pagar-me em breve... É preciso que a liberal-
democracia saiba que somos a única força nacional, que somos audazes e
que estamos dispostos a morrer".
Após o fechamento da ANL, por decreto de Vargas, em 13 de julho de 1935,
vários grupos integralistas seguiram à risca as palavras de advertência
de seu líder, colaborando com a polícia na perseguição aos comunistas e
adeptos da organização.

Em agosto de 1935, Salgado fez um balanço do movimento em mensagem


dirigida aos chefes provinciais, informando que a AIB contava na época
com um deputado federal, quatro deputados estaduais, 1.123 grupos
organizados em 548 municípios e quatrocentos mil adeptos. Seu
fortalecimento se dera principalmente nos estados do Sul - sobretudo
entre as populações semi-rurais de ascendência italiana ou alemã -, em
São Paulo, no Distrito Federal, no estado do Rio, em Minas Gerais,
Espírito Santo, Alagoas e Ceará. Os integralistas contavam também com o
apoio de personalidades de prestígio nacional, como o ex-presidente
Epitácio Pessoa, e oficiais das forças armadas, sobretudo da Marinha.
Embora não filiados formalmente, o general Pantaleão Pessoa, chefe do
Estado-Maior das Forças Armadas, e o coronel Newton Cavalcanti eram
abertamente simpáticos à AIB, o que conferia à organização certa
influência sobre o governo. Vargas, por sua vez, mantivera até então uma
atitude de neutralidade em relação ao integralismo, limitando-se a
aprovar discretamente as restrições impostas à AIB pelos governadores do
Paraná e de Santa Catarina.

Em 7 de outubro de 1935, cerca de 40 mil integralistas, liderados por


Salgado, realizaram pela primeira vez em Blumenau (SC) a cerimônia da
"Noite dos tambores silenciosos", em comemoração ao aniversário de
fundação da AIB e em protesto contra a extinção da milícia. A cerimônia,
incorporada às comemorações oficiais da AIB, seria realizada nos anos
seguintes de acordo com um ritual rigorosamente padronizado. Segundo a
orientação contida nos Protocolos e Rituais, sua celebração se daria
simultaneamente em todas as sedes integralistas do país, sob a
presidência do "integralista mais pobre, mais humilde, que representará o
chefe nacional".

A manifestação de Blumenau reavivou a oposição dos integralistas a


Vargas, colocando-o de sobreaviso. Em princípios de novembro, a AIB
envolveu-se na crise entre o estado do Rio Grande do Sul e o governo
federal a propósito da sucessão fluminense. Nesse contexto, segundo
Robert Levine, "o governo provocou a estratégia" que levou à aprovação
pela Câmara dos Deputados, em 20 de novembro, da moção apresentada pela
minoria parlamentar de oposição, solicitando o fechamento da AIB.

A crise entre a AIB e o governo foi, porém, sustada pela eclosão, nos
dias seguintes, do Levante Comunista em Natal, em Recife e no Rio de
Janeiro. No dia 24 de novembro, Salgado encontrava-se em Pesqueira (PE)
em trânsito para Recife, quando foi informado do levante ocorrido em
Natal no dia anterior. Realizava então uma viagem pelo Nordeste, iniciada
em Salvador, onde participara do Congresso Integralista da Bahia. Diante
do acontecimento inesperado, antecipou seu regresso ao Rio e telegrafou a
Vargas, colocando à sua disposição cem mil "camisas-verdes" para o
combate aos revoltosos. O fracasso da insurreição, dominada rapidamente
pelas tropas legalistas, deu novo alento à repressão contra os
comunistas, fortaleceu as tendências autoritárias do governo e beneficiou
imediatamente os integralistas. Não foi por acaso que o coronel Newton
Cavalcanti, conhecido simpatizante da AIB, foi promovido a general no dia
30 de novembro seguinte.

Salgado, por sua vez, colocou de lado a animosidade com o governo e


reorientou os rumos da AIB para uma linha de colaboração com o poder
estabelecido. Em sua Carta deNatal, de 1935, dirigida a todos os
integralistas, declarou-se apreensivo com os militantes exaltados, cuja
ação escapava de seu controle.

O "ano verde" (1936)

Em 1936, o "ano verde" do integralismo, Salgado imprimiu uma reorientação


estratégica à AIB, transformando-a de fato em partido político e
conduzindo-a a seu ponto máximo de influência.

Redigiu em janeiro o manifesto-programa da organização, tendo em vista as


eleições municipais de março, e, principalmente, as eleições
presidenciais, marcadas para janeiro de 1938. O documento ratificou
formalmente o abandono da via revolucionária de tomada do poder,
claramente enunciada no Manifesto de outubro, contrariando as declarações
de 1932, quando afirmara que os integralistas estariam "proscritos
espontaneamente da falsa vida política da nação até o dia em que formos
um número tão grande que restauraremos pela força nossos direitos de
cidadania e pela força conquistaremos o poder da República".

Em março de 1936, teve lugar em Petrópolis o II Congresso Nacional da


AIB, considerado por Hélgio Trindade como um marco na transformação do
movimento integralista em partido político.

Nas eleições municipais realizadas em alguns estados nesse mesmo mês, a


AIB conseguiu uma importante vitória, capitalizando o clima de
anticomunismo existente no país: elegeu 24 prefeitos e mais de quinhentos
vereadores em Santa Catarina, São Paulo, Ceará, Alagoas, totalizando
cerca de 250 mil votos.
No dia 4 de abril, Salgado publicou um artigo em A Ofensiva enfatizando a
natureza democrática da organização integralista e seu apoio a Vargas,
que "nesse momento crítico defende nossos lares, nossa propriedade,
nossas tradições cristãs e nossa liberdade".
Em 11 de abril, casou-se em segundas núpcias com Cannela Patti, filha de
um fazendeiro paulista e presidente do departamento feminino do núcleo
integralista de Taquaritinga (SP). Dez dias mais tarde, diante de três
mil integralistas reunidos no bairro carioca do Méier, reafirmou sua
condição de líder absoluto da AIB ao anunciar a expulsão de vários
integralistas, alegando a violação de seus votos de obediência ao chefe
nacional.

Nos meses subseqüentes, reiterou a legalidade e o caráter legítimo do


integralismo, a fim de obstar o pedido de cancelamento de registro da
AIB, impetrado pelo Partido Trabalhista em fevereiro de 1936. Em 19 de
junho, o Tribunal Superior de Justiça Eleitoral negou a solicitação mas
exigiu que a AIB realizasse modificações em sua estrutura organizativa,
para que pudesse ser plenamente reconhecida como partido democrático.

Em 16 de junho, Salgado reuniu no Rio de Janeiro os líderes nacionais


integralistas para anunciar as alterações no sistema burocrático interno
de organização e um amplo remanejamento de cargos. Os secretários
nacionais foram destituídos de suas funções, com exceção de Belmiro
Valverde e de Rodolfo Josetti, e nomeados para um novo órgão, o Conselho
Supremo, criado em lugar do Conselho Nacional e com as mesmas atribuições
meramente consultivas. Os seis departamentos que já existiam receberam a
designação de secretarias nacionais, e foram criadas ainda as secretarias
de Arregimentação Feminina e dos Plinianos, de Imprensa, de Relações com
o Exterior e de Assistência Social. O Departamento de Organização
Política transformou-se em Secretaria Nacional das Corporações e dos
Serviços Eleitorais, com as atribuições de desenvolver a atividade
sindical e tratar do alistamento eleitoral dos militantes e simpatizantes
da AIB, tendo em vista a campanha à sucessão presidencial de 1938. Dois
novos órgãos foram criados para cumprir as determinações da Justiça
Eleitoral: Câmara dos 40, formada por "personalidades de alto valor moral
e intelectual", e as Cortes do Sigma, o mais importante organismo de
representação da AIB, integrado pelos dirigentes da cúpula da
organização. Com a recomposição de junho de 1936, Salgado fortaleceu sua
autoridade sobre o conjunto do movimento, cortando com habilidade a
ascensão de Gustavo Barroso.

Em setembro de 1936, a maré montante do integralismo sofreu um pequeno e


inesperado refluxo. No início do mês, o então governador da Bahia, Juraci
Magalhães, ordenou a invasão da sede da AIB em Salvador e a prisão dos
principais dirigentes integralistas no estado. Em seguida, os
governadores de Santa Catarina, Espírito Santo, Alagoas e Paraná também
determinaram o fechamento dos centros integralistas em seus estados,
enquanto o governador Carlos de Lima Cavalcanti proibiu o porte de
camisas verdes em Pernambuco.
Salgado replicou imediatamente, criando o Conselho Jurídico Nacional para
orientar e defender a AIB junto à Justiça, e convocando a primeira
reunião das Cortes do Sigma para o dia 17 de outubro. Determinou ainda a
realização simultânea, no Rio de Janeiro, do Congresso Parlamentar das
Províncias Meridionais e do Congresso Nacional Feminino.

Em 18 de outubro, dia do encerramento da reunião das Cortes do Sigma,


Salgado pronunciou um discurso destinado a ter grande repercussão. Diante
de aproximadamente dez mil pessoas reunidas no bairro carioca do Méier,
lançou uma declaração de guerra aos governadores de estados que
“pretendem aviltar o governo central da nação" e finalizou com as
seguintes palavras: "No momento em que a dignidade da nação está
atingida, os camisas-verdes sabem a quem apelar; às forças armadas da
nação".

Em 10 de dezembro, compareceu à sessão de encerramento da Convenção


Sindical dá AIB, realizada no Rio de Janeiro, na qual foi discutido e
aprovado um programa de reivindicações econômicas e uma campanha de
sindicalização em todo o país. Entretanto, ao contrário de Jeová Mota,
chefe do Serviço Sindical Corporativo, Salgado não deu maior ênfase às
atividades sindicais.

A campanha presidencial e o golpe de estado de novembro de 1937

Em janeiro de 1937, logo após o lançamento, em 30 de dezembro de 1936, da


candidatura oposicionista de Armando Sales, governador de São Paulo, à
presidência da República pelo Partido Constitucionalista, Plínio Salgado
iniciou os preparativos para a disputa do cargo, subordinando, a partir
de então, todas as atividades da AIB a esse objetivo estratégico. No dia
14 desse mês, ordenou o alistamento eleitoral obrigatório dos
integralistas, ameaçando de expulsão os militantes recalcitrantes. No dia
26 seguinte, criou o cargo de chefe arquiprovincial para as sete
circunscrições em que dividia o país, reunindo cada uma de duas a quatro
"províncias" integralistas.

Em 9 de abril, lançou formalmente a campanha eleitoral da AIB, anunciando


a realização de um plebiscito para a escolha do candidato integralista à
presidência da República. Ainda nesse mês, instituiu uma nova cerimônia
oficial, as "Matinas de abril", em comemoração ao aniversário da primeira
marcha pública realizada quatro anos antes em São Paulo. Seu ritual
estabelecia que os militantes de cada centro integralista deveriam se
perfilar numa praça pública no dia 23 de abril de cada ano a fim de
prestarem uma homenagem silenciosa ao sol nascente.

Na noite de 22 de maio, após um mês de intensos preparativos e propaganda


pelos jornais e rádios, o plebiscito integralista foi iniciado. Na manhã
do dia seguinte, pouco antes do encerramento da consulta, Salgado
pronunciou o discurso intitulado "Salvemos a democracia", ressaltando o
método "democrático" de escolha do candidato da AIB e condenando o
"caciquismo político" dos governadores de estados, bem como o "exercício
de fraude através das máquinas administrativas". Tratava-se no caso de
uma crítica indireta às candidaturas de Armando Sales e de José Américo
de Almeida, essa última lançada oficialmente no dia 25 de maio numa
convenção de governadores realizada no Rio de Janeiro. Alguns dias mais
tarde, entretanto, o capitão Jeová Mota rompeu publicamente com a AIB,
denunciando o caráter fascista e antidemocrático de certos aspectos de
sua doutrina e organização, bem como a indiferença por uma "intensa ação
proletária sindical".

Em 5 de junho, Plínio Salgado formou a Câmara dos Quatrocentos, embrião


da futura Câmara Corporativa, escolhendo os componentes do novo órgão
entre militantes das mais diversas profissões e "províncias"
integralistas. Em 11 de junho, Everaldo Leite, chefe da Junta Executiva
Nacional para a Campanha Eleitoral, comunicou às Cortes do Sigma,
solenemente instaladas no Instituto de Música, no Rio de Janeiro, a
vitória de Salgado no plebiscito de maio, por 846.554 votos contra 1.397
dados a Gustavo Barroso e 164 atribuídos a Miguel Reale. Em 12 de junho,
Salgado aceitou formalmente sua candidatura à presidência da República
com um discurso conhecido pelo título "Cristo e o Estado integral", que
concluiu com as seguintes palavras:"Por Cristo me levantei; por Cristo
quero um grande Brasil; por Cristo ensino a doutrina da solidariedade
humana e da harmonia social; por Cristo luto; por Cristo vos conclamo;
por Cristo vos conduzo; por Cristo batalharei". No dia seguinte,
liderou um desfile de 25 mil integralistas pela avenida Rio Branco, no
Rio de Janeiro, na maior demonstração de força até então realizada pela
AIB na capital federal.

Em 14 de junho, Gustavo Barroso, Miguel Reale, Everaldo Leite e outros


integralistas reuniram-se com o presidente Vargas e seu ministro da
Justiça, José Carlos de Macedo Soares, para comunicar o lançamento da
candidatura de Salgado. O presidente agradeceu a visita com uma mensagem
simpática à AIB, declarando que o movimento integralista o "impressionava
satisfatoriamente", pois jamais havia criado "nenhuma dificuldade para
com o meu governo". Até aquele momento Vargas conseguira manter uma
atitude de aparente neutralidade em relação à sucessão presidencial,
embora houvesse fortalecido ainda mais seu poder discricionário através
de uma série de intervenções em diversos estados.
Nos meses seguintes, José Américo de Almeida, o candidato que apoiava
"oficiosamente", radicalizou sua campanha eleitoral, conferindo-lhe um
tom considerado esquerdizante por alguns e sendo por isso gradativamente
abandonado pelo governo.

SALGADO, Plínio

Em junho de 1937, a campanha à sucessão presidencial ganhou novo impulso


devido à suspensão do estado de guerra, que substituíra o estado de sítio
em vigor desde o Levante Comunista de novembro de 1935. A campanha
integralista estendeu-se por todo o país, sendo constituídos em menos de
dois meses, segundo a revista Anauê, cerca de quatro mil comitês pró-
Plínio Salgado. Esses comitês desenvolveram maciça propaganda de caráter
acentuadamente anticomunista e ressaltaram também o trabalho de
assistência social realizado pela AIB. Trataram ainda de obter recursos
para a campanha financeira da organização, denominada Empréstimo do
Sigma, arrecadando um total de 96 contos, segundo A Ofensiva. Essa
quantia era, sem dúvida, irrisória se comparada com a ajuda mensal de 50
contos que a AIB recebia mensalmente do governo italiano através de sua
embaixada no Rio, segundo revelação do conde Ciano que mais tarde veio a
público.

A AIB utilizou largamente os novos meios de comunicação de massa - rádio


e cinema para sua propaganda eleitoral, transmitindo semanalmente um
programa de rádio no Rio e em Niterói, e organizando dezenas de sessões
de cinema em núcleos integralistas para a projeção de documentários
produzidos pela Sigma-Film, companhia fundada e dirigida por Fritz
Kummert Júnior.
A principal tônica da campanha de Plínio Salgado foi, sem dúvida, o
anticomunismo, sobretudo após o malogrado atentado à bala que sofreu no
dia 18 de julho, em São Paulo, quando assistia a um desfile integralista.
Salgado escapou ileso, mas várias pessoa ficaram feridas no tumulto que
se seguiu ao tiroteio. No dia seguinte, de volta ao Rio, onde
permaneceria o resto da campanha, denunciou um complô comunista para
matá-lo, responsabilizando um grupo de judeus russos pelo frustrado
atentado.

Nas semanas subseqüentes, foram registrados novos conflitos de rua entre


integralistas e comunistas e ataques a sedes da IAB no Espírito Santo e
em Santa Catarina. A partir do início de agosto, Salgado passou a
denunciar sistematicamente o perigo de um golpe de Estado comunista e a
infiltração de "agentes de Moscou" entre os que apoiavam as candidaturas
de José Américo e de Armando Sales.

Em 15 de agosto um comício integralista em Campos (RJ) foi interrompido


por um tiroteio que resultou em 13 mortos e em dezenas de feridos. Três
dias depois, Salgado interditou temporariamente o porte de camisas verdes
e dos distintivos integralistas, a fim de evitar as "provocações
comunistas".

Em 28 de agosto o capitão Olímpio Mourão Filho, chefe do Serviço Secreto


da AIB, apresentou-lhe um documento para "estudo interno" sobre a ação
dos comunistas e a reação dos integralistas numa insurreição simulada.
Salgado rejeitou sua formulação e vetou a distribuição do documento às
milícias integralistas. Paralelamente, Vargas também agitava os meios
políticos com o espectro do comunismo e, em comum acordo com o ministro
da Guerra, Eurico Gaspar Dutra, e o chefe do Estado-Maior do Exército,
Pedro Aurélio de Góis Monteiro, intensificou em setembro as articulações
para a implantação de um Estado autoritário através de um golpe de força.

A participação de Plínio Salgado nos preparativos do golpe seria descrita


por ele próprio numa carta enviada a Vargas em 28 de janeiro de 1938,
relatando que em setembro de 1937 fora procurado por Francisco Campos, o
qual, dizendo-se autorizado pelo presidente, "me entregou o original de
um projeto de uma constituição que deveria ser outorgada, num golpe de
Estado ao país". No dia seguinte, segundo a mesma carta, Salgado voltou a
encontrar-se com Francisco Campos na casa de Amaro Lanari, declarando-se
em princípio favorável ao projeto de constituição corporativista que lhe
fora apresentado, embora julgasse suficiente "apenas algumas reformas na
Carta de 34", notadamente a substituição do sufrágio universal pelo voto
corporativo e a ampliação dos poderes de intervenção do Estado na vida
econômico-financeira do país. Após essas observações preliminares,
manifestou-se favorável ao golpe de Estado como solução para a crise
nacional.

Em 30 de setembro de 1937, o general Dutra anunciou a descoberta de uma


trama comunista para a derrubada do governo, esboçada no documento
intitulado Plano Cohen. Tratava-se, na verdade, do documento elaborado
pelo capitão Mourão Filho apresentado a Salgado - que, apropriado pelo
general Góis Monteiro, fora utilizado como pretexto para acelerar os
preparativos do golpe. Por motivos óbvios, Salgado não denunciou a farsa
montada pelo governo, apressando-se em manifestar seu apoio irrestrito a
Vargas e à reinstauração do estado de guerra, concedida pelo Congresso em
19 de outubro.
No dia 5 de outubro, segundo depoimento de Olbiano de Melo, Plínio
Salgado reuniu os membros da Câmara dos 40, no Rio de Janeiro, e revelou
os planos de Vargas. De acordo com a mesma fonte, conseguiu na ocasião
demover a posição da ala sindicalista - representada por Miguel Reale, o
próprio Olbiano de Melo e outros-,que teria se manifestado inicialmente
favorável à denúncia do Plano Cohen e a uma aliança com Armando Sales e
José Antônio Flores da Cunha, governador do Rio Grande do Sul, para deter
a conspiração. Prevaleceu afinal a posição de "neutralidade" em relação
ao golpe, sustentada por Salgado, que no dia seguinte revogou a resolução
contra o porte das camisas verdes e dos distintivos integralistas,
baixada em agosto.

Em meados de outubro, Plínio Salgado teve um encontro secreto com o


presidente na casa de Renato da Rocha Miranda, membro da Câmara dos 40,
e, segundo Robert Levine, agente do governo infiltrado na AIB a pedido de
Vargas. Segundo a versão do próprio Salgado, Vargas deixara tacitamente
subentendido na ocasião que o integralismo seria a base do novo regime, e
prometera inclusive a nomeação de um dirigente integralista para o cargo
de ministro da Educação.

Em 28 de outubro, acompanhado do chefe de polícia do Rio de Janeiro,


Filinto Müller, Salgado teve um encontro com o general Dutra no
Ministério da Guerra. Em 1º. de novembro, liderou um desfile de milhares
de "camisas-verdes" e dezenas de oficiais do Exército fardados, visando
dar uma demonstração de força do movimento. Vargas prestigiou o desfile
passando em revista as colunas integralistas de uma sacada do palácio do
Catete e tendo a seu lado os generais Newton Cavalcanti, comandante da
Vila Militar, e Francisco José Pinto, chefe do Gabinete Militar da
Presidência da República. Assistindo ao desfile de uma amurada do Hotel
Glória, Salgado calculou em 50 mil o número de manifestantes, embora o
governo tenha divulgado extra-oficialmente uma estimativa de 17 mil
manifestantes.

Na noite de 19 de novembro, Plínio Salgado anunciou a retirada de sua


candidatura à presidência da República e o apoio dos integralistas a
Vargas e à forças armadas "na luta contra o comunismo e a democracia
anárquica, e para proclamar os princípios de um novo regime". Na manhã de
10 de novembro, cinco dias antes da data marcada para a ofensiva golpista
e sem aviso prévio a Salgado, Vargas ordenou o cerco do Congresso,
consumando rapidamente o golpe de Estado. À noite, anunciou em
transmissão radiofônica a decretação do Estado Novo e a promulgação da
Constituição elaborada por Francisco Campos, mas não fez qualquer
referência ao integralismo, contrariando assim as expectativas de
Salgado.

A extinção da AIB e o Levante Integralista

Em 11 de novembro de 1937, Plínio Salgado reconheceu a nova Constituição


e, cumprindo provavelmente um acerto efetuado com os articuladores do
golpe, extinguiu formalmente o caráter político da AIB, mantendo-a apenas
como sociedade cultural, esportiva e beneficente. No dia seguinte
publicou uma pequena nota em A Ofensiva assegurando que a organização
integralista não seria afetada pela nova ordem jurídico-política do país.

Em 20 de novembro, segundo sua carta a Vargas, já mencionada, o ministro


da Justiça Francisco Campos comunicou-lhe pessoalmente a intenção do
governo de fechar a AIB, mesmo com o caráter de sociedade civil. Salgado
tentou em vão impedir a consumação da medida lançando apelos a Góis
Monteiro e a Vargas, com quem avistou-se novamente em Petrópolis( RJ). Em
25 de novembro, liderou no Rio de Janeiro o último desfile integralista
que, conforme o anterior, foi também passado em revista pelo chefe do
governo.

Em 2 de dezembro Vargas baixou o decreto de dissolução dos partidos


políticos, atingindo diretamente a AIB através do artigo que proibia o
funcionamento de sociedades civis com a mesma denominação com que se
haviam registrado como partidos políticos. Em, protesto contra a medida,
o general Newton Cavalcante pediu demissão do comando da Vila Militar.

Em 4 de janeiro de 1938, Salgado registrou a AIB com uma nova denominação


- Associação Brasileira de Cultura - e designou a si próprio seu
presidente. O impasse entre o governo e os integralistas permaneceu, no
entanto, inalterado.
O governo reclamava a efetiva e completa dissolução da AIB, exigindo que
Salgado renunciasse à condição de chefe nacional dos integralistas.

Ainda em janeiro, Plínio Salgado decidiu assumir os riscos de um levante


armado contra Vargas, cuja idéia, segundo o relato de Olbiano de Melo,
partira de Belmiro Valverde, Gustavo Barroso e do próprio Olbiano de
Melo. O movimento recebeu a adesão de oposicionistas liberais como Otávio
Mangabeira, o ex-governador do Rio Grande do Sul, José Antônio Flores da
Cunha, exilado na Argentina, e o coronel Euclides Figueiredo, chefe
militar da Revolução Constitucionalista de 1932. O historiador Hélio
Silva revelou que na fase inicial da conspiração Salgado encontrou-se
mais de uma vez com Otávio Mangabeira no Hotel Glória do Rio de Janeiro.
O almirante Nuno Barbosa de Oliveira e Silva, um dos implicados na
conspiração, afirmaria mais tarde que o próprio Salgado apresentara o
coronel Euclides Figueiredo a um grupo de oficiais integralistas como o
responsável pela direção militar do movimento no Rio de Janeiro.

Em 28 de janeiro de 1938, Salgado tentou ainda uma composição com Vargas,


enviando-lhe a carta já mencionada, na qual condicionou a aceitação da
pasta da Educação ao reconhecimento por parte do governo dos direitos
mínimos da AIB à vida legal. Em fevereiro, tentou em vão reaproximar-se
de Vargas por intermédio de Rosalina Coelho Lisboa, num momento em que
uma série de medidas repressivas contra os integralistas já havia sido
determinada pelo governo.
Ele próprio foi intimado a depor em Niterói, em 16 de fevereiro, sobre as
atividades da AIB desenvolvidas em Petrópolis.

A primeira tentativa de revolta ocorreu no dia 11 de março, mas foi


imediatamente frustrada pela ação da polícia contra o grupo encarregado
de ocupar a rádio Mayrink Veiga, no Rio de Janeiro, e de transmitir a
ordem do início do levante. Mesmo assim, houve um começo de ação na
Marinha, que resultou na prisão de vários integralistas e na posterior
instauração de um inquérito. Salgado permaneceu alguns dias escondido no
Rio de Janeiro, refugiando-se depois em São Paulo. No dia 17 de março, a
notícia do levante foi afinal divulgada pelo governo, juntamente com a
informação de que três mil punhais com a cruz gamada, procedentes da
residência de Salgado, haviam sido apreendidos pela polícia.

Após a frustrada tentativa de 11 de março, a chefia do movimento armado


foi entregue ao general José Maria Castro Júnior em conseqüência da
prisão do coronel Euclides Figueiredo e de Otávio Mangabeira. A
coordenação do levante no Rio prosseguiu sob a direção de Belmiro
Valverde, e a principal operação - o assalto ao palácio Guanabara e o
aprisionamento do chefe do governo - foi confiada ao tenente Severo
Fournier, ex-ajudantede-ordens do coronel Figueiredo.

Em meados de abril, o chefe de polícia do Distrito Federal, Filinto


Müller, negou publicamente a existência de uma ordem de prisão contra
Salgado, eximindo-o de qualquer responsabilidade no frustrado levante de
11 de março. Este permaneceu escondido em São Paulo, mantendo-se em
contato com o grupo de conspiradores do Rio através de um genro, José
Loureiro Júnior.

O movimento armado irrompeu na madrugada de 11 de maio, resultando em


completo fracasso devido às falhas de organização e à deserção, na última
hora, da maioria dos integralistas comprometidos com a ação. O tenente
Severo Fournier e seus homens chegaram a penetrar no palácio Guanabara,
mas não conseguiram vencer a precária resistência de Vargas, de seus
familiares e de um pequeno grupo de defensores, sendo derrotados duas
horas depois, quando o general Dutra chegou com reforços. Os planos de
ocupação de duas estações de rádio, do Ministério da Marinha e de ataques
às residências de várias autoridades também fracassaram, devido à
inoperância e à indecisão dos grupos de assalto integralistas. Os
revoltosos conseguiram apenas aprisionar o coronel Canrobert Pereira da
Costa, chefe do gabinete do ministro da Guerra, general Dutra, e
transmitir uma mensagem pela rádio Mayrink Veiga que, segundo consta,
teria sido ouvida por Salgado em São Paulo e comemorada com o maior
entusiasmo.

A revolta fracassada de 11 de maio selou o destino da AIB. A maioria dos


implicados foi presa, embora a vaga repressiva não tenha sido tão
violenta como a desfechada contra os comunistas após o levante de
novembro de 1935. Ao contrário do que se poderia esperar, Plínio Salgado
não foi detido nem incluído na denúncia feita em 19 de agosto de 1938
pelo procurador do Tribunal de Segurança Nacional, Himalaia Virgulino,
contra os líderes da revolta.
Salgado absteve-se de qualquer aparição pública, permanecendo em São
Paulo sob a proteção do interventor federal no estado, Ademar de Barros.

Em janeiro de 1939, foi detido na capital paulista e solto três dias


depois. Em fevereiro seguinte, prestou depoimento à polícia, eximindo-se
de qualquer responsabilidade no levante. Quinze anos mais tarde, em
entrevista publicada no jornal O Globo, daria sua versão definitiva sobre
os acontecimentos de maio de 1938, cometendo uma série de equívocos como,
por exemplo, o de incluir Eduardo Gomes na conspiração - e tecendo
acusações infundadas a Severo Fournier. Segundo sua versão, Belmiro
Valverde fora instigado por Fournier a precipitar a deflagração do
levante, sem o assentimento do general Castro Júnior, chefe do movimento.
Afirmaria ainda que o seu "setor" seria em São Paulo, e que só teve
conhecimento da antecipação na própria noite da revolta.
Ainda segundo sua versão, "Severo Fournier, o instigador, fugiu a
pretexto de buscar reforços, deixando no chão oito cadáveres de
companheiros". Como se sabe, Fournier só abandonara o palácio Guanabara
quando sua missão já estava inteiramente perdida.

Em maio de 1939, um ano após o Levante Integralista, Salgado reuniu em


São Paulo um pequeno grupo de correligionários para lançar uma
proclamação, conhecida corno o Manifesto de maio, no qual recomendou aos
integralistas que se abstivessem de "quaisquer agitações subversivas e de
manifestações de caráter político, perturbadoras da ordem pública".
Justificou sua posição referindo-se à "gravidade sem precedentes" do
movimento internacional e aos perigos externos que ameaçavam o Brasil,
concluindo o documento com um apelo à unidade nacional e ao respeito às
autoridades constituídas. O manifesto foi distribuído à imprensa pela
Agência Nacional e publicado no dia seguinte pelos grandes jornais.

No final de maio, foi novamente detido por imposição do general Dutra e


recolhido à fortaleza de Santa Cruz, onde permaneceu preso até o dia 22
de junho, quando embarcou para Portugal como exilado político.

O exílio em Portugal

Durante o exílio em Portugal, Plínio Salgado ditou aos integralistas,


através de cartas e manifestos enviados ao Brasil, uma orientação
indefectível de apoio ao governo Vargas.

Desde sua chegada a Lisboa, em julho de 1939, procurou recompor suas


relações com o governo brasileiro por intermédio de Rosalina Coelho
Lisboa e outros emissários. Subordinou a partir de então sua atuação e
influência políticas ao objetivo de reabilitar-se perante o governo.
Assim, ao lançar sua primeira diretiva aos integralistas, em setembro de
1939, preveniu-os contra qualquer tomada de posição em relação à Segunda
Guerra Mundial, diante do desconhecimento, por parte da opinião pública,
dos desdobramentos da política externa brasileira.

Em agosto de 1940, recebeu em Lisboa a visita do general Francisco José


Pinto, que teria manifestado, em nome de Vargas, sua intenção de contar
com a colaboração dos integralistas no governo. Na ocasião ficou acertado
que Gustavo Barroso, que também se encontrava em Lisboa, representaria
Salgado nos entendimentos com Vargas. No decorrer de 1941, Barroso teve
alguns encontros com o chefe do governo brasileiro, que resultaram apenas
em pequenos favores a integralistas que se encontravam em situação
difícil em virtude dos, acontecimentos de 1938.

Em 7 de setembro de 1941, Salgado lançou outro manifesto aos


integralistas, assinalando a "confusão caótica" da situação mundial e o
"fantasma do bolchevismo" e suas ,,máscaras mais diversas", numa alusão
indireta à aliança da União Soviética com as democracias ocidentais
contra a Alemanha e a Itália. Reiterou mais uma vez seu apoio
incondicional a Vargas, procurando demonstrar a afinidade existente entre
o integralismo e a doutrina política do Estado Novo ao afirmar que "os
fundamentos ideológicos da doutrina integralista são, em parte, os mesmos
que inspiraram a Constituição de 10 de novembro de 1937...
Uma a uma das aspirações integralistas estão sendo realizadas pelo Estado
Novo". E citou, como exemplo, o fortalecimento do poder central, a
extinção dos partidos regionais, a supressão do sufrágio universal, a
restrição das autonomias estaduais, as leis de amparo aos trabalhadores e
outros pontos do programa integralista. Segundo Rosalina Coelho Lisboa,
muitos integralistas não se conformaram com os termos do manifesto,
enquanto outros duvidaram de sua autenticidade. Vargas elogiou o
documento na presença de Gustavo Barroso, mas proibiu sua divulgação pela
imprensa.

Por ocasião da declaração de guerra do Brasil à Alemanha e à Itália, em


agosto de 1942, Salgado enviou telegramas de solidariedade a Vargas e ao
general Dutra, ministro da Guerra. No Brasil, várias personalidades
integralistas também enviaram um telegrama de apoio à decisão do governo,
que, no entanto, foi proibido de ser publicado pelos jornais. A
descoberta posterior do envolvimento de integralistas em atividades de
espionagem alemã provocou um recrudescimento das medidas repressivas do
governo contra os membros da extinta AIB.

Em 15 de novembro de 1943, Salgado redigiu novo manifesto de apoio à


política panamericana do Brasil e de protesto contra as acusações de que
mantinha vínculos com a Alemanha e a Itália fascista. Em dezembro de
1944, já às vésperas da vitória dos países aliados, pronunciou uma
conferência em Coimbra, Portugal, na qual, segundo Jarbas Medeiros, teria
empregado pela primeira vez o conceito de democracia cristã como a
síntese de seu pensamento. Na conferência, denominada "O conceito cristão
de democracia", considerou o totalitarismo nazi-fascista como um
"desvio", equiparando-o ao totalitarismo dos Estados comunistas.

Os contatos de Salgado com Vargas prosseguiram até o final do Estado


Novo, por intermédio de Rosalina Coelho Lisboa, mas não se traduziram em
nenhuma concessão política significativa ao movimento que defendia e
liderava.

A redemocratização de 1945 e seu regresso ao Brasil

A participação do Brasil no esforço de guerra das nações aliadas desde


1942 e a ampliação dessa ajuda em junho de 1944 com o envio da Força
Expedicionária Brasileira (FEB) à Itália criaram de antemão condições
favoráveis para uma mudança do regime autoritário instituído em 1937.

Em fevereiro de 1945, diante do iminente final da Segunda Guerra Mundial


e das pressões desencadeadas internamente por setores do Exército e pelas
forças de oposição, Vargas anunciou a breve realização de eleições
presidenciais, dando início ao processo de redemocratização do país.

Em março seguinte, em entrevista à agência de notícias United Press,


Plínio Salgado declarou seu propósito de mobilizar os integralistas para
uma participação efetiva na nova etapa da vida política brasileira. Em
abril Vargas anistiou os adversários do Estado Novo, inclusive os
integralistas e os comunistas. Decidindo não voltar de imediato ao
Brasil, Salgado escreveu uma carta a Raimundo Padilha, com instruções
para a reorganização do movimento integralista sob a forma de partido
político, de acordo com a nova legislação eleitoral.

No mês de julho, lançou um documento sobre a reorganização partidária


denominado "Manifesto-diretiva", enumerando os princípios genéricos que
norteariam o ingresso dos integralistas num partido político. Reafirmou a
validade da doutrina integralista e, recapitulou seus postulados
fundamentais, sem mencionar todavia o corporativismo, a defesa do partido
único, a rejeição do sufrágio universal e outros pontos assinalados até
então nos principais documentos da AIB. Fez também um breve relato da
atuação da AIB na década de 1930, pretendendo justificar a adoção do
uniforme de camisas verdes e dos demais símbolos e rituais como um
antídoto contra os nazistas do Sul do país, que também tinham seus
uniformes e rituais. Tratava-se, segundo afirmou, de "nacionalizar
brasileiramente tais elementos e impedi-los de formar quistos raciais que
poderiam ser utilizados pelo imperialismo nazista".

Em 18 de agosto de 1945, desembarcou afinal no Brasil, após seis anos de


exílio em Portugal.

Da fundação do PRP à campanha presidencial de 1955

Em 26 de setembro de 1945, ao lado de Raimundo Padilha e de outros


antigos dirigentes integralistas, Plínio Salgado fundou o Partido de
Representação Popular (PRP), adotando, assim, as mesmas iniciais do
extinto Partido Republicano Paulista. Embora fosse a personalidade de
maior destaque da nova agremiação, não assumiu de imediato a presidência
do PRP, que foi ocupada provisoriamente por Adauto de Alencar Fernandes.
Em 3 de novembro, o primeiro diretório nacional elegeu Fernando Cochrane
- ex-membro da Câmara dos Quatrocentos - presidente nacional do PRP.

Salgado tentou mobilizar seus antigos correligionários em torno do novo


partido, mas, como ele próprio reconheceria, "nem todos os integralistas
se inscreveram..., embora muitos continuassem fiéis a nossa doutrina em
outros partidos".

Nas eleições de 2 de dezembro de 1945, o PRP apoiou a candidatura do


general Dutra à presidência da República e concorreu à Assembléia
Nacional Constituinte em 11 estados, sofrendo entretanto uma fragorosa
derrota em seu primeiro teste eleitoral ao obter apenas 95 mil votos em
todo o país. O fracasso dos integralistas foi minimizado parcialmente
pela eleição de Godofredo da Silva Teles, que concorreu na legenda do
Partido Social Democrático (PSD) e do general Dutra, eleito presidente da
República com uma ampla margem de votos sobre o brigadeiro Eduardo Gomes,
candidato da oposição liberal reunida em torno da União Democrática
Nacional (UDN).
Em 27 de outubro de 1946, na II Convenção Nacional do PRP, realizada no
Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Plínio Salgado foi eleito presidente
do partido, cargo em que se manteria até a extinção dos partidos
políticos pelo Ato Institucional nº.2 (AI-2) em 27 de outubro de 1965. No
discurso que então pronunciou ao aceitar sua indicação, evocou o passado
da AIB, seu ideário nacionalista e espiritualista e o patriotismo dos
integralistas, que "não transigiram com o golpe de Estado de 37, ao ponto
de terem sido os únicos brasileiros que derramaram seu sangue para
restaurar a liberdade". Negou qualquer colaboração com o golpe,
declarando ainda que recusara o convite para chefiar o Ministério da
Educação por não concordar com o caráter totalitário da Constituição do
Estado Novo. Ao contrário do que certamente ocorreria na década de 1930,
dispensou a solenidade de juramento de fidelidade ao chefe nacional,
explicando que a "fase crítica da nacionalidade que exigiu, num
grave instante histórico, a assinatura de um compromisso solene é uma
fase ultrapassada". Apesar de ressaltar a identidade dos princípios do
PRP com a doutrina integralista, frisou que o partido não era um
ressurgimento da AIB sob uma nova sigla, lembrando a diretiva que enviara
aos integralistas em 1945, ainda no exílio, no sentido de não se reabrir
a AIB, e seu desejo de que apenas "vivesse e perdurasse a própria
essência da doutrina inspiradora daquele grande movimento".

Apesar do carisma de Salgado, o PRP conseguiria firmar-se apenas como um


pequeno partido, com votações que raramente ultrapassariam o índice de 5%
do eleitorado nos pleitos realizados no período compreendido entre 1945 e
1965.
Em 1948, Salgado participou da Conferência Internacional das Conversações
Católicas, realizada em San Sebastián, Espanha. Em 1950, durante a
campanha para a sucessão do presidente Dutra, aliou-se à UDN, apoiando
dessa vez a candidatura do brigadeiro Eduardo Gomes, após entendimentos
firmados com José Eduardo do Prado Kelly. Todavia, com a vitória de
Vargas, conseguiu firmar um acordo com o novo presidente, garantindo um
apoio discreto do PRP à sua gestão.

Em outubro de 1952, fundou a Confederação dos Centros Culturais da


Juventude, com objetivo de preparar, por meio de conferências e cursos,
"uma nova geração, iluminada pela consciência dos deveres e das
responsabilidades, esclarecida sobre o problema comunista". Segundo
afirmaria mais tarde, a criação de mais de quinhentos centros culturais
nos três anos que se seguiram representou de sua parte um "esforço
sobrenatural pela salvação de minha pátria das garras da Rússia
soviética". Em fevereiro de 1953, fundou o jornal A Marcha, um semanário
voltado basicamente para o combate ao comunismo.

Em 21 de março de 1955, o PRP lançou oficialmente a candidatura de Plínio


Salgado à sucessão de João Café Filho, que assumira o governo em agosto
de 1954, com o suicídio de Vargas. Foi o segundo partido a apresentar um
candidato próprio à sucessão presidencial, rejeitando, assim, a fórmula
de uma candidatura suprapartidária de "união nacional" proposta pela UDN
em contraposição à candidatura de Juscelino Kubitschek, oficializada pelo
PSD em fevereiro. A indicação de Salgado foi denunciada pela UDN como uma
manobra de Kubitschek para dividir os votos de seu candidato, Juarez
Távora. Salgado refutou a acusação, mas posteriormente, em entrevista à
socióloga Maria Vitória Benevides, o próprio Juscelino confirmaria ter
solicitado pessoalmente sua participação no pleito.
Durante a campanha eleitoral, Salgado criticou veementemente o apoio dado
pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) a Juarez Távora e sua posição
ambivalente em relação aos comunistas, atraindo, sem dúvida, um número
considerável de votos que, de outra forma, iria naturalmente para o
candidato udenista.
Concorrendo sem companheiro de chapa, nas eleições de 3 de outubro de
1955 Plínio Salgado obteve 714 mil votos, ou seja, 8% da votação total.
Embora situando-se muito aquém do terceiro colocado, Ademar de Barros
(26%), sua pequena votação foi decisiva para a vitória de Juscelino
Kubitschek (36%) sobre Juarez Távora (30%).

A vitória de Kubitschek e de João Goulart, candidato à vice-presidência,


foi imediatamente contestada pela UDN. Os líderes udenistas mais
radicais, como Carlos Lacerda, desencadearam intensa campanha contra a
posse dos eleitos, enquanto a direção do partido resolveu levar o caso à
Justiça Eleitoral, argumentando que os candidatos vitoriosos não haviam
alcançado a maioria absoluta. Nas forças armadas, chefes militares, como
o almirante Carlos Pena Boto, também tornaram patente seu inconformismo
com o resultado do pleito.

Em 5 de outubro, ante os primeiros sinais da crise político-militar,


Salgado divulgou um manifesto declarando seu propósito em reconhecer como
"legítimo o governo que a Justiça Eleitoral der como eleito". Em 22 de
outubro, subscreveu o manifesto assinado pelos presidentes do PSD, Ernâni
Amaral Peixoto, do Partido Social Progressista (PSP), Ademar de Barros, e
de outros partidos menores, contestando a tese da maioria absoluta
levantada pela UDN.

Posteriormente, apoiou o movimento militar desfechado em 11 de novembro


pelo ministro da Guerra demissionário, general Henrique Teixeira Lott,
contra o presidente em exercício Carlos Luz, empossado três dias antes em
substituição a Café Filho, que se afastara do governo por motivo de
doença. Lott classificou sua intervenção como um movimento de retomo à
ordem constitucional, ameaçada pelo próprio Carlos Luz em virtude de suas
ligações com os adversários de Kubitschek e de seu suposto envolvimento
na conspiração contra sua posse. A Câmara dos Deputados legitimou no
mesmo dia a ação de Lott, com os votos dos três deputados da bancada do
PRP, declarando o impedimento de Carlos Luz e a posse no governo do vice-
presidente do Senado Nereu Ramos. Dez dias mais tarde, Lott voltou a
mobilizar o Exército para impedir o retorno do presidente Café Filho, em
intervenção que foi novamente legitimada pela Câmara.

Após a crise de novembro, Salgado manteve conversações sigilosas com o


líder do PSD, José Maria Alkmin, assegurando, segundo o historiador John
Foster Dulles, seu apoio ao governo Kubitschek em troca do não-
reconhecimento do governo soviético por parte do Brasil e da manutenção
da ilegalidade imposta ao PCB. O acordo resultou ainda em sua nomeação
para a direção do Instituto Nacional de Imigração e Colonização (INIC),
logo após a posse de Kubitschek em 31 de janeiro de 1956. O INIC
permaneceria sob controle dos integralistas até 1962, quando foi
incorporado à Superintendência da Política de Reforma Agrária
(Supra), criada naquele ano pelo então presidente João Goulart.
Na Câmara Federal: de 1959 a 1974

Em outubro de 1958, Plínio Salgado foi eleito deputado federal pelo


Paraná na legenda do PRP com mais de 50 mil votos, assumindo o mandato em
fevereiro de 1959. Em agosto de 1961, por ocasião da crise provocada pela
renúncia do presidente Jânio Quadros e o veto dos ministros militares à
posse do vice-presidente João Goulart, tomou posição em defesa da
sucessão constitucional, expressa em uma carta enviada ao ministro da
Guerra, marechal Odílio Denis, e lida no plenário da Câmara em 28 de
agosto pelo senador do PRP Guido Mondim. Nesse mesmo dia, foi designado
líder do PRP e membro da comissão mista encarregada de emitir parecer
sobre o impedimento de Goulart, solicitado pelos ministros militares. No
dia seguinte, a comissão manifestou-se favorável à posse de Goulart,
sugerindo entretanto a instituição do regime parlamentarista como solução
de compromisso para a grave crise político-militar que se instalara no
país. Diante da posição do Congresso e da resistência oferecida pelo
governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, e o comandante do III
Exército, sediado em Porto Alegre, general José Machado Lopes, os
ministros militares aceitaram a fórmula conciliatória do parlamentarismo
e abriram caminho para a posse de Goulart, ocorrida afinal em 7 de
setembro de 1961.

Durante o governo de Goulart, Salgado aliou-se à UDN e ao PSD na luta


contra as chamadas reformas de base nos termos pretendidos pelo governo.
Foi o autor de um projeto de reforma agrária e de um projeto de criação
de um ministério de turismo, sem conseguir entretanto a aprovação da
Câmara.

Em outubro de 1962, por ocasião do 30º aniversário de fundação da AIB,


proferiu um discurso na Câmara afirmando a identidade de princípios entre
o PRP e a doutrina integralista. Nas eleições legislativas realizadas
ainda nesse mês, foi reeleito deputado federal com 37 mil votos, agora
por São Paulo, sempre na legenda do PRP.

Nos primeiros meses de 1964, em meio ao agravamento das tensões sociais e


políticas no país, intensificou sua oposição ao governo Goulart. Em 19 de
março, foi um dos oradores da Marcha da Família com Deus pela Liberdade,
realizada em São Paulo com a participação de cerca de trezentas mil
pessoas, em protesto contra o governo.

Apoiou o movimento político-militar de 31 de março de 1964, que depôs


João Goulart, e a eleição, pelo Congresso, do general Humberto Castelo
Branco como chefe do governo, em 11 de abril seguinte. Com a extinção do
PRP e dos demais partidos políticos, decretada pelo AI-2 em outubro de
1965, e a posterior reorganização partidária, filiou-se ao partido
governista, a Aliança Renovadora Nacional (Arena). Nessa legenda
candidatou-se à reeleição em novembro de 1966 e saiu-se vitorioso com
cerca de 19 mil votos, sendo conduzido na legislatura iniciada em
fevereiro do ano seguinte ao cargo de vice-líder de seu partido na
Câmara.

Após a decretação do Ato Institucional nº. 5 (AI-5) em dezembro de 1968,


Plínio Salgado ressurgiu inesperadamente no cenário político nacional. Em
maio de 1970, já durante o governo do general Emílio Garrastazu Médici,
manifestou-se a favor da censura prévia aos jornais diários e do controle
ideológico do ensino das ciências sociais e biológicas, tendo sido o
relator do projeto encaminhado pelo ministro da Justiça, Alfredo Buzaid -
antigo dirigente integralista -, estabelecendo a censura prévia a
periódicos e livros considerados pornográficos. Segundo Carlos Castelo
Branco, sua sugestão para estender a censura aos jornais diários não foi,
entretanto, aceita por Buzaid.
A censura à imprensa, instituída de fato pelo AI-5, em 1968, continuou a
ser rigidamente aplicada durante o governo Médici, tanto através de
ordens precisas a redações dos jornais, como da censura prévia a algumas
publicações como O Estado de São Paulo, Opinião e Veja.

Em outubro de 1970 Salgado foi reeleito para o seu último mandato na


Câmara.
Em 1971 ocupou os cargos de membro da Comissão de Educação e Cultura e
suplente da Comissão de Finanças, participando ainda da comissão especial
para integração dos povos da comunidade de língua portuguesa.

Em outubro de 1972, por ocasião do 40º. aniversário de fundação da AIB,


anunciou o lançamento do Movimento de Renovação Nacional (Morena),
visando arregimentar a mocidade brasileira em nova cruzada de redenção
nacional. Já no final de seu mandato, em resposta a um jornalista que lhe
indagara sobre o sucesso do integralismo no Brasil, afirmou: "Veremos.
Veja quem são os homens que estão no poder. A maioria pertence ao nosso
partido e ainda hoje obedece aos princípios pelos quais lutamos e
defendemos", citando como exemplo o ministro Alfredo Buzaid, "um de
nossos fiéis companheiros de luta".

Em 3 de dezembro de 1974, em discurso de despedida na Câmara, anunciou


que abandonaria suas atividades públicas, colocando um ponto final à sua
controvertida carreira política.

Plínio Salgado foi membro da Academia Paulista de Letras e do Instituto


Histórico e Geográfico de São Paulo. Faleceu em São Paulo no dia 7 de
dezembro de 1975. José Loureiro Júnior, seu genro, foi dirigente da AIB
na década de 1930 e deputado federal por São Paulo na legenda do PRP de
1955 a 1959.

Além dos livros mencionados publicou, ao longo de sua vida, mais de 70


obras.

Dentre seus trabalhos literários destacaram-se ainda O cavaleiro de


Itararé (1933), A voz do Oeste (1934), Geografia sentimental (1937),
Nosso Brasil (1937), Sete noites de Joãozinho (1940), Vida de Jesus
(1942), O rei dos reis (1946), Primeiro Cristo! (1946), A tua cruz,
senhor (1946), A imagem daquela noite (teatro religioso, 1947), Direitos
e deveres do homem (1948), O poema da fortaleza de Santa Cruz (1948) e
São Judas Tadeu e São Simão Cananita (1950).
Publicou ainda os seguintes trabalhos em suas Obras Completas (20 v.,
1956): Oriente, Pio IX e o seu tempo, Roteiro e crônica de mil viagens,
Críticas e prefácios, Contos e fantasias, Sentimentais, Como nasceram as
cidades do Brasil, Viagens pelo Brasil. Mais tarde publicou Poemas do
século tenebroso (1961), e, sob o pseudônimo de Ezequiel, Trepandé
(romance, 1972). Publicou também as obras político-filosóficas O
sofrimento universal (1934), Despertemos a nação (1935), A Doutrina do
Sigma (1935), Palavra nova dos tempos novos (1936), Páginas de combate
(1937), A aliança do sim e do não (1943), A mulher no século XX (1946),
Conceito cristão de democracia (1946), Madrugada do espírito (1946), O
integralismo brasileiro perante a nação (1946), Mensagem às pedras do
deserto (1947), Extremismo e democracia (1948), O ritmo da história
(1949), Discursos (1949), Espírito da burguesia (1951), Livro verde da
minha campanha (1956), Reconstrução do homem (1957), O integralismo na
vida brasileira (1958), Discursos na Câmara dos Deputados (1961), Como se
prepara uma China (1962), Instrução moral e cívica (1964), História do
Brasil (1969), 13 anos em Brasília (1973) e A crise parlamentar.

A seu respeito e sobre o integralismo destacam-se as obras Plínio Salgado


(1936), editada por Miguel Reale e Rui Arruda, Plínio Salgado and
brazilian integralism 1932-1938, de Elmer R. Broxson (tese de doutorado),
Integralismo, o fascismo brasileiro da década de 30 (1974), de Hélgio
Trindade, "As classificações de Plínio - uma análise do pensamento de
Plínio Salgado", de Ricardo Benzaquen de Araújo in Revista de Ciência
Política (Rio nº. 3, vol. 21 - setembro de 1978) e Ideologia autoritária
no Brasil 1930-1945 (1978), de Jarbas Medeiros, O integralismo de Plínio
Salgado - forma de regressividade no capitalismo hipertardio (1978), de
José Chasin, e 1938: terrorismo em campo verde (1971), de Hélio Silva.

Se você deseja maiores informações sobre o Integralismo, contate:


NÚCLEOS INTEGRALISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
contato@integralismorio.org
VISITE NOSSO PORTAL: www.integralismorio.org