Você está na página 1de 40
Utilizaç ão de embarca ç ões Prof Dr Rodrigo F More IICS-CEU 2008

Utilização de embarcações

Prof Dr Rodrigo F More IICS-CEU

2008

Utilização de embarcações • Embarcação é gênero , do qual navio é espécie • Embarcações

Utilização de embarcações

Embarcação é gênero, do qual navio é espécie

Embarcações são construções destinadas ao tráfego marítimo, fluvial ou lacustre.

Construção destinada ao transporte de pessoas ou coisas.

Dotados ou não de propulsão própria

Navios

lanchas,

são

embarcações

maiores

(diferentes

de

rebocadores etc)

Flutuabilidade

Navegabilidade (técnica/funcional/operacional)

NAVIO A naveg abilidade necessariamente implica que: • o projeto, estrutura, equipamentos e condição do

NAVIO

A navegabilidade necessariamente implica que:

o projeto, estrutura, equipamentos e condição do navio estejam aptos a exercer, com eficiência, a expedição marítima, afrontando, conseqüentemente, os perigos ordinários da viagem (nave g abilidade técnica ou absoluta)

NAVIO • o navio deve ter capacidade para transportar a car ga ou no fretamento

NAVIO

o navio deve ter capacidade para transportar a carga ou no fretamento ou transporte de pessoas deve ter capacidade para transportar passageiros (cargo wor thi nness ou navega bilid a d e funcional);

O navio deve dispor da documentação legal necessária e de tripulação competente que lhe permita entrar e sair dos portos sem riscos de atrasos ( navegabilidade operacional)

NAVIO Natureza jurí dica No contexto da natureza j urídica do navio, inserem-se dois elementos:

NAVIO

Natureza jurídica

No contexto da natureza jurídica do navio, inserem-se dois elementos:

1) o enquadramento de bem móvel de natureza sui generis , com regras de bens imóveis;

2) a configuração de res conexa, um todo indivisível

NAVIO Estrutura fí sica • A estrutura física do navio compreende o casco ( membra

NAVIO

Estrutura sica

A estrutura física do navio compreende o casco (membra navis – membros do navio) e acessórios ( instrumenta navis instrumentos do navio)

O casco, qualificado entre as partes intrínsecas, compreende a quilha e o costado (ship´s side) do navio, desprovido de acessórios indispensáveis às condições de navegabilidade.

PAU DO JACK OBRAS MORTAS PAU DA BANDEIRA COSTADO MARCA DE CALADO OBRAS VIVAS RODA
PAU DO JACK
OBRAS MORTAS
PAU DA BANDEIRA
COSTADO
MARCA DE CALADO
OBRAS VIVAS
RODA DE PROA
LEME
CARENA
Casco - interior
Casco - interior

Casco - interior

NAVIO Estrutura fí sica • A cessórios , partes extrínsecas, abran ge tudo aquilo que

NAVIO

Estrutura sica

Acessórios, partes extrínsecas, abrange tudo aquilo que é necessário à navegação, ou seja, todos os aparelhos e pertences, indispensáveis à equipagem ou equipamento do navio, a fim de que possa cumprir sua missão de navegar:

mastros, velas, botes, âncora, máquinas, e todo apetrecho de uso útil e necessário à embarcação), todas as coisas destinadas à atividade da navegação marítima (Decreto 15.788 22, art. 10)

NAVIO Tipos de navio • Navios de Estado ou Públicos força armada de um Estado)
NAVIO Tipos de navio • Navios de Estado ou Públicos força armada de um Estado)

NAVIO

Tipos de navio

Navios de Estado ou Públicos força armada de um Estado)

(inclusive de “Guerra”, parte da

Navios Privados ou Mercantes

Estado ou Públicos força armada de um Estado) (inclusive de “Guerra”, parte da • Navios Privados
Clique sobre imagem para apresentação completa Clique sobre imagem para apresentação resumida
Clique sobre imagem para apresentação completa Clique sobre imagem para apresentação resumida

Clique sobre imagem para apresentação completa

Clique sobre imagem para apresentação resumida

Clique sobre imagem para apresentação completa Clique sobre imagem para apresentação resumida
NAVIO Divisão dos navios car g ueiros Classificação essencialmente quanto: i) à finalidade ; ii)

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Classificação essencialmente quanto:

i) à finalidade;

ii) ao projeto;

iii) equipamento próprio para içamento de cargas;

iv) sistema em que são carregados e quanto ao percurso;

v) de acordo com o serviço prestado

i ça men to de ca r gas ; iv) sistema em que são carregados e
NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Os navios carg ueiros, no que tan

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Os navios cargueiros, no que tange à finalidade, classificam-se em:

a) navios de comércio ou mercantes;

b) navios de lazer ou recreio;

c) navios de serviços especiais (quebra-gelo, de salvamento, rebocadores, dragas, os navios-sonda (exploração de petróleo); navios pesqueiros-fábrica)

d) navios de apoio portuário.

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Em contexto classificatório de navios quanto ao

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Em contexto classificatório de navios quanto ao projeto de construção se destacam:

Navios Cargueiros Convencionais

Navios Multicarga (Multi-purpose ship)

Navios Porta-Container (TEU, FEU) – Full container ship)

Navios Frigoríficos (Reefer vessel)

Navios PANAMAX (boca máxima para o Canal Panamá – 32,2m)

Navios Neo-granéis (cargas específicas e especiais)

Apeação em navio container
Apeação em navio container

Apeação em navio container

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Navios-Tanque ou Tanqueiro (Tanker) são destinados ao

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Navios-Tanque ou Tanqueiro (Tanker) são destinados ao transporte de carga líquida a granel. São equipados com sistemas de descarga (bombas e redes de alta capacidade), sistemas exclusivos de drenagem para descarregar o máximo possível de carga, sistema de gás inerte que visa, pela diminuição do nível de oxigênio dentro dos tanques, evitar incêndios e explosões.

Super tanker
Super tanker

Super tanker

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Petroleiros • Navios V.L.C.C . (Very Large

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Petroleiros

Navios V.L.C.C. (Very Large Crude Carriers): navios petroleiros com capacidade de carga acima de 200 mil toneladas;

Navios Derivados Claros: projetados para o transporte dos subprodutos claros refinados do petróleo cujo sistema de carga tem, em média, três segregações visando evitar contaminação entre as cargas e aumentar a flexibilidade na operação de carga/descarga, além de tanques pintados com tintas especiais;

Superpetroleiro Janre Vicking
Superpetroleiro Janre Vicking

Superpetroleiro Janre Vicking

Superpetroleiro Janre Vicking
Superpetroleiro Janre Vicking

Superpetroleiro Janre Vicking

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Petroleiros • Navio Minero-Petroleiro (Ore-Oil) : construídos

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Petroleiros

Navio Minero-Petroleiro (Ore-Oil): construídos para transportar minério de ferro e óleo cru que todavia nunca são carregados simultaneamente devido ao perigo de explosão e apresentam . dois tipos principais:

OBO (Ore, Bulk, Oil), projetado com estrutura reforçada para transporte de óleo e cargas de alta densidade e

PROBO (Product, Oil, Bulk, Ore), navio combinado (ou Multipurpose), projetado para transportar derivados de petróleo, minérios, ranéis ou óleo cru;

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Petroleiros • Shuttle/Storage Tankers: navios construídos para

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Petroleiros

Shuttle/Storage Tankers: navios construídos para transportar para terminais o óleo cru produzido em plataformas offshore;

Product Tanker: navio-tanque utilizado no transporte de produtos diversos;

ULCC (Ultra Large Crude Carrier): navio-petroleiro de grande porte que depende de terminais especiais para a sua atracação e operação.

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Petroleiros • Floating Production, Storage and Offloading

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Petroleiros

Floating Production, Storage and Offloading é a unidade flutuante de produção, estocagem e carregamento offshore de petróleo.

Plataforma offshore de petróleo destina-se à perfuração de petróleo e situa- se no mar, todavia próxima à costa.

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Graneleiros • Navios Graneleiros Sólidos , construídos

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Graneleiros

Navios Graneleiros Sólidos, construídos e equipados para transportar granéis sólidos, carga seca a granel;

Navios Bulk Carriers, projetados para o transporte de cereais, sal, carvão;

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Graneleiros • Navios Ore Carriers ou Mineraleiros

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Graneleiros

Navios Ore Carriers ou Mineraleiros, destinados ao transporte de minérios que possuem a peculiaridade de carga de alta densidade e com pouca tendência de deslocamento;

Navios Universal Bulk Ship (UBS), dotados de tanques elevados, adequados tanto ao carregamento como à descarga de grãos, assim como à limpeza após o lastro;

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Graneleiros • Navios Colliers ou Carvoeiros ,

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Graneleiros

Navios Colliers ou Carvoeiros, destinados, unicamente, ao transporte de carvão;

Navios Large capesize: navio graneleiro com DWT (TPB) superior a 140.000.

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Graneleiros • Lastro é definido como qualquer

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Graneleiros

Lastro é definido como qualquer volume sólido ou líquido colocado em um navio para garantir sua estabilidade e condições de flutuação. O termo “água de lastro” refere-se à água utilizada nos tanques dos cargueiros para que tenham mais estabilidade quando estão se deslocando vazios. (NORMAM

20).

Tanque de lastro

Tanque de lastro

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Navios car g ueiros se gundo o

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Navios cargueiros segundo o sistema de carregamento:

Navios Ro-Ro (Roll-On & Roll-Off)

Navios Lo-Lo (Lift On & Lift Off)

Navios Flo-Flo (Float On & Float Off)

Navios Porta-Barcaças (Barge Carriers) - Navios tipo Lash e Seabee

Navios para bandejas (Pallets Ships) com side ports

FLO-FLO

FLO-FLO

NAVIO IÇADO

NAVIO IÇADO

NAVIO Divisão dos navios car g ueiros • Navios carg ueiros quanto ao equipamento próprio

NAVIO

Divisão dos navios cargueiros

Navios cargueiros quanto ao equipamento próprio para içamento de cargas:

Navios Geared (Self-loading/unloading ou Self-sustaining ship)

Navios Gearless (dependentes dos equipamentos do porto)

NAVIO • Navios quanto ao tipo de operação : – Liners (navios de linhas regulares,

NAVIO

Navios quanto ao tipo de operação:

Liners (navios de linhas regulares, destinados a prestar serviço regular com rota fixa).

Tramp (Navios Errantes atuam na navegação marítima não regular e atende a demanda específica dos embarcadores num mercado spot ). Também são conhecidos como Navio Prompt Ship (ou Spot) quando for fretado e se encontrar pronto em curto prazo para iniciar o carregamento.

Private Trade navios de empresas que produzem e transportam suas próprias cargas

NAVIO • C lassi f icação dos navios quanto à bandeira – N av io

NAVIO

Classificação dos navios quanto à bandeira

Navio Nacional, navio de bandeira nacional, registrado no Brasil (Capitania dos Portos – Tribunal Marítimo - RPM)

Navio estrangeiro, que ostenta pavilhão estrangeiro

Navio apátrida, navio que não têm registro.

NAVIO • Navios car g ueiros quanto ao tipo de nave gação – navios de

NAVIO

Navios cargueiros quanto ao tipo de navegação

navios de longo curso

navios de cabotagem

navios de apoio marítimo

navios para navegação costeira

navios SOLAS ( Safety of Life at Sea)

navios não SOLAS.

NAVIO Os navios SOLAS devem atender à Convenção SOLAS 1974 e suas emen das em

NAVIO

Os navios SOLAS devem atender à Convenção SOLAS 1974 e suas emendas em vigor (OMI), à Convenção Internacional de Linhas de Carga (ll 66) e suas emendas em vigor, da Convenção Internacional para Medidas de Tonelagem de Navios (OMI, 1969) e suas emendas em vigor, mesmo que não efetuem viagens internacionais

NAVIO • SOLAS , que abrangem todas as embarcações mercantes empregadas em viagens marítimas internacionais

NAVIO

SOLAS, que abrangem todas as embarcações mercantes empregadas em viagens marítimas internacionais ou empregadas no tráfego marítimo mercantil entre portos brasileiros, ilhas oceânicas, terminais e plataformas marítimas . excetuando-se:

NAVIO i) embarcações de carg a com arqueação bruta in f erior a 500; i)

NAVIO

i) embarcações de carga com arqueação bruta inferior a 500;

i) embarcações de passageiros com arqueação bruta inferior a 500 e que não efetuam viagens internacionais; iii) embarcações sem meios de propulsão mecânica; iv) embarcações de madeira, de construção primitiva;

v) embarcações de pesca;

vi) embarcações com comprimento de regra (L) menor que 24 metros.

rodrigo@estudosmaritimos.com.br

rodrigo@estudosmaritimos.com.br