Você está na página 1de 5

Espectro visível

Espectro visível

1

Espectro Visível convencional

Característica

Extremo vermelho

Extremo violeta

Frequência

400

THz

750

THz

Comprimento de onda:

700

nm

400

nm

Espectro visível (ou espectro óptico)

cuja radiação é composta por fótons

capazes de sensibilizar o olho humano de uma pessoa normal. Identifica-se a correspondente faixa de radiação por luz visível, ou simplesmente luz.

de radia ç ão por luz visível , ou simplesmente luz . Espectro eletromagnético completo (clique

Espectro eletromagnético completo (clique para ampliar)

A faixa

eletromagnético é delimitada junto à mais baixa frequência oticamente estimulante - percebida como vermelha - pela sugestivamente nomeada faixa de radiação infravermelha, e pelo lado da mais alta frequência perceptível - entendida como violeta - pela nomeada de forma igualmente sugestiva faixa de radiação ultravioleta.

Para cada frequência pertencente à faixa de luz visível encontra-se associada a percepção de uma cor.

visível

do

espectro

associada a percepção de uma cor . visível do espectro Espectro da luz visível. O espectro

Espectro da luz visível.

O espectro visível pode ser dividido em subfaixas de acordo com a cor, com a subfaixa do vermelho abarcando os

comprimentos de onda longos, a subfaixa do verde ao centro e a subfaixa do violeta abarcando aos comprimentos de

onda mais curtos, subdivisões essas facilmente identificáveis na ilustração acima ou mesmo em um arco-íris. Os

comprimentos de onda nessa faixa de radiação estão compreendidos entre 370nm (violeta) e 750 nm (vermelho), sendo comum afirmar-se por aproximação que os comprimentos de onda dessa faixa localizam-se entre os 400 e 700 nanômetros (nm). Em termos de frequência, tem-se por correspondência que o espectro visível define-se pela banda situada entre 400 THz e 790 THz.

O espectro visual não apenas é dependente da espécie como também varia muito de uma espécie animal para a

outra. Os cachorros e os gatos, por exemplo, não veem todas as cores que os humanos veem, percebendo do nosso espectro visível apenas as subfaixas do azul à amarela. Enxergam contudo geralmente bem em preto e branco, numa

nuance de cinzas. Já as cobras veem no infravermelho e as abelhas no ultravioleta, faixas para as quais somos cegos. Conforme dito, nós humanos vemos numa faixa que vai do vermelho ao violeta, passando pelo verde, o amarelo e o

azul, contudo mesmo entre os humanos pode haver grandes variações quanto aos detalhes da faixa percebida. Em

particular os limites do espectro ótico variam muito de espécime para espécime. Pessoas daltônicas costumam ter dificuldades em visualizar cores contidas em certas faixas do espectro.

Espectro visível

2

História

Espectro visível 2 História Laser visível (de baixo para cima : 445nm, 532nm, 635nm) O círculo

Laser visível (de baixo para cima : 445nm, 532nm, 635nm)

Laser visível (de baixo para cima : 445nm, 532nm, 635nm) O círculo colorido de Newton, do

O círculo colorido de Newton, do livro Opticks de 1704, que relaciona as cores com as notas, sendo, a relação uma oitava completa.

No século XVII, as explicações do espectro óptico vieram de Isaac Newton, quando ele escreveu o livro Opticks. No Século XVIII Goethe escreveu sobre espectros ópticos no seu livro Teoria das Cores. Observações anteriores foram feitas por Roger Bacon que reconheceu o espectro visível em um copo de água, quatro séculos antes de Newton descobrir que os prismas podiam separar e unir a luz branca.

Newton usou pela primeira vez a palavra espectro (latim para "aparência" ou "aparição") impresso em 1671 em uma descrição de seu experimento em óptica. A palavra "espectro" (Spktrum) foi muito utilizada para designar o fantasma Afterimage de Goethe em seu livro Teoria das cores e Schopenhauer em seu livro Sobre a Visão e as Cores. Newton observou que quando um feixe estreito de luz solar se encontra com um prisma de vidro em um ângulo, uma parte é refletida e a outra parte passa o vidro, surgindo diferentes bandas de cores. Newton hipotetizou que a luz era feitas de "corpúsculos" (partículas) de diferentes cores, e que diferentes cores se moviam com diferentes velocidades na matéria transparente, com o vermelho se movendo mais rápido que o violeta, o que resulta que o vermelho possui uma angulação (refração) menor que a do violeta ao passar pelo prisma, criando um espectro de cores

No começo do século XIX, a concepção de espectro visível ficou mais definida, como os diferentes tipos de luz fora do visível foram descobertas e caracterizadas por Willian Herschell (infravermelho) e Johann Wilhelm Ritter (ultravioleta), Thomas Young, Thomas Johann Seebeck, e outros. Young foi o primeiro a medir o comprimento de onda em diferentes cores da luz, em 1802.

Espectro visível

3

Espectro visível 3 Iluminação com três diferentes fontes; vermelha, verde e azul. Cores do Espectro A

Iluminação com três diferentes fontes; vermelha, verde e azul.

Cores do Espectro

A

conexão entre o espectro visível e visão

de

cores foi explorada por Thomas Young e

Hermann von Helmholtz no começo do Século XIX. Sua teoria da visão de cores corretamente proposta que o olho humano usa três distintos receptores de cores.

Cor Frequência Comprimento de onda violeta 668 – 789 THz 380 – 450 nm azul

Cor

668789 THz

380450 nm

606668 THz

450495 nm

526606 THz

495570 nm

508526 THz

570590 nm

484508 THz

590620 nm

400484 THz

620750 nm

Cores que podem ser produzidas pela luz em uma banda estreita de comprimentos de ondas (luz monocromática) é chamada cores espectrais puras. Os vários alcances de cores que estão indicadas no diagrama à direita são algumas aproximações: o espectro é contínuo sem limites bem determinados entre uma cor e outra. [1]

Espectro visível

4

Ligações externas

"A Ótica e Visão Humana" - Página da seção Timtim por Timtim do Departamento de Física da Universidade Federal do Ceará [2]

Referências

[1] Thomas J. Bruno, Paris D. N. Svoronos. CRC Handbook of Fundamental Spectroscopic Correlation Charts. (http://books.google.com/

Fontes e Editores da Página

5

Fontes e Editores da Página

Espectro visível Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?oldid=37124803 Contribuidores: Clara C., Der kenner, E2m, Fc39441, HVL, Heiligenfeld, Henrique Ken, Lauro Chieza de Carvalho, Lianavb, Lusitana, Manuel Anastácio, Netocury, OS2Warp, Rui Silva, Ródi, Suarez ruibal, Viniciusmc, Vitor Mazuco, Zebocchi, 40 edições anónimas

Fontes, Licenças e Editores da Imagem

Ficheiro:espectro eletromagnetico-pt.svg Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Espectro_eletromagnetico-pt.svg Licença: Creative Commons Attribution-Sharealike 3.0 Contribuidores: Original Horst Frank, with some modifications by Jailbird. Tradución da versión de Alebergen.

Ficheiro:Spectrum4websiteEval.png Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Spectrum4websiteEval.png Licença: GNU Free Documentation License Contribuidores:

Adoniscik, AirBa, Carlitos.1641, ComputerHotline, Duesentrieb, Gringer, Littletung, Sonarpulse, Tano4595, W!B:, 3 edições anónimas

File:Lasers.jpg Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Lasers.jpg Licença: GNU Free Documentation License Contribuidores: User:Netweb01

File:Newton's color circle.png Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Newton's_color_circle.png Licença: Public Domain Contribuidores: Isaak Newton

File:Female in red pullover and blue jeans -coloured lights-2Nov2003.jpg Fonte:

http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Female_in_red_pullover_and_blue_jeans_-coloured_lights-2Nov2003.jpg Licença: Creative Commons Attribution-Sharealike 2.0 Contribuidores: Festival della Scienza from Genova

File:Linear visible spectrum.svg Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Linear_visible_spectrum.svg Licença: Public Domain Contribuidores: Gringer

Licença

Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0

//creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/