Você está na página 1de 4

PERÍODO NAPOLEÔNICO

• O final da revolução francesa consolida o constitucionalismo na Franca.


• Do ponto de vista da organização política, a constituição napoleônica é bastante
complexa. Observe sua divisão:
o CONSULADO – composto de 3 cônsules, o primeiro cônsul era o detentor
de todo o poder, eleito por 10 anos. O segundo e terceiro cônsules
possuíam voz consultiva.
o SENADO – Composto por 80 membros nomeados pelo Primeiro cônsul.
o TRIBUNATO – Nomeado pelo Senado, sua função era discutir as leis,
sem poder de voto.
o CORPO LEGISLATIVO – Nomeado pelo senado, sua função era votar as
leis
o CONSELHO DE ESTADO – Nomeado pelo primeiro cônsul.

• Percebe-se uma estrutura extremamente centralizada, uma virtual ditadura.


• O que Napoleão representava: Há duas interpretações:
o A primeira enxerga Napoleão como autêntico déspota esclarecido, detentor
de todo o poder que procura modernizar o estado.
 Institui o Frances como a única língua da franca
 Cria as escolas normais
 Cria as escolas politécnicas (Escola de engenharia)
 Uniformiza Administrativamente a Franca.
 Estabelece o código Napoleônico (1804).
 Reconciliação com a Igreja (Concordata – Julho 1801).

o A Segunda enxerga Napoleão como um César (Interpretação Marxista).


Esse César não se identifica especificamente com nenhuma parte da
Burguesia francesa. Governa com mão forte para todas, por meio do
liberalismo econômico. Mas paradoxalmente, O efeito negativo de
Napoleão realizar inúmeras guerras e de buscar no campo seus soldados
era minimizado pela face bastante conservadora do campo Frances, que
era contrário a qualquer idéia socialista do fim da propriedade, vendo
Napoleão como garantidor dessa estrutura fundiária de pequenas
propriedades conquistada na Revolução. O grande medo do camponês era
o retorno da aristocracia.

OBS: Em 1802, por meio de plebiscito, Napoleão torna-se Cônsul Vitalício e em 1804,
torna-se Imperador.
AS GUERRAS

• A partir de 1794, foram eminentemente expansionistas.


• Não foram contínuas, houve paz e negociações políticas entre os diversos
conflitos
• Os principais inimigos da Franca foram: Inglaterra, Áustria, Prússia e a Rússia.
Para esses quatro inimigos as guerra tiveram significados diferentes. Contra a
Áustria, Prússia e Rússia houve acordo, contra a Inglaterra não. Isso ocorreu
porque contra os três primeiros, a guerra foi tradicional nos termos europeus,
contra a Inglaterra foi essencialmente econômica. A Guerra contra a Inglaterra foi
uma guerra por mercados. (BÉLGICA). Entre esses dois países não havia
predisposição de um luta final, uma vez que ambos se destacavam em forcas
militares complementares. A Franca possuía grande exército terrestre e a
Inglaterra possuía forte marinha. Assim a solução pelas armas encontrava-se em
um impasse.

OBS: No caso da Bélgica, viu-se que Ingleses e franceses tentaram um acordo, que foi a
PAZ DE AMIENS (1802), entretanto, este foi desrespeitado.

• Em 1805, Napoleão decidiu arriscar e ir à ofensiva contra a Inglaterra,


construindo uma esquadra para tomar o canal da Mancha. Em outubro de 1805, há
a batalha de Trafalgar. Napoleão perde e Nelson morre. Napoleão decide então a
asfixiar a Inglaterra economicamente por intermédio do Bloqueio Continental.
• Napoleão poderia implementar tal bloqueio por meio da influencia ou por meio
das armas. Seu apelo não funciona e o processo bélico inicia-se em Dezembro
1805, em Austerlitsh contra os austríacos. O segundo passo foi a luta contra a
Prússia, na batalha de Iena, em Outubro de 1806. Logo após a vitória sobre a
Prússia, Napoleão anuncia em Novembro a Declaração de Berlin, instaurando o
Bloqueio Continental.

OBS: A batalha de Iena teve como conseqüência o fortalecimento do Nacionalismo


alemão. Hegel desenvolve sua teoria política a partir daí, que configura uma exaltação ao
poder do Estado, para ele Napoleão seria o espírito do mundo porque seria o símbolo do
Estado forte, única garantia de ordem e de direitos. Firtz também em seus discursos a
população prussiana vai chamar a atenção sobre a importância da unificação dos povos
germânicos. Isso é importante, porque nessa altura ainda não existia o Estado alemão. A
futura Alemanha estava divida em mais de 300 microestados. O processo intelectual da
unificação alemã se inicia aí. Já em 1820, as reformas no campo da Prússia são iniciadas.

• Feita a declaração de Berlin, Napoleão marcha em direção a Rússia. Mas o


imperador Russo resolve negociar e é assinada a paz de Tilsit (rio da Polônia), em
1807, entra Franca e Rússia. Por essa paz a Rússia aceitava o bloqueio
continental.
OBS: Isso consolidava o bloqueio continental entre os quatro grandes países da Europa
Continental. Faltavam agora pequenos países como Portugal. A Espanha, nesse momento,
já era uma zona de influencia francesa, já estava invadida e quem governava a Espanha
era o irmão de Napoleão. Entretanto, o povo e o clero espanhóis nunca aceitaram a
presença militar francesa realizando intensa guerrilha, o que causou enormes problemas a
Napoleão em sua campanha na Espanha. O nacionalismo espanhol também ganha vulto
nesse processo. Portugal nesse momento também representava um problema para
Napoleão. Portugal sempre teve medo de ser invadido pela Espanha e procuravam em
aliados fortes garantir sua independência contra o vizinho. Esses aliados eram os
Ingleses, assim a aliança inglesa era antiga. Com a Inglaterra há uma estratégia
convergente para o comércio marítimo. O único Estado capaz de proteger as possessões
portuguesas além mar era a Inglaterra, que possuía uma esquadra forte. Portugal sempre
pagou caro por essa proteção. Em determinada altura, surge Napoleão que quer
interromper as relações entre Portugal e Inglaterra. Isso seria péssimo para Portugal que
perderia suas colônias. Por outro lado, a não obediência a Napoleão teria como resultado
a invasão do Reino. Assim, os portugueses adotaram uma estratégia de protelação ao
pedido Frances. O plano de transferir a corte para o Brasil, que já existia desde 1801,
voltava a ser cogitado.

• O Bloqueio Continental não funcionou. No continente, os franceses quiseram


ocupar o lugar da Inglaterra como provedor de manufaturas. Porém a economia
industrial francesa, apesar de forte, era voltada para produtos de luxo para
consumidores de alta renda e assim não conseguiam atender a demanda criada
pelos ingleses na Europa, mais voltados para produtos mais simples e de
consumo mais corriqueiro. Esse descompasso era mais sério com as economias
do Leste Europeu, como a Rússia. Esta era agrária e feudal e intercambiava
enormes quantidades de cereais com a Inglaterra, que não era auto-suficiente em
produtos agrícolas. Já os franceses não precisavam importar grãos, o que gerou
enorme déficit comercial para a Rússia, passou a importar da Franca aquilo que
comprava da Inglaterra, mas não conseguia vender nada a Franca. Isso levou a
Rússia a romper unilateralmente o Bloqueio Continental, em 1811.
• Assim, Napoleão procura enquadrar a Rússia por meio da guerra. Porém essa
campanha dá errado. Os camponeses russos adotam uma estratégia de recuar e
não deixar nenhuma provisão para as tropas francesas, o que era mortal para
Napoleão que possuía um exército sem linhas de suprimento e se sustentava da
pilhagem. Napoleão sai com 600 mil homens e volta com 100 mil. Paris se
inquieta e os inimigos se animam em formar uma nova coligação, sempre
financiada pelos ingleses.
• Em Outubro de 1813, há a chamada batalha das nações (em território). Napoleão
ganha a batalha mais não convence. Em Marco de 1814, uma nova investida
coligada entra na Franca e ao se aproximar de Paris, Talleyrand apóia as tropas
invasoras e dá um golpe em Napoleão. Napoleão é deposto e mandado para Elba
como príncipe de Elba com cerca de 1000 soldados. No governo da Franca há
uma restauração dos Bourbon com Luis XVIII.
• Luis XVIII governa cem dias que são interrompidos pelo retorno de Napoleão.
Ele entra por Toullon e marcha para Paris. Inicia-se o governo de 100 dias.
Imediatamente, reinicias as guerras, e em Waterloo é derrotado. É preso e
deportado para Santa Helena.
• Quando Napoleão foi deposto e Luis VXIII assume foi assinado o tratado de
Paris, qe ficará conhecido como Primeiro Tratado de Paris, em Junho de 1814.
Por ele a Franca perdia todos os territórios conquistados, exceto Nice, Savóia e o
Sarre. Com a volta de Napoleão e com sua derrota foi assinado, em novembro, o
segundo Tratado de Paris. Por ele a Franca perde esses três territórios que havia
mantido no primeiro tratado e é submetida a um controle militar de 3 a 5 anos e
uma indenização financeira.
• Logo após o controle da Franca iniciam-se os preparativos para o Congresso de
Viena.