Você está na página 1de 10

SupremoSupremo TribunalTribunal FederalFederal

Ementa e Acórdão

Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10

28/05/2013

SEGUNDA TURMA

HABEAS CORPUS 107.331 RIO GRANDE DO SUL

RELATOR

: MIN. GILMAR MENDES

PACTE.(S)

: ALVORI BENVENHU

IMPTE.(S)

: DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO

PROC.(A/S)(ES)

: DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL

COATOR(A/S)(ES)

: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Habeas corpus. 2. Apropriação indébita previdenciária. Princípio da insignificância. Não aplicabilidade. Valor superior ao fixado no art. 1º, I, da Lei 9.441/97. Alto grau de reprovabilidade da conduta. 3. Constrangimento ilegal não caracterizado. 4. Ordem denegada.

A C Ó R D Ã O

Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os ministros do Supremo Tribunal Federal, em Segunda Turma, sob a presidência da Senhora Ministra Cármen Lúcia, na conformidade da ata de julgamento e das notas taquigráficas, por unanimidade, denegar a ordem, nos termos do voto do Relator.

Brasília, 28 de maio de 2013.

Ministro GILMAR MENDES Relator Documento assinado digitalmente

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922499.

Supremo Tribunal Federal

Relatório

Inteiro Teor do Acórdão - Página 2 de 10

28/05/2013

28/05/2013

SEGUNDA TURMA

SEGUNDA TURMA

HABEAS CORPUS 107.331 RIO GRANDE DO SUL

HABEAS CORPUS 107.331 RIO GRANDE DO SUL

RELATOR

RELATOR

PACTE.(S)

PACTE.(S)

IMPTE.(S)

IMPTE.(S)

PROC.(A/S)(ES)

PROC.(A/S)(ES)

COATOR(A/S)(ES)

COATOR(A/S)(ES)

: MIN. GILMAR MENDES

: MIN. GILMAR MENDES

: ALVORI

: ALVORI

BENVENHU

BENVENHU

: DEFENSORIA

: DEFENSORIA

PÚBLICA DA UNIÃO

PÚBLICA DA UNIÃO

:

:

DEFENSOR

DEFENSOR

PÚBLICO-GERAL FEDERAL

PÚBLICO-GERAL FEDERAL

: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

R R

E L A T Ó R I O

E L A T Ó R I O

O O

SENHOR MINISTRO GILMAR MENDES (Relator): Trata-se de habeas

SENHOR MINISTRO GILMAR MENDES (Relator): Trata-se de habeas

corpus, com pedido de medida liminar, impetrado pela Defensoria Pública

corpus, com pedido de medida liminar, impetrado pela Defensoria Pública

da União (DPU), em favor de Alvori Benvenhu, contra acórdão proferido

da União (DPU), em favor de Alvori Benvenhu, contra acórdão proferido

pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que conheceu e

pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que conheceu e

deu provimento ao Recurso Especial n. 1.134.388/RS.

deu provimento ao Recurso Especial n. 1.134.388/RS.

Segundo a denúncia, o acusado, na condição de responsável legal

Segundo a denúncia, o acusado, na condição de responsável legal

pela empresa Benvenhu & Dias Ltda., deixou de recolher aos cofres do

pela empresa Benvenhu & Dias Ltda., deixou de recolher aos cofres do

INSS importâncias descontadas dos salários de seus funcionários, a título

INSS importâncias descontadas dos salários de seus funcionários, a título

de

de

contribuições

contribuições

previdenciárias,

previdenciárias,

nos

nos

períodos

períodos

compreendidos

compreendidos

entre

entre

novembro/2000 e fevereiro/2001, dezembro/2001 e dezembro/2003, e nos

novembro/2000 e fevereiro/2001, dezembro/2001 e dezembro/2003, e nos

meses

meses

de

de

fevereiro

fevereiro

e

e

março/2004,

março/2004,

gerando

gerando

Lançamento

Lançamento

de

de

Débito

Débito

Confessado n. 35.686.359-0. Com os acréscimos legais, o valor devido à

Confessado n. 35.686.359-0. Com os acréscimos legais, o valor devido à

Seguridade Social totalizou R$ 19.712,56 (dezenove mil, setecentos e doze

Seguridade Social totalizou R$ 19.712,56 (dezenove mil, setecentos e doze

reais e cinquenta e seis centavos).

reais e cinquenta e seis centavos).

O paciente foi condenado pela prática do delito descrito no art. 168-

O paciente foi condenado pela prática do delito descrito no art. 168-

A (apropriação indébita previdenciária), c/c art. 71, ambos do CP, à pena

A (apropriação indébita previdenciária), c/c art. 71, ambos do CP, à pena

de 2 anos e 4 meses de reclusão, e multa de 10 dias-multa, em regime

de 2 anos e 4 meses de reclusão, e multa de 10 dias-multa, em regime

aberto,

aberto,

substituída

substituída

a

a

pena

pena

privativa

privativa

de

de

liberdade

liberdade

por

por

duas

duas

penas

penas

restritivas de direitos e concedido o direito de apelar em liberdade.

restritivas de direitos e concedido o direito de apelar em liberdade.

Irresignada, a defesa interpôs apelação no Tribunal Regional Federal

Irresignada, a defesa interpôs apelação no Tribunal Regional Federal

da 4ª Região, buscando absolvição, pois o paciente confessou a dívida e

da 4ª Região, buscando absolvição, pois o paciente confessou a dívida e

providenciou o parcelamento antes mesmo do oferecimento da denúncia.

providenciou o parcelamento antes mesmo do oferecimento da denúncia.

Requereu

Requereu

absolvição,

absolvição,

ainda,

ainda,

pela

pela

excludente

excludente

de

de

culpabilidade

culpabilidade

(inexigibilidade de conduta diversa em decorrência das dificuldades

(inexigibilidade de conduta diversa em decorrência das dificuldades

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922500.

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922500.

Supremo Tribunal Federal

Relatório

Inteiro Teor do Acórdão - Página 3 de 10

HC 107331 / RS

HC 107331 / RS

financeiras experimentadas pela sociedade).

financeiras experimentadas pela sociedade).

O O

TRF da 4ª Região declarou extinta a punibilidade do acusado em

TRF da 4ª Região declarou extinta a punibilidade do acusado em

relação às omissões ocorridas em 11, 12, 13/2000, 01, 02, 12/2001 e 01 a

relação às omissões ocorridas em 11, 12, 13/2000, 01, 02, 12/2001 e 01 a

11/2002, com base no art. 9º, § 2º, da Lei 10.684/2003 (quitação do débito).

11/2002, com base no art. 9º, § 2º, da Lei 10.684/2003 (quitação do débito).

E, E,

quanto ao período remanescente (competências 12, 13/2002, 01 a

quanto ao período remanescente (competências 12, 13/2002, 01 a

13/2003, 02 e 03/2004) cujas quantias não recolhidas à Seguridade Social

13/2003, 02 e 03/2004) cujas quantias não recolhidas à Seguridade Social

totalizaram, com os acréscimos legais, R$ 7.589,06 (sete mil, quinhentos e

totalizaram, com os acréscimos legais, R$ 7.589,06 (sete mil, quinhentos e

oitenta e nove reais e seis centavos), a Corte Federal deu provimento ao

oitenta e nove reais e seis centavos), a Corte Federal deu provimento ao

apelo

apelo

para

para

absolver

absolver

o

o

paciente

paciente

pela

pela

aplicação

aplicação

do

do

princípio

princípio

da

da

insignificância. Eis a ementa desse julgado:

insignificância. Eis a ementa desse julgado:

"PENAL E PROCESSUAL. ANULAÇÃO. JULGAMENTO.

"PENAL E PROCESSUAL. ANULAÇÃO. JULGAMENTO.

FALTA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DO RÉU ACERCA

FALTA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DO RÉU ACERCA

DO

DO

DECRETO

DECRETO

CONDENATÓRIO

CONDENATÓRIO

DE

DE

PRIMEIRO

PRIMEIRO

GRAU.

GRAU.

ARTIGO 168-A, § 1º, INCISO I, DO CP. QUITAÇÃO DE PARTE

ARTIGO 168-A, § 1º, INCISO I, DO CP. QUITAÇÃO DE PARTE

DO

DO

DÉBITO.

DÉBITO.

REMANESCENTE.

REMANESCENTE.

EXTINÇÃO

EXTINÇÃO

PRINCÍPIO

PRINCÍPIO

DA

DA

DA

DA

PUNIBILIDADE.

PUNIBILIDADE.

INSIGNIFICÂNCIA.

INSIGNIFICÂNCIA.

APLICABILIDADE. PARÂMETRO. ARTIGO 20 DA LEI N.

APLICABILIDADE. PARÂMETRO. ARTIGO 20 DA LEI N.

10.522/02. DISPENSA DE EXECUÇÃO FISCAL NA ESFERA

10.522/02. DISPENSA DE EXECUÇÃO FISCAL NA ESFERA

ADMINISTRATIVA. ATIPICIDADE DA CONDUTA.

ADMINISTRATIVA. ATIPICIDADE DA CONDUTA.

1. A ausência de intimação do réu acerca da sentença

1. A ausência de intimação do réu acerca da sentença

condenatória

condenatória

constitui

constitui

causa

causa

de

de

nulidade.

nulidade.

Precedentes.

Precedentes.

2.

2.

Renovados os atos processuais posteriores, procedendo-se a

Renovados os atos processuais posteriores, procedendo-se a

novo julgamento do feito. 3. Tendo sido possível identificar as

novo julgamento do feito. 3. Tendo sido possível identificar as

competências liquidadas pelo pagamento de parte do débito,

competências liquidadas pelo pagamento de parte do débito,

extingue-se a punibilidade dessas parcelas, nos termos do § 2º

extingue-se a punibilidade dessas parcelas, nos termos do § 2º

do art. 9º da Lei n. 10.684/2003. 4. Mantida a persecução penal

do art. 9º da Lei n. 10.684/2003. 4. Mantida a persecução penal

apenas quanto ao período remanescente. 5. Tendo em conta a

apenas quanto ao período remanescente. 5. Tendo em conta a

Lei n. 11.457/2007 que considera também como dívida ativa da

Lei n. 11.457/2007 que considera também como dívida ativa da

União os débitos decorrentes das contribuições previdenciárias

União os débitos decorrentes das contribuições previdenciárias

(art. 17) - dando, portanto, tratamento igualitário aos créditos

(art. 17) - dando, portanto, tratamento igualitário aos créditos

tributários

tributários

-

-

bem

bem

como

como

recente

recente

entendimento

entendimento

das

das

Cortes

Cortes

Superiores e deste Regional, aplica-se ao delito em questão o

Superiores e deste Regional, aplica-se ao delito em questão o

princípio da insignificância jurídica quando o valor do tributo

princípio da insignificância jurídica quando o valor do tributo

não

não

recolhido

recolhido

for

for

igual

igual

ou

ou

inferior

inferior

ao

ao

estabelecido

estabelecido

administrativamente como sendo o mínimo para o ajuizamento

administrativamente como sendo o mínimo para o ajuizamento

2 2

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922500.

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922500.

Supremo Tribunal Federal

Relatório

Inteiro Teor do Acórdão - Página 4 de 10

HC 107331 / RS

HC 107331 / RS

de execuções fiscais (R$ 10.000,00 - art. 20 da Lei 10.522/02).

de execuções fiscais (R$ 10.000,00 - art. 20 da Lei 10.522/02).

Conseqüentemente, a conduta imputada é atípica”.

Conseqüentemente, a conduta imputada é atípica”.

O O

A

A

Ministério Público Federal, então, interpôs recurso especial no STJ.

Ministério Público Federal, então, interpôs recurso especial no STJ.

Quinta

Quinta

Turma

Turma

do

do

STJ

STJ

afastou

afastou

o

o

princípio

princípio

da

da

bagatela

bagatela

ao

ao

fundamento

fundamento

de

de

que

que

superaria

superaria

o

o

limite

limite

legal:

legal:

“constatando-se

“constatando-se

que

que

a

a

importância que deixou de ser recolhida aos cofres do INSS é superior ao patamar

importância que deixou de ser recolhida aos cofres do INSS é superior ao patamar

estabelecido no dispositivo legal que determinou a extinção dos créditos oriundos

estabelecido no dispositivo legal que determinou a extinção dos créditos oriundos

de

de

contribuições

contribuições

sociais,

sociais,

Insignificância”.

Insignificância”.

deve

deve

ser

ser

afastada

afastada

a

a

aplicação

aplicação

do

do

Princípio

Princípio

da

da

No presente writ, a Defensoria Pública afirma: “o valor restante, ou

No presente writ, a Defensoria Pública afirma: “o valor restante, ou

seja, a inadimplência de R$ 7.589,06 (sete mil quinhentos e oitenta e nove reais e

seja, a inadimplência de R$ 7.589,06 (sete mil quinhentos e oitenta e nove reais e

seis centavos) é abaixo dos R$ 10.000 (dez mil reais) estabelecidos para os débitos

seis centavos) é abaixo dos R$ 10.000 (dez mil reais) estabelecidos para os débitos

tributários em geral”.

tributários em geral”.

Afirma,

Afirma,

ainda:

ainda:

a

a

autoridade

autoridade

coatora,

coatora,

embora

embora

tenha

tenha

reconhecido

reconhecido

a

a

possibilidade de aplicação do princípio da insignificância, alegou que o limite

possibilidade de aplicação do princípio da insignificância, alegou que o limite

para o crime previdenciário seria de apenas de R$ 1.000,00 (hum mil reais), para

para o crime previdenciário seria de apenas de R$ 1.000,00 (hum mil reais), para

o o

tributários”.

tributários”.

caso de contribuições sociais, e não de 10.000 (dez mil reais), critério dos crimes

caso de contribuições sociais, e não de 10.000 (dez mil reais), critério dos crimes

Liminarmente, requer a suspensão dos efeitos do acórdão proferido

Liminarmente, requer a suspensão dos efeitos do acórdão proferido

nos autos do Recurso Especial n. 1.134.388/RS até decisão final deste HC.

nos autos do Recurso Especial n. 1.134.388/RS até decisão final deste HC.

No mérito, requer a concessão da ordem pela aplicação do princípio

No mérito, requer a concessão da ordem pela aplicação do princípio

da insignificância.

da insignificância.

Liminar indeferida.

Liminar indeferida.

A A

Procuradoria-Geral da República manifestou-se pela denegação da

Procuradoria-Geral da República manifestou-se pela denegação da

ordem.

ordem.

É

É

o relatório.

o relatório.

3 3

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922500.

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922500.

Supremo Tribunal Federal

Voto - MIN. GILMAR MENDES

Inteiro Teor do Acórdão - Página 5 de 10

28/05/2013

28/05/2013

SEGUNDA TURMA

SEGUNDA TURMA

HABEAS CORPUS 107.331 RIO GRANDE DO SUL

HABEAS CORPUS 107.331 RIO GRANDE DO SUL

O

O

SENHOR

SENHOR

MINISTRO

MINISTRO

V

V

O T O

O T O

GILMAR

GILMAR

MENDES

MENDES

(Relator):

(Relator):

No

No

presente

presente

habeas corpus, discute-se a possibilidade de aplicação do princípio da

habeas corpus, discute-se a possibilidade de aplicação do princípio da

insignificância,

insignificância,

previdenciária,

previdenciária,

em

em

razão

razão

sendo

sendo

que

que

da

da

o

o

prática

prática

valor

valor

de

de

apropriação

apropriação

indébita

indébita

apurado

apurado

das

das

contribuições

contribuições

previdenciárias não recolhidas ao INSS foi de R$ 7.589,06 (sete mil,

previdenciárias não recolhidas ao INSS foi de R$ 7.589,06 (sete mil,

quinhentos e oitenta e nove reais e seis centavos).

quinhentos e oitenta e nove reais e seis centavos).

De início, evidencio que, após um longo processo de formação,

De início, evidencio que, após um longo processo de formação,

marcado

marcado

por

por

decisões

decisões

casuais

casuais

e

e

excepcionais,

excepcionais,

o

o

princípio

princípio

da

da

insignificância acabou por solidificar-se como importante instrumento de

insignificância acabou por solidificar-se como importante instrumento de

aprimoramento do Direito Penal, sendo paulatinamente reconhecido pela

aprimoramento do Direito Penal, sendo paulatinamente reconhecido pela

jurisprudência dos tribunais superiores e, também, por este Supremo

jurisprudência dos tribunais superiores e, também, por este Supremo

Tribunal Federal. Confira-se: HC 96.822/RS, rel. Min. Cármen Lúcia, 1ª

Tribunal Federal. Confira-se: HC 96.822/RS, rel. Min. Cármen Lúcia, 1ª

Turma, unânime, DJe 7.8.2009; HC 97.189/RS, redator do acórdão Min.

Turma, unânime, DJe 7.8.2009; HC 97.189/RS, redator do acórdão Min.

Eros Grau, 2ª Turma, por maioria, DJe 14.8.2009; e HC 92.988/RS, rel. Min.

Eros Grau, 2ª Turma, por maioria, DJe 14.8.2009; e HC 92.988/RS, rel. Min.

Cezar Peluso, 2ª Turma, unânime, DJe 26.6.2009.

Cezar Peluso, 2ª Turma, unânime, DJe 26.6.2009.

Impende destacar, por oportuno, que o princípio da bagatela, como

Impende destacar, por oportuno, que o princípio da bagatela, como

postulado

postulado

hermenêutico

hermenêutico

voltado

voltado

à

à

descriminalização

descriminalização

de

de

condutas

condutas

formalmente típicas, atua, exatamente, sobre a tipicidade.

formalmente típicas, atua, exatamente, sobre a tipicidade.

Nesse sentido, embora admita que a tipicidade penal deva ser vista

Nesse sentido, embora admita que a tipicidade penal deva ser vista

sob o prisma formal, assevero, todavia, que, hodiernamente, ganha relevo

sob o prisma formal, assevero, todavia, que, hodiernamente, ganha relevo

a a

denominada tipicidade material, consoante frisou o Ministro Celso de

denominada tipicidade material, consoante frisou o Ministro Celso de

Mello, ao deferir a ordem no HC 98.152/MG (DJe 5.6.2009):

Mello, ao deferir a ordem no HC 98.152/MG (DJe 5.6.2009):

“É importante assinalar, neste ponto, por oportuno, que o

“É importante assinalar, neste ponto, por oportuno, que o

princípio

princípio

conexão

conexão

da

da

com

com

insignificância

insignificância

os

os

postulados

postulados

que deve ser analisado

que deve ser analisado

da

da

fragmentariedade

fragmentariedade

e

e

em

em

da

da

intervenção mínima do Estado em matéria penal — tem o

intervenção mínima do Estado em matéria penal — tem o

sentido de excluir ou de afastar a própria tipicidade penal,

sentido de excluir ou de afastar a própria tipicidade penal,

examinada na perspectiva de seu caráter material [

examinada na perspectiva de seu caráter material [

]”.

]”.

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

Supremo Tribunal Federal

Voto - MIN. GILMAR MENDES

Inteiro Teor do Acórdão - Página 6 de 10

HC 107331 / RS

HC 107331 / RS

Assim, para que seja razoável concluir, em caso concreto, no sentido

Assim, para que seja razoável concluir, em caso concreto, no sentido

da tipicidade, mister se faz a conjugação da tipicidade formal com a

da tipicidade, mister se faz a conjugação da tipicidade formal com a

material, sob pena de abandonar-se, assim, o desiderato do próprio

material, sob pena de abandonar-se, assim, o desiderato do próprio

ordenamento jurídico criminal. Nesses termos, o aplicador do direito, ao

ordenamento jurídico criminal. Nesses termos, o aplicador do direito, ao

evidenciar a presença da tipicidade formal, mas a ausência da material,

evidenciar a presença da tipicidade formal, mas a ausência da material,

encontrar-se-á diante de caso manifestamente atípico.

encontrar-se-á diante de caso manifestamente atípico.

Postas

Postas

importância

importância

essas

essas

do

do

premissas,

premissas,

princípio

princípio

cumpre

cumpre

destacar

destacar

da

da

insignificância

insignificância

não

não

como

como

obstante

obstante

a

a

instrumento

instrumento

descaracterizador da própria tipicidade penal — que o caso guarda

descaracterizador da própria tipicidade penal — que o caso guarda

peculiaridades, merecendo algumas ponderações.

peculiaridades, merecendo algumas ponderações.

Compulsando os autos, verifico que a Oitava Turma do TRF da 4ª

Compulsando os autos, verifico que a Oitava Turma do TRF da 4ª

Região deu parcial provimento ao recurso defensivo para absolver o

Região deu parcial provimento ao recurso defensivo para absolver o

paciente pela aplicação do princípio da insignificância, “Tendo em conta a

paciente pela aplicação do princípio da insignificância, “Tendo em conta a

Lei n. 11.457/2007 que considera também como dívida ativa da União os débitos

Lei n. 11.457/2007 que considera também como dívida ativa da União os débitos

decorrentes

decorrentes

das

das

contribuições

contribuições

previdenciárias

previdenciárias

(art.

(art.

17)

17)

-

-

dando,

dando,

portanto,

portanto,

tratamento igualitário aos créditos tributários - bem como recente entendimento

tratamento igualitário aos créditos tributários - bem como recente entendimento

das Cortes Superiores e deste Regional, aplica-se ao delito em questão o princípio

das Cortes Superiores e deste Regional, aplica-se ao delito em questão o princípio

da insignificância jurídica quando o valor do tributo não recolhido for igual ou

da insignificância jurídica quando o valor do tributo não recolhido for igual ou

inferior ao estabelecido administrativamente como sendo o mínimo para o

inferior ao estabelecido administrativamente como sendo o mínimo para o

ajuizamento de execuções fiscais (R$ 10.000,00 art. 20 da Lei 10.522/02).”

ajuizamento de execuções fiscais (R$ 10.000,00 art. 20 da Lei 10.522/02).”

Por sua vez, a Quinta Turma do STJ, deu provimento ao recurso

Por sua vez, a Quinta Turma do STJ, deu provimento ao recurso

especial interposto pelo Ministério Público Federal ao fundamento de que

especial interposto pelo Ministério Público Federal ao fundamento de que

“constatando-se que a importância que deixou de ser recolhida aos cofres do

“constatando-se que a importância que deixou de ser recolhida aos cofres do

INSS é superior ao patamar estabelecido no dispositivo legal que determinou a

INSS é superior ao patamar estabelecido no dispositivo legal que determinou a

extinção dos créditos oriundos de contribuições sociais, deve ser afastada a

extinção dos créditos oriundos de contribuições sociais, deve ser afastada a

aplicação do Principio da Insignificância”.

aplicação do Principio da Insignificância”.

Com efeito, entendo que a decisão formalizada pelo STJ, está em

Com efeito, entendo que a decisão formalizada pelo STJ, está em

consonância com a jurisprudência desta Corte. É que, para exame da

consonância com a jurisprudência desta Corte. É que, para exame da

tipicidade da conduta, a melhor orientação para aplicação ou não do

tipicidade da conduta, a melhor orientação para aplicação ou não do

princípio da insignificância é aquela utilizada para extinguir débitos

princípio da insignificância é aquela utilizada para extinguir débitos

decorrentes de contribuições sociais junto ao Instituto Nacional de Seguro

decorrentes de contribuições sociais junto ao Instituto Nacional de Seguro

Social, consoante dispõe o art. 1.º, I, da Lei n. 9.441/97. Confira-se:

Social, consoante dispõe o art. 1.º, I, da Lei n. 9.441/97. Confira-se:

Art. 1º Fica extinto todo e qualquer crédito do Instituto

Art. 1º Fica extinto todo e qualquer crédito do Instituto

2 2

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

Supremo Tribunal Federal

Voto - MIN. GILMAR MENDES

Inteiro Teor do Acórdão - Página 7 de 10

HC 107331 / RS

HC 107331 / RS

Nacional do Seguro Social - INSS oriundo de contribuições

Nacional do Seguro Social - INSS oriundo de contribuições

sociais por ele arrecadadas ou decorrente do descumprimento

sociais por ele arrecadadas ou decorrente do descumprimento

de obrigações acessórias, cujo valor:

de obrigações acessórias, cujo valor:

I I

- total das inscrições em Dívida Ativa, efetuadas até 30 de

- total das inscrições em Dívida Ativa, efetuadas até 30 de

novembro de 1996, relativamente a um mesmo devedor, seja

novembro de 1996, relativamente a um mesmo devedor, seja

igual ou inferior a R$ 1.000,00 (mil reais)”.

igual ou inferior a R$ 1.000,00 (mil reais)”.

Assim, considerando que o valor das contribuições previdenciárias

Assim, considerando que o valor das contribuições previdenciárias

não recolhidas ao INSS apurado foi de R$ 7.589,06 (sete mil, quinhentos e

não recolhidas ao INSS apurado foi de R$ 7.589,06 (sete mil, quinhentos e

oitenta e nove reais e seis centavos), deve ser afastada a aplicação do

oitenta e nove reais e seis centavos), deve ser afastada a aplicação do

princípio da insignificância.

princípio da insignificância.

A propósito, menciono o seguinte precedente dessa Corte:

A propósito, menciono o seguinte precedente dessa Corte:

“PENAL. HABEAS CORPUS. APROPRIAÇÃO INDÉBITA

“PENAL. HABEAS CORPUS. APROPRIAÇÃO INDÉBITA

PREVIDENCIÁRIA.

PREVIDENCIÁRIA.

INAPLICABILIDADE.

INAPLICABILIDADE.

FIXADO

FIXADO

NO

NO

ART.

ART.

PRINCÍPIO

PRINCÍPIO

DÉBITO

DÉBITO

DA

DA

QUE

QUE

INSIGNIFICÂNCIA.

INSIGNIFICÂNCIA.

SUPERA

SUPERA

O

O

VALOR

VALOR

1º,

1º,

I,

I,

DA

DA

LEI

LEI

9.441/97.

9.441/97.

ORDEM

ORDEM

DENEGADA. 1. A impetrante pretende a aplicação do princípio

DENEGADA. 1. A impetrante pretende a aplicação do princípio

da insignificância alegando que a quantia não repassada à

da insignificância alegando que a quantia não repassada à

Previdência Social pelo paciente é inferior ao valor mínimo

Previdência Social pelo paciente é inferior ao valor mínimo

fixado na Portaria MPAS 4.943/99, para o ajuizamento de ação

fixado na Portaria MPAS 4.943/99, para o ajuizamento de ação

de execução. 2. O art. 4º da Portaria MPAS 4.943/99 determina

de execução. 2. O art. 4º da Portaria MPAS 4.943/99 determina

somente

somente

o

o

não-ajuizamento

não-ajuizamento

da

da

execução,

execução,

quando

quando

o

o

débito

débito

inscrito como Dívida Ativa do INSS for igual ou inferior a R$

inscrito como Dívida Ativa do INSS for igual ou inferior a R$

10.000,00 (valor modificado pela Portaria MPAS 1.105/02), sem,

10.000,00 (valor modificado pela Portaria MPAS 1.105/02), sem,

entretanto, que haja extinção do crédito. 3. Não se pode invocar

entretanto, que haja extinção do crédito. 3. Não se pode invocar

tal

tal

dispositivo

dispositivo

legal

legal

para

para

fazer

fazer

incidir

incidir

o

o

princípio

princípio

da

da

insignificância, visto que, nesses casos, não há extinção do

insignificância, visto que, nesses casos, não há extinção do

crédito

crédito

tributário,

tributário,

mas

mas

mera

mera

autorização

autorização

para

para

o

o

não-

não-

ajuizamento de execução, que, no entanto, poderá ser ajuizada,

ajuizamento de execução, que, no entanto, poderá ser ajuizada,

quando o valor do débito ultrapassar o limite indicado. 4. A

quando o valor do débito ultrapassar o limite indicado. 4. A

extinção do crédito fiscal está prevista no art. 1º, I, da Lei

extinção do crédito fiscal está prevista no art. 1º, I, da Lei

9.441/97 e atinge, apenas, os débitos inscritos em Dívida Ativa

9.441/97 e atinge, apenas, os débitos inscritos em Dívida Ativa

que não ultrapassarem o montante de R$ 1.000,00 (mil reais). 5.

que não ultrapassarem o montante de R$ 1.000,00 (mil reais). 5.

Foi apurado pelo INSS um crédito previdenciário no valor total

Foi apurado pelo INSS um crédito previdenciário no valor total

de R$ 13.884,71 (treze mil oitocentos e oitenta e quatro reais e

de R$ 13.884,71 (treze mil oitocentos e oitenta e quatro reais e

3 3

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

Supremo Tribunal Federal

Voto - MIN. GILMAR MENDES

Inteiro Teor do Acórdão - Página 8 de 10

HC 107331 / RS

HC 107331 / RS

setenta e um centavos), decorrente do não-recolhimento de

setenta e um centavos), decorrente do não-recolhimento de

contribuições pelo paciente. 6. Habeas corpus denegado” - (HC

contribuições pelo paciente. 6. Habeas corpus denegado” - (HC

100.004/RS,

100.004/RS,

rel.

rel.

27.11.2009).

27.11.2009).

Min.

Min.

Ellen

Ellen

Gracie,

Gracie,

Turma,

Turma,

maioria,

maioria,

DJe

DJe

Ademais, ressalto que o STF tem entendido que, para a incidência do

Ademais, ressalto que o STF tem entendido que, para a incidência do

princípio da insignificância, alguns vetores devem ser considerados,

princípio da insignificância, alguns vetores devem ser considerados,

quais sejam: a) a mínima ofensividade da conduta do agente; b) a

quais sejam: a) a mínima ofensividade da conduta do agente; b) a

ausência

ausência

de

de

periculosidade

periculosidade

social

social

da

da

reprovabilidade

reprovabilidade

do

do

comportamento;

comportamento;

d)

d)

ação;

ação;

c)

c)

o

o

reduzido

reduzido

a

a

inexpressividade

inexpressividade

grau

grau

de

de

da

da

lesão

lesão

jurídica causada (Cf. HC 84.412/SP, rel. Min. Celso de Mello, 2ª Turma,

jurídica causada (Cf. HC 84.412/SP, rel. Min. Celso de Mello, 2ª Turma,

unânime, DJe 19.11.2004).

unânime, DJe 19.11.2004).

Dessarte, levando em conta as circunstâncias peculiares do caso

Dessarte, levando em conta as circunstâncias peculiares do caso

concreto, entendo que ao menos um desses vetores não se encontra

concreto, entendo que ao menos um desses vetores não se encontra

presente: o reduzido grau de reprovabilidade da conduta. Bem analisados

presente: o reduzido grau de reprovabilidade da conduta. Bem analisados

os autos, não há como não chegar à conclusão de que o comportamento

os autos, não há como não chegar à conclusão de que o comportamento

do paciente é reprovável, merecendo pronta atuação do direito penal.

do paciente é reprovável, merecendo pronta atuação do direito penal.

Como bem consignado pelo rel. Ricardo Lewandowski, do HC

Como bem consignado pelo rel. Ricardo Lewandowski, do HC

98.021/SC (DJe 13.8.2010, 1ª Turma):

98.021/SC (DJe 13.8.2010, 1ª Turma):

dado o caráter supraindividual do bem jurídico tutelado pela

dado o caráter supraindividual do bem jurídico tutelado pela

norma - o patrimônio da Previdência Social, o qual, é dizer, constitui

norma - o patrimônio da Previdência Social, o qual, é dizer, constitui

patrimônio

patrimônio

público,

público,

ou,

ou,

como

como

anota

anota

Antonio

Antonio

Lopes

Lopes

Monteiro,

Monteiro,

patrimônio não de uma pessoa ou de algumas pessoas, como nos

patrimônio não de uma pessoa ou de algumas pessoas, como nos

demais crimes previstos nesse Título, mas o patrimônio de todos os

demais crimes previstos nesse Título, mas o patrimônio de todos os

cidadãos

cidadãos

que

que

fazem

fazem

parte

parte

do

do

sistema

sistema

previdenciário

previdenciário

-

-

aliado

aliado

à

à

circunstância de a conduta do paciente contribuir para agravar o

circunstância de a conduta do paciente contribuir para agravar o

quadro da já combalida previdência social brasileira, é de se repelir a

quadro da já combalida previdência social brasileira, é de se repelir a

pretensão do impetrante”.

pretensão do impetrante”.

Por oportuno, confira-se a ementa desse julgado:

Por oportuno, confira-se a ementa desse julgado:

“PENAL. HABEAS CORPUS. ART. 168-A DO CÓDIGO

“PENAL. HABEAS CORPUS. ART. 168-A DO CÓDIGO

PENAL. APROPRIAÇÃO INDÉBITA PREVIDENCIÁRIA. BEM

PENAL. APROPRIAÇÃO INDÉBITA PREVIDENCIÁRIA. BEM

JURÍDICO

JURÍDICO

TUTELADO.

TUTELADO.

PATRIMÔNIO

PATRIMÔNIO

DA

DA

PREVIDÊNCIA

PREVIDÊNCIA

4 4

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

Supremo Tribunal Federal

Voto - MIN. GILMAR MENDES

Inteiro Teor do Acórdão - Página 9 de 10

HC 107331 / RS

HC 107331 / RS

SOCIAL.

SOCIAL.

CARÁTER

CARÁTER

INSIGNIFICÂNCIA.

INSIGNIFICÂNCIA.

REPROVABILIDADE

REPROVABILIDADE

SUPRAINDIVIDUAL.

SUPRAINDIVIDUAL.

PRINCÍPIO

PRINCÍPIO

DA

DA

INAPLICABILIDADE.

INAPLICABILIDADE.

DO

DO

COMPORTAMENTO.

COMPORTAMENTO.

ORDEM

ORDEM

DENEGADA. I - A aplicação do princípio da insignificância de

DENEGADA. I - A aplicação do princípio da insignificância de

modo a tornar a conduta atípica exige sejam preenchidos, de

modo a tornar a conduta atípica exige sejam preenchidos, de

forma

forma

concomitante,

concomitante,

os

os

seguintes

seguintes

ofensividade

ofensividade

da

da

conduta

conduta

do

do

requisitos:

requisitos:

agente;

agente;

(ii)

(ii)

(i)

(i)

periculosidade

periculosidade

reprovabilidade

reprovabilidade

social

social

do

do

da

da

ação;

ação;

(iii)

(iii)

comportamento;

comportamento;

reduzido

reduzido

e

e

(iv)

(iv)

mínima

mínima

nenhuma

nenhuma

grau

grau

de

de

relativa

relativa

inexpressividade da lesão jurídica. II - No caso sob exame, não

inexpressividade da lesão jurídica. II - No caso sob exame, não

há falar em reduzido grau de reprovabilidade da conduta, uma

há falar em reduzido grau de reprovabilidade da conduta, uma

vez que o delito em comento atinge bem jurídico de caráter

vez que o delito em comento atinge bem jurídico de caráter

supraindividual, qual seja, o patrimônio da previdência social

supraindividual, qual seja, o patrimônio da previdência social

ou a sua subsistência financeira. Precedente. III - Segundo

ou a sua subsistência financeira. Precedente. III - Segundo

relatório do Tribunal de Contas da União, o déficit registrado

relatório do Tribunal de Contas da União, o déficit registrado

nas contas da previdência no ano de 2009 já supera os quarenta

nas contas da previdência no ano de 2009 já supera os quarenta

bilhões de reais. IV - Nesse contexto, inviável reconhecer a

bilhões de reais. IV - Nesse contexto, inviável reconhecer a

atipicidade material da conduta do paciente, que contribui para

atipicidade material da conduta do paciente, que contribui para

agravar o quadro deficitário da previdência social. V - Ordem

agravar o quadro deficitário da previdência social. V - Ordem

denegada” - (HC 98.021/SC, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 1ª

denegada” - (HC 98.021/SC, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 1ª

Turma,

Turma,

unânime,

unânime,

DJe

DJe

12.8.2010).

12.8.2010).

Ademais, a jurisprudência do STF é no sentido de afastar a aplicação

Ademais, a jurisprudência do STF é no sentido de afastar a aplicação

do

do

princípio

princípio

previdenciária,

previdenciária,

da

da

insignificância

insignificância

uma

uma

vez

vez

que

que

ao

ao

crime

crime

nítida

nítida

de

de

apropriação

apropriação

lesão

lesão

a

a

bem

bem

indébita

indébita

jurídico

jurídico

supraindividual (patrimônio da Previdência Social), afastado, portanto, o

supraindividual (patrimônio da Previdência Social), afastado, portanto, o

reduzido

reduzido

grau

grau

102.550/PR,

102.550/PR,

rel.

rel.

de

de

reprovabilidade

reprovabilidade

da

da

conduta.

conduta.

Min.

Min.

Luiz

Luiz

Fux,

Fux,

Primeira

Primeira

Turma,

Turma,

Nesse

Nesse

DJe

DJe

sentido:

sentido:

8.11.2011,

8.11.2011,

HC

HC

HC

HC

107.041/SC, rel. Min. Dias Toffoli, Primeira Turma, DJe 7.10.2011 e HC

107.041/SC, rel. Min. Dias Toffoli, Primeira Turma, DJe 7.10.2011 e HC

91.704/PR, rel. Min. Joaquim Barbosa, Segunda Turma, DJe 20.6.2008

91.704/PR, rel. Min. Joaquim Barbosa, Segunda Turma, DJe 20.6.2008

Nesses termos, denego a ordem de habeas corpus.

Nesses termos, denego a ordem de habeas corpus.

É como voto.

É como voto.

5 5

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 3922501.

Supremo Tribunal Federal

Extrato de Ata - 28/05/2013

Inteiro Teor do Acórdão - Página 10 de 10

SEGUNDA TURMA

SEGUNDA TURMA

HABEAS CORPUS 107.331

HABEAS CORPUS 107.331

EXTRATO DE ATA

EXTRATO DE ATA

PROCED. : RIO GRANDE DO SUL

PROCED. : RIO GRANDE DO SUL

RELATOR : MIN. GILMAR MENDES

RELATOR : MIN. GILMAR MENDES

PACTE.(S) : ALVORI BENVENHU

PACTE.(S) : ALVORI BENVENHU

IMPTE.(S) : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO

IMPTE.(S) : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO

PROC.(A/S)(ES) : DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL

PROC.(A/S)(ES) : DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL

COATOR(A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

COATOR(A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Decisão: A Turma, por unanimidade, denegou a ordem, nos termos

Decisão: A Turma, por unanimidade, denegou a ordem, nos termos

do voto do Relator. Falou, pelo paciente, o Dr. Gustavo de Almeida

do voto do Relator. Falou, pelo paciente, o Dr. Gustavo de Almeida

Ribeiro,

Ribeiro,

Defensor

Defensor

Público

Público

da

da

União.

União.

Não

Não

participou,

participou,

justificadamente, deste julgamento, o Senhor Ministro Celso de

justificadamente, deste julgamento, o Senhor Ministro Celso de

Mello. 2ª Turma, 28.05.2013.

Mello. 2ª Turma, 28.05.2013.

Presidência da Senhora Ministra Cármen Lúcia. Presentes à

Presidência da Senhora Ministra Cármen Lúcia. Presentes à

sessão os Senhores Ministros Celso de Mello, Gilmar Mendes,

sessão os Senhores Ministros Celso de Mello, Gilmar Mendes,

Ricardo Lewandowski e Teori Zavascki.

Ricardo Lewandowski e Teori Zavascki.

Subprocurador-Geral da República, Dr. Odim Brandão Ferreira.

Subprocurador-Geral da República, Dr. Odim Brandão Ferreira.

Ravena Siqueira

Ravena Siqueira

Secretária Substituta

Secretária Substituta

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/autenticarDocumento.asp sob o número 3939009

documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/autenticarDocumento.asp sob o número 3939009