Você está na página 1de 39
Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Curso de Graduação em

Universidade Federal de Campina Grande

Centro de Engenharia Elétrica e Informática Curso de Graduação em Engenharia Elétrica

Disciplina: Instalações Elétricas

Prof.: Genoilton J. C. Almeida

Condutores:

Introdução, Tipos e Aplicações e Isolação

Eduardo Gomes Pereira

Jordane Gonçalves dos Santos Nicolau Kellyano Leite Dantas

Rubens Barreto Leal

Sumário

Introdução;

Tipos e Aplicações;

Isolação;

Referências Bibliográficas.

Período: 2013.1

Grupo 03

Introdução

Considerações básicas:

condutor elétrico: corpo constituído de material bom condutor,

destinado à transmissão da eletricidade;

fio: condutor sólido, maciço, de seção circular, com ou sem

isolamento;

cabo: conjunto de fios encordoados, não-isolados entre si, isolado ou

não, conforme o uso a que se destina, sendo mais flexível que um fio

de mesma capacidade de carga.

Período: 2013.1

Grupo 03

Introdução

Os cabos podem ser:

unipolares, quando constituídos por um condutor de fios trançados,

com cobertura isolante protetora;

multipolares, quando constituídos por dois ou mais condutores

isolados, progetidos por uma camada protetora de cobertura comum.

Período: 2013.1

Grupo 03

Introdução

Introdução Período: 2013.1 Figura 1 – Tipos de cabos G r u p o 0 3

Período: 2013.1

Figura 1 Tipos de cabos

Grupo 03

Introdução

Lei de Ohm:

Materiais em geral têm a característica de resistir ao fluxo de carga

elétrica. Essa propriedade é conhecida como Resistência e

representada pelo símbolo R:

conhecida como Resistência e representada pelo símbolo R: Onde: – ρ é a resistividade do material;

Onde:

ρ é a resistividade do material;

l é o Comprimento do condutor;

A é a área transversal do condutor.

Período: 2013.1

Grupo 03

Introdução

Efeito Joule:

Quando uma corrente elétrica atravessa um material condutor, há

produção de calor. Essa produção de calor é devida ao trabalho

realizado para transportar as cargas através do material em determinado tempo.

Período: 2013.1

realizado para transportar as cargas através do material em determinado tempo. Período: 2013.1 G r u

Grupo 03

Introdução

Efeito Skin

Embora a resistência específica seja a mesma para corrente alternada

e contínua, a resistência total do fio é maior para corrente alternada

do que para corrente contínua. Isto acontece porque existem FEMs

induzidas em um condutor devido à corrente alternada. Estes FEMs

são maiores no centro do condutor, de forma que a corrente tende a ficar mais concentrada na parte exterior do fio, aumentando a

resistência efetiva. A proporção da resistência de CA para a resistência DC é uma função da forma da secção transversal do condutor e as suas

propriedades magnéticas e eléctricas, bem como da frequência.

Período: 2013.1

Grupo 03

Introdução

A taxa com que a razão entre a resistência DC e AC é dada pela seguinte

equação: Onde: – f é a frequência; – µ é a permeabilidade relativa do condutor;
equação:
Onde:
f é a frequência;
µ é a permeabilidade relativa do condutor;
Ρ é a resistividade do condutor.

Período: 2013.1

Grupo 03

Introdução

Razão entre as resistências AC e DC num condutor cilindrico:

entre as resistências AC e DC num condutor cilindrico: Período: 2013.1 Figura 2 – Gráfico da

Período: 2013.1

Figura 2 Gráfico da razão entre as

resistências AC e DC

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Tipos de condutores:

propagadores de chama: entram em combustão sob a ação direta da chama e

a mantêm mesmo após a retirada etilenopropileno (EPR) e polietileno

reticulado (XLPE);

não-propagadores de chama: removida a chama, a combustão cessa

polivinila (PVC) e neoprene;

resistentes à chama: mesmo em caso de exposição prolongada, a chama não

se propaga ao longo do material isolante do cabo Sintenax Antiflam (Pirelli) e

Noflam BWF 750 V (Ficap);

resistentes ao fogo: são incombustíveis, que permitem o funcionamento do circuito mesmo em presença de um incêndio. São usados em circuitos de segurança e sinalizações de emergência.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Fabricação de condutores:

Materiais de elevada resistividade:

Aplicações: Fornos elétricos, chuveiros elétricos, ferros elétricos;

Materiais de elevada condutividade:

Aplicações: Ligação de aparelhos, equipamentos e dispositivos.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Tipos de materiais:

Cobre;

Alumínio;

Prata;

Chumbo;

Bronze.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Tipos de materiais:

Tipos e Aplicações • Tipos de materiais: Tabela 1 – Características do cobre e do alumínio

Tabela 1 Características do cobre e do alumínio

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Formas geométricas dos condutores:

Redondo sólido (Fio): Formados por um único fio de metal sólido,

cujas seções de construção são limitadas a 16 mm². Conhecido como condutor rígido. São largamente aplicados em instalações de iluminação e força, e formação de cabos.

de iluminação e força, e formação de cabos. Figura 3 – Fio rígido (fonte: www.brasfio.com.br)

Figura 3 Fio rígido (fonte: www.brasfio.com.br)

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Formas geométricas dos condutores:

Segundo as suas diversas aplicações os cabos são classificados em:

Redondo normal;

Redondo compacto;

Flexível;

Setorial Compacto;

Cabo Conci.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Formas geométricas dos condutores:

Redondo normal: conjunto de fios torcidos entre si (encordoados); É o

mais utilizado nas instalações elétricas prediais e industriais quando são necessárias seções superiores a 10 mm 2 , devido a sua flexibilidade.

superiores a 10 mm 2 , devido a sua flexibilidade. Figura 4 – Seção transversal de
superiores a 10 mm 2 , devido a sua flexibilidade. Figura 4 – Seção transversal de

Figura 4 Seção transversal de um condutor

redondo normal.

Figura 5 Condutor redondo normal

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Formas geométricas dos condutores:

Redondo compacto: mesma formação que o cabo redondo normal, só

que há uma redução dos espaços mecânicos entre os componentes

através de compressão mecânica. Aplicação é feita em cabos de baixa

e média tensão.

Aplicação é feita em cabos de baixa e média tensão. Figura 6 – Seção transversal de

Figura 6 Seção transversal de um condutor encordoado compacto

Período: 2013.1

de um condutor encordoado compacto Período: 2013.1 Figura 7 – Condutor encordoado compacto G r u

Figura 7 Condutor encordoado compacto

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Formas geométricas dos condutores:

Flexível: obtido através do encordoamento de um grande número de

fios de diâmetro reduzido. Aplicados em máquinas móveis

(escavadeiras, pontes rolantes, etc.), aparelhos portáteis (máquinas de

solda, aspiradores e etc.).

portáteis (máquinas de solda, aspiradores e etc.). Figura 8 – Seção transversal de um condutor flexível
portáteis (máquinas de solda, aspiradores e etc.). Figura 8 – Seção transversal de um condutor flexível

Figura 8 Seção transversal de um condutor flexível

Período: 2013.1

Figura 9 Condutor flexível

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Formas geométricas dos condutores:

Setorial compacto: Forma semelhante ao redondo compacto, cuja

formatação é obtida pela compactação dos fios elementares de um

cabo redondo normal. Aplicados em cabos múltiplos (tripolares e

tetrapolares) para instalações industriais.

(tripolares e tetrapolares) para instalações industriais. Figura 10 – Seção transversal de um cabo setorial c

Figura 10 Seção transversal de um cabo setorial compacto

Período: 2013.1

de um cabo setorial c o m p a c t o Período: 2013.1 Figura 11

Figura 11 Cabo setorial compacto

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Formas geométricas dos condutores:

Cabo Conci: condutor anular cujo núcleo é oco, formando um canal

para óleo impregnante. Usado unicamente em cabos OF.

canal para óleo impregnante. Usado unicamente em cabos OF. Figura 12 – seção transversal de um

Figura 12 seção transversal de um cabo Conci

Obs: A NBR 6880 estabelece, para condutores de cobre, seis classes numeradas de 1 a 6, com graus crescente de flexibilidade, sendo:

de encordoamento,

Classe 1- Condutores sólidos (fios); Classe 2- Condutores encordoados, compactados ou não;

Classe 3-Condutores encordoados, não compactado;

Classe 4, 5, 6-Condutores flexíveis.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Tensão de utilização dos condutores elétricos:

Baixa tensão (BT);

Média tensão (MT);

Alta tensão (AT).

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Condutores para baixa tensão:

Condutores para uso geral:

Maior diversidade de aplicações em instalações elétricas;

São utilizados em circuitos de alimentação e distribuição de

energia elétrica em edifícios residenciais, comerciais e industriais,

etc.

Condutores para uso específico:

Características de construção são totalmente diversas;

Exemplos de aplicações desses condutores:

Informática, veículos, navios, elevadores e etc.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Exemplos de condutores para baixa tensão:

Fio e cabo de cobre nu:

condutores para baixa tensão: • Fio e cabo de cobre nu: Figura 13 – Fio e

Figura 13 Fio e cabo de cobre nu (fonte: www.ipce.com.br)

Aplicações:

Sistema de aterramento;

Linhas aéreas para transmissão e distribuição de energia elétrica;

Especificações aplicáveis: NBR 6524.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Exemplos de condutores para baixa tensão:

Cabo e Fio Pauliplast BWF 750:

baixa tensão: • Cabo e Fio Pauliplast – BWF 750: Figura 14 – Cabo e fio

Figura 14 Cabo e fio Pauliplast , BWF 750 (fonte: www.ipce.com.br)

Aplicações:

Instalações internas e externas de força e iluminação. Possuem a propriedade de não permitir a propagação de chamas e oferecem ótima resistência à umidade;

Especificações aplicáveis: NBR NM 247-3 e NBR NM 280.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Exemplos de condutores para baixa tensão:

Cabo Paulichumbo 750 V:

para baixa tensão: • Cabo Paulichumbo – 750 V: Figura 15 – Cabo Paulichumbo , 750

Figura 15 Cabo Paulichumbo , 750 V (fonte: www.ipce.com.br)

Aplicações:

Empregados em instalações de força e iluminação internas, externas, em ambientes secos e úmidos bem como diretamente enterrados;

Especificações aplicáveis: NBR NM 280 e NBR 8661.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Exemplos de condutores para baixa tensão:

Cordões Pauliflex BWF 300V:

para baixa tensão: • Cordões Pauliflex – BWF 300V: Figura 16 – Cordões Pauliflex , BWF

Figura 16 Cordões Pauliflex , BWF 300V (fonte: www.ipce.com.br)

Aplicações:

Empregados na ligação de aparelhos eletrodomésticos e circuitos de alimentação, extensões, etc.;

Especificações aplicáveis: NBR NM 280 e NBR 13249.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Exemplos de condutores para baixa tensão:

Cabo Paulinax 0,6 / 1kV:

para baixa tensão: • Cabo Paulinax – 0,6 / 1kV: Figura 17 – Cabo Paulinax (fonte:

Figura 17 Cabo Paulinax (fonte: www.ipce.com.br)

Aplicações:

Indicados para instalações fixas de luz e força em prédios comerciais, industriais e residenciais, para circuitos de distribuição, circuitos terminais, etc;

Especificações aplicáveis: NBR 6251, NBR NM 280 e NBR 7288.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Condutores para alta tensão:

LXHIOV- Unipolar:

• Condutores para alta tensão: • LXHIOV- Unipolar: • Aplicações: Figura 18 – LXHIOV Unipolar •

Aplicações:

Figura 18 LXHIOV Unipolar

Transporte e distribuição de energia em média e alta tensão;

Especificações aplicáveis: IEC 60502.

Período: 2013.1

Grupo 03

Tipos e Aplicações

Condutores para alta tensão:

XHIOV- Unipolar:

• Condutores para alta tensão: • XHIOV- Unipolar: • Aplicações: Figura 19 – XHIOV Unipolar •

Aplicações:

Figura 19 XHIOV Unipolar

Transporte e distribuição de energia em média e alta tensão;

Especificações aplicáveis: IEC 60502.

Período: 2013.1

Grupo 03

Isolação

Definição:

Trata-se de um conjunto de materiais isolantes aplicados sobre os

condutores, cuja função básica é confinar o campo elétrico gerado

pela tensão aplicada ao condutor no seu interior. Com isso, é reduzido

ou eliminado o risco de choque elétrico e curto-circuito;

Diferença entre Isolação e Isolamento.

Período: 2013.1

Grupo 03

Isolação

Principais materiais isolantes:

Isolação • Principais materiais isolantes: Tabela 2 – Materiais empregados na isolação de condutores (fios e

Tabela 2 Materiais empregados na isolação de condutores (fios e cabos)

Período: 2013.1

Grupo 03

Isolação

As duas principais solicitações a que a camada da isolação está sujeita são

o campo elétrico (tensão) e a temperatura (corrente):

Quanto maior a tensão elétrica de operação do cabo, maior a

espessura da isolação;

Máxima temperatura suportada pelos condutores:

• Máxima temperatura suportada pelos condutores: Tabela 3 – Temperaturas características dos condutores

Tabela 3 Temperaturas características dos condutores - NBR 5410:2004

Período: 2013.1

Grupo 03

Isolação

Processo de revestimento de condutores elétricos:

Condutor isolado: possui apenas a isolação elétrica aplicada sobre o

metal condutor;

Condutor unipolar: composto por apenas um condutor isolado sobre o

qual é aplicada uma camada chamada de cobertura. A finalidade da

cobertura é prover proteção mecânica e química à isolação;

Condutor multipolar: composto por dois ou mais condutores isolados protegidos por uma camada de cobertura comum a todos os condutores. São os casos dos cabos bipolares, tripolares, tetrapolares, etc.

Período: 2013.1

Grupo 03

Isolação

Processo de revestimento de condutores elétricos:

Os condutores podem receber mais de uma camada de material

isolante.

podem receber mais de uma camada de material isolante. Figura 20 – Isolação de Condutores (Fonte

Figura 20 Isolação de Condutores (Fonte :

http://www.ipce.com.br/introducao_grd.htm(2006))

Período: 2013.1

Grupo 03

Isolação

Identificação dos condutores:

A norma NBR 5410:2004, item 6.1.5, trata sobre a identificação dos

condutores, codificando-os por cores, para facilitar e agilizar a

execução da instalação:

Condutor neutro: deve ser usada a cor azul - clara;

Condutor de proteção (PE): deve ser usada a dupla coloração

verde-amarela ou a cor verde (cores exclusivas da função de

proteção);

Condutor PEN: deve ser usada a cor azul-claro, com anilhas verde- amarelo nos pontos visíveis ou acessíveis;

Condutor de fase: em caso de identificação por cor, poder ser usada qualquer cor, exceto azul-claro, verde ou verde-amarelo.

Período: 2013.1

Grupo 03

Isolação

Blindagem:

São camadas de materiais semicondutores aplicadas sobre o condutor,

ou partes metálicas aplicadas sobre a segunda camada semicondutora

que recobre a isolação.

Período: 2013.1

Grupo 03

Isolação

Isolação Figura 21 - Cabos Sipronil 3.6/6kV a 27/35kV. Período: 2013.1 G r u p o

Figura 21 - Cabos Sipronil 3.6/6kV a 27/35kV.

Período: 2013.1

Grupo 03

Referências Bibliográficas

NBR 5410;

Instalações elétricas prediais, Geraldo Cavalin, Severino Cevelin, 14ª

edição, editora Erica;

Instalações elétricas residenciais, Prysman, Cables & Systems ,

Condutores e dutos elétricos, Isabele Araújo, Fortaleza 2009;

Período: 2013.1

Grupo 03