Você está na página 1de 1

Castigo X Consequencia

Essa foi meu filho que me ensinou...


Sempre conduzi minha vida com medo do castigo. Cresci com a idéia que
castigo é muito ruim. Inibe as atitudes e decisões, sufoca, restringe, mais o pior é que
seu reinado se impõe pelo medo. Medo que oprime e traz raiva.
Fui alimentada e alimentei a idéia popular e muito difundida que o “castigo vem
a cavalo”, o que quer dizer que você sofrerá rapidamente e sem julgamento o castigo
que no fundo você duvida que merece. E como o castigo se impõe de maneira quase
natural, como se essa fosse uma regra da vida, como questionar? E a quem questionar?
Se não a ninguém para questionar, se o castigo vem naturalmente, talvez o único que
sobra para ser questionado seja Deus. E então atribuímos a decisão e ação do castigo a
Deus, e a raiva e a quase certeza da injustiça também.
Outra noite eu comecei a assistir um filme do qual gostei e queria ver o final.
Então fiquei assistindo, desrespeitando o horário normal de meu filho pequeno tomar
banho e se preparar para dormir. Quando o filme acabou foi então que fui dar o banho
nele. E ele estava impossível... chorando, reclamando, não obedecendo, irritado, e
chorando de novo.
Pensamento rápido que passou pela minha cabeça... eu estava sendo castigada!
Castigo por eu ter feito a minha vontade e não ter cuidado da rotina diária do meu filho
para dormir? Parecia... Parecia que ele (imagine!) estava me castigando por não ter
pensando nele e ter feito somente a minha vontade. Então, eu deveria ficar com raiva
dele por ser tão egoísta e não saber que pelo menos de vez em quando, muito de vez em
quando, eu gostaria de fazer alguma coisa que fosse da minha vontade.
Mas, e se não fosse castigo. E se fosse somente conseqüência! Houve um abuso
do horário da rotina de uma criança pequena e ela reagiu a isso. Super natural e lógico!
Então não teria porque ter raiva, teria sim a responsabilidade de lidar com a situação, já
que toda escolha envolve direito e responsabilidade.
O medo também não faria parte da situação, porque não é algo injusto e
arbitrário. É causa e conseqüência. Você fez, você assume. Simples, justo, coerente,
lógico e libertador!
Não quer lidar com as conseqüências, não tome as atitudes que as desencadeiam.
Tomou a atitude, fez uma escolha, praticou uma ação então lide com a conseqüência,
com responsabilidade, paciência e outras qualidades que fazem parte de seu caráter.
Isso é ser dona do seu nariz! Maturidade, responsabilidade, sabedoria farão parte
do seu dia-a-dia. Ao contrário de sentir medo, de negligenciar e de ser irresponsável na
tentativa de não sofrer as conseqüências de suas escolhas, sinta-se livre para fazer
escolhas e assumi-las como suas.