Você está na página 1de 1

Franceses lançam campanha contra 'jogo de asfixia'

Daniela Fernandes,de Paris


Uma campanha lançada nesta segunda-feira na França alerta para os riscos de uma
prática que está se tornando cada vez mais freqüente nas escolas do país: o "jogo
do lenço", em que crianças e adolescentes brincam de se estrangular para sentir
alucinações causadas pela falta de oxigenação e de irrigação sangüínea no cérebro.

Centenas de mortes desse tipo já teriam sido registradas na França, com uma média
de dez enforcamentos fatais por ano, de acordo com a Associação de Pais de
Crianças Acidentadas por Estrangulamento (Apeas, na sigla em francês).

A campanha televisiva, lançada pela associação, mostra os rostos de 25 crianças e


jovens e diz que "eles brincaram o jogo do lenço, como centenas de outros, e
morreram por causa disso. Acabemos com esse desastre".

A maior parte das vítimas é adolescente, mas há também crianças de apenas sete ou
oito anos.

"Tomate"
Não existem estatísticas oficiais sobre o número de vítimas fatais ou de crianças
e jovens hospitalizados em unidades de emergência por causa da "brincadeira" de
enforcamento.

Mas um levantamento realizado em mais de 400 colégios franceses pelo professor


Grégory Michel, psicoterapeuta do hospital infantil Robert-Debré, em Paris, revela
que 12% dos alunos afirmaram já ter praticado o jogo do estrangulamento.

Essa prática já teria início nas escolas maternais, segundo a associação Apeas,
com a brincadeira chamada "jogo do tomate", em que crianças brincam com a
respiração para ver quem fica com o rosto vermelho mais tempo.

Com um pouco mais de idade, a "brincadeira" passa a ser feita por meio da
compressão do pescoço, fazendo pressão nas artérias carótidas, que levam sangue ao
cérebro.

Em casa
Normalmente, os acidentais fatais acontecem quando o adolescente reproduz sozinho,
em casa, o "jogo" praticado por colegas na escola.

Ao tentar praticar sozinho o estrangulamento com lenços, cintos ou até mesmo


cordas, ele perde o controle dos movimentos após começar a sofrer convulsões e
acaba se enforcando.

A falta de oxigênio no cérebro causa perda da consciência, com alucinações e uma


espécie de prazer, efeitos normalmente provocados pelo consumo de drogas.

O Ministério francês da Educação também lançou uma outra campanha preventiva


contra "jogos perigosos" nas escolas, destinada especificamente a professores e a
pais de alunos.

O Ministério afirma que a campanha tem o objetivo de ajudar os adultos a


identificar mais rapidamente sinais de que crianças e adolescentes estariam
praticando o "jogo do lenço".

Marcas vermelhas no pescoço, mudanças de comportamento ou a descoberta de um lenço


ou cinto que a criança quer usar regularmente seriam alguns sinais de
comportamento de risco, segundo o ministério.