Você está na página 1de 79
R EVESTIMENTO DE P AREDES Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil – 8º
R EVESTIMENTO DE P AREDES Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil – 8º
R EVESTIMENTO DE P AREDES Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil – 8º
R EVESTIMENTO DE P AREDES Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil – 8º

REVESTIMENTO

DE PAREDES

Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha

Engenharia Civil – 8º Período – Turma C01

Disc. Construção Civil II

R EVESTIMENTO DE P AREDES Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil – 8º
Algo que reveste, que recobre uma superfície O CONCEITO FUNCIONAL É um elemento funcional do edifício
Algo que reveste, que recobre uma superfície
Algo que
reveste,
que recobre
uma
superfície

O CONCEITO FUNCIONAL

É um elemento funcional do edifício com funções bem definidas
É um elemento funcional do
edifício com funções bem
definidas
É um elemento do subsistema de vedação
É um elemento do
subsistema de vedação
Pela sua importância muitas vezes é também conceituado como um “subsistema” ou “sistema”’
Pela sua importância
muitas vezes é também
conceituado como um
“subsistema” ou “sistema”’
R EVESTIMENTO Conjunto de camadas que recobre as vedações e a estrutura de um edifício com

REVESTIMENTO

Conjunto de camadas que recobre as vedações e a estrutura de um edifício com as funções de proteção, complementar às funções de vedação e se constituir no acabamento final (funções estéticas, de valorização econômica)

R EVESTIMENTO Conjunto de camadas que recobre as vedações e a estrutura de um edifício com
R EVESTIMENTO Conjunto de camadas que recobre as vedações e a estrutura de um edifício com
R EVESTIMENTO Conjunto de camadas que recobre as vedações e a estrutura de um edifício com
F UNÇÕES DOS R EVESTIMENTOS Auxiliar as vedações a cumprir suas funções: •Estanqueidade ao ar e

FUNÇÕES DOS REVESTIMENTOS

Auxiliar as vedações a cumprir suas funções:
Auxiliar as vedações a cumprir suas
funções:

•Estanqueidade ao ar e a água •Proteção térmica e ou acústica

•Funções de segurança: contra a ação do fogo; resistência mecânica da própria vedação

F UNÇÕES DOS R EVESTIMENTOS Auxiliar as vedações a cumprir suas funções: •Estanqueidade ao ar e
F UNÇÕES DOS R EVESTIMENTOS Auxiliar as vedações a cumprir suas funções: •Estanqueidade ao ar e
• Define as características estéticas da vedação e do edifício • Define o padrão do edifício
• Define as características estéticas da vedação e do edifício • Define o padrão do edifício
• Define as características
estéticas da vedação e do edifício
• Define o padrão do edifício e o
seu valor econômico
• Sanidade / higiene / segurança de
utilização

FUNÇÕES DOS REVESTIMENTOS

De acabamento final:

Função estética:
Função
estética:
Função de valorização econômica:
Função de
valorização
econômica:
Função relacionadas com o uso:
Função
relacionadas
com o uso:
C LASSIFICAÇÃO Quanto ao elemento/ambiente a revestir • Interno/Externo • Áreas secas/molhadas • Piso/parede Quanto ao

CLASSIFICAÇÃO

Quanto ao elemento/ambiente a revestir
Quanto ao elemento/ambiente a revestir

• Interno/Externo • Áreas secas/molhadas • Piso/parede

Quanto ao mecanismo de fixação
Quanto ao mecanismo de fixação

• Aderidos • Fixados por dispositivos (pregos, rebites, insertes) • Não aderidos

C LASSIFICAÇÃO Quanto ao elemento/ambiente a revestir • Interno/Externo • Áreas secas/molhadas • Piso/parede Quanto ao
C LASSIFICAÇÃO Quanto ao elemento/ambiente a revestir • Interno/Externo • Áreas secas/molhadas • Piso/parede Quanto ao
C LASSIFICAÇÃO QUANTO AO MATERIAL De argamassa (com pintura) Cerâmico Pedra Madeira Metálico Sintéticos (vinílicos –

CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO MATERIAL

De argamassa (com pintura) Cerâmico Pedra Madeira Metálico Sintéticos (vinílicos – Paviflex; melamínicos – fórmica; etc.)
De argamassa (com pintura)
Cerâmico
Pedra
Madeira
Metálico
Sintéticos (vinílicos – Paviflex; melamínicos –
fórmica; etc.)
C LASSIFICAÇÃO QUANTO AO MATERIAL De argamassa (com pintura) Cerâmico Pedra Madeira Metálico Sintéticos (vinílicos –
REVESTIMENTO CERÂMICO
REVESTIMENTO
CERÂMICO
R EVESTIMENTOS C ERÂMICOS Revestimento que se caracteriza por ter a camada de acabamento constituída por

REVESTIMENTOS CERÂMICOS

Revestimento que se caracteriza por ter a camada de acabamento constituída por placas cerâmicas
Revestimento
que se
caracteriza por
ter a camada de
acabamento
constituída por
placas cerâmicas
R EVESTIMENTOS C ERÂMICOS Revestimento que se caracteriza por ter a camada de acabamento constituída por
S ISTEMA DE R EVESTIMENTO C ERÂMICO Camada de Acabamento Base (chapisco) Camada de Fixação Base

SISTEMA DE REVESTIMENTO CERÂMICO

S ISTEMA DE R EVESTIMENTO C ERÂMICO Camada de Acabamento Base (chapisco) Camada de Fixação Base

Camada de Acabamento

Preparo da Base (chapisco)

Camada de Fixação

Base ou

substrato

Camada de Regularização

S ISTEMA DE R EVESTIMENTO C ERÂMICO Camada de Acabamento Base (chapisco) Camada de Fixação Base
S ISTEMA DE R EVESTIMENTO C ERÂMICO Camada de Acabamento Base (chapisco) Camada de Fixação Base
P RINCIPAIS P ROPRIEDADES DURABILIDADE (excepcional resistência à degradação das placas cerâmicas contra a ação de
P RINCIPAIS P ROPRIEDADES DURABILIDADE (excepcional resistência à degradação das placas cerâmicas contra a ação de

PRINCIPAIS PROPRIEDADES

DURABILIDADE (excepcional resistência à degradação das placas cerâmicas contra a ação de todos os agentes agressivos
DURABILIDADE (excepcional resistência à
degradação das placas cerâmicas contra a ação de
todos os agentes agressivos ambientais)
LIMPABILIDADE E FACILIDADE DE HIGIENIZAÇÃO
LIMPABILIDADE E FACILIDADE DE
HIGIENIZAÇÃO
IMPERMEABILIDADE (não-porosidade) das placas cerâmicas – Cuidado com o sistema
IMPERMEABILIDADE (não-porosidade) das placas
cerâmicas – Cuidado com o sistema
INALTERABILIDADE DA APARÊNCIA COM O TEMPO DEFICIENTE CONFORTO TÁTIL
INALTERABILIDADE DA APARÊNCIA COM O
TEMPO
DEFICIENTE CONFORTO TÁTIL
C LASSIFICAÇÃO Segundo o Ambiente Segundo o Posicionamento Internos Horizontal • áreas secas • áreas molhadas

CLASSIFICAÇÃO

Segundo o Ambiente
Segundo o
Ambiente
Segundo o Posicionamento
Segundo o
Posicionamento
Internos Horizontal • áreas secas • áreas molhadas • Pisos Vertical Externos • Paredes (internos) •
Internos
Horizontal
• áreas secas
• áreas molhadas
• Pisos
Vertical
Externos
• Paredes (internos)
• Fachadas
C LASSIFICAÇÃO Segundo o Ambiente Segundo o Posicionamento Internos Horizontal • áreas secas • áreas molhadas
Somente para paredes banheiros e dormitórios residenciais Residências sem ortas externas e banheiros p Residências com
Somente para paredes banheiros e dormitórios residenciais Residências sem ortas externas e banheiros p Residências com
Somente para paredes
banheiros e dormitórios residenciais
Residências sem
ortas externas e
banheiros
p
Residências com portas externas,
cozinhas, hall, corredores
Áreas internas de uso comercial,
garagens
Alto tráfego, uso público interno e
externo

CLASSIFICAÇÃO PEI

Somente para paredes banheiros e dormitórios residenciais Residências sem ortas externas e banheiros p Residências com

PEI O PEI 1 PEI – 2

PEI – 2
Somente para paredes banheiros e dormitórios residenciais Residências sem ortas externas e banheiros p Residências com
PEI – 3
PEI – 3
PEI – 4
PEI – 4
PEI – 5
PEI – 5
baixa absorção (0 a 0,5%) e resistência alta baixa absorção (0,5 a 3%) e resistência alta
baixa absorção (0 a 0,5%) e resistência alta baixa absorção (0,5 a 3%) e resistência alta
baixa absorção (0 a 0,5%) e
resistência alta
baixa absorção (0,5 a 3%) e
resistência alta
média absorção (3 a 6%) e
resistência média
alta absorção (6 a 10%) e
resistência baixa
alta absorção (acima de 10%)
e resistência baixa

PELA ABSORÇÃO

Porcelanatos
Porcelanatos
Grés
Grés
Semigrés
Semigrés
Semiporosas
Semiporosas
Porosas
Porosas
RESISTÊNCIA A MANCHAS (NBR 13.818) Classe 1 Impossibilidade de remoção sem danificar a peça Classe 2
RESISTÊNCIA A MANCHAS (NBR 13.818) Classe 1 Impossibilidade de remoção sem danificar a peça Classe 2
RESISTÊNCIA A MANCHAS
(NBR 13.818)
Classe 1
Impossibilidade de remoção sem
danificar a peça
Classe 2
Removível por ácido clorídrico,
acetona e hidróxido de potássio
Classe 3
Removível com produto limpeza
forte
Classe 4
Removível com produto limpeza
fraco
Classe 5
Facilmente removível
M ATERIAIS C ONSTITUINTES CAMADA DE ACABAMENTO • Placas cerâmicas • Juntas de assentamento (entre placas)

MATERIAIS CONSTITUINTES

CAMADA DE ACABAMENTO
CAMADA DE ACABAMENTO

• Placas cerâmicas • Juntas de assentamento (entre placas) • material – argamassas e pastas para rejunte • Juntas de controle • material – selantes elastoméricos

CAMADA DE FIXAÇÃO
CAMADA DE FIXAÇÃO

• Argamassa colante • Pasta adesiva (à base de polímeros) • Cola de reação (usualmente epóxi)

M ATERIAIS C ONSTITUINTES CAMADA DE ACABAMENTO • Placas cerâmicas • Juntas de assentamento (entre placas)
M ATERIAIS C ONSTITUINTES CAMADA DE ACABAMENTO • Placas cerâmicas • Juntas de assentamento (entre placas)
A RGAMASSA C OLANTE CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS Resistência de aderência a tração • Paredes internas > 0,5
A RGAMASSA C OLANTE CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS Resistência de aderência a tração • Paredes internas > 0,5

ARGAMASSA COLANTE

CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS

Resistência de aderência a tração
Resistência de aderência a tração

• Paredes internas > 0,5 MPa • Paredes externas > 1,0 MPa

Tempo em aberto (de abertura)
Tempo em aberto (de abertura)

• Mínimo 15 minutos no local 20º a 50 min em laboratório

Deformação transversal (flexibilidade) • Mínimo: 5 mm “flecha” e 5N carga ruptura
Deformação transversal (flexibilidade)
• Mínimo: 5 mm “flecha” e 5N carga ruptura
A RGAMASSA C OLANTE

ARGAMASSA COLANTE

A RGAMASSA C OLANTE
A RGAMASSA C OLANTE
A RGAMASSA C OLANTE • “ Colar ” a peça cerâmica ao substrato • Absorver deformações

ARGAMASSA COLANTE

• “ Colar ” a peça cerâmica ao substrato • Absorver deformações naturais a que a
Colar
a peça cerâmica ao
substrato
• Absorver deformações naturais a
que a o sistema de revestimento
cerâmico estiver sujeito
Funções :
A RGAMASSA C OLANTE • “ Colar ” a peça cerâmica ao substrato • Absorver deformações
A RGAMASSA C OLANTE •AC-I – Interior •AC-II – Exterior •AC-III – Alta resistência NBR 1408

ARGAMASSA COLANTE

•AC-I – Interior •AC-II – Exterior •AC-III – Alta resistência NBR 1408 1:
•AC-I – Interior
•AC-II – Exterior
•AC-III – Alta resistência
NBR 1408 1:
A RGAMASSA C OLANTE •AC-I – Interior •AC-II – Exterior •AC-III – Alta resistência NBR 1408
ARGAMASSA DE REJUNTAMENTO •Vedar as juntas •Permitir a substituição das peças cerâmicas •Absorver deformações e evitar
ARGAMASSA DE REJUNTAMENTO •Vedar as juntas •Permitir a substituição das peças cerâmicas •Absorver deformações e evitar
ARGAMASSA DE REJUNTAMENTO
•Vedar as juntas
•Permitir a substituição das peças
cerâmicas
•Absorver deformações e evitar tensões
excessivas
•Melhorar aderência da camada (efeito
cunha)
•Função estética compensar variações
dimensionais das peças
Funç ões:
A RGAMASSA DE R EJUNTAMENTO Propriedades: •Trabalhabilidade •Retração (deve ser baixa) •Aderência (às bordas das juntas

ARGAMASSA DE REJUNTAMENTO

Propriedades:
Propriedades:

•Trabalhabilidade •Retração (deve ser baixa) •Aderência (às bordas das juntas de colocação) •Permeabilidade à água (devem ser estanques) •Capacidade de absorver deformações sem fissurar (flexibilidade) •Resistência ao manchamento e ao desenvolvimento de fungos/bolor •Resistência mecânica

A RGAMASSA DE R EJUNTAMENTO Propriedades: •Trabalhabilidade •Retração (deve ser baixa) •Aderência (às bordas das juntas
A RGAMASSA DE R EJUNTAMENTO Propriedades: •Trabalhabilidade •Retração (deve ser baixa) •Aderência (às bordas das juntas
EXECUÇÃO Condições para início do assentamento •21 dias sobre emboço de argamassa com cal •14 dias

EXECUÇÃO

Condições para início do assentamento
Condições para início do assentamento

•21 dias sobre emboço de argamassa com cal •14 dias sobre emboço com argamassa industrializada •3 dias para rejuntamento •Substrato homogêneo e limpo •Sobre emboço desempenado grosso •Sem fissuras de alvenaria

EXECUÇÃO Condições para início do assentamento •21 dias sobre emboço de argamassa com cal •14 dias
EXECUÇÃO Condições para início do assentamento •21 dias sobre emboço de argamassa com cal •14 dias
Durante o processo de assentamento, deve-se manter a superfície da placas e as juntas livre de
Durante o
processo de
assentamento,
deve-se manter a
superfície da
placas e as juntas
livre de
argamassa
Se a placa
cerâmica sujar,
limpar
imediatamente,
enquanto a
argamassa ainda
estiver fresca
(recente), de
modo a evitar
manchas
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 1 - Verificar o Nível

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

1 - Verificar o Nível
1 - Verificar o Nível
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 1 - Verificar o Nível
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 2 - Materializar Referências •Verificar os locais onde encontram-se janelas, portas,

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

2 - Materializar Referências
2 - Materializar Referências

•Verificar os locais onde encontram-se janelas, portas, interruptores e etc. Pois nestes pontos as placas receberão cortes

•Evitar cortes nas partes visíveis

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 2 - Materializar Referências •Verificar os locais onde encontram-se janelas, portas,
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 2 - Materializar Referências •Verificar os locais onde encontram-se janelas, portas,
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 2 - Materializar Referências •Verificar os locais onde encontram-se janelas, portas,
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 2 - Materializar Referências •Verificar os locais onde encontram-se janelas, portas,
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 3 -Preparo da Argamassa Colante em um recipiente, despejar a argamassa

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

3 -Preparo da Argamassa Colante
3 -Preparo da Argamassa Colante
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 3 -Preparo da Argamassa Colante em um recipiente, despejar a argamassa

em um recipiente, despejar a argamassa colante e misturar com água limpa na proporção indicada

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 3 -Preparo da Argamassa Colante em um recipiente, despejar a argamassa

após a mistura, esperar de

10 a 20 minutos, para que

ocorra a reação dos

aditivos (retentor de água)

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 3 -Preparo da Argamassa Colante em um recipiente, despejar a argamassa
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 3 -Preparo da Argamassa Colante em um recipiente, despejar a argamassa
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 4 -Aplicação da Argamassa Colante passar a desempenadeira dentada para formar

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

4 -Aplicação da Argamassa Colante
4 -Aplicação da Argamassa Colante

passar a desempenadeira dentada para formar os sulcos na argamassa já aplicada na parede

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 4 -Aplicação da Argamassa Colante passar a desempenadeira dentada para formar
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 4 -Aplicação da Argamassa Colante passar a desempenadeira dentada para formar
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 4 -Aplicação da Argamassa Colante passar a desempenadeira dentada para formar
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO Usar desempenadeira dentada, primeiro com o lado liso e depois com

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO Usar desempenadeira dentada, primeiro com o lado liso e depois com

Usar desempenadeira dentada, primeiro com o lado liso e depois com o denteado, de preferência de baixo pra cima

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO Usar desempenadeira dentada, primeiro com o lado liso e depois com
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO Usar desempenadeira dentada, primeiro com o lado liso e depois com
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5 - Assentar as Placas Cerâmica •Verificar o tempo em aberto

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

5 - Assentar as Placas Cerâmica
5 - Assentar as Placas Cerâmica

•Verificar o tempo em aberto na prática

•Assentar de preferência de baixo para cima,

ressionando com as mãos e de ois batendo

p

p

levemente com o martelo de borracha

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5 - Assentar as Placas Cerâmica •Verificar o tempo em aberto
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5 - Assentar as Placas Cerâmica •Verificar o tempo em aberto
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5 - Assentar as Placas Cerâmica •Verificar o tempo em aberto
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5 - Assentar as Placas Cerâmica •Verificar o tempo em aberto
SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO 5.1 – Fiada mestra e guias de prumo Guia de prumo Teto ou
SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO
5.1 – Fiada mestra e guias de prumo
Guia de
prumo
Teto ou
altura
do forro
Fiada mestra
Régua
2
1
1 - Contrapiso
2 - Piso acabado
Etapa 1 - Fixação da fiada mestra e guias de prumos
SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO 5.1 – Fiada mestra e guias de prumo Guia de prumo Teto ou
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5.2 – Fiadas superiores Teto ou altura do forro E spaça

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

5.2 – Fiadas superiores
5.2 – Fiadas superiores

Teto ou

altura do forro E spaça d ores Fiada mestra 2 1 1 - Contrapiso
altura
do forro
E
spaça
d
ores
Fiada mestra
2
1
1 - Contrapiso

Etapa 2 - colocação dos ladrilhos acima da fiada mestra

  • 2 - Piso acabado

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5.2 – Fiadas superiores Teto ou altura do forro E spaça
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5.2 – Fiadas superiores Teto ou altura do forro E spaça
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5.3 - Fiada abaixo da fiada mestra Te to ou a
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5.3 - Fiada abaixo da fiada mestra Te to ou a

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

5.3 - Fiada abaixo da fiada mestra
5.3 - Fiada abaixo da fiada mestra

Te to ou

a ltura d o forro Fia da m e stra 2 1
a ltura
d o forro
Fia da
m e stra
2
1

Eta p a

3 -

c oloc a ç ã o d os la drilhos a ba ixo da

fia da

m e stra

  • 1 C ontra piso

-

  • 2 Piso a c a ba do

-

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 5.3 - Fiada abaixo da fiada mestra Te to ou a
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO Detalhe do arremate dos azulejos com o piso A zule jo

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

Detalhe do arremate dos azulejos com o piso
Detalhe do arremate dos azulejos com o
piso
A zule jo A rg a m a ssa c ola nte Piso c e râ
A zule jo
A rg a m a ssa
c ola nte
Piso
c e râ m ic o
5
m m

Em b o ç o

Im p e rm e a b iliza ç ã o

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO Detalhe do arremate dos azulejos com o piso A zule jo
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO Detalhe do arremate dos azulejos com o piso A zule jo
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 9 - Rejuntamento •Após o assentamento, aguardar 3 dias para começar

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

9 - Rejuntamento
9 - Rejuntamento

•Após o assentamento, aguardar 3 dias para

começar o rejuntamento

• Utilizar rejuntes industrializados

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 9 - Rejuntamento •Após o assentamento, aguardar 3 dias para começar
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 9 - Rejuntamento •Após o assentamento, aguardar 3 dias para começar
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 9 - Rejuntamento •Após o assentamento, aguardar 3 dias para começar
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 9 - Rejuntamento •Após o assentamento, aguardar 3 dias para começar
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 10 - Limpeza •Após o término do rejuntamento, esperar um momento

SEQUÊNCIA DE EXECUÇÃO

10 - Limpeza
10 - Limpeza

•Após o término do rejuntamento, esperar um

momento (varia de acordo com o tipo de

rejunte), para a limpeza do excesso de rejunte

da superfície das placas cerâmicas

•Limpar primeiramente com uma esponja úmida

e depois com pano seco

S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 10 - Limpeza •Após o término do rejuntamento, esperar um momento
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 10 - Limpeza •Após o término do rejuntamento, esperar um momento
S EQUÊNCIA DE E XECUÇÃO 10 - Limpeza •Após o término do rejuntamento, esperar um momento
FALHA EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS
FALHA EM
REVESTIMENTOS
CERÂMICOS
D ESCOLAMENTO
D ESCOLAMENTO
D ESCOLAMENTO
D ESCOLAMENTO

DESCOLAMENTO

D ESCOLAMENTO
O QUE É ? Perda de aderência das placas cerâmicas do substrato, ou da argamassa colante,

O QUE É?

Perda de aderência das placas cerâmicas do substrato, ou da argamassa colante, quando as tensões surgidas no revestimento cerâmico ultrapassam a capacidade de aderência das ligações entre a placa cerâmica e argamassa colante e/ou emboço.

O QUE É ? Perda de aderência das placas cerâmicas do substrato, ou da argamassa colante,
O QUE É ? Perda de aderência das placas cerâmicas do substrato, ou da argamassa colante,
O QUE É ? Perda de aderência das placas cerâmicas do substrato, ou da argamassa colante,
SINTOMAS Primeiro sinal: ocorrência de um som cavo (oco) nas placas cerâmicas Ou estufamento da camada
SINTOMAS
Primeiro sinal:
ocorrência de um
som cavo (oco)
nas placas
cerâmicas
Ou estufamento
da camada de
acabamento
seguido do
destacamento
destas áreas
S INTOMAS Ocorrem geralmente nos primeiros e últimos andares do edifício, devido ao maior nível de

SINTOMAS

Ocorrem geralmente nos primeiros e últimos andares do edifício, devido ao maior nível de tensões observados
Ocorrem geralmente
nos primeiros e
últimos andares do
edifício, devido ao
maior nível de
tensões observados
nestes locais.
S INTOMAS Ocorrem geralmente nos primeiros e últimos andares do edifício, devido ao maior nível de
C AUSAS MAIS COMUNS Ineficiência ou deficiência de projeto, como inexistência de juntas de movimentação Utilização
C AUSAS MAIS COMUNS Ineficiência ou deficiência de projeto, como inexistência de juntas de movimentação Utilização

CAUSAS MAIS COMUNS

Ineficiência ou deficiência de projeto, como inexistência de juntas de movimentação Utilização da argamassa colante com
Ineficiência ou deficiência de projeto, como inexistência
de juntas de movimentação
Utilização da argamassa colante com um tempo em
aberto vencido
Assentamento sobre superfície contaminada
Variações higrotérmicas e de temperatura
Imperícia ou negligência da mão-de-obra na execução
e/ou controle dos serviços
D ESCOLAMENTO A RGAMASSA C OLANTE A Tem sua vida útil limitada: ARGAMASSA PREPARADA ... Pela

DESCOLAMENTO

ARGAMASSA COLANTE

A

Tem sua vida útil limitada:
Tem sua
vida útil
limitada:

ARGAMASSA

PREPARADA...

Pela pega do cimento Pelo tempo de emprego da mesma
Pela pega do cimento
Pelo tempo de
emprego da mesma
D ESCOLAMENTO A RGAMASSA C OLANTE A Tem sua vida útil limitada: ARGAMASSA PREPARADA ... Pela
D ESCOLAMENTO A RGAMASSA C OLANTE A Tem sua vida útil limitada: ARGAMASSA PREPARADA ... Pela
A RGAMASSA C OLANTE T EMPO EM A BERTO OU T EMPO Ú TIL Intervalo de

ARGAMASSA COLANTE

TEMPO EM ABERTO OU TEMPO ÚTIL

Intervalo de tempo no qual, uma vez entendida sobre a base, uma camada de argamassa consegue
Intervalo de tempo no qual, uma vez
entendida sobre a base, uma camada de
argamassa consegue manter as peças
cerâmicas assentadas e alcance valores de
aderência final aos 28 dias de idade
Em geral, em condições de laboratório, varia entre 20 e 30 minutos
Em geral, em condições de laboratório, varia
entre 20 e 30 minutos
A RGAMASSA C OLANTE T EMPO EM A BERTO OU T EMPO Ú TIL Intervalo de
A RGAMASSA C OLANTE C UIDADOS NO USO Não estender a argamassa em grandes áreas Garantir

ARGAMASSA COLANTE

CUIDADOS NO USO

Não estender a argamassa em grandes áreas
Não estender a argamassa em grandes áreas
Garantir que o tempo decorrido entre o assentamento da pr me ra peça até a i
Garantir que o tempo decorrido entre o
assentamento da pr me ra peça até a
i
i
úl i
t ma
não seja superior ao tempo aberto
Após a argamassa endurecer na masseira, não adicionar água para melhorar a consistência
Após a argamassa endurecer na masseira,
não adicionar água para melhorar a
consistência
A RGAMASSA C OLANTE C UIDADOS NO USO Não estender a argamassa em grandes áreas Garantir
D ESCOLAMENTO P LACAS C ERÂMICAS Expansão por umidade (EPU) ou Dilatação Higroscópica Fenômeno provocado pela

DESCOLAMENTO

PLACAS CERÂMICAS

Expansão por umidade (EPU) ou Dilatação

Higroscópica

Fenômeno provocado pela adsorção de água, na forma liquida ou de vapor que, ao contrario da simples absorção de água retida apenas nos poros do material, provoca modificações na sua própria estrutura, com aumento de volume.

Ocorre logo após processo de queima, e durante meses e anos após a fabricação
Ocorre logo após processo de queima, e durante
meses e anos após a fabricação
D ESCOLAMENTO P LACAS C ERÂMICAS Expansão por umidade (EPU) ou Dilatação Higroscópica Fenômeno provocado pela
P LACAS C ERÂMICAS EPU - NBR 13.818 Recomenda um limite de expansão de 0,6mm/m ou

PLACAS CERÂMICAS

EPU - NBR 13.818

Recomenda um limite de expansão de 0,6mm/m ou 0,06%
Recomenda um limite de expansão de
0,6mm/m ou 0,06%

•Método: Fervura por 24 horas (NBR 13.818)

• Não representa a EPU potencial da placa cerâmica

Centro Cerâmico do Brasil (CCB) recomenda um limite de EPU 0,6 mm/m pelo método da autoclave
Centro Cerâmico do Brasil (CCB) recomenda
um limite de EPU 0,6 mm/m pelo método da
autoclave
P LACAS C ERÂMICAS EPU - NBR 13.818 Recomenda um limite de expansão de 0,6mm/m ou
D ESCOLAMENTO J UNTAS DE M OVIMENTAÇÃO São juntas intermediárias, normalmente mais largas que as de

DESCOLAMENTO

JUNTAS DE MOVIMENTAÇÃO

São juntas intermediárias, normalmente

mais largas que as de assentamento,

projetadas para aliviar tensões geradas por

movimentações da parede e do próprio

revestimento devido às variações de

temperatura e umidade ou por deformação

lenta do concreto da estrutura revestida.

D ESCOLAMENTO J UNTAS DE M OVIMENTAÇÃO São juntas intermediárias, normalmente mais largas que as de
D ESCOLAMENTO J UNTAS DE M OVIMENTAÇÃO São juntas intermediárias, normalmente mais largas que as de
JUNTAS DE MOVIMENTAÇÃO RECOMENDAÇÕES Sociedade Francesa de Cerâmica •Recomenda, para revestimentos externos, junta a cada 6
JUNTAS DE MOVIMENTAÇÃO
RECOMENDAÇÕES
Sociedade Francesa de Cerâmica
•Recomenda, para revestimentos externos, junta
a cada 6 m e/ou 32 m².
Especificações Americanas para Cerâmica
•Junta de 12 mm a cada 5 m no máximo
Trabalhos australianos
•Junta com abertura maior que 12mm, a cada 6m
J UNTAS DE M OVIMENTAÇÃO A S NBR’ S NBR 13755 – Paredes externas e fachadas

JUNTAS DE MOVIMENTAÇÃO

AS NBR’S

NBR 13755 – Paredes externas e fachadas
NBR 13755 – Paredes externas e fachadas

•Juntas horizontais a cada 3m ou a cada pé direito

•Juntas verticais a cada 6m

NBR 13754 – Paredes internas
NBR 13754 – Paredes internas

•Juntas horizontais e verticais em paredes com áreas

>= 32 m 2

•Ou sempre que as dimensões do revestimento >=

8m

•Locais expostos ao sol e/ou umidade: áreas >= 24 m 2

ou dimensões >= 6m

J UNTAS DE M OVIMENTAÇÃO A S NBR’ S NBR 13755 – Paredes externas e fachadas
J UNTAS DE M OVIMENTAÇÃO A S NBR’ S NBR 13755 – Paredes externas e fachadas
J UNTAS DE M OVIMENTAÇÃO A S NBR’ S NBR 13755 – Paredes externas e fachadas
J UNTAS DE M OVIMENTAÇÃO DEVEM ... Ser aprofundadas até a superfície da parede Preenchidas com
J UNTAS DE M OVIMENTAÇÃO DEVEM ... Ser aprofundadas até a superfície da parede Preenchidas com

JUNTAS DE MOVIMENTAÇÃO DEVEM...

Ser aprofundadas até a superfície da parede
Ser aprofundadas até a superfície da parede
Preenchidas com materiais deformáveis
Preenchidas com materiais deformáveis
Vedadas com selantes flexíveis
Vedadas com selantes flexíveis
Com largura dimensionada em função das movimentações previstas para a alvenaria
Com largura dimensionada em função das
movimentações previstas para a alvenaria
Ser, sempre que possível, coincidentes com as posições de encunhamento das alvenarias e de ligação alvenaria/estrutura
Ser, sempre que possível, coincidentes com as posições
de encunhamento das alvenarias e de ligação
alvenaria/estrutura
DESCOLAMENTO JUNTAS DE DESSOLIDAÇÃO Espaço regular cuja função é separar o revestimento para aliviar as tensões
DESCOLAMENTO
JUNTAS DE DESSOLIDAÇÃO
Espaço regular cuja função é separar o revestimento
para aliviar as tensões provocadas pela movimentação
da base ou do próprio revestimento.
•Cantos verticais
•Mudanças de direção do plano do revestimento
•Encontro da área revestida com pisos, forros,
colunas, vigas ou outros tipos de revestimento
•Mudança de material da estrutura suporte
Recomenda-se :
•Compensar a variação de bitola das placas •Atender a estética, harmonizando o tamanho das placas e
•Compensar a variação de bitola das placas •Atender a estética, harmonizando o tamanho das placas e
•Compensar a variação de bitola das placas
•Atender a estética, harmonizando o
tamanho das placas e as dimensões do pano
•Oferecer poder de acomodação às
movimentações
•Facilitar o perfeito preenchimento
•Facilitar a troca de placas cerâmicas

DESCOLAMENTO

JUNTAS DE ASSENTAMENTO

J UNTAS DE A SSENTAMENTO O PROBLEMA Destacamento de revestimento devido à infiltração de água por

JUNTAS DE ASSENTAMENTO

O PROBLEMA

Destacamento de revestimento devido à infiltração de água por deficiência de calafetação das juntas Permite acesso
Destacamento de revestimento
devido à infiltração de água por
deficiência de calafetação das juntas
Permite acesso de água na
argamassa de assentamento e no
corpo cerâmico das peças
Gera esforços nas mesmas por
dilatação e contração por absorção
de água
Possibilidade de formar pressão de
vapor d'água e eflorescências
localizadas no revestimento
J UNTAS DE A SSENTAMENTO O PROBLEMA Destacamento de revestimento devido à infiltração de água por
Antes do rejuntamento verificar existência de com cavo Realizar o Caso rejuntamento ocorra, 3 dias após
Antes do rejuntamento verificar existência de com cavo Realizar o Caso rejuntamento ocorra, 3 dias após
Antes do
rejuntamento
verificar existência
de com cavo
Realizar o
Caso
rejuntamento
ocorra,
3 dias após
CUIDADOS
substituir
assentamento
Limpar as
Umedecer
juntas de
as juntas
resíduos e
poeiras
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO

DEFICIÊNCIAS NA

EXECUÇÃO

D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO
D ESCOLAMENTO D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO Saliências no Tardoz Desempenadeira Tempo em aberto Assentamento

DESCOLAMENTO

DEFICIÊNCIAS NA EXECUÇÃO

D ESCOLAMENTO D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO Saliências no Tardoz Desempenadeira Tempo em aberto Assentamento

Saliências no Tardoz Desempenadeira Tempo em aberto Assentamento

D ESCOLAMENTO D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO Saliências no Tardoz Desempenadeira Tempo em aberto Assentamento
D ESCOLAMENTO D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO Saliências no Tardoz Desempenadeira Tempo em aberto Assentamento
D ESCOLAMENTO D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO Saliências no Tardoz Desempenadeira Tempo em aberto Assentamento
D ESCOLAMENTO D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO Saliências no Tardoz Desempenadeira Tempo em aberto Assentamento
D ESCOLAMENTO D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO Saliências no Tardoz Desempenadeira Tempo em aberto Assentamento
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO S ALIÊNCIAS NO T ARDOZ No caso de algumas placas prensadas

DEFICIÊNCIAS NA EXECUÇÃO

SALIÊNCIAS NO TARDOZ

No caso de algumas placas prensadas
No caso de algumas placas prensadas
Se maiores que 1 mm
Se maiores que 1 mm
Devem ser preenchidas com argamassa colante antes de serem assentadas sobre a argamassa estendia sobre a
Devem ser preenchidas com argamassa colante
antes de serem assentadas sobre a argamassa
estendia sobre a base
Método da dupla camada
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO S ALIÊNCIAS NO T ARDOZ No caso de algumas placas prensadas
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO D ESEMPENADEIRA Desgaste dos dentes comprometem a altura do cordão de

DEFICIÊNCIAS NA EXECUÇÃO

DESEMPENADEIRA

Desgaste dos dentes comprometem a altura do cordão de assentamento Diminui a aderência
Desgaste dos dentes
comprometem a altura
do cordão de
assentamento
Diminui a aderência
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO D ESEMPENADEIRA Desgaste dos dentes comprometem a altura do cordão de
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO T EMPO EM ABERTO Aplicação da argamassa colante em grandes áreas

DEFICIÊNCIAS NA EXECUÇÃO

TEMPO EM ABERTO

Aplicação da argamassa colante em grandes áreas de uma só vez
Aplicação da argamassa colante em grandes
áreas de uma só vez
Tempo entre o assentamento da primeira e a última peça pode ser superior ao tempo útil
Tempo entre o assentamento da primeira e a
última peça pode ser superior ao tempo útil
da argamassa colante, comprometendo a
aderência
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO T EMPO EM ABERTO Aplicação da argamassa colante em grandes áreas
T EMPO EM ABERTO : UM SIMPLES TESTE ... Estender a argamassa colante Assentar pedaços de
T EMPO EM ABERTO : UM SIMPLES TESTE ... Estender a argamassa colante Assentar pedaços de

TEMPO EM ABERTO:

UM SIMPLES TESTE...

Estender a argamassa colante Assentar pedaços de placa de 10 x 10 cm a cada 5
Estender a argamassa colante
Assentar pedaços de placa de 10 x 10 cm a cada 5
minutos até não se obter mais a aderência inicial
Em seguida, retira-se uma a uma, verificando em qual
placa há menos de 50% de argamassa a ela aderida
O tempo em aberto é o intervalo de tempo 5 minutos
menor que o registrado
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO A SSENTAMENTO Aplicar a argamassa Formar os cordões com os dentes
D EFICIÊNCIAS NA E XECUÇÃO A SSENTAMENTO Aplicar a argamassa Formar os cordões com os dentes

DEFICIÊNCIAS NA EXECUÇÃO

ASSENTAMENTO

Aplicar a argamassa
Aplicar a argamassa
Formar os cordões com os dentes da desempenadeira
Formar os cordões com os dentes da
desempenadeira
Assentar as placas ligeiramente fora da posição
Assentar as placas ligeiramente fora da posição
Arrastá-las e pressioná-las até a posição final
Arrastá-las e pressioná-las até a posição final
Bater uma a uma com martelo de borracha até serem posicionadas adequadamente
Bater uma a uma com martelo de borracha até
serem posicionadas adequadamente
Caso contrário, refazer assentamento antes do início do rejuntamento Imediatamente após o assentamento R ECOMENDA ÃO
Caso contrário, refazer assentamento antes do início do rejuntamento Imediatamente após o assentamento R ECOMENDA ÃO

Caso contrário, refazer assentamento antes do início do rejuntamento

Imediatamente após o assentamento

Caso contrário, refazer assentamento antes do início do rejuntamento Imediatamente após o assentamento R ECOMENDA ÃO

RECOMENDA ÃO

Ç

Verificar se pelo menos 50% da área argamassa

Remover aleatoriamente algumas peças

Caso contrário, refazer assentamento antes do início do rejuntamento Imediatamente após o assentamento R ECOMENDA ÃO
Caso contrário, refazer assentamento antes do início do rejuntamento Imediatamente após o assentamento R ECOMENDA ÃO
Caso contrário, refazer assentamento antes do início do rejuntamento Imediatamente após o assentamento R ECOMENDA ÃO
Caso contrário, refazer assentamento antes do início do rejuntamento Imediatamente após o assentamento R ECOMENDA ÃO
E FLORESCÊNCIAS
E FLORESCÊNCIAS
E FLORESCÊNCIAS
E FLORESCÊNCIAS

EFLORESCÊNCIAS

E FLORESCÊNCIAS
Consiste no surgimento na superfície no revestimento, de depósitos cristalinos de cor esbranquiçada, que comprometem a
Consiste no
surgimento na
superfície no
revestimento, de
depósitos cristalinos
de cor
esbranquiçada, que
comprometem a
aparência
Consiste no surgimento na superfície no revestimento, de depósitos cristalinos de cor esbranquiçada, que comprometem a
Surgem quando os sais solúveis da cerâmica, alvenaria ou argamassa são transportados pela água através dos
Surgem quando os sais solúveis da cerâmica, alvenaria ou argamassa são transportados pela água através dos
Surgem quando os sais solúveis da
cerâmica, alvenaria ou argamassa
são transportados pela água através
dos poros
Em contato com o ar, tais sais se
solidificam, causando depósitos
Em algumas situações (ambientes
constantemente molhados) e com
alguns tipos de sais (de difícil
secagem), estes depósitos
apresentam -se como uma
exsudação na superfície
Surgem quando os sais solúveis da cerâmica, alvenaria ou argamassa são transportados pela água através dos
A LGUMAS P RECAUÇÕES Reduzir o consumo de cimento Portland ou usar cimento com baixo teor

ALGUMAS PRECAUÇÕES

Reduzir o consumo de cimento Portland ou usar cimento com baixo teor de álcalis
Reduzir o consumo de cimento Portland ou
usar cimento com baixo teor de álcalis
Utilizar placas cerâmicas de boa qualidade
Utilizar placas cerâmicas de boa qualidade

•Queimadas em altas temperaturas

•Elimina os sais solúveis de sua composição e a

umidade residual

Garantir o tempo necessário para secagem de todas as camadas anteriores à execução de revestimento cerâmico
Garantir o tempo necessário para secagem de
todas as camadas anteriores à execução de
revestimento cerâmico
A LGUMAS P RECAUÇÕES Reduzir o consumo de cimento Portland ou usar cimento com baixo teor
T RINCAS , F ISSURAS E G RETAMENTO
T RINCAS , F ISSURAS E G RETAMENTO
T RINCAS , F ISSURAS E G RETAMENTO
T RINCAS , F ISSURAS E G RETAMENTO

TRINCAS, FISSURAS E

GRETAMENTO

T RINCAS , F ISSURAS E G RETAMENTO
Aparecem por causa da perda de integridade da superfície da placa cerâmica Pode se limitar a
Aparecem por causa da perda de integridade da superfície da placa cerâmica Pode se limitar a
Aparecem por causa da perda de
integridade da superfície da placa
cerâmica
Pode se limitar a um defeito estético (no
caso de gretamento), ou
Pode evoluir para um destacamento (no
caso de trincas)
Aparecem por causa da perda de integridade da superfície da placa cerâmica Pode se limitar a
Trincas •São rupturas no corpo da placa cerâmica provocadas por esforços mecânicos •Causam a separação das
Trincas •São rupturas no corpo da placa cerâmica provocadas por esforços mecânicos •Causam a separação das
Trincas
•São rupturas no corpo da placa cerâmica
provocadas por esforços mecânicos
•Causam a separação das placas em partes
•Aberturas superiores a 1 mm
Fissuras •São rompimentos nas placas cerâmicas •Aberturas inferiores a 1 mm • Não causam a ruptura
Fissuras
•São rompimentos nas placas cerâmicas
•Aberturas inferiores a 1 mm
• Não causam a ruptura total das placas
Gretamento •Série de aberturas inferiores a 1 mm •Ocorrem na superfície esmaltada das placas •Aparência de
Gretamento
•Série de aberturas inferiores a 1 mm
•Ocorrem na superfície esmaltada das placas
•Aparência de teia de aranha
Trincas •São rupturas no corpo da placa cerâmica provocadas por esforços mecânicos •Causam a separação das
C AUSAS Dilatação e retração das placas cerâmicas Deformação estrutural excessiva Ausência de detalhes construtivos Retração

CAUSAS

C AUSAS Dilatação e retração das placas cerâmicas Deformação estrutural excessiva Ausência de detalhes construtivos Retração

Dilatação e retração das placas cerâmicas Deformação estrutural excessiva Ausência de detalhes construtivos Retração da argamassa de fixação

C AUSAS Dilatação e retração das placas cerâmicas Deformação estrutural excessiva Ausência de detalhes construtivos Retração
C AUSAS Dilatação e retração das placas cerâmicas Deformação estrutural excessiva Ausência de detalhes construtivos Retração
C AUSAS Dilatação e retração das placas cerâmicas Deformação estrutural excessiva Ausência de detalhes construtivos Retração
C AUSAS Dilatação e retração das placas cerâmicas Deformação estrutural excessiva Ausência de detalhes construtivos Retração
C AUSAS Dilatação e retração das placas cerâmicas Deformação estrutural excessiva Ausência de detalhes construtivos Retração
DILATAÇÃO E RETRAÇÃO Ocorre quando há variação térmica e/ou de umidade •Quando ultrapassam o limite de
DILATAÇÃO E RETRAÇÃO Ocorre quando há variação térmica e/ou de umidade •Quando ultrapassam o limite de
DILATAÇÃO E RETRAÇÃO
Ocorre quando há variação térmica e/ou de
umidade
•Quando ultrapassam o limite de
resistência causam trincas e fissuras, e
•Quando ultrapassam o limite de
resistência do esmalte causam gretamento
Geram
tensões que :
D EFORMAÇÃO ESTRUTURAL EXCESSIVA Pode criar tensões na alvenaria que, quando não são completamente absorvidas, podem

DEFORMAÇÃO ESTRUTURAL

EXCESSIVA

Pode criar tensões na alvenaria que, quando não são completamente absorvidas, podem ser transferidas aos revestimentos
Pode criar tensões na alvenaria que,
quando não são completamente absorvidas,
podem ser transferidas aos revestimentos
Estes podem não resistir ao nível de tensões, rompendo -se
Estes podem não resistir ao nível de
tensões, rompendo -se
Muitas vezes destacam-se do substrato
Muitas vezes destacam-se do substrato
D EFORMAÇÃO ESTRUTURAL EXCESSIVA Pode criar tensões na alvenaria que, quando não são completamente absorvidas, podem
A USÊNCIA DE DETALHES CONSTRUTIVOS • Vergas e contravergas nas aberturas de janelas e portas •

AUSÊNCIA DE DETALHES

CONSTRUTIVOS

• Vergas e contravergas nas aberturas de janelas e portas • Pingadeiras nas janelas • Platibandas
• Vergas e contravergas nas
aberturas de janelas e portas
• Pingadeiras nas janelas
• Platibandas
• Juntas de movimentação
Tais como:
A USÊNCIA DE DETALHES CONSTRUTIVOS • Vergas e contravergas nas aberturas de janelas e portas •
R ETRAÇÃO DA ARGAMASSA DE FIXAÇÃO Ocorre quando se usa argamassa de fixação dosada em obra

RETRAÇÃO DA ARGAMASSA

DE FIXAÇÃO

Ocorre quando se usa argamassa de fixação dosada em obra em vez de argamassa colante industrializada
Ocorre quando se usa argamassa de fixação
dosada em obra em vez de argamassa colante
industrializada
A retração da argamassa causada pela hidratação do cimento podem causar um aperto ou “beliscão” na
A retração da argamassa causada pela hidratação
do cimento podem causar um aperto ou “beliscão”
na placa cerâmica que, por estar firmemente
aderida a argamassa, pode tornar a superfície
convexa e tracionada, causando gretamento,
fissuras ou mesmo trincas nas placas cerâmicas
R ETRAÇÃO DA ARGAMASSA DE FIXAÇÃO Ocorre quando se usa argamassa de fixação dosada em obra
ATÉ A PRÓXIMA SEMANA! BOA NOITE!
ATÉ A
PRÓXIMA
SEMANA!
BOA NOITE!