Você está na página 1de 2

Vettel desta vez não pôde escalar o Monte Fuji

10/X/13

Suzuka

Sebastian Vettel, da Red Bull, vai iniciar hoje sua preparação para a corrida no circuito de Suzuka, domingo, prova que pode lhe dar, aos 26 anos, o tetracampeonato, da mesma maneira que as demais 14 etapas já realizadas. Com a diferença de 12 horas entre o horário de Brasília e o do Japão, os carros entram na pista favorita da maioria dos pilotos, para o primeiro treino livre, hoje, às 22 horas, 10 horas de sexta-feira no autódromo.

“Procuro focalizar a atenção no meu trabalho e pensar no campeonato apenas depois da bandeirada”, diz Vettel. Para definir o quarto título seguido já domingo precisa vencer no Japão e torcer para Fernando Alonso, da Ferrari, terminar no máximo na nona colocação. Se o espanhol for o oitavo a decisão será adiada para a prova seguinte, o GP da Índia, dia 27. Vettel soma 272 pontos e Alonso, 195.

Mas apesar de não pensar na possibilidade de mais uma vez celebrar uma conquista extraordinária, como diz, sua preparação não pode permiti-lo excessos como o de 2008. Naquela temporada, a segunda na Fórmula 1, pela Toro Rosso, pouco antes do GP do Japão no Circuito Fuji Speedway escalou o Monte Fuji, a maior montanha do Japão, um vulcão ativo. Vettel tinha, então, 21 anos.

Nos dias de hoje não é possível imaginarVettel, apenas cinco anos mais tarde, realizando a mesma proeza poucos dias antes do GP que pode lhe colocar ao lado de Juan Manuel Fangio e Michael Schumacher, os únicos tetracampeões da história. Alain Prost também ganhou quatro vezes o Mundial, mas não em anos sucessivos, como se espera que aconteça com Vettel, e foi o caso de Fangio, de 1954 a 1957, e Schumacher, de 2000 a 2003. O piloto da Ferrari seria ainda pentacampeão, em 2004.

“Escalar não é bem o que se pode dizer”, disse Vettel, nesta quinta-feira, em Suzuka, sobre subir até o pico do Monte Fuji. “Você não precisa de uma corda lá.” O caminho não é íngreme, há trilhas bem definidas e é possível seguir de carro até ponto avançado da subida. “Começamos bem cedo, eu e Alexander Wurz (austríaco, ex-piloto da Fórmula 1, de 1997 a 2007). Foi divertido. Atingimos o cume, depois de boa caminhada, quando o sol estava nascendo, o que foi muito especial”, comentou Vettel.

“Várias pessoas nos disseram para não subir porque estaria muito frio, o ano já avançava bastante (outubro, também, portanto outono), mas não foi um problema. Claro, estava muito frio enquanto ainda era noite, mas não em demasia”, lembra o piloto da Red Bull. “Foi uma grande experiência, é muito alto, perto de 4 mil metros acima do nível do mar, realmente único.” O Monte Fuji tem 3.776 metros.

Ao voltar a falar do campeonato em curso, Vettel não concordou com a comparação feita entre esse seu período de sucesso e o de Michael Schumacher, de 2000 a 2004. Para o piloto da Red Bull, a dominância de Schmacher era bem maior. O piloto da Red

Bull vem de quatro vitórias seguidas, oito da temporada, e está prestes a ser tetra. “A única exceção foi Cingapura, em que a vantagem que conseguimos foi incrível, dois segundos mais rápidos por volta dos carros atrás de nós, mas é preciso ver quem estava atrás e com que pneus”, argumentou Vettel.

Atrás de Vettel em Cingapura estava Nico Rosberg, da Mercedes, com um carro menos rápido, por exemplo, que Fernando Alonso, da Ferrari, o que, segundo Vettel, facilitou para ser tão mais veloz que os demais. “Se você tomar como exemplo a Coreia, a diferença entre nós (primeiro e segundo colocado) ficou entre três e seis segundos a corrida toda.”

E volta a abordar a era de ouro de Schumacher: “Há dez anos, essa diferença era de 30 a 60 segundos, que é enorme. Não me levem a mal, é legal dispor de uma vantagem de três segundos, como a minha, mas você sabe que ao mais simples erro… três segundos representam nada comparado a 30 ou 60”.

Desde o ano de estreia na Fórmula 1 no meio da temporada de 2007, Vettel disputou seis edições do GP do Japão, os de 2007 e 2008 em Fuji, com Toro Rosso, e os demais em Suzuka, já pela Red Bull. Largou na pole position nas últimas quatro edições da prova e venceu em 2009, 2010 e 2012, sendo que em 2011 terminou em terceiro. Com a Red Bull, portanto, sempre foi ao pódio. Não se espera menos desta vez.