Você está na página 1de 14

0 0

Rodrigo Carlos Silva de Lima

rodrigo.uff.math@gmail.com

1

Sum´ario

1

0 0

1.1

1.2

1.3

Algumas utilidades da defini¸c˜ao 0 0

.

.

.

.

.

.

.

.

.

1.1.1 Produto sobre o conjunto vazio

.

.

.

.

.

.

.

 

´

1.1.2 Algebra linear .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

1.1.3 S´eries de potˆencias e polinˆomios

 

.

.

.

1.1.4 Binˆomio de Newton

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

1.1.5 Potˆencia fatorial

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Soma geom´etrica

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Identidades

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

1.3.1

Uma identidade com diferen¸cas

.

.

.

.

.

.

.

1.4 Defini¸c˜ao de potˆencia de base real e expoente inteiro.

1.5

1.6

1.7

1.8

1.4.1

1.4.2

Resposta a argumentos contr´arios

1.5.1

.

.

Aplica¸c˜oes

1.6.1

1.6.2 Logaritmo , reta estendida e teoria da

. Textos que s˜ao contr´arios a defini¸c˜ao

Textos que adotam a defini¸c˜ao

1.5.3

1.5.2

. N´umeros de Stirling do segundo tipo

Identidade de Worpitzky

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Regra a bc = a a b

c

Limites

.

.

Continuidade

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Delta de kronecker

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

2

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

3

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

3

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

3

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

6

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

8

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

8

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

8

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

9

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

10

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

10

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

 

.

.

.

.

.

.

.

.

12

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

Cap´ıtulo 1

0 0

O objetivo deste texto ´e mostrar alguns casos onde a defini¸c˜ao 0 0 = 1 ´e util´ em

matem´atica, algumas manipula¸c˜oes necessitam de conceitos como c´alculo, interpola¸c˜ao e

outras t´ecnicas( essas t´ecnicas s˜ao usadas livremente).

1.1 Algumas utilidades da defini¸c˜ao 0 0

0 0 := 1, aqui algumas justificativas para a escolha.

1.1.1 Produto sobre o conjunto vazio

Defini¸c˜ao 1. Um conjunto A ´e finito, quando ele ´e vazio ou quando existe uma bije¸c˜ao

f entre o conjunto I n = {1, 2,

, n} = {x N|1 x n}, f : I n A.

Defini¸c˜ao 2 (Parti¸c˜ao em conjuntos ). Seja A um conjunto , dizemos que uma decom-

posi¸c˜ao de A = B C com B C = ´e uma Parti¸c˜ao de A.

Se tomarmos B = A e C = , temos B ∪ ∅ = A e B ∩ ∅ = , logo ´e uma Parti¸c˜ao de

A, essa Parti¸c˜ao ´e chamada de Parti¸c˜ao trivial.

Defini¸c˜ao 3 (Produto sobre conjuntos finitos). Sejam A um conjunto finito, f : A R,

uma fun¸c˜ao que associa elementos de A (quando esse possui elementos) em R(Poderia ser

3

CAP ´ ITULO 1.

0 0

4

outro conjunto onde tem-se com o produto um grupo abeliano), se A ´e vazio definimos

f(k) = 1

kA

f(k) = 1.

k∈ ∅

Se A possui 1 elemento a 1 , definimos

f(k) = f(a 1 ).

kA

Se A possui mais de um elemento, tomamos uma Parti¸c˜ao de A = B C e definimos

kA

f(k) =

kBC

f(k) = f(k). f(k)

kB

kC

Se tomarmos a Parti¸c˜ao trivial, temos

kA

f(k) =

kA∪∅

f(k) = f(k). f(k) = 1. f(k) = f(k)

k∈∅

kA

kA

kA

Vamos considerar agora o caso do produt´orio sobre um conjunto finito A que tenha mais de um elemento, seja esse n´umero de elementos n + 2 vamos tomar um elemento qualquer a k em A, tomando como o conjunto B o conjunto que cont´em apenas esse elemento e como conjunto C o conjunto A sem esse elemento, isto ´e B = {a k } e C = A − {a k }, a interse¸c˜ao desses conjuntos ´e vazia e sua uni˜ao ´e o conjunto A, A−{a k }∩{a k } =

e A − {a k } ∪ {a k } = A, o conjunto C possui n + 1 elementos, escrevemos ent˜ao

f(k) = f(k). f(k) =

kA

kC

kB

kA−{a k }

f(k).

k∈{a k }

f(k) = [

kA−{a k }

f (k)].f (a k )

podemos continuar esse processo at´e que o conjunto tenha apenas 1 elemento onde apli- camos a defini¸c˜ao do produt´orio sobre conjunto unit´ario,

Defini¸c˜ao 4. Seja I n o conjunto de n´umeros naturais de 1 at´e n, I n = {1 k n, k N },

e a fun¸c˜ao f definida nesse conjunto com valores no conjunto R, definimos

n

k=1

f (k) :=

kI n

f(k)

CAP ´ ITULO 1.

0 0

5

O n´umero n ´e chamado limite superior e 1 de limite inferior. Se n = 0 o conjunto ´e vazio,

logo temos

0

k=1

f(k) = 1.

Al´em disso temos a propriedade de abertura de limite superior que vamos usar a seguir

n+1

f(k) = [

k=1

n

f (k)].f (n + 1)

k=1

esta propriedade ´e v´alida, pois tomamos a seguinte Parti¸c˜ao do conjunto

A = {k N|1 k n + 1} = {k N|1 k n} ∪ {n + 1}.

Podemos definir

n

x = x n

k=1

caso n = 0, temos o produto sobre conjunto vazio, que foi definido como 1, pois o limite superior ´e menor que o inferior

x = 1 = x 0

0

k=1

, isto sendo v´alido para qualquer x em especial para x = 0

0

0 = 1 = 0 0 .

k=1

Essa defini¸c˜ao tamb´em serve para o fatorial

´

n 0

n! =

k=1

(k) 0! =

k=1

(k) = 1.

1.1.2 Algebra linear

Definimos sempre que T 0 = I, onde T ´e um operador linear, se T (v) = λv temos que T k (v) = λ k v, se k = 0 queremos T 0 (v) = I(v) = v independe de λ, ent˜ao com λ = 0

T 0 (v) = 0 0 v = v.

CAP ´ ITULO 1.

0 0

6

1.1.3 S´eries de potˆencias e polinˆomios

Tomando por exemplo a s´erie de potˆencia de e x

temos que e 0 = 1

e 0 = 1 =

e x =

k=0

x k

k!

k=0

0

k

k!

= 0 0

0! +

k=1

0

k

k!

na s´erie a direita temos o expoente maior que zero, ent˜ao o resultado ´e zero, podendo

escrever

e 0 = 1 = 0 0 .

Em polinˆomios temos o mesmo

p(x) =

n

k=0

a k x k

queremos p(0) = a 0 o termo constante

p(0) =

n

a k 0 k = a 0 0 0 +

k=0

n

a k 0 k = a 0

k=1

isto ´e, x 0 = 1 para qualquer x inclusive 0 simplifica a escrita teoria de s´erie de potˆencias

e polinˆomios.

Sequˆencias

Podemos escrever a sequˆencia que tem primeiro termo 1 e todos seguintes zero, usando

0 n , 0 0 = 1 e 0 n+1 = 0

(1, 0, 0,

).

Podemos deduzir isso tomando a sequˆencia f (0) = 1 e f (n + 1) = 0 para todo n, por

interpola¸c˜ao podemos achar a f´ormula fechada para essa sequˆencia, usando

temos que

k f (0) = (E1) k =

k

s=0

(

k

s

f(n) =

n

k=0

(

n

k

) (1) ks E k f (0) =

) k f (0)

k

s=0

(

k

s

) (1) ks f(k) = ( k ) (1) k f (0) = (1) k

0

CAP ´ ITULO 1.

0 0

7

todos outros termos do somat´orio se anulam pois f (n + 1) = 0 para n natural logo temos

a sequˆencia expressa como

f(n) =

n

k=0

(

n

k

) k f (0) =

n

k=0

(

n

k

) (1) k = (1 1) n = 0 n .

1.1.4 Binˆomio de Newton

Temos

(x + y) n =

n

k=0

(

n

k

) x nk y k

no caso trivial se fizermos y = 0

(x + 0) n = x n

=

n

k=0

(

n

k

) x nk 0 k = ( n

0

) x n0

0 0

=1

+

n

k=1

Se tomamos x = 1 y = 1, temos

(1 1) n = 0 n =

n

k=0

(

n

k

) 1 nk (1) k =

n

k=0

(

(

n

k

n

k

)

) x nk . 0 k

=0

(1) k

=

x n .

observe que para n = 0, temos no lado direito

0

k=0

(

0

k ) (1) k = ( 0

0 ) (1) 0 = 1 = 0 0 .

1.1.5 Potˆencia fatorial

A potˆencia fatorial de passo h ´e definida como

x (0,h)

= 1

x (n+1,h) = x (n,h) (x n.h)

Para todo x real e n natural, ´e f´acil mostrar que x (n,0) = x n .

Ent˜ao se tomamos n = 0 e h = 0 temos pela defini¸c˜ao

x (0,0) = 1 = x 0 = 1

CAP ´ ITULO 1.

0 0

8

1.2 Soma geom´etrica

tomando x = 0

logo

1.3 Identidades

0

k=0

0

n

k=0

x k = x n+1 1 x 1

k

= 0 n+1 1

0 1

= 1

1 = 1

0

0 k = 1 = 0 0 .

k=0

Algumas identidades valem para todo n natural quando tomamos 0 0 = 1

1.3.1 Uma identidade com diferen¸cas

Definimos o operador delta como

0 f(x) = f(x)

n+1 f(x) = ∆ n f (x + 1) f (x)

para todo n natural.

Podemos demonstrar que

n x n = n!

para qualquer x em especial, ´para que a propriedade seja v´alida para n = 0 = x, temos

que ter 0 0 = 0! pois

0 0 0 = 0 0 = 0!

por´em 0! = 1, ent˜ao ter´ıamos que 0 0 = 1.

A mesma identidade vale com derivadas

, com x = 0 = n tem-se

D n x n = n!

D 0 0 0 = 0! = 0 0 = 1.

CAP ´ ITULO 1.

0 0

9

1.4 Defini¸c˜ao de potˆencia de base real e expoente inteiro.

Podemos definir a potˆencia de base real e expoente natural da seguinte maneira

Defini¸c˜ao 5.

para n natural e x real.

x n :=

n

x

k=1

Propriedade 1. Para n = 0 , como j´a vimos, o produt´orio ´e vazio, logo o resultado ´e 1

( que ´e o elemento neutro do produto), para qualquer valor de x real, incluindo 0, temos

ent˜ao

0

k=1

x = 1 = x 0 .

Podemos definir tamb´em a potencia¸c˜ao, da seguinte maneira

Defini¸c˜ao 6.

x 0 = 1

x n+1 = x n .x

para qualquer x real e n natural.

Vamos mostrar que as defini¸c˜oes s˜ao equivalentes. Partindo da primeira defini¸c˜ao, vamos mostrar que vale a segunda defini¸c˜ao

x 0 =

0

x = 1

k=1

logo a primeira propriedade vale, mostrando a segunda

x n+1 =

n+1

k=1

x = [

n

k=1

x]x = x n .x

logo vale a segunda propriedade e defini¸c˜ao. Para mostrar que vale

n

x = x n

k=1

CAP ´ ITULO 1.

0 0

10

partindo da segunda defini¸c˜ao, podemos usar indu¸c˜ao sobre n, para n = 0 temos a propri-

edade verdadeira, pois temos 1 como resultado para ambas express˜oes, supondo a validade

para n

vamos provar para n + 1

Temos que

logo est´a provado.

n+1

x = [

k=1

n

k=1

n+1

k=1

n

x = x n

x = x n+1

x]x = x n .x = x n+1

k=1

1.4.1 Identidade de Worpitzky

A identidade de Worpitzky vale para x = 0 = n

x n =

n

k=0

n

k

( x + k

n

0 ⟩( 0 0 0 = 0

0 ) = 1.

)

1.4.2 N´umeros de Stirling do segundo tipo

Exemplo 1. Vale a identidade


n

k

Tomando n = 0

n

0

como

 

0

= 1 chegamos em 0 0 = 1.

 

0

=

k!

k x n

x=0

.

=

x n

x=0

= 0 n

CAP ´ ITULO 1.

0 0

11

1.5 Resposta a argumentos contr´arios

1.5.1

Regra a mn = a m

a n

A regra de potˆencia a bc = a c n˜ao vale para a base 0, pois caso valesse o n´umero 0

= 0 21

a

=

0 2

0 1

= 0 0 ent˜ao n˜ao faz sentido o argumento contr´ario

b

seria indefinido 0 = 0 1

dizendo que 0 0 = 0 11 = 0 0 1

o erro est´a em considerar que a propriedade de subtra¸c˜ao de expoentes vale para base

a = 0, que n˜ao vale, pois tal propriedade ´e demonstrada para a ̸= 0.

0 0 , pois se essa regra vale ent˜ao 0 tamb´em ´e indefinido,

1

=

1.5.2 Limites

Argumento que limites n˜ao devem ser levados em considera¸c˜ao para defini¸c˜ao ou n˜ao

x0 h(x) = 0 ent˜ao a princ´ıpio nada podemos afirmar sobre

lim

0 0 .

de

x0 g(x) h(x) . Por´em quando definimos limite

lim

Se

x0 g(x) =

lim

0

e

x0 f(x) = L

lim

da maneira

ε > 0δ > 0 | 0 < |x| < δ ⇒ |f(x) L| < ε

n˜ao importa o valor de f em 0, ela pode estar definida como por exemplo, f : R R dada

por f (x) = 3 para x = 0 e f (x) = 0 se x ̸= 0, o valor da fun¸c˜ao em 0 n˜ao importa para

defini¸c˜ao de limite, ela poderia n˜ao ser definida em x = 0 tamb´em. Ent˜ao sustento que

argumento de limite n˜ao deveriam ser levados em considera¸c˜ao em defini¸c˜oes aritm´eticas

(pontuais).

1.5.3 Continuidade

Argumento que continuidade de fun¸c˜oes tamb´em n˜ao devem a princ´ıpio serem con-

sideradas para a defini¸c˜ao de 0 0 . Pois uma dada fun¸c˜ao qualquer f ela a princ´ıpio n˜ao

precisa ser cont´ınua.

CAP ´ ITULO 1.

0 0

12

1.6

Aplica¸c˜oes

1.6.1 Delta de kronecker

Defini¸c˜ao 7 (Delta de Kronecker). Sejam a e b n´umeros reais, definimos o Delta de

kronecker δ (a,b) , como

se a ̸= b

se a = b .

δ (a,b) = 0

δ (a,b)

= 1

Podemos escrever o delta de kronecker usando a identidade 0 0 = 1.

Propriedade 2.

δ (a,b) = 0 |ab|

Pois se a = b temos a b = 0 e |a b| = |0| = 0 e pela defini¸c˜ao

0 0 = 1. Agora se a ̸= b temos a b ̸= 0 e |a b| = p um n´umero positivo, e temos 0 p = 0,

por propriedade de potˆencia.

Demonstra¸c˜ao.

1.6.2 Logaritmo , reta estendida e teoria da medida.

Na teoria de medida e integra¸c˜ao temos a defini¸c˜ao 0.(±∞) = 0 = (±∞).0, sabemos tamb´em que lim + ln x = −∞, ent˜ao podemos definir na reta estendida ln 0 = −∞ a propriedade ln x p = p ln x fica sendo v´alida para x = 0 e qualquer p 0 real quando adotamos 0 0 = 1. Se p > 0, temos ln 0 p = ln 0 = () = p ln 0 = p(−∞) = () pois na reta estendida tem-se a defini¸c˜ao se p > 0 ent˜ao p(−∞) = () Se p = 0, ln 0 0 = ln 1 = 0 e por outro lado ln 0 0 = 0 ln 0 = 0(−∞) = 0 com a defini¸c˜ao 0(−∞) da teoria da medida.

x0

CAP ´ ITULO 1.

0 0

13

1.7 Textos que adotam a defini¸c˜ao

1.8 Textos que s˜ao contr´arios a defini¸c˜ao