Você está na página 1de 4

Ideologia, Cultura e Controle Social – reflexões e problemas

complemento aos textos “Os conceitos de cultura e ideologia”,


de Regina Aída Crespo, e “Cultura”, de Joel M. Charon.

1) Uma primeira e necessária observação é que a ideologia não é, de modo algum, apenas um conjunto de
idéias sobre o mundo e que apenas pretende explicá-lo. Ela é mais que isto, é um conjunto de idéias e
valores que impulsionam as pessoas para a ação. A ideologia tem força propulsora sobre o
comportamento das pessoas. Ela orienta o comportamento, as decisões e encaminha à ação. Mesmo se
nos omitimos estamos, de algum modo, tomando uma posição perante a situação. Ou seja, a ideologia
é sempre e necessariamente uma tomada de posição. Simplesmente não podemos não tomar partido
sobre as coisas que acontecem a nossa volta. Mesmo a omissão é uma forma de tomarmos partido
sobre algo.

2) A ideologia tem tudo a ver com algo que a filósofa Marilena Chauí chama de “discurso competente”. O
discurso competente é o discurso pronto e acabado, o discurso do especialista, o discurso instituído.
Isto significa o seguinte: o conhecimento é um trabalho que visa produzir o esclarecimento sobre algo
não conhecido, produzir o saber. Entretanto, cada sociedade (e em cada momento histórico específico)
produz determinados saberes que são cristalizados em um tipo de conhecimento sobre as coisas e que
não podem mais serem questionados, tornaram-se um discurso que nos fala da “verdade” das coisas.
Ora, hoje em dia, por exemplo, o homem passou a relacionar-se com a natureza mediado pelo discurso
das ciências biológicas, com a criança pelo discurso pediátrico e pedagógico, com os problemas
econômicos por meio do discurso da economia, com a sexualidade e o próprio corpo através do
discurso da psicologia, da medicina e da biologia, com a sociedade por meio do discurso da sociologia.
A lista é interminável. A lógica perversa deste tipo de situação é que nem todos podem dizer qualquer
coisa a qualquer outro, em qualquer lugar e em qualquer momento. Ou seja, esta ideologia produz
em nós um sentimento de impotência e ignorância porque passamos a crer que somente os especialista
têm razão e autoridade para dizer as coisas.

3) A ideologia para Karl Marx, filósofo do século XIX, foi reinterpretada pelo filósofo italiano, Antônio
Gramsci no século XX, que procurou relativizar um pouco a concepção marxista, compreendendo-a
não como uma falsa consciência (concepção de Marx), mas como uma visão de mundo. Desse modo,
existiriam diversas ideologias que concorreriam entre si na sociedade. Existiriam a ideologia da classe
dominante, que seria a ideologia dominante, mas também a ideologia das classes populares e
subalternas (como Gramsci as denomina). Isto porque Gramsci preocupava-se com a idéia de
pensarmos, erroneamente, que apenas as classes dominantes teriam cultura e conhecimento, que os
marxistas viam como sua ideologia. Uma outra crítica fundamental ao pensamento marxista, que
produziu frutos importantes para compreendermos a questão da ideologia, foi feita por Max Weber,
2

sociólogo alemão do início do século XX. Segundo ele, não podemos afirmar que exista uma
determinação da economia sobre as idéias presentes numa sociedade. E por quê? Porque, em primeiro
lugar, Marx não definiu com clareza o que ele chamou de econômico; em segundo lugar, porque não
há meios de prova sobre esta influência, a da infraestrutura. Afirmar que a superestrutura é
determinada pela infra-estrutura e tomar esta afirmação como explicação de outros fenômenos é ser
muito pouco científico na medida em que não temos como provar isto de modo definitivo. Weber fez
distinção entre três categorias: econômico, economicamente relevante e economicamente
condicionado. E definiu “econômico como as ações conscientes que visem adquirir uma utilidade”.
Ora, a religião pode influenciar decisivamente nossas necessidades e predisposição de conseguir uma
utilidade. Assim, as práticas religiosas não são econômicas, mas são economicamente relevantes. Do
mesmo modo, em suas pesquisas Weber descobriu como o Calvinismo foi um fenômeno
economicamente relevante e, ao mesmo tempo, economicamente condicionado (ver A ética protestante
e o espírito do capitalismo). Resumindo: existem fenômenos que não podem ser classificados como
econômicos, mas podem ser relevantes para se compreender o desenvolvimento da economia, ao
contrário, existem fenômenos que são, de fato, influenciados ou condicionados pela economia. Apenas
uma pesquisa pode determinar isto.Por fim, temos ainda as reflexões de Louis Dumont, antropólogo
francês que viveu vários anos na Índia e pesquisou seu sistema de castas. Dumont define ideologia
como “um conjunto mais ou menos social de idéias e valores. Pode-se, assim, falar da ideologia de
uma sociedade e também das de grupos mais restritos, como uma classe social ou um movimento [...]
É evidente que existe uma ideologia-mãe ligada à linguagem comum e, portanto, ao grupo lingüístico
ou à sociedade global. Certamente existem variações - às vezes contradições - segundo os meios, como
por exemplo as classes sociais, mas elas são expressas na mesma linguagem: proletários e capitalistas
falam francês na França, caso contrário não poderiam opor suas idéias, e em geral têm em comum
muito mais do que podem pensar com relação, digamos, a um Hindu. O sociólogo necessita de termo
para designar a ideologia global e não pode se inclinar diante do uso especial que limita a ideologia às
classes sociais e lhe dá um sentido puramente negativo, lançando assim com fins partidários o
descrédito sobre as idéias ou ‘representações’ em geral”. E ainda afirma que: “a ideologia é central
com relação ao conjunto da realidade social (o homem age conscientemente, e acedemos diretamente
ao aspecto consciente de seus atos) [...] Ela não é toda a realidade social, e o estudo tem seu resultado
na tarefa difícil do posicionamento relativo dos aspectos ideológicos e do que se pode chamar de
aspectos não ideológicos. Tudo o que se pode supor a priori é que normalmente existe uma relação de
complementaridade, aliás variável, entre uns e outros”. Ora, vemos, então, que a ideologia é um
conjunto de idéias e valores ou, melhor dizendo, um conjunto de idéias-valor porque envolvem visões
sobre as coisas, a natureza, o ser humano, a sociedade e seus problemas, mas também envolvem
sentimentos, percepções, relações afetivas. Dumont encontrou em suas pesquisas algo que nega a
afirmação, na concepção marxista, de que a ideologia é determinada; ele demonstra como, ao menos
no caso da Índia, ela determina o comportamento das pessoas muito mais do que se imagina tornando-
3

se, assim, um elemento determinante daquela sociedade.

4) Sabemos que as sociedades são estratificadas, ou seja, estão divididas em camadas sociais. Sabemos
que existem as classes sociais e que a sociedade diferencia as pessoas conforme sua posição no
processo de produção (divisão social do trabalho que leva à divisão por classes sociais). Mas as
pessoas também criam outras fronteiras e os grupos sociais vão se diferenciando não somente pelas
classes sociais, mas conforme opções políticas, diferenças etárias, religiosidade, estilo de vida, enfim,
por meio de conjuntos de símbolos que são manipulados para criarem as identidades dos grupos
sociais. A essas diferenças entre os grupos sociais podemos chamar de suas ideologias (ou culturas);
entretanto, estas não estão determinadas apenas pelas suas condições de classe, nem por uma questão
puramente econômica. Neste ponto é difícil diferenciar “ideologia” de “cultura”, considerando que são
conceitos forjados em tradições disciplinares distintas e que, muitas vezes são usados para explicarem
fenômenos semelhantes. A exceção de Dumont, um antropólogo prefere o termo “cultura”; ao
contrário, os sociólogos preferem “ideologia”. O mais importante, talvez, seja percebermos que os
homens criam representações imaginárias sobre tudo: as pessoas, as suas relações, as coisas, a vida, a
sociedade. Estas representações fazem parte do que chamamos ideologia ou cultura e dão sentido à
nossa vida. E o lugar destas representações varia também conforme o pesquisador: para uns ela é
determinada e, portanto, explicada, pela estrutura social (organização social, infra-estrutura econômica,
sistema político etc.); para outros ela é determinante da estrutura social, um elemento originário que
guarda uma dimensão de autonomia em relação aos demais elementos da vida social.

5) Para a antropologia interpretativista (de influência fenomenológica e hermenêutica), a cultura seria


“uma rede de significados”, nos dizeres de Clliford Geertz. Para este antropólogo, os homens criam
significados e tudo o que fazem, fabricam, comem, sentem, vestem, realizam e pensam tem sentido
para eles. Os homens doam sentidos às coisas e estes sentidos ou significados constituem cultura. Para
Geertz, a cultura seria como que um programa de computador que determina e orienta a ação; sem o
qual, aliás, o ser humano seria uma monstruosidade, um caos disforme. Para que tenhamos uma idéia
clara da dimensão que o conceito de cultura tomou, lembremos Lévi-Strauss que, questionando
Malinowski (a cultura como resposta a necessidades biológicas), disse que as coisas não são boas para
pensar porque são boas para comer, mas ao contrário, são boas para comer porque são boas para
pensar. Ao contrário de Weber – que diz que podemos compreender o sentido de toda ação humana
porque ela é racional –, Geertz afirma que a ação humana é racional porque tem sentido, isto é, a
própria racionalidade possui um sentido para nós. Nesta linha de pensamento, a cultura englobaria tudo
e aqui voltamos ao problema levantado por Regina Aída Crespo, o da limitação do conceito de cultura,
até para que ele se torne mais útil e produtivo. A discussão é interminável e polêmica: não podemos
pretender fazer afirmações ditas científicas e resolvermos o debate de modo simples. Afinal, o grande
enigma do homem é que ele mesmo constrói as realidades imaginárias em que vive e compreendê-las –
4

para explicar o homem que as fabrica – seria compreender seu processo de construção, o que ao final
demandaria novas construções imaginárias em que o próprio pensamento exigiria uma explicação,
como se ao homem fosse possível afastar-se de si mesmo e tomar-se como mero objeto.