Você está na página 1de 313
——™———( e— 12 ite ~ 1999 -3"tinge 12 efile 1991 tinge eign — 1978 1 edie ~ 1992-5 tenga adeno 973 1 ede ~ 192-6 tiger ‘diay — 1895 12" edie 1993 ~ Menger. fad 1977 1a ete ~ 1984 Gheogio 1978 2Yegem 1 cia 1954 eto = 1979 sedis ~ 1995 ego 1981 te edit ~ 1995 1 ett 1989 19% eit ~ 196 or eg 1984 1 eigh — 1997 = Page yt it~ 1986 i edo 1997-3 tinge 124 edo = 1989 = 1 ei 1 } jen) Tr edgbo ~ 1997 = tage 1990-2 cragem 18 ato ~ 1978 COPYLUX Copiadora Xi.de Agosto, Wt edo ~ 1998-7 tinge a eto ~ 1999-3 ger feito — 1999 gern Is esto — 1999 2e eis - 2000 2 eg 2000 2 edo 2000 Bt eico - 2001 24 eet ~ 2001 eile = 2001 2 tne 25 edge ~ 2002 25 dhe ~ 2002 7 tinge 2g elo - 2002-3" agen 26 eligi ~ 2007 ORLANDO GOMES CONTRATOS 26" edigdo Coordenador: Edvaido Brito “Atualizadores: Antonio Junqueira de Azevedo Francisco Paulo De Crescenzo Marino dUSTIOA 49 GRAU EM SAO PAULO BIBLIOTECA CENTRAL Rio de Janeiro 2008, tee eee eee Capitulo 1 INTRODUCAO. Ea Sumbrio: 1. Conceito de contrato, 2. Formagto histrica¢ pressu- Postosideol6gicos. 3. O contro no Direito contemporéneo, 4. O contrato no Diteito das Obrigages. 5. Concepedes de contrao, 6.0 contrato como ‘norma. 7. O.contato em nove conteto, 8. A declarapto de vontade dot contratants, 9. Aspecto material e documenta do contrat, 10. Sigh ado do contrato. I, Fungao eondmics do contato. 1. Conceito de contrato. A renovagdo dos estudos juridicos & a conv ‘80 crescente da necessidade de completé-los com os subsidios de 01 ‘tas cincias humanas, notadamente a Sociologia, a Politica ea Econot induzem tratamento novo dos institutos juridicos tradicionais que distinguem © Direito Privado, dentre os quais 0 contrato. Tanto significaria o aban- dono da posicdo manwalistica’ assumida nos compéndios ¢ cursos adotados nas escolas de cnsino juridico, até mesmo os de elaboragtio mais recente. Justifica-se até certo ponto essa orientagao dos aigores dé tais textos por ser verdadeira a observagio de que ainda nos encontramos na época da ciéncia juridica que se inicia com Savigny.? O modelo teérico sobre o qual trabatham, sugerido pela disciplina legal codificad, continua 4 ser, a despeito das alterapdes que o deformam, aquele tuxiado pelos expoentes da escola das Pandectas, Nao € possivel afasté-Igfifteiramen- te numa obra didética, mas cumpre descrevé-lo & luz dos fatps que t8m ‘ concorrido para a deformwsto, fazendo, quando menos, ortopedia do ins: tituto que se analisa, se a natureza da obra desaconselha tratamento pu- ramente criti. 1 Barcellons, “Dito Private Processo Econdmico", passim Sato « Giurste, coma colaboracdo de Couture 2 Lorena, Methodentchre dir Rechtswissentchaf, natraduo italian Stora del Merodo - nella Scienza Giuridica FESSSSSSOSSSSESSESESESCSSSSSSSSESSEGS Orlando Gomes ae 0 conceito de conirato é, conforme o ensinamento dessa escola, fo de uma categoria geral e abstrata reduzida 4 unidade no sistema cconceitual, segundo as regras da légica formal, O sistema assemelha~ se a unna pirdmide em cujo vértice se encontra um conceito generalissimo ‘a0 qual se reconduzem os restantes conceitos, como outros tantostipos « subtipos, levando esse método do pensamento formal & jurisprudé ‘cia dos conceitos.} Na sequéncia desse pensamento, Puchta estabele- ce a conex3o ldgica dos conceites como a suprema tarefa do jurista, explicando que, para possuir a consciéncia sistemitica, é preciso es- tar em condigdes de acompanhar em sentido ascendente e descendente a proveniéncia de qualquer conceito através de todos os termos médios que partcipam de sua formagéo.* "A escala na genealogia do conceito de contrato sabe a0 negécio ju- ridico, (RA) conceito adotado pelo Codigo Civil,’ muito embora sem de higlo legislativa express, dai para o ato juridico* e, por fim, (RA) para o fato juries. ‘Nessa perspectiva, 0 contrato & uma espécie de negdcio juridico que se distingue, na formasdo, por exigir a presenga pelo menos de duas partes, Contrato 6, portanto, negécio juridico bilateral, ow plurilateral Da conexaio entre os dois conceitos, ode contrato e o de negécio juri- ico, segue-se que o daquele contém todas as caractristicas do outro, por sex um Zopeito derivado. Eis por que as nogSes comuns a todos os negé- cios juflicos, bilaterais ou Unilaterais, se estudam na pétte geral ou introdutéria do Direito Civil’ naqueles sistemas, como 0 nosso, em que os conceitos findamenteis da materia, a exemplo do Codigo Civ alemio, si0 3 Laren, ob. cit, p 21 4 Otmplo que dé de tal excafe conceal é 0 conceito de servidso de iinsito, que & ‘em primeiro lugar um diretosubjeiv, em seguida, um dirt real, depois un dr ibredl sobre a coteaalheta, de e020, e2ssmy por diante cont. Manual dele Pandete, tp al 5 (RA)Ans. 104e segs. (RA). {6 {RA} OCadigo Civil do se refers a0 negécio juridico, mas sim o ato jordin. Este ‘vinhn conceituad no (RA) ar 81, n verbs: “Todo ato Tieto que tena po fm ime diao adquirir, resguardar, transfert, modifier ou extinguir direitos se denomina ato Jai.” 7 do autor, Inrrodugdo a Direta Civil, pp. 297 #515. Acategeria do negocio ji 0 objeto atualmente de revervas por ser consderada de escssa uilidade para a dogmatiea da Devito e porque as suas princpais Figuras (contrat, testamento,casa- ‘menio) tm regulamentago diferente. Alara, La Teoria Generale del Contato. 12 Contratos sistematizados em artigos que precedem os livros especisis. Onde 0 negd- ‘io juridico (ato juridico) no & instituto acolhido no Direito Positivo, a ci- so nflo tem cabimento, (0 tratamento do contrato sob esse enfoque nao significa, porém, a acei- tagio do método da jurisprudéncia dos conceitos. Nem que os institutos ju- ridicos concentrados em tomo do contrato sejam apreciadas apenas em fangao da sua posigdo na escala de conceitos em que se insere ou de sua base ético-juridica, mas, sim, de conformidade com o seu fim e com 0 sex contetido ligico, tico, sociolégico,poitico-social ‘O contrato ¢ seus tipos esquematizados na lei sero estudados como instrumentos jurfdicos para a constituigao, transmissdo e extingdo de direi- tos na area econémice. 8 Larenz, ob. cit, p. 24. Atormentado pela difieuldade de que ur sa subeisr mbm independentemente da vontade real dot teata que 4 vonage dominante nao é do ticular do dteto, mas a do ordenamenton Jariico, acentuando desse mode a predorminincia da pretend, de ta modo que divi- sana propriedade no a faculdade do proprietirio de disor de uma cera coisa confor: fe asua vonade, mas unieamente a possbilidade de manter os terceiros Fong dessa Goisa (obrigagdo passiva universal). Orlando Gomes, “Signticado Ideoldgico do ‘Conceto de Direto Real”, Revereor (RA) Estudos jaridicos em homenagem 3 Fax culdade de Direto do Bahia (RA), pp. 315. [Na doutrina mais recente, tende-se a separar, no concsito de contrato, ofatopropulsor (a relagdo« esta, dantesvnilateraliente coneebides. Hoje distingvese, por outs pelavrat, 0 ato do vincule, como feziam os canonistas com o matrimonio. Neste, © onsentimento dos nubentes ea consideradoo fata, do qual nasciaovincuo conjugal, {nt a felagto matrimonial definida na le, a consiuigi de ume fami, a insergéo dos conjuges nui conjuno invarivel de poderes dirsles, deverese obrignges, Nos ‘contrats ptrimoninis também sucede essa diferenciagio que provoca aaplicagio de hormas fistints, masa determinagio do conte da relay ainda € grande parts obra ‘os prébriescontraenes, aos limites de sua autonoria privad, Eselarece Trmarchi que a posibilidade de substituigde de um tipo contatal por outro, imposta sos contrnentes, ov a um deles, admitida atualmente € uma das manifestagdes mais expressvas éa nova ideologiajurdica em matéria de contrate, Os fenémenos juridieos que estéo se manifestando na érea contratual atestam, como Sisa0 citado autor, que a fingto e os valores do contrata no podem mais ser representados nos mesmnostermos da deutrina oitcentista, poi, no carapo da produsdo econémica ot f2nizads, as normas lgais én a Fungo de assegurar uma distribu eficez os ecut- 0s produives, de golpear as empresas inefiientes ede proporcionar as condigBes para orendimenta econémica, ca atividade do empresirio €considerada em funedo do iteresse econdmico da comunidad,