Você está na página 1de 60

A Diversidade dos Microrganismos:

Os microrganismos encontram-se largamente difundidos em


quase todos os ambientes.

Como qualquer colecção de organismos, os microrganismos


podem ser agrupados baseados em certas características, assim
podemos encontrar:

• Bactérias (1)
• Fungos(2) 1 4

• Protozoários(3)
• Algas(4)
• Virús(5)
2
5 3
Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 1
A Diversidade dos Microrganismos:

O que têm os microrganismos em comum ?

– Tamanho microscópico.

Em que podem diferir ?

– Forma
– Organização celular
• Procariotas
• Eucariotas
• Acelulares
– Metabolismo

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 2


Microrganismos Procariotas:

Características:
•Sem membrana nuclear material
genético disperso no citoplasma.
•De grande simplicidade possuem poucos
organelos:
•Ausência de organelos com
membrana

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 3


Microrganismos Procariotas:

Bactérias:
•Seres de dimensões 0.5-2.0 um
•Procariotas
•Unicelulares
•Reproduzem-se assexuadamente por fissão binária
•Apresentam formas variadas

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 4


Formas das bactérias:

Existem muitos tamanhos e formas variadas entre as


bactérias:

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 5


Organização das células eucariotas:

As células eucariotas são mais complexas:


•Possuem um núcleo diferenciado com membrana nuclear
•E o citoplasma encontra-se dividido por um complexo
sistema de membranas

Célula vegetal
Célula animal

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 6


Microrganismos Eucariotas:

Fungos:
•leveduras
•Tamanho 5-10um
•Eucariotas
•Unicelulares
•Reproduzem-se assexuadamente, gemulação ou processos
sexuados
•Bolores:
•Tamanho 2-10um
•Eucariotas
•Pluricelulares
•Reprodução sexuada e assexuada

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 7


Microrganismos Eucariotas:

Protozoários:
•Tamanho 2.0-200um
•Eucariotas
•Unicelulares
•Reprodução sexuada e assexuada
Paramécia

Algas:
•Tamanho > 1.0 um
•Eucariotas
•Unicelulares e pluricelulares
•Fotossintéticos
•Reprodução sexuada e assexuada

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 8


Microrganismos acelulares- Virús

Virús:
•Tamanho 0.05-0.2 um (pelo seu tamanho muitos só pode ser
visionado em microscópio electrónico)
•Acelulares
•Estrutura muito mais simples que a das bactérias
•Contêm apenas um único tipo de material genético DNA ou RNA
•Ausência de organelos celulares
•Parasita intracelular obrigatório
•Apresenta diversas formas

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 9


Formas dos virús:

A forma como as proteínas se agregam dá a forma ao vírús:

– Poliédrica
– Helicoidal
– Binária ou complexa

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 10


A célula como a unidade estrutural da vida

Teoria celular-(1838-1839 Mathias Schleiden e Theodor


Schwann) as células são as unidades estruturais e funcionais
básicas de todos os organismos.

Organismos unicelulares- constituído por uma única célula,


todos os processos vitais ocorrem dentro da célula.

Organismos pluricelulares- quando um organismo contém muitas


células, em formas de vida superior, como as plantas e os
animais, estas células encontram-se arranjadas em estruturas
chamadas tecidos ou orgãos, com funções específicas.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 11


A célula como a unidade estrutural da vida

Todos os organismos, unicelulares ou pluricelulares, apresentam


as seguintes características:

1. Reprodução
2. Utilização de alimento como fonte de energia
3. Síntese de substâncias e estruturas celulares
4. Excreção de substâncias
5. Resposta a alterações ambientais
6. Mutações, que são alterações súbitas em suas
características hereditárias, embora ocorram raramente.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 12


Classificação dos organismos vivos

A necessidade de organizar a grande quantidade e variedade de


organismos é uma característica do Homem

Tenta coloca-los em grupos baseados nas suas semelhanças.


Surge a ciência TAXONOMIA.

A Taxonomia compreende:
– Classificação- arranjo
– Nomenclatura- nome
– Identificação- descrição e caracterização

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 13


Esquema de Reinos Organismos incluídos
classificação
Linnaeus Plantae Bactérias, fungos, algas, plantas,
(1753) Animalia Protozoários e animais superiores

Haeckel Plantae Algas multicelulares, plantas


(1865) Animalia Animais
Protista Microrganismos, incluindo Bactérias,
protozoários, algas, Bolores e
leveduras

Whittaker Plantae Algas multicelulares, plantas


(1969) Animalia Animais
Protista Protozoários, algas,
Fungi Bolores e leveduras
Monera Todas as bactérias

Woese Archaeobacteria
(1977) Eubacteria
Eucariyotes

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 14


Woese Archaeobacteria Bactérias que produzem gás metano,
(1977) requerem altas concentrações de sal
ou requerem altas temperaturas
Eubacteria
Todas as outras bactérias incluindo
aquelas mais familiaresaos
microbiologistas, tais como
causadores de doenças, bactérias do
solo e da água e bactérias
fotossintéticas

Eucariyotes
Protozoários, algas fungos, plantas e
animais

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 15


Classificação dos microrganismos

Informações utilizadas para caracterizar os microrganismos:

– Características morfológicas: tamanho, forma e arranjo das


células- determinados por vários tipos de microscopia e por
diferentes tipos de coloração

– Características nutricionais e culturais: conheciemnto das


necessidades nutricionais dos microrganismos e condições
físicas necessárias ao seu crescimento

– Características metabólicas: conhecimento do metabolismo-


existem vários testes laboratoriais que podem determinar a
actividade metabólica dos microrganismos

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 16


Classificação dos microrganismos

Informações utilizadas para caracterizar os microrganismos:

– Características antigénicas: um antigénio é uma substância


que estimula a produção de um anticorpo quando injectado
num animal. A presença de antigénios específicos em
culturas bacterianas são usados para caracterizar os
micorganismos.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 17


Características Morfológicas - Tamanho

–Tamanho
• Procariotas- < 2 um em diâmetro
• Eucariotas- >2 a 100um
A maior parte dos procariotas tem tamanhos que variam
entre 0.1-0.2 um em diâmetro e muito poucos têm um
diâmetro igual ou superior a 50um.

O tamanho afecta as propriedades biológicas das células:


–velocidade das trocas de nutrientes
–velocidade com que os produtos de excreção saem da célula,
factor esse que influencia as taxas de metabolismo e taxas
de crescimento.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 18


Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 19
Características Morfológicas – Forma

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 20


Características Morfológicas - Arranjo
As células das bactérias podem
ainda ser caracterizadas segundo o
arranjo que está dependente do
plano em que ocorre a divisão:
A maior diversidade de arranjos
ocorre nos cocos:
•Pares- diplococos
•Grupos de 4- tetradas
•Grupos mais complexos- sarcina
•Em blocos irregulares- cachos
•Em cadeias- streptococos

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 21


Características Morfológicas - Arranjo

Ao contrário dos cocos os bacilos apresentam poucos arranjos


de células uma vez que só têm um plano de divisão.
Assim podem formar os seguintes arranjos:

•Pares- diplobacilos
•Cadeias- streptobacilos

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 22


23
Isabel Vieira / Gonçalo Almeida
Morfológia das células procariotas:
flagelos, filamentos axiais
Apêndices pili, fímbrias

glicocálice(cápsulaa)
parede celular
Célula Prócariota Estruturas envoltórias membrana celular

citoplasma
ribossomas
Protoplasma mesossomas
granulações
nucleoide/material genético

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 24


Morfológia das células procariotas:

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 25


Morfologia das células procariotas

Estruturas externas à parede celular:

– Glicocálice
– Fagelos
– Filamentos axiais
– Fímbrias
– Pili

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 26


Estruturas externas à parede celular-Glicocálice:

Glicocálice- polímero viscoso e gelatinoso que está


situado externamente à parede celular.
• Formada por várias unidades de polissacarídeos, ou
proteínas ou de ambos.

O glicocálice pode diferenciar-se nas seguintes estruturas:

• Camada viscosa- slime layer-estrutura não organizada e


pouco aderente à parede celular (fácilmente removivel)

• Cápsula-estrutura organizada e fortemente aderente à


parede celular.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 27


Estruturas externas à parede celular-Glicocálice

Glicocálice desenvolve-se como uma cobertura de macromoléculas, está


presente em algumas bactérias:
– B. Anthracis -> anthrax
– S.treptococcus mutans -> cárie dentária,
– S. pneumoniae -> pneumonia.
• Função:
– Protecção da célula:
» fagocitose,
» resistência ao ataque de outros elementos,
» desidratação
– Confere virulência à bactéria
– Contém antigénios potentes o que confere à bactéria
propriedades emunológicas muito definidas bacteriana
– Função de aderência.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 28


Estruturas externas à parede celular- Glicocálice:

O glicocálice pode diferir de célula para célula na:


– Organização
– Espessura
– Composição química

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 29


Estruturas externas à parede celular- Flagelos:

Flagelos são orgãos de locomoção de constituição semi-rígida


constituídos por uma proteína a flagelina.

Constituídos por:
• Corpo basal-(vários anéis)
• Gancho
• filamento

Função:
• Locomoção

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 30


Estruturas externas à parede celular- Flagelos:

Diferenças encontradas na ultra-estrutura do flagelo de uma


bactéria Gram – (a) e bactéria Gram + (b)

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 31


Estruturas externas à parede celular- Flagelos:

Os flagelos podem ter vários tipos de distribuição:


• Monótrico- um flagelo polar
• Lofótricos- dois ou mais flagelos num dos polos da
bactéria
• Perítricos- distribuídos por toda a bctéria

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 32


Estruturas externas à parede celular- Flagelos:

Célula procariota-Cada flagelo funciona como um motor helicoidal


semi-rígido que move a célula rodando sobre o corpo basal.

Células eucariotas- os flagelos movem-se por movimentos


ondulatórios.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 33


Estruturas externas à parede celular- Filamentos Axiais:

Filamentos Axiais ou endoflagelos-


feixes de fibrilas que têm origem nas
extremidades das células, e formam
uma espiral em torno da célula.

As espiroquetas são um grupo de


bactérias que possui uma estrutura e
mobilidade exclusiva.

A rotação dos filamentos axiais produz


um movimento em espiral- movimento
semelhante ao saca rolhas

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 34


Estruturas externas à parede celular- Fímbrias e Pili

Fímbrias-filamentos mais finos e curtos


que os flagelos, a sua constituição química
varia, mas na sua maioria contêm proteínas.

Função- aderência e fixação

Podem ter vários tipos de distribuição:


•Existem em grande número
•Podem ocorrer num dos pólos da
célula
•Distribuídos ao longo de toda a
superfície
Figura: E.coli, invade o intestino aderindo nas paredes
do epitélio provocando a infecção intestinal

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 35


Estruturas externas à parede celular- Fímbrias e Pili

Fímbrias Pili
Pili-estrutura tubular rígida,
constituída por sob-unidades
proteicas de uma proteína
denominada pilin.
•Mais longos que as fímbrias
•Um ou dois por célula

Função- transferência de
material genético

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 36


Parede celular

Imediatamente abaixo do glicocálice, e por cima da membrana


celular surge outra estrutura a Parede Celular.

Parede celular- estrutura complexa semi-rígida, constituída


por:
– Peptidoglicano
– Ácidos teicoicos
– Polissacarídeos
– Lipopolissacarídeos (LPS)
– Proteínas
– lipoproteínas

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 37


Parede celular

A Parede celular tem como função:

– Determinar a forma das células


– Manter a forma das células
– Proteger a célula contra choques osmóticos
– Protecção contra substâncias tóxicas
– Antigenicidade
– Características imunológicas específicas
– Locais de reconhecimento dos bacteriófagos

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 38


Parede celular- Coloração de Gram

Hans Christian Gram (sec.XIX) desenvolveu uma técnica de


coloração- coloração de Gram que permite fazer a diferenciação
entre dois tipos de células Gram+ e Gram-:

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 39


Parede celular- Coloração de Gram

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 40


Quadro comparativo da parede das Gram+ e Gram-

Características Gram + Gram-

Nº de camadas 1 2
Espessura 20-80 nm 8-11 nm
Composição Peptidoglicano Lipopolissacarídeos
Ácido teicoico Lipoproteínas
Ácido lipoteicoico Peptidoglicano
Membrana externa ausente presente
Espaço periplasmático Em alguns casos Sempre presente

Proteínas-porinas ausente presente

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 41


Parede das Gram+

• Parede espessa e homogénea


constituída essencialmente por
peptidoglicano
• Ácidos teicoicos- ligados ao
peptidoglicano
• Estão carregados negativamente ->
parede celular carregada negativamente
• Devido à sua carga electronegativa
funcionam como transportadores de
catiões (Ca 2+ , Mg2+ )
• Regulam a actividade das autolisinas
• Fonte de armazenamento de fósforo
• São os principais antigénios da
superfície das Gram +
• Ácidos lipoteicoicos-ligados aos
fosfolípidos
• Polissacarídeos- açúcares neutros e
ácidos
• Proteínas
Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 42
Parede das Gram-

Parede mais complexa que as Gram+

• Camada de peptidoglicano muito fina (2 nm 1 a 2 camadas),


encontra-se no espaço periplamático está ligado por ligações
covalentes às lipoproteínas da membrana exterior

• Espaço periplasmático contém:


• Grande concentração de enzimas degradativas
• Proteínas de transporte
• Enzimas de síntese do peptidoglicano
• Moléculas fosforiladas

• Membrana externa
Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 43
Membrana Externa das Gram-
• Estrutura em bicamada constituída por:
– Fosfolípidos
– Proteínas- transporte de substâncias permeabilidade selectiva-
purinas
– Lipoproteínas de Braun- ligação entre o peptidoglicano e a
membrana externa
– Lipopolissacarídeos-molécula de grandes dimensões e bastante
complexa:
– Lípidio A- endotoxina
– Cerne polissacarídeo
– Antigene O

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 44


Parede-Composição do peptidoglicano

• Rede macromolecular
• Mucopolissacarídeo
composto polímero
constituído por NAG e
NAM-dois derivados de
açúcares, ligados por uma
ligação glicosídica B 1,4
• Pequeno grupo de amino
ácidos
• Ácidos teicoicos- ligados ao
peptidoglicano
• Ácidos lipoteicoicos-ligados
aos fosfolípidos

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 45


Biossíntese do peptidoglicano

A biossíntese inclui várias


etapas:
– Corte da parede –por
autolisinas
– Inserção de novos grupos
– Ligações peptídicas-
transpeptidação

Estão envolvidos dois


transportadores durante a
inserção de novos grupos:
– Uridine difosfato-UDP
– Bactoprenol

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 46


Bactérias com outro tipo de parede celular:

Algumas bactérias podem não ter


parede celular igual às Gram + ou
Gram-. (Mycobacterium, Nocardia)

Este tipo de bactérias contém


peptidoglicano e coram – Gram+ mas a
estrutura da parede celular é
composta por lípidos- ácidos gordos -
ácido micólico o qual contribui para a
patogenicidade.
Esta grossa parede de ácidos gordos
tem grande resistência a certos
químicos e corantes- característica
que está na base da coloração
diferencial - ácido álcool resistente.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 47


Formas de bactérias sem parede celular:
As bactérias podem perder a parede celular - este tipo de bactérias
denomina-se de- formas L, podem surgir por:
– Mutação
– Induzidas (lisozima, penicilina)

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 48


Citoplasma
Delimitado pela membrana citoplasmática encontra-se uma substância
gelatinosa, densa que vulgarmente se denomina de citoplasma. É composto
por:
– 80% de água- solvente
– Proteínas - enzimas
– Carbohidratos
•Síntese celular
– Lipidos
• Fonte de energia
– Iões inorgânicos
– Compostos de peso molecular muito baixo
– Material genético
– Ribossomas
– Mesossomas
– Granulações – depósitos de reserva

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 49


Material genético
O material genético encontra-se disperso no citoplasma.
– Nucleoide- área onde se encontra o material genético contém:
• uma longa molécula de DNA circular de dupla hélice

– pode existir uma pequena molécula de DNA circular de dupla


hélice- Plasmídeo:
• Pode existir isolado ou incluso no DNA
• Normalmente contém genes que não são cruciais
para o desenvolvimento normal da bactéria
(condições normais)
• Em certas condições podem ser de grande
importância para a sobrevivência das bactérias
(genes- resistência a antibióticos, produção de
toxinas, síntese de enzimas)
• Podem ser transferidos de uma célula para a outra

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 50


Ribossomas
Função:Síntese proteica

•O citoplasma contém dezenas de milhares de ribossomas


•Quanto maior for a actividade celular maior o número de ribossomas

– São compostos por duas subunidades (subunidade grande (50S)


com duas unidades de RNAr e a pequena (30S) com uma unidade
RNAr)
– São mais pequenos (70S) que os ribossomas das células eucariotas
(80S)
– Vários antibióticos podem actuar ao nível dos ribossomas inibindo
a síntese proteica
• Estreptomicina e gentamicina ligam-se à subunidade 30 S
• Eritromicina e cloranfenicl ligam-se à subunidade 50S
• Devido às diferenças entre os ribossomas das células procariotas e
eucariotas os antibióticos actuam selectivamente nos seus ribossomas
sem afectar os ribossomas do hospedeiro.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 51


Granulações / Inclusões

Inclusões são depósitos de reserva.

Granulos metacromáticos- reserva de fosfatos inorgânicos,


usados para a síntese de ATP.
Podem ser encontrados em:
– Algas,
– Fungos,
– Protozoários,
– Bactérias- Corynebacterium diphtheriae – causador da difteria

Granulos polissacarídeos- reserva composta essencialmente por


glicogénio e amido.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 52


Granulações / Inclusões
Inclusões lipídicas-é essencialmente constituído por ácido poli-beta-
hidroxibutírico(PHB)- característico das bactérias. Pode ser encontrado:
– Mycobacterium
– Bacillus
– Azotobacter,
– Spirillum

Granulos de enxofre- servem como reservas de energia para as


“bactérias do enxofre” Thiobacillus- obtêm energia oxidando o enxofre.

Carboxissomos- inclusões que contêm a enzima ribulose 1,5 difosfato


carboxilase- enzima necessária para a fixação de dióxido de carbono
durante a fotossíntese. Esta enzima é utilizada pelas bactérias que usam
como única fonte de carbono o CO2 como por exemplo:
– Bactérias nitrificantes
– Cianobactérias
– Tiobacilos

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 53


Granulações / Inclusões

Vacúolos de gás- têm por função manter as células na


profundidade adequada para que recebam quantidades de oxigénio,
luz e nutrientes necessárias.
– Movimentar as células para cima e para baixo em resposta a
factores ambientais
– Encontram-se essencialmente em procatiotas aquáticos-
cianobactérias

Magnetossomas- inclusões de óxido de ferro, formadas por várias


bactérias Gram negativas.
•Funciona como um iman para movimentar as células em diferentes
campos magnéticos
•Decompõe o peróxido de hidrogénio que se forma nas células

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 54


Endosporos

Em certas situações de stress para a célula, algumas bactérias


têm a capacidade de produzir uma estrutura especial denominada
endosporo- ( esporo gerado dentro da célula)

Certas bactérias Gram + com capacidade de formar endosporos:


– Clostridium,
– Bacillus.

Os endosporos são estruturas muito resistentes:


– Altas temperaturas
– Dissecação
– Radiações
– Ácidos
– Desinfectantes
– Podem permanecer no estado de dormência durante milhares de
anos
Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 55
Endosporos

Características:

Forma: eliptica ou esférica

Localização: central (a), terminal(b) ou subterminal (c)

Função: forma metabolicamente dormente que tem por função


manter a sobrevivência, em condições adversas.

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 56


57
Isabel Vieira / Gonçalo Almeida
Endosporos

Os endosporos são formados por várias camadas que lhe conferem a


grande resistência:

•Exospório cobertura mais externa


do endosporo constituída por uma
fina camada de proteínas
•Túnica interna (spore coat)- várias
camadas constituídas por proteínas
•Cortex- constituído por
peptidoglicano
•Túnica externa (spore coat)

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 58


Endosporo- Quadro comparativo células vegetativas/endosporo

Características Células vegetativas Endosporos


Concentração em baixa elevada
cálcio
Ácido dipicolínico ausente presente
Actividade elevada baixa
enzimática
Metabolismo elevado Baixo ou ausente
mRNA presente ausente
Resistência ao baixa Elevada (podem sobreviver a
calor água fervente durante horas)
Resistência química baixa elevada
Acção da lisozima sensível resistente
Água Elevada 80-90% Baixa 10-25%

Isabel Vieira / Gonçalo Almeida 59


Endosporo- Germinação
Os esporos podem permanecer dormentes por milhares de anos.

Germinação- processo pelo qual o esporo retoma o seu estado vegetativo.


Este processo dá-se quando o esporo encontra condições favoráveis.
•As enzimas destroem as camadas exteriores do endosporo
•A água entra permitindo que se inicie o metabolismo

60
Isabel Vieira / Gonçalo Almeida