Você está na página 1de 20

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP INTERATIVA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA

PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR III

OS RESULTADOS DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL EM 2011

Patrick Raffael Comparoni

Patricia Oliveira Gropo

Birigui

2013

Patrick Raffael Comparoni

Patricia Oliveira Gropo

OS RESULTADOS DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL EM 2011

Projeto Integrado Multidisciplinar III, apresentado à UNIP Interativa, através do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira, abordando os Fundamentos da Gestão Financeira, a Contabilidade e a Estatística Aplicada

Birigui

2013

Resumo

Este trabalho objetiva analisar os resultados obtidos pela Caixa Econômica Federal, no exercício de 2013, considerando os planejamentos traçados por tal empresa pública. Os dados e as informações trabalhadas neste material foram obtidos através da página eletrônica 1 da mencionada organização.

Sumário

 

Introdção

5

CAPÍTULOI: Fundamentos da Gestão Financeira

6

1. A Empresa Pública Caixa Econômica Federal

6

2. Planejamento

6

CAPÍTULO II: Contabilidade

8

1.

Demonstrativos Contábeis da Caixa em 31/12/2011

8

1.1. Balanço Patrimonial

8

1.2. Demonstrativo do Resultado do Exercício

10

2. Estrutura das Demonstrações Contábeis

11

3. Análise das Demonstrações Contábeis

11

3.1. Liquidez Geral

11

3.2. Imobilização do Patrimônio Líquido

12

3.3. Participação de Capital de Terceiros

12

3.4. Dependência Financeira

12

3.5. Independência Financeira

13

3.6. Análise Horizontal

13

3.7 Análise Vertical

14

1.

Estatística e a Administração de Empresas

16

2.

Quadro de Pessoal da Caixa em 2011

16

2.1. Moda

17

2.2. Média

17

Conclusão

19

5

Introdução

Este trabalho tem a empresa pública Caixa Econômica Federal como objeto de análise e, envolvendo os fundamentos da gestão financeira, a contabilidade e a estatística aplicada, analisou a conclusão do exercício de 2011 pela mencionada organização, com ênfase em seu planejamento, no resultado alcançado e em dados relativos a seus servidores efetivos.

6

CAPÍTULO I: FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

1. A empresa pública Caixa Econômica Federal

A Caixa Econômica Federal, instituição financeira pública de direito

privado, vinculada ao Ministério da Fazenda, com capital integral da União, tem

sua gestão econômico-financeira inserida no conjunto de decisões do Governo

Federal e está sujeita às normas e decisões do Conselho Nacional Monetário e

do Banco Central do Brasil.

Está domiciliada em Brasília, atuando em todo o território brasileiro e

também no exterior, onde possui escritórios no Japão, Estados Unidos e

Venezuela.

A

empresa

está

voltada

ao

financiamento

habitacional,

saneamento básico, infraestrutura urbana e bancos comerciais.

2. Planejamento

A Caixa instituiu desafios para o período entre 2009 e 2015, inserindo-

se, assim, em um planejamento de curto/médio prazo.

Alguns desses desafios são: consolidar-se como principal agente de

políticas públicas do Governo Federal e ampliar a relação com todos os entes

da administração pública; ampliar a participação no mercado de crédito; e

ampliar a participação de mercado na captação de recursos.

Paralelamente aos desafios, em 2009, a empresa pública estipulou

como seus valores, dentre outros, a sustentabilidade econômica, financeira e

7

socioambiental, transparência e ética com o cliente e eficiência e inovação nos

serviços, produtos e processos.

Quanto a essa eficiência e inovação, não se pode deixar de mencionar a

importância da tecnologia agregada à gestão empresarial. Ela pode maximizar

os trabalhos de uma organização, sendo, para essa, uma importante vantagem

competitiva. Contudo, o administrador deve reconhecer os custos envolvidos

nesse investimento e que, normalmente, os retornos ocorrem em longo prazo.

De acordo com a prestação de contas do exercício de 2011 apresentada

pela

Caixa,

o

planejamento

vem

sendo

cumprido.

Naquele

exercício,

a

empresa concluiu que cumpriu seu papel de parceria estratégica do Estado

brasileiro, ofertando crédito, operacionalizando os principais programas de

benefícios e renda do Governo Federal, administrando as loterias, prestando

serviços bancários e incentivando à poupança.

No final de 2011, a organização verificou R$ 150 bilhões de recursos

aplicados na poupança, representando 35,8% do mercado. As operações de

crédito,

um

dos

objetivos

específicos

-

mencionados

-

da

Caixa,

apresentaram crescimento de 42% em 12 meses, atingindo a importância de

R$ 249,5 bilhões, sendo que a concessão às pequenas, médias e grandes

empresas, incluindo o setor público, totalizou R$ 65,7 bilhões.

8

CAPÍTULO II: CONTABILIDADE

1. Demonstrativos contábeis da Caixa em 31/12/2011

1.1. Balanço patrimonial

ATIVO

2011

2010

PASSIVO

2011

2010

Disponibilidade e

67.271.846

57.574.878

Depósitos

259.829.038

215.182.295

reservas no BACEN

Ativos financeiros ao

59.689.970

43.018.879

Instituições financeiras

5.131.646

1.224.348

valor justo por meio do

resultado

Ativos financeiros

55.138.084

37.525.274

Clientes

254.697.392

213.957.957

mantidos para

negociação

Designados ao valor

4.551.886

5.493.604

Recursos para

6.512.882

4.925.468

justo

destinação específica

Derivativos

-

1

Passivos financeiros ao

940

1.760

 

valor justo por meio

do resultado

Ativos financeiros

6.126.356

2.032.214

Empréstimos de títulos

55.407.958

45.210.885

disponíveis para venda

e obrigações

compromissadas

Ativos financeiros

54.112.570

63.798.259

Instrumentos de dívida

34.962.003

24.331.670

mantidos até o

vencimento

Empréstimos e

306.993.838

217.717.796

Obrigações por

91.620.325

61.100.353

recebíveis

empréstimos e

repasses

Com instituições

39.260.759

20.729.448

Provisões

14.634.022

14.310.471

financeiras

Com clientes

249.399.163

176.001.410

Fundos de pensão e

7.928.506

7.243.554

 

obrigações similares

Outros empréstimos e

18.333.916

20.987.128

Causas judiciais

6.705.516

7.066.917

recebíveis

Ativos não correntes

580.356

692.125

Passivo fiscal diferido

631.016

356.717

mantidos para venda

Investimentos em

1.990.050

1.819.756

Dívidas subordinadas

8.550.802

5.089.201

coligadas e

elegíveis a capital

empreendimentos

9

controlados em

conjunto

Ativo imobilizado

1.979.939

1.998.456

Outras obrigações

16.884.593

13.865.216

Ativo intangível

2.078.502

1.285.341

TOTAL DO PASSIVO

489.033.579

384.374.036

Ativo fiscal diferido

9.930.770

8.591.564

Patrimônio Líquido

Despesas antecipadas e

3.487.647

3.113.009

Capital social

15.154.802

12.473.724

adiantamentos

Reservas

4.079.781

2.652.206

concedidos

Dividendos adicionais

1.635.433

887.427

propostos

Outros ativos

2.252.179

3.313.132

Ajustes de avaliação

(136.146)

(96.253)

 

patrimonial

6.726.574

4.664.459

Lucros acumulados

27.460.444

20.581.563

TOTAL DO

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

TOTAL DO ATIVO

516.494.023

404.955.599

TOTAL DO PASSIVO E

516.494.023

404.955.599

 

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

10

1.2. Demonstrativo do resultado do exercício

 

2011

2010

Receitas com juros e similares

 

48.644.098

37.399.952

Despesas com juros e similares

(31.870.111)

(22.935.977)

Receita líquida com juros

16.773.987

14.463.975

Receita líquida com taxas e comissões

 

11.172.581

9.141.680

Ganhos/perdas

com

negociação

de

ativos

e

(129.125)

(75.684)

passivos financeiros (líquidos)

 

Ganhos/perdas

com

valor

justo

de

ativos

e

16.456

(181.400)

passivos financeiros (líquidos)

 

Ganhos/perdas

com

operações

de

câmbio

6.701

2.570

(líquidos)

Rendas de créditos vinculados ao Banco Central

4.844.898

2.942.783

Resultado de equivalência patrimonial

 

358.894

257.265

Outras receitas operacionais

 

7.458.131

5.483.952

Total de receitas

 

40.502.523

32.035.141

Despesas administrativas

 

(18.900.483)

(15.990.099)

Despesas com pessoal

(11.642.233)

(9.954.278)

Depreciação ativo imobilizado

(425.092)

(389.631)

Amortização ativo intangível

(297.374)

(251.280)

Outras despesas administrativas

(6.535.784)

(5.394.910)

Despesas com provisões para causas judiciais

(185.363)

(836.543)

(líquidas)

Perdas com ativos financeiros (líquidas)

 

(4.431.704)

(2.472.935)

Empréstimos e recebíveis

 

(4.297.930)

(2.404.948)

Outros ativos financeiros não remunerados ao

(133.774)

(67.987)

custo amortizado

 

Perdas com outros ativos (líquidas)

 

(17.863)

(2.744)

Despesas tributárias

(1.808.494)

(1.470.463)

Resultado

na

alienação

de

ativos

correntes

62.187

(2.788)

mantidos para venda

 

Participação dos empregados no lucro

 

(790.966)

(677.260)

Outras despesas operacionais

 

(7.689.515)

(7.093.363)

Lucro operacional antes da tributação

 

6.740.322

3.488.946

Tributos correntes

 

(697.898)

(141.439)

Tributos diferidos

1.242.034

1.263.746

Lucro líquido do exercício

 

7.284.458

4.611.253

11

2. Estrutura das demonstrações contábeis

A administração da Caixa é responsável pela elaboração e adequada

apresentação das demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as

normais

internacional

de

relatórios

financeiros

(IFRS)

emitidas

pelo

International Accounting Standards Board (IASB), assim como pelos internos

que

ela

determinou

como

necessários

para

permitir

a

elaboração

de

demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se

causada por fraude ou por erro.

De

acordo

com

relatório

dos

auditores

independentes,

as

demonstrações financeiras acima expostas estão adequadas, em todos os

aspectos relevantes, à posição patrimonial e financeira da Caixa Ecônomica

Federal, em conformidade com as normais internacionais de relatório financeiro

(IFRS).

3. Análise das demonstrações contábeis

3.1. Liquidez geral

Em 2011, pelas demonstrações contábeis demonstradas no item 1 do

Capítulo II, verifica-se o índice de, aproximadamente, 1,04, resultado muito

bom e praticamente idêntico ao do exercício anterior, 2010.

12

3.2. Imobilização do patrimônio líquido

O índice de imobilização do patrimônio líquido apresentado em 2011 é

extremamente satisfatório: 22%. A peculiaridade da Caixa Econômica Federal,

ou

seja,

a

sua missão

institucional

pública,

é

a

razão desse

resultado

verificado. Em comparação ao índice obtido no exercício anterior, pode-se dizer

que houve melhora, embora aquele tenha sido bastante próximo do de 2011:

24%.

3.1.3.

Participação de capital de terceiros

Em 2011, a participação do capital de terceiros frente ao patrimônio

líquido atingiu incríveis 1780%. Embora pareça absurdo, mais uma vez, vale

mencionar que a Caixa é uma empresa pública bastante distinta e que esse

resultado, para suas características de atender ao interesse público, não é

sinônimo de mal funcionamento ou de quaisquer problemas financeiros. Tal

resultado em 2010 era ainda maior: atingia a 1867%.

3.1.4. Dependência financeira

Tanto em 2011 como em 2010, esse índice resultou em aproximados

94%, mostrando a dependência de capital externo pela empresa, frisando-se,

novamente, que não se trata de uma anormalidade para as características da

Caixa.

13

3.1.5. Independência financeira

Outra vez os resultados obtidos nos dois anos comparados foram

praticamente os mesmos, ficando em torno dos 5%, demonstrando que muito

pouco a empresa depende de seus próprios recursos.

3.1.6.

Análise horizontal

Total do ativo: em relação a 2010, houve um acréscimo de 27,5% em

2011.

Total do passivo exigível: em relação a 2010, houve um acréscimo de

27,2% em 2011.

Total do patrimônio líquido: embora essa conta seja a menos expressiva

no balanço da Caixa, é a que mostra o maior crescimento de 2010 para 2011,

com 33,4%.

Receita líquida com juros: em relação a 2010, houve um acréscimo de

15,9% em 2011.

Total de receitas: em relação a 2010, houve um acréscimo de 26,4% em

2011.

Lucro operacional antes da tributação: de 2010 para 2011, o valor dessa

conta quase dobrou, chegando a 93,1%.

Lucro líquido do exercício: em relação a 2010, houve um acréscimo de

57,9% em 2011.

14

3.1.7. Análise vertical

Disponibilidade e reservas no BACEN: houve um decréscimo, embora

pequeno,

de

14,21%,

obtidos

em

2010,

para

13,02%,

em

2011

da

representatividade das disponibilidades dentro do ativo total.

Empréstimos

e

recebíveis:

como

essa

conta

envolve

a

maior

característica da Caixa operações de crédito -, sua representatividade dentro

do ativo total é a maior entre as outras contas; 59,43% em 2011, contra 53,76%

em 2010. Esse aumento demonstra conexão entre os trabalhos da empresa

pública e um dos seus objetivos para o exercício de 2011 mencionados no Item

2 do Capítulo I, quanto a aumentar sua participação no mercado de crédito.

Imobilizado: a representatividade dessa conta dentro do ativo total caiu

de 0,49% para 0,38%, entre 2010 e 211. Esses baixíssimos valores podem ser

explicados

pelo

fato

de

que

a

Caixa

praticamente

investe

no

ativo

imobilizado para inaugurar novas agências para expandir suas atividades no

território nacional, e internacional, como nos casos de Estados Unidos, Japão e

Venezuela, como mencionado no capítulo anterior.

Depósitos: houve um pequeno decréscimo de 53,13%, verificados em

2010, para 50,30%, em 2011, da representatividade da conta depósitos dentro

do passivo total.

Patrimônio líquido: a representatividade do patrimônio líquido dentro do

passivo total cresceu minimamente de 2010 para 2011, passando dos 5,08%

para 5,13%. Confrontando com a análise vertical, pode-se notar que, apesar da

conta patrimônio líquido ter tido o maior aumento de um ano para o outro, em

15

comparação às contas do total do ativo e total do passivo exigível, sua

representativa dentro da conta do passivo total subiu quase inexpressivamente.

Lucro líquido do exercício: a representatividade dessa conta perante a

receita com juros e similares pouco subiu de 2010 para 2011, passando de

12,32% para 14,97%. A diferença entre esses resultados não pareceria

expressivo, caso não fosse realizada a análise horizontal da conta, a qual

mostrou o crescimento de, praticamente, 60% do lucro líquido do exercício da

Caixa.

16

CAPÍTULO III: ESTATÍSTICA APLICADA

1. Estatística e a administração de empresas

A estatística pode ser vista como uma matemática aplicada, uma

disciplina da área das ciências exatas que tem aplicação em praticamente

todas as áreas de estudo. Ela proporciona uma visão prática do conteúdo que

está sendo estudado e, mais que isso, a obtenção de informações.

Trata-se de métodos científicos para coleta, organização, descrição,

análise e interpretação (conclusão) de um conjunto de dados, o que, sem

dúvida, subsidia, de forma valorosa, a tomada de decisões de gestores e

administradores.

2. Quadro de pessoal da Caixa em 2011

No final de 2011, a caixa apresentava os seguintes números

de

servidores efetivos por nível de escolaridade, o qual vai de 1 a 10:

NÍVEL DE ESCOLARIDADE

QUANTIDADE DE SERVIDORES

1

0

2

20

3

39

4

92

5

23.035

6

42.832

7

18.606

8

953

17

9

61

10

3

TOTAL DE SERVIDORES

85.641

De 1 a 10, o nível de escolaridade diz respeito a, respectivamente: 1 -

analfabeto, 2 - alfabetizado sem curso regulares, 3 - primeiro grau incompleto,

4

-

primeiro

grau,

5

-

segundo

grau

ou

técnico,

6

-

superior,

7

aperfeiçoamento/especialização/pós-graduação,

8

-

mestrado,

9

doutorado/pós-doutorado/phd/livre docência, e 10 - não classificável.

2.1. Moda

Rapidamente se pode verificar qual é a moda da tabela: o nível de

escolaridade nº 6, que corresponde ao superior, pois é o que possui maior

incidência de servidores, totalizando 42.832 pessoas.

Esse número total de trabalhadores representa quase a metade dos

servidores efetivos, o que é um dado muito positivo a favor da empresa e, sem

dúvidas, aos clientes que consomem os produtos e serviços oferecidos pela

Caixa.

2.2. Média

A moda, contudo, pode não ser uma medida muito significativa se

analisada individualmente. Por isso, é importante verificar qual a média do nível

de escolaridade. No caso em questão, deve-se utilizar a média ponderada,

18

sendo

que

os

“pesos”

corresponderão

à

correspondentes a cada nível.

quantidade

de

servidores

Para tanto, basta multiplicar o nível pelas suas respectivas incidências,

somá-los, e, após isso tudo, dividir o resultado pela soma de todas incidências.

Realizando tais contas, chegar-se-á à seguinte equação: 511.137 /

85.641.

O resultado que se encontra é 5, 9, ou seja, a média entre os níveis de

escolaridade de todos os servidores efetivos da Caixa Econômica Federal,

considerando níveis de 0 a 10, é 5,9.

Desse modo, é possível dizer

que,

em se falando em

média, os

funcionários da Caixa possuem nível superior, cujo nível corresponde a 6.

Pode-se

verificar,

também,

que,

nesse

caso,

a

moda

encontrada

foi

extremamente significativa, já que, praticamente, coincidiu com a média.

19

Conclusão

Integrando

as

disciplinas

Fundamentos

da

Gestão

Financeira,

Contabilidade e Estatística Aplicada, pôde-se obter uma visão mais abrangente

a respeito dos resultados alcançados pela empresa pública Caixa Econômica

Federal, em 2011.

Tal organização atravessa um planejamento de curto/médio prazo,

iniciado em 2009 e que será concluído em 2015, obtendo êxito até o momento

no cumprimento dos objetivos traçados.

Uma complexa estrutura de setores financeiros dentro da organização

geral da Caixa demonstra a atenção e o cuidado dispensados com a gestão

financeira, que contribui para alcançar a expansão planejada.

O balanço patrimonial e a demonstração do resultado do exercício em

31 de dezembro de 2011 mostram que a empresa teve seu desempenho

maximizado no período, o que mais uma vez, ratifica o êxito no cumprimento

das metas estipuladas.

Por fim, dados relativos aos servidores efetivos da Caixa Econômica

Federal identificam um total de mais de 85 mil pessoas. São trabalhadores que,

em média, possuem nível superior. Isso também pesa a favor da empresa, que

almeja crescer, pois possui força de trabalho com preparação acadêmica.