Você está na página 1de 20

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS


DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA
PROGRAMA DE PÓS – GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA HUMANA

PROJETO DE MESTRADO

AS REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS E SUA UTILIZAÇÃO NO


MARKETING EM SÃO LUÍS/ MARANHÃO.

Aluno: Karen Sheron Bezerra Fonsêca


Orientador (a): Prof.ª Dr.ª Fernanda Padovesi Fonseca

São Paulo
2009
  5

SUMÁRIO

1 IDENTIFICAÇÃO ........................................................................... 06

2 INTRODUÇÃO ............................................................................... 07

3 JUSTIFICATIVA ............................................................................. 09

4 OBJETIVOS ................................................................................... 10

5 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ..................................... 11

5.1 Técnicas de Pesquisa ................................................................ 11

5.1.1. Campo ......................................................................................... 12

5.1.2 Sujeitos ........................................................................................ 12

5.1.3 Instrumentos ............................................................................... 12

6 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA .................................................... 13

7 PRESUPOSTOS ........................................................................... 17

8 PLANO DE TRABALHO CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO ................ 19

BIBLIOGRAFIA TEÓRICA BÁSICA ............................................. 21

BIBLIOGRAFIA ESPECÍFICA ....................................................... 23

 
 
 
  6

1. IDENTIFICAÇÃO

Título: As Representações Cartográficas e sua utilização no marketing


em São Luís/ Maranhão.

Aluno: Karen Sheron Bezerra Fonsêca

Orientador (a): Prof.ª Dr.ª Fernanda Padovesi Fonseca

Vínculo Institucional: Programa de Pós- Graduação em Geografia


Humana; Departamento de Geografia; Faculdade
de Filosofia, Letras e Ciências Humanas;
Universidade de São Paulo.

Período para realização da pesquisa: 2009/2010

Endereço Residencial: Rua 900 quadra 09 casa 46 – Jardim das


Margaridas /Cohatrac – São Luís /Ma – Cep:
65052-050

Contato: sheronksbf@yahoo.com.br

 
 
 
  7

2. INTRODUÇÃO

A Ciência Humana se utiliza da representação cartográfica como


elemento de análise e compreensão do uso e ocupação do espaço. Por outro
lado, existe a representatividade do espaço percebido, como também do valor
social da representação gráfica, como instrumento capaz de prestar
informação, aliado a isso tudo está à necessidade do consumo que é uma
atividade específica do ser humano. Nessa perspectiva o Marketing é visto
como um meio de comunicação rápida e eficaz.
A superfície terrestre caracteriza-se por apresentar áreas conhecidas ou
não, e que implicam no uso, na produção e na ocupação do espaço geográfico,
à medida que os mesmos se tornem circuitos mercadológicos na esfera da
reprodução da vida. Logo, esse espaço comercializado pela compra ou troca
de mercadorias e serviços, articula aspectos informativos, além de dimensionar
a localização e a situação de lugares determinados pelas relações sociais, e
materializá-los através da Ciência Cartográfica.
A análise do comportamento do consumidor ou cliente é um dos fatores
que influenciam o processo de ocupação, através da compra e venda dos
produtos, serviços e equipamentos, que devem ser levado em conta na
formulação de estratégias de atuação do marketing, enquanto recurso de
comercialização, e que têm nas representações cartográficas, um aliado na
tentativa de alcançar o consumidor e equacionar as suas necessidades.
O caráter acumulativo do homem, junto ao mercado, confere operações
simples de sobrevivência, engendrando mudanças artificiais da natureza, que
são expressas no espaço geográfico de forma sazonal, e oferecem uma
organização planejada e inovadora no foco comunicativo através dos produtos
cartográficos: os mapas, as cartas, as plantas, os croquis, dentre outros;
identificando, assim, o valor do consumo e a necessidade em se chegar a um
determinado lugar. O processo de utilização dos produtos cartográficos
proporciona ações abstratas da imagem do espaço cartografado que se
conhece e se experimenta.
A arte e a técnica de construir e reproduzir as representações gráficas
através da linguagem da Geografia passam necessariamente por tentativas de

 
 
 
  8

cartografar os espaços visíveis do globo e fixar pontos georeferenciados, como


função primordial do domínio, da informação, do conhecimento e do controle do
território sob a busca de atingir a necessidade ligado ao consumo do ser
humano.
Dominar os sistemas semióticos1 e os significados da linguagem gráfica
vão além de uma simples e parcial leitura das representações cartográficas,
requer antes de tudo um conhecimento prévio do espaço representado,
materializado e decodificado na comunicação visual por intermédio da
cartografia.
Desta forma, a presente pesquisa justifica-se pela compreensão de
novas tendências, de consumo e necessidade do mercado, através das
corporações empresariais, focados no atendimento personalizado, bem como
num sistema informacional moderno e qualificado, garantindo a potencialização
diferenciada através do uso dos produtos cartográficos, visto que no mapa,
esse produto associado a segmentos de logradouros, divisas de bairro, divisas
municipais e divisas mercadológicas e industriais, são mais fáceis de serem
visualizados e conseqüentemente comercializados.
Assim, a forma com que os “mapas de localização” estão dispostos nos
panfletos informativos, caracterizando as diversas informações do mercado,
fazendo do geomarketing ou marketing geográfico, uma ferramenta de
fundamental importância e de alto padrão potencial e competitivo,
determinando o futuro de empresas e negócios, sejam elas empreendimentos e
serviços, na qual a segurança e a confiabilidade destas informações
georeferenciadas possam se tornar fatores de planejamento de redes de
distribuição, definição de preços, estratégias de atuação e produtos.
Os vários sistemas mercadológicos encontrados, nos dias atuais, têm
levado empresas, empreendimentos e serviços, a focalizar no atendimento e
no sistema informacional a busca por meios personalizados das diversas
mercadorias, marcas, produtos e serviços, baseando - os em metas
informativas através do geomarketing.

                                                            
1
Semióticos – vem de semiologia que é um sistema que estuda os símbolos e signos empregados em
comunicação. (ROCHA, 1996, p.563).
 
 
 
  9

3. JUSTIFICATIVA

Pretende-se evidenciar ações de aplicação o uso e ocupação do espaço


que tende a mudar, e com essa mudança na forma e na própria composição do
espaço, o qual exige definições mais precisas nessa ocupação, ás
representações cartográficas se apresentam como ferramentas indispensáveis
nessa dinâmica, tornando-se um produto com um valor social considerável, ou
seja, a familiaridade com essa representação é percebido e assimilado, como
imagem do local e do seu em torno.
O trabalho tem como justificativa o processo pelo qual a representação
cartográfica está vinculada ao Marketing e de que forma sistemática se
constitui em uma espécie de rede geográfica, utilizando-se de ferramentas e
técnicas no processo de uso, ocupação e expansão do aglomerado urbano.
Justifica-se também o desejo e na necessidade de consumo, que diante
da rápida comunicação que é desenvolvida pela representação cartográfica
tendo como parceira o recurso de marketing, vinculado a determinados
produtos que são servidos, através de informativos distribuídos nas principais
avenidas da capital para o público consumidor.
Todavia, o interesse em desenvolver tal pesquisa é devido a construção
e/ou uso da análise do processo de Geomarketing no comportamento do
consumidor ou cliente a partir de informações georeferenciadas a respectiva
associação e representação no espaço, com a possibilidade de actualização
das mesmas a partir de noções de proporcionalidades com base na noção de
escalas, seguidas por projeções ato de transpor o plano tridimensional em um
plano bidimensional, ainda nas relações dos signos e símbolos cartográficos,
elementos componentes da legenda, orientação e/ ou localização do espaço
representado como o “lugar”, pontos de referências para localização, fronteiras
e limites, assim com todas estas noções do cliente ou consumidor irá ter o
domínio para realizar a interpretação, a qual fincar-se o seu conhecimento
adquirido pela síntese, através da decodificação semiótica da linguagem
cartográfica.

 
 
 
  10

4. OBJETIVOS

As informações preliminares elencada possibilitam o encaminhamento


de algumas questões para compreensão da proposta deste projeto, entender,
portanto: investigar a forma como está sendo utilizada e percebida à utilização
das representações cartográficas como um recurso ao marketing para o serviço
público – consumidor, o desejo e a necessidade de consumo diante da rápida
comunicação que é desenvolvida pela representação cartográfica, vinculado ao
consumo de determinados produtos que são servidos através de informativos
para o público – consumidor por uma rede geográfica de técnicas elaboradas
por empresas, gráficas e distribuidores através do uso do marketing.

A partir dessas indagações pretende-se

ƒ Investigar a utilização das representações cartográficas por


empresas que se utilização e gráficas que a confeccionam;
ƒ Diagnosticar junto ao público – consumidor do produto, se á uma
interpretação desse objeto;
ƒ Mapear a localização dos pontos que estão sendo distribuídos estes
anúncios em São Luís;
ƒ Pesquisa bibliográfica;
ƒ Uso de fotos in loco no processo de confecção e distribuição desses
materiais;
ƒ Aplicação de questionários: junto às empresas, gráficas,
distribuidores e público consumidor.

 
 
 
  11

5. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

O conhecimento científico passa pelo uso de uma ou mais metodologias,


uma vez que determinada pesquisa não utiliza apenas um método, pois não
seria capaz de dar conta de todo conhecimento. Assim o estudo realizado,
basea-se no método hipotético-dedutivo que segundo Lakatos (1991,p.95) tal
método parte de uma problema no qual oferece uma solução provisória
passando-se a criticar com vista a eliminação de supostos erros, a fim de que o
processo se renovaria a partir de si mesmo, dando origem a novos problemas.
As utilizações de referências bibliográficas irão retratar e/ou definir as
representações geográficas com base na Ciência Cartográfica, assim como os
conceitos do marketing para entender melhor os fenômenos que acontecem na
superfície representada nos “mapas de localização”, montando uma estrutura
de sistema de informação completo, abordando vários conceitos que compõe o
tema deste estudo.
No que tange a análise do tema, a observação e o estudo “in loco” é de
suma importância, a medida que linguagem cartográfica depende da
informação geográfica que esta sendo representada, bem como pesquisa nas
empresas que utilizam tal recurso, as gráficas que confeccionam os panfletos,
assim como os distribuidores, as construtoras/imobiliárias e o consumidor
desse material.
A aplicação de questionários é de fundamental importância na medida
em que possibilita obtenção de informações das empresas e do consumidor.
Para análise e interpretação das informações obtidas durante a aplicação de
questionários, utilizaremos o processo por amostragem aleatório dos dados na
escolha dos segmentos mercadológicos do município objeto de estudo, e
optou-se pela discussão das informações.

5.1 Técnicas de Pesquisa

A fim de se ter o auxílio na busca de respostas que norteiam a pesquisa,


o uso de técnicas como ferramenta no auxilio ao pesquisador torna-se
imprescindível a investigação científica em todo o processo.

 
 
 
  12

5.1.1. Campo

A pesquisa irá contar com o levantamento e mapeamento


georeferenciado mais detalhado dos pontos de distribuição dos panfletos nos
semáforos das principais avenidas da capital (São Luís), assim como dos
pontos onde se encontram os empreendimentos e serviços.

5.1.2 Sujeitos

A pesquisa conta com ainda com as informações de quem utiliza do


serviço (cliente e consumidores), de quem dispõe dos serviços (empresa de
consultoria e promotora de vendas de imóveis e serviços) e de quem a
confeccionam (empresas de publicidade e propaganda e arquitetura).

5.1.3 Instrumentos

A realização da coleta de dados e informações levantadas para a


pesquisa irá utilizar os seguintes instrumentos:

• Técnica de investigação utilizada é a pesquisa bibliográfica, onde


foram utilizados textos e artigos da Internet;
• Uso de fotos “in loco” que juntamente com os panfletos recebidos
nos locais de distribuição irão compor o referencial gráfico do trabalho;
• O uso de dois softwares o Track Maker no qual foi utilizado para
construir o mapa de localização dos pontos e o Corel Draw 12 foi utilizado
na construção dos mapas de localização da área de estudo e reprodução
dos empreendimentos e serviços;
• A utilização do método dialético, com base no que tange as
transformações e desenvolvimentos mediante as contradições;
• A aplicação de questionários para ambos produtos e
consumidores, na obtenção de informações sobre a utilização, importância,
aplicação e comunicação em torno do desenvolvimento na elaboração do
mesmo.

 
 
 
  13

6. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

A questão do espaço habitado pode ser abordada segundo um ponto de


vista biológico, pelo reconhecimento da adaptabilidade do homem, como
individuo, ás mais diversas altitudes e latitudes, aos climas mais diversos, ás
condições naturais extremas SANTOS, 1997, p. 37. Logo, esse espaço
geográfico, a cada dia se mundializa devido, principalmente a globalização da
economia, assim como da própria sociedade, proporcionando um novo
significado a sua natureza transformadora e /ou produtiva.
Quando se observa, nos dias de hoje, que novas tendências surgem, e
com ela o consumo da sociedade urbana, a mudança se torna inevitável, a
cada busca e oferecimento de serviços focados ao atendimento personalizado
do público consumidor, aos diversos produtos ofertados.
Para Richers (2006) o consumidor é certamente receptivo a novas
idéias, mas não engole qualquer prato que se coloque à sua frente, por mais
apetitoso que possa ser.
Por outro lado, encontra-se em uso constante uma alta tecnologia, com
base em Bancos de Dados, fator este fundamental para o processo de
geomarketing. Termo este, que significa o conhecimento do “potencial de
mercado em uma determinada área geográfica, através do estudo das
características de sua população, de suas empresas, e de sua estrutura
urbana” (http://www.cognatis.com/geo_introducao.asp, pesquisado no dia
12/01/2007).
A análise geográfica em conjunto com o geomarketing, são gerados e
utilizados em todo mundo, devido principalmente às informações, por ela
proporcionadas, através de parâmetros de situação, sustentados por negócios
diversos, assim como uma visão detalhada dos empreendimentos através do
desenho impressos em panfletos.
Por extensão, a Cartografia que é constituída de um conjunto de
operações científicas, técnica e artísticas, que representam fenômenos naturais
e artificiais da Terra, através do uso de grafismos pontuais, lineares e zonais,
em superfícies esféricas e planas. Tais fenômenos retratam os momentos da
história da sociedade que os construiu ou os constrói, e o autor, que expressa,

 
 
 
  14

através de sinais e cores, mensagens codificadas”[...] por meio de uma


linguagem cartográfica que utiliza três elementos básicos: sistemas de signos,
redução e projeção” (ALMEIDA; PASSINI, 1992, p. 15).
Logo, dentre os mais diversos recursos cartográficos, existentes, a
representação de forma natural e/ou artificial da superfície terrestres, destaca
os mais variados níveis de organização de componentes quantitativamente,
como qualitativamente ordenados. Ou seja, o componente qualitativo é
expresso por uma série de quantidades mensuradas. Assim, os qualitativos
têm diferenciais dentro dos elementos ditos associativos ou seletivos, e já os
ditos ordenados seguem um sistema de hierarquização por tonalidades
gráficas, de forma que um fenômeno fraco representa uma tonalidade fraca e
um fenômeno forte é representado por uma tonalidade forte.
Assim, para se obter o uso de uma linguagem cartográfica só se torna
possível, através de grafismos, articulados e difundidos com as demais
linguagens, a fim de que ela se faça entender, seja interpretada através de
símbolos e signos, nas diferentes situações, como o mercado consumidor e as
empresas de panfletagem.
Na perspectiva de uma eficácia, “ao realizar representações gráficas de
informações espaciais, uma série de fatores deve ser considerada
antecipadamente. Essas etapas preliminares visam á análise da natureza da
informação espacial que suas relações promovam melhor representação”
(RAMOS, 2005, p. 19). Ou seja, há necessidade do conhecimento de etapas da
comunicação cartográfica, a qual concerne em uma leitura de mapas
eficazmente, a medida que, haja levantamento originais, projeções, técnicas
dispostas, escalas e simbolismo instrumentalizado na interpretação da
natureza espacial.

[...] a cartografia constitui a linguagem da


simultaneidade de relações que o espaço geográfico é, e teria
desse modo um papel fundamental nessa representação
espacial. (FONSECA; OLIVA, 1999 p. 75)

 
 
 
  15

Logo o espaço economicamente competitivo incorpora estudos


cartográficos para fortalecer a linguagem do cotidiano, sistematizada no
mesmo, através, construção social das relações ditas sociais.
A cada dia que passa os espaços urbanos das cidades estão cada vez
mais sendo invadidos por empreendimentos materializados em condomínios
fechados e edifícios residências, causando, um verdadeiro “estouro” no uso de
sistemas de informações do marketing. Com o passar dos tempos estes
espaços urbanos, vêem sendo cada vez mais invadidos por construtoras que
visam primeiramente á procura por áreas consideradas afastadas dos grandes
bairros centrais ou áreas isoladas com infra-estrutura, ao invés de áreas nobres
nos centros das cidades.

Nas cidades, essa explosão do crédito se materializa


em edifícios e condomínios inteiros que sobem em velocidade
vertiginosa, hordas de mocinhas a distribuir panfletos nos
sinais, páginas e mais páginas de anúncios nos cadernos de
classificados dos jornais e recordes sucessivos de vendas
batidos nas principais cidades do Brasil. (VEJA, 2007, p. 69).

Tal modificação tem como fator preponderante, a mudança no


comportamento no ato de construir quanto na venda desses imóveis
(condomínios fechados e edifícios residenciais) que acontece na maioria das
vezes na venda para pessoas de classe média ao invés de pessoas com alto
poder aquisitivo (classes altas). Fatores estes, que estão relacionados
diretamente com a abertura de financiamentos por bancos públicos ou privados
através da abertura de linhas créditos, para compra ou aquisição destes
imóveis.
Hoje em dia, as cidades urbanizadas usam cada vez mais diferentes
tipologias habitacionais. Ou seja, é cada vez mais comum encontrar em
determinadas áreas geográficas, hábitos e culturas agindo da mesma forma ou
diferenciadamente, limitadas apenas pela legislação urbanística, do uso e
ocupação do solo urbano dependendo do zoneamento, influenciado
principalmente pelo mercado imobiliário local, criando áreas novas, lucrativas e
de grande repercussão publicitária.

 
 
 
  16

Localizar e situar um imóvel passa a ser um dos segredos de um bom e


empreendimento. Demonstrar a conveniência que o mesmo tem em relação à
região (ou o próprio local) com as infra-estruturas, reunindo informações (os
panfletos) que irão fazer sentido na visualização dos empreendimentos no
“mapa de localização”. O “mapa de localização” (base de informação) usado
pelo empreendimento comercial ou residencial, otimiza a rede de referências
(entorno, de vias de acesso, perfil sócio demográfico, comportamento dos
clientes ou consumidores, ferramentas dentre outras variáveis), diretamente no
sucesso ou não do negócio.
Quando se observa, nos dias de hoje, que novas tendências surgem, e
com ela o consumo da sociedade urbana, a mudança se torna inevitável, a
cada busca e oferecimento de serviços focados ao atendimento personalizado
do público consumidor ou cliente, aos diversos produtos ofertados.
Nesta perspectiva de eficácia,

[...] ao realizar representações gráficas de informações


espaciais, uma série de fatores deve ser considerada
antecipadamente. Essas etapas preliminares visam á análise
da natureza da informação espacial que suas relações
promovam melhor representação. (RAMOS, 2005, p. 19).

Ou seja, há necessidade do conhecimento de etapas da comunicação


cartográfica, a qual concerne em uma leitura de mapas eficazmente, à medida
que, haja levantamentos originais, projeções, técnicas dispostas, escalas e
simbolismo instrumentalizado na interpretação da natureza espacial como
mostra os panfletos e os “mapas de localização”.
O espaço, economicamente competitivo incorpora estudos cartográficos
para fortalecer a linguagem do cotidiano, sistematizada no mesmo, através, da
construção social das relações ditas sociais, sincronizando a comunicação
visual (o “mapa de localização”), com o marketing e promovendo e
revitalizando espaços.

 
 
 
  17

7 PRESUPOSTOS

Assim como, o termo geomarketing, na qual grandes empresas hoje,


utilizam, como um fornecedor e uma ferramenta para o tratamento de
geoinformações. Ou seja, uma ferramenta que serve de análise através de uma
forma mais ampla para se obter uma organização espacial dos produtos e
serviços disponíveis beneficiando clientes (consumidores), que obterão
excelentes relações de custos, benefícios, soluções e alta performa-se dos
produtos.
Para tanto, é necessário formular o entendimento do uso do marketing
junto à representação cartográfica, que georeferência pontos e áreas no
sentido de obter determinados produtos e serviços, desenvolvendo, assim, o
desejo e necessidade de consumo e que são classificadas através da
percepção rápida e eficiente, atingindo diretamente o consumidor potencial.
A cada nova exigência do mercado e as diversas ferramentas
tecnológicas permitem aplicações de geomarketing no contexto local,
possibilitando prever preferências do cliente ou consumidor, bem como,
analisar o desempenho, a venda e a concorrência do mercado atual, nos
diversos níveis de necessidade e consumo.
O trabalho em conjunto com o território, que fica imbuído de variáveis e
que determinam estratégias de marketing empresarial. Onde localizar? Onde
estão os potenciais consumidores ou clientes? Onde se encontram as
oportunidades para melhor penetração no mercado? Onde se encontra os
serviços e infra – estrutura em seu em torno?
Estas e outras perguntas introduzidas pelo geomarketing, induzem a
ocupação de estudos dinâmicos de ocorrência voláteis no aspecto temporal e
na situação assumindo novos contornos e georeferenciando novos territórios.
Logo, as informações cartográficas com base no marketing, incidem em uma
análise dessas variáveis correspondendo a necessidade especifica e
atualizada dos panfletos com “mapas de localização” que nivelam as redes
viárias de suporte dos fluxos, definindo para onde se deslocam os
consumidores ou clientes e os bens.

 
 
 
  18

Da mesma forma tais variáveis identificam o acesso mais possível que


possa a vir orientar uma determinada empresa (de empreendimento ou de
serviços), no sentido de proporcionar face à localização potenciais de mercado.
Ao integrar as representações cartográficas com o marketing á plataforma
mercadológica, irá gerir fluxos e comportamentos georeferenciados no território
associando estratégias de localização ou geolocalização que podem a vir
significar um retorno financeiro rápido e eficaz.
O uso de mapeamento informacional do mercado demonstra ser, uma
ferramenta de alto potencial informativo, segurança e confiabilidade. À medida
que determina em alguns casos o futuro de empresas e dos negócios, através
das georeferências, do planejamento, das redes de distribuição e definições de
preços, custos, área de atuação e o produto ou mercadoria oferecida.
A relação entre a empresa seja de empreendimento ou de serviços e o
cliente ou consumidor coloca um foco mercadológico, através das
necessidades e do consumo a curto, médio e longo prazo. Visto que, os
gerenciamentos do marketing e dos produtos cartográficos, descrevem e
localizam lugares, por meio dos “mapas de localização” informativos.
A leitura e interpretação detalhada do material cartográfico existente e
entregues nos pontos georeferenciados dos panfletos, levaram a propor como
aprofundamento desta pesquisa, que as empresas de empreendimentos e
serviços utilizem mais os elementos indispensáveis dos produtos cartográficos
como: o título, a legenda, a escala, a data, a orientação e a fonte de forma mais
correta e coerente.
Caso contrário todo, o processo será inabilitado cartograficamente,
desde o uso até a utilização como georeferenciamento, seja em termos
técnicos ou científicos.

 
 
 
  19

8. PLANO DE TRABALHO CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO

A idéia de pesquisar tal assunto surgiu durante o período de graduação


em 2003 (sendo tema da minha monografia sob outra conjuntura, intitulada por
- As Representações Cartográficas como recurso de Geomarketing), a partir de
observações feitas do número de empreendimentos que surgiam a cada dia na
ilha (São Luís/MA) e do número de informações a respeito dos mesmos a partir
de panfletos distribuídos nas principais avenidas da capital. Por esta razão
busco prosseguir nas leituras já realizadas e amplia-lás a partir de
entendimento dos saberes populares dos consumidores e clientes que utilizam
tal modalidade e que a cada dia se apresenta como nova na ilha.
O mercado ludovisence assim como o brasileiro de um modo em geral
se apresenta dinâmico, competitivo e flexivo na busca por informações. Logo,
as informações cartográficas com base no marketing, incidem em uma análise
dessas variáveis correspondendo a necessidade especifica e atualizada nos
panfletos com “mapas de localização” que nivelam as redes viárias de suporte
dos fluxos, definindo para onde se deslocam os consumidores ou clientes e os
serviços.
Da mesma forma tais variáveis identificam o acesso possível e que
possa a vir orientar uma determinada empresa (de empreendimentos ou de
serviços), no sentido de proporcionar face à localização potencial de mercado.
Ao integrar as representações cartográficas com o marketing á plataforma
mercadológica, irá gerir fluxos e comportamentos georeferenciados no território
associando estratégias de localização ou geolocalização que podem a vir
significar um retorno financeiro rápido e eficaz.

O uso de mapeamento informacional do mercado demonstra ser, uma


ferramenta de alto potencial informativo, segurança e confiabilidade. À medida
que determina em alguns casos o futuro de empresas e dos negócios, através
das georeferências, do planejamento, das redes de distribuição e definições de
preços, custos, área de atuação e o produto ou mercadoria oferecida.

O cronograma da pesquisa contemplará no aprofundamento de


referencias bibliográficos sobre o assunto, a investigação mais detalhada dos

 
 
 
  20

panfletos desde confecção até a integra aos transeuntes, levantamento do


número de panfletos com mapas elaborados e distribuídos, aplicação de
questionários direcionado ao conhecimento e as informações do produto ao
cliente e ao consumidor que os utilizam durante o ano de 2009. No ano
seguinte, preparar o texto de qualificação e a programação de outras etapas
após alcançar os objetivos propostos inicialmente. Por fim, juntamente com a
orientadora, cumprir o programa semestralmente discutindo e avaliando,
visando um acompanhamento detalhado durante as etapas da pesquisa.

 
 
 
  21

BIBLIOGRAFIA TEÓRICA BÁSICA

ALMEIDA, Rosangela Doin de. Do desenho ao mapa: inscrição cartográfica


na escola. São Paulo: Contexto, 2001 p. 13-22.

________, Rosangela Doin de. ; PASSINI, Elza Yasuko. O espaço


geográfico: ensino e representação. São Paulo: Contexto, 1992. p.15 -16.

BARROS, Aidil de Jesus Paes de. ; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza.


Projeto de pesquisa: propostas metodológicas. Petrópolis, Rio de Janeiro:
Vozes, 1990. p.18-26.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. (org). Novos caminhos da geografia. São


Paulo: Contexto. 2001. p143 – 1856

CASTRO, Jorge Henrique de. GEOMARKETING – como construir uma análise


perene. Artigo: <http://www.fatorgis.com.br/artigos/opiniao02.pdf> Acessado
em 12/ janeiro de 2007.

CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos. org. Geografia em sala de aula: práticas


e reflexões. Porto Alegre: UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do
Sul/ AGB – Associação dos Geógrafos Brasileiros. 2001. p. 31-47.

DUARTE, Paulo Araújo. Cartografia Temática. Florianópolis: Ed. UFSC, 1999.


145p.

FILHO, J. Moura. Elementos de cartografia: técnica e histórica. Belém:


Falangola, 1993. p. 89.

FONSECA, Alexandre Vitor de Lima. Importância dos mapas: base para os


estudos ambientais do município de São Luís – Ma. São Luís: UFMA, 1993,
54p. Monografia de Pós – Graduação (Especialização) em Planejamento
ambiental, Universidade Federal do Maranhão. São Luís, 1993.

_________. Orientação Geográfica: uma proposta metodológica para o


ensino da geografia na 5ª série. Natal: UFRN, 2004, p. Dissertação de
mestrado em Geografia. área de concentração: dinâmica e reestruturação do
território, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2004.

FONSÊCA, FERNANDA Padovise. ; OLIVA, Jaime Tadeu. A geografia em


sala de aula. Org. Ana Fani A. Carlos. São Paulo: Contexto, 1999. p. 62-77.

FRANCISCHETT, Mafalda Nesi. A cartografia no ensino da Geografia:


construindo os caminhos do cotidiano. Paraná: Grafit. 1997. p. 07.

HASLAM, Andrew. ; TAYLOR, Bárbara. Mapas. Supervisão técnica Eustáquio


de Sene – Tradução Lilá Spinelli. São Paulo: Scipione, 1999. 48p.

 
 
 
  22

LAKATOS,Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de


Metodologia Científica. São Paulo: Altlas, 2008. 309p.

MENEGHETTI, Sylvia Bojunga. Comunicação e marketing: fazendo a


diferença no dia – a – dia de organização da sociedade civil. São Paulo: Globo,
2003. 115p.

MORAES, Jomar. Guia de São Luís do Maranhão. São Luís, 1996.p.32

OSWALD, Dreyer – Eimbcke. O descobrimento da terra. São Paulo.


Universidade de São Paulo. 1992. p. 15.

RAMOS, Cristhiane da Silva. Visualização cartográfica multimídia: conceitos


e tecnologias. São Paulo: UNESP, 2005. 179 p.

RICHERS, Raimar. O que é marketing. São Paulo: Brasiliense, 2006. p. 62.

RIBEIRO, Luiz César de Queiroz. et al. O que é questão da moradia. Brasília:


Brasiliense. 1983. 45p.

ROCHA, Aa da. Marketing: teoria e prática no Brasil. 2º ed. São Paulo: Atlas,
1999. p.283

ROCHA, Ruth. Minidicionário. São Paulo: Scipone, 1996. 748p.

SALES, Vantage. 0 Responses to “A Decisão da Compra pelo Cliente”. Feed


for this Entry Trackback Address. Disponível em Wikipédia, a enciclopédia
livre. Acessada em 01/04/2007.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec,


1997. p. 119.

SCHÄFFER, Neiva Otero. et al. Um globo em suas mãos: práticas para sala
de aula. 2ª ed. Porto Alegre: UFRGS, 2005. p.81.

SIMÔES, Roberto. Iniciação ao marketing. 4º ed. São Paulo: Atlas, 1978. p.


151.

SOARES, Lucila. Nunca houve tanto dinheiro para casa própria: não é mais um
sonho impossível. Revista Veja, São Paulo. V. n. 10. ed. 1999. p. 66- 73,
março. 2007.

Disponível em <http://www.tranexp.com> Acessado em 04/03/2007.


Disponível em < http://www.motamachado.com.br> Acessado em 14/05/2007.
Disponível em http://www.construtoraescudo.com.br Acessado em 14/05/2007.
Disponível em <http://www.quadrantedesign.com.br/> Acessado em 14/05/2007

 
 
 
  23

BIBLIOGRAFIA ESPECÍFICA

CASTRO, Jorge Henrique de. GEOMARKETING – como construir uma análise


perene. Artigo: <http://www.fatorgis.com.br/artigos/opiniao02.pdf> Acessado
em 12/ janeiro de 2007.

FILHO, J. Moura. Elementos de cartografia: técnica e histórica. Belém:


Falangola, 1993. p. 89.

MENEGHETTI, Sylvia Bojunga. Comunicação e marketing: fazendo a


diferença no dia – a – dia de organização da sociedade civil. São Paulo: Globo,
2003. 115p.

RAMOS, Cristhiane da Silva. Visualização cartográfica multimídia: conceitos


e tecnologias. São Paulo: UNESP, 2005. 179 p.

RICHERS, Raimar. O que é marketing. São Paulo: Brasiliense, 2006. p. 62.

RIBEIRO, Luiz César de Queiroz. et al. O que é questão da moradia. Brasília:


Brasiliense. 1983. 45p.

ROCHA, Aa da. Marketing: teoria e prática no Brasil. 2º ed. São Paulo: Atlas,
1999. p.283.

Disponível em <www.fucape.br/premio/melhores_2007/69.pdf Acessado em


04/03/2008. Artigo: GEOMARKETING:Um Estudo Geográfico das
Oportunidades para uma Empresa em Vitória.