Você está na página 1de 24

Comentários sobre as “Provas Cabais da reencarnação

na bíblia”, segundo Severino Celestino.

Um amigo pediu que eu ouvisse a palestra, pois um


fenômeno da doutrina espírita havia descoberto a perfeita
compatibilidade da Bíblia com a doutrina espírita. Isso
depois de trinta anos de esforço, concentração, pesquisa e
estudos.

Fui ouvindo e fazendo anotações sem preocupação com


excelência de apresentação. Se servir a alguém, que sirva.

Esta não é uma pregação sobre Jesus. Gostaria que fosse.

Aqui, porém, vai somente uma pregação sobre o equívoco


humano que tenta de todas as formas e “vidas” revitalizar
suas crenças e resistir às ondas da Verdade, que de tempos
em tempos produzem certas “mortes”.

Se morressem de verdade, seria muito melhor. Porque então,


pelo menos haveria a chance de ouvirem no silencio absoluto
uma voz a chamar, no meio da escuridão. Mas as mortes
morridas por eles nunca são mortes pra valer. São soninhos
embalados por entorpecentes e analgésicos pesadíssimos!
Que fazem a mente estar em constante produção de fantasias,
vozes, criações, explorações e viagens sem fim.

Link para o áudio de palestra:


http://www.youtube.com/watch?v=zzcShTPv3x4
Eis as “provas cabais” de Severino Celestino:

Prova Cabal 1 – 1 Corintios 15:35

“Mas alguém dirá: Como ressuscitam os mortos? E em que


corpo vêm?
36 Insensato! O que semeias não nasce, se primeiro não
morrer;
37 e, quando semeias, não semeias o corpo que há de ser,
mas o simples grão, como de trigo ou de qualquer outra
semente.
38 Mas Deus lhe dá corpo como lhe aprouve dar e a cada
uma das sementes, o seu corpo apropriado.
39 Nem toda carne é a mesma; porém uma é a carne dos
homens, outra, a dos animais, outra, a das aves, e outra,
a dos peixes.
40 Também há corpos celestiais e corpos terrestres; e, sem
dúvida, uma é a glória dos celestiais, e outra, a dos
terrestres.
41 Uma é a glória do sol, outra, a glória da lua, e outra, a
das estrelas; porque até entre estrela e estrela há
diferenças de esplendor.
42 Pois assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-
se o corpo na corrupção, ressuscita na incorrupção.
Semeia-se em desonra, ressuscita em glória.
43 Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder.
44 Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se
há corpo natural, há também corpo espiritual.
45 Pois assim está escrito: O primeiro homem, Adão, foi
feito alma vivente. O último Adão, porém, é espírito
vivificante.
46 Mas não é primeiro o espiritual, e sim o natural; depois,
o espiritual.
47 O primeiro homem, formado da terra, é terreno; o
segundo homem é do céu.
48 Como foi o primeiro homem, o terreno, tais são também
os demais homens terrenos; e, como é o homem celestial,
tais também os celestiais.
49 E, assim como trouxemos a imagem do que é terreno,
devemos trazer também a imagem do celestial.
50 Isto afirmo, irmãos, que a carne e o sangue não podem
herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a
incorrupção.
51 ¶ Eis que vos digo um mistério: nem todos dormiremos,
mas transformados seremos todos,
52 num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar
da última trombeta. A trombeta soará, os mortos
ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos
transformados.
53 Porque é necessário que este corpo corruptível se revista
da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da
imortalidade.
54 E, quando este corpo corruptível se revestir de
incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de
imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está
escrita: Tragada foi a morte pela vitória”.

Ora, este texto de Paulo é tudo o que Severino não crê que é.
Semeia-se corpo corruptível e ressuscita corpo espiritual.
Exemplo: a ressurreição do “PRIMOGÊNITO DENTRE
OS MORTOS”: Jesus. Assim como foi a Ressurreição
dEle, será a de todo o que crê.

Prova Cabal 2 – “Arvore das vidas??” Genesis 2:9

“Do solo fez o SENHOR Deus brotar toda sorte de árvores


agradáveis à vista e boas para alimento; e também a árvore
da vida (02416 yx chay) no meio do jardim e a árvore do
conhecimento do bem e do mal”.

02416 yx chay

procedente de 02421; DITAT-644a

adj
1) vivente, vivo
1a) verde (referindo-se à vegetação)
1b) fluente, frescor (referindo-se à água)
1c) vivo, ativo (referindo-se ao homem)
1d) reflorecimento (da primavera)

nm
2) parentes
3) vida (ênfase abstrata)
3a) vida
3b) sustento, manutenção
nf
4) ser vivente, animal
4a) animal
4b) vida
4c) apetite
4d) reavimamento, renovação
5) comunidade

02421 hyx chayah

uma raiz primitiva [veja 02331]; DITAT-644; v

1) viver, ter vida, permanecer vivo, sustentar a vida, viver


prosperamente,
viver para sempre, reviver, estar vivo, ter a vida ou a
saúde recuperada
1a) (Qal)
1a1) viver
1a1a) ter vida
1a1b) continuar vivo, permanecer vivo
1a1c) manter a vida, viver em ou a partir de
1a1d) viver (prosperamente)
1a2) reviver, ser reanimado
1a2a) referindo-se à doença
1a2b) referindo-se ao desencorajamento
1a2c) referindo-se à fraqueza
1a2d) referindo-se à morte
1b) (Piel)
1b1) preservar vivo, deixar viver
1b2) dar vida
1b3) reanimar, reavivar, revigorar
1b3a) restaurar à vida
1b3b) fazer crescer
1b3c) restaurar
1b3d) reviver
1c) (Hifil)
1c1) preservar vivo, deixar viver
1c2) reanimar, reviver
1c2a) restaurar (à saúde)
1c2b) reviver
1c2c) restaurar à vida

Severino força a interpretação, e ainda condena as versões


latinas, sendo que em outras traduções, a expressão é sempre
a mesma: “Árvore da Vida”.

Inclusive, no Apocalipse, a expressão se repete:

“Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras


no sangue do Cordeiro, para que lhes assista o direito à
árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas”.
(Apocalipse 22:14)

Aqui, o acesso à “árvore da vida” é um direito exclusivo dos


que lavam suas vestiduras no sangue do cordeiro, a fim de
entrar na cidade “pelas portas”. “Pelas portas”, nos lembra
uma expressão de Jesus quando ele falava sobre o Bom
Pastor, que era ele mesmo:

“Em verdade, em verdade vos digo: o que não entra pela


porta no aprisco das ovelhas, mas sobe por outra parte,
esse é ladrão e salteador.
2 Aquele, porém, que entra pela porta, esse é o pastor das
ovelhas.
3 Para este o porteiro abre, as ovelhas ouvem a sua voz, ele
chama pelo nome as suas próprias ovelhas e as conduz
para fora”. (João 10:1-3)

Severino ignora a simples interpretação da proibição do


acesso à árvore da vida. Fato este afirmado de forma clara
e grave no Gênesis:

“O SENHOR Deus, por isso, o lançou fora do jardim do


Éden, a fim de lavrar a terra de que fora tomado.
24 E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do
jardim do Éden e o refulgir de uma espada que se
revolvia, para guardar o caminho da árvore da vida”.
(Gênesis 3:23-24)

Ou seja, mesmo que houvesse algo chamado “árvore das


vidas”, esse algo estaria sob interdição eterna, por
mandato do Eterno. RS!

Prova Cabal 3 – Gênesis 2:7


“Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da
terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o
homem passou a ser alma vivente”.

É a “Encarnação” usada a favor de uma teoria de “Re-


encarnação”.

Prova Cabal 4 – A palavra Reencarnação não existe na


bíblia, pois foi criada por Alan Kardec, conforme sua
“revelação”. Mas Kardec diz que a palavra
“ressurreição”, na bíblia, é usada como sinônimo de
“reencarnação”.

A palavra “yx chay” (Vida) vem de “hyx chayah”, que tem


muitos significados, dentre os quais “reviver”.

Por isto, Severino decidiu que sempre que aparecer


“ressurreição” na bíblia, estaria sendo afirmada a
“reencarnação”.

Porém, a palavra “Ressurreição”, aparece pela primeira vez


em Mateus 22:23.

“Naquele dia, aproximaram-se dele alguns saduceus, que


dizem não haver ressurreição, e lhe perguntaram:
24 Mestre, Moisés disse: Se alguém morrer, não tendo
filhos, seu irmão casará com a viúva e suscitará
descendência ao falecido.
25 Ora, havia entre nós sete irmãos. O primeiro, tendo
casado, morreu e, não tendo descendência, deixou sua
mulher a seu irmão;
26 o mesmo sucedeu com o segundo, com o terceiro, até ao
sétimo;
27 depois de todos eles, morreu também a mulher.
28 Portanto, na ressurreição, de qual dos sete será ela
esposa? Porque todos a desposaram.
29 Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as
Escrituras nem o poder de Deus.
30 Porque, na ressurreição, nem casam, nem se dão em
casamento; são, porém, como os anjos no céu.
31 E, quanto à ressurreição dos mortos, não tendes lido o
que Deus vos declarou:
32 Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de
Jacó? Ele não é Deus de mortos, e sim de vivos.
33 Ouvindo isto, as multidões se maravilhavam da sua
doutrina”.

Ressurreição
386 anastasiv anastasis

de 450; TDNT-1:371,60; n f

1) ato de levantar, levantar-se (p.e. de um assento)


2) ressurreição dos mortos
2a) de Cristo
2b) de todos os homens no fim desta presente época
2c) a ressurreição de certas pessoas históricas que tiveram
a vida restaurada
( #Heb 11:35)

450 anisthmi anistemi

de 303 e 2476; TDNT-1:368,60; v

1) fazer levantar, erguer-se


1a) levantar-se do repouso
1b) levantar-se dentre os mortos
1c) erguer-se, fazer nascer, fazer aparecer, mostrar
2) levantar, ficar de pé
2a) de pessoas em posição horizontal, de pessoas deitadas
no chão
2b) de pessoas sentadas
2c) daquelas que deixam um lugar para ir a outro
2c1) daqueles que se preparam para uma jornada
2d) quando referindo-se aos mortos
3) surgir, aparecer, manifestar-se
3a) de reis, profetas, sacerdotes, líderes de rebeldes
3b) daqueles que estão a ponto de iniciar uma conversa ou
disputa com alguém,
ou empreender algum negócio, ou tentar alguma coisa
contra outros
3c) levantar-se contra alguém

Vê-se por isto, que nem a pregação de Jesus fala de


Ressurreição na perspectiva espírita, assim como a palavra
Ressurreição também não tem como vocação natural a
sinonímia com “Reencarnação”. Sendo somente o “reviver”
no sentido físico (com a mesma mente e memórias) ou no
sentido espiritual, onde há um novo corpo que ressurge em
incorruptibilidade, como o corpo dos anjos do céu.

Severino invoca o episódio de Ezequiel, onde um vale de


ossos secos “revive”. E ele diz que aquilo é reencarnação.

O fato é que não é. Pois quando há um “reviver” a partir de


um mesmo corpo, ou restos mortais, o que há realmente é
uma Ressurreição e não uma Re-encarnação.

A não ser que a doutrina espírita creia e afirme todos os


reencarnados reencarnam a partir de seus restos mortais.
Neste caso, a hipótese da sinonímia entre “Ressurreição” e
“Reencarnação” seria mais plausível. O fato é que não é
assim. A doutrina espírita prega a reencarnação como uma
encarnação em corpo diferente, não vinculado ao corpo
anterior. Esta é a diferença essencial e básica que sempre
haverá entre os dois conceitos.

Prova Cabal 5 – Severino segue impondo ao termo “yx


chay” , sempre o mesmo sentido, não importando onde
ele aparece. Conquanto o termo possua diversas
conotações, sendo mais de 95% no sentido de “Viver”,
para Severino há tendenciosamente uma só: “Reviver”. E
“Reviver” sempre na ótica reencarnacionista. Além disto,
ele sempre traduz esse termo como “vidas”, acusando as
traduções portuguesas de estarem equivocadas e/ou
corromperem o texto original ao traduzirem sempre o
termo no singular: “vida”.

O problema é encontrar uma outra tradução no mundo, que


traduza como “vidas”. O Severino deve lançar a sua tradução
personalizada, já que ele é o fenômeno lingüista mais
extraordinário de todos os tempos.

De fato, “yx chay” é também “reviver”, mas esse “reviver” é


vinculado não ao sentido reencarnacionista. É “reviver” no
sentido de renovação de capacidade, cura, prolongamento,
reanimação, escape de falência estática, re-movimentação.

É portanto, um entendimento de “vida” tão simples quanto


arcaico. Fala da vida no sentido mais básico e tolo quanto se
possa falar. A recuperação do bombeamento do sangue, do
mecanismo pulmonar, da força muscular, da capacidade de
locomoção, trabalho e pensamento.

Quando Jesus diz “Eu vim para dar Vida, e Vida em


abundância”, esse termo “Vida” não tem o mesmo sentido. O
termo grego é “zwh zoe”.

O significado de “Zoe” é “uma absoluta plenitude de vida”.


E aqui, não se fala de existência corporal terrena, mas de
Vida no Ser, no espírito, na parte mais profunda e essencial
do quem eu sou.
É aquela “Vida” que Jesus também disse à mulher
Samaritana que poderia dar a ela:

“Afirmou-lhe Jesus: Quem beber desta água tornará a ter


sede;
14 aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca
mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der
será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna.
15 Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água para que
eu não mais tenha sede, nem precise vir aqui buscá-la.
16 Disse-lhe Jesus: Vai, chama teu marido e vem cá”. (João
4:13-16)

Essa promessa de Vida é recebida pela fé e pelo clamor


humano. Por alguém que conhece o dom de Deus e quem
é Jesus:

“Replicou-lhe Jesus: Se conheceras o dom de Deus e quem


é o que te pede: dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te
daria água viva’. (João 4:10)

Aqui, “Vida” tem um outro nível de entendimento muito


superior! É Vida Espiritual. É vida que uma vez recebida,
“RECEBIDA É”. Não se precisa mais buscá-la em algum
tempo onde sua validade acabe e precise ser renovada.

É portanto um outro “papo”, um outro nível de conversa,


uma promessa muito mais excelente. É Vida, e Vida de
Verdade! Vida com abundância. Não se fala mais de “yx
chay”. Pois “yx chay” carrega em si uma propriedade
significativa que faz sempre referência a alguma
manutenção,cura, prolongação, recuperação, tempo de
revalidação, renovo de condição, reabastecimento
necessário...

Quem fixa os olhos em “yx chay” e só crê em “yx chay”,


obviamente tem que amar mesmo a reencarnação. Pois
não há coisa que mais se encaixe com “yx chay” do que
uma esperança reencarnacionista.

Porém, quem já ouviu falar em “zwh zoe”, e já creu em


“zwh zoe”, só pode crer em Vida de Verdade, que não se
compara com nenhum entendimento outro e nenhuma
esperança outra e nenhuma “vida” outra. É a Vida
conforme Deus, é a Vida Eterna, é a Vida que Jesus dá.

É a Vida sobre a qual diz Jesus: “Ainda que morra, viverá”.


Ou seja, nem a morte pode interrompê-la. Pois o que
acontece é apenas a semeadura de um corpo físico, que
ressuscita como corpo espiritual. Como diz Paulo aos
Coríntios.

E essa “VIDA” - “zwh zoe” – é VIDA não somente a partir


da hora da “passagem”, da morte. É VIDA que nos toma e
nos vivifica HOJE, pela fé. Vivifica nossas expectativas,
nossos sonhos, nossos sentimentos, nosso olhar, nossos
ouvidos, e até nosso corpo mortal.

“Se, porém, Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está


morto por causa do pecado, mas o espírito é vida, por
causa da justiça.
11 Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a
Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a
Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso
corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós
habita”. (Romanos 8:10-11)

Assim, definitivamente, vê-se que a VIDA que Jesus tem pra


dar não é conforme a “vida” que pessoas como Severino
esperam e acreditam.

Pois a Vida de Jesus vivifica-nos hoje!

Vivifica a morte que opera em nós enquanto ainda estamos


aqui, “vivos”, com nosso coração batendo, pulmões
trabalhando, músculos operando, mente processando... A
Vida de Jesus, porém nos livra da “Morte” verdadeira, que
é a separação do Amor de Deus, que é o fruto do pecado,
que é a parede da separação, que é a velha inimizade para
com Deus.

É, sem dúvida, um papo sobre “VIDA”. Mas um papo


totalmente diferente do papo do Severino. Como não
reconhecer isto?

Talvez, uma pergunta interessante e emblemática, diante de


tudo isto seria: “Você sabe o que é MORTE?”

Sabendo-se primeiro o que é MORTE, alguém pode


vislumbrar o que é a promessa de VIDA de Deus.
“Morte”, pra você, seria o interrompimento das funções
orgânicas? Ou “morte” é uma condição espiritual?

Se você vincula morte com interrompimento de metabolismo


físico, fique com “yx chay”, e tenha esperança em
“renovação de licença vital”, no “DETRAN ETERNO”,
onde você pode até evoluir de um fusca para uma Ferrari,
mas sempre circulará nessa via medíocre de morte eterna.

Se você vincula “morte” com uma condição que precisa ser


“tragada” em ti hoje, e de uma vez por todas, então abrace
“zwh zoe”!

Peça a Jesus Vida Hoje, e Ele te dará!

“És tu, porventura, maior do que Jacó, o nosso pai, que


nos deu o poço, do qual ele mesmo bebeu, e, bem assim,
seus filhos, e seu gado?
13 Afirmou-lhe Jesus: Quem beber desta água tornará a ter
sede;
14 aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca
mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der
será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna.
15 Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água para que
eu não mais tenha sede, nem precise vir aqui buscá-la”.
Prova Cabal 6 - Aí, quando Jesus diz a Nicodemos que
“Quem não nascer de novo não poderá ver o Reino de
Deus”, o Severino supõe que Jesus está querendo dizer
que Nicodemos teria que voltar ao ventre de sua mãe,
ou de uma outra mãe qualquer, e “nascer-reencarnar
de novo”.

Bobagem! RS!

Nicodemos também foi bobo ao ponto de interpretar assim o


que Jesus tinha dito a ele. E veja o que Jesus respondeu:

“A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo


que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino
de Deus.
4 Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem
nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre
materno e nascer segunda vez?
5 Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem
não nascer da água e do Espírito não pode entrar no
reino de Deus.
6 O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do
Espírito é espírito.
7 Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de
novo.
8 O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes
donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é
nascido do Espírito.
9 Então, lhe perguntou Nicodemos: Como pode suceder
isto? Acudiu Jesus:
10 Tu és mestre em Israel e não compreendes estas coisas?
(João 3:3-10)

Reparem agora:

Nicodemos interpreta o Novo Nascimento da mesma forma


como Severino interpreta:

“Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer,


sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e
nascer segunda vez?”

Jesus diz :

“Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem


não nascer da água e do Espírito não pode entrar no
reino de Deus.
6 O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do
Espírito é espírito”.

Ou seja: quem nasce da carne, pode nascer quantas vezes for.


Nada mudará! Porque?

“O que é nascido da carne é carne”.

O que nasce da carne é sempre... carne! É sempre a mesma


coisa. Não há processo de evolução, se o “nascer de novo”
for apenas carnal.

Nascer de novo precisa ser um nascer espiritual. E isto pode


acontecer hoje. Nicodemos pode nascer hoje, Severino
pode nascer hoje, se compreender e crêr na Palavra de
Cristo. O problema é que os Mestres, com suas cabeças
cheias de suas próprias tendências e teses, se tornam
burros para entender a simplicidade chocante da Palavra
de Cristo!

“8 O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não


sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que
é nascido do Espírito.
9 Então, lhe perguntou Nicodemos: Como pode suceder
isto? Acudiu Jesus:
10 Tu és mestre em Israel e não compreendes estas
coisas?”

Prova Cabal 7 - Severino ainda suscita a velha teoria


espírita que se aproveita da missão de João Batista
para colocar a pregação reencarnacionista na boca de
Jesus.

Ora, diante da compreensão da “VIDA” que Jesus promete e


dá, parece uma blasfêmia ainda parar para debater o tema
de João Batista-Elias.

João Batista era quem o anjo do Senhor disse que ele deveria
ser:

“E eis que lhe apareceu um anjo do Senhor, em pé, à


direita do altar do incenso.
12 Vendo-o, Zacarias turbou-se, e apoderou-se dele o
temor.
13 Disse-lhe, porém, o anjo: Zacarias, não temas, porque
a tua oração foi ouvida; e Isabel, tua mulher, te dará à
luz um filho, a quem darás o nome de João.
14 Em ti haverá prazer e alegria, e muitos se regozijarão
com o seu nascimento.
15 Pois ele será grande diante do Senhor, não beberá
vinho nem bebida forte e será cheio do Espírito Santo, já
do ventre materno.
16 E converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor, seu
Deus.
17 E irá adiante do Senhor no espírito e poder de Elias,
para converter o coração dos pais aos filhos, converter
os desobedientes à prudência dos justos e habilitar para
o Senhor um povo preparado”.

Cumprindo uma profecia antiga que dizia:

“Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o


grande e terrível Dia do SENHOR;
6 ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração
dos filhos a seus pais, para que eu não venha e fira a
terra com maldição”. (Malaquias 4:5-6)

Jesus fala de João Batista, como sendo o “Elias” que haveria


de vir.

“Mas os discípulos o interrogaram: Por que dizem, pois, os


escribas ser necessário que Elias venha primeiro?
11 Então, Jesus respondeu: De fato, Elias virá e
restaurará todas as coisas.
12 Eu, porém, vos declaro que Elias já veio, e não o
reconheceram; antes, fizeram com ele tudo quanto
quiseram. Assim também o Filho do Homem há de
padecer nas mãos deles.
13 Então, os discípulos entenderam que lhes falara a
respeito de João Batista”. (Mateus 17:10-13)

O problema é o literalismo filho de uma obsessão de


conveniência.

Se Elias vinha para “RESTAURAR TODAS AS COISAS”,


conforme a profecia antiga e conforme Jesus disse...
ONDE ESTAVAM E ESTÃO AS “TODAS AS COISAS”
QUE JOÃO RESTAUROU?

Observe-se o trajeto simples, estranho e pra muitos até


“desprezível” de João Batista, e logo se compreenderá, por
uma prudência sadia e imperiosa, que Jesus falava de
forma espiritual e simbólica.
Pois, temos que decidir aqui uma coisa: Jesus falava
simbolicamente ou tudo o que ele disse era literal.

Se Ele foi literal, em quem momento João Batista (Elias)


restaurou todas as coisas?

Das duas uma: Jesus falava de forma simbólica-espiritual ou


Jesus era um falador golpista.

Se Jesus era um falador-golpista, isto serve à teoria Severina-


Espírita. Pois literalmente se lerá que João restaurou todas
as coisas e definitivamente era a reencarnação literal e
absoluta de Elias.

Se Jesus falava simbólica e espiritualmente, a “restauração


de todas as coisas” era algo que espiritualmente se
consumava na cruz de Cristo, de onde Ele bradou enfim:
“TUDO ESTÁ CONSUMADO!”

João só restaurou a esperança que aponta para O


RESTAURADOR DE TODAS AS COISAS, que é Jesus.

A melhor restauração que podemos exercer no mundo, e a


começar de nós mesmos, é essa: “Confessar a Jesus como
o restaurador de todas as coisas”. E essa realidade é
espiritual, ainda que o mundo exterior se corrompa e não
mude em nada. No Espírito, pela fé, TUDO SE FAZ
NOVO.

Por esta razão, usar a missão e o testemunho de João para


favorecer teorias reencarnacionistas é um golpe de gente
que quer se distrair da Verdade.

Porque quem quer ver e ouvir a Verdade, enxerga pra onde o


dedo de João Batista aponta, sem se preocupar com os
carimbos que possam haver no passaporte de João.

E quem ouve a João e encontra a Jesus, experimenta a


Restauração de todas as coisas em si, no coração. Recebe
a Água da Vida, e flui Rios de Águas Vivas para a
Eternidade. E jamais precisa voltar a buscar água.
É tempo de parar de brincadeira e entender a gravidade da
hora. Não há mais tempo para dispersões e distrações.
Pare-se de enrolar e adiar a hora de decisão!

Que todos saiam do Torpor da verdadeira morte! A


embriaguez mortal!

“e, deixando Nazaré, foi morar em Cafarnaum, situada à


beira-mar, nos confins de Zebulom e Naftali;
14 para que se cumprisse o que fora dito por intermédio do
profeta Isaías:
15 Terra de Zebulom, terra de Naftali, caminho do mar,
além do Jordão, Galiléia dos gentios!
16 O povo que jazia em trevas viu grande luz, e aos que
viviam na região e sombra da morte resplandeceu-lhes a
luz.
17 Daí por diante, passou Jesus a pregar e a dizer:
Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus”.
(Mateus 4:13-17)

Você recebe a Jesus e crê nEle? Quer a Vida que Ele veio
dar e tem pra dar?

Então venha, sente-se e ouça-o! Ouça-o até o fim. E até as


últimas conseqüências. Guarde a Palavra dEle e viva por
ela, a fim de que você descubra a Verdade, sendo liberto.

Isso é o que importa. É a única questão pendente e essencial.


E oro para que Severino, assim como todo homem, veja essa
questão única e verdadeiramente CABAL.

Sei que há muita gente boa e bem intencionada, que se


agarrou a fé espírita como um modo de consolar-se e dar a
si mesmos e ao mundo, certas respostas lógicas e
convenientes.

Porém, o meu convite respeitoso e reverente, é que se busque


conhecer as Boas Novas de Jesus Cristo.

Leia-se o Evangelho, sem auxilio de ferramentas, lentes e


cajados religiosos de qualquer espécie e tipo.

Jesus é a carta do Amor de Deus, perfeita, exata, clara,


abundante e suficiente, enviada ao mundo. Quem o
conhece e crê nEle, terá sua sede – qual seja ela – saciada
de forma definitiva. E não somente isto. Tornar-se-á um
chafariz de águas vivas, que jorram para a eternidade.

É o meu testemunho e a minha dica alegre e cheia de


expectativa e exultação. Prove!

Paz e VIDA!

Rio de Janeiro, 17 de agosto de 2009

Marcello Cunha