Você está na página 1de 3

4.1 - ADMINISTRAÇÃO DIRETA.

No âmbito federal: é o conjunto de órgãos integrados na estrutura administrativa da residência da República e dos Ministérios;

No âmbito Estadual: é o conjunto de órgãos integrados na estrutura administrativa do Governo do Estado e dos Secretários de Estado.

No âmbito Municipal: é o conjunto de órgãos integrados na estrutura administrativa da Prefeitura e das Secretarias Municipais;

Órgãos são os integrantes da Administração Direta e apresentam as seguintes características:

- São característicos da desconcentração de serviços públicos;

- Não são pessoas jurídicas;

- São partes integrantes de um conjunto que possui função definida;

- São caracterizados como “plexo de competências” definido por lei;

- Têm capacidade judiciária ou processual (Meirelles, 1999, 63).

4.2 - ADMINISTRAÇÃO INDIRETA.

A criação de entidades da Administração indireta é de iniciativa privativa do Poder Executivo, seja Federal , Estadual ou Municipal.

4.2.1 - AUTARQUIAS:

Pessoa jurídica de direito público. É criada por lei específica a pessoa jurídica surge da própria lei, sem necessidade de registro. Não pode ser criada por decreto ato administrativo, mas apenas por lei no sentido formal e material lei do Poder Legislativo.

As autarquias são criadas para desempenharem atividades típicas da Administração Pública e não atividades econômicas. São exemplos de Autarquias, no âmbito federal, INSS; IBAMA; INCRA ; DNOCS.

São características básicas das Autarquias:

1 - pessoa jurídica - titular de direitos e obrigações próprios distintos da pessoa que a instituiu;

2 - de direito público - regime jurídico-administrativo de direito público quanto a prerrogativas (privilégios) e restrições (amarras);

3 - criação e extinção por lei específica - CF/88, art. 37, XIX, redação da EC nº 19;

4 - desempenha serviço público descentralizado;

5 - o seu pessoal é ocupante de cargo público;

6 Os contratos celebrados pelas autarquias deverão ser precedidos de licitação;

7 - regime tributário - imunidade de impostos (sobre patrimônio renda e serviços) relacionados a suas finalidades essenciais;

8 responsabilidade objetiva pelos danos causados a terceiros (CF, art. 37, § 6º)

9 os bens são impenhoráveis, imprescritíveis e inalienáveis; 10 proibição de acumulação de cargos, empregos ou funções;

4.2.2 - FUNDAÇÕES:

Segundo Hely Lopes Meirelles, as fundações públicas são pura e simplesmente espécies do gênero autarquias. A diferença se dá em relação a sua base estrutural. Enquanto as autarquias possuem base corporativa (associativa), as fundações possuem base fundacional (patrimonial).

As principais características das fundações são as seguintes:

1 - pessoa jurídica - titular de direitos e obrigações próprios distintos da pessoa que a instituiu;

2 - de direito público - regime jurídico-administrativo de direito público quanto a prerrogativas e restrições; pode ser de direito privado;

3 - criação autorizada por lei específica - CF/88, art. 37, XIX, redação da EC nº 19;

4 - lei complementar definirá as áreas de sua atuação - CF/88, art. 37, XIX, redação da EC nº 19;

5 - o seu pessoal é ocupante de cargo público;

6 os contratos celebrados pelas fundações são precedidos de licitação;

7 - regime tributário - imunidade de impostos (sobre patrimônio renda e serviços) relacionados a suas finalidades essenciais.

8 responsabilidade objetiva pelos danos causados a terceiros (CF, art. 37, § 6º)

9 - os bens são impenhoráveis, imprescritíveis e inalienáveis;

10 proibição de acumulação de cargos, empregos ou funções;

4.2.3 - EMPRESAS PÚBLICAS.

Já vimos que as Autarquias são criadas através de lei específica. As Empresas Públicas necessitam para adquirirem a

personalidade jurídica de direito privado, de registro dos seus atos constitutivos perante órgão competente (juntas comerciais). Além disso, faz-se imperioso lei autorizativa para a criação da Entidade (CF, art. 37, XIX).

A Empresa Pública pode ser constituída de qualquer forma admitida em direito: S/A; LTDA ou forma societária

específica. Entende-se por forma societária específica uma estruturação criada especificamente para uma determinada empresa pública. Isso acontece com algumas empresas públicas federais, uma vez que compete à União legislar em matéria comercial, podendo, portanto, criar uma empresa pública com uma peculiar forma societária. Ex. CEF.

Vejamos mais algumas características das Empresas Públicas:

1 - pessoa jurídica - titular de direitos e obrigações próprios distintos da pessoa que a instituiu;

2 - de direito privado - entretanto incidem, ao menos parcialmente, normas de direito público a exemplo do

concurso público para investidura no emprego público e obrigatoriedade de realizar processo de licitação pública.

3 - criação autorizada por lei específica - CF/88, art. 37, XIX, redação da EC nº 19;

4 - desempenho de atividade de natureza econômica;

5 - o seu pessoal é ocupante de emprego público;

6 - regime tributário - o mesmo das empresas privadas;

7 - forma de organização - sob qualquer das formas admitidas em direito;

8 - composição do capital - a titularidade do capital é constituída unicamente por capital público. No entanto,

desde que a maioria do capital com direito a voto permaneça de propriedade da União, admite-se a participação de

outras pessoas de direito público interno a exemplo de Estados e Municípios, bem como de entidades da Administração indireta dos Estados e Municípios, inclusive de suas empresas públicas e sociedades de economia mista (Pietro, 1998, 335).

9 - proibição de acumulação de cargos, empregos ou funções;

10 seus bens podem ser penhorados;

11 os seus empregados estão vinculados ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS)

4.2.4 - SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA.

A principal diferença entre Sociedades de Economia Mista e Empresas Públicas está na formação do capital social. No caso das Sociedades de Economia Mista, é subscrito por entidades vinculadas à Administração Pública e por particulares, devendo, no entanto, haver o controle acionário das Entidades vinculadas à Administração. Só será Sociedade de Economia Mista se houver o controle acionário pela Entidade vinculada à Administração Pública.

Outra distinção básica é que a Sociedade de Economia Mista só poderá ser sociedade anônima.

Características:

1 - pessoa jurídica - titular de direitos e obrigações próprios distintos da pessoa que a instituiu;

2 - de direito privado - entretanto incidem, ao menos parcialmente, normas de direito público a exemplo do

concurso público para investidura no emprego público e obrigatoriedade de realizar processo de licitação pública;

3 - criação autorizada por lei específica - CF/88, art. 37, XIX, redação da EC nº 19;

4 - desempenho de atividade de natureza econômica;

5 - o seu pessoal é ocupante de emprego público;

6 - regime tributário - o mesmo das empresas privadas;

7 - forma de organização - unicamente sob a forma de sociedade anônima;

8 - composição do capital - a titularidade do capital pode ser público e privado;

9 - não estão sujeitas a falência, mas os seus bens são penhoráveis e executáveis, e a pessoa jurídica que a controla responde, subsidiariamente, pelas suas obrigações (art. 242, da lei 6404/76, lei das sociedades anônimas);

10 - proibição de acumulação de cargos, empregos ou funções;

11 os seus empregados estão vinculados ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS).

As principais diferenças entre Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista são as seguintes:

EMPRESAS PÚBLICAS

SOC. ECONOMIA MISTA

CAPITAL:

CAPITAL:

Constituído por recursos de Pessoas Jurídicas de D. Público ou Entidades da Administração Indireta

Podem se conjugar recursos de particulares com recursos de Pessoa Jurídica de Direito Público ou da Administração Indireta com maioria votante na esfera federal

FORMA SOCIETÁRIA:

FORMA SOCIETÁRIA:

Podem adotar qualquer forma societária admitida em direito

São obrigatoriamente S/A (art. 5º Decreto-lei 200/67)

FORO:

FORO:

Justiça Federal (CF, art. 109)

Justiça Estadual