Você está na página 1de 12

Peixes de Água Doce

Peixes de Água Doce PisciculturaComércioeIndústriadeAquárioItaqueraLtda.
Peixes de Água Doce PisciculturaComércioeIndústriadeAquárioItaqueraLtda.
Peixes de Água Doce PisciculturaComércioeIndústriadeAquárioItaqueraLtda.

PisciculturaComércioeIndústriadeAquárioItaqueraLtda.

Nome científico : Botia macracantha Nome popular : Botia palhaço. Origem e distribuição : Sudeste

Nome científico : Botia macracantha Nome popular : Botia palhaço. Origem e distribuição : Sudeste da Ásia, sendo encontrado em Sumatra, Bornéu e ilhas do Arquipélago de Sonda. Tamanho : Pode alcançar até 30 cm de comprimento, porém em aquário, raros são os indivíduos que atingem a metade deste tamanho. Dimorfismo sexual : O dimorfismo sexual não é evidenciado pelas características externas. Reprodução : A literatura lista alguns raros casos de reprodução em aquários que ocorreram de maneira espontânea, sem terem sido adequadamente observados.

Índole : Peixe de hábitos pacíficos, que aprecia se deslocar pelo aquário formando cardumes. Apresenta um hábito característico que consiste em subir e descer repetidas vezes ao longo de uma das paredes do aquário. Animal crepuscular, não deve ser mantido em aquários com iluminação muito intensa, sem providenciar esconderijos, onde possa se abrigar da luminosidade excessiva.

Tamanho do aquário : Por serem peixes com potencial para alcançar grandes proporções, devemos lhes destinar aquários de grande volume, tendo como mínimo 150 litros. Temperatura : Prefere temperaturas relativamente baixas entre 22 e 24 Célsius. pH : É encontrada na natureza em coleções de água de pH neutro ( 7.0 ) ou ligeiramente ácido. Filtração : Águas límpidas e muito oxigenadas, com baixos teores de nitrogenados em dissolução. Necessidades alimentares : Alimenta-se de pequenas presas, especialmente vermes e larvas de insetos que encontra, em meio aos sedimentos, com o auxílio dos barbilhões labiais. Em aquário aceita com facilidade alimentos em pastilhas, próprios para peixes de fundo. Plantas Aquáticas : Costuma danificar a vegetação aquática, recomenda-se complementar sua dieta com rações a base de vegetais.

danificar a vegetação aquática, recomenda-se complementar sua dieta co m rações a base de vegetais. Bala

Bala Shark

Nome cien tíf ico: Betta splendens . Peixe de briga, Betta. Encontrado originalmente na Tailândia,
Nome cien tíf ico: Betta splendens . Peixe de briga, Betta. Encontrado originalmente na Tailândia,
Nome cien tíf ico: Betta splendens . Peixe de briga, Betta. Encontrado originalmente na Tailândia,

Nome cien tíf ico: Betta splendens. Peixe de briga, Betta. Encontrado originalmente na Tailândia, Malásia e outros países limítrofes, o Betta, entrou para história do aquarismo, como o peixe de briga do Sião, antigo nome da atual Tailândia, onde ainda hoje é criado (na forma selvagem) para ser empregado emdisputadíssimas e lucrativas “ rinhas”, onde não raro chegam a lutar até a morte. No ocidente, f elizmente, as pessoas p referem os Bettas pela sua beleza e capacidade de adaptação a ambientes que deixammuito a desejar, no que concerne a uma manutenção adequada. Provido de ummecanismo acessório para respiração, o qual permite que (no ambiente natural) o peixe não seja sufocado, devido a falta de oxigênio na água dos pântanos onde vive, pode ser confinado emambientes ridículos e claustrofóbicos. Porémpara a reprodução deve-se proporcionar umambiente umpouco mais amplo, como umaquário de 25 ou 30 litros, comapenas 10 cmde lâmina de água e comumdispositivo de aquecimento que permita manter a temperatura do

ar um pouco acim a da temperatura da água, a qual idealm ente deverá ser fixada em 27º C. O macho

fabrica um“ ninho” acumulando ummonte de espuma, formada por bolhinhas de ar envolvidas emum a secreção saliv ar espessa, nas raíze s de uma planta f lut uante. O c riador em perspectiva deverá oferecer ao macho duas fêmeas que apresentemsinais de estaremaptas ao acasalamento. Esses sinais são denotados por ummaior volume da região ventral, o aparecimento do poro genital (parece umovinho branco pendurado no baixo ventre) e a mudança das faixas longitudinais escuras, características das fêmeas e dos machos selvagens, para faixas verticais claras. As fêmeas dever ão ser a presentadas ao seu futuro consorte dentro de vidros de maionese que serão deixados a boiar no aquário de criação.

O macho escolherá uma delas e se exibi ra a maior parte das vez es para sua eleita. A postura do m acho

se exibindo para a fêmea é umespetáculo digno de ser visto. No dia seguinte logo pela manha, a fêmea não escolhid a será retirada do aquár io e a “ felizarda” será sol ta. O criador deverá observar atentam ente,

pois a fêmea poderá não estar pronta para o acasalamento e pode sofrer sérios ferimentos causados

pelos arroubos do amante latino de nadadeiras. Se tudo correr para o melhor, o macho atrairá a fêmea para debaixo do ninho de bolhas, onde numparoxismo de excitação ocorre a extrusão e conseqüente fecundação dos óvulos. A fêmea fica boiando entorpecida e o macho desce para coletar os ovos que, caso único entre os peixes que compõema família do Betta (família Bellontidae), são pesados e afundam. Por esse motivo, o aquário para a reprodução dos Bettas não deve ter cascalho no fundo.

O pai apanha coma boca os ovinhos, de cor branco-leite e os coloca no ninho de bolhas. A mãe caso

acorde do estupor tambémdesce para pegar os ovos, mas geralmente os come. Terminada a desova que

pode demandar umas duas horas de abraços e descidas para apanhar os ovos, a fêmea deve ser retirada do aquário, pois o instinto do macho lhe diz que deve atacar tudo o que possa representar perigo para

as crias, até mesmo a mão do criador. As crias dem oram de 48 a 72 horas para nascere m e passam mais

uns três dias aderidas na posição vertical aos vidros do aquário. Devemser tratadas do mesmo modo que

o indicado para as Colisas (parentes do Betta, tambémpertencentes à família Bellontidae).

Nomecientífico: Colisalalia (Hamilton1822) Nomepopular: Colisalália. Origemedistribuição: Bangadlesh, nos deltas
Nomecientífico: Colisalalia (Hamilton1822) Nomepopular: Colisalália. Origemedistribuição: Bangadlesh, nos deltas
Nomecientífico: Colisalalia (Hamilton1822) Nomepopular: Colisalália. Origemedistribuição: Bangadlesh, nos deltas
Nomecientífico: Colisalalia (Hamilton1822) Nomepopular: Colisalália. Origemedistribuição: Bangadlesh, nos deltas

Nomecientífico: Colisalalia(Hamilton1822) Nomepopular: Colisalália. Origemedistribuição: Bangadlesh, nos deltas dos rios Ganges eBrahmaputra. Bornéo. Nocontinenteindiano compartilhamseuhabitat comColisasotaeColisafasciata. Tamanho: máx. 5cm.Afêmeaé, normalmente, umpouco menor. Dimorfismosexual: Machos muitocoloridos, apresentando faixas diagonais alternadas emazul metálicoevermelho. Nadadeiradorsal terminandoemponta. Fêmeas com coloraçãocinzaprateadaenadadeiradorsal arredondada. Variedades: Existemalgumas variedades produzidas em cativeiro, comoaláliavermelhaealáliaazul. Reprodução: Omachoconstrói umninhodebolhas reforçadocompedaços deplantas aquáticas. Os ovos são flutuantes eomachoos agrupadebaixodoninho, cuidando sozinhodos ovos elarvas recémnascidas.Aeclosãoocorre decorridas 12a16horas.As larvas estãonadandolivremente após decorridos dedois emeioatrês dias após apostura. Omachodeveser retiradonessaocasião. Índole: Relativamentepacífico, mais agressivonaquadra reprodutiva. Tamanhodoaquário: Podeviver emambientes depequeno volume, desdequeproporcionais aoseutamanho, para reproduçãoserecomendaumaquárioacimadequarenta

litros.Alturadaáguaentre10e15cmdeprofundidade.

Temperatura: 25a27º Célsius. Dureza: Podemseadaptar aáguamuitoduraealcalina. pH: Preferemágualigeiramenteácida, comumvalor próximodoneutro. Filtração: Águalimpaeclara, filtradacomfiltrodeespuma ououtrosimilar. Necessidades alimentares: Preferempresas vivas, mas se adaptamfacilmenteàs rações comerciais. PlantasAquáticas: Normalmentenãoatacamas plantas, porémomachoreforçaseuninhocompedaços arrancados à vegetaçãodoaquário.

Nome científico : Carassius auratus Nome popular : Kínguio, Peixe Japonês, Peixe Dourado. Tamanho :
Nome científico : Carassius auratus Nome popular : Kínguio, Peixe Japonês, Peixe Dourado. Tamanho :
Nome científico : Carassius auratus Nome popular : Kínguio, Peixe Japonês, Peixe Dourado. Tamanho :
Nome científico : Carassius auratus Nome popular : Kínguio, Peixe Japonês, Peixe Dourado. Tamanho :

Nome científico : Carassius auratus Nome popular : Kínguio, Peixe Japonês, Peixe Dourado. Tamanho : Existem dezenas de variedades ou raças, desenvolvidas principalmente na China e no Japão. Algumas destas variedades podem ultrapassar os 20 centímetros de comprimento. Dimorfismo sexual : Evidente apenas no período reprodutivo, que coincide com o início da primavera. Os machos apresentam nódulos ( tubérculos nupciais ), localizados nos opérculos e bordas das nadadeiras peitorais. Também é possível a identificação sexual, mediante a observação da região genital dos peixes adultos. Reprodução : Areprodução ocorre no início da primavera, quando o tempo começa a esquentar. Os criadores profissionais costumam colocar dois machos para cada fêmea para assegurar um grande índice de fecundação dos óvulos. Adesova ocorre pela manhã e os ovos são retirados do tanque de desova, assim que esta se encerra para evitar que sejam comidos pelos progenitores. Índole : Geralmente pacíficos, podem por vezes agredir aos companheiros de aquário. Algumas variedades apresentam um comportamento mais irascível que outras. Origem e distribuição : China Continental, introduzido como peixe ornamental no Japão. Historicamente o Kínguio foi o primeiro peixe a ser mantido em cativeiro com finalidades puramente ornamentais. Os primeiros registros acerca desta espécie datam do ano 970 da era Cristã. Tamanho do aquário : São peixes que atingem um grande tamanho e volume corporal, devendo habitar aquários de tamanho relativamente grande, no mínimo 200 litros, ou preferivelmente tanques de jardim. Temperatura : Atemperatura ideal deverá ser de 24º Célsius no verão, caindo até um mínimo de 16º C. no inverno. Evite misturar espécies tropicais com kínguios, uma vez que os requerimentos ambientais respectivos podem ser e o são freqüentemente diversos. pH : O pH deverá ser levemente alcalino com um valor equivalente a 7.4 ou 7.6. Filtração : Exigem para alcançarem o máximo desenvolvimento, uma água límpida e muito oxigenada, com baixos níveis de resíduos nitrogenados ( amônia, nitritos e nitratos ) em dissolução. Necessidades alimentares : Alimentação onívora, devendo receber uma dieta variada que inclua vegetais, como alface, espinafre, escarola, elódea, etc Plantas Aquáticas : As únicas plantas recomendadas para aquários de kínguios, são as artificiais, ou as naturais de folhas duras, como algumas espécies de Echinodorus, Acorus ou Anubias.

Molinésia dálmata. Nome científico : Poecilia sphenops. Nome popular : Molinésia. Tamanho : Entre 6
Molinésia dálmata. Nome científico : Poecilia sphenops. Nome popular : Molinésia. Tamanho : Entre 6
Molinésia dálmata. Nome científico : Poecilia sphenops. Nome popular : Molinésia. Tamanho : Entre 6

Molinésia dálmata.

Nome científico : Poecilia sphenops. Nome popular : Molinésia. Tamanho : Entre 6 e 10 cm. Origem e distribuição : Regiões costeiras ocidentais do México e da América Central. Apresenta inúmeras variedades de aquário, tais como as molinésias, dálmata, laranja, balão, tigre, lira e outras.

dálmata, laranja, balão, tigre, lira e outras. Molinésia tigre lira. Nome científico : Poecilia

Molinésia tigre lira.

Nome científico : Poecilia sphenops. Nome popular : Molinésia. Tamanho : Entre 6 e 10 cm. Origem e distribuição : Regiões costeiras ocidentais do México e da América Central. Apresenta inúmeras variedades de aquário, tais como as molinésias, dálmata, laranja, balão, tigre, lira e outras.

Oscar albino. Oscar bronze. Oscar lutino.

Oscar albino.

Oscar bronze.

Oscar albino. Oscar bronze. Oscar lutino.
Oscar albino. Oscar bronze. Oscar lutino.

Oscar lutino.

Nome científico : Astronotus ocellatus. Nome popular : Apaiari é o apelido regional mais divulgado de um velho conhecido nosso, o mundialmente famoso e muito popular Oscar, que também é conhecido por alguns grupos indígenas como acará-açu ou acará-guaçu (algo assim como cará grande), devido ao tamanho que costuma atingir. Tamanho : Por volta dos trinta centímetros de comprimento. O recorde parece ser de um exemplar capturado na Natureza (a fonte da informação é o Fish Data Base), que media perto de 45 cm e pes ava por volta de 1,5 Kg. Origem e distribuição : Tendo sido registrado com o nome de Astronotus ocellatus , nosso amigo é encontrado na calha do rio Amazonas, vivendo em remansos e poços (locais de água pouco movimentada) dos rios e igarapés da região, bem como em lagos e lagoas marginais destes cursos de água. Habita toda a floresta amazônica, no Peru, Colômbia e Brasil, sendo ainda encontrado na Guiana Francesa. Existe uma outra espécie, o A. crassipinnis de aparência semelhante, mas com o porte algo menor (máximo de uns 25 cm), encontrado na porção sul da área geral de distribuição do A. ocellatus (no território brasileiro) e na bacia do complexo formado pelos rios Paraná e Paraguai. Carnívoros, gostam de comer pequenos peixes, camarões, caracóis aquáticos, minhocas e insetos (tais como grilos e baratas). A facilidade com que se reproduz em cativeiro deu origem a diversas variedades, obtidas por seleção orientada e retrocruzamentos dos indivíduos portadores das características desejadas, dentre as quais se destacam o Oscar albino (branco rosado com olhos vermelhos), o Oscar branco ou lutino (uma variedade oligomelânica, muitas vezes vendida como albina), de coloração branco amarelada, às vezes, salpicada de pontos escuros e olhos de coloração normal, o Oscar tigre (com faixas avermelhadas cortando os costados), o Oscar vermelho (também conhecido como Oscar bronze, dependendo da tonalidade apresentada) e as variedades de véu (cujas nadadeiras apresentam os raios extremamente alongados, em relação ao tipo normal, assemelhando-se ao velame de um navio), que pode ser expressa em todos os tipos listados acima. O aquário deve ser grande (500 litros ou mais) e dotado de um excelente sistema de filtragem mecânica e grande apacidade biológica (dry-wet ou fluidizado). Água de pH neutro a ligeiramente alcalino (7.0 a 7.6), dureza média (9 a 12 dH) e temperatura entre 24 e 26º Célsius. Durante o período reprodutivo é onveniente aumentar um pouco a temperatura (28º C), para melhorar os índices de fecundação e acelerar o desenvolvimento embrionário. O Oscar é um ciclídeo de tamanho grande e como tal compartilha com os demais membros de grande porte da família, características gerais de comportamento, como a monogamia (separam-se aos casais no período reprodutivo, mantendo fidelidade ao parceiro durante todo o período e às vezes, formando associações que se perpetuam por vários anos seguidos). Outro traço característico da família é o modo como decidem se acasalar (peculiar, para dizer o mínimo), que começa com uma espécie de queda de braços ou prova de força entre os dois enamorados ( o par se agarra pelas mandíbulas, executando uma série de puxões, torções e safanões, com a finalidade, segundo a análise de alguns etólogos - estudiosos do comportamento animal - de definir se ambos os nubentes tem disposição suficiente para enfrentar uma vida a dois. A coisa toda mais parece uma briga do que o acerto de um contrato pré-nupcial. Aquele que não suportar o jogo e desistir é impiedosamente perseguido pelo ganhador (?) da disputa. E se o aquário não tiver grandes dimensões ou inúmeros esconderijos, esse exemplar mais fraco (sim, às vezes é o macho quem perde!), pode perder a vida devido à gravidade dos ferimentos causados pelo vencedor. Quando há empate os ânimos se acalmam e o casal passa a viver em relativo acordo mútuo. Outro aspecto interessante do comportamento deste grupo de peixes reside na existência de um acentuado comportamento parental (cuidam e protegem a desova e as crias até que estas se emancipem e dispersem pelo mundo) e territorial, defendem a área em que estabeleceram o ninho, que no caso específico do Oscar, costuma ser um buraco na areia ou no lodo, que escavam com a boca até atingir uma base sólida onde serão depositados os óvulos. Costumam cavar e mover quantidades impressionantes de lodo, areia, cascalho, seixos e demais entraves, mesmo aqueles de peso considerável, atuando como verdadeiras retroescavadeiras vivas. Pode-se dizer que o apaiari é uma das espécies de peixes mais inteligentes dentre aquelas que são mantidas em aquário. Parecem ter a capacidade de reconhecer as pessoas que os tratam, interagindo com as mesmas. São passíveis de treinamento (por condicionamento pavloviano), aprendendo a atender ao chamado de uma campainha, tocar sineta e outros truques simples (para eu e você, mas certamente muito complexos para um peixe), deitam-se à flor d'água e deixam-se tocar pelas pessoas com as quais estabeleceu relações de confiança. Conheço vários aquaristas que pagaram mico ao querer mostrar, a algum colega, as habilidades de seu "peixinho" de estimação, e na hora H, o Oscar simplesmente se entoca ou deita de lado, no fundo do aquário, muito pálido (reação muito comum nestes animais, quando querem passar desapercebidos e não tem onde se esconder), deixando o dono com cara de tacho.

Nome científico: Symphysodon discus . Disco Heckell S. aequifasciatus . Disco Verde; Disco Azul, Disco
Nome científico: Symphysodon discus . Disco Heckell S. aequifasciatus . Disco Verde; Disco Azul, Disco
Nome científico: Symphysodon discus . Disco Heckell S. aequifasciatus . Disco Verde; Disco Azul, Disco
Nome científico: Symphysodon discus . Disco Heckell S. aequifasciatus . Disco Verde; Disco Azul, Disco

Nome científico: Symphysodon discus. Disco Heckell S. aequifasciatus. Disco Verde; Disco Azul, Disco Marrom; Disco Royal Blue. Originário dos rios que formam a bacia do Amazonas, esse peixe pertence à família dos ciclídeos, sendo conhecido durante as décadas de 30, 40, 50 e 60 do século passado como o rei do aquário (status este que perdurou até o advento do aquário marinho e dos peixes de recife de coral). Ainda hoje é muito prezado e valorizado nos países da Europa, nos Estados Unidos e no Extremo Oriente e Sudeste Asiático. Inúmeras variedades foram obtidas por meio de cruzamentos seletivos, entre as duas espécies e seis ou sete variedades que são encontradas na Natureza. Para a obtenção de um casal devemos adquirir 6 a 8 exemplares jovens, com uma conformação perfeita, sem defeitos no corpo e nadadeiras. Dê preferência para peixes não excessivamente coloridos, pois animais ainda não adultos e plenamente desenvolvidos, apresentando uma cor muito intensa podem ter sido submetidos a tratamentos hormonais, para desenvolverem o colorido mais rapidamente, não sendo, portanto, lá muito indicados para fins de reprodução. Talvez a melhor solução seja tentar obter os exemplares de algum criador comprovadamente idôneo. Trata-se de peixes exigentes que apreciam água ácida (pH 6.2 a 6.8), mole (2 a 4 dH), e quente com temperaturas próximas dos 28º C. Um aquário adequado para a reprodução deve ter um volume mínimo de uns 125 litros. Considero adequado um aquário de formato cúbico com as seguintes dimensões: 50 cm de comprimento x 50 cm de largura e 50 cm de altura. O fundo deve ser nu, desprovido de cascalho, sendo que a água deverá ser filtrada por pelo menos dois filtros esponja adequados ao volume do aquário, trocas parciais (1/3 do volume do aquário, ou mesmo mais) deverão ser efetuadas diariamente, sempre com água com as mesmas características da água do aquário. Os peixes costumam desovar em uma superfície lisa e vertical, como nos vidros do aquário e mesmo na superfície do aquecedor. Geralmente os criadores introduzem um ladrilho ou cone de cerâmica para que os peixes utilizem como suporte para a desova. A eclosão das larvas ocorre após decorridas 76 a 78 horas da deposição dos óvulos, e em mais quatro

a cinco dias, já se deslocam livremente. Alguns criadores

utilizam uma filtração complementar baseada em um filtro externo de grande porte, cuja conexão com o aquário será desligada, quando do nascimento das crias, para se evitar acidentes causados pela sucção do aparelho. Os peixinhos se alimentam, nas primeiras fases da vida, da gosma (muco)

secretada pela pele dos pais, sendo um espetáculo fascinante ver o enxame de criaturinhas se deslocando de um para o outro dos pais para mamar em sua pele. A partir do quinto dia de vida livre a dieta deverá ser complementada com naúplios de Artemia spp. recém nascidos. Entre 10 e 15 dias após nascerem começam a arredondar as formas, ficando dia a dia mais parecidos com um disco típico. Com 45 dias de vida

e o tamanho aproximado de uma moeda de R$ 1,00, já podem

ser vendidos. Existe um bom livro, em português (traduzido por Sérgio Gomes), que ensina, passo a passo, a criação deste maravilhoso animal. Outro recurso muito útil pode ser uma pesquisa nos sites dedicados da internet.

Nome científico : Pterophyllum scalare. Nome popular : Acará bandeira. Com toda certeza, o acará
Nome científico : Pterophyllum scalare. Nome popular : Acará bandeira. Com toda certeza, o acará
Nome científico : Pterophyllum scalare. Nome popular : Acará bandeira. Com toda certeza, o acará

Nome científico : Pterophyllum scalare. Nome popular : Acará bandeira. Com toda certeza, o acará bandeira, que ganhou esse apelido

por ser um ciclídeo (os índios Tupi, chamavam todos os ciclídeos que eles conheciam de cará) e por ter as nadadeiras dorsal e anal muito compridas, lembrando (isso com um bocado de imaginação) uma bandeira, é um dos mais exóticos peixes de aquário. Atraente e maneiroso, pois apesar de pertencer à família dos ciclídeos (famosa, por reunir peixes agressivos, brigões, exclusivistas e arquitetos/ paisagistas frustrados pois adoram redecorar os aquários que habitam.), o bandeira é um peixe calmo, que gosta de viver em bando, somente se separando deste na quadra reprodutiva, quando ocorre a formação dos casais que irão se reproduzir. Não arranca as plantas, não cava buracos, nem destroi a decoração do aquário, como alguns de seus primos costumam fazer. Tamanho : Seu tamanho máximo é de uns 13 ou 14 cm de comprimento por uma distância entre pontas de nadadeiras de uns 15 cm. Origem e distribuição : Encontrado nos rios da bacia amazônica, o Pterophyllum scalare (esse é o nome de batismo do bichinho), também é encontrado no Peru, Colômbia, nas Guianas e no Suriname. Divide o gênero Pterophyllum, com mais duas espécies consideradas válidas:

P. leopoldi, um conterrâneo quase da gema (pois é encontrado apenas no médio amazonas e em algumas localidades situadas ao longo do curso do rio Essequibo, na Guiana) e P. altum, que é encontrado nos rios da Venezuela, extremo norte do Brasil, Colômbia e Guiana. Na verdade, a classificação destes peixes não está bem resolvida e certamente existem várias espécies diferentes, ainda não classificadas, que são confundidas com as espécies reconhecidas. Inicialmente considerado o rei dos aquários (posto que perdeu quando da introdução do acará disco no comércio europeu de aquarismo), apresenta inúmeras variedades desenvolvidas em cativeiro, entre as quais podem ser destacados os bandeiras de véu, os bandeiras pretos, marmoratos, albinos, perolados e até uma variação (até bem pouco tempo considerada impossível de se conseguir), que apresenta coloração laranja avermelhada na porção superior da cabeça. O bandeira prefere água mole

e ácida, com um valor de pH entre 6.6 e 6.8 e uma dureza

total de uns 4 a 6º dH. Gosta de uma água morninha, na faixa

dos 24º C, mas a temperatura deverá ser elevada para uns 28º C, caso se deseje a reprodução. Procure manter um cardume de uns 5 ou 6 peixes, pelo menos, para que se sintam mais à vontade. Um aquário com 250 litros de capacidade abriga convenientemente um grupo com esse número de indivíduos. Não apresenta dificuldades com relação à alimentação, aceitando bem alimentos industrializados. A exemplo dos demais membros da família Cichlidae, os bandeiras cuidam da prole, defendendo-a dos

predadores. Sua reprodução é muito fácil, desde que lhes propiciem as condições necessárias, apesar de por longo tempo ter sido considerada impossível em aquário (nos primórdios do aquarismo, isso em boa parte devido ao desconhecimento dos requerimentos básicos da espécie). Não consegui descobrir a data de introdução na aquariofilia, mas um dos livros que possuo, editado no ano de 1934, por uma firma importadora de peixes norte-americana (Paramount Aquariums), já lista o bandeira como um dos peixes ornamentais mais populares

e nos dá conta de que é reproduzido em quantidade pelos aquaristas locais (Nova Iorque).

Nome científico : Carassius auratus Nome popular : Kínguio, Peixe Japonês, Peixe Dourado. Tamanho : Existem dezenas de variedades ou raças, desenvolvidas principalmente na China e no Japão. Algumas destas variedades podem ultrapassar os 20 centímetros de comprimento. Dimorfismo sexual : Evidente apenas no período reprodutivo, que coincide com o início da primavera. Os machos apresentam nódulos ( tubérculos nupciais ), localizados nos opérculos e bordas das nadadeiras peitorais. Também é possível a identificação sexual, mediante a observação da região genital dos peixes adultos. Reprodução : A reprodução ocorre no início da primavera, quando o tempo começa a esquentar. Os criadores profissionais costumam colocar dois machos para cada fêmea para assegurar um grande índice de fecundação dos óvulos. A desova ocorre pela manhã e os ovos são retirados do tanque de desova, assim que esta se encerra para evitar que sejam comidos pelos progenitores. Índole : Geralmente pacíficos, podem por vezes agredir aos companheiros de aquário. Algumas variedades apresentam um comportamento mais irascível que outras. Origem e distribuição : China Continental, introduzido como peixe ornamental no Japão. Historicamente o Kínguio foi o primeiro peixe a ser mantido em cativeiro com finalidades puramente ornamentais. Os primeiros registros acerca desta espécie datam do ano 970 da era Cristã. Tamanho do aquário : São peixes que atingem um grande tamanho e volume corporal, devendo habitar aquários de tamanho relativamente grande, no mínimo 200 litros, ou preferivelmente tanques de jardim. Temperatura : A temperatura ideal deverá ser de 24º Célsius no verão, caindo até um mínimo de 16º C. no inverno. Evite misturar espécies tropicais com kínguios, uma vez que os requerimentos ambientais respectivos podem ser e o são freqüentemente diversos. pH : O pH deverá ser levemente alcalino com um valor equivalente a 7.4 ou 7.6. Filtração : Exigem para alcançarem o máximo desenvolvimento, uma água límpida e muito oxigenada, com baixos níveis de resíduos nitrogenados ( amônia, nitritos e nitratos ) em dissolução. Necessidades alimentares : Alimentação onívora, devendo receber uma dieta variada que inclua vegetais, como alface, espinafre, escarola, elódea, etc Plantas Aquáticas : As únicas plantas recomendadas para aquários de kínguios, são as artificiais, ou as naturais de folhas duras, como algumas espécies de Echinodorus, Acorus ou Anubias.

kínguios, são as artificiais, ou as naturais de folhas duras, como algumas espécies de Echinodorus, Acorus