Você está na página 1de 4
Thais Alexandre de Oliveira  Incidência: nº de casos novos em um determinado período de

Thais Alexandre de Oliveira

Thais Alexandre de Oliveira  Incidência: nº de casos novos em um determinado período de tempo;
Thais Alexandre de Oliveira  Incidência: nº de casos novos em um determinado período de tempo;

Incidência: nº de casos novos em um determinado período de tempo;

Prevalência: nº de casos existentes num determinado período de tempo;

Taxa de Infecção Hospitalar (IH):

nº de episódios de IH no período/ total de saídas ou entradas no mesmo período

período / total de saídas ou entradas no mesmo período  Qualquer processo infeccioso adquirido no
período / total de saídas ou entradas no mesmo período  Qualquer processo infeccioso adquirido no

Qualquer processo infeccioso adquirido no ambiente hospitalar, diagnosticado principalmente em clientes durante sua internação ou após alta e atingindo ainda qualquer pessoa presente no hospital.

Ocorre devido ao desequilíbrio dos mecanismos de defesa do cliente.

ao desequilíbrio dos mecanismos de defesa do cliente. 20/02/2011  Antiguidade: religiosidade e magia 
ao desequilíbrio dos mecanismos de defesa do cliente. 20/02/2011  Antiguidade: religiosidade e magia 

20/02/2011

Antiguidade: religiosidade e magia

Século XIX: Inglaterra: Florence Nightingale; primeiras recomendações sobre isolamento;

Século XX: HIV/ AIDS: precauções universais;

1983: criação da CCIH

1992: criação do SCIH com treinamentos

1996: normatização das precauções padrão;

2000: ANVISA inspeção dos PCIH p/ avaliar a qualidade das ações.

inspeção dos PCIH p/ avaliar a qualidade das ações.  Constatada ou em incubação no ato
inspeção dos PCIH p/ avaliar a qualidade das ações.  Constatada ou em incubação no ato

Constatada ou em incubação no ato da admissão do paciente, desde que não relacionada com internação anterior;

Associada com complicação ou extensão da infecção já presente na admissão;

Por via transplacentária conhecida e evidente logo após o nascimento. Ex: herpes;

Associada a bolsa rota: > 24h

Ex: herpes;  Associada a bolsa rota: > 24h  Critérios de diagnóstico: ◦ Surgimento após
Ex: herpes;  Associada a bolsa rota: > 24h  Critérios de diagnóstico: ◦ Surgimento após

Critérios de diagnóstico:

Surgimento após 72h da admissão, quando se desconhece o período de incubação e não houve evidência clínica e/ ou laboratorial no momento da admissão;

Surgimento antes das 72h da internação quando associadas a procedimentos diagnósticos e/ ou terapêuticos do período;

Agravamento de uma infecção pelo surgimento de um outro germe.

diagnósticos e/ ou terapêuticos do período; ◦ Agravamento de uma infecção pelo surgimento de um outro
 Características: ◦ Prevenível: a alteração de determinada infecção pode ser evitada com prevenção. Ex:

Características:

Prevenível: a alteração de determinada infecção pode ser evitada com prevenção. Ex: lavagem das mãos para evitar infecção cruzada;

Não- prevenível: acontece mesmo após todas precauções tomadas;

Endógena: causada pela própria microbiota do paciente;

Exógena: transmissão a partir de fontes externas ao paciente.

transmissão a partir de fontes externas ao paciente.  Serviço Hospitalar para o PCIH ◦ Profissionais
transmissão a partir de fontes externas ao paciente.  Serviço Hospitalar para o PCIH ◦ Profissionais

Serviço Hospitalar para o PCIH

Profissionais de saúde: precauções padrão, medidas de biossegurança e procedimentos invasivos;

Farmácia e almoxarifado: medicamentos, germicidas e materiais industrializados;

Limpeza hospitalar

e materiais industrializados; ◦ Limpeza hospitalar  Equipamentos que os profissionais de saúde devem fazer


Equipamentos que os profissionais de saúde devem fazer uso devido ao grande risco de exposição a materiais potencialmente infecciosos:

Luvas;

Gorros;

Aventais;

Óculos;

Máscaras.

◦ Gorros; ◦ Aventais; ◦ Óculos; ◦ Máscaras.  Serviço Hospitalar para o PCIH 20/02/2011 ◦
◦ Gorros; ◦ Aventais; ◦ Óculos; ◦ Máscaras.  Serviço Hospitalar para o PCIH 20/02/2011 ◦

Serviço Hospitalar para o PCIH

20/02/2011

Direção: implantação e manutenção do PCIH;

PCIH: órgão de assessoria do hospital;

Microbiologia: diagnóstico, tratamento e pesquisa;

Central de material: preparo, esterilização e distribuição do material;

Nutrição e dietética: higiene dos alimentos;

Resíduos de serviços de saúde (lixo): tratamento, armazenamento, transporte e destinação final.

tratamento, armazenamento, transporte e destinação final.  Fatores de Risco: ◦ Internação superior a 7 dias;
tratamento, armazenamento, transporte e destinação final.  Fatores de Risco: ◦ Internação superior a 7 dias;

Fatores de Risco:

Internação superior a 7 dias;

Cirurgia de médio e grande porte;

Diabetes;

Cateter venoso central;

Cateter urinário;

Traqueostomia;

Cânula de intubação endotraqueal;

Leucemia; AIDS;

Pacientes de UTI, berçário de alto risco e idosos.

◦ Pacientes de UTI, berçário de alto risco e idosos.  Conjunto de medidas técnicas usadas
◦ Pacientes de UTI, berçário de alto risco e idosos.  Conjunto de medidas técnicas usadas

Conjunto de medidas técnicas usadas para criar uma barreira e impedir a disseminação de agentes infecciosos de um paciente para outro, funcionários, visitantes e meio ambiente.

Devem ser utilizadas sob risco de contato com sangue, fluídos corporais, secreções, excreções, pele com solução de continuidade e mucosas.

risco de contato com sangue, fluídos corporais, secreções, excreções, pele com solução de continuidade e mucosas.
 Lavagem das mãos;  Utilização de luvas;  Utilização de máscaras;  Utilização de

Lavagem das mãos;

Utilização de luvas;

Utilização de máscaras;

Utilização de avental;

Utilização de óculos ou visor;

Prevenção de acidentes perfurocortantes;

Controle ambiental;

Controle de roupas.

 Controle ambiental;  Controle de roupas. ◦ Transmissão aérea por gotícula:  Gotículas
 Controle ambiental;  Controle de roupas. ◦ Transmissão aérea por gotícula:  Gotículas

Transmissão aérea por gotícula:

Gotículas > 5 mm, gerados durante a tosse, espirros, conversas ou procedimentos;

Distância mínima de 1m entre dois pacientes;

Quarto privado e área privada;

Ex: coqueluche, rubéola.

privado e área privada;  Ex: coqueluche, rubéola. ◦ Transmissão por contato:  Para clientes suspeitos
privado e área privada;  Ex: coqueluche, rubéola. ◦ Transmissão por contato:  Para clientes suspeitos

Transmissão por contato:

Para clientes suspeitos de infecção ou de colonização por microorganismos epidemiologicamente importantes;

Abscesso de grande drenagem

Transmitidos por contato direto com o cliente (mãos e pele) ou contato indireto (superfícies, ambientes ou itens de uso do paciente):

Quarto privado (limitar saída do paciente);

Luvas de procedimento;

Lavagem das mãos;

Avental limpo ao entrar.

 Lavagem das mãos;  Avental limpo ao entrar. 20/02/2011  Precauções que se aplicam aos

20/02/2011

Lavagem das mãos;  Avental limpo ao entrar. 20/02/2011  Precauções que se aplicam aos clientes

Precauções que se aplicam aos clientes com suspeita ou sabidamente infectados por patógenos transmissíveis e epidemiologicamente importantes, de acordo com as vias de transmissão, como:

Transmissão aérea por gotícula;

Transmissão aérea por aerossol;

Transmissão por contato.

aérea por aerossol; ◦ Transmissão por contato. ◦ Transmissão aérea por aerossol:  Partículas de
aérea por aerossol; ◦ Transmissão por contato. ◦ Transmissão aérea por aerossol:  Partículas de

Transmissão aérea por aerossol:

Partículas de 5µ que permanecem suspensas no ar, podendo ser dispersadas a longas distâncias;

Máscaras de filtragem e vedação lateral e quarto privado;

Ex: varicela, sarampo e tuberculose.

e quarto privado;  Ex: varicela, sarampo e tuberculose.  Fricção manual de toda a superfície
e quarto privado;  Ex: varicela, sarampo e tuberculose.  Fricção manual de toda a superfície

Fricção manual de toda a superfície das mãos e punhos, com sabão ou detergente, seguida de enxágue abundante em água corrente;

Ato de lavar com água e sabão, por meio da técnica adequada, de forma a remover mecanicamente a sujidade e a maioria da flora transitória das mãos;

Ação mais importante de prevenção e controle de infecção;

e a maioria da flora transitória das mãos;  Ação mais importante de prevenção e controle
 Flora transitória ou contaminante: ◦ Microorganismos que se multiplicam inabilmente na pele e são

Flora transitória ou contaminante:

Microorganismos que se multiplicam inabilmente na pele e são facilmente removíveis na limpeza com água e sabão ou destruídos com a aplicação de anti-sépticos.

Flora resistente ou colonizadora:

Microorganismos que se multiplicam na pele, não facilmente removíveis por escovação, mas inativados por anti-sépticos.

por escovação, mas inativados por anti-sépticos.  Quando realizar: ◦ Antes e após higiene pessoal;
por escovação, mas inativados por anti-sépticos.  Quando realizar: ◦ Antes e após higiene pessoal;

Quando realizar:

Antes e após higiene pessoal;

Antes de preparar medicação;

Antes a após manuseio de cateteres, sonda vesical, tubo orotraqueal, tec.

Antes e após exames;

Antes e após uso de luvas;

Após contato com cliente, superfície do ambiente ou artigos pessoais.

com cliente, superfície do ambiente ou artigos pessoais.  Observações: ◦ O uso de luvas não
com cliente, superfície do ambiente ou artigos pessoais.  Observações: ◦ O uso de luvas não

Observações:

O uso de luvas não dispensa a lavagem das mãos;

Deve ser realizada sempre que necessário;

Evitar contato da torneira com a cuba da pia de modo a evitar contato das mãos entre si;

Os sabões e anti- sépticos devem ter boa aceitabilidade pelos profissionais envolvidos;

Evitar contato das mãos com o bico ejetor do sabão;

O papel toalha deve estar disponível.

do sabão; ◦ O papel toalha deve estar disponível. 20/02/2011  Anti- sepsia da mãos: remoção
do sabão; ◦ O papel toalha deve estar disponível. 20/02/2011  Anti- sepsia da mãos: remoção

20/02/2011

Anti- sepsia da mãos: remoção e destruição da flora transitória;

Anti- sepsia cirúrgica das mãos: remove e destrói a flora transitória e reduz a flora resistente;

Fricção higiênica das mãos: usado onde não exista disponibilidade para lavagem das mãos. Ex: álcool a 70%.

disponibilidade para lavagem das mãos. Ex: álcool a 70%.  Regras: ◦ Retirar anéis e pulseiras;
disponibilidade para lavagem das mãos. Ex: álcool a 70%.  Regras: ◦ Retirar anéis e pulseiras;

Regras:

Retirar anéis e pulseiras;

Aparar as unhas;

Não deve haver lesões na pele nas mãos e antebraços;

Utilizar água e sabão;

Produtos: álcool a 70%, PVPI a 10% e clorohexedina a 4%.

Produtos: álcool a 70%, PVPI a 10% e clorohexedina a 4%.  Técnica: ◦ Abrir a
Produtos: álcool a 70%, PVPI a 10% e clorohexedina a 4%.  Técnica: ◦ Abrir a

Técnica:

Abrir a torneira e molhar as mãos sem encostar na pia;

Utilizar sabão líquido (2ml). Se em barra, enxaguá-lo antes do uso;

Ensaboar as mãos começando pelas palmas;

Esfregar os dorsos;

Limpar os espaços interdigitais e polegar;

Esfregar articulações, unhas e punhos;

Enxaguar as mãos;

Enxugar as mãos em papel toalha, fechando a torneira.

articulações, unhas e punhos; ◦ Enxaguar as mãos; ◦ Enxugar as mãos em papel toalha, fechando