Você está na página 1de 40
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Reinjeção Reinjeção de de Água Água Produzida Produzida Ricardo Ricardo
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Reinjeção Reinjeção de de Água Água Produzida Produzida
Ricardo Ricardo Ruy Ruy Neto, Neto, UN-BC/ATP-NE/RES UN-BC/ATP-NE/RES
Roberta Roberta Alves Alves Mendes, Mendes, E&P-ENGP/RR/ER E&P-ENGP/RR/ER
Colaboração: Colaboração: Maylton Maylton Freitas Freitas da da Silva, Silva, UN-BC/ATP-N/RES UN-BC/ATP-N/RES
Marcia Marcia Ida Ida de de O. O. Silva, Silva, UN-BC/ATP-AB/RES UN-BC/ATP-AB/RES
Helder Helder Luciano Luciano Pereira,UN-BC/ATP-NE/OP-PG Pereira,UN-BC/ATP-NE/OP-PG
Vera Vera Cristina Cristina F. F. Amorim, Amorim, UN-BC/ATP-MRL/RES UN-BC/ATP-MRL/RES
Ana Ana Paula Paula Diniz Diniz Botelho, Botelho, UN-BC/ATP-S/RES UN-BC/ATP-S/RES
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA ROTEIROROTEIRO Diferenças Diferenças entre entre os os Campos Campos de
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
ROTEIROROTEIRO
Diferenças Diferenças entre entre os os Campos Campos de de Petróleo Petróleo
Por Por que que injetar injetar água? água?
Necessidade Necessidade da da injeção injeção de de água água
Disponibilidade Disponibilidade de de água água
Mistura Mistura de de águas águas
Injetividade Injetividade
Qualidade Qualidade da da água água injetada injetada
Tratamento Tratamento da da água água de de injeção injeção
Perda Perda de de injetividade injetividade
Injeção Injeção abaixo abaixo da da Pressão Pressão de de fratura fratura
Injeção Injeção de de Acima Acima da da Pressão Pressão de de Fratura Fratura
Situação Situação atual atual da da Reinjeção Reinjeção de de Água Água Produzida Produzida
Projetos Projetos
Conclusões Conclusões
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Diferenças entre Campos de Petróleo • Arenitos Glacial, eólico, aluviões,
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Diferenças entre Campos de Petróleo
• Arenitos
Glacial, eólico, aluviões, lacustre, fluvial, estuários,
maré, margem continental, submarinos (turbiditos),
etc
• Carbonatos de alta e baixa energia
• Diagênese (cobertura sedimentar, percolação e
escape de fluidos, deformações físicas,etc)
modificando propriedades primárias.
• Plataformas de todos os tipos
• Óleos diferentes (leves e pesados)
• Cada CAMPO é um CAMPO
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA OBJETIVOS DA INJEÇÃO Objetivos Primários da Injeção de Água: •
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
OBJETIVOS DA INJEÇÃO
Objetivos Primários da Injeção de Água:
• Repressurizar o reservatório
• Aumentar a recuperação de óleo com
deslocamento da água(água empurra o petróleo)
Outro Objetivo:
• Descarte
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Necessidade da Injeção Dependem da atuação dos aqüíferos e Psat:
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Necessidade da Injeção
Dependem da atuação dos aqüíferos e Psat:
• Aqüíferos atuantes – inj. não necessária e difícil
(Ex: Campos de Vermelho e Garoupinha)
• Aqüíferos medianamente atuantes – inj. pode
esperar.
• Aqüíferos não atuantes – injeção deve ser
imediata.
Imaginar bola de futebol cheia e outra vazia.
Qual é mais fácil de encher?
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA INJETIVIDADE Capacidade do reservatório de receber injeção: • Depende da
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
INJETIVIDADE
Capacidade do reservatório de receber injeção:
• Depende da espessura do reservatório
• Da qualidade da rocha
• Das pressões das bombas de injeção
Queda de injetividade:
• Qualidade do reservatório (Campo a Campo)
• Qualidade da água injetada
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Qualidade da Água Água do Mar: • Baixíssimos teores de
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Qualidade da Água
Água do Mar:
• Baixíssimos teores de sólidos (1 a 3 mg/l)
• Pequeno tamanho de partículas (2 a 5 micras)
• TOG ausente
Água Produzida:
• Altos teores de sólidos (20 a 80 mg/l)
• Partículas maiores, 30 micras.
• TOG em altas concentrações
*Compatibilidade química melhor com água produzida,
desde que do mesmo reservatório.
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Amostra Real DISTRIBUIÇÃO TÍPICA Água do Mar ( Acid.) 80
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Amostra Real
DISTRIBUIÇÃO TÍPICA Água do Mar ( Acid.)
80
70
60
50
TOTAL DE
PARTÍCULAS
40
30
20
10
0
FAIXAS DE TAMANHO
2 a 3
3 a 5
7 5 15
a a a 10 7 a a 15 a 20 150 50
10
20
50
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Tratamento Água do Mar: • Filtragem simples Água Produzida: •
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Tratamento
Água do Mar:
• Filtragem simples
Água Produzida:
• Filtragem complexa para sólidos e graxas com
necessidade de retrolavagem dos filtros (água
suja volta para o sistema)
GT CONAMA Perda de Injetividade (PRAVAP-16) REINJEÇÃO DE ÁGUA Água do Mar INJETIVIDADE x VOLUME
GT CONAMA
Perda de Injetividade (PRAVAP-16)
REINJEÇÃO DE
ÁGUA
Água do Mar
INJETIVIDADE x VOLUME INJETADO
100
90
80
70
60
50
40
Água Produzida??
30
20
10
0
0
500
1000
1500
2000
2500
3000
Wi
Queda de
Injetividade
POÇO A
POÇO B
POÇO C
POÇO D
POÇO E
POÇO F
POÇO G
P o t ê nc ia ( P ÇO H_ P D G)
POÇO H
P ÇO H_ P D G
IAPF?
final / II inicial (% )II
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Perda de Injetividade • Assumindo que fosse água produzida com
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Perda de Injetividade
• Assumindo que fosse água produzida com água
especificada para o reservatório, porém
desenquadrada para descarte, com TOG de 50 mg/l
• Ex: 80% de perda de injetividade
• 3000m3/dia 600m3/dia
• Diferença de 2400m3/dia
• O que fazer com essa água??
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Planta de Reinjeção (Carmópolis) Capacidade de Filtração : 3 x
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Planta de Reinjeção (Carmópolis)
Capacidade de Filtração : 3 x 7500
m3/d (22500 m3/d Total)
Peso vazio/operação cada filtro :
16,6 / 54,4 Ton
Dimensões de cada Filtro :
Diâmetro=3,66 m
Altura Total=7,6 m (*)
Área destinada aos 03 filtros : 9,0
m x 20 m
Especificação
TOG : Entrada = 60 mg/l ,
Saída = 7/15 mg/l
TSS : Entrada = 80 mg/l ,
Saída = 6/13 mg/l
Retenção : 98 % das partículas
maiores que 5 micras
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Disponibilidade da Água • Água do mar, ou rios, disponível
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE
ÁGUA
Disponibilidade da Água
• Água do mar, ou rios, disponível desde o início do
campo.
• Água produzida só após alguns anos de produção
e com volumes insuficientes.
Oil Rate sim.
Oil Rate obs.
WCUT sim. (%)
WCUT obs. (%)
10000
70
65
60
8000
55
50
45
6000
40
35
30
4000
25
20
15
2000
10
5
0
0
1990
1992
1994
1996
1998
2000
2002
2004
2006
Time (Date)
Oil Rate SC (m3/day)
Water Cut SC - %
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Mistura de Águas Problemas • Precipitação de sais inorgânicos (scale)
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE
ÁGUA
Mistura de Águas
Problemas
• Precipitação de sais inorgânicos (scale) no poço
produtor, sistemas de injeção e até no poço injetor,
nesse caso seria necessária injeção de anti-
incrustantes ou até mesmo necessários 2 sistemas de
injeção separados (água do mar e água produzida).
• Riscos de acidulação biogênica (produção de H 2 S),
que podem ser contornados com injeção de nitrato, mas não é
garantia, podendo ser necessária mudança de materiais de
linhas e equipamentos.
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Reinjeção de Água Produzida Abaixo da Pressão de Fratura Ensaios
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE
ÁGUA
Reinjeção de Água Produzida
Abaixo da Pressão de Fratura
Ensaios no CENPES a partir de 1998:
• Estimativa de queda de injetividade em plug
• Dimensionamento de filtros a partir de
estudos da garganta de poros
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Reinjeção de Água Produzida - Ensaios BR PETROBRAS 300 K
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Reinjeção de Água Produzida - Ensaios
BR
PETROBRAS
300
K
- Água Formação
K
- Agua Produzida 1
CRP - Ensaio de
injeção em plug
(K = 516mD;
Ø = 20%)
K
- Água do mar
250
PE
K
- Agua Produzida 2
RM
EA
BIL
ID
200
AD
E
EF
ETI
150
VA
,
mD
100
50
0
0
100
200
300
400
500
600
VOLUMES POROSOS ACUMULADO, VP
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Reinjeção de Água Produzida - Ensaios 70 10%K 20%K 30%K
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Reinjeção de Água Produzida - Ensaios
70
10%K
20%K
30%K
65
40%K
50%K
60%K
RAI
60
Z
70%K
Garganta
de poros
DE
K/
PHI
55
50
45
40
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
Diâmetro de Garganta de Poros, micra
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Reinjeção de Água Produzida - Ensaios % Distribuição e percentual
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Reinjeção de Água Produzida - Ensaios
%
Distribuição e
percentual
acumulado de
tamanho dos sólidos
suspensos na água
de descarte.
10
100
Distribuição de tamanho
% Acumulado
9
90
8
80
7
70
6
60
5
50
4
40
3
30
2
20
1
10
0
0
0,1
1
10
100
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Injeção Acima da Pressão de Fratura • Ponto positivo: 1.
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Injeção Acima da Pressão de Fratura
• Ponto positivo:
1. possibilidade de reinjeção de água produzida ou mesmo de água de água do mar
sem grandes tratamentos em superfície
• Ponto negativo:
1. O que fazer com a água caso ela esteja desenquadrada para descarte com TOG >>
20mg/l.
2. Dois sistemas com contingência de 100%. Similar a ter uma terceira turbina num
avião em caso de pane em uma das outras.
3. Necessidade de bombas maiores e conseqüentemente mais energia elétrica e espaço
nas plataformas
• Estudo Detalhado
1. Direção de propagação de fraturas. (Perfis possíveis em novos poços)
2. Limite de teor de sólidos? (BP crítico a partir de 10 mg/l)
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Estudo de tensões no campo Testes de poço: tensão principal
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Estudo de tensões no campo
Testes de poço: tensão principal maior
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Injeção Acima da Pressão de Fratura Efeito Negativo: Influência da
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Injeção Acima da Pressão de Fratura
Efeito Negativo: Influência da fratura na eficiência de varrido
Injeção sem fratura
Injeção com fratura
* menor varrido
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Injeção Acima da Pressão de Fratura Efeito da injeção acima
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Injeção Acima da Pressão de Fratura
Efeito da injeção acima da pressão de fratura no reservatório
Reduz fator de recuperação de óleo
Circulação de água
Aumenta fator de recuperação de óleo
Atrasa chegada da água
*Projetos antigos poços já perfurados=>
inexistência de controle da posição dos poços.
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Situação RAP na Petrobras UN. % de RAP (*) BA
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Situação RAP na Petrobras
UN.
% de RAP (*)
BA
100
SEAL
60
RNCE
35
ES
100 (terra)
BSOL
100
BC
10 (Pargo e Carapeba)
Valores médios utilizados
•TOG: 5 mg/l – 40 mg/l
• SST: 2 mg/l – 40 mg/l
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Reinjeção na PETROBRAS • Carmópolis (implantado) • Pargo e Carapeba
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Reinjeção na PETROBRAS
• Carmópolis (implantado)
• Pargo e Carapeba (implantados)
• Albacora
• Cherne
• Namorado
• Pampo
• Marlim
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA CARMÓPOLIS •Projeto SA1346A. Aumento de Injeção de água. •Aprovado projeto
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
CARMÓPOLIS
•Projeto SA1346A. Aumento de Injeção de água.
•Aprovado projeto conceitual
•Reinjeção de toda água produzida (2009/2014) com
substituição da captação de água doce
(9000m3/dia)
•Conversões de produtores em injetores (70)
•Perfuração de novos injetores (60)
* Fornecimento de até 14 000 m³/dia de água produzida para CVRD
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA PARGO E CARAPEBA 7900 m3/dia 9700 m3/dia 2800 m3/dia Total:
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
PARGO E CARAPEBA
7900 m3/dia
9700 m3/dia
2800 m3/dia
Total: 20400 m3/dia
Reinjeção: 12710 m3/dia = 62%
100% se considerar só PG/CRP
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA PLANTA DE PG e CRP Sistema de reinjeção de água
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
PLANTA DE PG e CRP
Sistema de reinjeção de água em PPG-1,instalados:
Sistema de bombeio
2
bombas booster (ΔP=12kgf/cm2)
2
bombas principais (ΔP=110kgf/cm2)
Sistema de filtração de água
– 6 filtros (35 m3 cada, capacidade de tratamento de
20 000 m3/d de água), retrolavagem a cada 12h
– 1 tanque de água suja (capacidade de 60 m3)
– 1 tanque de água limpa (capacidade de 162 m3)
– 2 bombas de retrolavagem (vazão de 400 m3/h)
– 2 sopradores de ar (vazão de 270 m3/h)
GT CONAMA Porque não 100% em PG/CRP? REINJEÇÃO DE ÁGUA Aumento da Cota de Injeção
GT CONAMA
Porque não 100% em PG/CRP?
REINJEÇÃO DE
ÁGUA
Aumento da Cota de Injeção por Poço
1. Risco de fechamento prematuro dos poços devido
a aumento de produção de água.
2. Necessárias bombas maiores (água vai até CRP).
3. Necessário aumento de geração de energia elétrica
(TG).
4. Necessidade de espaço físico na plataforma.
5. Índice de injetividade baixo (poço não recebe)
6. Pargo é o menor dos 3 Campos
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Porque não 100% em PG/CRP? Injeção Acima da Pressão de
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Porque não 100% em PG/CRP?
Injeção Acima da Pressão de Fratura
Problemas Operacionais:
• Necessidade de bombas maiores (dobro das atuais).
• Necessidade de aumento na geração elétrica.
• Falta de espaço.
Problemas de Reservatório:
• Fraturamento Vertical:
1. Comunicação entre zonas com perda de controle da injeção.
2. Divisão do volume injetado para subzonas produtoras adjacentes.
3. Conseqüente redução do fator de recuperação e na repressurização do
reservatório
• Fraturamento Horizontal:
1. Água chega mais rapidamente ao produtor também com perda de
recuperação do campo.
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Golfo do México ‘Gulf of Mexico Case Study (water injection)’
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Golfo do México
‘Gulf of Mexico Case Study (water injection)’
• Expected injection rates:10,000 bbl/day/well
• Avoidance of fracturing essential to:
- Avoid early water breakthrough,
- Maintain water injection in the target sand
Mukul M. Sharma (Un. Of Texas at Austin),
http://www.pge.utexas.edu/pdf/SPEdislect.pdf
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Porque foi possível a Reinjeção? •Plataforma Central (2 plataformas) •Água
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Porque foi possível a Reinjeção?
•Plataforma Central
(2 plataformas)
•Água acumulada de
3 Campos
(VM,CRP e PG)
•Existência de dutos
não utilizados até CRP
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA ALBACORA Três reservatórios principais, Namorado, Marlim e Enchova Duas unidades
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
ALBACORA
Três reservatórios principais, Namorado, Marlim e Enchova
Duas unidades de produção, P-25 e P-31(única com separação água/óleo)
Injeção de água do mar no Marlim (Raw water)
Reinjeção de água no Namorado
Projeto BC-106
• Início da reinjeção 7200 m3/dia previsto para 1 o semestre de 2006
• Inicialmente abaixo da PF, criando banco de água.
Projeto BC-56
• Troca de bombas e linhas para reinjeção acima da PF
• Objetivo de restaurar a queda de injetividade e manter as cotas de injeção do
projeto anterior.
Total de água produzida hoje = 3500 m3/dia na P-31 e 5900 m3/dia na P-25
Reinjeção 7200 m3/dia
Percentual reinjetado = 76%
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA CHERNE Duas unidades de produção PCH-1 e PCH-2 Reservatório Namorado
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
CHERNE
Duas unidades de produção PCH-1 e PCH-2
Reservatório Namorado
• Projeto BC-1608 (conceitual aprovado)
• Acima da PF
• Reinjeção de ~ 3000 m3/dia em 1 poço, antigo
injetor.
• Volume de água produzida, PCH-1= 120
m3/dia, PCH-2 = 3000 m3/dia.
• Reinjeção de 96% da água produzida.
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA NAMORADO Duas unidades de produção PNA-1 e PNA-2 Reservatório Namorado
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
NAMORADO
Duas unidades de produção PNA-1 e PNA-2
Reservatório Namorado
• Projeto BC-1602 (preliminar)
• Acima da PF
• Reinjeção de ~ 3000 m3/dia em 1 poço, antigo injetor.
• Volume de água produzida, PNA-1= 2000 m3/dia,
PNA-2 = 6000 m3/dia.
• Reinjeção de 37% da água produzida.
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA PAMPO PROJETO BC1152A (aprovado) Objetivo: testar e avaliar a reinjeção
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
PAMPO
PROJETO BC1152A (aprovado)
Objetivo: testar e avaliar a reinjeção da água produzida, no
reservatório Coqueiros da concessão de Pampo, através do
poço injetor PM-20
• Cota de injeção diária : 2.000 m 3 de água produzida;
• Injeção acima da pressão de fraturamento das Coquinas;
• TOG da água injetada : 400 a 500 ppm;
• Bomba de 220 kgf/cm²
• Início previsto: final de 2006
Água descartada 14.000 m 3 /dia
14% reinjeção
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA MARLIM • BC-0355A - piloto de reinjeção de água (aprovado
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
MARLIM
• BC-0355A - piloto de reinjeção
de água (aprovado no grupo de
revisão, a ser submetido ao Ativo
até final de dezembro de 2005).
• UEP P-35
• Vazão de injeção 3000 m 3 /dia
• Variando TOG de 20 até 200 ppm
• Projeto final com reinjeção de
10000m 3 /dia no MRL-94 e MRL-
95 dependendo da primeira fase
da reinjeção convencional.
• Falta de espaço => Projeto piloto
com separação submarina para
5000 m 3 /dia no MRL-94
Ág. Prod=32500 m3/dia
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Reinjeção de Água Produzida Esquema do Projeto Sistema Submarino de
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Reinjeção de Água Produzida
Esquema
do Projeto
Sistema
Submarino
de
Separação
de Água
GÁS E ÓLEO
GÁS
PRODUÇÃO
ÓLE
O
SEPARADOR
SEPARAÇÃO
DO GÁS
ÁGUA
LINHA DE ÓLEO E GÁS
POÇO
INJETOR
SISTEMA SUBMARINO DE
SEPARAÇÃO DE ÁGUA
POÇO
PRODUTOR
LINHA DE
PRODUÇÃO
LINHA DE INJEÇÃO
DE ÁGUA SEPARADA
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Reinjeção na PETROBRAS
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Reinjeção na PETROBRAS
Parecer Final (2004) Recomenda-se que: -a Petrobras passe a adotar como caso base a reinjeção
Parecer Final (2004)
Recomenda-se que:
-a Petrobras passe a adotar como caso
base a reinjeção de água produzida em
todos os novos projetos de
desenvolvimento da produção que
contemplem a injeção de água para
recuperação secundária de petróleo,
mantendo-se a contingência de 100% de
descarte no mar, para os campos offshore.
Novos projetos: Marlim Sul (módulo 3),
Jubarte (fase 2), Camorim, Dourado,
Ubarana
GT CONAMA REINJEÇÃO DE ÁGUA Conclusões • A contingência de 100% para descarte no mar
GT CONAMA
REINJEÇÃO DE ÁGUA
Conclusões
• A contingência de 100% para descarte no mar
dificulta a implantação da reinjeção de água em
alguns projetos.
• A maior flexibilidade com descarte eventual acima
dos valores hoje permitidos facilitaria a reinjeção
de água produzida.
• Apesar de toda dificuldade, principalmente em
projetos já implantados, a PETROBRAS tem se
empenhado na reinjeção da água produzida.