Você está na página 1de 54

BM&FBOVESPA

Diretoria de Relações com Investidores

Dezembro de 2013

Considerações Iniciais

Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da

administração sobre eventos ou resultados futuros. Tais declarações não são dados históricos, estando baseadas

em dados competitivos, financeiros e econômicos disponíveis no momento e em projeções atuais acerca da indústria na qual a BM&FBOVESPA se insere. Os verbos “antecipar”, “acreditar”, “estimar”, “esperar”, “prever”, “planejar”, “projetar”, “almejar” e outros verbos similares têm a intenção de identificar estas declarações, as quais envolvem riscos e incertezas que podem resultar em diferenças materiais entre os dados atuais e as projeções desta apresentação e não garantem

qualquer desempenho futuro da BM&FBOVESPA. Os fatores que podem afetar o desempenho incluem, mas não estão limitados a: (i) aceitação pelo mercado dos serviços prestado pela BM&FBOVESPA; (ii) volatilidade relacionada (a) à economia e ao mercado de valores mobiliários brasileiros e (b) à indústria altamente competitiva na qual a BM&FBOVESPA opera; (iii) alterações (a) na legislação e tributação nacional e estrangeira e (b) nas políticas governamentais relacionadas aos mercados

financeiros e de valores mobiliários; (iv) crescimento da competição, com novos participantes nos mercados

brasileiros; (v) habilidade em adaptar-se às rápidas mudanças no ambiente tecnológico, incluindo a implementação de funcionalidades otimizadas requeridas pelos clientes da BM&FBOVESPA; (vi) habilidade em manter um processo contínuo de introdução de competitivos novos produtos e serviços enquanto mantém a competitividade dos já existentes; (vii) habilidade em atrair novos clientes nas jurisdições nacional e estrangeira; (viii) habilidade em expandir a oferta de produtos da BM&FBOVESPA em jurisdições estrangeiras.

Todas as declarações nesta apresentação são baseadas em informações e dados disponíveis na data em que foram

feitas, a BM&FBOVESPA não se obriga a atualizá-las com base em novas informações ou desenvolvimentos futuros. Esta apresentação não se constitui em uma oferta de venda nem em uma solicitação de compra de qualquer valor mobiliário; tampouco deve haver qualquer venda de valor mobiliário onde tal oferta ou venda pudesse ser ilegal antes de registro ou qualificação de acordo com lei de valores mobiliários. Nenhuma oferta deve ser feita à

exceção de um prospecto que atenda os requisitos da Instrução CVM 400 de 2003 e suas alterações.

HISTÓRICO, MODELO DE NEGÓCIO E GOVERNANÇA
HISTÓRICO, MODELO DE NEGÓCIO E GOVERNANÇA
OPORTUNIDADES DO MERCADO BRASILEIRO
OPORTUNIDADES DO MERCADO BRASILEIRO
PRINCIPAIS INICIATIVAS PARA O CRESCIMENTO
PRINCIPAIS INICIATIVAS PARA O CRESCIMENTO
DESEMPENHO OPERACIONAL
DESEMPENHO OPERACIONAL
DESTAQUES FINANCEIROS
DESTAQUES FINANCEIROS
ANEXOS (inclui os resultados do 3T13)
ANEXOS (inclui os resultados do 3T13)
HISTÓRICO , MODELO DE NEGÓCIO E GOVERNANÇA Segurança, robustez e transparência
HISTÓRICO , MODELO DE NEGÓCIO E
GOVERNANÇA
Segurança, robustez e transparência

Histórico da BM&FBOVESPA

Importante bolsa global

1890:

Fundação da Bolsa Livre (antecessora da Bovespa) 1967: ago/07: out/07: Mutualização da Bovespa:
Fundação da Bolsa
Livre (antecessora
da Bovespa)
1967:
ago/07:
out/07:
Mutualização
da Bovespa:
Desmutualização
da Bovespa Hld
IPO da Bovespa
Hld (BOVH3)
1986:
set/07:
nov/07:
Desmutualização
Início das
IPO da BM&F
da BM&F
atividades
(BMEF3)

da BM&F

mai/08: integração entre BM&F e Bovespa Hld e criação da BM&FBOVESPA (BVMF3)

mai/08:

integração entre BM&F e Bovespa Hld e criação da BM&FBOVESPA (BVMF3)

CAPITALIZAÇÃO DE MERCADO (US$ bilhões) E MARGEM OPERACIONAL (%)

DE MERCADO (US$ bilhões) E MARGEM OPERACIONAL (%) ¹ 12M findos em jun/12; ²12M findos em

¹ 12M findos em jun/12; ²12M findos em mar/12 (mar/13, para JPX); ³9M findos em set/12. Fonte: Bloomberg (29/11/2013).

5

Modelo vertical como diferencial

Captura de valor na maior parte da cadeia

CADEIA DE VALOR PRÉ-NEGOCIAÇÃO NEGOCIAÇÃO PÓS-NEGOCIAÇÃO Serviços Análise de Alocação Posição/
CADEIA DE VALOR
PRÉ-NEGOCIAÇÃO
NEGOCIAÇÃO
PÓS-NEGOCIAÇÃO
Serviços
Análise de
Alocação
Posição/
Análise Risco
Acesso
Negócio
Compensação/
gestão de risco
Liquidação
Depositária
Auxiliares
Risco (DMA)
Repasse
Garantias

Verticalmente Integrada

Plataformas de Negociação: ações, derivativos, títulos públicos

e corporativos, fundos, dólar pronto, entre outros

Plataformas de Pós-Negociação:

Contraparte Central (CCP): entidade que se interpõe entre as operações ou contratos, tornando-se garantidora de todas os negócios

Sistema de Liquidação (SSS): sistema que permite a transferência de títulos ou ativos entre investidores, podendo ser essa transferência livre ou contra pagamento

Central Depositária (CSD): realiza a guarda centralizada de ativos e tratamento de eventos corporativos (proventos, desdobramentos, etc)

Serviços para Emissores e Participantes

Listagem (ações, fundos, títulos corporativos, securitização, entre outros)

Acesso de negociação (participantes)

Empréstimo de Ativos

Custódia para clubes e investidores estrangeiros (2689)

Market Data (vendors)

Licenciamento de Índices

Licenciamento de Software

Balcão Organizado (derivativos e renda fixa)

Certificação de Mercadorias

Modelo vertical como diferencial

Atuação da BVMF em todas as etapas da pós-negociação

Atuação da BVMF em todas as etapas da pós-negociação BRASIL (internalização de ordens é proibida)

BRASIL (internalização de ordens é proibida)

BRASIL (internalização de ordens é proibida) Negociação Pós-negociação Compensação Liquidação Central

Negociação

Pós-negociação

Compensação Liquidação Central Depositária

Corretoras A e B Investidores Investidores
Corretoras A e B
Investidores
Investidores

Modelo 100% vertical: compensação,

liquidação e depositária no nível do investidor final

Corretoras utilizam a infraestrutura da BVMF para liquidar as operações e controlar o portfólio dos clientes (impacto na

tarifação da pós-negociação)

EUA (internalização de ordens é permitida) Ambientes de Negociação DTCC Corretoras A e B Corretora
EUA
(internalização de ordens é permitida)
Ambientes de Negociação
DTCC
Corretoras A e B
Corretora
Corretora
A
B
Investidores
Investidores
Atividades de compensação, liquidação e
depositária ocorrem nas corretoras
Cada corretora (prime broker) possui
estrutura própria para liquidar as operações
e controlar o portfólio dos clientes (impacto
nos custos do prime broker)
7

Regulação do setor de bolsas

Segurança e integridade do mercado como prioridades

Corretoras e

Investidores

do mercado como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe
do mercado como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe
do mercado como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe
do mercado como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe
do mercado como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe
do mercado como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe
do mercado como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe
do mercado como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe

Negociação

como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe internalização
como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe internalização
como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe internalização
como prioridades Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe internalização

Pós-negociação

Corretoras e Investidores Negociação Pós-negociação  Regulação proíbe internalização de ordens nas

Regulação proíbe internalização de ordens nas corretoras,

dark pools, ATS (Alternative Trading System), MTFs (Multilateral Trading Facility) e negociação de ações em bolsa e balcão de forma simultânea

Liquidação e clearing de ações precisa ser feita com uma

CCP

Liquidação e clearing no nível do beneficiário final torna o mercado brasileiro mais seguro e robusto

Sob a regulação em vigor, potenciais competidores seriam obrigados a prover uma solução integrada, com o mesmo nível de regras e de transparência

No Brasil, é o investidor final quem paga a bolsa: custo total

(“all-in-cost”) competitivo comparado a outros mercados, uma vez que a BVMF provê mais serviços que outras bolsas

Naked access (acesso a bolsa sem filtro pré-negociação)

não é permitido

Naked short selling (venda a descoberto) não é possível

Governança Corporativa

Conhecimento multidisciplinar na condução dos negócios

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Pedro Parente (Presidente do CA) Membro Independente, CEO da Bunge Brasil Marcelo Trindade (Vice Presidente
Pedro Parente (Presidente do CA)
Membro Independente, CEO da Bunge Brasil
Marcelo Trindade (Vice Presidente do CA)
Membro Independente, advogado
Alfredo Antônio Lima de Menezes
Membro não-independente, Diretor Executivo do Bradesco
André Esteves
Membro não-independente, CEO do BTG Pactual
Candido Bracher
Membro não-independente, Presidente do Itaú BBA
Charles Carey
Membro não-independente, Conselheiro do CME Group
Claudio Haddad
Membro Independente, engenheiro e professor
José Berenguer Neto
Membro não-independente, CEO do JP Morgan do Brasil
José Roberto Mendonça de Barros
Membro Independente, economista e professor
Luiz Fernando Figueiredo
Membro Independente, Sócio-Fundador da Mauá Investimentos
Luiz Nelson Guedes De Carvalho
Membro Independente, Professor

DIRETORIA EXECUTIVA

Edemir Pinto Dir. Presidente Eduardo Guardia Dir. Exec. de Produtos e de RI Cícero Vieira
Edemir Pinto
Dir. Presidente
Eduardo Guardia
Dir. Exec. de Produtos e de RI
Cícero Vieira
Dir. Exec. de Operações, Clearing e Depositária
Daniel Sonder
Dir. Exec. Financeiro e Corporativo
Luis Furtado
Dir. Exec. de Tecnologia e Segurança da Informação

COMITÊS DO CONSELHO

Comitê de Auditoria
Comitê de Auditoria
Comitê de Governança e Indicação
Comitê de Governança e Indicação
Comitê de Remuneração
Comitê de Remuneração
Comitê de Risco
Comitê de Risco
Comitê de Assessoramento para o Setor da Intermediação
Comitê de Assessoramento para o Setor da Intermediação
e Indicação Comitê de Remuneração Comitê de Risco Comitê de Assessoramento para o Setor da Intermediação

9

Estrutura acionária

Capital pulverizado 2,4% 5,3% 5,2% 5,1% 6,6% 75,5%
Capital pulverizado
2,4%
5,3% 5,2%
5,1%
6,6%
75,5%

Fundos administrados pela BlackRock, Inc.Capital pulverizado 2,4% 5,3% 5,2% 5,1% 6,6% 75,5% Fundos administrados pela OppenheimerFunds, Inc. CMEG Brasil

Fundos administrados pela OppenheimerFunds, Inc.5,1% 6,6% 75,5% Fundos administrados pela BlackRock, Inc. CMEG Brasil I Participações Ltda. Fundos administrados

CMEG Brasil I Participações Ltda.Inc. Fundos administrados pela OppenheimerFunds, Inc. Fundos administrados pela Vontobel Asset Management Inc.

Fundos administrados pela Vontobel Asset Management Inc.OppenheimerFunds, Inc. CMEG Brasil I Participações Ltda. Outros Ações em Tesouraria AGO de 15/04/2013 Número de

OutrosFundos administrados pela Vontobel Asset Management Inc. Ações em Tesouraria AGO de 15/04/2013 Número de

Ações em Tesourariaadministrados pela Vontobel Asset Management Inc. Outros AGO de 15/04/2013 Número de acionistas pessoas físicas

AGO de 15/04/2013 Número de acionistas pessoas físicas Número de acionistas institucionais 55.108 3.580 Número
AGO de 15/04/2013
Número de acionistas pessoas físicas
Número de acionistas institucionais
55.108
3.580
Número total de acionistas
58.688
Ações em circulação (ON)
1.929.265.010 (97,4%)
OPORTUNIDADES DO MERCADO BRASILEIRO Principais direcionadores de crescimento
OPORTUNIDADES DO MERCADO BRASILEIRO
Principais direcionadores de crescimento

Oportunidades no mercado brasileiro

BVMF preparada para capturar o crescimento futuro

DIRECIONADORES DE CRESCIMENTO

MERCADO DE AÇÕES

Diversificação de portfólios => oportunidade de diversificação dos

investimentos de investidores institucionais com aplicações em renda variável

maior direcionamento de recursos para renda variável

aumento do número de empresas listadas

MERCADO DE DERIVATIVOS

aumento do crédito e da parcela da dívida pública pré-fixada => maior demanda por operações de hedge pelas instituições financeiras crescimento na corrente de comércio=> aumento do volume dos contratos de câmbio

crescimento do mercado acionário, lançamento e desenvolvimento de

ETFs e cresc. da exposição em ações de inv. institucionais direcionará => o cresc. dos contratos de índices futuros

Necessidade de investimentos para Queda da taxa de juros real promover crescimento Poupança nacional altamente
Necessidade
de
investimentos
para
Queda da
taxa de juros
real
promover
crescimento Poupança
nacional
altamente
concentrada
em renda
fixa
MERCADO DE CAPITAIS TERÁ PAPEL CENTRAL NOS PRÓXIMOS ANOS
MERCADO DE CAPITAIS TERÁ PAPEL
CENTRAL NOS PRÓXIMOS ANOS
MERCADO DE CAPITAIS TERÁ PAPEL CENTRAL NOS PRÓXIMOS ANOS Evolução do Crédito Total/PIB no Brasil (%)
Evolução do Crédito Total/PIB no Brasil (%) 55,4% 27,4% 2001 2002 2003 2004 2005 2006
Evolução do Crédito Total/PIB no Brasil (%)
55,4%
27,4%
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013

Evolução da taxa Selic (% a.a.) jan/07 a nov/13

13,75 13,25 11,25 11,00 10,75 8,75 10,00 7,25 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
13,75
13,25
11,25
11,00
10,75
8,75
10,00
7,25
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013

Fontes: Banco Central do Brasil . *Para Brasil, considera apenas crédito bancário.

12

Mercado de Capitais

Grandes oportunidades no segmento de ações e derivativos

Nº DE CONTAS DE CUSTÓDIA (mil)  número de investidores de varejo de 0,3% da
Nº DE CONTAS DE CUSTÓDIA (mil)
 número de investidores de varejo de 0,3% da população
brasileira (inferior a média mundial)
nov/13
621,0
jan/05
128,6
EMPRESAS LISTADAS
 baixo número de empresas listadas em comparação com
outros países
6.856
4.916
4.041
3.972
3.481
3.200
2.767
2.056
1.784
364
Índia
EUA
China/HK
Canadá
Japão
Espanha
Reino
Austrália
Coréia
Brasil
Unido
Fontes: BM&FBOVESPA, ANBIMA , WFE (dez/12) e ABRAPP. * Atualizado até jun/13
jan/05
jul/05
jan/06
jul/06
jan/07
jul/07
jan/08
jul/08
jan/09
jul/09
jan/10
jul/10
jan/11
jul/11
jan/12
jul/12
jan/13
jul/13

FUNDOS DE INVESTIMENTO

evolução do patrimônio líquido dos fundos (em R$ bilhões). Média mundial de 40% destinado a renda variável

2.344 2.189 Renda Variável 1.925 13% 14% 1.787 Renda Fixa 1.703 15% 1.513 18% 1.375
2.344
2.189
Renda Variável
1.925
13%
14%
1.787
Renda Fixa
1.703
15%
1.513
18%
1.375
18%
1.301
22%
1.070
14%
15%
899
861
11%
657
10%
11%
11%

2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2T13

FUNDOS DE PENSÃO

participação de renda variável na carteira das principais entidades de previdência

Renda Fixa e Outrosna carteira das principais entidades de previdência Renda Variável 642 538 33% 574 30% 630 29%

Renda Variáveldas principais entidades de previdência Renda Fixa e Outros 642 538 33% 574 30% 630 29%

642

538

33%
33%

574

30%
30%

630

29%
29%

492

33%
33%

436

37%
37%

419

28%
28%

352

33%
33%

256

30%
30%

295

31%
31%

216

168

28%
28%

29%

28% 29%

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

13

PRINCIPAIS INICIATIVAS PARA O CRESCIMENTO Investimentos, novos produtos e foco no cliente
PRINCIPAIS INICIATIVAS PARA O CRESCIMENTO
Investimentos, novos produtos e foco no cliente

Atualização dos projetos estratégicos

Atualização dos projetos estratégicos PUMA Trading System™ - Plataforma Eletrônica Multiativos  plataforma

PUMA Trading System™ - Plataforma Eletrônica Multiativos

plataforma eletrônica de negociação de alto desempenho, rapidez e capacidade

RTT (Round Trip Time) inferior a 1 milissegundo

módulo de derivativos e câmbio: implantado em out/11

módulo de ações: implantado em abr/13

IPN - Integração da Pós-Negociação  projeto de integração das câmaras de compensação (clearings)* que
IPN - Integração da Pós-Negociação
projeto de integração das câmaras de compensação (clearings)* que ampliará os diferenciais competitivos
da BM&FBOVESPA
os diferenciais competitivos da BM&FBOVESPA  desenvolvimento do novo sistema de cálculo de risco CORE (

desenvolvimento do novo sistema de cálculo de risco CORE (CloseOut Risk Evaluation) que proporcionará maior eficiência na alocação de capital ao clientes

testes para derivativos iniciados em jul/13, com conclusão prevista para mar/14

iniciados em jul/13 , com conclusão prevista para mar/14 iBalcão – Plataforma de Registro de Balcão
iniciados em jul/13 , com conclusão prevista para mar/14 iBalcão – Plataforma de Registro de Balcão

iBalcão Plataforma de Registro de Balcão

registro de derivativos de balcão e ativos de renda fixa

entrega da nova plataforma em jul/13 (termo de moeda - sem garantia)

nova plataforma em jul/13 (termo de moeda - sem garantia) Mudanças na Política de Preços do
nova plataforma em jul/13 (termo de moeda - sem garantia) Mudanças na Política de Preços do

Mudanças na Política de Preços do Mercado a Vista de Ações

1ª fase (abr/13): redução nas tarifas de negociação de 0,7 bps para 0,5 bps e rebalanceamento entre as

tarifas de negociação e pós-negociação de investidores institucionais e day traders

2ª fase (dez/13): ampliação do desconto por faixa de volume para day traders e redução progressiva das taxas de negociação por faixa de volume global

das taxas de negociação por faixa de volume global Iniciativas para Pequenas e Médias Empresas (PMEs)
das taxas de negociação por faixa de volume global Iniciativas para Pequenas e Médias Empresas (PMEs)

Iniciativas para Pequenas e Médias Empresas (PMEs)

criação do Comitê Técnico de Ofertas Menores composto por entidades público-privadas

elaboração de propostas para viabilizar captações de recursos via emissão de ações (incentivos para PMEs,

investidores e intermediários)

apresentação do projeto para o Ministério da Fazenda, em jul/13

*A implantação do IPN/CORE depende de autorização dos reguladores.

15

Desenvolvimentos de TI da BM&FBOVESPA

Construindo uma plataforma de excelência em TI

Aumentando o diferencial competitivo para os mercados

de derivativos e de ações

LATÊNCIA

para os mercados de derivativos e de ações LATÊNCIA Segmento BM&F (derivativos) Núcleo do Sistema

Segmento BM&F (derivativos)

Núcleo do Sistema (latência média em milissegundos)

70

Núcleo do Sistema (latência média em milissegundos) 70 25 20 10-15 ~1 ~1 <1 2007 2008

25

20

10-15

~1

~1

<1

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

Latência caiu substancialmente

Desvio padrão da latência foi reduzida em mais de 200 vezes

Segmento Bovespa (ações)

Núcleo do Sistema (latência média em milissegundos)

450

Núcleo do Sistema (latência média em milissegundos) 450 300 20 10-15 10-15 10-15 < 1 2007

300

20

10-15

10-15

10-15

<1

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

VISÃO MACRO: PERFORMANCE DO AMBIENTE DE CO-LOCATION

Co-location

Participante
Participante

Infraestrutura do PUMA Trading System

Rede
Rede
Gateway de roteamento de ordens + LiNe
Gateway de
roteamento de
ordens + LiNe
Núcleo de Negociação
Núcleo de
Negociação
de roteamento de ordens + LiNe Núcleo de Negociação ~200 µs ~500 µs ~300 µs ~1000
de roteamento de ordens + LiNe Núcleo de Negociação ~200 µs ~500 µs ~300 µs ~1000

~200 µs

de ordens + LiNe Núcleo de Negociação ~200 µs ~500 µs ~300 µs ~1000 µs Infra
de ordens + LiNe Núcleo de Negociação ~200 µs ~500 µs ~300 µs ~1000 µs Infra

~500 µs

de ordens + LiNe Núcleo de Negociação ~200 µs ~500 µs ~300 µs ~1000 µs Infra
de ordens + LiNe Núcleo de Negociação ~200 µs ~500 µs ~300 µs ~1000 µs Infra

~300 µs

~1000 µs

Infra de Redes: redes construídas para o desenvolvimento e implantação da plataforma PUMA
Infra de Redes: redes construídas para o
desenvolvimento e implantação da
plataforma PUMA
Gateway + LiNe: controle de risco pré- negociação (LiNe) representa cerca de 60% da latência
Gateway + LiNe: controle de risco pré-
negociação (LiNe) representa cerca de 60%
da latência do Gateway + LiNe
Núcleo: verifica todas as regras de leilão e bandas/limites de oscilação previstos na regulação (100%
Núcleo: verifica todas as regras de leilão e
bandas/limites de oscilação previstos na
regulação (100% das ordens)

16

Integração das Clearings

Diferenciando ainda mais a pós-negociação da BVMF

Derivativos (R$ 119,3 bi*)  Derivativos financeiros e commodities (futuro, opções e termo)  Derivativos
Derivativos
(R$ 119,3 bi*)
 Derivativos financeiros
e commodities (futuro,
opções e termo)
 Derivativos de balcão
Ações e renda fixa privada (R$ 76,5 bi*)  Mercado a vista de ações, ETFs
Ações e renda fixa
privada (R$ 76,5 bi*)
 Mercado a vista de
ações, ETFs e renda fixa
privada
 Derivativos sobre ações e
índices (opções e termo )
 Empréstimo de ativos
Câmbio (R$ 4,9 bi*)  Mercado a vista de câmbio (US$ x R$)
Câmbio (R$ 4,9 bi*)
 Mercado a vista de
câmbio (US$ x R$)
Ativos (R$ 0,8 bi*)  Mercado a vista e a termo de títulos públicos
Ativos (R$ 0,8 bi*)
 Mercado a vista e a
termo de títulos públicos
bi*)  Mercado a vista e a termo de títulos públicos CLEARING INTEGRADA = eficiência de
CLEARING INTEGRADA = eficiência de capital
CLEARING INTEGRADA
=
eficiência de capital
públicos CLEARING INTEGRADA = eficiência de capital * Garantias depositadas em 30/09/2013 totalizando R$201,4

* Garantias depositadas em 30/09/2013 totalizando R$201,4 bilhões. **A implantação do IPN/CORE depende de autorização dos reguladores

17

Desenvolvimento de Produtos e Mercados

Produtos listados, de balcão e renda fixa

PRODUTOS LISTADOS

ETFs (fundos listados): ações, renda fixa, internacional e FIIs

Formador de mercado: ações, opções,

mercadorias e futuros

Ibovespa: revisão da metodologia

PMEs (pequenas e médias empresas):

Bovespa Mais

Programa de incentivo: foco no varejo

PROJETO iBALCÃO

Derivativos de Selic: futuro de selic (OC1), cupom cambial (DCO) e swap cambial (SCS)

Mercado de opções: nova política de preços

para HFTs/day traders

Contratos futuros: etanol

BDR: migração do balcão para bolsa

Empréstimo de ativos: plataforma BTC

Registro de derivativos:

NDFs: termos de moeda, entregue em jul/13

Opções flexíveis de ações

COE: Certificado de Operações Estruturadas

Swaps

Registro de renda fixa:

LCAs: melhorias

LCIs e CDBs: adaptação da plataforma (depende de aprovação do regulador

Debêntures e letras financeiras: mudanças nos processos e regulamentos de listagem

Negociação de renda fixa:

plataforma de negociação para títulos públicos e

corporativos e mudanças na política de preços

Produtos de alto crescimento

Aumento da sofisticação dos participantes do mercado

Ações para desenvolver e incentivar o aumento de volumes de alguns produtos;Aumento da sofisticação dos participantes do mercado Performance demonstra que as iniciativas estão sendo bem

Performance demonstra que as iniciativas estão sendo bem recebidas pelo mercado. .

Opções com F. Mercado

(ADTV - R$ milhões)

+47,1% 71,7 48,8 ADTV antes do ADTV após o F. Mercado F. Mercado*
+47,1%
71,7
48,8
ADTV antes do
ADTV após o
F. Mercado
F. Mercado*

ETFs

(ADTV - R$ milhões) CAGR (09-13): +53,1% 115,9 102,1 48,7 28,5 18,6 2009 2010 2011
(ADTV - R$ milhões)
CAGR (09-13):
+53,1%
115,9
102,1
48,7
28,5
18,6
2009
2010
2011
2012
2013*

*Atualizado até 29/11/2013 **Atualizado até 30/09/2013.

Fundos de Investimento Imobiliário

(ADTV - R$ milhões)

CAGR(09-13): +141,9%
CAGR(09-13):
+141,9%
Imobiliário (ADTV - R$ milhões) CAGR(09-13): +141,9% Tesouro Direto (Custódia - R$ bilhões) CAGR (09-13):

Tesouro Direto

(Custódia - R$ bilhões)

CAGR (09-13): +35,2% 9,7 9,0 6,1 3,9 2,9
CAGR (09-13):
+35,2%
9,7
9,0
6,1
3,9
2,9

2009

2010

2011

2012

**

2013*

Empréstimo de Ativos

(contratos em aberto média do período - R$ bilhões)

CAGR (09-13): +33,9% 40,9 31,9 30,2 20,5 12,7
CAGR (09-13):
+33,9%
40,9
31,9
30,2
20,5
12,7

2009

2010

2011

2012

2013*

Letras de Crédito do Agronegócio

(estoque registrado - R$ bilhões)

Em jun/13, a BVMF possui 74% de participação de mercado nos estoques registrados.

52,0 3,6 20,0
52,0
3,6
20,0

2011

2012

set/13

19

DESEMPENHO OPERACIONAL Recordes em 2013
DESEMPENHO OPERACIONAL
Recordes em 2013

Segmento Bovespa

Destaques operacionais

VOLUME MÉDIO DIÁRIO ADTV (R$ bilhões)

8,9 8,5 8,2 7,9 7,8 7,3 7,5 7,7 7,3 7,4 7,2 7,0 6,5 6,5 6,6
8,9
8,5
8,2
7,9
7,8
7,3
7,5
7,7
7,3
7,4
7,2
7,0
6,5
6,5
6,6
6,6
6,0
5,5
5,3
4,9
1,6
2,4
1,2

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013*

nov/12 dez/12 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13

CAPITALIZAÇÃO BURSÁTIL MÉDIA (R$ trilhões)

TURNOVER VELOCITY ANUALIZADO**

2,42 2,42 2,37 2,33 2,03 1,98 1,83 1,31 0,94 0,72 2004 2005 2006 2007 2008
2,42
2,42
2,37
2,33
2,03
1,98
1,83
1,31
0,94
0,72
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013*
70,0% 66,6% 64,2% 63,2% 63,8% 56,4% 30,8% 36,8% 37,6% 38,7% 42,3%
70,0%
66,6%
64,2%
63,2%
63,8%
56,4%
30,8%
36,8% 37,6% 38,7% 42,3%

73,5%

29,4%

2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013

*

*Atualizado até 29/11/2013. **Relação entre o volume negociado no mercado a vista e a capitalização de mercado da Bolsa.

21

mar/13

ago/13

jul/13

mai/13

abr/13

set/13

2003
2004

out/13

2009
2010

1999
2000

1996

2005
2006

1997
1998

2007
2008

2012 jan/13

2011

fev/13

2001

2002

jun/13

nov/13

Negociação de ADRs de empresas brasileiras

Interrupção do processo de migração de liquidez

Fim da CPMF (jul/02) Lei Sarbanes-Oxley (SOX) (jul/02)
Fim da CPMF (jul/02)
Lei Sarbanes-Oxley (SOX)
(jul/02)
Fim do IOF de 2% para estrangeiros (dez/11)
Fim do IOF de 2%
para estrangeiros
(dez/11)
Lançamento do Novo Mercado (dez/00)
Lançamento do
Novo Mercado
(dez/00)

Outros Ambientes nos EUA - ADRs de cias. Brasileiras(dez/11) Lançamento do Novo Mercado (dez/00) BOVESPA - companhias com ADRs NÚMERO DE OFERTAS PÚBLICAS

BOVESPA - companhias com ADRsOutros Ambientes nos EUA - ADRs de cias. Brasileiras NÚMERO DE OFERTAS PÚBLICAS NYSE - ADRs

NÚMERO DE OFERTAS PÚBLICAS

NYSE - ADRs de cias. BrasileirasBOVESPA - companhias com ADRs NÚMERO DE OFERTAS PÚBLICAS BOVESPA (exceto companhias com ADRs) nov/13 25,4%

BOVESPA (exceto companhias com ADRs)DE OFERTAS PÚBLICAS NYSE - ADRs de cias. Brasileiras nov/13 25,4% 9,6% 31,5% 33,5% 35,0% 65,0%

nov/13

25,4%Brasileiras BOVESPA (exceto companhias com ADRs) nov/13 9,6% 31,5% 33,5% 35,0% 65,0% Fonte: Bloomberg (em volume

BOVESPA (exceto companhias com ADRs) nov/13 25,4% 9,6% 31,5% 33,5% 35,0% 65,0% Fonte: Bloomberg (em volume

9,6%BOVESPA (exceto companhias com ADRs) nov/13 25,4% 31,5% 33,5% 35,0% 65,0% Fonte: Bloomberg (em volume

31,5%BOVESPA (exceto companhias com ADRs) nov/13 25,4% 9,6% 33,5% 35,0% 65,0% Fonte: Bloomberg (em volume negociado

33,5%BOVESPA (exceto companhias com ADRs) nov/13 25,4% 9,6% 31,5% 35,0% 65,0% Fonte: Bloomberg (em volume negociado

35,0%

companhias com ADRs) nov/13 25,4% 9,6% 31,5% 33,5% 35,0% 65,0% Fonte: Bloomberg (em volume negociado em

65,0%

com ADRs) nov/13 25,4% 9,6% 31,5% 33,5% 35,0% 65,0% Fonte: Bloomberg (em volume negociado em US$

Fonte: Bloomberg (em volume negociado em US$ de companhias brasileiras com programas de ADRs Níveis 2 e 3).

 

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

Total

IPOs

-

1

-

7

9

26

64

4

6

11

11

3

9

151

Follow ons

14

5

8

8

10

16

12

8

18

11

11

9

6

136

Total

14

6

8

15

19

42

76

12

24

22

22

12

15

287

Dupla Listagem

-

-

-

2

1

1

-

-

1

-

-

-

-

5

Segmento BM&F

Destaques operacionais

VOLUME MÉDIO DIÁRIO ADV (milhares de contratos)

VOLUME MÉDIO DIÁRIO – ADV (milhares de contratos) 805 852 187 86 110 422 109 74

805 852

187 86 110 422
187
86
110
422
109 74 168 501
109
74
168
501

1.167

124 68 266 711
124
68
266
711

1.740

167 112 473 988
167
112
473
988

1.573

162 88 535 789
162
88
535
789

1.521

150 80 447 843
150
80
447
843

2.505

191 89 541 1.684
191
89
541
1.684

2.701

285 123 496 1.797
285
123
496
1.797

2.899

336 143 494 1.926
336
143
494
1.926

2.904

383 114 494 1.913
383
114
494
1.913

3.980

424 105 507 2.944
424
105
507
2.944

3.591 3.658

341 126 494 2.630
341
126
494
2.630

3.166

341 100 491 2.235
341
100
491
2.235
352 145 468 2.694
352
145
468
2.694

3.290

495 183 635 1.977
495
183
635
1.977

2.653

331 99 476 1.747
331
99
476
1.747

2.856

340 113 547 1.856
340
113
547
1.856

2.835

434 146 541 1.713
434
146
541
1.713

2.410

290 84 474 1.561
290
84
474
1.561

2.443

389 99 435 1.519
389
99
435
1.519

2.182

351 90 502 1.239
351
90
502
1.239

2.418

405 75 481 1.457
405
75
481
1.457

2.116

385 102 420 1.209
385
102
420
1.209

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013*

nov/12

dez/12

jan/13

fev/13 mar/13 abr/13

mai/13

jun/13

jul/13

ago/13

set/13

out/13

nov/13

abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 Tx. de Juros em Reais (milhares) Câmbio (milhares)

Tx. de Juros em Reais (milhares)

ago/13 set/13 out/13 nov/13 Tx. de Juros em Reais (milhares) Câmbio (milhares) Índice (milhares) Outros (milhares)

Câmbio (milhares)

nov/13 Tx. de Juros em Reais (milhares) Câmbio (milhares) Índice (milhares) Outros (milhares) RECEITA POR CONTRATO

Índice (milhares)

Outros (milhares)em Reais (milhares) Câmbio (milhares) Índice (milhares) RECEITA POR CONTRATO (RPC) MÉDIA (R$)   2006 2007

RECEITA POR CONTRATO (RPC) MÉDIA (R$)

  2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013* Tx. de Juros em R$ 0,906
 

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013*

Tx. de Juros em R$

0,906

0,950

1,141

0,979

0,889

0,918

1,004

1,035

Tx. de Câmbio

2,244

1,859

2,065

2,161

1,928

1,894

2,205

2,511

Índices de Ações

1,419

1,501

2,145

1,620

1,564

1,614

1,524

1,733

1,501 2,145 1,620 1,564 1,614 1,524 1,733 Tx. de Juros em US$ 1,094 0,965 1,283 1,357

Tx. de Juros em US$

1,094

0,965

1,283

1,357

1,142

0,941

1,015

1,220

Commodities

4,749

3,195

3,587

2,307

2,168

2,029

2,239

2,519

Mini Contratos

0,034

0,054

0,162

0,176

0,128

0,129

0,116

0,119

0,054 0,162 0,176 0,128 0,129 0,116 0,119 Balcão 1,571 2,111 2,355 1,655 1,610

Balcão

1,571

2,111

2,355

1,655

1,610

1,635

1,769

1,458

1,711

2,475

RPC Total

1,247

1,224

1,527

1,365

1,134

1,106

1,191

1,263

1,242

1,303

N-12

D-12

J-13

F-13

M-13

A-13

M-13

J-13

J-13

A-13

S-13

O-13

N-13

1,044

1,037

1,032

1,013

1,037

0,945

0,843

1,099

1,067

1,112

1,222

1,203

1,115

2,370

2,453

2,368

2,305

2,273

2,292

2,347

2,590

2,691

2,731

2,720

2,624

2,611

1,400

1,981

1,547

1,974

1,413

1,846

1,408

1,867

1,590

1,938

1,656

1,816

1,664

  0,114 0,117 0,126 0,120 0,120 1,988 2,868 1,642 1,460 1,428 1,418 1,839 1,160
 

0,114

0,117

0,126

0,120

0,120

1,988

2,868

1,642

1,460

1,428

1,418

1,839

1,160

1,477

1,118

1,266

1,266

1,191

1,190

1,114

1,020

1,361

1,320

1,397

1,511

1,418

1,367

1,118 1,266 1,266 1,191 1,190 1,114 1,020 1,361 1,320 1,397 1,511 1,418 1,367
1,164 1,152 1,073 1,140 1,121 1,093 0,928 1,280 1,370 1,309 1,412 1,246 1,359
1,164
1,152
1,073
1,140
1,121
1,093
0,928
1,280
1,370
1,309
1,412
1,246
1,359
1,093 0,928 1,280 1,370 1,309 1,412 1,246 1,359 2,485 3,360 2,449 2,415 2,382 2,349 2,550
1,093 0,928 1,280 1,370 1,309 1,412 1,246 1,359 2,485 3,360 2,449 2,415 2,382 2,349 2,550

2,485

3,360

2,449

2,415

2,382

2,349

2,550

2,595

2,632

2,385

2,766

2,613

2,430

0,107

0,112

0,120

0,122

0,119

0,118

0,116

0,119

Participação dos investidores nos volumes

Segmentos de ações e derivativos

SEGMENTO BOVESPA (AÇÕES)

7% 6% 8% 6% 6% 5% 8% 9% 9% 7% 8% 7% 9% 9% 8%
7%
6%
8%
6%
6%
5%
8%
9%
9%
7%
8%
7%
9%
9%
8%
10%
10%
8%
8%
12%
30%
34%
35%
35%
40%
43%
45%
44%
33%
36%
35%
40%
43%
41%
44%
46%
47%
44%
42%
42%
26%
33%
27%
27%
27%
30%
33%
32%
35%
32%
34%
33%
33%
32%
32%
33%
32%
32%
32%
33%
31%
27%
25%
26%
25%
23%
21%
18%
17%
18%
16%
16%
15%
15%
16%
14%
15%
15%
15%
13%

2005

2006

2007

2008

Pessoa Física15% 15% 16% 14% 15% 15% 15% 13% 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012

2009

2010

2011

2012

13% 2005 2006 2007 2008 Pessoa Física 2009 2010 2011 2012 Institucional SEGMENTO BM&F (DERIVATIVOS) 2013

Institucional

SEGMENTO BM&F (DERIVATIVOS)

2013

2011 2012 Institucional SEGMENTO BM&F (DERIVATIVOS) 2013 jan/ 13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 Estrangeiro Inst.

jan/ 13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13

Estrangeiro

2013 jan/ 13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 Estrangeiro Inst. Financeira jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13

Inst. Financeira

mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 Estrangeiro Inst. Financeira jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 Empresa Outros 4% 4%

jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13

Empresa

Inst. Financeira jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 Empresa Outros 4% 4% 5% 5% 4% 3% 4%

Outros

4% 4% 5% 5% 4% 3% 4% 4% 4% 5% 5% 7% 6% 6% 6%
4%
4%
5%
5%
4%
3%
4%
4%
4%
5%
5%
7%
6%
6%
6%
7%
8%
7%
9%
8%
24%
23%
30%
25%
24%
23%
32%
33%
34%
36%
38%
37%
33%
34%
38%
41%
36%
35%
37%
34%
12%
15%
17%
19%
20%
22%
23%
26%
25%
26%
25%
25%
26%
25%
23%
25%
23%
26%
25%
25%
56%
51%
49%
48%
45%
42%
38%
37%
34%
32%
33%
33%
31%
32%
34%
32%
33%
34%
29%
30%

2005

2006

2007

2008

Pessoa Física31% 32% 34% 32% 33% 34% 29% 30% 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Institucional

2009

33% 34% 29% 30% 2005 2006 2007 2008 Pessoa Física 2009 2010 2011 Institucional 2012 2013

2010

2011

Institucional

2012

2007 2008 Pessoa Física 2009 2010 2011 Institucional 2012 2013 Estrangeiro jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13

2013

Estrangeiro

jan/13

fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13

2013 Estrangeiro jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 Inst. Financeira Empresa jul/13 ago/13 set/13 out/13 Banco

Inst. Financeira

jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 Inst. Financeira Empresa jul/13 ago/13 set/13 out/13 Banco Central nov/13

Empresa

jul/13

ago/13

set/13

out/13

jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 Inst. Financeira Empresa jul/13 ago/13 set/13 out/13 Banco Central nov/13

Banco Central

nov/13

DESTAQUES FINANCEIROS Redução das despesas e retorno aos acionistas
DESTAQUES FINANCEIROS
Redução das despesas e retorno aos acionistas

Demonstrações Financeiras

Histórico

RESUMO DAS DEMONSTRAÇÕES DE RESULTADO (CONSOLIDADO)

(em R$ mil) 2009 2010 2011 2012 Receita liquida 1.510.569 1.898.742 1.904.684 2.064.750 Despesas (569.832)
(em R$ mil)
2009
2010
2011
2012
Receita liquida
1.510.569
1.898.742
1.904.684
2.064.750
Despesas
(569.832)
(633.504)
(816.664)
(763.080)
Despesas ajustadas
(446.677)
(543.881)
(584.521)
(563.487)
Resultado operacional
Margem Operacional
940.737
1.265.238
1.088.020
1.301.670
62,3%
66,6%
57,1%
63,0%
Resultado de equivalência patrimonial
-
38.238
219.461
149.270
Resultado financeiro
245.837
289.039
280.729
208.851
Resultado antes da tributação sobre o lucro
1.186.574
1.592.515
1.588.210
1.659.791
Imposto de renda e contribuição social
(304.505)
(448.029)
(539.681)
(585.535)
Lucro líquido do período*
881.050
1.144.561
1.047.999
1.074.290
Lucro líquido ajustado
1.223.761
1.586.374
1.545.627
1.612.136
LPA ajustado (R$)
0,6104
0,7929
0,7932
0,8351
*Atribuídos aos acionistas da BM&FBOVESPA.

Distribuição das receitas e despesas

Receitas diversificadas como diferencial e despesas sob controle

DISTRIBUIÇÃO DAS RECEITAS (3T13) Receita Bruta: R$596,8 milhões
DISTRIBUIÇÃO DAS RECEITAS (3T13)
Receita Bruta:
R$596,8 milhões

DISTRIBUIÇÃO DAS DESPESAS (3T13)

Despesa: R$194,1 milhões
Despesa:
R$194,1 milhões

27

Orçamentos de despesas ajustadas¹ e investimentos

Foco no controle de custos e fase de investimentos

DESPESAS AJUSTADAS

Foco no controle de custos: em 2013, os efeitos da inflação serão compensados por ganhos de eficiência

2010-2013E: queda das despesas ajustadas em termos reais (CAGR de 1,6% a.a.²)

Orçamento de 2013: R$560-580 milhões, mantido no mesmo intervalo de 2012

INVESTIMENTOS

560-580

544

mantido no mesmo intervalo de 2012 INVESTIMENTOS 560-580 544 585 564 2010 2011 2012 2013E (em

585

564

2010

2011

2012

2013E

(em R$ milhões)

Orçamento de 2013: R$260-290 milhões

Investimentos entre 2010 e 2014 em diversos projetos

(em R$ milhões)

entre 2010 e 2014 em diversos projetos (em R$ milhões) 1 Ajustadas por depreciação, plano de

1 Ajustadas por depreciação, plano de opções de compra de ações, impostos relacionados aos dividendos recebidos do CME Group e provisões. ² Crescimento de despesa projetada com o ponto médio de 2013 (R$570 milhões) e CAGR (2010-13) de inflação de 5,8% a.a. Fonte: Boletim Focus de 30/11/2012 - estimativas de IPCA.

28

Trajetória de Crescimento

Crescimento dos negócios e resultados

CRESCIMENTO DO LUCRO AJUSTADO POR AÇÃO

(em R$)

e resultados CRESCIMENTO DO LUCRO AJUSTADO POR AÇÃO (em R$) CRESCIMENTO DE RECEITAS E RESULTADOS (em

CRESCIMENTO DE RECEITAS E RESULTADOS

(em R$ milhões)

e resultados CRESCIMENTO DO LUCRO AJUSTADO POR AÇÃO (em R$) CRESCIMENTO DE RECEITAS E RESULTADOS (em
e resultados CRESCIMENTO DO LUCRO AJUSTADO POR AÇÃO (em R$) CRESCIMENTO DE RECEITAS E RESULTADOS (em

29

Destaques Financeiros

Foco na geração de caixa e retorno aos acionistas

HISTÓRICO DE PROVENTOS

(em R$ milhões)

100% 100% 87% 80% 4,8% 4,5% 4,5% 3,4% 1.145 1.074 912 90 304 705 150
100%
100%
87%
80%
4,8%
4,5%
4,5%
3,4%
1.145
1.074
912
90
304
705
150
274
984
841
762
432
2009
2010
2011
2012
Dividendos
JCP
Dividend Yield*
Payout ratio (%)

RECOMPRA DE AÇÕES: MAXIMIZAÇÃO DO RETORNO

(em R$ milhões)

1.224 1.586 1.546 1.612 881 1.145 1.048 1.074 8,3% 9,4% 8,4% 8,9% 1.579 1.518 1.091
1.224
1.586
1.546
1.612
881
1.145
1.048
1.074
8,3%
9,4%
8,4%
8,9%
1.579
1.518
1.091
435
606
780
16
75
1.145
1.074
912
705
2009
2010
2011
2012
Proventos
Recompra
Lucro líq. ajustado
Lucro líq.
ajustado
Lucro líq. societário
Lucro líq.
societário
ROIC
ROIC

*Dividend Yield é o resultado da somatória de proventos por ação distribuídos ao longo do ano, dividido pelo preço médio da ação no ano. ROIC: Return On Invested Capital.

30

Solidez Financeira

Alta liquidez e baixo endividamento

Sólida posição financeira fator importante para a Companhia, dada sua atuação como CCP, garantindo a liquidação de operações executadas por investidores globais e brasileiros

SÓLIDA POSIÇÃO FINANCEIRA

R$ milhões

Dez/10

Dez/11

Dez/12

Set/13

Recursos disponíveis Endividamento

1.677

1.582

1.964

1.960

1.043

1.172

1.279

1.375

Standard & Poor´s BBB+ (crédito de contraparte)

A-2 (emissor)

Moody´s A3 (emissor escala global) A3 (emissor escala brasileira) Baa1 (notas globais)

POSIÇÃO DE CAIXA

R$ milhões

Baa1 (notas globais) POSIÇÃO DE CAIXA R$ milhões *Inclui garantias em dinheiro depositadas por participantes,

*Inclui garantias em dinheiro depositadas por participantes, proventos e direitos sobre títulos em custódia e proventos ainda não pagos. ** Inclui recursos de terceiros e fundos restritos do Banco BM&FBOVESPA.

31

ANEXOS
ANEXOS

Destaques Financeiros

Análise do múltiplo Preço/Lucro (P/E)

Desde 2009, o benefício fiscal tem sido reconhecido como um passivo diferido, levando a uma diferença entre o lucro societário e a geração de caixa, reduzindo o lucro societário

Livro Fiscal 2012

Simulação sem o ágio

 

R$ milhões

Atual

LAIR¹ (-) Amortização do ágio (-) JCP (=) Resultado Tributável

1.511

 

1.586

90

 

680

(2)

(165)

831

Simulação do Imposto (34%)

(56)

 

282

 

LPA 2012

P/E 3

LPA Societário (A)

 

0,56

24,8

Lucro sem o ágio = (A) x Δ:1.142

 

0,64

21,7

Desconto do preço (R$1,00 por ação) por

 

conta do ágio / Lucro sem ágio

 

0,64

20,1

LPA Ajustado

 

0,84

16,5

Livro Societário

 

2012

Atual

Simulação sem o ágio

R$ milhões

 

1.511

1.511

Outros créditos

539

-

(débitos) fiscais

(14)

-

     

Total do Imposto

525

282

Δ: 14,2%

Lucro Líquido

1.074

1.228

 

1.511 LAIR¹

- IR/CS Diferidos

1.074 1.228   1.511 LAIR¹ - IR/CS Diferidos 15-20% de impacto no múltiplo P/E Diferença entre

15-20% de impacto no múltiplo P/E Diferença entre o LPA societário e o LPA ajustado caso não existisse o benefício fiscal do ágio

Diferentes maneiras para tratar o ágio no valuation da companhia têm impacto no múltiplo P/E A utilização do Lucro Líquido Ajustado é a melhor maneira de mostrar a geração de caixa da Companhia

¹ Exclui o investimento no CME Group contabilizado pelo método da equivalência patrimonial. 2 Simula o valor recomendado do JCP se não houvesse o benefício fiscal do ágio; 3 Preço da ação de R$13,79 (12/03/2013).

33

Segmento Bovespa

Atividade de Captação de Recursos

OFERTAS PÚBLICAS (em R$ bilhões) Atualizado até 29/11/2013.
OFERTAS PÚBLICAS (em R$ bilhões)
Atualizado até 29/11/2013.

PIPELINE: OFERTAS JÁ ANUNCIADAS AO MERCADO

Há outras 4 ofertas em processo de registro na CVM:

Iniciais -IPO (2): Ouro Verde Locação e Serviço; Unidas;

Subsequentes (2): Fras-le; Via Varejo

Adicionalmente, há 12 Fundos Imobiliários protocolados na CVM: volume estimado de R$4,2 bilhões

Segmento Bovespa

Fluxo de investimento estrangeiro

FLUXO DE INVESTIMENTO ESTRANGEIRO MENSAL (em R$ bilhões)

Considera o mercado primário (ofertas públicas de ações) e secundário (negociação)

Considera o mercado primário (ofertas públicas de ações) e secundário (negociação) Atualizado até 29/11/2013. 35

Segmento BOVESPA

Potencial para aumentar o número de empresas listadas

CAPITALIZAÇÃO DE MERCADO x PIB (%)*

177%

empresas listadas CAPITALIZAÇÃO DE MERCADO x PIB (%)* 177% 2009 2010 2011 2012 174% 151% 129%

2009

listadas CAPITALIZAÇÃO DE MERCADO x PIB (%)* 177% 2009 2010 2011 2012 174% 151% 129% 96%

2010

CAPITALIZAÇÃO DE MERCADO x PIB (%)* 177% 2009 2010 2011 2012 174% 151% 129% 96% 138%

2011

2012CAPITALIZAÇÃO DE MERCADO x PIB (%)* 177% 2009 2010 2011 174% 151% 129% 96% 138% 129%

174% 151% 129%
174%
151%
129%
MERCADO x PIB (%)* 177% 2009 2010 2011 2012 174% 151% 129% 96% 138% 129% 124%

96%

138%

129% 124% 49%
129%
124%
49%
2010 2011 2012 174% 151% 129% 96% 138% 129% 124% 49% 72% 72% 55% 50% 100%

72%

72%

55% 50%
55%
50%
100% 80% 44% 46%
100%
80%
44%
46%
158% 121% 117% 109%
158%
121%
117%
109%

137%

136%

126% 111% 110%
126%
111%
110%
129% 85% 87%
129%
85%
87%

119%

119%

109% 104%
109%
104%

107%

105%

100% 89%
100%
89%
87% 69% 55%
87%
69%
55%

75%

76% 75% 70% 57%
76%
75%
70%
57%
67% 62% 60%
67%
62%
60%
45% 44% 39% 35%
45%
44%
39%
35%

Singapore

Canada

Chile

United States

Korea

Australia

Japan

France

India

Brazil

UK

China

Mexico

CAPITALIZAÇÃO DE MERCADO POR SEGMENTO

* Fonte: Banco Mundial

dez/05 15,7% 22,4% 21,6% 11,5% 8,6% 2,5% 11,1% 3,6% 0,3% 2,6% Petróleo, Gás e Biocombustível
dez/05
15,7%
22,4%
21,6%
11,5%
8,6%
2,5%
11,1%
3,6%
0,3%
2,6%
Petróleo, Gás e Biocombustível
Materiais Básicos
Consumo Não Cíclico
Consumo Cíclico
Utilidade Pública
Financeiro e Outros

dez/12

11,2% 26,8% 14,3% 2,2% 8,8% 5,1% 20,4% 5,5% 0,4% 5,4%
11,2%
26,8%
14,3%
2,2%
8,8%
5,1%
20,4%
5,5%
0,4%
5,4%

Bens Industriais26,8% 14,3% 2,2% 8,8% 5,1% 20,4% 5,5% 0,4% 5,4% Tecnologia da Informação Construção e Transporte

Tecnologia da Informação26,8% 14,3% 2,2% 8,8% 5,1% 20,4% 5,5% 0,4% 5,4% Bens Industriais Construção e Transporte Telecomunicações 36

Construção e Transporte26,8% 14,3% 2,2% 8,8% 5,1% 20,4% 5,5% 0,4% 5,4% Bens Industriais Tecnologia da Informação Telecomunicações 36

Telecomunicações14,3% 2,2% 8,8% 5,1% 20,4% 5,5% 0,4% 5,4% Bens Industriais Tecnologia da Informação Construção e Transporte

36

High Frequency Trading (HFT)

Investidores de alta frequência

BOVESPA: HFT ADTV* (R$ milhões) E PARTICIPAÇÃO DE MERCADO

15,2%

2.017

13,4%

10,6% 10,7% 10,3% 10,3% 9,8% 9,9% 9,4% 8,5% 7,4%
10,6%
10,7%
10,3%
10,3%
9,8%
9,9%
9,4%
8,5%
7,4%

6,1%

 

1.800

1.818

 

814

899

1.329

1.329 175 319 835

175

319

835

1.312

1.312 146 249 917

146

249

917

1.199

1.199 325 874

325

874

1.454

1 . 4 5 4 268 1.186

268

1.186

1.369

74

1.369 74 252 1.044

252

1.044

1.404

1 . 4 0 4 341 233 830

341

233

830

1.592

1.592 369 296 927

369

296

927

374

256

450

207

568

171

205 291 319
205
291
319

184

267

447

1.170

1.160

1.277

*

 

1T11

2T11

3T11

4T11

1T12

2T12

3T12

4T12

1T13

2T13

3T13

4T13

 
Estrangeiros (day trades)

Estrangeiros (day trades)

  Estrangeiros (day trades) Pessoa Física (day trades) Institucional (day trades) % sobre o ADTV total

Pessoa Física (day trades)

Pessoa Física (day trades) Institucional (day trades)

Institucional (day trades)

% sobre o ADTV total

% sobre o ADTV total

 
 

BM&F: HFT ADV* (milhares) E PARTICIPAÇÃO DE MERCADO

 
 

7,8%

7,3%

8,0%

6,7%

8,7%

9,2%

 

5,0%

6,3%

5,0% 6,3% 3,9% 5 , 7 % 5,0% 6 , 0 %

3,9%

5,7%

5,0%

6,0%

 
 

420

413

404

418

409

388

211

44 67 84
44
67
84

251

45 101 95
45
101
95
68 148 179
68
148
179

342

51 120 146
51
120
146

47

129

135

65 137 193
65
137
193

342

58 74 209
58
74
209

307

53 45 209
53
45
209

292

48 53 191
48
53
191
70 78 270
70
78
270
61 97 251
61
97
251
52 92 245
52
92
245

1T11

2T11

*Atualizado até 29/11/2013.

3T11

52 92 245 1T11 2T11 *Atualizado até 29/11/2013. 3T11 4T11 Mini Contratos 1T12 2T12 Câmbio 3T12

4T11

Mini Contratos

1T12

*Atualizado até 29/11/2013. 3T11 4T11 Mini Contratos 1T12 2T12 Câmbio 3T12 Equities 4T12 Outros 1T13 2T13
2T12 Câmbio
2T12
Câmbio

3T12

Equities

3T11 4T11 Mini Contratos 1T12 2T12 Câmbio 3T12 Equities 4T12 Outros 1T13 2T13 Participação (% do

4T12

Outros

4T11 Mini Contratos 1T12 2T12 Câmbio 3T12 Equities 4T12 Outros 1T13 2T13 Participação (% do volume)

1T13

2T13

Participação (% do volume)

3T13

*

4T13

37

Marco Regulatório

Principais normas e leis

ATIVIDADES DE BOLSA

Instrução CVM 461 de 23/10/2007

Disciplina os mercados regulamentados de valores mobiliários e dispõe sobre a constituição, organização, funcionamento e extinção das bolsas de valores, bolsas de mercadorias e futuros e mercados de balcão organizado

Estabelece a organização e estrutura mínima de governança das entidades administradoras de mercados organizados

Estabelece atividade de autorregulação das entidades administradoras

ATIVIDADES DE CÂMARA DE COMPENSAÇÃO

Lei 10.214 de 27/03/2001

Clearings consideradas sistemicamente importantes pelo BCB devem garantir a certeza de liquidação (ou seja, devem atuar como CCPs)

Resolução 2.882 de 30/08/2001

Clearings devem assegurar, no mínimo, a liquidação

do maior saldo devedor

Critérios de acesso devem ser públicos e permitir ampla participação

Circular BCB 3.057 de 31/08/2001

Regulamentos, manuais e mecanismos de salvaguardas devem ser aprovados pelo BCB

Manutenção de CPD secundário e procedimentos de contingência

Supervisão pelo BCB

CVM 441 de 10/11/2006

Empréstimo de ativos com certeza de liquidação - Modelo de beneficiário final.

38

BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM)

Entidade de Autorregulação

BSM é entidade sem fins lucrativos que atua como autorregulador do mercado auxiliando a CVM
BSM é entidade sem fins lucrativos que atua como autorregulador do mercado auxiliando a CVM no
que concerne à regulação e fiscalização dos mercados administrados pela BM&FBOVESPA

Principais atividades da BSM

Acompanhamento de 100% das operações dos participantes

Auditoria de 100% dos

intermediários

Enforcement

Educação

Atribuições da BSM estabelecidas na

Instrução CVM 461/2007

Fiscalizar e supervisionar as operações cursadas nos mercados organizados

Apurar deficiências no cumprimento

das normas legais e regulamentares

Acompanhar as atividades da Bolsa

Instaurar e julgar processos administrativos disciplinares

Aplicar penalidades

Estrutura Organizacional Conselho de Supervisão (12 membros*) Comitê Estratégico Diretor de Autorregulação
Estrutura Organizacional
Conselho de Supervisão
(12 membros*)
Comitê
Estratégico
Diretor de
Autorregulação
Análise e
Auditoria
Acompanhamento
de Mercado
Jurídico
Estratégia

* 9 independentes

39

Política de Sustentabilidade da BM&FBOVESPA

Aprovada pelo conselho de administração

• Responsabilidade com a segurança dos dados • Adoção de programas de ecoeficiência • Fiscalização
• Responsabilidade com a segurança dos dados
• Adoção de programas de ecoeficiência
• Fiscalização das operações
• Gestão da emissão de gases de efeito estufa
• Oferta de produtos e serviços que agreguem valor
ao cliente
• Gestão de resíduos sólidos, inclusive lixo eletrônico
• Indução das boas práticas ambientais na cadeia de
• Incentivo à inovação
valor e demais públicos de relacionamento
• Compromisso com o desenvolvimento do mercado
de capitais
• Produtos e serviços com foco no mercado ambiental
• Estímulo à divulgação de práticas de
sustentabilidade
• Iniciativas de educação para investidores
• Atração e retenção de talentos
• Desenvolvimento de pessoas
• Melhoria da qualidade de vida
• Promoção, indução e asseguração das boas práticas
e transparência, prestação de contas e governança
corporativa
• Indução das boas práticas sociais na cadeia de valor
e demais públicos de relacionamento
• Garantia de gestão eficiente dos riscos
• Promoção da adoção de códigos de conduta
• Promoção do Investimento Social Privado
• Incentivo ao voluntariado
• Adoção das melhores práticas de proteção aos
direitos dos acionistas
• Compromisso com a geração de valor aos acionistas

40

RESULTADOS DO 3T13
RESULTADOS DO 3T13

Destaques do 3T13 x 3T12

Resultados sólidos apesar do ambiente incerto

DESTAQUES FINANCEIROS

Receita Total: R$596,8 milhões, +2,7%

Seg. Bovespa: R$257,1 milhões, -2,4%

Seg. BM&F: R$228,6 milhões, +4,3%

Outras Receitas: R$111,0 milhões, +12,5%

Receita Líquida: R$535,4 milhões, +2,6%

Despesas ajustadas¹: R$150,2 milhões, +10,4%

Result. Operacional: R$341,3 milhões, -1,6%

Lucro Líquido ajustado²: R$403,7 milhões, +0,8%

LPA ajustado: R$0,211, +1,7%

Proventos: distribuição de R$225,3 milhões no 3T13, R$0,118 por ação (80% do lucro líquido societário)

EBITDA: R$417,1 milhões, +2,2% e margem de 77,9%

(de acordo com a ICVM nº. 527/12 que não exclui a equivalência patrimonial)

¹Despesas ajustadas pela depreciação, plano de opções de compras de ações, impostos relacionados aos dividendos recebidos do CME Group e provisões. ²Lucro Líquido ajustado pelo (i) efeito do reconhecimento do passivo diferido relacionado à amortização do ágio; (ii) planos de opções de compras de ações; (iii) participação em coligada (CME Group), líquida de impostos, contabilizado pelo método de equivalência patrimonial; e (iv) impostos a compensar pagos no exterior.

DESTAQUES OPERACIONAIS

Segmento Bovespa:

ADTV: R$7,2 bilhões, +0,8%

Margem: 5,361 bps, -6,4%

Segmento BM&F:

ADV: 2,5 milhões de contratos, -7,5%

RPC: R$1,404, +10,6%

Produtos e segmento de mercado de alto crescimento:

BTC: +26,0% na média de contratos em aberto

LCAs: +190,6% nos estoques registrados (R$73,8 bilhões em set/13)

HFT: volume aumentou 32,8% no segmento Bovespa e 19,6% no segmento BM&F

PRINCIPAIS PROJETOS E ATUALIZAÇÕES

Ibovespa: nova metodologia anunciada em set/13.

Tarifação renda variável: desconto por volumes para todas as operações day trade de opções sobre ações, em linha com as mudanças anunciadas para o mercado a vista em mar/13.

Tarifação renda fixa: mudanças nas taxas de análise,

custódia, manutenção e negociação para novos emissores.

PMEs: propostas para desenvolvimento do mercado de acesso.

42

Performance do Segmento Bovespa

Volumes estáveis apesar do ambiente incerto

VOLUME MÉDIO DIÁRIO (ADTV) E MARGEM DE NEGOCIAÇÃO

3T13 vs. 3T12:

ADTV: R$7,2 bi (+0,8%):

Crescimento da turnover velocity, que alcançou 73,7%

32,8% de aumento nos volumes dos HFTs

Queda de 2,2% na capitalizações de mercado média

Margem: 5,361 bps contra 5,728 bps (-6,4%):

Queda da margem média de opções sobre ações, reflexo do aumento de volume dos formadores de

mercado

Maior participação de HFTs no volume total

de mercado  Maior participação de HFTs no volume total MARGEM DE NEGOCIAÇÃO (em bps) CAPITALIZAÇÃO

MARGEM DE NEGOCIAÇÃO (em bps)

CAPITALIZAÇÃO MÉDIA E TURNOVER VELOCITY

Mercado

3T13

3T12

Ações a vista Derivativos Opções sobre ações/índices Termo de ações

4,989

5,308

13,007

13,788

13,010

14,091

12,998

12,999

Total BOVESPA

5,361

5,728

4,989 5,308 13,007 13,788 13,010 14,091 12,998 12,999 Total BOVESPA 5,361 5,728 43

Performance do segmento BM&F

Aumento da RPC média compensou a queda nos volumes

VOLUME MÉDIO DIÁRIO (ADV) E RPC MÉDIA

3T13 vs. 3T12:

ADV: 2,5 milhões de contratos (-7,5%):

Queda de 15,4% dos contratos de taxas de juros em R$

Alta de 8,8% dos contratos de taxas de câmbio e de 22,3% nos minicontratos

RPC: +10,6% (mix de contratos e variação cambial):

Taxas de juros em R$: menor participação no volume total e maior RPC (+4,8%) por conta do alongamento dos contratos negociados

(em milhões de contratos)

dos contratos negociados (em milhões de contratos)  Taxas de câmbio (+12,4%) e de Taxa de

Taxas de câmbio (+12,4%) e de Taxa de juros em US$ (+25,0%): apreciação do US$ em relação ao R$

RPC E TAXAS DE CÂMBIO

(em R$)

~45% das receitas com derivativos no 3T13 são em US$

R$) ~45% das receitas com derivativos no 3T13 são em US$ * Média da PTAX (R$/US$)

* Média da PTAX (R$/US$) no trimestre, considerando o preço de fechamento de cada mês.

TX. DE JUROS EM R$ - ADV POR VENCIMENTO

(em milhões de contratos)
(em milhões de contratos)

44

Distribuição das Receitas do 3T13

Diversificação das Receitas é um diferencial

DISTRIBUIÇÃO DAS RECEITAS

AS RECEITAS DE NEGOCIAÇÃO NO MERCADO A VISTA CORRESPONDERAM A 6,2% DO TOTAL

Receita Total: R$596,8 milhões
Receita Total:
R$596,8 milhões

¹A distribuição das receitas do mercado a vista (negociação + pós-negociação) refletem as alterações na política de preços, que entraram em vigor em

abr/13

i) a redução da taxa de negociação de 0,7 bps para 0,5 bps para todos os investidores ii) o aumento da pós-negociação de 1,8 bps para 2,0 bps para investidores institucionais e transações day trade ² Inclui negociação e pós-negociação.

AS RECEITAS COM DERIVATIVOS (BM&F + BOVESPA) REPRESENTARAM 42,2% DO TOTAL

37,6%: Mercado a Vista¹
37,6%: Mercado a Vista¹

6,2%: Negociação

31,4%: Pós-negociação
31,4%: Pós-negociação

4,6%: Deriv. sobre Ações e Índices²

37,6%: Deriv. Financeiros e de Mercadorias²

e Índices² 37,6%: Deriv. Financeiros e de Mercadorias² 18,1%: Taxas de juros em R$ 14,4%: Taxas

18,1%: Taxas de juros em R$ 14,4%: Taxas de câmbio 2,3%: Taxas de juros em US$ 2,8%: Outros der. financ. e de mercadorias

de juros em US$ 2,8%: Outros der. financ. e de mercadorias 20,2%: Outras 4,3%: Empréstimo de
de juros em US$ 2,8%: Outros der. financ. e de mercadorias 20,2%: Outras 4,3%: Empréstimo de
de juros em US$ 2,8%: Outros der. financ. e de mercadorias 20,2%: Outras 4,3%: Empréstimo de

20,2%: Outras

4,3%: Empréstimo de Ativos

5,1%: Depositária, Custódia e Back-Office

3,0%: Vendors 1,9%: Acesso dos participantes 2,0%: Listagem

de Ativos 5,1%: Depositária, Custódia e Back-Office 3,0%: Vendors 1,9%: Acesso dos participantes 2,0%: Listagem 45
de Ativos 5,1%: Depositária, Custódia e Back-Office 3,0%: Vendors 1,9%: Acesso dos participantes 2,0%: Listagem 45

45

Força do modelo de negócio

Resiliência decorrente de diversificação de receitas

SEGMENTO BOVESPA - novos clientes, desenvolvimento de produtos e maior sofisticação do mercado

Receitas – em milhões R$
Receitas – em milhões R$

CAGR

2009-13

8,7%

do mercado Receitas – em milhões R$ CAGR 2009-13 8,7% Receitas sustentadas pelo aumento da turnover

Receitas sustentadas pelo aumento da turnover velocity

-

HFTs

-

Opções sobre ações

-

Empréstimo de ativos

-

Estratégias

SEGMENTO BM&F - expansão do crédito, volatilidade, mudanças na taxa de câmbio e sofisticação do mercado

Receitas – em milhões R$
Receitas – em milhões R$
e sofisticação do mercado Receitas – em milhões R$ Receitas dos dois grupos mais relevantes de

Receitas dos dois grupos mais relevantes de contratos crescem consistentemente

- Sofisticação do mercado, volatilidade e recente depreciação da moeda

CAGR

2009-13

15,5%

OUTRAS RECEITAS - desenvolvimento de mercados e de novos produtos e serviços

Receitas – em milhões R$
Receitas – em milhões R$
e de novos produtos e serviços Receitas – em milhões R$ Receitas de produtos selecionados apresentam

Receitas de produtos selecionados apresentam crescimento consistente

- BTC complementa os mercados

a vista, de opções e futuro

- Tesouro Direto e LCAs são parte da estratégia da Companhia em renda fixa

46

CAGR

2009-13

9,6%

Despesas do 3T13

Foco contínuo no controle de custos e eficiência operacional

DISTRIBUIÇÃO DAS DESPESAS TOTAIS

Despesas: R$194,1 milhões
Despesas:
R$194,1
milhões

DESPESAS AJUSTADAS

(em R$ milhões)

R$194,1 milhões DESPESAS AJUSTADAS (em R$ milhões) DESPESAS AJUSTADAS CRESCERAM 10,4% SOBRE O 3T12, EM LINHA

DESPESAS AJUSTADAS CRESCERAM 10,4% SOBRE O 3T12, EM LINHA COM O ORÇAMENTO DE 2013 (R$560-580 MILHÕES)

Pessoal Ajustado: +16,9%, basicamente, devido aos efeitos do dissidio coletivo, de ago/13 e redução das despesas de pessoal capitalizadas relacionadas aos projetos em andamento.

Processamento de dados: +31,8%, refletindo maiores despesas com serviços de manutenção de softwares e hardwares que suportam as plataformas de TI recentemente implementadas.

Serviços de Terceiros: -34,8%, principalmente, devido às menores despesas com serviços de consultoria e honorários advocatícios.

*Incluem as despesas com manutenção em geral, promoção e divulgação, comunicação, impostos e taxas (ajustadas pelos dividendos pagos pelo CME Group), honorários do conselho e diversas (excluindo provisões).

47

Destaques Financeiros

Retorno financeiro aos acionistas

CAIXA E APLICAÇÕES FINANCEIRAS

RETORNO AOS ACIONISTAS

RECOMPRA DE AÇÕES

De jul/13 a out/13, foram recompradas 13,1 milhões de ações, totalizando R$158,9 milhões (mais de 0,6% do capital social)

O atual programa prevê a aquisição de até 60 milhões

de ações até jun/14.

(em R$ milhões)
(em R$ milhões)

Garantias em dinheiro depositadas pelos participantes incluem R$0,7 bilhão da clearing de câmbio (operação liquidada em 1º de outubro de 2013)

RESULTADO FINANCEIRO

Resultado financeiro de R$49,6 milhões, alta de 8,9% sobre o 3T12

Receita financeira subiu 16,9%, refletindo, basicamente, o aumento da taxa de juros

Despesas financeiras aumentaram 33,4%, como reflexo da desvalorização do R$ sobre o US$, que impactou os juros da dívida emitida no exterior

PROVENTOS EM DINHEIRO

Distribuição de R$225,3 milhões em dividendos,

equivalentes a R$0,118 por ação e 80% do lucro

líquido societário

Pagamento em 27/11/2013 com base na posição acionária de 11/11/2013

INVESTIMENTOS (CAPEX)

No 3T13, os investimentos somaram R$82,1 milhões, totalizando R$202,5 milhões nos 9M13

Orçamentos de investimento:

2013: entre R$260 a 290 milhões

2014: entre R$170 200 milhões (em revisão)

*Inclui garantias em dinheiro depositadas por participantes, proventos e direitos sobre títulos em custódia e proventos ainda não pagos. ** Inclui recursos de terceiros e fundos restritos do Banco BM&FBOVESPA.

48

Produtos de Alto Crescimento

Diversificação de receitas crescente

DADOS OPERACIONAIS

RECEITAS GERADAS

CAGR: +181%

CAGR: +27%