Você está na página 1de 18

MA-14 - Aula 01

Semana 05/08 a 11/08

Unidade 1

Divisibilidade

1.2 Divisibilidade: Problemas

Exercício 1.2.1. Sejam a, b, c Z e c ̸= 0 . Mostre que:

Demonstração.

( ) Condição necessária.

ac|bc

a|b .

Seja ac|bc então existe m N tal que bc = m · ac , logo bc m · ac = 0 assim,

c(b ma) = 0 .

Se c = 0 nada a concluir. Suponhamos que b ma = 0 então b = ma e portanto a|b . ( ) Condição suficiente. Suponhamos que a|b então existe β Z tal que b = βa . Para c Z temos que bc = βca de onde ac|bc . Portanto, ac|bc a|b .

Exercício 1.2.2.

(ENC-98) 1 A soma de todos os múltiplos de 6 que se escrevem (no sistema decimal) com dois algarismos é:

(e) 864

Solução.

(a) 612

(b) 648

(c) 756

(d) 810

Os múltiplos de 6 com dois algarismos são: 12, 18,

, 96 . A soma pedida é

12 + 18 +

+ 96 = 6(1 + 2 + 3 + 4 +

1 Exame Nacional de Cursos, MEC/INEP.

1

+ 16 1) =

2

Resposta d) 810 .

Exercício 1.2.3.

= 6 [ 16 × 17

2

1 ] = 810

Com quanto zeros termina o número 100!?

Solução.

Da definição de fatorial temos:

100! = 1 × 2 × 3 × 4 ×

× 98 × 99 × 100

100! = 2 50 [1 × 3 × 5 × 7 ×

97 × 99][1 × 2 × 3 × 4 ×

× 50]

100! = 2 50

97×99][2 25

.×47×49)]

100! = 2 75 [5 × 15 × 25 × 35 ×

× 85 × 95 × α 1 ][(25!)(5 × 15 × 25 × 35 × 45 × β 1 ]

100! = 2 75 [5 10 (1 × 3 × 5 × 7 ×

100! = 2 75 · 5 15 [(1 × 3 × 5 × 7 ×

17 × 19)α 2 ][(25!)][5 5 (1 × 3 × 5 × 7 × 9)β 2 ]

17 × 19)α 2 ][(25!)][(1 × 3 × 5 × 7 × 9)β 2 ]

100! = 2 75 · 5 15 [(5 × 15α 3 ][(25!)][(5 × β 3 ] = 2 75 · 5 18 γ 1 × 25!

(1.1)

Por outro lado:

25! = 1 × 2 × 3 × 4 ×

× 24 × 25 = [1 × 3 × 5 × 7 ×

23 × 25][2 12 (1 × 2 × 3 × 4 ×

× 12)]

25! = 2 12 [5 × 15 × 25 × α 3 ][(2 × 4 × 5 × 6 × 8 × 10 × 12)β 3 ]

En (1.1)

25! = 2 12 [5 4 × α 4 ][(2 10 ×

5 2 )β 4 ] = 2 22 × 5 6 × γ 2

100! = 2 75 · 5 15 [(5 × 15α 3 ][(25!)][(5 × β 3 ] =

2 75 · 5 18 γ 1 × (2 22 × 5 6 × γ 2 )]

Portanto

Recomendo o site http : //2000clicks.com/M athHelp/BasicF actorialT able.aspx

100! = 2 97 × 5 22 × γ , termina em 24 zeros.

Exercício 1.2.4.

a) Mostre que o produto de i números naturais consecutivos é divisível por i! .

b) Mostre que

Demonstração.

6|n(n + 1)(2n + 1) , para todo n N.

3

a) Seja n N

tal que n > i e os números

na forma decrescente. Seu produto é dado por

consecutivos n, n 1, n 2, · · · , n i + 1

N = n(n 1)(n 2) · · · (n i + 1) =

Sabemos que

C

i

n =

n! i!(n i)!

= n(n 1)(n 2) · · · (n i + 1)

i!

= N

i!

= α N

= α ∈ N

logo N = αi!

Portanto, o produto de i números naturais consecutivos é divisível por i!

b) Aplicando indução sobre n

Se n = 1 , temos (1)(2)(3) = 6 é imediato que 6|n(n + 1)(2n + 1) .

Suponhamos que para algum h N onde h n cumpra que 6|h(h + 1)(2h + 1) , isto

é existe α N tal que h(h + 1)(2h + 1) = 6α .

Para h + 1 temos

(h + 1)[(h + 1) + 1][2(h + 1) + 1] = (h + 1)(h + 2)[(2h + 1) + 2]

h(h + 1)(2h + 3) + 2(h + 1)(2h + 3) = h(h + 1)(2h + 1) + 2h(h + 1) + 2(h + 1)(2h + 3)

aplicando a hipótese auxiliar

= 6α + 2(h + 1)[h + (2h + 3)] = 6α + 6(h + 1) 2 = 6β

onde β N.

Portanto, 6|n(n + 1)(2n + 1) , para todo n N .

Exercício 1.2.5.

Mostre, por indução matemática, que, para todo n N ,

a)

8|3 2n + 7

b) 9|10 n + 3 × 4 n+2 + 5

c)

9|n4 n+1 (n + 1)4 n + 1

d) 169|3 3n+3 26n 27

Demonstração.

a) Aplicar indução matemática.

4

b) Aplicar indução matemática.

Para n = 0 e n = 1 é imediato, a propriedade é verdadeira.

Suponhamos que, para n h seja verdade que 9|10 h + 3 × 4 h+2 + 5 , logo existe α N tal que 10 h + 3 × 4 h+2 + 5 = 9α

Para h + 1 temos

10 h+1 + 3 × 4 h+3 + 5 =

10 h (9 + 1) + 3 × 4 × 4 h+2 + 5 =

= 9 × 10 h + [10 h + 3 × 4 h+2 + 5] + 3 × 3 × 4 h+2 = 9β

para algum β N

Portanto,

9|10 n + 3 × 4 n+2 + 5 para todo n N

c) Aplicando indução sobre n

d) Aplicando indução sobre n

Exercício 1.2.6.

Mostre que 13|2 70 + 3 70 . Demonstração.

Temos: 2 4 = 13 + 3,

2 5 = m(13) + 7,

2 6 = m(13) + 4 = m(13) 1 .

Logo,

2 70 = 2 4 × (2 6 ) 11 = 2 4 [m(13) 1] 11 = m(13) 2 4 = m(13) 3

Por outro lado, 3 2 = 13 4,

3 3 = m(13) + 1 . então

3 70 = 3 · (3 3 ) 23 = 3 · (m(13) + 1) 23 = 3(m(13) + 1 23 ) = m(13) + 3

Assim, 2 70 + 3 70 = [m(13) 3] + m(13) + 3 = m(13) .

Portanto, 13|2 70 + 3 70 .

5

a)

b)

c)

Mostre que, para todo n N:

a) 9|10 n 1

d)

3|10 n 7 n

b) 8|3 2n 1

e)

13|9 2n 2 4n

c) 53|7 4n 2 4n

f)

6|5 2n+1 + 1

Solução.

g) 19|3 2n+1 + 4 4n+2

h) 17|10 2n+1 + 7 2n+1

i)

14|3 4n+2 + 5 2n+1

Temos para todo n N

10 n 1 = (m(9) + 1) n 1 = m(9) + 1 10 1

= m(9)

Temos para todo n N

Temos para todo n N que

7 4n = 49 2n = (m(53) 4) 2n = m(53) + (4) 2n = m(53) + 2 4n

Logo 7 4n 2 4n = m(53) . Portanto, 53|7 4n 2 4n

d)

Temos para todo n N que

10 n 7 n = (m(3) + 1) n (m(3) + 1) n = m(3) + (1) n (1) n = m(3)

Portanto, 53|7 4n 2 4n .

e)

f)

g)

h)

1)

x

Exercício 1.2.8. Sejam a, b Z .

6

a) se a ̸= b , mostre que, para todo n N,

n 2 ,

a n b

n

a b

= a n1 + a n2 b + a n3 b 2 + · · · + ab n2 + b n1

b) Se a + b ̸= 0 , mostre que, para todo n N ,

a 2n+1 + b 2n+1

a + b

= a 2n a 2n1 b + a 2n2 b 2 + · · · − ab 2n1 + b 2n

c) Mostre que, para todo n N,

a 2n b 2n

a + b

= a 2n1 a 2n2 b + a 2n3 b 2 + · · · + ab 2n2 b 2n1

Demonstração. a)

Por indução sobre n 2 quando b ̸= a

Se n = 2 temos a 2 b 2 = (a b)(a + b) Suponhamos para h N seja verdade que

a 2 b 2

a b

= a + b é verdadeira

a h b h

a b

= a h1 + a h2 b + a h3 b 2 + · · · + ab h2 + b h1

Para h + 1 e aplicando a hipótese auxiliar

a h+1 b h+1 = a(a h b h ) + b h (a b) =

a h+1 b h+1 = a[(a b)(a h1 + a h2 b + a h3 b 2 + · · · + ab h2 + b h1 )] + b h (a b) =

a h+1 b h+1 = (a b)[a(a h1 + a h2 b + a h3 b 2 + · · · + ab h2 + b h1 ) + b h ] =

a h+1 b h+1

= a h + a h1 + a h2 b + a h3 b 2 + · · · + ab h2 + b h1 + b h

n 2

a b Portanto, a igualdade é verdadeira para todo n N,

Exercício 1.2.9. Para quais valores de a N :

a)

(a 2)|a 3 + 4 ?

b)

(a + 3)|a 3 3 ?

c)

(a + 2)|a 4 + 2 ?

d)

(a + 2)|a 4 + 2a 3 + a 2 + 1 ?

Demonstração.

a) Suponhamos que

(a 2)|a 3 + 4 então existe β N tal que a 3 + 4 = β(a 2) isto é

7

a 3 8 + 12 = β(a 2) , assim

(a 2)[β (a 2 + 2a + 4)] = 12

β (a 2 + 2a + 4) =

12

a 2

Como, β (a 2 + 2a + 4) N, temos a = 8, 6,

Portanto, a N que satisfaz (a+2)|a 4 +2a 3 +a 2 +1 são os números a = 8, 6, 5, 4, 3 .

5, 4, 3

b)

c)

d)

Suponhamos que

(a+2)|a 4 +2a 3 +a 2 +1

então existe

β N

tal

que a 4 +2a 3 +a 2 +1 =

β(a + 2) isto é a 3 (a + 2) + (a 2 4) + 5 = β(a + 2) , assim

(a + 2)[β (a 3 + a 2)] = 5

β (a 3 + a 2) =

5

a + 2

Como, β (a 3 + a 2) N, temos a = 3, 1, 3, 7

Portanto, o único a N que satisfaz (a + 2)|a 4 + 2a 3 + a 2 + 1 é a = 3 .

Exercício 1.2.10.

Mostre que, para todos a, m, n N , m > n > 0

Demonstração.

(a 2 n + 1)|(a 2 m 1)

Se m > n , então existe p N tal que m = n + p , assim a 2 m = a 2 n+p observe que 2 n+p

é par

a 2 m 1 = a 2 n+p 1 2 n+p = (a 2 n+p1 + 1 2 n+p1 )(a 2 n+p1 1 2 n+p1 )

a

2

m

1 = β 1 × (a 2 n+p1 1 2 n+p1 ) = β 1 × (a 2 n+p2 + 1 2 n+p2 )(a 2 n+p2 1 2 n+p2 )

a 2 m 1 = β 2 × (a 2 n+p2 1 2 n+p2 ) = β 2 × (a 2 n+p3 + 1 2 n+p3 )(a 2 n+p3 1 2 n+p3 )

.

.

.

.

.

a 2 m 1 = β p2 × (a 2 n+2

1 2 n+2 ) = β p2 × (a 2 n+1 + 1 2 n+1 )(a 2 n+1 1 2 n+1 )

a 2 m

1 = β p1 × (a 2 n+1 1 2 n+1 ) =

β p1 × (a 2 n + 1 2 n )(a 2 n 1 2 n )

Logo, a 2 m

Portanto, para todos a, m, n N , m > n

1 = β p1 × (a 2 n+1 1 2 n+1 ) = K × (a 2 n + 1) para algum K N .

(a 2 n + 1)|(a 2 m 1 .

Exercício 1.2.11.

Mostre, para todo n N , que

Demonstração.

n 2 |(n + 1) n 1 .

8

Para todo n N sabemos pelo binômio de Newton que

(n + 1) n =

n

k=0

C

nk

n

n nk × 1 k = n n + n × n n1 +

n1

k=2

C

nk

n

n nk × 1 k + 1

= n 2 [n n2 + n n2 + n 2

n1

k=2

nk n nk2 ] + 1 = m(n 2 ) + 1

C

n

Portanto, para todo n N , temos que n 2 |(n + 1) n 1 .

Exercício 1.2.12.

Mostre, para todo a N , que:

a) 2|a 2 a Demonstração.

b) 3|a 3 a

c) 5|a 5 a

d) 7|a 7 a

a)

Seja N = a 2 a = a(a 1) , Se a N é par, logo a = 2k , então N = (2k)(2k 1) = 2(2k 2 k) , assim, 2|a 2 a .

Se a = 2α + 1 , então N = (2α + 1)[(2α + 1) 1] = 2α(2α + 1) , logo 2|a 2 a

 

b)

c)

Suponhamos que a 5 e seja o conjunto M = {a, 2a, 3a 4a} então cada um dos elementos de M , diferença con elementos do conjunto P = {1, 2, 3, 4} em alguma ordem, são divisíveis por 5 .

Suponhamos a 1 = m(5)

a

=

1 + m(5) , 2a 2

=

m(5)

2a

2 + m(5) , 3a 3 = m(5)

3a = 3 + m(5) , 4a 4 =

m(5)

= 4a = 4 + m(5)

de onde 4!a = 4! + m(5) . Logo, como 4! não é múltiplo de 5 segue

4!a 4 4! = m(5)

a(a 4 1) = a × m(5)

a 5 a = m(5)

 

Portanto,

5|a 5 a

d)

Suponhamos que a 7 e seja o conjunto M = {a, 2a, 3a 4a, 5a, 6a} então cada um dos elementos de M , diferença con elementos do conjunto P = {1, 2, 3, 4, 5, 6} em alguma ordem, são divisíveis por 7 . Logo

 

6!a 6 6! = m(7)

 

a 7 a = m(7)

 
 

Portanto,

7|a 7 a

9

Mostre que existem infinitos valores de n em N para os quais 8n 2 + 5 é divisível por 7 e por 11 . Demonstração.

Se o número 8n 2 + 5 é divisível por 7 e por 11 , logo ele é divisível por 77 ( 7 e 11 são coprimos). Suponhamos que 8n 2 + 5 é divisível por 77 , logo existe β N tal que

8n 2 + 5 = 77β

8n 2 + 5 77 = 77(β 1)

Como 8 77 , segue que

Assim, para todo α N temos β 1 = 8α

8|(β 1)

e

77|(n 2 9) .

e

8(n 2 9) = 77(β 1)

n 2 9

=

77α,

α N, logo

β

= 1 + 8α . Portanto, 8n 2 + 5 = 77(1 + 8α) para todo α N , assim existem infinitos valores de

n

em N para os quais 8n 2 + 5 é divisível por 7 e por 11

10

Unidade 2

Divisão Euclidiana

2.2 Divisão Euclidiana: Problemas

Exercício 2.2.1. Ache o quociente e o resto da divisão a) de 27 por 5 . b) de 38 por 7 . Solução.

a) 27 =

5(5) + 2

quociente q = 5 e o resto r = 2 .

b) 38 =

5(7) + 3

quociente q = 5 e o resto r = 3 .

Exercício 2.2.2. Mostre como, usando uma calculadora que só realiza as quatro operações, pode-se efetuar a divisão euclidiana de dois números naturais em apenas três passos. Aplique o seu método para calcular o quociente e o resto da divisão de 3721056 por 18735 . Demonstração.

Exercício 2.2.3. Discuta a paridade a) da soma de dois números. b) da diferença de dois números. c) do produto de dois números. d) da potência de um número. e) da soma de n números ímpares. Demonstração.

Exercício 2.2.4. a) Mostre que um número natural a é par se, e somente se, a n é par, qualquer que seja n N . b) Mostre que a n ± a m é sempre par, quaisquer que sejam n, m N . c) Mostre que, se a e b são ímpares, então a 2 + b 2 é divisível por 2 mas não divisível por 4 . Demonstração.

11

Exercício 2.2.5. Quais são os números que, quando divididos por 5 , deixam resto igual a) à metade do quociente? b) ao quociente? c) ao dobro do quociente? d) ao triplo do quociente? Demonstração.

a)

Seja D o número procurado, das condições do problema temos

 
 

q

 

D = 5q +

2

2D = 11q

D = 11β,

q = 2β

β N

Os números são:

11, 22, 33, 44

 

b)

Em geral temos D = 5q + r,

0 r < q

Supor r = q está errado pela definição do algoritmo da divisão. Quando r = 0 temos 0 = 5 × 0 + 0 .

Portanto, o zero é o único número.

 

c)

Exercício 2.2.6.

Seja n um número natural. Mostre que um, e apenas um, número de cada terna abaixo

d)

é divisível por 3 .

a) n, n + 1, n + 2

b) n, n + 2, n + 4

c) n, n + 10, n + 23

n, n + 1, 2n + 1 .

Demonstração.

O conjunto de todos números naturais podemos representar mediante o conjunto

então para todos os 4 exercícios

A =

{ 3k,

3k + 1,

3k + 2,

k

N }.

Se n = 3k

um, e apenas um, número de cada terna é divisível por 3

a) Se n = 3k + 1 então a terna dada podemos escrever na forma 3k + 1, 3k + 2, 3k + 3 logo um, e apenas um, número da terna é divisível por 3 .

Se n = 3k + 2 então a terna dada podemos escrever na forma 3k + 2, 3k + 3, 3k + 4 logo um, e apenas um, número da terna é divisível por 3 .

Com qualquer das três hipóteses na terna um, e apenas um, número da é divisível por 3 .

12

b) Se n = 3k + 1 então a terna dada podemos escrever na forma 3k + 1, 3k + 3, 3k + 5 logo um, e apenas um, número da terna é divisível por 3 .

Se n = 3k + 2 então a terna dada podemos escrever na forma 3k + 2, 3k + 4, 3k + 7 logo um, e apenas um, número da terna é divisível por 3 .

Com qualquer das três hipóteses na terna um, e apenas um, número da é divisível por 3 .

c) Se n = 3k + 1 então a terna dada podemos escrever na forma 3k + 1, 3k + 11, 3k + 24 logo um, e apenas um, número da terna é divisível por 3 .

Se n = 3k +2 então a terna dada podemos escrever na forma 3k +2, 3k +12, 3k +25 logo um, e apenas um, número da terna é divisível por 3 .

Com qualquer das três hipóteses na terna um, e apenas um, número da é divisível por 3 .

d) Se n = 3k + 1 então a terna dada podemos escrever na forma 3k + 1, 3k + 2, 6k + 3 logo um, e apenas um, número da terna é divisível por 3 .

Se n = 3k + 2 então a terna dada podemos escrever na forma 3k + 2, 3k + 3, 6k + 5 logo um, e apenas um, número da terna é divisível por 3 .

Com qualquer das três hipóteses na terna um, e apenas um, número da é divisível por 3 .

Exercício 2.2.7.

Mostre que a) se n é ímpar, então n 2 1 é divisível por 8 . b) se n não é divisível por

2 , nem por 3 , então n 2 1 é divisível por 24 . c) n N, Demonstração.

4 n 2 + 2 .

a)

Se n é ímpar, então é da forma 2k +1,

k N. Logo, como o produto de dois números

naturais consecutivos sempre é par, temos

 

n 2 1 = (2k + 1) 2 1 = 4k 2 + 4k = 4k(k + 1) = 8β,

β N

Portanto,

n 2 1 é divisível por 8

b)

c)

Todo natural n N podemos escrever em alguma das formas dos elementos do conjunto { 5k, 5k + 1, 5k + 2, 5k + 3, 5k + 4 } onde k N . Logo

Se n = 5k , então n 2 = (5k) 2 = m(5)

13

Se

n

=

5k + 2 , então

Se

n

=

5k + 3 , então

Se

n = 5k + 4 , então

n 2 = (5k + 2) 2 = m(5) + 4

n 2 = (5k + 3) 2 =

n 2 = (5k + 4) 2 = m(5) + 4 2 = m(5) + 1

m(5) + 3 2 = m(5) + 4

Assim o quadrado de qualquer número natural é da forma 5k ou 5k + 1 ou 5k + 4

De onde n 2 +4 = 5h+4 ou n 2 +4 = (5k +1)+4 = 5(k +1) ou n 2 +4 = (5k +4)+4 = 5(k + 1) + 3

Portanto, n N, 4 n 2 + 2

Exercício 2.2.8. Sejam dados os números naturais a, m e n tais que 1 < a < m < n . a) Quantos múltiplos de a existem entre m e n ? b) Quantos múltiplos de 7 existem entre 123 e 2551 ? c) Quantos múltiplos de 7 existem entre 343 e 2551 ? Demonstração.

Exercício 2.2.9. (ENC-2000) Mostre que, se um inteiro é, ao mesmo tempo, um cubo e um quadrado, então ele é da forma 5n, 5n + 1 , ou 5n + 4 . Demonstração.

Seja n N, consideremos os números n 2 e n 3 , pelos dados do problema temos N = (n 2 ) 3 = (n 3 ) 2 = n 6 , isto é o número procurado é potência sexta de n . Pela parte c) do exercício (1.2.12) sabemos que 5|n 5 n n 5 n = m(5) , de

onde n(n 5 n) = m(5)

Mostramos na parte c) do exercicio (2.2.7) que o quadrado de qualquer número natural

é da forma 5k ou 5k + 1 ou 5k + 4 . Assim temos que n 6 = n 2 + m(5) , logo N = n 6 = 5k + m(5) = m(5) ou

n 6 = n 2 + m(5)

N = n 6 = 5k + 1 + m(5) = m(5) + 1,

ou

N = n 6 =

(5k + 4) + m(5) = m(5) + 4

Portanto, se um inteiro é, ao mesmo tempo, um cubo e um quadrado, então ele é da forma 5n, 5n + 1 , ou 5n + 4 .

Exercício 2.2.10. (ENC-2000) a) Mostre que, se um número a não é divisível por 3 , então a 2 deixa resto 1 na divisão por 3 . b) A partir desse fato, prove que, se a e b são inteiros tais que 3

14

divide a 2 + b 2 , então a e b são divisíveis por 3 . Demonstração.

Exercício 2.2.11. (ENC-2001) Seja N um número natural; prove que a divisão de N 2 por 6 nunca deixa resto 2 . Demonstração.

Seja N N, então N = 2k ou N = 2k + 1 . Também N = 3α ou N = 3β + 1 ou

N = 3γ + 2 . Assim,

N 2 = (2k)(3α) = 6+ 0

N 2 = (2k)(3β + 1)

N 2 = (2k)(3γ + 2)

N 2 = (2k + 1)(3α) = 6+ 3α

N 2 = (2k + 1)(3β + 1) = 6

N 2 = (2k + 1)(3γ + 2)

Exercício 2.2.12.

(ENC-2002) O resto da divisão do inteiro N por 20 é 8 . Qual é o resto da divisão de

N por 5 ?

Solução.

Temos N = 20q + 8 , isto é N = 5(4q) + 5 + 3 = 5(4q + 1) + 3 .

O resto, é

3 .

Exercício 2.2.13. Mostre que, se n é ímpar, então a soma de n termos consecutivos de uma P A é sempre divisível por n . Solução.

15

Exercício 2.2.14. Ache o menor múltiplo de 5 que deixa resto 2 quando dividido por 3 e por 4 . Demonstração.

Seja x o número pedido, então x = 3a + 2 ou x = 4b + 2 para algum a, b N , logo

3a + 2 = 4b + 2 de onde 3a = 4b assim,

a = 4 + 4t e b = 3 + 3t para todo t N

t

0

1

2

3

4

5

6

7

8

9

a

4

8

12

16

20

24

28

32

36

40

b

3

6

9

12

15

18

21

24

27

30

x

14

26

38

50

62

74

86

98

110

122

Logo, o menor número é 50 .

16

Problemas Suplementares

Exercício 2.2.15.

a)

6|n 3 + 11n

b)

9|4 n + 15n 1

c)

d)

7|2 3n 1

e)

8|3 2n + 7

f)

g)

a 2 a + 1|a 2n+1 + (a 1) n+2

a N

Solução.

Exercício 2.2.16.

3 n+2 |10 3n 1

7|3 2n+1 + 2 n+2

(a)

Mostre que um quadrado perfeito ímpar é da forma 4n + 1 .

(b)

Mostre que nenhum elemento da sequência 11; 111; 1111;

:: é um quadrado

perfeito.

Solução.

Exercício 2.2.17. O resto Solução.

Exercício 2.2.18.