Você está na página 1de 23

Líderes mórmons & membros

proeminentes que eram membros da


fraternidade maçônica...

Os primeiros cinco Presidentes da Igreja de Jesus Cristo dos


Santos dos Últimos Dias. Todos membros da Loja de Nauvoo.

1. Joseph Smith Jr. - Smith foi feito maçom, sendo iniciado


como um aprendiz em 15 de março de 1842 e, no seguinte
dia, passado ao grau de companheiro e elevado ao grau
sublime de mestre maçom.

2. Hyrum Smith – (Irmão do profeta e filho de Joseph Smith


Sr., que era também um maçom). Hyrum era um membro da
Loja de Palmyra, condado de Moriah (Ontário, NY).
3

3. Brigham Young – Young transformou-se um maçom na Loja de


Nauvoo (iniciado em 4/7/1842, passado em 4/8/1842 e elevado
em 4/9/1842).

4 5 6

4. Sidney Rigdon – Foi iniciado como um aprendiz em 15 de


março de 1842 e, no seguinte dia, passado ao grau de
companheiro e elevado ao grau sublime de mestre maçom.

5. Dr. John C. Bennett - O Dr. Bennett foi iniciado um maçom na


Loja no. 16 de Belmont em St. Clairsville, OH em 1827. Juntou-se
mais tarde a Loja de Pickaway em Circleville, em OH e a Loja no.
89 de Friendship em Barnesville, OH. Após estabelecer uma Loja
maçônica em Nauvoo foi descoberto que ele não era um maçom
regular, sendo expulso da Loja de Pickaway em 1834. Os eventos
subseqüentes conduziram a expulsão de Bennett da Loja de
Nauvoo e da Igreja Mórmon.

6. Willard Richards - Richards recebeu seus graus na maçonaria


junto de Brigham Young na Loja de Nauvoo.

7. George J. Adams

8 9 10 11

8. Heber C. Kimball - Kimball se tornou um maçom na Loja Milnor


nº 303 (no condado de Ontário, NY) em 1825. Foi dito ter
pertencido ao Capítulo do Arco Real em Canadigua, NY em 1826,
imediatamente antes que os sentimentos antimaçônicos se
acendessem por causa do caso de Morgan, fechando a maioria
das Lojas nessa região do país. Kimball serviu como o diácono
júnior da Loja de Nauvoo.

9. Newel K. Whitney - Whitney se tornou a um maçom na Loja


Meridian no. 10 (em Painesville, Ohio).

10. John Taylor - John foi feito maçom em Nauvoo.

11. Parley P. Pratt - Pratt foi feito a um maçom em Nauvoo,


iniciado em 7/10/1843, passado em 7/13/1843 e elevado em
7/30/1844.

12 13 14 15
12. Wilford Woodruf - Recebeu seus graus maçônico na Loja de
Nauvoo.

13. Lorenzo Snow - Foi feito um maçôm em Nauvoo.

14. Orson Hyde - Hyde foi iniciado em Painesville, Ohio. Foi


elevado ao grau de sublime mestre maçom na Loja de Nauvoo,
em 18 de janeiro de 1843.

15. Porter Rockwell – Rockwell se tornou maçôm na Loja de


Nauvoo iniciado em 3/9/1844, passou em 3/11/1844 e elevado
em 3/29/1844.

16 17

16. William Clayton - Foi feito maçom em Nauvoo, em abril de


1842.

17 George Miller - Miller foi feito um maçom em Albemarle,


condado de Milton, VA.

Muitos outros não foram mostrados, incluindo Lyman Johnson,


William Law, Wilson Law, William Mark, Orson Pratt, Samuel
Smith, William Smith, Erastus Snow, etc.

Masonic Salão Nauvoo, IL


O Salão Maçônico de Nauvoo antes de ser restaurado.

O Salão Maçônico de Nauvoo como aparece hoje.

Templo de Salt Lake (desenho orinal da planta)


1 2

1. Detalhe da janela do mezzanine, mostrando o esquadro & o


compasso.

2. Detalhe da elevação de uma janela, mostrando o “olho-que-


tudo-vê”.

Tabernacle- Manti, UT
O detalhe da parte dianteira, mostrando o “olho-que-tudo-vê” e
um aperto de mãos, dois símbolos comuns na maçonaria.

Imagens Variadas

O começo do diário de Brigham Young que emprega a escrita do


arco real da Maçonaria (uma espécie de alfabeto). Curioso,
Brigham não foi feito um maçom até abril de 1842 (quase 3
meses após esta entrada) e pelo que se sabe nunca foi elevado
a ser membro de um capítulo do arco real. Onde aprendeu as
cifras?

Um outro exemplo de cifra do arco real em Nauvoo. Isto foi


escrito por Oliver B. Huntington em 1844. Huntington era um
membro da Loja de Nauvoo (levantado em 06/03/1844), mas,
como Brigham Young, não se sabe ter sido um maçom do arco
real. Não havia nenhum capítulo do arco real em Nauvoo. Se
este grau for conferenciado em Nauvoo, não tem, a meu
conhecimento, gravado em nenhuns diários ou papéis
disponíveis. Além disso, se este grau fosse conferenciado em
Nauvoo, foi feito clandestinamente, isto é, sem autorização legal
se fazer assim.

Esta imagem é do Dr. John C. Bennett. Bennett reivindica que


Joseph Smith instituiu um grau adicional de "Maçonaria". Após a
morte de Joseph Smith, Bennett chamou a de "Ordem
Illuminati”.Parece que Bennett pensou que era importante
instituir tal organização para ligar mais os membros à liderança
da igreja.

• Entradas feitas por Joseph Smith, Jr. No jornal da cidade,


em março 1842...

“Terça-feira, 15.- Eu oficiado pelo Grande Capelão na


instalação da Loja de Nauvoo dos maçons, no bosque perto do
templo. Jonas Grão-Mestre, de Columbo, sendo presente, um
grande número de pessoas estava na ocasião... Todas as coisas
foram feitas em ordem, e a satisfação universal foi
manifestada. Na noite eu recebi o primeiro grau na maçonaria
na Loja de Nauvoo, estando em meu escritório de negócio
geral...”
Quarta-feira, março 16.- Eu estava na Loja Maçonica e fui
elevado ao grau sublime.

- Joseph Smith, Historia da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos


Últimos Dias, Vol. 4, Ch. 32.

• Comentário feito por Joseph Smith em Nauvoo, 15 de


outubro de 1843.

“O segredo da maçonaria deve ser Mantido em segredo”.

- Joseph Smith, Historia da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos


Últimos Dias, Vol. 6, Ch. 59

• Heber C. Kimball disse que Joseph Smith ensinou que a


maçonaria é derivada do sacerdócio.

“Nós temos a verdadeira maçonaria. A maçonaria de hoje é


recebido da apostasia que ocorreu nos dias de Salomão e de
David...”.

- HEBER C. KIMBALL, history of Brigham Young, unpublished,


november 13, 1858, arquivos da Igreja SUD. Citado em Heber C.
Kimball de Stanley B. Kimball: Patriarch & Pioneiro Mormon .

• Franklin D. Richards, que gravou muitos de discursos em


Nauvoo de Joseph Smith, fêz a seguinte indicação em 4 de
abril de 1899:

“Joseph, profeta, estava ciente que havia algumas coisas sobre


a maçonaria que havia sido perdidas no começo e desejou
saber o que eram... Os maçons admitiram que algumas chaves
do conhecimento que pertencem à maçonaria foram perdidas.
Joseph inquiriu ao Senhor a respeito da matéria e lhe foi
revelado a maçonaria verdadeira do profeta, a que nós o temos
em nossos templos. Devido ao conhecimento superior que
Joseph havia recebido...”.

- Jornal de Rudger Clawson, 1899.


• Veja as observações de Brigham Young a respeito da
proibição dos mórmons se juntarem a Loja Maçônica de
Utah por causa da poligamia:

“Há uma outra classe de indivíduos a quem eu consultarei


momentaneamente. Devemos nós chamá-los de cristãos? Eram
cristãos originalmente. Nós não podemos ser admitidos em
suas sociedades sociais, em seus lugares de recolhimento por
vezes e em determinadas ocasiões, porque estão receosos
sobre a poligamia. Eu dar-lhe-ei seu título para que vocês
possam saber de quem eu estou falando sobre isso. Eu me
refiro aos Maçons. Recusaram nossa sociedade de irmãos em
suas Lojas, porque somos poligamos. Quem foi o fundador da
Maçonaria? Podem ir para trás até Solomão, e lá param. Há o
rei que estabeleceu esta ordem elevada e sagrada. Era um
poligamo, ou não era? Se por acaso acreditava em monogamia,
ele não o praticava bastante, porque teve setecentas esposas,
e ele tinha mais do que eu tenho; e teve trezentas concubinas,
de que eu não tenho nenhuma pelo que eu sei”.

- Brigham Young, Journal of Discurses , Vol. XI, fevereiro 10,


1867.

** Esta proibição permaneceu até que foi tirada em 1984 pela


Grande Loja Maçônica...

• Comentário feito por Elder Marvin J. Ballard. (ao contrário


do outro acima, o Elder Ballard não era um maçom).

“Que é maçonaria? Um fragmento da antiga verdade que veio


abaixo, talvez do templo de Salomão dos dias antigos. Um
fragmento como o cristianismo, um fragmento do Evangelho do
Senhor Jesus Cristo. Devia somente ter e sido apreciado por
aqueles que possuíssem o sacerdócio sagrado. O profeta Elias
revelou estas verdades; possuiu-os a antiguidade e deu-os em
sua perfeição, e o simplificou e o purificou ao profeta Joseph
Smith”.

- Elder Marvin J. Ballard (Missão), Relatórios Gerais do


Presidente do Noroeste do Estado, Conferência, Outubro
1913/124.
Veja as descobertas que fiz ao traduzir textos americanos sobre
o assunto (tive que modificar a maioria dos textos, pois meu
inglês ainda está engatinhando, por isso omiti muitas coisas que
julguei menos importante):
(Luciano Azevedo Lucas)

• Claramente, por uns quinze anos antes de sua aceitação na Maçonaria


na Loja de Nauvoo (em 15 e 16 de março de 1842), Joseph Smith Jr., já
estava bem informado a respeito do caráter verdadeiro (conceitos
básicos e objetivos) da ordem maçônica.

• Joseph Smith Sr. foi feito um maçom na Loja 23 de Ontário em


Canandaigua, Nova York; sendo iniciado em 26 de dezembro de 1817;
passado em 2 de março de 1818; e elevado em 7 de maio de 1818. Seu
filho mais velho Hyrum Smith, foi membro jovem da Loja no. 112 de
Moriah (em Palmyra); muitos dados maçônicos da região foram
perdidos ou destruídos devido ao pânico do caso Morgan (um ex-
maçom que virou perseguidor da Ordem e havia desaparecido). Samuel
Harrison Smith, se transformou um maçom em Nauvoo.

• Foram registrados 1.529 maçons-mórmons em Nauvoo (Illinois), na


época.

• Nunca houve uma indicação geral da Igreja que desanimasse


especificamente seus membros de se juntarem à maçonaria. Pode
haver alguns líderes locais da Igreja que desanime por razões
pessoais, mas os líderes locais falam somente por suas congregações,
e não à sociedade geral da Igreja.

• Igualmente era a proibição maçônica de algumas Grandes Lojas, até


bem pouco tempo (1984).

• Infelizmente, há ainda muito engano de membros de ambas as


organizações de uma para com a outra. Porque estes enganos
persistem? A resposta pode ser encontrada nos fatos experimentados
por ambas organizações em torno de 1830 e de 1840.

• Existe uma indicação feita por um membro da Primeira Presidência da


Igreja em 1934, que também mostra claramente que não há nenhuma
proibição contra a maçonaria: “... a igreja mórmon não tem nenhuma
objeção contra a Maçonaria ou qualquer outra organização que possui
finalidades corretas... O maçom pode se transformar um membro da
Igreja Mórmon sem afetar de nenhuma maneira sua afiliação com sua
Loja...”. - Esta indicação nunca foi refutada, nem foi retraída.

• Veja o sentimento do Grão-Mestre da Grande Loja de Utah (M.´. J. M.


Orr) em 1878: "... nós dizemos ao sacerdócio da Igreja de Jesus Cristo
dos Santos dos Últimos Dias: vocês não podem entrar na Loja... do
outro lado eles dizem, nós não queremos nenhuns de você.”
• Houve uma opinião geral e acusações por parte dos Mórmons da
época, de que a Maçonaria era responsável pelo assassinato de Joseph
Smith... Isso ofendeu muito, a sociedade maçônica da época.

• Negar que há algumas similaridades entre o Endownent e o Exame do


Ritual Maçônico é falta de lógica. Disse Joseph: “Eu asseguro-o que isto
não é por causa de algumas similaridades superficiais no fraseio e nos
apertos. Os dois rituais são conceptuais muito similares, e usam
dispositivos similares. Eu direi que a finalidade do Endowment é um
tanto diferente”.

• Joseph Smith foi eleito para administrar os novos rituais, um


"endowment expandido” (ritual maçônico alterado por Joseph Smith),
aos líderes selecionados antes do templo ser terminado. Em 1842 o
novo endowment foi executado somente para homens, mas em 1843
esposas eram incluídas.

• Na quarta-feira, 4 de maio de 1842, após dois dias de preparação no


andar superior da Loja de Nauvoo, o profeta recolheu junto de si nove
homens. Em uma sessão significativa estes homens foram introduzidos
às instruções e ao ritual novo.

• Acreditando que o sacerdócio tinha sido restaurado por anjos, os


membros da Igreja podem ter suposto que o conhecimento antigo dos
rituais templários também seria. Como a autoridade antiga, havia sido
perdida da terra e foi restaurado ao profeta com a revelação direta por
visitação, muitos esperavam o mesmo sobre o endowment. Em nenhum
momento o Profeta Joseph Smith faz alguma indicação direta de como
a cerimônia do endowment veio a ser revelada.

• A primeira Grande Loja de Illinois foi organizada em 1823 e


desapareceu sob uma nuvem de escuridão em 1827, indubitavelmente
em conseqüência do incidente de Morgan. A segunda Grande Loja foi
estabelecida em 1840 e no ano seguinte foi emitido uma autorização
para ser criada uma Loja na cidade mórmon de Nauvoo, em 15 de
março de 1842, o Grão-Mestre Jonas instituiu a Loja e ao mesmo tempo
Joseph Smith, profeta, e Sidney Rigdon foram feitos maçons. Durante
os seis meses seguintes esta Loja inscreveu 286 candidatos, passou e
levantou 256 mestres maçons. Isto é completamente impossível
quando comparado à sociedade total da Grande Loja de Illinois nesse
tempo, que era aproximadamente de 150. No primeiro instante, o
levantamento de 256 mestres maçons em um período de seis meses
parece inacreditável, mas é possível que não era o costume naqueles
dias de conferenciar o grau em cada candidato individual. Hoje, um
aprendiz leva pelo menos 3 anos no grau e só depois de anos é
passado para o 2º grau e depois para o 3º ( como mestre maçom). Mais
surpreendente seja o levantamento de 358 maçons durante um ano por
uma Loja dentro da Grande Jurisdição de Ohio em anos recentes.
Depois que as investigações das cargas e das queixas das
irregularidades, a Grande Loja requisitou que as Lojas Mórmons se
dissolvessem em 1843. Estas ordens foram ignoradas e as Lojas
continuaram a trabalhar, fazendo com que a Grande Loja declare que
elas eram clandestinas em 1844. Somente a revolta e o assassinato de
Joseph Smith em junho de 1844 fizeram com que estas Lojas
desaparecessem.

• Quando se criou a primeira Loja em Utah, era uma Loja Militar. O Grão-
Mestre da Grande Loja de Nevada (em 1866) emitiu um documento de
que a Loja de Utah não admitiria mórmons. Esta exclusão continuou
após a criação da Grande Loja de Utah (em 1872). Uma das razões para
isto era não acontecer da Igreja ganhar o controle da Grande Loja.
Naturalmente há outras razões, tais como a poligamia, a criação de um
novo rito em Illinois ("Rito do endowment"), a aceitação de mulheres
neste rito, etc. *Nota de Luciano: o Rite Escocês entrou em Illinois no
ano de 1857. E Joseph restaurou o endowment em 1844, sendo então,
baseado principalmente no Rito de York talvez.

• A família de Joseph Smith uma família maçônica. O


pai, Joseph Smit Sr., elevado ao grau de mestre
maçom em 7 de maio de 1818 na Loja no. 23 de
Ontário (Nova York). Seu filho mais velho, Hyrum
Smith, era membro da Loja no. 112 de Moriah
(Palmyra – NY). Houve na época de 1830,
reivindicações públicas de que Joseph Smith Jr., tinha
usado alguns trabalhos maçônicos para produzir o
Livro do Mórmon. Felizmente, tais acusações foram
infundadas e jamais provadas.

• Nauvoo teve três Lojas e Iowa teve duas, as cinco Lojas eram
identificadas coletivamente como a "Loja Mórmom”. Nauvoo
compreendeu uma sociedade total de 1550 maçons. Uma estimativa
conservadora da sociedade de outras quatro Lojas sugere que o total
das cinco Lojas pode ter excedido 2.000 maçons. Depois que a
maçonaria foi introduzida em Nauvoo, a Loja foi instalada no quarto
superior da loja geral de Joseph Smith enquando um salão maçônico
era construído. Este salão maçônico foi dedicado por Hyrum Smith em
5 de abril de 1844, e usado pela Igreja e pela comunidade para muitas
atividades sociais.

• Dentro de seis meses a Loja de Nauvoo teve 286 candidatos. Em 1842 a


sociedade maçônica em toda Illinois era somente de 227. Eles viram
neste crescimento não somente uma degeneração da teoria da
sociedade seletiva, mas uma ameaça para controlar também a Grande
Loja em Springfield.

• Joseph ensinou a seus homens simplesmente que o ritual maçônico era


uma corrupção do ritual antigo de Solomão, e que seu novo rito era
uma restauração do veradeiro endowment hebraico. Quase todos os
apóstolos de Joseph na época passaram pela Maçonaria, com exceção
de Orson Pratt (irmão de Parley) que não quis.

• Alguns historiadores afirmaram que Brigham Young, transformou-se


em maçom em 1820, na Loja nº 303 de Milnor (em Nova York). Uns
afirma que em 1830, Brigham era um Metodista e um Maçom. Leonard
Arrington escreveu: "por um período curto (Brigham) foi um maçom em
Nova York antes de se juntar aos mórmons... recebeu os primeiros três
graus, mas não há nenhuma indicação que Brigham era
particularmente interessado ou ativo na maçonaria. O caso é que até
hoje não foi provado, e jamais confirmado pela Loja citada.

• Os mórmons não roubaram nenhum rito da maçonaria. Muitss


cerimônias sagradas existiram no mundo antigo. Séculos excedentes
modificados, estes rituais existiram em alguns registros entre os
egípicios antigos, cristãos, israelites, e maçons, e nas liturgias
católicas e protestantes. Os elementos comuns incluem vestir-se de
uma roupa especial, de um discurso ritualístico, da dramatização de
temas arquétipos, da instrução, e do uso de gestos simbólicos. Um
tema comum encontrado no Livro dos Mortos (livro egípicio), os textos
egípicios da pirâmide, etc., por exemplo, falam da jornada da vida do
homem e suas questões depois da morte, para passar com sucesso
pelas sentinelas que guardam a entrada que leva aos deuses. Embora
estas cerimônias variem extremamente, os pontos comuns e
significativos levantam a possibilidade de uma fonte remota comum
(que acredito ser do próprio Jardim do Édem).

• Os textos egípicios da pirâmide, por exemplo, caracterizam seis temas


principais: (1) ênfase em um escrito original primordial por trás dos
ritos; (2) purificação (lavagem, ablunção, e se vestir); (3) a criação
(que fala até mesmo de ressurreição); (4) o jardim (que fala a respeito
de uma árvore, e esta parte do ritual é conhecido como ritual da
refeição); (5) curso; e (6) ascensão (vitória, coroação, admissão à
companhia celestial, e aos textos de Horus). Como tais cerimonias
antigas, o endowment do templo mórmon aspectos destes temas em
termos figurativos. Ele (o endowment), não é um retrato da realidade
imediata, mas um modelo que determina o teste padrão da vida
humana na terra e na planta divina de que é parte. As cerimônias da
maçonaria são também alegóricas, descrevendo estados da vida --
juventude, maturidade, e velhice -- cada um com seus desafios
associados, seguidos pela morte e pela imortalidade. Não há nenhum
acordo universal a respeito de quando a maçonaria começou. Alguns
historiadores seguem a origem da ordem a Solomão, a Enoque, ou
mesmo a Adão.

• As semelhanças entre os dois rituals (mórmom e maçônico) são


limitadas a uma proporção pequena das ações e das palavras;
certamente, alguns encontram que no endowment mórmon mais
similaridades com os textos da pirâmide do que com a maçonaria.
Mesmo onde os dois rituals compartilham do simbolismo, o tema
principal é diferente. Os temas da criação e da vida, uma similaridade
é que ambos fazem com que os participantes façam convênios. Ainda,
o endowment sozinho amarra convênios, bênçãos eternas e a Jesuas
Cristo. A cerimônia da maçonaria não enfatiza o sacerdócio. A
participação ativa de Deus no mundo e na vida dos homens é
distintamente apresentada no Templo S.U.D., além de outras coisas
exclusivas do templo mórmon, tais como: batismo e endowments para
pessoas já falecidas, casamentos eternos, selamento com nossos
familiares vivos e também nossos ancestrais, participação das
mulheres (pois Eva recebeu seu endowment juntamente com Adão... e
isso pode ser visto em diversos registros, inclusive em apócrifos como
o Livro de Melquisedeque, dos Manuscritos do Mar Morto).
• Joseph Smith nunca foi um maçom ativo. Seu outro trabalho consumiu
seus tempo e energia. Sua historia mostra que era extremamente
ocupado neste tempo com uma multidão de problemas da igreja. As
matérias da Loja tiveram que ser deixadas em outras mãos. A tentativa
de ganhar amigos suficientes através da maçonaria para parar a
perseguição falhou. Todos os maçons da região eram somente uma
pequena fração dos povos do território que cercava Nauvoo. E ninguém
sabe com certeza se alguns deles fizeram parte nas perseguições
contra os mórmons, que levou ao assassinato de Joseph Smith.

• O conselho dos cinqüêntas em Nauvoo (por volta de 1840) manifestou


distintamente um caráter da maçonaria, e os elementos cerimoniais da
maçonaria foram incorporados nas reuniões de conselho.

• Os líderes mórmons modificaram o endowment em 1990 (retiraram a


penalidade, que era 98% igual aos dos 3 primeiros graus maçônicos).
Uma conexão muito distinta entre Mormonismo e Maçonaria realmente
existe embora muitos apologistas mórmons discordem. O endowment
mórmon tem quatro símbolos, os primeiros três correspondem em
diversos aspectos aos três graus da maçonaria. O quarto não
corresponde a um grau da maçonaria, mas possui paralelo forte à
parcela final da terceira cerimônia da maçonaria.

• Embora Joseph Smith não se transformasse realmente em um maçom


até 1842, teve provavelmente algum conhecimento da maçonaria por
muito tempo antes de se juntar à fraternidade. Joseph Smith se tornou
provavelmente informado bem a respeito da maçonaria através dos
jornais publicados em sua área. A “Sentinela de Wayne” continha
bastante sobre a maçonaria, e o “Palmyra Freeman” foram
considerados como um jornal anti-Maçônico. Isso sem contar de morar
em um lar com pelo menos 2 maçons (seu pai e seu irmão).

• O livre acesso da loja maçônica de Nauvoo irritou outros maçons que


sempre consideram a Maçonaria mais exclusivista e discreta.

• Foram os maçons ou pessoas ligadas a este grupo (a maçonaria) que


assassinaram Joseph Smith e Hyrum Smith em Carthage? Não! Foram
basicamente Missourianos instigados por outros líderes religiosos e
políticos que o assassinaram. Poderia ter até maçons no meio, mas
creio que quando Joseph lançou sua candidatura à presidência dos
USA, isto foi um fator crucial para políticos, temerosos do carisma e
apoio constante que Joseph recebia, se unirem aos Missourianos e
outros líderes religiosos inimigos do Mormonismo para acabar de vez
com Joseph antes que sua influência crescesse demais. Na verdade, um
dos líderes do ataque e editor de um jornal com insufladas
propagandas anti-mórmon procurou se filiar a Maçonaria depois do
atentado na prisão de Carthage, a fim de buscar apoio entre os maçons
do Illinois e se livrar de eventual condenação.

• Segundo o Livro de Mórmon “Combinações Secretas” e pessoas


ou grupos que se identificam por sinais são servos de Satanás,
como podemos explicar ao mundo o envolvimento de Joseph
Smith com a maçonaria?

São servos de Satanás, segundo o Livro de Mórmon os que usam de


combinações secretas para angariar poder e privilégio pessoal.

“E quando o servo de Helamã se inteirou das intenções de Quiscúmen


e de que seu objetivo era matar; e de que o objetivo dos que
pertenciam ao seu bando era matar, e roubar e obter poder (e eram
estes seus planos secretos e suas combinações), o servo de Helamã
disse a Quiscúmen: Vamos até a cadeira do juiz”.(Helamã 2:8)

“E toda nação que apoiar tais combinações secretas para obter poder
e lucro, até que se espalhem pela nação, eis que será destruída;
porque o Senhor não permitirá que o sangue de seus santos, que será
derramado por eles clame sempre a ele por vingança desde a terra,
sem que os vingue”.

“Portanto, ó gentios, é sabedoria de Deus que estas coisas vos sejam


mostradas, a fim de que, por meio delas, vos arrependais de vossos
pecados e não permitais que vos dominem essas combinações
assassinas, instituídas para a obtenção de poder e lucro—e a obra,
sim, a obra de destruição vos sobrevenha; sim, a espada da justiça do
Deus Eterno cairá sobre vós para vossa ruína e destruição, se
permitirdes que estas coisas aconteçam”.(Éter 8:22 - 23)

“E aconteceu que surgiu uma rebelião entre o povo, devido àquela


combinação secreta que fora instituído com o fito de adquirir poder e
riquezas; e entre eles surgiu um homem poderoso em sua iniquidade e
ele batalhou contra Moron e dominou a metade do reino; e conservou
a metade do reino por muitos anos”.(Éter 11:15)

Vários exércitos em guerras usavam senhas códigos para identificar


seus soldados. O uso de símbolos e ordenanças sagradas (não
necessariamente secretas), era comum tanto no Judaísmo Sacerdotal
como nos ritos de iniciação dos primitivos Cristãos. Os primeiros
Cristãos se reconheciam nas catacumbas desenhando no chão cada
um semicírculo, invertidos e unidos por uma das extremidades
formando o desenho de um peixe, cujas letras iniciais em latim "ICTOS
= Iesus Cristus Teo Sotero" siginificavam "Jesus Cristo, Deus
Salvador". A Maçonaria é uma fraternidade que existe desde a época
dos cavaleiros templários. A maioria do trabalho da maçonaria hoje é
de ajudar em serviços sociais, há até uma máxima que diz, “para você
ser maçom você precisa ter o desejo muito maior de servir do que ser
servido” . O caráter exclusivista e discreto (não diria secreto) da
Maçonaria gera muita especulação e ignorância a respeito por parte
de quem não a conhece, por isso ouvimos falar de complô, organização
secreta, etc.. Tive a oportunidade visitar a loja maçônica de Pelotas e
conversar com o grão-mestre da região na época de minha Missão.
Entre os maçons a crença básica na existência de Deus (independente
de filiação religiosa) e a fidelidade conjugal são princípios básicos da
fraternidade, um homem que trai sua esposa, por exemplo, é sujeito à
expulsão da comunidade.
• Poucos líderes da Igreja hoje em dia são envolvidos com a maçonaria, a
maioria destes são porque já eram maçons antes de se converter ao
Mormonismo. O tempo dedicado à fraternidade tiraria mais tempo de
um líder da Igreja para se dedicar à Fraternidade e à Igreja, o que se
tornaria bem puxado. Além do mais, o caráter exclusivo masculino da
fraternidade em muitas reuniões, tiraria ainda mais tempo do marido
ou líder em passar com sua esposa e filhos. É mais comum vermos
membros sem cargos de liderança na Igreja envolvidos com a
Maçonaria.

Obs.: Sobre este meu comentário acima gostaria de colocar aqui as


palavras do irmão Clésio Hector Dufau (um mórmom), secretário do
bispado da Ala Cristal, em Porto Alegre:

"É possível sim um membro da Igreja ter cargo juntamente com o


seu trabalho na Maçonaria. Eu sou um exemplo, pois trabalho como
secretário da Ala e desempenho uma função em Loja Maçônica.
Quanto à companhia da esposa e filhos, é dedicado o mesmo tempo
e exigido este tempo tanto quanto na Igreja, pois existem atividades
onde o maçom deve levar a família, e são atividades de
confraternização. Claro que não tem o mesmo foco e objetivo como na
Igreja, em relação ao evangelho, mas permite uma integração entre os
membros, e acessível aos convidados (não maçons).
Podemos comparar as reuniões necessárias de liderança, onde
é requerida a presença do Sacerdócio com as reuniões semanais em
Loja. O tempo disponível é quase o mesmo. Se desejar, posso traçar
outros paralelos entre a Igreja e a Maçonaria, e estou à disposição
para esclarecer dúvidas, salvo melhor juízo.
Caro irmão. Agradeço a oportunidade que me deste de conversar,
mesmo por e-mail e poder emitir minha opinião. Que o Pai Celestial
(ou o G.'.'A.'.D.'.U.'.) o abençoe sempre e peço que mantenha este
site disponível sempre que puder, pois se tornou para mim e outros
que gostaram deste trabalho um ótima referência.
Até mais.”

• A maçonaria também é o que podemos entender como os atuais


ladrões de Gadiânton? Existem muitas outras organizações
secretas espalhadas por toda a face da Terra. Mais eu não a
consideraria assim! Pode até existir ladrões de Gadianton na
Maçonaria, no seu partido político, no Rotary Club, etc., mas as
intenções dos ladrões de Gadianton ferem princípios básicos da
Maçonaria, que é de servir a humanidade por um mundo melhor.

Por que existem semelhanças entre o ritual


maçônico e o do templo SUD?
(extraído de sites em português)

Para responder esta pergunta precisamos ter em mente a falácia lógica


usada pelos críticos: Se A é semelhante a B, e B é mais antigo do que A,
então A foi copiado de B ou B é fonte de A. Esta falácia ocorre ao ignorarmos
C, mais antigo do que A e B e que pode ser a fonte tanto de A como para B. O
texto abaixo do irmão Michael T. Griffin discorre bem sobre este aspecto. Só
lembrando que muito do ritual maçônico procura lembrar o antigo rito
sacerdotal do templo de Jerusalém. Há muito simbolismo na arquitetura e
decoração de em uma loja maçônica que procuram lembrar Deus, as 12 tribos
de Israel, a Trindade, os pilares Joaquim e Boaz do templo de Salomão, a
idumentária sacerdotal levita, etc. Devido à natureza sagrada da investidura,
o leitor que não tiver passado pelo templo talvez tenha alguma dificuldade
de entender alguns tópicos, mas o leitor que já recebeu sua investidura
entenderá perfeitamente as analogias.

Maçonaria e o Templo SUD

Numerosos livros e panfletos antimórmons tem sido escritos documentando


paralelos entre Maçonaria e o Templo Mórmon. Estes paralelos consistem de
dois tipos de categorias em geral: similaridades entre o ritual Maçônico e as
cerimônias templárias SUD (especialmente a cerimônia da investidura), e
paralelos entre os símbolos Maçônicos e o simbolismo do templo Mórmon.
Em adição, antimórmons apontam para a nova versão da investidura
templária introduzida a partir de 1990 como evidência contra a cerimônia
porque ela não contêm alguns dos elementos Maçônicos e outros itens das
versões anteriores. Eles insistem que se a investidura fosse inspirada
nenhuma mudança poderia ser nelas feitas.
O que os paralelos Maçônicos e as mudanças na investidura provam? De
acordo com os críticos, os paralelos provam que as cerimônias e o simbolismo
do templo SUD são “ocultos e Satânicos”, e foram em sua maioria plagiadas
a partir da Maçonaria, enquanto as mudanças supostamente mostram a
investidura como sendo um produto feito pela mão do homem sujeita a
opiniões e cortes da liderança Mórmon.
Críticos anti-SUD acreditam que sua opinião sobre os paralelos Maçônicos é
fortalecida pelo fato que Joseph Smith e muitas outras antigas autoridades
Mórmons tornaram-se Maçons durante o período de Nauvoo.

Tomando emprestado da Maçonaria

Eu estou perfeitamente inclinado a conceder que Joseph tomou


alguma coisa emprestada da Maçonaria na preparação das ordenanças do
templo. No entanto, eu não aceito a conclusão antimórmon de que esta
tomada de empréstimo sumariamente invalide o templo e suas cerimônias.
Logicamente e historicamente falando, o simbolismo templário e as
ordenanças não estão automaticamente sem créditos porque Joseph
empregou alguns elementos maçônicos para expressar os ritos sagrados e
conceitos que o Senhor a ele revelou.
Há evidências de que o ritual Maçônico é derivado de antigas origens que
contém remanescentes da verdadeira adoração templária. Esta evidência
inclui semelhanças entre elementos dos rituais Maçônicos e certos ritos
antigos de iniciação Cristã. Antimórmons evitam qualquer discussão nesta
área. Críticos também tendenciosamente ignoram o fato de que Joseph Smith
designou novos significados para virtualmente todos os elementos Maçônicos
que ele utilizou e os colocou dentro de contextos centrados em Cristo,
removidos para bem longe de suas colocações originais.
Ao fazer isto, Joseph Smith não estava sozinho. De uma maneira similar, os
antigos Hebreus empregaram muitos textos e figuras religiosas pagãs, e
designaram novos significados e contextos a eles. Além do mais, o
tabernáculo Mosaico era muito parecido em muitos aspectos essenciais a
várias estruturas portáteis pagãs Egípcias, incluindo a “Tenda da Purificação”
(McDowell 110-111). E ainda, de acordo com Êxodo 25-30, foi o próprio Yahvé
quem instruiu os Israelitas em como construir o tabernáculo.
Como já é bem conhecido, existem numerosas e exatas similaridades
entre a Lei de Moisés e vários códigos legais pagãos primitivos, tais como o
Código de Eshnunna, o Código de Lipit_Ishtar e o Código de Hamurábi
(Harrison 59-61; Pritchard 162-169). Até mesmo a forma literária da Lei,
conforme é apresentada no Livro de Êxodo, é paralela ao formato usado em
antigos códigos pagãos do antigo Oriente Médio (Achtemeier 1985:549).
Virtualmente todos os eruditos Bíblicos têm notado de que a Lei de Moisés
parece ter sido padronizada conforme os códigos pagãos. Acaso significa isto
que a Lei de Moisés não seja inspirada? Se fôssemos seguir a mesma linha de
raciocínio antimórmon, poderíamos muito bem responder afirmativamente.
Mas muitos eruditos discordam e notam que também existem diferenças
entre a Lei Mosaica e os Códigos pagãos. Os antigos Cristãos da mesma
forma empregaram símbolos e insígnias pagãs e aplicaram-lhes novos
significados e contextos. Um dos mais populares tipos simbólicos da
ressurreição entre os Cristãos primitivos foi a ave fênix, um símbolo pagão.
Eu cito Robin Lane Fox.
Entre os letrados homens pagãos, a fênix tinha há muito tempo
exercido uma influência particular. Ela se recriava a partir de suas próprias
cinzas e unia o mistério de um lar no Egito com a inauguração de uma nova
era. Cristãos foram rápidos em utilizar a ave como um protótipo de suas
próprias ressurreições...(639)
Referências à fênix estão espalhadas por toda a antiga literatura Cristã (Fox
639-641; Roberts and Donaldson 1:12, 3:554, 7:324, 441).
De fato, a Igreja Primitiva utilizou várias representações que eram
tanto usadas pelos pagãos ou aceitáveis para eles. Cristãos de todas as
denominações podem estar interessados em saber que a imagem de Bom
Pastor carregando sua ovelha era um símbolo pagão, assim como foram
outras imagens que a antiga igreja empregava. Eu cito Henry Chadwick.
…antes do fim do segundo século Cristãos estavam freqüentemente
expressando sua fé em termos artísticos. Tertuliano menciona taças nas
quais havia a representação do Bom Pastor carregando sua ovelha. Clemente
de Alexandria dá instrução sobre a figura apropriada para um anel sinete
Cristão.... Clemente recomenda que os Cristãos deveriam usar selos com
representações que, sem serem especificamente Cristãs, são prontamente
capazes de uma interpretação Cristã, tais como uma pomba, um peixe, um
barco, uma lira ou uma âncora....Vale a pena notar que as sugestões de
Clemente para selos apropriados eram de todos os tipos que um pagão
pudesse usar; isto é, elas eram neutras de um ponto de vista religioso ou
moral, e tanto pagãos como Cristão podiam alegremente delas se utilizarem.
Da mesma forma, o Bom Pastor carregando sua ovelha era um convencional
símbolo pagão de preocupação humanitária, de filantropia. Os Cristãos
estavam utilizando um símbolo comum e investindo-o com um novo
significado...(277-278)
Um outro convencional símbolo pagão que os Cristãos adotaram foi o Orante
(também chamado Oras), uma figura feminina coberta em seu rosto com um
véu com suas mãos levantadas para o alto em oração (Chadwick 278; Snyder
19-20). O Orante havia sido usado durante muito tempo como um símbolo
cultural pagão, e aparece em moedas romanas e em representações
artísticas de sepulcros.
Então o que isso tudo significa? Rejeitaremos portanto o templo de Salomão?
Repudiaremos o tabernáculo Mosaico? Desprezaríamos a Lei de Moisés?
Denunciaríamos os primeiros Cristãos? Afinal, certamente Deus não
permitiria verdadeiros profetas usar tais coisas pagãs repugnantes para
construir estruturas sagradas ou para expressar Suas verdades sacras?
Certo? Claro que não. A verdade simples e pura é que profetas de Deus têm
freqüentemente se utilizado dos símbolos e literatura de seus ambientes
culturais a fim de expressar verdades sagradas.

As Mudanças na Investidura do Templo

A visão antimórmon das mudanças da investidura está baseada


primariamente numa compreensão fundamentalista das escrituras e de como
Deus interage com Seus profetas. Antimórmons são escandalizados que
profetas modernos SUD clamariam a autoridade para alterar uma cerimônia a
qual fora alegadamente revelada por Deus ao Profeta Joseph Smith.
Entretanto, a posição anti-Mórmon não é razoável à luz do fato de que os
profetas da Bíblia exerciam autoridade semelhante com respeito às
escrituras e a certas cerimônias reveladas.
Se os críticos anti-SUD ficam perturbados pelas mudanças na investidura,
estão eles igualmente condoídos sobre o fato bem conhecido de que Marcos
e Lucas deliberadamente amenizaram o papel de Pilatos na execução de
Jesus a fim de evitar ofender a audiência Romana? Até hoje, críticos Judeus
atacam Marcos e Lucas neste ponto (Levine 26-27; Cohn 164-190).
Estão os antimórmons chocados pelo fato de que os autores dos Evangelhos
do Novo Testamento tomaram a liberdade para omitir ou corrigir itens uns
dos escritos dos outros que pudessem ter parecido ofensivos ou
inconsistente aos seus leitores? Alguns comentaristas da Bíblia consideram
isto ser prova de que os Evangelhos não são inspirados, enquanto outros
eruditos mais corretamente enxergam isto como uma clara evidência de que
os antigos Cristãos simplesmente não tinham uma visão fundamentalista das
escrituras.
Se os críticos anti-SUD vêem as mudanças na investidura como uma
evidência contra o templo, acaso levam eles similarmente em questão a
antiga fé Hebraica por causa das mudanças na adoração dos Hebreus que
Ezequiel foi obrigado a fazer em resultado do cativeiro Babilônico? Por causa
destas mudanças, os Hebreus cessaram de observar certos rituais “eternos”
os quais Jeová havia previamente lhes ordenado observar. Observe (Harrison
267-268; Achtemeier 1985:80, 305-306, 1014, e as passagens de escrituras
nele citadas).

A Visão de Joseph Smith sobre Maçonaria e as Diferenças entre a Maçonaria e


a Investidura

Dois tópicos relevantes que raramente se nunca são seriamente


considerados na literatura anti-Mórmon são (1) a visão de Joseph Smith da
Maçonaria, e (2) as muitas diferenças entre o ritual Maçônico e a investidura.
Críticos anti-SUD freqüentemente evitam o fato de que Joseph Smith via o
ritual Maçônico como uma forma corrupta do verdadeiro original. Os anti-
mórmons estão virtualmente silenciosos nas inúmeras diferenças entre
Maçonaria e os ritos templários SUD. Eu acho que seria útil a esta altura citar
o erudito SUD Eugene Seaich:
O relacionamento entre a Maçonaria e a Investidura do templo SUD tem sido
por muito tempo uma questão de especulação entre os estudantes da
História do Mormonismo. Joseph Smith era da opinião que o ritual Maçônico
fora uma forma corrupta do Sacerdócio original; mas desde que os próprios
Maçons não fazem nenhuma declaração de terem existido antes dos tempos
dos construtores das grandes catedrais, antimórmons tem argüido que as
similaridades entre os dois possam ser um resultado de deliberado
plagiarismo por parte da Igreja. Muito raramente, entretanto, pensam eles
em perguntar se o ritual Maçônico em si poderia ser derivado de outras
antigas fontes, particularmente de tradições que sobreviveram da Igreja
Primitiva. Se isto fosse provado ser o caso, então pode ter sido a Providência
antes do que a decepção que levou Joseph Smith a se tornar um Maçom do
terceiro nível em 1842, talvez como parte de sua divina educação nos
rudimentos do Evangelho Restaurado.
Mais remarcável ainda é que o profeta não apenas alegou ter reconhecido na
Maçonaria sobrevivência de antigas práticas templárias, mas que ele ousou
corrigir o que havia encontrado, oferecendo em seu lugar o que ele dizia ser
o protótipo incorrupto. Desta forma, enquanto o ritual do templo Mórmon
realmente carrega alguma semelhança com a Maçonaria, ele também difere
em pontos significativos, mostrando que Joseph Smith tinha suas próprias
idéias sobre a forma adequada do original. Hoje tem se tornado possível
comparar suas idéias com materiais mais recentes descobertos que tratam
em primeira mão sobre as antigas tradições templárias. (1984:1)
Acaso se os Maçons houvessem tomado emprestado alguns fragmentos
sobreviventes do drama templário, seria apenas prova de que tal adoração
realmente existiu na terra em determinada época. As famosas Peças de
Mistério da Idade Média também preservavam elementos do drama
templário, com seus ciclos de histórias do Velho Testamento didáticas
[instrucionais] repetidas em dias santos mais importantes para a edificação e
instrução das massas. “Todo homem,” por exemplo, não era outro senão
“Adão” ou Israel realizando seu ritual de “peregrinação” através do deserto,
um tema que reapareceria também em Bunyan’s, O PROGRESSO DO
PEREGRINO
Não temos idéia de quantas maneiras diferentes Deus possa empregar para
inspirar homens a obra que ele intenciona lhes realizar; mas é
indubitavelmente providencial que Joseph Smith tivesse entrado em contato
com os fac-símiles do Livro de Abrão e com a Maçonaria em uma época
quando foi dele requerido restaurar o original drama templário em todos os
seus detalhes...Joseph Smith sabia de longe muito mais do que os Maçons,
cujos rituais são apenas pistas espalhadas de um quadro muito maior e mais
perfeito.
Evidência dos Primeiros Cristãos
As surpreendentes semelhanças entre a investidura do templo e os antigos
rituais Cristãos de iniciação é uma forte evidência de que Joseph Smith
realmente restaurou o antigo drama original do templo.
Os antigos ritos de iniciação parecem ter sido uma confluência da investidura
templária com a ordenança do batismo. Não-membros não eram permitidos
de ver o ritual, e na maioria dos casos não eram administrados a uma pessoa
até que ele ou ela tivesse sido um crente por pelo menos um ano. O ritual era
muitas vezes referido como “o mistério”, e todas as outras coisas envolvidas
eram ocasionalmente chamadas “os mistérios.” Durante o ritual de iniciação,
o candidato poderia ser ensinado em determinados “ensinamentos
superiores” os quais foram reservados apenas para membros que estivessem
já prontos e dignos de os receberem.
Ensinamentos superiores extra-escriturísticos são mencionados por vários
bispos e apologistas Cristãos antigos. Por exemplo, Clemente de Alexandria
(150-215 A.D.), um proeminente teólogo da antiga Igreja e cabeça da
academia Cristã em Alexandria, declarava que esses ensinamentos
superiores não foram incluídos no ministério público de Cristo mas
transmitido de forma não escrita pelos apóstolos e foram dados apenas a
membros da igreja que estavam qualificados para os receber (MaGill 47).
Clemente declarou que estes ensinamentos sagrados eram a chave para
entrar nas “esferas mais altas” do céu (MaGill 47).
O ritual de iniciação também incluía a administração de toques e sinais
sagrados, cenas do Jardim do Éden como cenário, a repreensão de Satanás
com o braço levantado, o uso de vestimentas sagradas brancas (algumas das
quais tinham marcas idênticas àquelas dos garments do templo SUD), e a
unção de várias partes do corpo com óleo.
É claro que a natureza sagrada do templo mórmon me previne de explicar a
significância destes itens em relação à investidura. Entretanto, é suficiente
dizer que qualquer Santos dos Últimos Dias que já passou pelo templo irá
imediatamente reconhecer a significância destas coisas.
Para aqueles que gostariam de aprender mais sobre o antigo rito de iniciação
Cristão e os ensinamentos superiores extra-escriturísticos que os
acompanham, sugeria que possam consultar a pesquisa que tem sido feita
sobre este assunto por Seaich (1983:56-75; 1984), Stephen E. Robinson (96-
103), Hugh Nibley, Blake Ostler, William Hamblin, Roger J. Adams, e Darrick
Evenson (71-101).

Conclusão

Quando discutem Mormonismo e Maçonaria, críticos anti-SUD falham em


tratar com a evidência que desqualifica ou refuta seus argumentos. Muitos
do criticismo que eles advogam contra o templo pode também ser usado
contra a adoração antiga Hebraica e os rituais dos primitivos Cristãos.
Antimórmons têm ainda que explicar os impressivos paralelos entre a
cerimônia de investidura SUD e os primitivos rituais Cristãos de iniciação. Os
primitivos ritos de iniciação da Igreja providenciam evidência para a origem
divina da investidura templária SUD.
Joseph Smith viu na Maçonaria remanescentes do original drama templário.
Ele, portanto achou apropriado e prático empregar alguns elementos
Maçônicos a fim de expressar a verdade original conforme havia sido a ele
revelado pelo Senhor. Isto de nenhuma forma denuncia a beleza e inspiração
do templo.
Ao empregar elementos Maçônicos, o profeta Joseph designou novos
significados para quase todos eles e os colocou dentro de contextos
teológicos longe daqueles nos quais se achavam originalmente.
Embora há algumas semelhanças entre Maçonaria e o templo Mórmon,
existem também muitas diferenças. Além do mais, o ritual Maçônico não
possui a intricada e teológica profundidade que está presente nas cerimônias
templárias SUD.

Bibliografia

Paul Achtemeier, editor, HARPER'S BIBLE DICTIONARY, San Francisco, California: Harper
& Row, Publishers, 1985.
Roger J. Adams, THE ICONOGRAPHY OF EARLY CHRISTIAN INITIATION, Church
Educational System Special Project, Salt Lake City, Utah: Unpublished manuscript,
1977, copy in my possession.
Ian Barber, WHAT MORMONISM ISN'T: A RESPONSE TO THE RESEARCH OF JERALD AND
SANDRA TANNER, Auckland, New Zealand: Pioneer Books, 1981.
Henry Chadwick, THE EARLY CHURCH, Penguin Books Edition, London: Penguin Books
Ltd, 1990.
Haim Cohn, THE TRIAL AND DEATH OF JESUS, New York: KTAV Publishing House, 1977.
Darrick Evenson, THE GAINSAYERS, Bountiful, Utah: Horizon Publishers, 1989.
Robin Lane Fox, PAGANS AND CHRISTIANS, New York: Alfred A. Knopf, Inc., 1987.
Michael T. Griffith, SIGNS OF THE TRUE CHURCH OF CHRIST, Bountiful, Utah: Horizon
Publishers, 1989.
William J. Hamblin, "Aspects of an Early Christian Initiation Ritual," in John Lundquist
and Stephen Ricks, editors, BY STUDY AND ALSO BY FAITH, volume 1, Salt Lake City,
Utah: Deseret Book Company and the Foundation for Ancient Research and Mormon
Studies (F.A.R.M.S.), 1990, pp. 202-221.
R. K. Harrison, OLD TESTAMENT TIMES, Grand Rapids, Michigan: William B. Eerdmans
Publishing Company, 1970.
Samuel Levine, YOU TAKE JESUS, I'LL TAKE GOD: HOW TO REFUTE CHRISTIAN
MISSIONARIES, Los Angeles, California: Hamoroh Press, 1980.
Frank N. MaGill, MASTERPIECES OF CHRISTIAN LITERATURE, New York: Harper & Row,
Publishers, 1963.
Josh McDowell, MORE EVIDENCE THAT DEMANDS A VERDICT, Campus Crusade for
Christ, Inc., 1975.
Hugh Nibley, "The Early Christian Prayer Circle," in BYU STUDIES, Fall 1978, pp. 41-78;
"What Is A Temple?", in Truman Madsen, editor, THE TEMPLE IN ANTIQUITY, Provo, Utah:
Brigham Young University, Religious Studies Center, 1984, pp. 19-38.
Blake Ostler, "Clothed Upon: A Unique Aspect of Christian Antiquity," in BYU STUDIES,
Winter 1982, pp. 31-45.
Hugh Riley, CHRISTIAN INITIATION, Washington, D.C.: The Catholic University of
America Press, 1974.
Alexander Roberts and James Donaldson et al, editors and translators, THE ANTE-
NICENE FATHERS, Ten Volumes, Grand Rapids, Michigan: William B. Eerdmans
Publishing Company, 1980-1985, reprint of American Edition, 1869-1873. (The original
edition consisted of only nine volumes; volume 10 is an added volume edited by Allan
Menzies.)
Steph enen Robinson, ARE MORMONS CHRISTIANS?, Salt Lake City, Utah: Bookcraft,
Inc., 1991.
Eugene Seaich, ANCIENT TEXTS AND MORMONISM, Sandy, Utah: Mormon
Miscellaneous, 1983; "Did the Freemasons Copy Their Ritual from the Mormons?",
Sandy, Utah: Unpublished paper, 1984, copy in my possession.
Graydon Snyder, ANTE-PACEM: ARCHAEOLOGICAL EVIDENCE OF CHURCH LIFE BEFORE
CONSTANTINE, Macon, Georgia: Mercer University Press, 1985.