Você está na página 1de 8

(1) Perguntas respondidas nesta seção:

(2)
(3) 1) Por que Joseph praticou poligamia? É poligamia uma prática errônea?
(4)
(5) 2) Joseph imprimiu dinheiro?
(6)
(7) 3) Joseph cometeu assassinato?
(8)
(9) 4) E quanto às profecias de Joseph?
(10)
(11) 5) Joseph "profetizou" sobre habitantes da Lua?
(12)
(13) 6) Joseph foi engando pelas placas de Kinderhook?
(14)
(15) 1) Não enviou Joseph vários homens ao estrangeiro para que pudesse roubar suas
esposas?
(16) Não é a poligamia uma prática errônea, como a Igreja pode viver esta lei?

Resposta:
Apesar de toda sorte de acusações quanto ao seu caráter feita pelos seus inimigos,
principalmente baseadas na lei de poligamia, os homens que foram enviados ao estrangeiro para
cumprir missões foram os seus mais leais e fiéis seguidores (Brigham Young, Wilford Woodroof,
Heber C. Kimbal, etc.). A tentativa de restaurar os "elos quebrados" de selamento, fizeram com que
os primeiros líderes geralmente "selassem para eternidade" parte de uma família membro (filhos,
esposas, mães, etc.) a outros membros que possuíam recomendação templária, daí a confusão dos
primeiros registros de selamento e do número exagerado de esposas de Joseph. A grande maioria
dos casamentos plurais no período de Nauvoo não envolvia um relacionamento conubial, mas
teriam validade apenas como selamento após esta vida terrena.
A revelação sobre poligamia fora dada antes, desde 1831, mas Joseph temendo a
perseguição que viria devido à ignorância do povo quanto a esta Lei, manteve-a afastada do público
e explicou-a somente aos líderes da Igreja, mesmo sabendo que muito deles se apostatariam e se
aproveitariam disso para difamá-lo e procurar destruir sua obra.
Apenas 3% dos membros masculinos da Igreja puderam ter condições de praticar esta Lei,
uma vez que tinham que prover o sustento para mais de uma "família" (e não simplesmente
"mulher"), isto até 1890 quando ela se extinguiu. Não obstante, isso foi o suficiente para que até
então o Congresso dos U.S.A. aprovasse a lei Edmund-Tucker, visando destruir a Igreja (as
propriedades e terrenos da Igreja foram confiscados pelo Governo Federal. Vários membros da
Igreja foram levados para a prisão de Utah e também qualquer das esposas destes que ousassem
testemunhar a favor da lealdade e integridade do seu marido polígamo). Está claro que tais leis
tinham apenas o intento de destruir a Igreja, pois até hoje nos U.S.A. existem grupos polígamos e na
época de Brigham Young a poligamia era uma prática comum entre as tribos indígenas americanas e
estas leis não tiveram eficácia contra eles, uma vez que ferem o princípio constitucional de
liberdade de crença e de pensamento nos U.S.A.
Para se ter uma idéia desta perseguição, quando a polícia de Utah prendeu vários líderes
federais antimórmons em Salt Lake City numa casa de prostituição, esses homens foram levados
diante do mesmo juiz que estava enviando mórmons polígamos para a cadeia para que também
tivessem o mesmo destino, mas o juiz federal, um não-mórmon, absolveu-os sob a alegação de não
poder interferir em suas vidas íntimas. Até aí tudo bem, mas e quanto aos chefes de famílias
polígamos? Quer dizer então que Abraão, Isaque, Jacó, Moisés, Elkana mereceriam todos ir para a
prisão, mas Herodes que mandou prender João Batista por denunciar o seu adultério, era mais justo
do que todos aqueles outros profetas e merecia claramente sua liberdade!

Cerca de 1300 membros da Igreja foram levados à prisão estadual de Utah em virtude
da lei Edmund-Tucker! Da esquerda para a direita: Francis A. Brown, Freddy Self, Moroni
Brown, Amos Milton Musser, George H. Kellog, Parley P. Pratt Jr., Rudger Clawson e Job
Pingree.

A Lei da Poligamia não é um erro, como já foi citado acima, vários profetas de Deus a
praticaram. Se eles estivessem errados Deus não os escolheriam para serem profetas e guiar o seu
povo aqui na Terra.
Em II Samuel 5 vemos o relato de como a poligamia não era vista como uma iniqüidade
pelo Senhor, no versículo 13 nos fala:
“Tomou Davi mais concubinas e mulheres de Jerusalém, depois que viera de Hebrom, e nasceram-
lhe filhos e filhas”.
Um pouco mais adiante os filisteus fazem guerra contra Israel, Davi consulta ao Senhor e
recebe revelação e instrução de como deve agir pelo próprio Jeová, se Davi estivesse em pecado o
Senhor não estaria ao seu lado. Versículos 19 e 23:
“Davi consultou ao Senhor, dizendo: Subirei contra os Filisteus? Entregar-nos-ás nas mãos?
Respondeu-lhe o Senhor: sobe, porque certamente entregarei os Filisteus nas tuas mãos...”
“Davi consultou o Senhor, e este lhe respondeu: Não subirás; rodeia por detrás deles, e ataca-os por
defronte das amoreiras.”
Mas tarde, o profeta Natã lembra Davi que as muitas esposas foram dadas pelo próprio
Deus (II Samuel 12:7-8) e que fora altamente favorecido pelo Senhor, sendo somente por este
advertido e condenado quando cometeu adultério com Batsheba e manipulou a morte de Urias (II
Samuel 12:9). Inclusive nos capítulos 11 e 12 de II Samuel, na alegoria utilizada pelo profeta Natã,
o homem rico não é condenado por ter várias "ovelhas", mas sim por ter tomado a "única
ovelhinha" do seu vizinho!
O profeta que escreveu o livro de Reis (provavelmente Jeremias), ao
descrever os atos de Davi, não viu nenhum pecado nas concubinas e mulheres
que tomou de Jerusalém, depois que veio de Hebron, conforme citado acima (II
Samuel 5:13), atribuindo o caso de Urias como o único grande pecado de Davi:
"Porquanto Davi fez o que era reto perante o SENHOR, e não se desviou
de tudo quanto lhe ordenara em todos os dias da sua vida, senão só no caso
de Urias, o heteu." (I Reis 15:5)
Pela passagem de Marcos 12: 18-22, vemos que a Lei do Levirato estava em vigor no
tempo de Cristo entre os Judeus, a qual implicava em poligamia, pois o cunhado, casado ou não,
tinha de tomar a esposa de seu irmão falecido a fim de lhe levantar posteridade. Alguns dos
primeiros Cristãos devem ter sido igualmente polígamos. Mesmo depois da lei judaica ter sido
completamente abandonada entre os Cristãos, a poligamia ainda existia na Igreja Primitiva, sendo
necessário que um dos Cânones do Concílio de Laodicéia na Frígia sobre esse assunto discorresse:
Cânon 1: “Está certo, de acordo com o Cânon eclesiástico, que a Comunhão deva ser dada por
indulgência àqueles que espontânea e legalmente uniram-se em segundos casamentos, não tendo
antes entrado em casamento secreto; (ou seja, que não adulteraram antes do segundo casamento ser
legalizado) após um breve espaço de tempo o qual deve ser por estes devotados ao jejum e à
oração.”
Vemos então por este Cânon que membros bígamos gozavam de perfeita comunhão com os
outros membros, aliás, a Igreja Cristã Primitiva, nunca condenou a prática da bigamia, ou
poligamia. Assim tivemos os reis Árabes Cristãos do sexto século de Lakhm e Ghassam polígamos,
assim como seus contemporâneos da Etiópia (Margoliouth – 1905: 38,160). O Papa Clemente VII,
temendo um divórcio que poderia dividir um continente, propôs a bigamia a Henrique VIII como
solução para que este pudesse se casar com Ana Bolena (Holst –1967: 212, n.2). Martinho Lutero,
em Setembro de 1531, deu o mesmo conselho ao embaixador do rei Henrique, Robert Barnes
(Enders – 1903, 9:80-99). Uma década mais tarde, Lutero aconselharia o príncipe eleitor da
Saxônia, Felipe de Hess a tomar Margaret von Sale como segunda esposa. O casamento foi
realizado publicamente em Março de 1540 pelo capelão luterano do príncipe Felipe e na presença
de dos tenentes-generais de Lutero, Felipe Melanchton e Martin Bucer. Lutero teria escrito em sua
carta a Felipe: “um Cristão não é livre para se casar com várias esposas a menos que Deus o ordene
a ir além da liberdade que é condicionada pelo amor” (Tappert – 1955: 276. O paralelo aqui com
Jacó 2:27-30 é bem óbvio). Mais tarde, no século XVIII, Friedrich Wilhelm II da Prússia tomou
esposas plurais em pelo menos duas ocasiões, citando o conselho de Lutero a Felipe de Hesse como
precedente e com a aprovação de seu próprio capelão Luterano (Heinrich –1981: 257).

Nota: Para uma análise de como o ocidente ver hipocritamente esta questão, favor ler o artigo da
Sociedade Islâmica do Rio de Janeiro: Poligamia, uma visão segundo o Islã.
Como diria Frei Leonardo Boff: "Ponto de vista é apenas a vista a partir de um ponto!"

2) Como um profeta de Deus mandaria imprimir dinheiro? E, segundo seus opositores


"algumas destas cédulas existem ainda, e os mórmons não se envergonham dessa deliberada
perfídia".

Resposta:
Infelizmente o autor desta acusação cometeu um grande equívoco em não saber a diferença
entre uma nota promissória (um título privado) e uma cédula de papel-moeda. Estas notas
promissórias foram emitidas pela Sociedade Bancária de Kirtland, da qual Joseph Smith era
conselheiro presidente (daí sua assinatura nas notas). Esta Sociedade tinha direitos de emissão de
bônus assim como qualquer Banco de Investimento hoje pode emitir CDBs, Debêntures, e outros
títulos privados a fim de capitalizar recursos no Mercado.
Depois que o Estado de Ohio desaprovou a continuidade desta sociedade bancária, estes
títulos viraram pó e a sociedade faliu.
3) Não é verdade que Harold Schindler, sumo-sacerdote de Melquisedeque, revela como
Joseph e Porter Rockwell afogaram uma senhora de mais de 70 anos de idade no Rio
Mississipi, porque falara muito nas aventuras de casamentos "celestiais" de Smith no templo
de Nauvoo?

Resposta:
Em primeiro lugar o templo de Nauvoo só ficou pronto depois da morte de Joseph.
Em segundo lugar, Schindler não acusa Joseph em seu livro, pelo contrário, através de uma
pesquisa séria, defende-o da acusação acima.
Quando estive em Nauvoo, comprei o livro de Schindler sobre a biografia de “Orrin
Porter Rockwell – Man of God/ Son of the Thunder. Como um historiador, Schindler revela
de uma forma bem imparcial os rumores que os inimigos de Joseph espalhavam na época.
Na página 105 da 2a. Edição, Schindler cita o caso acima, conforme foi escrito no livro de
Wilhelm W. Wymetal, Mormon Portraits, pp. 47-49. Segundo este Wymetal, o velho
Richard Rushton, empregado fiel da "Nauvoo Mansion" (última residência de Joseph
Smith) lhe contara a suposta conversa que ouvira entre Smith e Rockwell logo após o
igualmente suposto assassinato:
"… Eu sinto muito, disse o profeta, se eu tivesse pensado nisso uns poucos minutos
mais cedo, você (Porter Rockwell) não teria afogado a Irmã _ _ _ _ _ _ _".
Diante de uma acusação tão séria, Schindler acrescenta: “Wymetal não dá nenhuma
razão por ter suprimido a identidade da vítima”, nem consegue explicar por que seus
familiares ou amigos não sentiram sua falta.
Um pouco mais adiante Schindler relata: “Wymetal fez um último esforço para
obter evidências sobre o suposto assassinato em uma entrevista com Willian Law (antigo
conselhereiro de Joseph que houvera se apostatado e se juntado aos Higbees e Fosters,
arquitetos do futuro martírio de Joseph e Hyrum), publicada no Salt Lake Tribune, 31 de
Julho de 1887. Ele perguntou: “Você ouviu falar de uma velha senhora que foi afogada em
interesse da Igreja?” Law replicou: “Eu ouvi falar de uma mulher que foi posta de lado.
Diziam que ela havia sido trazida à tona do rio Mississipi e enterrada em uma ilha perto da
margem ou na outra margem do rio perto da água. Mas naquela época eu não acreditava
uma palavra em rumores desse tipo e não os investiguei”.
Ao que Harold Schindler, como um bom historiador, conclui: “Deve-se notar aqui
que as óbvias tentativas de Wymetal em desacreditar os Mórmons colocam o seu trabalho
sob suspeita”.
Ou seja, eu também posso acusar deliberadamente Wymetal de ter violentado uma
criança, que provas teria eu para consubstanciar o fato? Quando aconteceu e principalmente
quem foi a vítima? Se não consigo nem identificar o nome da vítima, é mais fácil eu ser
preso por perjúrio e difamação do que o meu suposto acusado!

4) As predições de Smith falharam? Salém não foi entregue para a Igreja como previsto
em D&C 111:4 e a seção 130:15 diz que a 2a. Vinda se daria em 1890.

Resposta:
Muitas das predições do profeta Joseph Smith já se cumpriram (ver Profecias Cumpridas de
Joseph Smith) e algumas restantes ainda se esperam por cumprir.
Na profecia da Seção 111 diz "no devido tempo" a cidade seria entregue e que o Senhor
reservava "diversos tesouros" para a Igreja. É claro que esses tesouros foram conversos para a Igreja
Restaurada e não ouro e prata como alguns insinuam.
Na seção 130 Joseph inquire ao Senhor sobre o tempo da 2a. Vinda (provavelmente devido
ao movimento de Glen Miller afirmando que de acordo com a profecia das 70 semanas em Daniel,
Cristo retornaria em 1843 ou 1844!) e recebe a resposta que se (ênfase no condicional) vivesse até
1890 veria a face do Senhor, contudo o mesmo Smith afirma na seção que não sabia se aquele seria
o tempo da 2a. Vinda ou apenas mais uma revelação do Senhor, concluindo apenas na mesma seção
que o Milênio nem a 2a. Vinda se dariam antes desta data, no que ele estava completamente certo!

(5) 5) Não “profetizou Joseph” a Oliver B. Huntington sobre habitantes da Lua?


Na bênção Patriarcal de Oliver B. Huntigton, dada pelo pai de Joseph, não havia a
promessa de que essa “profecia” seria cumprida?

Resposta:
A declaração de Oliver Huntigton apareceu pela primeira vez em 1892, refere-se a uma
possível conversação com Joseph em 1837, quase 55 anos depois do episódio acontecido.
Oliver Huntigton deveria ter apenas 11 anos na época em que conheceu o Profeta, se esta
conversa realmente existiu ou se Joseph falou de habitantes da Lua para o garoto apenas para
brincar com sua imaginação ou para com a de ambos, não o sabemos.
Sabemos apenas que a crença em habitantes da Lua era comum no início do século XIX. As
revelações de D&C 76 e Moisés 1 declaravam a possibilidade de muitos mundos habitados criados
por Deus, se alguns membros da época (incluindo Brigham ou Hyrum) especulavam sobre a
possibilidade de selenitas, seriam apenas idéias refletindo o contexto social de seu tempo. Assim ao
lermos diversas vezes os profetas na Bíblia falar em: "pensamentos do coração", refere-se à crença
antiga do coração como o centro dos pensamentos, não o cérebro (Gênesis 6:5; Juízes 5:15; I
Crônicas 29:18; Jó 17:11; Salmos 33:11; Jeremias 23:20; Daniel 2:30; Mateus 15:19; Lucas 2:35;
Hebreus 4:12). Moisés ao classificar o morcego como uma ave, ao invés de mamífero (Levíticos
11:13-19 e Deuteronômio. 14:11-18), reflete apenas o contexto de sua época, muito tempo antes das
primeiras classificações taxonômicas de Aristóteles.
Sabemos, contudo, que Joseph não recebeu nenhuma revelação quanto ao assunto e jamais
ensinou isto em público ou em particular para algum líder da Igreja, pois nenhum líder posterior
ensinou alguma doutrina sobre homens na Lua.
Quanto à interpretação dada por Huntigton de sua bênção patriarcal, vejamos as palavras de
sua bênção conforme registrado no Livro de Bênçãos Patriarcais (na verdade está registrada como
sendo dada por seu próprio Pai, e não pelo pai de Joseph, contudo sabemos que ambos estavam
dando bênçãos patriarcais no mesmo dia e lugar (1836, Kirtland), o que pode ter originado a
confusão entre o que está registrado e a memória de Oliver Huntigton -10 anos na época):

"Eu ponho minhas mãos sobre ti e te abençôo com uma bênção patriarcal... tu serás chamado a
pregar o evangelho a esta geração... antes de completares 21 anos tu serás chamado para pregar a
plenitude do evangelho, terás poder com Deus mesmo para transladar a ti mesmo aos céus, e pregar
aos habitantes da lua ou dos planetas, se isto te for requerido..." (Patriarchal Blessing Books, 9:
294, 295)
Apesar das bênçãos patriarcais referirem-se a bênçãos reservadas ao indivíduo se
permanecer fiel e diligente em adquiri-las, elas não são necessariamente profecias. A linguagem
empregada na bênção de Oliver Huntigton sobre habitantes da Lua e planetas me parece mais como
uma forma de retórica para enfatizar a extensão do poder de Deus se aquilo fosse de fato
requerido. Provavelmente, Oliver Huntigton não interpretou bem aquelas palavras.
Resumindo, fico com duas possibilidades:
a) a) Joseph nunca falou com Huntigton sobre habitantes da lua, mas uma interpretação
errônea de sua bênção patriarcal e a crença de habitantes em outros mundos segundo
Moisés 1 e D&C 76 levou a supor depois de 55 anos que Joseph lhe ensinara isso.
b) b) Mesmo que Joseph tivesse tido essa conversa com o garoto de 11 anos, jamais ensinou
isso como doutrina ou revelação, pois nenhum líder subseqüente a repetiria, refletindo
apenas idéias ou imaginações correntes próprias de seu tempo.

6) Não foi Joseph Smith enganado pelas fraudulentas Placas de Kinderhook? Isto não
prova que ele não traduziu pelo poder de Deus?
Resposta por Jeff Lindsay
Estou surpreso que este antigo argumento continua a ser usado. Se você tem acesso aos
periódicos SUD, um excelente e extensivo artigo sobre as placas de Kinderhook foi escrito pelo Dr.
Stanley B. Kimbal na Ensign de Agosto, 1981, pp. 66-74. A conclusão é que não há nenhuma prova
de que Joseph Smith caiu no esquema da aparente fraude das placas de Kinderhook. Ele
aparentemente não mostrou nenhum interesse nelas após sua exposição inicial – se ele realmente as
viu!
Críticos apontam para uma anotação supostamente feita por Joseph Smith na oficial
História da Igreja datada de Maio de 1843, que estabelece que Joseph traduziu parte das placas de
Kinderhook e descobriu ser elas escritas por um descendente de Ham e do Faraó do Egito. No
entanto, esta declaração é na realidade do diário de William Clayton. A citação do diário de William
Clayton foi adicionada à edição em série da “História de Joseph Smith” impressa no Deseret News
em Utah em 1856, muito tempo após a morte de Joseph, embora fosse alterada para ficar na
primeira pessoa segundo a perspectiva de Joseph Smith: “Eu traduzi…” ao invés de “Presidente J.
traduziu…” É bem conhecido, de acordo com Kimball, “que a edição em série da ‘História de
Joseph Smith’ consiste largamente de itens tirados de fontes de diários de outras pessoas ou de
outras fontes, coletadas durante o período de vida de Joseph Smith e continuou após os Santos
terem se mudado para Utah, depois editada e ajuntada para formar a história da vida do profeta ‘em
suas próprias palavras.’” Kimball nota que esta estranha prática era comum naquele século para
biógrafos.
A fonte das idéias expressas por Clayton é desconhecida, mas parece consistente com o alto
nível de especulação entre muitos membros da Igreja sobre a significância do achado de
Kinderhook. Alguns diziam que aquelas placas tratavam sobre povos do Livro de Mórmon, outros
falavam Egípcios. Muitos falavam de uma tradução que eles esperavam iria acontecer. O ponto
significante é que não há nenhuma evidência de que Joseph mostrou algum interesse nelas.
Nenhuma tentativa de tradução foi tomada, nenhuma tentativa foi feita para comprar as placas
(como ocorreu com os autênticos pergaminhos Egípcios e múmias que foram trazidas a Joseph,
parte da história do Livro de Abrão). Elas deixaram Nauvoo sem fanfarra e aparentemente sem
nenhuma objeção – uma reação estranha caso Joseph tivesse achado que elas fossem alguma
espécie de tesouro sagrado. Talvez Joseph ou outros possam ter percebido algumas similaridades
superficiais entre os caracteres das fraudulentas placas de Kinderhook e aqueles que eles haviam
visto nas placas de ouro ou no pergaminho egípcio. Nenhuma apologia é necessária da parte de
Joseph Smith.
Os detalhes da História das placas de Kinderhook são interessantes e intrigantes. Elas
parecem ter sido fabricadas por vários conspiradores em uma possível tentativa de ganhar dinheiro
através da venda delas como artefatos antigos. É comumente assumido que elas foram feitas a fim
de expor Joseph Smith e que Joseph caiu na deles. Por exemplo, um livro antimórmon bem popular
mas extremamente enganoso, The God Makers (Os fabricantes de Deus) não providencia nenhuma
documentação para estas infundadas declarações. Na verdade, a mais antiga referência conhecida
(corrija-me se existe alguma anterior) às placas de Kinderhook como uma fraude é uma carta
particular de W.P. Harris datada de 25 de Abril de 1855, uma carta que não foi descoberta e tornada
pública até 1912.
Nessa carta, Harris declarava ser um dos nove homens que orquestraram a fraude a fim de
expor Joseph Smith. Um outro homem que alegava estar por dentro da fraude, W. Fugate, escreveu
seu testemunho em 1879 alegando que havia sido uma fraude. Ambas as fontes são intrigantes. Se
Joseph caiu na armadilha de Fugate em 1843, por que ele esperou 36 anos para declarar isso? Por
que ele esperou até depois da morte dos outros oito homens que ele alegava terem participado com
ele da fraude de Kinderhook? Da mesma forma, se a carta de 1855 de Harris é autêntica, por que
esperou ele doze anos para registrar que ele havia exposto Joseph Smith? Se nove homens haviam
realizado seu objetivo e provado com sucesso em 1843 que Joseph Smith poderia ser apanhado
numa fraude grotesca, você pode apostar que provavelmente todos eles teriam feito isto larga e
rapidamente conhecido – não anos após a morte de Joseph. Estariam em publicações, cartas, jornais
e em todos os lugares. Mas nada está registrado senão após muitos anos mais tarde. Isto realmente
não faz o menor sentido.
Gilbert Scharffs em “The Truth About ‘The God Makers’” (A verdade sobre ‘Os fabricantes
de Deus’ - Publishers Press, Salt Lake City, Utah, 1986, pp. 146-148) oferece como uma
possibilidade o que Joseph disse e quis dizer conforme se encontra na História da Igreja (embora ele
pareça desconhecer que a passagem do diário de Willian Clayton foi a fonte aparente para o texto
atribuído a Joseph). As placas “desapareceram” após a descoberta e tentativa de venda (um dos
descobridores, R.S. Wiley, tentou vendê-las ao Instituto Nacional em 1843 – talvez um intuito de
lucro ao invés de uma intencional exposição de Joseh Smith precisa ser considerado). Mais tarde,
1920, uma única placa suposta de ser uma das placas de Kinderhook foi obtida pela Sociedade
Histórica de Chicago. Esta placa de latão realmente parece ser uma fraude – mas Scharffs questiona
se ela é realmente uma das placas de Kinderhook. Fugate dizia ser elas de cobre, não de latão. É
também diferente em tamanho da descrição dos originais. Para Scharffs, permanece incerto o que
eram realmente as placas de Kinderhook e se eram uma fraude. Pessoalmente, todavia, eu acho que
seja razoável concluir que elas eram fraudulentas.
Certamente não há nenhum documento original de Joseph Smith conhecido mencionando
as placas de Kinderhook, as quais deveriam ser de grande importância se ele realmente pensasse
que novos registros antigos tivessem sido descobertos.
As placas de Kinderhook não são realmente a questão. Se Joseph Smith foi uma fraude, ele nos deu
mais de 500 páginas de detalhada informação no Livro de Mórmon as quais facilmente o exporiam.
Não há nenhuma necessidade de confiar em fontes espúrias, inverificáveis e apresentando pobre
material como as placas de Kinderhook. Nem você e nem eu consegue escrever 10 páginas de
“escritura” baseados num ambiente totalmente estranho, sobre o qual nós nada conhecemos e
realizar qualquer coisa diferente do que oferecer prova a todo mundo que seríamos fraudes
cômicas. O poder e magnificência da palavra de Deus no Livro de Mórmon é uma prova ampla de
que alguma coisa mais profunda está acontecendo aqui, muito mais do que simplesmente um jovem
fazendeiro tentando fabricar uma desesperançosa fraude. Minha opinião, é claro – mas ponha a
prova vocês mesmos e vejam como isto se encaixa - é de que é um livro assombroso e maravilhoso.

Bibliografia Utilizada nesta janela

The truth about the God-Makers


“Orrin Porter Rockwell – Man of God/ Son of the Thunder. Harold Schindler
Regras de Fé
Obras- padrão
History of the Church
A Igreja Restaurada
Encyclopedia of the Mormonism
Offenders for a Word (Daniel C. Peterson & Stephen D. Ricks, pp. 153-155)

por Élder Moreira: Missão Porto Alegre Sul (1990-1992)