Você está na página 1de 4

Partida

O esforço conclusivo, em um trabalho desta natureza, só pode se dar pela via da


afirmação de sua abertura para intervenções criativas, reformulações desconstrutivas ou
releituras atualizadoras. Como buscamos mostrar no decorrer de nossas análises, estamos
presenciando e ajudando a compor um momento de desmanche de certezas e de permanente
renovação simbólica. As teorias contemporâneas, em diálogo com o contexto sociocultural
no qual estão inseridas, nos põem frente a reordenações desestabilizadoras, ao mesmo
tempo em que nos libertam da obrigação de procurar verdades absolutas e construir
coerências inquestionáveis.
No caso da abordagem de um objeto que se mostra como um dos principais pontos
da relativização e desconstrução conceitual em voga: as culturas populares e seus usos
estéticos e políticos; devemos, ainda, levar em consideração a importância da produção de
estudos acadêmicos críticos voltados para a localização de possibilidades concretas de
democratização e reversão das exclusões e desigualdades estruturais ainda atuantes.
Beatriz Resende, em seus Apontamentos de Crítica Cultural, nos alerta para a
função primordial que os Estudos Culturais assumem nestes debates. Por terem sido
forjados justamente como resposta às necessidades latentes de revisão de categorias
colocadas pelas transformações em vigor, as reflexões que suscitam estão sempre atentando
para provisoriedade dos estudos que atualmente se propõem a pensar construções culturais,
e para o caráter político da ampliação teórica que estes estudos executam. Como diz
Resende:

É por acreditarmos na possibilidade de se desenvolver uma reflexão a partir dos espaços de


livre circulação de idéias e de estarmos convencidos da necessidade de se ocupar um lugar
crítico, que apostamos no debate em torno dos Estudos Culturais. (Resende, 2002, p. 23)

Neste sentido, os Estudos Culturais devem ser entendidos como prática política,
como disposição desconstrutiva que reúne trabalhos de procedências variadas. Ao invés de
se fecharem em referenciais estreitos, seus promotores aliam-se em prol de interesses
comuns, entre os quais se destaca o agenciamento da pluralização. Sendo assim, a rejeição
de encerramentos teóricos não significa imparcialidade ou ausência de posicionamento
crítico. Ao contrário, implica, sempre, escolhas, mesmo que não definitivas, porque
localizadas, conjunturais e estratégicas.
Trata-se de uma opção pelo envolvimento e de uma vontade de intervenção. Posição
combativa que retém teorias por contestação, ou seja, não rejeita suas proposições, mas as
desencadeia, no sentido largo de tirar do cárcere e desenvolver ou ampliar. Para além de
considerar a intervenção dos contextos sobre as teorias, trabalha-se com teorias contextuais,
já que a cultura aparece como área de deslocamento, campo simbólico de representações e
mediações – indiretas, descentradas, subjetivas. Tal constatação revela o caráter arbitrário
das totalizações e a incompletude qualquer abordagem.
Pode-se compreender que o que esteve em questão no debate aqui levantado, foram
os processos de reordenação identitária pelo qual estão passando as culturas periféricas, e
os deslocamentos de tradições refletidos tanto na arte quanto na crítica cultural. No interior
dessa discussão ampla, procuramos identificar as categorias e os recortes conceituais que
fundamentaram as diferentes formas de organização e intervenção construídas por atores
sociais envolvidos com a movimentação cultural de um centro urbano periférico. Ou seja,
os confrontos entre movimento/cena, nação/periferia, localização/deslocamento,
oposição/subversão, nos levaram a reconhecer a diversidade de percepção sobre a qual se
fundam discursos variados de reivindicação de autonomia cultural e de valorização das
expressões populares.
Assim como a música de Chico Science, a literatura de Ariano Suassuna nos serve à
comprovação da permanência do apelo simbólico do subalterno. Autores, como tantos
outros, interessados pela riqueza estética exibida pelas formas rechaçadas e por suas
estratégias criativas, se envolvem na afirmação política das alternativas apresentadas aos
modelos hegemônicos pelos grupos subordinados.
Trilhando caminhos diversos, muitas vezes opostos e conflitivos, essas duas
personagens nos põem diante das reordenações culturais pelas quais estão passando as
sociedades periféricas e nos fazem enxergar a centralidade da relocação do popular neste
processo. Como nos descreve Science:

Quando eu era bem mais novo, lá pelos 12 anos, dançava ciranda. A ciranda veio do
interior, da Zona da Mata, para o litoral. Meus pais tinham uma ciranda. Elas geralmente
eram feitas na frente dos botecos ou nas mercearias da região. Os caras pagavam os

121
tocadores de ciranda para chamar mais clientes para as barraquinhas. Isso foi proliferando
cada vez mais e chegando ao litoral. Então, eu já dancei ciranda na praia, no bairro, e vi os
maracatus também. Assisti na minha infância os maracatus fazendo o “acorda povo”, que
acontece na época de São João, sempre lá pela meia-noite. As pessoas saem cantando:
“Acorda povo/Acorda povo/Que o galo cantou/São João já te acordou”. Então eu vi todas
estas coisas que nos ensinaram como folclore, como uma manifestação já passada, mas que
não é bem desta maneira que você tem que ver. Existem ritmos ali que podem ser
aproveitados. E você pode aprender a tocar porque é da sua terra, é do Brasil e é uma coisa
que você entende – é a tua língua. Nesse tempo a gente consumia a música estrangeira
também, nos bailes da periferia. (...) Tinha coisas que eu escutava naquele período que
guardo até hoje em meu inconsciente. Acontece que os maracatus estão esquecidos, a
ciranda quase ninguém vê, a embolada, os caras ficam nas praças, mas é para pegar uma
grana. O coco ainda tem também, mas está desaparecendo. Então, o que a gente pretende é
mostrar alguma coisa nova a partir disso. Se a gente for tocar maracatu do jeito que ele é, a
galera vai pegar no nosso pé. Então, a idéia básica do manguebit é colocar uma parabólica
na lama e entrar em contato com todos os elementos que você tem para fazer uma música
universal. Isso faz com que as pessoas futuramente olhem para o ritmo como ele era antes.
(Science In: Garrido, 1994)

As colocações do músico resumem todo o argumento construído no decorrer deste


trabalho – de que as novas condições de manifestação das tradições populares transformam-
nas, mas não as eliminam – e apresentam as formas de convivência e interação cultural que
ocuparam, de maneiras diversas, os articuladores do projeto armorial e os promotores da
“cena mangue”.
Tais agentes depararam-se com um popular que se dá sob o hibridismo e a dinâmica
característicos da cultura contemporânea e que se caracteriza pela capacidade de mutação
que o mantém ativo. Processa-se como território de luta pelo poder, espaço de manifestação
das tensões e negociações com a cultura hegemônica. Quando esta dimensão relacional é
negligenciada, tanto a compreensão da construção de hegemonia como processo dinâmico
de imposição, apropriação e sedução, quanto o entendimento da formação do subalterno
como movimento inerente a sistemas desiguais se encontram ameaçados.
Todas estas noções nos direcionaram para a adoção da forma de abordagem sugerida
pelos Estudos Culturais, aqui também tomados como espaço onde se entrecruzam diversas
disciplinas acadêmicas, diferentes perspectivas políticas e locais de produção de sentido
variados, permitindo-nos apreender a multiplicidade, a transitoriedade e a permeabilidade
dos universos culturais que investigamos.
Tratamento semelhante às colagens e superposições sonoras e textuais estudadas
também pôde ser aplicado aos fragmentos de imagens e enunciados dos autores abordados,
assim como a justaposição de estudos e teorias nos ajudou a articular uma análise voltada

122
para a desconstrução de discursos e para o estabelecimento de um diálogo simétrico entre
os projetos em confronto.
Por fim, gostaríamos de deixar claro que nosso objetivo aqui não foi apresentar uma
leitura sistemática ou definitiva das criações de Science e Suassuna, nem esgotar as
possibilidades de análise das propostas formuladas por armoriais e mangueboys, mas, como
já foi dito, aproveitar o mote oferecido por tal disputa simbólica e política para abrir uma
discussão acerca do lugar do popular na cultura contemporânea e das formas de atuação
possíveis diante de tal contexto.

123