Você está na página 1de 39

Rodrigo Bezerra – Língua Portuguesa – Exercícios

Questões selecionadas – ESAF


Leia o seguinte texto para responder à questão abaixo.

“O mundo é plano”, livro do jornalista Thomas

Friedman, mostra que há uma nova globalização por

aí. Ela achatou o planeta e explodiu as noções de

distância, tempo e trabalho. Recriou a China e a Índia.

5 Ao contrário da globalização financeira dos anos 90,

nessa há lugar para brasileiros. Na primeira, ganhava

quem tinha dinheiro. Agora, pode ganhar quem tem

educação, quer aprender mais e acredita no seu

trabalho.

10 É nessa hora que se abre espaço para Pindorama.

Se os jovens brasileiros começarem a brigar por mais

computadores em suas casas, escolas e trabalho, a

brincadeira terá começado.

O livro não arruma empregos para seus leitores, mas

15 ensina como eles acabam, onde reaparecem e como

reaparecem.

(Elio Gaspari, Um livro muito bom: “O mundo é plano”,

Folha de São Paulo, 18 de dezembro de 2005, com

adaptações)

01- Assinale a opção em que o termo da primeira coluna retoma, no texto, o termo da
segunda.

a) “nessa” (l.6) “globalização financeira dos anos


90” (l.5)

1 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


b) “primeira” (l.6) “nova globalização” (l.2)

c) “nessa hora” “Agora” (l.7)


(l.10)

d) “Pindorama” “livro do jornalista Thomas


(l.10) Friedman” (l.1 e 2)

e) “eles” (l.15) “leitores” (l .14)

02- Assinale a opção em que uma das duas alternativas propostas não preenche as
lacunas do texto de maneira correta e textualmente coerente.

É preciso entender ___(a)___ a cultura, mesmo quando ___(b)___ restritamente ao


âmbito das artes, não é simplesmente um campo passivo ___(c)___ forças sociais
interagem, um mero reflexo de uma realidade social ou mesmo uma área sagrada
___(d)___ as empresas simplesmente se aproveitam em nome de benefícios fiscais e
mercadológicos. ___(e)___ no desenvolvimento do mercado da cultura não só
diferentes formas e valores de troca, mas também a diferenciação da própria produção
artística segundo novas formas de comercialização da arte.

(Adaptado de Valéria Oliveira e Adriana Casali, Cultura, relações

públicas e ética – uma visão crítica)

a) que / de que

b) referindo-se / se refira

c) onde / em que

d) da qual / de que

e) Identificam-se / São identificadas

03- Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas do texto abaixo.

O reconhecimento _________ trabalho é um elemento ______ integra a vida dos jovens


no Brasil pouco ajuda para a compreensão das relações entre esse mundo e a
configuração da identidade. Ou seja, a sociabilidade tecida pela mediação dos vínculos
com o mundo do trabalho, extremamente diversificado, pleno de situações de
instabilidade, tende _________ menor força na conformação da identidade do jovem.
Tanto a fluidez, a precariedade e a indefinição das relações de trabalho no Brasil,
________ os seus possíveis efeitos na auto-imagem do trabalhador podem contribuir
para o enfraquecimento do “orgulho pelo trabalho”, _________o “orgulho do provedor”.

(Marília P. Sposito, A sociabilidade juvenil e a rua: novos

conf itos e ação coletiva na cidade (com adaptações) Tempo

2 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


social, 165)

a) que – no qual – à – com – produzindo

b) que o – em que – a exercer – quanto – ao produzir

c) do – que – em – como – produz

d) de que o – que – a exercer – como – produzindo

e) de que – o qual – à – com – produzir

04- Assinale a opção gramaticalmente correta que dá continuidade coerente e coesa


ao seguinte texto:

O recente anúncio do IBGE da melhora da distribuição de renda no país trouxe uma


armadilha pouco percebida pela classe média. Embora o Brasil tenha crescido nos
últimos anos e gerado milhões de empregos com carteira assinada, as remunerações
típicas da classe média não evoluíram. Ou pior, caíram. O avanço da educação nos
últimos anos é chave para entender o problema: há muito mais gente qualificada
disputando as mesmas vagas – e muitas dessas vagas encontram-se em extinção.

(ÉPOCA NEGÓCIOS, 12 de dezembro de 2005, com

adaptações)

a) As pesquisas revelaram que os brasileiros mais pobres ganharam algum alento,


especialmente com o aumento do número de programas sociais. Embora pouco, sua
renda melhorou. Já os mais ricos nem sequer aparecem no estudo. Quem perdeu
mesmo foi a classe média.

b) Por isso, em dez anos o ganho médio dos trabalhadores de classe média decresceu
19,4%. Por outro lado, as despesas aumentaram com o peso dos impostos na renda
nacional de 20% desde o Plano Real. Só as tarifas públicas tiveram um aumento de
290%.

c) Nesse contexto, seu mercado de trabalho ficou mais competitivo, seja por que o
País cresce pouco e gera poucos empregos, seja por que as universidades estão
formando mais; o resultado é a queda na renda, especialmente entre as categorias,
típicas do meio da escada social.

d) Apesar de os critérios de renda sempre gerem controvérsias, para os institutos de


pesquisa uma família que ganha R$ 3.000,00 pode ser considerada de classe média;
posto que uma renda familiar desse porte não garante a uma família – sobretudo se
ela for grande – o padrão típico de consumo da classe média.

e) Ainda assim, ela perdeu espaço no mercado de trabalho, viu seu salário encolher e
as despesas aumentar. Concorre com cada vez mais gente qualificada pelas mesmas
vagas e está endividada para manter o padrão de vida do passado.
3 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
05- Assinale a opção que corresponde a erro gramatical ou de natureza semântica.

Durante cem anos, o eixo da economia mundial repousou sobre o Atlântico Norte, que
conecta os Estados Unidos à Europa Ocidental. Há duas décadas, esse eixo deslocou-
se(1) para a bacia do Pacífico, puxado pela expansão industrial asiática. Os pilares
sob(2) os quais se(3) apóia o novo eixo são os Estados Unidos e o Japão. A parceria
entre as duas potências econômicas evoluiu no sentido da assimetria e do
desequilíbrio. Essa(4) é a fonte da crise que atualmente as(5) assombra.

(Adaptado de Demétrio Magnoli, José Arbex e Nelson Bacic Olic,

Panorama do Mundo 2, São Paulo: Scipione, p. 25)

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

06- Assinale o trecho do texto que apresenta erro gramatical.

Machado de Assis – Um gênio Brasileiro, de Daniel Piza

a) Na apresentação da biografia de Machado de Assis (1839-1908), o jornalista Daniel


Piza observa que o autor foi, ao mesmo tempo, uma expressão de sua época e uma
exceção a ela.

b) Em seus contos e romances, ele deixou um retrato acurado do Rio de Janeiro do


século XIX, mas sua crítica ácida à sociedade brasileira nem sempre foi percebida
pelos seus contemporâneos.

c) Piza busca demonstrar que Machado era muito diferente do protagonista de seu
último romance, Memorial de Aires.

d) O escritor não tinha “tédio a controvérsias”, pois, na verdade, participou dos


grandes debates públicos de sua época.

e) A ascenção social do mulato no Brasil escravista e a epilepsia estão entre os


aspectos de sua vida examinados no livro.

(Adaptado de Revista VEJA, 28 de dezembro de 2005,

p.196)

4 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


07- Assinale a opção que apresenta truncamento sintático.

a) Duas pesquisas, divulgadas nos últimos dias, mostram que as políticas sociais e de
combate à fome implementadas pelo governo federal começam a apresentar
resultados concretos na melhoria das condições de vida do povo brasileiro.

b) Um estudo da Fundação Getúlio Vargas, intitulado “Miséria em Queda”, baseado em


dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), do IBGE, confirmando
que a miséria no Brasil caiu em 2004, e atingiu o nível mais baixo desde 1992.

c) O número de pessoas que estão abaixo da linha da pobreza passou de 27,26% da


população, em 2003, para 25,08% em 2004. Em 1992, esse percentual era de 35,87%.

d) É considerado abaixo da linha da pobreza quem pertence a uma família com renda
inferior a R$ 115 mensais, valor considerado o mínimo para garantir a alimentação de
uma família. O estudo da FGV mostrou que o índice de miséria no Brasil caiu 8% de
2003 para 2004, deixando o país com a menor proporção de miseráveis desde 1992.

e) A redução da taxa foi fortemente influenciada pela queda na distância entre os ricos
e pobres no Brasil, registrada em três anos consecutivos. Somente em 2004, a
desigualdade caiu duas vezes mais do que no ano anterior.

(Trechos adaptados de Em Questão, Subsecretaria de Comunicação

Institucional da Secretaria-Geral da Presidência

da República, n. 379, Brasília, 30 de novembro de 2005)

08 - (ESAF – TCU 2006)- Assinale a substituição necessária para que o texto fique
gramaticalmente correto.

A situação social, política e econômica em que se

encontra a população negra é conseqüência de um

longo processo estrutural-histórico do qual mudanças

dependem de políticas públicas amplas e pautas

05 muito além das formulações dos preconceitos ou das

discriminações do racismo como têm sido dadas.

Aprofundar a base teórica significa aprofundar o campo

das ações nas áreas do trabalho, da habitação, do

urbanismo, da economia, da saúde, da cultura e da


5 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
10 educação.

(Henrique Cunha Jr. “Novos caminhos para os movimentos negros”

in Política Democrática - Revista de Política e Cultura, Brasília:

Fundação Astrogildo Pereira, Ano V, n. 12, agosto de 2005.)

a) em que (l.1) > na qual

b) do qual (l.3) > cujas

c) de um (l. 2) > do

d) têm sido (l. 6) > são

e) nas ( l. 7) > em

09(ESAF – TCU 2006)- Assinale a opção que corresponde a erro gramatical.

O artista não é o porta-voz(1) da informação, nem do saber ou da realidade, nem da


objetividade ou do coletivo, nem de si(2) mesmo. O artista contemporâneo é aquele
que cria condições, na obra, para que nela(3) se processe o trabalho específico de
sua arte – o trabalho do filme, o trabalho do romance, o trabalho da pintura –, que,
mais do que(4) representar a existência, põem(5) essa existência em ação, para ele
mesmo e seu público.

(Teixeira Coelho)

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

10- Os trechos abaixo compõem um texto. Assinale o segmento que apresenta erro
gramatical.

a) A principal barreira para o crescimento do país é a informalidade, ou seja, a


ilegalidade consentida.

b) O conceito de informalidade não se resume à economia paralela, movida por


multidões de camelôs. É mais amplo.

6 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


c) Alcança distorções que comprometem a concorrência entre empresas, como a
sonegação de impostos, o descumprimento de obrigações legais de toda ordem e, em
especial, o descaso pelos direitos de propriedade intelectual.

d) São inúmeros os prejuízos provocados pela ação de quem agem ilegalmente. Uma
conseqüência, porém, é vital, mas de difícil observação a olho nu: o incentivo à
ineficiência e à falta de competitividade.

e) Os informais não investem em máquinas e equipamentos. Não inovam. Copiam.


Evitam parceiros legais, não se

credenciam a receber investimentos ou crédito e isso os empurra cada vez mais fundo
para os subterrâneos.

(Adaptado de Revista Veja, 7 de dezembro de 2005.)

11(ESAF – AFRFB/2005)- Mas os problemas do mundo dos nossos netos e bisnetos


serão diferentes. Eles viverão no meio de um crescimento perigosamente
desequilibrado entre os povos. Sim, porque dois terços dos moradores do planeta –
cerca de dois bilhões de habitantes – terão de ser alimentados e educados em nações
pobres e sem recursos.

(Antônio Ermírio de Moraes, O planeta e o desafi o do futuro.

Jornal do Brasil, 20 de março de 2005, com adaptações)

Assinale a opção que constitui uma paráfrase coerente e gramaticalmente correta para
o trecho acima.

a) Contudo, os problemas do mundo dos nossos netos e bisnetos serão diferentes


porque eles viverão em meio a um crescimento perigosamente desequilibrado entre os
povos, dado que dois terços dos moradores do planeta – cerca de dois bilhões de
habitantes – terão de ser alimentados e educados em nações pobres e sem recursos.

b) Mas os problemas do mundo dos nossos netos e bisnetos serão diferentes, posto
que eles viverão no meio de um crescimento entre os povos perigosamente
desequilibrados. Sim, pois dois terços dos moradores do planeta (aproximadamente de
dois bilhões de habitantes), terão de ser alimentados e educados em nações pobres e
sem recursos.

c) Todavia os problemas do mundo dos nossos netos e bisnetos serão diferentes: eles
viverão no meio de um crescimento perigosamente desequilibrado entre os povos;
num planeta em cujos dois terços dos moradores – cerca de dois bilhões de habitantes
– terão de ser alimentados e educados em nações pobres e sem recursos.

d) Porém, os problemas do mundo, e dos nossos netos e bisnetos, serão diferentes,


pois viverão entre povos de um crescimento perigosamente desequilibrado. Isso,
porque cerca de dois bilhões de habitantes do planeta (dois terços deles) terão de se
alimentar e educar em nações pobres e sem recursos.

7 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


e) No entanto, os problemas do mundo dos nossos netos e bisnetos serão diferentes,
eles viverão em nações pobres e sem recursos, no meio de um crescimento
perigosamente desequilibrado entre os povos, onde terão de ser alimentados e
educados. Sim, porque serão dois terços dos moradores do planeta – cerca de dois
bilhões de habitantes.

As questões 12 e 13 tomam por base o seguinte fragmento de texto.

A extrema diferenciação contemporânea entre

a moral, a ciência e a arte hegemônicas e a

desconexão das três com a vida cotidiana

desacreditaram a utopia iluminista. Não faltaram

05 tentativas de conectar o conhecimento científico

com as práticas ordinárias, a arte com a vida, as

grandes doutrinas éticas com a conduta comum,

mas os resultados desses movimentos foram

pobres. Será então a modernidade uma causa

10 perdida ou um projeto inconcluso?

(Nestor Garcia Canclini, Culturas Híbridas, p. 33, com

adaptações)

12(ESAF – AFRFB/2005)- Preservam-se a coerência da argumentação e a correção


gramatical ao se substituir “desacreditaram a utopia

iluminista” (l.4) por

a) fez desacreditar a utopia iluminista.

b) desacreditaram-na.

c) tornaram desacreditada a utopia iluminista.

d) desacreditaram-se da utopia iluminista.

e) foi desacreditada para a utopia iluminista.

8 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


13(ESAF – AFRFB/2005)- Os fragmentos abaixo foram adaptados do texto O sentido
do som, de Leonardo Sá, para compor três itens.

Julgue-os quanto ao respeito às regras gramaticais do padrão culto da língua


portuguesa para assinalar a opção correta a seguir.

I. A ausência de discurso é silêncio. O silêncio enquanto formador do discurso


expressivo e entendido em sua forma dinâmica, em contraposição aquele que
corresponde à ausência de discurso, ganha amplitude a gravidade quando passa a ser
o perfil de comportamento, isto é, quando passa a ser uma atitude assumida por (e
imposta a) segmentos sociais que não “discursam”, mas que apenas silenciam, que
exercem a expressão em dimensão mínima e deixam projetarem-se no discurso de
outrem como sendo o seu discurso.

II. Em um contexto como o do Brasil, no qual há uma perversa concentração de


privilégios, e no qual o acesso aos meios disponíveis é restrito, outra vez coloca-se a
questão que abordamos ao falar dos silêncios: apenas alguns segmentos sociais
“emitem”, enquanto amplas maiorias tornam-se “silenciosas”, resultando daí que as
imagens acústicas encontram suporte em meios que, por razões tecnológicas e
culturais, são inacessíveis às massas.

III. Por conseguinte, esse monólogo passa a gerar imagens sobre si mesmo, imagens
de imagens, sem diálogo, produtos fortuitos que a indústria da cultura massifica,
difunde, impõe, substitui, esquece, retoma, redimensiona, rejeita e reinventa.... As
razões do “silêncio”, portanto, são também razões sociais e econômicas. Neste
silêncio, o que se absorve não são apenas imagens, mas também o imaginário em seu
conjunto pré-delimitado, um imaginário que não identifica as fontes de suas imagens,
que nem sequer se preocupa em identificá-las, que aos poucos as esquece.

Estão respeitadas as regras gramaticais apenas

a) no item I.

b) nos itens I e II.

c) no item II.

d) nos itens II e III.

e) no item III

14.(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) O texto abaixo foi transcrito com
erros. Assinale o único trecho gramaticalmente correto.

a) Há diversas maneiras de organizarem a produção e a distribuição de bens e


serviços, oriundo da interação de agentes especializados, inserido numa divisão social
do trabalho.

b) Um dos processos mais simples, e por isso dos mais antigos, é a produção simples
de mercadorias: os agentes são os possuidores individuais dos seus meios de produção
9 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
e distribuição e, portanto, também dos produtos de sua atividade, que eles
intercambiam em mercados.

c) O agente é nesse modo de produção quase sempre uma família ou um domicílio,


cujos membros trabalham em conjunto, usufruíndo coletivamente dos resultados de
sua atividade.

d) A agricultura familiar, o artesanato e o pequeno comércio são exemplos de


atividades integrantes desse modo de produção. O capitalismo se originou da
produção simples de mercadorias, negando-lhe ao separar a posse e o uso dos meios
de produção e distribuição.

e) Essa separação surge mais ou menos naturalmente do funcionamento dos


mercados, em que os vitoriosos no jogo competitivo acabam por apoderar dos meios
de produção e distribuição dos derrotados.

(Adaptado de Paul Singer)

15.(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) Assinale o trecho do texto abaixo


que foi transcrito de forma gramaticalmente correta.

a) A razão de ser do desemprego como elemento estrutural do capitalismo, derivam


diretamente do antagonismo entre compradores e vendedores da força de trabalho.

b) Aos compradores — as empresas capitalistas — interessa que haja concorrência


entre os vendedores para que o custo caia; aos trabalhadores, obviamente,
interessam o contrário.

c) Relativamente cedo os trabalhadores conquistaram o direito de se unir em


sindicatos, o que tornou possível e provável a monopolização da oferta da força de
trabalho.

d) A monopolização do mercado de trabalho, acrescidas das sucessivas conquistas de


direitos sociais pelos trabalhadores, tornou o custo do trabalho o preço estratégico da
economia capitalista, contraposto à taxa de lucro sobre o capital invertido.

e) Sempre que a economia se aproxima do pleno emprego — isto é, quando o exército


de reserva tende à zero — quase todos os preços subindo, ameaçando o valor “real”
da riqueza financeira.

(Itens adaptados de Paul Singer)

Leia o texto abaixo para responder à próxima questão

Quando surgiu a preocupação ética no homem? Em que momento da sua história


sentiu o ser humano necessidade de estabelecer regras definindo o certo e o errado?
Essas indagações, possivelmente existentes desde que o homem começou a pensar,
têm ocupado o tempo e o esforço de reflexão dos filósofos ao longo dos séculos. O fato
é que, desde seus primórdios, as coletividades humanas não apenas pactuaram
normas de convivência social, mas também foram corporificando um conjunto de

10 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


conceitos e princípios orientadores da conduta no que tange ao campo ético-moral.
Esta necessidade ética, sinalizando parâmetros de comportamento em todas as
esferas da atividade humana, naturalmente tinha que alcançar o exercício das
profissões.

(Adaptado de Ivan de Araújo Moura Fé, Desafios éticos - prefácio)

16- Analise as seguintes inferências:

I. O homem tem preocupação ética desde o início da história e, possivelmente, desde


que começa a pensar.

II. Filósofos têm se dedicado a refletir sobre as regras que definem o certo e o errado
ao longo dos séculos.

III. Profissões são resultados de conjuntos de conceitos e princípios norteadores de


conduta.

A argumentação do texto permite

a) todas as inferências.

b) apenas a inferência I.

c) apenas a inferência II.

d) apenas as inferências I e II.

e) apenas as inferências II e III.

Texto para a próxima questão

O enquadramento pós-estruturalista da teoria da

comunicação analisa o modo como a comunicação

eletronicamente mediada (o que eu chamo modo

de informação) desafia, e ao mesmo tempo

05 força, os sistemas de dominação emergentes

na sociedade e cultura pós-moderna. A minha

tese é que o modo de informação decreta uma

reconfiguração radical da linguagem, que constitui

sujeitos fora do padrão do indivíduo racional


11 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
10 e autônomo. Esse sujeito familiar moderno é

deslocado pelo “modo de informação” em favor de

um que seja múltiplo, disseminado e descentrado,

interpelado continuamente como uma identidade

instável. Na cultura, essa instabilidade coloca

15 tanto perigos como desafios que se tornam

parte de um movimento político – ou se estão

relacionados com as políticas feministas, minorias

étnicas/raciais, posições gays e lésbicas, podem

conduzir a um desafio fundamental às instituições

20 e estruturas sociais modernas.

(Haik Poster. A segunda era dos mídia)

17-Assinale a inferência que não está coerente com a argumentação do texto.

a) Na cultura pós-moderna, o modo de informação estabelece com os sistemas de


dominação relações em dois sentidos.

b) Uma reconfiguração da linguagem repercute na reconfiguração dos sujeitos sociais,


seja na cultura moderna seja na pós-moderna.

c) Uma identidade instável caracteriza o sujeito, múltiplo, disseminado e inserido em


movimentos políticos, culturais e sociais.

d) Sujeitos deslocados pelo modo de informação eletronicamente mediado provocam


uma instabilidade que se torna parte de movimento político.

e) O padrão do indivíduo racional e autônomo conduz a políticas que podem desafiar


os fundamentos das instituições e estruturas modernas.

Enquanto o patrimônio tradicional continua sendo

responsabilidade dos Estados, a promoção da

cultura moderna é cada vez mais tarefa de empresas

e órgãos privados. Dessa diferença derivam dois

12 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


05 estilos de ação cultural. Enquanto os governos

pensam sua política em termos de proteção e

preservação do patrimônio histórico, as iniciativas

inovadoras ficam nas mãos da sociedade civil,

especialmente daqueles que dispõem de poder

10 econômico para financiar arriscando. Uns e outros

buscam na arte dois tipos de ganho simbólico: os

Estados, legitimidade e consenso ao aparecer como

representantes da história nacional; as empresas,

obter lucro e construir através da cultura de ponta,

15 renovadora, uma imagem “não interessada” de sua

expansão econômica.

(Nestor Garcia Canclini, Culturas Híbridas, p. 33, com

adaptações)

18(ESAF – AFRFB/2005)- Assinale como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes


inferências a respeito do texto.

( ) O Estado e a sociedade civil são co-responsáveis por ações culturais, cada um no


seu âmbito.

( ) Não existe preservação do patrimônio histórico sem produção de cultura de


ponta.

( ) Ambos os estilos de ação cultural identificados no texto produzem ganhos


simbólicos.

( ) Financiar iniciativas culturais inovadoras implica incorrer em riscos econômico-


financeiros.

( ) A arte pode servir para camuflar interesses econômicos expansionistas.

( ) Só pela atuação cultural, os Estados podem tornar-se representantes da história


nacional.

A seqüência de respostas corretas é

a) V-V-F-F-V-F

13 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


b) V-F-V-V-V-F

c) V-F-F-V-V-V

d) F-F-V-F-F-V

e) F-V-V-F-V-F

Leia o seguinte texto para responder à questão abaixo.

A palavra ética, no cotidiano brasileiro, ganhou um

status paradoxal: é muito falada, muito cortejada e

sinônimo de transformação da realidade, mas, na

prática, parece algemada a um passado prisioneiro de

05 práticas que ferem a lei e, portanto, a própria ética.

Nesse contexto há inúmeros obstáculos a vencer.

Não há dúvida de que os avanços se têm sucedido. E o

balanço do debate em torno da ética nos negócios, na

política, no dia-a-dia do cidadão demonstra: a agulha

10 magnética da defesa da ética tem se movido em ritmo

ascendente, num mutirão dos mais construtivos.

Embora o percurso a vencer seja acidentado e longo,

não há dúvida de que a perplexidade, de natureza

passiva, irá ceder lugar, mais rapidamente do que se

15 possa imaginar, à força da ação; esta, sim, a chave

para fazer da ética no país um valor permanente e de

natureza coletiva.

(Emerson Kapaz, Perplexidade e indignação, Correio

Braziliense, 22 de dezembro de 2005, com adaptações)

19(ESAF – IRB/Analista)- De acordo com o desenvolvimento da argumentação, assinale


a opção que não está incluída na situação referida pela expressão “Nesse contexto”
(l.6).

a) Práticas que ferem a lei, contrárias a uma transformação ética da realidade social.
14 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
b) Atuação coerente da ética na sociedade, como valor permanente e de natureza
coletiva.

c) Contradição entre o uso freqüente de uma palavra e as práticas que não


correspondem ao seu significado.

d) Mutirão dos mais construtivos no debate sobre a implantação de uma ética de valor
permanente na sociedade.

e) Apesar dos obstáculos, avanços em torno da ética em vários campos: nos negócios,
na política, no dia-a-dia do cidadão.

Leia o seguinte texto para responder à questão abaixo.

“O mundo é plano”, livro do jornalista Thomas

Friedman, mostra que há uma nova globalização por

aí. Ela achatou o planeta e explodiu as noções de

distância, tempo e trabalho. Recriou a China e a Índia.

5 Ao contrário da globalização financeira dos anos 90,

nessa há lugar para brasileiros. Na primeira, ganhava

quem tinha dinheiro. Agora, pode ganhar quem tem

educação, quer aprender mais e acredita no seu

trabalho.

10 É nessa hora que se abre espaço para Pindorama.

Se os jovens brasileiros começarem a brigar por mais

computadores em suas casas, escolas e trabalho, a

brincadeira terá começado.

O livro não arruma empregos para seus leitores, mas

15 ensina como eles acabam, onde reaparecem e como

reaparecem.

(Elio Gaspari, Um livro muito bom: “O mundo é plano”,

Folha de São Paulo, 18 de dezembro de 2005, com

adaptações)

15 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


20(ESAF – IRB/Analista)- A expressão figurada do título do livro mencionado está
diretamente associada à idéia de que

a) a globalização alterou as noções de distância, tempo e trabalho.

b) os brasileiros aprenderam a planejar melhor seu mercado de trabalho.

c) os empregos surgem, desaparecem e reaparecem com grande rapidez.

d) os espaços dos países emergentes são mais bem aproveitados na economia


mundial.

e) a educação tornou-se tão importante quanto o trabalho na busca pelo sucesso.

Leia o texto para responder à questão 21.

A questão proposta é a do acaso. Na tradição ocidental, o tema aparece


invariavelmente ligado a um outro, o da razão: o dos limites e do alcance da
racionalidade. Nem seria errôneo afirmar que o empenho maior para o pensamento
filosófico inaugurado na Grécia antiga resume-se em querer vencer a sujeição ao
acaso. De fato, um dos traços peculiares ao homem primitivo está em deixar-se
surpreender pelo acaso, em guiar-se pelo imprevisível. Já o homem racional instaurado
pelos gregos entrega-se, pela primeira vez na história, a esse esforço descomunal e
decisivo para a evolução do Ocidente, de tentar conjurar o mais possível as peias do
acaso, estabelecendo as bases para um comércio racional do homem com o seu meio
ambiente; mais precisamente: a postura racional passou a designar, de modo
gradativo, um comportamento de dominação por parte do homem, elaborando
racionalmente as suas relações com a natureza, o homem terminaria abocanhando as
vantagens de ver subordinada a natureza aos seus desígnios pessoais.

(Gerd Bornheim. Racionalidade e acaso. fragmento)

21(ESAF – AFRFB/2005)- Assinale a opção que apresenta coerência com as idéias do


texto e correção gramatical.

a) Seria errôneo afirmar que nem o empenho maior do pensamento filosófico grego
sujeitaria-se ao objetivo de querer trocar os limites do acaso pelo alcance da
racionalidade.

b) A racionalidade opõe-se ao acaso na medida em que é uma postura culturalmente


adquirida, que visa não mais

deixar o homem surpreender-se pelo imprevisível, mas ressaltar a supremacia da


razão sobre a natureza.

c) Vencer a sujeição ao acaso pode ser considerada uma das errôneas preocupações
do pensamento filosófico

16 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


inaugurado na Grécia; ou seja, ter como propósito superar um dos traços peculiares do
homem primitivo.

d) A evolução do Ocidente resulta do esforço descomunal e decidido (do homem


racional) de se extirpar o mais possível as teias do acaso, fundamentando a
racionalidade no comércio e no meio ambiente.

e) A dicotomia entre o homem que se deixa surpreender pelo acaso e aquele que
tenta conjurar o mais possível o imprevisível, guia-se pelo racional, terminando por
ganhar as vantagens de designar a natureza a seus arbítrios.

Leia o texto para responder à questão 22.

É urgentemente necessário criar critérios objetivos para a seleção de projetos,


obrigando a autoridade pública a comprovar o atendimento a critérios mínimos de
interesse público, de viabilidade econômico-financeira, de equilíbrio social e
ambiental e de agregação de valor. Diante da realidade federativa do Brasil, é de se
esperar também que o governo federal tenha uma visão ampla e generosa do papel
central que deve exercer, no incentivo

às boas práticas de planejamento e implantação de projetos. Essas inquietações


surgem porque ações prepósteras do governo podem gerar erros graves na condução
de programas de Parcerias Público-Privadas (PPP). Reverter erros em PPP – que se
verificam na experiência internacional – pode custar muito caro ao país e a frustração
decorrente pode inviabilizar mudança cultural tão necessária.

(Rubens Teixeira Alves & Leonardo Grilo. PPP – uma lei só

não faz verão. Correio Braziliense, 25 de julho de 2005, com

adaptações)

22(ESAF – AFRFB/2005)- A argumentação textual está organizada em torno da


seguinte relação de condicionalidade:

a) Não haverá realidade federativa se o governo federal não tiver uma visão ampla e
generosa do seu papel central de incentivador das boas práticas de planejamento e
implantação de projetos.

b) Se ações proteladoras do governo gerarem inquietações que ocasionem erros


graves na condução de programas de PPPs, poderá ser inviabilizada a mudança
cultural por eles pretendida.

c) Será urgentemente necessário criar critérios objetivos para a seleção de projetos, se


for verificada na experiência internacional que reverter erros nas PPPs pode custar
caro.

d) Erros graves na condução de PPPs podem custar caro ao país, se não forem criados
critérios objetivos para a seleção de projetos e a autoridade pública não comprovar o
atendimento a critérios mínimos.

17 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


e) Se custar muito caro ao país a frustração decorrente de más práticas de
planejamento e implantação de projetos, poderá ser inviabilizada a mudança cultural
tão necessária para a implantação das PPPs.

23(ESAF- AFRFB/2005)- Os problemas políticos contemporâneos são extremamente


inquietantes e complexos e exigem intensos esforços para sua compreensão. Parece-
me que pode haver um caminho promissor na perspectiva que busca problematizar
não os valores da modernidade mas a lógica das fundações através da qual esses
valores foram apresentados com o caráter de verdade que legitimou projetos de
dominação em seu interior. Ao invés de rejeitar a modernidade, esse pensamento
crítico investe em seu caráter reflexivo, visando ampliar os ideais libertários e
emancipatórios do projeto iluminista.

(Sylvia G. Garcia, Antropologia, modernidade, identidade. In:

Tempo Social, vol. 5, no. 1 – 2, com adaptações)

De acordo com o desenvolvimento das idéias do texto, a autora sugere que

a) o projeto iluminista deve rejeitar a modernidade.

b) o pensamento crítico e reflexivo deve tomar o lugar da lógica da modernidade


iluminista e libertária.

c) a complexidade dos problemas políticos contemporâneos decorre da falta de


esforço para sua compreensão.

d) é impossível chegar à compreensão da lógica das verdadeiras fundações dos


valores sem compreender os valores de dominação da modernidade.

e) é problematizando a lógica da fundação dos valores da modernidade que se pode


compreender os inquietantes problemas políticos contemporâneos.

Leia o texto para responder à questão 24.

A extrema diferenciação contemporânea entre

a moral, a ciência e a arte hegemônicas e a

desconexão das três com a vida cotidiana

desacreditaram a utopia iluminista. Não faltaram

05 tentativas de conectar o conhecimento científico

com as práticas ordinárias, a arte com a vida, as

18 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


grandes doutrinas éticas com a conduta comum,

mas os resultados desses movimentos foram

pobres. Será então a modernidade uma causa

10 perdida ou um projeto inconcluso?

(Nestor Garcia Canclini, Culturas Híbridas, p. 33, com

adaptações)

25(ESAF- AFRFB/2005)- Assinale a opção que constituiria, de maneira coerente com a


argumentação e gramaticalmente correta, uma possível resposta para a pergunta final
do texto.

a) A resposta poderia estar na sugestão de aprofundar o projeto modernista, inserindo-


o com a prática cotidiana, renovando-o o sentido das possíveis contradições.

b) Para não considerá-la causa perdida, alguns teóricos sugerem encontrar outras vias
de inserção da cultura especializada na práxis cotidiana, por meio de novas políticas
de recepção e de apropriação dos saberes profissionais.

c) Visando ao desenvolvimento de uma autonomia social e cultural, vários autores


retomam uma tradição de pensamento que diz de que o moderno se forma nas cinzas
do antigo e na luz que trouxe pelo novo.

d) Segundo alguns pensadores modernos, não se tratam de projeções utópicas os


empreendimentos culturais e sociais que renovam valores modernistas, enriquecendo
saberes especializados.

e) Nem causa perdida, nem projeto inconcluso: apenas a necessidade que o


conhecimento e as relações sociais vêm a ser recolocados em novos patamares de
dinâmica interna, criando novas relações entre os sujeitos.

Leia o texto para responder à questão 26.

A crítica ao desenvolvimento no contexto da

globalização capitalista é que ele está centrado na

ilusão de que o crescimento econômico pode ser

ilimitado, que ele é e será sempre sinônimo de

05 mais empregos, bem-estar e felicidade, e isso para

toda a humanidade. A história de quinhentos anos

19 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


de capitalismo e de todo sistema centrado no produtivismo

e no consumismo tem comprovado que

essa noção é equivocada; tem sido motivo de

10 frustração para a maioria da população trabalhadora

e fator de sistemática destruição do meio ambiente.

Questiona-se também o fato de o crescimento

capitalista não estar centrado nas necessidades,

aspirações e recursos dos povos e nações, mas na

15 propensão ao consumo daqueles indivíduos e

países que têm poder de compra. Em conseqüência,

quanto mais se produzem e se acumulam

riquezas, maior o número das pessoas, coletividades

e países excluídos daquele crescimento, daquela

20 acumulação e, portanto, do direito à vida, ao

trabalho e ao desenvolvimento.

(Sandra Quintela e Marcos Arruda)

27(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) Assinale a opção que está de


acordo com as idéias do texto.

a) No contexto da globalização capitalista o crescimento econômico não encontra


limites, mas apresenta uma crítica ilusória.

b) O crescimento capitalista está voltado para quem tem poder aquisitivo, o que
provoca grande margem de exclusão social.

c) A crença de que toda a humanidade se beneficia com empregos , bem-estar e


felicidade se há crescimento econômico ilimitado é combatida pelos adeptos da
globalização capitalista.

d) O produtivismo e o consumismo são a comprovação de que a população


trabalhadora tem tido acesso ao crescimento econômico.

e) A destruição do meio ambiente cessa quando as populações têm acesso ao


consumo.
20 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
28- Os seguintes fragmentos foram adaptados do texto Opinião alheia não interessa,
de Márcia De Luca, (Revista GOL, novembro de 2005). Assinale a ordem em que
devem ser escritos para que componham um parágrafo coerente e coeso.

( ) Como isso não acontece, o ego sofre; egos inflados dependem de uma constante
entrada de mais ar para se manterem assim, ou começam a esvaziar.

( ) Mas, se exagerada, torna-se um sentimento nocivo e uma porta aberta para o


sofrimento.

( ) Para todo ser humano, a auto-estima é um valor fundamental.

( ) Isso porque quem endeusa a si próprio espera que os demais o tratem de forma
condizente, ou seja, “reconhecendo-o” como “ser superior”.

( ) Assim, quem tem certeza do que é e do que pode, não precisa de ninguém para
confirmar isso.

A ordem obtida é

a) 3 - 5 - 1 - 4 - 2

b) 4 - 3 - 1 - 5 - 2

c) 4 - 2 - 1 - 3 - 5

d) 5 - 4 - 3 - 2 - 1

e) 5 - 3 - 2 - 4 – 1

29(ESAF – AFRFB/2005) Os trechos abaixo constituem um texto, mas estão


desordenados. Ordene-os nos parênteses e indique a seqüência correta.

( ) Principalmente porque, com recursos parcos e uma formação basicamente


literária, ele anteviu o mundo em que vivemos, no qual as palavras se evaporam e se
dispersam em redes virtuais, as idéias circulam em direções caóticas e a noção de
sentido, quer dizer, de uma direção e de um futuro, se perde num presente em
abismo.

( ) E no qual, enfim, depois de séculos de hostilidade e de enclausuramento, o


homem se veria dissolvido em uma grande colcha democrática, capaz de abrigar a
todos, sem lugares fixos e sem destinos rígidos, um mundo, por fim, em que
poderíamos compartilhar uma mesma experiência.

( ) Profeta da morte da imprensa e do fim de um mundo linear e geométrico, ele


antecipou, já nos anos 50 e 60, a chegada de um novo mundo unificado, na forma de
grande teia, e gerido por uma espécie de alma suprapessoal.

( ) Nascido em 1911, em Edmonton, Canadá, Herbert Marshall McLuhan foi, afora


erros e acertos de suas hipóteses, um pensador genial.

21 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


( ) Previa McLuhan que, nesse novo mundo unificado da mídia que estava a se
afirmar, os homens se veriam imersos em uma grande malha global, um mundo
devassado, sobreposto e instantâneo, no qual as idéias se dissolveriam e as
diferenças se anulariam – exatamente como na cultura pop que ele mesmo via nascer.

(Adaptado de José Castello http://nominimo.ibest.com.br/http://nominimo.ibest.com.br/notitia)

a) 5º, 3º, 2º, 1º, 4º

b) 2º, 5º, 3º, 1º, 4º

c) 3º, 2º, 4º, 5º, 1º

d) 4º, 1º, 5º, 3º, 2º

e) 1º, 4º, 2º, 5º, 3º

30.(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) Os trechos abaixo constituem um


texto, mas estão desordenados. Ordene-os nos parênteses para que constituam um
texto coeso e coerente e indique a opção correspondente.

( ) Em torno das multinacionais produtoras de veículos que constituem esse núcleo,


encontram-se grandes empresas fornecedoras de peças e componentes automotivos e
empresas produtoras de bens de capital e eletro-eletrônicos.

( ) A região do ABC paulista agrega um importante complexo industrial, formado a


partir dos anos 50. Esse parque industrial tem no setor metalmecânico, e mais
centralmente no setor automotivo, o seu núcleo dinâmico.

( ) Essa forte concentração industrial e o fato de ter sido palco das grandes greves do
final dos anos 70 e da construção de um novo sindicalismo fizeram com que a região
passasse a exercer um importante papel econômico e político no cenário nacional.

( ) Entre essas transformações podem-se observar: fechamento de empresas


industriais, deslocamento de plantas produtivas para outras regiões do país,
reestruturação da produção e do trabalho, enxugamento das grandes estruturas
verticalizadas, redução da mão-de-obra na indústria, expansão do setor de serviços e
novo perfil dos postos de trabalho.

( ) Contudo, desde o início dos anos 90, a economia do ABC vem passando por um
processo de intensas mudanças.

(Nilson Tadashi Oda 92)

a) 1, 3, 4, 2, 5

b) 3, 2, 1, 4, 5

c) 2, 1, 3, 5, 4

d) 4, 3, 5, 2, 1

22 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


e) 5, 2, 1, 3, 4

Leia o seguinte texto para responder às questões 31 e 32.

A palavra ética, no cotidiano brasileiro, ganhou um

status paradoxal: é muito falada, muito cortejada e

sinônimo de transformação da realidade, mas, na

prática, parece algemada a um passado prisioneiro de

05 práticas que ferem a lei e, portanto, a própria ética.

Nesse contexto há inúmeros obstáculos a vencer.

Não há dúvida de que os avanços se têm sucedido. E o

balanço do debate em torno da ética nos negócios, na

política, no dia-a-dia do cidadão demonstra: a agulha

10 magnética da defesa da ética tem se movido em ritmo

ascendente, num mutirão dos mais construtivos.

Embora o percurso a vencer seja acidentado e longo,

não há dúvida de que a perplexidade, de natureza

passiva, irá ceder lugar, mais rapidamente do que se

15 possa imaginar, à força da ação; esta, sim, a chave

para fazer da ética no país um valor permanente e de

natureza coletiva.

(Emerson Kapaz, Perplexidade e indignação, Correio

Braziliense, 22 de dezembro de 2005, com adaptações)

31(ESAF – IRB 2006)- Considerando o desenvolvimento das idéias do texto, assinale a


opção incorreta a respeito do uso dos sinais de pontuação no texto.

a) O sinal de dois pontos na linha 2 introduz um esclarecimento sobre o que foi


anunciado como “status paradoxal”.

b) A substituição da vírgula que separa a oração iniciada por “mas” (l.3) de sua oração
coordenada anterior pelo sinal de ponto e vírgula teria a vantagem de separar orações
em um período que já tem alguns termos intercalados, demarcados por vírgulas.

23 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


c) Desconsiderando os ajustes na letra maiúscula, o emprego da conjunção
coordenativa iniciada por “E o balanço”(l.7e 8) indica que o ponto que a antecede
poderia ser omitido ou substituído por vírgula sem que isso resultasse em erro
gramatical ou incoerência textual.

d) O emprego da vírgula depois de “ascendente”(l.11) introduz uma expressão


adverbial; por isso é obrigatório e sua omissão resultaria em erro gramatical.

e) A oração que se segue ao sinal de ponto e vírgula à linha 15 constitui uma


afirmação enfática, de acordo com a argumentação do texto, e por isso esse sinal
poderia ser substituído pelo travessão simples, para destacar o final do enunciado.

32- Assinale a justificativa incorreta para o emprego do sinal de pontuação.

Desde 1993,(1) houve a apreensão de 582 mil m3 de madeira em tora. O Ibama


emitiu multas no valor de R$ 1,8 bilhão, 241 pessoas envolvidas em ações ilegais
foram presas (63 delas servidores públicos e 178 empresários madeireiros,
despachantes e contadores). O governo confiscou 26 tratores,(2) 54 caminhões e 459
motosserras. Para manter e aprofundar resultados na luta contra o desmatamento,(3)
o governo luta pela aprovação do Projeto de Lei de Gestão de Florestas Públicas,(4)
que tramita há nove meses no Congresso. O Projeto permitirá ao governo implantar
Distritos Florestais para estímulo de manejo sustentável de produtos e serviços da
floresta. O primeiro deles já tem endereço certo:(5) a região da BR- 163 (16 milhões
de hectares - 5 milhões destinados ao manejo e produção de 4,1 a 6,7 milhões de m3
de toras, com geração de 100 mil empregos diretos).

(Rubens Amadori - Ibama)

a) 1 - para separar adjunto adverbial anteposto.

b) 2 - para separar elementos que compõem uma enumeração.

c) 3 - para separar oração subordinada adverbial anteposta à principal.

d) 4 - para isolar oração subordinada adjetiva explicativa.

e) 5 - para indicar uma citação de outra voz.

Enquanto o patrimônio tradicional continua sendo

responsabilidade dos Estados, a promoção da

cultura moderna é cada vez mais tarefa de empresas

e órgãos privados. Dessa diferença derivam dois

05 estilos de ação cultural. Enquanto os governos


24 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
pensam sua política em termos de proteção e

preservação do patrimônio histórico, as iniciativas

inovadoras ficam nas mãos da sociedade civil,

especialmente daqueles que dispõem de poder

10 econômico para financiar arriscando. Uns e outros

buscam na arte dois tipos de ganho simbólico: os

Estados, legitimidade e consenso ao aparecer como

representantes da história nacional; as empresas,

obter lucro e construir através da cultura de ponta,

15 renovadora, uma imagem “não interessada” de sua

expansão econômica.

(Nestor Garcia Canclini, Culturas Híbridas, p. 33, com

adaptações)

33(ESAF – AFRFB/2005)- Assinale a alteração na pontuação que provoca incoerência


textual ou erro gramatical no texto.

a) A substituição do ponto final depois de “cultural” (l.5) por dois-pontos.

b) A substituição dos dois-pontos depois de “simbólico” (l.11) pelo sinal de ponto-e-


vírgula.

c) A substituição do sinal de ponto-e-vírgula depois de “nacional” (l.13) pela conjunção


e.

d) A inserção de uma vírgula depois de “construir” (l.14).

e) A retirada da vírgula depois de “ponta” (l.14).

34.(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) Em relação ao emprego dos sinais


de pontuação, assinale o trecho do texto abaixo que foi transcrito de forma
gramaticalmente incorreta.

a) Porque a concentração do capital possibilitou o emprego de vastas somas na


atividade inventiva e na fabricação dos novos meios de produção e distribuição, as
revoluções industriais tornaram-se economicamente viáveis.
25 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
b) Essa transformação levou à enorme expansão do modo de produção e distribuição
capitalista, em detrimento da produção simples de mercadorias, que, no entanto, não
desapareceu, mas foi convertida em um modo marginal e subordinado.

c) A ruína de parte do artesanato, do pequeno comércio e da agricultura camponesa


liberou numerosa mão-de-obra, que foi parcialmente absorvida pela economia
capitalista.

d) Tornou-se característica do capitalismo, o aproveitamento incompleto da


capacidade de trabalho do proletariado, ou seja, do que Marx conceituou como a
perpetuação de um exército industrial de reserva.

e) Nesse ponto, o capitalismo distingue-se dos demais modos de produção.

(Itens adaptados de Paul Singer)

35(ESAF – TCU 2006)- Em relação ao texto, assinale a opção incorreta.

Do ponto de vista político, a reentronização da hegemonia do

capital financeiro sobre a reprodução social capitalista

mundial significou a vitória da contra-revolução

política e econômica capitalista em todos os diferentes

05 universos em que as revoluções políticas capitalistas e

anticapitalistas tentaram se libertar do pesadelo de um

capital financeiro entregue a si próprio. Esse foi o causador

de duas guerras mundiais e várias escaramuças bélicas em

vários rincões do planeta, assim como da contra-revolução

10 capitalista, para não falar da inflação e do desemprego,

que jogaram os trabalhadores na miséria e no desespero,

no inferno das guerras, da fome e das perseguições

inomináveis. Eles tentaram se libertar do pesadelo derivado

de um dado histórico inequívoco: a voragem exterminista e

15 genocida do capital e do capital financeiro em primeiríssimo

lugar. E fracassaram.

26 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


(Paulo Alves de Lima Filho)

a) O emprego da expressão “reentronização da hegemonia” (l. 1) deixa pressupor que,


em período anterior, já havia existido hegemonia do capital financeiro sobre a
reprodução social capitalista mundial.

b) A expressão “hegemonia” (l. 1) tem, no texto, o sentido de preponderância,


superioridade, supremacia.

c) O pronome “Esse” (l. 7) refere-se a “um capital financeiro entregue a si próprio” (l. 6
e 7).

d) O pronome “Eles” (l. 13) refere-se a “vários rincões do planeta”(l. 9).

e) A conjunção “E” (l. 16) pode ser substituída, sem prejuízo para a correção
gramatical do período e para o sentido do texto, por Mas.

36(ESAF – TCU 2006)- Em relação ao texto, assinale a opção incorreta.

As barreiras regulatórias vão da dificuldade burocrática

de abrir um empreendimento ao custo tributário de

mantê-lo em funcionamento. No Brasil, representam 11% da

muralha antidesenvolvimento e resultam, na maioria das

05 vezes, da mão pesada do Estado – criador de labirintos

burocráticos, de onerosa e complexa teia de impostos e

de barreiras comerciais.

(Adaptado de Revista Veja, 7 de dezembro de 2005.)

a) A substituição de “da” (l.1) por desde a mantém a correção gramatical do período.

b) A substituição de “ao” (l. 2) por até o mantém a correção gramatical do período.

c) As formas verbais “representam” (l.3) e “resultam” (l. 4) referem-se a “As barreiras


regulatórias” (l.1).

d) A expressão “mão pesada” (l. 5) está sendo empregada em sentido conotativo.

e) A expressão “teia” (l. 6) está empregada em sentido denotativo.

Leia o texto para responder à questão 37.

O advento da moderna indústria tecnológica fez

27 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


com que o contexto em que passa a dispor-se a

máquina mudasse completamente de configuração.

Entretanto, tal mudança obedece a certas

05 coordenadas que começam a ser pensadas já na

antiga Grécia, que novamente se relacionam com

a questão da verdade. É que a verdade, a partir de

Platão e Aristóteles, passa a ser determinada de

um modo novo, verificando-se uma transmutação

10 em sua própria essência. Desde então, entende-se

usualmente a verdade como sendo o resultado

de uma adequação, ou seja, a verdade pode ser

constatada sempre que a idéia que o sujeito forma

de determinado objeto coincida com esse objeto.

(Gerd Bornheim. Racionalidade e acaso. fragmento)

37(ESAF – AFRFB/2005) -Assinale a opção correta a respeito do uso das estruturas


lingüísticas do texto.

a) Mantém-se a coerência da argumentação ao substituir “fez” (l.1) por faz; mas para
que a correção gramatical seja mantida, torna-se obrigatória então a substituição de
“mudasse” (l.3) para mude.

b) Preservam-se as relações de sentido entre “contexto” (l.2) e “máquina” (l.3) com a


substituição do pronome relativo “que” (l.2) por qual, mantendo-se obrigatória a
presença de “em”.

c) Tanto a supressão da preposição no termo “a certas coordenadas” (l.4 e 5) como sua


substituição por às preservam as relações de sentido e respeitam as regras de
regência verbal.

d) A construção da textualidade mostra que o advérbio “então” (l.10) refere-se ao


tempo de “Platão e Aristóteles” (l.8); por isso, preservam-se a coerência e a correção
do texto ao substituir “Desde então” (l.10) por Adiante desses filósofos.

28 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


e) A expressão “ou seja” (l.12) permite a troca de lugar entre os termos “adequação”
(l.12) e “verdade pode ser constatada sempre que a idéia que o sujeito forma de
determinado objeto coincida com esse objeto” (l.12 a 14), sem prejudicar a correção
gramatical do texto.

Texto para a próxima questão

Olhamos e não vemos. Não conseguimos olhar nada pela primeira vez. Já o primeiro olhar é
preconceituoso – dá

informação falsa ou verdadeira, mas sempre pré-fabricada, anterior ao ato de olhar. O economista
cheio de teorias

pensa que sabe o remédio para a inflação, a origem da miséria, o segredo da estabilidade e quanto
desaforo a

05 democracia agüenta. Erra como o médico, o astrônomo ou o caixa que aceita o cheque do homem
elegante, de terno e cabelo com brilhantina que parece ser rico, mas é estelionatário. Só que no
caso do economista, não é apenas o paciente que fica com dor de cabeça, ou mais um cheque sem
fundo.

São 10% de desempregados. Um deles acaba apontando um revólver para a sua cabeça. Nada é
visto pela primeira

vez. Ninguém olha atentamente como as corujas, antes de propor ou piar.

38.(ESAF – AFRFB/2005) Assinale o esquema que representa corretamente a estrutura sintático-semântica


do período sintático retirado do texto (desconsidere a pontuação e as letras maiúsculas).

a) (l 1 e 2) o primeiro olhar é preconceituoso

dá informação falsa

ou verdadeira

mas sempre pré-fabricada

b) (l. 2 e 3) O economista cheio de teorias

pensa que sabe o remédio para a inflação

a origem da miséria

o segredo da
estabilidade

e quanto desaforo...

29 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


c) (l. 4) Erra como o médico

o astrônomo

ou o caixa

que aceita o cheque do homem elegante

d) (l. 5) não é apenas o paciente que fica com dor de cabeça

ou mais um cheque sem fundo

e) (l. 7 e 8) São 10% de desempregados Um deles acaba apontando


um revólver

Nada é visto pela primeira vez para a sua


cabeça

Ninguém olha atentamente como...

Texto para a próxima questão

O enquadramento pós-estruturalista da teoria da

comunicação analisa o modo como a comunicação

eletronicamente mediada (o que eu chamo modo

de informação) desafia, e ao mesmo tempo

05 força, os sistemas de dominação emergentes

na sociedade e cultura pós-moderna. A minha

tese é que o modo de informação decreta uma

reconfiguração radical da linguagem, que constitui

sujeitos fora do padrão do indivíduo racional

10 e autônomo. Esse sujeito familiar moderno é

deslocado pelo “modo de informação” em favor de

um que seja múltiplo, disseminado e descentrado,


30 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
interpelado continuamente como uma identidade

instável. Na cultura, essa instabilidade coloca

15 tanto perigos como desafios que se tornam

parte de um movimento político – ou se estão

relacionados com as políticas feministas, minorias

étnicas/raciais, posições gays e lésbicas, podem

conduzir a um desafio fundamental às instituições

20 e estruturas sociais modernas.

(Haik Poster. A segunda era dos mídia)

39. (ESAF – AFRFB/2005) Julgue como falsos (F) ou verdadeiros (V) os seguintes itens
a respeito das estruturas lingüísticas do texto.

( ) Preservam-se as relações semânticas e a correção gramatical do texto ao


deslocar “pós-estruturalista” (l.1) para depois de “ teoria da comunicação” (l.1 e 2).

( ) Preserva-se a correção gramatical e a coerência, mas alteram-se as relações


semânticas do texto ao substituir “o que” (l.3) por a que.

( ) “Esse sujeito familiar” (l.10) corresponde ao “indivíduo racional e autônomo”


(l.9 e10).

( ) Preservam-se as relações semânticas e a correção gramatical do texto ao


substituir “como” (l.13) pela preposição por.

( ) O desenvolvimento da textualidade mostra que, na linha 15, se o termo


“desafios” fosse substituído por o desafio, a flexão de plural em “que se tornam”
deveria ser substituída pela flexão de singular.

A seqüência obtida é

a) V-F-V-V-F

b) V-V-F-F-V

c) F-V-V-F-F

d) F-F-V-V-V

e) F-V-V-F-V

31 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


Texto para a próxima questão

IBGE e BNDES mostraram que a desesperança nas

cidades pequenas empurra a força de trabalho para

as médias, que detêm maior dinamismo econômico.

A carga da pesada máquina administrativa das

05 pequenas “cidades mortas” é paga pelas verbas

federais do Fundo de Participação dos Municípios.

A economia local nesses municípios, como o IBGE

também já mostrou, é dependente da chegada do

pagamento dos aposentados do Instituto Nacional

10 de Seguridade Social. O seminário “Qualicidade”, por

sua vez, confirmou que a favelização é produto de

“duas ausências”, a do crescimento econômico e a

de política urbana.

(Gazeta Mercantil, 17/10/2005, Editorial)

40.(ESAF – AFRFB/2005) Em relação ao texto, assinale a opção correta.

a) A forma verbal “detêm” (l.3) está no plural para concordar com “cidades pequenas”
(l.2).

b) A expressão “é paga” (l.5) concorda com “máquina administrativa” (l.4).

c) As vírgulas após “municípios” (l.7) e após “mostrou” (l.8) justificam-se por isolar
oração intercalada entre termos da oração principal.

d) O emprego de dois-pontos após “duas ausências” (l.12), no lugar da vírgula,


prejudica a correção do período.

e) A presença de artigo definido feminino singular, em suas duas ocorrências (l.12),


indica que se pode subentender após o artigo a repetição da palavra
“favelização”(l.11).

32 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


41(ESAF – AFRFB/2005)- As opções trazem o diagnóstico e a indicação de correção do
que estiver gramatical e lingüisticamente errado no trecho abaixo. Assinale a letra que
for verdadeira tanto para o diagnóstico quanto para a indicação de correção.

Podemos prever o traço fundamental do comércio

colonial: ele deriva imediatamente do próprio caráter

da colonização, organizada como ela está na base

da produção de gêneros tropicais e metais preciosos

05 para o fornecimento do mercado internacional. É a

exportação desses gêneros, pois, que constituirá

o elemento essencial das atividades comerciais da

colônia.

O comércio exterior brasileiro é todo ele, pode-se

10 dizer, marítimo. Nossas fronteiras atravessavam áreas

muito pouco povoadas, quando não inteiramente

indevassadas. A colonização portuguesa vinda do

Atlântico, e a espanhola, quase toda do Pacífico, mal

tinham ainda engajado suas vanguardas, de sorte

15 que entre ambas ainda sobravam vastos territórios

ocupados.

Circunstância essa ditada por contingências

geográficas e econômicas, e que tem grande

significação política e administrativa, pois facilitou,

20 pode-se dizer mesmo que tornou possível, o monopólio

do comércio da colônia que a metrópole pretendia para

si. Foi bastante reservar-se a navegação, providência

muito mais simples que uma fiscalização fronteiriça

– difícil, se não impraticável, nos extensos limites do

33 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


25 país.

(Caio Prado Júnior, História econômica do Brasil, com

adaptações)

a) Diagnóstico do erro: vírgulas isolando a conjunção “pois”(l.6). Indicação de correção:


suprimir a vírgula posterior à referida conjunção.

b) Diagnóstico do erro: pontuação da expressão “vinda do Atlântico”(l.12 e 13).


Indicação de correção: colocá-la entre parênteses, sem a vírgula após “Atlântico”.

c) Diagnóstico do erro: falta de concordância verbal no verbo “tinham” (l.14).


Indicação de correção: empregar o referido verbo no singular.

d) Diagnóstico do erro: incoerência textual no emprego do adjetivo “ocupados” (l.16).


Indicação de correção: substituí-lo por inocupados.

e) Diagnóstico do erro: mau emprego do travessão, na linha 24. Indicação de correção:


eliminá-lo.

Leia o texto para responder às questões 42 e 43.

A crítica ao desenvolvimento no contexto da

globalização capitalista é que ele está centrado na

ilusão de que o crescimento econômico pode ser

ilimitado, que ele é e será sempre sinônimo de

05 mais empregos, bem-estar e felicidade, e isso para

toda a humanidade. A história de quinhentos anos

de capitalismo e de todo sistema centrado no produtivismo

e no consumismo tem comprovado que

essa noção é equivocada; tem sido motivo de

10 frustração para a maioria da população trabalhadora

e fator de sistemática destruição do meio ambiente.

Questiona-se também o fato de o crescimento

capitalista não estar centrado nas necessidades,

aspirações e recursos dos povos e nações, mas na

15 propensão ao consumo daqueles indivíduos e

34 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


países que têm poder de compra. Em conseqüência,

quanto mais se produzem e se acumulam

riquezas, maior o número das pessoas, coletividades

e países excluídos daquele crescimento, daquela

20 acumulação e, portanto, do direito à vida, ao

trabalho e ao desenvolvimento.

(Sandra Quintela e Marcos Arruda)

42.(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) Em relação ao texto, assinale a


opção incorreta.

a) A expressão “e será sempre” (l.4) pode ser isolada por vírgulas sem prejuízo
gramatical para o período.

b) O sinal de ponto-e-vírgula após “equivocada”(l.9) pode ser substituído por sinal de


dois-pontos.

c) Pode-se subentender antes da expressão “tem sido”(l.9) idéia correspondente a


tanto que.

d) A expressão “Questiona-se” (l.12) pode ser substituída pela forma correspondente É


questionado.

e) Conforme a norma escrita culta, ao se eliminar o sinal indicativo de crase antes de


“vida”, antes de “trabalho” e de “desenvolvimento” (l.20 e 21) o emprego dos artigos
definidos é obrigatório.

43(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) Em relação ao texto abaixo,


assinale a opção incorreta.

O capitalismo é o modo de produção em

que os meios de produção e de distribuição, assim

como o trabalho, tornam-se mercadorias, apropriadas

privadamente. Os meios de produção e distribuição

05 tornam-se capital à medida que se concentram

nas mãos duma minoria, enquanto a maioria

se limita à posse de sua capacidade individual de

trabalho.

35 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


(Paul Singer)

a) Após a expressão “à medida”(l.5), admite-se, pela norma escrita culta, a inserção da


preposição em.

b) No primeiro período do texto predominam os tempos verbais do presente por tratar-


se de uma definição, de um conceito.

c) As ocorrências de “se” em “se concentram” e “se limita”(l.5, 6 e 7) têm a mesma


função sintática.

d) Em “se limita”(l.7), de acordo com a norma culta escrita, admite-se também a


colocação pronominal enclítica limita-se.

e) De acordo com as idéias do texto, o pronome “sua” (l.7) refere-se a “a maioria”(l.6).

44.(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) Assinale a opção incorreta em


relação ao texto.

Sob modalidades institucionais diferentes — padrão

ouro, padrão dólar, taxas flutuantes de câmbio

03 e de juros — a economia é freada preventivamente

antes que a espiral preços-salários a precipite

em uma inflação crescente. O caso das economias

06 latino-americanas, que tiveram grandes inflações

em época de paz, na segunda metade do

século XX, é a exceção que confirma essa regra.

(Paul Singer)

a) Os travessões podem ser substituídos por parênteses, sem prejuízo para a correção
do período.

b) Em “a espiral” e “a precipite”(l.4 e 5), o “a” exerce a mesma função sintática, pois


pertence à mesma classe gramatical.

c) Ao anteceder a expressão “preços-salários”(l.4) pela preposição de, mantém-se a


correção gramatical do período.

36 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


d) A eliminação da vírgula após “latino-americanas”(l.6) mantém a correção
gramatical, mas altera a informação do período.

e) A expressão “essa regra”(l.8) retoma a idéia de que “a economia é freada antes que
a espiral preços-salários a precipite em uma inflação crescente” (l.3, 4 e 5).

45.(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) m relação ao texto, assinale a


opção incorreta.

A concentração do capital, que se encontra na

origem do capitalismo, permitiu a invenção de

03 meios automáticos de produção e distribuição, ou

seja, em que o trabalho humano é substituído por

“forças naturais” de animais domesticados, da

06 água corrente, do vento etc. Em seguida, foram

inventadas formas mais complexas de captação e

governo da energia do vapor, da eletricidade, de

derivados do petróleo etc.

(Paul Singer)

a) A expressão “que se encontra na origem do capitalismo”(l.1 e 2) está entre vírgulas


por se tratar de oração de natureza explicativa.

b) Pode-se, sem prejuízo para o período, inserir a preposição de antes da palavra


“distribuição”(l.3).

c) De acordo com a norma escrita culta, “em que”(l.4) pode ser substituído por nos
quais, e a coesão textual é mantida.

d) A expressão “foram inventadas”(l.6 e 7) pode ser substituída, sem prejuízo para a


correção do período, pela estrutura inventaram-se.

e) A palavra “governo”(l.8) está sendo empregada com o sentido de propriedade


oficial.

46.(ESAF – Auditor Tesouro Municipal – Fortaleza/CE) Assinale a opção que preenche as


lacunas do texto com coesão e coerência.

37 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


Na década de 90, ______globalização da economia e______ reestruturação produtiva
somadas______ privatização das empresas públicas representaram para os
trabalhadores brasileiros, principalmente ________ inseridos no mercado formal, uma
dramática ruptura causadora do desemprego com índices jamais antes vistos na nossa
história. Trabalhadores antes incluídos nos mercados formais vieram somar-se aos já
historicamente excluídos, pertencentes ao mercado informal. ______ partir do fato de
que a referência social do trabalhador está atrelada ______ sua inserção na economia,
_____ perda do trabalho formal significa muito mais que _____ perda financeira. Nessa
conjuntura desfavorável aos trabalhadores floresceram importantes projetos, que
marcaram os anos 90, como reação______ processo de fechamento de postos de
trabalho e exclusão.

Gonçalo Guimarães)

a) a, a , à , aqueles, A, à, a, a, ao

b) à, a, a, àqueles, À, à, a, à, ao

c) a, à, à, aqueles, À, a, à, à, no

d) à, à , à , aqueles, A, a, à, a, do

e) a, à , à , àqueles, À, à, a, à, com o

47- Trechos destacados do texto foram reescritos na voz passiva. Assinale aquele em
que essa transformação não respeita as regras gramaticais ou os sentidos do texto
original.

a) Em que momento da sua história sentiu o ser humano necessidade de estabelecer


regras?

Em que momento de sua história foi sentida pelo ser humano a necessidade de
estabelecer regras?

b) Essas indagações têm ocupado o tempo e o esforço de reflexão dos filósofos ao


longo dos séculos.

Ao longo dos séculos, o tempo e o esforço de reflexão dos filósofos têm sido ocupados
por essas indagações.

c) Desde seus primórdios, as coletividades humanas não apenas pactuaram normas de


convivência social.

Não apenas desde seus primórdios, normas de convivência social foram pactuadas
pelas coletividades humanas.

d) Foram corporificando um conjunto de conceitos e princípios orientadores da


conduta no que tange ao campo ético-moral.

38 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?


Um conjunto de conceitos e princípios orientadores da conduta, no que tange ao
campo ético-moral, foram sendo corporificados.

e) Esta necessidade ética naturalmente tinha que alcançar o exercício das profissões.

Naturalmente, o exercício das profissões tinha que ser alcançado por esta necessidade
ética.

39 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?