Você está na página 1de 122
Carlos Roberto F Nogueira labe ~imaginario Diabo 6 uma das figuras eentrais do imaginério cristo ocidental. En- lrelanto, 0 estudo de suas origens & dos papéis histéricos que esta curiosa figu- ra desempenhou ao longo dos séculos no tem merecido a atengao necessaia, Nesta obra, Carlos Roberto Nogueira aprofunda com a crudigao necesséria esta problemstiea, pesquisando e apresentando a fusio existente entre a historia do Cris- tianismo e a histéria do préprio Diabo. O papel decisive desempenhado pela pre- senga deste personagem seus agentes dentro de uma erenga oficial — 0 Cristia- nismo — é analisado a partir da necessi- dade desta crenca personificar um cle- mento como 0 representante do Mal. tentativa, to earacteristica ao longo da histéria do Cristianismo, de tran- jiilizar © uniformizar as conscién- cias, & aqui estudada em suas causas efeitos, destacando-se que estes tiltimos no foram os definidos ¢ esperados segun- do seus objetivos originais, pois acabaram gerando aspectos, considerados nefandos por seus proponentes, que culminaram até mesma nium certo “prazer estético” em relagio a0 Mal. Apds as revolugdes burguesas na Europa, ha uma certa reabilitagao do Diabo, possibilitada sobretudo pela sepa- ragio entre Igreja ¢ Estado. Este momento merece uma anzilise especial do autor, que comenta ¢ aprofunda abordagens existen- tes e mesmo consagradas deste novo perio- do histérico. Eo momento em que 0 De- monio passa a ser um dos simbolos da revolta humana, encontrando seu pice em muitos autores do Romantismo.