Você está na página 1de 3

UMA OUTRA AVENTURA DE ALICE : A ZEBRA BINA

Por Carlos Magno Sampaio


magn.fis@gmail.com

Certo dia Alice passeava por uma estranha terra, coberta por uma vasta savana,
onde avistou uma zebra.
Enquanto se aproximava, a menina lembrou-se de uma velha dúvida: As zebras
são brancas com listras pretas ou são pretas com listras brancas?
-Bom dia - disse Alice.
-Bom dia,...uma menina!?- respondeu a zebra, observando atentamente a menina.
A zebra pareceu refletir.
- Isso é estranho... deve estar perdida.
Procuro alguém pra me ajudar a encontrar o caminho de volta pra casa,
desabafou Alice.
-Ah, sim. Gostaria muito de ajudar, falou a zebra, sacudindo o rabo. Mas nunca
nenhuma menina passeou pela minha savana, isso é certo!- E deu uma piscadela.-
Acompanhe-me, vou tentar ajudá-la.
Enquanto caminhavam, Alice não se conteve e disparou a pergunta.
A zebra riu-se e explicou:
-Cada zebra possui listras particulares que diferenciam umas da outras. Como as
marcas particulares que você tem nos dedos, que a diferencia de outras pessoas...
-Aaah...minhas impressões digitais!
-!!??Digitais...humm...sim, dígitos, isso mesmo. Como os dígitos binários, tenho
listras claras e escuras e de larguras diferentes, disse a zebra, orgulhosa.
A menina ficou confusa e a Zebra, percebendo, disse:
-Acredito que em seu mundo, o sistema de contagem é de base dez, decimal.
Pois em suas mãos vejo dez dedos.
Alice olhou suas mãos e acenou com a cabeça. A zebra, paciente e sagaz
continuou:
-Você conta de um a nove e depois de dez em dez. Uma dezena, duas dezenas,
três dezenas...até uma centena! Depois...
-Uma centena, duas centenas, ..um milhar. Sim, é isso! Você é muito esperta,
Dona Zebra. Exclama Alice, satisfeita.
-Pode me chamar de Bina, sorriu a zebra
-Meu nome é Alice, retribuiu a menina.
-Nós, zebras, somos animais binários. Minha pata fendida me serve ao sistema
binário...para mim só existe 0 e 1.
Alice então, reparou nas listras da zebra por um instante. Conforme a garota
reparava, ela finalmente conseguiu ver: abaixo de listras brancas e pretas finalmente se
desdobravam cadeias de 0 e 1, exatamente como um...
-Código de barras!- sorriu ela.
-Perdão?
-Ah, não, é só uma coisa de onde eu venho...- respondeu Alice, agora muito
interessada no sistema de contagem da zebra.- Mas se vocês usam dois algarismos,
como contam até, digamos, cinco?
A zebra deu um sorriso e riscou com a pata no chão arenoso, onde não havia
grama;
0
10 = 1 (unidade)
1
10 = 10 (dezena)
2
10 = 100 (centena)
-Se a gente fosse decompor o número cento e quarenta e dois, por exemplo, nós
teríamos que separar em centenas, dezenas e unidades.
2
1 x 10 =100 (uma dezena)
1
4 x 10 = 40 (quatro dezenas)
0
2 x 10 = 2 (duas unidades)
-Então 100 + 40 + 2 = 142.
-Entendi!
0 1 2
- Para as zebras, 2 é uma unidade, 2 é uma dupla e 2 é uma quadra. Agora, o
cinco, você diz? Muito fácil: você só precisa “desfazer” o número em unidades, duplas e
quadras!
0
1 x 2 = 1 (uma unidade)
1
0 x 2 = 0 (zero dupla)
2
1 x 2 = 4 (uma quadra)
Então fica 1 0 1 ( um-zero-um)
-E suas listras?
-Observe, Alice: Na nossa contagem, cada listra branca corresponde ao algarismo
zero e cada listra preta é representada pelo um. Mas, se você reparar bem, as minhas
listras têm espessuras diferentes, e representa-se essas espessuras com a repetição do
algarismo correspondente. Uma listra branca grossa, por exemplo, seria representada por
vários zeros.

-Chegamos. Disse Bina mostrando uma longa trilha que iniciava com uma placa
com as inscrições: “SAÍDA – 1111 0 1”.
-Que número é esse? Perguntou Alice.
-Quantos passos você deve seguir na trilha, depois você pára, vira à direita e sai.
Está em binário, você deve transformar para a base dez, do seu mundo.
-Adeus, Alice, e boa sorte!-Disse a zebra, se afastando.
-Adeus...Retribuiu Alice, pondo-se a transformar os números binários.
Texto final 2009

Interesses relacionados