Você está na página 1de 3

O uso de ferramentas antifaiscantes como meio de prevenção

de acidentes
Karl H.Schuth
Cosmo Palasio de M.Jr.
A ocorrência de explosões quase sempre implica na morte de pessoas. Lamentavelmente em
pleno século XX ainda é comum encontrarmos nos meios de comunicação noticias sobre
explosões ocorridas em indústrias e mesmo nos lares. No caso especifico dos lares, bem como
dos restaurantes quase sempre a causa da explosão está associada ao mal uso do botijão de gás;
Acidentes desta natureza poderiam ser evitados com um pouco mais de esclarecimento sobre o
assunto, aliás, um assunto que deveria ser obrigatório em nossas Semanas de Prevenção de
Acidentes em outros evento destinados a conscientização de pessoas.
Indo história adentro, devido as dificuldades de conhecimento da época, parece-nos até de certa
forma compreensível que nos tempos idos as explosões ocorressem. No entanto, em tempos
atuais pôr detrás de uma explosão estará sempre a falta de preparo de pessoas e quase sempre
alguma forma de economia com relação aos equipamentos. Enquanto a mentalidade de certas
pessoas estiver voltada para economias absurdas e assegurada pela certeza da impunidade, as
explosões continuarão ocorrendo, mutilando pessoas e tirando vidas.
Raros são os locais de trabalho onde não existam substâncias químicas ou petroquímicas
envolvidas no processo. Nos locais onde o manuseio com este tipo de produto é ligado a
atividade principal, a presença de especialistas no assunto minimiza os riscos. No entanto, não há
como negar que há uma infinidade de locais de trabalho, de empresas onde o manuseio e
manipulação é feito ao acaso com o objetivo único de se obter produtos e com ele ganhos.
Mesmo nós, profissionais de segurança do trabalho conhecemos pouco sobre o assunto e muitas
vezes estamos sentados sobre barris de pólvora prontos a explodir.
Não falamos aqui apenas de química; Que há gases extremamente explosivos como o butadieno,
o etileno e o hidrogênio todos sabemos. Que alguns líquidos são extremamente voláteis e se
misturam facilmente ao ar, podendo em ambientes fechados produzir misturas de fácil
combustão também temos consciência. Poucos no entanto lembram-se dos pós de substâncias
inflamáveis, que dispersos no ar tornam-se altamente explosivos. Farinha de trigo, pó de
alumínio, pó de carvão enquadram-se neste caso.
Dados obtidos a partir de pesquisas realizadas na Europa e nos EUA demonstram que a maior
causa de incêndios e explosões ocorridas com materiais voláteis ou explosivos é a faísca. Ao
leigo, tal afirmação pode parecer estranha, no entanto ao profissional de segurança, tal
conhecimento deve ser inerente do seu trabalho visto a potencialidade de acidentes que uma
faísca pode causar.
A faísca pode surgir sob várias condições. Há alguns anos tomamos conhecimento de um
acidente grave ocorrido em uma grande empresa, quando uma empregada de uma firma de
limpeza após ter limpado o piso dos escritórios com grande quantidade de solvente ligou uma
enceradeira. Na maioria das empresas onde há atuação do Serviços de Segurança do Trabalho há
todo um cuidado especial com presença de eletricidade em situações desta natureza,
principalmente com o uso de equipamentos especiais para áreas de Pintura ou outros processos
químicos, até mesmo no cuidado com veículos adaptados para acessarem áreas de risco.
Recentemente muito falou-se da presença de telefones celulares em postos de gasolina.
Obviamente toda forma de cuidado é mais do que válida e antes, necessária.
No entanto, distante de todas estas formas de risco, as vezes pela falta de informação, outras pelo
mero desejo de economia, encontramos o risco do uso de ferramentas inadequadas para este tipo
de ambiente. Quando referimo-nos as pesquisa feitas na Europa e EUA, constatou-se que a
origem da faísca que mais causa explosões diz respeito ao uso de ferramentas comuns (aço) em
locais onde há risco de explosão. Tal fato pode ser facilmente compreendido pôr profissionais de
segurança, visto que é comum encontrarmos empresas com amplos programas de segurança
voltados para diversos aspectos, onde pequenas falhas acabam propiciando acidentes de
proporções imensas, pôr vezes a falta de minúcias e o excesso de programas complicados e de
validade e eficácia duvidosas tornam os profissionais de nossa área cegos diante de situações que
levam a catástrofes.
Segundo especialistas, uma faísca de uma ferramenta de aço atinge temperaturas de 1550 a 1850
C, sendo produto de uma conversão de energia, ou seja, a energia cinética conseqüente da força
aplicada à ferramenta ou conseqüência da queda livre, transforma-se no impacto em energia
térmica nos dois materiais em colisão. Neste ponto, alguns outros fatos devem ser levados em
consideração, o primeiro deles e que nenhuma superfície é realmente lisa, ou seja, de fato
apresenta inúmeras irregularidades em formas de picos e saliências e estes picos acabam
recebendo a totalidade do impacto, quando forças enormes agem sobre essas áreas. Tais forças
arrancam pequenas partículas das faces da ferramenta, no caso do aço especificamente isso
ocorre de forma mais fácil devido a dureza do material . Soltas no ar, tais partículas pré
aquecidas pela energia do impacto sofrem em contato com oxigênio uma oxidação exotérmica,
que produz ainda mais calor e tornam a partícula incandescente.
Se todo o processo que explicamos acima parece simples, mais simples ainda é a forma que pode
ter inicio tal processo. O simples deslizar de uma chave de grifo mal ajustada sobre o tubo tem
força suficiente para dar origem a uma faísca. Impactos de ferramentas de aço contra objetos de
ferro ou aço, pisos ou paredes de concreto, pedras, objetos de ligas de alumínio ou magnésio,
seja este impacto voluntário ou acidental pode originar faíscas. Ao mesmo tempo, mesmo com
todos os cuidados tomados, pode também ocorrer a queda acidental de uma ferramenta.
Cuidados especiais devem ser tomados durante impactos sobre faces enferrujadas ou pintadas
com tinta a base de alumínio ou magnésio, visto alumínio e magnésio reagem com o óxido de
ferro (ferrugem)encontrado nas faces da ferramenta de aço..
Para exemplificarmos melhor as condições de risco existentes em tais trabalhos, falemos um
pouco sobre atmosferas explosivas/inflamáveis. Todos que tem um pouco de conhecimento nesta
área, sabem que a faíscas incandescente é apenas um dos fatores que contribuem para provocar a
ignição de materiais inflamáveis ou explosivos. Outros fatores são a proporção da mistura de gás,
vapor ou pó (é importante ressaltar o pó)inflamável com o ar e a temperatura mínima de
combustão destes elementos.
As proporções da mistura do ar com estes elementos para tornar a mistura explosiva são muito
variáveis. Normalmente pequenas concentrações de gás ou vapor inflamável constituem
condição favorável a ocorrência da ignição, como podemos ver abaixo:
- benzeno.............. 0,80 a 8,0 %
- butano................. l,50 a 8,5 %
- etanol.................. 2,60 a 18,9%
- metanol............... 6,00 a 36,0%
- propano............... 1,90 a 9,5%
Pôr outro lado, como já citamos anteriormente, as faíscas de ferramentas de aço atingem
temperaturas de 1550 a 1850 C, e como veremos abaixo a temperatura mínima de combustão de
misturas ar/gás, vapor inflamável ficam muito abaixo disso:
- benzeno................ 450 C
- butano................... 430 C
- etanol.................... 375 C
- metanol................. 400 C
- propano................. 465 C
Fica claro que o risco de explosão existe e deve ser considerado de forma rigorosa, portanto
sendo evitado o uso de ferramentas de aço em locais onde tal risco exista. Mesmo ambientes
monitorados, quando a monitoração é possível estão sujeitos a falhas ou problemas nos
equipamentos, e como profissionais de prevenção de acidentes cabe-nos observar tal
possibilidade, visto que tais falhas terão com certeza conseqüências incorrigíveis..
Diante do quadro exposto, fica claro que o uso de ferramentas de segurança nestes locais é
essencial. Tais ferramentas confeccionadas de cobre ou ligas diferentes deste metal (exceção feita
ao berílio pôr ser cancerígeno) asseguram a realização dos trabalhos com segurança.. Basta dizer
pôr exemplo, que a energia de impacto para arrancar partículas da face da ferramenta feita de
cobre e suas ligas é bem menor do que no caso das ferramentas de aço, pôr esta mesma razão, o
impacto não aufere a partícula atingida a energia térmica mínima que possibilite o inicio do
processo de oxidação exotérmica.
No mercado há uma grande variedade de ferramentas de segurança. Obviamente seu custo é mais
alto do que a ferramenta comum, no entanto sua aplicação especifica e os danos que pode evitar
com certeza valem o investimento. Certamente um trabalho bem elaborado pelo Depto. de
Segurança do Trabalho e apresentado aos responsáveis pelas empresas obterá êxito.
É importante dizer, que além do uso das ferramentas corretas, outros cuidados adicionais devem
ser tomados quando trabalhamos em áreas que contém materiais inflamáveis ou explosivos, ou
seja:
- não arrastar pelo chão objetos pesados de ferro ou aço.
- molhar e manter úmidos objetos enferrujados ou pintados com tinta a base de alumínio ou
magnésio.
- não usar roupas com fecho de metal.
- não acondicionar ferramentas (mesmo de segurança) em caixas de chapas de aço
Portanto, se até então, por desconhecimento ou seja lá qual for a causa, você ainda não tinha
atentado para este risco, é importante que agora torne a tomar as providências necessárias para
minimiza-lo.