Você está na página 1de 154

-1-

A HISTÓRIA DO MARANHÃO
Por : Klaus Roger B. Cunha

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


-2-

SÉCULO XVI
ACOLÔNIA

Ano de 1500 – 22 de abril – Descobrimento do Brasil

Assunto polêmico, que ainda hoje divide opiniões: acaso ou conhecimento prévio da

existência de terras para o ocidente? Cabral não mantinha ciosamente guardado o

manuscrito que lhe dera Vasco da Gama, em Lisboa, e não ouvira dele o conselho para que

navegasse mais para Oeste e escapasse das calmarias do golfo da Guiné? E Colombo já não

indicara o caminho, descobrira a América, embora pensando ter chegado às Índias? Há,

portanto, justificadas razões de suspeitas, reforçadas pelas velhas lendas da existência da

Atlântida, e de uma ilha misteriosa em meio do oceano, chamada Hy-Brasail. Por outro

lado,havia o interesse de tomar posse das terras que couberam a Portugal no “testamento de

Adão” (que era como Francisco I, de França, chamava ironicamente o Tratado de

Tordesilhas, de 1494), que dividia o mundo entre Portugal e Espanha. Assim, a 22 de abril

do ano de 1500, capitão e tripulantes da esquadra de Pedro Álvares Cabral, depois de 15

dias de viagem, pois partira de Lisboa a 8 de março, avistaram um monte muito alto e

redondo, a que deram o nome de Monte Pascoal. O Brasil havia sido “descoberto”.

Descobriu-se o já sabido; Cabral voltou a Portugal e deu seu recado ensaiado: - Terra à

vista! Vera Cruz! Santa Cruz! Brasil!

Ano de 1534 – Donatarias ou Capitanias hereditárias e a cidade de Nazaré

Esquecendo as não infundadas notícias de que fenícios, tirrênios, egípcios e

cartagineses tenham visitado o Brasil em remotíssimas eras, é fora de dúvida que piratas de

várias procedências (nórdicos, genoveses, franceses, holandeses, e também portugueses,

freqüentavam nossas costas, fazendo o escambo regular com os índios, habitantes da

região, como Diogo de Teive (1452), Gonçalo Taveira e João Vogado (1453), João Coelho

(1493), Alonso de Ojeda, Juan de La Cosa e Américo Vespúcio (1497), além de Juan

Vergara e Garcia Ocampo (1449 e 1500). Vale a pena lembrar o que um tal Johan,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


-3-

bacharel, que ia na armada de Cabral, escreveu ao Rei: “Quanto, Senhor, ao sítio desta

terra, mande V. A. trazer um mapa-mundi que tem Pero Vaz Bisagudo e por aí poderá ver

que o sitio desta terra é MAPA-MUNDI ANTIGO.” (grifos nossos).

Durante três décadas ficou ela esquecida, empenhado o rei D. Manuel em dilatar

suas conquistas no Oriente. Seu sucessor, D. João II, compreendeu a urgência de promover

a colonização, visto como seria perigoso deixar o desguarnecido Brasil à cobiça de tantos

estrangeiros. Dividiu o território em 12 capitanias hereditárias, confiando as do norte (as

que aqui nos interessam) a João de Barros e Fernão Álvares de Andrade que, associando-se

a Aires da Cunha, intentaram apossar-se dela, sem resultado. Eram lotes enormes, de cerca

de 350 km de largura, até à linha estabelecida pelo Tratado de Tordesilhas, interior a dentro

até algum lugar desconhecido. “Dez anos depois de criadas, as desordens internas, as lutas

com os índios e a ameaçadora presença dos franceses acabaram provocando o colapso do

sistema que o rei e seus conselheiros haviam optado por aplicar ao Brasil” (Eduardo Bueno,

“Capitães do Brasil”)

A capitania de João de Barros (intelectual, autor da “História da Índia” e“Décadas

da Ásia”) não foi adiante; na primeira tentativa toda a frota de 10 navios, segundo a

História, perdeu-se nos baixios do Boqueirão, defronte da ilha do Medo. Contrariando essa

versão, ficou-nos a notícia da existência de uma cidade, chamada Nazaré, fundada pelos

sobreviventes do naufrágio, gente “que logo contraiu amizade com seus tapuias seus

habitadores, assim refere o chantre da Sé de Évora, Manuel Severino de Faria, e o

comprova Antônio Galvão, nos seus “Descobrimentos do Mundo, no ano de 1531”,

segundo José de Souza Gaioso, em “Compêndio Histórico-político dos Princípios da

Lavoura do Maranhão”. Quanto à Nazaré, se de fato existiu, não vingou; Bernardo Pereira

de Berredo, nos “Anais Históricos do Estado do Maranhão”, estranha que, decorridos

apenas oitenta anos, a expedição de Jerônimo de Albuquerque não haja encontrado

vestígios desse sítio, o que não impede que estudiosos do assunto afirmem ainda ser

verídica sua existência, esposando a tese de ter São Luís origem lusa e não francesa.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


-4-

O segundo donatário do Maranhão, Luis de Melo e Silva, não foi mais feliz e,

enquanto isso, os franceses, ingleses e holandeses estabeleciam nas costas abandonadas

suas feitorias para o negócio do pau-brasil, âmbar, etc., com os índios.

Ano de 1549 – Governo Geral do Brasil

É implantado o Governo Geral do Brasil e nomeado para exercê-lo Tomé de Souza,

que funda a cidade de Salvador - (BA) regime que vigorou até 1640, quando o Brasil foi

elevado à categoria de vice-reino.

Ano de 1565 – Expulsão dos franceses do Rio de Janeiro

Men de Sá, Governador Geral de 1557 a 1572, expulsa os franceses de Villegaignon

da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, por ele fundada a 1o. de março de 1565.

SÉCULO XVII

Ano de 1612 – 8 de setembro – Fundação da França Equinocial

Desde 1594 Jacques Riffault estabelecera em Upaon-açu (ilha de São Luís) uma

feitoria, deixando-a a cargo de seu compatriota Charles dês Vaux, que havia conquistado a

amizade dos silvícolas, e tinha inclusive o domínio da língua nativa. Dês Vaux, indo à

França, provocou a vinda de Daniel de La Touche, mandado por Henrique IV numa viagem

de reconhecimento do terreno. Não obstante ter sido o rei assassinado nesse meio-tempo, e

entusiasmado La Touche com a terra, conseguiu com Maria de Medicis, regente na

menoridade de Luís XIII, concessão para estabelecer uma colônia ao sul do Equador, 50

léguas para cada lado do forte a ser construído.

Ano de 1612 - A 26 de julho chega ao Maranhão a expedição de Daniel de La Touche,

Senhor de La Ravardiére, fundeando em Upaon-mirim (futura ilha deSaint’Ánne, e depois,

Trindade, onde os sobreviventes do naufrágio de Aires da Cunha teriam fundado a cidade

de Nazaré).

- 12 de agosto - Tendo os franceses passado à Ilha-grande, foi rezada a primeira

missa e erguida uma cruz.

8 de setembro - Solenemente, fundaram a colônia, a França Equinocial, com a

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


-5-

colaboração espontânea dos índios, tendo à frente o cacique Japiaçu e iniciaram a

construção do forte, chamado de São Luís, em honra ao rei-menino, o qual “posto que feito

de estacadas é forte por arte de grandes terraplenos, com seus baluartes altos e casamatas

com fosso de quarenta palmos de largo e dez de alto. (Alexandre de Moura, “Relatório” de

1616).

Haviam-se associado à empresa o rico Barão de Molle e Gros-Bois, Senhor de

Sancy e François de Rasilly, Senhor de Aunelles e Rasilly, que financiaram a armação das

naus “Regente” e “Charlotte” e o patacho “Saint’Anne”.

-Integraram a expedição os padres franciscanos Yves d’Evreux, Claude

d’Abbeville, Arsene de Paris e Ambroise d’Amiens, dando início ao culto católico, muito

embora fosse La Ravardiére protestante, e à decantada catequese dos indígenas que

alcançaria seu paroxismo com os Jesuítas que, a serviço do poder real, apoiaria a escravidão

e, assassinando não só o corpo, mas a própria alma dos índios, implantaria o catolicismo

hipócrita do crê ou morre.

1o. de novembro – Ao lado da cruz colocaram as Armas da França e, diante de

todos, franceses e índios, especialmente convocados de todas as aldeias, juraram fidelidade

à Sua Majestade Cristianíssima, o Rei, dando-se à colônia recém-fundada uma constituição,

a segunda do Brasil (Regimento dado a Tomé de Souza, em 1549, quando da implantação

do Governo Geral) e a primeira do Maranhão, da qual destacamos os seguintes artigos:

- ordenamos a todos e a quem quer que seja, que honrem e respeitem os

reverendos padres capuchinhos, enviados por Sua Majestade a fim de

implantarem entre os índios a Religião Católica, Apostólica e Romana, sob

pena de serem punidos os infratores segundo o caso e a ofensa perpetrada;

- ordenamos, para manutenção desta companhia e da sociedade, que vivam todos

em paz e amizade, respeitem-se mutuamente, segundo as condições e qualidade

pessoais, e desculpem uns aos outros suas fraquezas, como Deus manda, e isso

sob pena de serem considerados perturbadores do sossego público;

- ordenamos que o autor de qualquer homicídio, a menos de perpetrado

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


-6-

comprovadamente em legítima defesa, seja punido de morte para exemplo;

- ordenamos que quem quer que se encontre furtando, seja, pela primeira vez,

açoitado ao pé da forca, ao som da corneta, e sirva durante um ano nas obras

públicas, com perda, nesse espaço de tempo, de todas as dignidades, sal[ários e

proveitos; da segunda vez. seja o infrator enforcado. Em se tratando de criado

doméstico, seja já no primeiro roubo;

- depois de estabelecido o que diz respeito a esta companhia, tanto em referência

aos bons costumes, relações mútuas, proteção de suas vida e honra, como à

segurança de seus bens, ordenamos, para conservação dos índios entregues à

nossa proteção, e também para atraí-los pela doçura ao conhecimento de

nossas leis humanas e divinas, que ninguém os espanque, injurie, ultraje ou

mate, sob pena de sofrer castigo idêntico à ofensa;

- ordenamos que não se cometa adultério, por amor ou violência, com as

mulheres dos índios, sob pena de morte, pois seria isso não só a ruína da alma

do criminoso, mas também da colônia; igualmente ordenamos, sob pena

idêntica, que não se violentem as mulheres solteiras;

- ordenamos que se não pratiquem quaisquer atos desonestos com as filhas dos

índios, sob pena, da primeira vez, de servir o delinqüente como escravo da

colônia por espaço de um mês; da segunda, de trazer ferros aos pés por dois

meses; da terceira, de ser conduzido à nossa presença para o castigo que

julgarmos justo;

- proibimos ainda quaisquer roubos contra os índios, seja de suas roças, seja de

outras coisas que lhes pertençam, sob as penas supramencionadas.

Frei Vicente do Salvador, na sua “História do Brasil”, diz que os portugueses, nas

arremetidas pelo território indígena, além de tomarem as terras e fazerem escravos,

destruírem as tabas e consumirem os alimentos encontrados, passavam a fazer novas

culturas muitas vezes usando as mesmas covas dos índios. E quanto à violação das

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


-7-

mulheres e a carnificina feita nos índios... Que diferença!

- Construção do forte, batizado de São Luís, em homenagem ao Rei-menino. O

nome de São Luís estendeu-se a toda a povoação; a ilha de Upaon-açu chamou-se

sucessivamente: Ilha dos Tupinambás, Ilha das Vacas, Ilha de Nazaré, Ilha do Ferro e Ilha

de Todos os Santos. Por ignoradas razões, ou força do Destino, só vingou o de São Luís,

aliás, a única lembrança que nos deixaram os franceses.

- Fundado o Conventinho de São Francisco, de folhas de palmeira, erguido “um

pouco acima de uma fonte de excelentes águas vivas e claras, cercada de árvores grandes

e copadas”.

Ano de 1613 – 16 de abril – A Colônia francesa

Segundo a maioria dos historiadores, coube aos franceses a primazia da colonização

do Maranhão, pois seu comércio, posto que incipiente, foi além dos produtos da indústria

extrativa do pau-brasil e do âmbar, com o cultivo do algodão e do fumo, além da descoberta

de minas de ouro, prata e enxofre. Por outro lado, foi essa ocupação do território que abriu

os olhos à Coroa para a necessidade de promover a efetiva posse da Capitania, até então

desprezada.

- Chegam ao Maranhão, com Du Pratz, 300 pessoas, oficiais de todos os ofícios

mecânicos (carpinteiros, alvanéis (pedreiros), tecelões, fundidores, serralheiros, canteiros,

sapateiros, alfaiates), inclusive gentis-homens, além dos astrólogos De Faus e Janet, e 10

capuchinhos, sob as ordens de frei Arcângelo de Pembroch.

Data dessa época a construção dos fortes de Itapari, Sardinha e Cahur, o Des Cahors dos

franceses, o nosso muito familiar Caúra, defronte de Ribamar.

- 26 de outubro – Chegada dos portugueses

Jerônimo de Albuquerque e Diogo de Campos chegam a Guaxenduba, próximo da

foz do rio Munim e dão início à construção do forte de Santa Maria.

- 28 de outubro – É rezada a primeira missa pelos portugueses, os padres Miguel

Gomes e Diogo Nunes, vindos com Albuquerque na “Jornada Milagrosa”. Foram os

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


-8-

primeiros religiosos portugueses a por os pés no Maranhão, muito embora seja provável a

chegada de outros padres nas expedições de João de Barros/Aires da Cunha e a de Luís de

Melo e Silva, como era de praxe. No entanto foi daqueles que a História fez registro.

19 de novembro – Batalha de Guaxenduba.

300 franceses e 2.000 índios, sob o comendo do próprio La Ravardiére,

entrincheiram-se no outeiro defronte do forte lusitano. Jerônimo de Albuquerque divide

suas forças em duas colunas, cada uma com 70 soldados e 40 índios, assumindo o comando

de uma, enquanto Diogo de Campos e Antônio de Albuquerque (filho de Jerônimo)

acometia os franceses, na praia. Apesar da inferioridade numérica, obtiveram os

portugueses retumbante vitória; romperam-se as linhas gaulesas com o ataque de Diogo de

Campos e a debandada foi geral. Quando os silvícolas, sob o comando do capitão Madeira,

atacaram, os franceses perderam seu comandante Du Pezieux e mais de 100 combatentes,

abatidos na luta, ou afogados na fuga, ou devorados pelos tubarões. Os cronistas

portugueses dão apenas 10 mortos e 30 feridos como baixas, e entre os últimos, Antônio de

Albuquerque, Estevão de Campos e Belchior Rangel.

Sobre a vitória portuguesa criou-se a lenda do Milagre de Guaxenduba, que o padre

José de Morais assim descreve: “Foi fama constante (e ainda hoje se conserva por

tradição) que a Virgem Senhora fora vista entre os nossos batalhões, animando os

soldados em todo o tempo de combate”; e Humberto de Campos imortalizou no magnífico

soneto “O Milagre de Guaxenduba”:

Minha terra natal, em Guaxenduba:

Na trincheira, em que o luso ainda trabalha,

A artilharia, que ao francês derruba,

Por três bocas letais pragueja e ralha.

O leão de França, arregaçando a juba,

Saltou. E o luso, como um tigre, o atalha.

Troveja a boca do arcabuz, e a tuba

Do índio corta o clamor e o medo espalha.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


-9-

Foi então que se viu, sagrando a guerra,

Nossa Senhora, com o Menino ao colo,

Surgir, lutando pela minha terra.

Foi-lhe vista na mão a espada em brilho...

.................

(Pátria, se a Virgem quis assim teu solo,

Que por ti não fará quem for teu filho?)

27 de novembro – Tratado de trégua

Concordaram os adversários em suspender hostilidades e enviar representantes

dos dois lados à Europa, submetendo o litígio à decisão dos governantes de seus países,

devendo o vencido retirar-se do Estado dentro de dois meses.

24 de dezembro – Inauguração do Convento de São Francisco (Abbeville)

Ano de 1614 – 1o. de novembro – Expulsão dos franceses

Alexandre de Moura, à frente de uma expedição de 600 soldados, mandou

Albuquerque tomar o forte de São Luís. Jerônimo, com tal reforço de tropas, falando ao

trato do armistício, deu a La Ravardiére o ultimato de evacuar a ilha, dentro de cinco

meses.

Ano de 1615 - 31 de setembro – Rendição dos franceses

-200 franceses entregam, sem luta, o forte de São Luís. Há indícios de que La

Ravardiére, reagindo ao abandono que lhe votou o governo francês, haja negociado, por

2.000 cruzados, a entrega do sonho da França Equinocial aos portugueses. São dúvidas que

permanecem na História.

Ano de 1616 – 9 de janeiro – Primeiro capitão-mor do Maranhão

Assume o governo da colônia Jerônimo de Albuquerque Maranhão (como passou

a assinar) com o título de Capitão-mor da Conquista, retirando-se Alexandre de Moura. São

nomeados: Ouvidor e Auditor Geral, Luís Madureira; Sargento-mor,. Baltazar Álvares

Pestana; Capitão do mar, Salvador de Melo; Capitão das entradas, Bento Maciel Parente;

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 10 -

Capitão de Cumã, Martin Soares Moreno; Ambrósio Soares, Comandante do forte de São

Felipe (o forte de São Luís teve o nome mudado para de São Felipe, em honra a Felipe II de

Espanha, a cujo reino estava sujeito Portugal, a partir de 1580, com a derrota do exército

lusitano do prior do Crato, D. Antônio); Álvaro da Câmara, Comandante do forte de São

Francisco e Antônio de Albuquerque, do forte de Itapari.

O Capitão-mor tratou da remodelação do forte principal, de acordo com a planta

do Engenheiro-mor do Brasil, capitão Francisco Frias de Mesquita, bem como da

disposição das ruas, segundo o plano do mesmo engenheiro, e outras providências,

inclusive a construção da residência dos governadores. Daí a discussão acadêmica acerca

da cidade de São Luís, para alguns, fundada pelos portugueses e não pelos franceses.

Minúcias de especialistas.

Iniciou-se assim, com Jerônimo de Albuquerque, o governo dos Capitães-mores,

que se estendeu até 1824, com a nomeação de Miguel Inácio dos Santos Freire e Bruce,

primeiro presidente constitucional da Província do Maranhão, já no Brasil independente.

- Bento Maciel sobe o rio Pindaré à procura de minas, sem resultado, e aproveita a

viagem para mover guerra aos guajajaras.

11 de fevereiro - Construção da igreja de Nossa Senhora da Guia, na ponta do

Bonfim.

Ano de 1617 – 04 de maio – As capitanias gerais do Maranhão e Grão-Pará passam a fazer

parte do Brasil, conforme Carta Régia desta data. Compreendia o novo Estado, mais ou

menos, os atuais Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí e Ceará, os territórios de Rio Branco e

Amapá.

- Construção do Convento dos Carmelitas, no sítio de messieur Pineau, na rua do

Egito e conhecido como “Carmo Velho”.

Ano de 1618 – 11 de fevereiro – Antônio de Albuquerque

Falecendo Jerônimo de Albuquerque, sucede-o o filho, Antônio de Albuquerque,

tendo por assistentes Bento Maciel Parente e Diogo da Costa Machado.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 11 -

24 de agosto – Matias de Albuquerque (irmão do governador), depois de quatro

meses de perseguição, consegue a vitória sobre os tupinambás, sendo o líder indígena,

Amaro, executado à boca de um canhão.

Ano de 1619 – 7 de novembro – Pelo Alvará desta data é o Estado do Maranhão separado

do Estado do Brasil.

Assume o governo Diogo da Costa Machado, conforme carta que lhe passou o

Governador Geral do Brasil, D. Luís de Souza (1616-1621); e Bento Maciel Parente dá

continuidade à carnificina, matando os colonizadores, no espaço de três décadas, mais de

dois milhões de índios, de sorte que, segundo Roberto Simonsen, “em 1667 não havia mais

autóctones ao longo da costa, de Gurupá até o Maranhão.”

Ano de 1620 – Colonos açoreanos

Estes colonos, que se supõe terem sido 200 casais, chegaram em duas levas: a

primeira, trazida por Manuel Correa de Melo; a segunda, no ano seguinte, por Antônio

Ferreira Bittencourt, para a instalação, na capitania, de dois engenhos de açúcar

Por determinação do governador, é constituída uma Comissão de “homens bons”,

que elegeu o primeiro Senado da Câmara, assim constituído: Presidente - Simão Estácio da

Silveira; Juiz - Jorge da Costa Machado; Vereadores – Antônio Vaz Borba e Álvaro

Barbosa; Procurador – Antônio Simões.

Ano de 1621 - Instala-se a primeira Câmara de São Luís, da qual Simão Estácio da Silveira

foi nomeado juiz. Parece-nos, portanto, que nesta data é São Luís elevada à categoria de

vila, com sua representação regular.

- Por essa época “vagavam pelas proximidades da cidade e das costas marítimas do

Maranhão os indomáveis índios Taramambeses”, diz Marques.

- Epidemia de varíola - Terrível epidemia trazida por navio vindo de Pernambuco.

Para aplacar a ira de Deus, Diogo da Costa Machado levantou, à sua custa, a igreja matriz

(nas proximidades do futuro prédio do Hotel Central) e ajudou nas obras do convento do

Carmo, o chamado Carmo Velho, na rua do Egito.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 12 -

- Junho – É criado o Estado do Maranhão

Ano de 1622 – Antônio Muniz Barreiros Filho.

Diogo de Mendonça Furtado, novo Governador Geral do Brasil, nomeia Antônio

Muniz Barreiros Filho governador, a título provisório, e a pedido de seu pai Antônio

Muniz, dando-lhe como assistente o padre Luiz Figueira, indicação mal vista pelos colonos,

receosos da influência do jesuíta junto ao governador. Tendo chegado a pedirem a expulsão

dos padres, conseguiu, no entanto, Muniz Barreiros acalmar os ânimos e estabelecer um

modus vivendi razoável.

- Abertura da estrada ligando S. Luís a Belém.

- Introdução do gado vacum na Província.

- Aumento da cidade, reparos nos fortes e construção de um engenho de açúcar,

tudo à própria custa do governador.

- Fundação da missão de Uçagoiaba (Vinhais) e reconstrução do Convento de

SantoAntônio.

Ano de 1624 – 05 de agosto – frei Cristóvão de Lisboa

Chega o Visitador Eclesiástico e Comissário do Santo Ofício, frei Cristóvão de

Lisboa.

- Publicação do Alvará de 15 de março de 1624, tirando dos colonos a

administração dos índios.

- Fundação do Convento de Santo Antônio, no lugar do de São Francisco.

Ano de 1625 – Chegam ao Maranhão o padre Lopo do Couto e um irmão coadjutor que,

em 1641, irão assinar, com Bento Maciel Parente, a ata de rendição aos holandeses.

Ano de 1626 - 03 de setembro – Antônio Coelho de Carvalho.

Toma posse o primeiro governador do Estado do Maranhão, Francisco Coelho de

Carvalho.

- Construção de pedra e cal do forte de São Filipe, “que era de faxina, obra de pouca

duração” e ficou perfeito, até com residência dos governadores, segundo César Marques.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 13 -

Ano de 1627

Dá início o padre Luís Figueira, com a instalação de uma fazenda no lugar

Anindibá, ao patrimônio dos jesuítas; “Nesse local se ergueu mais tarde o Colégio de Nossa

Senhora da Luz, e junto dele a igreja da Companhia” (igreja da Boa Morte), diz o padre

José Coelho de Souza, S.J.

12 de junho – A Capitania de Cumã

Francisco Coelho de Carvalho faz doação ao seu filho, Antônio Coelho de

Carvalho, de uma capitania na costa, “começando a medir da parte do rio Cumã para o

norte cinqüenta léguas, que é a repartição que Sua Majestade manda fazer das capitanias do

Estado do Brasil”.

Ano de 1635 - Levante geral dos tupinambá

- 15 de setembro - Falecimento de Antônio Coelho de Carvalho.

Ele foi acusado de desviar verbas públicas e de ser responsável pelo assassinato de

um dos frades do Convento de Santo Antônio.

Ano de 1636 – Jácome Raimundo de Noronha. Eleito governador pelo Senado da Câmara,

Jácome Noronha manda o capitão Pedro Teixeira explorar o rio Amazonas.

Ano de 1638 – 27 de janeiro – Bento Maciel Parente

10

Toma posse “o mais sanguinário perseguidor que jamais tiveram os índios do

Maranhão, Pará e Amazonas”.

Ano de 1640 – 01 de dezembro – Restauração de Portugal. O Duque de Bragança é feito rei

com o nome de D. João IV.

- Igreja de São José do Desterro (depois, de Nossa Senhora do Desterro), anterior a

1641.

Ano de 1641 - 25 de novembro – Invasão Holandesa

Dezoito navios, sob o comando do almirante Jan Cornelizoon Lichtardt e 2.000

soldados, às ordens do coronel Koin Anderson, aportaram no Desterro, profanaram a

igreja, saquearam a cidade e, rendendo o governador, tomaram os fortes de São Luís e o de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 14 -

Itapecuru, apossando-se dos cinco engenhos ali existentes.

Ano de 1642 – 4 de setembro de 1642 - Toma posse em Belém, como governador e

capitão-general do Estado do Maranhão, o pernambucano Pedro de Albuquerque. De

natureza fraca, sempre doente, veio a falecer em 6 de fevereiro.

30 de setembro – Expulsão dos holandeses

O ex-capitão-mor, Antônio Muniz Barreiros Filho, o sargento-mor, Antônio

Teixeira de Melo, o capitão Paulo Soares de Avelar e os índios Joaçaba Mitaguai e

Henrique de Albuquerque, insuflados pelos padres Lopo do Couto e Benedito Amodei,

tomam de surpresa os engenhos e o forte do Calvário.

21 de novembro – Batalha do Outeiro da Cruz

Tendo passado à ilha, Teixeira de Melo derrota os invasores no Outeiro da Cruz,

perdendo os holandeses o comandante escocês Sandalin. Muniz Barreiros instala-se na

colina do Convento de Nossa Senhora do Carmo, próximo aos muros da fortaleza de São

Filipe.

Ano de 1643 – 16 de janeiro – Falece Antônio Muniz Barreiros Filho

Em conseqüência de grave ferimento recebido em combate, morre Antônio

Muniz. Assume o comando Teixeira de Melo e, depois de várias escaramuças, sustenta

uma intensa troca de tiros entre o forte e a colina.

– 13 de julho – Pedro de Albuquerque

11

Nomeado Governador, para expulsar os holandeses, chegou Pedro de

Albuquerque à barra do Maranhão e, para se comunicar com os seus compatriotas fez

disparar os canhões de bordo. Não obtendo resposta, dirigiu-se a Belém, onde naufragou,

conseguindo salvar-se alguns de sua comitiva, inclusive o pe. Luiz Figueira, Superior dos

Jesuítas. Assumiu então suas funções. Pede-lhe a Câmara que João Velho do Vale e Pedro

Maciel Parente, irmãos, fossem impedidos de exercer qualquer função na Capitania,

proibição que queriam que se estendesse a toda a geração do ex-Governador Bento Maciel,

por sua atitude covarde diante dos holandeses.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 15 -

Ano de 1644 – 6 de fevereiro – Falece Pedro de Albuquerque.

28 de fevereiro – Fuga dos holandeses

Vendo-se perdidos, fizeram-se ao largo, deixando a cidade praticamente em ruínas.

Posto que estragassem pouco, destruíram tudo, como diz João Lisboa.

Antônio Teixeira de Melo governou a capitania do Maranhão de 17 de janeiro de

1643 a começos de junho de 1646, quando faleceu, e Pedro de Albuquerque, o Estado do

Maranhão, de 13 de julho de 1643 até 6 de fevereiro de 1644.

Ano de 1646 – 17 de junho – Francisco Coelho de Carvalho, o Sardo

Sargento-mor do governador Pedro de Albuquerque, o novo nomeado recebeu o

governo do Senado da Câmara, que o exercia pela morte de Teixeira de Melo. Governava a

capitania do Pará (que, com a do Maranhão, compunha o Estado) o capitão-mor Sebastião

de Lucena de Azevedo, que expulsou os holandeses de Bandergus do sítio de Maricari,

próximo à foz do rio Amazonas.

Ano de 1648 – 15 de fevereiro – Falecimento do governador Francisco Coelho de Carvalho

Sentindo-se à morte, e para prevenir perturbações à administração do Estado,

determinou o governador que, ficando as duas capitanias independentes, seriam,

provisoriamente, governadas por Aires de Souza Chichorro, a do Pará, e Manuel Pita da

Veiga, a do Maranhão.

22 de dezembro - No governo despótico e arbitrário de Pita da Veiga, foi a aldeia

de Tapuitapera, cabeça da capitania de Cumã, elevada à categoria de vila, com o nome de

Alcântara, homenagem de seu Donatário ao ilustre taumaturgo Santo Antônio de Lisboa e

Pádua, e às boas lembranças que tinha de sua quinta real, nos arredores de Lisboa.

Ano de 1649 – 17 de fevereiro - Luís de Magalhães

12

24 de agosto - Assumindo o governo, Luís de Magalhães ordenou ao capitão-mor

do Grão-Pará, Inácio do Rego Barreto, que fizesse partir de Belém uma expedição à

procura do famoso El-Dorado, fantástica região do rio do ouro ou do lago dourado, que

ensandecia portugueses e espanhóis.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 16 -

28 de agosto – Ataque dos índios tapuia uruati a um engenho do Itapecuru, com a

morte dos padres Manuel Muniz, Gaspar Fernandes e Francisco Pires.

Ano de 1651 – Chega à fortaleza de Santo Antônio do Gurupá (Pará) a bandeira do mestrede-

campo Antônio Raposo, vinda de São Paulo.

Ano de 1652 – 25 de fevereiro – Extinção do Estado do Maranhão

Pela carta régia desta data é extinto do Estado do Maranhão e criadas as capitanias

independentes do Grão-Pará e de São Luís. Vê-se, pois, como eram contraditórias as ordens

do Reino, ora reunindo as capitanias sob um só governo, ora tornando-as independentes e

autônomas.

17 de novembro – Assume o governo de São Luís o capitão-mor Baltazar de

Souza Pereira, e logo resolve fazer executar a ordem que trazia de por em liberdade todos e

quaisquer índios que até então fossem escravos, contando para isso com o apoio do padre

Antônio Vieira. Amotinou-se o povo, instigado pelo camarista Jorge de São Paio; o

governador pôs a tropa nas ruas e, afinal, por intercessão dos jesuítas, ficou acordado

mandar-se à Lisboa procuradores para tratar do assunto, junto à Coroa.

Ano de 1653 – 17 de janeiro – Chega ao Maranhão o Padre Antônio Vieira.

17 de outubro – Determinou o Rei que as Câmaras de Belém e de São Luís,

com a assistência do desembargador João Cabral de Barros, examinassem caso a caso para

apurar a legalidade do cativeiro, reconhecido como resultado de justa guerra, o que, na

prática, redundou na escravização em geral, com a autorização das entradas de resgate.

- Fundação da Irmandade da Misericórdia e, por iniciativa do pe. Vieira, início da

construção do Hospital.

Ano de 1654 - Junho – O padre Vieira prega em São Luís o célebre Sermão de Santo

Antônio, conhecido como o “Sermão aos Peixes”, no qual faz severas críticas aos

habitantes gananciosos, como neste trecho, referindo-se naturalmente à Praia Grande:

“Vêdes vós todo aquele bulir, vedes todo aquele andar, vedes aquele subir e descer as

calçadas, vêdes aquele entrar e sair sem quietação nem sossego? Pois tudo aquilo é

andarem buscando os homens como hão de comer, como se hão de comer”, e acrescenta,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 17 -

falando aos peixes, mas dirigindo-se aos homens: “Não só vos comeis uns aos outros,

senão que os grandes comem os pequenos. Se fora pelo contrário era menos mal. Se os

13

pequenos comeram os grandes, bastará um grande para muitos pequenos; mas como os

grandes comem os pequenos, não bastam cem pequenos, nem mil, para um só grande.”

- Os freis Marcos da Natividade e João da Silveira fundam o primeiro Convento das

Mercês, desaparecido.

25 de agosto – Pela Resolução Régia desta data são as duas capitanias reunidas

outra vez e restaurado o Estado do Maranhão e Grão-Pará, passando o Piauí a pertencer à

Bahia. O padre Vieira, consultado, respondeu ao Rei: “Digo que menos mal será um ladrão

que dois; e que mais dificuldades serão de achar dois homens de bem, que um. Sendo

propostos a Catão dois cidadãos romanos, para o provimento de duas praças, respondeu

que ambos lhe descontentavam, um porque nada tinha, outro porque nada lhe bastava.

Tais são os dois capitães-mores, em que se repartiu este governo. Baltazar de Souza não

tem nada, Inácio do Rego não lhe basta nada; e eu não sei qual é maior tentação, se a

necessidade, se a cobiça.”

Ano de 1655 – André Vidal de Negreiros

11 de maio - Assumindo o governo, faz André Vidal construir os fortins de

Mosqueiro (Belém) e da ilha de Itaparica, e uma atalaia em Salinas

- Construção do definitivo Convento das Mercês.

16 de maio - Chega a São Luís, vindo de Portugal, o padre Vieira, trazendo nova

Provisão Régia, datada de 9 de abril, que, modificando a anterior e restringindo vantagens

dos colonos, foi posta em execução sem grandes problemas.

- Manda o governador os capitães Agostinho Correa e Pedro da Costa Favela

guerrear os índios aruã que, anos antes, haviam devorado os náufragos da expedição de

Pedro de Albuquerque.

Ano de 1656 – 23 de setembro – Sendo nomeado governador de Pernambuco, Negreiros

viajou para lá, deixando o sargento-mor Agostinho Correa como governador interino da

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 18 -

Capitania Geral do Maranhão.

- Foi por essa época que as Câmaras do Maranhão e Pará receberam a Provisão

Régia de 20 de julho de 1655, na qual a Coroa, em reconhecimento à reconquista do Estado

aos holandeses, concedeu aos maranhenses os privilégios de infanção, o mesmo de que

gozavam os cidadãos do Porto, muito embora o padre Vieira achasse que o território não

tivesse valido a pena o custo e o esforço da retomada. (Infanção – Título de nobreza

inferior ao de rico-homem, em Portugal, que conferia ao possuidor privilégios, direitos,

isenções, etc.)

6 de novembro – Falece D. João IV, passando a governar, como Regente, a rainha

D. Luísa Francisca de Gusmão, na menoridade do filho Afonso VI.

14

Ano de 1658 – 16 de junho – D. Pedro de Melo

Durante o governo de D. Pedro fizeram-se muitas entradas para resgate e

descimento de índios, sob a direção do pe. Vieira. Reclamavam os colonos que as aldeias

dos jesuítas não eram missões e sim colônias, acusando os padres de serem donos de quase

todos os escravos resgatados nas missões e de não cumprirem a promessa “de que não

haviam de tirar lucro dos índios forros, nem com eles fabricar fazenda, nem canaviais, e só

tratariam da doutrina espiritual”. Mais uma vez os ânimos se exaltaram, o povo (sempre o

povo, este ser indefinido e sem rosto?!) “invadiu à força bruta o Colégio dos Jesuítas,

insultou-os e, arrancando-os dos seus próprios cubículos, lançou-os fora de sua habitação

usual.” Isto em São Luís, porque em Belém, após a procissão do Anjo Custódio, também o

povo invadiu o Colégio de Santo Alexandre, prendeu o padre Vieira e obrigou-o, com seus

irmãos, a embarcar para o Maranhão. Pedro de Melo, “governador apenas no nome”, nada

fez, e o procurador da Câmara de S. Luís, encarregado de prender os missionários

refugiados em Gurupá, acabou preso ele mesmo. Outra vez o povo libertou o procurador,

conduzindo os padres para Belém e mandou-os numa caravela para Portugal. Assim acabou

o governo de Pedro de Melo, “perdendo muito o Estado do Maranhão na docilidade de seu

gênio”, segundo Berredo.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 19 -

Ano de 1662 – 26 de março – Toma posse no governo do Maranhão Rui Vaz de Siqueira.

Em Belém os padres são embarcados e desembarcados, o Ouvidor-geral Diogo de Souza

sentencia os presos (faz açoitar dois deles). Por fim mete-os todos num patacho com

destino a Lisboa. (Primeira expulsão dos Jesuítas)

29 de maio – Rui Vaz conseguiu, em Junta Geral, que os padres retornassem ao

Estado, com novo compromisso de exercitarem somente a jurisdição espiritual; concedeu,

em nome de El-Rei, perdão geral e particular a todos e a cada um.

Ano de 1663 – Nova epidemia de varíola, que fez grandes estragos, principalmente entre os

índios indefesos. Os moradores se consolavam das perdas com a promessa de ressarci-las

com as próximas expedições de resgate, o que o governador apressou-se a fazer,

autorizando várias entradas nos rios e sertões do Amazonas. A que subiu o rio Urubu, sob

o comando de Antônio Arnau Vilela, acompanhado do frei Raimundo, das Mercês, deu-se

mal: os índios Caboquena e Guanevena deram cabo dela, só escapando o frade e mais uns

dois, o que deu motivo à vingança do governador: “tremendo foi o castigo infligido aos

bárbaros por este atentado”, diz C. Marques; e Berredo: “Ensoparam a terra com o sangue

de 700 selvagens mortos, aprisionaram 400, e fizeram baquear 300 aldeias envoltas em

turbilhões de labaredas!”

Os índios

Mas, quem eram estes índios tão selvagens? “Difícil é precisar-lhes as nações e

reparti-los em tribos.” (Mário M. Meireles); a prórpia bibliografia etnológica apresenta

15

tantas lacunas que só para alguns poucos grupos indígenas seria possível distinguir com

precisão tribos de subtribos”. (Darcy Ribeiro) No Maranhão, a grosso modo, pertenciam ao

grupo tupi, além de outras, as seguintes: tupinambá, tabajara, caeté, etc., e ao tapuia: guaja,

guajajara, gamela, barbado, etc.

“Alguns autores classificam os tupinambá como dóceis e sociáveis, entendendo-se

bem com os “civilizados” (até que estes, atraiçoando-os e escravizando-os, despertassem

neles a “selvageria”), antepondo-lhes os tapuia como ferozes, vingativos e traiçoeiros”.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 20 -

D’Abbeville achou-os “isentos de trapaças e de fraudes, de roubos e de furtos, de excelente

gênio e tão viva inteligência; eram alegres e engenhosos, sóbrios no comer e bons

palradores; não têm espírito de propriedade particular e qualquer um pode aproveitar-se

de seus haveres livremente; distribuem entre si tudo o que possuem e não comem nada sem

oferecer aos seus vizinhos” e o pe. José de Morais: destros por natureza e valorosos por

indústria”. Moravam em aldeias, tinham incipiente agricultura, teciam o algodão,

acreditavam num Deus criador do universo e identificavam astros e estrelas. O mesmo

D’Abbeville acrescenta: “Ouvi de franceses, que com eles viveram durante dezoito e vinte

anos, que no passado eram muito mais liberais. O pouco que receberam dos franceses em

troca do que deram tornou-os finalmente avaros e desconfiados. E hoje nada fazem, nem

dão, sem antes ter recebido muito mais. Ainda assim é bem pouco o que desejam em troca

do que dão ou fazem. Por outro lado, nada se perde em ser liberal para com eles, pois não

deixam de reconhecer os favores recebidos e não são ingratos, nem gostam de ser

sobrexcedidos em liberalidade e cortezia”. Pertenciam ao tipo fundamental de produção

chamado “comuna primitiva”. Com respeito à antropofagia, demos a palavra ao padre

Bettendorf: “O gentio Aruaquiz não come carne humana e se mata os prisioneiros em o

terreiro é para ganhar nome”... e Darcy Ribeiro: “tanto a guerra como a antropofagia

vitimavam exclusivamente homens.” Acreditavam que comendo a carne dos valentes

adquiriam suas virtudes de coragem e destemor. Aliás, conforme depoimento do próprio

D’Abbeville, não faziam a guerra de conquista, para estender os limites de seu país, nem

para enriquecer-se com os despojos de seus inimigos, mas unicamente pela honra e pela

vingança, ressalvando o caráter epopéico de suas lutas. Simonsen diz que em 1655 existia,

no Estado do Maranhão, 54 aldeias indígenas só a cargo dos jesuítas: 11 na capitania do

Maranhão, 2 no Gurupi, 6 no Pará, 7 no Tocantins e 28 no Rio Amazonas... puderam as

diferentes ordens religiosas concentrar, no Estado do Maranhão, 50 mil índios, em cerca de

80 aldeias.”

Perguntamos hoje o que deu à outrora enorme massa indígena a tão louvada

“civilização”? A primeira orda de conquistadores simplesmente matou grande parte; os

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 21 -

sobreviventes tornaram-se escravos, eternos fugitivos, ou se suicidaram; os padres, tirandoos

de seu habitat natural e confinando-os em aldeamentos, sujeitaram-nos, com a ameaça

de castigos terrenos e infernos após a morte, a um catolicismo falso, em nome de uma

moral cristã, mas comprometido com os poderosos e interessado em assegurar a posse de

bens terrenos em detrimento do reino dos céus, cuja promessa só servia para justificar os

sofrimentos impostos aos miseráveis escravos e sagrar o direito dos ricos pela graça de

Deus. José Vieira Couto de Magalhães, estadista mineiro, presidente das províncias de

Goiás, do Pará, de Mato Grosso e de São Paulo, em 1876 escreveu em o “Selvagem”:

“Coitados! Eles não têm historiadores; os que lhes escrevem a história são aqueles que, a

pretexto da religião e civilização, querem viver à custa de seu suor, reduzir suas mulheres

a filhas e concubinas, ou são os que os encontram degradados por um sistema de

catequese, que com mui raras exceções é inspirada por móveis de ganância, o que dá em

16

resultado uma espécie de escravidão que, fosse qual fosse a raça, havia forçosamente de

produzir a preguiça, a ignorância, a embriaguês, a devassidão e mais vícios que

infelizmente acompanham o homem quando se degrada. Os escravos gregos e romanos

eram de raça branca, e não sei que a história tenha conservado notícia de gente pior”.

Representação feita por ordem de Rui Vaz, dirigida ao Conselho Ultramarino

afirmou “que o governo do Maranhão e Grão-Pará constava de seis capitanias, em que

haveria até 700 moradores portugueses, cuja riqueza consistia em ter mais ou menos

escravos índios, acrescentando que só restavam índios pelo Amazonas acima e que pela

costa deste Maranhão até Pará já os não havia, por terem os portugueses dado cabo

deles”.

Assim terminou este governo “tão cheio de grandes perturbações” e destituído “de

princípios de moralidade e do sentimento de honra”.

Ano de 1665 – Rui Vaz manda construir a igreja de São João Batista dos Militares, como

penitência pelo que havia feito a uma mulher nobre, casada, da qual lhe nasceu uma filha.

Ano de 1667 – Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho, o Velho.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 22 -

22 de junho – Posse do novo governador, filho do primeiro governador do

Maranhão, Francisco Coelho de Carvalho. A antiga questão afeta aos índios veio a

provocar novas perturbações, dado o caráter despótico do governador, sujeitando à sua

jurisdição a repartição dos índios feitas pelo juiz, as entradas unicamente decididas por ele,

acrescentando que “esta é e forma que se há de seguir e o estilo que convém se guarde

porque do contrário seguirá grande prejuízo a todos”. É fácil deduzir que logo haveria de

surgirem desentendimentos entre o governador e as Câmaras, que começaram com a atitude

de seu filho do mesmo nome que, na capitania de Cametá, dispunha a bel prazer de todos os

índios de serviço, fazendo entradas e descimentos ao arrepio da lei e “aproveitando-se

também da ocasião para fazer o negócio não menos lucrativo do cravo”. (Aliás, vale

lembrar que, apesar das proibições régias, vedando aos cabos de tropas fazerem resgates

por si mesmos, e a governadores e demais autoridades o comerciarem por conta própria, as

mesmas Câmaras [puxando a brasa para sua sardinha] que tais vantagens eram o único

estímulo e compensação aos primeiros, pelos muitos sacrifícios, despesas, trabalhos e

perigos a que se expunham nas entradas, e que aos últimos eram-lhes insuficientes os

ordenados para atender aos gastos da viagem, sustentação do decoro de suas casas, brindes

que faziam aos índios, esmolas ao culto divino,etc., motivo pelo qual, a fim de evitar que

recorressem a meios ilícitos, justificavam fosse permitido dar-lhes 10% dos escravos que se

resgatassem.) E como a Câmara se declarasse disposta a proceder com mesma severidade

que o governador claramente defendia, Antônio de Carvalho, não gostando da reclamação,

logo que viu findo o mandato dos vereadores, seguiu para Belém para vingar-se. Alertados,

porém, eles se esconderam nos sertões e o governador, frustrado, para não perder a viagem,

ordenou... duas grandes tropas de resgate.

Ano de 1668 – Antônio de Albuquerque constrói a fortaleza de Macapá, sobre as ruínas da

de Camaú, que tempos depois seria ocupada pelos franceses de Caiena.

17

Ano de 1671 – 9 de junho - Pedro César de Menezes

Ainda a sempre presente questão dos índios deu início aos desentendimentos: ia a

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 23 -

Câmara de Belém publicar a lei de 1663 quando seu procurador, “obedecendo

provavelmente a secretas instruções”, conseguiu suspendê-la. O governador prendeu o

presidente da Câmara e um vereador, remetendo-os para Lisboa. A carta régia de 1673,

conquanto ordenasse o cumprimento das leis de 1663 e 1667, praticamente justificou todas

as manobras que, por 10 anos, protelaram sua execução, subordinando as entradas à

autorização do governador, o qual, aproveitando-se disso, logo mandou uma expedição ao

Tocantins em busca de minas de ouro, mas sem resultado.

Ano de 1676 - Chegam ao Maranhão mais 234 colonos dos Açores.

Ano de 1677 – 29 de agosto - Avisado por um padre jesuíta de que, na noite seguinte,

quando estivesse assistindo a uma comédia, no convento das Mercês, nobreza e povo,

conluiados, tentariam tirar-lhe a autoridade e a vida, o governador recolheu-se à fortaleza,

reuniu a tropa e, com bastante estardalhaço, mandou prender os sediciosos, remetendo-os,

uns a ferros para o Gurupá, outros desterrados para Portugal.

Pedro César foi o primeiro dos governadores a residir em Belém, desprezando São

Luís, sede natural do governo, “atraído pelas ganâncias do comércio muito mais

considerável então naquela cidade que em São Luís”, diz César Marques.

Neste ano foi estabelecido em São Luís o Estanco da Fazenda Real, aceito pelo

clero, nobreza e povo, convocados pelo governador em Junta Geral, pelo qual a Coroa

estancava o comércio, proibindo-o aos particulares, e faria, por sua conta, todo o negócio

de ferro, aço, facas e avelórios (miudezas), necessários ao Estado e o comércio de resgate,

recebendo em troca as drogas e produtos do País. Dois anos depois foi extinto, pois “só aos

assentistas era conveniente e à Real Fazenda, de muito prejuízo”.

3 de setembro - A bula do Papa Inocêncio XI cria a Diocese do Maranhão,

subordinada ao Bispado de Lisboa; a vila de São Luís é elevada à categoria de cidade,

atribuindo-se-lhe 2.000 habitantes, e a igreja de Nossa Senhora da Vitória é erigida em

catedral e Sé do Bispado. Frei Antônio de Santa Maria, capuchinho, eleito bispo, renuncia

ao cargo sem ao menos tomar posse.

Ano de 1678 – 17 de fevereiro - Inácio Coelho da Silva

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 24 -

Deixando Vidal Maciel Parente (filho do ex-governador Bento Maciel) no

governo, seguiu para Belém.

Manoel Beckman, vereador desde 14 de janeiro de 1668, criticou publicamente tal

nomeação, “ou por ser ele bastardo e mameluco, ou por outros defeitos que lhe assacou”,

segundo César Marques, pelo que o governador prendeu-o e deportou-o para o forte de

Gurupá, tirando devassa e acusando-o de grande inquietador do povo, acostumado a

sedições e alvoroços.

18

Ano de 1679

“Vagavam pelas proximidades da cidade e das costas marítimas do Maranhão os

indomáveis índios Taramambeses”, diz Marques, e conta que, “protegidos pelas sombras da

noite costumavam aproximar-se em silêncio das embarcações surtas junto à terra e,

picando-lhe as amarras, as faziam dar à costa, roubando depois a carga e matando e

comendo os naufragantes”. A fim de puni-los, instaurou-se processo, e “da condenação à

morte não escaparam nem as mulheres”, diz Bettendorff; à vista de que não lhes restassem

esperanças, batizou-os todos, “com o que escapariam do fogo do inferno e iriam gozar no

céu da bem-aventurança eterna”. (Como se já não experimentassem o inferno com os

mesmos portugueses... acrescentamos nós.) “Assim instruídos todos e aparelhados em bons

e famosos atos de fé, esperança e caridade, se mandaram, depois de batizados, cavalgar

sobre dois bancos, postos à boca de duas peças carregadas de bala, e pondo-se fogo a

ambas ao mesmo tempo voaram em um fechar de olhos pelos ares feitos em pedaços”. Não

satisfeitos ainda, a esta carnificina judiciária seguiu-se a guerra que lhes moveu Vital

Maciel Parente que, “fiel às tradições paternas, surpreendeu os Taramambeses

descuidados, sendo tal o furor dos assaltantes que não perdoavam a sexo nem a idade”.

Mas, a tropa, chegada a São Luís “foi logo à igreja matriz dar graças a Deus e à Virgem

Santíssima da Vitória pelo bom sucesso de sua empresa”, conclui o padre.

Todavia, Inácio Coelho deu execução às determinações régias que obrigava os

agricultores à plantação de cacau e baunilha e promover o cultivo e fabricação do anil.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 25 -

Ano de 1679 – 11 de julho – Toma posse nosso primeiro bispo – D. Gregório dos Anjos,

cientista e letrado, doutor em Teologia e orador sacro.

Ano de 1680 – 24 de janeiro – Bequimão é solto.

Carta Régia desta data ordenava que, como da devassa não resultara culpa,

mandasse o governador soltar Bequimão, e repreendia a autoridade “pela curiosidade com

que se mostrou zeloso”.

Era, porém, Inácio Coelho dedicado aos melhoramentos materiais, animando as

pessoas abastadas a levantarem boas casas e concorrerem para o aformoseamento da

cidade. Não obstante isso, foi antipatizado por todos por seus modos ásperos, não

admitindo ser contrariado.

- Perde o Estado do Maranhão e Grão Pará a capitania do Ceará, que passa à

jurisdição de Pernambuco.

Ano de 1682 – 27 de maio – Toma posse no governo Francisco de Sá de Menezes.

Ainda a bordo, Sá de Meneses promoveu uma reunião com Pascoal Pereira Jansen

(que com ele viera), Antônio de Souza Soeiro, procurador da Câmara, Manuel Campelo de

19

Andrade, juiz de órfãos e Jorge de Sampaio, vereador, para instalação do Estanco, sob a

presidência de Pascoal Jansen, o que foi feito no dia seguinte: reuniu-se a Câmara, e o

procurador, exibindo as respectivas provisões, estabeleceu o Estanco do Maranhão, pelo

qual se comprometia este a introduzir 10.000 escravos, melhorar a indústria e a lavoura e

garantir a freqüência dos navios, ao menos de um por ano. Se o primeiro foi mal recebido,

sendo oficial, quanto mais este, instituído em benefício de particulares e que, estendendo-se

a toda a sorte de gêneros, vinha matar de vez toda a iniciativa dos da terra. Ademais, que o

governador declarava “ter ordens de Sua Majestade para estabelecer o Estanco, quer

quisessem quer não”, ameaçando meter no mesmo navio em que viera alguém que, por

acaso, tivesse dúvidas a respeito. Foi a proposta prontamente aprovada, “sendo os

principais instigadores da aceitação galardoados pelo governador: o procurador Souza teve

a patente de Capitão-da-Infantaria paga, e Jorge de Sampaio recebeu um grande mino de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 26 -

fazendas e outros objetos”, diz C. Marques.

- Sá de Meneses ergue em Itapecuru uma casa forte que chamou de Santo Cristo da

Serra de Semide, no lugar da antiga fortaleza de Vera Cruz.

- “Os escravos não vieram, nem em número, nem pelo preço acertado; os gêneros

eram de má qualidade e até mesmo estragados; havia uma cotação para a venda e outra

para a compra; os navios escasseavam e a Companhia roubava nos preços, nos pesos e

nas medidas. O Governador, como já se esperava, entrava na tramóia, sócio de fato da

empresa. Por outro lado, se o poder executivo comerciava (e esta era prática constante

desde os primeiros tempos, apesar das reiteradas proibições), o eclesiástico não ficava

atrás e adiantou-se na pessoa do bispo D. Gregório dos Anjos que, juntamente com Sá de

Meneses, atirou-se, sofregamente, ao lucrativo comércio do cravo, não obstante ser isto

vedado a ambos.” (C.de Lima)

A sofrer sem remédio, o povo encontrou um representante de suas angústias em

Manuel Beckmam, português de nascimento mas, ligado, como vereador que fora, aos

negócios da terra, respeitado e estimado por suas atitudes corajosas que já lhe haviam

custado um desterro.

Escravidão Negra.

Embora Artur Ramos afirme existirem escravos negros no Brasil desde 1531, no

Maranhão sua importação começou com a primeira Companhia de Comércio, neste ano de

1682. Não obstante haver escravos negros nas lavouras de algodão, cana-de-açucar e arroz,

no Pindaré, Itapecuru e Mearim, foi o padre Vieira quem encareceu à Coroa a necessidade

de sua introdução em larga escala, propondo (para os colonos, que os padres continuaram

com os índios ainda por muito tempo) a troca do elemento autóctone pelo africano, “que já

fora escravo em todos os tempos e já o era entre os seus”.

“Combustível humano” para Darcy Ribeiro, “não sendo propriamente

trabalhadores, mas apenas o trabalho”, segundo Marx, eram os escravos considerados

mercadoria (opinião desposada também pela Igreja, pela maldição de Caim condenados a

ser “o servidor dos servidores de seus irmãos”) e de cujo comércio muito lucrativo

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 27 -

20

participavam reis, nobres e até filósofos como Voltaire, constituindo “o mais importante

ramo do comércio marítimo, nos séculos XVII e XVIII”, conforme Simonsen.

Pode-se considerar, porém, que foi com a nova Companhia Geral do Comércio do

Grão Pará e Maranhão, em 1757, que se organizou a rota negra da Amazônia e que os

negros chegaram em considerável quantidade (25.365 escravos vieram para o Maranhão

e Pará, segundo Manuel Nunes Dias, e Roberto Simonsen calcula que 3 milhões e 300 mil

negros entraram no Brasil, do século XVII ao XIX).

Filhos de diversas nações, embarcados na Costa do Marfim, Costa do Ouro e

Costa dos Escravos e das ilhas portuguesas de São Tomé e Príncipe, aqui chegaram

angolas, congos, fanti-ahantis, nagôs, jejes, etc., englobados sob a denominação de minas

(as mulheres vindas principalmente do forte de São Jorge de Minas), para se tornarem os

principais artífices da riqueza maranhense no século XIX e contribuir generosamente na

formação de nossa identidade e nossa alma. Vinham, 300 a 500 fôlegos vivos, amontoados

no fundo dos porões infectos dos “tumbeiros” e, se na viagem a mortandade chegava a 25%

dos embarcados, sua vida últil e produtiva nos engenhos e fazendas, sujeitos a castigos e

torturas no tronco, nas gargalheiras, nas correntes, nas surras de chicotes de couro cru, etc.,

não ia além de 10 anos. Como disse o pe. Vieira: “Ah, fazendas do Maranhão, que se esses

mantos e essas capas se torcerem, haviam de lançar sangue”; Vicente Pires: “Sem a costa

da África o Brasil não teria negros, sem negros não se plantaria cana e faria açúcar e sem

açúcar não haveria Brasil” e Caio Prado Júnior: “O algodão, sendo branco, tornou preto o

Maranhão”.

“Sempre estive persuadido que a palavra escravidão desperta as idéias de todos os

vícios e crimes”, diz com razão o Arcebispo da Bahia; o corrompimento se dando pela

despersonalização abjeta do indivíduo, sujeito a outro – dono de sua pessoa e de seu

destino. Joaquim Nabuco reconhecia não ser o mau elemento da população a raça negra,

mas essa raça reduzida à escravidão.

Em São Luís, a Casa das Minas, fundada por Nan Agotimé, viúva do rei

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 28 -

Agoingolo de Damomé e a casa das Nagôs, fundada por Josefa (ambas entradas no

Maranhão de contrabando, após a proibição da Lei Feijó, de 1831) constituíram-se nos

principais núcleos de resistência da religiosidade afro-maranhense.

Ano de 1684 – 23 de fevereiro – Revolução de Bequimão

A revolta partiu da cerca do Convento de Santo Antônio, depôs o governador,

prendeu o capitão-mor, comandante das armas, constituiu uma Junta Governativa e

expulsou os jesuítas, donos de outro monopólio: o dos índios. Vitória rápida e completa; o

preposto de Sá de Menezes (que transferira o governo para Belém), Baltazar Fernandes,

medroso e incapaz, não opôs resistência. “Oferecia o préstito o espetáculo de uma

verdadeira revolução popular, tanto nos seus intuitos, como na própria maneira como

estavam armados os revolucionários, trazendo cada um a arma que encontrara ou

possuía”, diz Barbosa de Godóis. Tratou Bequimão de obter o apoio de Tapuitapera e Pará,

sem resultado, tentando a Câmara de Belém até suborná-lo.

Mas, o ânimo dos revolucionários aos poucos foi arrefecendo, os chefes e

subordinados voltando às suas atividades rotineiras; o povo, desacostumado do serviço

militar, cansou-se e até Bequimão passou a preocupar-se infantilmente com pequenos

21

assuntos como o de proibir mantas de seda às mamelucas; tão despreocupados que só dez

meses depois enviaram um representante à Corte. Jesuítas e assentistas já haviam preparado

o ambiente hostil e Tomás Beckman, irmão de Manuel, ao chegar a Lisboa foi posto a

ferros e enviado de volta, juntamente com o novo governador.

Ano de 1685 – março – Segunda expulsão dos padres da Companhia de Jesus.

15 de Maio – Gomes Freire de Andrade

Assumindo o governo, Gomes Freire repôs tudo como dantes: demitiu os

funcionários da revolução, reintegrando os antigo; chamou os jesuítas; reinstalou o Estanco.

A debandada foi tão grande que a cidade ficou deserta, dizem os cronistas. Gomes Freire

publicou um bando concedendo perdão aos revoltosos, com exceção dos chefes. Bequimão

escondeu-se mas, graças à traição de seu filho de criação, Lázaro de Melo, foi preso, e

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 29 -

condenado à morte.

2 de novembro – Execução de Bequimão - Na praia do Armazém , ou da

Trindade, morreram na forca o grande herói – Manuel Bechman, o Bequimão e Jorge

Sampaio. Francisco Dias Deiró sofreu a mesma pena, porém em efígie, isto é, em retrato,

por se encontrar foragido.

“Foi ele (Bequimão) o proto-mártir da liberdade no Brasil. Pelo seu caráter,

abnegação e amor extremado pela causa pública, aparece na história dos nossos tempos

coloniais como um vulto gigantesco, que pasma ter vivido num tempo em que a tirania da

parte dos governantes e o servilismo da parte dos governados eram característicos da

sociedade”, exalta-o Barbosa de Godóis.

A Revolta de Bequimão foi a primeira insurreição anticolonialista em terras

brasileiras; anterior à de Filipe dos Santos (1720) e à Inconfidência Mineira (1789)

(Jorge de Sampaio é esquecido por ter, ao que se depreende, feito jogo duplo:

como vereador, apoiando Sá de Menezes; como revolucionário de última hora, aderindo ao

movimento).

Pascoal Jansen pouco aproveitou das riquezas ilicitamente adquiridas, sendo seus

bens confiscados, oito anos depois, pelos próprios colegas assentistas.

Ano de 1686 – 24 de novembro – Diante da ameaça de extinção, Carta Régia proibia o

corte de árvores novas de cravo por 10 anos, e que só se mandassem ao Reino três a quatro

mil arrobas por ano.

21 de dezembro - Carta Régia determinou que Gomes Freire de Andrade

permanecesse no governo “pelo tempo que vos for possível”, embora já estando nomeado

Artur de Sá de Meneses que, em conseqüência, deveria receber de seu antecessor instruções

e conselhos para o bom desempenho de seu encargo.

22

Ano de 1687 – 14 de julho – Toma posse no governo Artur de Sá de Meneses. No préstito

que em que foi à matriz, ouvir o Te-Deum, recusou-se Freire a ir sob o pálio, com o seu

sucessor, conforme a praxe, “sem ter ou querer distinção alguma”.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 30 -

Ano de 1688 – 12 de março – Carta Régia manda tomar severas medidas para impedir a

dilapidação, inclusive por religiosos, das salinas de Maracanã, no Pará. (C.R. de 12-3-

1688).

- 23 de março - Carta Régia determina a criação de uma fábrica de anil, no

Cametá, e proíbe a manufatura do ferro.

- 23 de agosto ordena que o governador tenha residência em São Luís.

Sempre atencioso, reto e assíduo no cumprimento do dever, “jamais usou da

autoridade para fazer o mal” (Baena, Compêndio das Eras), Sá de Meneses fez edificar

nova igreja na Capitania de Icatu,; uma entrada pelo Amazonas até o Rio Negro, que

resgatou grande quantidade de índios; também descobriram-se minas de ouro no rio Urubu

e de prata em Jatuna, pelo que foi criada em Belém uma fundição de metais.

Ano de 1690 – Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho, o Moço.

- 17 de maio – Capitão-mor do Pará, toma posse no governo do Maranhão, a 17 de

maio, Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho, chamado o Moço, para distingui-lo de

seu pai, de mesmo nome, governador de 1667 a 1671. Fez construir de pedra e cal a

fortaleza da Ponta de João Dias (Ponta d’Areia) e outras em Joanes e Gurupá, dada a

ameaça dos franceses de Monsieur de Ferrol, em Caiena.

Ano de 1692 – Carvalho fundou, em Marajó, o pesqueiro real e despachou as “entradas” a

terra dos tapajó e iruriz; e aos índios abacaxi até os rios Negro e Madeira.

- Chega ao Maranhão a bandeira paulista de Francisco Dias de Siqueira.

Ano de 1693 – 2 de novembro - Carta Régia ordena ao governador que só permita tais

“entradas” de estranhos quando expressamente autorizadas pelo governador do Estado do

Brasil.

- Jesuítas, mercedários e franciscanos de Belém negam-se a pagar os dízimos

reais, mandando a Coroa que sejam seqüestrados seus bens caso não justifiquem

convenientemente a recusa.

Ano de 1695 – 19 de abril – Chega à Bahia a expedição do sargento-mor Francisco dos

Santos para entregar ao governador, D. João de Lencastro, carta do governador do

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 31 -

Maranhão, datada de 15-12-1694, descobrindo, na aventura, esta estrada.

23

- Epidemia de varíola trazida por um navio negreiro e que se estendeu por todo o

Estado, fazendo mais de 200 vítimas, entre as quais o Provedor-mor Guilherme Rodrigues

Bravo.

Ano de 1696 – 6 de fevereiro – Carta Régia recomenda ao Governador o maior cuidado na

preservação de seus domínios, ante a descida dos castelhanos pelo Amazonas até as terras

dos índios cambeba.

Ano de 1697 – mês de maio – Os franceses de Caiena ocupam a fortaleza de Macapá e

arrasam a do Paru. Mandou o governador combatê-los o capitão Francisco de Souza

Fundão e, tendo obtido sucesso, ordenou a reconstrução do forte.

- 8 de maio – Chega a São Luís o novo bispo, D. Timóteo do Sacramento, homem

áspero e orgulhoso, que logo condenou à prisão, degredo e multa os acusados de

concubinato, hábito generalizado, sem atenção a posições ou privilégios.

Ano de 1698 – 10 de dezembro – Carta Régia ordenava ao Comissário dos Mercedários

que reprimisse as sátiras aos Ministros e ás autoridades, as quais ofendiam do púlpito com

palavras escandalosas.

Contra as violências de D. Timóteo levantou-se o Senado da Câmara, sem

resultado. O governador mandou, de Belém, o Ouvidor-mor a São Luís, para solicitar ao

bispo que soltasse os presos. Respondeu este com a leitura acintosa e todos os nomes dos

condenados, feita numa missa festiva na Sé. O Conselho da Coroa ordenou a soltura dos

presos e o bispo excomungou os Ouvidores. O Ouvidor mandou cercar o palácio do bispo,

que, sem criados, ia ele mesmo buscar água na fonte próxima, desde então apelidada “a

fonte do bispo”. Então mandou pregar-lhe portas e janelas. Seguiram-se atos de violência

de ambas as partes, o bispo excomungou o Capitão-mor e toda a cidade e até Prior do

Convento do Carmo, em Belém, por haver recorrido da sentença de interdição de sua igreja,

que o bispo dera por poluída por abrigar o corpo de seu desafeto, o Ouvidor-geral. O Juiz

Conservador Apostólico admoestou-o, recebendo em represália a excomunhão. Passaram

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 32 -

aos confrontos físicos através de bandos de cacetistas, que se enfrentavam nas ruas, com

escândalo público. Ao próprio Rei, que lhe condenara os atos, respondeu que o assunto não

lhe competia, sendo de natureza estritamente religiosa. Inconformado, viajou para Lisboa,

mas não foi recebido por D. Pedro II; tão constrangedora tornou-se sua presença que se

recolheu à sua quinta em Setúbal, sem sequer nomear procuradores para acompanhar o

processo.

Ano de 1699 - Sentindo-se doente, Antônio de Albuquerque pediu demissão, vindo para

São Luís Fernão Carrilho, seu lugar-tenente, mas que só alcançaria o governo no ano

seguinte.

Ano de 1700 – 4 de março – Pelo Tratado Provisional desta data têm fim as usurpações do

Marquês e Ferrol, de Caiena, esperando a solução definitiva da questão, o que só ocorreria

treze anos depois.

24

SÉCULO XVIII

Ano de 1701 – 30 de junho – Fernão Carrilho

Supondo que Antônio de Albuquerque já tivesse partido de Belém para Lisboa, a

Câmara de São Luís dá posse a Fernão Carrilho.

- 11 de julho – Parte para Portugal, licenciado, o ex-governador Antônio de

Albuquerque Coelho de Carvalho, o Moço.

- Um ano durou a interinidade de Fernão Carrilho, “limitado ao simples

expediente”, diz Marques.

- A Junta de Governadores Diocesanos levantou as excomunhões e interditos,

finalmente encerrando a questão provocada por D. Timóteo do Sacramento.

Ano de 1702 – 8 de julho – Toma posse D. Manuel Rolim de Moura como governador do

Maranhão.

- 10 de agosto – Segue para o Pará de onde se demora por três anos.

Ano de 1705 – Em virtude de seus desentendimentos com o Ouvidor-Geral e Provedor da

Fazenda, Miguel Monteiro Bravo, D. Catarina, Regente de Portugal, demite-o do governo.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 33 -

- 13 de setembro – Assume interinamente o governo João de Velasco Molina,

enquanto o ex-governador parte para São Luís a fim de retornar ao Reino. Intrigantes de

São Luís informam a Molina que Rolim articula um movimento para sua deposição; viaja

para São Luís com o Ouvidor-geral e manda-o abrir devassa contra os pretensos

conjurados.

Ano de 1707 – 12 de janeiro – Cristóvão da Costa Freire, Senhor de Pancas, é o novo

governador, recebendo o governo, por ordem expressa do Rei, diretamente das mãos de

Manuel Rolim de Moura. Costa Freire anula a devassa, solta os presos e demite Molina do

cargo de Capitão-mor do Pará; intenta por em execução a Carta Régia de 1705, que dava

liberdade aos índios, mas, diante da reação dos colonos, ao contrário, arma uma tropa de

resgate pelo Amazonas.

Ano de 1708 – 8 de junho – Ordena o governador que Inácio Corrêa de Oliveira, em

cumprimento da Ordem Régia, expulse os missionários castelhanos de Quito, que se

25

haviam estabelecido entre os índios Cambeba, no Amazonas, os quais, intimados,

retiraram-se sem resistência.

- 30 de setembro - O governo de Quito, no entanto, retomou a região de Solimões,

aprisionando os portugueses, inclusive Oliveira.

Ano de 1709 – 5 de março – A Câmara oficia à Metrópole dizendo “que o fim deste

capitão-mor (João Velasco de Molina) era destruir os privilégios dos cidadãos desta

Capitania, que eram iguais aos do Porto, pois mandou prender em pública e estreita

enxovia fechada os juizes ordinários, o juiz de órfãos e três capitães (...) tudo por ódio e

caprichos particulares”.

Ano de 1710 – 14 de janeiro – Carta Régia autoriza os nobres maranhenses a organizarem

uma Companhia de Privilegiados, à qual só poderiam pertencer os que pudessem integrar a

Câmara.

- abril – Recebe Cristóvão Freire a notícia do êxito da tropa que mandara em

outubro, sob o comando do sargento Antunes da Fonseca: vencera os castelhanos, senhores

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 34 -

do Distrito dos Cambeba, e fizera 15 prisioneiros, entre os quais o jesuíta João Batista

Sana, governador daquelas missões.

Ano de 1715 – Provisão do Conselho Ultramarino manda que a Capitania de São José do

Piauí, desligando-se da Bahia, volte a pertencer ao Estado do Grão-Pará e Maranhão.

- Enquanto isso, vai Costa Freire ordenando ao Sargento-mor Francisco

Cavalcanti de Albuquerque “entradas” e mais “entradas” resultando, entre outras cousas, a

dizimação dos índios Aranhi, no Piauí, e dos Iorá, no rio Madeira.

- O governo do Senhor de Pancas estende-se até 1718 por solicitação da Câmara,

desejosos os moradores da Capitania “de o querer sofrer por mais outro triênio”, conforme

disse ele em seu agradecimento.

- Data deste ano o célebre “Processo das Formigas”, movido pelos frades

capuchinhos contra as saúvas que lhe pilhavam a despensa e ameaçavam a estrutura do

convento. (Ver a descrição do episódio em “História do Maranhão”, de Carlos de Lima.)

Ano de 1716 – 26 de abril – Representação do Senado da Câmara acusa Costa Freire de

perseguir homens honrados e cercar-se de maus indivíduos e até de cristãos-novos.

Ano de 1717 – 12 de julho – É empossado na catedral, “com grande júbilo de suas

ovelhas”, o bispo D. José Delgarte.

26

Ano de 1718 – 18 de junho - Assume o governo Bernardo Pereira de Berredo e Castro

perante a Câmara de São Luís, recebendo-o de Cristóvão Freire, em Belém, em 1o. de

agosto.

- Não obstante ter-lhe, em 12 de junho de 1710, agradecido os bons serviços

prestados à Coroa, mandou o Rei que o Ouvidor-geral do Pará tirasse devassa da

administração de Freire de Andrade, conforme a representação, já citada, que fizera a

Câmara.

- Não obstante mereça os maiores encômios como intelectual, autor dos “Anais

Históricos do Estado do Maranhão”, como governante houve-se como os demais,

cometendo abusos e arbitrariedades: prendendo desafetos e fuzilando soldados, enquanto

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 35 -

agraciava amigo; usando de tropa na construção de seu engenho particular; exercendo

abertamente o comércio e fazendo guerra injusta ao gentio e em proveito próprio. Não só

Berredo como seus antecessores criavam inúmeros postos de coronéis, tenentes-coronéis,

sargentos-mores etc., em retribuição a favores ou serviços particulares, pelo que a Provisão

de 30 de abril de 1721 ordenou que se abstivessem desse procedimento, tornando sem

efeito os tais postos.

- É criada a Capitania de São José do Piauí, subordinada à do Maranhão.

- Frei Antônio de Sá, ex-Provincial da Ordem Carmelitana o Hospício do Bonfim ,

sobre uma colina, no cabo do mesmo nome, à margem esquerda do rio Bacanga, fronteiro a

São Luís.

Ano de 1719 – 4 de março – A Bula de Clemente XI eleva o Pará a Bispado, sendo seu

primeiro titular frei Bartolomeu do Pilar.

- Edificada a igreja de Nossa Senhora dos Remédios, na ponta do Romeu.

Ano de 1720 – 13 de novembro – Por Bula Apostólica, o Grão-Pará é retirado da

jurisdição episcopal do Maranhão e constituído em bispado sufragâneo ao Patriarcado de

Lisboa.

Ano de 1722 – 19 de julho - João da Maia da Gama assume o governo e incumbe o

Sargento-mor Francisco de Melo Palheta de, “com todo o disfarce e com toda a cautela”,

roubar um par de grãos de café de algum jardim ou roça da Guiana Francesa, aonde fora em

missão especial na questão de limites.

- Logo nos primeiros dias de seu governo representou à Sua Majestade, dizendo

“ser-lhe impossível o sustentar-se nesta Capitania com o soldo de seis mil cruzados,

27

necessitando valer-se dos gêneros do reino para com eles comprar o preciso ao seu

sustento, e de sua família”, razão por que pedia que lhe fosse permitido “mandar ir de

Portugal 300 a 400$000 empregados nestas drogas”, o que lhe foi deferido, obrigando-o,

porém, a apresentar ao Conselho Ultramarino a relação dos gêneros com seus respectivos

preços.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 36 -

- 20 de agosto – Carta Régia dá nova organização: apenas dois Estados: Grão-Pará

e Maranhão, voltando o Piauí a pertencer a este último.

- D. João V exige dos povos o donativo voluntário “para aliviar o Erário dos

grandes empenhos contraídos com as despesas dos casamentos dos príncipes portugueses e

espanhóis”.

Ano de 1723 – O Capitão-mor José da Cunha d’Eça funda a povoação de Arari.

Ano de 1724 – 18 de agosto – O governador ordenou que, sob pena de prisão, só fosse

usado o fio em meada e trouxesse o pano o nome do tecelão, para evitar o costume já

generalizado da fraudação da moeda (que era o novelo de algodão) recheando-a com trapos

e pedaços de madeira. A Coroa, concomitantemente, estabeleceu que as varas de pano

valessem 200 e 400 réis, respectivamente as de 26 e mais cabrestilhos.

- Seguindo a praxe, também João Maia manda fazer “entradas” e restaurar a

estrada aberta por Pedro Teixeira, um século antes, e que ligava São Luís a Belém.

Também como de costume governador e bispo entram em divergência, por haver este

asilado soldados desertores no palácio episcopal.

Ano de 1727 - Palheta exorbitou a ordem de João da Maia, trazendo cinco pés da planta e

mais de mil frutos. Iniciou-se, pois, no Maranhão a cultura do café no Brasil, tornando-se

Palheta um dos primeiros fazendeiros.

Ano de 1728 – 14 de abril – Empossado no governo, Alexandre de Souza Freire manda

Pedro Teixeira explorar o rio Amazonas ate à foz do rio do Ouro.

Ano de 1729 – Determina que as canoas empregadas no transporte do sertão paguem

apenas 5% e manda arrecadar o dízimo e o imposto de 4% sobre o gado vacum e cavalar

estabelecido pela Prov. de 2 de junho do ano anterior.

Em Lisboa, já demitido, representou ao Rei, acusando o Conselho Ultramarino de

proteger ladrões.

Ano de 1731 – 11 de dezembro – Carta Régia desta data ordena que sejam pagas, em

cravo, cacau e salsa, côngruas (pensão) aos cônegos, para seu sustento, conforme haviam

pedido.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 37 -

28

Ano de 1732 – 16 de julho - José de Serra é, segundo Mário M. Meireles, o primeiro

governante que, desprezando as “entradas”, trata da moralização dos costumes, insistindo

com os pais pela melhoria da criação e educação das crianças, recomendando à Ouvidoria

fossem evitados “pleitos de origem e fins poucos confessáveis”; proibiu a flagelação dos

penitentes nas igrejas, quinta e sexta-feira santas, e o andarem pelas ruas cidadãos

acompanhados de escravos armados.

- 8 de agosto – Carta Régia mandava fosse muito estendida e abundante a cultura

de café e canela, que ficavam isentas do pagamento de direitos por 12 anos.

Ano de 1736 – 30 de março – Falecendo José de Serra, foi substituído pelo Capitão-mor

João Alves de Carvalho. Disputaram o cargo o Ouvidor-geral, Dr. José Monteiro de Souza

e o Secretário de Governo, Antônio da Rocha Machado, resultando disto ficar praticamente

acéfala a administração no Maranhão.

Ano de 1737 – Provisão Real de 13 de maio deste ano estabeleceu que, vagando-se a

governadoria, assumiria o cargo, em cada Capitania, o seu Capitão-mor.

29 de agosto – Toma posse João d’Abreu Castelo Branco e encontra em São Luís,

parece que, pela primeira vez, duas Câmaras, ambas em exercício: uma protegida do

Capitão-mor; outra, pelo Ouvidor-geral, costume que, no entanto, várias vezes se repetiria

no decorrer do tempo e da história. Determinou que somente uma turma de camaristas

estivesse presente à sua posse e exigiu fossem cumpridas suas ordens.

Ano de 1738 – 29 de junho – Toma posse do bispado do Maranhão D. Frei Manuel da

Cruz.

Ano de 1739 – 17 de abril – Alvará manda instalar o Cabido da Sé, constituído de

arcediago, arcipreste, chantre e mestre-escola, com 12 cônegos, 8 beneficiados, 16 capelões

e 2 mestres de cerimônia.

Desentendem-se bispo e camaristas: negando-se o vigário da Sé a oficiar missa de

ação de graças pela aclamação de D. João V ao trono português, foi apenado por seu

superior; este apelou para a Câmara que ficou a favor dele. D. Manuel responde que eles

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 38 -

camaristas cuidassem de suas obrigações e não interferissem no que não era de sua conta.

- No governo de Castelo Branco ocorreram conflitos no Tocantins entre

maranhenses e brasileiros por motivo da exploração de minas de ouro no hoje Estado de

Goiás, questão solucionada pela Coroa, que deu razão aos paulistas.

29

Ano de 1743 – A Irmandade de Nossa Senhora da Conceição inicia, num largo, na rua

Grande (Osvaldo Cruz) a construção da igreja de Nossa Senhora da Conceição dos

Mulatos, que somente seria concluída em 1662! Arruinada e reconstruída várias vezes,

reabriu em 1865 com as bênçãos do Bispo Diocesano, D. Luís da Conceição Saraiva.

Ano de 1744 – Messieur de La Condamine, juntamente com outros sábios franceses e

castelhanos, foram hóspedes de Castelo Branco, no regresso da viagem ao Amazonas com

objetivos científicos.

Ano de 1745 – O padre Gabriel Malagrida funda, no Pará, um seminário.

Ano de 1747 – 14 de julho – Toma posse o bispo D. frei Francisco de São Tiago.

– 14 de agosto – O novo governador do Maranhão é Francisco Pedro de

Mendonça Gurjão. Preocupou-se de início com o problema dos índios, recomendando tratálos

com muita brandura para chamá-los ao grêmio da igreja, o que contrariava os padrões

da época.

- João de Souza de Azevedo, partindo de Mato Grosso, descobre o curso do rio

Tapajós, alcança o Amazonas e chega a Belém, comunicando o feito às autoridades.

Ano de 1748 – 12 de junho -Provisão Real autoriza a circular no Estado o dinheiro

amoedado de ouro, prata e cobre, em substituição aos rolos de algodão e abate-se sobre a

Província a primeira e violenta epidemia de sarampo, sendo as maiores vítimas os índios e

os escravos.

Ano de 1749 – Realizam-se brilhantes festejos para comemorar o título de Fidelíssimo que,

em 23 de dezembro, o Papa Benedito XIV deu ao rei D. João V e aos seus sucessores.

Ano de 1750 – 31 de julho – Ascende ao trono português D. José I, tendo como Primeiro

Ministro Sebastião José de Carvalho e Melo, mais tarde o famoso Marquês de Pombal.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 39 -

Instalou-se em Portugal o “Despotismo Esclarecido”; que os príncipes tivessem poderes

absolutos para atender o interesse dos povos, abolindo o prestígio, até então vigente, da

nobreza e do clero, que passaram a ser perseguidos. O Rei, pela mão de Pombal, extinguiu

a Inquisição (Tribunal eclesiástico, também chamado do Santo Ofício, encarregado de

julgar os crimes contra a fé, extirpar os herejes, os judeus e os infiéis, responsável por

15.000 pessoas queimadas vivas e 25.000 mortas nos cárceres, só em Portugal (e tudo em

nome de Deus!); empreendeu Pombal uma ampla reforma administrativa, a reorganização

das finanças e a disseminação e desenvolvimento da educação. Na América, reconquistou

para a Coroa as capitanias hereditárias ainda existentes; reforçou a defesa militar; cerceou o

comércio dos religiosos; incentivou a lavoura, as atividades mercantis e a indústria

extrativa; promoveu a emancipação do índio e a introdução da escravidão africana e

fundou a Companhia Geral do Comércio do Grão-Pará e Maranhão, “que abriria para o

30

Estado a porta para um caminho de progresso que o levaria à fase áurea de toda a sua

existência, no império.” (Mário M. .Meireles)

Ano de 1751 –– 28 de julho – Assume o governo da Capitania Luís de Vasconcelos Lobo,

que logo vem a falecer, no dia 11 de dezembro de 1752.

- 31 de julho - A capital do Maranhão é transferida de São Luís para Belém e

mudado o nome para Estado do Grão-Pará e Maranhão.

- 24 de setembro – Francisco Xavier de Mendonça Furtado toma posse no governo

do Estado do Maranhão. Irmão do todo poderoso Marquês de Pombal, prestigiou a Justiça,

reconheceu e respeitou o direito das Câmaras e deixou assinaladas sua correção e

probidade, diz Meireles, citando Rocha Pombo. A Câmara , louvando muito o seu governo,

pediu ao Ministério um retrato dele “por ser esta a única maneira de patentear seu apreço

á pessoa do ex-governador”. César Marques, porém, transcreve em seu Dicionário

apreciações de Jacomme Ratton, de Londres, que o acusam de violento com as partes que o

procuravam, descomedido de palavras, deixando-se facilmente prevenir por terceiros, muito

embora confirme seu senso de justiça e o considere possuidor de um bom coração.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 40 -

- 28 de setembro – Perante a Câmara de São Luís assume o cargo de Capitão-mor

da Capitania do Maranhão, o Coronel Luís de Vasconcelos Lobo, que viria a falecer no ano

seguinte. Cumprindo a O. R. de 22 de maio de 1751, prendeu os cidadãos José Cardoso

Delgado, carioca, Faustino da Fonseca Freire e Melo, baiano, Silvestre da Silva Baldez e

José Serrão de Carvalho, maranhenses, e Manuel Lopo e Silva, pernambucano, remetendoos

para Lisboa, sob a acusação de que a Fazenda Real no Maranhão “se achava em poder

de cinco aves de rapina americanas que tinham nas unhas todo o seu veneno”. Faleceram

todos na prisão do Limoeiro, sem nada ficar provado, tudo por causa de uma denúncia de

um rábula de péssimos antecedentes, José Machado de Miranda – diz César Marques, ao

que contrapõe Rocha Pombo: a sindicância apurou o desfalque de 5.000 cruzados (apud

Mário M. Meireles).

Ano de 1752 – 22 de maio – O Capitão de Infantaria Severino de Faria é o novo Capitãomor,

que para Marques era homem virtuoso e de bons costumes, enquanto Ferreira dos Reis

diz que criou incidentes com o próprio Governador-Geral, não tendo o necessário equilíbrio

no cargo.

Ano de 1753 – 1o. de julho – Carta Régia desta data indefere o pedido dos habitantes do

Maranhão para serem dispensados do tal donativo voluntário, alegando serem os mais

miseráveis de toda a América, sob o fundamento de ainda não ter sido completada toda a

quantia pedida.

- O Estado do Maranhão é dividido em quatro capitanias subalternas: São José do

Rio Negro, Grão-Pará, Maranhão e Piauí , cada qual com seu governador, subordinados a

um Capitão-general e Governador-geral, residente em Belém.

31

- 30 de abril – Por carta Régia desta data é Mendonça Furtado nomeado

representante da Coroa para tratar da questão de limites com os Comissários espanhóis, na

forma do Tratado firmado entre o Ministro da Espanha e o Plenipotenciário de Portugal,

concluído em 16 de janeiro de 1750.

- 5 de agosto – O pe. Gabriel Malagrida faz seu Recolhimento de Nossa Senhora da

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 41 -

Anunciação e Remédios, a primeira escola feminina do Maranhão.

- 4 de outubro – Toma posse em Belém, perante o Governador-Geral Mendonça

Furtado, como Capitão-mor da subalterna Capitania do Maranhão, o Brigadeiro Gonçalo

Pereira Lobato e Souza. Entre outros atos do novo dirigente contam-se a abertura da

Estrada para a Estiva e o início do Canal de Arapapaí, obras que fez às suas custas; a

recuperação, por parte da Coroa, da Capitania de Cumã; a extinção da Companhia de

Privilegiados e incorporando seus elementos ao Corpo de Milícia; e a expulsão dos padres

jesuítas. Foi ele ainda, segundo César Marques, que mudou o nome da Capitania de Cumã

para o de Alcântara, com grande pesar dos moradores que queriam conservar o primitivo

como memória para sempre.

Ainda no governo de Lobato e Souza deu-se a transformação, em vilas, das aldeias

de Maracu, Carará, Uçagoiaba, Guarapiranga, Guanaré e Atotóia, agora chamadas,

respectivamente, Viana (8/7/55), Monção (16/7/55), Vinhais (1/8/55), São José de

Guimarães (19/1/56), Nossa Senhora da Tresidela (7/6/56) e Tutóia (1/8/56), além da

criação das de São José de Ribamar (5/8/55), São João de Côrtes (4/10/55), e Lapa e Pias

de São Miguel (25/4/56).

Ano de 1754 – 2 de outubro – Retirando-se Mendonça Furtado, interinamente assumiu o

governo geral o Bispo D. Miguel de Bulhões.

Ano de 1755 –Mais uma vez desentenderam-se Governador e Bispo por causa de um boato

sobre a descoberta de uma mina, obrigando a Corte a proibir que aqui se fizesse qualquer

descobrimento de minas sob pena de prisão e castigo.

– 11 de abril – Toma posse, por procuração, o bispo D. frei Antônio de São José.

– 30 de junho – Liberdade dos índios. Mendonça Furtado dá cumprimento à Bula

Pontifícia de 20 de dezembro de 1741 que declara livres todos os índios.

Ano de 1759 – Terceira expulsão dos jesuítas, agora não só do Maranhão, mas do Brasil e

de todo o reino.

- 2 de março – Assume o governo do Estado como Capitão-General D. Manuel

Bernardo de Melo e Castro, que nada fez, segundo César Marques.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 42 -

32

Ano de 1760 – 14 de julho – Finalmente embarcam para o Pará os últimos jesuítas, 86

religiosos,e os bens da Companhia, móveis, imóveis e semoventes, em grande quantidade,

são postos à venda ou confiscados.

Ano de 1761- 16 de julho - Joaquim de Melo e Póvoas. Para completar o nepotismo,

Pombal, além de por no Governo-Geral do Estado seu irmão, Francisco Xavier de

Mendonça Furtado, nomeou ainda para Governador da Capitania do Maranhão seu

sobrinho Joaquim de Melo e Póvoas.

Deu-lhe o tio muitos conselhos, contidos numa carta que ficou célebre e entrou

para os anais da História, entre os quais: 1) engana-se quem entende que o temor com que

se faz obedecer é mais conveniente do que a benignidade com que se faz amar; 2) quem

governa, se não pode conservar a saúde do corpo misto da república, por causa de um

membro podre, justo é cortá-lo para não contaminar a saúde dos demais; 3) é injúria do

poder usar da espada da Justiça fora dos casos dela. (e aqui faz a ressalva: duvido se há

quem saiba executar estas virtudes.) 4) quase todos os que governam querem que os

lisonjeiem, e sempre ouvem com agrado os elogios que lhe fazem; desta espécie de

inimigos em toda a parte se encontram; aparte-os de si como veneno mortal; 5) não altere

cousa alguma com força, nem com violência, pois é preciso muito tempo, e muito jeito ,

para emendar costumes inveterados; contudo, quando a razão o permite, e é preciso

desterrar abusos, seja com muita prudência e moderação, que o modo vence mais do que o

poder; 6) observe estas três cousas: prudência para deliberar, destreza para dispor e

perseverança para acabar; 7) são os criados (que aqui podem ser tomados por secretários

de toda ordem) inimigos domésticos, quando são desleais; e companheiros estimáveis

quando são fiéis; se não são como devem ser, participam para fora o que sabem de dentro

e depois passam a dizer dentro o que se não sonha lá fora; 8) não aceite por mão deles

petição ou requerimento para que não aconteça que, à sombra da súplica, que vai despida

de favor, se introduza a que se acompanha de empenho e de interesse; 9) se a natureza deu

com previdência dois ouvidos, seja um para ouvir o ausente e o outro para o acusador; 10)

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 43 -

toda a república se faz mais de pobres e humildes que de ricos e opulentos; conheça antes

a maior parte do povo por pai, para o aclamarem defensor da piedade, do que a menor,

por protetor das suas temeridades para se gloriarem do seu rigor; o superior deve mandar

castigar, que para isso tem cadeias, ferros e oficiais que lhe obedeçam; mas nunca deve

injuriar com palavras e afrontas, porque os homens, se são honrados, sentem menos o peso

dos grilhões e a privação da liberdade, que a descompostura de palavras ignominiosas; e

se não o são, nenhum fruto se tira em proferir impropérios”.

Ano de 1763 – 14 de setembro – Fernando da Costa Ataíde Teive faz um governo sem

expressão.

Ano de 1772 – Carta Régia de 20 de agosto dividiu o Maranhão em dois Estados

autônomos: Grão-Pará, com a capitania de Rio Negro; Maranhão e Piauí, com São Luís.

21 de novembro – O Governo-Geral do Estado é transferido para o Coronel João

Pereira Caldas. Andavam por este tempo à matroca as repartições públicas, agindo os

33

funcionários a esmo, por conta própria, a tal ponto de não haver, por vezes, nas colônias,

uma única cópia das leis em vigor; o que propiciava atitudes como a de Pereira Caldas, que

levou consigo todos os documentos de seu tempo a fim de que não ficasse vestígio de sua

passagem pelo governo.

Ano de 1773 – Posta fora da lei em Portugal, o Papa Clemente XIV, atendeu a instâncias

de vários príncipes e suprimiu oficialmente a Companhia de Jesus.

Ano de 1775 – 29 de julho –Toma posse Joaquim de Melo e Póvoas do governo do Estado

do Maranhão. De “gênio ativo, ordeiro e trabalhador”, nos seus dois governos mandou

construir os fortes de São Miguel (no lugar do de São Filipe), São Marcos e São Sebastião

(Alcântara) e consertar o de São Francisco. João Viera da Silva, administrador da

Companhia de Comércio, introduziu o chamado arroz de Carolina, em substituição ao

vermelho, da terra; José Carvalho inaugurou um pilador de arroz, que então se chamava

“fábrica de soque”; e Melo e Póvoas fez vir de Lisboa maquinário para a instalação, no rio

Anil, de um fábrica de anil. Foi também Póvoas, neste segundo período, quem ordenou a

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 44 -

construção do prédio do atual palácio do governo, e promoveu, com a ajuda de Lourenço

Belfort, a cultura da amoreira para a criação do bicho da seda.

Ano de 1776 – Construída da igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, na rua do

Egito.

Ano de 1777 – 4 de fevereiro – Instalação da Junta de Justiça, composta do Ouvidor-

Relator, do Juiz de Fora e de dois vogais.

Ano de 1779 – 21 de setembro – Toma posse por procuração o bispo D. Jacinto Carlos de

Oliveira que, logo, em 8 de agosto de 1780, sem vir ao Maranhão, renuncia ao cargo.

6 de novembro – D. Antônio Sales de Noronha, Capitão-de Mar-e Guerra, é empossado

como o novo Governador. De gênio irascível, entrou em choque com a Câmara e a

Magistratura, mandando encarcerar camaristas e o Juiz de Fora. Tanto fez que a Rainha D.

Maria mandou o Ouvidor tirar devassa de seu procedimento, a qual, como as demais

devassas, não deu resultado algum. Mas, diga-se a seu favor, que aplicou o saldo de 29

contos de réis, do Canal do Arapapaí, com as obras paralisadas, na construção de um cais e

em melhorias da estrada da Estiva, ao invés de desviá-lo como tantos o faziam.

Ano de 1781 – 5 de junho – Toma posse o bispo D. frei José do Menino Jesus e, sem vir à

sua Diocese, vai transferido para o Bispado de Viseu (Pará).

34

Ano de 1782 – D. Lourença da Cruz Pinheiro faz erigir, no Caminho Velho da Madre de

Deus a Eemida de Nossa Senhora das Barraquinhas, no bairro de Santiago.

- Pantaleão Rodrigues de Castro e Pedro da Cunha iniciam a construção da

Igreja de São José da Cidade, que depois se eternizaria como Igreja de São Pantaleão, mais

uma curiosidade deste curioso Maranhão. Inaugurada em 10 de março de 1817.

Ano de 1784 – 13 de fevereiro - José Teles da Silva – A primeira providência do novo

Governador foi comunicar para a Corte não haver encontrado nesta Capitania ordens,

avisos ou cartas régias anteriores ao governo de Luís de Vasconcelos Lobo (1751-1752).

- 31 de outubro – Toma posse o bispo D. Antônio de Pádua e Belas e mais uma

vez ocorre o desentendimento entre a autoridade eclesiástica e o governador,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 45 -

desinteligência esta provocada e exacerbada pelo bispo, com os versos ferinos e sarcásticos

que despropositadamente dirigia aos que lhe eram adversos. Depois de agravos de parte a

parte, a Coroa repreendeu o bispo e mandou que o Ouvidor fizesse cumprir a lei. Foi ao

tempo em que houve novo surto de varíola e foi concluída a estrada da Estiva com a

construção de uma passagem no Estreito dos Mosquitos.

- A Câmara doa ao Cônego José Maciel Aranha o terreno onde se ergueria a

Capela de Santana da Sagrada Família, popularmente conhecida como Igreja de

Santaninha.

Ano de 1787 - 17 de dezembro – Fernando Pereira Leite de Foios, por apelido O “Cavalo

Velho”, toma posse do governo.

Ano de 1789 – O Capitão José Salgado de Sá Moscoso manda construir a Capela de

Santiago Maior, na rua das Crioulas (Cândido Ribeiro), num largo que, por isso, passou a

chamar-se de São Tiago.

Ano de 1790 – 1o. de novembro – O Regimento de Linha se rebela, reclamando a

substituição dos uniformes, reduzidos a molambos. Leite de Foios manda prender o cabeça

do movimento, o soldado Antônio José de Souza Gueco, que se refugiara no Convento de

Santo Antônio e como aquele ordenasse a invasão do convento, os padres o abandonaram,

abrigando-se no Convento dos Mercedários. E por aí afora se repetiram os desmandos, com

“temporalidades” ao bispo e prisões por parte do governador. (Temporalidades eram penas

que privavam o bispo de algumas regalias, como a apreensão de seu cavalo, proibição de

servi-lo seus criados, seqüestro de seus bens, etc. etc.)

- César Marques queixa-se de que Fernando de Foios “não deixou registro algum

de sua correspondência oficial, sendo impossível saber-se diretamente o que ele por aqui

fez”.

35

Ano de 1791 – O Estado se divide em duas Capitanias autônomas: Maranhão, com capital

em São Luís; e Piauí , com capital em Oeiras (antiga vila da Mocha).

Ano de 1792 – 14 de setembro – D. Fernando Antônio de Noronha, que Barbosa de Godóis

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 46 -

considera “um dos mais imbecis governadores que teve o Maranhão” e César Marques

admira-se que “viesse de Portugal para presidir os destinos desta Capitania um homem tão

néscio, estúpido e pedante como este”. E para confirmar este conceito basta dizer que ele

foi, o mais ingenuamente possível, enganado pela lábia de um negro fugido, Nicolau,

acerca de uma fabulosa cidade toda de ouro, às margens da lagoa Caçó.

- Carta Régia manda excluir dos Senados das Câmaras os naturais de Portugal.

Ano de 1794 – 3 de agosto – Partem de São Luís 2.000 homens sob o comando do tal

Nicolau (a quem o Noronha dera logo a patente de capitão) na chamada Expedição ao

Achuí, que, depois de andar tontamente pelos matos, voltaram à capital, sem nada achar,

para escárnio do governador. De outra feita, negou-se a pagar os ordenados de um professor

de filosofia alegando que “estudos superiores só servem para nutrir o orgulho próprio dos

habitantes e destruir os laços de subordinação civil e política que devem ligar os

habitantes das colônias à metrópole”. Todavia teve bajuladores aqui e grandes protetores

em Lisboa: a Câmara pretendeu apor seu retrato na sala das sessões e a Coroa deu a isso o

seu beneplácito! Foi ele quem mandou construir o quartel do Campo de Ourique, no qual

tanto dinheiro foi gasto, que levou a rainha D. Maria I a perguntar se nele havia portas de

prata e pregos de ouro.

- O Chantre Agostinho Aranha manda construir na rua do Covão, entre as da

Cruz e de São João, a Igreja de Nossa senhora de Santana. (Não confundir coma Capela de

Santaninha. Ver Ano de 1784).

Ano de 1796 – 7 de fevereiro - Toma posse o bispo D. Joaquim Ferreira de Carvalho.

Ano de 1797 – Fernando de Noronha propõe à Corte a criação de uma repartição de

comércio no Estado.

Ano de 1798 – 13 de janeiro – Decreto desta data nomeia D. Diogo de Souza para governar

o Maranhão. (Mário Meireles nomeia-o, por extenso: D. Diogo Martin Afonso de Souza

Teles de Meneses).

- 30 de setembro – Carta Régia desta data designava o Desembargador

Joaquim Antônio de Araújo para proceder à devassa de D. Antônio de Noronha, pelo

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 47 -

governo, e do Ouvidor João Pedro de Abreu e o Coronel Anacleto Henrique Campos, pelas

excessivas despesas com a construção do quartel. Surpreendentemente a Coroa absolveuos,

considerando “mentirosa a acusação, fabricada temerariamente pela intriga”, pelo que

36

autorizava-o a vir beijar a mão real; e ainda nomeou-o para Governador de Angola! Mais

uma vez valiam-no os seus patronos.

- Arrolamento geral contava 78.860 habitantes, dos quais metade escravos

ou, mais precisamente, 36.616.

Ano de 1799 – 8 de janeiro - Corsários franceses, que infestavam as águas do Maranhão,

disparando mais de 20 tiros sobre ela, aprisionam, na baía de São Marcos, a sumaca “Nossa

Senhora do Livramento”, mesmo estando sob a proteção do forte da Ponta d’Areia,

obrigando o governador Lobato a enviar para ali 4 peças de artilharia por mar e 30 soldados

por terra.

O governo de D. Diogo não foi nada tranqüilo, intrometendo-se em assuntos que

lhe não diziam respeito, como, desviando-se de suas obrigações, escrever para o reino para

menoscabar da invenção de um seu desafeto, a quem acoimava de ridículo e fátuo; e a um

sapateiro pobre, que faltara ao compromisso de entregar uns sapatos à sua amante em

determinado dia, mandou prender e açoitar sobre uma peça, no Baluarte. Pois, apesar disso

“O Censor”, jornal de Garcia de Abranches, disse que “durante a sua administração

viveram os governantes felizes e tranqüilos, e até quase livres de desmandos, pelo que lhe

chamou “mestre de governar”! como comenta César Marques. Verdade que Diogo de

Souza queixou-se do “aparecimento de uns sonetos com atrozes injúrias contra o

intendente”, pelo que ordenara ao Ouvidor abrisse devassa, “não só para o desafrontar

como também porque a História ensina que o primeiro indício das revoluções é o pouco

respeito que se presta às pessoas encarregadas dos cargos públicos”. Diga-se ainda a seu

favor que mandou abrir aulas de português, latim e gramática, em São Luís, e de latim, em

Alcântara; também a reconstrução do forte de São Sebastião, naquela localidade, além de

sugerir fosse feita vacinação contra a varíola, que de 1799 a 1802 havia vitimado 20% da

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 48 -

população, ou 20.000 pessoas. Também no seu governo, que se estendeu até 1804, foi

instalado o Arsenal de Marinha, sendo seu primeiro titular o Capitão-de-Mar-e-Guerra Pio

Antônio dos Santos e estabelecido um estaleiro “a fim de construir-s, com as madeiras do

país, um bergantim para o serviço da Armada Real.” (Marques).

- 30 de julho – O Coronel de Milícias Aires Carneiro Homem Souto Maior pediu

que o bispo D. Joaquim dispensasse dos banhos o casamento de sua filha com o exgovernador

Noronha, o que, naturalmente, lhe foi negado. O Coronel, sob algum pretexto,

chamou à sua casa o vigário e obrigou-o a realizar clandestinamente o casamento,

posteriormente considerado válido, apesar de devassa feita, indo a dama para Lisboa

juntarse ao seu consorte. (Sem trocadilho).

HISTÓRIA DO MARANHÃO 2a parte

SÉCULO XIX
Ano de 1801 – Epidemia de cólera morbo faz centenas de vítimas, inclusive o bispo D.

Joaquim Ferreira de Carvalho (1796-1801).

Ano de 1804 – 1o de junho - Toma posse do governo do Estado do Maranhão e Piauí

Antônio de Saldanha da Gama, em lugar de Aires Pinto de Souza, que não aceitou sua

nomeação. Saldanha da Gama disse ao Rei que D. Diogo de Souza havia “reduzido ao

estado de tranqüilidade e sossego a Capitania, por muito tempo assolada por faccões e

intrigas” (Fie-se nos testemunhos!) e de sua curta administração consta a construção do

Cemitério da Misericórdia e as “Barracas da Praça”, ou “Terreiro Público”na Praia Grande,

confiada a obra ao arrematante da cachaça , José da Costa Oliveira.

Ano de 1805 – Finalmente é inaugurado o “Barracão”, “Celeiro Público” ou “Casa das

Tulhas”, que, a partir de 1820, passou a existir como órgão público e erguida a “nova”

Ermida de Nossa Senhora dos Remédios, na Ponta do Romeu, substituída pela atual.

Ano de 1806 – 7 de janeiro – D. Francisco de Melo Manuel da Câmara, por apelido “O

Cabrinha”.(note-se quão antigo é o preconceito na sociedade maranhense, o termo “cabra”

significando mestiço, mulato, a que o diminutivo não ameniza, antes reforça) foi mais um

governante atrabiliário, despótico e desonesto, associado ao comércio de carne através do

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 49 -

arrendatário José da Costa Oliveira, nada mais fazendo que “dar ouvidos a intrigas e

maledicências que ele próprio alimentava”, de comum acordo com a Câmara, conforme

provado pela devassa feita, que “excluiu da governança da capitania por inábeis para mais

servirem de vereadores ou alguns cargos dela”, Sebastião Gomes da Silva Belfort, José

Pereira da Silva, Joaquim Antônio de Lemos Velho e Eugênio Frazão Castelin.

D. Francisco mantinha um soldado para chicotear todo aquele que não se

descobrisse ao passar em frente do palácio e foi acusado de ser partidário de Napoleão, pois

seu sogro, o General João Forbes era amigo de Junot (que invadira Portugal obrigando a

fuga da Corte para o Brasil) pelo que desarmara os fortes e espalhara a artilharia pelo

interior, apesar de advertido para estar alerta contra possíveis incursões de franceses,

espanhóis e holandeses, agora inimigos. Além do mais, entretinha íntima amizade com

Dionísio Rodrigues Franco (“O Filosofia”) e Antônio José da Silva Pereira (“O Físico”)

tidos como simpatizantes da causa francesa, “sem nenhum rebuço”, diz Marques,

acrescentando que “ameaçava com prisão, ferros e extermínios e tinha por sistema político

enredar e inimizar a todos, e assanhá-los reciprocamente para poder aproveitar de uns,

quando queria perseguir os outros”. Por último intimou o Ouvidor José Patrício Diniz da

Silva e Seixas a embarcar para São Bernardo do Parnaíba, um lugar inóspito sem mesmo

dar-lhe tempo de prover-se do necessário a viagem tão longa. Registre-se, porém, que

autorizou a abertura de uma estrada de Mirador (MA) a Porto-Real (Goiás); a fundação do

Arraial do Príncipe Regente, na confluência do rio Alpercatas, pelo Tenente Francisco de

Paula Ribeiro; e ter sido o primeiro a promover a navegação no rio Itapecuru.

Ano de 1807 – 18 de novembro – Tropas francesas invadem Portugal.

38

- 29 de novembro - Toda a Corte foge para o Brasil, chegando o General Junot,

de Lisboa, a atirar ainda sobre o último navio português. A mudança da Família Real teve

pouca repercussão em nosso Estado, estranhando D. Francisco de Paula e Silva, nos seus

“Apontamentos para a História Eclesiástica do Maranhão” nem uma só nota haver

encontrado no arquivo da Diocese, com referência a tão grande acontecimento!

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 50 -

Ano de 1808 – D. João VI declara abertos os portos brasileiros às nações amigas, o que

encobria os interesses da Inglaterra, então dominando completamente Portugal através do

General inglês Guilherme Beresford.

Ano de 1809 – 17 de outubro – Assume o governo do Estado do Maranhão D. José Tomaz

de Menezes, “outro déspota”, na opinião de Ribeiro do Amaral, que mal aconselhado pelo

padre Leonardo, seu capelão, suspendeu e aprisionou o Governador do Piauí Carlos César

Burlamarque e tantas fez que acabou demitido em 24 de novembro de 1810, com ordem de

regressar à Lisboa.

– Chega ao Maranhão, não se sabe porquê, Joaquim Silvério dos Reis, o delator

da Inconfidência Mineira, que virá a falecer nesta cidade, em 17 de fevereiro de 1819,

sendo sepultado na igreja de São João. Reforma realizada por religiosos alheios à nossa

História destruiu o túmulo que ficava no ossuário, à esquerda de quem adentra o templo.

Ano de 1811 –24 de maio – Assume o governo uma Junta Provisória composta pelo Bispo

D. Luís de Brito Homem; Bernardo José da Gama, Juiz de Fora; e Felipe de Barros e

Vasconcelos, Intendente da Marinha, “a qual nada fez que mereça menção, a não ser a

muita moderação que sempre mostrou em todos os seus atos”.

- 10 de outubro – O Piauí separa-se do Maranhão, passando a constituir um

estado independente. Em contrapartida o Maranhão volta a ser apenas o “Estado do

Maranhão”, limitado ao território mais ou menos atual, sem a antiga ligação com o Pará.

Perde ainda o forte e velho vínculo com Lisboa, pois com a vinda da Família Real para o

Rio de Janeiro e elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, ficou submetido ao novo

Governo. Segundo estatísticas da época, a população era de cerca de 160.000 pessoas,

30.000 residentes na capital.

- 2 de dezembro – Paulo José da Silva Gama, “O General Lentilhas” ou “O

Curuba” (Permanece até hoje o costume, muito peculiar ao povo do Maranhão, de botar

apelido em todo mundo.) Este governador passou a ser assim chamado por sofrer de sarna

(escabiose). Advirta-se aqui que seria ele, no Império, o primeiro Barão de Bagé; o

segundo, seu filho, de mesmo nome, casado com Maria Luísa do Espírito Santo, filha de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 51 -

José Gonçalves da Silva, “O Barateiro”, que para ela instituiu o Morgado das Laranjeiras,

depois conhecida como “A Quinta do Barão”

Escrevendo ao Ministro, disse serem os maranhenses bons vassalos, sem

espírito de insubordinação e orgulho, e “residirem a maldade, o orgulho e a intriga

unicamente nas autoridades, principalmente os magistrados, que são quem formam os

partidos, unindo-se a alguma das principais pessoas do país, que por terem pleitos e

39

demandas precisam da amizade dos magistrados”, insistindo na criação urgente da

Relação para administração da justiça e suspeitamente eximindo de culpa os Governadores,

ao mesmo tempo em que acoimava de “gênio incapaz de estar quieto, sempre propenso às

revoluções” o Ouvidor Dr. José da Mota; e “louco, imprudente e malcriado” Dr. Bernardo

José da Gama.

Foi em seu governo que o Capitão Francisco de Paula Ribeiro concluiu a

demarcação de limites com a Capitania de Goiás.

- Neste ano visitou o Maranhão o viajante inglês Henry Koster que, no livro que

publicou, “Viagens no Brasil”, escreveu: “As principais riquezas da região estão nas mãos

de poucos homens., possuidores de propriedades próprias, com extensões notáveis,grupos

de escravos e ainda são comerciantes. Fui apresentado a muitos dos mais prestigiosos

negociantes e plantadores, particularmente aos coronéis José Gonçalves da Silva e

Simplício Dias da Silva. São homens de grande riqueza e de espírito independente. O

primeiro é pessoa idosa e realizou imensa fortuna no comércio, ultimamente acrescida

pelo plantio de algodão. Possui 1.000 a 1.500 escravos.” Hóspede de respeitável família

de São Luís, ficou numa “tolerável sala, ornada com grande leito e três bonitas redes

armadas em várias direções, uma cômoda e diversas cadeiras.” E acrescenta: “O amor

pelo jogo pode ser facilmente explicado no pequeno ou nenhum gosto pela leitura e

grandes somas de dinheiro reunidas e os raros meios de despendê-las.”

Ano de 1812 – 24 de janeiro – Aldeias Altas é elevada à categoria de vila com o nome de

Caxias e verifica-se um grande levante de índios em Pastos Bons.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 52 -

Ano de 1813 – 4 de novembro – É instalado, provisoriamente na Casa da Câmara, o

Tribunal da Relação, criado pela Carta Régia de 23 de agosto de 1811, em substituição à

antiga Junta de Justiça.

- Com a mudança da Corte para o Brasil, foi revogada a legislação que dava

aos brasileiros o privilégio de integrarem o Senado da Câmara.

Ano de 1814 – O Papa Pio VII restaura a Companhia de Jesus em todos seus direitos e

privilégios.

- Porto das Chapadas, no rio Grajaú, é completamente destruído pelos índios

piocobojé.

Ano de 1815 – Elevação da América Portuguesa a Reino Unido ao de Portugal e Algarves.

O Maranhão deixa de ser Estado Colonial e passa a ser Província, e só então passa a receber

ordens do Rio de Janeiro e não mais da Europa, conforme Varnhagem.

Ano de 1817 – Inaugurada a igreja de São José da Cidade, depois igreja de São Pantaleão,

no bairro do Gavião.

40

Ano de 1818 – 6 de fevereiro – Falecendo a Raínha D. Maria I, D. João VI deixa de ser

Príncipe Regente e, no Rio de Janeiro, é coroado Rei de Portugal e do Brasil.

- Piratas espanhóis assaltam a ilha de Santana e a Ponte de Itacolomi.

Ano de 1819 –24 de agosto – Em virtude do falecimento do Marechal-de-Campo Francisco

Homem de Magalhães Quevedo Pizarro, nomeado Governador do Estado do Maranhão,

toma posse Bernardo da Silveira Pinto da Fonseca, que seria nosso último Governador e

Capitão-General. Conforme a praxe, foi apelidado de “O Dente de Alho”, por ter um dente

incisivo saliente.

Não foi nada auspiciosa a chegada do novo governante: a corveta que o trouxe,

apesar de chamar-se “Voador”, encalhou nos baixios da Coroa Grande, perdeu o leme, as

amarras, a artilharia, as munições de guerra e os mantimentos, navegando ao léu por três

dias e obrigando-o a desembarcar nas praias de Ribamar e entrar por terra na cidade.

“Este general distinguiu-se pela sua ilustração e tino prudencial; e se em

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 53 -

alguma época empregou a severidade, parecendo talvez apaixonado, parcial e caprichoso,

deve-se atender às suas intenções, e à responsabilidade que pesava sobre seus ombros em

uma época difícil e longe como se achava do governo central. Não deixou de ter

detratores, como todos os homens de merecimento, e que se encarregam na difícil tarefa de

governar povos e empreendem reforma de abusos.” Em que pese esta opinião do

historiador Luís Antônio Vieira da Silva, os fatos não autorizam de todo o juízo, conforme

veremos a seguir.

O Governador, em Relatório que enviou ao Ministro, dizendo temer passar por

exagerado, descreve o estado em que encontrou a Capitania: as fortificações exóticas e

defeituosíssimas, nenhuma peça em estado de fazer fogo; o Regimento de Infantaria de

Linha e a Companhia de Cavalaria sem disciplina e os Corpos de Milícia, desorganizados;

“os oficiais eram só nominais, pois pertenciam a corpos distantes 50, 100 e mais léguas

das residências deles e Capitães-mores com títulos apenas honoríficos”; toda a Capitania à

beira de “um incêndio espantoso” dada a existência de dois mil escravos armados com

espingardas, peças de artilharia e munição de guerra, que os proprietários do sertão

mantinham para sua defesa da invasão de cem mil índios que incomodavam; na Secretaria

não havia carta ou notícia topográfica; faltavam párocos, subalternos e polícia, na própria

Capital; o Hospital Regimental em estado deplorável, o armazém de pólvora arruinado, as

ruas sem calçamento, “a barra obstruindo-se em progressão espantosa”. Diz César

Marques que não receou tais embaraços e com a ajuda de particulares calçou ruas,

aformoseou a praça de Palácio, construiu e reparou vários edifícios, inclusive o Armazém

da Pólvora, aumentou o hospital, criou o Celeiro Público e deu outras providências.

- João Batista von Spix e Carlos Frederico Filipe von Martius, naturalistas

bávaros, visitaram o Maranhão em 1819, dizendo o segundo, no livro “Viagem ao Brasil”,

referindo-se aos dois grupos existentes na sociedade dominante: portugueses natos,

comerciantes ou ocupantes dos altos cargos administrativos, e nacionais, “nascidos na

fartura das necessidades físicas, criados entre escravos domésticos de pouca educação, e

na segunda posse dos bens herdados, mais inclinados ao gozo do que à atividade,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 54 -

reconhecem a supremacia do imigrado, e abandonam-se com certa timidez, à atividade

41

comercial que enriquece, preferindo retirar-se para as suas fazendas e gozar sua

prosperidade.” Aduz ainda: “Já desde muito é costume mandar educar em Portugal os

jovens das famílias opulentas; os rapazes não raro vão também formar-se na Inglaterra e

em França.” E estendem-se em largas considerações sobre a agricultura (algodão, arroz,

milho, mandioca, feijão, cana de açúcar; métodos de cultivo; técnicas de fabricação,

beneficiamento e prensagem; pecuária; indústria; artesanato; profissões; escravos; e

importação e exportação.

Ano de 1820 – 24 de agosto – Revolução Liberal do Porto. D. João, obrigado pelas

circunstâncias, aceita e jura a nova Constituição.

“A província do Maranhão, que Mendonça Furtado achou “reduzida à extrema

miséria e cujo povo era o mais pobre de toda a América, onde todos estavam devendo os

olhos da cara, passou a desfrutar de um período de felicidade e magnífico esplendor. A

capital era cidade bem situada, com boas ruas a rumo de corda, a maior parte calçada”,

elogia o pe. José de Moraes; a Praia Grande e adjacências cheia de edifícios nobres e

povoadas de mercadores opulentos. De urbe totalmente pervertida de costumes e sem uma

pessoa que possuísse ou usasse de estado algum dos que se praticam em terras civilizadas,

transformou-se com a abertura de ruas e urbanização de praças, por onde circulavam

cadeirinhas e seges, conduzindo damas educadas nos colégios de Lisboa e do Porto, numa

sociedade de costumes requintados à moda européia, onde era hábito mandar os filhos

graduarem-se nas universidades do velho mundo.” (Carlos de Lima)

- Spix e Martius, em visita ao Maranhão, dizem que São Luís “merece, à vista

de sua população e riqueza, o quarto lugar entre as cidades brasileiras.

Ano de 1821 - 26 de abril - Regresso de D. João VI a Portugal. – Restaurada

graças à ajuda dos ingleses a soberania de Portugal, com a expulsão dos franceses, regressa

D. João VI e toda a Corte à Europa, aqui deixando o príncipe D. Pedro como Regente.

Apesar da ocupação do Rio de Janeiro, quando os moradores foram obrigados a desocupar

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 55 -

suas casas sob o império do PR (Príncipe Regente, que o povo traduziu como Ponha-se na

rua) a permanência da Corte durante 14 anos trouxe, como não podia deixar de ser, muitos

melhoramentos ao Brasil:

- 9 de maio – É constituída em São Luís a Junta Consultiva composta de

Lourenço de Arrouchela Vieira de Almeida Malheiros e Joaquim Antônio Vieira Belfort,

Desembargadores; Agostinho Antônio de Faria, Marechal-de-Campo; Antônio Rodrigues

dos Santos, Coronel; Manuel de Souza Pinto de Magalhães, Tenente-Coronel; José

Demétrio de Abreu, Major; Manuel José Ribeiro da Cunha, Capitão; Patrício José de

Almeida e Silva, bacharel; e Antônio José Saturnino das Mercês, sob a presidência do

Bispo D. Frei Joaquim de Nossa Senhora de Nazaré.

- 13 de maio – Bernardo da Silveira Pinto da Fonseca é reeleito Governador,

após haver mandado prender o Comendador Honório José Teixeira, o Major José Inácio de

Mesquita, o Brigadeiro Manuel José Xavier Palmeirim e o Capitão José Antônio dos Santos

42

Monteiro, e exilar para Guimarães o Cônego José Constantino Gomes de Castro, que se

opuseram ao seu novo mandato.

- 17 de maio – Dividido em duas Comarcas (São Luís e Caxias) foram eleitos os

Deputados do Maranhão às Cortes Gerais, Extraordinárias e Constituintes da Nação

Portuguesa, o Desembargador Joaquim Antônio Vieira Belfort e Dr. Raimundo de Brito

Magalhães e Cunha, substituído pelo suplente Cônego José João Beckmam Caldas.

- 19 de agosto – Juramento, na Catedral, em São Luís, da Constituição

Portuguesa, ainda a ser promulgada.

- 29 de setembro – Decreto Legislativo manda criar em todas as Províncias

Juntas Provisórias para o governo administrativo e civil.

- 31 de outubro – Chega ao Maranhão a primeira tipografia, instalada, a 1o. de

novembro, no prédio da rua do Norte, depois ocupado pela Santa Casa de Misericórdia.

O IMPÉRIO

Ano de 1820 – Pastos Bons é elevada à categoria de vila.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 56 -

Ano de 1822 – 15 de fevereiro – Eleita a Junta Provisória integrada por: Brigadeiro

Sebastião Gomes da Silva Belfort, Chefe-de-Esquadra; Felipe de Barros e Vasconcelos,

Desembargador; João Francisco Leal, Coronel-de-Milícias; Antônio Rodrigues dos Santos,

Tenente-de-Milícias; Caetano José de Souza; e o Tesoureiro da Fazenda aposentado,

Tomaz Tavares da Silva.

- 7 de setembro – O Grito do Ipiranga! A Independência do Brasil! Podese

dizer que o sentimento nativista teve origem no momento em que o primeiro índio, a

princípio prestativo e dócil, compreendeu que desejavam sujeitá-lo ao trabalho por

obrigação. Nascia também aí a perseguição das entradas e descimentos, gerando,

conseqüentemente, a reação indígena dos ataques aos acampamentos e povoados do

estrangeiro intruso. À vida primitiva natural e comunitária sucede o trabalho forçado, o

silvícola “mãos e braços da colônia”, ao qual ele só se submete depois de corrompido pelos

vícios e doenças com que o contaminam os “civilizados”. Graças à miscigenação (e a

mulher índia teve aí preponderante papel) a que veio juntar-se o elemento negro,

reconheceu-se a nova raça diferente dos perós, gauleses e batavos, fundando um sentimento

nativista que explodirá na Revolução de Bequimão, de 1684 e na Inconfidência Mineira, de

1789, síntese dos muitos levantes de índios, de quilombolas e de caboclos brasileiros.

A retirada de D. João VI provocou um retrocesso no País: o comércio quase

paralisado, o Banco do Brasil na iminência de fechar, algumas Províncias recusando-se a

reconhecer a Regência do Príncipe D. Pedro, agravada a situação com o manifesto de

descontentamento das Cortes Portuguesas pela permanência de D. Pedro no Brasil, a quem

procuravam humilhar e que respondia com a desobediência às ordens reais. Em 3 de junho

43

de 1821 foi convocada uma Constituinte Brasileira o que provocou pronta reação da Coroa,

declarando nulo o decreto e intimando o imediato regresso do Príncipe a Portugal. No dia 7

de setembro de 1822, às margens do riacho Ipiranga, D.Pedro, que regressava de viagem a

São Paulo, recebeu a notícia do ultimato e os apelos de José Bonifácio ao gesto definitivo

de independência. Irritado, o Príncipe, desembainhando a espada e a arrancando o laço com

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 57 -

as cores portuguesas da manga da túnica, gesto imitado pelos acompanhantes, com o grito

Independência ou Morte! proclamou a Independência do Brasil. Inusitadamente na História

o colonizador dava de mão beijada a liberdade ao colonizado; aliás, D. João ao retirar-se

aconselhara o filho a que pusesse a coroa antes que outro aventureiro o fizesse... A

Província Maranhense, umbilicamente ligada à antiga Metrópole durante séculos, e

governada política e economicamente pelos portugueses, custaria a aderir ao novo regime.

Todavia, o grito de liberdade ecoara por todo o País e a onda de subversão chegava até nós,

vinda do Ceará através do Piauí.

- 18 de outubro – A vila de São João da Parnaíba torna-se independente. A

rebelião se estende por todo o interior obrigando a Junta a urgentes providências, ora em

exaltadas proclamações prevenindo os maranhenses contra a enganosa demagogia dos que

desejavam arrastar-nos à ruína, e enaltecendo a vantagem de continuarmos na comunhão

lusitana; ora pedindo à Lisboa soldados e recursos para a defesa; ora enviando tropas para

Carnaubeira (defronte de Parnaíba) e para o Brejo e nomeando o Tenente-Coronel Manuel

e Souza Pinto de Magalhães Comandante-em-Chefe das forças reais, com quartel-general

em Caxias. Nem a prisão do chefe rebelde, Leonardo de Carvalho Branco, nem a vitória do

Governador-das-Armas, Major José da Cunha Fidié, no Jenipapo, a 13 de fevereiro de

1823, conseguiram tranqüilizar a Junta, pois a todo momento chegavam-lhe notícias más:

os independentes do Piauí uniam-se aos maranhenses e todo o Itapecuru levantara-se em

guerrilhas aos gritos de mata marinheiro! Sucessivamente S. Bernardo, Brejo, Pastos Bons,

São José dos Matões, Manga do Iguará, Caxias e Rosário caíam em poder dos

independentes sob as ordens de Fernando Mendes de Almeida, Domingos da Silva, o

“Matruá”, Francisco Gonçalves Meireles, João Ferreira do Couto, José Dias de Matos,

Sisnando José de Magalhães, Joaquim de Carvalho, João Ferreira do Couto, Domingos da

Silva, todos ao comando geral de Salvador Cardoso de Oliveira, o verdadeiro herói de

nossa emancipação. No entanto, tanto na organização da Junta Expedicionária no Itapecuru

(20 de Julho), como na constituição do novo governo não houve lugar para Salvador de

Oliveira! Formaram na primeira: o Brigadeiro José Pereira Filgueiras, Comandante do

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 58 -

Exército Auxiliador; Manuel de Souza Martins, Presidente da Junta do Piauí, Coronel

Joaquim de Martins, Governador-das-Armas do Piauí, Tristão Gonçalves Pereira de

Alencar, da Junta do Ceará e Luís Pedro de Melo; participaram do segundo: o Governadordas-

Armas João Felix Pereira de Burgos, Padre Pedro Antônio Pereira Pinto do Lago,

Antônio Joaquim Lamagnere Galvão, Fábio Gomes da Silva Belfort e Antônio Raimundo

Belfort Pereira de Burgos. Mas, Salvador de Oliveira era esquecido! ele que, modesto

negociante de gado no interior de Caxias, tivera sob suas ordens 2.000 sertanejos,

voluntários armados de lazarinas, facões, chuços e lanças, e de vitória em vitória chegara às

portas da Capital, sem patente de Milícias, Ordenanças ou Pedestres, ele que”conquistara

seus galões de Alferes por sua bravura e por seu patriotismo”!

Na capital, já tinham sido presos e deportados o Comendador Honório José

Teixeira, os Brigadeiros Paulo José da Silva Gama e Manuel José Xavier Palmerim, o

44

Capitão Bernardo Pereira de Berredo, o Cônego José Constantino Gomes de Castro,

Manuel José de Medeiros, Provedor da Câmara, e o Alferes Alberto José Dourado,

simpatizantes da causa independente. O Brigadeiro Manuel Antônio Falcão, permanecendo

preso, não foi deportado em virtude de seu grave estado de saúde. Porém somente São Luís

e Alcântara teimavam em continuar fiéis a Portugal, à intransigência da Junta alimentada

pelo feroz sentimento de lealdade do Bispo D. Joaquim de Nazaré. Toda a Província se

tornara independente. “Mas a despeito da influência própria do poder, da dedicação e dos

esforços, da energia e da atividade de seus membros (da Junta) todas as vilas, cidades e

aldeias do Maranhão iam aderindo à causa nacional e só a capital era discorde dessa

união ge.” (César Marques)

Ano de 1923 – 20 de Julho - Instala-se a nova Junta Governativa e Provisória

Constitucional composta de: Presidente: Advogado Provisionado Miguel Inácio dos Santos

Freire e Bruce; Membros: Lourenço de Castro Belfort, Coronel José Joaquim Vieira

Belfort, eleitos pela Capital, e o Padre Pedro Antônio Pereira Pinto do Lago, secretário;

Antônio Joaquim Lamagnere Galvão, Antônio Raimundo Belfort Pereira de Burgos, Fábio

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 59 -

Gomes da Silva Belfort, e José Felix Pereira de Burgos, eleitos pelo Itapecuru. Para

Salvador de Oliveira não houve lugar!

- 25 de julho – Ultimato do Brigadeiro Filgueiras provoca a renúncia do Major

Fidié e a queda de Caxias.

26 de julho - Para mal de nossos pecados, surge na barra a nau “Pedro I” e a

fragata “Piranga”. Chegava o famigerado marinheiro mercenário inglês Lord Alexander

Thomas Cohcrane, Primeiro Almirante da Armada Imperial, “incumbido pelo Senhor D.

Pedro I de proclamar a Independência nas províncias ao Norte do Rio de Janeiro”, e que,

segundo Hélio Viana “nenhuma participação tendo nas lutas que então se travaram no

interior da provícia”, nos cobraria CENTO E SEIS CONTOS DE RÉIS “pelos seus

serviços”. Bloqueando a cidade, fez ciente à Câmara de suas intenções, ao que a mesma

açodadamente respondeu que os fins que haviam trazido o Almirante estavam em perfeita

sintonia com os sentimentos do Governo e do Povo! Ao mercenário marujo caberia a glória

de Libertador do Maranhão, “que a ingenuidade de historiógrafos lhe tem atribuído”

segundo Antônio Lopes.

- 28 de julho – às 11 horas procedeu-se à solenidade da proclamação da adesão

do Maranhão à Independência do Brasil à qual o todo poderoso Cochrane não se dignou a

comparecer, deixando-se ficar no navio. A cobrança, porém ele a faria pessoalmente

depois.

- 7 de agosto – Tem lugar, na Câmara, o “Auto de Juramento da Independência

do Brasil e obediência ao Imperador Constitucional e Defensor Perpétuo do Brasil Senhor

Dom Pedro I”.

- 13 de agosto – Eleição da primeira Câmara Independente de São Luís,

constituída de: Capitão-mor Rodrigo Salgado de Sá e Moscoso, presidente; Capitão Manuel

Bernardes Lamagnere, José Tavares da Silva, Dr. Joaquim Vieira da Silva e Souza, Dr,

45

Francisco Corrêa Leal, Tenente-Coronel Raimundo Ferreira de Assunção Parga e Antônio

José Guilhon, vereadores, e Manuel Raimundo Corrêa de Faria, procurador.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 60 -

Duas vezes esteve Cochrane no Maranhão: de 25/07 a 20/08/1823 e de

09/11/1824 a 18/05/1825. Considerando haver conquistado a cidade, declarou presa de

guerra as propriedades dos lusitanos, a dívida pública ativa, 2.970 arrobas de pólvora

pertencentes à Fazenda Nacional “e o que mais houvesse ao alcance de sua mão e que o

dono legítimo não pudesse reclamar ante a voz convincente de seus canhões...” (Mário M.

Meireles), E nomeou uma comissão para fazer o levantamento do acervo considerado

butim. “Insaciável, seu único ídolo era o dinheiro, diz dele Varnhagem. Pois foi

homenageado com um banquete que lhe ofereceram as senhoras maranhenses, e chamado -

o de “Anjo da Paz”! além de Pedro I dar-lhe ainda o título de Marquês do Maranhão! Sua

história pregressa, no entanto, nada o recomendava: acusado de velhacaria (knavery) na

Bolsa de Londres, foi condenado ao pagamento de multa e prisão; expulso do Parlamento e

da Ordem do Banho; teve o nome riscado da Armada Real e obrigado a deixar o País.

(Rubem Almeida).

- Decretada a expulsão dos portugueses Comendador Antônio José Meireles,

Marechal Agostinho Antônio de Faria, Cônego Francisco da Mãe dos Homens Carvalho,

jornalista Antônio Marques da Costa Soares, Capitão João Manuel, João e Bernardo Pereira

Gomes, Manuel Antônio dos Santos Leal, Manuel Duarte Godinho, Manuel Domingues

Dias e Manuel Joaquim Gonçalves Bastos. Quanto a Frei Joaquim, a Junta comunicou que

cessara sua jurisdição na Diocese, e para evitar que o Cabido declarasse a sede vacante,

ameaçou com excomunhão os Cônegos e todos os que obedecessem.

Durante o período colonial, como vimos, “brigavam governadores, bispos,

capitães-mores, priores, carmelitas, mercedários, jesuítas, ouvidores, provedores da

fazenda e o povo, que tomava partido e se inflamava, contra ou a favor deste e daquele

contendor. Várias vezes interferiu o rei, como quando recomendou expressamente ao

comissário dos frades das Mercês que pusesse cobro ao excesso com que tratavam do

púlpito os seus funcionários, fazendo sátiras às autoridades , contra as quais “proferem os

missionários palavras escandalosas.” (C. de Lima) e César Marques confirma neste trecho

das lamentações do Desembargador Dr. Joaquim José Sabino: “Numa terra pequena, de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 61 -

inveterada intriga e inimizades, assopradas pelo chefe de Estado, que neste fatal jogo

esgota toda a sua sutileza, quem poderá eximir-se dos raios no centro de um círculo tão

pequeno?” A Câmara por sua vez “excitava contendas, provocava questões e alimentava

discórdias, julgando-se superior à lei, mandando fazer prisões e soltar à sua vontade,

exagerando-se na sua jurisdição criminal e contenciosa, processava, passava executivos,

fazia penhoras, julgava todos os feito até final sentença, dissipava em proveito próprio os

rendimentos do Conselho, estabelecia ordenados, fazia obras em que gastava

avultadíssimas quantias sem proceder à necessária licença régia”, conclui Marques.

No Império não seria diferente e tudo tendo continuação com a chamada

“Guerra dos Três Bês”, as três famílias que disputavam o poder: Burgos, Bruce e Belfort.

- 14 de setembro - O Comandante-das-Armas, Tenente-Coronel José Felix

Pereira de Burgos manda prender o Presidente da Câmara, Capitão-mor Rodrigo Luís

46

Salgado de Sá Moscoso. Este consegue evadir-se e amotina a tropa; enfrenta-o Burgos, com

seus correligionários e amigos portugueses; segue-se um tiroteio, com alguns feridos, mas

Moscoso sai vitorioso e Burgos é deposto do cargo.

- 25 de dezembro – Eleito novo Governo: Miguel Inácio dos Santos Freire

Bruce, presidente; José Joaquim Vieira Belfort, Antônio Joaquim Lamagnere Galvão,

Capitão Rodrigo Luís Salgado de Sá Moscoso, Cônego Luís Maria da Luz e Sá, Capitão

Cisnando José de Magalhães e José Lopes de Lemos, secretários; eleição contestada pelos

43 eleitores de Caxias, nem sequer consultados. Note-se que os primeiros atos da nova

Junta foi mandar invadir as casas dos portugueses, à procura de armas e – Pasme-se! –

cortar as árvores do largo de Palácio por terem sido plantadas pelo ex-Governador

Bernardo da Silveira! Prática aliás que, anos mais tarde, seria seguida por outro governante.

Ano de 1824 – 22 de janeiro – Sermão do “Padre Cascavel”, apelido de Domingos

Cadávila Veloso, considerado subversivo, o que o condenou à prisão, só libertado por

interferência do Comandante-das-Armas, Sá Moscoso.

- 13 de fevereiro – Decretada a prisão do Coronel Joaquim Antônio da Cunha

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 62 -

por se opor à execução de um mandato judicial. Novamente tomou as dores do preso Sá

Moscoso, já espicaçado por denûncia do Padre Cascavel contra os filhos do Presidente

Bruce, que estariam tramando um levante republicano para afastar do governo dois

membros da Junta e o próprio Sá Moscoso, que teria seu cargo extinto. Convocando os

chefes militares conseguiu Moscoso unanimidade para mandar prender todos os suspeitos e

mais os desafetos, e o próprio Presidente Bruce. Todavia, a detenção de figuras as mais

ricas e expressivas da cidade fez com que a tropa retirasse o apoio a Moscoso, e o

depusesse do comando. Reunida a Junta, desclassificou a denúncia, reintegrando os presos

nos respectivos cargos e extinguindo o cargo de Governador-das-Armas, conseqüentemente

demitindo Sá Moscoso e deportando-o do País. Nova expulsão dos portugueses causou tal

comoção na cidade que a Junta voltou atrás e resolveu organizar uma Guarda Cívica,

responsável pela paz pública.

Não vamos relatar aqui todas as peripécias da briga Bruce X Burgos X Belfort;

basta arrolar cronologicamente o sobe-desce destes personagens:

- 19 de abril – Retorna a São Luís o Tenente-Coronel José Felix Pereira de

Burgos, agora nomeado Comandande-das-Armas por decreto imperial, disposto a tomar

desforra dos que participaram de sua deposição. Com o decorrer do tempo e as

arbitrariedades de Burgos, formaram-se os partidos: Bruces e Belforts contra Burgos, este

acusando os outros de articular com os pernambucanos a implantação da República;

aqueles de que Burgos, juntamente com o Bispo e o Arcippreste Luz e Sá, patrocinavam a

causa portuguesa, sonhando com a restauração do domínio lusitano. O interior revolta-se

com a anarquia reinante na capital, na chamada “Revolução de 1824”: Salvador de Oliveira,

em Rosário, intitula-se “Comandante da Força Armada contra o Despotismo”, e manda

ocupar o forte de Vera Cruz (Calvário); o Comandante de Peris estabelece-se na Estiva e o

Icatu é ocupado pelo Sargento Valério de Souza; em Caxias o Capitão Clemente José da

Costa manda de volta a São Luís o novo comandante da Tropa de Linha, o capitão

47

Francisco Antônio da Costa Barradas, objetivando o movimento tirar de vez do governo

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 63 -

Burgos, Bruces e Belforts.

- 1o. de Junho - A Junta Geral, convocada por Burgos, dissolve a segunda Junta

Provisória e prende o Presidente Bruce, os Vogais José Belfort e Sisnando Magalhães e o

Secretário José Lemos, contra um único voto, o do Desembargador Joaquim Antônio Vieira

Belfort, o governo confiado interinamente ao Presidente da Câmara, José de Araújo

Cantanhede.

- 2 de junho – A Junta Geral, enumeradas as razões de sua decisão anterior,

configuradas em sete itens de ciúmes a intrigas, resolveu deportar os presos para o Rio de

Janeiro.

- 4 de junho – Contra-revolução chefiada por José Francisco da Silva e o

Tenente-Coronel José da Silva Raposo e na qual é sacrificado o Capitão Carlos Pereira de

Burgos, obriga o Comandante-das-Armas José Felix a refugiar-se em Alcântara.

- 5 de junho – Livres da prisão, são os membros da Junta reintegrados nos seus

cargos e agora os deportados são o Tenente-Coronel José Felix Pereira de Burgos; o Major

Antônio Raimundo Pereira de Burgos, seu irmão; e o Cônego Arcipreste Luís Maria da Luz

e Sá; presos José de Araújo Cantanhede, Presidente da Câmara; e expulsos da cidade o

Coronel Antônio Nunes de Sales Belfort, Presidente do Conselho da Província; o

Brigadeiro Sebastião Gomes da Silva Belfort e Lourenço da Silva Belfort; além de Honório

e José Joaquim Burgos. “Deposto e deportado Burgos, e porque também à terra não mais

houvesse regressado o Capitão-mor Sá Moscoso, ficou Bruce praticamente dono da

situação, já que igualmente derribados de suas posições, a um só golpe os Belfort. Não

obstante apenas aguardasse sua patente para tomar posse do cargo de Presidente da

Província, para que o nomeara o Imperador, teria ele de enfrentar oposição cada vez mais

forte, acusado agora de ter idéias liberais e manter entendimentos com os revolucionários

da Confederação do Equador”, diz Mário M. Meireles. “Ninguém brigava pela república e

sim pela ambição de governar”, sentenciava com razão Cochrane, forçoso é admitir.

- 9 de julho – Renuncia a Junta e Bruce assume o poder, com a assistência de

um Conselho Provincial.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 64 -

- 14 de julho – O forte da Ponta d’Areia adere ao movimento, fazendo causa

comum com muitos oficiais e graduados e civis que haviam desertado para Rosário. O fogo

cruzado dos fortes de São Luís e São Marcos, no entanto, obrigam o Comandante rebelde a

fugir. Conflagra-se a Província; Bruce reforça a segurança, fortificando o Alto da Carneira

(imediações da atual Vila Passos), abre as cadeias e transforma assassinos em soldados.

Como não poderia deixar de acontecer, tropelias, crimes e saques se sucedem, ficando

famosos o Ajudante José Alexandre da Silva Lindoso pela pilhagem e mortes praticadas em

Alcântara; o Alferes Feliciano Antônio de Sá Cordeiro, em Icatu; Alferes Norberto João

Dourado, em Guimarães; e Joaquim da Costa Curvelo, em Cajapió.

- 3 de agosto – Depois de terem acudido Alcântara e chegado a acampar no

Areal (Monte Castelo) 1.200 homens retornaram a Rosário, cercando a capital e decididos a

rendê-la pela fome.

48

- 9 de novembro – Continuava a luta no interior, os revolucionários lutando

contra os desmandos das autoridades da capital, mas não contra o Império, ou a favor da

República, quando retorna a São Luís o célebre Lord Cochrane. Recebe um memorial de 78

senhoras, acusando o Presidente Bruce como o causador de todas as infelicidades da

Província.

- 25 de dezembro – Cochrane depõe Bruce, nomeando interinamente para a

Presidência Manuel Teles da Silva Lobo, que expulsou o ex-governador e grande número

dos que advogavam sua causa.

“Com essas providências restabeleceu-se a paz”, diz Meireles, o que, porém, de

todo não se confirma, haja vista os futuros conflitos entre os poderes que, aliás, passariam

aos tempos da República, chegando até nós. Enfim, no frigir dos ovos, vale acentuar, tanto

uns quanto outros, inocentados das acusações, mereceriam: os Burgos: José, a Presidência

da Província do Pará, o título de Barão de Itapecuru-Mirim e o cargo de Ministro da Guerra

e Raimundo, Oficial da Ordem do Cruzeiro; Sá Moscoso, Comendador da Ordem de Cristo;

Antônio Sales Belfort, a Presidência do Ceará; Luz e Sá, a absolvição pela Relação do Rio

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 65 -

de Janeiro; e Miguel Inácio dos Santos Freire e Bruce, já Cavaleiro da Ordem do Cruzeiro,

a Presidência da Província do Maranhão!

Devemos a Silva Lobo a primeira iluminação pública de São Luís.

Ano de 1825 – Nomeado pela Coroa, José da Costa Barros, apesar de chegado em 5 de

fevereiro, foi impedido por Cochrane de assumir o governo e obrigado a embarcar para o

Pará, a fim de que o corsário inglês recebesse de seu preposto a tal indenização com que

assaltava os cofres públicos.

- 18 de maio – Devidamente embolsado, Cochrane viajou para o Rio de Janeiro,

considerando pacificada a Província.

- 2 de setembro – Depois das muitas transferências do governo interino,

primeiro para o Presidente da Câmara, Joaquim José Sabino, depois para o Presidente do

Conselho, Patrício José de Almeida e Silva, finalmente toma posse o Tenente-Coronel

Pedro José da Costa Barros, sete meses após a nomeação, passando a praticar “toda sorte

de arbítrios, sem o menor decoro de si e do cargo, atos degradantes e inconcebíveis”, tal o

juízo que dele fez Henrique Leal.

Ano de 1827 – 1o. de março - Eleito Senador, Costa Barros passou o governo ao Vice-

Presidente Romualdo Antônio Franco de Sá, que, “pelo acerto e moderação de seu

comportamento,” conseguiu a pacificação, e pelo menos provisoriamente, amenizar o

clima que se criara com a luta dos Três Bês.

Ano de 1828 – 28 de fevereiro – Dissemos provisoriamente porque o Marechal de Campo

Manuel da Costa Pinto, o novo Presidente da Província, recomeçaria a agitação prendendo

e compulsoriamente assentando praça a ninguém menos que José Cândido de Morais e

Silva, o redator de “O Farol”. E como protestasse Odorico Mendes, fechou a Tipografia

Oficial, que publicava o “Despertador Constitucional” deste eminente jornalista.

49

Deu-se no seu governo o episódio grotesco da “República de Pastos Bons”, que

se limitou à divulgação de uns panfletos, conclamando a população, que não passava de

500 pessoas, a proclamar a República!

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 66 -

Ano de 1829 –14 de janeiro - O Desembargador da Relação de Pernambuco, Dr. Cândido

José de Araújo Viana, é o novo chefe de governo, conseguindo apaziguar os ânimos com a

libertação de José Cândido, até que...

Ano de 1831 – A situação do País afigurava-se turbulenta com a luta entre o Trono e o

Parlamento; D. Pedro abdicara em 7 de abril.

- 12 de setembro – Povo e tropa amotinaram-se no Quartel do Campo de

Ourique (Deodoro), apoiados pelo Coronel José Demétrio de Abreu, e exigiram, através de

José Cândido e Frederico Magno de Abranches, a expulsão de todos os oficiais

portugueses; a suspensão do Chanceler da Relação, de seis Desembargadores e do Ouvidor;

a demissão de todos os funcionários não brasileiros natos; a expulsão dos religiosos de

Santo Antônio, e dois padres e oito civis, todos considerados inimigos da Independência; e

que se não julgasse criminosa a rebeldia presente. Sem outra saída Araújo Viana cedeu,

contentando os amotinados da chamada “Setembrada”.

- 19 de novembro - Outra vez povo e tropa reunidos no Campo de Ourique em

nova rebelião. Desta vez, porém, prevenido, Araújo Viana, tomou a desforra: o Capitão

Feliciano Antônio Falcão facilmente dominou os revoltosos, chefiados por José Cândido e

Egídio Launé, que lograram fugir à prisão, sendo, posteriormente, escondidos por Odorico

Mendes, em sua própria casa. Os demais reuniram-se sob a chefia de Antônio João

Damasceno, marcharam sobre o Itapecuru-Mirim, onde foram mal sucedidos, e chegando a

Rosário sofreram nova derrota. Antônio João, apesar disso, marchou para São Luís, tomou

o Armazém de Pólvora, mas cercado, rendeu-se. Recompondo suas hostes, atacou Caxias,

acampou em Estanhado, no Piauí, marchou contra o Brejo, mas foi vencido e morto no

Boqueirão, em julho de 1832.

Creditemos ainda ao Presidente Araújo Viana a criação da Biblioteca Pública.

- O Regime da Regência durou, no Brasil, de 1831 a 1840, em conseqüência da

abdicação de D.Pedro, em 7 de abril: Regência Provisória Trina, composta pelos Marquês

de Caravelas, José Joaquim Carneiro Campos; Brigadeiro Francisco de Lima e Silva; e

Senador Nicolau Pereira de Campos Vergueiro; Regência Permanente Trina (17 de junho):

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 67 -

Brigadeiro Lima e Silva; José da Costa Carvalho, Marquês de Monte Alegre; e o Deputado

João Bráulio Muniz, maranhense; Regência Una (12 de outubro de 1835) Padre Antônio

Diogo Feijó. Todo o período regencial foi marcado por grande agitação no País: motins e

levantes no Rio de Janeiro provocados pelos Restauradores (que advogavam a volta de

Pedro I); os Exaltados, defensores de idéias republicanas; e os Moderados, que apoiavam a

Regência; no Ceará, Joaquim Pinto Madeira declarou nula a abdicação de D. Pedro e

rebelou-se, sendo derrotado pelas forças de Labatut; em Pernambuco houve a Setembrada,

a Novembrada (ambas em 81) e a Abrilada (1882); na Bahia, Miguel Guanais Mineiro

estabeleceu a “Federação dos Guanais” (fevereiro/1832) derrotado pelo Visconde de Pirajá;

a Cabanagem, no Pará, chefiada por Batista de Campos, Antônio Malcher e Francisco

50

Pedro Vinagre (1835/40); a Sabinada, com a “República Bahiense”, de Sabino Álvares da

Rocha Vieira; a Balaiada, no Maranhão (1838-1841) (da qual trataremos a seguir); e a

Revolução Farroupilha, no Rio Grande do Sul (1835-1845).

Ano de 1832 – 13 de outubro (César Marques) - 20 de novembro (Mário Meireles) -

Governo do Dr. Joaquim Vieira da Silva e Souza, nascido em Rosário que, por pouco que

tenha feito, muito fez – a paz, tão necessária após os acontecimentos de setembro e

novembro de 1831.

- Alcides Dessalines d’Orbigny, neste ano visitando o Maranhão, achou-o “um

dos lugares do Brasil onde é mais agradável a permanência; as maranhenses notáveis pela

elegância de seus modos e educação esmerada. Não só a riqueza da região, o desejo de

imitar os costumes europeus, mas também, e principalmente, a liberdade, a boa educação,

a polidez e a doçura das maranhenses, com gosto pelo trabalho e pela ordem e hábitos de

reserva e discrição; quanto aos jovens são quase todos mandados a bons colégios da

França e Inglaterra.” Quanto à economia “suas descrições são mais ou menos sucintas e se

referem a apenas alguns aspectos: a produção salineira de Alcântara, a feira de gado de

Itapicuru-Mirim, curtumes que conheceu e a confecção de sabões na região, de que dá

notícias.” (Caldeira)

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 68 -

Ano de 1834 – 30 de outubro – Dr. Raimundo Felipe Lobo -Eleito deputado, Silva e Souza

passou o bastão a Manuel Pereira da Cunha, 1o. Vice-Presidente (17 de fevereiro); que o

transmitiu ao 2o., Antônio José Quim, (3 de março); que também entregou-o ao 3o.,

Raimundo Felipe Lobato (5 de março); e que o devolveu ao 2o., o dito Quim (30 de

outubro).

Ano de 1835 – 21 de janeiro – Toma posse Dr. Antônio Pedro da Costa Ferreira,

alcantarense. Criou a Tesouraria da Província, um Corpo de Polícia, a Polícia Rural e

organizou a Secretaria. Pela primeira vez na nossa História, diz Meireles, o Presidente não

interferiu na eleição e por isso foi derrotado o seu Partido Conservador.

Francisco Sales Nunes Cascais, amanuense da Secretaria de Governo e

“Bentivi” (Liberal) pôs entre os papéis que iriam à apreciação do Presidente esta quadra:

Costa Barros foi ladrão.

Costa Pinto foi pachá,

Costa Ferreira é tirano;

Que mais Costa nos virá?

Ao que o Presidente completou, demitindo-o:

Na dúvida deve o poeta

Sair daqui desde já.

51

Ano de 1836 – 5 de julho –A vila de Caxias é elevada à cidade.

Ano de 1837 – 25 de janeiro - Costa Ferreira elegendo-se Senador, entrega o governo ao

seu conterrâneo Joaquim Franco de Sá, 1o. Vice.

- 3 de maio – Assume o governo o Capitão-de-Mar-e-Guerra Francisco Bibiano de

Castro.

Ano de 1838 – 3 de março -Vicente Tomaz Pires de Figueiredo Camargo é empossado no

governo e funda o Liceu Maranhense, que coloca sob a direção de Francisco Sotero dos

Reis.

- 26 de julho – Vicente Camargo sanciona a Lei dos Prefeitos, um dos fortes

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 69 -

motivos que desencadeariam a “Balaiada”.

- 13 de dezembro – Costuma-se situar o começo do movimento popular da

“Balaiada” neste dia em que o boiadeiro piauiense Raimundo Gomes Vieira, empregado do

fazendeiro Padre Inácio Mendes de Morais e Silva, “Bentivi”, invadiu a cadeia da vila da

Manga, no Iguará, para libertar seus homens, presos para recrutamento militar pelo

Subprefeito José do Egito, “Cabano” (Conservador).

Necessário, porém, é que se faça um balanço retrospectivo de todas as causas

que concorreram para o movimento: a instabilidade política, a luta dos partidos pelo poder,

as constantes mudanças de orientação expressas nas diversas Regências, gerando o clima de

insegurança no plano geral, e os muitos Presidentes, no particular, desde a abdicação de D.

Pedro, em 1831, ofereceram terreno fértil à propagação das idéias liberais que se

espalharam pelo mundo, alimentadas pela Maçonaria, e que viriam a assanhar os

sentimentos nativistas no Brasil.

Feita a Independência, chegou-se à constatação de que nada havia mudado, a

mesma luta política pelo poder (“ninguém brigava pela república, e sim por ambição de

governar”, já diagnosticara Cochrane), as massas em igual situação de pobreza, os

escravos sujeitos aos eternos maus tratos, os fazendeiros senhores de baraço e cutelo,

absolutos, tendo ao seu dispor homens armados com espingardas, peças de artilharia e

munição de guerra (“elementos combustíveis para a mais terrível explosão, cem mil índios

e dois mil escravos que podiam atear um incêndio espantoso” (advertira Pinto da Fonseca

pelos idos de 1819) e os políticos assentados em seus mesmos privilégios, em tricas e

futricas de campanário. Se na capital os partidos se desavinham e trocavam insultos pela

imprensa, chegando mesmo às escaramuças das armas e dos desforços pessoais, no interior

os elementos egressos do Exército Auxiliador e das hostes que se haviam batido pela

Independência, vagavam à toa, embriagados do ideal de liberdade mal assimilado, escravos

que não mais admitiam o regime anterior, sitiantes que abandonaram seus afazeres

habituais para se tornarem “soldados da fortuna”, sem disciplina e sem comando, e que

agora não sabiam o que fazer, e, naturalmente, os aproveitadores de todas as ocasiões e

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 70 -

todos os que, tendo desfrutado de uma situação provisória voltavam à dura realidade da

vida comum. Como ficarem indiferentes aos acontecimentos os que participaram, com

efetivo entusiasmo, os que pegaram em armas para emancipar o Estado do jugo português?

E que viam agora como resultado de todo o seu sacrifício? A Guerra dos Três Bês, a dança

52

de Presidentes e Partidos, “o Brasil inteiro estrebuchando nas convulsões de um delírio

popular, do Marajó ao Chuí rugiu uma onda de anarquia, que tudo alagou”, no dizer de

Capistrano de Abreu. “O Maranhão era um campo aberto a todos os surtos libertários”,

aduz Astolfo Serra. Pois foi neste clima que se instituiu a famigerada Lei dos Prefeitos

(26-7-1838), ou seja, a colocação em cada município de um preposto da Presidência da

Província, em contraposição à autoridade do Juíz de Paz (que bem ou mal era a autoridade

moderadora nos conflitos), o Prefeito dócil executor das ordens e arbitrariedades do

Governo. Para complicar mais o já delicado problema ordenou-se o Recrutamento Militar

Compulsório, logo aproveitado para mesquinhas vinganças pessoais e perseguição aos

adversários políticos. Todos estes desencantos, humilhações, dores e injustiças encontraram

seu escoadouro natural na “Balaiada”.

Façamos, embora a largos traços, o perfil de cada chefe desses bandos que

constituíram o exército rebelde: Manuel Francisco dos Anjos Ferreira, o “O Balaio”, senão

o mais importante, o mais em evidência, tanto que deu nome à revolta: artesão fabricante de

balaios no lugar Pau de Estopa, entre Itapecuru-Mirim e Coroatá. Vivia com mulher e duas

filhas, dedicadas às encomendas de costura dos fazendeiros vizinhos. De crassa ignorância

política, mal sabendo ler, justifica Belarmino de Matos sua aparição na luta como vingança

legítima da desonra que lhe trouxe ao teto hospitaleiro o Capitão do Exército Raimundo

Guimarães, abusando das moças. Raimundo Gomes, piauiense, mestiço, analfabeto e pobre,

tangerino empregado de um padre “Bentevi”, contrário ao governo; “mal se pode

compreender que um homem ignorante, saído das últimas classes sociedade, tivesse força

precisa para levantá-las e assolar o território de grande parte de uma província durante o

longo tempo de mais de dois anos!” admira-se o historiador. Lívio Lopes Castelo Branco e

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 71 -

Silva, natural de Campo Maior (PI), “homem abastado e bastante popular, mas de um

espírito inquieto”. Rico, não é acoimado de bandido, mas acusado de ter um espírito

inquieto, a mesma inquietação apontada nos irmãos Bequimão: Manuel e Tomaz; à testa de

600 homens, “quase diariamente recebia tantos e copiosos auxílios, como o que lhe trouxe

Milhomem com 700 combatentes de Pastos Bons”. Dom Cosme Bento das Chagas, “Tutor e

Imperador das Liberdades Bentivis”. Preto, gozando de grande ascendência entre os de sua

raça, tinha sob seu comando 3.000 escravos. Pois este homem, tido como feiticeiro,

analfabeto e rude, estabeleceu no seu quilombo, na fazenda Lagoa Amarela, no Brejo...

uma escola de ler e escrever! (Quem o afirma é Domingos de Magalhães, o Secretário do

futuro governo do Duque de Caxias!) Afora estes outros houve, como Relâmpago, Trovão,

Corisco, Raio, Caninana, Sete Estrelas, Tetéu, Andorinha, Tigre, Jitirana, Ruivo, Coque,

Mulungueta, e Matruá (este que pertencera com destaque ao exército de Salvador de

Oliveira) conhecidos apenas pelos apelidos. São 11.000, onze mil homens em armas! sem

um comando único, mas unidos, não há como obscurecer, por um contágio de sentimentos

outros além do roubo e do crime, como quer fazer crer a historiografia oficial! 11.000

bandidos? Impossível! “O que faltou aos Balaios foi a orientação dos responsáveis morais

que a predicaram. Isso sim, é que deu origem a aparecerem no cenário da luta apenas

afoitos matutos, os sertanejos rudes, porque escondidos ficaram os autores intelectuais do

levante”, escreve Carlota Carvalho. Os que seriam de fato seus chefes naturais, os que a

motivaram com suas pregações, os oposicionistas “Bentevis”, jornalistas José Cândido de

Morais e Silva, João Francisco Lisboa e Estevão Rafael de Carvalho, falecido o primeiro e

receosos os outros, deixaram-na entregue à própria sorte, “um turbilhão popular... violento,

indiferente a leis e a princípios” tal como chamou Joaquim Nabuco a revolução liberal

mineira de 1842. “É uma injustiça perante à História dar-se à Balaiada uma expressão

53

essencialmente de banditismo. Foi uma revolta até hoje caluniada. Há cem anos atrás,

uma revolta de negros, mulatos, de índios e mestiços não poderia ser entendida pelo

espírito da época”, reclama Astolfo Serra. Esta foi sim, sem sombra de dúvida, nossa maior

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 72 -

e mais autêntica REVOLTA POPULAR!

Ano de 1839 – 3 de março – O novo Presidente da Província é o Tenente-Coronel Manuel

Felizardo de Souza e Melo que, apesar do nome não foi nada feliz com o movimento dos

“Balaios”, perdido no emaranhado de intrigas, sacudido pelos ódios partidários e iludido

com as desencontradas informações que lhe vinham do interior.

- 1o. de agosto – Capitulação da cidade de Caxias. Os “Balaios” instituem uma

Junta Provisória com elementos idôneos e qualificados: Dr. Francisco de Melo Coutinho

Vilhena, Tenente-Coronel Hermenegildo da Costa Nunes, Severino de Oliveira e Costa,

Domingos Antônio de Mesquita e João Batista Viana, e fazem suas exigências para

deposição das armas: revogação da Lei dos Prefeitos e da Guarda Nacional; anistia

decretada pela Assembléia Provincial; 80 contos de réis para pagamento da tropa e

processo regular para os presos de cadeias públicas; expulsão dos portugueses e restrição

aos nacionalizados; e confirmação dos oficiais revoltosos nos seus postos, de acordo com a

idoneidade de cada um. “Era, não há dúvida, a oposição a querer aproveitar-se das

circunstâncias”, comenta Mário M. Meireles.

- 27 de setembro – O jornal “Despertador” classificava o Comandante-das-

Armas Coronel Sérgio de Oliveira como uma “forte azêmola e uma nulidade na sua

profissão”, atribuindo-lhe a culpa das seguidas vitórias dos “Balaios”.

- 27 de dezembro – O Governo Central nomeia Presidente da Província,

acumulando o Comando-das-Armas, o Coronel Luís Alves de Lima, futuramente o Duque

de Caxias.

Ano de 1840 – 7 de fevereiro – Toma posse Caxias para por ordem na casa, mas já chega

envenenado pelos informes tendenciosos, tanto que na primeira proclamação chama os

revoltosos de “um punhado de facciosos ávidos de pilhagem”, o que não condiz com o

“pacificador” que pretendia encarnar, tão diferente da mensagem dirigida aos gaúchos, dois

anos depois: “Abracemo-nos e unamo-nos, não peito a peito, mas ombro a ombro, em

defesa da pátria, que é nossa mãe comum!, ordenando ao vigário da freguesia que, ao

invés do Te-déum à vitória, rezasse uma missa pelos defuntos, “pois devera-se o triunfo a

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 73 -

derramamento de sangue brasileiro!” A Revolta ultrapassava um ano e dava

demonstrações de enfraquecimento e exaustão. “No primeiro impulso da revolta, quando a

centelha da rebeldia se manifestou, o incêndio foi rápido, à feição do fogo nas caatingas...

Passada essa fase de interpenetração de desejos e vontades comuns, vêm o recuo, a

indecisão e logo em seguida o desmoronamento das forças em plenitude de ação.” (A.

Serra). Caxias encontrou o movimento dividido, ou melhor, ele nunca teve unidade de

chefia, e por todos os meios passou a usar “balaios” contra “balaios”. Alguns se ofereciam

à rendição, como Francisco Ferreira Pedrosa, a quem Caxias, numa exdrúxula interpretação

de anistia, condicionou-a a que ele fosse atacar outros revoltosos. As Províncias de

54

Pernambuco, Bahia, Alagoas, Paraíba e Piauí acorreram a ajudar Luís Alves, 8.000

soldados fortemente armados foram apoiados pela escuna “Legalidade”, a charrua

“Cibelle”, a corveta “Dois de Julho” e o vapor “Maranhense”. Também do lado legalista

houve “crimes e violências inomináveis que mancharam os lauréis de suas vitórias”, pois

como dizia Mao Tse-tung, “uma revolução não é um banquete, uma cousa requintada,

agradável e cortês”. E Caxias também exorbitou: ordenou ao juiz José Furtado, “de ilibada

conduta e incontestável moral” que não recebesse os que desejavam render-se. Respondeulhe

o magistrado: “Como empregado público e respeitador das leis do meu país cumpro o

Decreto de 22 de agosto de 1840 que me autoriza a receber os rebeldes que se me

apresentem porque ainda não aprendi a substituí-las pela minha vontade.” Resultado? Sua

demissão sumária! “A última fase da guerra é um banho de sangue, onde pereceram talvez

10.000 pessoas entre crianças e adultos”, diz Mathias Assunção Röhrig. E o historiador

Milson Coutinho: “Causa-me notável escândalo, ainda hoje, o tratamento dado aos três

cabeças da Balaiada – Ferreira dos Anjos, Raimundo Gomes e o preto Cosme – já que só a

este último, ex-escravo, a justiça provincial deu morte pela forca. Não me consta que o

Código Criminal do Império premiasse o criminosos pela cor branca se era igual o seu

crime pela ação ou omissão”. Aqui está mais uma razão do porquê, sendo a “Balaiada”

uma rebelião igual às que se feriram no regime regencial, e que já relacionamos, somente

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 74 -

ela é acoimada de bando de assassinos,bandidos, ladrões e sicários sedentos de sangue!

Ano de 1841 – janeiro – Findara-se a “Balaiada”. Luís Alves de Lima, que Henriques Leal

preferia chamar “dominador” ao invés de “pacificador”, poderia parafrasear o dito

histórico: Reina a paz em Varsóvia! - Reina a paz no Maranhão!

- 13 de maio – Luís Alves, deixando o Maranhão, passa o Governo ao

Desembargador João Antônio de Miranda. Em 17 anos tivéramos 19 Presidentes! “Que se

poderia esperar, no campo administrativo, de um executivo assim tão precariamente

suprido? – Nada!” Todavia, deste Dr. Miranda ainda podemos citar a seu favor a Casa dos

Educandos Artífices e o início da construção do Cais da Sagração, pelo Capitão do Corpo

de Engenheiros José Joaquim Rodrigues Lopes.

- 23 de agosto – A Lei Provincial nº 105 cria a “Casa dos Educandos Artífices”,

inaugurada a 25 de novembro, com 28 alunos, e que durante trinta anos ministrou ensino

profissionalizante à mocidade desvalida através de oficinas de alfaiate, sapateiro, carpina,

marceneiro e pedreiro, além de coronheiro, espingardeiro e curtidor de couro, aulas de

primeiras letras, aritmética, álgebra, geometria, desenho, escultura, geografia, francês,

música, sob regime de disciplina militar.

- Jorge Gardner, autor de “Viagens pelo interior do Brasil”, de 1846, disse a

respeito do Maranhão de 1841: “As pessoas mais ricas que aqui residem são plantadores

de algodão, ao passo que as pobres ganham a vida pescando e fazendo redes.” Em Oeiras

(PI), impedido de continuar viagem por motivo da rebelião da “Balaiada”, Garder, acordo

com as notícias que lhe chegavam, descreve mais ou menos a origem da revolução na

bravata de um tal Raimundo Gomes, mestiço, e mais um bando de nove homens, que

desarmaram os soldados mandados para combatê-lo. “Em pouco tempo este bando cresceu

55

grandemente com escravos foragidos, índios e outros elementos. (...) O tenente-coronel que

os comandava (300 soldados) e um capitão foram mortos à espada, aos demais foi poupada

a vida sob a condição de se unirem aos insurretos; e diz-se que a maioria o fez de bom

grado. Raimundo, assim fortalecido, organizou então regularmente seu bando, nomeando

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 75 -

seus secretários os oficiais capturados, pois nem ele nem nenhum dos seus partidários sabia

ler e escrever. É bem certo que, por este tempo, entrou em correspondência com um partido

da cidade do Maranhão que, oposto à forma de governo monárquico, desejava depô-lo.

Desta fonte, dizem, que procediam secretamente as armas e munições para as tropas de

Raimundo”. Também Daniel Parish Kider, um pastor protestante americano, disse dos

maranhenses que “alegam possuir, e não sem razão, um grau de desenvolvimento

intelectual e moral comparável ao de seus patrícios das maiores cidades do Império.”

Compare-se com a observação de Koster, de 30 anos antes, “o pouco ou nenhum gosto

pela leitura”. Deve-se naturalmente a mudança não só aos estudos a que se submetiam os

jovens, no estrangeiro, como à existência em São Luís de “numerosas firmas comerciais

inglesas e francesas” que, concorriam para nos por em contato direto com a “Europa

civilizada”, além do período de franca riqueza com o aumento das exportações de algodão e

arroz. Kider, que chegara ao Maranhão ao final da “Balaiada”, já atribui a rebelião a “uma

lei promulgada, havia pouco, segundo a qual os juízes de direito seriam substituídos por

prefeitos e subprefeitos dotados de poderes mais amplos” e opina: “Alguns desesperados

sem escrúpulos, nada mais visando que o assassínio, o saque e o roubo, conseguiram

insuflar o espírito revolucionário entre ignorantes e malfeitores – dos quais a província

deveria estar repleta – e começaram a atacar indivíduos e famílias sem defesa, justamente

quando nada fazia suspeitar de tais acontecimentos.” Valem a pena os depoimentos, pois

se trata de contemporâneos dos fatos e, ademais, estrangeiros.

Ano de 1842 – 3 de abril – Desembargador Francisco de Paula Pereira Duarte, Vice-

Presidente exerce o Governo até

- 25 de junho – passando-o ao Bacharel Venâncio José Lisboa.

Ano de 1843 – 23 de janeiro - Torna-se Governador o Juiz de Direito Jerônimo Martiniano

Figueira de Melo.

Ano de 1844 – 21 de março - Assume o Vice-Presidente, Desembargador Manuel

Bernardino de Souza Figueiredo.

- 17 de maio – Desembargador João José de Moura Magalhães é o novo

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 76 -

Presidente.

- 4 de outubro – O cidadão Ângelo Carlos Muniz é empossado no cargo maior

da Província.

- 23 de outubro – Volta o Desembargador João José de Moura Magalhães a

exercer o Governo.

56

- 14 de dezembro - Outra vez Ângelo Carlos Muniz.

Ano de 1845 – 17 de novembro – Pela terceira vez o Desembargador João José de Moura

Magalhães.

Ano de 1846 – 4 de abril - Mais uma vez o cidadão Ângelo Carlos Muniz.

- 27 de outubro – Muda-se de Presidente com a assunção do Desembargador

Joaquim Franco de Sá. Por sugestão sua fundou-se a “Liga Progressista Maranhense”,

com liberais e conservadores dissidentes e sob a direção de Fábio Alexandrino de Carvalho

Reis, Antônio Rego e Teófilo Alexandre de Carvalho Leal. Para fazer face à crise do

comércio de algodão incentivou a indústria do açúcar com a expansão da lavoura

canavieira. Concluiu o Canal do Carvalho em Alcântara e deu prosseguimento às obras do

Furo de Arapapaí. Meireles salienta ter sido ele o primeiro a consignar em orçamento verba

para obras públicas. Em 1836 fundou o hebdomadário “O Americano”, de vida efêmera e

idéias liberais. “Um dos melhores administradores que já teve o Maranhão”, segundo

Ribeiro do Amaral.

Ano de 1847 – 17 de dezembro – Dr. Carlos Fernando Ribeiro, Vice-Presidente, exerceu o

Governo durante exatos 44 dias, suficientes para demitir à bem do serviço público, o

Promotor Dr. Celso da Cunha Magalhães, que denunciara e levara ao banco dos réus sua

esposa, D. Ana Rosa Viana Ribeiro, acusada da prática de vários crimes contra seus

escravos, inclusive o de homicídio comprovado. Pois a ilustre dama ganhou a absolvição e,

mais tarde, o título de Baronesa de Grajaú!

Ano de 1848 – 21 de janeiro – Desembargador Joaquim Franco de Sá, governador pela

segunda vez.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 77 -

- 7 de abril – Assume o Governo o cidadão Antônio Joaquim Álvares do

Amaral. Deu a São Luís sua primeira arborização urbana.

Neste ano ocorreu o seguinte fato: um advogado provisionado de Pastos Bons,

cujo nome a História não guardou, enviou a um seu amigo resenha dos jornais da capital

que davam conta da queda de Luís Filipe, com a proclamação da Segunda República

francesa. O oficial de justiça portador do recado, tomando uma bebedeira, afixou pelos

muros da cidade as tais resenhas como uma conclamação ao povo para que fizesse a

República, episódio que ficou conhecido como “A República de Pastos Bons”. Esta, mais

ou menos, a história.

Ano de 1849 – 7 de janeiro – O cidadão Herculano Pereira Pena é o novo Governador.

- 7 de novembro – Outro cidadão é instalado na curul governamental: Honório

Pereira de Azeredo Coutinho.

57

- 3 de dezembro – A Lei Provincial no. 255 contratou a navegação do rio

Itapecuru.

Ano de 1851 – 5 de junho – Dr. Eduardo Olímpio Machado vem quebrar a monotonia dos

governos inexpressivos, pois, entre outras ações meritórias, preocupou-se com o babaçu, (o

primeiro a vislumbrar o valor que teria na economia maranhense); tratou do cobre do

Grajaú e do ouro do Maracassumé, para o que organizou a Companhia de Mineração

Maranhense e constituiu uma comissão para fundar uma Caixa Econômica.

Ano de 1852 – 9 de julho – Assume o Tenente-General Manuel de Souza Pinto de

Magalhães.

- 28 de setembro – Volta o Dr. Eduardo Olímpio Machado.

Ano de 1854 – 18 de maio – Outra vez o Tenente-General Manuel de Souza Pinto de

Magalhães.

- 15 de julho – Reassume o Dr.Eduardo Olímpio Machado, que vem a falecer

em pleno exercício do mandato, a 10 de agosto de 1855.

- Criada a Companhia Confiança Maranhense, que se propunha, entre outras

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 78 -

cousas, a construir “um vasto edifício, com o fim de alugá-lo para lojas comerciais, no

lugar ocupado pela “Casa das Tulhas”, velho aglomerado de casebres que enfeava o bairro

comercial”.

Ano de 1855 – janeiro – Funda-se o Asilo de Santa Teresa, para educação de crianças órfãs

e expostas.

- 12 de agosto – Vice-Presidente, assume o Governo o Comendador José

Joaquim Teixeira Vieira Belfort.

- 10 de dezembro – Novo Governador: o Advogado Provisionado Antônio

Cândido da Cruz Machado, que contratou com a Companhia do Anil, do Tenente-Coronel

Raimundo Brito Gomes de Souza e do Engenheiro Raimundo Teixeira Mendes, o serviço

de abastecimento de água da Capital, até então explorado, em lombo de burro, pela

poderosa matrona D. Ana Jansen Pereira, associada ao comerciante Santos José da Cunha.

Ano de 1857 – 24 de fevereiro – Governadores: Manoel Gomes da Silva Belfort, Barão de

Coroatá.

- 29 de abril – Bacharel Benevenuto Augusto de Magalhães Taques.

58

- 29 de setembro – Bacharel Frâncico Xavier Pais Barreto.

Ano de 1858 – 19 de abril – Bacharel João Pedro Dias Vieira, Vice-Presidente, assume o

Governo. “Administrou-a escrupulosamente e protegeu e incentivou a navegação fluvial a

vapor”, diz um seu biógrafo; conseguiu do Governo Central uma subvenção para a

Companhia de Navegação a Vapor do Maranhão, que chegou a contar com nove navios

fazendo viagens para Itapecuru, Mearim e Pindaré.

- 19 de outubro – Bacharel João Lustosa da Cunha Paranaguá é seu substituto.

Ano de 1859 – 7 de abril – É criada a “Escola Agronômica do Cutim”, a primeira do Brasil,

segundo César Marques.

- 12 de maio – Dr. José Maria Barreto Junior, Comandante Superior da Guarda

Nacional é o novo Presidente.

- 26 de setembro – Dr. João Silveira de Souza assume o Governo.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 79 -

- Robert Ave-Lallemant, que visitou São Luís neste ano de 59 foi recebido por

“uma família inglesa, em cuja casa reinava o encanto da fina educação européia, realçada

pela rara beleza e graça da dona da casa.”

Ano de 1861 – 24 de março – Agora é o Bacharel Pedro Leão Veloso, e logo a

- 25 de abril – Major de Engenheiros Francisco Primo de Souza Aguiar.

Ano de 1862 – 23 de janeiro – O novo Governador é o Conselheiro Antônio Manuel de

Campos Melo.

- Inaugurada a “Casa da Praça”, incorporada à Companhia Confiança

Maranhense (iniciada em 1854), “um edifício retangular, de risco elegante”, no lugar das

antigas “barracas”, com jardim interno e chafariz, e quatro portões, um em cada fachada,

ostentando as armas do Império, a atual “Freira da Praia Grande”, já modificada, inclusive

com um despropositado segundo andar, em alguns trechos.

- Campos Melo mandou construir, no fim da rua do Trapiche (Portugal) uma

segunda rampa, que lhe tomou o nome.

59

Ano de 1863 – 5 de junho – Novamente Governador o, agora Senador, João Pedro Dias

Vieira, “comprovando mais uma vez seu tino político-administrativo e patriótico”.

- 13 de junho – Bacharel Ambrósio Leitão da Cunha, assume a Província.

- 30 de junho – Os frades do Convento de Nossa Senhora do Carmo, em São

Luís, depõem o Provincial da Ordem, Frei José de Santo Alberto Cardoso, ausente da

cidade. Sabedor do fato, regressa pressurosamente o frade, batendo à porta fechada do

Convento, a dirigir insultos aos seus irmãos de hábito, que lhe respondiam, das janelas, no

mesmo tom. Foi de tal ordem o conflito que obrigou à presença da Polícia. Com a

intervenção do Bispo, D. Manuel Joaquim da Silveira, foi o caso solucionado com a

eleição, pelo Capítulo, do frei Caetano de Santa Rita Serejo.

- 23 de novembro – Desembargador Miguel Joaquim Aires do Nascimento é

eleito Governador.

- Inaugurado o serviço de iluminação a gás da Capital, contratado no governo de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 80 -

João Silveira de Souza (1959), com os ingleses Silvestre Battin e Marcus William.

Ano de 1864 – 3 de outubro – Retorna ao Governo Ambrósio Leitão da Cunha.

“Foi no segundo reinado, mais precisamente, no fim do ano de 1864, que teve

início a Guerra do Paraguai, um dos fatos mais celebrados de nossa história, citada

comumente como exemplo de ação humanitária de homens livres na guerra santa de

libertação dos oprimidos pelo tirano Francisco Solano Lopez. Hoje se sabe que a opressão

foi econômica, e não de Lopez, mas da Inglaterra, contra um pequeno país rebelde ao seu

domínio – o Paraguai, luta na qual foram empenhadas as nações a ela sujeitas: o Brasil

um país de escravos (31% da população;, a Argentina, com “voluntários” agrilhoado; e o

Uruguai, “um feudo dos rio-grandenses. Desse modo o Brasil foi, com esses países

igualmente submetidos ao capital inglês, o útil instrumento da Inglaterra para iniciar a

guerra, adredemente preparada por uma diplomacia “pirata”, contra o Paraguai, cuja

economia teimava em fugir ao controle ânglico. (Carlos de Lima) Não cabe aqui maior

análise desta campanha, infeliz como todas as guerras; baste-nos o testemunho do Visconde

do Rio Branco, depois da viagem que fez ao Paraguai, em 1870, para regularizar as relações

com aquele país), citado por Júlio José Chiavenato: “Estamos persuadidos de que o

ditador Lopez não se armava para fazer guerra ao Brasil”. Por todo o País (e o Maranhão

não podia eximir-se) o recrutamento se fazia “no laço”, entre as classes mais pobres,

fugindo a burguesia ao chamamento, de vez que se lhe permitia mandar escravos negros em

seu lugar. Muitos desses “Voluntários da Pátria” se consagraram no heroísmo de oferecer

até dez negros à sua vaga.

Ano de 1865 – 23 de abril – Presidente: o cidadão José Caetano Vaz Júnior.

60

- 14 de junho – Bacharel Lafaiete Rodrigues Pereira assume a direção da

Província.

Ano de 1866 – Presidentes: 19 de julho – Desembargador Miguel Joaquim Aires do

Nascimento, pela segunda vez.

- 6 de agosto – Bacharel Frederico José Corrêa.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 81 -

- 10 de agosto – Juiz de Direito Manuel Jansen Ferreira.

- 1o. de outubro – Bacharel Antônio Alves de Souza Carvalho.

Ano de 1867 – 4 de abril – Retorna Manuel Jansen Ferreira, Juiz de Direito da Comarca de

Carolina.

Assumem o Governo:

- 29 de maio – Bacharel Franklin Américo de Menezes Dória.

- 27 de outubro – Bacharel Antônio Epaminondas de Melo.

Ano de 1868 – 5 de maio – Manuel Jansen Ferreira, pela terceira vez.

- 1o. de agosto – Desembargador Manuel de Cerqueira Pinto.

- 4 de setembro – Desembargador Ambrósio Leitão da Cunha, também pela

terceira vez.

“Por falecimento de um parente seu tomou nojo e passou a administração ao 1o.

Vice-Presidente”, diz César Marques.

- 18 de outubro – Vice Presidente Manuel de Cerqueira Pinto.

- 23 de outubro – Volta Ambrósio Leitão da Cunha.

Ano de 1869 – 4 de abril – Assume o Governo o Dr. José da Silva Maia, chefe do “Partido

Conservador”, órgão dos monarquistas, que fundara, em 1862, com Gomes de Castro, em

oposição à “Liga Progressista Maranhense”, de Franco de Sá.

61

- 16 de junho – Dr. Brás Florentino Henrique de Souza, um dos mais eruditos

lentes da Faculdade de Direito de Recife”, segundo Marques, é Governador.

Ano de 1870 – 1o. de março - Após uma luta encarniçada, que durou cinco anos e custou

ao Brasil 90.000 homens, além de grandes despesas, nada tendo lucrado, pois nem a dívida

de guerra o Paraguai pagou, Francisco Solano Lopes, alcançado em Cerro-Corá, morreu

lanceado pelo soldado brasileiro Chico Diabo, exclamando, segundo seus biógrafos: -

Muero com mi pátria! Na verdade a guerra foi desastrosa para a nação vizinha;

demonstrou o heroísmo dos paraguaios, mas arruinou-lhe a economia que fora tão

florescente a ponto de despertar a cobiça da toda poderosa Inglaterra.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 82 -

- 29 de março – Volta Dr. José da Silva Maia, na qualidade de 1o. Vice-

Presidente.

- 28 de outubro – Governador o Bacharel e Deputado-Geral Augusto Olímpio

Gomes de Castro, que inaugurou o primeiro serviço de transportes urbanos de São Luís,

com os bondes de tração animal. Deve-se-lhe também a construção do prédio do Tesouro

Provincial, ex-Secretaria da Fazenda. Convidado muitas vezes para Ministro, recusava

sempre, alegando: “Sou homem tão cheio de ambições como quem as tiver, mas entendo

que serve bem ao país quem recusa empregos para os quais não se julga com habilitações.

Se o convite lisonjeava a minha vaidade, não podia calar a minha consciência, nem

emudecer o meu patriotismo”... nem Ministro da Marinha quis ser.

- Funda-se no Rio de Janeiro o “Clube Republicano”, que editou o jornal “A

República”, que circulou até 1874.

Ano de 1871 - 18 de maio – Dr. José da Silva Maia, novamente no Governo; substituído

em

- 29 de agosto – pelo Dr. José Pereira da Graça.

- 28 de setembro – Não só moralmente mas, economicamente, o regime

escravocrata estava condenado; grande parte dos proprietários compreendiam que não mais

se justificava a imobilização de capital na compra de escravos; um compatível salário seria

suficiente para mantê-los no trabalho sem necessidade do grande investimento inicial.

Nesta data a Princesa Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela

Gonzaga de Bragança, filha de D. Pedro II, exercendo o governo na ausência do pai,

sancionou a chamada Lei do Ventre Livre, que declarava libertos todos os filhos de

escravas, nascidos a partir daquela data.

- 14 de outubro – Retorna o Dr. Augusto Olímpio Gomes de Castro ao poder.

62

- Realiza-se em São Paulo um Congresso Republicano, que desenvolve um

programa de aliciamento de propaganda republicana, no qual aparecem os nomes de

Campos Sales, Prudente de Morais, Rangel Pestana, Quintino Bocaiúva, Saldanha Marinho,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 83 -

Aristides Lobo, Silva Jardim, Lopes Trovão, Alberto Torres, Nilo Peçanha, Assis Brasil,

Júlio de Castilhos, Martins Júnior e Cesário Alvim. “A Monarquia, velha herança

portuguesa, era estranha à nossa índole. A Regência constituiu um regime republicano

disfarçado que, não fora o golpe da maioridade de D. Pedro II, se teria, pouco depois,

transformado em República à semelhança de outras nações latino-americanas”, afirma

Souto Maior.

- Por iniciativa de uma instituição denominada “Festa Popular do Trabalho” é

realizada a primeira “Exposição do Maranhão”, na qual, “como não havia invenções de

máquinas de primeira linha a serem expostas” apresentou, “com o objetivo de expor

produtos de agricultura, indústria e artes, produtos de mercearia, bordados , esculturas em

gesso e sementes agrícolas”.

Ano de 1872 – 29 de abril – Novamente o Dr. José Pereira da Graça está no Governo.

- 29 de junho – Dr. José Bento da Cunha Figueiredo Júnior substitui-o.

- 6 de novembro – Outra vez é Governador o Vice-Presidente Dr. José Pereira

da Graça.

- Realiza-se a segunda Exposição. Dr. Almeida Oliveira, Presidente da “Festa

Popular do Trabalho” declara: “É preciso trabalhar sempre porque o trabalho regenera o

homem.” O “Publicador Maranhense” lamenta “a indiferença dos mais interessados” e

incentiva “a digna comissão a empregar esforços pois há de por fim ver coroados os seus

desejos de um resultado tão útil ao País; cheios de patriotismo os membros desta comissão

não almejam outra recompensa senão a uitilidade geral que possa provir da combinação

de seus esforços e essa hão de tê-la”. É de notar a inovação, combatida pelo “Publicador”,

de exigir dos visitantes entrarem no recinto de chapéu na mão!

Ano de 1873 – 4 de março – Dr. Silvino Elvídio Carneiro da Cunha assume e é seguido

pelo

- 4 de outubro – Dr. Augusto Olímpio Gomes de Castro, mais uma vez.

Ano de 1874 – 18 de abril – Dr. José Francisco de Viveiros, Vice-Presidente, assume a

direção da Província.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 84 -

63

Ano de 1875 - 22 de fevereiro – Dr. José Pereira da Graça, mais uma vez no Governo; e

- 14 de junho - Dr. José Francisco de Viveiros, novamente.

- 23 de junho – Dr. Frederico José Cardoso de Araújo Abranches assume.

Ano de 1876 – 2 de fevereiro -Frederico de Almeida Albuquerque é o novo Presidente.

- 7 de dezembro – Eleito Jacinto da Silva Gomes, Barão de Monção. Este

surpreendia-se de como era fácil governar: bastava tão somente escrever abaixo dos

despachos, preparados pelo Secretário, - B. de Monção. Ficou-nos a expressão: fulano não

entende nada do assunto; só põe o B. de Monção!

-18 de dezembro – Dr. Francisco Maria Corrêa de Sá e Benevide substitui o

Barão de Monção..

Ano de 1878 – 28 de março – Dr. Carlos Fernando Ribeiro, Barão de Grajaú, mais uma vez

toma as rédeas da administração provincial.

- 17 de maio – Dr. Graciliano Aristides do Prado Pimentel. Presidente.

- 11 de novembro – Presidentes: Dr. Francisco de Melo Coutinho Vilhena.

- 21 de novembro – José Caetano Vaz Júnior.

Ano de 1879 – 24 de julho – Dr. Luís Oliveira Lins de Vasconcelos.

Ano de 1880 – 27 de maio – Dr. Carlos Fernando Ribeiro, Barão de Grajaú.

- 24 de julho – Dr. Cincinato Pinto da Silva.

Ano de 1881 – 19 de novembro – Dr. João Paulo Monteiro de Andrade.

Ano de 1882 – 7 de março – Dr. José Manuel de Freitas.

- 6 de junho – Dr. Carlos Fernando Ribeiro, Vice-Presidente, mais uma vez.

64

Ano de 1883 – 25 de setembro – Dr. João Paulo Monteiro de Andrade, de novo.

- 2 de março – Dr. Carlos Fernando Ribeiro, Vice, novamente.

Ano de 1884 – 10 de setembro - Dr. José Leandro de Godoi Vasconcelos, em cujo governo

foi inaugurado o serviço de Telégrafo Nacional.

Ano de 1885 - 16 de maio – Outra vez o Vice-Presidente Carlos Fernando Ribeiro.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 85 -

- 23 de junho – Dr. Antônio Tibuúrcio Figueira.

- 14 de setembro – Dr. Cipriano José Veloso Viana, Vice.

- 28 de setembro – A Princesa Isabel, substituindo o Imperador, sanciona a Lei

dos Sexagenários, que dá liberdade aos escravos que atingissem a idade de 60 anos.

Acontece que um escravo, sujeito a jornadas diárias de 15 e mais horas de trabalho, tinha

em média uma vida produtiva de 10 anos; aos 60 era geralmente incapaz de exercer

qualquer atividade lucrativa para sua própria manutenção. A lei libertava não o escravo,

mas o senhor, da responsabilidade de alimentá-lo... Sexagenário, cansado, doente e sofrido,

só lhe restava o caminho da indigência e da marginalidade.

- 14 de outubro – Dr. João Capistrano Bandeira de Melo assume o Governo.

Ano de 1886 – 29 de abril. Dr. José Francisco de Viveiros é Governador pela terceira vez.

Acusado de exercer vingança política, seu jornal, defendendo-o, disse que ele se limitara a

dez demissões de adversários apenas, porque seu partido não era a favor da “demissão em

massa como se pratica na grande nação americana, mas entendemos que, por mais larga

que seja a tolerância, não pode o governo permitir que o empregado público se torne

censor injusto de seus atos, arauto da oposição sistemática”, acrescentando que o

adversário, Dr. Carlos Fernando Ribeiro, havia, em dois dias, assinado 74 demissões!

- 25 de agosto – Novo Governador: Dr. José Bento de Araújo.

Ano de 1888 – 18 de abril - Dr. José Mariano da Costa, Vice-Presidente, assume o

Governo.

- 28 de abril – Dr. José Moreira Alves da Silva substitui-o.

- 13 de maio – D. Isabel, no exercício interino do Governo, assina a Lei Áurea,

de no. 3.355, que continha apenas dois artigos: 1o.) - É declarada extinta a escravidão no

Brasil; 2o.) - Revogam-se as disposições em contrário.

65

No Maranhão, e em todo o Nordeste, o ex-escravos não estavam preparados

para a liberdade; naturalmente condicionados, pelo exemplo de seus senhores, de que o

ócio era o maior privilégio da liberdade, não se aventuravam a lançar-se em novos

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 86 -

empreendimentos, grande maioria deixando-se ficar onde haviam nascido, ou

perambulando de fazenda para engenho, e vice-versa, mesmo porque o sertão já estava

ocupado e a cidade oferecia o sonho de uma vida melhor. Toda a vida econômica da

Província desarticulou-se à falta do braço assalariado. Desde 1846 a escravatura escoava-se

para as outras províncias, a exportação de escravos um novo ramo de negócio no

Maranhão; e em 1853, o Presidente Eduardo Olímpio Machado reclamava: “Introduzam-se

os braços que vão faltando, pela aquisição de colonos estrangeiros; pela civilização das

tribos de índios selvagens; pelo melhoramento da raça escrava, que bem precisa de leis

que lhe aperfeiçoem a condição; abram-se novas vias de comunicação e melhorem-se as

existentes; regularize-se o sistema de imposição, que deve recair com igualdade sobre

todos os ramos da produção; dê-se maior desenvolvimento à navegação por vapor; e

procure-se transformar os hábitos ociosos do trabalhador rural, isentando-o do serviço da

Guarda Nacional e do recrutamento, e dando-lhe datas e terras de 5.000 braças, com

casas, ferramentas e sementes, e não demoraria muito que se visse a agricultura da

Província, cuja sorte não considero ainda desesperada, reconquistando a posição que

perdeu.” Apesar das belas intenções nada foi feito e “a liberdade dos escravos e o advento

da República, uma desorganizando o trabalho agrícola e outro criando novas obrigações

para o Estado, determinaram no Maranhão uma tremenda crise econômica, que se

prolongou por um lapso de tempo de cerca de um quarto de século. (Jerônimo Viveiros)

Ano de 1889 – 30 de junho – Dr. Carlos Fernando Ribeiro, Vice, assume pela sétima vez!

seguindo-se

- 3 de agosto – Dr. Pedro da Cunha Beltrão.

- 28 de setembro – Dr. José Jansen Ferreira Júnior, Vice-Presidente.

- 12 de novembro – Dr. Tito Augusto Pereira de Matos.

Nessa dança foram 112 Presidentes entre titulares e interinos, em 65 anos de

Maranhão – Província do Brasil Independente! alguns cujo governo não durava mais de 4

dias, como sucedeu a Frederico José Corrêa!! “Isso não poderia garantir, é claro, uma

continuidade administrativa que assegurasse a execução de algo planejado no trato das

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 87 -

coisas públicas”, comenta Mário Meireles.

A REPÚBLICA

66

- 9 de novembro – Realiza-se na Ilha Fiscal o grande baile com que o Brasil

homenageava a oficialidade do navio chileno “Almirante Cochrane”, que ficou na crônica

como o Último baile do Império, significativo da queda da Monarquia.

- 15 de novembro - Aos arroubos republicanos de que já tratamos juntaram-se

os descontentamentos dos militares, que culminaram em 1887 com um manifesto redigido

por Rui Barbosa e assinado pelo Marechal-de-Campo Manuel Deodoro da Fonseca, em

defesa da honra militar. “A oficialidade mais jovem recebera na Escola Militar influência

de um professor encarniçadamente republicano, Benjamim Constant Botelho de

Magalhães”. Ademais, a própria invalidez de Pedro II, doente de diabetes e impaludismo

(com a ameaça de passar a Coroa à Princesa Isabel e ela vir parar nas mãos do Conde d’Eu,

estrangeiro) viria reunir os diversos grupos de republicanos históricos: a juventude civil

exaltada, alimentada pelo Positivismo e pela Maçonaria; os militares jovens e idosos

descontentes, contando com a prática da convivência com as forças argentinas e uruguaias,

na Guerra do Paraguai; os antigos monarquistas escravocratas, agastados com a Abolição

da Escravatura, e algum clero ressentido pela Questão Religiosa.

Espalhou-se o boato da prisão de Deodoro e Benjamim Constant; aproveitaramse

os republicanos, e na madrugada de 15 de novembro, levaram à rua a tropa, prenderam o

Barão de Ladário, Ministro da Marinha. Deodoro da Fonseca vai ao Palácio, onde está

reunido o Gabinete Ouro Preto e, diante da precipitação dos acontecimentos (das janelas do

Quartel-General militares dão vivas è República)... proclama a República! “O povo assistiu

bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava” – diz Aristides Lobo – e

acrescenta: “O fato foi deles só (dos militares) porque a colaboração do elemento civil foi

quase nula”. Autores põem mesmo em dúvida as intenções de Deodoro de mudar o regime,

destacando sua íntima ligação com a família imperial e “muito sintomáticas as referências

que fez naquele momento de sua amizade que o unia ao Imperador”. D. Pedro, chamado de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 88 -

Petrópolis, quando chegou ao paço, a República era fato consumado!

Se no Rio de Janeiro, teatro dos acontecimentos, assim foi, em São Luís limitouse

a uma arruaça de alguns ex-escravos, à porta do jornal “O Globo”, de Casemiro Júnior e

Paula Duarte, mal informados de que o novo regime traria de volta a escravatura.

- 18 de novembro – No Quartel do Campo de Ourique a tropa aclamou a adesão

à República enquanto em palácio tomava posse a Junta Provisória composta do Tenente-

Coronel João Luís Tavares, Presidente; Capitão-Tenente Cândido Floriano da Costa

Barreto (Capitão dos Portos); Primeiro-Tenente Augusto Frutuoso Monteiro da Silva

(Comandante da Escola de Aprendizes Marinheiros); Capitão João Lourenço da Silva

Milanez, Tenente-Coronel Francisco Xavier de Carvalho, Dr. José Francisco de Viveiros e

Dr. Francisco de Paula Belfort Duarte.

- 19 de novembro – É criada a Bandeira da República: conservava-se o

retângulo verde e o losango amarelo do antigo pavilhão, substituindo o escudo imperial por

uma esfera azul constelada atravessada por uma faixa branca com o lema Ordem e

Progresso.

- 22 de novembro – Estudantes do Liceu fazem passeatas num regozijo tardio.

- 30 de novembro – O poeta Sousândrade promove um desfile alegórico.

67

É interessante notar que no Maranhão o governo continuou em poder do Partido

Conservador, agora transmudado em “republicano” com o nome de “Partido Federalista”.

Era a antiga burguesia escravocrata ressentida com o trono, nem tanto pela alforria dos

escravos, que lhe tirava os braços das lavouras e engenhos, mas com a perspectiva que se

esboçava de não receber a indenização pretendida pela perda deles. Acima de toda a

lealdade ao Imperador sobrepunha-se o interesse particular, daí a manifesta indiferença dos

Conservadores à derrocada do Império. Tão falaz era o “republicanismo” da Junta (na qual

um membro apenas era Republicano – Paula Duarte (e que “entre a espada a ignorância

limitara-se a salvar a gramática na redação dos atos oficiais”, conforme suas próprias

palavras)) a qual, para mostrar serviço passou a decretar prisões e perseguir adversários,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 89 -

ameaçados até de fuzilamento. Além disso criou muitos empregos que preencheu com

“gente que se incompatibilizara com a lei, com a moral e com a sociedade”. Ressalte-se

neste passo que José Francisco de Viveiros e João Lourenço Milanez recusaram-se a

receber os desproporcionados proventos que a Junta, pressurosamente, votou a cada um de

seus membros. “Começava mal a República para nós”, comenta Meireles.

- 17 de dezembro – Toma posse o Dr. Pedro Augusto Tavares Júnior, primeiro

Presidente Republicano (provisório) que, no dia seguinte, tornou nulos todos os atos da

Junta (decreto no. 1), mandando regressar aos seus postos os funcionários demitidos

injustamente, perdendo com isto a simpatia do Coronel João Luís Tavares, praticamente o

representante de Deodoro entre nós, e, conseqüentemente, o apoio da tropa.

- 21 de dezembro – O Decreto no. 6 institui a Bandeira do Maranhão, criada por

Souzândrade, conforme o modelo oficial feito pelo desenhista Antônio Frazão Cantanhede,

constando de três listas horizontais vermelhas, simbolizando os índios; quatro brancas, os

europeus; duas pretas, os africanos, que, na proporção do poeta, compuseram a raça

brasileira; e uma estrela de cinco pontas representando o Estado, sobre o quadrado azul da

Federação.

- 23 de dezembro – Decreto do Governador declarou a liberdade de cultos,

suspendeu quaisquer pagamentos às instituições religiosas e dispensou capelães e

confessores servindo a órgãos públicos, o que foi desaprovado pelo Governo Central,

temeroso do grande poder da Igreja. Reprovou-lhe o ato o Ministério e Deodoro, ordenando

sua revogação, considerou-o “medida extemporânea e inconveniente”. O próprio Coronel

João Luís teve o prazer de anunciar pelos jornais que, cumprindo determinação do

Presidente da República, tornava nulo o ato do Governador, visto ele recusar-se a cumprir o

ordenado.

Nesses primeiros tempos de Regime Republicano existiam no Maranhão quatro

agremiações políticas: o “Clube Republicano”, sem expressão eleitoral, mas contando em

suas hostes com Paula Duarte e Casemiro Dias Vieira (este duas vezes deputado pelo

Partido Conservador!); o “Partido Liberal”, chefiado pelo Dr. Manuel Bernardino da Costa

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 90 -

Rodrigues; a “Facção Conservadora Maista”, dirigida pelo Dr. José da Silva Maia; outra

“Ala do Partido Conservador”, que obedecia ao Dr. Augusto Olímpio Gomes de Castro, e

que, muito embora fosse o que mais se afastava dos ideais republicanos, era o mais

credenciado junto ao Governo Provisório Central, afirma Viveiros. (Entenda-se tal

68

paradoxo!) e acrescenta: “O Conservador Castrista passou a ser o “Nacional”; o

Conservador Maísta, o “Constitucional”; e o Liberal, o “Republicano”. Viriam depois o

“Partido Católico” e a fusão do “Nacional”, com “Católico” e com “Constitucional”, no

“Federalista”.

Ano de 1890 – 3 de janeiro – Pedro Augusto Tavares Júnior, fazendo ver a Deodoro que

não era essa a República que sonhara, pediu demissão e passou o Governo ao Chefe de

Polícia Eleutério Frazão Muniz Varela, e, de volta do Rio de Janeiro, deu uma entrevista

que lhe valeu a prisão.

- 22 de janeiro – Assume o também provisório Governador Dr. José Tomaz da

Porciúncula, que criou o Conselho de Intendência e contratou com o Banco Nacional do

Brasil nosso primeiro empréstimo de 300 contos de réis. Veio com a recomendação de

apoiar Gomes de Castro (a quem deu logo uma das três Vice-Governadorias criadas) para

conquistar a simpatia do antigo Partido Conservador. Criou uma Escola Normal, cuja

primeira turma formada foi de 5 professoras.

- 24 de fevereiro – A Assembléia Nacional Constituinte promulga a primeira

Constituição do Brasil Republicano e confirma como Presidente, Deodoro e Vice-

Presidente, Floriano.

- 5 de julho – Demitindo-se Porciúncula, toma conta do Governo o Vice

(também provisório) Dr. Augusto Olímpio Gomes de Castro, passando-o, em

- 25 de julho – ao novo dirigente nomeado pelo Governo Central, Capitão-

Tenente Manuel Inácio Belfort Vieira. É oportuno que se diga haver o Governo Central

resolvido dividir o País em zonas de influência, ganhando o Maranhão o Ministro da

Marinha Almirante Wandenkolk, que mandou para cá seu subordinado Belfort Vieira.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 91 -

- 28 de dezembro – O Vice-Governador provisório, Dr. José Viana Vaz,

substitui Belfort Vieira, eleito deputado pelo Amazonas.

Ano de 1891 – 4 de março – Segue-se a Viana Vaz o Dr. Tarquínio Brasileiro Lopes,

também provisório.

- 14 de março – Nomeado pelo Governo Central, assume o Dr. Lourenço

Augusto de Sá e Albuquerque, indicado por José Mariano, chefe da situação pernambucana

e figura de prol no novo Governo da República e que liderava o projeto de um Bloco do

Norte. Manuel Bernardino da Costa Rodrigues, chefe do Partido Republicano, afastado do

poder pela preferência dada aos ex-Conservadores, foi o elemento de ligação de Mariano no

Estado, ganhando em recompensa as Vice-Governadorias.

“Para o Maranhão, pois, a República se iniciava com a mesma instabilidade

governamental com que sempre lutara na Monarquia”, observa Mário Meireles.

69

- 4 de julho – O Congresso Constituinte, formado pela Câmara (20 membros) e

o Senado (15) e com Manuel Bernardino da Costa Rodrigues, Presidente; Isaac Martins

Reis, 1o. Secretário; e José Ribeiro da Cruz Filho, 2o. Secretário, criou os cargos de

Governador, 1o., 2o., e 3o. Vice-Governadores, para os quais elegeu Lourenço de Sá

(reconduzido); Carlos Emílio de Andrade Peixoto (cunhado de Gomes de Castro); Agripino

Azevedo; e Salustiano Ferreira de Morais Rego, respectivamente.

- 7 de setembro – Licenciando-se por motivo de saúde Lourenço de Sá, assumiu

o governo Dr. Carlos Emílio de Andrade Peixoto, Vice-Presidente.

- 3 de novembro – Deodoro da Fonseca dissolve o Congresso Nacional.

- 23 de novembro – Renûncia de Deodoro e assunção de Floriano Peixoto.

- 25 de novembro – O Coronel Comandante do 5o. Batalhão, Coronel Joaquim

Manuel de Medeiros, depôs o Governador em exercício, Carlos Peixoto, e organizou sob

sua Presidência uma Junta Governativa, com o Capitão-Tenente Óton de Carvalho Bulhão e

os Drs. Benedito Pereira Leite, Raimundo Joaquim Ewerton Maia e Francisco Cunha

Machado.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 92 -

- 27 de novembro – Em virtude de expediente chegado do Rio de Janeiro,

Medeiros considerou precipitado seu gesto e tratou da recondução de Carlos Peixoto ao

Governo.

- 29 de novembro – Regressando às pressas de Pernambuco, reassume Lourenço

de Sá.

- Chega a São Luís o Tenente Manuel Joaquim Machado, emissário de Deodoro,

que não consegue convencer o Governador a renunciar, pois, ao contrário, havia este

convocado os destacamentos policiais do interior, abrira o voluntariado para a Força Militar

do Estado, disposto a resistir. O 5o batalhão de Infantaria é posto de prontidão. A situação

se agrava. Afinal, por interferência de amigos, no dia

- 18 de dezembro - passou o Governo ao 2o. Vice, Dr. Agripino Azevedo,

também este forçado a deixar o poder. É constituída nova Junta Provisória, composta por

Francisco da Cunha Machado, Presidente (Partido Constitucional), Raimundo Joaquim

Ewerton Maia (Católico) e Benedito Pereira Leite (Constitucional), que declarou nula a

Constituição de 4 de julho. Assinale-se que estes três partidos se fundiriam no “Partido

Federalista”, passando Benedito Leite a ser o dono da política do Maranhão.

Ano de 1892 – 8 de janeiro – O Capitão-Tenente Manuel Inácio Belfort Vieira faz-se

aclamar Governador pela nova Constituinte convocada, em vista da anulação da primeira

Constituição.

- 28 de julho – É promulgada a segunda Constituição, que estabeleceu a

condição sine qua non para ser Governador o ter nascido no Maranhão. Belfort Vieira,

70

confirmado no cargo, tratou de organizar os municípios e a Força Policial, instituiu o

imposto do selo e a taxa de expediente. São eleitos Vice-Governadores Casemiro Dias

Vieira Júnior, Alfredo da Cunha Martins e Luís Antônio de Oliveira Júnior.

- 30 de junho – Assume interinamente o 2o. Vice, Dr. Alfredo da Cunha

Martins, que instituiu um Conselho Superior de Instrução Pública, criou um Fundo Escolar

e equiparou o currículo do Liceu ao do Ginásio Nacional.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 93 -

Ano de 1893 - 3 de março – Revolta da Polícia, que depôs o Governador, aclamando o

Coronel Francisco Joaquim de Souza. Interveio a Força Federal e Cunha Martins foi

reempossado.

– 27 de outubro - Dr. Casemiro Dias Vieira Júnior, ocupa, também

interinamente, o governo, por motivo de doença de Cunha Martins.

Ano de 1895 – 2 de fevereiro – Assume o Comandante Manuel Inácio Belfort Vieira, para

novo período e em

- 13 de agosto - devolve o cargo a Casemiro Dias Vieira Júnior.

- 16 de dezembro – Retorna Manoel Inácio Belfort Vieira ao Governo.

- O Parque Industrial Maranhense apresentava-se com “17 fábricas pertencentes

a sociedades anônimas e 10 eram particulares, sendo 10 de fiação de tecidos de algodão, 1

de fiar algodão, 1 de tecidos de cânhamo, 1 de tecidos de lã, 1 de malha, 1 de fósforos, 1 de

chumbo e pregos, 1 de calçados, 1 de produtos cerâmicos, 4 de pilar arroz, 2 de pilar arroz e

fazer sabão, 1 de sabão e 2 de açúcar e aguardente”. (Viveiros). Grande parte do operariado

das fábricas era do sexo feminino e os empregadores incentivavam os operários a residir o

mais próximo do local de trabalho, dando origem aos primeiros bairros proletários de São

Luís, como Anil, Madre-de-Deus e Camboa.

Ano de 1896 – 16 de abril - Reassume o Dr. Alfredo da Cunha Martins.

- 29 de abril – Mais uma vez, o Tenente Manoel Inácio Belfort Vieira senta-se

da cadeira governamental.

Ano de 1897 – 26 de março - Alfredo da Cunha Martins, de novo! para criar uma

Inspetoria de Higiene e uma Escola Modelo anexa à Escola Normal.

Ano de 1898 – 1o. de março – Dr. Sebastião José Magalhães Braga é o Governador.

71

- 11 de agosto – Dr. João Gualberto Torreão da Costa – “Foi, de fato, o terceiro

Governador Constitucional do Maranhão nesta fase; de direito, o quarto. É que, procedidas

as eleições para o segundo quadriênio, a escolha recaiu em Urbano Santos que, entretanto,

depois de reconhecido, renunciou e entregou o cargo ao 1o. Vice-Governador José de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 94 -

Magalhães Braga.” (Mário M. Meireles). Segundo Artur Moreira, João Gualberto limitouse

“a obedecer, sem discrepância, à orientação, quer política, quer administrativa que lhe

dava Benedito Leite”, cujo “domínio absoluto na administração e na política do Estado

estendeu-se por quinze anos, de 1893 a 1908, período que se deve entender por seu

governo”. (Jerônimo Viveiros).

- Deve-se assinalar que no Governo de João Costa houve a “Guerra do Leda”,

em Grajaú - conflito entre Jeferson Nunes (governista) e Leão Leda (oposicionista) e que

exigiu a presença da Polícia e do Exército.

Assim, com o Governo deste João Costa que, significativamente, tinha o apelido

de “João Banana”, encerramos o século 19, repetindo com Mário Meireles:

“Conseqüentemente, teremos que concluir que o pouco que fez João Costa, foi Benedito

Leite quem o fez.”

- Além dos já citados, recebeu o Maranhão as visitas de Johann Emanuel Pohl

(1811), Príncipe Alberto da Prússia (1843) Auguste François Biard (1858), e Elizabeth e

Louis Agassiz (1865), cujas narrativas muito pouco acrescentaram ao registrado pelos

demais.

E para arrematar digamos que, entre 1889 e 1900, em uma década, tivemos nada

menos do que 4 Presidentes Efetivos (contando-se o renunciante Urbano Santos), 3 Juntas

Provisórias e 17 Interinidades

SÉCULO XX
Ano de 1901 – 13 de março - “Massacre de Alto-Alegre”, onde morreram cerca de 200

pessoas, entre frades, freiras, homens, mulheres e crianças, iniciando-se assim tragicamente

o século XX.

Ano de 1902 – 1o. de março – Assume o governo Dr. Manuel Lopes da Cunha, “posto por

Benedito Leite”, explicita Mário Meireles, escolhidos e eleitos os vices-Governadores

Alexandre Colares Moreira Júnior, Capitão-Tenente Oton Bulhões e Raimundo Nogueira

da Cruz e Castro. Lembremos aqui que os antigos Presidentes de Província, no Império,

passaram a ser chamados de Governadores, na República.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 95 -

– 1o. de novembro – Raimundo Nogueira da Cruz é o novo governador, na

ausência dos 1o. e 2o. Vices.

- 19 de novembro – Toma conta do governo Alexandre Colares Moreira Júnior,

que, dos quatro, inclusive o titular Lopes da Cunha, é o que por mais tempo exerce o poder,

criando até uma “oligarquia dos Moreira”. Deve-se-lhe a criação da Repartição de Obras

Públicas, Viação, Indústria, Terras e Colonização e durante seu governo sofreu São Luís a

peste bubônica (1903-1904), combatida com a ajuda do Instituto de Manguinhos através

dos médicos do sul, Drs. Rodolfo Vacani, Souza Sanches, Toledo Dodsworth, Henrique

Marques Lisboa, Augusto Pacheco, Adolfo Pereira, Vitor Godinho, Adolfo Lindenberg e

Crisciuma Filho, secundados pelos nossos Drs. Joaquim Belo, Galdino Ramos, Cláudio

Serra de Mares Rego, Rogério Coelho Júnior, Antônio Palhano e Domingos Xavier de

Carvalho. Pela quantidade de profissionais recrutados para atender à epidemia e pelo tempo

em que ela transcorreu vê-se a gravidade da situação, que obrigou a população em pânico a

fugir para sítios e quintas dos arrabaldes ou para localidades do interior, os ratos

disseminando o mal pela cidade. O próprio Dr. Henrique, que improvisara um laboratório

de análises na rua do Ribeirão, viu-se atacado da doença, salvando-se a custo com a

interessada assistência de seus colegas maranhenses. Igual sorte não teve o farmacêutico

Bernardo Pedrosa Caldas, que perdeu a mulher, vítima da epidemia. “Guarda a tradição,

diz Meireles, que a quantidade de pestosos diariamente mortos chegou a tanto, que o

serviço funerário normal foi substituído pelo do popular Mãe da Lua, que, percorrendo

com sua funérea carroça as ruas desertas, ia recolhendo das casas os cadáveres para levalos

amontoadas às vezes, para o Cemitério do Gavião; e que a igreja de São Pantaleão,

cujos sinos sempre haviam dobrado à passagem de cada féretro pela rua do Passeio ou do

Norte, rumo ao Campo Santo, agora os mantinha calados para que, pela freqüência em

que teria de planger, não aumentasse o desespero de toda a população ao ouvi-los.”

Ano de 1905 – 3 de janeiro – O Presidente da República, Dr. Afonso Pena, sancionou a Lei

no. 1.329 que autorizava a construção da Estrada de Ferro de São Luís a Caxias. Três

empresas concorreram saindo vencedora Proença Echeverria & Cia., com orçamento de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 96 -

9.052:000$000 contra 22.560:000$000, o mais elevado. O traçado original foi mudado para

a margem do rio, uma incongruência, pois matou a navegação do Itapecuru, e ao fim custou

a estrada 35.928 contos de réis e ainda reclamaram judicialmente os construtores mais

12.000$000!

Ano de 1906 – 1o. de março - Eleito em 1905, assume o governo Benedito

Pereira Leite

1o. de maio – A sociedade “Festa Popular do Trabalho” inaugura sua 3a.

Exposição.

7 de julho – Visita o Maranhão, pela primeira vez, um Presidente da República,

Dr. Afonso Augusto Moreira Pena.

Ano de 1908 – 25 de maio - Adoecendo, Benedito Leite passa o governo ao 2o. Vice-

Governador Artur Quadros Colares Moreira, que o conservaria até o dia 25/02/1909.

- 10 de agosto – Antônio Lobo e Fran Paxeco fundam a Academia Maranhense

de Letras, juntamente com Alfredo de Assis Castro, Astolfo Marques, Barbosa de Godóis,

Clodoaldo Freitas, Corrêa de Araújo, Domingos Barbosa, Godofredo Viana, Ribeiro do

Amaral, Xavier de Carvalho e Vieira da Silva.

Ano de 1909 – 25 de fevereiro – Assume o governo o Presidente do Congresso Legislativo

Mariano Martins Lisboa Neto.

- 6 de março - Benedito Leite falece em Hyères, na França. “Com sua morte

sobreveio para o Estado uma das mais graves crises políticas, conseqüente da luta

disfarçada e muda pela chefia do partido, entre Urbano Santos e José Euzébio,

principalmente, e Colares Moreira, em segundo plano. É o começo da chamada

“Dualidade”. (Mário M. Meireles).

Colares Moreira viajou para o Rio de Janeiro para viabilizar sua candidatura ao

governo no próximo quatriênio, conforme acerto com Benedito Leite; sem resultado,

voltou, pretendendo reassumir o cargo; Mariano Lisboa negou-se a entregá-lo, garantindose

em palácio com a Polícia Militar e o apoio de Costa Rodrigues, chefe oposicionista. O

impasse requereu a presença do Comandante da Região, General Rodrigues Campos.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 97 -

Afinal, após diligências e entendimentos nos altos escalões da República e atendendo a

interesses vários, inclusive da política nacional, renunciaram os dois litigantes, assumindo o

governo, em

- 29 de junho - o novo Presidente do Legislativo, Américo Vespúcio dos Reis.

Ano de 1910 – 5 de fevereiro – Assume o governo outro Presidente do Congresso, na nova

legislatura, Frederico de Sá Filgueiras.

“De toda essa confusão política, a chamada “Dualidade”, resultou, no âmbito

regional”, a ascenção de Urbano Santos à chefia do partido situacionista, o aumento do

prestígio político de Costa Rodrigues, o chefe da oposição, e, por fim, a candidatura de

Luís Domingues para o próximo quatriênio.” (Meireles).

Não faz mal repitamos haver o governo de Benedito Leite se estendido por

quinze anos e não os dois de seu efetivo exercício. E durante eles o Maranhão enfrentou

grave crise econômica motivada por diversos fatores: a extinção da escravatura e o

abandono das fazendas, perdendo a classe rural quase 90% de seu capital; os lavradores,

desesperados, vieram perder o pouco que lhes restara na “disenteria fabriqueira” que

tomou conta do Estado; a alta do preço da borracha desviava para os seringais da Amazônia

nossos últimos braços válidos; a oscilações dos preços mantinha-nos em constantes

sobressaltos. “O Maranhão empobrecia-se”, diz Viveiros. Todavia Benedito Leite

esforçava-se: instituía prêmios para cultura do café, do cacau, da seringueira, da maniçoba,

do arroz, do algodão; incentivada a navegação interna, a pecuária e a exploração de minas e

criava novos serviços: biblioteca, registro civil, escolas modelo e normal e grupos escolares

na capital e no interior, serviço de bombeiros e de imprensa oficial. “Completar a rede

telegráfica foi uma das preocupações de Bendito Leite.” Para acudir à aflitiva situação do

Estado sem omitir-se em relação aos deveres de governo, lançou mão de empréstimos de

bancos locais – Comercial, Maranhão e Hipotecário, e até à firma Cunha Santos & Cia.

Sucess., pois “a Benedito Leite repugnava ver sua terra no papel de necessitado pedinte”

aos cofres da União ou a bancos externos, afirma Viveiros.

“O Maranhão está na miséria, diz o meu correspondente. Não creio. Um

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 98 -

Estado com os recursos do nosso não pode estar na miséria. A sua má situação é

passageira (...) e tanto bastará para que o Maranhão se liberte de sua dívida, que não

passa do rendimento de um ou dois dias de qualquer milionário americano. (...) O que é

preciso, já eu disse e repito, é pormos de lado, nós, maranhenses, as nossas antipatias e

contrariedades pessoais, e cercarmos o governador de toda nossa confiança, a fim de que

ele consiga reanimar o Maranhão.. Isso é mais patriótico e mais prático do que andar por

toda parte a badalar que a nossa terra está perdida, quando não o está.” Mas, acrescenta,

hesitante: infelizmente duvido muito que os maranhenses nos consorciemos para essa obra

de salvação do Estado. Somos desunidos por temperamento, por índole.” E num derradeiro

apelo: “Unamo-nos, patrícios; a união faz a força! Palestra de Artur Azevedo, no Rio de

Janeiro, publicada em o “O País”, de 9 de agosto de 1907.

Quanto à sua honradez, é o próprio Azevedo quem diz: “A acusação mais grave

que se lhe faz é de não saber somar, e querer, com uma receita de cinco pagar uma

despesa de dez. Sim, senhor, admito que é esse o grande erro do Dr. Benedito Leite:

confiou demais nas forças produtoras do Estado; admito mesmo que se enganasse na

soma. Os maranhenses, em geral, sabem gramática e fazem bons versos; no tocante a

algarismos são uma lástima (...) mas ninguém lhe pode negar a glória de sua pobreza, e as

boas intenções e o amor que tem manifestado por nosso torrão natal. (...) Quando ele

deixou a sua vila do Rosário para se meter na política, não era rico, mas possuía alguns

haveres, e hoje está pobre, paupérrimo, e não tem senão dívidas. A política e o Maranhão

absorveram-no por tal forma, que ele não aproveitou, numa rendosa banca de advogado, o

seu talento jurídico, tantas vezes revelado na tribuna parlamentar.”

1o. de março – Assume o governo Dr. Luís Antônio Domingues da Silva,

candidato único da conciliação promovida por Urbano Santos, tendo por Vice-

Governadores Manuel Bernardino Costa Rodrigues, Cristino Cruz e Raul da Cunha

Machado.

O novo Governador, que assistia, conforme confessa angustiado, “à romaria de

funcionários e mais credores do Estado, que desalentada saía diariamente do Tesouro e

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 99 -

desalentada voltava de palácio em súplica de pagamento”, não teve outra alternativa senão

recorrer ao empréstimo externo, tomando a Mayer Freres e Cie., por intermédio do Banco

Argentino Francês, 20.000.000 de francos, com o que conseguiu saldar a dívida flutuante,

restabelecendo o crédito público. Destinou recursos ao fomento à produção, à Companhia

de Navegação a Vapor, acudindo à solução dos transportes, e à Usina Joaquim Antônio, no

sentido da recuperação da indústria de açúcar, tratando, ao mesmo tempo, do saneamento

da capital e da educação, criando a Inspetoria-Geral da Instrução e reorganizando o Liceu e

a Escola Normal.

Ano de 1912 – 4 de setembro – Luís Domingues é reeleito para novo mandato (1912-

1914).

– 8 de setembro – Realiza-se a 4a. Exposição, de responsabilidade da

Comissão “Festa Popular do Trabalho” – “a maior de todas, porque conseguiu expor o

que existia de mais moderno no Maranhão, além de contar com a visita de alguns

estrangeiros e pessoas de alta posição social”, inclusive o escritor francês Paul Adam.

O Governador Luís Domingues recomendou que a Exposição fosse franqueada

“gratuitamente a todos os que se apresentassem decentemente vestidos. Dessa mostra

participou a Fábrica de Fiação e Tecidos do Rio Anil, com seus alvíssimos morins”.

Ano de 1914 – 1o. de março – Eleito mais uma vez para o governo do Maranhão, Urbano

Santos da Costa Araújo mais uma vez renunciou ao mandato, dando ocasião a que, como

nenhum dos Vice-Governadores se resolvesse a assumir, fosse ele, interinamente, entregue

ao Presidente da Câmara Municipal de São Luís, Afonso Gifwning de Matos.

- 6 de abril – Cria-se em São Luís uma primeira Sociedade de Medicina e

Cirurgia do Maranhão, sob a presidência do Dr. Oscar Lamagnere Galvão, que se firmaria

enfim em 24 de abril de 1921, sob a mesma direção e contando com 40 associados, ela que

começara com 32.

- 26 de abril – Toma posse Dr. Herculano Nina Parga, eleito efetivamente

Governador do Maranhão para conjuração de nova crise política ligada à disputa Artur

Colares Moreira x Mariano Martins Lisboa. Conseguiu ele um superávit orçamentário

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 100 -

graças às medidas tomadas por seu antecessor Luís Domingues e à I Guerra Mundial de

1914, que provocou o surgimento do babaçu como a principal fonte de arrecadação do

Estado. Segundo Meireles, Herculano Parga só se preocupou com o problema financeiro de

fazer crescer o saldo do Tesouro, abandonando os programas de Luís Domingues. Também

entrou em choque com a oposição na pessoa de Clodomir Cardoso, Prefeito de São Luís. “A

dívida flutuante fora liquidada, a consolidada reduzira-se a Rs. 2.559:000$000, a externa

já baixara para 18.000.000 francos e o Estado dispunha de um saldo, em depósitos

bancários, de Rs. 2.467:200$000.” (Meireles). E foi Parga quem criou as pastas de

Fazenda; e do Interior, Justiça e Segurança.

Ano de 1917 – 23 de março - O novo Governador é o 1o. Vice-Governador, Antônio Brício

de Araújo, irmão de Urbano, que assumiu o cargo em virtude da renúncia de Herculano

Parga, candidato a Deputado Federal.

Ano de 1918 – 1o. de março – Assume o 1o.Vice-Governador eleito Dr. José Joaquim

Marques, em virtude da ausência do titular, Urbano Santos.

- 26 de agosto – Dr. Aquiles Lisboa funda um Posto de Assistência Médica aos

Ulcerados que perambulavam pela cidade, contando com a ajuda dedicada de alguns

colegas, inclusive cirurgiões e um dentista.

- 9 de outubro – O 2o. Vice, Raul da Cunha Machado, torna-se Governador, pelo

mesmo motivo da ausência do efetivo..

- 21 de outubro –Na ocasião Vice-Presidente do Brasil, assume o cargo de

Governador do Maranhão Urbano Santos, eleito. pela terceira vez.

Deve-se a ele a criação de um Serviço de Profilaxia Rural e Urbana, com a

instalação do Instituto “Osvaldo Cruz” (filial do Instituto de Manguinhos, do Rio de

Janeiro), sob a direção do bacteriologista Dr. Cássio Miranda, assistido pelo Dr. Luís

Lobato Viana e o laboratorista Benedito Laurindo de Morais; o contrato com a Fundação

Rockeffeler para o combate à malária, e o início da construção do Leprosário no sítio Sá

Viana, fronteiro à cidade (12/2/1920).

- 21 de novembro – Urbano Santos é nomeado Ministro de Estado para os

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 101 -

Negócios e Interior e Justiça, a convite de Rodrigues Alves e mantido no cargo por Delfim

Moreira até 3 de outubro de 1919.

Ano de 1919 – 24 de fevereiro - Por inspiração de Urbano Santos foi feita a reforma

constitucional, “ditada mais por interesses político-partidários, e que por isso não teve a

assinatura dos deputados oposicionistas.” (Mário Meireles) O Governador passava a

chamar-se Presidente, com um único Vice; o Prefeito de São Luís a ser da confiança e

nomeação do Presidente, contra a tendência do eleitorado da Capital.

- 9 de abril – O Governo da União cria o Serviço de Profilaxia, de caráter

especial e com representações nos Estados para combater a terrível epidemia chamada

Gripe Espanhola, aqui confiado ao Dr. Raul de Almeida Magalhães.

Ano de 1920 – Surto de Febre Amarela.

Ano de 1921 – Nova ameaça Peste Bubônica, com focos em São Bento, Penalva e São

Vicente Ferrer.

- março – Inicia-se o tráfego na Estrada de Ferro S. Luís-Teresina e o transporte

de cabotagem entre os pequenos portos do Estado, com o arrendamento à Companhia

Nacional de Navegação Costeira de dois navios do Governo Estadual. Outras obras

importantes promoveu Urbano Santos: mananciais de abastecimento de água para a cidade;

reconstrução do teatro (que se passou a chamar “Artur Azevedo”), do quartel da Polícia

Militar, da Penitenciária, do Aprendizado Agrícola e da Escola Modelo.

Junho – O governo adquire o Hospital Nina Rodrigues, da Santa casa de

Misericórdia, no bairro do Lira, destinado aos tuberculosos, para transformá-lo em hospital

de isolamento, instituindo um curso de enfermagem para habilitar-lhe o pessoal.

Ano de 1922 – 25 de fevereiro – O 2o. Vice-Presidente Dr. Raul da Cunha Machado

assume o poder em virtude, de outra vez, ser Urbano Santos candidato à Vice-Presidência

da República.

- 1o.de março – Godofredo Mendes Viana e Raul da Cunha Machado são eleitos

Presidente e Vice-Presidente do Maranhão. Permanecendo, porém, Godofredo no Senado,

guardando a vaga para Urbano Santos, a quem devia por sua vez substituir, conforme

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 102 -

combinação de interesse do situacionismo (“E assim se passaram as coisas, que assim se

faziam as eleições...”, observa Mário Meireles), Raul da Cunha Machado passou a si

mesmo o cargo de Presidente.

- 26 de abril – O Capitão Manuel Aurélio Nogueira, dizendo-se desautorado em

dois inquéritos que presidira e cujos resultados contrariavam os interesses do governo,

inspirou a revolta da Polícia militar, cuja tropa, sob o comando do Tenente Sebastião

Corrêa, ocupou o palácio mantendo o Presidente detido. Criou-se uma Junta Governativa

composta pelos Dr. Tarquínio Lopes Filho, Presidente, Desembargador Rodrigo Otávio

Teixeira e Drs. Leôncio Rodrigues e Carlos Augusto de Araújo Costa.

No mesmo dia o Comandante do 24o. B. C., Tenente-Coronel Cunha Leal,

cumprindo ordens superiores, reempossou Cunha Machado, obrigando-o, porém, a

comprometer-se, por escrito, a manter os revoltados nos postos que tivessem, livres de

punição, e a garantir a segurança dos membros da Junta. Todavia, depois de reassumir o

cargo, declarou pela imprensa que só o fizera sob coação, gerando novas inquietações, pois

tratou de fortificar-se e iniciou tais perseguições e empastelamento de jornais que chegaram

até a um assassinato. Muitos líderes homiziaram-se no quartel do Exército.

- 7 de maio – Falece, repentinamente, à bordo do vapor “Minas Gerais”,

Urbano Santos, em viagem para o Rio de Janeiro, o que daria origem a nova crise

administrativa pela inexistência de um substituto previamente escolhido pelo morto. Logo

se desavieram os possíveis herdeiros políticos, defrontando-se, ferozmente, de um lado

Marcelino Machado, genro de Benedito Leite, logo eleito chefe da oposição, e de outro

Magalhães de Almeida, genro de Urbano Santos, pelo situacionismo.

Mas, Cunha Machado, que se acostumara a obedecer cegamente a Urbano

Santos, desorientado com a ausência do chefe, que viajara para tratar de sua candidatura,

passou a ser dominado pelo seu Secretário do Interior, Dr. Teodoro Rosa.

- 2 de junho – Suicida-se o Dr. Leôncio Rodrigues, presa de incontrolável

depressão.

– Repercute no Maranhão a reação do Exército ao governo de Artur Bernardes,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 103 -

do que se aproveita o Presidente para ordenar a prisão dos adversários.

- 19 de dezembro – São os implicados julgados e absolvidos pelo júri e

aclamados pelo povo.

Ano de 1923 – 20 de janeiro – Finalmente assume a Presidência Godofredo Mendes Viana.

Cunha Machado renuncia à Vice-Presidência e candidata-se à Câmara Federal. Recebido

como uma esperança de paz e progresso, Godofredo Viana deixou-se influenciar pelo

cunhado e Secretário de Interior Juveliano Barreto, que criou para o governo a mais

ferrenha e tumultuosa oposição.

Ano de 1824 – Para agravar a situação o fortíssimo inverno deste ano alagou cidades e

campos, condenando a safra e deixando multidões ao desamparo, obrigando o governo a

conceder auxílios e dispensar tributos, além da invasão de duas dezenas de municípios pela

Coluna Prestes e o estabelecimento do quartel-general legalista do General João Gomes em

São Luís, perturbando ainda mais os problemas, de si graves, da administração.

- Novo empréstimo de $ 1.500.00 foi feito agora com Ulen & Co., de New

York, para financiamento dos serviços de água, esgoto, luz e tração elétricas em São Luís, a

cargo da Brighton & Co. Inc.; e depois outro empréstimo de 2.500 contos de réis, elevando

a dívida interna do Estado para Rs 9.553:800$000 e a externa para Rs 16.712:000$000.

Procedeu a nova reforma do ensino proposta pelos professores Fran Paxeco, Osório

Anchieta, Joaquim Santos e Cesário Veras.

Ano de 1925 – 8 de abril – O Congresso Estadual aprovou, pela Lei no. 1.234, o laudo dos

oficiais do Exército Nacional que dirimiu a “Questão da Barra de Tutóia”, limites entre o

Maranhão e o Piauí, defendida pelo Dr. Benedito de Barros e Vasconcelos.

26 de novembro – Criação de Antônio Lopes, funda-se o Instituto Histórico e

Geográfico do Maranhão, nascido como Instituto de História e Geografia, na livraria de

Wilson da Silva Soares e composto de, além do citado, Justo Jansen, José Domingues,

Barros e Vasconcelos, Domingos Perdigão, José Pedro Ribeiro, José Abranches de Moura e

Arias Cruz e acrescido depois com João Braulino de Carvalho, Raimundo Lopes, Fran

Paxeco, Carlota de Carvalho e Antônio Dias, cabendo a presidência a José Ribeiro do

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 104 -

Amaral, que já ocupava a da Academia Maranhense de Letras.

Ano de 1926 – 27 de fevereiro – Ausentando-se Godofredo Viana, assume o governo o

Vice-Presidente Dr. João Vieira de Souza Filho que, em

1o. de março – passa-o ao eleito, Comandante José Maria Magalhães de

Almeida, aliás o segundo que exerceria integralmente o mandato,visto que o último fora

João da Costa, vinte anos atrás.

Havia no Maranhão republicano dois partidos: o “Federalista”, chefiado por

Benedito Leite, e o “Republicano”, sob a direção de Manuel Bernardino da Costa

Rodrigues. No primeiro as cousas iam mal com a morte de Urbano Santos, delimitando-se

duas alas. Afinal, “definida a situação política com a cisão provocada por Marcelino

Machado, que foi suceder a Costa Rodrigues na chefia do Partido Republicano, o posto

que de Benedito Leite passara a Urbano Santos, acabaria em mãos do genro deste último,

o Comandante José Maria Magalhães de Almeida, depois de ter escorregado pelas do

Desembargador Cunha Machado e ter escapado às de Godofredo Viana.” (Mário

Meireles)

Sofrendo o Estado sua incessante crise financeira, coube ao novo governante a

obrigação de cortar gastos e suprimir cargos e serviços a fim de por em dia o pagamento do

funcionalismo. Os serviços públicos de abastecimento, esgotos, iluminação e transportes,

transferidos à Ulen Management Co., foram instalados; tratou-se da execução de um plano

incipiente de estradas de rodagem, outro de urbanismo para São Luís, a cargo do Dr. Jaime

Tavares, e ainda um terceiro de reedição das obras clássicas de História e Literatura

maranhenses. Suportou Magalhães os ataques virulentos da oposição de Marcelino

Machado e Tarquínio Lopes Filho, chefe do “Partido Socialista” (que, como é óbvio, nada

tinha de socialismo e logo passou a chamar-se “Democrático”), através dos jornais “O

Combate” e a “Folha do Povo” e que, não discrepando dos tempos passados, desciam aos

insultos e às ofensas pessoais aos adversários e suas famílias, a que “O Imparcial”

respondia em quase igual diapasão. É de notar que nunca houve realmente partidos no

Maranhão (quiçá no Brasil), encarnando-se na pessoa de seus chefes as simpatias e o

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 105 -

espírito da grei, daí os castristas, os maistas, os magalhãsistas, os marcelinistas, os

vitorinistas, os sarneysistas ...

Ano de 1930 – 1o. de março - É eleito Governador do Estado o Dr. José Pires Sexto, que

só governaria por sete meses, seria deposto e fugiria pelos fundos do palácio.

- 3 de outubro – Eclode no Rio Grande do Sul a revolta que ficaria conhecida

como a “Revolução de Trinta”, com a tomada do Quartel-General de Porto Alegre por

Osvaldo Aranha e Flores da Cunha, à frente de apenas 50 homens.

8 de outubro – Rebenta no Maranhão o movimento revoltoso comandado pelo

Sargento José Paz de Amorim. Tarquínio Lopes reunira em torno de si alguns jovens

idealistas, inclusive José Maria dos Reis Perdigão, o qual, tido por comunista, estivera

exilado na Argentina. Desde Deodoro que a insatisfação lavrava pelo país, manifesta nas

diversas agitações da Revolta da Esquadra (1891), da Fortaleza de Santa Cruz (1892), da

Federalista e do Levante da Armada (1893). Em 1920 toma corpo o movimento conhecido

por “tenentismo” para combater “a mentalidade de comandita, de donos do bolo, (...) sem

nada conceder ao povo – que continua tratado como em país invadido” (Pedro Nava) que

provocaria as epopéias dos 18 de Copacabana e a Coluna Prestes; aqui tivéramos as

escaramuças de 22 e a suspeita a Cunha Leal de simpático à causa dos revolucionários.

A vitória da Aliança Liberal, representada no Maranhão pelo Partido Liberal, de

Tarquínio Lopes Filho, e que congregara a mocidade de tendências socialistas (Lauro

Parga, Fernando Perdigão e José Maria Perdigão, Francisco Figueiredo, Hélio e Cunha,

Tácito Freitas, Eugênio Lima, entre outros) fez coro com o movimento armado que se

organizava pelo país, promovido pelos oficiais do Exército Miguel Costa, Carlos Prestes,

Juarez Távora e Siqueira Campos. José Maria Reis Perdigão fez-se seu representante entre

nós, conseguindo influenciar o elemento civil e a o de mais baixa patente do Exército. No

Piauí, Área Leão depusera o Governador e a revolução já se estendia a Timon e Caxias, em

território maranhense. “Diante disso, e porque os oficiais (do Exército) não se resolvessem

a uma atitude (o tenente Tasso Serra, comprometido, voltou atrás) o sargento Paz Amorim

tomou a dianteira e, antes que sua companhia ficasse também desarmada, deu o brado da

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 106 -

revolta, prendendo toda a oficialidade, inclusive o major Luso Torres (comandante do 24o.

B.C.). (Meireles) Foi a sargento Amorim, um mulato simpático, de largo sorriso e decidida

ação, sem grande preparo intelectual, mas inteligente e corajoso quem, a 8 de outubro,

sublevou a tropa e prendeu o seu comandante Luso Torres.

- 9 de outubro – Toma posse a Junta Governativa Revolucionária, composta

pelos Capitão Celso Aurélio Reis de Freitas, Dr. José Maria dos Reis Perdigão e Tenente

José Ribamar Campos. O Governador Pires Sexto fugiu pelos fundos do palácio e a Junta

recebeu o governo... das mãos do Sargento Aprígio, o Comandante da Guarda. Inicia-se

assim a “República Nova”.

- 24 de outubro – Um grupo de Generais e Almirantes depõe, no Rio de Janeiro,

o Presidente da República Washington Luís Pereira de Souza, assumindo o governo uma

Junta Pacificadora, formada pelos Generais João de Deus Mena Barreto e Augusto Tasso

Fragoso.

- 3 de novembro – Vitoriosa a Revolução, o Bacharel em Ciências Jurídicas e

Sociais, Getúlio Dornelles Vargas, ex-Ministro da Fazenda de Washington Luís, candidato

derrotado à Presidência, e “que nunca fora revolucionário”, segundo o General Aurélio de

Góis Monteiro, assume o governo do País.

- 15 de novembro - Restabelecida a ordem, vai para o governo... o Major José

Luso Torres, o mesmo que, comandando o 24o. B. C. legalista, tinha sido aprisionado pela

revolução; secretariado pelo Dr. Reis Perdigão, um dos responsáveis maiores pelo

movimento revoltoso!

“Com a abolição da escravatura, já vimos, deu-se a desorganização da economia

brasileira, baseada no latifúndio, na monocultura e no trabalho escravo, em regime

semifeudal. Ao engenho sucedeu a usina, mas os vícios persistiram e os escravos do

primeiro se transferiram para a segunda quase nas mesmas condições. A famigerada seca de

77 e o malogrado sonho da borracha provocaram a fuga de milhares nordestinos para A

Amazônia e São Paulo. A fome, o abandono, a ignorância impuseram a união e armaram o

braço do cangaceiro e do fanático. O cangaço, antes de tudo, representa a reação, ás vezes

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 107 -

inconsciente, contra o latifúndio, a violência policial, o isolamento social e cultural, o

coronelismo. Eis que surgem os fenômenos absolutamente naturais de Canudos,

Contestado, Juazeiro do Padre Cícero e de Lampeão, o Rei do Sertão. ( C. de Lima)

No Maranhão houve apenas a mudança de atores e aos novos governantes

poder-se-ia dizer o mesmo que Henrique Leal disse dos antigos, que poucos são aqueles de

quem se pode ter gratas recordações.

Luso Torres, porém, só governou por 12 dias, transferindo o cargo, a

- 27 de novembro, ao Dr. José Maria dos Reis Perdigão.

Ano de 1931 – 9 de janeiro – Toma posse no governo o padre Astolfo de Barros Serra

como Interventor Federal e começa o desfile dos interventores.

O Padre Serra, temperamento rebelde, em conflito com o arcebispo D. Otaviano

de Albuquerque, que o suspendera de ordens, tribuno inflamado, jornalista, escritor, e

também soldado do movimento revolucionário de 30, teve uma curta e nada tranqüila

gestão. O caso é que o Arcebispo não podia ver com bons olhos um seu subordinado

(realmente um insubordinado) sob sanções disciplinares, ocupando o lugar mais

proeminente da administração estadual. Não demorou muito a que as relações se azedassem

“principalmente devido a provocantes manifestações da imprensa, ditadas pelos interesses

políticos, e a que eram bastante vulneráveis tanto o Padre-Interventor, por sua maneira de

vida, quanto Arcebispo, pela auréola de antipatia que seu gênio lhe concedera”. (Mário

Meireles). Astolfo Serra deixou o palácio, após apenas 8 meses, nos braços do povo, o que

não impediu um tiroteio na rua principal da cidade, felizmente sem maiores conseqüências.

- 18 de agosto – Com essas escaramuças, ordenou o Governo Central que o

Comandante do 24o. B.C., o Coronel Joaquim Guadie de Aquino Corrêa assumisse a

interventoria, inaugurando a “Era dos Tenentes” no Maranhão, sendo o primeiro, em

- 8 de setembro – o Capitão do Exército Lourival Seroa da Mota, que, apesar

de bem intencionado, pouco pode fazer em tão curto tempo.

Ano de 1932 – 15 de janeiro - Assume interinamente o governo o Secretário-Geral

Amerino Warnick, na ausência transitória do Governador.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 108 -

- 14 de abril – Reassume Seroa da Mota.

- 9 de julho - Revolução Constitucionalista, chefiada por Isidoro Dias Lopes e

Bertoldo Klinger, que, embora dominada, provocaria o fim do governo discricionário.

Ano de 1933 – 10 de fevereiro - Interinamente exerce o poder Amerino Warnick. Seroa da

Mota não volta ao governo e, a

- 30 de abril – Álvaro Jansen Serra Lima Pereira, Coronel-Comandante do 24o.

B.C., assume o governo, interinamente, para transmiti-lo a outro militar.

- 29 de junho – O Capitão do Exército Antônio Martins de Almeida é o

Interventor no. 4 de nosso Estado, vindo “para colocar ordem na política e nas finanças do

Maranhão. Para ajudá-lo, Martins de Almeida trouxe em sua companhia o pernambucano

Vitorino de Brito Freire, que havia conhecido na Revolução Constitucionalista de São

Paulo, para ocupar a Secretaria de Governo, órgão encarregado de conduzir a política

estadual”. (Buzar)

- 7 de novembro – Assume o Secretário-Geral, Capitão Onésimo Becker de

Araújo, na ausência do titular.

Ano de 1934 – 5 de fevereiro – Martins de Almeida reassume o cargo.

- 10 de julho – Outra vez Onésimo Becker de Araújo substitui interinamente o

Governador.

- 16 de julho – Novas idéias surgiram das condições econômicas e sociais

decorrentes da I Guerra Mundial, dando origem a dois grandes regimes políticos

totalitários: o comunista, vitorioso em 1917, na Rússia, e o fascista, que seria seguido e

fortalecido pelo nazismo, implantado na Itália em 1934. No Brasil naturalmente

repercutiriam tais doutrinas que se consubstanciaram na criação dos partidos Aliança

Nacional Libertadora (ANL) de orientação comunista, e Ação Integralista Brasileira (AIB)

fazendo o gênero fascista.

- Promulgação de nova Constituição do Brasil, que previa a nacionalização

progressiva dos bancos, assegurava a pluralidade e autonomia dos sindicatos, garantindo

aos trabalhadores salário mínimo, férias, indenização por dispensa sem justa causa, etc. e

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 109 -

- Eleição indireta de Getúlio Vargas e aparecimento no cenário nacional do

Partido Comunista, de Luís Carlos Prestes e do Partido Integralista, sob a chefia de Plínio

Salgado.

- 2 de agosto – Reassume Martins de Almeida.

Martins de Almeida cedo recebeu a oposição do Partido Republicano, de

Marcelino Machado, que, através do jornal “O Combate”, não lhe poupava violenta crítica

e pesados ataques. Indispôs-se ainda com a Associação Comercial por questões

orçamentárias e fiscais e, perdendo de todo a serenidade devida ao cargo, desmandou-se, de

fato, a ordenar, ou permitir, públicas surras de adversários, sem consideração à posição

social ou econômica dos perseguidos, aplicadas por um grupo de capangas, que o povo

apelidou, jocosamente, de “Bando de Papai Noel”, surgido justamente pelas proximidades

do Natal. O desentendimento exacerbou-se com a decretação de greve por parte do

comércio e a conseqüente prisão de todos os Diretores da A. C. , “homens dos mais

qualificados e estimados na sociedade”. Tornou-se incômoda a situação do Interventor e

ele foi-se, despachado pelo Governo Federal.

Ano de 1935 – 16 de outubro – É promulgada a 3a. Constituição do Estado do Maranhão.

Reorganiza-se a política, figurando então os seguintes partidos: “Partido Republicano”, do

Dr. Marcelino Rodrigues Machado; e “União Republicana Maranhense”, do Dr. Genésio

Euwaldo de Morais Rego.

- 22 de julho – Toma posse no Governo o Dr. Aquiles de Faria Lisboa, eleito

pela Assembléia Legislativa, candidato único dos dois Partidos: “Republicano” e “União”.

Durou menos de um ano o acordo. Os genesistas acusam Aquiles do não cumprimento da

palavra dada; desentenderam-se por causa da Prefeitura de São Luís, prometida ao Dr.

Clodomir Cardoso, segundo uns, ao Dr. Costa Fernandes, para outros. O Governador

defende-se dizendo não submeter-se a imposições. Aliás, logo em seu discurso de posse dá

“um soleníssimo aviso”: “Não haverá considerações de espécie alguma, estima pessoal,

parentesco, gratidão por obséquios recebidos, apresentação por pessoas ás quais deva

respeito e mesmo obediência, piedade ou comiseração pelo estado de pobreza, deferência

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 110 -

pela posição social ou pelo valor soberanamente mais alto da cultura intelectual, nada,

absolutamente nada haverá que me impeça de dispensar imediatamente os companheiros

nos quais descubra que a satisfação do ganho prevalece ao devotamento ao serviço.”.

“Político amador, entregou-se à sanha dos profissionais, cruéis, impiedosos, ingratos” –

diz Salomão Fiquene, seu colega na Medicina e seu confrade na Academia de Letras. Dá-se

o rompimento e a “União Republicana”, obtendo maioria na Assembléia, vota moção de

desconfiança a Aquiles Lisboa.

- 16 de agosto – O Governador é deposto e substituído pelo Vice-Presidente

Antônio Pires da Fonseca. O “Partido Republicano” não reconhece o ato da maioria

oposicionista ocasional pelo que a bancada majoritária recolhe-se ao quartel do Exército e

requer hábeas-corpus coletivo, que, denegado pelo Tribunal, obrigou a oposição a

funcionar em um prédio particular, no largo do Quartel.

- 16 de outubro – Esta Assembléia vota e promulga nova Constituição do Estado

e promove, através do consagrado jurista Dr. Clodomir Cardoso, o processo de

empeachment do Governador (de modelo americano e pela primeira vez aplicado no Brasil)

Aquiles, no entanto, sai de palácio carregado pelo povo.

- 23 de novembro – Estoura em Natal o movimento comunista no 21o. Batalhão

de Caçadores;

- 24 de novembro - Em Recife, componentes da ANL tentam sublevar o 29o.

Batalhão;

- 27 de novembro – No Rio de Janeiro, o Quartel do 3o. Regimento de Infantaria

é tomado de surpresa, e se rebela a Escola de Aviação Militar. A insurreição evidentemente

desarticulada é facilmente dominada e presos os chefes principais, entre os quais Luís

Carlos Prestes.

Em contraposição aos comunistas, a Ação Integralista, tendo por lema “Deus,

Pátria e Família”, por distintivo o Sigma e como saudação – Anauê!, atraiu importantes

personalidades da Igreja Católica, das forças armadas e das classes conservadoras.

Ano de 1936 – 14 de junho - O Governo Federal interfere para a preservação da ordem e

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 111 -

nomeia Interventor o Major Humberto Carneiro de Mendonça.

- 15 de agosto – Getúlio Vargas faz eleger Governador, pelo voto indireto da

Assembléia, Paulo Martins de Souza Ramos, alto funcionário do Tesouro Nacional.

- 12 de novembro – Promulga-se nova Carta Constitucional do Maranhão,

devidamente reformulada e corrigida.

Ano de 1937 – 24 de março – Assume o Governo Dr. Boanerges Neto Ribeiro, na ausência

transitória do titular.

- 16 de setembro – Paulo Ramos funda o Partido Evolucionista Maranhense.

“Genésio Rego e Clodomir Cardoso, além de não concordarem com o desaparecimento da

URM (União Republicana Maranhense) romperam com o governador.” (Benedito Buzar)

– 10 de novembro – “Ao mesmo tempo em que alguns políticos preparavam a

futura campanha presidencial que julgavam poder desenvolver-se em torno dos nomes de

José Américo de Almeida, Armando Sales de Oliveira e Plínio Salgado, Getúlio Vargas

planejava um “golpe de Estado”. (Souto Maior). Para isto decretou “estado de guerra” em

plena paz, valendo-se de um misterioso “Plano Cohen” que pretendia a implantação do

comunismo no Brasil (depois descobriu-se que tal plano fora forjado pela polícia de Felinto

Muller.) Fechados Câmara e Senado, foi imposta à Nação uma “nova ordem”, uma

Constituição “que estabelecia teórica e praticamente uma ditadura”, assinada por todos os

ministros com exceção de Odilon Braga, da Agricultura, e apoiada pelas forças armadas.

Estava instalado o famigerado “Estado Novo”. Nunca um chefe de Estado obtivera tanto

poder e muito da popularidade de que gozou Getúlio deve-se à criação de um Departamento

de Imprensa e Propaganda (DIP) especialmente dedicado a elogiar o ditador gaúcho.

24 de novembro – Em virtude do golpe, passou Paulo Ramos a exercer o

Governo como Interventor Federal.

“Seus nove anos de administração - diz Mário Meireles – foram, sem dúvida,

dos mais profícuos e progressistas que o Maranhão tem gozado”, o que não impede de ter

ele angariado a antipatia geral da população. Com os poderes discricionários de então pôde

fazer bom governo, reequilibrando as finanças do Estado, dando-lhe melhor organização e

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 112 -

algum progresso. Todavia, autoritário e rancoroso, adorando os bajuladores (que encontrou

fácil e em grande número), complexado, vivia, desconfiado, a vislumbrar desrespeitosas

alusões à sua pessoa, o que num estado policial propiciava toda sorte de vexames e prisões

públicas e espetaculosas, para gáudio de seu Chefe de Polícia Flávio Bezerra, “célebre por

explorar às escâncaras o lenocínio e sempre pronto a aproveitar as oportunidades para

demonstrar sua subserviência e capachismo”. (Carlos de Lima)

- Os partidos políticos no Brasil, ainda hoje, são apenas instrumentos de grupos

econômicos na defesa de seus particulares interesses. Em termos ideológicos não existem e

os que, como o “Partido Comunista” e o “Partido Integralista”, apresentaram algo

programático (e uns pouquíssimos hoje existentes) não ficaram imunes à praga que Pedro

Nava chamou de “complexo colonial, inseparável do retrato psicológico do Brasil”,

oriundos da velha oligarquia agrário-coronelesca, que se diversifica mas não perde o ranço

de superioridade de casta e cujo único objetivo é estar de cima! Com o Estado Novo a

cousa mudou para pior. A classe operária emergente foi logo cooptada pelo Ministério do

Trabalho através da “lei de sindicalização” que não reconhecia direitos políticos às

Associações Sindicais. Getúlio, dúbio e misterioso, agia na sombra, a todos conquistava e

corrompia, oferecendo cargos e vantagens, “promovendo tenentes a capitães”, como

costumava dizer entre sorrisos, e todos traindo e enganando; permitia e incentivava a

violência fascista contra a ascensão da classe trabalhadora e a esta engodava com a criação

da Justiça do Trabalho, preparando o controle e a mobilização das massas para que o

proclamassem “O Pai dos Pobres”. “Uma vela em cada altar até que os acontecimentos

se encarregassem de situar o perfil da situação.”

No Maranhão, “a sociedade isolada” de que nos fala o sociólogo José de

Ribamar C. Caldeira, foi marcada profundamente pela ação de longos mandonismos

políticos, capazes de imprimir-lhe uma estagnação social, política, econômica e cultural em

níveis de amplitude tão profundos que se tornaram determinantes na geração de elementos

configuradores da estabilidade dessa mesma sociedade. “Essa configuração específica

dentro do quadro da sociedade nacional – continua – permite-lhe “não se manifestar

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 113 -

autônomamente através de processos convulsivos capazes de evidenciar suas contradições

internas, enquanto o poder político se apresenta caracterizado por crises não

compartilhadas pela sociedade”.

- 3 de dezembro – Paulo Ramos, agora Interventor, autoriza o Delegado de

Polícia Flávio Bezerra a dar execução ao decreto que extinguia os partidos. “Paulo Ramos,

com os poderes advindos do Estado Novo, passou a reinar sozinho no Maranhão, de

dezembro de 1937 a abril de 1945.” (Buzar)

Ano de 1938 – 27 de janeiro - Assume interinamente o Governo Dr. Boanerges Neto

Ribeiro.

- 8 de maio – Reassume o poder Paulo Ramos e por outras tantas vezes ausentase

do Estado confiando a administração aos seus Secretários-Gerais Boanerges Ribeiro e

José de Albuquerque Alencar.

- 11 de maio – Se a princípio foram boas as relações entre Vargas e os

integralista, ambos com idéias totalitárias, acabaram se desavindo, mesmo porque aquele

decidira prescindir da colaboração dos partidos com a afirmação de seu poder pessoal. Na

madrugada de 11 de maio tentaram os camisas-verdes tomar de assalto o Palácio

Guanabara, num golpe muito mal organizado que resultou no fuzilamento de alguns

atacantes, a prisão de muitos e o exílio do chefe Plínio Salgado. Afastados comunistas e

integralistas, Getulio reinou absoluto no uso de todos os discricionários poderes que lhe

dera a Constituição de 37.

Ano de 1939 – Demolição da igreja de Nossa Senhora da Conceição.

- No mês de Março, a invasão da Polônia pelas tropas de Hitler deram começo à

II Grande Guerra, que envolveu o mundo inteiro: Alemanha, Itália, Rússia e Japão

formaram o bloco chamado “Eixo”; Inglaterra, França, Estados Unidos, o dos “Aliados”, ao

qual de incorporaria o Brasil. (A Rússia, posteriormente, mudaria de lado).

Ano de 1942 – 15 e 17 de agosto – Cinco navios brasileiros são torpedeados por

submarinos alemães, sem qualquer declaração de guerra: Baependi, Itajubá, Araraquara,

Aníbal Benévolo e Araras, com o sacrifício de 607 vítimas, obrigando o rompimento de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 114 -

relações diplomáticas e comerciais do Brasil com a Alemanha, a Itália e o Japão.

22 de agosto – O Brasil declara guerra aos Países do Eixo e dá-se início à

mobilização geral e o incremento da produção agrícola e da indústria de matérias primas

estratégicas; ao mesmo tempo, permite a utilização de seu território para instalação de bases

aéreas e navais americanas em seu território e a Marinha brasileira passa a proteger as rotas

mercantis do Atlântico Sul.

Ano de 1944 – 30 de junho - Parte para a Itália o Primeiro Escalão da Força

Expedicionária Brasileira – FEB, sob o comando do General João Batista Mascarenhas de

Morais, que lutou na Europa de 44 a 45 e consagraria o soldado brasileiro no batismo de

fogo de Monte Prano (25-09) e as sucessivas vitórias de Monte Castelo, Castelnuovo.

Montese. E o Brasil ainda mandou os Segundo e Terceiro Escalões para a frente de batalha.

“Nossos objetivos – Monte Castelo, La Serra, Bela Vista, Santa Maria Villiana, Vale do

Marano, Soprassasso, Monte Cavaloro, Pecária e, por fim, Castelnuovo – foram

conquistados exclusivamente por tropa brasileira, sem qualquer auxílio de tropa

estranha”, diz o Mal. Lima Brayner em suas memórias.

Com fim da guerra cogitou-se da redemocratização do país; formaram-se os

partidos políticos: UDN – União Democrática Nacional, PSD – Partido Social

Democrático, PCB - Partido Comunista do Brasil), PRP – Partido de Representação

Popular (dos integralistas remanescentes) e PTB - Partido Trabalhista Brasileiro (os

partidários do “Queremos Getúlio”, por isto chamado “Queremista”.

Ano de 1945 – 23 de março – Toma posse como Interventor o ex-Senador Clodomir Serra

Serrão Cardoso, “nomeado Interventor por influência da nova situação que se criara”, ou

seja “sob a chefia de Vitorino Freire, a cujo lado muitos dos nossos homens públicos se

haviam posto por motivo de seu prestígio pessoal junto ao candidato Eurico Dutra, o

favorito no páreo presidencial”, segundo Mário M. Meireles. Paulo Ramos viajara para o

Rio de Janeiro para entregar o cargo a Getúlio certo de que a candidatura de Dutra

“importaria, sem nenhuma dúvida, em ser entregue o Maranhão ao Sr.Vitorino Freire e ao

grupo que o acompanha”. (Manifesto de 8 de abril de 1945). “Anos depois desse episódio,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 115 -

os dois passaram a fumar o cachimbo da paz, quando Vitorino fora nomeado oficial de

Gabinete do Ministro da Viação e Obras Públicas e, através dele, Paulo Ramos passara a ter

acesso ao ministro João Mendonça Lima.” (B. Buzar) Dizia Millor Fernandes que a

diferença entre a guerra e a política é que naquela o inimigo está do lado de lá.

- 17 de julho – Convenção Nacional do PSD no Rio de Janeiro para

homologação da candidatura Dutra. Representantes do Maranhão: Vitorino Freire e Manuel

João de Morais Rego (irmão de Genésio).

Com o prestígio de Vitorino junto a Mendonça Lima e, principalmente, a Dutra,

Vitorino ressurgiu na política maranhense, articulando-se com Genésio Rego e Clodomir

Cardoso para reorganizar o PSD. Paulo Ramos servira a ambos para neutralizar Vitorino;

Vitorino agora ajudava a “defenestrar Paulo Ramos do Maranhão” e vingar a ursada que ele

fizera aos dois velhos políticos quando da criação do Partido Evolucionista.

- 29 de outubro – Getúlio Vargas é obrigado pelos militares, tendo à frente os

generais Góis Monteiro e Eurico Dutra, a afastar-se do governo que é entregue ao

Presidente do Supremo Tribunal Federal, Dr. José Linhares.

- 7 de novembro – Assume interinamente o Governo do Estado o Dr. Genésio

Euwaldo de Morais Rego, Secretário Geral.

- 9 de novembro – Exerce o poder o Dr. Eleazar Soares Campos nomeado pelo

Presidente José Linhares.

- 2 de dezembro – São eleitos os deputados para preparar uma nova

Constituição.

Ano de 1946 – 31 de janeiro – Eleito em 2 de dezembro de 1945, assume o Governo do

País o General Eurico Gaspar Dutra. Um dos responsáveis pela implantação do “Estado

Novo” o foi também dos que apressaram sua queda. Dutra rompeu relações com a União

Soviética, cassou os mandatos dos deputados comunistas e pôs na ilegalidade o PCB.

- 6 de fevereiro – O TER diploma os senadores e deputados eleitos em 1945: o

PSD conquista esmagadora vitória: os 2 senadores, 6 deputados federais; as Oposições

Coligadas (UDN e PR) apenas 3 deputados. O Gal. Dutra obteve 44.750 contra os 27.030

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 116 -

de Eduardo Gomes.

- 16 de fevereiro – Assume o Governo o comerciante Saturnino Belo, da ala

vitorinista, nomeado pelo novo Presidente da República Interventor no Maranhão..

- 20 de março – Dr. Elizabeto Barbosa de Carvalho assume interinamente o

governo.

31 de março – Satu (como era conhecido o Interventor) ficou com Vitorino

contra a candidatura de Genésio, mas na briga pelo controle do Partido ganhou Genésio e

Vitorino foi abrigar-se no Partido Proletário Brasileiro – PPB, cedido por empréstimo, e

lança a candidatura de Sebastião Archer ao Governo do Estado.

- 13 de maio – Reassume o Governo Saturnino Belo.

- 31 de julho – Novamente o Dr. Elizabeto Carvalho substitui, temporariamente,

o Interventor.

- 18 de setembro - É promulgada a nova Constituição do Brasil, que muitos

juristas consideram a mais adiantada e liberal do mundo.

- 12 de outubro – Reassume Satu Belo.

- 14 de dezembro - Na ausência transitória do titular, exerce o Governo mais

uma vez, o Dr. Elizabeto Carvalho.

Ano de 1947 – 14 de abril – Assume o Governo o industrial Sebastião Archer da Silva.

Vitorino ganhou de ponta a ponta: elegeu o Governador, os 2 Senadores (Vitorino Freire e

José Neiva) e 20 Deputados Constituintes; o PR marcelinista, 8; a UDN, 4; e o PTB, 1. O

PSD nenhum. E depois perdeu 1 deputado, que se transferiu para o PPB.

– 28 de julho – O Maranhão recebe sua 4a. Carta Constitucional.

Vitorino ambicionava mais e para isso fundou sua própria agremiação - o

Partido Social Trabalhista – PST, com amplitude e projeção nacionais, e dar sustentação a

Dutra no Congresso e garantir cargos e favores para seus amigos. Assentou seu reinado no

Maranhão.

Ano de 1948 – 28 de julho - Satu rompe com Vitorino por causa da eleição da Mesa

Diretora da Assembléia Legislativa e recusa-se a substituir Archer como Vice-Governador,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 117 -

em uma sua ausência temporária. O Presidente da Assembléia, Alcindo Guimarães assume

o cargo. “Esquecendo, de repente, a marca vitorinista que carregava”, os oposicionistas

cooptaram Satu Belo

SÉCULO XX
Ano de 1901 – 13 de março - “Massacre de Alto-Alegre”, onde morreram cerca de 200

pessoas, entre frades, freiras, homens, mulheres e crianças, iniciando-se assim tragicamente

o século XX.

Ano de 1902 – 1o. de março – Assume o governo Dr. Manuel Lopes da Cunha, “posto por

Benedito Leite”, explicita Mário Meireles, escolhidos e eleitos os vices-Governadores

Alexandre Colares Moreira Júnior, Capitão-Tenente Oton Bulhões e Raimundo Nogueira

da Cruz e Castro. Lembremos aqui que os antigos Presidentes de Província, no Império,

passaram a ser chamados de Governadores, na República.

– 1o. de novembro – Raimundo Nogueira da Cruz é o novo governador, na

ausência dos 1o. e 2o. Vices.

- 19 de novembro – Toma conta do governo Alexandre Colares Moreira Júnior,

que, dos quatro, inclusive o titular Lopes da Cunha, é o que por mais tempo exerce o poder,

criando até uma “oligarquia dos Moreira”. Deve-se-lhe a criação da Repartição de Obras

Públicas, Viação, Indústria, Terras e Colonização e durante seu governo sofreu São Luís a

peste bubônica (1903-1904), combatida com a ajuda do Instituto de Manguinhos através

dos médicos do sul, Drs. Rodolfo Vacani, Souza Sanches, Toledo Dodsworth, Henrique

Marques Lisboa, Augusto Pacheco, Adolfo Pereira, Vitor Godinho, Adolfo Lindenberg e

Crisciuma Filho, secundados pelos nossos Drs. Joaquim Belo, Galdino Ramos, Cláudio

Serra de Mares Rego, Rogério Coelho Júnior, Antônio Palhano e Domingos Xavier de

Carvalho. Pela quantidade de profissionais recrutados para atender à epidemia e pelo tempo

em que ela transcorreu vê-se a gravidade da situação, que obrigou a população em pânico a

fugir para sítios e quintas dos arrabaldes ou para localidades do interior, os ratos

disseminando o mal pela cidade. O próprio Dr. Henrique, que improvisara um laboratório

de análises na rua do Ribeirão, viu-se atacado da doença, salvando-se a custo com a

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 118 -

interessada assistência de seus colegas maranhenses. Igual sorte não teve o farmacêutico

Bernardo Pedrosa Caldas, que perdeu a mulher, vítima da epidemia. “Guarda a tradição,

diz Meireles, que a quantidade de pestosos diariamente mortos chegou a tanto, que o

serviço funerário normal foi substituído pelo do popular Mãe da Lua, que, percorrendo

com sua funérea carroça as ruas desertas, ia recolhendo das casas os cadáveres para levalos

amontoadas às vezes, para o Cemitério do Gavião; e que a igreja de São Pantaleão,

cujos sinos sempre haviam dobrado à passagem de cada féretro pela rua do Passeio ou do

Norte, rumo ao Campo Santo, agora os mantinha calados para que, pela freqüência em

que teria de planger, não aumentasse o desespero de toda a população ao ouvi-los.”

Ano de 1905 – 3 de janeiro – O Presidente da República, Dr. Afonso Pena, sancionou a Lei

no. 1.329 que autorizava a construção da Estrada de Ferro de São Luís a Caxias. Três

empresas concorreram saindo vencedora Proença Echeverria & Cia., com orçamento de

9.052:000$000 contra 22.560:000$000, o mais elevado. O traçado original foi mudado para

a margem do rio, uma incongruência, pois matou a navegação do Itapecuru, e ao fim custou

a estrada 35.928 contos de réis e ainda reclamaram judicialmente os construtores mais

12.000$000!

Ano de 1906 – 1o. de março - Eleito em 1905, assume o governo Benedito

Pereira Leite

1o. de maio – A sociedade “Festa Popular do Trabalho” inaugura sua 3a.

Exposição.

7 de julho – Visita o Maranhão, pela primeira vez, um Presidente da República,

Dr. Afonso Augusto Moreira Pena.

Ano de 1908 – 25 de maio - Adoecendo, Benedito Leite passa o governo ao 2o. Vice-

Governador Artur Quadros Colares Moreira, que o conservaria até o dia 25/02/1909.

- 10 de agosto – Antônio Lobo e Fran Paxeco fundam a Academia Maranhense

de Letras, juntamente com Alfredo de Assis Castro, Astolfo Marques, Barbosa de Godóis,

Clodoaldo Freitas, Corrêa de Araújo, Domingos Barbosa, Godofredo Viana, Ribeiro do

Amaral, Xavier de Carvalho e Vieira da Silva.

Ano de 1909 – 25 de fevereiro – Assume o governo o Presidente do Congresso Legislativo

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 119 -

Mariano Martins Lisboa Neto.

- 6 de março - Benedito Leite falece em Hyères, na França. “Com sua morte

sobreveio para o Estado uma das mais graves crises políticas, conseqüente da luta

disfarçada e muda pela chefia do partido, entre Urbano Santos e José Euzébio,

principalmente, e Colares Moreira, em segundo plano. É o começo da chamada

“Dualidade”. (Mário M. Meireles).

Colares Moreira viajou para o Rio de Janeiro para viabilizar sua candidatura ao

governo no próximo quatriênio, conforme acerto com Benedito Leite; sem resultado,

voltou, pretendendo reassumir o cargo; Mariano Lisboa negou-se a entregá-lo, garantindose

em palácio com a Polícia Militar e o apoio de Costa Rodrigues, chefe oposicionista. O

impasse requereu a presença do Comandante da Região, General Rodrigues Campos.

Afinal, após diligências e entendimentos nos altos escalões da República e atendendo a

interesses vários, inclusive da política nacional, renunciaram os dois litigantes, assumindo o

governo, em

- 29 de junho - o novo Presidente do Legislativo, Américo Vespúcio dos Reis.

Ano de 1910 – 5 de fevereiro – Assume o governo outro Presidente do Congresso, na nova

legislatura, Frederico de Sá Filgueiras.

“De toda essa confusão política, a chamada “Dualidade”, resultou, no âmbito

regional”, a ascenção de Urbano Santos à chefia do partido situacionista, o aumento do

prestígio político de Costa Rodrigues, o chefe da oposição, e, por fim, a candidatura de

Luís Domingues para o próximo quatriênio.” (Meireles).

Não faz mal repitamos haver o governo de Benedito Leite se estendido por

quinze anos e não os dois de seu efetivo exercício. E durante eles o Maranhão enfrentou

grave crise econômica motivada por diversos fatores: a extinção da escravatura e o

abandono das fazendas, perdendo a classe rural quase 90% de seu capital; os lavradores,

desesperados, vieram perder o pouco que lhes restara na “disenteria fabriqueira” que

tomou conta do Estado; a alta do preço da borracha desviava para os seringais da Amazônia

nossos últimos braços válidos; a oscilações dos preços mantinha-nos em constantes

sobressaltos. “O Maranhão empobrecia-se”, diz Viveiros. Todavia Benedito Leite

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 120 -

esforçava-se: instituía prêmios para cultura do café, do cacau, da seringueira, da maniçoba,

do arroz, do algodão; incentivada a navegação interna, a pecuária e a exploração de minas e

criava novos serviços: biblioteca, registro civil, escolas modelo e normal e grupos escolares

na capital e no interior, serviço de bombeiros e de imprensa oficial. “Completar a rede

telegráfica foi uma das preocupações de Bendito Leite.” Para acudir à aflitiva situação do

Estado sem omitir-se em relação aos deveres de governo, lançou mão de empréstimos de

bancos locais – Comercial, Maranhão e Hipotecário, e até à firma Cunha Santos & Cia.

Sucess., pois “a Benedito Leite repugnava ver sua terra no papel de necessitado pedinte”

aos cofres da União ou a bancos externos, afirma Viveiros.

“O Maranhão está na miséria, diz o meu correspondente. Não creio. Um

Estado com os recursos do nosso não pode estar na miséria. A sua má situação é

passageira (...) e tanto bastará para que o Maranhão se liberte de sua dívida, que não

passa do rendimento de um ou dois dias de qualquer milionário americano. (...) O que é

preciso, já eu disse e repito, é pormos de lado, nós, maranhenses, as nossas antipatias e

contrariedades pessoais, e cercarmos o governador de toda nossa confiança, a fim de que

ele consiga reanimar o Maranhão.. Isso é mais patriótico e mais prático do que andar por

toda parte a badalar que a nossa terra está perdida, quando não o está.” Mas, acrescenta,

hesitante: infelizmente duvido muito que os maranhenses nos consorciemos para essa obra

de salvação do Estado. Somos desunidos por temperamento, por índole.” E num derradeiro

apelo: “Unamo-nos, patrícios; a união faz a força! Palestra de Artur Azevedo, no Rio de

Janeiro, publicada em o “O País”, de 9 de agosto de 1907.

Quanto à sua honradez, é o próprio Azevedo quem diz: “A acusação mais grave

que se lhe faz é de não saber somar, e querer, com uma receita de cinco pagar uma

despesa de dez. Sim, senhor, admito que é esse o grande erro do Dr. Benedito Leite:

confiou demais nas forças produtoras do Estado; admito mesmo que se enganasse na

soma. Os maranhenses, em geral, sabem gramática e fazem bons versos; no tocante a

algarismos são uma lástima (...) mas ninguém lhe pode negar a glória de sua pobreza, e as

boas intenções e o amor que tem manifestado por nosso torrão natal. (...) Quando ele

deixou a sua vila do Rosário para se meter na política, não era rico, mas possuía alguns

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 121 -

haveres, e hoje está pobre, paupérrimo, e não tem senão dívidas. A política e o Maranhão

absorveram-no por tal forma, que ele não aproveitou, numa rendosa banca de advogado, o

seu talento jurídico, tantas vezes revelado na tribuna parlamentar.”

1o. de março – Assume o governo Dr. Luís Antônio Domingues da Silva,

candidato único da conciliação promovida por Urbano Santos, tendo por Vice-

Governadores Manuel Bernardino Costa Rodrigues, Cristino Cruz e Raul da Cunha

Machado.

O novo Governador, que assistia, conforme confessa angustiado, “à romaria de

funcionários e mais credores do Estado, que desalentada saía diariamente do Tesouro e

desalentada voltava de palácio em súplica de pagamento”, não teve outra alternativa senão

recorrer ao empréstimo externo, tomando a Mayer Freres e Cie., por intermédio do Banco

Argentino Francês, 20.000.000 de francos, com o que conseguiu saldar a dívida flutuante,

restabelecendo o crédito público. Destinou recursos ao fomento à produção, à Companhia

de Navegação a Vapor, acudindo à solução dos transportes, e à Usina Joaquim Antônio, no

sentido da recuperação da indústria de açúcar, tratando, ao mesmo tempo, do saneamento

da capital e da educação, criando a Inspetoria-Geral da Instrução e reorganizando o Liceu e

a Escola Normal.

Ano de 1912 – 4 de setembro – Luís Domingues é reeleito para novo mandato (1912-

1914).

– 8 de setembro – Realiza-se a 4a. Exposição, de responsabilidade da

Comissão “Festa Popular do Trabalho” – “a maior de todas, porque conseguiu expor o

que existia de mais moderno no Maranhão, além de contar com a visita de alguns

estrangeiros e pessoas de alta posição social”, inclusive o escritor francês Paul Adam.

O Governador Luís Domingues recomendou que a Exposição fosse franqueada

“gratuitamente a todos os que se apresentassem decentemente vestidos. Dessa mostra

participou a Fábrica de Fiação e Tecidos do Rio Anil, com seus alvíssimos morins”.

Ano de 1914 – 1o. de março – Eleito mais uma vez para o governo do Maranhão, Urbano

Santos da Costa Araújo mais uma vez renunciou ao mandato, dando ocasião a que, como

nenhum dos Vice-Governadores se resolvesse a assumir, fosse ele, interinamente, entregue

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 122 -

ao Presidente da Câmara Municipal de São Luís, Afonso Gifwning de Matos.

- 6 de abril – Cria-se em São Luís uma primeira Sociedade de Medicina e

Cirurgia do Maranhão, sob a presidência do Dr. Oscar Lamagnere Galvão, que se firmaria

enfim em 24 de abril de 1921, sob a mesma direção e contando com 40 associados, ela que

começara com 32.

- 26 de abril – Toma posse Dr. Herculano Nina Parga, eleito efetivamente

Governador do Maranhão para conjuração de nova crise política ligada à disputa Artur

Colares Moreira x Mariano Martins Lisboa. Conseguiu ele um superávit orçamentário

graças às medidas tomadas por seu antecessor Luís Domingues e à I Guerra Mundial de

1914, que provocou o surgimento do babaçu como a principal fonte de arrecadação do

Estado. Segundo Meireles, Herculano Parga só se preocupou com o problema financeiro de

fazer crescer o saldo do Tesouro, abandonando os programas de Luís Domingues. Também

entrou em choque com a oposição na pessoa de Clodomir Cardoso, Prefeito de São Luís. “A

dívida flutuante fora liquidada, a consolidada reduzira-se a Rs. 2.559:000$000, a externa

já baixara para 18.000.000 francos e o Estado dispunha de um saldo, em depósitos

bancários, de Rs. 2.467:200$000.” (Meireles). E foi Parga quem criou as pastas de

Fazenda; e do Interior, Justiça e Segurança.

Ano de 1917 – 23 de março - O novo Governador é o 1o. Vice-Governador, Antônio Brício

de Araújo, irmão de Urbano, que assumiu o cargo em virtude da renúncia de Herculano

Parga, candidato a Deputado Federal.

Ano de 1918 – 1o. de março – Assume o 1o.Vice-Governador eleito Dr. José Joaquim

Marques, em virtude da ausência do titular, Urbano Santos.

- 26 de agosto – Dr. Aquiles Lisboa funda um Posto de Assistência Médica aos

Ulcerados que perambulavam pela cidade, contando com a ajuda dedicada de alguns

colegas, inclusive cirurgiões e um dentista.

- 9 de outubro – O 2o. Vice, Raul da Cunha Machado, torna-se Governador, pelo

mesmo motivo da ausência do efetivo..

- 21 de outubro –Na ocasião Vice-Presidente do Brasil, assume o cargo de

Governador do Maranhão Urbano Santos, eleito. pela terceira vez.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 123 -

Deve-se a ele a criação de um Serviço de Profilaxia Rural e Urbana, com a

instalação do Instituto “Osvaldo Cruz” (filial do Instituto de Manguinhos, do Rio de

Janeiro), sob a direção do bacteriologista Dr. Cássio Miranda, assistido pelo Dr. Luís

Lobato Viana e o laboratorista Benedito Laurindo de Morais; o contrato com a Fundação

Rockeffeler para o combate à malária, e o início da construção do Leprosário no sítio Sá

Viana, fronteiro à cidade (12/2/1920).

- 21 de novembro – Urbano Santos é nomeado Ministro de Estado para os

Negócios e Interior e Justiça, a convite de Rodrigues Alves e mantido no cargo por Delfim

Moreira até 3 de outubro de 1919.

Ano de 1919 – 24 de fevereiro - Por inspiração de Urbano Santos foi feita a reforma

constitucional, “ditada mais por interesses político-partidários, e que por isso não teve a

assinatura dos deputados oposicionistas.” (Mário Meireles) O Governador passava a

chamar-se Presidente, com um único Vice; o Prefeito de São Luís a ser da confiança e

nomeação do Presidente, contra a tendência do eleitorado da Capital.

- 9 de abril – O Governo da União cria o Serviço de Profilaxia, de caráter

especial e com representações nos Estados para combater a terrível epidemia chamada

Gripe Espanhola, aqui confiado ao Dr. Raul de Almeida Magalhães.

Ano de 1920 – Surto de Febre Amarela.

Ano de 1921 – Nova ameaça Peste Bubônica, com focos em São Bento, Penalva e São

Vicente Ferrer.

- março – Inicia-se o tráfego na Estrada de Ferro S. Luís-Teresina e o transporte

de cabotagem entre os pequenos portos do Estado, com o arrendamento à Companhia

Nacional de Navegação Costeira de dois navios do Governo Estadual. Outras obras

importantes promoveu Urbano Santos: mananciais de abastecimento de água para a cidade;

reconstrução do teatro (que se passou a chamar “Artur Azevedo”), do quartel da Polícia

Militar, da Penitenciária, do Aprendizado Agrícola e da Escola Modelo.

Junho – O governo adquire o Hospital Nina Rodrigues, da Santa casa de

Misericórdia, no bairro do Lira, destinado aos tuberculosos, para transformá-lo em hospital

de isolamento, instituindo um curso de enfermagem para habilitar-lhe o pessoal.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 124 -

Ano de 1922 – 25 de fevereiro – O 2o. Vice-Presidente Dr. Raul da Cunha Machado

assume o poder em virtude, de outra vez, ser Urbano Santos candidato à Vice-Presidência

da República.

- 1o.de março – Godofredo Mendes Viana e Raul da Cunha Machado são eleitos

Presidente e Vice-Presidente do Maranhão. Permanecendo, porém, Godofredo no Senado,

guardando a vaga para Urbano Santos, a quem devia por sua vez substituir, conforme

combinação de interesse do situacionismo (“E assim se passaram as coisas, que assim se

faziam as eleições...”, observa Mário Meireles), Raul da Cunha Machado passou a si

mesmo o cargo de Presidente.

- 26 de abril – O Capitão Manuel Aurélio Nogueira, dizendo-se desautorado em

dois inquéritos que presidira e cujos resultados contrariavam os interesses do governo,

inspirou a revolta da Polícia militar, cuja tropa, sob o comando do Tenente Sebastião

Corrêa, ocupou o palácio mantendo o Presidente detido. Criou-se uma Junta Governativa

composta pelos Dr. Tarquínio Lopes Filho, Presidente, Desembargador Rodrigo Otávio

Teixeira e Drs. Leôncio Rodrigues e Carlos Augusto de Araújo Costa.

No mesmo dia o Comandante do 24o. B. C., Tenente-Coronel Cunha Leal,

cumprindo ordens superiores, reempossou Cunha Machado, obrigando-o, porém, a

comprometer-se, por escrito, a manter os revoltados nos postos que tivessem, livres de

punição, e a garantir a segurança dos membros da Junta. Todavia, depois de reassumir o

cargo, declarou pela imprensa que só o fizera sob coação, gerando novas inquietações, pois

tratou de fortificar-se e iniciou tais perseguições e empastelamento de jornais que chegaram

até a um assassinato. Muitos líderes homiziaram-se no quartel do Exército.

- 7 de maio – Falece, repentinamente, à bordo do vapor “Minas Gerais”,

Urbano Santos, em viagem para o Rio de Janeiro, o que daria origem a nova crise

administrativa pela inexistência de um substituto previamente escolhido pelo morto. Logo

se desavieram os possíveis herdeiros políticos, defrontando-se, ferozmente, de um lado

Marcelino Machado, genro de Benedito Leite, logo eleito chefe da oposição, e de outro

Magalhães de Almeida, genro de Urbano Santos, pelo situacionismo.

Mas, Cunha Machado, que se acostumara a obedecer cegamente a Urbano

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 125 -

Santos, desorientado com a ausência do chefe, que viajara para tratar de sua candidatura,

passou a ser dominado pelo seu Secretário do Interior, Dr. Teodoro Rosa.

- 2 de junho – Suicida-se o Dr. Leôncio Rodrigues, presa de incontrolável

depressão.

– Repercute no Maranhão a reação do Exército ao governo de Artur Bernardes,

do que se aproveita o Presidente para ordenar a prisão dos adversários.

- 19 de dezembro – São os implicados julgados e absolvidos pelo júri e

aclamados pelo povo.

Ano de 1923 – 20 de janeiro – Finalmente assume a Presidência Godofredo Mendes Viana.

Cunha Machado renuncia à Vice-Presidência e candidata-se à Câmara Federal. Recebido

como uma esperança de paz e progresso, Godofredo Viana deixou-se influenciar pelo

cunhado e Secretário de Interior Juveliano Barreto, que criou para o governo a mais

ferrenha e tumultuosa oposição.

Ano de 1824 – Para agravar a situação o fortíssimo inverno deste ano alagou cidades e

campos, condenando a safra e deixando multidões ao desamparo, obrigando o governo a

conceder auxílios e dispensar tributos, além da invasão de duas dezenas de municípios pela

Coluna Prestes e o estabelecimento do quartel-general legalista do General João Gomes em

São Luís, perturbando ainda mais os problemas, de si graves, da administração.

- Novo empréstimo de $ 1.500.00 foi feito agora com Ulen & Co., de New

York, para financiamento dos serviços de água, esgoto, luz e tração elétricas em São Luís, a

cargo da Brighton & Co. Inc.; e depois outro empréstimo de 2.500 contos de réis, elevando

a dívida interna do Estado para Rs 9.553:800$000 e a externa para Rs 16.712:000$000.

Procedeu a nova reforma do ensino proposta pelos professores Fran Paxeco, Osório

Anchieta, Joaquim Santos e Cesário Veras.

Ano de 1925 – 8 de abril – O Congresso Estadual aprovou, pela Lei no. 1.234, o laudo dos

oficiais do Exército Nacional que dirimiu a “Questão da Barra de Tutóia”, limites entre o

Maranhão e o Piauí, defendida pelo Dr. Benedito de Barros e Vasconcelos.

26 de novembro – Criação de Antônio Lopes, funda-se o Instituto Histórico e

Geográfico do Maranhão, nascido como Instituto de História e Geografia, na livraria de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 126 -

Wilson da Silva Soares e composto de, além do citado, Justo Jansen, José Domingues,

Barros e Vasconcelos, Domingos Perdigão, José Pedro Ribeiro, José Abranches de Moura e

Arias Cruz e acrescido depois com João Braulino de Carvalho, Raimundo Lopes, Fran

Paxeco, Carlota de Carvalho e Antônio Dias, cabendo a presidência a José Ribeiro do

Amaral, que já ocupava a da Academia Maranhense de Letras.

Ano de 1926 – 27 de fevereiro – Ausentando-se Godofredo Viana, assume o governo o

Vice-Presidente Dr. João Vieira de Souza Filho que, em

1o. de março – passa-o ao eleito, Comandante José Maria Magalhães de

Almeida, aliás o segundo que exerceria integralmente o mandato,visto que o último fora

João da Costa, vinte anos atrás.

Havia no Maranhão republicano dois partidos: o “Federalista”, chefiado por

Benedito Leite, e o “Republicano”, sob a direção de Manuel Bernardino da Costa

Rodrigues. No primeiro as cousas iam mal com a morte de Urbano Santos, delimitando-se

duas alas. Afinal, “definida a situação política com a cisão provocada por Marcelino

Machado, que foi suceder a Costa Rodrigues na chefia do Partido Republicano, o posto

que de Benedito Leite passara a Urbano Santos, acabaria em mãos do genro deste último,

o Comandante José Maria Magalhães de Almeida, depois de ter escorregado pelas do

Desembargador Cunha Machado e ter escapado às de Godofredo Viana.” (Mário

Meireles)

Sofrendo o Estado sua incessante crise financeira, coube ao novo governante a

obrigação de cortar gastos e suprimir cargos e serviços a fim de por em dia o pagamento do

funcionalismo. Os serviços públicos de abastecimento, esgotos, iluminação e transportes,

transferidos à Ulen Management Co., foram instalados; tratou-se da execução de um plano

incipiente de estradas de rodagem, outro de urbanismo para São Luís, a cargo do Dr. Jaime

Tavares, e ainda um terceiro de reedição das obras clássicas de História e Literatura

maranhenses. Suportou Magalhães os ataques virulentos da oposição de Marcelino

Machado e Tarquínio Lopes Filho, chefe do “Partido Socialista” (que, como é óbvio, nada

tinha de socialismo e logo passou a chamar-se “Democrático”), através dos jornais “O

Combate” e a “Folha do Povo” e que, não discrepando dos tempos passados, desciam aos

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 127 -

insultos e às ofensas pessoais aos adversários e suas famílias, a que “O Imparcial”

respondia em quase igual diapasão. É de notar que nunca houve realmente partidos no

Maranhão (quiçá no Brasil), encarnando-se na pessoa de seus chefes as simpatias e o

espírito da grei, daí os castristas, os maistas, os magalhãsistas, os marcelinistas, os

vitorinistas, os sarneysistas ...

Ano de 1930 – 1o. de março - É eleito Governador do Estado o Dr. José Pires Sexto, que

só governaria por sete meses, seria deposto e fugiria pelos fundos do palácio.

- 3 de outubro – Eclode no Rio Grande do Sul a revolta que ficaria conhecida

como a “Revolução de Trinta”, com a tomada do Quartel-General de Porto Alegre por

Osvaldo Aranha e Flores da Cunha, à frente de apenas 50 homens.

8 de outubro – Rebenta no Maranhão o movimento revoltoso comandado pelo

Sargento José Paz de Amorim. Tarquínio Lopes reunira em torno de si alguns jovens

idealistas, inclusive José Maria dos Reis Perdigão, o qual, tido por comunista, estivera

exilado na Argentina. Desde Deodoro que a insatisfação lavrava pelo país, manifesta nas

diversas agitações da Revolta da Esquadra (1891), da Fortaleza de Santa Cruz (1892), da

Federalista e do Levante da Armada (1893). Em 1920 toma corpo o movimento conhecido

por “tenentismo” para combater “a mentalidade de comandita, de donos do bolo, (...) sem

nada conceder ao povo – que continua tratado como em país invadido” (Pedro Nava) que

provocaria as epopéias dos 18 de Copacabana e a Coluna Prestes; aqui tivéramos as

escaramuças de 22 e a suspeita a Cunha Leal de simpático à causa dos revolucionários.

A vitória da Aliança Liberal, representada no Maranhão pelo Partido Liberal, de

Tarquínio Lopes Filho, e que congregara a mocidade de tendências socialistas (Lauro

Parga, Fernando Perdigão e José Maria Perdigão, Francisco Figueiredo, Hélio e Cunha,

Tácito Freitas, Eugênio Lima, entre outros) fez coro com o movimento armado que se

organizava pelo país, promovido pelos oficiais do Exército Miguel Costa, Carlos Prestes,

Juarez Távora e Siqueira Campos. José Maria Reis Perdigão fez-se seu representante entre

nós, conseguindo influenciar o elemento civil e a o de mais baixa patente do Exército. No

Piauí, Área Leão depusera o Governador e a revolução já se estendia a Timon e Caxias, em

território maranhense. “Diante disso, e porque os oficiais (do Exército) não se resolvessem

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 128 -

a uma atitude (o tenente Tasso Serra, comprometido, voltou atrás) o sargento Paz Amorim

tomou a dianteira e, antes que sua companhia ficasse também desarmada, deu o brado da

revolta, prendendo toda a oficialidade, inclusive o major Luso Torres (comandante do 24o.

B.C.). (Meireles) Foi a sargento Amorim, um mulato simpático, de largo sorriso e decidida

ação, sem grande preparo intelectual, mas inteligente e corajoso quem, a 8 de outubro,

sublevou a tropa e prendeu o seu comandante Luso Torres.

- 9 de outubro – Toma posse a Junta Governativa Revolucionária, composta

pelos Capitão Celso Aurélio Reis de Freitas, Dr. José Maria dos Reis Perdigão e Tenente

José Ribamar Campos. O Governador Pires Sexto fugiu pelos fundos do palácio e a Junta

recebeu o governo... das mãos do Sargento Aprígio, o Comandante da Guarda. Inicia-se

assim a “República Nova”.

- 24 de outubro – Um grupo de Generais e Almirantes depõe, no Rio de Janeiro,

o Presidente da República Washington Luís Pereira de Souza, assumindo o governo uma

Junta Pacificadora, formada pelos Generais João de Deus Mena Barreto e Augusto Tasso

Fragoso.

- 3 de novembro – Vitoriosa a Revolução, o Bacharel em Ciências Jurídicas e

Sociais, Getúlio Dornelles Vargas, ex-Ministro da Fazenda de Washington Luís, candidato

derrotado à Presidência, e “que nunca fora revolucionário”, segundo o General Aurélio de

Góis Monteiro, assume o governo do País.

- 15 de novembro - Restabelecida a ordem, vai para o governo... o Major José

Luso Torres, o mesmo que, comandando o 24o. B. C. legalista, tinha sido aprisionado pela

revolução; secretariado pelo Dr. Reis Perdigão, um dos responsáveis maiores pelo

movimento revoltoso!

“Com a abolição da escravatura, já vimos, deu-se a desorganização da economia

brasileira, baseada no latifúndio, na monocultura e no trabalho escravo, em regime

semifeudal. Ao engenho sucedeu a usina, mas os vícios persistiram e os escravos do

primeiro se transferiram para a segunda quase nas mesmas condições. A famigerada seca de

77 e o malogrado sonho da borracha provocaram a fuga de milhares nordestinos para A

Amazônia e São Paulo. A fome, o abandono, a ignorância impuseram a união e armaram o

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 129 -

braço do cangaceiro e do fanático. O cangaço, antes de tudo, representa a reação, ás vezes

inconsciente, contra o latifúndio, a violência policial, o isolamento social e cultural, o

coronelismo. Eis que surgem os fenômenos absolutamente naturais de Canudos,

Contestado, Juazeiro do Padre Cícero e de Lampeão, o Rei do Sertão. ( C. de Lima)

No Maranhão houve apenas a mudança de atores e aos novos governantes

poder-se-ia dizer o mesmo que Henrique Leal disse dos antigos, que poucos são aqueles de

quem se pode ter gratas recordações.

Luso Torres, porém, só governou por 12 dias, transferindo o cargo, a

- 27 de novembro, ao Dr. José Maria dos Reis Perdigão.

Ano de 1931 – 9 de janeiro – Toma posse no governo o padre Astolfo de Barros Serra

como Interventor Federal e começa o desfile dos interventores.

O Padre Serra, temperamento rebelde, em conflito com o arcebispo D. Otaviano

de Albuquerque, que o suspendera de ordens, tribuno inflamado, jornalista, escritor, e

também soldado do movimento revolucionário de 30, teve uma curta e nada tranqüila

gestão. O caso é que o Arcebispo não podia ver com bons olhos um seu subordinado

(realmente um insubordinado) sob sanções disciplinares, ocupando o lugar mais

proeminente da administração estadual. Não demorou muito a que as relações se azedassem

“principalmente devido a provocantes manifestações da imprensa, ditadas pelos interesses

políticos, e a que eram bastante vulneráveis tanto o Padre-Interventor, por sua maneira de

vida, quanto Arcebispo, pela auréola de antipatia que seu gênio lhe concedera”. (Mário

Meireles). Astolfo Serra deixou o palácio, após apenas 8 meses, nos braços do povo, o que

não impediu um tiroteio na rua principal da cidade, felizmente sem maiores conseqüências.

- 18 de agosto – Com essas escaramuças, ordenou o Governo Central que o

Comandante do 24o. B.C., o Coronel Joaquim Guadie de Aquino Corrêa assumisse a

interventoria, inaugurando a “Era dos Tenentes” no Maranhão, sendo o primeiro, em

- 8 de setembro – o Capitão do Exército Lourival Seroa da Mota, que, apesar

de bem intencionado, pouco pode fazer em tão curto tempo.

Ano de 1932 – 15 de janeiro - Assume interinamente o governo o Secretário-Geral

Amerino Warnick, na ausência transitória do Governador.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 130 -

- 14 de abril – Reassume Seroa da Mota.

- 9 de julho - Revolução Constitucionalista, chefiada por Isidoro Dias Lopes e

Bertoldo Klinger, que, embora dominada, provocaria o fim do governo discricionário.

Ano de 1933 – 10 de fevereiro - Interinamente exerce o poder Amerino Warnick. Seroa da

Mota não volta ao governo e, a

- 30 de abril – Álvaro Jansen Serra Lima Pereira, Coronel-Comandante do 24o.

B.C., assume o governo, interinamente, para transmiti-lo a outro militar.

- 29 de junho – O Capitão do Exército Antônio Martins de Almeida é o

Interventor no. 4 de nosso Estado, vindo “para colocar ordem na política e nas finanças do

Maranhão. Para ajudá-lo, Martins de Almeida trouxe em sua companhia o pernambucano

Vitorino de Brito Freire, que havia conhecido na Revolução Constitucionalista de São

Paulo, para ocupar a Secretaria de Governo, órgão encarregado de conduzir a política

estadual”. (Buzar)

- 7 de novembro – Assume o Secretário-Geral, Capitão Onésimo Becker de

Araújo, na ausência do titular.

Ano de 1934 – 5 de fevereiro – Martins de Almeida reassume o cargo.

- 10 de julho – Outra vez Onésimo Becker de Araújo substitui interinamente o

Governador.

- 16 de julho – Novas idéias surgiram das condições econômicas e sociais

decorrentes da I Guerra Mundial, dando origem a dois grandes regimes políticos

totalitários: o comunista, vitorioso em 1917, na Rússia, e o fascista, que seria seguido e

fortalecido pelo nazismo, implantado na Itália em 1934. No Brasil naturalmente

repercutiriam tais doutrinas que se consubstanciaram na criação dos partidos Aliança

Nacional Libertadora (ANL) de orientação comunista, e Ação Integralista Brasileira (AIB)

fazendo o gênero fascista.

- Promulgação de nova Constituição do Brasil, que previa a nacionalização

progressiva dos bancos, assegurava a pluralidade e autonomia dos sindicatos, garantindo

aos trabalhadores salário mínimo, férias, indenização por dispensa sem justa causa, etc. e

- Eleição indireta de Getúlio Vargas e aparecimento no cenário nacional do

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 131 -

Partido Comunista, de Luís Carlos Prestes e do Partido Integralista, sob a chefia de Plínio

Salgado.

- 2 de agosto – Reassume Martins de Almeida.

Martins de Almeida cedo recebeu a oposição do Partido Republicano, de

Marcelino Machado, que, através do jornal “O Combate”, não lhe poupava violenta crítica

e pesados ataques. Indispôs-se ainda com a Associação Comercial por questões

orçamentárias e fiscais e, perdendo de todo a serenidade devida ao cargo, desmandou-se, de

fato, a ordenar, ou permitir, públicas surras de adversários, sem consideração à posição

social ou econômica dos perseguidos, aplicadas por um grupo de capangas, que o povo

apelidou, jocosamente, de “Bando de Papai Noel”, surgido justamente pelas proximidades

do Natal. O desentendimento exacerbou-se com a decretação de greve por parte do

comércio e a conseqüente prisão de todos os Diretores da A. C. , “homens dos mais

qualificados e estimados na sociedade”. Tornou-se incômoda a situação do Interventor e

ele foi-se, despachado pelo Governo Federal.

Ano de 1935 – 16 de outubro – É promulgada a 3a. Constituição do Estado do Maranhão.

Reorganiza-se a política, figurando então os seguintes partidos: “Partido Republicano”, do

Dr. Marcelino Rodrigues Machado; e “União Republicana Maranhense”, do Dr. Genésio

Euwaldo de Morais Rego.

- 22 de julho – Toma posse no Governo o Dr. Aquiles de Faria Lisboa, eleito

pela Assembléia Legislativa, candidato único dos dois Partidos: “Republicano” e “União”.

Durou menos de um ano o acordo. Os genesistas acusam Aquiles do não cumprimento da

palavra dada; desentenderam-se por causa da Prefeitura de São Luís, prometida ao Dr.

Clodomir Cardoso, segundo uns, ao Dr. Costa Fernandes, para outros. O Governador

defende-se dizendo não submeter-se a imposições. Aliás, logo em seu discurso de posse dá

“um soleníssimo aviso”: “Não haverá considerações de espécie alguma, estima pessoal,

parentesco, gratidão por obséquios recebidos, apresentação por pessoas ás quais deva

respeito e mesmo obediência, piedade ou comiseração pelo estado de pobreza, deferência

pela posição social ou pelo valor soberanamente mais alto da cultura intelectual, nada,

absolutamente nada haverá que me impeça de dispensar imediatamente os companheiros

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 132 -

nos quais descubra que a satisfação do ganho prevalece ao devotamento ao serviço.”.

“Político amador, entregou-se à sanha dos profissionais, cruéis, impiedosos, ingratos” –

diz Salomão Fiquene, seu colega na Medicina e seu confrade na Academia de Letras. Dá-se

o rompimento e a “União Republicana”, obtendo maioria na Assembléia, vota moção de

desconfiança a Aquiles Lisboa.

- 16 de agosto – O Governador é deposto e substituído pelo Vice-Presidente

Antônio Pires da Fonseca. O “Partido Republicano” não reconhece o ato da maioria

oposicionista ocasional pelo que a bancada majoritária recolhe-se ao quartel do Exército e

requer hábeas-corpus coletivo, que, denegado pelo Tribunal, obrigou a oposição a

funcionar em um prédio particular, no largo do Quartel.

- 16 de outubro – Esta Assembléia vota e promulga nova Constituição do Estado

e promove, através do consagrado jurista Dr. Clodomir Cardoso, o processo de

empeachment do Governador (de modelo americano e pela primeira vez aplicado no Brasil)

Aquiles, no entanto, sai de palácio carregado pelo povo.

- 23 de novembro – Estoura em Natal o movimento comunista no 21o. Batalhão

de Caçadores;

- 24 de novembro - Em Recife, componentes da ANL tentam sublevar o 29o.

Batalhão;

- 27 de novembro – No Rio de Janeiro, o Quartel do 3o. Regimento de Infantaria

é tomado de surpresa, e se rebela a Escola de Aviação Militar. A insurreição evidentemente

desarticulada é facilmente dominada e presos os chefes principais, entre os quais Luís

Carlos Prestes.

Em contraposição aos comunistas, a Ação Integralista, tendo por lema “Deus,

Pátria e Família”, por distintivo o Sigma e como saudação – Anauê!, atraiu importantes

personalidades da Igreja Católica, das forças armadas e das classes conservadoras.

Ano de 1936 – 14 de junho - O Governo Federal interfere para a preservação da ordem e

nomeia Interventor o Major Humberto Carneiro de Mendonça.

- 15 de agosto – Getúlio Vargas faz eleger Governador, pelo voto indireto da

Assembléia, Paulo Martins de Souza Ramos, alto funcionário do Tesouro Nacional.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 133 -

- 12 de novembro – Promulga-se nova Carta Constitucional do Maranhão,

devidamente reformulada e corrigida.

Ano de 1937 – 24 de março – Assume o Governo Dr. Boanerges Neto Ribeiro, na ausência

transitória do titular.

- 16 de setembro – Paulo Ramos funda o Partido Evolucionista Maranhense.

“Genésio Rego e Clodomir Cardoso, além de não concordarem com o desaparecimento da

URM (União Republicana Maranhense) romperam com o governador.” (Benedito Buzar)

– 10 de novembro – “Ao mesmo tempo em que alguns políticos preparavam a

futura campanha presidencial que julgavam poder desenvolver-se em torno dos nomes de

José Américo de Almeida, Armando Sales de Oliveira e Plínio Salgado, Getúlio Vargas

planejava um “golpe de Estado”. (Souto Maior). Para isto decretou “estado de guerra” em

plena paz, valendo-se de um misterioso “Plano Cohen” que pretendia a implantação do

comunismo no Brasil (depois descobriu-se que tal plano fora forjado pela polícia de Felinto

Muller.) Fechados Câmara e Senado, foi imposta à Nação uma “nova ordem”, uma

Constituição “que estabelecia teórica e praticamente uma ditadura”, assinada por todos os

ministros com exceção de Odilon Braga, da Agricultura, e apoiada pelas forças armadas.

Estava instalado o famigerado “Estado Novo”. Nunca um chefe de Estado obtivera tanto

poder e muito da popularidade de que gozou Getúlio deve-se à criação de um Departamento

de Imprensa e Propaganda (DIP) especialmente dedicado a elogiar o ditador gaúcho.

24 de novembro – Em virtude do golpe, passou Paulo Ramos a exercer o

Governo como Interventor Federal.

“Seus nove anos de administração - diz Mário Meireles – foram, sem dúvida,

dos mais profícuos e progressistas que o Maranhão tem gozado”, o que não impede de ter

ele angariado a antipatia geral da população. Com os poderes discricionários de então pôde

fazer bom governo, reequilibrando as finanças do Estado, dando-lhe melhor organização e

algum progresso. Todavia, autoritário e rancoroso, adorando os bajuladores (que encontrou

fácil e em grande número), complexado, vivia, desconfiado, a vislumbrar desrespeitosas

alusões à sua pessoa, o que num estado policial propiciava toda sorte de vexames e prisões

públicas e espetaculosas, para gáudio de seu Chefe de Polícia Flávio Bezerra, “célebre por

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 134 -

explorar às escâncaras o lenocínio e sempre pronto a aproveitar as oportunidades para

demonstrar sua subserviência e capachismo”. (Carlos de Lima)

- Os partidos políticos no Brasil, ainda hoje, são apenas instrumentos de grupos

econômicos na defesa de seus particulares interesses. Em termos ideológicos não existem e

os que, como o “Partido Comunista” e o “Partido Integralista”, apresentaram algo

programático (e uns pouquíssimos hoje existentes) não ficaram imunes à praga que Pedro

Nava chamou de “complexo colonial, inseparável do retrato psicológico do Brasil”,

oriundos da velha oligarquia agrário-coronelesca, que se diversifica mas não perde o ranço

de superioridade de casta e cujo único objetivo é estar de cima! Com o Estado Novo a

cousa mudou para pior. A classe operária emergente foi logo cooptada pelo Ministério do

Trabalho através da “lei de sindicalização” que não reconhecia direitos políticos às

Associações Sindicais. Getúlio, dúbio e misterioso, agia na sombra, a todos conquistava e

corrompia, oferecendo cargos e vantagens, “promovendo tenentes a capitães”, como

costumava dizer entre sorrisos, e todos traindo e enganando; permitia e incentivava a

violência fascista contra a ascensão da classe trabalhadora e a esta engodava com a criação

da Justiça do Trabalho, preparando o controle e a mobilização das massas para que o

proclamassem “O Pai dos Pobres”. “Uma vela em cada altar até que os acontecimentos

se encarregassem de situar o perfil da situação.”

No Maranhão, “a sociedade isolada” de que nos fala o sociólogo José de

Ribamar C. Caldeira, foi marcada profundamente pela ação de longos mandonismos

políticos, capazes de imprimir-lhe uma estagnação social, política, econômica e cultural em

níveis de amplitude tão profundos que se tornaram determinantes na geração de elementos

configuradores da estabilidade dessa mesma sociedade. “Essa configuração específica

dentro do quadro da sociedade nacional – continua – permite-lhe “não se manifestar

autônomamente através de processos convulsivos capazes de evidenciar suas contradições

internas, enquanto o poder político se apresenta caracterizado por crises não

compartilhadas pela sociedade”.

- 3 de dezembro – Paulo Ramos, agora Interventor, autoriza o Delegado de

Polícia Flávio Bezerra a dar execução ao decreto que extinguia os partidos. “Paulo Ramos,

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 135 -

com os poderes advindos do Estado Novo, passou a reinar sozinho no Maranhão, de

dezembro de 1937 a abril de 1945.” (Buzar)

Ano de 1938 – 27 de janeiro - Assume interinamente o Governo Dr. Boanerges Neto

Ribeiro.

- 8 de maio – Reassume o poder Paulo Ramos e por outras tantas vezes ausentase

do Estado confiando a administração aos seus Secretários-Gerais Boanerges Ribeiro e

José de Albuquerque Alencar.

- 11 de maio – Se a princípio foram boas as relações entre Vargas e os

integralista, ambos com idéias totalitárias, acabaram se desavindo, mesmo porque aquele

decidira prescindir da colaboração dos partidos com a afirmação de seu poder pessoal. Na

madrugada de 11 de maio tentaram os camisas-verdes tomar de assalto o Palácio

Guanabara, num golpe muito mal organizado que resultou no fuzilamento de alguns

atacantes, a prisão de muitos e o exílio do chefe Plínio Salgado. Afastados comunistas e

integralistas, Getulio reinou absoluto no uso de todos os discricionários poderes que lhe

dera a Constituição de 37.

Ano de 1939 – Demolição da igreja de Nossa Senhora da Conceição.

- No mês de Março, a invasão da Polônia pelas tropas de Hitler deram começo à

II Grande Guerra, que envolveu o mundo inteiro: Alemanha, Itália, Rússia e Japão

formaram o bloco chamado “Eixo”; Inglaterra, França, Estados Unidos, o dos “Aliados”, ao

qual de incorporaria o Brasil. (A Rússia, posteriormente, mudaria de lado).

Ano de 1942 – 15 e 17 de agosto – Cinco navios brasileiros são torpedeados por

submarinos alemães, sem qualquer declaração de guerra: Baependi, Itajubá, Araraquara,

Aníbal Benévolo e Araras, com o sacrifício de 607 vítimas, obrigando o rompimento de

relações diplomáticas e comerciais do Brasil com a Alemanha, a Itália e o Japão.

22 de agosto – O Brasil declara guerra aos Países do Eixo e dá-se início à

mobilização geral e o incremento da produção agrícola e da indústria de matérias primas

estratégicas; ao mesmo tempo, permite a utilização de seu território para instalação de bases

aéreas e navais americanas em seu território e a Marinha brasileira passa a proteger as rotas

mercantis do Atlântico Sul.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 136 -

Ano de 1944 – 30 de junho - Parte para a Itália o Primeiro Escalão da Força

Expedicionária Brasileira – FEB, sob o comando do General João Batista Mascarenhas de

Morais, que lutou na Europa de 44 a 45 e consagraria o soldado brasileiro no batismo de

fogo de Monte Prano (25-09) e as sucessivas vitórias de Monte Castelo, Castelnuovo.

Montese. E o Brasil ainda mandou os Segundo e Terceiro Escalões para a frente de batalha.

“Nossos objetivos – Monte Castelo, La Serra, Bela Vista, Santa Maria Villiana, Vale do

Marano, Soprassasso, Monte Cavaloro, Pecária e, por fim, Castelnuovo – foram

conquistados exclusivamente por tropa brasileira, sem qualquer auxílio de tropa

estranha”, diz o Mal. Lima Brayner em suas memórias.

Com fim da guerra cogitou-se da redemocratização do país; formaram-se os

partidos políticos: UDN – União Democrática Nacional, PSD – Partido Social

Democrático, PCB - Partido Comunista do Brasil), PRP – Partido de Representação

Popular (dos integralistas remanescentes) e PTB - Partido Trabalhista Brasileiro (os

partidários do “Queremos Getúlio”, por isto chamado “Queremista”.

Ano de 1945 – 23 de março – Toma posse como Interventor o ex-Senador Clodomir Serra

Serrão Cardoso, “nomeado Interventor por influência da nova situação que se criara”, ou

seja “sob a chefia de Vitorino Freire, a cujo lado muitos dos nossos homens públicos se

haviam posto por motivo de seu prestígio pessoal junto ao candidato Eurico Dutra, o

favorito no páreo presidencial”, segundo Mário M. Meireles. Paulo Ramos viajara para o

Rio de Janeiro para entregar o cargo a Getúlio certo de que a candidatura de Dutra

“importaria, sem nenhuma dúvida, em ser entregue o Maranhão ao Sr.Vitorino Freire e ao

grupo que o acompanha”. (Manifesto de 8 de abril de 1945). “Anos depois desse episódio,

os dois passaram a fumar o cachimbo da paz, quando Vitorino fora nomeado oficial de

Gabinete do Ministro da Viação e Obras Públicas e, através dele, Paulo Ramos passara a ter

acesso ao ministro João Mendonça Lima.” (B. Buzar) Dizia Millor Fernandes que a

diferença entre a guerra e a política é que naquela o inimigo está do lado de lá.

- 17 de julho – Convenção Nacional do PSD no Rio de Janeiro para

homologação da candidatura Dutra. Representantes do Maranhão: Vitorino Freire e Manuel

João de Morais Rego (irmão de Genésio).

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 137 -

Com o prestígio de Vitorino junto a Mendonça Lima e, principalmente, a Dutra,

Vitorino ressurgiu na política maranhense, articulando-se com Genésio Rego e Clodomir

Cardoso para reorganizar o PSD. Paulo Ramos servira a ambos para neutralizar Vitorino;

Vitorino agora ajudava a “defenestrar Paulo Ramos do Maranhão” e vingar a ursada que ele

fizera aos dois velhos políticos quando da criação do Partido Evolucionista.

- 29 de outubro – Getúlio Vargas é obrigado pelos militares, tendo à frente os

generais Góis Monteiro e Eurico Dutra, a afastar-se do governo que é entregue ao

Presidente do Supremo Tribunal Federal, Dr. José Linhares.

- 7 de novembro – Assume interinamente o Governo do Estado o Dr. Genésio

Euwaldo de Morais Rego, Secretário Geral.

- 9 de novembro – Exerce o poder o Dr. Eleazar Soares Campos nomeado pelo

Presidente José Linhares.

- 2 de dezembro – São eleitos os deputados para preparar uma nova

Constituição.

Ano de 1946 – 31 de janeiro – Eleito em 2 de dezembro de 1945, assume o Governo do

País o General Eurico Gaspar Dutra. Um dos responsáveis pela implantação do “Estado

Novo” o foi também dos que apressaram sua queda. Dutra rompeu relações com a União

Soviética, cassou os mandatos dos deputados comunistas e pôs na ilegalidade o PCB.

- 6 de fevereiro – O TER diploma os senadores e deputados eleitos em 1945: o

PSD conquista esmagadora vitória: os 2 senadores, 6 deputados federais; as Oposições

Coligadas (UDN e PR) apenas 3 deputados. O Gal. Dutra obteve 44.750 contra os 27.030

de Eduardo Gomes.

- 16 de fevereiro – Assume o Governo o comerciante Saturnino Belo, da ala

vitorinista, nomeado pelo novo Presidente da República Interventor no Maranhão..

- 20 de março – Dr. Elizabeto Barbosa de Carvalho assume interinamente o

governo.

31 de março – Satu (como era conhecido o Interventor) ficou com Vitorino

contra a candidatura de Genésio, mas na briga pelo controle do Partido ganhou Genésio e

Vitorino foi abrigar-se no Partido Proletário Brasileiro – PPB, cedido por empréstimo, e

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 138 -

lança a candidatura de Sebastião Archer ao Governo do Estado.

- 13 de maio – Reassume o Governo Saturnino Belo.

- 31 de julho – Novamente o Dr. Elizabeto Carvalho substitui, temporariamente,

o Interventor.

- 18 de setembro - É promulgada a nova Constituição do Brasil, que muitos

juristas consideram a mais adiantada e liberal do mundo.

- 12 de outubro – Reassume Satu Belo.

- 14 de dezembro - Na ausência transitória do titular, exerce o Governo mais

uma vez, o Dr. Elizabeto Carvalho.

Ano de 1947 – 14 de abril – Assume o Governo o industrial Sebastião Archer da Silva.

Vitorino ganhou de ponta a ponta: elegeu o Governador, os 2 Senadores (Vitorino Freire e

José Neiva) e 20 Deputados Constituintes; o PR marcelinista, 8; a UDN, 4; e o PTB, 1. O

PSD nenhum. E depois perdeu 1 deputado, que se transferiu para o PPB.

– 28 de julho – O Maranhão recebe sua 4a. Carta Constitucional.

Vitorino ambicionava mais e para isso fundou sua própria agremiação - o

Partido Social Trabalhista – PST, com amplitude e projeção nacionais, e dar sustentação a

Dutra no Congresso e garantir cargos e favores para seus amigos. Assentou seu reinado no

Maranhão.

Ano de 1948 – 28 de julho - Satu rompe com Vitorino por causa da eleição da Mesa

Diretora da Assembléia Legislativa e recusa-se a substituir Archer como Vice-Governador,

em uma sua ausência temporária. O Presidente da Assembléia, Alcindo Guimarães assume

o cargo. “Esquecendo, de repente, a marca vitorinista que carregava”, os oposicionistas

cooptaram Satu Belo para o outro lado, fazendo-o mesmo seu candidato à sucessão de

Archer. O Senador José Neiva acompanhou-o juntamente com 1 Suplente de Senador e 5

Deputados Estaduais. Abriu-se a dissidência e a questão voltou a girar em torno da eleição

da Mesa Diretora da Assembléia, ameaçando a liderança de Vitorino. Ancestrais inimizades

de famílias (comuns no interior) levaram o Deputado Theoplistes Teixeira à contradança

com o Senador Neiva: este passara do vitorinismo para a oposição; o outro trocou o PR

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 139 -

pelo PST. Depois de muita confusão, inclusive violências, com duas Assembléias em

funcionamento, Vitorino fez o Presidente da Mesa e foi para o Rio com seu prestígio

restaurado.

Ano de 1950 – A 3 de outubro haveria eleições para Presidente da República, Governador e

Deputados Federais e Estaduais. Surge o Partido Social Progressista – PSP, de Ademar de

Barros, confiado, no Maranhão, ao médico Dr. Clodomir Teixeira Milet, e Paulo Ramos

ressuscita o antigo PTB. Arma-se a disputa: de um lado UDN + PR + PSD + PSP + PTB;

de outro o PST, “sem a parceria de qualquer outra agremiação partidária, numa eleição

que seria decisiva para o vitorinismo se impor ou desaparecer do Maranhão” (Buzar)

Vitorino apresentou um comerciante do interior, Eugênio Barros para contrapor-se a

Saturnino Belo. No plano nacional defrontavam-se Getúlio Vargas, do PTB, Cristiano

Machado, do PSD e Eduardo Gomes, da UDN.

A campanha desenvolveu-se mais violenta e amarga do que de outras vezes:

insultos pelos jornais (“Jornal do Povo”, oposicionista versus “Diário de São Luís”,

governista). Ferido o pleito, “tanto os oposicionistas como os vitorinistas baseavam-se

para invalidar as votações em um mesmo pretexto: a escandalosa fraude eleitoral

deflagrada em todo o Estado, os juízes ameaçados em sua integridade física”. O TSE

concedeu forças federais para garantir a ordem e ensejar aos juízes eleitorais condições de

concluir os trabalhos de apuração. Vitorino consegue vencer novamente aumentando seu

prestígio junto ao Governo Central. As Oposições passaram a defender a realização de

eleições suplementares quando a

Ano de 1951 – 16 de janeiro morre subitamente Saturnino Belo.

- 31 de janeiro –Eleito a 3 de outubro de 1950, Getúlio Vargas é empossado da

Presidência da República.

- Assume Governo do Estado o Presidente do Superior Tribunal de Justiça,

Desembargador Traiaú Rodrigues Moreira enquanto se resolve o impasse criado com a

morte de Satu.

- 28 de fevereiro – Traiaú transmite o governo ao candidato eleito e diplomado

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 140 -

Eugênio Barros.

O clima, que já era de grande agitação com o impacto emocional, atinge o

paroxismo, estimulado pelas oposições que, montando um palanque eletrônico na praça

João Lisboa, insuflava o povo “a evitar, ainda que como sacrifício da própria vida”, a

posse de Eugênio. Conflitos, mortes, depredações, incêndios, a cidade paralisada pela

intolerância recíproca. “Após um comício, por volta das 8 horas da noite (27/2/1951), o

povo, em passeata, depredou as residências do desembargador Henrique Costa Fernandes,

e do juiz Rui Morais”.

- 28 de fevereiro – Eugênio Barros, diplomado, e com receio de perder o

mandato, cujo prazo constitucional expiraria a 31 de janeiro de l952, assume o Governo,

garantido pela Polícia Militar, postada em frente à igreja da Sé, formando o célebre

“paralelo 38”, apelido tomado à Guerra da Coréia, contemporânea dos fatos. Exacerbaramse

os ânimos obrigando o Exército a sair às ruas para manutenção da ordem. Do Rio de

Janeiro, o jornalista Neiva Moreira afirmava: “Iremos a tudo, à guerra civil inclusive. Não

interessa quem vai morrer ou quem vai sobreviver”.

1o. de março – Chega a São Luís o Comandante da 10a. RM, Coronel Inimá

Siqueira, nomeado Comandante da Polícia no novo Governo. “Uma idéia dominava a

cabeça dos oposicionistas: incrementar o movimento grevista até às últimas

conseqüências, para forçar o Presidente da República a decretar a intervenção no

Maranhão.” (Buzar) Getúlio, porém, mantinha-se decidido a não intervir na crise

maranhense, o Ministro da Justiça opinando que o caso não era de intervenção: “O TSE é

que decidirá se Eugênio Barros continuará ou não no Governo.”

- 3 de março – O General Edgardino de Azevedo Pinta, novo Comandante da

10a. Região vem ao Maranhão, restabelece a ordem pública. A disputa passa a ocorrer nos

bastidores do Tribunal de Justiça com eleição e destituição de desembargadores na

Presidência, eleição de um Governador oposicionista, que não tomou posse, a tropa federal

garantindo a segurança de Eugênio Barros, “firme e inabalável no Palácio dos Leões”.

- 12 de março – Chega a S. Luís o 25o. Batalhão de Caçadores, de Teresina, para

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 141 -

patrulhar as ruas e evitar um provável ataque ao Palácio dos Leões.

- 15 de março – Afinal, com entendimentos havidos entre as facções em litígio,

o governo foi entregue ao Deputado César Alexandre Aboud, da bancada vitorinista,

licenciando-se Eugênio, para aguardar no Rio de Janeiro o julgamento pelo Tribunal

Superior Eleitoral.

- 17 de agosto – O TSE reúne-se para julgar o caso do Maranhão. As Oposições

Coligadas intensificaram a guerra radiofônica em seu Quartel General do Largo do Carmo.

Lino Machado não teve dúvidas em afirmar que haveria uma terceira Balaiada no

Maranhão e o Deputado Rui Almeida que a guerra civil seria inevitável, caso o TSE

confirmasse o diploma de Eugênio. A vigília dos soldados da liberdade recomeçou com

mais entusiasmo. “A impressão geral era de que nova crise eclodiria, mantendo-se ou não,

Eugênio Barros no poder.” (B.Buzar) O Comando da 10a. Região tomou providências.

- 28 de agosto – Repentinamente o General Edgardino Pinta desembarca em São

Luís.

- 3 de setembro - O Superior Tribunal Eleitoral, por unanimidade, reconheceu a

diplomação de Eugênio Barros como um ato legítimo e perfeito.

- 18 de setembro – Eugênio Barros assume definitivamente o Governo,

garantido não só pela Polícia Militar, disposta no paralelo 38, como pelo Exército. Por

precaução a comitiva de Eugênio desviou-se da praça João Lisboa, mas, inadvertidamente,

um ônibus desgarrou-se, desceu a rua do Sol e, ao deparar-se com a força policial, foi por

ela alvejada, supondo tratar-se de um ataque da oposição. Começou a fase dos incêndios

nos bairros da periferia. “Enquanto oposicionistas responsabilizavam o governo pelos

incêndios como se fosse um plano diabólico de vingança, os vitorinistas devolviam a

acusação aos Coligados, afirmando que somente a eles interessava incendiar casas, para

levar o povo ao desespero, gerar um clima de intranqüilidade social e mostrar ao Governo

federal a necessidade imperiosa da intervenção.” O fato é que, apesar da proclamada

vigília diuturna dos oposicionistas, nunca se conseguiu identificar e prender um só suspeito

de tais atentados. E muitos dos incêndios aconteciam à luz do dia!

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 142 -

- 20 de setembro – O advogado provisionado Raimundo Bastos anuncia, de São

João dos Patos, estar à frente de 12.000 homens para atacar a Capital. O Tenente Eurípedes

Bezerra, com 12 soldados da Polícia Militar é mandado ao seu encontro e com essa brutal

desproporção de 1.000 revoltosos para cada 1 praça, desbarata o exército rebelde e “faz o

líder fugir para o Piauí de maneira vexatória”. (Buzar)

- 26 de setembro - O Ministro da Justiça Francisco Negrão de Lima passa dois

dias em São Luís em conferência com governistas e antivitorinistas e volta ao Rio sem uma

solução. O Comandante da Região assumiu o controle e suas tropas passaram a policiar a

cidade. O jornal “O Combate” chegou a noticiar: “Declarada a Intervenção Federal: cai

fragorosamente a Cidadela Vitorinista.” Respondendo a uma consulta de Amaral Peixoto,

genro de Getúlio, Eugênio declarou: “Não preciso, não desejo e nem peço intervenção;

posso manter a ordem; basta retirarem as tropas federais.” O sertanejo Eugênio Barros

manteve-se no governo, disposto a morrer em defesa da lei e de sua dignidade: “Na hora da

luta não ficarei em palácio. Sairei para as ruas e peço apenas aos instigadores da

insurreição popular que também estejam em praça pública. Morreremos todos escrevendo

talvez a página mais vergonhosa de nossa história.”

A cidade dormiu nessa noite angustiada: pelas circunstâncias previa-se uma

carnificina. Nem um tiro foi disparado; a expectativa deu lugar a uma tranqüilíssima e

radiosa manhã. Morria a “revolução” que por duas semanas perturbara a vida do Estado.

Eugênio telegrafou a Getúlio: “Reina absoluta calma em todo o Estado”. E governou até 31

de janeiro de1956.

(Por ironia da sorte José Sarney, três décadas mais tarde se encontraria em

situação parecida: Com a morte do Presidente Tancredo Neves, criou-se o mesmo dilema:

assume ou não assume o Vice-Presidente? “Não há substituição se não existe a quem

substituir, alegavam. Por fim o jurista Afonso Arinos de Melo Franco sentenciou: - José

Sarney não é vice de Tancredo Neves e, sim, vice-presidente da República! Mutatis

mutandis Eugênio não era vice de Satu e, sim, vice-governador do Maranhão! E acabou

assumindo)

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 143 -

Ano de 1954 – 28 de junho – Vitorino Freire contabiliza mais uma vitória: o Tribunal

Regional Eleitoral, registrando o novo Diretório Regional do PSD, devolvia-lhe o Partido

Social Democrático no Maranhão: Presidente – Eugênio Barros; Vice-Presidente –

Sebastião Archer da Silva; 1o. Secretário - Newton de Barros Belo; 2o. Secretário –

Raimundo Bogéa; 1o. Tesoureiro – Alexandre Alves Costa; 2o. Tesoureiro – José de Matos

Carvalho.

Ano de 1955 - 1o. de julho – Assis Chateaubriand, jornalista-proprietário da “Cadeia dos

Diários Associados”, que perdera a eleição para o Senado em sua terra natal, a Paraíba,

toma posse como Senador pelo Maranhão, graças às articulações de Vitorino Freire.

Resultado do pleito: Chateaubriand (PSD) – 99.995; Coronel-Aviador Armando Serra de

Menezes (PSP, UDN, PL, PR, PTN e PDC) – 21.480 votos.

Ano de 1956 – “Quanto ao processo de substituição do governador Eugênio Barro, vieram

à tona as mais torpes cenas de degradação moral e política, no curso das quais

governistas, oposicionistas e dissidentes, usando mesquinhos estratagemas, tentaram se

apossar do poder a qualquer custo.” (Benedito Buzar)

- 31 de janeiro – Toma posse na Presidência da República o Dr. Juscelino

Kuitscheck de Oliveira, que mudaria a Capital para o planalto goiano e construiria Brasília.

- Assume o Governo o Deputado Alderico Novais Machado, Vice-Presidente da

Assembléia Legislativa, visto que o Presidente renunciara e os candidatos José de Matos

Carvalho (Governador) e Alexandre Alves Costa (Vice) ainda não tinham sido diplomados.

21 de março – Alexandre Costa rompe com o Vitorinismo. “As Oposições, que

até pouco tempo o consideravam vilão, rapidamente passaram a vê-lo como herói.”

- 23 de março – Os oposicionistas, agora majoritários, destituem a Mesa da

Assembléia e elegem outra, presidida pelo Desembargador Henrique Costa Fernandes (o

mesmo que tivera a casa incendiada em 1951), designando-o para assumir o Governo do

Estado. Alderico recusa-se a entregar o poder. O Maranhão, como anteriormente várias

vezes, tem dois governos. Costa Fernandes renuncia e é leito outro Governador – o

desembargador Palmério Campos que não consegue melhor acolhida por parte de Alderico

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 144 -

Machado. Agora são três “governadores” para uma só vaga. Vitorino mais uma vez

desvanece o sonho das Oposições: “o eterno recurso da intervenção federal”.

- 25 de março – Outra reviravolta e é eleita nova Mesa e novo Presidente:

Eurico Bartolomeu Ribeiro que, desta vez, substitui Alderico Machado.

- 3 de maio – O Capitão da Polícia Militar, Antônio Alves Gondim, com cerca

de duas dezenas de soldados intenta atacar o Palácio; “não tendo, porém, logrado aumentar

o número de seus simpatizantes naquela corporação, foi facilmente dominado e preso”.

(Meireles)

O governo de Eurico Ribeiro foi dos mais agitados em razão da disputa pelo

cargo de Vice-Governador. O Tribunal Regional Eleitoral dava ganho de causa às

pretensões oposicionistas o que desencadeava críticas e insultos por parte dos adversários

(que antes elogiavam e defendiam o TRE) a ponto de o Senador Chateaubriand ofender

Desembargadores com estas expressões: “... o cinismo de quatro tarados, de cara calçada

e almas enzinhavradas de cobre”, obrigando o revide do Estado que lhe havia conferido o

mandato: “O Maranhão devolve ao barganheiro, ao cínico Chatô os insultos com que

afronta a Justiça maranhense e desafia o insultador a que venha, de corpo presente,

repetir entre nós, o epíteto com que agride e desrespeita, da tribuna do Senado, os

maranhense dignos, íntegros e honrados que compõem a Egrégia Corte da Justiça

Eleitoral do Estado.” Esta situação, no entanto, se inverteria, como observa Buzar: “O

TRE, antes acusado pelos governistas de estar a serviço das Oposições, passava, agora, a

ser alvo da censura e da ira destas, acusado de fazer o jogo dos vitorinistas”. Assim é a

Política!

“E a luta continuou, estéril, inútil, intransigente, desgastando sem qualquer

proveito as forças políticas e econômicas do Estado, até que a

Ano de 1957 – 9 de julho, foi proclamado e empossado o Novo Governador, o Dr. José de

Matos Carvalho, com ele o Dr. Alexandre Alves Costa, como Vice-Governador.

- 11 de novembro – Ausenta-se do Estado Matos Carvalho sem qualquer

comunicação a Alexandre Costa, Presidente da Assembléia Legislativa, pelo que este, de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 145 -

acordo com a Constituição, considera-se investido no cargo de Governador. Nova crise se

instala com a mesma duplicidade de governo, antes tantas vezes experimentada: o

Secretário de Interior, Dr. Newton Belo recusa-se a entregar o poder e é exonerado pelo

Governador Alexandre Costa, que passa a governar da sala da Assembléia. Matos Carvalho

volta precipitadamente e reassume, mas os projetos do Executivo têm seu trânsito

dificultado no Legislativo. O Deputado Raimundo Bogéa, dissidente, pede informações

sobre aplicação de recursos ainda do Governo Eugênio Barros, no qual Alexandre era

Secretário; a luta recrudesce com agressões verbais e físicas e tiroteio dentro da

Assembléia. Alexandre Costa é destituído da Presidência, que passa a ser exercida por um

Deputado. De novo o Estado tinha duas Assembléias: uma na rua do Egito, outra na

Biblioteca Benedito Leite. Ao final, esta aprovou a ata que retirava do Vice-Governador a

atribuição de presidir a Assembléia. Insustentável a situação, que provocara praticamente a

paralisação do Estado e fizera Matos Carvalho perder um ano e meio de mandato,

procurou-se o indispensável entendimento: sustava-se o ato cassatório e Alexandre não

mais poria obstáculos à tramitação dos projetos.

Ano de 1958 – 8 de janeiro – Agora a questão é no Tribunal de Justiça: Na eleição para a

Mesa Diretora do Judiciário são eleitos dois Presidentes – Nicolau Dino e Francisco Costa

Fernandes Sobrinho que, ridiculamente, se sentam lado a lado na mesa da Presidência, sem

conseguir presidir nada, um de posse do livro de atas, outro com as chaves da Secretaria. A

Política, por vezes, toma a aparência de uma comédia diante da qual só umas boas

gargalhadas. Essa dualidade só teve fim com a intervenção do Superior Tribunal Federal

“que decidiu por cobro a essa vergonhosa novela judiciária”, anulando a eleição,

designando o Desembargador Traiaú Moreira para presidir outra, que elegeu Palmério

Campos e Costa Fernandes, Presidente e Vice.

- 5 de março – Matos Carvalho ausenta-se do Estado. Alexandre Costa, Vice-

Governador, impetra mandato de segurança por não lhe ter o Governador passado o cargo.

- 24 de março – Retorna Matos Carvalho para cumprir a rotina administrativa.

Ano de 1959 – 14 de janeiro - Com as mesmas contestações de fraudes, o PSD de Vitorino

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 146 -

elegeu o Senador Eugênio Barros; 6 Deputados Federais; 21 Deputados Estaduais; contra 4

Federais e 15 Estaduais das Oposições Coligadas; e o PTB, 4 Estaduais.

- 24 de agosto – Getúlio Vargas, pressionado pelos militares a deixar o

Governo, suicida-se com um tiro no peito, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro. –

Assume o poder o Vice-Presidente João Café Filho.

- Lançada a candidatura de Newton Belo ao Governo do Estado, em substituição

a Matos Carvalho, surgiram as articulações, e a UDN deixou as Oposições, fazendo causa

comum com o PSD. O Deputado Clodomir Milet, “munido de farto material”, denunciou

ao Tribunal Eleitoral as fraudes que haviam beneficiado os candidatos da UDN e do PSD,

dando ensejo a uma acre discussão pela imprensa, na qual José Sarney, udenista, chamou

Milet de “político reacionário, sem idéias, entreguista”, recebendo de Milet a acusação de

que “lhe falta merecimento para ao menos pensar em ser governador”.

- 20 de novembro – José da Silva Matos, deixa a Presidência do Banco de

Crédito da Amazônia para candidatar-se ao Governo do Maranhão pelo PTB e logo recebe

o apoio do PSP. Aliás, “o Partido ademarista, ao empunhar a bandeira de José Matos,

conseguiu extrair dos segmentos vitorinistas o seu candidato para enfrentar a máquina do

PSD, como aconteceu em 1950, com Saturnino Belo, e em 1955, com Hugo da Cunha

Machado. Repetia-se, pois, em 1960, o figurino adotado nos pleitos anteriores: à falta de

candidato próprio, dotado de substância política relevante, valiam-se as Oposições dos

insatisfeitos, dissidentes e contrariados com o vitorinismo, condição que os habilitava a

disputar as eleições e partir para a tomada do poder (...) fingiam esquecer, em nome da

causa maior, o passado e os serviços prestados pelos cristãos novos ao PSD, esforçando-se

para mostrá-los ao eleitorado (...) como redimidos e capazes de mobilizar e aglutinar as

forças antigovernistas”. Consultado, Alexandre Costa, “oposicionista de primeira

grandeza”, segundo Buzar, recusou-se a ser candidato ao Governo do Estado, o mesmo

fazendo o Diretor do “Jornal do Povo”, órgão ademarista, Neiva Moreira, (que assumiu a

candidatura do PSD, Teixeira Lott) e Henrique de La Roque, comprometido com a

candidatura Jânio Quadros. Foram para o pleito Newton Belo-Alfredo Dualibe versus

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 147 -

Clodomir Milet-Alexandre Costa. E em raríssimas vezes como desta os adversários não

desceram ao terreno do insulto, mantendo-se com decência e educação, “à altura das mais

justas aspirações do povo politicamente evoluído”.

- 13 de dezembro – O “Constellation” da Panair do Brasil é seqüestrado e pousa

em Aragarças, onde já estavam 3 aviões DC-3, da Força Aérea Brasileira, na revolta que

ficou conhecida como a “Rebelião de Aragarças”, movimento fracassado pela falta de

apoio dos companheiros de farda e dos civis da UDN, adversários de Kubitschek. Dentre os

seqüestrados estava o Suplente de Senador maranhense, Dr. Remy Archer da Silva. Foram

os revoltosos o Coronel Luís Mendes da Silva, os Tenentes-Coroneis João Paulo Moreira

Burnier, Haroldo Veloso e Geraldo Lebre; Majores Eber Teixeira Pinto e Washington

Mascarenhas; Capitães Leusinger Marques Lima, Gerseh Barbosa, Próspero Barata Neto e

Tarcísio Célio Nunes Ferreira; e os civis engenheiro Charles Herba,; advogado Luís

Mendes de Moraes Neto; Roberto Rocha Sayão e Edmundo Fernando Wanderley.

Ano de 1960 – 10 de setembro – O General HenriqueTeixeira Lott visita São Luís. Jânio

Quadros, em entrevista, dissera que onde ele não pudesse ir o General iria por ele. Todo

mundo achou que ele era mesmo maluco, como se propalava. Depois dos comícios de Lott

viu-se porquê: ele pregava a favor de Jânio. Disse bobagens, despautérios, trocou nomes e

profissões e afirmou, em praça pública, que todo advogado é herdeiro do defunto, nos

inventários e nos prometeu uma Faculdade de Direito, quando a nossa era já centenária. Um

desastre a quantidade de equívocos e gafes cometidas pelo candidato.

- Construção do “Edifício Caiçara” de apartamentos residenciais, com 10

andares e que demorou cerca de 3 anos, no local da antiga Igreja de Nossa Senhora da

Conceição.

Ano de 1961 – 31 de janeiro -Toma posse da Presidência da República o Dr. Jânio da Silva

Quadros, eleito no ano anterior pela UDN.

– Newton de Barros Belo é o novo Governador do Maranhão, eleito pelo PSDPTB-

UDN em 3 de outubro de 1960. Vitorino Freire, do PSD, perdera o lugar preeminente

junto ao governo de Jânio Quadros. Crescia o prestígio de José Sarney, destaque da cúpula

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 148 -

udenista.

- 25 de agosto – Surpreendentemente, Jânio Quadros renuncia ao Governo.

- 7 de setembro – Com a renúncia de Jânio assume o Vice-Presidente, Dr. João

Goulart, sob o regime Parlamentarista, para conjurar a crise criada pelos militares contra a

posse de Goulart, acusado de esquerdista.

Raimundo Bogéa e Henrique Costa Fernandes, desligando-se da UDN, voltam

ao seio do PSD, formando com Newton Belo, agora chefe do Partido, enquanto o comando

da UDN passa às mãos de José Sarney e ele se torna intermediário entre Newton Belo e o

Palácio do Planalto. .

Ano de 1962 – Rebelião dentro do PSD, chefiada pelo Deputado Cid Carvalho.

Com o regime parlamentarista, chefiado por Tancredo Neves, PSD e PTB

passam a controlar o poder e Vitorino volta a ocupar posição de mando como antes.

“Diante dessa nova realidade, a participação de José Sarney perdeu substância e o seu

poder de barganha junto ao governador Newton Belo, gradativamente, caiu no vazio.”

- 9 de março – Sarney declara rompido o acordo PSD-UDN. “A UDN volta ao

seu campo de luta.” Outros Deputados federais e estaduais rompem com Newton Belo. As

“Ligas Camponesas” de Francisco Julião surgem no Maranhão, na luta pela Reforma

Agrária.

- 18 de maio – Conflitos no interior entre lavradores, posseiros e policiais, com

oito mortes, inclusive de um oficial da PM.

Ano de 1963 – 4 de janeiro – O TRE declara eleitos Deputados Federais: 11 pelo PSD; 3

do PSP; 2 pela coligação PR, UDN, PDC e PTN; Estaduais: PSD – 22; PSP – 6;

PR/UDN/PDC e PTN – 6; PL – 3; PTB – 2. O Vitorinismo ainda assegurava a maioria de

28 Deputados contra 12 das Oposições.

- 6 de janeiro – Plebiscito popular decidiu pela volta ao regime Presidencialista.

- 3 de abril - 12 Deputados Federais assinam um manifesto “para assegurar um

sistema de forças legislativas capaz de defender os partidos e seus representantes das

práticas ditatoriais e antidemocráticas que têm dado ao Brasil uma visão deformadora do

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 149 -

Maranhão” e com a pretensão de ingressar no PTB do Presidente João Goulart. Vitorino

reage: da tribuna do Senado: “condenou os rebelados por terem exaltado o governador

(Newton Belo) nos comícios e, agora, depois de eleitos, resolverem combatê-lo

injustamente”. Os seis rebelados (Matos Carvalho desertara) assestaram as baterias contra

Newton Belo acusando-o de déspota e prepotente e denunciando seu governo por

descalabros administrativos, incompetência e improbidade.

- 20 de novembro – 6 Deputados deixam o PSD pelo PTB.

- 22 de novembro – Jonh Fitsgerald Kennedy, Presidente dos Estados Unidos é

assassinado em Dalas.

Ano de 1964 – 31 de março – Definem-se no plano nacional as forças políticas e

ideológicas: João Goulart e segmentos radicais de vanguarda que pretendiam a implantação

das reformas de base, mudanças estruturais, contra a UDN, e os conservadores que se

opunham a transformações econômicas e sociais. Estoura a Revolução dita “Redentora”: O

Governador de Minas, Magalhães Pinto, Carlos de Lacerda, da Guanabara e Ademar de

Barros, de São Paulo, e Unidades do Exército, sob a alegação de combater o Comunismo,

depõem o Presidente e instalam um regime autoritário que se propunha a acabar com a

corrupção e a subversão. Desvaneceu-se o sonho do PTB, alvo, juntamente com o PSD, da

Revolução, que os tinha como responsáveis pela situação a que chegara o país. No

Maranhão, o Exército recolhia material de “teor subversivo” das sedes do minúsculo

Partido Comunista, do Sindicato dos Comerciários e da União Maranhense de Estudantes

(inclusive “um potente rádio-trasmissor com 4 km de alcance!”); prendia os médicos Dr.

William Moreira Lima e Dra. Maria José Aragão, dirigentes do PC; detinha o jornalista

Bandeira Tribuzi, os líderes sindicais Newton Souza de Melo e Benedito Paiva e o

advogado Dr. José Bento Neves; convocando para prestação de esclarecimentos o

Presidente da UMES Edimar Santos, os jornalistas Eider Paes, Luís Vasconcelos e Ribamar

Bogéa, e os sindicalistas Vera Cruz Marques e Renato de Vaz Figueira. No Rio de Janeiro

Dr. Raniere Mazzili assumia a Presidência da República. Na primeira lista de cassações de

Deputados figura Neiva Moreira, que ainda por cima é preso. Faz-se intervenção da

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 150 -

Delegacia Regional da SUNAB, na Subagência do Instituto Brasileiro de Café, no

Sindicato dos Bancários, na União dos Ferroviários, na Superintendência da Reforma

Agrária e no Escritório Regional da SUDENE.

- 10 de abril – O Alto Comando da Revolução – General Artur da Costa e Silva,

Almirante Augusto Rademaker e Brigadeiro Corrêa de Melo promulga o Ato

Constitucional que, entre outras cousas mantém a Constituição de 46 e impõe eleição

indireta do Presidente da República e lhe dá poderes para decretação de estado de sítio e

suspensão das garantias constitucionais.

- 11 de abril – O Castelo Branco é eleito pelo Congresso.

- 15 de abril – Humberto de Alencar Castelo Branco é empossado Presidente da

República dos Estados Unidos do Brasil. “Arremeda-se o regime democrático. Castelo

apresenta a intervenção militar como corretiva e transitória. Mas não consegue evitar que

a ditadura se imponha e perdure.” (Ronaldo Costa Couto, in “Sarney, o outro lado da

História”)

- 25 de abril – A Assembléia Legislativa do Maranhão, com maioria governista,

cassou os Deputados Sálvio Dino e Benedito Buzar, e os Suplentes Joaquim Mochel, José

Tribuzi Pinheiro Gomes, Manuel Vera Cruz Marques e William Moreira Lima, por

atividades comunistas e José Bento Neves, por subversão. Foram também cassados e presos

os Vereadores José Mário Santos, de S.Luís e Edson Vidigal, de Caxias.

“O regime é ditatorial. Suspende garantias constitucionais, extingue os partidos

políticos, acaba com as eleições diretas para presidente, espicha em um ano a duração do

governo, intervém em sindicatos. Mesmo assim o clima ainda não é o de uma ditadura

radical. Há relativa liberdade de imprensa, o Judiciário opera regularmente, apesar de

encarcerado na legislação autoritária. O Parlamento funciona, ainda que com pouco ou

nenhum poder. As oposições estão desfiguradas, sem força.” (Costa Couto).

“Era a UDN a fonte inspiradora da quartelada”, diz Buzar. Aproveitaram a

situação o PR, a UDN, o PSP e o PDC para apresentar denúncias contra o Governador,

contando com a simpatia dos militares para conseguir um impeachment. Inutilmente.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 151 -

Mas, por pressão das Oposições, foi realizada ampla revisão eleitoral que,

constatando inúmeras irregularidades, reduziu o colégio eleitoral de 192.129 eleitores para

59.975! (Jornal do Dia, 19/9/1965).

“Cumprida a primeira etapa de um plano concebido pela Justiça Eleitoral e

executado com a chancela do governo revolucionário que tinha como objetivo conduzir as

Oposições ao poder, restava, para completá-lo, deflagrar a segunda parte, também em

harmonia com o Palácio do Planalto” que era, segundo Buzar, “minar as bases

pessedistas”, sendo o alvo principal Newton Belo, para que ele não fizesse seu sucessor

Renato Archer, “um nome de valor, dotado de significativa força eleitoral” e a quem “o

presidente Castelo Branco não perdoava por sua conduta anti-revolucionária no

Congresso Nacional”.

Ano de 1965 – 1o. de maio – O Deputado Adail Carneiro (PSD), eleito para a Presidência

da Assembléia Legislativa, é vetado pelo Exército. Afinal é eleito Aldenir Silva (PSD), de

comum acordo.

- 28 de junho – Renato, em carta a Vitorino, diz “não aceitar, sob qualquer

hipótese, veto ao seu nome, porque não reconhece o presidente Castelo Branco como

membro do PSD” acrescentando: “Se há resistência ao meu nome, que seja declarada

publicamente” afirmando que “resistirá às manobras para desestabilizá-lo e denunciará a

farsa eleitoral que se prepara no país”. (“Imparcial” de 28/6/1965, S. Luís). Castelo

mantém-se irredutível; nem o Vice-Presidente José Maria Alkmim, nem o ex-Presidente

Dutra conseguem demovê-lo. Newton Belo ainda tenta manter a candidatura do

Comandante Renato, mas Castelo Branco ameaça Newton de intervenção no Estado e

adverte-o sobre as conseqüências de qualquer atitude em discordância com suas ordens.

Não restam dúvidas sobre o verdadeiro, senão único, responsável pelo fracasso da

candidatura Archer. Castelo, então, comunica a Vitorino, como Presidente do PSD, o veto e

a concordância forçada de Newton Belo.

Vitorino vem ao Maranhão e, em sessão tumultuada no Palácio, posiciona-se

contra a candidatura do Prefeito de S. Luís, Dr. Antônio Euzébio da Costa Rodrigues, da

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 152 -

preferência do Governador. “O calor da discussão entre os dois comandantes do PSD

elevou-se a uma temperatura acima do suportável, a ponto de Vitorino abandonar o

Palácio dos Leões, onde estava hospedado, e mudar-se para a residência do vicegovernador

Alfredo Duailibe, na Rua dos Remédios. Ali, instalou o seu quartel-general,

àquela altura integrado por Renato Archer e membros da bancada federal”. (Buzar) É

oportuno observar que Renato Archer, vetado por Vitorino (segundo o noticiário), viesse

integrar o quartel-general do mesmo Vitorino, acusado de fomentar e incentivar a

“queimação” de sua candidatura... Não houve mais entendimento e Vitorino rompeu com

Newton Belo. “A Revolução conseguia o impossível no Maranhão: dividir e enfraquecer,

definitivamente, o imbatível PSD, que assim partiria para a eleição de outubro de 1965

literalmente esfacelado.”

Vitorino ainda tentou neutralizar Newton Belo junto ao Presidente e poderes

militares e, com a ajuda de Renato Archer, tornado seu aliado, arrebatar o Partido das mãos

de Newton, através da direção Nacional e de 15 Presidentes de Diretórios Regionais. Até

foi decretada a intervenção no Diretório Regional do Maranhão, outras soluções para o

impasse foram propostas, outros nomes apresentados para a conciliação, mas “o presidente

da República não tinha o menor interesse de ver essa sugestão viabilizada, até porque,

graças ao seu empenho pessoal, estava em pleno andamento o projeto de marginalizar o

PSD e de viabilizar a eleição do deputado José Sarney para o Governo do Maranhão.”

(Buzar) Costa Rodrigues foi candidato pelo PDC (que sempre integrou as Oposições

Coligadas) com Antenor Bogéa de Vice.

Vitorino, “embora viesse recebendo afagos de oposicionistas” (...) tinha

consciência de que não poderia, naquela altura da vida política, aderir às Oposições. Não

porque elas o repudiassem no passado, mas certamente porque desfiguraria o sentido de

sua luta partidária, ao longo de duas décadas”.

A candidatura de Renato Archer escapou das intrigas do governador, segundo

Vitorino, ou a tolerância dos militares e se deveu a “porque o SNI sabia que, com a revisão

eleitoral e o PSD cindido, não havia nenhuma força política capaz de operar o milagre de

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 153 -

Renato Archer subir em triunfo as escadas do palácio dos Leões”, segundo Buzar.

Concorreram Costa Rodrigues, pelo PDC, Renato Archer, pelo PTB e perderam

para José Ribamar Ferreira de Araújo Costa (José Sarney), candidato das Oposições, o

segundo Deputado Federal mais votado no Estado em 62 e favorecido também pelo

movimento revolucionário de 1964 que, de índole udenista, se propunha a banir do poder o

PSD, este, no Maranhão, representado pelo vitorinismo.

Com grande aparato militar, as visitas do Subchefe da Presidência da República,

Coronel Dilermando Monteiro, do Ministro de Viação e Obras Públicas, General Juarez

Távora, e do Comandante da 10a. Região Militar, General Itiberê do Amaral, e reforço às

tropas do 24o. B.C. com contingentes do Exército de Teresina e Fortaleza, o que emprestava

prestígio às Oposições, José Sarney foi eleito Governador com uma diferença de 17.000

votos da soma dos dados aos seus opositores. Outras mais vezes, pela vida afora, os deuses,

os astros, as circunstâncias e o destino fariam brilhar com iridescente intensidade a boa

estrela do moço maranhense até elevá-lo à Presidência da República.

- 16 de outubro – Depois de renhida batalha jurídica envolvendo os Vereadores

Luís Regino de Carvalho, Walter Fontoura e o prefeito de então, Costa Rodrigues, toma

posse como Prefeito eleito de São Luís, de acordo com a emenda no. 16, da Assembléia

Legislativa, que concedeu autonomia à capital maranhense, Epitácio Cafeteira.

- 27 de outubro – O Ato Institucional no. 2 extingue os Partidos Políticos e,

posteriormente, estabelece-se o bipartidarismo: Aliança Renovadora Nacional – ARENA e

PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro e, por um bambúrrio, reúne no

mesmo Partido José Sarney e Vitorino Freire. Diz Buzar que “esse fato contribuiu para que

Sarney desenvolvesse sua ação política com grande desembaraço, pois Vitorino mantevese

afastado do Maranhão, evitando o constrangimento de um confronto com um membro

do mesmo partido”.

Ano de 1966 – 31 de janeiro – Com a posse de José Sarney no Governo do Estado, e a

malquerença do Regime Militar aos antigos integrantes do PSD, Vitorino foi obrigado a

hibernar para só ressurgir em 1974, no governo do General Ernesto Geisel.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha


- 154 -

“Desenvolvendo um estilo próprio de governo – popular, dinâmico e

modernizador -, Sarney promoveu uma revolução na administração maranhense. Em quatro

anos, o Maranhão deu um salto: pulou de zero para quinhentos quilômetros de estradas de

terra. Criou-se, além disso, uma rede de telecomunicações, cobrindo 85municípios; elevouse

de 1 para 54 o número de ginásios estaduais (Bandeirantes) e ampliaram-se de 100.000

para 450.000 as matrículas escolares. Também foram inauguradas as pontes de São

Francisco, sobre a foz do rio Anil, ligando a ilha de São Luís, a usina hidrelétrica de Boa

Esperança, na divisa entre o Maranhão e o Piauí, a barragem do rio Bacanga, o Centro

Maranhense de Televisão Educativa, o Centro de Processamento de Dados, as Faculdades

de Administração, Engenharia e Agronomia e de Educação em Caxias, a rodovia São Luís-

Teresina.” (Benedito Buzar)

Este assunto já se torna por demais longo e enfadonho, mas não se pode

esquecer que a Era Vitorino durou 30 anos. Pois, apesar de tudo, muita, muita cousa

deixou de ser dita destes tumultuados tempos em que a paz frouxa e indecisa durava menos

que as rosas de Malherbe. Como diz Buzar, “não se podia imaginar concórdia entre atores

até bem pouco tempo empenhados (diríamos nós: sempre) numa luta em que ambições

pessoais e interesses oligárquicos se sobrepunham às aspirações da sociedade”; ao que

completa Sarney: “... um tempo em que a política fazia com que os homens fossem

escravos da paixão e do ódio, (com) a ausência de uma visão maior da função do estado e

do exercício do poder. Essa era a trama que envolvia todos”.

Apostila de Historia do Maranhão - Klaus Roger B. da Cunha