Você está na página 1de 23

ABEP

V Encontro Nacional sobre Migração

CAMPINAS, OUT. 2007

TEMÁTICA:
Migração, urbanização, pendularidade e "novas territorialidades";

TÍTULO:
Urbanização, movimento pendular e migração: surgem novas
territorialidades em áreas peri-metropolitanas? O caso do Rio de
Janeiro

Rainer Randolph,
Prof. Titular, IPPUR / UFRJ, Pesquisador CNPq

Pedro Henrique O. Gomes,


bolsista no IPPUR, estudante de geografia na UFRJ

Trabalho submetido à apresentação oral

Rio de Janeiro, em agosto de 2007


1. URBANIZAÇÃO PERI-METROPOLITANA, CENTROS REGIONAIS
E MIGRAÇÕES
O objeto das nossas investigações nos últimos anos tem sido o recente
processo de expansão das metrópoles brasileiras, em especial do Rio de Janeiro,
para além de fronteiras que foram delimitadas e designadas como suas “regiões
metropolitanas”. Não pretendemos questionar, no presente trabalho, as formas
dessa regionalização de uma suposta área de influência dos municípios-núcleo e da
sua institucionalização (veja algumas reflexões sobre isto em RANDOLPH/GOMES
2007a). E mesmo a pergunta a respeito do caráter e da “novidade” - ou não – dessa
expansão metropolitana para fora das regiões metropolitanas, que chamamos de
áreas peri-metropolitanas, não será perseguida no presente trabalho.
Pretendemos, aqui, explorar duas direções do aprofundamento das investiga-
ções anteriores que surgiram quando tentamos entender se nessas áreas peri-
metropolitanas se repetem, meramente, ou mesmo se acirram a lógica e a dinâmica
metropolitana; ou se surge uma nova forma de urbanização que, até, pode colocar
“em cheque” aquela da própria metrópole (vide RANDOLPH 2005, 2007a , 2007b;
RANDOLPH/GOMES, 2007b; RANDOLPH/GOMES, 2007c; RANDOLPH/ARAUJO,
Jr. 2007, RANDOLPH/LOPES, 2006).
a) Primeiro, a questão da novidade ou não da urbanização em áreas peri-
metropolitanas precisa ser abordada a partir dos resultados da expansão
metropolitana (aspecto estrutural); e aí é necessário distinguir entre dois lados: (i) é
preciso qualificar melhor o resultado das transformações que ocorrem nessas áreas
para não cair no equívoco de tomar uma semelhança apenas aparente com formas
urbanas que se observa também dentro da metrópole por garantida (vide
RANDOLPH/LOPES, 2006 e 2007); (ii) uma “novidade possível” – não afirmamos
que já exista – provavelmente tem a ver com a particularidade da inserção dos
municípios peri-metropolitanos nos seus respectivos contextos regionais. Em outras
palavras, mesmo formas de ocupação semelhantes às da metrópole nos municípios
peri-metropolitanos podem ter um significado diferente por causa da posição
diferente da cidade como um “pólo” na hierarquia ou rede de cidades.
A investigação da articulação entre processos metropolitanos e mudanças em
pólos ou centros urbanos regionais não é, obviamente, inédita; apenas como exemplo,
lembremos do trabalho de Baeninger (1994) quando estuda o deslocamento, em
São Paulo na década de 1980, do crescimento populacional da metrópole aos pólos

2
regionais com uma certa distância da capital. Conforme aponta Baeninger (1998),
“as cidades pequenas e de porte médio passaram a construir uma importante fatia
do dinamismo regional com a mudança da direção e do sentido dos fluxos
migratórios”. Esse processo leva a “novas espacialidades” na medida em que é
capaz “tanto de absorver quanto de reter grande parte dos fluxos migratórios que,
anteriormente, se dirigiam às grandes concentrações metropolitanas” (BAENINGER,
1999).
Em que concerne ao estado de Minas Gerais,
o desenvolvimento dos pólos regionais cria novas alternativas locacionais
com impactos evidentes no dinamismo dos movimentos migratórios. Deve-
se ainda ressaltar que a desconcentração demográfica no estado também
conta com a capacidade de retenção e atração populacional, cada vez mais
significativa, dos pequenos municípios próximos a esses pólos regionais.
Nesse sentido, percebe-se que a emergência de “novas territorialidades”
predominantemente urbanas não faz diminuir a importância do nascimento
de um novo mundo rural (UMBELINO/SATHLER, 2005).
Essa tendência mantem-se na década de 1990 conforme mostram os
resultados publicados do Censo 2000 (IBGE, 2003). o que levou a um aumento da
participação das cidades médias no aumento populacional
(VASCONCELLOS/RANGEL, 2005) .
Para o estado do Rio de Janeiro no século XXI, pressupomos que se
encontrem entre os municípios peri-metropolitanos, ou mesmo aqueles que
pertencem à franja dessa área, alguns que podem ser considerados centros
regionais e apresentam na sua dinâmica algum grau de autonomia em relação à
metrópole. Neste nosso caso, diferentemente da realidade paulista estudada por
Baeninger, esse grau é certamente mais reduzido até por causa da menor distância
desta área em relação ao núcleo da região metropolitana (no máximo 150 km). Por
isto, Castello Branco chama esses municípios de “Subnúcleos do Entorno” (2006, 8)
Portanto – lógica e ao mesmo tempo paradoxalmente -, se queremos
identificar alguma nova forma de urbanização nessas áreas, precisamos comprovar
a hipótese de que o processo de expansão metropolitana em curso fortalece (e não
enfraquece) o grau de centralidade existente de uma parte dos municípios peri-
metropolitanos.

3
Vai ser preciso, então, no decorrer da nossa argumentação, mostrar que as
condições para essa hipótese são dadas; antes mesmo que se começa a discutir os
conteúdos da própria hipótese aqui apresentada.
b) Segundo, a expansão da metrópole e as transformações na sua área peri-
metropolitana estão vinculadas a diferentes formas complexas de mobilidade,
deslocamentos pendulares e migrações; eis o aspecto processual e dinâmico da
questão.
Em relação às migrações, pode-se afirmar, de uma maneira geral, que os
intensos fluxos migratórios verificados nas últimas décadas foram responsáveis por
processos de redistribuição espacial da população e da urbanização,
contribuindo para a recente importância da migração intra-estadual nos
distintos espaços regionais. Assistiu-se à concentração e desconcentração
metropolitana em curto espaço de tempo, com a diversificação dos fluxos
migratórios (Baeninger, 1998).
A autora introduz a distinção entre fluxos migratórios intrametropolitano e
intra-estadual que é importante para nossa discussão. Relacionando a escala
intrametropolitana com a intra-estadual chega-se aos seguintes resultados: no
Estado do Rio de Janeiro a migração intra-metropolitana foi responsável por quase a
metade de todas as migrações intra-estaduais; já em Pernambuco, São Paulo e Rio
Grande do Sul, essas migrações perdem importância: Em Pernambuco cai para
34,3%; em São Paulo para 23 % e chega no Rio Grande do Sul a apenas 19,5%
(Baeninger, 1998). Evidencia-se, portanto, uma intensa mobilidade intra-
metropolitana da população que se concretiza, geralmente, através de seu
deslocamento do núcleo da metrópole para áreas periféricas. Em relação a São
Paulo na década de 1980, identificou-se também um aumento dos movimentos
periferia-periferia.
As migrações circunscritas às dinâmicas interioranas foram responsáveis
por mais da metade dos movimentos intra-estaduais nos Estados do Pará,
Bahia, Minas Gerais e Paraná, demonstrando o recente fortalecimento
dessas áreas em termos econômicos e demográficos. Destaca-se que as
migrações no interior do Rio de Janeiro responderam por 19,0% do total da
migração do estado, indicando a consolidação dessa área (Baeninger,
1998).
A relação complexa entre movimento pendular e migração também já foi
objeto de estudos anteriores. Citando novamente como exemplo um estudo de

4
Baeninger (1996), a autora encontra na sua investigação uma relação entre
migração e movimento pendular de chefes de famílias. Os migrantes mais recentes
em áreas metropolitanas são mais propensos a realizar deslocamentos pendulares
do que aqueles habitantes que permanecem há mais tempo em um determinado
lugar. Aparentemente, no caso desses migrantes, a mudança de sua residência não
os aproximou ao seu lugar de estudo ou trabalho. Pode-se arriscar, talvez, a
hipótese que na decisão sobre o deslocamento da residência o local de trabalho
teve um papel subordinado; ou por causa de imposições externas (mercado
imobiliário, renda familiar etc.), ou por razões subjetivas da busca pela proximidade
ao consumo (shopping), lazer, “verde”, segurança, tranqüilidade etc. decorrentes de
valores de consumo e entretenimento.
Apesar de não poder trabalhar explicitamente a complexidade no presente
trabalho, vale destacar que no nosso caso seria necessário, a princípio, considerar
três diferentes tipos de deslocamentos. Além dos mencionados deslocamentos
permanentes (migração) e dos deslocamentos contínuos com freqüência diária
(comutação), o entendimento da realidade peri-metropolitana ia exigir uma terceira
modalidade: os deslocamentos periódicos com uma freqüência reduzida. Como há
uma crescente penetração nas áreas peri-metropolitanas por casas de fim de
semana, os movimentos pendulares com freqüência semanal ou mesmo semestral
tem uma grande importância para a determinação das atuais características da área
peri-metropolitana. São mais importantes ainda em relação ao potencial dessa área
de ser receptor de um repentino e qualificado deslocamento em maior escala
(migração) na medida em as condições materiais (e infra-estruturais) já são dadas
em grande medida através das segundas residências desse grupo.
Em outro lugar desenvolvemos essa idéia mais aprofundamente (RANDOLPH
2005).

2. EXPANSÃO METROPOLITANA E FORMAS DE DESLOCAMENTOS


– PERSPECTIVAS DE REFLEXÃO
A maior diferença da nossa investigação em relação àquelas brevemente
mencionadas no item anterior consiste no recorte ou na escala territorial o que, para
nos, introduz uma outra qualidade de questionamentos.
Nossa problemática aqui é fundamentalmente regional; buscamos entender a
expansão metropolitana através de uma investigação das áreas que tem ao menos

5
uma fronteira em comum com ela. Em tese devíamos dirigir nossa atenção para
processos que fortalecem os centros regionais em torno da metrópole. Mas, por falta
de dados adequados desistimos dessa empreitada.
Por isto o que interessa aqui são os fluxos que vão se uma região para outra
ou mesmo aquelas que constituem certas “regiões” em torno das cidades médias
encontradas no entorno da metrópole. Não cabe aqui entrar num debate acerca do
termo e conceito da região.
Conseqüentemente, nossa atenção está voltada para aqueles deslocamentos
da população que partem de dentro das regiões metropolitanas e tem como destino
outras “regiões” próximas, mas não metropolitanas. Há na literatura diferentes
autores que procuram caracterizar esse processo por meio de diferentes termos
como involução urbana ou metropolitana (SANTOS, 1996), urbanização extensiva
(Monte-Mor 1994), contra-urbanização (BERRY, 1976) e, mesmo, implosão/explosão
metropolitana (Lefebvre 1999) como marco da propagação de uma “sociedade
urbana”.
Pode-se identificar duas perspectivas distintas a respeito da interpretação
desses processos de expansão. Por um lado, há aqueles que admitem o processo
de um espraiamento para além das fronteiras metropolitanas e, inclusive, identificam
o advento de uma nova geografia de cobertura global baseada na valorização das
cidades à medida que assumem um crescente número de funções globais e no
conseqüente surgimento de novas centralidades no sistema das cidades mundial
(vide p. ex. Mattos 2001). Porém, esse processo não passa, conforme o mesmo
autor, de uma “metropolização expandida, na qual, progressivamente, vão ser
ocupadas às aldeias e áreas rurais que se encontram em seu caminho,
transbordando uma e outra vez seus limites anteriores.” Mattos como muitos outros
autores – vide para o caso do Rio de Janeiro particularmente Castello Branco (2006)
- não considera essas tendências como novas, mas
como uma culminação lógica e previsível de uma forma de urbanização
capitalista, que já se havia anunciado antes. E que, portanto, a partir
dessa perspectiva, o tipo de cidade que agora se está desenvolvendo
seria o resultado de um conjunto de mutações perfeitamente
compatíveis com a modalidade específica daquela urbanização cujas
origens seguramente deve se situar no momento em que se inicia a
revolução industrial (MATTOS, 2001).

6
Entretanto, existe uma forma diferente de interpretar os mesmos processos.
Aguilar (2002) chega a conclusões que contradizem essa visão de Mattos a partir do
estudo do desenvolvimento econômico e da estrutura territorial metropolitana da
Cidade de México. Para Aguilar, os estudos sobre o papel das grandes cidades
dentro da economia global negligenciam o desenvolvimento das periferias
metropolitanas e, por causa disto, não conseguem identificar que a expansão
metropolitana está adquirindo uma forma diferente àquela do passado recente.
Em anos mais recentes, podemos apreciar que na medida em que
diminuiu o crescimento da grande metrópole, continuou um importante
crescimento das cidades intermediárias próximas à primeira, com o qual
tem se aumentado uma marcada concentração de atividades produtivas
e de população urbana em uma ´região central´ que contém a maior
cidade do país, mas cobre um território muito mais amplo (AGUILAR,
2002).
Acrescenta ainda que
as expandidas e cada vez mais difusas periferias metropolitanas ao
redor dessas grandes cidades tornaram-se sumamente importantes para
entender a natureza em mudança das mega-cidades; .... Em termos
territoriais, a mega-cidade apresenta na atualidade uma expansão mais
policêntrica através de centros e sub-centros urbanos que seguem um
padrão de rede que tende a ampliar-se ao longo das principais rodo e
ferrovias que saem em forma radial do centro da grande cidade”
(AGUILAR, 2002).
Como já anunciado antes, a perspectiva do nosso trabalho corresponde a de
Aguilar. Na medida em que não descartamos, como o citado autor, a presença de
uma nova dinâmica urbana nessas periferias fora das regiões metropolitanas,
parece-nos justificado designá-las com um nome próprio que tanto expresse sua
distinção em relação à metrópole e sua área de influência, como faça alusão que
essa realidade não possa ser entendida sem a presença da metrópole. Parecia,
então, a qualificação de “peri-metropolitana” bastante adequada para a designação
de um conjunto de municípios limítrofes às regiões metropolitanas dessas áreas
(vide RANDOLPH 2005). Na literatura, esse termo surgiu ao menos desde o início
da década de 1990 (HART 1991) em investigações fundamentalmente na Austrália
que diziam respeito às metrópoles daquele país (vide, por exemplo, MURPHY,
BURNLEY 1993; BURNLEY, MURPHY 2002). No presente ensaio, não cabe
aprofundar essa discussão (vide, por exemplo RANDOLPH/GOMES, 2007a).

7
Os fenômenos e processos – migração e movimento pendular - sob
investigação precisam ser compreendidos nos seus contextos históricos. Uma breve
contextualização histórica torna-se indispensável quando se segue a argumentação
de Singer (1980; apud OLIVEIRA, 2006):
Como qualquer outro fenômeno social de grande significado na vida das
nações, as migrações internas são sempre historicamente condicionadas,
sendo o resultado de um processo global de mudança, do qual elas não
devem ser separadas. Encontrar, portanto, os limites da configuração
histórica que dão sentido a um determinado fluxo migratório é o primeiro
passo para o seu estudo.

Em recente trabalho, Oliveira (2006) dedicou-se à tarefa de situar


historicamente as diferentes expressões e significados das migrações no Brasil em
cinco etapas: o período dos ciclos econômicos do país (desde a chegada dos
colonizadores até a metade do século XIX); quando da introdução da mão-de-obra
assalariada (da metade do século XIX até aos anos 30 do século XX); da integração
do mercado nacional (dos anos 1930 aos anos 1950); do desenvolvimentismo (dos
anos 1950 aos 1970) e da pós-modernidade (a partir dos anos 1980).
Para os fins do nosso trabalho, é a passagem mais recente do
desenvolvimentismo para a fase “pós-moderna” que tem maior interesse. Com
relação a esse último período o autor constata o seguinte:
A explicação do fenômeno, desde da década de 80, vem circulando em
torno da desconcentração industrial/populacional, reestruturação produtiva,
redução nos volumes dos fluxos migratórios, baixa atratividade das
metrópoles nacionais, mudança no mundo do trabalho, etc. Argumentações
que ora se sustentam, ora se confirmam em parte ou são desprovidas de
sustentabilidade. O desafio que se coloca é não só entender que se vive
numa sociedade distinta da de duas décadas atrás, mas como introduzir
nas análises as mudanças provocadas por esse fenômeno. (OLIVEIRA,
2006, p. 16)

Esse desafio, talvez, possa ser explicitado quando percebemos essa última
passagem como aquela que, tendencialmente, está a caminho de superar tanto as
determinações intrínsecas à sociedade industrial do desenvolvimentismo, como a
sociedade de consumo que foi se constituindo para uma pequena, mas poderosa
minoria no Brasil a partir dos anos 1950. Se na sociedade industrial (caracterizada
por assalariamento e integração nacional de mercados – inclusive o de trabalho) os

8
deslocamentos populacionais são em boa parte determinados pelas relações de
produção, na sociedade de consumo é a reprodução que assume o papel de orientar
os fluxos migratórios e movimentos pendulares. A residência daqueles que fazem
parte dessa sociedade – uma pequena, mas hegemônica parcela da população –
não está mais escolhido por razões vinculados ao mundo do trabalho; mas ao
mundo do consumo (lazer, entretenimento, tranqüilidade, segurança etc.).
A fase pós-moderna, nos preferimos chamar esse período mais recente de
transição para a sociedade urbana (LEFBEVRE, 1999), caracteriza-se pela
superação das dicotomias constituintes das fases anteriores. As migrações e os
movimentos pendulares deixam ter vínculo estreito tanto com o mundo do trabalho
como com o mundo do consumo; as oposições entre produção e reprodução,
trabalho e lazer, cotidiano e festa etc. vão ser superadas e reformatados na
sociedade urbana. Sem poder prever, hoje, as formas de mobilidade e migração que
vão ser características para essa sociedade, parece-nos plausível que as distinções
entre deslocamentos permanentes, deslocamentos contínuos (diários),
deslocamentos periódicos com uma certa freqüência e deslocamentos esporádicos
vão ser qualitativamente transformadas.
Por isto acreditamos será necessário, desde já, voltar nossa atenção a formas
de deslocamentos – como as acima mencionados periódicos semanais ou
semestrais – que possam anunciar as formas de movimentos de amanhã. É claro, e
logo isto vai ficar patente no nosso próprio ensaio, que as informações das quais
dispomos limitam a investigação dessas formas. Mesmo assim, acreditamos ser
importante, ter em mente que devemos estar preparados amanha para lidar com
esse aumento da complexidade dos fenômenos e processos..

4. MOVIMENTO PENDULAR – PERSPECTIVAS DE SUA ANÁLISE


Nos fenômenos por nos investigados há uma forma de “movimento pendular”
que tem uma significativa importância para a compreensão da urbanização e de sua
especificidade que ocorre em uma grande parte dos municípios que fazem parte da
área peri-metropolitana do Rio de Janeiro. Trata-se de um movimento periódico, mas
não contínuo (diário) que pode anunciar, como acabamos de mencionar, uma nova
“sociedade urbana”. Estamos falando do movimento no fim de semana e nas férias

9
que leva milhares de cariocas para as praias e montanhas ao redor da região
metropolitana.
Observa-se como essa forma de deslocamento se transforma ou num
deslocamento permanente com a mudança da residência das pessoas para suas
segundas residências ou deslocamento mais contínuo onde essa mudança não traz
consigo também o deslocamento do lugar de trabalho. Por isto começamos a
estudar tanto as migrações para lugares dentro dessa área peri-metropolitana como
os deslocamentos pendulares que podem, ambos, sem muita precisão, dar uma
idéia se aquele processo de “urbanização pós-modera” ou da transição para a
sociedade urbana já pode estar em curso.
Certamente, os dados apenas vão permitir ter uma aproximação muito
precária a esses novos fenômenos; mas, acreditamos que vale a pena mesmo
assim. Por isto vamos, no presente item, “revisitar” brevemente o conceito do
movimento pendular.
Nas palavras de Moura, Castello Branco e Firkowsi (2005),
As informações sobre deslocamentos domicílio-trabalho/estudo constituem
importante referencial para a análise dos processos de metropolização e
expansão urbana. Na atualidade, verifica-se que esses deslocamentos
ocorrem entre distâncias cada vez maiores entre a origem e o destino,
revelando o avanço do processo de ocupação do espaço das aglomerações
urbanas. As centralidades dessas áreas tornam-se nítidas e permitem a
identificação de processos seletivos de uso e apropriação do espaço, com
segmentação dos locais de moradia e de trabalho.

Na tradição da Geografia Urbana esses movimentos pendulares fornecem o


fundamento para a identificação de áreas de influência ou regiões funcionais. Essas
áreas seriam, então de mercado de trabalho, econômicas e metropolitanas.
Pegando o exemplo da Região Metropolitana do Rio de Janeiro e observando os
municípios que formas sua periferia, confirma-se na seguinte TABELA 1 essa
perspectiva a partir de um relativo elevado fluxo daqueles que trabalham e estudam
fora do município onde residem.

10
TABELA 1
População Residente

Deslocamento para trabalho e estudo


Região Metropolitana
e municípios de residência Total Trabalhavam ou estudavam Trabalhavam ou estudavam
Trabalhavam ou Relação
no município de residência em outro município da UF
estudavam (A) (C/A) %
(B) (C)

Região Metropolitana 10 710 109 6 789 290 5 979 468 797 039 11.74
Rio de Janeiro 5 857 738 3 779 550 3 736 228 36 275 0.96
Belford Roxo 434 394 261 823 178 535 82 917 31.67
Duque de Caxias 775 406 471 939 372 585 98 686 20.91

Guapimirim 37 952 23 558 18 924 4 622 19.62

Itaboraí 187 479 115 801 87 676 27 931 24.12

Japeri 83 278 49 772 34 052 15 665 31.47

Magé 205 824 122 905 97 558 25 154 20.47

Nilópolis 153 700 95 763 63 406 32 025 33.44

Niterói 459 430 310 408 248 666 60 917 19.62

Nova Iguaçu 920 572 563 598 424 831 137 415 24.38

Paracambi 40 474 23 934 20 712 3 170 13.24

Queimados 121 993 73 056 53 076 19 710 26.98

São Gonçalo 891 108 564 508 415 140 148 719 26.34

São João de Meriti 449 463 276 416 182 531 93 256 33.74

Seropédica 65 242 40 327 33 275 6 931 17.19

Tanguá 26 056 15 932 12 273 3 646 22.88

Núcleo Metropolitano 5 857 738 3 779 550 3 736 228 36 275 0.96
Periferia
4 852 371 3 009 740 2 243 240 760 764 0.25
Metropolitana
Média dos 25% mais 32.58
Média total 22.94
Média dos 25 % menos 12.75

Com exceção do núcleo metropolitano, é claro, todos os demais municípios


da região metropolitana apresentam um índice em torno dos 20 a 30 % de
deslocamentos para fora do município (com exceção de Paracambi e, mais próximo
aos 20%, de Seropédica).
O conceito de “migração pendular” é antigo na Geografia. Aparece nas
análises de Beaujeu-Garnier (1980) e Derruau (s/d), dentre outros clássicos
da Geografia Humana, com ênfase em Geografia da População. Contudo, a
perspectiva de análise do geógrafo difere da do demógrafo, particularmente
em razão da natureza da preocupação da Geografia com a espacialização
dos fenômenos.

11
Entre os estudos clássicos, observa-se uma certa compreensão de que os
movimentos migratórios variam quanto à duração e à escala de
abrangência, e que aqueles de caráter cotidiano devem ser compreendidos
no contexto em que se inserem, predominantemente urbano. (MOURA,
CASTELLO BRANCO e FIRKOWSKI (2005),

Há autores para os quais nem todos os deslocamentos temporários


constituem fenômenos demográficos. Outros, por outro lado, analisam o fenômeno
dos movimentos diários no interior da discussão sobre migrações para o trabalho na
qual as migrações de temporada são destacadas. Entre os autores citados por
Moura, Castello Branco e Firkowsi (2005) não há nenuma denominação única a
essa ordem de deslocamento. Ora se referem à “migração” ora ao “deslocamento”
pendular.
Mas, conforme as autoras (2005), é importante entender que a “natureza dos
deslocamentos pendulares difere substancialmente da compreendida pelos
movimentos migratórios, embora ambos impliquem fluxos de pessoas no território.”
Excluem-se da migração os movimentos daqueles que não se estabelecem
permanentemente no local de residência.
Assim, enquanto a migração envolve mudança de residência, os
deslocamentos pendulares caracterizam-se por deslocamentos entre o
município de residência e outros municípios, com finalidade específica –
nesta pesquisa, com base nas informações da amostra do Censo
Demográfico 2000, foram consideradas as finalidades de trabalho e estudo.
Além do Censo, algumas pesquisas do tipo origem/destino – OD,
particularmente as realizadas para análise e planejamento do setor de
transporte urbano, fazem levantamentos dessa condição de mobilidade.
No entanto, esse tipo de deslocamento da população mantém estreita
vinculação com os movimentos migratórios intrametropolitanos e inter-
metropolitanos (ou internos às aglomerações urbanas, sejam estas
metropolitanas ou não), como demonstram estudos sobre o tema,
apontados no item subseqüente. Com a expansão física dessas
aglomerações, as distâncias entre residência e local de trabalho/estudo
aumentam, inviabilizando ou encarecendo esse tipo de deslocamento, e
implicando – em muitos casos – a migração propriamente dita. (MOURA,
CASTELLO BRANCO e FIRKOWSKI (2005),

12
5. CARACTERÍSTICAS DOS MUNICÍPIOS PERI-METROPOLITANOS:
DESLOCAMENTO PENDULAR E MIGRAÇÕES
a) Deslocamentos pendulares e indícios de regionalizações na área peri-
metropolitana e sua franja

Os dados na TABELA 2 em relação aos deslocamentos para estudo e tra-


TABELA 2
População residente
Deslocamento para trabalho e estudo
Área Peri-Metropolitana
e municípios de residência Total Trabalhavam ou Trabalhavam ou estudavam
Trabalhavam ou Relação
estudavam no município em outro município da UF
estudavam (A) (C/A) %
de residência (B) (C)

Área Peri-Metropolitana 809 451 526 575 489 439 35 987 6.83

Cachoeiras de Macacu 48 543 31 478 28 713 2 727 8.66

Engenheiro Paulo de Frontin 12 164 7 662 6 554 1 084 14.15

Itaguaí 82 003 51 716 44 580 7 097 13.72

Maricá 76 727 48 526 40 922 7 486 15.43

Mendes 17 278 10 876 9 271 1 506 13.85

Miguel Pereira 23 902 15 674 13 899 1 732 11.05

Petrópolis 286 527 187 732 181 769 5 612 2.99

Piraí 22 118 14 067 12 741 1 225 8.71

Rio Bonito 49 671 32 158 29 644 2 399 7.46

Saquarema 52 450 33 455 31 305 2 102 6.28

Teresópolis 138 068 93 231 90 041 3 017 3.24

Média dos 25% mais 14.47

Média total 9.59

Média dos 25 % menos 4.17

balho em outro município mostram índices bastante variados. Há aqueles municípios


onde chagam perto dos 15 pontos o que deve indicar uma vínculo bastante forte
com a região metropolitana. Há outras numa faixa em torno 6 a 9 % que devem
estar se relacionando com outro município da própria área peri-metropolitana. E tem-
se dois “centros regionais” (Petrópolis e Teresópolis) com índices baixos que
provavelmente recebem mais pessoas que alí vem para estudar ou trabalhar do que
saiam do município para estudo ou trabalho. Seriam esses os centro regionais que,
talvez, podem ser protagonistas de uma reversão das relações metrópole – periferia.
Tendencialmente, portanto pode-se distinguir uma parte dos municípios com
laços mais fortes com a metrópole cuja potencialidade de intermediação regional

13
parece estar encerrada neles mesmos. A compreensão da importância dos outros
municípios necessita uma ampliação do universo de pesquisa para municípios
vizinhos daqueles que constituem a área peri-metropolitana – a uma “franja peri-
metropolitana” como apresentado na TABELA 3.
TABELA 3
População residente
Deslocamento para trabalho e estudo
Franja Peri-Metropolitana e
Trabalhavam ou
municípios de residência Trabalhavam ou
Total Trabalhavam ou estudavam no Relação
estudavam em outro
estudavam (A) município de (C/A) %
município da UF (C)
residência (B)

Franja Peri-Metropolitana 1 482 759 950 854 866 355 79 110 8.32

Angra dos Reis 119 247 74 823 72 856 1 787 2.39

Araruama 82 798 51 747 48 868 2 848 5.50

Areal 9 899 6 559 5 800 732 11.16

Barra do Piraí 88 504 55 627 47 446 7 934 14.26

Barra Mansa 170 683 107 550 90 249 16 613 15.45

Cabo Frio 126 780 82 163 74 149 7 938 9.66

Casimiro de Abreu 22 130 15 329 13 607 1 694 11.05

Comendador Levy Gasparian 7 924 4 976 3 737 1 090 21.91

Iguaba Grande 15 089 9 329 8 302 991 10.62

Mangaratiba 24 888 16 354 14 958 1 385 8.47

Nova Friburgo 173 399 119 463 117 159 2 011 1.68

Paraíba do Sul 37 409 23 016 20 330 2 484 10.79

Paty do Alferes 24 932 15 875 14 234 1 604 10.10

Pinheiral 19 481 12 099 8 831 3 182 26.30

Quatis 10 725 6 940 5 550 1 357 19.55

Rio Claro 16 228 10 124 8 958 1 055 10.42

São José do Vale do Rio Preto 19 277 12 273 11 545 728 5.93

São Pedro da Aldeia 63 209 40 896 33 378 7 482 18.30

Sapucaia 17 150 10 440 8 843 737 7.06

Silva Jardim 21 265 13 557 12 309 1 241 9.15

Três Rios 71 964 45 717 42 264 2 806 6.14

Valença 66 293 42 382 39 500 2 429 5.73

Vassouras 31 443 20 688 19 367 1 293 6.25

Volta Redonda 242 042 152 927 144 115 7 689 5.03

Média dos 25% mais 19.29

Média Total 10.54

Média dos 25% menos 4.38

14
Na TABELA 3 encontram-se os 16 municípios nomeados com os respectivos
dados sobre a mobilidade pendular da sua população. Uma primeira análise indica
que dois dos 16 municípios mostram altas taxas de movimento pendular por serem
vizinhos ao pólo siderúrgico-metal-mecânico importante do Médio Vale do Paraíba
do Sul (Volta Redonda e Barra Mansa); por isto, nos não os consideramos
pertencentes à franja peri-metropolitana do Rio de Janeiro.
Três municípios apresentam taxas muito baixas – pouco acima de 1 % - o que
pode significar uma relativa autonomia de seu mercado de trabalho e sistema
educacional. Essa conclusão deve, pelo menos, ser válida para Angra dos Reis e
Nova Friburgo que, neste sentido e aspecto, também se encontram fora de uma
influência mais significativa da metrópole.
Os outros municípios com taxas relativamente mais elevadas – entre 6 e 8 %
- estão vinculados a outros municípios que fazem parte da área peri-metropolitana
(Areal, Paraíba do Sul e Paty de Alferes) e a Angra dos Reis ou, de novo, ao centro
industrial do Médio Rio do Paraíba do Sul (Piraí e Rio Claro) que não mantém
vínculo mais forte com a região metropolitana.
Em termos da regionalização da área peri-metropolitana – observando aqui
com a mobilidade pendular apenas um dos critérios possíveis –, podemos constatar
que essa sua franja (sem consideração de Barra do Piraí e Pinheiral) apresenta uma
média relativamente baixa de aproximadamente 5 % da população trabalhando e
estudando fora do seu município em relação à média do grupo de municípios que
faz parte da Área Peri-Metropolitana.
Interessante ainda é uma comparação da heterogeneidade em cada grupo:
na “franja” os valores oscilam entre 1,34% e 7,66%; na área peri-metropolitana entre
2,08% e 9,92% o que mostra que os fluxos do segundo grupo são tendencialmente
maiores do que o primeiro.
Em síntese, sem puder concluir nada em relação ao surgimento de uma nova
regionalização que envolve tanto as metrópoles como seu entorno mais ou menos
imediato, temos indícios que os municípios que integram a Área Peri-Metropolitana
se caracterizam por um fluxo de trabalhadores e estudantes relativamente maiores
do que aqueles que são mais distantes ainda; que, por sua vez, estão vinculados a
determinados daquelas cidades peri-metropolitanas.

15
Neste sentido, a Área Peri-Metropolitana pode exercer uma função de
mediação entre a metrópole e regiões mais distantes e reforçar sua posição nessa
cadeia de influências. Defendemos aqui a hipótese de que essa mediação não
corresponde mais aquela tradicional das cidades médias dentro de uma hierarquia
urbana. Mas, a comprovação dessa hipótese, certamente vai exigir investigações
mais qualitativos como estamos realizando em alguns “pontos” (municípios) em
torno da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Pois, apesar do inquestionável
mérito das pesquisas empíricas e estatísticas a respeito das transformações das
metrópoles contemporâneas – como aquela que acabamos de realizar aqui -, seu
valor parece limitado quando se encara o processo de mudança em toda sua
profundidade.
Dentro desse quadro geral das transformações que observamos aqui nos
últimos 20 a 25 anos, para avançar no entendimento dos processos, é necessário
empreender pesquisas estatísticas mais sofisticadas como aquelas como, no caso
do Rio de Janeiro, as de Castello Branco (2006) para identificar outras
características dessa rica rede de articulações em torno da metrópole do Rio de
Janeiro.
É essa potencialidade de uma certa “flexibilidade da função” - sob constância
da forma - que nos leva a chamar atenção, no final do nosso pequeno ensaio, para o
fato de que cada investigação pressupõe um certo posicionamento – muitas vezes
implícito – com relação ao seu “objeto” ou aquilo que compreende como sua
“realidade”. A problemática apresentada nesse pequeno ensaio só vai poder ser
investigada adequadamente, ao nosso ver, se a “realidade” estudada for
compreendida a partir do conceito de Lefebvre que atribui ao real uma virtualidade
própria e propõe identificar, nela mesma, seu potencial futuro – possibilidades que
se podem (ou não) tornar real (LEFEBVRE 1999, p. 16).

b) Deslocamentos permanentes e taxas de crescimentos populacional

A análise dos deslocamentos pendulares precisa ser complementada por uma


análise daqueles deslocamentos que são permanentes (migrações). Não vai ser
ainda no presente trabalho que vamos poder relacionar e articular os resultados
dessas duas análises. Mas, acreditamos que a apresentação dos índices de
migração e de crescimento populacional dos municípios peri-metropolitanos pode
contribuir para uma melhor caracterização do universo da nossa pesquisa.

16
Já observamos anteriormente que desde a década de 1980 o crescimento
populacional se desloca dos núcleos metropolitanos para os municípios localizados
na sua periferia. Essa afirmação pode ser verificada em relação ao Ro de Janeiro e
sua área metropolitana também para a década de 1990 como mostra a seguinte
TABELA 4.
TABELA 4
Regiões de Governo Taxa média Taxa líquida de Taxa de crescimento
e municípios geométrica de migração (%) vegetativo (%)
crescimento anual (%)
Estado 1,30 0,19 1,11
Região Metropolitana 1,12 0,06 1,06
Nilópolis -0,31 -1,41 1,10
São João de Meriti 0,60 -0,85 1,46
Niterói 0,58 -0,27 0,85
Rio de Janeiro 0,74 -0,13 0,87
Duque de Caxias 1,67 0,12 1,56
Paracambi 1,18 0,13 1,05
Tanguá 1,27 0,13 1,15
São Gonçalo 1,49 0,28 1,21
Nova Iguaçu 1,97 0,57 1,40
Belford Roxo 2,09 0,65 1,44
Japeri 2,67 0,77 1,90
Queimados 2,37 0,85 1,51
Magé 2,57 1,01 1,56
Itaboraí 3,34 1,74 1,60
Seropédica 2,48 1,74 0,73
Guapimirim 3,44 1,80 1,64
Fonte: Fundação Centro de Informações e Dados do Rio de Janeiro - CIDE.

Uma análise do comportamento dos municípios integrantes da Região


Metropolitana na TABELA 4 mostra que há aqueles cujo saldo migratório durante a
década de 90 do século passado é negativo – apesar de ainda apresentar um
pequeno crescimento anual (menos do que 1%); e aqueles cujo crescimento
populacional ainda supera 2% ao ano. Esses municípios, com exceção de Japeri e
Queimados, apresentam também taxas líquidas de migração acima de 1% ao ano e
configuram claramente uma segunda periferia dentro da periferia metropolitana.
Comparando esses dados com aqueles de municípios que pertencem tanto a
área peri-metropolitana como sua franja – vide TABELA 5 na página seguinte -,
observa-se, em relação aos números da Região Metropolitana e, particularmente, do
município do Rio de Janeiro, que há taxas relativamente altas de crescimento nas
duas regiões costeiras, em particular em alguns municípios da Região dos Lagos. A

17
Região Serrana na sua totalidade tem um desempenho pior do que a Região
Metropolitana, mas alguns municípios mostram taxas de crescimento e
deslocamento moderadas acima da média estadual.
TABELA 5
Taxa de
Regiões de Governo Taxa média Taxa líquida de
crescimento
e municípios geométrica de migração (%) vegetativo (%)
crescimento anual (%)
Estado 1,30 0,19 1,11
Região Metropolitana 1,12 0,06 1,06
Rio de Janeiro 0,74 -0,13 0,87
Região Serrana* 1,01 -0,13 1,14
Petrópolis 1,28 0,21 1,08
São José do Vale do Rio Preto 2,47 0,97 1,50
Teresópolis 1,51 0,09 1,42
Nova Friburgo 0,41 -0,61 1,02
Sumidouro 0,99 -0,17 1,15
Região das Baixadas Litorâneas 4,31 2,83 1,48
Araruama 3,83 2,23 1,61
Cachoeiras de Macacu 2,12 1,04 1,07
Maricá 5,71 4,49 1,22
Rio Bonito 1,07 -0,32 1,39
Saquarema 3,68 2,47 1,21
Silva Jardim 1,78 0,34 1,44
Região Centro-Sul Fluminense 1,19 0,04 1,14
Areal 2,08 0,43 1,65
Mendes 0,45 -0,40 0,85
Miguel Pereira 2,32 1,32 1,00
Engenheiro Paulo de Frontin 0,09 -0,69 0,78
Paraíba do Sul 1,09 0,06 1,03
Paty do Alferes 1,87 0,44 1,43
Pinheiral
Piraí
Rio Claro
Três Rios 0,97 -0,37 1,35
Vassouras 1,04 -0,17 1,21
Região da Costa Verde 3,47 1,48 1,99
Angra dos Reis 3,76 1,85 1,91
Itaguaí 3,40 0,99 2,41
Mangaratiba 3,72 2,35 1,37
Fonte: Fundação Centro de Informações e Dados do Rio de Janeiro - CIDE.

Nota-se, assim e ainda sem muito aprofundamento, os movimentos da


população carioca e fluminense na década de 1990 (e aqueles que vieram de fora
do estado), parece que o crescimento populacional – como uma primeira e precária
aproximação ao processo de urbanização – aponta para um novo padrão territorial

18
da ocupação urbana; há um deslocamento para áreas urbanas periféricas, tanto no
interior, como – e mais acentuadamente – na franja da Região Metropolitana.

6. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES FINAIS

Lembramos que nosso ponto de partida foi o questionamento relativo a novas


formas de mobilidades e suas possíveis conseqüências para o futuro das metrópoles
no Brasil e no mundo tendo em conta que já hoje se observa sua expansão para
áreas que ultrapassam as tradicionais fronteiras das regiões metropolitanas. Não foi
a nossa intenção de encontrar e desvendar esses processos em sua concretude;
mas, desenhar um quadro mais geral no qual esse processo está se escrevendo
desde seu começo.
Os fenômenos encontrados na nossa própria investigação e em pesquisas
acerca dessa temática são apenas fracos indícios de uma realidade profundamente
alterada por uma nova qualidade da mobilidade que vem se anunciando na medida
em que a sociedade de consumo no Brasil (que abrange apenas uma parte da
população do país) vai se transformando numa sociedade urbana (pós-moderna).
A análise dos deslocamentos pendulares para além das fronteiras
metropolitanas parece um caminho promissor para avançar na compreensão destes
fenômenos com mostra um mapeamento apresentado por Castello Branco (2005) .
Na análise dos mesmos fluxos de movimentos pendulares por nos investigados,
essa pesquisadora identificou uma rica rede de articulações em torno da metrópole
do Rio de Janeiro como pode ser vislumbrado na seguinte FIGURA 1.
Essas pesquisas estatísticas precisam ser complementadas e balizadas, por
outro lado, por investigações de determinados aspectos das mudanças que são
considerados relevantes e pertencentes para caracterizar qualitativamente as
transformações que apenas estão se anunciando nas áreas peri-metropolitanas. Um
destes aspectos – parcial, mas que pode ilustrar a questão da continuidade ou
ruptura – é a investigação das próprias formas que as ocupações urbanas estão
assumindo nessas áreas peri-metropolitanas.

19
FIGURA 1 - Espaço Urbano do Rio de Janeiro – Fluxos de Movimento Pendular excluindo a
Metrópole do Rio de Janeiro; Fonte: Castello Branco, 2006: 8

A temática dos condomínios fechados, por exemplo, parece-nos oferecer uma


oportunidade para realizar estudos comparativos entre a proliferação dessa
modalidade de habitação (produto imobiliário) dentro do núcleo e mesmo periferia do
Rio de Janeiro e sua difusão nas áreas semi-rurais ou peri-urbanas nos municípios
do entorno da metrópole (vide, por exemplo, RANDOLPH/LOPES 2006). Uma outra
questão que está presente em uma boa parte dos municípios peri-metropolitanos do
Rio de Janeiro é a da segunda residência e do turismo de fim de semanas. Trata-se
aqui de formas intermitentes de ocupação de residências fora da metrópole que
podem facilmente ser transformada em permanentes; em outras palavras, onde
pode haver uma rápida mudança entre diferentes formas de deslocamentos –
inclusive podem surgir formas até então desconhecidos. As nossas pesquisas
precisam estar, senão preparadas, ao menos alertas para essa possibilidade.

BIBLIOGRAFIA

AGUILAR, A. G. (2002) Las mega-ciudades y las periferias expandidas.


EURE, vol. 28, número 85
BAENINGER, R. (1994). Homogeneização de tendências populacionais em
São Paulo: o papel dos pólos regionais no processo de urbanização e de

20
redistribuição espacial da população. In: Anais do IX Encontro de Estudos
Populacionais Caxambu, 1994, v.1, p.473-0.
BAENINGER, R. (1998). A nova configuração urbana no Brasil:
desaceleração metropolitana e redistribuição da população. In: Anais do XV
Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambu - MG.
BAENINGER, Rosana. Deslocamentos Populacionais, Urbanização e
Regionalização. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE MIGRAÇÃO, 1, 1998. Curitiba.
Anais... Curitiba: ABEP, 1998.
BAENINGER, Rosana. Migrações Internas no Brasil: Municípios
Metropolitanos e Não-metropolitanos. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE
MIGRAÇÃO, 2, 1999. Curitiba. Anais... Curitiba: ABEP, 1999.
BERRY B. (1976). The Counterurbanization Process: Urban America Since
1970. In: B. Berry (ed.). Urbanization and Couter-Urbanizartion, Beverly Hills,
London, Sage Publications, vol. 11, Urban affairs annual review, pp. 17-30.
BURNLEY, I. H, MURPHY, P.A.,(2002) The population turnaround in New
South Wales. Jornal of Population Research, 2002
CASTELLO BRANCO, M.L. (2006) A dinâmica metropolitana, movimento
pendular e forma urbana: o espaço urbano do Rio de Janeiro. In: Anais do XV
Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambu- MG –
Brasil, de 18 a 22 de Setembro
HART, J. F. (1991) The perimetropolitan bow wave. Geographical Review,
Vol. 81, No. 1 (Jan.) 1991, pp. 35-51
IBGE (2003). Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE.
LEFEBVRE, H. (1999) A revolução urbana. Belo Horizonte, Editora da UFMG
MATTOS, C.A. d. (2001) Metropolización y suburbanización. EURE, vol. 27,
número 80, pp. 5-8.
MONTE-MOR, R. L. (1994) Urbanização extensiva e lógicas de povoamento.
In: SANTOS, M. et alii (Orgs.) Território: globalização e fragmentação. São Paulo,
HUTCITEC, pp. 169-181.
MOURA, R., CASTELLO BRANCO, M. L. G., FIRKOWSKI , O. L. C. F. (2005)
Movimento pendular e perspectivas de pesquisa em aglomerados urbanos. In: SÃO
PAULO EM PERSPECTIVA, v. 19, n. 4, p. 121-133, out./dez.

21
MURPHY, P.A., BURNLEY, I. H. (1993) Socio-demographic structure of
Sydney's perimetropolitan region. Jornal Aust. Popul. Association, Nov. 1993, no.10
(2):127-44.
OLIVEIRA, A. T. R. (2006) Dos movimentos populacionais à penduralidade:
Uma revisão do fenômeno migratório no Brasil. Trabalho apresentado no XV
Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambú- MG –
Brasil, de 18 - 22 de Setembro.
RANDOLPH, R. (2005) Utopia burguesa ou revolução urbana? -
Transformações da organização territorial e novas formas urbanas em áreas peri-
metropolitanas do Rio de Janeiro. In: Anais do XI Encontro Nacional da ANPUR,
Salvador, Bahia: ANPUR
RANDOLPH, R. (2007a). Distribuição espacial do crescimento populacional
dentro e fora da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Revista de Economia
Fluminense, Rio de Janeiro, no. 6.
RANDOLPH, R. (2007b) Valores, práticas sociais e espaço: Henri Lefebvre e
o advento da sociedade urbana. Rio de Janeiro: IPPUR / UFRJ, mimeo
RANDOLPH, R. e ARAUJO JR, A. C. (2007). Segunda Residência e
Urbanização: Investigação e Reflexão sobre o Caso do Município de Petrópolis / RJ.
Rio de Janeiro: IPPUR / UFRJ, mimeo
RANDOLPH, R., GOMES, P.H.O. (2007a) Expansão da metrópole e áreas
peri-metropolitanas: continuidade ou ruptura? O contexto de uma investigação do
entorno do Rio de Janeiro. In: Anais do XII Encontro Nacional da ANPUR, Belém:
ANPUR
RANDOLPH, R., GOMES, P.H.O. (2007b). Mobilidade e Expansão da
Metrópole para Áreas Peri-Metropolitanas - Investigando o Caso do Rio de Janeiro
no Contexto Brasileiro. Rio de Janeiro: Cadernos de Metrópoles, no. 17, no prelo.
RANDOLPH, R., GOMES, P.H.O. (2007c). Difusas Periferias Metropolitanas e
o Surgimento de Novas regionalizações. O caso da área peri-metropolitana do Rio
de Janeiro. Trabalho apresentado no V Encontro da ANPEGE, Niterói: ANPEGE
RANDOLPH, R., LOPES, L. (2006) Urbanização fechada em áreas
metropolitana e peri-metropolitana: comparação da segregação sócio-espacial entre
condomínios fechados dentro e fora da região metropolitana do Rio de Janeiro. In:
Anais do 30º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu/MG, 24 a 28 de outubro de
2006.

22
RANDOLPH, R., LOPES, L. (2007) New urban formas in peri-metropolitan
areas? A comparision of the ocupatios by gated communities inside and outside of
the metropolitan area of Rio de Janeiro. Anais do Seminar on Urban Form da ISUF.
Ouro Preto: ISUF, aug
SANTOS, M. (1996) A urbanização brasileira. São Paulo, HUCITEC
UMBELINO, G., SATHLER, D. (2005) Desconcentração demográfica mineira:
migração, crescimento populacional e “novas territorialidades”. Trabalho
apresentado no IV Encontro Nacional sobre Migrações. Rio de Janeiro, 15-18. nov.
VASCONCELLOS, I. R. P., RANGEL, I. R. (2005) Migrações entre os
municípios brasileiros, a partir das informações dos censos demográficos de 1991 e
2000. Trabalho apresentado no 4. Seminário sobre Migrações. Rio de Janeiro: ABEP

23