Você está na página 1de 22

Valores, Práticas Sociais e Espaço: Henri Lefebvre e o Advento da

Sociedade Urbana
Rainer Randolph –
Prof. Titular no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional,
IPPUR / UFRJ

RESUMO:

Nosso pequeno ensaio procura apresentar argumentos, por meio do exercício da


refletividade acerca da produção (social) do espaço social, que podem demonstrar que e
como mesmo as classes e segmentos médios e altos da sociedade brasileira poderiam
assumir suas responsabilidades na transformação social em direção a uma sociedade mais
livre, justa e fraterna na medida em que possuem, hipoteticamente, tais potencialidades. No
trabalho procura-se identificar esse potencial de determinadas práticas sociais e espaciais
dessas classes em relação ao atual processo de expansão das metrópoles para além das suas
tradicionais fronteiras regionais. Se, na hipótese de Lefebvre, o abandono da metrópole por
esses grupos sociais indicaria sua consciência e tentativa de real superação das
contradições desse espaço, as práticas espaciais desses grupos poderiam apontar em
direção à transformação da sociedade. Mas, há fortes indícios que isto não é o caso e que a
fuga é meramente expressão de uma atitude egoísta e individual que apenas tende a
reproduzir ou aumentar o atual quadro das desigualdades e injustiças sociais.

1. Urbanização fechada e seus possíveis futuros: entre a “utopia


burguesa” e a “revolução urbana”
O fenômeno dos condomínios fechados está hoje presente em muitas cidades no
mundo inteiro. Por uma parte da bibliografia em língua espanhola é nomeado de
“urbanización cerrada” para o caso de áreas maiores que reúnem um conjunto de prédios
residenciais com vários apartamentos e concentram um elevado número de moradores.
Esse termo descreve bem o fato que esses condomínios não se caracterizam apenas pela
restrição ao acesso através de muros e entradas vigiadas, mas contam, em parte, com toda
uma infra-estrutura interna de circulação, lazer, serviços e até comércio na sua área
(RANDOLPH, LOPES, 2006). Não cabe aqui aprofundar o debate a esse respeito; há uma
vasta bibliografia que procura dar conta tanto das características mais gerais dessa forma

1
de “urbanização” como de suas particularidades locais (veja particularmente o trabalho de
CALDEIRA, 2000).
No Brasil, inicialmente, esses condomínios foram implantados preponderantemente
em zonas urbanas ou no interior das grandes metrópoles, mantendo uma certa distância aos
seus centros metropolitanos tradicionais numa “primeira periferia” ainda relativamente
próxima, ou eventualmente em municípios vizinhos ao núcleo metropolitano; o caso de
“Alphaville” na Grande São Paulo é emblemático neste sentido e foi copiado em outras
metrópoles brasileiras. Uma primeira onda de difusão dessa forma de urbanização alcançou
todas as áreas metropolitanas maiores como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte,
Salvador e outras mais.
As mencionadas investigações dos fenômenos da urbanização fechada associaram
sua proliferação, geralmente, ao desejo de uma parte de classes sociais mais abastadas a
usufruir uma melhor qualidade de vida longe dos engarrafamentos e da poluição e de obter
proteção contra o real ou suposto aumento da violência e insegurança nessas cidades.
Aponta-se como principal resultado desse processo um aprofundamento cada vez maior da
segregação sócio-espacial não apenas ao nível local (municipal), mas mesmo ao nível
regional na medida em que o processo envolveu toda a região metropolitana em torno do
município-núcleo. Inclusive, em municípios periféricos surgem esses condomínios não
apenas para os segmentos de alta renda da metrópole, mas também para a classe média
local que parece ver, nessa forma de urbanização atrás de muros, um incremento da
qualidade de sua vida e da sua segurança.
Não abordaremos, no presente trabalho, essas formas já mais “tradicionais” da
implantação de condomínios fechados ou “enclaves fortificados” (CALDEIRA, 2000, p.
211) no interior das metrópoles do país. O que nos interessa – e preocupa – é a difusão
dessa forma de moradia e urbanização para além das fronteiras das regiões metropolitanas.
Pois, os condomínios fechados estão presentes também quando, desde a década de 1980,
ocorre um maior espraiamento da distribuição populacional (MARTINE, 1994) que leva à
substituição do padrão espacial concentrador do crescimento da população urbana no
período inicial da urbanização brasileira (SANTOS, 1993).
Aparentemente há uma certa semelhança entre as formas de ocupação urbana e a
implementação de empreendimentos imobiliários – as da “urbanização fechada” – nos dois
lugares distintos que acabamos de mencionar: entre aquelas no núcleo da metrópole e as
outras em área peri-metropolitana onde o tecido urbano ainda apresenta traços rurais mais
fortes.

2
É aqui que se colocam para nos as seguintes questões: Será que essa ocupação por
condomínios e loteamentos com acesso limitado e interditado fora da metrópole segue um
padrão semelhante e tem o mesmo significado daquele identificado no interior dela?
Representaria nada mais do que o surgimento de uma “metrópole expandida” como
sugerem alguns autores? E, neste sentido, algo como a realização de uma “utopia
burguesa” como apontado por alguns autores (FISHMAN, 1996)? Ou, ao contrário, essa
urbanização peri-metropolitana em áreas semi-rurais na base desses loteamentos e
condomínios sinaliza alguma “mutação de valores” (KRIPPENDORF, 1989, p. 148 ss.) e
representa, assim, um movimento de contestação e resistência de uma classe abastada que
está prestes a abandonar a metrópole? E, por isto, poderia ser compreendido como indício
de uma “revolução urbana” (RANDOLPH, 2005)?
Essa última pergunta soa um tanto absurdo por tudo que nosso senso comum nos
diz a respeito da atuação das classes médias e altas no Brasil. Mas, temos razões teóricas
de ao menos debater um possível “potencial revolucionário” dessas classes da mesma
maneira como Marx via o aprofundamento das contradições entre o desenvolvimento das
forças de produção e as relações de produção como um potencial da superação do
capitalismo. Neste sentido, nossa questão não é empírico-realista, mas conceitual-
hipotético: nosso trabalho pretende contrapor duas diferentes interpretações do significado
do deslocamento de uma parcela das classes médias e altas da metrópole do Rio de Janeiro
e apreciar, teoricamente, sob quais condições esse comportamento (ação) pode ser
considerado como “utópico” – no sentido conservador – ou “revolucionário” – no sentido
progressista (vide, neste contexto, também o interessante trabalho de DAVIDOVICH,
1991).
Como condição, para poder atribuir posteriormente esses possíveis e diferentes
significados a uma e mesma prática (social e espacial) dessas classes, será necessário
compreender, num primeiro passo, a constelação mais abrangente das transformações
sociais contemporâneas nas quais essas práticas são inseridas. Uma contextualização
histórica, social e metodológica mostrará a importância que o espaço social tem para
compreender a atuação de qualquer agente social. Portanto, na segunda parte do presente
ensaio, será introduzida uma teoria única do espaço que permitirá compreender a produção
social do espaço social (LEFEBVRE, 1991). A partir dessa concepção será possível
qualificar teoricamente, numa terceira parte, o espaço social das classes médias e altas da
metrópole do Rio de Janeiro – e inclusive aquela parcela que se manifesta enquanto
urbanização fechada – como espaço abstrato.

3
Num quarto momento, serão interpretadas as formas de expansão da metrópole – e
especialmente aquelas que nos observamos no caso do Rio de Janeiro - como expressão do
esgotamento de uma apropriação do espaço urbano que chega aos limites de uma
contradição entre “espaço do consumo” e “consumo do espaço”, como colocado por
Lefebvre. Coloca-se a pergunta se a apropriação do espaço pelas classes médias e altas
cariocas em áreas peri-metropolitana pode ser um sinal para o surgimento de um novo
padrão espacial fora da metrópole. Como hipótese, essa possibilidade não pode ser de toda
excluída quando se segue a concepção do espaço social de Lefebvre. Ou seja, é válido
perguntar se assistimos, hoje, ao surgimento de alguma nova forma de urbanização que
talvez possa sinalizar o advento da “sociedade urbana” (LEFEBVRE, 1999) ou de uma
“sociedade do lazer” (KRIPPENDORF, 1989, p. 151 ss.)?
Ou, enquanto hipótese contrária, a mencionada ocupação de áreas peri-
metropolitanas apenas significa a extensão das formas de segregação sócio-espacial que já
se observa no bojo da própria região metropolitana? Portanto, na quinta parte do trabalho,
será discutida a atuação das classes médias e altas no contexto de um determinado quadro
de valores subjacente às suas práticas que sugerem essas práticas propiciarem apenas à
mera reprodução social da sociedade e do espaço contemporâneos.
É óbvio que esse exercício de reflexão se reportou, durante o processo de sua
elaboração (RANDOLPH, 2004a; RANDOLPH, 2005; RANDOLPH, LOPES, 2006;
RANDOLPH, LOPES, 2007; RANDOLPH, GOMES, 2007), a determinadas referências
empíricas que foram mencionadas antes, mas que não vão poder ser explicitadas aqui.
Seriam duas diferentes áreas dentro e fora da região metropolitana do Rio de Janeiro: por
um lado, os fenômenos dos condomínios fechados num bairro no Rio de Janeiro que pode
ser considerado como o “paradigma metropolitano” dessa forma de urbanização fechada: é
a Barra da Tijuca. Por outro lado, fora dessa região, em situação peri-metropolitana, os
bairros mais distantes do centro histórico do município de Petrópolis que estão sofrendo
nos últimos vinte anos as conseqüências da implantação deste tipo de empreendimento
imobiliário.

2. A transição da sociedade industrial para a sociedade urbana

Por meio da investigação da proliferação dos condomínios fechados ou da


urbanização cerrada dentro e fora das regiões metropolitanas do nosso país manifesta-se
nossa preocupação profunda com o destino dessas metrópoles, ou melhor, com seus
habitantes. O estudo aqui apresentado toma como referência empírica de fundo a Região

4
Metropolitana do Rio de Janeiro como já mencionado anteriormente. Essa delimitação
ainda bastante genérica pode ser mais bem especificada por meio de uma hipótese básica
que permeia todo o trabalho: estamos querendo entender em que medida esses fenômenos
dos condomínios fechados apontam (ou não) para uma transição de uma forma de
sociedade (mais ou menos sob hegemonia da indústria e do capital) para uma outra que
ainda está em vias de nascer.
Essa transição ultrapassa o mero âmbito das grandes cidades e metrópoles e
envolve toda a sociedade (e território) na medida em que indica o declínio da sociedade
industrial e o advento de uma “sociedade urbana” como Lefebvre (1999) já chamava
atenção há 50 anos. Nas palavras de Krippendorf (1989) seria possível imaginar que a
transformação parte de uma sociedade do consumo e se dirige a uma sociedade do lazer
(interessante ver aqui a idéia da “cidade lúdica” em LEFEBVRE, 2001). É nossa convicção
que, em ambos os casos, a identificação dos primeiros indícios de uma “nova sociedade”
exigiria a delimitação de uma área específica (espaço-tempo determinado) onde, talvez,
pudessem ser encontrados primeiros sinais dessa transformação.
Expressa-se aí, obviamente, uma opção metodológica que parte da compreensão de
uma dialética entre o universal e o específico (LEFEBVRE, 1979). As mudanças
universais não existiriam sem sua manifestação no singular; e essas manifestações apenas
serão compreendidas como particulares em relação aos movimentos universais dos quais
fazem parte. Mais ainda, antes de arriscar qualquer observação sobre o futuro, precisamos
investigar os “campos dos possíveis” de certos grupos ou classes sociais enquanto
“objetivo em direção ao qual o agente supera sua situação objetiva” (SARTRE, 1967).
Portanto, diante da hipótese do advento de uma sociedade urbana ou de lazer é necessário
estudar em que direção as cidades estão sendo transformadas pelos agentes responsáveis
por sua produção. Após a identificação desses “campos de possíveis” dos principais
agentes – que se anunciam objetivamente no presente – poderiam ser, talvez, apreciadas as
possibilidades de ocorrerem transformações que possam dar origem à sociedade urbana.
Essa tarefa de reconhecer a transição no espaço torna-se particularmente mais
difícil - e isto provavelmente por bastante tempo se pensarmos nas escalas temporais das
grandes transformações que ocorreram na história da humanidade – diante do “poder de
perpetuação” do próprio espaço como nos alerta Milton SANTOS:
O fato, porém, é que cada estrutura do todo reproduz o todo. Assim, em uma
fase de transição, as estruturas vindas do passado, ainda que parcialmente
renovadas, tenderão a continuar reproduzindo o todo tal com era na fase

5
precedente. Todavia, se cada estrutura conhece o seu próprio ritmo de mudança,
a estrutura do espaço é a instância social de mais lenta metamorfose e
adaptação. Por isto, ela poderá continuar, por muito tempo, a reproduzir o todo
anterior, a situação que se deseja eliminar.(SANTOS, 2004, p. 75, 76, destaque
nosso)
Por essas razões, não é a própria metrópole do Rio de Janeiro que oferece melhores
condições como objeto para nossa reflexão, mas sua periferia metropolitana expandida
que tem características únicas em relação a periferias de muitas outras mega-cidades. Pois,
em boa parte ela parece surgir como área de residência fixa de uma ocupação anterior que
teve uma outra funcionalidade: a de ser lugar de lazer, de descanso e recreio de uma
parcela da população carioca de média a alta renda. É nossa hipótese (vide também
RANDOLPH 2004a) que suas “qualidades” que a capacitaram para um uso turístico local
podem dar origem a uma forma de urbanização que não seja meramente uma extensão
territorial da forma metropolitana tradicional (TASCHNER, BOGUS, 2000). E, com isto
apontar para o surgimento daquilo que acima foi chamada de “sociedade urbana”.
No atual trabalho não pretendemos aprofundar a discussão acerca dos múltiplos
processos que podem estar ligados à transição para a sociedade urbana e ocorrendo numa
área em torno da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Referimo-nos, no nosso debate,
a determinados segmentes das classes médias e médias-altas que se tornam protagonistas
nessa área peri-metropolitana (RANDOLPH 2005; RANDOLPH, GOMES 2007) não
apenas do próprio processo da expansão na medida em que constroem suas casas de
veraneio nas praias, nos lagos ou na serra; mas também são os responsáveis pela difusão de
condomínios fechados como uma determinada forma de ocupação do solo.
Particularmente observaremos as mudanças que estão ocorrendo em lugares tanto
“peri-metropolitanas” (fora da metrópole) como “peri-urbanas” (fora do tecido urbano) no
alto da Serra de Petrópolis. É nossa hipótese de que a ocupação de veraneio e segunda
residência, concentrada em determinados distritos do município de Petrópolis, não é
apenas um caso ilustrativo para nosso estudo, mas que representa elementos que a tornam
paradigmática para estudar aqueles campos dos possíveis das práticas sociais e espaciais
dessas classes sociais..
Portanto, essa delimitação espaço-temporal, não deve ser vista como restrição para
nossas reflexões na medida em que pode permitir uma comparação em diferentes níveis e a
respeito de diversos critérios entre as mesmas formas de ocupação em diferentes áreas:
entre, por um lado, aqueles empreendimentos que se encontram dentro do núcleo

6
metropolitano com, por outro lado, aqueles construídos fora de sua (quase) imediata
influência (vide RANDOLPH, LOPES 2006; RANDOLPH, LOPES 2007). Não obstante,
no atual trabalho não vamos enredar nesse caminho.

3. A produção (social) do espaço social

Como acabamos de mencionar, a demarche da nossa reflexão não procurará


confrontar duas realidades diferentes para apreciar se há – ou não – diferentes lógicas
presentes na estruturação do espaço por meio de condomínios fechados. O que se pretende
aqui é uma apreciação das práticas sociais (e espaciais), dos valores que nelas se
expressam e das suas possíveis conseqüências em relação àquelas classes ou segmentos
sociais que são responsáveis pela implantação desses empreendimentos fora das regiões
metropolitanas. Trabalhamos, desde o princípio, com duas possíveis interpretações: que
essa ação pode ser simplesmente a expressão de uma “utopia burguesa” ou, quem sabe
surpreendentemente, contribuir para a “revolução urbana” (RANDOLPH, 2005).
A resposta a essa dúvida dependerá, ao nosso ver, da compreensão dos significados
dos mencionados empreendimentos para a estruturação do espaço (social). Para avançar,
então, na compreensão lançamos mão de um referencial conceitual bastante geral como se
apresenta na teoria da produção social do espaço social de Henri Lefebvre (1991). Além
disto e em decorrência, serão aqui apresentadas as reflexões do mesmo autor acerca da
superação (no sentido dialético) da cidade industrial, do advento da sociedade urbana
(LEFEBVRE 1999), da gênese do espaço abstrato do (neo-) capitalismo e da passagem das
contradições desse espaço abstrato para um espaço diferencial (LEFEBVRE 1991).
Portanto, iniciaremos nossa reflexão com a discussão do conceito do espaço (social)
como produção social, elaborado por Lefebvre (1991). Essa teoria permite superar a
segmentação analítica do espaço (e dos movimentos) que é encontrada em uma grande
parte das abordagens espaciais tanto nas disciplinas mais voltadas para a temática do
“espaço” (geografia, arquitetura, urbanismo, planejamento etc.) como ainda em maior
proporção naquelas que investigam meras “dimensões espaciais” de fenômenos
sociológicas, econômicas, políticas ou culturais (vide para o próximo também
RANDOLPH 2003).
Sem nomear essas diversas perspectivas e abordagens, seguimos imediatamente a
afirmação de Lefebvre que é necessário “descobrir ou construir uma unidade teórica entre
´campos´ que são apreendidos separadamente, como o são as forças moleculares,
eletromagnéticas e gravitacionais na física” (LEFEBVRE 1991, p. 11). A partir daí, o autor

7
inicia a procura por uma “teoria unitária” baseada na proposição de que o “espaço (social)
é um produto (social)” (LEFEBVRE, 1991, p. 26). A importância dessa teoria – elaborada
particularmente no seu livro “Produção do Espaço” (LEFEBVRE 1991) – fica bem
explicitada pelas seguintes observações de Stuart Elden (2001). Esse autor constata que
Lefebvre não procura apenas corrigir uma característica dos tempos modernos expressa na
falta de equilíbrio entre tempo e espaço, mas quer enfatizar a historicidade da experiência
tanto temporal como espacial, opondo-se assim a Kant. Segundo Elden, Lefebvre defende
que
.. sem serem mais vazias recipientes Kantianas formais, nem mais categorias da
experiência, tempo e espaço podem ser experimentados enquanto tais, e sua
experiência foi relacionada diretamente às condições históricas dentro as quais
foram experimentadas. Para Lefebvre, obviamente, essas condições históricas
são diretamente ligadas ao modo de produção: conseqüentemente também a
produção do espaço. Lefebvre pretendia realizar dois movimentos principais no
seu trabalho.
Primeiro pôr o espaço para cima com e ao lado do tempo em considerações da
teoria social, e, ao fazer isto, corrigir a vacuidade dos recipientes Kantianos de
experiência. A espacialidade é tão importante quanto a temporalidade e a
história, mas não deve obscurecer considerações a respeito delas: “espaço e
tempo aparecem e se manifestam como diferentes, contudo não separáveis”.
(LEFEBVRE, 1991)
Secundariamente ele desejou usar esta nova compreensão crítica para examinar
o mundo (moderno) no qual ele estava escrevendo. Isto é realizado por uma
análise de como o espaço é produzido, e como é experimentado. O espaço é
produzido em dois modos, como uma formação social (modo de produção), e
como uma construção mental (concepção) (ELDEN, 2001, tradução nossa).
O que significa, então, o “espaço”? O próprio livro de Lefebvre, ao qual nos
referimos, apresenta, em seu primeiro capítulo, uma extensa discussão a este respeito, ao
recuperar os diferentes significados desde a antigüidade grega até concepções mais
contemporâneas. Constata que, até recentemente, dominou a visão cartesiana baseada
numa divisão entre “res cogitans” e “res extensa”. O espaço, “res extensa”, foi pensado em
termos geométricos de coordenadas, linhas e planos.
O espaço geométrico é abstrato, da mesma forma como o tempo cronológico em
sua abstração do concreto. Elden relaciona essa perspectiva da crítica ao espaço
geométrico com Heidegger. Só se experimenta o espaço enquanto geométrico, por
exemplo, ao se usar um martelo (“prática espacial”) para pensar; quando, este então será
conceituado. Aí já encontramos um dos momentos chave para a compreensão do espaço
com base numa tríade; e, é exatamente essa tríade que constitui a base para a compreensão
da produção do espaço.
Mas, vejamos mais uma vez Elden e como apresenta o raciocínio de Lefebvre:
Nosso modo de reação em relação ao espaço não é geométrico, apenas nosso
modo de abstração o é. Há uma oposição estabelecida entre nossa concepção de

8
espaço - abstrata, mental e geométrico - e nossa percepção de espaço - concreta,
material e físico. .. [A percepção] toma como seu ponto de partida inicial o
corpo que Lefebvre vê como o local de resistência dentro do discurso do poder
no espaço. Espaço abstrato, descorporalizado, é, como ele sugere, ainda um
outro aspecto de alienação.
Para progredir no entendimento do espaço, precisamos apreender o concreto e o
abstrato juntos. Como foi discutido em "Le materialisme dialectique", se apenas
um é considerado e tornado absoluto, uma verdade parcial torna-se um erro:
"Rejeitando uma parte do conteúdo, sanciona-se e agrava-se a dispersão dos
elementos da realidade." Da mesma maneira que Lefebvre descreveu o Estado
como uma "abstração realizada (percebida)", também o espaço é percebido (em
ambos os sensos da palavra) como abstração. Obviamente, aqui há um uso de
idealismo e materialismo conjuntamente. Espaço é um construto mental e
material. Isto nos proporciona um terceiro termo entre os pólos da concepção e
percepção, a noção da vivência. Lefebvre argumenta que espaço humano e o
tempo humano acontecem metade na natureza, e metade na abstração (ELDEN
2001; tradução nossa).
Pode-se levantar dúvidas em relação a algumas formulações de Elden: por exemplo,
o uso da oposição concreto – abstrato está, em boa parte, mais próximo à discussão do
“pensamento em movimento” de Lefebvre na “Lógica Formal / Lógica Dialética” (1979)
do que na “Produção do Espaço” (1991) onde trabalha com a diferenciação absoluto -
abstrato – diferencial, como antes mencionado; quando fala do espaço abstrato como
alienação refere-se ao contrário do espaço absoluto (e não do concreto).
Mesmo assim, essa breve passagem introduz, de uma forma simplificada, a tríade
de momentos, em última instância inseparáveis, às vezes contraditórios e conflitantes, que
representa o núcleo da “teoria única” do espaço que o autor procurava: o percebido, que
Lefebvre identifica depois com as práticas espaciais; o concebido que está ligado às
representações do espaço; e o vivido que está relacionado aos espaços de representação; em
suas próprias palavras descreve esses três momentos da seguinte forma:
(i) Prática espacial que abrange tanto a produção como a reprodução, como
também os locais particulares e conjuntos espaciais característicos de cada
formação social. (LEFEBVRE, 1991, p. 33) .. A prática espacial de uma
sociedade secreta o espaço da sociedade; o propõe e pressupõe, numa interação
dialética;... Do ponto de vista analítico, a prática espacial de uma sociedade é
revelada pela decifração de seu espaço. ... [Sob o neo-capitalismo, a prática
espacial].. incorpora uma associação íntima, dentro do espaço percebido, entre
realidade diária (..) e realidade urbana (..) (LEFEBVRE, 1991, p. 38; tradução
nossa).
(ii) Representações do espaço vinculadas às relações de produção e à ordem que
essas relações impõem, e consequentemente ao conhecimento, sinais, códigos, e
relações frontais (LEFEBVRE, 1991, p. 33) [São].. espaços conceptualizados, o
espaço de cientistas, planejadores, tecnocratas e engenheiros sociais... - todos
identificam o que é vivido e percebido com o que é concebido. ... Este é o
espaço dominante em qualquer sociedade (ou modo de produção). Concepções
do espaço tendem,.., para um sistema de sinais verbais (e então intelectualmente
trabalhados). (LEFEBVRE, 1991, p. 38 s.; tradução nossa)
(iii) Espaços de representação, incorporando simbolismos complexos, às vezes
codificados, às vezes não, relacionados ao lado clandestino ou subterrâneo da
vida social, como também à arte (..). (LEFEBVRE, 1991, p. 33) Espaço como
diretamente vivido através de suas imagens associadas e símbolos, e

9
consequentemente o espaço de "habitantes" e "usuários", mas também de alguns
artistas e talvez daqueles.. , que descrevem e não aspiram fazer mais do que
descrever. Este é o espaço dominado .. que a imaginação busca mudar e
apropriar. Ele se sobrepõe ao espaço físico, na medida em que faz uso simbólico
de seu objeto. Assim, pode ser dito que espaços de representação .. tendem para
sistemas de símbolos não-verbais e sinais mais ou menos coerentes
(LEFEBVRE, 1991, p. 39 - tradução nossa).
Elden (2001) apresenta num esquema a unidade do espaço físico, mental e social da
seguinte maneira:

prática espaço percebido físico materialismo


espacial percebido
representações espaço concebido mental idealismo
do espaço concebido
espaços de espaço vivido social materialismo
representação vivido

Na opinião de Elden, a contribuição central de Lefebvre é a noção do “espaço


vivido”. Como procura mostrar, essa noção deve-se à influência de Heidegger em muitas
partes da obra de Lefebvre; Lefebvre aproximou Heidegger a Marx.
Através de seu trabalho a respeito de Nietzsche e Hölderlin, Heidegger
incorporou uma compreensão do poético em sua obra, que foi crucial para a
noção espacial da habitação poética, uma noção da experiência vivida da vida
cotidiana. O uso de Lefebvre de habitar é uma tradução direta do wohnen de
Heidegger. Realmente, em vários lugares, Lefebvre cita o poema de Hölderlin "o
homen habita poeticamente", e menciona a discussão de Heidegger
positivamente. A sugestão de Lefebvre que habitar [habiter] foi reduzido à
noção de habitat acontece paralelamente à constatação de Heidegger de uma
crise no habitar [wohnen]. Como nota Lefebvre, explicitamente seguindo
Heidegger, esta crise resulta de um tipo estranho de excesso: uma obsessão para
medição e cálculo (ELDEN, 2001, tradução nossa).
Entretanto, a noção do espaço como vivido não é por si só suficiente, continua Elden um
pouco depois. Conforme esse autor, Lefebvre critica Heidegger que falhou em
compreender a noção da produção na sua profundidade e abrangência. Como, então,
poderia proceder a uma análise do espaço? Prossegue Elden:

Da mesma maneira que o social é formado historicamente, da mesma forma é


moldado espacialmente. Igualmente o espaço é historicamente e socialmente
configurado. Os três elementos do social, espacial e temporal moldam e são
moldados um pelo outro. "Relações sociais que são abstrações concretas não têm
nenhuma real existência salve dentro e através do espaço. Seu suporte é
espacial" e, nós deveríamos acrescentar, histórico. E ainda o espaço não é
somente o lugar passivo [lieu] de relações sociais. (Lefebvre, 1991) (ELDEN,
2001, tradução nossa).

Em diferentes períodos históricos podemos, então, encontrar diferentes espaços,


expressão e condição históricas de um modo de produção e de uma formação social
(específica): “Desde que, ex hipothesis, cada modo de produção tem seu próprio espaço

10
particular, a passagem de um modo para um outro precisa encaminhar a produção de um
novo espaço. ... o exame de transições entre modos de produção vai revelar, realmente, que
um espaço fresco [fresh] está sendo gerado durante essas mudanças, ..” (LEFEBVRE,
1991, p. 46-47, tradução nossa)
Portanto, tomando como base essa conceituação podemos investigar (discutir) o
espaço que surge com capitalismo e industrialização (modo de produção capitalista) que,
talvez, já esteja condenado a dar lugar a um novo espaço de uma sociedade diferente – eis,
aliás, nosso problema formulado deste o princípio do atual texto.
Portanto, nossa preocupação refere-se à “história do espaço” que, como diz
Lefebvre (1991, p. 48), não pode ser limitada a um estudo dos momentos específicos que
foram constituídos através da formação, estabelecimento, declínio e dissolução de um
determinado código espacial (este código reúne sinais verbais – palavras e frases – e não
verbais – música, sons, construções arquitetônicas). Há aspectos globais a serem
considerados (modos de produção e outras generalidades). Além disto, pode-se esperar da
história do espaço periodizações do processo de produção que não correspondem àquelas
amplamente aceitas.

3. O espaço abstrato e suas contradições

Lefebvre mesmo apresenta, na base da conceituação acima indicada, uma


diferenciação do espaço em absoluto e abstrato que é importante para nós porque explicita
origens e características do espaço social da sociedade (cidade) industrial capitalista.
O espaço absoluto foi constituído por fragmentos da natureza localizados em
lugares que foram escolhidos por causa de sua qualidade intrínseca. Logo perde seu caráter
natural – apesar de manter alguns de seus aspectos - na medida em que foi apropriado por
forças políticas ou religiosas. “Ao mesmo tempo civil e religioso, o espaço absoluto
preserva e incorpora linhas de sangue, família, relacionamentos sem mediação – mas os
transpõe para a cidade, o estado político fundado na cidade” (LEFEBVRE, 1991, p. 48).
Com o caráter religioso e político, esse espaço foi um produto da estreitas relações de
consangüinidade, solo e linguagem.
È deste espaço, passando por uma fase do espaço histórico, que surge o espaço
abstrato na medida em que a atividade produtiva (trabalho) deixou de estar unida ao
processo de reprodução que perpetuou a vida social. Tornando-se independente desse
processo, o trabalho tornou-se preso à abstração enquanto trabalho social abstrato. O

11
espaço abstrato funciona como objeto: como um conjunto de coisas/sinais e seus
relacionamentos formais: vidro e pedra, concreto e aço, ângulos e curvas, cheio e vazio.
O espaço abstrato não é definido na base do percebido com o desaparecimento de
árvores ou retrocesso da natureza; os espaços grandes e vazios do Estado e dos militares,
ou os centros comerciais cheios de mercadorias. Ele relaciona-se negativamente com tudo
que está na sua base: as esferas históricas e religioso-políticas. Positivamente funciona
frente às suas próprias implicações: tecnologia, ciência aplicada e conhecimento
comprometido com o poder. Pergunta Lefebvre: “Isto significa que esse espaço pode ser
definido em termos de uma alienação reificadora, na suposição que o meio (ambiente,
´milieu´) da mercadoria tornou-se em si uma mercadoria?” (LEFEBVRE, 1991, p. 50)
Talvez, responde, mas a “negatividade” do espaço abstrato não pode ser negligenciada, e
sua abstração não pode ser reduzida a uma “coisa absoluta”. De qualquer forma, ele
dissolve e incorpora tais “sujeitos” anteriores como aldeias e cidades e tende para a
homogeneidade, a eliminação de diferenças e peculiaridades – a segregação social e
espacial nas grandes cidades de hoje apenas aparentemente depõe contra essa afirmação.
Uma outra características do espaço abstrato é a de que seu único ponto de
referência é a genitalidade apesar de negar o sensorial, o sensual e o sexual (LEFEBVRE,
1991, p. 49 s.). A reprodução das relações sociais é compreendida de uma forma simplista
como mera reprodução biológica. Para este espaço abstrato do neo-capitalismo a tríade das
práticas espaciais, representação do espaço e espaços de representação se apresenta da
seguinte forma:
- a prática espacial está sendo exercida sob predomínio da reprodução de relações
sociais;

- as representações do espaço se tornam escravos de conhecimento e poder o que


leva aos

- espaços de representação a limitação ao trabalho, à imagem e a memórias cujo


conteúdo é nem sensorial, nem sensual e nem sexual e que são tão deslocados que o
corpo aparece apenas como força simbólica. (LEFEBVRE, 1991, p. 50)

Pergunta o autor: este espaço durará para sempre? E responde que provavelmente
não, porque ele mesmo comporta contradições específicas que podem virar sementes para
um novo tipo de espaço: o espaço diferencial, o espaço da sociedade urbana (de um novo
modo de produção).

12
Assim, em relação ao espaço abstrato das sociedades contemporâneas (industriais),
Lefebvre identifica diferentes contradições que são intrínsecas a esse espaço (vide
RANDOLPH, 2004). Como uma entre várias contradições, chama a atenção para aquela
entre quantidade e qualidade (LEFEBVRE, 1991, p. 352, tradução nossa). “Espaço
abstrato é mensurável. Ele não é apenas quantificável com espaço geométrico, mas, como
espaço social, ele é sujeito a manipulações quantitativas: estatísticas, programação,
projeção – todas são operacionalmente efetivos aqui. A tendência dominante, portanto, é
em direção ao desaparecimento do qualitativo, à assimilação abaixo de um tal tratamento
brutal ou sedutor (seductive)”.
Mas, no final, diz ele, o qualitativo resiste com sucesso à absorção pelo
quantitativo, da mesma forma como o uso resiste à subordinação ao valor. Chega o
momento quando as pessoas em geral abandonam o espaço do consumo que coincide com
a histórica localização da acumulação do capital, com o espaço da produção e com o
espaço que é produzido. Este último, continua Lefebvre (1991, p. 352), é o espaço do
mercado, o espaço através do qual os fluxos seguem seus passos, o espaço controlado pelo
Estado. Por isto, é um espaço rigidamente quantificado.
Quando as pessoas saiam desse espaço elas se movem em direção ao consumo do
espaço (uma forma improdutiva do consumo). Este momento é o momento da partida: o
momento das férias das pessoas (LEFEBVRE ,1991, p. 353).

4. A superação do espaço abstrato através da produção do espaço


diferencial
A anteriormente apontada, suposta potencialidade das classes médias e altas em
contribuírem para uma “revolução urbana” se baseia numa análise de certas de suas
práticas espaciais e de determinados de seus espaços de representação. Aquelas formas de
ocupação de áreas peri-metropolitanas que foram apresentadas no início do presente
trabalho podem ser interpretadas como condições e expressões de mudanças de práticas
dessas classes ou segmentos sociais nestes momentos da tríade espacial.
Essa potencialidade está relacionada à contradição do espaço abstrato – vivenciado
basicamente pelos segmentos sociais aqui sob observação – e à tentativa de “escapar” dele
ao procurar o uso qualitativo do espaço em lugares onde a moradia pode ser articulada à
tranqüilidade, ao lazer e descanso ou , em uma palavra, onde o espaço do consumo pode
ser trocado pelo consumo do espaço.

13
Essas condições podem estar disponíveis, hipoteticamente, nas áreas peri-
metropolitanas das metrópoles que contam com um acesso relativamente fácil ao núcleo
metropolitano. Quando se fala de áreas com essas qualidades, pensa-se, normalmente, em
áreas de “vocação turística”. Pois, as qualidades para recreação e lazer; a presença de ar
puro, da beleza natural, água cristalina, aventura (trekking, rafting etc.), saúde e segurança
são exatamente os elementos chave para compreender o sentido ou significado do
abandono das classes abastadas da metrópole.
Ou seja, pergunta-se, será que a instalação de segmentos das classes médias e altas
nestes “espaços de lazeres” (KRIPPENDORF, 1989) reproduzem – ou não – as relações de
produção e contribuem “portanto para sua manutenção e para sua consolidação”
(LEFEBVRE, 1973, p. 96).
Num primeiro momento, pensando em compreender as práticas espaciais
relacionadas a essa forma de ocupação de áreas peri-metropolitanas, será preciso refletir
sobre o significado das relações destes espaços com a produção e reprodução social e sua
potencialidade de oferecer uma certa “qualidade” para aqueles que estão vivendo no (e
querendo “fugir” do) “espaço quantitativo” das grandes cidades e regiões metropolitanas
(RANDOLPH, 2005)
Em princípio quando se pensa mesmo na “indústria do turismo”, esses espaços de
lazer reproduzem as relações de produção e contribuem “portanto para sua manutenção e
para sua consolidação” (LEFEBVRE, 1973, p. 96),. Isto fica explícito quando o autor se
refere à ocupação da costa mediterrânea da França na década de 70 do século XX (e, quem
sabe, isto valeria também para as costas brasileiras nos século XXI): “Os espaços de lazer
constituem objeto de especulação gigantesca, mal controlada e freqüentemente auxiliada
pelo Estado (construtor de estradas e comunicações, aval direto ou indireto das operações
financeiras etc.). O espaço é vendido a alto preço aos citadinos expulsos da cidade pelo
tédio e pelo bulício. ... Os lazeres entram assim na divisão do trabalho social, não só
porque o lazer permite uma recuperação da força de trabalho, mas também ... uma vasta
comercialização dos espaços especializados, e que entra na planificação global”
(LEFEBVRE, 1973, p. 96).
Normalmente á nas férias o momento quando as pessoas demandam um espaço
qualitativo. Essas qualidades, como diz o autor, tem nomes que, obviamente, dependem do
lugar onde essas pessoas vivem; na Europa seriam sol, neve, mar (sun, snow, sea). Pouco
diferença faz se são naturais ou simulados. “O que está desejado é a materialidade e a

14
naturalidade enquanto tais, redescobertas na sua (aparente ou real) imediaticidade”
(LEFEBVRE, 1991, p.353).
Nestes termos de Lefebvre, acreditamos que a referência empírica da nossa reflexão
– a ocupação da área peri-metropolitana do Rio de Janeiro por casas uni-familiares e
empreendimentos imobiliários de pequeno porte - pode ser compreendida como uma das
possíveis expressões de uma contradição entre o espaço abstrato (dominante) e um espaço
qualitativo cujo usufruto está, geralmente, relegado a um tempo específico das pessoas: às
ferias que antigamente eram contingentes, mas hoje se tornaram um momento necessário –
ao menos nos países industrializados.
Pois, são os já mencionados segmentos sociais médios e altos que, facilitado pelas
circunstâncias de sua vida (profissional, pessoal), que têm a possibilidade de vivenciar essa
contradição de uma forma mais próxima, imediata e simultânea, quando constroem suas
casas ou mesmo compram seus apartamentos “de campo” na Serra que podem ser
alcançados em uma hora ou uma hora e meia a partir do centro da metrópole – tempo que
também podem ficar no engarrafamento quando percorrem o caminho entre lugar de
moradia e lugar de trabalho dentro da cidade. O desejo, por exemplo, das pessoas de
escapar do domínio do espaço abstrato teria, então, um sentido de resistência e de
contestação das formas abstratas da vida e do espaço fetichizado (LEFEBVRE, 1991, p.
355). Provavelmente não se trata aqui da única expressão social de revolta contra esse
espaço abstrato que observamos hoje me dia – mas, de qualquer forma, poderia ser
compreendido assim. Portanto, não podemos negar totalmente a possibilidade de um certo
potencial deste grupo (classe média) em tornar-se protagonista de maiores mudanças
sociais na medida em que suas práticas espaciais, representações do espaço e espaços de
representação (valores, hábitos) se opõem à forma dominante da organização espacial da
sociedade; ainda mais se não só sentissem essa e outras contradições e oposições, mas
transformassem esse “sentimento” em projeto (RANDOLPH, 2004). Talvez aí cabe um
maior ceticismo quando se observa o comportamento histórico dessas classes.
Uma transformação neste sentido poderia transformar ao menos parcelas do espaço
abstrato da sociedade industrial em um “espaço diferencial” da sociedade urbana por meio
da “mobilização de diferenças num único movimento (incluindo diferenças de origem
natural, cada uma delas a ecologia tende a enfatizar isoladamente): diferenças de regime,
país, localização, grupo étnico, insumos naturais etc.” (LEFEBVRE, 1991, p. 64).
Esse “direito de ser diferente” só pode fazer sentido, continua Lefebvre, quando se
baseia numa luta própria de estabelecer diferenças que garante que as diferenças assim

15
geradas se distinguem tanto de características naturais distintivas (espaço absoluto) como
daquelas diferenciações induzidas dentro do espaço abstrato existente. Novamente, a
questão se coloca com relação ao potencial do deslocamento dos segmentos sociais médios
e altos da metrópole de estabelecer essas novas diferenças – e não, como demonstra a
história, serem as principais forças conservadoras de reprodução social e espacial
(RANDOLPH, 2004b).
Portanto, a passagem da sociedade industrial para a sociedade urbana estará
vinculada à superação (tanto no pensamento – linguagem - como na prática) de oposições
e separações que serão transformadas, nesta passagem, em “diferenças imanentes”. E, essa
sociedade urbana com seu espaço diferencial caracterizar-se-ia por uma nova forma de
mobilidade que supera os diferentes aspectos entre festa e cotidiano, trabalho e consumo
etc..
A própria contradição entre quantidade (valor) e qualidade (uso) dentro do espaço
abstrato não está fundado numa oposição binária, mas numa interação entre três pontos
(LEFEBVRE, 1991, p. 354): é um movimento do espaço de consumo para o consumo do
espaço através do lazer. Ou em outras palavras, do cotidiano para o não-cotidiano através
da festa – seja fingida ou não, simulada ou “autentica”. Ou do trabalho ao não-trabalho
através do questionamento (meio imaginado, meio real) da fadiga. Na verdade, essa
contradição está articulada a uma oposição entre produção e consumo (LEFEBVRE, 1991,
p. 354) e uma contradição entre diferentes escalas e caráter ao mesmo tempo homogêneo e
fragmentado do espaço (LEFEBVRE, 1991, p. 355). O possível projeto para um novo
espaço chamado por Lefebvre de “diferencial” superaria essas contradições do espaço
abstrato onde as mediações acima mencionadas se tornariam imediatas (RANDOLPH,
2005).
Enfim, as classes ou segmentos médios e altos poderiam contribuir para essa
“revolução urbana” se suas práticas contribuíssem para a construção deste espaço
diferencial; como falamos inicialmente, não pode-se excluir totalmente essa possibilidade
de certos segmentos (“vanguarda”) dessas classes agirem neste sentido. Continua, é claro,
uma forte desconfiança que a maioria não segue exatamente esse caminho.

5. A reprodução da lógica do espaço abstrato fora da metrópole


Já a partir da reflexão do próprio Lefebvre é possível levantar dúvidas a respeito
desse potencial de resistência ou mesmo contestação ou subversão da ordem vigente pelas
classes médias e altas no seu esforço de se deslocar para condomínios fechados fora das

16
regiões metropolitanas de resistir a ou mesmo contestar ou subverter as lógicas dominantes
de produção da espaço abstrato metropolitano. Essa “subversão” passaria, na nossa
compreensão do autor, pela construção de um novo código espacial, diferente daquele que
caracteriza o espaço abstrato.
É difícil de imaginar como esses segmentos ou classes sociais podem realmente
produzir um código espacial diferente - ou seja numa linguagem comum para prática e
teoria e também para moradores, arquitetos e cientistas – que consegue expressar essas
“diferenças” no espaço. Pois, o primeiro passo para construir um código assim, seria
recapturar a unidade de elementos dissociados, ao derrubar barreiras como aquelas entre
público e privado e identificar tanto oposições como confluências no espaço que
atualmente não podem ser discernidas.
Isto juntaria níveis e termos que estão separados por causa de práticas espaciais
existentes e suas subjacentes ideologias: a escala “micro” ou arquitetônica e a escala
“macro” correntemente tratada como província de urbanistas, políticos e planejadores. O
mesmo valeria para o reino do cotidiano e o do urbano; dentro e fora; trabalho e não-
trabalho (festa); o durável e o efêmero etc. (Lefebvre 1991, p. 64).
“O código incluiria então oposições significantes (por exemplo elementos
paradigmáticos) a serem achadas entre condições aparentemente discrepantes, e
ligações (elementos sintagmáticos) recobradas da aparentemente homogênea
massa de espaço politicamente controlado. Neste sentido, poderia ser dito que o
código contribui à reversão da tendência dominante e assim fazer um papel no
projeto global. Porém, é vital que o próprio código não seja tomado
equivocadamente como uma prática. Não deve ser permitida então que a procura
por um idioma, sob nenhuma circunstância, seja separada de prática ou das
mudanças forjadas através de práticas (por exemplo do processo mundial de
transformação).
Um código deste tipo deve ser correlato a um sistema de conhecimento. Reúne
um alfabeto, um léxico e uma gramática dentro de um quadro global; e se situa -
entretanto não de tal modo de excluí-lo - frente ao não-conhecimento
(ignorância e mal-entendido); em outros palavras, frente o vivido e percebido.
Tal conhecimento está consciente de seu próprio caráter aproximativo; é
imediatamente certo e não-certo. Anuncia sua própria relatividade a cada
passo,... Este conhecimento precisa achar um caminho no meio entre por um
lado o dogmatismo e a abdicação ao entendimento, por outro” (LEFEBVRE,
1991, p. 64-65).
O que mais provavelmente se encontrará – nos levantamos essa hipótese aqui na
base da vivência desses supostamente novos espaços e de alguma leitura de relatos dessas
experiências – é mesmo um movimento de mera fuga individual e de pequenos coletivos
(famílias, grupos de amigos etc.) – um escapismo – do incomodo das restrições de
liberdades do próprio corpo que o espaço abstrato impõe à vida na metrópole. A
“proximidade à natureza”, o espaço supostamente absoluto, vira, assim, justificativa para a
livre expressão e vivência de suas preferências e ideários sem estar submetido às restrições

17
impostas pela vigilância social (e policial) da metrópole que caracteriza seu espaço
abstrato.
O que prevalece é um individualismo (mesmo de grupos primários como a família e
seus agregados) que encontra seu “espaço de realização” longe das limitações e restrições
inevitáveis num espaço abstrato que é densamente povoado e intensamente aproveitado.
Como dizem WORTMAN e ARIZAGA (s.a.) a respeito das pessoas que vivem em
condomínios fechados: “Detrás de esta ´elección de vida´ en apariencia sencilla, casi
automática se despliega una teoría del placer: aquella que enunciara Epicuro - otro
pragmático - para enseñar a los hombres un camino a la felicidad.”
Através desse vínculo à doutrina do filósofo grego EPICURO, as autoras discutem
determinados valores que identificam na vida dos moradores desses condomínios.
Explicam as autoras:
La doctrina del filósofo griego Epicuro tiene un objeto exclusivamente práctico:
está destinada a procurar la vida feliz a una minoría, aislada del resto del mundo.
Epicuro consideraba el placer como la felicidad. Esta felicidad era
esencialmente una evasión o liberación del sufrimiento, un estado interior de
ignorancia del dolor y del temor.
Se trataba, pues, de vivir experimentando el menor dolor posible, a la vez que el
máximo placer. Todos deseamos el placer - sostiene Epicuro -; todo ser viviente
se esfuerza por huir del dolor. La presencia del dolor nos hace desgraciados.
Previamente a todo placer positivo, necesitamos liberarnos del dolor.
El estado de perfecta ausencia de inquietud, la ausencia de toda clase de temor
es considerado por Epicuro y sus seguidores como cumplimiento supremo de la
vida humana. El epicureísmo, lejos de cualquier ostentación de virtud, era un
sistema centrado sobre el propio individuo; una ética de la pura felicidad
subjetiva cuyo surgimiento se vincula con el quiebre del marco de la ciudad, que
constituía el punto de referencia para el griego. (WORTMAN, ARIZAGA s.a.)
Epicuro nunca insinuou que o interesse dos outros precisava ser preferido ou
valorizado independentemente do interesse do sujeito. Este não possui tendências
“naturais” para uma vida em comunidade e seu conceito de justiça não apresenta nem
obrigações morais, nem sociais. A justiça em Epicuro só requer que respeitemos os
“direitos” dos outros quando isto tem resultados vantajosos para todas as partes.
Los seguidores de Epicuro fueron conocidos como los "filósofos del jardín"
(SIC!) ya que vivían en jardines de los cuales, según la leyenda, colgaba una
inscripción con las palabras: "Forastero, aquí estarás bien. Aquí el placer es el
bien primero". Los refugios epicúreos se asemejaban al encierro monástico pero
sin su componente fundamental: la mística, la caridad o la preocupación por el
otro. Los adeptos buscaban a su lado el olvido de las preocupaciones de la vida
cotidiana, un retiro seguro para huir de las desdichas de la existencia, ante cuyos
límites se detenían los males del exterior. (WORTMAN, ARIZAGA s.a.)
Quando se relaciona esses preceitos do Epicuro à experiência da vida em
condomínios fechados, pode-se levantar a hipótese de que as pessoas que procuram por
esse estilo de vida estão orientados por valores profundamente egoístas que buscam apenas

18
o benefício próprio, seu próprio prazer, ao mesmo tempo em que procuram fugir da dor
social. A forma fechada de urbanização justifica-se, assim, pelo temor da violência mesmo
no sentido mais amplo de um temor das demais pessoas, da dor e até da morte. Produz um
espaço que permite ignorar as desigualdades e a dor alheia. E, como concluem as autoras,
“como os desesperados seguidores do Epicuro, trata-se de buscar uma ´saída´ individual a
um mal-estar fundado no temor e encontrar um jardim longe dos olhares ásperos dos
outros” (WORTMAN, ARIZAGA s.a.).
Na base dessa interpretação das práticas sociais e espaciais, chegaríamos, então, à
conclusão que essas classes e segmentos médios e altos não só “reproduzem” o status quo,
mas ajudam a aprofundar as desigualdades sócio-espaciais que caracterizam hoje o espaço
metropolitano no nosso país.

6. Breves considerações finais

A convicção que estamos diante ou próximo a uma transformação profunda da


sociedade capitalista contemporânea encontra-se na bibliografia em diversas épocas em
diferentes autores. O advento da “sociedade urbana” foi a aposta de Lefebvre já em fins da
década de 1960; a idéia de surgir uma “sociedade de lazer” de Krippendorf na década de
1980, como explicita no trecho seguinte:
Dentro de um ou dois decênios, tudo terá mudado, nada mais será como hoje. As
transformações são grandes. Está em vias de nascer uma sociedade
fundamentalista diferente, capaz do melhor como do pior. Encontramo-nos no
limiar de uma nova era, sentimento tão encorajador como inquietante, do qual
compartilham inúmeros seres humanos. Muitos são aqueles que se voltam hoje
contra um sistema de valores e ideais que foram aceitos durantes gerações pela
sociedade industrial orientada para o trabalho. O sentido, o objetivo, a qualidade
de vida são novamente questionados e exigem outra definição (KRIPPENDORF,
1989, p. 148).
E, mais recentemente, na década de 1990, postulou Castells (1996) que estávamos
vivendo, já, na “sociedade em rede”.
Não foi nosso propósito de tomar posição a respeito desses “futuros possíveis”;
nem nossa intenção de “laurear”, legitimar ou defender a atuação de determinados agentes
sociais como protagonistas progressistas e revolucionarios de uma possível transição a uma
sociedade nova. Mas, também, não queríamos “denunciá-los” como simples forças
retrogradas e conservadores cujo único interesse é o de reproduzir ou aumentar seus
privilégios sociais.
Queríamos, sim, chamar a atenção que há uma alternativa para esses segmentos
sociais de seguir um ou o outro caminho; há, mesmo talvez de forma reduzida, um
potencial para contribuir à “revolução” no sentido de Lefebvre. Não nos parece haver

19
nenhum determinismo histórico que os “obriga” a agir de uma determinada maneira. Há,
certamente, valores, costumes e hábitos sociais destes segmentos que, talvez, tornem sua
ação em uma direção mais “provável” do que a oposta.
A concepção do espaço social como produto social de Lefebvre permite, ao nosso
ver, um debate acerca dessas duas alternativas que pode dar origem a investigações e
proposições que, com relação a realidades concretas, podem indicar onde, até onde e em
que sentido essas novas – ou velhas - formas de expansão metropolitana podem dar sua,
talvez modesta, contribuição para o surgimento de uma sociedade urbana – e um espaço
diferencial – com menos injustiças, desigualdades, pobreza, autoritarismo etc. Pode haver
experiências, também aqui, que não deveriam ser desperdiçadas (vide a respeito “do
desperdício da experiência” SANTOS, 2000) por causa de pré-conceitos referentes a
determinados grupos sociais.
É neste sentido que o exercício da nossa refletividade quer contribuir para que esses
segmentos médios e altos da sociedade brasileira sejam chamados a assumir suas
responsabilidades na transformação social em direção a uma sociedade mais livre, justa e
fraterna na medida em que possuem potencialidades para tal como procuramos argumentar
nesse pequeno ensaio.

BIBLIOGRAFIA

CALDEIRA, T. P. R. Cidade de muros. Crime, segregação e cidadania em São


Paulo. São Paulo: Edusp, Editora 34, 2000
CASTELLS, M. The rise of the network society. Malden, Mass., Oxford, UK:
Blackwell, 1996
DAVIDOVICH, F. Redutos de classe média. Uma tendência da urbanização
brasileira. In: Anais do IV Encontro Nacional da Associação de Pesquisa e Pós-Graduação
em Planejamento Urbano e Regional – ANPUR, Salvador: ANPUR, 1991, pp. 291-298
ELDEN, S.. “There is a politics of space because space is political”. Henri Lefebvre
and the production of space. An Architektur, http:// www.anarchitektur .com/AA01-
Lefebvre/Elden.html , 2001
FISHMAN, R. Bourgeois utopias: visions of suburbia. In: FAINSTAIN, S.,
CAMPBELL, S. (eds.) Readings in urban theory. Oxford: Blackwell, 1996, pp. 23-60

20
KRIPPENDORF, J. Sociologia do turismo. Para uma nova compreensão do lazer a
das viagens. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1989
LEFEBVRE, H. A re-produção das relações de produção (1a parte de La survie du
capitalisme). Porto: Publicações Escorpião 1973
LEFEBVRE, H. Lógica formal, lógica dialética. Rio de Janeiro: Ed. Civilização
Brasileira, 1979
LEFEBVRE, H. The production of space. Oxford (UK), Cambridge, Mass.:
Blackwell Publishers, 1991
LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999
LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro Editora, 2001
MARTINE, G. A redistribuição espacial da população brasileira durante a década
de 80. Texto para discussão no. 329, Rio de Janeiro: IPEA, janeiro 1994
RANDOLPH, R. A dialética do próximo e distante: reflexões sobre transformações
urbanas contemporâneas. In Limonad, E. (org.) A ordem do próximo e a ordem do distante.
Reflexões em torno do pensamento de Henri Lefebvre. Niteroi: UFF, 2003, pp. 67-98
RANDOLPH, R. Mobilidade virtual e urbanização. Reflexões e investigações
acerca do novo potencial de segregação populacional de velhas formas de ocupação.
Trabalho apresentado no Seminário “Por uma outra cidade: identidades culturais,
experiências políticas e transformações do cotidiano” do GT Desenvolvimento Urbano do
CLACSO. La Paz/Bolívia: Universidad Mayor de San Andres, agosto 2004a
RANDOLPH, R. Potencial tecnológico e transformação local-regional: Novas
formas de urbanização a partir de uma mobilidade “virtual”? Um caso na área peri-
metropolitana do Rio de Janeiro. Anais do V Colóquio sobre Transformaciones
Territoriales. Nuevas Visisones en el Inicio del Siglo XXI. La Plata: Universidad de La
Plata, 2004b
RANDOLPH, R. Utopia burguesa ou revolução urbana? - Transformações da
organização territorial e novas formas urbanas em áreas peri-metropolitanas do Rio de
Janeiro. Anais do XI Encontro Nacional da Associação de Pesquisa e Pós-Graduação em
Planejamento Urbano e Regional – ANPUR, Salvador /Bahia: ANPUR, 2005
RANDOLPH, R., GOMES, P. H. O. Expansão da Metrópole e Áreas Peri-Metropo-
litanas: Continuidade ou Ruptura? O Contexto de uma Investigação do Entorno do Rio de
Janeiro. Anais do XII Encontro Nacional da Associação de Pesquisa e Pós-Graduação em
Planejamento Urbano e Regional – ANPUR, Belém / Pará, 2007

21
RANDOLPH, R., LOPES, L. Urbanização fechada em áreas metropolitana e peri-
metropolitana: comparação da segregação sócio-espacial entre condomínios fechados
dentro e fora da região metropolitana do Rio de Janeiro. Anais do 30o Encontro da
ANPOCS, Caxambu / Minas Gerais, 2006
RANDOLPH, R., LOPES, L. New urban forms in peri-metropolitan areas? A
comparision of the ocupation by gated communities inside and outside of the metropolitan
area of Rio de Janeiro In: Anais do International Seminar on Urban Form – Ouro Preto /
MG, agosto, 2007
SANTOS, B. S. A crítica as razão indolente. Contra o desperdício da experiência.
São Paulo: Cortez, 6a. ed., 2000
SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: HUTCITEC, 1993
SANTOS, M. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Edusp, 5a. ed., 2004
SARTRE, J.-P. Questão de método. São Paulo: DIFEL, 1967
TASCHNER, S. P., BOGUS, L. A cidade dos anéis: São Paulo. In: RIBEIRO, L.C.
Q. (Org.) O futuro das metrópoles. Desigualdades e governabilidade. Rio de Janeiro:
Revan, Fase, 2000, pp. 247-284
WORTMAN, A., ARIZAGA, C. Buenos Aires está cambiando: entre los consumos
culturales y los barrios cerrados. Revista eletrônica Mundo Novo, s.a.
http://www.mundourbano.unq.edu.ar

22