Você está na página 1de 109

ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO DE M A N A U S - AM

CRIADO MEDIANTE O ARTIGO N° 129 DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO

Manaus, terça-feira, 05 de novembro de 2002. Número 628 ANO III R$ 15,00

E D IÇ Ã O ES PE C IA L
PLANO DIRETOR URBANO E AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE MANAUS
PODER EXECUTIVO
Neste sentido, o Plano Diretor Urbano e Ambiental deve
PREFEITURA MUNICIPAL DE sempre fornecer diretrizes que, interpretando as vocações
MANAUS PMM econômicas, demandas sociais e as características
ambientais do Município, conduzam ao desenvolvimento
integrado e sustentável.
O caso específico de Manaus combina estas demandas
que, certamente, exigem um instrumento de orientação do
crescimento urbano com fortes componentes ambientais,
MENSAGEM estratégicos, institucionais e físico-territoriais.
Um dos principais desafios do Poder Público tem sido
promover adequada gestão territorial de ocupação urbana,
MENSAGEM Nº 16/GP no papel que lhe cabe como regulador do uso e ocupação
do solo.

Senhor Presidente,
Senhores Vereadores, O aumento continuado da população urbana das cidades
brasileiras, aliado ao alto índice de exclusão social, à
redução da capacidade de investimento do Município e a
Com base no que estabelece o inciso II do um percentual cada vez maior de pobres vivendo em
artigo 57 da Lei Orgânica do Município, submetemos à condições subumanas de existência resultam num
superior deliberação de Vossas Excelências os Projetos de agravamento crescente dos problemas urbanos e
Lei abaixo descriminados: ambientais, sobremaneira aqueles relacionados à poluição
REGULAMENTA o Plano Diretor Urbano e Ambiental, e a degradação dos espaços.
estabelece diretrizes para o desenvolvimento da Cidade de Em Manaus, estes problemas se acentuam pela maciça
Manaus e dá outras providências relativas ao planejamento urbanização do espaço físico associada às condições
e à gestão do território do Município; ambientais vulneráveis do território, tornando as questões
urbano-ambientais mais sofríveis, vez que estão
REGULAMENTA o perímetro urbano no Município de diretamente relacionadas à forma de ocupação do solo e à
Manaus e descreve os limites da cidade conforme as carência de uma infra-estrutura adequada.
diretrizes do Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus;

REGULAMENTA o parcelamento do solo urbano no A expansão acelerada da área urbana nos últimos vinte
Município de Manaus; anos, tem despendido elevados investimentos públicos
para abrandar os problemas, porém os instrumentos de
INSTITUI o Código de Obras e Edificações do Município administração urbana e ambiental praticados têm sido
de Manaus, Estado do Amazonas, e dá outras ineficazes no controle da qualidade das novas ocupações,
providências; pois, quando consideramos a baixa no rendimento dos
mecanismos de gestão utilizados para avaliar e monitorar
INSTITUI as Normas de Uso e Ocupação do Solo no as intervenções urbanas, verifica-se que o prejuízo
Município de Manaus, Estado do Amazonas, e dá outras ambiental causado pelas ocupações populacionais se
providências; agrava, impondo ao Poder Público a reavaliação dos
instrumentos de controle urbano e, conseqüentemente, a
INSTITUI normas relativas ao Licenciamento e adoção de novos modelos de planejamento territorial.
Fiscalização de Atividades em Estabelecimentos e A expansão acelerada da área urbana nos últimos vinte
Logradouros, que integra o Conjunto de Posturas do anos, tem despendido elevados investimentos públicos
Município de Manaus, Estado do Amazonas, e dá outras para abrandar os problemas, porém os instrumentos de
providências. administração urbana e ambiental praticados têm sido
ineficazes no controle da qualidade das novas ocupações,
O texto constitucional define o Plano Diretor como pois, quando consideramos a baixa no rendimento dos
instrumento básico da política de desenvolvimento e de mecanismos de gestão utilizados para avaliar e monitorar
expansão urbana e estabelece que a propriedade urbana as intervenções urbanas, verifica-se que o prejuízo
cumprirá sua função social quando atender às exigências ambiental causado pelas ocupações populacionais se
fundamentais de ordenação da cidade. agrava, impondo ao Poder Público a reavaliação dos
2 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
instrumentos de controle urbano e, conseqüentemente, a LEI:
adoção de novos modelos de planejamento territorial.
Daí a necessidade da Administração Municipal adotar um PARTE I
modelo de gerência do território urbano-ambiental que DO DESENVOLVIMENTO DO MUNICÍPIO
permita a integração, de modo sistêmico, da
sustentabilidade às atividades de planejamento, baseada TÍTULO I
na participação intensa dos atores sociais envolvidos, tanto DOS PRINCÍPIOS
em fase de elaboração quanto de implantação da nova
política de desenvolvimento e controle urbano. Art. 1° - O desenvolvimento urbano e ambiental
A condução da política urbanística exige novas formas de de Manaus tem como premissa o cumprimento das funções
atendimento à elevada dinâmica da organização espacial e sociais da cidade e da propriedade urbana, nos termos da
às atuais tendências de substituição dos sistemas de Lei Orgânica do Município, de forma a garantir:
gestão territorial por modelos que privilegiam a adoção de I - a promoção da qualidade de vida e do
códigos voluntários de conduta auto-regulação, auto-gestão ambiente;
e de instrumentos econômicos. II - a valorização cultural da cidade e de seus
costumes e tradições;
III - o aprimoramento da atuação do Poder
O envolvimento da sociedade organizada no planejamento Executivo sobre os espaços da cidade, mediante a
e na gestão urbana das cidades mereceu destaque com o utilização de instrumentos de controle do uso e ocupação
recente advento do Estatuto das Cidades Lei Federal nº. do solo;
10.257, de 10 de julho de 2001, considerando que a IV - a articulação das ações de desenvolvimento
população, atualmente, está muito mais confiante em no contexto regional;
relação ao Poder Público, pois este compreendeu que a V - a inclusão social através da ampliação do
determinação de seus agentes é a de entregar aos acesso à terra e da utilização de mecanismos de
cidadãos um trabalho embasado na realidade, com redistribuição da renda urbana;
perspectiva de um futuro melhor no modo de vida da VI - o fortalecimento do Poder Executivo na
população. condução de planos, programas e projetos de interesse
para o desenvolvimento de Manaus, mediante a articulação
com os demais entes de governo e a parceria com os
A elaboração de um Plano Diretor mais condizente com os agentes econômicos e comunitários;
princípios do Estatuto das Cidades e com os atuais anseios VII - a gestão democrática, participativa e
da população exige, em primeira instância, a modernização descentralizada da cidade;
de alguns dispositivos da Lei Orgânica do Município, VIII - a integração entre os órgãos, entidades e
norteadores da política urbana. conselhos municipais, visando à atuação coordenada no
cumprimento das estratégias fixadas neste Plano e na
execução dos planos, programas e projetos a ele
Colocando estas razões, que de todo se coadunam com o suplementados.
interesse administrativo, confio na aquiescência de Vossas
Excelências para as proposituras descriminadas em pauta, TÍTULO II
cujo objetivo é institucionalizar as diretrizes, DAS ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO
recomendações e normas para a Cidade de Manaus,
dotando-a de um instrumento de gestão do
Art. 2° - As Estratégias propostas pelo Plano
desenvolvimento urbano em condições sustentáveis, que
Diretor Urbano e Ambiental de Manaus para o
seja desencadeador de um processo de reestruturação
desenvolvimento do Município são:
urbana, recuperação ambiental e fortalecimento social, com
I Valorização de Manaus como Metrópole
garantia da capacidade de assimilar as mudanças de rumo
regional;
que fatalmente a metrópole sofrerá.
II Qualificação ambiental do território;
Atenciosamente,
III Promoção da economia;
IV Mobilidade em Manaus;
V Uso e ocupação do solo urbano;
VI Construção da cidade;
ALFREDO PEREIRA DO NASCIMENTO
VII - Gestão democrática.
Prefeito Municipal de Manaus
Art. 3° - As Estratégias de Desenvolvimento do
Município complementam-se com a efetivação do modelo
espacial contido nesta Lei e nas normas de uso e ocupação
do solo e parcelamento do solo urbano constantes de leis
LEI N° 671, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2002 municipais específicas.

CAPÍTULO I
DA VALORIZAÇÃO DE MANAUS COMO METRÓPOLE
REGULAMENTA o Plano Diretor
REGIONAL
Urbano e Ambiental, estabelece
diretrizes para o desenvolvimento
da Cidade de Manaus e dá outras Art. 4° - A estratégia de valorização de Manaus
providências relativas ao como metrópole regional tem como objetivo geral orientar
planejamento e à gestão do as ações do governo e dos diferentes agentes da
território do Município. sociedade para a promoção do desenvolvimento
sustentável e integrado na região.
Parágrafo único - São objetivos específicos da
estratégia de valorização de Manaus como metrópole
O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no uso regional:
das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 80, inciso I - integrar as funções do Município no contexto
IV, da Lei Orgânica do Município. regional e nacional;
FAZ SABER que o Poder Legislativo decretou e II - estabelecer a macroestruturação do território
eu sanciono a presente municipal, visando garantir a ocupação equilibrada de seus
3 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

espaços, a promoção social e o desenvolvimento não IV a proteção, conservação e potencialização


predatório das atividades produtivas neles desenvolvidas. do uso dos bens de interesse de preservação que integram
o Patrimônio Cultural de Manaus;
Art. 5° - A integração das funções do Município V- implantação do gerenciamento ambiental
no contexto nacional e regional se dará através das integrado que garanta a proteção dos patrimônios natural e
seguintes diretrizes: cultural do Município.
I - reforço da participação de Manaus em planos
e programas, de âmbito estadual e federal, voltados para o
desenvolvimento do Município e da região; Seção I
II - promoção da complementaridade de Do Patrimônio Natural de Manaus
atividades produtivas e a integração das funções urbanas
de Manaus com os municípios da região;
III - fortalecimento da atuação dos agentes Art. 8° - Constituem o Patrimônio Natural de
econômicos e de instituições de Manaus e dos demais Manaus as unidades de conservação, as áreas de
municípios do Estado para o desenvolvimento sustentável preservação permanente, os fragmentos florestais urbanos,
da região. as áreas verdes, as orlas dos rios Negro e Amazonas e
demais cursos d água.
Art. 6° - A estratégia de valorização de Manaus Parágrafo único - Para efeito de conceituação
como metrópole regional será efetivada através do dos bens constituintes do Patrimônio Natural, são
Programa Manaus - Metrópole da Amazônia que visa: consideradas as definições adotadas no Código Ambiental
I - identificar as ações dos governos estadual e de Manaus.
federal, no Município e na região, priorizando a participação
da Prefeitura naquelas de maior interesse para o
desenvolvimento local; Art. 9° - A proteção do Patrimônio Natural será
II - promover a articulação interinstitucional com implementada mediante:
os diferentes entes de governo que atuam na região com o I - a utilização de instrumentos de intervenção
objetivo de integrar as ações para o desenvolvimento; urbana que incentivem à conservação do Patrimônio
III - instituir mecanismos de articulação Natural;
permanente com a administração dos municípios vizinhos, II - a implementação dos programas de proteção
especialmente dos municípios limítrofes de Manaus, ao Patrimônio Natural;
visando à fomentação das atividades produtivas, à III - a aplicação da agenda ambiental positiva do
integração das funções e à gestão de serviços de interesse Estado do Amazonas;
comum; IV - a aplicação dos instrumentos previstos pelo
IV - incentivar a articulação de agentes e Código Ambiental de Manaus;
instituições, inclusive cooperativas e associações de V - a criação na guarda municipal de
pequenos produtores, para formação de parcerias com a grupamento específico para proteção das unidades de
Prefeitura de Manaus, visando à implementação de conservação do Município;
projetos de desenvolvimento; VI - o apoio à criação de delegacia
V - direcionar os investimentos públicos para a especializada na área de crimes ambientais, em âmbito
implementação de programas de alcance social, com estadual, para atuação junto à Vara Especializada de Meio
ênfase no atendimento à saúde, à educação e à moradia; Ambiente e do Ministério Público;
VI Implantar espaços públicos polivalentes de VII Estruturação e aparelhamento do setor
elevado interesse comunitário, em módulos progressivos, administrativo municipal responsável pelo planejamento e
cuja essência é a conquista da cidadania e a defesa da pelo gerenciamento dos Programas de Proteção e
democracia. Valorização dos Ambientes Naturais e dos Cursos d Água;
VIII A criação, no Município de Manaus, de
Parágrafo único - Para apoio do Programa uma central analítica dotada de equipamentos modernos
Manaus Metrópole da Amazônia será criada a Agência para análises físico-químicas e microbiológicas, com a
para Promoção do Desenvolvimento Regional Sustentável. finalidade de apoiar os órgãos municipais na fiscalização e
preservação do meio ambiente.

CAPÍTULO II Art. 10 - Constituem programas de proteção do


DA QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E CULTURAL DO Patrimônio Natural:
TERRITÓRIO I - Programa de Proteção e Valorização dos
Ambientes Naturais de Manaus, visando:
a) à proteção das áreas de fragilidade
Art. 7° - A Estratégia de Qualificação Ambiental ambiental e impróprias para ocupação;
e Cultural do Território tem como objetivo geral tutelar e b) à recuperação de áreas degradadas em
valorizar o patrimônio cultural e natural de todo o município todo o território municipal, em especial aquelas localizadas
de Manaus, priorizando a resolução de conflitos e a na área urbana e em sua periferia imediata;
mitigação de processos de degradação ambiental c) à promoção de plantio e manutenção de
decorrentes de usos incompatíveis e das deficiências de vegetação nas áreas susceptíveis de erosão;
saneamento. d) ao incremento da arborização de
Parágrafo único - São objetivos específicos da logradouros e de equipamentos de uso público, priorizando
estratégia referida neste artigo: as áreas de interesse turístico e os bairros mais carentes;
I - a defesa dos ambientes naturais urbanos e e) à regulamentação das espécies a serem
não-urbanos de interesse de proteção com disciplina de utilizadas no paisagismo urbano e na arborização de
seu aproveitamento; Manaus, avaliando a utilização de espécies nativas e
II a implantação, manutenção e valorização priorizando o uso daquelas consideradas mais
dos fragmentos florestais e das áreas verdes urbanas de apropriadas, com o objetivo de dar uma identidade florística
Manaus; à cidade; (Alterado pelo Art. 1º da Lei 752 de 07/01/04
III a promoção da integridade das águas D.O.M. Nº956)
superficiais e subterrâneas do território do Município, f) ao monitoramento de áreas verdes e/ou
através de ação articulada com as políticas estadual e arborizadas em loteamentos e condomínios residenciais.
federal de gerenciamento dos recursos hídricos; (Alterado pelo Art. 1º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M.
Nº956)
4 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
II - Programa de Proteção e Valorização dos III - a estruturação e o aparelhamento de um
Ambientes Naturais e dos Cursos d Água, objetivando a setor administrativo municipal responsável pelo
proteção dos rios e igarapés e de suas margens e a planejamento e pelo gerenciamento dos programas de
conscientização da população para a sua conservação e proteção e valorização do patrimônio cultural.
fiscalização, por meio de:
a) elaboração do Plano de Proteção das Art. 14 - O Programa de Valorização do
Margens dos Cursos d Água e do Plano de Saneamento e Patrimônio Cultural visa:
Drenagem; I - executar inventário atualizado de todos os
b) integração dos igarapés à paisagem, com bens imóveis considerados de interesse cultural, já
a recomposição das matas ciliares; protegidos ou não, em articulação com órgãos e entidades
c) estruturação ambientalmente adequada federais e estaduais de cultura e patrimônio;
das margens dos cursos d água com largura mínima de 50 II - inventariar e registrar as manifestações
metros para a orla dos Rios Negro e Amazonas e Igarapé culturais tradições, hábitos, práticas e referências
do Tarumã-Açu. Para os demais cursos d água, a faixa culturais de qualquer natureza existentes no município
considerada deve ser de 30 (trinta) metros; (Errata II que conferem a identidade de suas populações e dos
D.O.M. Nº 801 de 23/07/03), (Alterado pelo Art. 1º da Lei espaços que habitam e usufruem;
752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956) III - aperfeiçoar os instrumentos de proteção dos
d) utilização ecologicamente adequada de bens de interesse cultural, definindo os níveis de
trechos navegáveis dos igarapés, para atividades preservação e os parâmetros de abrangência da proteção,
econômicas e/ou de valorização dos mesmos (turismo, também em articulação com os demais órgãos e entidades
pesca e transporte), desde que não comprometam as de preservação;
condições ambientais desses cursos d água; IV - estabelecer mecanismos de fiscalização dos
e) coibição do uso e da ocupação bens culturais de caráter permanente, no âmbito da
ecologicamente inadequados dos trechos não navegáveis Prefeitura de Manaus, e articulados com as demais
dos igarapés; instâncias de governo;
f) coibição do lançamento de efluentes V instituir meios de divulgação sistemática
poluidores e de resíduos sólidos (lixo) nos rios, igarapés e junto à população, especialmente nas escolas, através de
áreas adjacentes aos mesmos, conscientizando e propaganda institucional, para despertar o interesse de
integrando a participação da população nas ações de preservação do Patrimônio Cultural, em todas as formas e
proteção dos cursos d água; manifestações;
g) conscientização da população sobre VI - incentivar a revitalização de prédios,
qualidade das águas e resíduos sólidos (lixo), bem como conjuntos e sítios históricos, tendo como exemplo
sua relação com a qualidade de vida, utilizando experiências realizadas em outras cidades brasileiras;
mecanismos que permitam massificar as informações por VII - apoiar os projetos de recuperação urbana e
meio das organizações da sociedade civil. valorização de bens tombados em andamento em Manaus;
h) a criação de postos flutuantes, VIII - criar formas de captação e geração de
devidamente equipados, para a fiscalização contínua da recursos para manutenção e valorização do patrimônio,
orla fluvial. com ampla participação da iniciativa privada;
i) a desocupação das margens e leitos dos IX - preservar a cultura local, levando em
igarapés. consideração os usos e costumes da população
manauense nas medidas de recuperação e valorização das
Parágrafo único será obrigatória a expansão margens dos rios.
anual da rede de esgoto de 5% em relação ao total de
unidades residenciais do município.
Seção III
Do Gerenciamento Integrado
Seção II
Do Patrimônio Cultural
Art. 15 - A efetivação de gerenciamento
Art. 11 - Integram o Patrimônio Cultural de ambiental e cultural integrado se dará mediante a
Manaus o conjunto de bens imóveis de valor significativo - implementação dos seguintes programas:
as paisagens, os sítios históricos, os conjuntos
arquitetônicos e as edificações de interesse cultural - e os I - Programa de Gestão Ambiental com os
bens imateriais ou intangíveis da cidade e da região. seguintes objetivos:
a) integrar a atuação dos setores de meio
Art. 12 - Constituem-se diretrizes para a ambiente, proteção do Patrimônio Cultural, controle do uso
proteção dos bens que integram o Patrimônio Cultural de e ocupação do solo, abastecimento de água, esgotamento
Manaus: sanitário, drenagem urbana, gerenciamento de resíduos
I - identificar, catalogar e proteger os bens sólidos, energia elétrica, gás encanado, telecomunicações
imóveis de valor significativo; e demais serviços e atividades urbanas;
II - registrar e valorizar as manifestações b) integrar a atuação dos setores de meio
culturais consideradas bens imateriais ou intangíveis da ambiente, proteção do Patrimônio Cultural, turismo,
cidade e da região; transportes e educação;
III -incentivar procedimentos e criar mecanismos c) definir instrumentos institucionais para a
que visem à divulgação, à valorização e à potencialização gestão ambiental;
do uso do Patrimônio Cultural. d) exigir das Indústrias, instaladas em
Manaus, um laudo trimestral sobre a qualidade da água
despejada nos esgotos públicos e cursos d água;
Art. 13 - A proteção dos bens que integram o e) promover a articulação com instituições de
Patrimônio Cultural será implementada mediante: ensino e pesquisa para o desenvolvimento de estudos e
propostas de gestão ambiental, assim como o
I - a execução de Programa de Valorização do assessoramento técnico na implementação das ações de
Patrimônio Cultural; gestão ambiental.
II - a utilização de instrumentos de intervenção II - Programa de Gestão Energética Local,
que incentivem à conservação dos bens de interesse destinado a:
histórico e cultural;
5 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

a) estabelecer procedimentos administrativos, a) o incentivo à implantação de novas


no âmbito da Prefeitura, voltados para a redução do atividades produtivas, identificando produtos com
consumo de energia elétrica na cidade de Manaus; características regionais;
b) integrar as ações da administração b) a garantia da exploração sustentável dos
municipal e das companhias concessionárias de recursos naturais regionais;
fornecimento e distribuição de energia elétrica; c) o estímulo à implantação de novos pólos
c) promover a articulação com instituições de de energia alternativa.
ensino e pesquisa para o desenvolvimento e divulgação de
alternativas energéticas, assim como o assessoramento III - incentivar a produção de conhecimento com
técnico para sua utilização. investimentos direcionados à formação de centros
III Programa de Gestão dos Recursos avançados de biotecnologia e biodiversidade mediante:
Hídricos, destinado a: a) a identificação de parceiros na iniciativa
a) estabelecer procedimentos técnico- privada, nas universidades e nos centros de pesquisa;
administrativos, no âmbito Municipal, voltados para a b) a promoção da integração entre
consolidação do sistema de esgotamento sanitário; universidades e empresas privadas;
b) desenvolver ações de controle da qualidade c) o apoio às pesquisas dirigidas ao
da água de abastecimento público segundo o que desenvolvimento da bioindústria;
prescreve a legislação; d) capacitação e incentivo às pesquisas
c) promover a articulação intra e voltadas para reutilização e/ou reciclagem dos resíduos
interinstitucional com instituições de ensino e pesquisa para gerados nas agroindústrias.
desenvolvimento integrado de atividades de monitoramento
das bacias de drenagem sob jurisdição municipal. IV promover atividades turísticas mediante:
a) apoio à qualificação das atividades
CAPÍTULO III relacionadas ao turismo receptivo, em especial, às de
DA PROMOÇÃO DA ECONOMIA hotelaria e gastronomia;
b)a criação de estrutura física e promoção de
eventos esportivos, valorizando atrativos de Manaus que
Art. 16 - A Estratégia de Promoção da possam atrair um grande número de participantes;
Economia tem como objetivo geral potencializar Manaus c) a criação de espaços adequados à
como centro articulador da dinâmica econômica da realização de festas populares com calendário fixo;
Amazônia Ocidental e produtor de conhecimento sobre a d) o apoio a programas de captação de
região. eventos profissionais articulados com a criação do pólo de
Parágrafo único - São objetivos específicos da produção de conhecimento avançado;
Estratégia de Promoção da Economia: e) a promoção do lazer urbano;
I - desenvolver atividades que favoreçam a f) promoção de cursos destinados à
complementaridade entre os diversos setores da economia capacitação profissional e a potencialização das atividades
e amplie a oferta de trabalho e geração de renda; de turismo ecológico no âmbito do Município;
II - transformar Manaus em pólo de produção de g)
a implantação de estrutura ambientalmente
conhecimento amplo e diversificado, visando ao fomento da adequada ao usufruto, para turismo e lazer, de áreas que
tecnologia e da educação com ênfase na potencialidade constituem o Patrimônio Natural de Manaus.
dos recursos da Amazônia; V - fortalecer a implantação de atividades
III - incrementar as atividades turísticas no agroflorestais, rurais e agro-industriais que apresentem
Município; vantagens comparativas no que se refere ao impacto
IV - aumentar a produção, a distribuição e o ambiental, local e regional, por meio de:
consumo de alimentos, com incentivos voltados para a) estímulo à pesca artesanal e à piscicultura
pequenos produtores, associada à exploração racional dos nos diferentes modos de produção;
recursos naturais da região e ao desenvolvimento da b) incentivo ao cultivo e valorização dos
agroindústria no Município; produtos regionais, para o consumo interno e externo;
c) produção de mudas de plantas regionais
V criar alternativas que promovam a para utilização na paisagem da cidade;
implantação, o desenvolvimento e a consolidação de pólos d) implantação de frigoríficos e centrais de
econômicos adequados aos recursos regionais, armazenagem da produção local;
principalmente na área de fármacos, fitoterápicos e e) promoção de melhores condições de
cosméticos. transporte em toda cadeia da produção de alimentos;
f) implantação de um sistema de assistência
Art. 17 - A implementação da Estratégia de técnica ao pequeno produtor;
Promoção da Economia se dará pelas seguintes diretrizes: g) promoção de cursos de capacitação
profissional, visando à potencialização das atividades
I - apoiar a atividade portuária de modo a desenvolvidas de maneira informal pela população.
favorecer a criação de um setor dinâmico e de apoio a VI Incentivar o emprego e renda através das
outras atividades econômicas, priorizando: seguintes ações:
a) a melhoria da infra-estrutura de apoio a) Disponibilizar espaços e recursos ociosos do
portuária de Manaus; Município a toda iniciativa que objetive renda e que seja de
b) o estímulo ao transporte fluvial de carga e interesse coletivo das comunidades;
de passageiros cotidiano e turístico; b) Contratação de estagiários, preferencialmente
c) a organização das atividades estudantes, para desenvolvimento de atividades de
desempenhadas na orla fluvial; interesse da Administração Municipal.
d) a criação de infra-estrutura portuária Art. 18 - Constituem programas da Estratégia
adequada para cargas regionais destinadas ao de Promoção da Economia:
abastecimento, em todos os acessos da orla fluvial.
I - Programa de Promoção do Lazer Urbano,
II - estimular o desenvolvimento do parque visando estimular o lazer local como forma de incrementar
industrial em Manaus mediante: o turismo urbano, com propostas de:
a) articulação com o setor privado para
implantação de serviços de apoio;
6 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
b) implantação de equipamentos, nos bairros II - Programa de Melhoria da Circulação e
da cidade, com infra-estrutura de apoio ao lazer, incluindo Acessibilidade Urbana, para a qualificação dos logradouros
espaços para o desenvolvimento de atividades culturais e públicos e o ordenamento dos sistemas operacionais de
econômicas. tráfego, mediante:
II - Programa para Abastecimento de Manaus, a) definição de uma hierarquia viária;
visando à formação de cooperativas de produtores voltadas b) priorização dos pedestres nas vias,
à comercialização dos alimentos dirigidos ao abastecimento organizando estacionamentos e paradas de ônibus,
de Manaus e à melhoria da qualidade destes produtos. ordenando e padronizando os elementos do mobiliário
urbano e a comunicação visual, implantando e ampliando a
Parágrafo único - O Município estimulará a arborização, recuperando as calçadas ocupadas com usos
formação de cooperativas associadas a programas sociais impróprios e alargando as calçadas e os canteiros;
e urbanísticos, sobretudo quando vinculadas aos c) implantação de ciclovias arborizadas;
programas de habitação social e de qualificação ambiental. d) adequação e ampliação das redes de
serviços urbanos que interfiram na qualidade de circulação
CAPÍTULO IV nas vias, incluindo os sistemas de drenagem de águas
DA MOBILIDADE EM MANAUS pluviais e de iluminação pública;
e) ampliação da acessibilidade de pessoas
Art. 19 - A Estratégia de Mobilidade em Manaus portadoras de deficiências, com a implantação de rampas
tem como objetivo geral qualificar a circulação e a nas travessias de pedestres e comunicação visual e
acessibilidade de modo a atender às necessidades da sonora, reportando-se às exigências das normas técnicas
população em todo território municipal. brasileiras específicas.
Parágrafo único - São objetivos específicos da Art. 23 - Para favorecer a mobilidade e a
Estratégia de Mobilidade em Manaus: acessibilidade intra e intermunicipal, deverão ser
implementadas pelo Poder Executivo Municipal medidas
I - otimizar as redes de circulação viária para complementares às ações dos Governos Federal e
integrar o território municipal e facilitar a articulação Estadual relativas às rodovias estruturantes do Município
regional; (BR-174 e AM-10), em parceria com os órgãos e entidades
II - capacitar a malha viária e os sistemas de específicos.
tráfego urbano para atender às necessidades de circulação
na cidade; CAPÍTULO V
III - ampliar os serviços do sistema de transporte DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO
e proporcionar a integração entre os locais com diferentes
funções urbanas.
Art. 24 - A Estratégia de Uso e Ocupação do
Solo Urbano tem como objetivo geral ordenar e
Art. 20 - A implementação da Estratégia de
regulamentar o uso e a ocupação do solo para garantir a
Mobilidade em Manaus se dará por meio das seguintes
qualidade de vida da população, incluindo a reconfiguração
diretrizes:
da paisagem urbana e a valorização das paisagens não-
urbanas.
I - garantir a fluidez da circulação dos veículos e
a segurança dos usuários nas rodovias e estradas que Parágrafo único - São objetivos específicos da
estruturam o Município e nas vias que articulam a área Estratégia de Uso e Ocupação do Solo Urbano:
urbana;
II - qualificar as vias urbanas considerando os I controlar a expansão urbana horizontal da
impactos ambientais na cidade, a segurança e o conforto cidade, visando à preservação dos ambientes naturais do
dos pedestres e os princípios de universal acessibilidade; Município e à otimização dos serviços e equipamentos
III - criar alternativas de deslocamentos fluviais urbanos de Manaus;
na área urbana, fomentando o transporte fluvial, de cargas II instituir, consolidar e revitalizar centros
e passageiros, cotidiano e turístico com o objetivo de urbanos dinâmicos;
potencializar a utilização de um recurso natural próprio de III ordenar a localização de usos e atividades
Manaus, desde que sejam implementados, conjuntamente, na cidade;
providências e procedimentos que assegurem a proteção IV incentivar a adoção de padrões
ambiental dos cursos d água utilizados e de suas áreas urbanísticos e arquitetônicos condizentes com as
marginais, mantendo-se, preferencialmente, serviços características climáticas e culturais de Manaus, visando à
tradicionais de transporte fluvial, como catraia, melhoria das condições ambientais das edificações e à
adequadamente estruturados; criação de uma nova identidade urbanística para a cidade.
IV - ampliar e otimizar o sistema de transporte
coletivo implantado; Art. 25 - Constituem-se programas da Estratégia
V - planejar a implantação futura de um sistema de Estruturação do Uso e Ocupação do Solo Urbano:
de transporte intermodal de alta e média capacidade.
I - Programa de Revitalização da Área Central,
Art. 21 - A Estratégia de Mobilidade em Manaus contemplando a integração de ações dos órgãos públicos
complementar-se-á com a recuperação, no prazo máximo envolvidos, nas distintas esferas públicas; fomentando a
de 05 (cinco) anos, dos espaços públicos de mobilidade, parceria da iniciativa privada e participação comunitária,
em especial calçadas e praças, que estejam indevidamente abrangendo projetos de qualificação urbana de logradouros
ocupados por equipamentos de empresas concessionárias públicos, estímulo ao uso e ocupação residencial e à
de serviços de energia elétrica, abastecimento de água e implantação de atividades culturais, comerciais e de
tratamento de esgoto, telefonia e outros. serviços voltadas para o turismo e à valorização de
interesse histórico-cultural;
Art. 22 - Constituem-se programas da Estratégia
de Mobilidade em Manaus: II - Programa de Dinamização de Centros de
I - Programa de Transporte Coletivo Urbano que Bairros, envolvendo aproximação da administração
integre ações de qualificação dos equipamentos de suporte municipal com entidades e associações locais e o incentivo
ao transporte urbano intermodal; a eventos culturais e comerciais nos bairros e incluindo
projetos urbanísticos para os centros dinâmicos;
7 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

III - Programas de Criação e Consolidação de Art. 30 - Para ampliar a oferta de habitação


Centros de Turismo e Lazer, nas orlas dos Rios Negro e social e o acesso à terra urbana, assim como para prevenir
Amazonas, visando à implantação de áreas verdes e e corrigir os efeitos gerados por situações e práticas que
parques e à instalação de um sistema de centros degradam o ambiente urbano e comprometem a qualidade
referenciais, de abrangência local, urbana ou regional, de vida da população, o Poder Executivo deverá
caraterizados pelo aproveitamento racional de recursos implementar uma política habitacional de interesse social,
naturais, ampliação de espaços de uso coletivo e adotando as seguintes diretrizes:
implantação de infra-estrutura sanitária adequada, com
vistas a potencializar a identidade da cidade pelo
I - fomentar o desenvolvimento de soluções
fornecimento das centralidades e valorização ambiental, a
tecnológicas para edificação e infra-estrutura, visando
ser elaborado em complementação ao Macroplano da Orla
padrões construtivos adequados aos condicionantes
Fluvial.
ambientais e urbanos de Manaus;
CAPÍTULO VI
II - ampliar o acesso ao financiamento da
DA CONSTRUÇÃO DA CIDADE
habitação de interesse social para populações de média e
baixa renda;
III - assegurar infra-estrutura, meios de
Art. 26 - A Estratégia de Construção da Cidade
transporte e equipamentos sociais na localização de novos
tem como objetivo geral compartilhar os benefícios sociais
empreendimentos habitacionais;
gerados na cidade e potencializar atividades econômicas
IV - promover a melhoria das condições de
urbanas para a implementação de uma política habitacional
habitabilidade nas áreas consolidadas por moradias
que democratize o acesso à terra e à moradia.
populares, na perspectiva de garantir novas oportunidades
para a população de baixa renda;
Parágrafo único - São objetivos específicos da V - adotar alternativas eficazes e sustentáveis
Estratégia de Construção da Cidade: de saneamento que não onerem excessivamente o custo
da moradia;
I - promover intervenções estruturadoras no VI - promover o reassentamento da população
espaço da cidade que crie novas oportunidades de baixa renda sujeita a situações de risco, mantendo as
empresariais e permita ao Poder Executivo recuperar e populações reassentadas, preferencialmente, no mesmo
redistribuir a renda urbana decorrente da valorização do local ou nas proximidades, garantindo maior segurança
solo; e melhor condição de acesso ao trabalho, ao lazer, à saúde
II - ampliar a oferta de habitação social e o e à educação;
acesso à terra urbana, fomentando a produção de novas VII - promover a regularização urbanística e
moradias para as populações de média e baixa renda fundiária.
adequadas à qualificação ambiental da cidade;
III - prevenir e/ou corrigir os efeitos gerados por
Art. 31 - Constituem-se programas da política
situações e práticas que degradam o ambiente urbano e
habitacional de interesse social:
comprometem a qualidade de vida da população,
I - Programa para Melhoria das Condições de
principalmente invasões e ocupações nas margens dos
Habitabilidade em Áreas Consolidadas, compreendendo:
cursos d água.
a) a regularização urbanística e fundiária das
ocupações clandestinas e irregulares de interesse social
Art. 27 - A promoção de intervenções em áreas de invasões e nas margens dos igarapés,
estruturadoras no espaço da cidade deverá atender às prevendo eventuais remanejamentos, quando necessário;
seguintes diretrizes: b) a implantação de programa de educação
ambiental junto às comunidades, articulando os diversos
I - potencializar atividades urbanas de interesse agentes representativos da sociedade;
público através da requalificação urbanística, ambiental e c) a geração de trabalho e renda para
paisagística da cidade; população residente nos assentamentos;
II - promover o aproveitamento de vazios d) a implantação de equipamentos sociais e
urbanos de imóveis subutilizados; urbanos que permitam criar espaços de lazer e
III - otimizar a infra-estrutura urbana; socialização;
IV - compatibilizar as Operações Urbanas e) a adoção de mecanismos de fiscalização e
Consorciadas com as necessidades de atendimento de monitoramento dos projetos habitacionais que integrem a
demandas habitacionais e de equipamentos urbanos; participação da população;
V - estimular o envolvimento dos diferentes f) estímulo ao uso/ocupação residencial na
agentes responsáveis pela construção da cidade, área central de Manaus, visando a máxima utilização da
ampliando a capacidade de investimento do Município e infra-estrutura existente.
garantindo visibilidade das ações do poder público.
II - Programa de Reassentamento da População
Parágrafo único - As Operações Urbanas
Removida de Áreas de Riscos, prevendo, em ordem de
Consorciadas definidas nesta Lei constituem o principal
preferência, as seguintes medidas:
instrumento viabilizador das intervenções estruturadoras no
a) reassentamento dos moradores, segundo o
espaço da cidade.
estabelecido no inciso VI do artigo 30;
b) reassentamento dos moradores em locais
Art. 28 - A implantação de infra-estrutura urbana dotados de infra-estrutura sanitária e transporte coletivo;
e social deverá ser priorizada em áreas e núcleos urbanos c) inserção em outros programas que contemple
mais carentes para garantir melhores condições de vida à a solução da questão habitacional.
população, com ênfase no aperfeiçoamento do sistema de
atendimento à saúde e na ampliação da rede municipal de
ensino público. III - Programa de Construção de Habitação de
Interesse Social, que:
Art. 29 - As áreas de remanescentes florestais a) incentive a realização de parcerias entre
e com recursos paisagísticos, sobretudo as orlas dos rios agentes privados e o Poder Executivo Municipal;
Negro e Amazonas, deverão ser priorizadas para criação b) promova ações articuladas com órgãos e
de novos centros dinâmicos de turismo e de lazer. entidades governamentais e não-governamentais voltados
à construção de moradias populares;
8 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
c) identifique áreas de interesse social com com a aplicação do Plano Diretor, seu monitoramento e
potencial de ocupação para promoção de novas moradias; avaliação;
d) atenda às demandas das populações de II - promover a articulação intergovernamental e
média e baixa renda, preferencialmente àquelas que com o Ministério Público;
ocupam áreas de invasões e igarapés. III - consolidar parcerias com a iniciativa privada,
§ 1° - Em consonância com os programas que com centros de ensino e pesquisa, organizações não-
integram a política habitacional de interesse social, o Poder governamentais e comunitárias, na ênfase de sua inserção
Executivo realizará levantamento das condições físicas, social;
ambientais e jurídicas dos assentamentos clandestinos ou IV - promover a modernização administrativa;
irregulares existentes na cidade. V - efetuar descentralização administrativa,
possibilitando aproximação com as particularidades locais,
§ 2° - Os programas habitacionais de interesse tendo por base territorial as Regiões Administrativas;
social destinam-se prioritariamente ao atendimento de VI - incentivar a integração intersetorial e a
parcela da população com renda familiar de até 5 (cinco) articulação multidisciplinar;
salários mínimos. VII - implantação do orçamento participativo
Art. 32 - Os programas habitacionais deverão como elemento da descentralização orçamentária.
ser financiados por meio de:
Parágrafo único - Para as funções de
I - recursos orçamentários do Poder Executivo planejamento e gestão, será instituído orçamento próprio,
Municipal; independentemente dos recursos oriundos da atividade de
II - recursos originários da articulação com fiscalização.
outros programas no âmbito dos Governos Estadual e
Federal; Art. 36 - Constituem-se programas para
III - recursos provenientes de parcerias com a implementação da Estratégia de Gestão Democrática:
iniciativa privada;
IV - recursos originários do Fundo de I - Programa de Modernização Administrativa,
Desenvolvimento Urbano. com ênfase na capacitação dos recursos humanos, que
estimule a troca de experiências entre os técnicos
municipais e a qualificação do quadro de fiscais da
Art. 33 - O Fundo de Desenvolvimento Urbano é Prefeitura;
instrumento destinado a gerar recursos para
implementação da política habitacional de interesse social II - Programa de Informação ao Cidadão, de
do Município. comunicação com a população, incluindo a elaboração e
Parágrafo único - Serão destinados ao Fundo de divulgação de indicadores urbanos e ambientais.
Desenvolvimento Urbano recursos gerados pela aplicação
dos instrumentos de intervenção urbana, com exceção do Parágrafo único - Será estimulada através do
IPTU progressivo previsto nesta lei, competindo sua Programa de Informação ao Cidadão, a formação de
administração ao órgão responsável pelo gerenciamento do consciência pública por meio de palestras nos bairros,
Sistema Municipal de Planejamento Urbano. locais de trabalho, escolas e universidades, distribuição de
cartilhas sobre direitos e deveres do cidadão, incluindo
orientação sobre o acesso aos serviços públicos.
CAPÍTULO VII
DA GESTÃO DEMOCRÁTICA TÍTULO III
DA MACROESTRUTURAÇÃO DO MUNICÍPIO
Art. 34 - A Estratégia de Gestão Democrática
tem como objetivo geral implantar um Sistema Municipal de Art. 37 - A Macroestruturação do Município de
Planejamento e Gestão Urbana que se constitua em um Manaus visa garantir a ocupação equilibrada do território
processo contínuo, democrático e dinâmico de qualificação municipal e o desenvolvimento não predatório das
das funções inerentes ao próprio sistema, da cidadania e atividades, adotando como diretrizes:
do controle da ocupação urbana, com base nas
formulações e instrumentos do Plano Diretor Urbano I - proteger as paisagens notáveis e os recursos
Ambiental de Manaus. naturais do território;
II - direcionar o uso e a ocupação do território de
Parágrafo único - São objetivos específicos da modo a preservar a natureza;
Estratégia de Gestão Democrática: III - otimizar as redes de circulação
intramunicipal e intermunicipal, permitindo integrar o
I - promover oportunidades para o exercício da território e facilitar a articulação regional.
cidadania, visando a um maior comprometimento da
população com a cidade; Art. 38 - Constituem-se pressupostos para a
II - impulsionar os mecanismos para construção Macroestruturação do Município:
de uma gestão urbana co-responsável, visando a uma
maior participação da sociedade em diferentes níveis; I - a restrição à ocupação nas áreas das
III - organizar uma estrutura administrativa para unidades federais e estaduais de conservação, Estação
o planejamento, visando a uma maior eficácia na Ecológica de Anavilhanas, Reserva Florestal Adolpho
formulação de estratégias e no gerenciamento direcionados Ducke, APA Estadual da Margem Esquerda do Rio Negro e
para a melhoria da qualidade de vida urbana; Parque Estadual do Rio Negro Setor Sul e nas áreas de
IV - qualificar a estrutura administrativa para a preservação permanente, particularmente as faixas
obtenção de resultados, visando a uma maior eficiência no marginais aos rios e igarapés;
acompanhamento da implantação do Plano Diretor Urbano II - a ampliação das unidades de conservação
Ambiental de Manaus. de âmbito municipal;
III - a inibição da expansão da malha urbana nas
Art. 35 - Constituem-se diretrizes da Estratégia direções norte e leste, mediante a indução do adensamento
de Gestão Democrática: na área urbana consolidada, visando melhor
I - efetivar a participação da sociedade no aproveitamento da infra-estrutura instalada;
planejamento da cidade, estabelecendo um compromisso IV - o aproveitamento sustentável das áreas
localizadas fora das unidades de conservação, com
9 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

potencial para o desenvolvimento de atividades


agroflorestais e de ecoturismo; Art. 44 - Integram o território municipal de
V - o favorecimento ao escoamento da produção Manaus as seguintes unidades de conservação:
e aos fluxos produtivos;
VI - o incremento do transporte fluvial de cargas I - sob tutela Federal:
e passageiros. a) Estação Ecológica de Anavilhanas;
Art. 39 - Para fins de gestão e planejamento b)Reserva Florestal Adolpho Ducke,
municipal, integram o território do Município de Manaus as integralmente incluída na Área de Transição;
seguintes Macroáreas: II - sob tutela Estadual:
a) APA Estadual da Margem Esquerda do Rio
I - as Unidades de Conservação localizadas Negro;
integralmente fora da Área Urbana e da Área de Transição b) Parque Estadual do Rio Negro Setor Sul;
e as unidades de conservação localizadas na Área Urbana III - sob tutela Municipal:
e na Área de Transição; a) APA do Puraquequara, em parte incluída na
II - as Áreas de Interesse Agroflorestal; Área de Transição;
III - a Área Urbana e a Área de Transição. b) APA do Tarumã/ Ponta Negra, em parte
incluída na Área de Transição;
Art. 40 - Para efetivação da Macroestruturação c) REDES do Tupé;
do Município deverão ser ainda implementados pólos de d) REDES de Jatuarana.
urbanidade de apoio ao desenvolvimento sustentável em
Manaus. § 1° - A delimitação das REDES de Jatuarana e
do Tupé deverá ser estabelecida no Zoneamento Ambiental
§ 1° - Os pólos de urbanidade deverão estender Municipal.
o atendimento de serviços públicos e social em Manaus e
promover a instalação de serviços ou equipamentos de §2° - No caso de supressão da tutela Federal ou
suporte à comercialização de produtos e ao abastecimento Estadual das áreas previstas no incisos I e II deste artigo, o
à população dispersa no território municipal. Município, por ato do executivo, promoverá medidas de
proteção de acordo com as diretrizes expressas nesta lei,
§ 2° - São diretrizes para implantação dos pólos até que seja efetivada novo enquadramento por lei
de urbanidade: Municipal, Estadual ou Federal.

I - ampliar o alcance de políticas sociais e de


promoção da cidadania; CAPÍTULO II
II - garantir a saúde e a educação em todo o DAS ÁREAS DE INTERESSE AGROFLORESTAL,
território municipal; MINERAL E TURÍSTICO

III - favorecer o abastecimento da população


dispersa, no território de Manaus, evitando grandes Art. 45 - Áreas de Interesse Agroflorestal,
deslocamentos à sede municipal; Mineral e Turístico são as áreas no Município não
IV - viabilizar o escoamento da produção abrangidas por áreas de preservação permanente ou por
agrícola ou agroflorestal de pequenas comunidades; unidades de conservação, destinadas a um aproveitamento
IV - favorecer a implantação de cooperativas sustentável pelo desenvolvimento de atividades agrícolas,
auto-sustentáveis que beneficie o desenvolvimento de florestais, minerais e turísticas.
atividades produtivas compatíveis com as peculiaridades
ambientais da região; Parágrafo único - As Áreas de Interesse
V - articular a rede de transporte existente e Agroflorestal, Mineral e Turístico deverão ter seu
prevista pelo Plano de Transporte Integrado. aproveitamento econômico definido pelo Zoneamento
Ambiental Municipal, respeitadas as diretrizes
CAPÍTULO I estabelecidas no Zoneamento Estadual Econômico
DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Ecológico.

Art. 41 - As unidades de conservação


correspondem as categorias definidas no Código Ambiental CAPÍTULO III
de Manaus. DA ÁREA URBANA E ÁREA DE TRANSIÇÃO

Art. 42 - São criadas e implementadas as


seguintes unidades de conservação municipal: Art. 46 - A Área Urbana e a Área de Transição,
delimitadas pela Lei Municipal de Perímetro Urbano, serão
I - Área de Proteção Ambiental (APA) do objeto de regulamentação municipal específica que
Puraquequara, abrangendo toda a bacia do Rio determinará as condições de uso e ocupação do solo
Puraquequara, em parte incluída na Área de Transição; urbano, segundo a Estratégia de Uso e Ocupação do Solo
II - Reserva de Desenvolvimento Sustentável Urbano e o modelo espacial da Estruturação Urbana.
(REDES) de Jatuarana.
Parágrafo único - Compõe a regulamentação
Art. 43 - São reenquadradas nas categorias específica referida no caput:
definidas no Código Ambiental de Manaus e
implementadas as seguintes unidades de conservação I - a Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano;
municipal: II - a Lei de Parcelamento do Solo Urbano;
III - a Lei do Perímetro Urbano;
I - Área de Proteção Ambiental (APA) do IV - o Código de Obras e de Edificações;
Tarumã/Ponta Negra, originada das Unidades Ambiental V - o Código de Posturas.
(UNAs) do Tarumã e da Ponta Negra, em parte incluída na
Área Urbana e na Área de Transição; Art. 47 - Área urbana é a área no Município
II - Reserva de Desenvolvimento Sustentável destinada ao desenvolvimento de usos e atividades
(REDES) do Tupé, originada da Unidade Ambiental (UNA) urbanos, delimitada de modo a conter a expansão
do Tupé. horizontal da cidade, visando otimizar a utilização da infra-
10 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
estrutura existente e atender às diretrizes de Seção III
Macroestruturação do Município. Do Zoneamento Ambiental Municipal

Art. 48 - Área de transição é a faixa do território


municipal que contorna os limites da Área Urbana, incluindo Art. 52 - O Zoneamento Ambiental Municipal é o
a Reserva Florestal Adolpho Ducke, podendo abrigar instrumento básico para a qualificação ambiental em todo o
atividades agrícolas e usos e atividades urbanos de baixa território de Manaus.
densidade, onde são incentivadas atividades ecoturísticas. Parágrafo único - Nos termos previstos no
Código Ambiental de Manaus, o Zoneamento referido no
Parágrafo único Quaisquer atividades caput, deverá:
desenvolvidas na área de transição deverão atender à I - delimitar os diferentes compartimentos
legislação ambiental, visando à proteção dos recursos naturais do Município;
naturais, especialmente os recursos hídricos. II - definir as condições de proteção destes
compartimentos;
CAPÍTULO IV III - estabelecer as diretrizes e condições para a
DOS INSTRUMENTOS COMPLEMENTARES elaboração e implementação do Zoneamento
Agroecológico Municipal.
Seção I
Do Plano de Integração Regional
TÍTULO IV
Art. 49 - O Plano de Integração Regional é DA ESTRUTURAÇÃO DO ESPAÇO URBANO
instrumento para promoção do desenvolvimento
sustentável de Manaus que tem como finalidade Art. 53 - Para efetivação da Estruturação do
estabelecer os instrumentos e mecanismos que permitam Espaço Urbano, a Área Urbana é dividida pelo seu modelo
sua integração na região, buscando identificar as medidas espacial em Macrounidades Urbanas e Corredores Urbanos
e as ações que possam ser executadas em conjunto com e a Área de Transição é dividida em Unidades Espaciais de
os municípios vizinhos. Transição.
Art. 54 - A Estruturação do Espaço Urbano visa
Parágrafo único - O Plano de Integração
propiciar a qualidade de vida da população, a valorização
Regional definirá:
dos recursos ambientais de Manaus e a otimização dos
benefícios gerados na Cidade.
I - os serviços e equipamentos de interesse
comum ao Município de Manaus e aos municípios vizinhos;
Parágrafo único - O objetivo expresso no caput
II - as funções a serem desempenhadas pelo
deverá atender às seguintes diretrizes:
Município de Manaus na integração dos serviços de
interesse comum entre os Municípios que integram a
I - garantir a proteção de unidades de
microrregião;
conservação e áreas de preservação permanente,
III - os meios de integrar atividades produtivas
destacando-se as nascentes e as margens dos igarapés e
complementares exercidas em Manaus e nos municípios
os mananciais de abastecimento da cidade;
vizinhos;
II - ampliar e valorizar as áreas de
remanescentes florestais urbanos;
IV - as formas de participação de agentes
III - valorizar as paisagens notáveis, naturais e
econômicos e de instituições locais para o desenvolvimento
construídas, destacando a importância das orlas dos rios
sustentável regional.
Negro e Amazonas e do sítio histórico da cidade para a
identidade de Manaus;
Art. 50 - Em apoio ao Plano de Integração
IV - proteger as áreas de fragilidade ambiental e
Regional deverão ser criados Conselhos Intermunicipais
impróprias à ocupação, sobretudo nos fundos de vale e
para fomento de atividades produtivas, articulação de
áreas de recarga dos lençóis de águas subterrâneas;
funções e gestão de serviços de interesse comum.
V - interpretar as tendências de crescimento
urbano, observando o uso e a ocupação diferenciada nas
Seção II
diversas áreas da cidade;
Do Plano de Organização do Território Municipal
VI - reforçar o potencial de centros dinâmicos e
aproveitar recursos paisagísticos para criação de novos
centros;
Art. 51 - O Plano de Organização do Território
VII - capacitar a malha viária e os sistemas de
Municipal estabelecerá as normas gerais de uso e
tráfego urbano para atender às necessidades de
ocupação para todo o território municipal, em atendimento
deslocamento, facilitando a integração entre os bairros e
às diretrizes desta Lei e em articulação com o Zoneamento
aliviando pontos críticos gerados por fluxos intra-urbanos;
Ambiental Municipal e com o Plano de Gestão dos
VIII - criar alternativas de deslocamentos fluviais
Recursos Minerais para a Região de Manaus e seu
na área urbana, potencializando a utilização de recurso
Entorno.
natural próprio de Manaus;
Parágrafo único - Para consecução de seus
IX - ampliar os serviços do sistema de transporte
objetivos, o Plano de Organização do Território Municipal
coletivo em toda a cidade, favorecendo a circulação intra-
deverá:
urbana e o escoamento da produção e os fluxos produtivos
vinculados às atividades portuárias, através da qualificação
I - fixar critérios para o controle do crescimento de sistemas intermodais rodoviário e fluvial.
dos núcleos urbanos e das áreas ocupadas no interior do
território Municipal;
II - definir estratégias de uso e ocupação para Art. 55 - Para efeito de Estruturação do Espaço
as faixas lindeiras às vias de circulação intermunicipais e Urbano, serão identificadas nesta Lei as unidades de
intramunicipais; conservação urbana:
III - identificar áreas com possibilidades de
ocupação no interior do território Municipal. I existentes, a serem implementadas;
II - reenquadradas em novas categorias e a
serem implementadas;
III criadas e a serem implementadas.
11 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

II consolidação de corredores viários com o


§ 1° - Constituem-se unidades de conservação aproveitamento dos eixos existentes, ampliando a malha
urbana já existentes a serem implementadas: viária estruturadora da cidade;
III criação de um sistema de vias arborizadas,
para veículos automotores e/ou bicicletas, unindo unidades
I - sob tutela Federal: de conservação urbana, preferencialmente às margens dos
a) o Jardim Zoológico do Centro de Instrução igarapés, obedecido ao disposto na alínea "c" do Inciso II,
de Guerra na Selva -CIGS; do artigo 10;
b) o Bosque da Ciência. IV estruturação de uma via fluvial e terrestre
II - sob tutela Municipal: no alto Tarumã, com ênfase no transporte intermodal;
a) o Jardim Botânico; V requalificação dos portos existentes e
b) o Parque Municipal do Mindu; implantação de novos portos para viabilizar o sistema
c) o Horto Municipal. intermodal, inclusive de ligação do Centro com os bairros
localizados nas orlas dos rios Negro, Amazonas,
§ 2° - Serão reenquadradas em novas Puraquequara, Igarapé do Tarumã-Açu e demais cursos
categorias e implementadas as seguintes unidades de d'água navegáveis e de implantação das estações
conservação urbana: hidroviárias nos portos de São Raimundo e da CEASA;
I - Área de Proteção Ambiental (APA) do VI expansão e revisão dos pontos de
Tarumã/Ponta Negra, originada das Unidades Ambiental integração do transporte rodoviário, de acordo com o Plano
(UNA) do Tarumã e da Ponta Negra; de Transporte Integrado.
II - Área de Relevante Interesse Ecológico
(ARIE) do Campus Universitário, originada da Unidade CAPÍTULO I
Ambiental (UNA) do Campus Universitário; DO MODELO ESPACIAL
III - Refúgio da Vida Silvestre Sauim-
Castanheira, originada da Reserva Ecológica Sauim- Seção I
Castanheira; (Alterado pelo Art. 2º da Lei 752 de 07/01/04 Das Unidades Espaciais de Transição - UET
D.O.M. Nº956)
IV - Parque Tarumã/Cachoeira Alta, originada Art. 59 - Unidade Espacial de Transição UET
da Unidade Ambiental (UNA) Tarumã/Cachoeira Alta; é o compartimento territorial da Área de Transição,
V - Parque Ponte da Bolívia, originada da destinado ao planejamento e à gestão da cidade.
Unidade Ambiental (UNA) Ponte da Bolívia.
§ 1° - Na Área de Transição encontram-se as
§ 3° - Serão criadas e implementadas as seguintes Unidades Espaciais:
seguintes unidades urbanas municipais de conservação:
I - UET Puraquequara;
I - Parque Sumaúma; II - UET Ducke;
II - Parque Mundo Novo; III - UET Mariano;
III - Parque do Encontro das Águas; IV - UET Praia da Lua.
IV- Área de Relevante Interesse Ecológico
ARIE do Parque Residencial Acariquara. (Alterado pelo § 2° - As Unidades Espaciais de Transição de
Art. 2º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956) que tratam os incisos do caput caracterizam-se:

§4° - No caso de supressão da tutela Federal I - UET Puraquequara - compreende grande


ou Estadual das unidades de conservação urbana parte da bacia do Rio Puraquequara, inserida na Área de
identificadas neste artigo, o Município, por ato do executivo, Proteção Ambiental-APA do Puraquequara, com
promoverá medidas de proteção adequadas até que seja significativa presença de fragmentos florestais, de estímulo
efetivada novo enquadramento por lei Municipal, Estadual à baixa densificação, relacionada à proteção dos recursos
ou Federal. naturais, à valorização da paisagem e à promoção de
programas e projetos de incentivo ao turismo ecológico.
Art. 56 - Para proteção das unidades de II - UET Ducke - compreende área contribuinte
conservação urbana e das áreas de preservação da bacia do Rio Puraquequara, incluindo a Reserva
permanente, valorização de áreas verdes e ampliação da Florestal Adolpho Ducke, com presença de ocupação por
circulação intra-urbana, será população de baixa renda, de estímulo à baixa
densificação, relacionada à proteção dos recursos naturais,
implantado o Corredor Ecológico Urbano, à valorização da paisagem e à promoção de programas e
unindo as unidades de conservação urbana ao Corredor projetos de interesse social.
Ecológico da Amazônia Central. III UET Mariano compreende área
contribuinte da bacia do igarapé Mariano, inserida em parte
Art. 57 - Nas margens dos cursos d água, na APA Tarumã/Ponta Negra, com presença significativa de
prioritariamente com áreas verdes remanescentes fragmentos florestais e influência da proximidade das
significativas, serão implantadas Zonas de Proteção rodovias BR-174 e AM-010, de estímulo à baixa
Ambiental, nos termos do Código Ambiental de Manaus, de densificação, relacionada à proteção dos recursos naturais
acordo com o Plano de Proteção das Margens dos Cursos e de integração de atividades agrícolas e industriais de
d Água e Plano de Saneamento e Drenagem. baixo impacto ambiental ao uso residencial.
IV UET Praia da Lua - compreende área
Parágrafo único Serão implementadas zonas contribuinte da bacia do igarapé Tarumã-Açu, inserida na
de proteção ambiental nas áreas que circundam os pontos APA Tarumã/Ponta Negra, com presença significativa de
de captação de água destinada ao abastecimento público. fragmentos florestais, de estímulo à baixa densificação,
relacionada à proteção dos recursos naturais, à valorização
Art. 58 Constituem medidas para efetivação da paisagem e à promoção de programas e projetos de
da Estruturação do Espaço Urbano, favorecendo a incentivo ao turismo ecológico.
mobilidade urbana: § 3° - Os limites das Unidades Espaciais de
Transição são descritos no Anexo II desta Lei.
I implantação de um sistema viário de
integração das Unidades de Estruturação Urbana
constantes das Macrounidades Urbanas;
12 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Seção II abrangendo as UES Aeroporto, UES Itaporanga, UES Praia
Das Macrounidades Urbanas Dourada, UES Cachoeira Alta e UES Tarumã.

VI - Macrounidade Leste compreende área


Art. 60 - Macrounidade Urbana é o recentemente urbanizada, caracterizada por ocupação
compartimento territorial, compatibilizado com limites diferenciada, com grande potencial construtivo pelo
administrativos, que agrega áreas urbanas contínuas e preenchimento de lotes vazios, exigindo atenção às
homogêneas, destinado ao planejamento e à gestão da carências de infra-estrutura e às áreas de fragilidade
cidade. ambiental, para densificação, com reforço ou criação de
§ 1° - As áreas urbanas agregadas às centros e implementação de programas e projetos de
Macrounidades correspondem às Unidades de Estruturação interesse social, abrangendo as UES Distrito II, UES São
Urbana UES, descritas no Anexo II desta Lei. José, UES Tancredo Neves, UES Jorge Teixeira e UES
§ 2° - Na Área Urbana encontram-se as Cidade Nova.
seguintes Macrounidades: VII - Macrounidade Ducke compreende a parte
das bacias dos igarapés Passarinho e Bolívia, contribuintes
I - Macrounidade Orla do Rio Negro Oeste; do Igarapé Tarumã-Açu, localizada junto à Reserva
II - Macrounidade Orla do Rio Negro Leste; Florestal Adolpho Ducke e próxima a áreas de proteção
III - Macrounidade Centro; ambiental, caracterizada pela existência de grandes glebas
IV - Macrounidade Integração; não parceladas, para as quais há um estímulo ao
V - Macrounidade Tarumã-Açu; adensamento controlado, associado à proteção de recursos
VI - Macrounidade Leste; naturais associado e à promoção de programas e projetos
VII - Macrounidade Ducke. habitacionais e de integração da área urbana, abrangendo
as UES Novo Israel, UES Santa Etelvina e UES Bolívia.
§ 3° - As Macrounidades Urbanas de que tratam
os incisos do caput caracterizam-se: Seção III
Dos Corredores Urbanos
I - Macrounidade Orla do Rio Negro Oeste -
compreende faixa da área urbana ao longo do Rio Negro, Art. 61 - Corredor Urbano é a faixa territorial
com estruturação e ocupação fortemente relacionada às destinada ao planejamento da cidade que articula Unidades
atividades de navegação fluvial, de uso e ocupação de Estruturação Urbana.
diversificados, com diferentes pontos de contato com a
malha urbana consolidada e presença de diferentes § 1° - Na Área Urbana configuram-se os
atividades, com incentivo à revitalização, à proteção dos seguintes Corredores Urbanos:
recursos naturais e à valorização da paisagem, abrangendo
as UES Ponta Negra, UES CMA, UES Compensa e UES I- Corredor Sul/ Norte;
São Raimundo. II - Corredor da Avenida do Turismo;
III - Corredor Avenida Brasil/ Ponta Negra;
II - Macrounidade Orla do Rio Negro Leste - IV - Corredor Boulevard Amazonas;
compreende faixa da área urbana ao longo do Rio Negro, V - Corredor Darcy Vargas;
com estruturação e ocupação também fortemente VI - Corredor Rodrigo Otávio;
relacionada às atividades de navegação fluvial e de uso e VII - Corredor Aleixo;
ocupação diversificado, com incentivo à ocupação dos VIII - Corredor Autaz Mirim;
vazios, à proteção dos recursos naturais e à valorização da IX - Corredor Leste/Oeste;
paisagem, abrangendo as UES Educandos, UES Vila Buriti, X- Corredor Norte. (Errata II D.O.M. Nº 801
UES Mauazinho, UES Colônia Antônio Aleixo e UES de 23/07/03)
Puraquequara.
§ 2° - Os Corredores Urbanos de que tratam os
III - Macrounidade Centro - compreende a Área incisos do caput caracterizam-se:
Central de Negócios e a sua circunvizinhança, inclusive o
Centro Antigo; área em processo de transformação, com I - Corredor Sul/ Norte - abrange as faixas
oferta diversificada de comércio e serviços e presença de lindeiras aos principais eixos Sul/Norte (Avenidas Djalma
vários centros dinâmicos, com estímulo ao preenchimento Batista, Constantino Nery e Torquato Tapajós), incluindo as
de vazios urbanos e à potencialização dos centros, quadras compreendidas entre as vias, caracteriza-se como
abrangendo as UES Adrianópolis, UES Vieiralves, UES vetor de expansão da área central da cidade, concentrando
Cachoeirinha, UES São Geraldo, UES Centro e UES atividades de comércio e serviços e presença de
Centro Antigo. equipamentos de grande porte, com estímulo à implantação
de equipamentos e atividades produtivas que demandam
IV - Macrounidade Integração abrange vários por acessibilidade imediata às rodovias BR-174 e AM-10.
bairros da cidade de caráter residencial e de população de
renda heterogênea, para estímulo à densificação por II - Corredor da Avenida do Turismo - abrange
tipologias variadas de acordo com o tamanho dos lotes e a as faixas lindeiras à Avenida do Turismo, com presença de
largura das vias e para reforço ou criação de centros, equipamentos de grande porte, com estímulo à implantação
abrangendo as UES São Jorge, UES Alvorada, UES Lírio de equipamentos e atividades de comércio e de serviços.
do Vale, UES Flores, UES Parque 10, UES Aleixo, UES
Coroado, UES Distrito I, UES Japiim e UES Morro da III - Corredor Avenida Brasil/ Ponta Negra -
Liberdade. abrange as faixas lindeiras às Avenidas Brasil e Coronel
Teixeira e à Estrada Ponta Negra, apresenta centros
significativos de comércio e serviços e equipamentos de
V - Macrounidade Tarumã-Açu - compreende grande porte, bem como grande área institucional, com
grande parte da bacia leste do igarapé Tarumã-Açu dentro estímulo à implantação de atividades comerciais e de
da área urbana, inserida na APA do Tarumã/Ponta Negra, serviços e equipamentos.
com presença significativa de fragmentos florestais, de
estímulo à baixa densificação, relacionada à proteção dos IV - Corredor Boulevard Amazonas - abrange as
recursos naturais, à valorização da paisagem e à promoção faixas lindeiras às Avenidas Álvaro Maia, rua Belém,
de programas e projetos de integração da área urbana, Castelo Branco e Carvalho Leal, apresenta centros
13 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

significativos de comércio e serviços, com reforço aos IV - o incentivo à dinamização de centros de


centros de comércio e de serviços. bairros;
V - o estímulo à convivência de usos distintos
V - Corredor Darcy Vargas - abrange as faixas que criem alternativas para o desenvolvimento econômico e
lindeiras às Avenidas Jacira Reis, Darcy Vargas e Efigênio para a geração de trabalho e renda;
Sales, apresenta centros significativos de comércio e VI - o controle das atividades e dos
serviços e equipamentos de grande porte, com estímulo à empreendimentos potencialmente poluidores que
implantação de atividades comerciais e de serviços e provoquem risco à segurança ou incômodo à vida urbana.
reforço aos centros existentes.
Seção II
Das Normas de Parcelamento do Solo Urbano
VI Corredor Rodrigo Otávio - abrange as
faixas lindeiras às Avenidas General Rodrigo Otávio, do Art. 65 - O parcelamento do solo urbano será
Contorno, Presidente Kennedy e Leopoldo Peres, regulamentado por lei municipal específica, visando:
apresenta centros significativos de comércio e serviços e I - ao ordenamento da expansão urbana;
equipamentos de grande porte, com estímulo à implantação II - ao controle da densificação;
de atividades comerciais e de serviços e equipamentos. III - à minimização dos impactos ambientais;
IV - à ampliação do acesso à terra urbana pela
VII - Corredor Aleixo - abrange as faixas população.
lindeiras às avenidas Paraíba, André Araújo e Cosme
Ferreira, com presença significativa de atividades Art. 66 - Constituem diretrizes para as normas
produtivas e equipamentos de médio e grande porte, de de parcelamento:
reforço às atividades comerciais e de serviços. I - a restrição ao parcelamento do solo nos
VIII - Corredor Autaz Mirim - abrange as faixas fragmentos florestais urbanos;
lindeiras à Avenida Autaz Mirim, com potencial para II - a proteção das áreas verdes e das áreas de
concentração de atividades de comércio e serviços. fragilidade ambiental.
IX - Corredor Leste/Oeste - abrange as faixas Seção III
lindeiras às avenidas Grande Circular, Noel Nutels e Max Das Normas Aplicadas às Obras e às Edificações
Teixeira e Avenida projetado ao sul do Aeroporto
Internacional Brigadeiro Eduardo Gomes, com potencial
para concentração de atividades de comércio e de serviços. Art. 67 - As normas aplicáveis às obras e às
edificações, regulamentadas por lei municipal específica,
X - Corredor Norte - abrange as faixas lindeiras visam atender:
à via projetada ao norte da Área Urbana, com potencial
para concentração de atividades de comércio e serviços. I - à segurança;
§ 3° - Os limites dos Corredores Urbanos são II - à higiene;
descritos no Anexo II desta Lei. III - ao conforto ambiental;
IV - à cultura local;
V - aos princípios de conservação de energia;
CAPÍTULO II VI - aos princípios de acessibilidade universal.
DOS INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO
Art. 68 - As normas aplicadas às obras e às
edificações deverão estabelecer:
Art. 62 - Na implementação da Estruturação do
Espaço Urbano, o Município utilizará os seguintes I - a regulamentação dos processos
instrumentos de regulação: construtivos, das técnicas e dos materiais, observando sua
adequação aos padrões locais;
I - normas de uso e ocupação do solo; II - os critérios e parâmetros para as edificações,
II - normas de parcelamento do solo urbano; segundo suas categorias;
III - normas de obras e de edificações; III - o procedimentos para aprovação de projetos
IV - normas de posturas. e para licenciamento das obras de edificações urbanas,
simplificando rotinas de aprovação e licenciamento de
projetos de edificação.
Seção i
Das Normas de Uso e Ocupação do Solo Seção IV
Das Normas de Posturas

Art. 63 - O uso e ocupação do solo urbano será Art. 69 - As normas aplicáveis às posturas,
regulamentado por lei municipal específica que definirá as regulamentadas por lei municipal específica, visam:
normas relativas aos usos e atividades e à intensidade de
ocupação, visando: I - condicionar e restringir o uso de bens e a
realização de atividades em propriedades particulares, em
I - à qualidade de vida da população; benefício da coletividade;
II - ao controle da densificação;
III - à minimização dos impactos ambientais. II - regulamentar atividades efetuadas nos
logradouros públicos.
Art. 64 - Constituem-se diretrizes para as Art. 70 - As normas de posturas deverão
normas de uso e ocupação do solo: estabelecer:

I - a indução à ocupação das áreas urbanas I - a regulamentação dos equipamentos e


não consolidadas; artefatos instalados e dos eventos realizados nos
II - o estímulo ao adensamento de áreas logradouros públicos, observando a segurança e o conforto
urbanizadas; dos usuários e a adequação aos padrões locais;
III - o incentivo à revitalização da área central II - os critérios para funcionamento de
de negócios; estabelecimentos segundo suas categorias, atentando para
14 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
o incômodo à vizinhança e propiciando segurança e
higiene; Subseção II
III - o procedimentos para licenciamento e Do estudo Prévio de Impacto Ambiental - EPIA
autorizações das atividades urbanas, simplificando rotinas
administrativas.
Art. 76 - O Estudo Prévio de Impacto Ambiental
CAPÍTULO III EPIA se aplica à construção, instalação, reforma,
DOS INSTRUMENTOS DE CONTROLE URBANO recuperação, ampliação e operação de atividades ou obras
potencialmente causadoras de significativa degradação do
Seção I meio ambiente, de acordo com os termos do Código
Do Licenciamento Urbano Ambiental de Manaus.

Art. 71 - É atribuição do Poder Executivo Art. 77 - A relação dos empreendimentos ou


Municipal licenciar, autorizar e fiscalizar o uso e a ocupação atividades que estarão sujeitas à elaboração do EPIA e
do solo e o parcelamento na Área Urbana e na Área de respectivo RIMA será definida por ato do Poder Executivo
Transição, no cumprimento das normas municipais Municipal, ouvido o Conselho Municipal de
pertinentes. Desenvolvimento e Meio Ambiente - COMDEMA.
Parágrafo Único - São instrumentos CAPÍTULO IV
complementares de controle urbano o Estudo Prévio de DOS INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO URBANA
Impacto de Vizinhança - EIV e o Estudo Prévio de Impacto
Ambiental - EPIA.
Art. 78 - Os instrumentos de intervenção
Subseção I urbana regulamentados nesta Lei têm o objetivo de ordenar
do Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança - EIV o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e
da propriedade urbana em Manaus, em atendimento ao
disposto no Estatuto da Cidade.

Seção I
Art. 72 - O Poder Executivo Municipal poderá
Do Parcelamento, Edificação ou Utilização
exigir Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança - EIV,
Compulsórios
conforme o disposto no Estatuto da Cidade, quando for
necessário contemplar os efeitos positivos e negativos de
Art. 79 - Lei Municipal específica determinará o
um empreendimento ou atividade, quanto à qualidade de
parcelamento, a edificação ou a utilização compulsórios do
vida da população residente na área e em suas
solo urbano não edificado, subutilizado ou não utilizado,
proximidades.
devendo fixar as condições e os prazos para a referida
obrigação, segundo a localização dos imóveis e as
Art. 73 - As leis de parcelamento e de uso e diretrizes urbanísticas de cada área.
ocupação do solo urbano definirão os empreendimentos e
as atividades, de natureza pública ou privada, que estarão § 1° - São consideradas áreas urbanas
sujeitos à elaboração de Estudo Prévio de Impacto de prioritárias para aplicação deste instrumento:
Vizinhança - EIV para aprovação de projeto, obtenção de
I - as Unidades de Estruturação Urbana - UES:
licença ou autorização.
a) Adrianópolis, Vieiralves, Cachoeirinha, São
Geraldo, Centro e Centro Antigo, localizadas na
Parágrafo único - O Estudo Prévio de Impacto Macrounidade Centro;
de Vizinhança será elaborado pelo empreendedor, público b) Aleixo, localizada na Macrounidade
ou privado, e será objeto de análise e parecer da Integração.
Comissão Técnica de Planejamento e Controle Urbano. II - os Corredores Urbanos ou segmentos de
(Alterado pelo Art. 3º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Corredores Urbanos:
Nº956) a) segmentos Sul e Centro, do Corredor Sul/
Norte;
Art. 74 - Os instrumentos de intervenção b) segmentos Av. Coronel Teixeira, Ponta
urbana, regulamentados nesta Lei ou em lei municipal Negra e Praia da Ponta Negra, do Corredor Av.
específica, deverão estabelecer a exigência de elaboração Brasil/Ponta Negra;
de Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança quando for c) Corredor Boulevard Amazonas;
necessário: d) Corredor Darcy Vargas;
I - garantir o controle social da intervenção; e) Corredor Rodrigo Otávio;
II - avaliar a capacidade de adensamento da f) Corredor Aleixo.
área objeto de intervenção; III - as Macrounidades do Tarumã e Ducke, em
III - estabelecer a demanda gerada com a áreas a serem priorizadas pelo Plano Integrado de
intervenção por equipamentos urbanos e comunitários; Transporte para implantação de equipamentos de suporte
IV - calcular a valorização imobiliária decorrente ao sistema de transporte intermodal;
de qualquer tipo de concessão; IV - a Macrounidade Ducke;
V - mensurar a geração de tráfego e a demanda V - as Macrounidades da Orla do Rio Negro
por transporte público; Leste e Oeste, em áreas a serem definidas pelo
VI - assegurar a qualidade da ventilação e Macroplano da Orla do Rio Negro e de acordo com as
iluminação; diretrizes urbanísticas nele estabelecidas;
VII - proteger a paisagem urbana e os VI - as Áreas de Especial Interesse, conforme a
patrimônios natural e cultural. finalidade da intervenção e as condições estabelecidas por
lei Municipal específica;
Art. 75 - O Estudo Prévio de Impacto de
Vizinhança - EIV não substitui a elaboração e aprovação do § 2° - A legislação municipal que regulamentar a
Estudo Prévio de Impacto Ambiental - EPIA, requerido nos obrigação referida no caput deverá estabelecer para cada
termos da legislação ambiental e não exclui a necessidade uma das áreas identificadas no §1° as condições de
de avaliação urbanística especial quando lei Municipal aplicação, conforme prioridades de adensamento.
específica determinar.
15 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

Art. 80 - Poderá ser considerado subutilizado o a) Adrianópolis, Vieiralves, Cachoeirinha, São


imóvel urbano que, localizado nas áreas delimitadas pelo Geraldo, Centro e Centro Antigo, localizadas na
Poder Público em lei específica, apresentar as seguintes Macrounidade Centro;
condições: b) Itaporanga, localizada na Macrounidade
Tarumã-Açu;
I - glebas não parceladas localizadas na Área c) Aleixo, localizada na Macrounidade
Urbana, com área superior a 3 (três) ha; Integração.
II - edificações de 4 (quatro) ou mais II - os Corredores Urbanos ou segmentos de
pavimentos, vazios e sem utilização por período superior a Corredores Urbanos:
2 (dois) anos; d) segmentos Sul e Centro, do Corredor Sul/
III - obras de edificações com 4 (quatro) ou mais Norte;
pavimentos paralisadas por mais de 3 (três) anos; e) segmentos Av. Coronel Teixeira, Ponta
IV - lotes urbanos abandonados por período Negra e Praia da Ponta Negra, do Corredor Av.
superior a 1 (um) ano. Brasil/Ponta Negra;
f) Corredor Boulevard Amazonas;
Parágrafo único O órgão de controle fiscal do g) Corredor Darcy Vargas;
Município manterá cadastro imobiliário atualizado com o h) Corredor Rodrigo Otávio;
registro dos proprietários dos imóveis que forem i) Corredor Aleixo.
notificados, bem como o prazo para utilização dos mesmos. Art. 85 - A solicitação de Outorga Onerosa do
Art. 81 - Em caso de descumprimento das Direito de Construir ou de Alteração de Uso deverá ser
condições e dos prazos para parcelamento, edificação ou apresentada pelo requerente no ato do pedido do
utilização compulsórios, nos termos desta Lei e de lei licenciamento da obra ou de alteração de uso,
específica, o Município procederá à aplicação do Imposto acompanhada dos documentos exigidos pelas normas
sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) municipais e dos seguintes estudos: (Alterado pelo Art. 1º
progressivo no tempo, mediante a majoração da alíquota da Lei Nº 782 de 30/06/04, D.O.M. Nº1032 de 02/07/04).
pelo prazo de cinco anos consecutivos, observado o I - Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança -
disposto na legislação que regulamenta a matéria. EIV, quando exigível pela Lei de Uso e Ocupação do Solo
Urbano;
Art. 82 - Decorridos cinco anos de cobrança do II - Estudo Prévio de Impacto Ambiental - EPIA,
IPTU progressivo sem que o proprietário tenha cumprido a quando exigível pela legislação ambiental.
obrigação de parcelamento, edificação ou utilização, o Art. 86 - A Outorga Onerosa do Direito de
Município poderá proceder à desapropriação do imóvel, Construir ou de Alteração de Uso deverá ser efetivada por
com pagamento em títulos da dívida pública. órgão integrante do Sistema Municipal de Planejamento
Urbano, com base em parecer da Comissão Técnica de
Planejamento e Controle Urbano.
SEÇÃO II
DO DIREITO DE PREEMPÇÃO § 1° - O parecer técnico referido no caput
deverá conter minimamente:

Art. 83 - O direito de preempção confere ao I - as diretrizes urbanísticas que orientam a


Poder Executivo preferência para aquisição de imóvel análise do pedido da concessão;
urbano objeto de alienação onerosa entre particulares, II - justificativa técnica das medidas
conforme o disposto no Estatuto da Cidade. compensatórias estipulada para o empreendimento,
relativas à mobilidade urbana, à qualificação ambiental e à
§ 1° - O direito de preempção poderá incidir estruturação do uso e ocupação do solo;
sobre o imóvel localizado em área de especial interesse a III - cálculo do valor da contrapartida a ser paga
ser delimitada por lei municipal específica. pelo beneficiário, conforme as determinações expressas
nesta Lei.
§ 2° - A lei municipal que delimitar a área de
especial interesse para fins de aplicação do que dispõe o § 2° - As medidas compensatórias previstas no
caput deverá discriminar os imóveis de interesse de inciso II do § 1° deste artigo deverão considerar as
aquisição, fixando prazos de vigência conforme a diretrizes do Plano Diretor Urbano e Ambiental e os demais
finalidade da intervenção, nos termos previstos pelo instrumentos municipais específicos, no que couber.
Estatuto da Cidade.
§ 3° - A outorga onerosa do direito de
construir ou de alteração de uso poderá ser parcelada,
SEÇÃO III por solicitação do interessado, em até 12 parcelas,
DA OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR tendo valor mínimo de 50 UFM s, ficando a concessão
OU DE ALTERAÇÃO DE USO do habite-se da edificação condicionada ao
cumprimento integral das medidas compensatórias,
que serão determinadas por ato do Poder Executivo no
Subseção I processo de aprovação de projeto. (Errata II D.O.M. Nº
Das Disposições Gerais 801 de 23/07/03)
Art. 84 - O Poder Executivo Municipal poderá Art. 87 - Será facultada a concessão simultânea
outorgar o direito de construir ou a alteração de uso, nos de Outorga Onerosa do Direito de Construir ou de Alteração
termos do Estatuto da Cidade, em áreas urbanas que de Uso sobre um mesmo imóvel, devendo o Poder
apresentem melhores condições de infra-estrutura, com Executivo Municipal estabelecer os valores de
potencial de concentração de atividades de comércio e contrapartida, assim como as condições e as medidas
serviços e maior capacidade de absorver o processo de compensatórias aplicáveis à cada outorga.
verticalização e de adensamento.
Parágrafo único - No caso referido no caput, o
§ 1° - As áreas referidas no caput são: requerente deverá efetuar o pagamento equivalente ao
somatório entre o valor da contrapartida do direito de
I - as Unidades de Estruturação Urbana - UES: construir e o valor calculado para o pagamento da
contrapartida da alteração de uso, devendo ser respeitado
o disposto no § 3 ° do artigo 86.
16 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
II - VT representa o Valor do Metro Quadrado de
Art. 88 - Poderão ser dispensados do Terreno, fixado pelo Poder Executivo Municipal para o
pagamento de valor de contrapartida na outorga do direito imóvel, com base nos valores do mercado imobiliário;
de construir ou na alteração do uso os seguintes casos: III - CAPT representa o Coeficiente de
I - as edificações que integram Programas de Aproveitamento Projetado para o Terreno, correspondente
Habitação de Interesse Social executados pelo Poder à razão entre a Área Total Projetada para a Edificação -
Executivo Municipal ou com sua anuência, desde que ATPE (em m2), segundo o projeto da edificação, e a Área
localizados em áreas de especial interesse social do terreno At especificada na escritura de propriedade do
estabelecida por lei específica; imóvel, razão que pode ser expressa pela fórmula CAPT =
II - as edificações localizadas no Centro Antigo, ATEP / At;
quando necessário para promover a revitalização e a IV - CABT representa o Coeficiente de
qualificação ambiental da área. Aproveitamento Básico do Terreno.
Art. 89 - Os recursos obtidos com a Outorga § 2° - O Valor do Metro Quadrado do Terreno
Onerosa do Direito de Construir ou de Alteração de Uso VT, referido no inciso II, § 1°, será fixado através da Planta
serão destinados ao Fundo de Desenvolvimento Urbano e Genérica de Valores da Outorga Onerosa, a ser elaborada
aplicados na promoção de ações urbanísticas, fundiária semestralmente pelo órgão municipal de planejamento
ou programas habitacionais nas áreas de especial urbano e submetida à aprovação do CMDU. (Alterado
interesse social, observado o Estatuto da Cidade. pelo Art. 1º da Lei Nº 782 de 30/06/04, D.O.M. Nº1032 de
(Alterado pelo Art. 3º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. 02/07/04).
Nº956). (Alterado pelo Art. 1º da Lei Nº 782 de 30/06/04,
D.O.M. Nº1032 de 02/07/04). § 3° - Entende-se por Planta Genérica de
Art. 90 - O adensamento das áreas, objeto de Valores da Outorga Onerosa o conjunto de parâmetros de
aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir ou de valorização de imóveis que permite, através de modelos
Alteração de Uso, deverá ser sistematicamente monitorado matemáticos e de forma genérica, avaliar com facilidade e
pelo órgão de planejamento urbano para avaliação dos rapidez todos os imóveis das áreas constantes do § 1º do
impactos causados pela aplicação do instrumento sobre a Artigo 84 desta Lei. (Alterado pelo Art. 1º da Lei Nº 782
cidade. de 30/06/04, D.O.M. Nº1032 de 02/07/04).
§ 1° - A avaliação referida no caput poderá
determinar alterações nos critérios e procedimentos de
outorga, mediante lei municipal específica. Subseção III
§ 2° - A concessão de Outorga Onerosa do Da Alteração de Uso
Direito de Construir ou de Alteração de Uso poderá ser
suspensa em toda a cidade ou parte dela, mediante lei Art. 93 - A Outorga Onerosa de Alteração de
municipal específica, quando constatado efeito negativo Uso poderá ser concedida pelo Poder Executivo Municipal
sobre a qualidade ambiental e urbana de Manaus. para imóveis localizados nas áreas indicadas nos incisos I e
II do § 1° do art. 84 desta Lei, quando o uso requerido não
Subseção II for permitido pela legislação urbanística, desde que:
Do Direito de Construir
I a alteração pretendida não apresente
características desfavoráveis ao ordenamento do uso e da
Art. 91 - As edificações projetadas para as ocupação do solo, à mobilidade urbana e à qualificação
Unidades de Estruturação Urbanas e para os Corredores ambiental;
Urbanos identificados no art. 84 que se beneficiarem da II possam ser executadas medidas
Outorga Onerosa do Direito de Construir poderão superar o mitigadoras capazes de corrigir efeitos indesejáveis,
Coeficiente Básico de Aproveitamento do Terreno - CBAT, quando a alteração do uso implicar na instalação de
desde que respeitados o Coeficiente de Aproveitamento atividades que acarretem negativos impactos ambientais e
Máximo do Terreno - CAMT estabelecido nesta Lei, os urbanos.
demais parâmetros de ocupação do terreno e as condições
de edificação fixados na legislação vigente. Parágrafo único - A Outorga Onerosa de
Alteração de Uso poderá ser concedida para edificações
§ 1° - Para efeito da aplicação da Outorga existentes ou para edificações a serem construídas.
Onerosa do Direito de Construir, o Coeficiente de
Aproveitamento Básico do Terreno - CABT é igual a 2,0 Art. 94 - No processo de avaliação para
(dois). Outorga Onerosa de Alteração de Uso, o Poder Executivo
Municipal deverá considerar os seguintes aspectos:
§ 2° - O Coeficiente de Aproveitamento Máximo I quanto às normas urbanas:
do Terreno CAMT para cada Unidade de Estruturação a) as diretrizes expressas nesta Lei quanto à
Urbana - UES e Corredor Urbano é definido no Anexo III mobilidade urbana, à qualificação ambiental e ao uso e
desta Lei. ocupação do solo;
b) as indicações feitas no Plano Integrado de
Art. 92 - O valor da contrapartida referente à Transporte;
Outorga Onerosa do Direito de Construir será equivalente c) as indicações feitas no Plano de Saneamento
ao excedente da área projetada para a edificação sobre a e Drenagem;
área total edificável, sendo esta calculada com base no d) as diretrizes expressas no Código Ambiental
Coeficiente de Aproveitamento Básico do Terreno CABT. de Manaus.
II quanto às características e as repercussões
§ 1° - O cálculo do valor da contrapartida do uso pretendido para o imóvel:
referida no caput será efetuado pela fórmula VC = VT x 0,3 a) a escala de operação das unidades
x [(CAPT - CABT) x At], na qual: (Errata I D.O.M. Nº 660 de produtivas, quando for o caso;
20/12/02). b) os incômodos a serem causados à
vizinhança;
I - VC representa o Valor da Contrapartida para c) o potencial de risco à segurança dos vizinhos
a Outorga Onerosa do Direito de Construir; e da cidade;
d) os negativos impactos ambientais e urbanos;
17 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

e) a geração de tráfego e/ou outros prejuízos à V - a regularização urbanística e fundiária na


mobilidade urbana. área objeto de intervenção.
Art. 99 - As Operações Urbanas Consorciadas
Art. 95 - O Estudo Prévio de Impacto de deverão ser priorizadas nas áreas urbanas destinadas a:
Vizinhança - EIV exigido para a aprovação de Outorga I - reestruturação urbana e ambiental nas
Onerosa de Alteração de Uso, nos termos previstos nesta margens dos rios e igarapés;
Lei, deverá conter documento registrado em cartório que II - reestruturação urbana para implantação de
apresente manifestação pública favorável à alteração de equipamentos de suporte ao transporte intermodal nas
uso pretendida, com a anuência de mais de 50% (cinquenta Macrounidades Tarumã-Açu e Ducke;
por cento) dos moradores dos imóveis localizados nas III - regularização urbanística e fundiária
imediações do imóvel que terá o uso alterado.
Art. 100 - Poderão ser previstas nas Operações
Parágrafo único - É atribuição da Comissão Urbanas Consorciadas, entre outras medidas:
Técnica de Planejamento e Controle Urbano a indicação e
a delimitação da área a ser considerada no Estudo Prévio I a modificação de índices e características de
de Impacto de Vizinhança - EIV, conforme as parcelamento, uso e ocupação do solo e subsolo, bem
determinações desta Lei, examinando: como alterações das normas edilícias, considerado o
impacto ambiental delas decorrente;
I - o porte do uso e da atividade a ser instalada; II a regularização de construções, reformas ou
II - a localização do imóvel e os impactos do uso ampliações executadas em desacordo com a legislação
pretendido na circulação e acessibilidade urbana; urbanística e edilícia vigente.
III - os impactos ambientais urbanos decorrentes
da implantação do uso pretendido. Seção v
Da Transferência do Potencial Construtivo
Art. 96 - Os benefícios obtidos com a Outorga
Onerosa de Alteração de Uso serão informados à Câmara
Art. 101 - O proprietário de imóvel urbano
Municipal de Manaus para conhecimento público, dentro do
poderá transferir o direito de construir para outro local ou
prazo de 30 (trinta) dias, a contar da data de publicação do
aliená-lo, mediante escritura pública lavrada pelo poder
ato de aprovação da concessão.
público Municipal, quando não puder atingir o potencial
construtivo admitido no imóvel, em razão de:
Art. 97 - O valor da contrapartida da Outorga
Onerosa de Alteração de Uso deverá ser calculada em I interesse coletivo de implantação de
função da valorização potencial do imóvel, decorrente do equipamentos urbanos e comunitários;
uso pretendido. II preservação das características do imóvel
por interesse histórico, cultural, ambiental, paisagístico ou
§ 1° - Os critérios para o cálculo do valor da social;
contrapartida deverá ser determinado por ato do Poder III execução de programas de regularização
Executivo Municipal, considerando a atualização da Planta fundiária, urbanização de áreas ocupadas por população de
Genérica de Valores e as variáveis utilizadas em baixa renda e habitação de interesse social.
transações imobiliárias, no período do pedido da
concessão. § 1° - Entende-se por potencial máximo
construtivo a Área Total Edificável ATE, calculada a partir
§ 2° - O órgão municipal de planejamento da aplicação dos parâmetros urbanísticos definidos pela Lei
urbano será responsável pelo parecer técnico que definirá o de Uso e Ocupação do Solo para o imóvel, observadas as
valor da contrapartida e as condições para a outorga, a ser diretrizes e as normas complementares e leis municipais,
encaminhado ao órgão municipal de controle urbano e estaduais e federais que possam incidir sobre o imóvel.
posterior aprovação por ato do Poder Executivo.
§ 2° - O direito descrito no caput poderá ser
Seção IV exercido pelo proprietário que fizer doação de imóvel de
Das Operações Urbanas Consorciadas sua propriedade, ou parte dele, ao Poder Público para os
fins previstos nos incisos I a III deste artigo.
Art. 98 - É considerada Operação Urbana
Consorciada o conjunto de intervenções e medidas Art. 102 - Para a aplicação da Transferência do
coordenadas pelo Poder Executivo Municipal, reguladas Direito de Construir em outro imóvel deverão ser
por lei Municipal específica e realizadas com a participação observadas:
de proprietários, moradores, usuários permanentes e
investidores privados, com o objetivo de alcançar I - as diretrizes do Plano Diretor Urbano e
transformações urbanísticas estruturais, melhorias sociais e Ambiental;
valorização ambiental em uma área específica da cidade, II - as normas estabelecidas pela Lei de Uso e
observadas as seguintes diretrizes: Ocupação do Solo;
III - as diretrizes dos Planos Integrado de
I - a melhoria da mobilidade urbana, Transporte e de Saneamento Ambiental;
considerando as diretrizes do Plano Integrado de IV - a necessidade de relatório de Estudo Prévio
Transporte e a necessidade de implantar equipamentos de de Impacto de Vizinhança EIV, quando exigidos pelo
suporte ao sistema intermodal de transporte; órgão de planejamento urbano.
II - a qualificação ambiental com especial ênfase
Art. 103 - A Transferência do Potencial
para a melhoria da qualidade do saneamento básico,
Construtivo somente poderá ser exercida para outro imóvel
considerando o Plano de Saneamento e Drenagem;
localizado dentro da Área Urbana e em local onde é
III - a implantação de parques públicos de
permitida a Outorga Onerosa do Direito de Construir,
acordo com a demanda existente na área objeto de
conforme estabelecido nesta Lei.
intervenção;
IV - a promoção de habitação de interesse § 1° - A edificação construída no imóvel receptor
social; do potencial construtivo transferido não poderá apresentar
Área Total Edificada - ATE superior ao potencial máximo
18 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
permitido pela Lei de Uso e Ocupação do Solo e deverá Art. 107 - As edificações localizadas em áreas
observar os demais parâmetros urbanísticos e edilícios de risco estarão sujeitas à relocação, quando não for
para o local. possível a correção dos riscos para garantir a segurança
da população residente no local e na vizinhança.
§ 2° - O potencial construtivo a ser transferido
será equivalente a diferença entre o potencial máximo
construtivo admitido para o imóvel e a área edificada § 1° - No caso da necessidade de relocação das
existente em proveito do proprietário. edificações e reassentamento da população previsto no
caput serão adotadas as medidas previstas nesta Lei.
§ 3° - Será dispensado de pagamento do valor
de contrapartida a edificação em imóvel receptor do
potencial construtivo, executada mediante Outorga Subseção II
Onerosa do Direito de Construir, na proporção da área Das Áreas de Especial Interesse para Reestruturação
edificada correspondente ao potencial construtivo Urbana
transferido.

Art. 104 - O direito de Transferência do


Art. 108 - As Áreas de Especial Interesse para
Potencial Construtivo deverá ser concedido pelo Poder
Reestruturação Urbana são as definidas por lei municipal
Executivo Municipal mediante ato próprio que discriminará
específica como prioritárias à reestruturação e
todos os benefícios concedidos e apresentará a devida
requalificação urbana que contemplem ações destinadas à:
justificativa técnica que contemple todos os aspectos
urbanísticos e jurídicos levados em consideração.
I - melhoria da mobilidade urbana, considerando
as diretrizes do Plano Integrado de Transporte e a
§ 1° - O direito de Transferência do Potencial
necessidade de implantar equipamentos de suporte ao
Construtivo será lavrado mediante emissão da respectiva
sistema intermodal de transporte;
escritura pública.
II - qualificação ambiental, com especial ênfase
para a melhoria da qualidade do saneamento básico,
§ 2° - O Poder Executivo manterá cadastro
considerando o Plano de Saneamento Ambiental;
técnico com o registro de todas as concessões de
III - implantação de parques públicos de acordo
transferência de potencial construtivo de forma à permitir o
com a demanda existente na área objeto de intervenção.
monitoramento das ocorrências e posterior avaliação dos
Subseção III
possíveis impactos urbanos e ambientais positivos ou
Das Áreas de Especial Interesse Ambiental
negativos.

Art. 109 - O Poder Executivo poderá determinar


SEÇÃO VI a criação de áreas de especial interesse ambiental,
DAS ÁREAS DE ESPECIAL INTERESSE mediante lei municipal específica, sempre que houver a
necessidade de proteção ao patrimônio natural ou cultural
Subseção I da cidade de Manaus.
Das Áreas de Especial Interesse Social
Art. 110 - A criação de áreas de especial
interesse ambiental deverá atender às diretrizes e aos
objetivos expressos na Estratégia de Qualificação
Art. 105 - As Áreas de Especial Interesse
Ambiental do Território desta Lei, priorizando:
Social são as destinadas à implantação de política e
programas para promoção da habitação de interesse social.
I - a implantação de corredor ecológico que
permita a integração entre as unidades de conservação
Art. 106 - As Áreas de Especial Interesse urbana;
Social serão delimitadas por lei municipal específica e II - a recuperação das margens de rios e
definidas pelas seguintes condições: igarapés que favoreça a criação de espaços públicos de
lazer;
I - áreas ocupadas por população de baixa III - a implementação de planos, programas e
renda que apresentem irregularidades urbanísticas e/ou projetos de proteção e valorização do patrimônio cultural da
irregularidade fundiária; Cidade de Manaus.
II - áreas destinadas à promoção da habitação
de interesse social, inseridas em programas municipal, Parágrafo único - A lei municipal específica que
estadual ou federal; delimitar área de especial interesse ambiental deverá
III - áreas destinadas ao reassentamento de estabelecer, no que couber, as condições de uso e
população de baixa renda que tenha sua moradia em ocupação do solo e prever ações subseqüentes, valendo-
situação de risco devidamente identificada pelo órgão se dos instrumentos de intervenção urbana previstos nesta
público competente. Lei e no Estatuto da Cidade.

§ 1° - A lei referida no caput, estabelecerá


padrões especiais de urbanização, parcelamento do solo CAPÍTULO V
urbano e uso e ocupação do solo nas áreas declaradas de DOS INSTRUMENTOS COMPLEMENTARES
especial interesse social.
Art. 111 - O Município poderá recorrer a
§ 2° - Não serão declaradas Áreas de Especial qualquer instrumento jurídico existente para promover o
Interesse Social em zonas ou áreas de proteção ambiental desenvolvimento sócio-econômico e a implementação dos
definidas pelo Código Ambiental de Manaus ou legislação planos, programas e projetos previstos nesta Lei,
ambiental complementar. observando a legislação aplicável.
§ 3° - o descumprimento do previsto no Seção I
parágrafo anterior acarretará sanções que serão Do Plano de Proteção das Margens dos Cursos d Água
estabelecidas pelo órgão competente ao agente ou órgão
infrator.
Art. 112 - O Plano de Proteção das Margens
dos Cursos d Água tem por objetivo delimitar as faixas
19 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

marginais "non aedificandi" e adequar o uso e ocupação IV - a elaboração de projetos urbanísticos para a
dos imóveis localizados nas proximidades das margens de melhoria da qualidade dos espaços públicos.
rios e igarapés.
Art. 115 - O macroplano da orla fluvial,
§ 1° - O plano referido no caput deverá prever: regulamentado por lei municipal específica, poderá valer-se
dos instrumentos previstos nesta Lei e ser executado em
I - a delimitação das faixas marginais "non etapas, conforme prioridades preestabelecidas.
aedificandi";
II - programa ambiental para a manutenção ou
recuperação da vegetação de proteção das margens dos Seção III
cursos d água; Do Plano de Saneamento Ambiental
III a elaboração de projetos de alinhamento e
passeio para as vias marginais aos cursos d água,
Art. 116 - O Plano de Saneamento Ambiental
localizadas fora das faixas "non aedificandi";
tem por objetivo geral integrar as ações do Poder Executivo
IV a implementação de projetos urbanísticos
Municipal no que se refere à prestação dos serviços de
para requalificação dos espaços públicos;
saneamento básico, para garantia da qualidade de vida da
V - a revisão e alteração das normas de uso e
população, de acordo com a estratégia de qualificação
ocupação do solo para os imóveis localizados nas
ambiental do território desta Lei.
proximidades das margens dos cursos d água, quando
necessário; § 1° - São componentes essenciais e
VI - A redução e revisão progressiva das imprescindíveis do Plano de Saneamento Ambiental:
canalizações provenientes de construções às margens dos
rios e igarapés; I - o diagnóstico da capacidade dos serviços
públicos relativos ao saneamento ambiental;
VII - execução de programas educacionais, II - as diretrizes básicas para a melhoria das
visando prevenir futuros assentamentos humanos nas condições do saneamento ambiental;
margens e nos próprios cursos d água; III - a definição de competências no âmbito do
VIII promoção e incentivo às ações de município para a gestão do saneamento ambiental;
remanejamento e remoção da população instalada IV - a definição de um programa municipal
irregularmente nos igarapés. integrado para a promoção da saúde pública e saneamento
§ 2° - A alteração das normas de uso e urbano;
ocupação do solo nas áreas próximas às faixas marginais V - a indicação de técnicas alternativas para
dos cursos d água deverá ser objeto de lei municipal implementação do saneamento em áreas de especial
específica que estabeleça e delimite área de especial interesse social;
interesse, conforme a finalidade da intervenção. VI a elaboração de programa de monitoração
da qualidade do ar em ambientes climatizados internos, de
Art. 113 - Os objetivos específicos e a acordo com as normas do Ministério da Saúde, em
abrangência de intervenções urbanas para requalificação especial, a Portaria SVS/MS n° 298/98;
dos espaços públicos, mencionados no artigo anterior, VII a elaboração de programas de controle
deverão constar de ato do Poder Executivo Municipal que das emissões atmosféricas industriais e de automóveis;
definirá: VIII a elaboração de programa de monitoração
e controle da qualidade da água destinada ao consumo
I - a delimitação da área de abrangência da humano.
intervenção;
II - as intervenções previstas; § 2° - Deverão adequar-se às diretrizes do
III - a forma de execução da intervenção; Plano de Saneamento Ambiental:
IV - o cronograma de implantação da
intervenção; I - os órgãos municipais da administração direta
V - as ações complementares, incluindo a e indireta;
previsão de criação de áreas de especial interesse; II - os instrumentos de planejamento e controle
VI - as justificativas técnicas da intervenção. urbano;
III - os programas, planos e projetos de âmbito
Seção II municipal, estadual e federal;
Do Macroplano das Orlas dos Rios Negro e Amazonas IV - as ações dos órgãos responsáveis pelos
serviços públicos de abastecimento de água, esgotamento
sanitário, drenagem de águas pluviais e gerenciamento dos
Art. 114 - O Macroplano das Orlas dos Rios resíduos sólidos.
Negro e Amazonas tem por objetivo geral a qualificação e a
valorização ambiental de toda extensão da orla inserida na Seção IV
área urbana e na área de transição de Manaus, garantindo Do Plano de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos
o acesso público e a proteção ambiental das margens dos
Rios Negro e Amazonas.
Art. 117 - O Plano de Gerenciamento dos
Parágrafo único - O Macroplano referido no Resíduos Sólidos deverá conter a estratégia geral do Poder
caput deverá seguir as diretrizes expressas nesta Lei e Executivo Municipal para a gestão dos resíduos sólidos de
adequar-se aos demais instrumentos complementares, no modo a proteger a saúde humana e o meio ambiente,
que couber, prevendo ações específicas: especificar medidas que incentivem a conservação e
recuperação de recursos naturais e oferecer condições
I - a implantação de equipamentos destinados
para a destinação final adequada dos resíduos sólidos.
às atividades de turismo e lazer;
II - a criação de mecanismos de controle para a
§ 1° - Compete ao órgão municipal responsável
ocupação das margens dos rios;
pela coleta e destinação dos resíduos sólidos no município
III - a regulamentação do uso e ocupação do
a elaboração do Plano de Gerenciamento dos Resíduos
solo destinado à instalação de portos, inclusive alfândegas,
Sólidos.
e das atividades de comércio e de construção naval;
20 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
§ 2° - O Plano de Gerenciamento de Resíduos II - a delimitação da área objeto da intervenção;
Sólidos deverá ser compatível com o planejamento e III as características das intervenções
gestão dos programas e projetos urbanos municipais, previstas;
devendo ser periodicamente revisado e devidamente IV - a comprovação da anuência dos
compatibilizado. proprietários beneficiados pela intervenção;
V - o valor da contribuição e a forma de
§ 3° - O Plano referido no caput deverá fixar os pagamento a serem feitos pelos proprietários beneficiados;
critérios básicos para o gerenciamento municipal dos VI - o cronograma de execução das obras que
resíduos sólidos, contendo, aspectos: compõem o plano urbanístico.
I - o diagnóstico atualizado da situação da
gestão dos resíduos sólidos no município; Seção VI
II - procedimentos ou instruções a serem Do Plano Integrado de Transporte
adotados na segregação, coleta, com especial ênfase na
coleta seletiva, classificação, acondicionamento, Art. 121 - O Plano Integrado de Transporte,
armazenamento, transporte, transbordo, reutilização, previsto no Estatuto da Cidade, tem por objetivo a melhoria
reciclagem, tratamento e disposição final, conforme sua das condições de circulação e acessibilidade em Manaus,
classificação, indicando os locais onde as atividades serão atendendo às diretrizes estabelecidas na Estratégia de
implementadas; Mobilidade Urbana desta Lei.
III - Ações preventivas e corretivas a serem Art. 122 - São componentes do Plano
praticadas no caso das situações de manuseio incorreto ou Integrado de Transporte:
acidentes, bem como a fiscalização efetiva nos mercados,
feiras ou quaisquer outras atividades comerciais nas I - definição das responsabilidades dos órgãos
proximidades da orla fluvial sobre a emissão de efluentes municipais relativas à gestão do Plano Integrado de
sólidos; Transporte;
IV - a definição e descrição de medidas II - diretrizes para o sistema de transporte
direcionadas à minimização da quantidade de resíduos e coletivo intramunicipal, prevendo ações específicas para
ao controle da poluição ambiental causada por resíduos, melhoria e manutenção das estradas vicinais;
considerando suas diversas etapas - acondicionamento, III - normas para a qualificação do transporte
coleta, segregação, transporte, trasbordo, tratamento e fluvial municipal, que promovam a integração intermodal;
disposição final; IV - definição de ações a serem implementadas
V - ações voltadas à educação ambiental que a curto, médio e longo prazo para melhoria da qualidade do
estimulem: transporte em Manaus;
a) o gerador a eliminar desperdícios e a realizar V - definição de uma hierarquia viária;
a triagem e a coleta seletiva de resíduos; VI - normas para a qualificação da circulação e
b) o cidadão a adotar práticas ambientalmente acessibilidade, estabelecendo minimamente:
saudáveis de consumo; a) padrões para as vias e condições para o
c) o gerador e o consumidor a aproveitarem os funcionamento das diferentes categorias de vias;
resíduos; b) critérios para operação do tráfego de
d) a sociedade a se responsabilizar pelo veículos;
consumo de produtos e a disposição adequada de c) padronização da sinalização das vias
resíduos. urbanas e das estradas e rodovias localizadas no território
VI - o cronograma de implantação das medidas municipal, em complementação às normas federais.
e ações propostas. VII - normas para qualificação dos espaços
VII - elaboração de relatório semestral detalhado públicos que incluam as demandas dos portadores de
de serviços executados, contendo as metas programadas e necessidades especiais;
realizadas e os custos globais e específicos por região VIII - critérios para qualificação dos
administrativa. equipamentos de suporte do transporte coletivo que
incluam a distribuição dos pontos de integração do
Art. 118 - o Poder Executivo Municipal poderá transporte rodoviário;
solicitar ao gerador de resíduos/efluentes a anuência do IX - identificação de áreas destinadas a:
órgão estadual competente, sobre a destinação dos a) implantação de nova estação rodoviária
respectivos resíduos/efluentes, para o licenciamento das municipal;
respectivas atividades industriais e outras atividades b) relocalização do Aeroclube;
potencialmente poluidoras a critérios dos órgãos c) implantação de heliportos.
responsáveis pelo planejamento e controle urbano.
Art. 123 - Deverão adequar-se às diretrizes do
Seção V Plano Integrado de Transporte:
Dos Planos Urbanísticos
I - os órgãos municipais da administração direta
Art. 119 - Os Planos Urbanísticos são e indireta;
instrumentos de prerrogativa do Poder Executivo Municipal II - os instrumentos de planejamento e controle
para fins de qualificação dos espaços públicos na Cidade urbano;
de Manaus. III - os programas, planos e projetos de âmbito
Parágrafo único - Os Planos Urbanísticos municipal, estadual e federal;
deverão ser elaborados sempre que a Prefeitura promover IV - as ações dos órgãos responsáveis pelo
significativas intervenções físicas no espaço da cidade que planejamento e gestão do sistema viário e transporte.
modifiquem, transformem ou alterem o desenho urbano que
define e qualifica as áreas públicas.
Art. 120 - Programas municipais poderão prever Seção VII
a implementação de planos urbanísticos mediante o Do Plano de Alinhamento e Passeio
pagamento de contribuição de melhorias, nos termos
estabelecidos pelo Estatuto da Cidade, desde que lei
municipal específica determine a criação de área de Art. 124 - O Plano de Alinhamento e Passeio é
especial interesse, dispondo no mínimo sobre os seguintes o instrumento básico do ordenamento da rede de
aspectos: logradouros públicos, com a finalidade de reservar áreas
para a circulação urbana e promover melhorias na
I - a finalidade da área de especial interesse;
21 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

acessibilidade urbana. b) Implementação de programas permanentes


de limpeza e desobstrução dos cursos d água, com
§ 1° - O Plano de Alinhamento e Passeio será intervenções urbanísticas necessárias e requalificação dos
implementado mediante ato do Poder Executivo Municipal, espaços públicos;
que estabelecerá os prazos máximos para sua implantação. c) Definição de complementação da rede de
§ 2° - O processo de licenciamento de alteração microdrenagem da cidade, considerando o crescimento da
fundiária, reforma, ampliação ou edificação, bem como de malha viária e conseqüente acréscimo no volume de
mudança de uso da edificação, ficará sujeito às exigências contribuição às bacias hidrográficas.
do Plano de Alinhamento e Passeio, cabendo ao órgão III Esgotamento Sanitário:
municipal competente indicar previamente ao interessado o a) Diretrizes para a implantação do(s)
recuo ou a investidura incidente sobre os imóveis, em Sistemas(s) de Esgotamento Sanitário, considerando
decorrência do referido plano. relevo, tipologia de ocupação, densidade demográfica e
§ 3°- Por ocasião da execução dos recuos serviços existentes;
viários ou abertura de novas vias projetadas, cabe ao b) Definição de competência para
município a avaliação do imóvel e aplicação do direito de administração do saneamento na cidade;
preempção. c) Definição de parâmetro para execução de
projetos de tratamento de esgoto simplificado, através de
§ 4° O proprietário terá o prazo de 30 (trinta) programa municipal integrado;
dias a contar da data de publicação do valor indenizado d) Diretrizes para situações de emergência
para contestar junto à Procuradoria Geral do Município. para a destinação de efluentes domésticos a céu aberto em
Art. 125 - São componentes do Plano de áreas degradadas, onde transitam pessoas;
Alinhamento e Passeio: e) adequação do tratamento dos efluentes
domésticos e industriais às normas do Conselho Nacional
do Meio Ambiente CONAMA, em especial, à Resolução
I - a definição do alinhamento dos logradouros
020/86;
públicos, com a indicação da previsão de alargamento em
f) implantação de sistemas de tratamento
logradouros públicos existentes e de abertura de
avançados para efluentes domésticos e industriais gerados
logradouros públicos para integração da malha viária
em áreas que possuam aterros sanitários.
urbana;
II - o dimensionamento das calçadas e de outros
§ 2° - A alteração das normas de uso e
elementos dos logradouros públicos onde couber;
ocupação do solo, de que trata o inciso I, alínea c , deverá
III - diretrizes gerais para a implantação de
ser objeto de lei municipal específica que estabeleça e
mobiliário urbano, inclusive engenhos de publicidade.
delimite área de especial interesse, conforme a finalidade
Parágrafo único - Na definição do Plano de
da intervenção.
Alinhamento e Passeio deverão ser observados, no que
§ 3° - Os objetivos específicos e a abrangência
couber, os padrões viários existentes, as diretrizes do Plano
de intervenções urbanísticas para requalificação dos
Integrado de Transporte e demais instrumentos
espaços públicos, mencionados no inciso II, alínea b ,
complementares.
deverão constar de ato do Poder Executivo Municipal que
definirá:
Seção VIII
Dos Instrumentos Complementares I a delimitação da área de abrangência da
intervenção;
Do Plano de Saneamento e Drenagem II as intervenções previstas;
III a forma de execução da intervenção;
IV - o cronograma de implantação da
Art. 126 - O Plano de Saneamento e Drenagem intervenção;
tem por objetivos: V as ações complementares, incluindo a
previsão de criação de áreas de especial interesse.
I controlar, proteger e direcionar a presença e
o uso da água em todas as suas formas rios, igarapés, Art. 127 - O Plano de Saneamento e Drenagem
lagos, lençóis subsuperficiais e profundos; será elaborado pelo Executivo Municipal, tendo como
II disciplinar, definir técnicas e competências representantes os seguintes órgãos e concessionária:
para o lançamento e destino final dos efluentes domésticos,
não domésticos e industriais. I Administração Municipal Direta e Indireta;
II Administração Estadual Direta e Indireta;
§ 1° - São componentes mínimos do Plano de III Concessionária prestadora de serviços de
Saneamento e Drenagem: águas e esgotos.

I Subsistema de Macrodrenagem: Seção IX


a) Definição das faixas de proteção dos rios, Do Plano de Gestão dos Recursos Minerais da Região
igarapés, lagos, mananciais das bacias do São Raimundo, de Manaus e seu entorno.
Educandos, Tarumã-Açu e Puraquequara;
b) Programa ambiental para a manutenção ou
recuperação da vegetação das margens dos cursos d água; Artigo 128 Vetado.
c) Alteração das normas de uso e ocupação do
solo para loteamentos existentes e edificações localizados
nas proximidades das margens dos cursos d água, PARTE II
considerando taxas de absorção do solo e nível de DO SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO
contribuição para as bacias hidrográficas da cidade; URBANO
d) Implementação de programas permanentes
de educação ambiental, de caráter multidisciplinar.
II Subsistema de Microdrenagem: CAPÍTULO I
a) Projetos de alinhamento para as vias DOS OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES
marginais aos cursos d água;
22 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Art. 129 - Fica criado o Sistema Municipal de I - Órgãos da Administração Direta e Indireta;
Planejamento Urbano, com objetivos, atribuições, estrutura II - Conselho Municipal de Desenvolvimento
institucional e instrumentos para a viabilização de processo Urbano ;
contínuo de planejamento e gestão urbana em Manaus, em III - Comissão Técnica de Planejamento e
conformidade com a estratégia de gestão democrática Controle Urbano.
desta Lei.
Seção I
Parágrafo Único - São objetivos do Sistema
Órgãos e Entidades da Administração Direta e Indireta
Municipal de Planejamento Urbano:
I - efetuar a gestão da Cidade de Manaus de
forma transparente, motivadora e estimuladora da
Art. 132 - Os órgãos da administração direta e
cidadania, utilizando meios facilitadores para promover a
indireta deverão apoiar o Sistema Municipal de
conscientização pública sobre o significado e a importância
Planejamento Urbano mediante o desenvolvimento das
do Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus e de seus
seguintes atividades:
instrumentos;
II - instituir mecanismos permanentes e I - apoio técnico de caráter interdisciplinar, na
sistematizados para implementação e atualização do Plano realização de estudos e pesquisas destinados a dar suporte
Diretor Urbano e Ambiental de Manaus; ao planejamento;
III - garantir a ampliação e a efetivação dos II - levantamento de dados e fornecimento de
canais de participação da sociedade no planejamento e na informações técnicas relacionadas à área de atuação
gestão da cidade. específica, destinadas à alimentar o Sistema de
Informações para o Planejamento;
Art. 130 - São atribuições do Sistema Municipal III - integrar grupos de trabalho ou comissões
de Planejamento Urbano: técnicas responsáveis pela elaboração e implementação de
planos, programas e projetos de desenvolvimento urbano.
I - formular estratégias e políticas urbanas; Subseção I
II - coordenar a implementação do Plano Diretor Do Gerenciamento do Sistema
Urbano e Ambiental de Manaus e os processos de sua
revisão e atualização;
III - elaborar e coordenar a execução integrada Art. 133 - O Instituto Municipal de
de planos, programas e projetos necessários à Planejamento Urbano IMPLURB, a ser criado pelo Poder
implementação do Plano Diretor Urbano e Ambiental de Executivo, será a entidade de direito público interno sob a
Manaus, articulando-os com o processo de elaboração e forma de autarquia municipal, responsável pelo
execução do orçamento municipal; gerenciamento do sistema municipal de planejamento
IV - aplicar a legislação municipal relacionada urbano, ao qual compete a assessoria, pesquisa,
ao desenvolvimento urbano ambiental, estabelecendo planejamento e automação para o desenvolvimento de
interpretação uniforme de seus dispositivos; projetos que permitam controlar, planejar, sistematizar e
V - monitorar e controlar os instrumentos de acompanhar todo o processo de crescimento da cidade.
aplicação do Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus
e dos programas e projetos previstos; Parágrafo único- Ao IMPLURB compete ainda:
VI - designar e atribuir competências às
instâncias responsáveis pela execução, monitoramento e I - definir as diretrizes do desenvolvimento
fiscalização no processo de implementação do Plano urbano do município;
Diretor Urbano e Ambiental de Manaus, caracterizando a II - planejar e ordenar o uso e a ocupação do
divisão articulada das funções de planejamento e de gestão solo;
das de controle e fiscalização; III - elaborar, implementar, monitorar e avaliar os
VII - aperfeiçoar os procedimentos de consultas planos, programas e projetos urbanos, assim como sua
prévias nos órgãos municipais de licenciamento; permanente revisão e atualização;
VIII - instituir e integrar o Sistema de IV - organizar, implantar e manter o Sistema de
Informações para o Planejamento, estabelecendo o fluxo Informações para o Planejamento;
contínuo de informações entre os órgãos integrantes do V - articular ações com os demais órgãos e
Sistema Municipal de Planejamento Urbano; entidades da administração direta e indireta integrantes do
Sistema Municipal de Planejamento Urbano e com outros
IX - promover a melhoria da qualidade técnica órgãos e entidades governamentais e não-governamentais;
de projetos, obras e intervenções promovidas pelo Poder VI firmar convênios ou acordos públicos e
Executivo no espaço urbano; privados para a viabilização de planos, programas e
X - articular a atuação das concessionárias de projetos;
serviços públicos com a execução de planos, programas e VII definir os valores básicos para cálculo de
projetos urbanos, definindo prioridades e estabelecendo contrapartida nos processos de Outorga Onerosa do Direito
medidas para sua viabilização; de Construir ou de Alteração de Uso;
XI - colaborar para o aprimoramento técnico dos VIII - convocar os conselhos e os demais
servidores municipais e para a formação de um quadro de integrantes do Sistema Municipal de Planejamento Urbano
fiscalização qualificada; para debater e opinar sobre temas relacionados ao
XII - promover e apoiar a formação de desenvolvimento urbano de Manaus;
conselhos comunitários de gestão urbana, ampliando e
diversificando as formas de participação no processo de Parágrafo único - O Sistema de Informações
planejamento e gestão da cidade. para o Planejamento constitui ferramenta facilitadora para a
tomada de decisão e atualização permanente do Plano
Diretor Urbano Ambiental e dos processos de planejamento
CAPÍTULO II e gestão da Administração, bem como a base para o
DA COMPOSIÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE estabelecimento das iniciativas de democratização da
PLANEJAMENTO URBANO informação junto à sociedade.

Art.131 - O Sistema Municipal de Planejamento Seção II


Urbano compõe-se de: Do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano
23 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

V Empresa Municipal de Transportes Urbanos


Art. 134 - O Conselho Municipal de EMTU;
Desenvolvimento Urbano é o órgão técnico disciplinar e VI Fundação Municipal de Turismo
deliberativo sobre as questões relativas aos sistemas, MANAUSTUR;
serviços e ordenação do espaço urbano do município de VII - Procuradoria Geral do Município - PGM.
Manaus, exercendo suas atribuições na forma estabelecida
no artigo 221 da Lei Orgânica do Município de Manaus, Parágrafo único - A Comissão Técnica de
competindo-lhe ainda: Planejamento e Controle Urbano será presidida pelo titular
do órgão gerenciador do Sistema Municipal de
I acompanhar a implementação do Plano Planejamento Urbano.
Diretor Urbano e Ambiental de Manaus;
II deliberar, no âmbito do Poder Executivo
PARTE III
Municipal, sobre projetos de lei, planos, programas e
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS
projetos relativos ao desenvolvimento urbano de Manaus;
III deliberar sobre a programação de
investimentos que viabilizem as políticas de
desenvolvimento urbano e ambiental; Art. 138 Deverão ser elaborados e aprovados
IV deliberar sobre propostas oriundas do no prazo de 2 (dois) anos a contar da data de aprovação da
Instituto Municipal de Planejamento Urbano, quanto ao Lei do Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus os
aperfeiçoamento dos instrumentos de planejamento e seguintes instrumentos:
gestão da cidade; I Plano de Ocupação do Território,
V aprovar pareceres elaborados pela II Zoneamento Ambiental Municipal;
Comissão Técnica de Planejamento e Controle Urbano; III Plano Integrado de Transporte;
VI aprovar projetos especiais de IV Plano de Proteção das Margens dos
empreendimentos de impacto urbano; Cursos d Água;
VII aprovar os planos de aplicação do Fundo V Macroplano da Orla Fluvial rios Negro e
de Desenvolvimento Urbano; Amazonas;
Parágrafo único: o "quorum" das reuniões VI Plano de Saneamento Ambiental;
plenárias do CMDU será de 2/3 (dois terços) de seus VII Plano de Gerenciamento dos Resíduos
membros para a abertura das sessões e de maioria Sólidos;
qualificada para deliberação. (Errata II D.O.M. Nº 801 de VIII Plano de Alinhamento e Passeio.
23/07/03) IX - Vetado.
X - Plano de Saneamento e Drenagem.
Art. 135 - O Conselho Municipal de
Desenvolvimento Urbano atuará como gestor do Fundo
§ 1° A aprovação dos instrumentos previstos
Municipal de Desenvolvimento Urbano e como última
neste artigo se dará mediante Projeto de Lei aprovado pela
instância de recurso nas matérias relacionadas à aplicação
Câmara Municipal de Manaus, após realização de
da legislação urbana e edilícia do município.
audiência pública.
§ 2° - O instrumento previsto no inciso V deverá
conter o estudo de viabilidade de via expressa que circunde
Seção III a orla fluvial da cidade de Manaus.
Da Comissão Técnica de Planejamento e Controle
Urbano
Art. 139 O Executivo Municipal criará e
implantará o Instituto Municipal de Planejamento -
IMPLURB, que atuará como órgão de gerenciamento do
Art. 136 - A Comissão Técnica de Planejamento Sistema Municipal de Planejamento Urbano, no prazo de
e Controle Urbano, vinculada à estrutura do Sistema 180 (cento e oitenta) dias.
Municipal de Planejamento Urbano, será criada em caráter
permanente, com as seguintes atribuições: Parágrafo único Até a implantação do órgão
I - examinar e apresentar justificativas técnicas referido no caput fica a Empresa Municipal de Urbanização
sobre a aplicação dos instrumentos de intervenção, de Manaus URBAM com as atribuições definidas nesta
inclusive a concessão de Outorga Onerosa do Direito de Lei.
Construir ou de Alteração de Uso e sobre outras matérias
relativas ao desenvolvimento urbano, nos termos desta Lei; Art. 140 - Para efeito do disposto no artigo 40
II - opinar sobre matérias específicas desta Lei, o Poder Executivo terá o prazo de 1 (um) ano
estabelecidas na legislação que complementar este Plano para implementar os pólos urbanos de apoio ao
Diretor Urbano e Ambiental; desenvolvimento sustentável em Manaus.
III - participar da elaboração de programas,
planos e projetos previstos nesta Lei. Art. 141 - Para efeito do que dispõem os
artigos 42, 43, 55, 56, 57 e 58, inciso III desta Lei, relativos
Art. 137 - A Comissão Técnica de Planejamento ao Zoneamento Ambiental Municipal, no prazo de 2 (dois)
e Controle Urbano será integrada por representantes dos anos deverão estar implementados pelo Poder Executivo
seguintes órgãos da administração direta e indireta do Municipal:
Município: I - Todas as unidades de conservação
I Instituto Municipal de Planejamento Urbano - municipais;
IMPLURB; II O Corredor Ecológico Urbano.
II Secretaria Municipal de Economia e
Finanças - SEMEF; (Alterado pelo Art. 4º da Lei 752 de
Art. 142 A Prefeitura Municipal de Manaus
07/01/04 D.O.M. Nº956)
requalificará os portos existentes e implantará novos portos
III Secretaria Municipal de Desenvolvimento e
para viabilizar o sistema intermodal conforme disposto no
Meio Ambiente SEDEMA;
artigo 58, incisos IV e V , no prazo de 3 (três) anos.
IV - Secretaria Municipal de Obras e Serviços
Públicos SEMOSB;
24 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Art.143 - O Executivo Municipal tem prazo de 2 LEI N.° 671 /2002
(dois) anos para ampliar os pontos de integração do
transporte coletivo rodoviário, conforme artigo 58, inciso VI ANEXO I
desta Lei.
(INCLUÍDO NA PASTA ANEXO I LEI Nº 761_02 , QUE
Art. 144 - O Executivo Municipal delimitará e COMPÕE ESTE DOCUMENTO DIGITAL)
regulamentará, no prazo de 1 (um) ano, as unidades
Este anexo encontra-se no site
especiais de interesse histórico, conforme disposto no
www.pmm.am.gov.br ou no setor competente deste
artigo 35 da Lei de Uso e Ocupação do Solo. (Errata II
Executivo, por impossibilidade de impressão no papel
D.O.M. Nº 801 de 23/07/03)
adequado ao Diário Oficial do Município.

Art. 145 Os objetivos e diretrizes do Plano


Diretor Urbano e Ambiental constarão, obrigatoriamente, do
Plano Plurianual de Governo e serão contemplados no
orçamento plurianual de investimentos.
LEI N° 671/2002
Art. 146 - O Plano Diretor Urbano e Ambiental
poderá ser revisto, no prazo de 5 (cinco) anos, para os
ajustes necessários, conforme o desenvolvimento da área
urbana. ANEXO II

Art. 147 - Revogam-se as disposições em DESCRIÇÃO DAS UNIDADES DE ESTRUTURAÇÃO


contrário e especificamente as seguintes leis, decretos e URBANA, DOS CORREDORES URBANOS E DAS
resoluções: UNIDADES ESPACIAIS DE TRANSIÇÃO
I Lei n° 1214/75 que aprova o Plano de
Desenvolvimento Local Integrado PDLI;
II Lei n° 1215/75 que complementa Lei n° UNIDADES DE ESTRUTURAÇÃO URBANA - UES
1214/75;
III Lei n° 279/95 que regulamenta a
Na Macrounidade Orla do Rio Negro Oeste:
"atualização da lei n° 1.214/75, sobre o Solo Criado";
I - UES Ponta Negra - abrange parte do bairro Ponta Negra,
IV Decreto n° 2.742/95 que regulamenta a Lei
no trecho voltado para a praia Ponta Negra e abaixo do
n° 279/95;
igarapé do Gigante, limitando-se a leste pela Av. Cecília
V Resolução CMDU n° 002/95 que
Meireles e Alameda Panamá, seguindo em linha reta até a
complementa a Lei n° 279/95;
margem esquerda do rio Negro;
VI Resolução CMDU n° 003/95 que
II - UES CMA abrange parte do bairro Ponta Negra,
complementa a Resolução CMDU n° 002/95;
abaixo da Av. Coronel Teixeira, delimitando-se a oeste pela
VII Resolução CMDU n° 004/95 que
Alameda Panamá e a leste, pela via de acesso ao 2°
complementa a Resolução CMDU n° 002/95
Grupamento de Engenharia e Construção do Exército, até a
VIII Resolução CMDU n° 005/95 que
margem esquerda do rio Negro;
complementa a Resolução CMDU n° 002/95;
III - UES Compensa - abrange o bairro Santo Agostinho,
IX Resolução CMDU n.° 001/99.
parte do bairro Compensa, entre a Av. Brasil e a orla do rio
X Lei n° 321/95 que regulamenta a avaliação
Negro, e parte do bairro Ponta Negra, abaixo da Av.
de projetos de parcelamento e edificação em unidades de
Coronel Teixeira, limitando-se a oeste pela via de acesso
conservação ambiental.
ao 2° Grupamento de Engenharia e Construção do Exército
e a leste, pela confluência da Av. Brasil e Rua Padre
Art. 148 - Esta Lei entra em vigor na data de
Agostinho C. Martins, seguindo pela Estrada do
sua publicação.
Bombeamento e tendo como limite a 4a DL até a margem
esquerda do rio Negro;
IV - UES São Raimundo - abrange os bairros Santo
Manaus, 04 de novembro de 2002.
Antônio, São Raimundo e Glória e parte do bairro
Compensa, delimitado a oeste pela confluência com a Av.
Brasil e a Rua Padre Agostinho C. Martins, seguindo pela
ALFREDO PEREIRA DO NASCIMENTO
Estrada do Bombeamento e tendo como limite a 4a DL até a
Prefeito Municipal de Manaus
margem esquerda do rio Negro.

Na Macrounidade Orla do Rio Negro Leste:


YOLANDA CORRÊA PEREIRA
I - UES Educandos - abrange os bairros Educandos e
PROCURADORA-GERAL DO MUNICÍPIO
Colônia Oliveira Machado;
II - UES Vila Buriti - abrange o bairro Vila Buriti e parte do
bairro Crespo abaixo da Av. Rodrigo Otávio;
RAUL ARMONIA ZAIDAN
III - UES Mauazinho - abrange o bairro Mauazinho;
SECRETÁRIO-CHEFE DO GABINETE CIVIL
IV - UES Colônia Antônio Aleixo - abrange o bairro Colônia
Antônio Aleixo;
V - UES Puraquequara - abrange parte do bairro
Puraquequara, inserido na Área Urbana.

Na Macrounidade Centro:
I - UES Adrianópolis - abrange parte do bairro Parque 10 de
Novembro, abaixo da Av. Efigênio Sales, parte do bairro
Adrianópolis, abaixo do afluente do igarapé do Mindú, e
parte do bairro Aleixo, abaixo da rua Gabriel Gonçalves;
II - UES Vieiralves - abrange o bairro N.Sa. das Graças e
parte do bairro Parque 10 de Novembro, abaixo da Av.
Darcy Vargas, entre a Av. Djalma Batista e a rua Recife;
25 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

III - UES Cachoeirinha - abrange o bairro Cachoeirinha; CORREDORES URBANOS


IV - UES São Geraldo - abrange os bairros São Geraldo e I - Corredor Sul/Norte corresponde às quadras
Chapada; compreendidas entre as avenidas Djalma Batista e
V - UES Centro - abrange o bairro Presidente Vargas e as Constantino Nery e às faixas lindeiras às avenidas
partes dos bairros Centro, N. Sa. Aparecida e Praça 14 de Djalma Batista, Constantino Nery e Torquato Tapajós
Janeiro, acima da rua Leonardo Malcher; até o limite da Área Urbana, abrangendo a largura de
VI - UES Centro antigo - abrange as partes dos bairros 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento dos
Centro, N.Sa. Aparecida e Praça 14 de Janeiro, abaixo da logradouros;
rua Leonardo Malcher. II - Corredor da Av. do Turismo corresponde às faixas
lindeiras à Av. do Turismo, abrangendo a largura de 300m
Na Macrounidade Integração: (trezentos metros) a partir do alinhamento do logradouro;
I - UES São Jorge - abrange os bairros São Jorge e Vila da III - Corredor Avenida Brasil/ Ponta Negra corresponde às
Prata, parte do bairro Compensa, acima da Av. Brasil, e faixas lindeiras às avenidas Coronel Teixeira, da Av. do
parte do bairro Dom Pedro, abaixo da Estr. Pedro Teixeira; Turismo até a confluência com a Av. Brasil; Brasil, da
II - UES Alvorada - abrange os bairros Nova Esperança, confluência da Av. Coronel Teixeira até a ponte do igarapé
Alvorada, Redenção e da Paz e parte do bairro Dom Pedro, do São Raimundo, abrangendo a largura de 300m
acima da Av. Pedro Teixeira; (trezentos metros) a partir do alinhamento dos logradouros;
III - UES Lírio do Vale - abrange os bairros Lírio do Vale e IV - Corredor Boulevard Amazonas - corresponde às faixas
Planalto; lindeiras à Av. Álvaro Maia, da ponte do igarapé do São
IV - UES Flores - abrange o bairro Flores; Raimundo até a Av. Paraíba; à Rua Belém, a partir da Av.
V - UES Parque 10 - abrange parte do bairro Parque 10 de Paraíba, seguindo pelas avenidas Castelo Branco e
Novembro, acima das avenidas Darcy Vargas e Efigênio Leopoldo Peres até a Av. 7 de Setembro; à Av. Leopoldo
Sales; Peres, abrangendo a largura de 300m (trezentos metros) a
VI - UES Aleixo - abrange parte do bairro Adrianópolis, partir do alinhamento dos logradouros;
acima do afluente do igarapé do Mindú, e parte do bairro V - Corredor Darcy Vargas - corresponde às faixas lindeiras
Aleixo, acima da rua Gabriel Gonçalves; às avenidas Coronel Teixeira, da confluência com a Av.
VII - UES Coroado - abrange o bairro Coroado, inclusive o Brasil até a Av. Darcy Vargas; Darcy Vargas, da confluência
campus da Universidade do Amazonas; da Av. Dom Pedro até a Rua Recife; Efigênio Sales, da Rua
VIII - UES Distrito I - abrange o Módulo 1 do Distrito Recife até a Bola do Coroado, abrangendo a largura de
Industrial da SUFRAMA e parte do bairro Crespo, acima da 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento dos
Av. Rodrigo Otávio; logradouros;
IX - UES Japiim - abrange os bairros Petrópolis, São VI - Corredor Rodrigo Otávio - corresponde às faixas
Francisco e Japiim; lindeiras às avenidas General Rodrigo Otávio e
X - UES Morro da Liberdade - abrange os bairros Betânia, Presidente Kennedy até a Av. Leopoldo Peres,
São Lázaro, Raiz, Morro da Liberdade e Santa Luzia. abrangendo a largura de 300m (trezentos metros) a
partir do alinhamento dos logradouros;
Na Macrounidade Tarumã-Açu: VII - Corredor Aleixo - correspode às faixas lindeiras à Av.
I - UES Itaporanga - abrange parte do bairro Ponta Negra, Paraíba, entre a Rua Belém e Av. André Araújo; às
limitada ao sul pelo igarapé do Gigante e parte da Av. avenidas André Araújo e Cosme Ferreira da Bola do
Coronel Teixeira até a interseção com a via de acesso ao Coroado até a interseção com o eixo Norte-Sul,
Quartel do 2° Grupamento de Engenheiros e Construção; a abrangendo a largura de 300m (trezentos metros) a partir
oeste, pelo bairro Lírio do Vale e ao norte, pelo segmento do alinhamento dos logradouros;
entre o afluente do igarapé Tarumã-Açu e a via projetada VIII - Corredor Autaz Mirim - corresponde às faixas lindeiras
Sul do Aeroporto; à Av. Autaz Mirim, da confluência com a Av. Cosme
II - UES Aeroporto - abrange parte do bairro Tarumã; Ferreira até a Rua N.Sa. da Conceição e à essa última, até
III - UES Praia Dourada - abrange parte dos bairros Ponta a via projetada no Corredor Norte, abrangendo a largura de
Negra e Tarumã; 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento dos
IV - UES Cachoeira Alta - abrange parte do bairro Tarumã; logradouros;
V - UES Tarumã - abrange parte do bairro Tarumã,
IX - Corredor Leste-Oeste - corresponde às faixas lindeiras
estendendo-se até os limites norte da Área Urbana.
à via projetada com início na confluência com a Av. Autaz
Na Macrounidade Leste:
Mirim, seguindo pela Rua 143, até a confluência desta com
I - UES São José - abrange os bairros São José Operário,
a Av. Noel Nutels; à Av. Noel Nutels, de sua confluência
Zumbi dos Palmares e Armando Mendes;
com a Rua 143 até a sua interseção com a Av. Max
II - UES Tancredo Neves - abrange o bairro Tancredo
Teixeira; à Av. Max Teixeira, até seu encontro com a Av.
Neves;
Torquato Tapajós; à via projetada Sul do Aeroporto, da
III - UES Jorge Teixeira - abrange o bairro Jorge Teixeira;
confluência das avenidas Max Teixeira e Torquato Tapajós
IV - UES Cidade Nova - abrange parte do bairro Cidade
até a Av. do Turismo, abrangendo a largura de 300m
Nova, abaixo da Av. Noel Nutels;
(trezentos metros) a partir do alinhamento dos logradouros;
V - UES Distrito II - abrange parte do Módulo 2 do Distrito
Industrial da SUFRAMA. XI - Corredor Norte - corresponde às faixas lindeiras ao
trecho da avenida projetada Ducke até o início da Av.
Margarida, seguindo por esta até a Av. Monsenhor Pinto, se
Na Macrounidade Ducke: prolongando por um trecho da via projetada até a
I - UES Novo Israel - abrange os bairros Colônia Santo confluência das avenidas Torquato Tapajós e do Turismo,
Antônio, Novo Israel, Colônia Terra Nova e parte dos abrangendo a largura de 300m (trezentos metros) a partir
bairros Cidade Nova, acima da Av. Noel Nutels, Santa do alinhamento do logradouro.
Etelvina e Monte das Oliveiras;
II - UES Santa Etelvina - abrange parte dos bairros Santa
Etelvina, Monte das Oliveiras e Cidade Nova, até os limites UNIDADES ESPACIAIS DE TRANSIÇÃO
da bacia do lado esquerdo do igarapé da Bolívia; I - UET PURAQUEQUARA ABRANGE AO SUL, O RIO
III - UES Bolívia - delimita-se ao sul pelo limite direito da AMAZONAS; A LESTE, O RIO PURAQUEQUARA; AO NORTE, O
bacia do igarapé da Bolívia; a leste, pela Reserva Florestal IGARAPÉ IPIRANGA E A RESERVA FLORESTAL ADOLPHO
Adolpho Ducke; a oeste, pela BR-174; ao norte, pelo limite DUCKE; A OESTE, O LIMITE DA ÁREA URBANA;
da Área Urbana. II - UET Ducke abrange ao sul, o igarapé Ipiranga; a leste,
o rio Puraquequara; ao norte, o limite norte da Área de
Transição; a oeste a Reserva Florestal Adolpho Ducke;
26 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
III - UET Mariano abrange ao sul, o divisor das bacias
dos igarapés Mariano e Bolívia; a leste, a Reserva
Florestal Adolpho Ducke; ao norte, o limite da Área de
Transição; a oeste, o igarapé Tarumã-Açu;
IV - UET PRAIA DA LUA ABRANGE AO SUL, O RIO NEGRO; A
LESTE, O IGARAPÉ TARUMÃ-AÇU; A NOROESTE, O IGARAPÉ
AGURAÚ OU ACUARÚ.

LEI N° 671 / 2002

(REPUBLICADO NA ERRATA I D.O.M. Nº 660 DE 20/12/02)


ANEXO III

ANEXO III - QUADRO DO COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO DO TERRENO PARA APLICAÇÃO DA OUTORGA ONEROSA DO
DIREITO DE CONSTRUIR POR CORREDOR URBANO E UNIDADE DE ESTRUTURAÇÃO URBANA - UES

COEFICIENTES DE APROVEITAMENTO DO TERRENO


CORREDORES/ MACROUNIDADES Coeficiente de
SEGMENTOS/ UES Coeficiente de Aproveitamento Máximo
URBANAS Aproveitamento Básico
do Terreno - CAMT
do Terreno - CABT

SEGMENTO SUL 4,8 2,00


CORREDOR SUL/ NORTE
SEGMENTO CENTRO 3,0 2,00

CORREDOR AV TURISMO PONTA NEGRA 4,0 2,00

Praia PONTA NEGRA 4,0 2,00


CORREDOR AV. BRASIL/ PONTA
PONTA NEGRA 4,0 2,00
NEGRA
AV. CORONEL TEIXEIRA 4,0 2,00

BOULEVARD 4,8 2,00


CORREDOR BOULEVARD
CACHOEIRINHA 4,8 2,00
AMAZONAS
LEOPOLDO PERES 3,0 2,00

AYAPUÁ 4,8 2,00

JACIRA REIS 4,8 2,00


CORREDOR DARCY VARGAS
DARCY VARGAS 4,8 2,00

EFIGÊNIO SALES 4,8 2,00

SEGMENTO 1 3,0 2,00


CORREDOR RODRIGO OTÁVIO
SEGMENTO 2 2,4 2,00

AV. PARAÍBA 4,8 2,00

ANDRÉ ARAUJO 4,8 2,00


CORREDOR ALEIXO
COROADO 4,8 2,00

SÃO JOSÉ 3,0 2,00


CORREDOR AUTAZ MIRIM AUTAZ MIRIM 3,0 2,00

CORREDOR LESTE/OESTE NOEL NUTELS 3,0 2,00

SETOR ORLA COMPENSA


5,4 2,00
NA UES COMPENSA
MACROUNIDADE ORLA RIO NEGRO
OESTE SETOR ORLA SÃO
RAIMUNDO NA UES SÃO 5,4 2,00
RAIMUNDO
UES ADRIANÓPOLIS 4,8 2,00

UES VIEIRALVES 4,8 2,00


MACROUNIDADE CENTRO
UES SÃO GERALDO 3,0 2,00

UES CENTRO 4,8 2,00

UES PARQUE 10 3,0 2,00

MACROUNIDADE INTEGRAÇÃO UES ALEIXO 3,0 2,00


Setor Memorial da Amazônia
4,8 2,00
na UES DISTRITO I
MACROUNIDADE TARUMÃ-AÇU UES ITAPORANGA 3,0 2,00
(*) Anexo republicado por haver saído com incorreções no D.O.M. de 05.11.02 Edição Especial
27 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

PLLEI N° 672, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2002 a) Favorecer a padronização das classes de


atividades no cadastro da Administração Tributária do
INSTITUI as Normas de Uso e Município;
Ocupação do Solo no b) Estabelecer a identidade econômica das
Município de Manaus, Estado pessoas jurídicas da cidade, em consonância com a
do Amazonas, e dá outras codificação utilizada no país;
providências. c) Compatibilizar as atividades com a
classificação internacional, definida pela Divisão de
O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no uso Estatísticas das Nações Unidas.
das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 80, inciso § 2° - O Executivo criará Grupo de Trabalho a
IV, da Lei Orgânica do Município. ser composto pelos órgãos afins à matéria para estruturar a
FAZ SABER que o Poder Legislativo decretou implantação da CNAE no Município.
e eu sanciono a presente
§ 3° - Até a implantação da CNAE nos órgãos
LEI: do Município, a classificação das atividades para fins de
aplicação das normas de uso e ocupação do solo será de
CAPÍTULO I acordo com o disposto na Seção IV do Capítulo V desta
Lei.xx
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
CAPÍTULO II
Art. 1o As normas estabelecidas nesta Lei DA ÁREA URBANA
baseiam-se no pressuposto de utilizar o potencial de
adensamento das áreas levando em conta: Seção I
Das Definições
I - a preservação das áreas de proteção e de
fragilidades ambientais, incluindo as nascentes e as Art. 4o - Para fins de planejamento, gestão e
margens dos cursos d'água, as unidades de conservação, aplicação das normas de uso do solo, as Macrounidades
os fragmentos florestais e as áreas de fundo de vales; Urbanas, definidas no Plano Diretor Urbano e Ambiental de
II - a capacidade da infra-estrutura urbana Manaus, dividem-se em Unidades de Estruturação Urbana -
instalada; UES, que poderão conter eixos de atividades e setores
III as condições de saneamento básico; especiais.
IV - a acessibilidade à Área Central de
Negócios. § 1o - A Unidade de Estruturação Urbana é o
compartimento do território da cidade que apresenta
Art. 2o - Os dispositivos contidos nesta Lei se aspectos físicos e/ou características de ocupação e uso
aplicam à Área Urbana e à Área de Transição, delimitadas homogêneas e tem limites coincidentes com os limites dos
na Lei do Perímetro Urbano. bairros.

Art. 3o - São complementos a esta Lei, os § 2o - O eixo de atividades é a faixa da UES,


seguintes documentos: localizada ao longo de uma via, de estímulo à implantação
ou reforço de um centro de comércio e serviços, de apoio
I - Mapa da Cidade de Manaus, com os limites ao uso residencial, de abrangência local ou regional, para
da Área Urbana e da Área de Transição e a delimitação das evitar deslocamentos urbanos.
Unidades de Estruturação Urbana (e suas subdivisões
eixos de atividades e setores especiais), dos Corredores § 3o - O setor especial é o compartimento da
Urbanos (e seus segmentos) e das Unidades Espaciais de UES onde se concentram atividades não-residenciais, para
Transição; o qual são estabelecidas condições de uso e de ocupação
II - Descrição dos eixos de atividades, setores específicas.
especiais, segmentos de Corredores Urbanos e setor
urbano; § 4o Os limites das Unidades de Estruturação
III - Quadro de Intensidade de Ocupação por Urbana estão descritos no Plano Diretor Urbano e
Unidade de Estruturação Urbana (e suas subdivisões); Ambiental de Manaus.
IV - Quadro de Intensidade de Ocupação por
Corredor Urbano (e seus segmentos); § 5o Os limites dos eixos de atividades e dos
V - Quadro de Intensidade de Ocupação por setores especiais estão descritos no Anexo II desta Lei.
Unidade Espacial de Transição (e seus setores especiais);
VI - Quadro dos Usos e Atividades por Unidade Art. 5o - Os Corredores Urbanos, definidos no
de Estruturação Urbana (e as suas subdivisões - eixos de Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus, podem se
atividades e setores especiais); constituir de um ou mais segmento diferenciado, para o
VII - Quadro dos Usos e Atividades por Corredor qual se aplicam as normas de uso e ocupação do solo.
Urbano (e seus segmentos);
VIII - Quadro dos Usos e Atividades por Unidade Parágrafo Único Os Corredores Urbanos e
Espacial de Transição (e seus setores especiais); seus segmentos estão descritos no Plano Diretor Urbano e
IX - Quadro de Classificação das Atividades; Ambiental de Manaus.
X - Enquadramento das atividades;
XI - Quadro das Vagas de Garagem e Seção II
Estacionamentos. Das Unidades de Estruturação Urbana

§ 1° - Para classificação e o enquadramento das Art. 6o - A Macrounidade Orla do Rio Negro


atividades desenvolvidas em Manaus, será utilizada a Oeste é dividida nas seguintes Unidades de Estruturação
CNAE Classificação Nacional de Atividades Econômicas, Urbana - UES:
visando:
28 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
I - UES Ponta Negra - unidade de preservação horizontal de baixa densidade, situado ao longo da orla do
do ambiente natural, de ocupação horizontal de baixa rio Negro, no qual se localizam diversas instalações
densidade, com estímulo à proteção dos recursos naturais, industriais e atividades de apoio à navegação fluvial;
que abrange parcialmente o bairro Ponta Negra; III - UES Mauazinho - unidade residencial de
a) Setor Orla Ponta Negra - segmento da UES ocupação horizontal de baixa densidade, compatível com o
Ponta Negra, de uso diversificado e de ocupação horizontal relevo acidentado e a significativa presença de áreas de
de baixa densidade, com estímulo às atividades de apoio proteção ambiental e de habitação de interesse social, que
ao turismo e ao lazer, localizado na orla do rio Negro; abrange o bairro Mauazinho e contém os seguintes setor e
eixo de atividades:
II - UES CMA unidade de uso a) Setor BR-319 - segmento da UES
predominantemente institucional, de ocupação horizontal Mauazinho, de uso diversificado e de ocupação horizontal
de baixa densidade, que abrange parcialmente o bairro de baixa densidade, situado ao longo da orla do rio Negro,
Ponta Negra; no qual se localiza a usina termoelétrica de Manaus, além
de diversas instalações industriais e de apoio à navegação
III - UES Compensa - unidade de uso fluvial, de incentivo à manutenção das atividades existentes
diversificado e de ocupação horizontal de alta densidade, e integração de atividades de apoio ao turismo, com
de incentivo à manutenção das atividades existentes, estruturação da atividade portuária para o lazer
exceto às portuárias e às vinculadas a indústria naval, e
das características atuais de densificação e volumetria, que b) Eixo de atividades Av. Rio Negro - eixo de
abrange o bairro Santo Agostinho e parte dos bairros uso diversificado e de ocupação horizontal de baixa
Compensa e Ponta Negra e contém os seguintes setor e densidade, de incentivo à manutenção das atividades
eixos de atividades: existentes e integração das atividades comerciais e de
a) Setor Orla Compensa segmento da UES serviços ao uso residencial;
Compensa, de uso diversificado e de ocupação vertical de
alta densidade, situado ao longo da orla do Rio Negro, de
incentivo à estruturação dos usos residenciais, com IV - UES Colônia Antônio Aleixo - unidade de
estímulo às atividades comerciais e de serviços para apoio uso diversificado e de ocupação horizontal de baixa
ao turismo e ao lazer;i densidade, compatível com o relevo acidentado e a
proximidade de áreas de proteção ambiental, que abrange
IV - UES São Raimundo - unidade de uso o bairro Colônia Antônio Aleixo e contém os seguintes setor
diversificado e de ocupação horizontal de alta densidade, e eixo de atividades:
de incentivo à manutenção das características atuais de a) Setor Portuário Colônia Antônio Aleixo
densificação e volumetria e às atividades existentes, exceto segmento da UES Colônia Antônio Aleixo, de uso
às vinculadas a indústria naval e portuária não integrantes diversificado e de ocupação horizontal de baixa densidade,
do Sistema Municipal de Transporte Fluvial, que abrange os situado ao longo da orla do rio Negro de manutenção e
bairros Santo Antônio, São Raimundo e Glória e contém os apoio às atividades portuárias e institucionais;
seguintes setor e eixos de atividades: b) Eixo de atividades Rua Getúlio Vargas - eixo
a) Setor Orla São Raimundo - segmento da UES de uso diversificado e de ocupação horizontal de baixa
São Raimundo, de uso diversificado e de ocupação vertical densidade, de incentivo à manutenção das atividades
de alta densidade, situado ao longo da orla do rio Negro, no existentes e integração das atividades comerciais e de
qual se localiza o porto de São Raimundo, de onde partem serviços ao uso residencial;
lanchas, barcos e balsas para o Município de Iranduba, V - UES Puraquequara - unidade residencial de
com incentivo à reestruturação portuária; ocupação horizontal de baixa densidade, compatível com o
relevo acidentado e proximidade de áreas de proteção
ambiental, que abrange parcialmente o bairro
Art. 7o - A Macrounidade Orla do Rio Negro Puraquequara e contém o seguinte setor:
Leste é dividida nas seguintes Unidades de Estruturação a) Setor Portuário Puraquequara segmento
Urbana - UES: da UES Puraquequara, de uso diversificado e de ocupação
horizontal de baixa densidade, situado ao longo da orla do
I - UES Educandos - unidade de uso rio Amazonas, de apoio à navegação fluvial.
diversificado e de ocupação horizontal de alta densidade,
compatível com a presença de atividades portuárias
Art. 8o - A Macrounidade Centro é dividida nas
integrantes do Sistema Municipal de Transporte Fluvial, de
seguintes Unidades de Estruturação Urbana - UES:
incentivo à manutenção das características atuais de
densificação e volumetria, que abrange os bairros
Educandos e Colônia Oliveira Machado e contém os I - UES Adrianópolis - unidade residencial e de
seguintes setores: verticalização alta, de incentivo à densificação com
a) Setor Ponta Branca/Amarelinho - segmento variação de tipologias em função do tamanho do lote e da
da UES Educandos, de uso diversificado e de ocupação largura das vias que abrange parte dos bairros Parque 10
horizontal de baixa densidade, situado ao longo da orla do de Novembro, Adrianópolis e Aleixo e contém os seguintes
rio Negro, no qual se localiza o mercado e o porto da eixos de atividades:
Panair, de incentivo aos estabelecimentos de apoio ao a) Eixos de atividades trechos da Av. Paraíba e
turismo e lazer; das ruas Recife e Belo Horizonte - eixos de uso
b) Setor Industrial de Educandos - segmento da diversificado e de verticalização alta, de integração das
UES Educandos, de uso predominantemente industrial e de atividades comerciais e de serviços ao uso residencial;
ocupação horizontal de baixa densidade, situado ao longo
da orla do rio Negro, com estímulo às instalações II - UES Vieiralves - unidade de uso
industriais e às atividades de apoio à navegação fluvial; diversificado, de verticalização média, de incentivo à
densificação com variação de tipologias em função do
II - UES Vila Buriti - unidade de uso diversificado tamanho do lote e da largura das vias, que abrange o bairro
e de ocupação horizontal de média densidade, compatível Nossa Senhora das Graças e parte do bairro Parque 10 de
com a presença de atividades relacionadas ao Distrito Novembro e contém os seguintes eixos de atividades:
Industrial e usos institucionais existentes, que abrange o a) Eixos de atividades ruas Acre, Pará, João
bairro Vila Buriti e parte do bairro Crespo e contém o Valério e Maceió - eixos de uso diversificado, de
seguinte setor: verticalização média, de integração das atividades
a) Setor Portuário Vila Buriti - segmento da comerciais e de serviços ao uso residencial;
UES Vila Buriti, de uso diversificado e de ocupação
29 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

III - UES Cachoeirinha - unidade residencial, de a) Eixos de atividades trechos da Av.


verticalização média, de incentivo à densificação, que Desembargador João Machado, da Rua Goiânia e da
abrange o bairro Cachoeirinha e contém os seguintes eixos Estrada dos Franceses - eixos de uso diversificado e de
de atividades: ocupação horizontal de baixa densidade, de
a) Eixos de atividades trechos das avenidas potencialização ao centro de comércio e de serviços
Tefé e Costa e Silva e da rua Ramos Ferreira - eixos de uso existente e de integração de atividades de comércio e de
diversificado, de verticalização média, de integração das serviços ao uso residencial;
atividades comerciais e de serviços ao uso residencial; IV - UES Flores - unidade residencial e de
ocupação horizontal de média densidade, que abrange o
bairro de Flores e contém os seguintes eixos de atividades:
IV - UES São Geraldo - unidade residencial, de a) Eixos de atividades Estrada do Aeroclube,
verticalização média baixa, de incentivo à densificação, que Avenida Amazonas, ruas Visconde de Cairu e Visconde de
abrange os bairros São Geraldo e Chapada e contém os Utinga, trechos das avenidas Marquês de Inhambupé e
seguintes eixos de atividades: Timbiras e das ruas Marquês de Quixeramobim, Marquês
de Muritiba, Marquês de Vila Real de Praia Grande,
a) Eixos de atividades trechos da rua Pará e Marquês de Erval e Barão do Rio Branco - eixos de uso
avenidas João Valério e São Jorge - eixos de uso diversificado e de verticalização média baixa, de
diversificado, de verticalização média baixa, de integração potencialização ao centro de comércio e de serviços
das atividades comerciais e de serviços ao uso residencial; existente e de integração de atividades de comércio e de
serviços ao uso residencial; (Alterado pelo Art. 5º da Lei
V - UES Centro - unidade de concentração de 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956)
comércio e serviços, de verticalização média, que abrange
o bairro Presidente Vargas e parte dos bairros Centro, V - UES Parque 10 - unidade de uso
acima da Rua Leonardo Malcher e parte dos bairros Centro, diversificado e de verticalização média baixa, caracterizada
Nossa Senhora Aparecida e Praça 14 de Janeiro pela boa acessibilidade e presença de novos
empreendimentos imobiliários, de potencialização à
VI - UES Centro Antigo - unidade de centralidade, que abrange parte do bairro Parque 10 de
concentração de comércio e serviços, de verticalização Novembro e contém os seguintes eixos de atividades:
baixa, compatíveis com a diversidade comercial e a a) Eixos de atividades Rua do Comércio,
concentração de bens de interesse cultural, com incentivo avenidas Perimetral 1 e Perimetral 2 e trecho da Rua Recife
às atividades de comércio e serviços e à manutenção da - eixos de concentração de comércio e serviços e de
volumetria atual, que abrange parte dos bairros Centro, verticalização média baixa, de potencialização aos centros
N.Sa. Aparecida e Praça 14 de Janeiro e contém o seguinte de comércio e de serviços existentes;
setor e eixos de atividades: b) Eixo de atividade trecho da Av. Paraíba
a) Setor Sítio Histórico - segmento da UES eixo de uso diversificado e de verticalização média, de
Centro Antigo, dentro dos limites do Sítio Histórico da integração das atividades comerciais e de serviços ao
Cidade de Manaus, de usos e atividades condicionados à uso residencial. (Incluído pelo Art. 5º da Lei 752 de
presença de bens tombados e de ocupação horizontal de 07/01/04 D.O.M. Nº956)
alta densidade.
VI - UES Aleixo - unidade residencial, de
Art. 9o - A Macrounidade Integração é dividida verticalização média baixa que abrange parte dos bairros
nas seguintes Unidades de Estruturação Urbana: Adrianópolis e Aleixo e contém os seguintes eixos de
atividades:
I - UES São Jorge - unidade residencial e de a) Eixos de atividades trecho da Av. Via
ocupação horizontal de alta densidade, com presença Láctea, Av. Constelação e ruas Principal e C-05 - eixos de
significativa de uso institucional, de incentivo à uso diversificado e de verticalização alta, de
densificação, que abrange os bairros São Jorge e Vila da potencialização ao centro de comércio e de serviços
Prata e parte dos bairros Compensa e Dom Pedro e contém existente e de integração de atividades de comércio e de
os seguintes eixos de atividades: serviços ao uso residencial; (Alterado pelo Art. 5º da Lei
a) Eixos de atividades trechos da Av. São 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956)
Jorge, da Estrada da Compensa e da Rua Brasil - eixos de
uso diversificado e de ocupação horizontal de alta VII - UES Coroado - unidade de uso
densidade, de reforço à mistura de usos existentes e diversificado e de ocupação horizontal de alta densidade,
integração de atividades de comércio e de serviços ao uso compatível com a proximidade a áreas de proteção
residencial; ambiental, que abrange o bairro Coroado, inclusive o
campus da Universidade do Amazonas, e contém os
II - UES Alvorada - unidade residencial e de seguintes eixos de atividades:
ocupação horizontal de baixa densidade, compatível com a a)Eixos de atividades Rua São Pedro, trechos
proximidade do Aeroporto Internacional de Manaus e de das ruas Ouro Preto, Presidente Médice e Santo Antônio e
áreas de proteção ambiental, que abrange os bairros Nova avenidas Beira Rio e Beira Mar - eixos de uso diversificado
Esperança, Alvorada, Redenção e da Paz e parte do bairro e de ocupação horizontal de alta densidade, de
Dom Pedro e contém os seguintes eixos de atividades: potencialização ao centro de comércio e de serviços
existente e de integração de atividades de comércio e de
a) Eixos de atividades trechos das avenidas serviços ao uso residencial e à Unidade de Estruturação
Desembargador João Machado, Constantinopla, Dom próxima;
Pedro I, J e Pedro Teixeira, das ruas Campo Grande e 5 e
da Estrada dos Franceses - eixos de uso diversificado e de
VIII - UES Distrito I - unidade
ocupação horizontal de baixa densidade, de integração de
predominantemente industrial e de ocupação horizontal de
atividades de comércio e de serviços ao uso residencial;
baixa densidade, compatível com as atividades industriais e
de apoio à indústria existentes, que abrange o Módulo 1 do
III - UES Lírio do Vale - unidade residencial, de Distrito Industrial da SUFRAMA e parte do bairro Crespo, e
ocupação horizontal de baixa densidade, que abrange os contém o seguinte setor:
bairros Lírio do Vale e Planalto e contém os seguintes eixos a) Setor Memorial da Amazônia - segmento da
de atividades: UES Distrito Industrial, de concentração de comércio e de
serviços e de verticalização média, situado ao longo do
30 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
igarapé do Quarenta, de estímulo às atividades de apoio ao Matias, Barreirinha, Dr. Pegoraro, H e I e da Avenida
lazer e ao turismo; (Errata I D.O.M. Nº 660 de 20/12/02). Perimetral, ruas Penetração 01, Marginal A, Vilar Fiúza,
b) Eixo de atividades Avenida Ministro Mário Coronel Boucinha, Dra. Didia e Francisco e avenidas
Andreazza eixo de uso diversificado e de Itacolomí e Contorno Norte - eixos de uso diversificado e de
verticalização média, de potencialização às atividades ocupação horizontal de alta densidade, de reforço ao centro
de comércio e de serviços com estímulo às atividades de comércio e de serviços existente e de integração de
de apoio à indústria, lazer e turismo. (Incluído pelo Art. atividades de comércio, serviços e indústrias ao uso
5º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956) residencial;
IX - UES Japiim - unidade de uso diversificado,
de ocupação horizontal com alta densidade, com influência II - UES Tancredo Neves - unidade residencial
da área central, de incentivo à densificação, com e de ocupação horizontal de alta densidade, com presença
potencialização de centralidade, que abrange os bairros de ocupações irregulares, de incentivo à densificação pelo
Petrópolis, São Francisco e Japiim e contém o seguinte preenchimento de lotes vazios, que abrange o bairro
eixo de atividades: Tancredo Neves;
a) Eixo de atividades trecho da Av. Tefé - eixo
de uso diversificado e de ocupação horizontal de alta III - UES Jorge Teixeira - unidade de
densidade, de reforço ao centro de comércio e de serviços preservação do ambiente natural e ocupação horizontal de
existente e de integração de atividades de comércio e de média densidade, área de fragilidade ambiental e
serviços ao uso residencial; proximidade de áreas de proteção ambiental, de incentivo à
X - UES Morro da Liberdade - unidade de uso proteção dos recursos naturais, que abrange o bairro Jorge
diversificado de ocupação horizontal com alta densidade, Teixeira e contém os seguintes eixos de atividades:
com influência da área central, de incentivo à densificação, a) Eixos de atividades Av. da Penetração e
com potencialização de centralidade, que abrange os Rua Itaúba - eixos de uso diversificado e de ocupação
bairros Betânia, São Lázaro, Raiz, Morro da Liberdade e horizontal de média densidade, de reforço ao centro de
Santa Luzia e contém os seguintes eixos de atividades: comércio e de serviços existente e de integração de
a) Eixos de atividades trechos das avenidas atividades de comércio e de serviços ao uso residencial;
Tefé e Costa e Silva - eixos de uso diversificado e de
ocupação horizontal de alta densidade, de reforço ao centro IV - UES Cidade Nova - unidade de uso
de comércio e de serviços existente e de integração de diversificado e de ocupação horizontal de média densidade,
atividades de comércio e de serviços ao uso residencial. de razoável acessibilidade, com presença de ocupações
irregulares, de incentivo à densificação e reforço à
Art. 10 - A Macrounidade Tarumã-Açu é dividida centralidade, que abrange parte do bairro Cidade Nova e
nas seguintes Unidades de Estruturação Urbana: contém os seguintes eixos de atividades:
a) Eixos de atividades avenidas Timbiras e D,
I - UES Itaporanga - unidade de preservação do ruas 27, 192, Penetração I, Circular 02, Penetração 03, Rio
ambiente natural, de verticalização média baixa e Uaupes e 77 e trechos das ruas 202, 197, Penetração II e
densidade média, que abrange parte do bairro Ponta 61 - eixos de uso diversificado e de ocupação horizontal de
Negra. média densidade, de reforço ao centro de comércio e de
serviços existente e de integração de atividades de
II - UES Aeroporto - unidade institucional e comércio, de serviços e de indústrias ao uso residencial;
ocupação horizontal de média densidade, que abrange
parte do bairro Tarumã, e que contém o seguinte eixo de V - UES Distrito II - unidade predominantemente
atividades: industrial e de ocupação horizontal de baixa densidade,
a) Eixo de atividades trecho da Av. Santos com atividades agroindustriais, de incentivo à proteção dos
Dumont - eixo de uso diversificado e de ocupação recursos naturais, que abrange parte do Módulo 2 do
horizontal de média densidade, de reforço às atividades de Distrito Industrial da SUFRAMA.
comércio e de serviços compatíveis com o uso residencial;
Art. 12 - A Macrounidade Ducke é dividida nas
III - UES Praia Dourada - unidade de seguintes Unidades de Estruturação Urbana:
preservação do ambiente natural e ocupação horizontal de
baixa densidade, que abrange parte dos bairros Ponta I - UES Novo Israel - unidade residencial e de
Negra e Tarumã. ocupação horizontal de baixa densidade, de incentivo à
proteção dos recursos naturais, que abrange os bairros
IV - UES Cachoeira Alta - unidade de Colônia Santo Antônio, Novo Israel, Colônia Terra Nova e
preservação do ambiente natural e ocupação horizontal de parte dos bairros Cidade Nova, Santa Etelvina e Monte das
baixa densidade, situada na Área de Proteção Ambiental do Oliveiras e contém os seguintes eixos de atividades:
Tarumã/ Ponta Negra, com cuidados ambientais, que a) Eixos de atividades trechos das avenidas
abrange parte do bairro Tarumã. São João, das Oliveiras e Chico Mendes e da Rua Bom
Jesus e Av. Atroarés - eixos de uso diversificado e de
V - UES Tarumã - unidade de preservação do ocupação horizontal de baixa densidade, de estímulo às
ambiente natural e ocupação horizontal de média atividades de comércio e de serviços, compatibilizadas ao
densidade, com presença de glebas disponíveis para uso residencial;
parcelamentos, de incentivo à densificação com cuidados
ambientais, que abrange parte do bairro Tarumã, II - UES Santa Etelvina - unidade residencial e
estendendo-se até os limites norte da Área Urbana. de ocupação horizontal de baixa densidade, de incentivo à
proteção dos recursos naturais, que abrange parte dos
Art. 11 - A Macrounidade Leste é dividida nas bairros Santa Etelvina, Monte das Oliveiras e Cidade Nova
seguintes Unidades de Estruturação Urbana: e contém os seguintes eixos de atividades:
a) Eixos de atividades trechos das ruas Santa
I - UES São José - unidade residencial e de Etelvina, Dom Milton e Juiz Otávio - eixos de uso
ocupação horizontal de alta densidade, de incentivo à diversificado e de ocupação horizontal de baixa densidade,
densificação, que abrange os bairros São José Operário, de estímulo às atividades de comércio e de serviços,
Zumbi e Armando Mendes e contém os seguintes eixos de compatibilizadas ao uso residencial, com cuidados
atividades: ambientais;
a) Eixos de atividades trechos das ruas
Uaupes, 21, 27, Penetração 02, J, 11, 07, 04, Antônio
31 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

III - UES Bolívia - unidade de preservação do I - Segmento Boulevard - unidade de


ambiente natural e ocupação horizontal de baixa concentração de comércio e serviços e de verticalização
densidade, com pressão de invasões e ocupações alta, com reforço aos centros de comércio e serviços
irregulares, de incentivo à proteção dos recursos naturais. existentes;

Seção III II - Segmento Cachoeirinha - unidade de uso


Dos Corredores Urbanos diversificado, de verticalização alta, com estímulo às
atividades de comércio e de serviços;
Art. 13 - O Corredor Sul/Norte é dividido nos
seguintes segmentos: III - Segmento Leopoldo Peres - unidade de
concentração de comércio e de serviços e de verticalização
I - Segmento Sul - unidade de concentração de média baixa, de estímulo às atividades de comércio e de
comércio e de serviços, de verticalização alta de expansão serviços.
da área central de negócios, com estímulo à concentração
de atividades de comércio e serviços não geradoras de Art. 17 - O Corredor Darcy Vargas é dividido
tráfego, que abrange as avenidas Djalma Batista e nos seguintes segmentos:
Constantino Nery;
I - Segmento Ayapuá - unidade de uso
II - Segmento Centro - unidade de concentração diversificado, de verticalização média, com estímulo às
de comércio e de serviços, de verticalização média baixa, atividades de comércio e serviços;
de reforço ou criação de novas centralidades, que abrange II - Segmento Avenida Jacira Reis - unidade de
trecho da Av. Torquato Tapajós; uso diversificado, de verticalização alta, com estímulo às
atividades de comércio e serviços; (Alterado pelo Art. 6º
III - Segmento Norte - unidade da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956)
predominantemente industrial e de verticalização baixa,
compatível com a presença de grandes glebas e lotes, de III - Segmento Avenida Darcy Vargas - unidade
incentivo às atividades industriais e aos empreendimentos e de concentração de comércio e de serviços, de
atividades produtoras de grande porte, que abrange trecho verticalização alta, com estímulo à concentração de
da Av. Torquato Tapajós. atividades de comércio e serviços;
Art. 14 - O Corredor da Av. do Turismo é
IV - Segmento Avenida Efigênio Sales - unidade
dividido nos seguintes segmentos:
de uso diversificado, de verticalização alta, com reforço ou
criação de novos centros.
I - Segmento Tarumã - unidade de uso
diversificado e de verticalização baixa, com estímulo às
atividades de comércio e serviços, compatível com a Art. 18 - O Corredor Rodrigo Otávio é dividido
presença de grandes glebas, com cuidados ambientais; nos seguintes segmentos:

II - Segmento Aeroporto - unidade de uso I - Segmento 1 - unidade de concentração de


diversificado e de verticalização baixa, com estímulo às comércio e de serviços, de verticalização média baixa, com
atividades de comércio e serviços, com cuidados estímulo às atividades de comércio e serviços, que abrange
ambientais; trecho da Av. General Rodrigo Otávio;

III - Segmento Ponta Negra - unidade de uso II - Segmento 2 - unidade de uso diversificado,
diversificado e de verticalização alta, com estímulo às de verticalização baixa, com estímulo às atividades de
atividades de comércio e serviços, sobretudo de turismo e comércio e serviços, que abrange trecho da Av. General
lazer, compatível com a presença de grandes glebas, com Rodrigo Otávio;
cuidados ambientais.
III - Segmento 3 - unidade de uso diversificado,
Art. 15 - O Corredor Avenida Brasil/ Ponta de verticalização baixa, com estímulo às atividades de
Negra é dividido nos seguintes segmentos: comércio e serviços que abrange a rótula da SUFRAMA,
trecho das avenidas Rodrigo Otávio e Presidente Kennedy.
I Segmento Praia da Ponta Negra - unidade
de uso diversificado e de verticalização alta, garantindo-se Art. 19 - O Corredor Aleixo é dividido nos
a qualidade de aeração urbana e a preservação seguintes segmentos:
paisagística, que abrange trecho da Av. Coronel Teixeira;
I - Segmento Avenida Paraíba - unidade de uso
II - Segmento Ponta Negra - unidade de uso diversificado, de verticalização alta, com estímulo às
diversificado, de verticalização alta, que abrange trecho da atividades de comércio e serviços;
Av. Coronel Teixeira;
II - Segmento Avenida André Araújo - unidade
III - Segmento Av. Coronel Teixeira - unidade de uso diversificado, de verticalização alta, com estímulo às
de uso diversificado, de verticalização alta, com estímulo às atividades de comércio e serviços;
atividades de comércio e serviços, que abrange trecho da
Av. Coronel Teixeira; III - Segmento Coroado - unidade de uso
diversificado, de verticalização média, com estímulo à
criação de novos centros de comércio e serviços;
IV - Segmento Av. Brasil - unidade de uso
diversificado, de verticalização média baixa, condizente
IV - Segmento São José - unidade de uso
com a sua localização em fundo de vale, com estímulo à
diversificado, de verticalização média baixa, com estímulo à
concentração de atividades de comércio e serviços, que
criação de novos centros de comércio e serviços.
abrange trecho da Av. Brasil.
Art. 20 - O Corredor Autaz Mirim é dividido nos
Art. 16 - O Corredor Boulevard Amazonas é seguintes segmentos:
dividido nos seguintes segmentos:
32 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
I - Segmento Autaz Mirim - unidade de uso III - UET Mariano - unidade residencial,
diversificado, de verticalização média baixa, com reforço às industrial e de produção agrícola, de integração de
atividades de comércio e serviços; atividades industriais de baixo impacto ambiental e de
ocupação de baixa densidade com o uso residencial e com
II - Segmento Nossa Senhora da Conceição - a produção agrícola;
unidade de uso diversificado, de verticalização baixa, com
reforço às atividades de comércio e serviços. III - UET Praia da Lua - unidade residencial,
agrícola e de atividades de turismo, de integração do uso
Art. 21 - O Corredor Leste-Oeste é dividido nos residencial de baixa densidade às atividades de turismo
seguintes segmentos: ecológico e à produção agrícola, com cuidados ambientais
para proteção dos recursos ambientais.
I Segmento Camapuã - unidade de uso
diversificado, de verticalização baixa, com reforço ou CAPÍTULO IV
criação de novos centros; DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL
II Segmento Noel Nutels - unidade de uso Seção I
diversificado, de verticalização média baixa, com reforço ou Da Proteção dos Recursos Naturais
criação de novos centros, que abrange a Av. Camapuã,
trecho da Av. Noel Nutels e a Av. Max Teixeira. Art. 25 - Constituem-se áreas de proteção dos
recursos naturais de Manaus, as zonas ambientais
III - Segmento Sul do Aeroporto - unidade de conceituadas no Código Ambiental de Manaus:
uso diversificado e de verticalização média baixa, com I - as Zonas de Unidades de Conservação
estímulo à criação de atividades de comércio e de serviços.
Art. 22 - O Corredor Norte é a unidade de uso ZUC;
diversificado e de verticalização baixa, com estímulo à II - as Zonas de Proteção Ambiental - ZPA;
criação de atividades de comércio e de serviços.
CAPÍTULO III III - as Zonas de Proteção Paisagística - ZPP;
DA ÁREA DE TRANSIÇÃO IV - as Zonas de Recuperação Ambiental - ZRA;

Seção I V - as Zonas de Controle Especial - ZCE.


Das Definições § 1o - Aplicam-se às diversas áreas que
compõem as áreas de proteção dos recursos naturais de
Art. 23 - Para fins de planejamento, gestão e Manaus, além do disposto nesta Lei, a seguinte legislação
aplicação das normas de uso do solo, a Área de Transição, federal: Código Florestal, lei de criação de áreas especiais
definida no Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus, e de locais de interesse turístico, decreto e Resolução
divide-se em Unidades Espaciais de Transição - UET, que CONAMA sobre Reservas Ecológicas e Áreas de Relevante
contém um setor urbano. Interesse Ecológico.

§ 1O - A Unidade Espacial de Transição é o § 2o A delimitação e descrição dos limites das


compartimento da Área de Transição que apresenta zonas ambientais serão feitas no Zoneamento Ambiental
aspectos físicos e/ou características de ocupação e uso Municipal.
homogêneas e tem as mesmas diretrizes para ocupação.
Subseção I
§ 2O - O setor urbano é o compartimento da Das Zonas de Unidades de Conservação
UET, com características predominantemente urbanas,
para o qual são estabelecidas condições de uso e Art. 26 - As Zonas de Unidades de
ocupação específicas. Conservação - ZUC correspondem às áreas sob
regulamento das diversas categorias de manejo, nos
§ 3o - Os limites das Unidades Espaciais de termos do Código Ambiental de Manaus.
Transição estão descritas no Plano Diretor Urbano e
Ambiental de Manaus. Art. 27 - As Zonas de Unidades de
Conservação que constituem Áreas de Proteção Ambiental
§ 4o - O limite do setor urbano está descrito no - APA têm seus índices urbanísticos definidos nos Quadros
Anexo II desta Lei. de Intensidade de Ocupação e de Usos e Atividades, nos
Anexos III, IV, V, VI, VII e VIII , de acordo com as UES,
Seção II Corredor Urbano ou UET em que se situam.
Das Unidades Espaciais de Transição
Art. 28 - Qualquer modificação no uso e na
Art. 24 - A Área de Transição é dividida nas edificação dos imóveis incluídos nas Zonas de Unidades de
seguintes Unidades Espaciais de Transição e setor urbano: Conservação deverá ser precedida de consulta aos órgãos
responsáveis pela proteção ambiental e planejamento
I - UET Puraquequara - unidade residencial, urbano do Município.
agrícola, pecuária e de atividades de turismo, de integração
do uso residencial de baixa densidade às atividades de Subseção II
turismo ecológico e à produção agrícola, com cuidados Das Zonas de Proteção Ambiental
ambientais para proteção dos recursos ambientais, que
contém o seguinte setor:
a) Setor urbano - unidade de preservação Art. 29 - Nas Zonas de Proteção Ambiental -
ambiental, de ocupação horizontal de baixa densidade, com ZPA, que correspondem a áreas protegidas por
usos e atividades condicionados à proteção dos recursos instrumentos legais diversos devido à existência de
naturais; suscetibilidade do meio a riscos relevantes, é vedada a
edificação, restringindo-se nestas áreas qualquer tipo de
II - UET Ducke unidade residencial e agrícola, intervenção ou uso à consulta aos órgãos responsáveis
de integração do uso residencial de baixa densidade com a pela proteção ambiental e planejamento urbano do
produção agrícola; Município.
33 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
o
Art. 30 - Para as faixas de proteção das § 1 - Aplicam-se aos imóveis que compõem o
margens dos cursos d'água nas Áreas Urbanas e de patrimônio histórico, artístico e cultural de Manaus, além do
Transição se aplicam o disposto no Plano de Saneamento disposto nesta Lei, a seguinte legislação municipal: Lei
e Drenagem a ser implementado. Orgânica do Município de Manaus - LOMAN, Lei n° 038/90,
Decreto n° 4.673/85 e Portaria SEMPLURB n° 26/85.
Subseção III
Das Zonas de Proteção Paisagística § 2o - As unidades mencionadas no Decreto
4.637/85 estão relacionadas e classificadas no Anexo I da
Portaria SEMPLURB n° 26/85, sujeitando-se às exigências
Art. 31 - Nas Zonas de Proteção Paisagística constantes na citada portaria.
ZPP, que correspondem a áreas de proteção da paisagem
com características excepcionais de qualidade e fragilidade Art. 36 - Os proprietários dos bens constantes
visual, proíbe-se o uso e a edificação, restringindo-se do patrimônio histórico e cultural de Manaus serão
nestas áreas qualquer tipo de intervenção à consulta aos incentivados pela Prefeitura a preservá-los e conservá-los
órgãos de proteção ambiental das esferas federal, estadual nos termos da Lei n° 2.044/89 e da Lei Orgânica do
e municipal e de planejamento urbano municipal. Município de Manaus - LOMAN e do Decreto n° 1.939/93.

Art. 37 - Os proprietários dos imóveis que


Subseção IV
compõem o patrimônio histórico, artístico e cultural de
Das Zonas de Recuperação Ambiental
Manaus poderão negociar medidas mitigadoras ou
compensatórias, inclusive a transferência do direito de
Art. 32 - As Zonas de Recuperação Ambiental construir, com o órgão municipal competente, conforme
ZRA, que correspondem às áreas em estágio significativo estabelecido no Plano Diretor Urbano e Ambiental de
de degradação, são áreas prioritárias para aplicação do Manaus.
instrumento de intervenção da operação urbana
consorciada, conforme estabelecido no Plano Diretor
Art. 38 - Qualquer modificação no uso e na
Urbano e Ambiental de Manaus.
edificação nos imóveis incluídos nos setores mencionados
Parágrafo Único Nas Zonas de Proteção
estará sujeita à tutela e à apreciação especiais pela seção
Paisagística sujeitas à aplicação de operação urbana
municipal responsável pela preservação do Patrimônio
consorciada, os índices urbanísticos serão definidos nos
Cultural, devendo ser precedida de consulta prévia ao
projetos especiais, atendendo aos critérios e parâmetros
órgão municipal competente e ouvida a Câmara Técnica de
estabelecidos pelo órgão de planejamento urbano do
Planejamento e Controle Urbano.
Município.
CAPÍTULO V
Subseção V
DO CONTROLE DOS USOS E ATIVIDADES
Zonas de Controle Especial
Seção I
Das Diretrizes para Usos e Atividades
Art. 33 As Zonas de Controle Especial ZCE
correspondem às demais áreas de Manaus submetidas a
Art. 39 - Constituem-se diretrizes para o
normas próprias de controle e monitoramento ambiental em
controle dos usos e atividades:
função de suas características peculiares, nos termos do
Código Ambiental de Manaus.
I - permitir a implantação de atividades
enquadradas nos usos industrial, comercial e de serviços
Art. 34 - No processo de licenciamento de em áreas residenciais, desde que não criem impacto
imóveis, nos quais se incluam Zonas de Controle Especial ambiental e não provoquem riscos à segurança ou
ZCE, a ser executado para órgão municipal competente, incômodo à vizinhança;
poderão ser negociadas medidas mitigadora ou II - estimular a convivência de usos distintos,
compensatória aos requerentes, inclusive a transferência criando alternativas para o desenvolvimento econômico e a
do direito de construir, conforme estabelecido no Plano geração de trabalho e renda;
Diretor Urbano e Ambiental de Manaus. III - flexibilizar usos e atividades nos centros de
bairro e na área central de negócios, integrando
Seção II harmoniosamente o uso residencial às atividades de
Da Proteção dos Bens Culturais comércio e serviços;
IV - regulamentar atividades industriais,
comerciais e de serviços, que não criem impacto ambiental
Art. 35 - Constituem o patrimônio histórico, e não provoquem riscos à segurança ou incômodo na
artístico e cultural de Manaus a ser preservado, por serem vizinhança, desenvolvidas fora de estabelecimentos
testemunhos mais antigos da história do lugar e próprios, sobretudo nas residências;
importantes ao resguardo da identidade e memória da V - submeter atividades que provoquem impacto
população local e ainda pelas características excepcionais, ambiental ou geração de tráfego a análises especiais;
os bens incluídos no Setor Especial de Unidades de VI - definir áreas específicas para implantação
Interesse de Preservação, definido e regulamentado pelo de atividades potencialmente poluidoras e
Poder Executivo Municipal, no Sítio Histórico e no Centro empreendimentos ou estabelecimentos que sejam pólos
Antigo, conforme os termos da Lei Orgânica do Município geradores de tráfego ou que provoquem risco à segurança
de Manaus - LOMAN, demarcados no Mapa de ou incômodo à vida urbana.
Qualificação Ambiental do Plano Diretor Urbano e
Ambiental de Manaus. Art. 40 - Os usos e as atividades nos lotes
urbanos estão estabelecidos nos Quadros de Usos e
Atividades nos Anexos VI, VII e VIII, para cada Unidade de
Estruturação Urbana - UES e suas subdivisões, eixos de
atividades e setores especiais, para os Corredores Urbanos
e seus segmentos, bem como para cada Unidade Espacial
de Transição e o setor urbano.
34 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Parágrafo único É vedado qualquer uso não ofereçam impacto ambiental significativo e apresentem
com características diferentes daquelas originalmente grande escala de operação;
aprovadas para os lotes inseridos em loteamentos
regulares, exceto naqueles situados na Macrounidade VIII - unidade residencial/ atividades de turismo/
Centro, nos Corredores Urbanos ou lindeiros aos Eixos agrícola/ pecuária - compatibilização das residências
de Atividades e desde que haja prévia e expressa permanentes e de recreio com atividades vinculadas ao
anuência do CMDU, baseada em parecer da Comissão turismo ecológico e com o uso agrícola e com as atividades
Técnica de Planejamento e Controle urbano, proferido de apoio à produção agrícola e pecuária.
em regular processo administrativo. (Incluído pelo Art.
7º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956) Seção IV
Da Classificação das Atividades
Seção II
Da Caracterização dos Usos
Art. 43 - As atividades de usos comercial, de
Art. 41 - Considera-se para aplicação das serviços e industrial são classificadas de acordo com:
normas de uso e ocupação do solo, nas Unidades de I - a escala de operação das unidades
Estruturação Urbana - UES, nos Corredores Urbanos e nas produtivas;
Unidades Espaciais de Transição - UET, os seguintes usos: II - o incômodo causado à vizinhança;
III - os impactos ambientais negativos;
I - residencial: IV - a geração de tráfego;
a) unifamiliar - uma ou duas unidades V - o risco à segurança.
habitacionais autônomas por lote;
b) multifamiliar - mais de duas unidades Art. 44 - Classificam-se as atividades em:
habitacionais autônomas por lote em condomínio;
I - Atividades tipo 1 - podem conviver com o uso
II - comercial (comércio varejista ou atacadista); residencial sem limitações específicas à sua localização e
caracterizam-se:
III - de serviços (prestação de serviços, inclusive a) quanto à natureza, em atividades que não
institucionais); oferecem riscos à segurança nem incômodo à vizinhança e
não provocam impactos significativos ao ambiente, à
IV - industrial (indústria de transformação ou de estrutura e à infra-estrutura urbana;
beneficiamento); b) quanto à escala de operação, em atividades
de pequena e média escala de operação.
V - agrícola (cultivo ou criação).
II - Atividades tipo 2 - podem ser controladas
Seção III por meio de normas edilícias e exigências urbanísticas e
Das Categorias de Usos e Atividades caracterizam-se:
a) quanto à natureza, em atividades que
Art. 42 - As UES, os Corredores Urbanos e as podem oferecer incômodo eventual ou moderado à
UET poderão ser enquadrados nas seguintes categorias, vizinhança, tais como ruídos, movimentação moderada de
de acordo com a estratégia de uso e ocupação do solo a veículos ou riscos de acidentes;
ser adotada em cada uma delas:
I - unidade de preservação do ambiente natural b) quanto à escala de operação, em atividades
- diversidade de usos e atividades, compatibilizados com o de pequena e média escala de operação.
uso residencial e com as características excepcionais
ambientais e paisagísticas da área; III - Atividades tipo 3 - podem ser controladas
por meio de normas edilícias e exigências urbanísticas e
II - unidade de preservação do ambiente caracterizam-se:
cultural - diversidade de usos e atividades condicionados à a) quanto à natureza, em atividades que
preservação do patrimônio histórico-cultural, admitindo-se a podem oferecer incômodo eventual ou moderado à
presença do uso residencial; vizinhança, tais como ruídos, movimentação moderada de
veículos ou riscos de acidentes;
III - unidade residencial - predominância b) quanto à escala de operação, em atividades
residencial com atividades que não ofereçam impactos de média e grande escala de operação.
ambientais negativos nem incômodo e risco à vizinhança;
IV - Atividades tipo 4 - exigem controle por meio
IV - unidade predominantemente industrial - de normas edilícias e exigências urbanísticas e através de
predominância de atividades industriais, de comércio e de consulta prévia aos órgãos responsáveis pelo meio
serviços de grande porte, com tolerância para o uso ambiente e pela circulação viária e caracterizam-se:
residencial com exigências que garantam as adequadas a) quanto à natureza, em atividades que
condições de habitabilidade; podem oferecer riscos à segurança ou incômodo à
vizinhança e impacto ao ambiente, à estrutura e à infra-
V - unidade de uso diversificado - integração de estrutura urbana;
atividades comerciais, de serviço e industriais, b) quanto à escala de operação, em atividades
compatibilizadas ao uso residencial; de pequena, média e grande escala de operação.

VI - unidade de concentração de comércio e V - Atividades tipo 5 - exigem controle por meio


serviços - predominância de atividades de comércio e de normas edilícias e exigências urbanísticas e através de
serviços, com tolerância para o uso residencial com consulta prévia aos órgãos responsáveis pelo meio
exigências que garantam as adequadas condições de ambiente e pela circulação viária e caracterizam-se:
habitabilidade; a) quanto à natureza, em atividades de difícil
compatibilização com o uso residencial, oferecendo impacto
VII unidade residencial/ industrial/ agrícola - significativo ao ambiente, à estrutura e à infra-estrutura
integração dos usos residencial, industrial e agrícola que urbana;
35 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

b) quanto à escala de operação, em atividades Art. 48 - As instalações dos postos de


de média e grande escala de operação. abastecimento e de serviços para veículos não poderão ser
implantados em lotes contíguos ou confrontantes a escolas,
§ 1o Para efeito de enquadramento das hospitais e estabelecimentos de concentração de pessoas
atividades e cálculo da taxa de permeabilização e das de qualquer natureza.
vagas de garagem e estacionamento, considera-se:
§ 1° - Os novos postos de abastecimento de
I - área útil principal - somatório das áreas combustível, a partir da publicação desta Lei, somente
construídas utilizadas na atividade principal, excluídas poderão ser instalados num raio superior a 150m (cento e
áreas de apoio ou de serviços; cinqüenta metros) das atividades descritas no caput deste
artigo.
II - área bruta locável - somatório da área total § 2° - Os postos de abastecimento de
construída de lojas; combustível, já em funcionamento antes da publicação
desta Lei, que se encontrarem num raio inferior ao
III - galeria comercial - conjunto com 15 determinado no parágrafo 1°, terão prazo de 3 (três) anos
(quinze) ou mais lojas, com área útil igual ou superior a para adaptarem suas instalações com requisitos de
750m2 (setecentos e cinqüenta metros quadrados) e área segurança adicional previsto em Lei específica.
bruta locável inferior a 5.000m2 (cinco mil metros § 3° - As especificações para instalação de
quadrados); novos postos de abastecimento de combustível deverão
obedecer à legislação federal e municipal pertinentes.
IV - centro comercial ou shopping center -
conjunto de lojas com área bruta locável igual ou superior a Art. 49 - A distância mínima entre postos de
5.000m2 (cinco mil metros quadrados); abastecimento de combustível obedecerão aos seguintes
parâmetros:
V - supermercado - comércio de produtos a) Na área urbana, um raio mínimo de 500m
alimentícios e de uso doméstico, em regime de auto (quinhentos metros);
serviços, com área de exposição e vendas igual ou superior b) Na área de transição, um raio mínimo de
a 5.000m2 (cinco mil metros quadrados). (Errata II D.O.M. 2.000m (dois mil metros).
Nº 801 de 23/07/03)
Seção VI
§ 2o - As atividades dos usos comercial, de Das Instalações especiais
serviços e industrial estão enquadradas na Classificação de
Atividades de acordo com a listagem no Anexo X. Art. 50 - Instalações especiais são os
equipamentos potencialmente causadores de interferência
Seção V na paisagem natural ou construída, quer sejam públicos ou
Dos Empreendimentos de Impacto Urbano-ambiental privados.

§ 1° São consideradas instalações especiais:


Art. 45 - Empreendimentos de impacto urbano-
ambiental são aqueles potencialmente causadores de I estações de radiocomunicação dos serviços
alterações no ambiente natural ou construído, ou que de telecomunicações;
provoquem sobrecarga na capacidade de atendimento de II torres de transmissão de alta tensão;
infra-estrutura básica, quer sejam empreendimentos III - dutos, polidutos, gasodutos e mineradutos.
públicos ou privados, habitacionais ou não habitacionais.
Art. 46 - São considerados empreendimentos § 2° - As faixas de terrenos ao longo das linhas
de impacto urbano-ambiental relevantes: de transmissão de energia elétrica, dutos, polidutos,
I - empreendimentos sujeitos à elaboração do gasodutos e mineradutos ficam declaradas de utilidade
EPIA e respectivo RIMA, conforme estabelecido no pública para fins de servidão administrativa e, portanto,
artigo 77 da lei nº 671/02; (Alterado pelo Art. 8º da Lei áreas non aedificandi.
752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956)
§ 3° - A faixa da servidão administrativa é
II - empreendimentos com área de construção regulada em normatização técnica específica, devendo
superior a 20.000m2 (vinte mil metros quadrados); obedecer os limites de segurança exigidos pelo poder
concedente e normas específicas da ABNT sobre o
III - empreendimentos que demandem número assunto.
de vagas de estacionamento superior a 400 (quatrocentas),
ou superior a 100 (cem) quando localizados nos Corredores Art. 51 - Para autorização das instalações
Urbanos, de acordo como as exigências do Quadro de especiais nas áreas de entorno de bens tombados, deverão
Vagas de Garagem e Estacionamentos, em Anexo XI; ser ouvidos os órgãos de tutela federal, estadual ou
municipal competentes.
IV - empreendimentos cuja natureza ou
condições requeiram análises específicas por parte dos Art. 52 - A implantação de instalações
órgãos competentes, identificados como Atividades especiais deverá ser feita em obediência aos princípios e
Especiais com listagem no Anexo X. normas federais, estaduais e municipais pertinentes à
matéria.
Art. 47 - A instalação de empreendimentos de
impacto em Manaus é condicionada à elaboração de Subseção I
Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança - EIV, conforme Das Estações de Radiocomunicação dos Serviços de
disposto nesta Lei. Telecomunicações

Subseção I
Dos Postos de Abastecimento e de Serviços para Art. 53 Estação de radiocomunicação dos
Veículos serviços de telecomunicações é o conjunto de
equipamentos ou aparelhos dispositivos e demais meios
necessários para a comunicação via rádio, bem como as
36 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
instalações que os abrigam e complementam, associados a Parágrafo Único - Para autorização da
estruturas de sustentação. implantação de dutos, polidutos, gasodutos e mineradutos,
em zonas de unidade de conservação e de controle
Art. 54 Ficam vedadas estações de especial, deverá ser ouvido o órgão responsável pela
radiocomunicação dos serviços de telecomunicações nas preservação ambiental.
seguintes áreas:
Seção VII
I zonas de proteção ambiental; Das Atividades, Prédios e Instalações Desconformes
II zonas de preservação paisagística;
III zonas de controle especial;
IV unidades de conservação de proteção Art. 57 - Considera-se atividades desconformes
integral; as atividades pré-existentes à vigência desta Lei, que
V zonas de uso intangível, primitiva e de uso encontram-se em desacordo com as normas de uso do
extensivo de parques, conforme legislação vigente; solo, podendo ser classificadas como atividades
VI praças, canteiros centrais e vias públicas; compatíveis e atividades incompatíveis.
VII escolas, hospitais e estabelecimentos de
concentração de pessoas de qualquer natureza. Art. 58 - Atividades compatíveis são aquelas
que não se enquadram na listagem das atividades
§ 1o - As estações de radiocomunicação dos permitidas e nas diretrizes de usos e atividades para a
serviços de telecomunicações são toleradas nas demais respectiva UES, Corredor Urbano ou UET, mas apresentam
zonas de unidades de conservação não tratadas nos condições relativas a dimensões e funcionamento que não
incisos do caput, mediante autorização do órgão de descaracterizam a UES, Corredor Urbano ou UET e que
proteção ambiental e do órgão de planejamento urbano. não tenham sido objeto de reclamações nos órgãos
competentes por parte dos moradores da vizinhança.
§ 2o Fica facultado ao órgão de proteção
ambiental e ao órgão de planejamento urbano imporem § 1o - Permite-se renovação da licença de uso
exigências para a implantação das estações de ou ampliação em atividade compatível desde que a
radiocomunicação dos serviços de telecomunicações nas ampliação não descaracterize a UES, Corredor Urbano ou
áreas mencionadas acima. UET, a critério do Sistema de Planejamento Municipal.

Subseção II § 2o - Nestas circunstâncias, o órgão


Das Torres de Transmissão de Alta Tensão responsável pelo licenciamento deverá:

I - proceder a avaliação dos níveis de


Art. 55 - É vedada a instalação de torres de
incompatibilidade;
transmissão de alta tensão nas seguintes áreas:
II - providenciar em conjunto com o interessado,
resguardadas as peculiaridades das atividades, a
I zonas de proteção ambiental; eliminação das incompatibilidades verificadas.
II zonas de preservação paisagística;
III zonas de uso intangível, primitiva e de uso
extensivo de parques conforme legislação vigente; Art. 59 - Atividades incompatíveis são aquelas
IV praças e calçadas; que não se enquadram na listagem das atividades
V escolas, hospitais e estabelecimentos de permitidas e nas diretrizes de uso e atividades para a
concentração de pessoas de qualquer natureza. respectiva UES, Corredor Urbano e UET, e que
descaracterizam a área em que se encontram.
§ 1o - Para autorização da implantação de torres
de transmissão de alta tensão em zonas de unidade de § 1o - São vedadas quaisquer obras de
conservação e de controle especial deverão ser ouvidos os ampliação ou reforma nos prédios que abriguem atividades
órgãos responsáveis pela preservação ambiental e pelo incompatíveis, exceto referentes às obras de segurança e
planejamento urbano. higiene das edificações.
§ 2o Em casos excepcionais, admite-se a § 2o - Quando houver viabilidade de
implantação de torres de transmissão de alta tensão nas abrandamento do grau de desconformidade de uma
calçadas, mediante consulta ao órgão de planejamento atividade incompatível de tal modo que possa ser
urbano. considerada compatível, o Sistema Municipal de
Planejamento poderá estabelecer condições e prazos para
sua adaptação.
Subseção III
Dos Dutos, Polidutos, Gasodutos e Mineradutos
Art. 60 - Consideram-se prédios desconformes
aqueles pré-existentes à vigência desta Lei, que não
Art. 56 - É vedada a instalação de dutos nas atendam aos padrões urbanísticos relativos ao porte ou uso
seguintes áreas: estabelecidos para as respectivas UES, Corredor Urbano
ou UET em função de suas destinações específicas e seus
I zonas de proteção ambiental; aspectos edilícios próprios.

II zonas de preservação paisagística; § 1° - Nos prédios desconformes serão


permitidos outros usos, a critério do órgão de planejamento
III zonas de uso intangível, primitiva e de uso urbano, sendo admitida a aplicação da outorga onerosa do
extensivo de parques conforme legislação vigente; direito de construir e alteração de uso, de acordo com o
disposto no Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus.
IV praças;
§ 2° - Serão considerados prédios
V escolas, hospitais e estabelecimentos de desconformes especialmente os postos de abastecimentos
concentração de pessoas de qualquer natureza. de veículos que não atendam aos preceitos desta Lei, do
Código de Obras e do Código de Posturas do Município
37 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

Art. 61 - Consideram-se instalações coeficiente de aproveitamento máximo do terreno igual a


desconformes aquelas pré-existentes à vigência desta Lei, 2,0 (dois);
que tenham sido instaladas em logradouros públicos sem a
prévia autorização do órgão municipal competente e que VI - áreas de ocupação horizontal de média
não atendam às exigências urbanísticas estabelecidas densidade - prédios de até 3 (três) pavimentos-tipo e
nesta Lei. coeficiente de aproveitamento máximo do terreno entre 1,9
(um virgula nove) e 1,3 (um virgula três);
Parágrafo Único - As instalações desconformes
ficam sujeitas à apresentação ao órgão municipal VII - áreas de ocupação horizontal de baixa
competente de uma proposta de abrandamento do grau de densidade - prédios de até 3 (três) pavimentos-tipo e
desconformidade e avaliação pelo Sistema Municipal de coeficiente de aproveitamento máximo do terreno igual ou
Planejamento de condições e prazos para sua adaptação. inferior a 1,2 (um virgula dois).

CAPÍTULO VI § 1o - Considera-se pavimento-tipo o andar


DO CONTROLE DE INTENSIDADE DE OCUPAÇÃO habitável das edificações verticais sejam residenciais,
comércio, serviço ou mistas que seja ocupado por uma ou
mais unidades privativas ou parte destas, todas situadas
Seção I num mesmo nível.
Das Diretrizes para Intensidade de Ocupação
§ 2o - Consideram-se áreas de verticalização as
áreas onde são admitidos gabaritos máximos da edificação
Art. 62 - Constituem-se diretrizes para a entre 4 (quatro) e 18 (dezoito) pavimentos-tipo.
intensidade de ocupação:
§ 3° - Considera-se embasamento o conjunto de
I - indução à ocupação das áreas urbanas não pavimentos de uma edificação vertical localizado acima dos
consolidadas; pavimentos de subsolo, constituído pelo andar térreo ou por
este e mais 2 (dois) pavimentos destinados a garagens e a
II - prioridade para a ocupação de áreas não atividades de apoio à edificação. (Errata I D.O.M. Nº 660
consolidadas cuja acessibilidade é facilitada pela de 20/12/02).
proximidade de eixos viários;
Seção III
Dos Parâmetros Urbanísticos de Ocupação
III - estímulo ao adensamento de áreas
urbanizadas, atendendo a critérios e parâmetros que Art. 64 - Consideram-se os seguintes
minimizem os impactos ambientais e proporcionem melhor parâmetros urbanísticos para o controle da intensidade da
qualidade de vida; ocupação nas Áreas Urbana e de Transição:

IV - estabelecimento de intensidade de I - Coeficiente de Aproveitamento do Terreno;


ocupação diferenciada para as áreas urbanas,
considerando as características ambientais de cada área e II - Gabarito Máximo da Edificação;
a existência de infra-estrutura e serviços urbanos;
III - Taxa de Ocupação Máxima do Terreno;
V - definição de critérios e parâmetros que
garantam o conforto térmico (circulação de ar e temperatura IV - Afastamentos da Edificação - frontal,
amena) de unidades residenciais multifamiliares, nas áreas laterais e de fundos;
propícias ao adensamento vertical; V - Testada Mínima para Verticalização;

VI - fixação de normas que proporcionem o VI - Largura Mínima de via para Verticalização;


equilíbrio entre o espaço construído e áreas verdes e entre
o espaço privado e áreas para recreação e equipamentos VII - Taxa de Permeabilização.
urbanos, em grupamentos de edificações e § 1o - Os parâmetros urbanísticos de ocupação
empreendimentos de grande porte. dos lotes urbanos estão estabelecidos nos Quadros de
Intensidade de Ocupação nos Anexos III, IV e V, para cada
Unidade de Estruturação Urbana - UES e suas subdivisões
Seção II e para os Corredores Urbanos e seus segmentos, bem
Das Categorias de Intensidade de Ocupação como para cada Unidade Espacial de Transição e seu setor
urbano.
Art. 63 - Para efeito do controle da intensidade
de ocupação na área urbana, as Unidades de Estruturação § 2o O órgão de planejamento urbano poderá
Urbana - UES e os Corredores Urbanos enquadram-se definir ajustes ou normas especiais em situações
como: específicas, para Projetos Especiais, mediante Estudo
Prévio de Impacto de Vizinhança EIV.
I áreas de verticalização alta - edificações de
até 18 (dezoito) pavimentos-tipo; Subseção I
Dos Coeficientes de Aproveitamento do Terreno
II áreas de verticalização média - edificações
de até 12 pavimentos-tipo; Art. 65 - Para efeito de controle da intensidade
III - áreas de verticalização média baixa - de ocupação nas Áreas Urbana e de Transição serão
edificações de até 6 (seis) pavimentos-tipo; adotados o Coeficiente de Aproveitamento Máximo de
Terreno e o Coeficiente de Aproveitamento Básico de
IV - áreas de verticalização baixa - edificações Terreno.
de até 4 (quatro) pavimentos-tipo;
§ 1o - O Coeficiente de Aproveitamento Máximo
V - áreas de ocupação horizontal de alta do Terreno - CAMT é o fator que multiplicado pela área do
densidade - prédios de até 3 (três) pavimentos-tipo e
38 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
terreno define a área total de edificação permitida neste Subseção II
mesmo lote, sendo variável para cada Unidade de Do Gabarito Máximo da Edificação
Estruturação Urbana - UES e suas subdivisões e para os
Corredores Urbanos e seus segmentos, bem como para Art. 67 - O Gabarito Máximo da Edificação em
cada Unidade Espacial de Transição - UET e seu setor UES e Corredores Urbanos é o número máximo de
urbano, de acordo com os Quadros de Intensidade de pavimentos-tipo estabelecido para a UES ou Corredor
Ocupação, nos Anexos III, IV e V. Urbano em que o imóvel se situe.
Parágrafo Único - Não são considerados
§ 2o - O Coeficiente de Aproveitamento Básico pavimentos-tipo, para efeito do cálculo do Gabarito Máximo
de Terreno CABT é o fator de referência para aplicação da Edificação, as coberturas, os pilotis, as caixas d'água, as
da Outorga Onerosa do Direito de Construir, conforme casas de máquina dos elevadores, os pavimentos
disposto no Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus, destinados a estacionamento, as áreas de lazer e de uso
tendo valor fixo igual a 2,0 (dois) para todas as Unidades comum, bem como os mezaninos na forma do parágrafo
de Estruturação Urbana - UES e suas subdivisões e para único do artigo 57, do Código de Obras e Edificações do
os Corredores Urbanos e seus segmentos onde é permitida Município de Manaus.
a aplicação deste instrumento.
Art. 68 - O Gabarito Máximo da Edificação em
UET é o número máximo de pavimentos para o lote.
§ 3o - As áreas excedentes de CABT 2,0 (dois)
serão a base de cálculo para cobrança de outorga onerosa.
Art. 69 - Nos lotes de esquina, nas interseções
de vias com parâmetros diferenciados, prevalecem os
Art. 66 - Consideram-se como áreas de estabelecidos para o gabarito de maior altura da edificação.
edificações não computadas nos cálculos do CAMT e do Parágrafo Único Nos lotes localizados em
CAPT: (Alterado pelo Art. 2º da Lei Nº 782 de 30/06/04, UES e dentro da faixa de abrangência dos Corredores
D.O.M. Nº1032 de 02/07/04). Urbanos prevalecem os parâmetros estabelecidos para o
maior gabarito de altura.
I - subsolo, quando implantado no máximo a
1,5m (um metro e cinqüenta centímetros) acima do nível Art. 70 - O Gabarito Máximo da Edificação nos
médio do passeio; imóveis, para cada Unidade de Estruturação Urbana - UES
e suas subdivisões, eixos de atividades e setores especiais,
II - áreas de recreação e lazer, mesmo que e para os Corredores Urbanos e seus segmentos, bem
construídas, em prédios residenciais ou de uso misto cujo como para cada Unidade Espacial de Transição e seu setor
pavimento-tipo tenha uso exclusivamente residencial; urbano, estão dispostos nos Quadros de Intensidade de
Ocupação, nos Anexos III, IV e V.
III - áreas complementares à atividade principal
e os serviços gerais e de apoio à edificação: Subseção III
a) estacionamentos e garagens nos prédios Da Taxa de Ocupação Máxima do Terreno
residenciais;
b) estacionamentos nos prédios não Art. 71 - A Taxa de Ocupação Máxima do
residenciais, exceto edifícios-garagem; Terreno é a relação entre as projeções máximas de
c) reservatórios, casa de bombas, casa de construção, excetuando-se os beirais, e a área do terreno
máquinas de elevadores, área para depósito de lixo, onde se implanta a edificação.
transformadores, geradores, medidores, central de gás, Parágrafo Único - A taxa de ocupação de
centrais de ar-condicionado; edificações horizontais e do embasamento de
d) de uso comum, como portarias, circulações, edificações verticais, poderá extrapolar os valores dos
acessos, zeladoria, lazer e mezanino. (Errata I D.O.M. Nº Quadros de Intensidade de Ocupação (anexos III, IV e
660 de 20/12/02). V), atendidos os afastamentos pertinentes aos números de
pavimentos e a taxa de permeabilidade correspondente.
(Alterado pelo Art. 9º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956)
IV - sacadas, varandas ou balcões abertos, em
prédios residenciais, até o limite de 3,00m (três metros); Subseção IV
Dos Afastamentos da Edificação
V - pilotis, desde que ocupados por usos
comuns no condomínio tais como áreas de lazer, Art. 72 - Os afastamentos frontais, laterais e de
estacionamento, administração de serviços comuns; fundos da edificação são os afastamentos obrigatórios das
VI - edícula, conforme definida no Código de divisas de frente, laterais e de fundo do lote à edificação,
Obras e Edificações de Manaus. aplicada em toda a altura da edificação.

§ 1o - Quando as obras para edificação forem Art. 73 - É permitida a construção de beirais,


iniciadas sem alvará de construção ou quando houver marquises e abas nos afastamentos da edificação, desde
modificação de projeto, com acréscimo de área construída, que observem as disposições do Código de Obras e
não serão dispensadas do cálculo do Coeficiente de Edificações de Manaus e a legislação de proteção contra
Aproveitamento Máximo do Terreno e do Coeficiente de incêndios.
Aproveitamento Projetado para o Terreno as áreas Art. 74 - É permitida a construção de sacadas
mencionadas nos incisos e alíneas do caput, considerando em balanço sobre os afastamentos até o máximo de 3,0 m (
a mesma proporcionalidade das obras iniciadas. (Alterado três metros), desde que garantida a distância mínima de 5,0
pelo Art. 2º da Lei Nº 782 de 30/06/04, D.O.M. Nº1032 de m (cinco metros) em relação à divisa.
02/07/04).
Art. 75 - Será admitida no afastamento frontal a
§ 2o - O somatório das áreas não computadas localização de guarita para segurança, desde que o total da
equivalentes às áreas de apoio, de uso comum e de área construída não ultrapasse 10% (dez por cento) da
sacadas, varandas ou balcões não podem exceder 50% área definida pelo afastamento frontal e não tenha área útil
(cinqüenta por cento) da área computável no CAMT e no superior a 10m2 (dez metros quadrados).
CAPT, exceto garagem. (Alterado pelo Art. 2º da Lei Nº
782 de 30/06/04, D.O.M. Nº1032 de 02/07/04). Parágrafo único - Excetuam-se do percentual
estabelecido as áreas complementares apenas cobertas,
inclusive pórticos e marquises.
39 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
o
§ 1 - A largura da via ou logradouro será
Art. 76 - Em edificações com até 2 (dois) sempre a distância entre os alinhamentos daquele para o
pavimentos, situadas em lotes de esquina será exigido o qual o lote fizer frente.
afastamento frontal para um dos logradouros públicos,
admitindo-se o afastamento frontal mínimo de 2m (dois § 2o Para cálculo do gabarito máximo, a cada
metros) para o outro logradouro. 0,5m (meio metro) que a largura da via ou logradouro
exceder a medida mínima estabelecida no caput deste
Art. 77 - As edificações com até 2 (dois) artigo será admitido o acréscimo de um pavimento
pavimentos estão isentas de um dos afastamentos laterais, computável à construção, até o limite de que tratam os
desde que não apresente vão de abertura na lateral sem artigos desta Lei e atendido os demais parâmetros
afastamento, devendo os demais afastamentos observar urbanísticos pertinentes.
as medidas especificadas no quadro do art. 59 do
Código de Obras e Edificações. (Errata I D.O.M. Nº 660 Subseção VII
de 20/12/02). Da Taxa de Permeabilização Mínima

Art. 81 - A Taxa de Permeabilização é a relação


Parágrafo único - Os imóveis com testada igual
entre áreas descobertas e permeáveis do terreno e a sua
ou inferior a 5m (cinco metros), aprovados em data anterior
área total, sendo aquelas dotadas de vegetação de forma a
à publicação desta Lei, ou inseridos em Áreas de Especial
contribuir para o equilíbrio climático e favorecer o serviço de
Interesse Social, com até 2 (dois) pavimentos, estão isentos
drenagem natural de águas pluviais.
de afastamentos laterais.
§ 1o - Os imóveis situados na UES Centro
Art. 78 - Os Afastamentos da Edificação para os Antigo estão isentos da Taxa de Permeabilização Mínima.
imóveis, para cada Unidade de Estruturação Urbana - UES
e suas subdivisões, eixos de atividades e setores especiais, § 2o A Taxa de Permeabilização Mínima nos
e para os Corredores Urbanos e seus segmentos, bem imóveis com área dos lotes igual ou superior a 2ha (dois
como para cada Unidade Espacial de Transição e seu setor hectares) ou com área de construção igual ou superior a
urbano, estão dispostos nos Quadros de Intensidade de 20.000m2 (vinte mil metros quadrados) deverá ser de 20%
Ocupação, nos Anexos III, IV e V. (vinte por cento).

§ 1o - Nos imóveis situados em UES e § 3o A Taxa de Permeabilização Mínima nos


Corredores Urbanos onde admite-se a verticalização, os imóveis com área dos lotes inferior a 2ha (dois hectares) ou
afastamentos frontais e de fundos, serão calculado pela com área de construção inferior a 20.000m2 (vinte mil
expressão 0,2 x H e os afastamentos laterais, pela metros quadrados) deverá ser de 15% (quinze por cento).
expressão 0,25 x H, onde H é igual a altura útil da
edificação, excluída a caixa d´água e a casa de máquina § 4o Admite-se uma Taxa de Permeabilização
dos elevadores. Mínima de 10% (dez por cento) nos imóveis com área útil
principal igual ou inferior a 2.000m2 (dois mil metros
§ 2o - Os afastamentos frontais, laterais e de quadrados).
fundos, nos imóveis de que trata o parágrafo anterior serão
no mínimo de 5m (cinco metros).
CAPÍTULO VII
§ 3o - Os afastamentos laterais mínimos do DAS VAGAS DE GARAGENS E ESTACIONAMENTOS
embasamento com até 3 (três) pavimentos e de uso
comum, nos imóveis de que trata o parágrafo primeiro,
serão os exigidos para edificações horizontais em UES ou Seção I
Corredor Urbano correspondentes, estando os demais Das Definições
pavimentos sujeitos aos afastamentos mínimos para a
verticalização.
Art. 82 - Garagens e estacionamentos são,
§ 4° - VETADO. respectivamente, edificações e áreas cobertas ou
descobertas, destinadas exclusivamente à guarda de
veículos, como função complementar a um uso ou atividade
principal.
Subseção V
Da Testada Mínima para Verticalização Art. 83 - Garagens e estacionamentos
comerciais são prédios e áreas destinadas
predominantemente à prestação de serviços de guarda de
Art. 79 - A Testada Mínima para Verticalização veículos.
é a menor testada admitida para edificação vertical nos
lotes, em UES e Corredores Urbanos, cujos parâmetros Art. 84 - Garagens e estacionamentos gerais
para intensidade de ocupação permitem verticalização, de são prédios e áreas destinadas à guarda de veículos
acordo com os Quadros de Intensidade de Ocupação, nos coletivos e de serviços, incluindo ônibus, microônibus, vans
Anexos III e IV. e caminhões.
Art. 85 - A área de estacionamento ou garagem
Subseção VI corresponde à vaga para veículos, ao livre acesso e à
Da Largura Mínima de Logradouro para Verticalização circulação correspondente.

Art. 80 Observados os parâmetros definidos Seção II


nos Quadros de Intensidade de Ocupação dispostos nos Dos Critérios e Parâmetros para Garagens e
Anexos III e IV desta Lei, a verticalização somente será Estacionamentos
permitida em lotes que estejam situados em vias ou
logradouros com largura mínima de 11m (onze metros). Art. 86 - O número de vagas exigidas, segundo
usos e atividades, acham-se definidos no Anexo XI.
Art. 87 - Edificações em terrenos com testada
igual ou superior a 6m (seis metros) devem prever vagas
40 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
para estacionamento, conforme padrões estabelecidos no DOS INSTRUMENTOS COMPLEMENTARES DE
Quadro das Vagas de Garagens e Estacionamentos, no CONTROLE URBANO
Anexo XI.
Seção I
Art. 88 - Na edificação com mais de duas Do Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança - EIV
unidades habitacionais em um mesmo lote, será exigida
uma ou mais vagas de garagem para cada unidade, de Art. 99 - O Estudo Prévio de Impacto de
acordo com o Quadro das Vagas de Garagens e Vizinhança - EIV, nos termos do Plano Diretor Urbano e
Estacionamentos, no Anexo XI. Ambiental de Manaus, poderá ser exigido aos
empreendimentos e às atividades a seguir relacionados,
Art. 89 - Considera-se para dimensionamento por suas especificidades, mesmo quando sua implantação
da capacidade da garagem os parâmetros constantes do constar como permitida na UES ou no Corredor Urbano
anexo XI desta Lei. considerado, para obter as licenças ou autorizações de
construção, ampliação ou funcionamento. (Alterado pelo
Art. 90 - Os estacionamentos podem ser Art. 10º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956)
condominiais, sendo obrigatória a demarcação da vaga na
proporção estabelecida no Anexo XI. Parágrafo Único Sujeitam-se ao EIV, os
seguintes empreendimentos e atividades:
Art. 91 - Nas edificações com duas ou mais
testadas, a entrada para a área de estacionamento ou I - empreendimentos de impacto urbano-
garagem deverá ser feita pela via de menor nível ambiental;
hierárquico, exceto em logradouros públicos com largura
inferior a 9m (nove metros). II - casas noturnas com área útil principal igual
ou superior a 200m2 (duzentos metros quadrados);
Art. 92 - Em via de pedestre, não será admitida III - centro comercial e shopping center;
a existência de área de estacionamento ou garagem.
IV - centro cultural e centro de convenções;
Art. 93 - Nos empreendimentos de impacto (Alterado pelo Art. 10º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M.
urbano-ambiental, será exigida a análise específica das Nº956)
necessidades de vagas de estacionamento, indicadas no
Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança - EIV. V - clube;
VI - comércio atacadista e depósitos com área
Art. 94 - As exigências de vagas de
útil principal igual ou superior a 2.000m2 (dois mil metros
estacionamento deverão ser aplicadas para imóveis novos
quadrados);
e para aqueles com mudança de uso, reformados ou não.
VII - comércio varejista de mercadorias em
Art. 95 - As exigências de vagas de geral, com predominância de produtos alimentícios, com
estacionamento para os imóveis reformados sem mudança área útil principal igual ou superior a 1.000m2 (mil metros
de uso mas com acréscimo de área, limitar-se-ão à área de quadrados);
acréscimo.
VIII - comércio varejista e atividades de
Art. 96 - Ás exigências de estacionamento e de prestação de serviços com área útil principal igual ou
local para carga e descarga, quando aplicáveis, deverão superior a 5.000m2 (cinco mil metros quadrados);
ser atendidas, dentro do lote do empreendimento.
IX - depósitos ou postos de revenda de gás;
§ 1o - Admite-se a previsão de vagas para X - edificações de segurança pública;
estacionamento, estabelecida no Anexo XI, em outro local,
distante, no máximo, 150m (cento e cinqüenta metros) da XI - estabelecimentos de ensino fundamental,
edificação, quando se tratar de: médio ou superior, e templos religiosos com área útil
principal superior a 1.000m2 (mil metros quadrados);
I - imóveis reformados sem mudança de uso, (Alterado pelo Art. 10º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M.
mas com acréscimo de área; Nº956)

II - imóveis com mudança de uso, reformados ou XII - escola especial com área útil principal
não; superior a 500m2 (quinhentos mil metros quadrados);
XIII - estação de radiodifusão;
III - imóveis situados na UES Centro Antigo e
nos prédios de interesse histórico-cultural. XIV - estação de telefonia;
o
§ 2 - As edificações, onde é obrigatória a XV - estação de televisão;
previsão de local destinado à movimentação e manobra de
veículos de carga e de estacionamento de veículos de XVI - estacionamento coberto ou descoberto
serviço, são especificadas no quadro das vagas de para mais de 100 (cem) carros;
garagens e estacionamentos, no Anexo XI. XVII - funerária;
Art. 97 Dispensam-se às vagas de garagem e
estacionamento para a UES Centro Antigo, nas edificações XVIII - garagem geral;
indicadas no quadro das vagas de garagens e
estacionamentos, no Anexo XI. (Errata II D.O.M. Nº 801 de XIX - hospital;
23/07/03). XX - hotel com área de terreno igual ou superior
a 1.000m2 (mil metros quadrados);
Art. 98 - Nos prédios de uso residencial XXI - indústria tipo 2, tipo 3, tipo 4 e tipo 5;
multifamiliar, será exigido estacionamento para veículos de
visitantes na proporção de uma vaga para cada 8 (oito) XXII - posto de abastecimento e de serviços
unidades residenciais. para veículos;
CAPÍTULO VIII
41 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

Art. 100 - O Poder Executivo Municipal, através do respectivo alvará, caracterizando-se o início de obras
do órgão de planejamento urbano, poderá condicionar a pelo prescrito na legislação em vigor.
aprovação do empreendimento ou atividade ao Art. 106 - Serão objetos de Lei as matérias que
cumprimento pelo empreendedor e a suas expensas, de tratem de:
medidas mitigadoras ou compensatórias que atenuem o
I - criação, modificação ou extinção de Unidades
impacto que o projeto acarretará.
de Estruturação Urbana, Corredor Urbano e Unidades
Art. 101 - O EIV será executado atendendo às Espaciais de Transição;
exigências do Estatuto da Cidade, além de II - alteração e definição de regime urbanístico à
necessariamente analisar: exceção da inclusão e exclusão de atividades nos
grupamentos existentes na Classificação de Atividades,
I - a compatibilização do estabelecimento ou conforme Anexo.
empreendimento com as diretrizes de uso e atividades
indicadas para a UES ou Corredor Urbano no qual será III alteração e definição dos empreendimentos
implantada; e das atividades considerados empreendimentos de
impacto urbano-ambiental;
II - a manutenção e valorização do Patrimônio IV - revisão de critérios e parâmetros para
Ambiental, natural ou cultural, na UES ou no Corredor garagens e estacionamentos;
Urbano no qual será implantado ou no seu entorno;
V - alteração e definição das áreas passíveis de
III - a adequação à estrutura urbana, sobretudo serem aplicados instrumentos de intervenção.
quanto ao sistema viário, fluxos, segurança, sossego e
saúde dos habitantes e equipamentos públicos Art. 107 - Serão objeto de Resolução do órgão
comunitários; gerenciador do Sistema Municipal de Planejamento e
Controle Urbano, ouvido o Conselho Municipal de
IV - a adequação ao ambiente, em especial Desenvolvimento Urbano, as matérias que tratem de:
quanto à poluição;
I - ajustes nos limites das Unidades de
V - a adequação à infra-estrutura urbana; Estruturação Urbana, Corredor Urbano ou Unidades
Espaciais de Transição;
VI - a adequação à paisagem natural ou
construída; II - alteração do regime de atividades nas vias
das Unidades de Estruturação Urbana, Corredor Urbano ou
VII - a adequação quanto aos usos e às Unidades Espaciais de Transição;
atividades do entorno imediato.
III definição de critérios e parâmetros
especiais de vagas para estacionamento referentes a
Art. 102 - Será dada publicidade aos atividades com características diferenciadas;
documentos integrantes do EIV, que ficarão disponíveis
para consulta no órgão municipal competente, por qualquer IV - definição de critérios e parâmetros para
interessado, nos termos da Lei n° 10.257/01. análise de Projetos Espaciais Pontuais.

Art. 103 - A elaboração do EIV não substitui a Art. 108 Em todos os cursos d água
elaboração e a aprovação do Estudo Prévio de Impacto localizados na área urbana e de transição será adotada
Ambiental - EPIA, requerido nos termos da legislação faixa de proteção marginal mínima de 30m (trinta metros)
ambiental. contados de cada margem da maior enchente durante o
período em que o Plano de Proteção das Margens dos
Seção II Cursos d Água ainda não tiver sido implantado,
Do Estudo Prévio de Impacto Ambiental - EPIA observadas as exceções previstas na legislação
ambiental vigente. (Errata II D.O.M. Nº 801 de 23/07/03)
Art. 104 - O Estudo Prévio de Impacto Art. 109 VETADO.
Ambiental - EPIA, nos termos do Estatuto da Cidade, se
aplica para a construção, instalação, reforma, recuperação, Art. 110 O Executivo implantará a
ampliação e operação de atividades ou obras Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE,
potencialmente causadoras de significativa degradação do no prazo de 3 (três) anos.
meio ambiente, de acordo com os termos do Código Art. 111- Esta lei entrar em vigor na data de sua
Ambiental de Manaus. publicação, revogadas as disposições em contrário e
expressamente a Lei n° 1214/75 (Lei Complementar ao
§ 1o - Devem ser observadas para elaboração PDLI).
do Estudo Prévio de Impacto Ambiental as exigências feitas
pelo Código Ambiental de Manaus. Manaus, 04 de novembro 2002
§ 2o - A relação dos empreendimentos ou
atividades que estarão sujeitas à elaboração do EPIA e Manaus, 04 de novembro de 2002.
respectivo RIMA, será definida pelo órgão de planejamento
urbano, ouvido o Conselho Municipal de Desenvolvimento e
Meio Ambiente - COMDEMA. ALFREDO PEREIRA DO NASCIMENTO
Prefeito Municipal de Manaus
CAPÍTULO IX
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS
YOLANDA CORRÊA PEREIRA
Art. 105 Os expedientes administrativos, PROCURADORA-GERAL DO MUNICÍPIO
ainda sem despachos decisórios, protocolados
anteriormente à data de publicação desta Lei que não se
enquadrem nas disposições estatuídas nesta Lei, serão RAUL ARMONIA ZAIDAN
decididos de acordo com a legislação anterior. SECRETÁRIO-CHEFE DO GABINETE CIVIL
Parágrafo Único O prazo máximo admitido
para o início de obra de edificação, abrangida pelo disposto
deste artigo, é de 1 (um) ano a contar da data de expedição
42 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Na UES Educandos:
I - Setor Ponta Branca/ Amarelinho
compreende a área contida no perímetro das vias que o
delimitam incluindo todos os lotes lindeiros às vias limites,
limitando-se pelas ruas Delcídio Amaral e Inocêncio de
LEI N.° 672 /2002 Araújo, pela Av. Rio Negro e pela Rua Vista Alegre até a
sua confluência com o Beco da Escadaria; a oeste, pelo
ANEXO I igarapé de Educandos; ao sul, pelo rio Negro até a
projeção do Beco da Escadaria;
(INCLUÍDO NA PASTA ANEXO I LEI Nº 672_02, II - Setor Industrial de Educandos - compreende
ANEXO DESTE DOCUMENTO EM FORMATO DIGITAL a área contida no perímetro das vias que o delimitam
incluindo todos os lotes lindeiros às vias limites, limitando-
Este anexo encontra-se no site se a oeste, pela Rua Ponta Grossa e pela via de acesso à
www.pmm.am.gov.br ou no setor competente deste Serraria MOSS; ao norte, pela Rua Felismino Soares e pela
Executivo, por impossibilidade de impressão no papel Estrada do Paredão; a leste, pela via de acesso à
adequado ao Diário Oficial do Município. Frigomasa; ao sul, pelo rio Negro.

Na UES Vila Buriti:


I - Setor Portuário Vila Buriti abrange
segmento da UES situado ao longo da orla do Rio Negro.
LEI N.° 672 /2002
Na UES Mauazinho:
ANEXO II I - Setor BR-319 compreende a área contida
no perímetro das vias que o delimitam incluindo todos os
(ANEXO ALTERADO PELO ART. 13º DA LEI Nº 752 DE lotes lindeiros às vias limites, limitando-se a oeste, pela
07/01/04, D.O.M. Nº 956 DE 11/03/04 - REPUBLICAÇÃO) Rodovia BR-319; ao norte e a leste, pela Rua Jayth
Chaves; ao sul, pelo rio Negro;
DESCRIÇÃO DE EIXOS DE ATIVIDADES E SETORES II - Eixo de atividades:
ESPECIAIS DAS UES, SEGMENTOS DOS a) Av. Rio Negro, em toda a sua extensão.
CORREDORES URBANOS E SETOR URBANO DE UET
Na UES Colônia Antônio Aleixo:
I - Setor Portuário Colônia Antônio Aleixo
Unidades de Estruturação Urbana - UES abrange segmento da UES situado ao longo da orla do Rio
Negro;
Na UES Ponta Negra: II - Eixo de atividades:
I - Setor Orla Ponta Negra abrange parte do a) Rua Getúlio Vargas, em toda a sua extensão.
bairro Ponta Negra no trecho voltado para a praia da Ponta
Negra e abaixo da Av. Coronel Teixeira, limitando-se a Na UES Puraquequara:
leste, pela Alameda Panamá e a oeste, pela delimitação da I - Setor Portuário Puraquequara abrange
área do Hotel Tropical. segmento da UES situado ao longo da orla do rio
Amazonas.
Na UES Compensa:
I - Setor Orla Compensa limita-se a leste pela Na UES Adrianópolis:
projeção da Rua Brasil; ao norte, pela Rua João Walter até I - Eixos de atividades:
a Rua Castelo Branco, seguindo pelos Beco Josema, Rua a) Av. Paraíba, de sua confluência com a Av.
Cristo Rey, Rua L1, Rua T1, Rua L2, Rua T3, Estrada da André Araújo até a Av. Efigênio Sales;
Estanave, Estrada do Bombeamento e Estrada da Jonasa b) Rua Recife, da Av. Álvaro Maia até a Av.
até a Rua Coréia do Sul; a oeste, pela Rua Coréia do Sul Darcy Vargas;
até o rio Negro; c) Rua Belo Horizonte, em toda a sua
II - Eixos de atividades: extensão.
a) Av. São Pedro, em toda a sua extensão;
b) Rua Belo Horizonte, em toda a sua Na UES Vieiralves:
extensão; I - Eixos de atividades:
c) Estrada da Estanave, entre a Av. São a) Rua Acre, em toda a sua extensão;
Pedro e a Rua da Prosperidade; b) Rua Pará, em toda a sua extensão;
d) Rua Padre Agostinho Cabalero, entre a Av. c) Rua João Valério, em toda a sua extensão;
Brasil e a Rua São José; d) Rua Maceió, em toda a sua extensão.
e) Estrada da Jonasa, em toda a sua
extensão.
Na UES Cachoeirinha:
I - Eixos de atividades:
Na UES São Raimundo:
a) Av. Tefé, entre o igarapé do Mestre Chico
I - Setor Orla São Raimundo compreende a
até o igarapé de Cachoeirinha;
área contida no perímetro das vias que o delimitam,
b) Av. Costa e Silva, de sua confluência com a
incluindo todos os lotes lindeiros às vias limites, limitando-
Av. Castelo Branco até o igarapé da Cachoeirinha;
se ao norte, pela Estrada do Bombeamento, pelas ruas
c) Rua Ramos Ferreira, de sua confluência
Padre Agostinho Cabalero, Coração de Jesus, 5 de
com a Av. Castelo Branco até o igarapé do Mestre Chico.
Setembro, Rio Branco e Virgílio Ramos e pela ponte
Senador Fábio Lucena; a sul, pelo igarapé do São
Na UES São Geraldo:
Raimundo; a oeste, pelo limite da 4a DL;
I - Eixos de atividades:
II - Eixos de atividades:
a) Rua Pará, entre a Av. Djalma Batista e a
a) Rua Padre Agostinho Cabalero, entre a
Av. Constantino Nery;
Estrada do Bombeamento e a Av. Brasil;
b) Av. João Valério, entre a Av. Djalma Batista
b) Rua Presidente Dutra, em toda a sua
e a Av. Constantino Nery;
extensão;
c) Av. São Jorge, de sua confluência com a
c) Rua São José, em toda a sua extensão.
Av. Constantino Nery até o igarapé da Cachoeira Grande.
43 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

Na UES Centro Antigo: e) Av. Paraíba, de sua confluência com a


a) I - Setor Sítio Histórico abrange segmento Av. Efigênio Sales até a Av. Perimetral 2. (Incluído pelo
da UES dentro dos limites do Sítio Histórico da Cidade de Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956)
Manaus.
Na UES Aleixo:
Na UES São Jorge: I - Eixos de atividades:
I - Eixos de atividades: a) Av. Via Láctea, em toda a sua extenção;
a) Av. São Jorge, do igarapé da Cachoeira (Alterado pelo Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M.
Grande até a confluência da Av. Darcy Vargas; Nº956)
b) Estrada da Compensa, da confluência com b) Av. Constelação, em toda a sua extensão;
a Av. São Jorge até a Av. Brasil; c) Rua Principal, da Rua Paraíba até o início
c) Rua Brasil, da confluência da Estrada da da Rua C-05;
Compensa até a Av. Brasil. d) Rua C-05, em toda a sua extensão.
Na UES Coroado:
Na UES Alvorada: I - Eixos de atividades:
I - Eixos de atividades: a) Rua São Pedro, em toda a sua extensão;
a) Av. Desembargador João Machado, entre o b) Rua Ouro Preto, da Rua São Pedro até a
igarapé dos Franceses até a confluência com a Rua Rua Cristo Rey;
Felismino C. de Vasconcelos. c) Av. Beira Rio, em toda a sua extensão;
b) Av. Constantinopla, da Av. Desembargador d) Av. Beira Mar, em toda a sua extensão;
João Machado até a Rua Campo Grande, no limite da UES; e) Rua Presidente Médice, da Av. Rodrigo
c) Rua Campo Grande, da Av. Constantinopla Otávio até a Av. Beira Rio;
até a confluência com a Rua Carauari; f) Rua Santo Antônio, da Av. Cosme Ferreira
d) Av. Dom Pedro I, da Av. Pedro Teixeira até até a Av. Beira Rio.
a confluência co a Av. J;
e) Av. J, da Av. Manoel Borbagato até a Av. Na UES Distrito I:
Desembargador João Machado; I - Setor Memorial da Amazônia - compreende a
f) Rua 5, da Av. J até a Rua São Geraldo; área contida no perímetro das vias que o delimitam,
g) Av. Pedro Teixeira, entre o igarapé dos incluindo todos os lotes lindeiros às vias limites,
Franceses até a Av. Coronel Teixeira; delimitando-se por uma linha que inicia na Praça Francisco
h) Estrada dos Franceses, entre a Av. Coronel Pereira da Silva, seguindo a noroeste pela Av. Rodrigo
Teixeira até a confluência com a Rua 22, no limite da UES. Otávio até o igarapé do Quarenta, virando à esquerda, no
Na UES Lírio do Vale: sentido sudoeste, pela margem desse igarapé até a Rua da
I - Eixos de atividades: SUFRAMA, seguindo por esta até a sua confluência com a
a) Estrada dos Franceses, entre a Rua 22 e a Av. Costa e Silva, virando à direita no sentido sudeste até a
confluência com a Av. Desembargador João Machado; Praça Francisco Pereira Silva, contornando-a no sentido
b) Av. Desembargador João Machado, entre nordeste até a via que dá acesso à avenida Mandii,
a confluência com a Rua Felismino C. de Vasconcelos até a virando à direita no sentido nordeste seguindo pela
Av. do Turismo; avenida Mandii por toda sua extenção até encontrar
c) Rua Goiânia, da Av. Constantinopla até o novamente a via de ligação com a Praça Francisco
prolongamento da Av. Max Teixeira, no limite da UES. Pereira da Silva e daí até o ponto inicial. (Alterado pelo
Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956)
Na UES Flores: II Eixo de Atividades:
I - Eixos de atividades: a) Av. Ministro Mário Andreazza, em toda sua
a) Estrada do Aeroclube, em toda a sua extensão. (Incluído pelo Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04
extensão; D.O.M. Nº956)
b) Av. Amazonas, em toda a sua extensão; Na UES Japiim:
c) Rua Visconde de Cairu, em toda a sua I - Eixo de atividades:
extensão; a) Av. Tefé, do igarapé do 8 até a Av. General
d) Av. Marquês de Inhambupé, entre as ruas Rodrigo Otávio.
Visconde de Cairu e a Marquês de Quixeramobim;
e) Rua Marquês de Quixeramobim, da Rua Na UES Morro da Liberdade:
Marquês de Inhambupé até a Rua Marquês de Erval; I - Eixos de atividades:
f) Rua Marquês de Muritiba, entre as rua a) Av. Tefé, entre os igarapés da
Marquês de Quixeramobim e Marquês de Vial Real; Cachoeirinha e do Quarenta;
g) Rua Marquês de Vila Real de Praia b) Av. Costa e Silva, do igarapé da
Grande, entre as ruas Marquês de Muritiba e Marquês de Cachoeirinha até o igarapé do Quarenta.
Erval;
h) Rua Marquês de Erval, entre as ruas Na UES Aeroporto:
Marquês de Vila Real e Visconde de Utinga; I - Eixo de atividades:
i) Rua Visconde de Utinga, em toda a sua a) Av. Santos Dumont, da Av. do Turismo até
extensão; a Av. Torquato Tapajós.
j) Rua Barão do Rio Branco, entre as suas
confluências co a Rua Visconde de Utinga e Av. Timbiras; Na UES São José:
k) Av. Timbiras, de sua confluência com a I - Eixos de atividades:
Rua Barão do Rio Branco até o igarapé do Goiabinha. a) Rua Uaupes, do igarapé do Mindú até a
Rua 21;
Na UES Parque 10: b) Rua 21, da Rua Uaupes até a Rua 27;
I - Eixos de atividades: c) Rua 27, da Rua 21 até a Rua 11;
a) Rua do Comércio, em toda a sua extensão; d) Rua Penetração 02, da Rua 11 até a Av.
b) Av. Perimetral 1, em toda a sua extensão; Autaz Mirim;
c) Av. Perimetral 2, em toda a sua extensão; e) Rua J, da Av. Autaz Mirim até o Centro
d) Rua Recife, entre a Av. Darcy Vargas até a Comunitário;
sua confluência com a Av. Djalma Batista; f) Rua 21, da Rua Garcia até a Rua 11;
44 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
g) Rua 11, da Rua B até a Rua Penetração Constantino Nery, da Av. Senador Álvaro Maia até o
01; cruzamento com a rua Loris Cordovil e às faixas lindeiras
h) Rua Penetração 01, em toda a sua com a largura de até 300m (trezentos metros) a partir do
extensão; alinhamento de ambos os lados dos logradouros;
i) Rua Marginal A, em toda a sua extensão; II - Segmento Centro - corresponde às faixas
j) Rua 07, da Rua Marginal A até a Rua 04; lindeiras das avenidas Constatino Nery, Djalma Batista e
k) Rua 04, da Rua 07 até a Av. Cosme Torquato Tapajós, tendo o seu início na projeção da rua
Ferreira; Lóris Cordovil até a avenida Santos Dumond, abrangendo a
l) Rua Antônio Matias, da Av. Cosme Ferreira largura de até 300m (trezentos metros) a partir do
até a Rua Barreirinha; alinhamento de ambos os lados do logradouro;
m) Rua Barreirinha, da Rau Antônio Matias até III - Segmento Norte - corresponde às faixas
a Rua Vilar Fiúza; lindeiras à Av. Torquato Tapajós, da Av. Santos Dummont
n) Rua Vilar Fiúza, em toda a sua extensão; até o limite da Área Urbana, abrangendo a largura de até
o) Rua Coronel Boucinha, em toda a sua 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de ambos
extensão; os lados do logradouro.
p) Rua Dr. Pegoraro, da Rua Coronel
Boucinha até o início da Rua Dr. Basílio; No Corredor da Av. do Turismo:
q) Rua Dra. Didia, em toda a sua extensão; I - Segmento Tarumã - corresponde às faixas
r) Rua Francisco, em toda a sua extensão; lindeiras à Av. do Turismo, da AM-010 até a via de acesso
Av. Itacolomí, em toda a sua extensão ao Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, abrangendo a
s) Av. Contorno Norte, em toda a sua largura de até 300m (trezentos metros) a partir do
extensão; alinhamento de ambos os lados do logradouro;
t) Rua H, entre a Av. Itacolomí e a Av.
Contorno Norte; II - Segmento Aeroporto - corresponde às faixas
u) Rua I, entre as avenidas Itacolomí e lindeiras à Av. do Turismo, da via de acesso ao Aeroporto
Perimetral; Internacional Eduardo Gomes até a via projetada Sul do
v) Rua J, entre as avenidas Itacolomí e Aeroporto, abrangendo a largura de até 300m (trezentos
Perimetral; metros) a partir do alinhamento de ambos os lados do
w) Av. Perimetral, entre as ruas H e J. logradouro;
III - Segmento Ponta Negra - corresponde às
faixas lindeiras à Av. do Turismo, da via projetada Sul do
Na UES Jorge Teixeira:
Aeroporto até a Av. Coronel Teixeira, abrangendo a largura
I - Eixos de atividades:
de até 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de
a) Av. da Penetração, em toda a sua
ambos os lados do logradouro.
extensão;
No Corredor Avenida Brasil/ Ponta Negra:
b) Rua Itaúba, em toda a sua extensão.
I - Segmento Praia da Ponta Negra -
corresponde às faixas lindeiras à Av. Coronel Teixeira até a
Na UES Cidade Nova:
Av. do Turismo, abrangendo a largura de até 300m
I - Eixos de atividades:
(trezentos metros) a partir do alinhamento de ambos os
a) Av. Timbiras, em toda a sua extensão;
lados do logradouro;
b) Rua 27, em toda a sua extensão;
II - Segmento Ponta Negra - corresponde às
c) Rua 192, em toda a sua extensão;
faixas lindeiras à Av. Coronel Teixeira, entre a Av. do
d) Rua 202, entre as ruas 192 e 197;
Turismo e a Av. Cecília Meireles, abrangendo a largura de
e) Rua 197, da Rua 202 até o início da Rua D;
até 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de
f) Av. D, em toda a sua extensão;
ambos os lados do logradouro;
g) Rua Penetração I, em toda a sua extensão;
III - Segmento Av. Coronel Teixeira -
h) Rua Penetração II, da Rua 61 até a Rua
corresponde às faixas lindeiras à Av. Coronel Teixeira,
Tancredo Neves;
entre a Av. Cecília Meireles e a confluência da Av. Brasil
i) Rua 61, da Rua 13 até a Rua Penetração II;
com a Av. Coronel Teixeira, abrangendo a largura de até
j) Rua Circular 02, em toda a sua extensão;
300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de ambos
k) Rua Penetração 03, em toda a sua
os lados do logradouro;
extensão;
IV - Segmento Av. Brasil - corresponde às faixas
l) Rua Rio Uaupes, em toda a sua extensão;
lindeiras à Av. Brasil, da confluência da Av. Coronel
m) Rua 77, em toda a sua extensão.
Teixeira até a ponte do igarapé do São Raimundo,
abrangendo a largura de até 300m (trezentos metros) a
Na UES Novo Israel: partir do alinhamento de ambos os lados do logradouro.
I - Eixos de atividades:
a) Av. São João, entre a Av. Max Teixeira e a
No Corredor Boulevard Amazonas:
Rua Altamira;
I - Segmento Boulevard - corresponde às faixas
b) Av. Atroarés, em toda a sua extensão;
lindeiras à Av. Senador Álvaro Maia, da ponte do igarapé
c) Av. das Oliveiras, da Av. Jerusalém até a
do São Raimundo até o início da Av. Paraíba, abrangendo
Rua Bom Jesus;
a largura de até 300m (trezentos metros) a partir do
d) Rua Bom Jesus, da Rua Chico Mendes até
alinhamento de ambos os lados do logradouro;
a Av. das Oliveiras;
II - Segmento Cachoeirinha corresponde às
e) Av. Chico Mendes, da Rua Bom Jesus até
faixas lindeiras à Rua Belém a partir da Av. Paraíba,
a Rua Vitória.
seguindo pelas faixas lindeiras às avenidas Presidente
Castelo Branco e Carvalho Leal até a Av. 7 de Setembro,
Na UES Santa Etelvina: abrangendo a largura de até 300m (trezentos metros) a
I - Eixos de atividades: partir do alinhamento de ambos os lados dos logradouros
a) Rua Santa Etelvina; III - Segmento Leopoldo Peres corresponde às
b) Rua Dom Milton; faixas lindeiras à Av. Leopoldo Peres, abrangendo a largura
c) Rua Juiz Otávio; de até 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de
ambos os lados do logradouro.
No Corredor Sul/Norte:
I - Segmento Sul - corresponde às quadras No Corredor Darcy Vargas:
compreendidas entre as avenidas Djalma Batista e
45 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

I - Segmento Ayapuá - corresponde às faixas confluência com a Av. Autaz Mirim, abrangendo a largura
lindeiras à Av. Coronel Teixeira, da sua confluência com a de até 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de
Av. Brasil até a Av. Darcy Vargas, abrangendo a largura de ambos os lados do logradouro;
até 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de IV - Segmento São José - corresponde às faixas
ambos os lados do logradouro; lindeiras à Av. Cosme Ferreira, da interseção com a Av.
II - Segmento Avenida Jacira Reis - corresponde Autaz Mirim até a confluência com o eixo Norte-Sul,
às faixas lindeiras à Av. Darcy Vargas, da Av. São Jorge abrangendo a largura de até 300m (trezentos metros) a
até a confluência com a Av. Constantino Nery, abrangendo partir do alinhamento de ambos os lados do logradouro.
a largura de até 300m (trezentos metros) a partir do
alinhamento de ambos os lados do logradouro;
No Corredor Autaz Mirim:
III - Segmento Avenida Darcy Vargas -
I - Segmento Autaz Mirim - corresponde às
corresponde às faixas lindeiras à Av. Darcy Vargas, da
faixas lindeiras à Av. Autaz Mirim, da confluência com a Av.
confluência da Av. Constantino Nery até a rua Recife,
Cosme Ferreira até a Rua N.Sa. da Conceição, abrangendo
abrangendo a largura de até 300m (trezentos metros) a
a largura de até 300m (trezentos metros) a partir do
partir do alinhamento de ambos os lados do logradouro;
alinhamento de ambos os lados do logradouro;
IV - Segmento Avenida Efigênio Sales -
corresponde às faixas lindeiras à Av. Efigênio Sales, da rua II - Segmento N.Sa. da Conceição - corresponde
Recife até a Bola do Coroado, abrangendo a largura de até às faixas lindeiras à Rua N.Sa. da Conceição até a via
300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de ambos projetada Ducke no Corredor Norte, abrangendo a largura
os lados do logradouro. de até 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de
ambos os lados do logradouro.
No Corredor Rodrigo Otávio:
I - Segmento 1 - corresponde às faixas lindeiras No Corredor Leste-Oeste:
à Av. General Rodrigo Otávio, da Av. André Araújo até o I - Segmento Camapuã - corresponde às faixas
igarapé do Quarenta, abrangendo a largura de até 300m lindeiras à via projetada com início na sua confluência com
(trezentos metros) a partir do alinhamento de ambos os a Av. Autaz Mirim, seguindo pela Rua 143 até a confluência
lados do logradouro; desta com a Av. Noel Nutels, abrangendo a largura de até
II - Segmento 2 - corresponde às faixas lindeiras 300m (trezentos metros) a partir do alinhamento de ambos
à Av. General Rodrigo Otávio, do igarapé do Quarenta até os lados dos logradouros;
a Bola da SUFRAMA, abrangendo a largura de até 300m
(trezentos metros) a partir do alinhamento de ambos os II Segmento Noel Nutels corresponde às
lados do logradouro; faixas lindeiras à Av. Noel Nutels, de sua confluência com a
Rua 143 até a sua confluência com a Av. Max Teixeira, e à
III - Segmento 3 - corresponde às faixas Av. Max Teixeira até o seu encontro com a Av. Torquato
lindeiras à Bola da SUFRAMA, à Av. Rodrigo Otávio até a Tapajós, abrangendo a largura de até 300m (trezentos
Av. Presidente Kennedy e à Av. Presidente Kennedy até a metros) a partir do alinhamento de ambos os lados dos
Av. Leopoldo Peres, abrangendo a largura de até 300m logradouros;
(trezentos metros) a partir do alinhamento de ambos os
lados dos logradouros. III - Segmento Sul do Aeroporto - abrange as
faixas lindeiras à via projetada Sul do Aeroporto, da
confluência das avenidas Max Teixeira e Torquato Tapajós
No Corredor Aleixo:
até a Av. do Turismo, abrangendo a largura de até 300m
I - Segmento Av. Paraíba - corresponde às
(trezentos metros) a partir do alinhamento de ambos os
faixas lindeiras à Av. Paraíba, entre as Rua Belém e Av.
lados dos logradouros.
André Araújo, abrangendo a largura de até 300m (trezentos
metros) a partir do alinhamento de ambos os lados do
logradouro; Unidades Espaciais de Transição - UET
II Segmento André Araújo corresponde às NA UET PURAQUEQUARA:
faixas lindeiras à Bola do Coroado, à Av. André Araújo e ao I - Setor urbano abrange à sudeste, o rio
trecho da Av. Paraíba até a Rua Belém, abrangendo a Amazonas; ao norte, o igarapé Boa Vista; à oeste, o
largura de até 300m (trezentos metros) a partir do primeiro afluente da margem direita do Igarapé Boa Vista.
alinhamento de ambos os lados dos logradouros;
III - Segmento Coroado - corresponde às faixas
lindeiras à Av. Cosme Ferreira, da Bola do Coroado até à
46 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

LEI Nº 672/2202

ANEXO III

QUADRO DE INTENSIDADE DE OCUPAÇÃO POR UNIDADE DE ESTRUTURAÇÃO URBANA.


(Alterado pelo Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956 DE 11/03/04 - REPUBLICAÇÃO)

ANEXO III - QUADRO DE INTENSIDADE DE OCUPAÇÃO POR UNIDADE DE ESTRUTURAÇÃO


URBANA
PARÂMETROS PARA INTENSIDADE DE OCUPAÇÃO OBS.
DIRETRIZES PARA Testada Afastamentos Min.
MACROUNIDADES E
INTENSIDADE DE CAMT Gabarito Mínima Tx de
UES Max. da para Ocup.
OCUPAÇÃO Máx. Frontal e
Edificação Verticaliza Max. Laterais
de Fundos
ção (m)
UES PONTA horizontal de baixa
2,0 3 60% 5,00m 2,50m
NEGRA densidade
ORLA RIO NEGRO OESTE

Setor Orla Ponta horizontal de baixa


1,2 3 60% 5,00m 2,50m
Negra densidade
horizontal de baixa Área Institucional
UES CMA 0,6 3 30% 10,00m 5,00m
densidade do Exército
horizontal de alta 1,50m ou
UES COMPENSA(*) 2,0 3 70% 5,00m
densidade 2,50m(****)
Setor Orla vertical de alta
5,4(**) 18 50% 0,2xH(***) 0,25xH(***)
Compensa densidade
UES S. horizontal de alta 1,50m ou
2,0 3 70% 5,00m
RAIMUNDO(*) densidade 2,50m(****)
Setor Orla São vertical de alta
5,4(**) 18 50% 0,2xH(***) 0,25xH(***)
Raimundo densidade
vertical de baixa
UES EDUCANDOS 2,0 3 70% 5,00m 5,00m
densidade
Setor Ponta
horizontal de baixa
Branca/ 1,0 3 50% 5,00m 3,00m
densidade
Amarelinho
Setor Industrial de horizontal de baixa
1,0 3 50% 5,00m 3,00m
Educandos densidade
horizontal de média 1,50m ou
ORLA RIO NEGRO LESTE

UES VILA BURITI 1,5 3 50% 5,00m


densidade. 2,50m(****)
Setor Portuário Vila horizontal de baixa
1,0 3 15,00m 50% 5,00m 5,00m
Buriti densidade
UES horizontal de baixa
1,0 3 50% 5,00m 2,50m
MAUAZINHO(*) densidade
horizontal de baixa
Setor BR-319 0,6 3 30% 10,00m 5,00m
densidade
UES COL.
horizontal de baixa
ANTÔNIO 1,0 3 50% 10,00m 5,00m
densidade
ALEIXO(*)
Setor Portuário horizontal de baixa
0,6 3 50% 10,00m 5,00m
Col. Antônio Aleixo densidade
UES horizontal de baixa
1,0 3 50% 5,00m 2,50m
PURAQUEQUARA densidade
Setor Portuário horizontal de baixa
0,6 3 30% 10,00m 5,00m
Puraquequara densidade
UES
verticalização alta 4,8(**) 18 50% 0,2 x H(***) 0,25 x H(***)
ADRIANÓPOLIS(*)
UES VIEIRALVES(*) verticalização média 4,8(**) 12 50% 0,2 x H(***) 0,25 x H(***)
UES
verticalização média 3,0 12 50% 0,2 x H(***) 0,25 x H(***)
CACHOEIRINHA(*)
CENTRO

UES SÃO verticalização média


3,0 12 50% 0,2 x H(***) 0,25 x H(***)
GERALDO(*) baixa

UES CENTRO verticalização média 4,8(**) 12 90% 0,2 x H(***) 0,25 x H(***)
sem de fundos =
UES CENTRO
verticalização baixa 2,0 4 --------- 85% afastament 5,00m sem
ANTIGO
o afast. laterais
sem de fundos =
Setor Sítio horizontal de alta
2,0 3 --------- 70% afastament 5,00m sem
Histórico densidade
o afast. laterais
47 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

horizontal de alta
UES SÃO JORGE(*) 2,0 3 70% 5,00m 2,50m
densidade
horizontal de baixa
UES ALVORADA(*) 1,0 3 50% 5,00m 2,50m
densidade
UES LÍRIO DO horizontal de baixa
1,0 3 50% 5,00m 2,50m
VALE(*) densidade
horizontal de média
UES FLORES(*) 2,0 3 60% 5,00m 2,50m
densidade
verticalização média
UES PARQUE 10(*) 3,0(**) 6 50% 0,2 x H(***) 0,25 x H(***)
INTEGRAÇÃO

baixa
verticalização média
UES ALEIXO(*) 3,0(**) 6 50% 0,2 x H(***) 0,25 x H(***)
baixa
horizontal de alta 1,50m ou
UES COROADO(*) 2,0 3 70% 5,00m
densidade 2,50m(****)
UES DISTRITO horizontal de baixa
1,0 3 50% 5,00m 2,50m
INDUSTRIAL I (*) densidade
Setor Memorial da
verticalização média 4,8(**) 12 40% 0,2 x H(***) 0,25 x H(***)
Amazônia
horizontal de alta 1,50m ou
UES JAPIIM(*) 2,0 3 70% 5,00m
densidade 2,50m(****)
UES MORRO DA horizontal de alta 1,50m ou
2,0 3 70% 5,00m
LIBERDADE(*) densidade 2,50m(****)
verticalização média
UES ITAPORANGA 3,0(**) 6 15,00m 50% 0,2 x H(***) 0,25 x H(***)
baixa
UES horizontal de média
TARUMÃ-AÇU

2,0 3 60% 5,00m 3,00m


AEROPORTO(*) densidade
UES PRAIA horizontal de baixa
0,6 3 30% 5,00m 3,00m
DOURADA densidade
UES CACHOEIRA horizontal de baixa
0,6 3 30% 5,00m 3,00m
ALTA densidade
horizontal de média
UES TARUMÃ 1,5 3 50% 5,00m 2,50m
densidade
horizontal de alta 1,50m ou
UES SÃO JOSÉ(*) 2,0 3 70% 5,00m
densidade 2,50m(****)
UES TANCREDO horizontal de alta 1,50m ou
2,0 3 70% 5,00m
NEVES densidade 2,50m(****)
LESTE

UES JORGE horizontal de média 1,50m ou


1,5 3 70% 5,00m
TEIXEIRA(*) densidade 2,50m(****)
UES CIDADE horizontal de média 1,50m ou
1,5 3 70% 5,00m
NOVA(*) densidade 2,50m(****)
UES DISTRITO horizontal de baixa
0,5 3 15,00m 30% 10,00m 5,00m
INDUSTRIAL II densidade
UES NOVO horizontal de 1,50m ou
ISRAEL(*) baixa densidade
1,0 3 70% 5,00m
2,50m(****)
DÜCKE

UES STA. horizontal de 1,50m ou


ETELVINA(*) baixa densidade
1,0 3 60% 5,00m
2,50m(****)
horizontal de 1,50m ou
UES BOLÍVIA
baixa densidade
1,0 3 50% 5,00m
2,50m(****)
(*) incluindo eixo(s) de (**) admitida aplicação de Outorga (***) H = altura útil da edificação, (****) para edificação colada em
atividades Onerosa do Direito de Construir e exceto caixa d´água e casa de 1 divisa
Transferência do Direito de Construir, máquinas de elevadores;
com Coeficiente de Aproveitamento afastamento mínimo = 5,00m
Básico do Terreno - CABT =2,0
48 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

LEI Nº 672/2202

ANEXO IV

QUADRO DE INTENSIDADE DE OCUPAÇÃO POR CORREDOR URBANO.


(Alterado pelo Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956 DE 11/03/04 - REPUBLICAÇÃO)

ANEXO IV - QUADRO DE INTENSIDADE DE OCUPAÇÃO POR CORREDOR URBANO


PARÂMETROS PARA INTENSIDADE DE OCUPAÇÃO
DIRETRIZES PARA Testada
CORREDORES/SEGMENTOS INTENSIDADE DE Gabarito Tx. de Afastamentos Mínimos
CAMT min. para Ocupação
OCUPAÇÃO Máx. da
Máximo Frontal e
Edificação verticaliza Max. Lateral
ção de Fundos
SUL/ NORTE

SEGMENTO SUL verticalização alta 4,8(*) 18 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
SEGMENTO CENTRO verticalização média baixa 3,0(*) 6 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
SEGMENTO NORTE verticalização baixa 0,8 4 40% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
TARUMÃ verticalização baixa 0,8 4 40% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
AV.TU-
RISMO

AEROPORTO verticalização baixa 1,5 4 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)


PONTA NEGRA verticalização alta 4,0(*) 18 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
Praia PONTA NEGRA verticalização alta 4,0(*) 18(***) 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
PONTA NEGRA
AV. BRASIL

PONTA NEGRA verticalização alta 4,0(*) 18(***) 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
AV. CORONEL
TEIXEIRA
verticalização alta 4,0(*) 18 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
AV. BRASIL verticalização média baixa 2,0 6 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
BOULEVARD verticalização alta 4,8(*) 18 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
BD. AMA-
ZONAS

CACHOEIRINHA verticalização alta 4,8(*) 18 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)


LEOPOLDO PERES verticalização média baixa 3,0(*) 6 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
DARCY VARGAS

AYAPUÁ verticalização média 4,8(*) 12 40% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)


JACIRA REIS verticalização média 4,8(*) 18 15,00m 40% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
DARCY VARGAS verticalização alta 4,8(*) 18 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
EFIGÊNIO SALES verticalização alta 4,8(*) 18 40% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
RODRI- GO

SEGMENTO 1 verticalização média baixa 3,0(*) 6 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
OTÁVIO

SEGMENTO 2 verticalização baixa 2,4(*) 4 60% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)


SEGMENTO 3 verticalização baixa 2,0 4 60% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
AV. PARAÍBA verticalização alta 4,8(*) 18 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
ALEIXO

ANDRÉ ARAÚJO verticalização alta 4,8(*) 18 30% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
COROADO verticalização média 4,80(*) 12 40% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
SÃO JOSÉ verticalização média baixa 3,0(*) 6 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
AU- TAZ

AUTAZ MIRIM verticalização média baixa 3,0(*) 6 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
MIRIM

N.S.DA CONCEIÇÃO verticalização baixa 2,0 4 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
LESTE- OESTE

SUL DO AEROPORTO verticalização média baixa 1,0 6 40% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)

NOEL NUTELS verticalização média baixa 3,0(*) 6 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)

CAMAPUÃ verticalização baixa 2,0 4 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)

CORREDOR NORTE verticalização baixa 2,0 4 50% 0,2 x H(**) 0,25 x H(**)
(*) admitida aplicação de Outorga Onerosa do Direito de (**) H = altura útil da edificação, exceto caixa d´água e casa de máquinas
Construir e Transferência do Direito de Construir, com de elevadores; afastamento mínimo = 5,00m (***) Parâmetros de
Coeficiente de Aproveitamento Básico do Terreno - CABT = verticalização não permitidos para os lotes situados no Setor Orla da
2,0. Ponta Negra
49 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

LEI Nº 672/2002

ANEXO V

QUADRO DE INTENSIDADE DE OCUPAÇÃO POR UNIDADE ESPACIAL DE TRANSIÇÃO


(Alterado pelo Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956 DE 11/03/04 - REPUBLICAÇÃO)

DIRETRRIZES PARÂMETROS PARA INTENSIDADE DE OCUPAÇÃO


UNIDADES ESPACIAIS DE
PARA
TRANSIÇÃO/SETORES Gabarito Taxa de Afastamentos Mínimos
INTENSIDADE CAMT
URBANOS Máximo de Ocupação Frontal e de
DE OCUPAÇÃO Máxima Lateral
Edificação Máxima Fundos
ocupação
UET PRAIA DA LUA horizontal 0,2 2 20% 10,00m 5,00m
densidade
ocupação
UET MARIANO horizontal 0,6 2 30% 5,00m 2,50m
densidade
ocupação
UET DUCKE horizontal 0,2 2 10% 10,00M 5,00M
densidade
ocupação
UET PURAQUEQUARA horizontal 0,2 2 10% 10,00M 5,00M
densidade
ocupação
Setor Urbano horizontal 1 2 50% 5,00m 2,50m
densidade

LEI Nº 672/2202

ANEXO VI

QUADRO DE USOS E ATIVIDADES POR UNIDADE DE ESTRUTURAÇÃO URBANA UES


(Alterado pelo Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956 DE 11/03/04 - REPUBLICAÇÃO)
Republicado por haver saído com omissão (D.O.M. Nº 965 de 24/03/04)

MACROUNIDADES E USO E ATIVIDADES


UNIDADES DE ATIVIDADES
DIRETRIZES USOS PERMITIDOS OBS
ESTRUTURAÇÃO URBANA PERMITIDAS
UES PONTA NEGRA reforço ao turismo e lazer; usos residencial unifamiliar;
atividades tipo 1,
e atividades condicionados à comercial; de serviços;
tipo 2** e
preservação do patrimônio industrial.
tipo 3**
ambiental e paisagismo.
Setor Orla Ponta predominância do uso de residencial unifamiliar;
Negra comércio e de serviços, com comercial; de serviços; atividades tipo 1,
apoio às atividades de turismo e industrial. tipo 2**
lazer.
predominância do uso de residencial unifamiliar;
institucional; tolerância para e multifamiliar;
atividades tipo 1,
UES CMA usos residencial, comercial e de comercial; de serviços;
tipo 2**
serviços compatibilizadas ao uso industrial.
institucional.
ORLA DO RIO NEGRO OESTE

manutenção das atividades residencial unifamiliar


existentes; integração de e multifamiliar;
atividades tipo 1,
UES COMPENSA atividades comerciais, de serviço comercial; de serviços;
tipo 2**
e industriais, compatibilizadas ao industrial.
uso residencial.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; integração de e multifamiliar;
atividades tipo 1,
Eixos de atividades* atividades comerciais, de serviço comercial; de serviços;
tipo 2 e tipo 3**
e industriais, compatibilizadas ao industrial.
uso residencial.
integração das atividades de residencial unifamiliar
comércio e de serviços ao uso e multifamiliar; atividades tipo 1,
Setor Orla Compensa
residencial, com apoio ao comercial; de serviços; tipo 2**
turismo e lazer. industrial.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; integração de e multifamiliar;
atividades tipo 1,
UES SÃO RAIMUNDO atividades comerciais, de serviço comercial; de serviços;
tipo 2**
e industriais, compatibilizadas ao industrial.
uso residencial.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; integração de e multifamiliar;
atividades tipo 1,
Eixos de Atividades* atividades comerciais, de serviço comercial; de serviços;
tipo 2 e tipo 3**
e industriais, compatibilizadas ao industrial.
uso residencial.
50 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; inclusive as e multifamiliar;
atividades tipo 1,
Setor Orla São portuárias e as vinculadas à comercial; de serviços;
tipo 2 e tipo 3 e
Raimundo navegação fluvial; integração de industrial.
tipo 4**
atividades comerciais, de serviço
e industriais ao uso residencial.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; integração de e multifamiliar;
atividades tipo 1,
UES EDUCANDOS atividades comerciais, de serviço comercial; de serviços;
tipo 2**
e industriais, compatibilizadas ao industrial.
uso residencial.
integração de atividades residencial unifamiliar
Setor Ponta comerciais, de serviço e e multifamiliar; atividades tipo 1,
Branca/Amarelinho industriais, ao uso residencial; comercial; de serviços; tipo 2** e tipo 3**
apoio ao turismo e lazer. industrial.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
Setor Industrial de existentes; integração de e multifamiliar;
tipo 2, tipo 3 e tipo
Educandos atividades comerciais, de serviço comercial; de serviços;
4.
e industriais. industrial.
usos e atividades compatíveis
com a presença de
estabelecimentos portuários e/ou residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
vinculados ao Distrito Industrial e e multifamiliar;
UES VILA BURITI tipo 2, tipo 3 e tipo
às áreas institucionais; tolerância comercial; de serviços;
4.
para o uso residencial em industrial.
condições que garantam
adequada habitabilidade.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; inclusive as e multifamiliar;
atividades tipo 1,
portuárias e as institucionais; comercial; de serviços;
Setor Orla Vila Buriti tipo 2, tipo 3, tipo
predominância de atividades industrial.
4 e tipo 5
comerciais, de serviço e
industriais.
atividades compatíveis com uso residencial unifamiliar
residencial e a significativa e multifamiliar;
atividades tipo 1,
UES MAUAZINHO presença de áreas de fragilidade comercial; de serviços;
tipo 2**
ORLA DO RIO NEGRO LESTE

ambiental e de habilitação de industrial.


interesse social.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; integração de e multifamiliar; atividades tipo 1,
Eixo de atividades* atividades comerciais, de serviço comercial; de serviços; tipo 2, tipo 3** e
e industriais, compatibilizadas ao industrial. tipo 4**
uso residencial.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; inclusive as e multifamiliar;
portuárias e as institucionais; comercial; de serviços;
atividades tipo 1,
integração de atividades industrial.
Setor BR-319 tipo 2, tipo 3, tipo
comerciais, de serviço e
4 e tipo 5
industriais ao uso residencial,
sobretudo voltadas ao turismo e
lazer.
atividades compatíveis com residencial unifamiliar
áreas de fragilidade ambiental; e multifamiliar;
UES COLÔNIA atividades tipo 1,
usos e atividades e comercial; de serviços;
ANTÔNIO ALEIXO tipo 2**
condicionados à preservação industrial
dos recursos naturais.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; integração de e multifamiliar; atividades tipo 1,
Eixo de atividades* atividades comerciais, de serviço comercial; de serviços; tipo 2, tipo 3, tipo
e industriais, compatibilizadas ao industrial. 4**
uso residencial.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; inclusive as e multifamiliar;
atividades tipo 1,
Setor Orla Col. Antônio portuárias e as institucionais; comercial; de serviços;
tipo 2, tipo 3, tipo
Aleixo predominância de atividades industrial.
4 e tipo 5
comerciais, de serviço e
industriais.
atividades compatíveis com residencial unifamiliar
áreas de fragilidade ambiental; e multifamiliar;
UES atividades tipo 1,
usos e atividades e comercial; de serviços;
PURAQUEQUARA tipo 2**
condicionados à preservação industrial
dos recursos naturais.
manutenção das atividades residencial unifamiliar
existentes; inclusive as e multifamiliar;
atividades tipo 1,
Setor Orla portuárias e as institucionais; comercial; de serviços;
tipo 2, tipo 3, tipo
Puraquequara predominância de atividades industrial.
4 e tipo 5
comerciais, de serviço e
industriais.
51 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES ADRIANOPÓLIS
uso residencial comercial; de serviços; tipo 2** e 3***
industrial.
integração de atividades residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comerciais e de serviços, e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2, tipo 3*** e
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços;
tipo 4***
residencial. industrial.
residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES VIEIRALVES
uso residencial comercial; de serviços; tipo 2**
industrial.
integração de atividades residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comerciais e de serviços, e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2, tipo 3*** e
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços;
tipo 4***
residencial. industrial.
residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES CACHOEIRINHA
uso residencial comercial; de serviços; tipo 2 e tipo 3***
industrial.
integração de atividades residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comerciais e de serviços, e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2, tipo 3** e
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços;
CENTRO

tipo 4***
residencial. industrial.
residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES SÃO GERALDO
uso residencial comercial; de serviços; tipo 2**
industrial.
integração de atividades residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comerciais e de serviços, e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2, tipo 3*** e
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços;
tipo 4***
residencial. industrial.
predominância dos usos residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comercial e de serviços; e multifamiliar;
UES CENTRO tipo 2, tipo 3** e
tolerância para uso residencial, comercial; de serviços;
tipo 4***
em condições especiais. industrial.
usos e atividades compatíveis
com a diversidade comercial e a
residencial unifamiliar
concentração de bens de atividades tipo 1,
UES CENTRO e multifamiliar;
interesse cultural, com incentivo tipo 2, tipo 3** e
ANTIGO comercial; de serviços;
às atividades de comércio e tipo 4***
industrial.
serviços e exigências para
adequação do uso residencial.
usos e atividades condicionados
à presença dos bens tombados; residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
integração de atividades e multifamiliar;
Setor Sítio Histórico tipo 2, tipo 3** e
comerciais, de serviços e comercial; de serviços;
tipo 4***
industriais com o uso industrial.
residencial.
integração de atividades residencial unifamiliar
comerciais e de serviços ao uso e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES SÃO JORGE
residencial. comercial; de serviços; tipo 2**
industrial.
reforço à mistura de usos
existentes, representada,
residencial unifamiliar
inclusive, pela presença atividades tipo 1,
e multifamiliar;
Eixos de atividades* significativa de uso instrucional; tipo 2 e tipo 3*** e
comercial; de serviços;
integração de atividades tipo 4***
industrial.
comerciais e de serviços ao uso
residencial.
INTEGRAÇÃO

atividades compatíveis com o residencial unifamiliar


uso residencial e com a e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES ALVORADA proximidade do Aeroporto comercial; de serviços; tipo 2** e tipo
Internacional de Manaus e de industrial 3***
recursos naturais.
integração de atividades
comerciais e de serviços,
compatibilizadas ao uso residencial unifamiliar atividades tipo 1,
residencial. e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2 e tipo
comercial; de serviços;
3*** e tipo 4***
industrial.

residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES LÍRIO DO VALE
uso residencial comercial; de serviços; tipo 2** e tipo 3**
industrial.
52 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
integração de atividades residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comerciais e de serviços, e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2 e tipo
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços;
3*** e tipo 4***
residencial. industrial.
residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES FLORES
uso residencial comercial; de serviços; tipo 2**
industrial.
integração de atividades residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comerciais e de serviços, e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2 e tipo
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços;
3*** e tipo 4***
residencial. industrial.
integração de atividades residencial unifamiliar
comerciais e de serviços, e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES PARQUE 10
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços; tipo 2** e tipo 3***
residencial. industrial.
reforço ao centro de comércio e residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
serviços existente; integração de e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2 e tipo
atividades comerciais e de comercial; de serviços;
3*** e tipo 4***
serviços com o uso residencial. industrial.
residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES ALEIXO
uso residencial. comercial; de serviços; tipo 2
industrial.
integração de atividades residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comerciais e de serviços, e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2 e tipo
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços;
3*** e tipo 4***
residencial. industrial.
atividades compatíveis com o residencial unifamiliar
uso residencial e com a e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES COROADO
proximidade de área de comercial; de serviços; tipo 2
preservação ambiental. industrial.
integração de atividades residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comerciais e de serviços, e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2 e tipo
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços;
3*** e tipo 4***
residencial. industrial.
atividades de apoio e residencial unifamiliar
compatíveis com a e multifamiliar;
atividades tipo 1,
predominância do uso industrial; comercial; de serviços;
UES DISTRITO I tipo 2, tipo 3, tipo
tolerância para o uso residencial industrial.
4 a tipo 5
adequadas às condições de
habitabilidade.
somente
atividades
estimulo à concentração de residencial unifamiliar
atividades tipo 1, tipos 4 e 5
Setor Memorial da atividades de comércio e e multifamiliar;
tipo 2 e tipo voltadas
Amazônia serviços, sobretudo voltadas ao comercial; de serviços;
3, tipo 4 e tipo 5 para o
turismo e lazer. industrial.
turismo e
lazer.
somente
atividades
estimulo à concentração de residencial unifamiliar
atividades tipo 1, tipos 3 e 4
atividades de comércio e e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2 e tipo voltadas
serviços, sobretudo voltadas ao comercial; de serviços;
3 e tipo 4 para o
turismo e lazer. industrial.
turismo e
lazer.
integração de atividades residencial unifamiliar
comerciais e de serviços, e multifamiliar; atividade tipo 1
UES JAPIIM
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços; tipo 2**
residencial. industrial.
reforço ao centro de comércio e
serviços existente, com residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
influência da área central; e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2 e tipo
integração de atividades comercial; de serviços;
3** e tipo 4***
comerciais, de serviços e industrial.
industriais ao uso residencial.
integração de atividades residencial unifamiliar
UES MORRO DA comerciais e de serviços, e multifamiliar; Atividades tipo 1
LIBERDADE compatibilizadas ao uso comercial; de serviços; tipo 2
residencial. industrial.
reforço ao centro de comércio e
serviços existentes, com residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
influência da área central; e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2 e tipo
integração de atividades comercial; de serviços;
3** e tipo 4***
comerciais, de e industriais ao industrial.
uso residencial.
53 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

residencial unifamiliar
usos e atividades condicionados e multifamiliar; atividades tipo 1
UES ITAPORANGA
à proteção aos recursos naturais comercial; de serviços; tipo 2***
industrial.
usos e atividades condicionados residencial unifamiliar
à presença de área institucional e multifamiliar; atividades tipo 1
UES AEROPORTO
e à proteção dos recursos comercial; de serviços; tipo 2***
naturais. industrial.
predominância do uso de residencial unifamiliar
atividades tipo 1,
comércio e de serviços, com e multifamiliar;
Eixo de atividades* tipo 2, tipo 3** e
apoio às atividades de turismo e comercial; de serviços;
tipo 4**
lazer. industrial.
somente
atividades
TARUMÃ-AÇU

residencial unifamiliar
tipo 2
UES PRAIA usos e atividades condicionados e multifamiliar; atividades tipo 1,
voltadas
DOURADA à proteção aos recursos naturais comercial; de serviços; tipo 2
para o
industrial.
turismo e
lazer.
somente
atividades
residencial unifamiliar
tipo 2
UES CACHOEIRA usos e atividades condicionados e multifamiliar; atividades tipo 1,
voltadas
ALTA à proteção aos recursos naturais comercial; de serviços; tipo 2
para o
industrial.
turismo e
lazer.
somente
atividades
residencial unifamiliar
tipo 2
usos e atividades condicionados e multifamiliar; atividades tipo 1,
UES TARUMÃ voltadas
à proteção aos recursos naturais comercial; de serviços; tipo 2
para o
industrial.
turismo e
lazer.
residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o
e multifamiliar;
uso residencial e com a atividades tipo 1,
UES SÃO JOSÉ comercial; de serviços;
presença de ocupações tipo 2
industrial.
irregulares.
integração de atividades residencial unifamiliar
atividade tipo 1
comerciais e de serviços, e multifamiliar;
Eixos de atividades tipo 2, tipo 3** e
compatibilizadas ao uso comercial; de serviços;
tipo 4**
residencial. industrial.
atividades compatíveis com o residencial unifamiliar
UES TANCREDO uso residencial e com a e multifamiliar; atividades tipo 1,
NEVES presença de ocupações comercial; de serviços; tipo 2
irregulares. industrial.
usos e atividades condicionados residencial unifamiliar
UES JORGE à fragilidade ambiental da e multifamiliar;
atividades tipo 1
TEIXEIRA unidade e à proximidade de comercial; de serviços;
áreas de proteção ambiental. industrial.
LESTE

residencial unifamiliar
integração de atividades atividades tipo 1,
e multifamiliar;
Eixos de atividades* comerciais e de serviços ao uso tipo 2**, tipo 3*** e
comercial; de serviços;
residencial. tipo 4***
industrial.
residencial unifamiliar
integração de atividades
e multifamiliar; atividades tipo 1 e
UES CIDADE NOVA comerciais e de serviços ao uso
comercial; de serviços; tipo 2**
residencial.
industrial.
reforço ao centro de comércio e
serviços existente, com residencial unifamiliar
atividades tipo 1 e
influência da área central; e multifamiliar;
Eixos de atividades* tipo 2, tipo 3*** e
integração de atividades comercial; de serviços;
tipo 4***
comerciais e de serviços ao uso industrial.
residencial.
atividades de apoio e residencial unifamiliar
compatíveis com o e multifamiliar;
atividades tipo 1,
predominância do uso industrial; comercial; de serviços;
UES DISTRITO II tipo 2, tipo 3 tipo 4
tolerância para o uso residencial industrial.
e tipo 5
adequadas às condições de
habitabilidade.
residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o
e multifamiliar;
UES NOVO ISRAEL uso residencial e com a proteção atividades tipo 1
comercial; de serviços;
dos recursos naturais.
DUCKE

industrial.
Estimulo às atividades
residencial unifamiliar
comerciais e de serviços, atividades tipo 1 e
e multifamiliar;
Eixos de atividades* compatibilizadas ao uso tipo 2, tipo 3** e
comercial; de serviços;
residencial, com cuidados tipo 4**
industrial.
ambientais.
54 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o
UES SANTA e multifamiliar;
uso residencial e com a proteção atividades tipo 1
ETELVINA comercial; de serviços;
dos recursos naturais.
industrial.
Estimulo às atividades
residencial unifamiliar
comerciais e de serviços, atividades tipo 1 e
e multifamiliar;
Eixos de atividades* compatibilizadas ao uso tipo 2, tipo 3** e
comercial; de serviços;
residencial, com cuidados tipo 4**
industrial.
ambientais.
residencial unifamiliar
atividades compatíveis com o
e multifamiliar;
UES BOLÍVIA uso residencial e com a proteção atividades tipo 1
comercial; de serviços;
dos recursos naturais.
industrial.

* -relação no Anexo II desta Lei *** - exceto para uso industrial e comércio atacadista
** - exceto para uso industrial

LEI Nº 672/2002

ANEXO VII

QUADRO DE USO E ATIVIDADE POR CORREDOR URBANO


(Alterado pelo Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956 DE 11/03/04 - REPUBLICAÇÃO)

USOS E ATIVIDADES
CORREDORES
URBANOS/SEGMENTOS USOS ATIVIDADES
DIRETRIZES OBSERVAÇÕES
PERMITIDOS PERMITIDAS
predominância de usos
comercial e de serviços, residencial
Para serviços de
de expansão da área unifamiliar e
atividades tipo 1, reparação e
central, com estímulo às multifamiliar;
SEGMENTO SUL tipo 2*, tipo 3* e indústria, área útil
atividades não geradoras comercial; de
tipo 4* principal inferior a
de tráfego: tolerância para serviços;
500m2
o uso residencial em industrial
condições adequadas.
predominância de usos
comercial e de serviços,
de expansão da área residencial
SUL/NORTE

central, com estímulo às unifamiliar e


atividades tipo 1,
atividades não geradoras multifamiliar;
SEGMENTO CENTRO tipo 2, tipo 3,
de tráfego: tolerância para comercial; de
tipo 4* e tipo 5*
o uso residencial em serviços;
condições adequadas; industrial
reforço ou criação de
novos centros.
atividades de apoio e
compatíveis com a residencial
predominância do uso unifamiliar e
atividades tipo 1,
industrial e com a multifamiliar;
SEGMENTO NORTE tipo 2, tipo 3,
presença de grandes comercial; de
tipo 4 e tipo 5
glebas e lotes: tolerância serviços;
para o uso residencial em industrial
condições adequadas.
reforço à criação de
centro de comércio e
residencial
serviços, compatíveis com
unifamiliar e
AVENIDA DO TURISMO

a presença de grandes Atividades tipo


multifamiliar;
TARUMÃ glebas, com cuidados 1, tipo2*, tipo 3*
comercial; de
ambientais; integração de e tipo 4*
serviços;
atividades comerciais e
industrial
de serviços ao uso
residencial.
reforço ao centro de
residencial
comércio e serviços
unifamiliar e
existente; integração de atividades tipo 1,
multifamiliar;
AEROPORTO atividades comerciais e tipo 2, tipo 3* e
comercial; de
de serviços ao uso tipo 4*
serviços;
residencial, com cuidados
industrial
ambientais.
55 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

reforço ao centro de
comércio e serviços residencial
existente; sobretudo de unifamiliar e
turismo e lazer, com multifamiliar; atividades tipo 1,
PONTA NEGRA
cuidados ambientais; comercial; de tipo 2** e tipo 3**
integração de atividades serviços;
comerciais e de serviços industrial
ao uso residencial.
residencial
integração de atividades unifamiliar e
atividades tipo 1,
Praia PONTA NEGRA comerciais e de serviços multifamiliar;
tipo 2** e tipo 4**
ao uso residencial. comercial; de
serviços
reforço às atividades de
AVENIDA BRASIL/PONTA NEGRA

comércio e serviços residencial


existentes; sobretudo de unifamiliar e
atividades tipo 1,
turismo e lazer, com multifamiliar;
PONTA NEGRA tipo 2*, tipo 3** e
cuidados ambientais; comercial; de
tipo 4**
integração de atividades serviços;
comerciais e de serviços industrial
ao uso residencial.
reforço às atividades de residencial
comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
AV. CORONEL existente; integração de multifamiliar;
tipo 2*, tipo 3* e
TEIXEIRA atividades comerciais, de comercial de
tipo 4*
serviços ao uso serviços;
residencial. industrial
residencial
reforço ao centro de
unifamiliar e
comércio e serviços atividades tipo 1,
multifamiliar;
AVENIDA BRASIL existente; integração de tipo 2*, tipo 3* e
comercial de
atividades comerciais, de tipo 4*
serviços;
serviços e residênciais.
industrial
predominância dos usos
comercial e de serviços, residencial
de expansão da área unifamiliar e
atividades tipo 1,
central, com estímulo às multifamiliar;
BOULEVARD tipo 2*, tipo 3* e
atividades não geradoras comercial; de
tipo 4*
de tráfego; tolerância para serviços;
o uso residencial em industrial
BOULEVARD AMAZONAS

condições adequadas.
predominância dos usos
comercial e de serviços, residencial
de expansão da área unifamiliar e
atividades tipo 1,
central, com estímulo às multifamiliar;
CACHOEIRINHA tipo 2*, tipo 3* e
atividades não geradoras comercial; de
tipo 4*
de tráfego; tolerância para serviços;
o uso residencial em industrial
condições adequadas.
predominância dos usos
comercial e de serviços, residencial
de expansão da área unifamiliar e
atividades tipo 1,
central, com estímulo às multifamiliar;
LEOPOLDO PERES tipo 2*, tipo 3* e
atividades não geradoras comercial; de
tipo 4*
de tráfego; tolerância para serviços;
o uso residencial em industrial
condições adequadas.
residencial
estímulo aos usos
unifamiliar e
comercial e de serviços; atividades tipo 1,
multifamiliar;
DARCY VARGAS

AYAPUÁ integração de atividades tipo 2*, tipo 3* e


comercial; de
comerciais e de serviços tipo 4*
serviços;
ao uso residencial.
industrial
residencial
estímulo aos usos
unifamiliar e
comercial e de serviços; atividades tipo 1,
multifamiliar;
JACIRA REIS integração de atividades tipo 2*, tipo 3* e
comercial; de
comerciais e de serviços tipo 4*
serviços;
ao uso residencial.
industrial
56 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
predominância dos usos
comercial e de serviços, residencial
de expansão da área unifamiliar e
atividades tipo 1,
central, com estímulo às multifamiliar;
DARCY VARGAS tipo 2*, tipo 3*,
atividades não geradoras comercial; de
tipo 4* e tipo 5*
de tráfego; tolerância para serviços;
o uso residencial em industrial
condições adequadas.
reforço ao centro de residencial
comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
existentes; integração de multifamiliar;
EFIGÊNIO SALES tipo 2*, tipo 3* e
atividades comerciais de comercial; de
tipo 4*
serviços ao uso serviços;
residencial. industrial
reforço ao centro de residencial
comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
existente; integração de multifamiliar;
SEGMENTO 1 tipo 2*, tipo 3* e
atividades comerciais de comercial; de
tipo 4*
serviços ao uso serviços;
RODRIGO OTÁVIO

residencial. industrial
reforço ao centro de residencial
comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
existente; integração de multifamiliar;
SEGMENTO 2 tipo 2, tipo 3,
atividades comerciais, de comercial; de
tipo 4* e tipo 5*
serviços e industriais ao serviços;
uso residencial. industrial
reforço ao centro de residencial
comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
existente; integração de multifamiliar;
SEGMENTO 3 tipo 2, tipo 3 e
atividades comerciais, de comercial; de
tipo 4*
serviços e industriais ao serviços;
uso residencial. industrial
predominância de usos
para comércio
comercial e de serviços, residencial
atacadista,
de expansão da área unifamiliar e
atividades tipo 1, serviços de
central, com estímulo às multifamiliar;
AVENIDA PARAÍBA tipo 2*, tipo 3* e reparação e
atividades não geradoras comercial; de
tipo 4* industria, área útil
de tráfego; tolerância para serviços;
principal inferior a
o uso residencial em industrial
500m2
condições adequadas.
reforço ao centro de residencial
comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
existente; integração de multifamiliar;
AV. ANDRÉ ARAÚJO tipo 2*, tipo 3* e
atividades comerciais e comercial; de
tipo 4*
de serviços ao uso serviços;
ALEIXO

residencial. industrial
reforço ao centro de residencial
comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
existente; integração de multifamiliar;
COROADO tipo 2*, tipo 3* e
atividades comerciais e comercial; de
tipo 4*
de serviços ao uso serviços;
residencial. industrial
atividades de apoio e
compatíveis com a residencial
predominância do uso unifamiliar e
atividades tipo 1,
industrial e com a multifamiliar;
SÃO JOSÉ tipo 2, tipo 3* e
presença de grandes comercial; de
tipo 4*
glebas e lotes; tolerância serviços;
para o uso residencial em industrial
condições adequadas.
reforço ao centro de residencial
comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
existente; integração de multifamiliar;
AUTAZ MIRIM tipo 2, tipo 3* e
AUTAZ MIRIM

atividades comerciais e comercial; de


tipo 4*
de serviços ao uso serviços;
residencial. industrial
reforço ao centro de residencial
comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
N. SRA. DA existente; integração de multifamiliar;
tipo 2, tipo 3* e
CONCEIÇÃO atividades comerciais e comercial; de
tipo 4*
de serviços ao uso serviços;
residencial. industrial
57 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

reforço ao centro de residencial


comércio e serviços unifamiliar e
atividades tipo 1,
existente; -integração de multifamiliar;
CAMAPUÃ tipo 2, tipo 3* e
atividades comerciais e comercial; de
tipo 4*
de serviços ao uso serviços;
residencial. industrial
reforço ao centro de residencial
LESTE/OESTE

comércio e serviços unifamiliar e


atividades tipo 1,
existente; integração de multifamiliar;
NOEL NUTELS tipo 2, tipo 3*,
atividades comerciais e comercial; de
tipo 4* e tipo 5*
de serviços ao uso serviços;
residencial. industrial
integração de atividades
comerciais e de serviços residencial
ao uso residencial; unifamiliar e
compatibilização com multifamiliar; atividades tipo 1
SUL DO AEROPORTO
áreas de proteção comercial; de e tipo 2*
ambiental e proximidade serviços;
do Aeroporto industrial
Internacional.
reforço à criação de
residencial
centro de comércio e
unifamiliar e
serviços, com cuidados atividades tipo 1,
multifamiliar;
CORREDOR NORTE ambientais; integração de tipo 2, tipo 3* e
comercial; de
atividades comerciais e tipo 4*
serviços;
de serviços ao uso
industrial
residencial.

* - exceto para o uso industrial ** - exceto para o uso industrial, o comércio atacadista, as oficinas e os serviços de
reparação

LEI Nº 672/2002

ANEXO VIII

QUADRO DOS USOS E ATIVIDADES POR UNIDADE ESPACIAL DE TRANSIÇÃO UET

USOS E ATIVIDADES
UET/SETORES URBANOS
DIRETRIZES ATIVIDADES PERMITIDAS
Compatibilização das residências habitação e atividades de apoio ao uso residencial (comércio
permanentes e de recreio com varejista e serviços de âmbito local e equipamentos
atividades vinculadas ao turismo comunitários);
ecológico e com o uso agrícola e com as atividades relacionadas ao lazer e ao turismo;
UET PURAQUEQUARA
atividades de apoio à produção agrícola. atividades educacionais e científicas relacionadas à proteção da
fauna, da flora e da paisagem;
atividades extrativas, produtivas e complementares à produção
agrícola.
usos e atividades condicionados à habitação e atividades tipo 1 dos usos comercial, de serviços e
Setor urbano
proteção dos recursos naturais. industrial, com área computável inferior a 200m².
compatibilização das residências habitação e atividades de apoio ao uso residencial (comercio
permanentes e de recreio com o uso varejista e serviços de âmbito local e equipamentos comutarios);
agrícola e com as atividades de apoio à atividades relacionadas ao lazer e ao turismo;
UET DUCKE produção agrícola. atividades educacionais e científicas relacionadas à proteção da
fauna, da flora e da paisagem;
atividades extrativas, produtivas e vinculadas à produção
agrícola.
integração dos usos residencial, habitação e atividades de apoio ao uso residencial (comercio
industrial e agrícola que não ofereçam varejista e serviços de âmbito local e equipamentos
impacto ambiental significativo e comunitários);
apresentem grande escala de operação. indústrias vinculada à produção rural, exclusive de produtos
agrotóxicos e fertilizantes;
UET MARIANO
atividades de apoio à produção agroindustrial;
atividades educacionais e científicas relacionadas à proteção da
fauna, da flora e da paisagem;
atividades vinculadas à produção agrícola e extrativa.

compatibilização das residências habitação e atividades de apoio ao uso residencial (comércio


permanentes e de recreio com varejista e serviços de âmbito local e equipamentos
atividades vinculadas ao turismo comunitários);
ecológico e com o uso agrícola e com as atividades relacionadas ao lazer e ao turismo;
UET PRAIA DA LUA
atividades de apoio à produção agrícola. atividades educacionais e cientificas relacionadas à proteção da
fauna, da flora e, e da paisagem;
atividades extrativas, produtivas e complementares à produção
agrícola.
58 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

LEI Nº 672/2002

ANEXO IX

QUADRO DE CLASSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES

ATIVIDADES
CLASSIFICAÇÃO DAS
Quanto à natureza Quanto à escala de Condições
ATIVIDADES
operação
não oferecem riscos à Podem conviver com o
segurança nem incômodo à uso residencial sem
vizinhança e não provocam limitações especificas à
ATIVIDADES TIPO 1 pequena e média
impactos significativos ao sua localização
ambiente, à estrutura e à
infra-estrutura.
podem oferecer incômodo podem ser controladas
eventual ou moderado à por meio de normas
vizinhança, tais como edilícias e exigências
ATIVIDADES TIPO 2 pequena e média
ruídos, movimentação urbanísticas.
moderada de veículos ou
riscos de acidentes.
podem oferecer incômodo podem ser controladas
eventual ou moderado à por meio de normas
vizinhança, tais como edilícias e exigências
ATIVIDADES TIPO 3 média e grande
ruídos, movimentação urbanísticas.
moderada de veículos ou
riscos de acidentes.
podem oferecer riscos à exigem controle por meio
segurança ou incômodo à de normas edilícias e
vizinhança e impacto ao exigências urbanísticas e
pequena, média e
ATIVIDADES TIPO 4 ambiente, à estrutura e à através de consulta prévia
grande
infra-estrutura urbana. aos órgãos responsáveis
pelo meio ambiente e pela
circulação viária.
de difícil compatibilização exigem controle por meio
com uso residencial. de normas edilícias e
Oferecendo impacto exigências urbanísticas e
ATIVIDADES TIPO 5 significativo ao ambiente, à média e grande através de consulta prévia
estrutura e à infra-estrutura aos órgãos responsáveis
urbana. pelo meio ambiente e pela
circulação viária.

LEI N° 672/2002 calçados/artefatos de couro


carnes e derivados
confeitaria/bombonière
ANEXO X farmácia/ drogaria/ perfumaria sem manipulação
(Alterado pelo Art. 13º da Lei 752 de 07/01/04 D.O.M. Nº956 ferragem
DE 11/03/04 - REPUBLICAÇÃO) loja de flores e folhagens
joalheria
ENQUADRAMENTO DAS ATIVIDADES livraria
material de construção (acabamento)
ATIVIDADES TIPO 1 material elétrico
ótica
USO COMERCIAL papelaria
Comércio varejista: presentes/artesanatos/souvenirs
antiguidades quitanda
armarinho/bijuterias tabacaria/revistas
armazém/ mercadorias em geral, com predominância
de produtos alimentícios, exceto venda de animais
vivos (com área útil principal inferior a 300m2) USO DE SERVIÇOS
artigos de decoração agência de Correios e Telégrafos
artigos desportivos agência de locação de móveis, louças e semelhantes
artigos de plástico e borracha (sem depósito)
artigos do vestuário agência de viagens e turismo
artigos fotográficos agência telefônica
artigos lotéricos arquivo
bazar asilo
brinquedos barbearia, cabeleireiro, salão de beleza e massagista
59 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

biblioteca laboratório clínico


casas assistenciais reparação e conservação de artigos diversos, jóias e
clínicas e policlínicas sem utilização de caldeiras: relógios, instrumentos musicais, científicos, aparelhos
. banco de sangue de precisão, brinquedos e demais artigos não
. de estética especificados (com área útil principal de até 200m2)
. de repouso e geriatria sauna, duchas e termas sem caldeira
. médica sede de instituição científica e tecnológica
. odontológica templo e local de culto em geral (com área útil principal
confecção sob medida de artigos do vestuário (alfaiate, de até 1.500m2)
costureira) serviços de buffet
consultórios: tinturaria e lavanderia sem caldeira
. médicos
. odontológicos USO INDUSTRIAL
empresa de limpeza sem armazenamento de produtos edição, impressão e outros serviços gráficos (em
químicos estabelecimentos entre 200m2 e 500m2 de área útil
empresa de vigilância sem armazenamento de armas principal)
e munições fabricação de computadores
escritórios profissionais fabricação de artefatos de ourivesaria e joalheria
estúdio de pintura, desenho e escultura fabricação de instrumentos musicais artesanais
galeria de arte fabricação de produtos alimentícios (conservas e
orfanato sucos de frutas, de legumes e outros vegetais;
posto de atendimento médico sorvetes, chocolates e balas; massas alimentícias;
reparação de calçados e demais artigos de couro especiarias, molhos, temperos)
fabricação de produtos de laticínio
USO INDUSTRIAL fabricação de artigos para viagem, calçados e
edição, impressão e outros serviços gráficos (em artefatos diversos
estabelecimentos de até 200m2 de área útil principal) fabricação de artefatos de madeira, palha, cortiça e
fabricação de produtos de padaria, confeitaria e material trançado, exclusive móveis
pastelaria fabricação de produtos de papel
indústria caseira de produtos alimentícios (conservas e fiação, tecelagem e fabricação de artigos têxteis e de
sucos de frutas, de legumes e outros vegetais; vestuário
sorvetes; chocolates, balas etc.)
indústria caseira de produtos de laticínios
indústria caseira de bebidas ATIVIDADES TIPO 3
indústria caseira de artefatos têxteis e peças de USO COMERCIAL
vestuário, inclusive de couro Comércio varejista:
indústria caseira de artefatos de madeira, palha, bar/ café/ lanchonete (com área útil principal superior a
cortiça e material trançado, exclusive móveis 50m2)
indústria caseira de sabões e artigos de perfumaria depósito ou posto de revenda de gás (classe 1 = 40
botijões ou 520kg de peso de GLP e classe 2 = 100
ATIVIDADES TIPO 2 botijões ou 1.300kg de peso de GLP)
USO COMERCIAL eletrodomésticos
Comércio varejista: equipamentos de segurança
artigos religiosos equipamentos de som
bar/ café/ lanchonete (com área útil principal de até máquinas, aparelhos e equipamentos diversos
50m2) móveis
farmácia/drogaria/perfumaria peças e acessórios para veículos
discos e fitas posto de abastecimento
instrumentos médico hospitalares/ material restaurante e pizzaria sem forno a lenha (com área útil
odontológico, aparelhos ortopédicos e equipamentos principal superior a 50m2)
científicos e de laboratórios vidraçaria
padaria sem utilização de forno a lenha
restaurante e pizzaria sem forno a lenha (com área útil USO DE SERVIÇOS
principal de até 50m2) armazém para estocagem de mercadorias em geral
centro cultural (com área útil principal superior a
USO DE SERVIÇOS 1.500m2)
centro cultural (com área útil principal de até 1.500m2) centro esportivo
conselho comunitário e associação de moradores consultório veterinário sem internação e alojamento
creche, escola maternal, centro de cuidados e clube
estabelecimento de ensino pré-escolar escola especial - de línguas, cultura física, artes, entre
entidade de classe e sindical outras (com área útil principal superior a 500m2)
equipamentos administrativos: estabelecimentos de ensino fundamental, médio,
. estadual técnico, profissionalizante e supletivos (com área útil
. federal principal superior a 1.500m2)
. municipal estacionamento de veículos, coberto ou descoberto
escola especial - de línguas, de cultura física, de artes, museu
entre outras (com área útil principal de até 500m2) funilaria
estabelecimentos de ensino fundamental, médio, lavagem e lubrificação
técnico, profissionalizante e supletivos (com área útil entreposto para guarda e estocagem de veículos
principal de até 1.500m2) pintura de placas e letreiros
estúdio fotográfico reparação de artigos de borracha (pneus, câmara de
60 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
ar e outros artigos) agência de locação de caminhões, máquinas e
reparação de artigos de madeira, do mobiliário equipamentos
(móveis, persianas, estofados, colchões etc.) agência de locação de traillers e camionetas
reparação de artigos diversos, jóias e relógios, agência de locação de veículos (automóveis,
instrumentos musicais, científicos, aparelhos de motocicletas e bicicletas)
precisão, brinquedos e demais artigos não agência de sonorização
especificados (com área útil principal superior a banco
200m2) boliches, bilhares e bingos
reparação de instalações elétricas, hidráulicas e de casa noturna (em edificação fechada, com tratamento
gás acústico)
reparação de máquinas e aparelhos elétricos ou não centro de convenção
sede de empresa sem atendimento direto ao público casa de show
templo e local de culto em geral (com área útil principal cinema
superior a 1.500m2) clínica, alojamento e hospital veterinário
clínicas e policlínicas:
USO INDUSTRIAL . de repouso e geriatria
fabricação de artefatos diversos de borracha para uso . médica
doméstico, pessoal, higiênico e farmacêutico . odontológica
fabricação de artigos de plástico . banco de sangue
fabricação de vidro e produtos de vidro depósitos
fabricação de artefatos de gesso e estuque empresa de limpeza e vigilância
fabricação de artigos para viagem, calçados e empresa de taxi, lotação e ônibus
artefatos diversos estabelecimento de ensino superior
fabricação de móveis estação de radiodifusão
fabricação de colchões estação de telefonia
fabricação de produtos diversos (brinquedos e jogos estação de televisão
recreativos; canetas, lápis, fitas impressoras para hospitais:
máquinas e outros artigos para escritório; aviamentos . geral
para costura; escovas, pincéis e vassouras) . pronto socorro
fabricação de produtos cerâmicos não-refratários, . psiquiátrico
exceto artigos sanitários hotel
fabricação de produtos de metal, exclusive máquinas e motel
equipamentos oficinas:
reciclagem de sucatas não-metálicas . de esmaltação
recondicionamento ou recuperação de motores para . de galvanização
veículos automotores . de niquelagem e cromagem
. de reparação e manutenção de veículos automotores
ATIVIDADES TIPO 4 . de retificação de motores
USO COMERCIAL sauna, duchas e termas com caldeira
Comércio varejista: serralheria
centro comercial serviço de ajardinamento
churrascaria teatro
depósito ou posto de revenda de gás (classe 3 = 400 tornearia
botijões ou 5.200kg de peso em GLP)
tinturaria e lavanderia com caldeira
funerária
loja de departamentos
máquinas, aparelhos e equipamentos de grande porte USO INDUSTRIAL
material de construção grande porte (pedra, cimento, abate e preparação de produtos de carne e pescado
areia, etc.) curtimento e outras preparações de couro
padaria com forno a lenha desdobramento de madeira
produtos agrícolas veterinários fabricação de produtos de madeira
restaurante e pizzaria com forno a lenha fabricação de artefatos de cimento e concreto
supermercado fabricação de artefatos diversos de borracha
veículos fabricação e recondicionamento de pneumáticos
fabricação de bebidas
Comércio atacadista: fabricação de bombas e carneiros hidráulicos
alimentos fabricação de máquinas e equipamentos de
bebidas e fumo informática
instrumentos musicais fabricação de máquinas, aparelhos e materiais
máquinas, veículos e equipamentos elétricos
materiais de construção fabricação de material eletrônico básico
materiais óticos e cirúrgicos fabricação de aparelhos telefônicos, sistemas de
mobiliário intercomunicação e semelhantes
papel, artigos para papelarias fabricação de aparelhos e instrumentos para usos
peles e couros médicos-hospitalares, odontológicos e de laboratórios
produtos farmacêuticos e aparelhos ortopédicos
produtos para fotografia e cinematografia fabricação de aparelhos e instrumentos de medida,
vestuários e têxteis teste e controle
fabricação de discos e fitas virgens
USO DE SERVIÇOS fabricação de veículos não-motorizados (bicicletas,
agência de guarda móveis triciclos etc.)
61 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

fabricação de instrumentos musicais fabricação e montagem de veículos automotores


fabricação de produtos cerâmicos fabricação de celulose, papel e produtos
fabricação de tubos e conexões fabricação de cimento
montagem de máquinas e equipamentos fabricação de produtos químicos e farmacêuticos
impressão de material escolar e de material para usos fabricação de fios, cabos e filamentos contínuos
industrial e comercial fabricação de defensivos agrícolas
produção de óleos e gorduras vegetais e animais fabricação de sabões, detergentes, produtos de
reciclagem de sucatas metálicas limpeza e artigos de perfumaria
fabricação de tintas, vernizes, esmaltes, laca e
produtos afins
ATIVIDADES TIPO 5 fabricação adesiva e selantes
USO COMERCIAL fabricação catalisadora
Comércio atacadista: fabricação de aditivos de uso industrial
alimentos armazenados em câmaras frigoríficas fabricação de chapas, filmes, papéis e outros materiais
depósito ou posto de revenda de gás (classe 4 = 3.000 e produtos químicos para fotografia
botijões ou 39.000kg de peso de GLP e classe 5 = fabricação de tubos de ferro e aço
mais de 3.000 botijões ou mais de 39.000kg de peso fabricação de máquinas e equipamentos
de GLP) fabricação de pilhas, baterias e acumuladores
equipamentos e materiais para gráficas incineração de resíduos
minérios, metais, resinas, plásticos, borrachas metalurgia e siderurgia
produção de laminados, relaminados, trefilados e
retrefilados de aço
USO DE SERVIÇOS
sucatas metálicas
casa noturna
empresa de dedetização, desinfecção, aplicação de ATIVIDADES ESPECIAIS
sinteco e pintura de imóveis aeroportos, heliportos, portos, marinas, rodoviária,
empresas de mudança terminais de passageiros e carga etc.
garagem geral (ônibus e outros veículos similares) armazém de container
serviços de construção civil, terraplanagem e cemitérios e crematórios
escavações, pavimentação, estaqueamento, equipamentos especiais esportivos e de lazer
urbanização, demolições, fundações, estruturas e (autódromos, hipódromos, estádios, parques, quadras
concreto, impermeabilização e demais serviços de eventos, parques temáticos, circos, feiras etc.)
similares
extração de minerais metálicos ou não e similares.
transportadora
USO INDUSTRIAL
construção e reparação de embarcações e estruturas
flutuantes
construção e montagem de aeronaves

LEI Nº 672/02

ANEXO XI QUADRO DAS VAGAS DE GARAGEM E ESTACIONAMENTO


(Alterado pelo art. 13º da Lei nº 752 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956 DE 11/03/04)

USOS/ATIVIDADES NÚMERO MÍNIMO DE VAGAS OBSERVAÇÕES


Residencial unifamiliar* 1 vaga por unidade residencial até Nas edificações de uso multifamilia, é
150m2 de área útil obrigatório a previsão de vagas para
Residencial multifamiliar* 2 vagas por unidade residencial entre veículos de visitantes na proporção de
150m2 e 300m2 de área útil 1 vaga para cada 8 unidades
3 vagas por unidade residencial acima residenciais
2
300 m de área útil
Serviços* Terrenos com testada superior a 30m e
2
a) em terrenos com testada entre 6m e 1 vaga/75m de área útil com formato irregular, poderão ser
30m examinados caso a caso pelo órgão
b) em terrenos com testada superior a 1 vaga/50m2 de área útil competente e liberados até o padrão de
30m 1 vaga/75 m2.
Os bancos terão, no mínimo 1 vaga/10
m2 de área útil.
2
Comércio atacadista, indústria e 1 vaga/200m de área útil e no mínimo Os prédios de depósito e industria terão
depósito 2 vagas previsão de vagas para guarda de
veículos de carga em, no mínimo, 20%
das vagas obrigatórias
É obrigatória a previsão de local para
carga e descarga de materiais,
observando a proporção de, no mínimo,
áreas correspondente a 3% das vagas
obrigatórias.
62 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
2
Comércio varejista* 1 vaga/75m de área útil e no mínimo 2
vagas

Restaurantes* 1 vaga/10m2 de área útil dos locais


destinados ao público
2
Galeria comercial e atividades que 1 vaga/50m de área útil
promovam eventos temporários*
2
Centro comercial ou shopping center* 1 vaga/25m de área bruta locável + É obrigatória a previsão de local para
circulação de público carga e descarga de materiais,
observando a proporção de, no mínimo,
área correspondente a 3% das vagas
obrigatórias.
Supermercados 1 vaga/20m2 de área de exposição e É obrigatória a previsão de local para
venda carga e descarga de materiais,
observando a proporção de, no mínimo,
área correspondente a 3% das vagas
obrigatórias.
Hotel* 1 vaga/5 de unidades de alojamento

Apart-hotel 1 vaga/3 de unidades de alojamento

Motel 1 vaga/unidade de alojamento

Creches, pré-escola e maternais* 1 vaga/50m2 de área útil

Escola de ensino fundamental, médio, As escolas particulares de ensino


técnico, profissionalizante ou supletivo: fundamental ou médio, poderão ser
2
Particular 1 vaga/40m de área útil examinados caso a caso pelo órgão
2
Público 1 vaga/75m de área útil competente e liberados até o padrão de
2
1 vaga/55 m
2
Escola superior, cursos preparatórios até 2.000m de área bruta = 1 As escolas particulares de ensino
2
para escola superior e escola especial vaga/20m de área útil de salas de aula superior terão o dobro do número de
2
acima de 2.000m de área bruta = 1 vagas.
2
vaga/25m de área útil de salas de aula É obrigatória a previsão de local de
estacionamento para veículos de
professores e funcionários, acrescendo
a proporção de, no mínimo, área
correspondente a 5% das vagas
obrigatórias.
2
Hospitais e pronto socorro* 1 vaga/50m de área útil É obrigatório a previsão de local para
estacionamento de veículos de
serviços, observando a proporção de,
no mínimo, área correspondente a 3%
das vagas obrigatórias.
Auditório, cinemas e teatros* 1 vaga/4 lugares
2
Centro de eventos, Buffet e Casa de 1 vaga/8m de área útil destinada ao
recepções (*) público
Casas noturnas e de shows
2
sem lugares demarcados 1 vaga/20m de área útil de área útil
destinada ao público
com lugares demarcados 1 vaga/5 unidades
2
Clubes ou serviços de recreação* 1 vaga/50m de área útil Serão computadas, também, as áreas
ocupadas pelo equipamentos de
recreação e lazer
Estádios e ginásio de esportes 1 vaga/10 lugares
2
Igrejas e Templos religiosos 1 vaga/8m de área útil Poderão ser examinados caso a caso
pelo órgão competente e liberados até
2
o padrão de 1 vaga/15 m
Cemitérios e parques - nº de vagas a ser definido pelo órgão competente, considerando as características especiais da
localização e a via

* - exceto na UES Centro Antigo, conforme definido nesta Lei.


63 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

LEI N° 673, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2002 e/ou serviço e autoriza o uso ou ocupação de edificação ou
de instalações de qualquer natureza.
INSTITUI o Código de Obras e Acesso - espaço de aproximação, entrada,
Edificações do Município de trânsito ou passagem.
Manaus, Estado do Amazonas, e dá Acréscimo ou Ampliação - ampliação de uma
outras providências. edificação, quer no sentido horizontal, quer no sentido
vertical.
O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no uso
das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 80, inciso Afastamento - distância entre a edificação e as
IV, da Lei Orgânica do Município. divisas do terreno medida em linha normal às divisas e o
FAZ SABER que o Poder Legislativo decretou e corpo externo mais avançado da edificação, podendo ser:
eu sanciono a presente a) afastamento Frontal - medido entre a
testada e a fachada voltada para o logradouro;
LEI: b) afastamento Lateral - medido entre as
divisas laterais e o edifício;
TÍTULO I
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES c) afastamento de Fundos - medido entre a
divisa de fundos e o edifício.
Art. 1° - Fica instituído o Código de Edificações Águas Servidas - águas residuais ou de
como instrumento de caráter urbanístico do Plano Diretor esgoto.
Urbano e Ambiental de Manaus. Alinhamento - linha que delimita a divisa frontal
de terreno para o logradouro público.
Art. 2° - Este Código tem por objetivo garantir
condições adequadas de habitabilidade, principalmente no Altura da Edificação - comprimento do
que se refere à segurança e à salubridade dos espaços segmento vertical medido ao meio da fachada e
construídos, através da definição de normas e compreendido entre o nível da soleira do pavimento de
procedimentos para a elaboração de projetos, acesso ao edifício, junto a fachada, e a linha horizontal,
licenciamento, execução, utilização e manutenção das passando pelo ponto mais alto do edifício, incluindo-se a
obras e edificações, públicas ou privadas, em todo o caixa d água e a caixa da escada.
território municipal. Alvará de Licença de Obra ou Alvará de
§ 1° - Incluem-se entre as obras referidas Construção - documento de autorização administrativa
neste Código, além de obras novas, reformas, ampliações, para a realização de qualquer obra de construção.
acréscimos, reconstruções e demolições. Andaime - armação provisória, com estrado,
§ 2° - As disposições deste Código deverão destinada a apoiar as atividades de construção de uma
ser utilizadas em complemento às exigências da Lei do edificação.
Plano Diretor Urbano e Ambiental, da Lei de Uso e
Ocupação do Solo e do Código Ambiental de Manaus, sem Andar Térreo ou Pavimento Térreo -
prejuízo do atendimento às normas técnicas oficiais e à pavimento ao rés do chão através do qual se faz o acesso
legislação federal e estadual pertinente. à edificação.
§ 3° - Os projetos e obras em imóveis Apartamento Dúplex - unidade residencial que
tombados ou sujeitos a atos decorrentes de proteção do ocupa mais de um pavimento.
patrimônio cultural no território de Manaus por qualquer Área Aberta - área cujo perímetro é aberto por
esfera de governo serão objeto de lei específica. completo ou em parte.
Área Bruta - somatório das áreas úteis com as
Art. 3° - Ficam estabelecidas as seguintes áreas de projeção das paredes da construção.
diretrizes gerais que norteiam a redação e a aplicação
deste Código: Área de Acumulação - área disponível para os
veículos que aguardam, em estacionamentos ou garagens.
I- subordinação do interesse particular Área de Apoio área destinada ao
ao interesse público; desenvolvimento de atividades auxiliares ou
II - primazia das condições de segurança, complementares à atividade principal. (Incluída pelo Art.
saúde, higiene, salubridade e qualidade ambiental nas 1º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
edificações; Área de Serviços área de apoio ao uso
III - garantia de boas condições de residencial. (Incluída pelo Art. 1º da Lei 751 de 07/01/04,
acessibilidade, circulação e utilização das edificações de D.O.M. Nº 956)
uso público, principalmente por cidadãos com necessidades Área de Uso Comum - é a área de uma
especiais; edificação destinada ao uso coletivo dos condôminos ou
IV - promoção da boa estética ocupantes autorizados, ou aquelas onde são desenvolvidas
arquitetônica, urbanística e paisagística da cidade; as atividades de apoio a administração do prédio.
V- garantia de condições de proteção a
Área Livre - parte do lote de terreno não
integrantes do patrimônio cultural de Manaus, de forma a
ocupada por construção.
evitar a sua destruição, degradação ou ocultação.
Área Non Aedificandi - área do terreno onde
não é permitida a edificação de qualquer natureza, admitida
TÍTULO II apenas construção de muro de arrimo, escadas de acesso,
DAS DEFINIÇÕES obras de canalização e escoamento de águas e
canalização de esgotos.
Área Principal área indispensável a atender
Art. 4° - Para melhor compreensão e aplicação ao uso ou a atividade pretendida. (Incluída pelo Art. 1º da
das disposições deste Código ficam estabelecidas as Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
definições a seguir. Área Útil - área da superfície do piso de um
compartimento ou de uma edificação.
Aceitação - documento expedido por órgão Área Verde - áreas descobertas e permeáveis
público competente que reconhece a execução de obra do terreno, dotadas de vegetação arbórea que contribua
64 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

para o equilíbrio climático e favoreça o serviço de Escada de Escape - escada de emergência de


drenagem de águas pluviais. (Modificado pelo Art. 2º da edificações verticais; (Errata I D.O.M. Nº 660 de
Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956) 20/12/02).
Circulação - designação genérica dos espaços Logradouro público área urbana, bem
necessários à movimentação de pessoas ou veículos; em público de uso comum, designada por um nome próprio ou
uma edificação são os espaços que permitem a identificação numérica;
movimentação de pessoas de um compartimento para o
Escada do Tipo Marinheiro - escada formada
outro ou de um pavimento para outro.
por degraus que não são solidários entre si.
Condomínio de Unidades Autônomas -
grupamento de residências unifamiliares, multifamiliares Escada em Leque escada que possui um ou
ou lotes urbanizados, dispostas de forma horizontal ou mais degraus em forma triangular ou trapezoidal.
vertical, dentro de um mesmo terreno ou quadra, divididas Estacionamento - área coberta ou descoberta,
ou não em lotes, que disponham ou não de serviços de destinada exclusivamente à guarda de veículos, como
apoio e equipamentos de lazer privativos. (Modificado pelo função complementar a um uso ou atividade principal.
Art. 3º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956) Fachada Principal - fachada do edifício voltada
pavimentação revestimento de um piso;. para o logradouro público, sendo no caso do edifício com
Conserto - obra de reconstituição de parte mais de uma fachada, a que dá frente para o logradouro
danificada ou inutilizada de um ou mais elementos de uma mais importante.
construção, não implicando em construção, reconstrução Frente ou Testada do Lote ou Terreno - linha
ou reforma. que coincide com o alinhamento do logradouro público e
Construir - ato de edificar, realizar qualquer destinada a separá-lo da propriedade particular.
obra nova. Gabarito - restrição que limita a altura de uma
Compartimento - espaço coberto e fechado, construção ou edifício.
isolado ou não, de uma edificação e que serve para
Galeria circulação horizontal, com acesso
utilização permanente ou transitória, sem formar unidade
direto para o logradouro público, que une lojas de uma
residencial independente, podendo ser:
mesma edificação.
a) Compartimento de Permanência
Prolongada - caracterizado como espaço habitável que Garagem - edificação destinada exclusivamente
permita permanência confortável por tempo longo ou à guarda de veículos como função complementar a um uso
indeterminado, tal como quarto, sala de estar, de jantar e ou atividade principal, podendo ser:
de lazer, ambiente de estudo e de trabalho e cozinha; a) garagem coletiva - quando vinculada a
b) Compartimento de Permanência mais de uma unidade imobiliária;
Transitória - compartimento caracterizado como espaço b) garagem privativa - quando vinculada a
habitável de permanência confortável por tempo apenas uma unidade imobiliária.
determinado, tal como vestíbulo, corredor, caixa de escada, Gleba - imóvel não parcelado e não edificado,
despensa, depósito, vestiário, banheiro, lavabo e área de una e indivisível, de área igual ou superior a 10.000m2 (dez
serviços. mil metros quadrados).
Desmembramento - forma de parcelamento da Greide - perfil longitudinal de um logradouro em
terra, em dois ou mais lotes com testada para logradouro toda a extensão do trecho considerado.
público existente. Grupamento de Edificações - conjunto de
Demolição - derrubamento parcial ou total de edificações que ocupam um mesmo lote, obedecendo a
uma edificação. uma planificação urbanística pré-estabelecida.
Demolição administrativa - ato do Poder Habitação Econômica - unidade residencial, de
Executivo Municipal que determina a destruição total ou caráter popular, com área útil construída de até 50,00 m²
parcial de uma obra ou edificação em situação de (cinqüenta metros quadrados), executada pelo poder
irregularidade. público ou pela iniciativa privada. (Errata I D.O.M. Nº 660
Depósito - espaço coberto ou edifício destinado de 20/12/02), (Modificado pelo Art. 4º da Lei 751 de
a estocagem de bens; em uma unidade residencial é o 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
compartimento de permanência transitória destinado à
Habite-se - documento expedido por órgão
guarda de utensílios e provisões.
municipal competente que autoriza o uso ou ocupação de
Divisa - linha de limite entre imóveis
um edifício.
confinantes.
Edícula - edificação secundária de pequeno Imóvel Tombado - imóvel de interesse cultural
porte e complementar à edificação principal. protegido por ato administrativo que deve conservar suas
Edificação - construção coberta destinada a características arquitetônicas originais;
abrigar qualquer atividade humana ou qualquer instalação, Instalação Mecânica - conjunto, direto ou com
equipamento ou material, podendo ser: transmissão intermediária, formado por máquina motriz
a) Edificação Permanente - de caráter (motor de qualquer espécie, tipo ou sistema) e de máquina
duradouro, tais como residência, loja e indústria. operatriz, tendo os geradores de vapor fixos ou movíveis e
b) Edificação Transitória - de caráter não os recipientes de vapor sob pressão;
permanente, passível de montagem, desmontagem e Início da Obra - data correspondente à
transporte, tais como circos, parques de diversões, galpões execução de qualquer serviço que modifique as condições
infláveis. da situação existente no imóvel.
Embargo - providência legal tomada pelo Poder Licença - autorização dada pela autoridade
Público Municipal para sustar o prosseguimento de obra ou competente para execução de obra, instalações,
instalação, cuja execução ou funcionamento estejam em localização de uso e exercício de atividades permitidas.
desacordo com as prescrições deste Código. Logradouro Público área urbana, bem
Embasamento - é o conjunto de pavimentos de público de uso comum, designada por um nome próprio ou
uma edificação vertical, localizado acima do nível do solo identificação numérica.
ou do pavimento de subsolo, constituído por até 3 (três) Loja - edificação ou parte desta destinada ao
pavimentos, incluindo o térreo, destinado a garagens e exercício de uma atividade comercial ou de indústria.
atividades de apoio inerente à funcionalidade da edificação; Lote - terreno ou porção de terreno situado à
margem de logradouro público, descrito e assinalado por
Empena - face ou fachada da edificação.
título de propriedade, podendo ser:
Equipamento comunitário edificação ou a) Lote Confrontante - lote de frente a outro
espaço delimitado que abriga um equipamento urbano, lote;
como praça, escola ou posto de saúde.
65 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

b) Lote Lindeiro - lote voltado para o Testada - linha que coincide com o alinhamento
logradouro público. do logradouro e destinada a separar este da propriedade
Meio-Fio - elemento da via pública destinado à particular.
separação do passeio da pista de rolamento. Unidade Imobiliária unidade residencial ou
Mezanino ou Jirau - pavimento intermediário de uso comercial, de serviços ou industrial, que no conjunto
que ocupa parte da área de projeção do pavimento com outras unidades compõe o edifício, de propriedade
imediatamente superior de uma edificação. independente.
Modificação - conjunto de obras destinadas a Unidade Privativa - unidade autônoma de uma
alterar divisões internas e descolar, aumentar, reduzir ou edificação destinada ao uso habitacional, comercial ou de
suprimir vãos. serviços, privativa do condômino ou ocupante autorizado.
Multa - sanção pecuniária imposta por ato Vila - conjunto de habitações independentes em
administrativo do Poder Executivo Municipal, em edifícios isolados, agrupados, geminados e/ou
decorrência de infração à legislação vigente. superpostos, de modo a formarem ruas ou praças
Muro - anteparo destinado a fins provisórios. interiores, sem caráter de logradouro público. (Modificado
Muro de Arrimo - anteparo destinado a suportar pelo Art. 5º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
desnível de terreno. Vistoria Administrativa - diligência efetuada na
Muro de Fechamento - anteparo que circunda forma deste Código, por engenheiros e/ou arquitetos da
todas as divisas de limite de um imóvel. Prefeitura, tendo por fim verificar as condições de uma
Obra - realização de trabalho em imóvel, desde obra, instalação ou exploração de qualquer natureza, em
seu início até sua conclusão, cujo resultado implique em andamento ou paralisada.
alteração de seu estado físico anterior.
Passeio - parte de um logradouro destinada ao TÍTULO III
trânsito de pedestres. DO PROCESSO ADMINISTRATIVO
Pavimentação - revestimento de um piso.
Pavimento-Tipo - é o andar habitável do
edifício que seja ocupado por uma ou mais unidades CAPÍTULO I
privativas ou parte destas, situadas em um mesmo nível. Dos Direitos e Responsabilidades
Piso - superfície base do pavimento.
Pavimento - volume compreendido entre dois Art. 5° - É dever do Poder Executivo Municipal,
pisos consecutivos de uma edificação ou entre um piso e o empresas, concessionários de serviços públicos,
nível superior de cobertura; associações, organizações, instituições, entidades,
Pé-Direito - distância vertical entre o piso e o cidadãos e aqueles implicados em geral no assunto, no
teto de um compartimento. âmbito das suas respectivas atribuições responsabilidades
Pérgula - construção com cobertura vazada, em e competências, se empenharem no atendimento, na
áreas verdes ou áreas de recreação. complementação, no aperfeiçoamento e na divulgação das
Pilotis - área livre formada pelos espaços disposições estabelecidas neste Código. (Modificado pelo
vazios entre os pilares de sustentação de pavimento Art. 6º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
elevado. § 1° - O Poder Executivo Municipal buscará
Poder de Polícia - faculdade de que dispõe o manter convênios de cooperação e mecanismos de
Poder Executivo Municipal para condicionar e restringir o articulação interinstitucionais com a finalidade de promover
uso e gozo de bens, atividades e direitos individuais, em os princípios acima estabelecidos.
benefício da coletividade ou do próprio Estado. § 2° - No processo de exame e aprovação de
Porão volume compreendido entre dois pisos, projetos, o Poder Executivo Municipal, sempre que
localizado geralmente abaixo do nível da rua, cuja altura necessário ou exigido pela legislação, se apoiará em
seja igual ou inferior a 2,20m (dois metros e vinte pareceres dos seus distintos setores técnicos
centímetros), sendo considerado ambiente de permanência especializados no sentido de respaldar seus atos em
temporária. assuntos relacionados a urbanismo, habitação, meio
Profundidade do Lote - distância entre a ambiente, patrimônio histórico e artístico, saúde, vigilância
testada e a divisa oposta, medida segundo uma linha sanitária e outros, conforme o caso.
normal ao alinhamento, avaliando-se a profundidade média § 3° - Além dos setores da administração
quando a forma do lote for irregular; municipal competentes no assunto, constituem potenciais
Reconstrução - ato de construir uma nova intervenientes no processo de aplicação deste Código:
edificação em lote onde já havia anteriormente uma outra I - o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do
edificação que foi demolida para efeito da construção da Amazonas, naquilo que diz respeito à segurança contra
nova edificação. incêndio e pânico e que envolva risco para pessoas,
Remembramento - reagrupamento de um ou instalações ou mercadorias;
mais lotes de uma ou mais propriedades, formando um lote II - os órgãos federais responsáveis pela
maior. proteção do meio ambiente e do patrimônio histórico e
Renovação de Licença - concessão de nova artístico nacional, bem como pela implantação de projetos
licença, antes de expirado o prazo fixado no Alvará de industriais;
Construção. III - os órgãos estaduais responsáveis pela
Rés do Chão - pavimento térreo ou primeiro proteção do meio ambiente e do patrimônio histórico e
pavimento que tem o piso ao nível do terreno circundante artístico estadual, bem como pela implantação de projetos
ou a pouca altura deste. industriais;
Servidão - encargo imposto em imóvel para uso IV - os concessionários dos serviços públicos de
e utilização por terceiros, particular ou público. abastecimento de água, esgotamento sanitário,
Subsolo - espaço, com ou sem divisões, fornecimento de energia elétrica e telefonia;
situado abaixo do primeiro pavimento de um edifício e que V - as empresas fornecedoras de gás para
tenha, pelo menos, metade de seu pé-direito abaixo do abastecimento domiciliar ou industrial;
nível do terreno circundante. VI - o órgão responsável pela fiscalização do
Tapume - vedação vertical feita de madeira ou exercício profissional, no âmbito dos assuntos implicados
outro material, construída em frente a uma obra e ao nível neste Código.
do logradouro, e destinada a isolá-la e proteger os Art. 6° - Os trabalhos de qualquer natureza,
operários e transeuntes. referentes à construção, só serão aceitos ou permitidos
Terreno - propriedade particular, edificada ou pelo Poder Executivo Municipal, se forem assinados e
não. estiverem sob a direção direta e pessoal de profissionais
registrados na forma da lei.
66 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

Art. 7° - Os autores de projetos e construtores § 3° - O deferimento do pedido dependerá da


assumirão inteiramente a responsabilidade pelos seus comprovação do caráter social do projeto, devendo o Poder
trabalhos e pela observância deste Código, ficando sujeitos Executivo Municipal emitir alvará de licença para a
às penas nela previstas. construção sob sua assistência.
§ 4° - O Poder Executivo Municipal poderá
Art. 8° - Quando julgar conveniente, o órgão firmar convênio com o órgão de classe profissional para a
municipal competente pedirá ao CREA-AM a aplicação das prestação de assistência gratuita e responsabilidade
penalidades estatuídas de acordo com a legislação técnica de profissional habilitado para o acompanhamento
profissional em vigor, aos profissionais que: das obras de construção de habitação econômica.
I- cometerem reiteradas infrações contra
Art. 12 - Nos termos da legislação municipal
a presente lei incorrendo em mais de 6 (seis) multas
vigente, em especial do Plano Diretor Urbano e Ambiental
durante o período de 1 (um) ano;
de Manaus, do Código Ambiental de Manaus, das leis de
II - hajam incorrido em 3 (três) multas ou
uso e ocupação do solo e do parcelamento do solo urbano,
mais na mesma obra;
para o licenciamento de empreendimentos potencialmente
III - continuarem a execução de obras
geradores de impactos urbanísticos ou ambientais
embargadas pelo Poder Executivo;
significativos será exigida a apresentação de Estudo Prévio
IV - revelarem imperícia na execução de
de Impacto de Vizinhança EIV ou Estudo Prévio de
qualquer obra;
Impacto Ambiental EPIA, que serão objeto de exame pelo
V - deixarem de prestar assistência pessoal,
órgão de planejamento urbano.
sistemática e direta às construções, sob sua
responsabilidade, em andamento;
VI - assinarem projetos como executores de
obras e não as dirigirem de fato; CAPÍTULO II
Da Tramitação de Processos
VII - construírem reiteradamente em
desconformidade com os projetos aprovados pelo Poder
Executivo Municipal.
Art. 13 - Nos termos do Plano Diretor Urbano e
Art. 9° - Nas construções haverá em lugar Ambiental de Manaus, será expedita a tramitação de
apropriado, com caracteres bem visíveis da via pública, processos relativos ao âmbito deste Código, resguardadas
placa, conforme modelo oficial aprovado pelo Poder garantias mínimas quanto ao interesse público e o interesse
Executivo Municipal, em tamanho mínimo de 1,20m x dos cidadãos.
0,60m (um metro e vinte centímetros por sessenta Parágrafo Único - O Poder Executivo Municipal
centímetros), em obras com testada de até 20m (vinte regulamentará, através de instrumento específico, as
metros), e 2,00m x 1,00m (dois metros por um metro), em normas e procedimentos para simplificação de processos
obras com testada igual ou superior a 20m (vinte metros), de aprovação de projetos, licenciamento de obras e
com indicação do nome, número do registro profissional e regularização de habitações unifamiliares.
endereço dos profissionais responsáveis pela elaboração
dos projetos e a execução das obras, além do respectivo
número do alvará de construção. Art. 14 - VETADO.
Art. 15 - As informações relativas ao uso e à
Art. 10 - Independem de apresentação de ocupação do solo, assim como outros dados cadastrais
projetos e alvará de construção: disponíveis relacionados ao imóvel, serão fornecidas pelo
I - os serviços de limpeza, manutenção, órgão municipal competente ao interessado que a solicitar,
pintura interna e externa e pequenos consertos em através de uma Certidão de Informações Técnicas.
edificações de até 2 (dois) pavimentos; § 1° - O pedido de informações poderá ser
II - a construção de muros divisórios internos, formulado por qualquer interessado e deverá ser instruído
quando não se tratar de muros de arrimo; com a exata localização do imóvel.
§ 2° - O fornecimento da Certidão de
III - a construção de jardins e pérgulas; Informações Técnicas não garante o direito de construir e
IV - a construção de pavimentações a céu as informações nela contidas perderão a validade no prazo
aberto, inclusive quadras de esportes, atendendo às de 180 (cento e oitenta dias).
exigências da taxa de permeabilização estabelecida na Lei Art. 16 - A Certidão de Diretrizes de Projeto de
de Uso e Ocupação do Solo de Manaus; Edificação será fornecida pelo órgão competente ao
interessado que a solicitar e conterá informações relativas
V - as obras de reformas e modificações às condições de implantação, volumetria, índices
internas, sem acréscimo de área e que não implique urbanísticos, número de vagas de garagem ou
alterações nas áreas comuns das edificações; estacionamento e demais itens relacionados à viabilidade
VI - a criação de pequenas áreas verdes. do projeto.
Parágrafo Único : A construção de Stands, será § 1° - A solicitação poderá ser formulada pelo
objeto de autorização especial simplificada, em caráter proprietário ou com autorização deste a profissional
precário, devendo ser removido após o término de suas responsável, devendo ser instruída com documentos que
atividades. permitam verificar a configuração do terreno e com peças
gráficas que contenham os elementos básicos de definição
Art. 11 - O Poder Executivo Municipal poderá do projeto.
fornecer projeto para habitação econômica aos cidadãos § 2° - A Certidão de Diretrizes de Projeto de
que não possuam residência própria e os que requeiram Edificação terá prazo de validade de 6 (seis) meses a partir
para a construção de sua moradia em Manaus. da data de sua emissão, durante o qual será garantido ao
§ 1° - Considera-se habitação econômica a requerente o direito de aprovar o projeto de acordo com a
unidade familiar, de caráter popular, com área útil legislação vigente à época da protocolização do pedido de
construída de até 50,00 m² (cinqüenta metros diretrizes.
quadrados), executada pelo poder público ou pela § 3° - Findo o prazo, caso haja mudanças na
iniciativa privada. (Errata I D.O.M. Nº 660 de 20/12/02). legislação e não havendo o interessado apresentado o
projeto para aprovação pelo Poder Executivo Municipal,
§ 2° - O requerimento deverá ser encaminhado
deverá se adaptar à norma então em vigor.
ao órgão competente do Poder Executivo Municipal
§ 4° - A emissão das diretrizes não constitui
assinado pelo titular da propriedade, posse ou domínio útil
análise prévia de projeto e não configura ato administrativo
do terreno.
67 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

formal que gere outros direitos adquiridos ao interessado, A4, conforme a Norma Técnica Brasileira sobre o assunto,
além do especificado no parágrafo segundo deste artigo. devendo estar dobradas no limite deste tamanho no caso
Art. 17 - Antes da aprovação do projeto e da de o excederem.
expedição de qualquer alvará de construção, o Poder § 3° - Visando a atualização permanente da
Executivo Municipal deverá realizar vistoria no local da obra Base Cartográfica da Cidade de Manaus, além das cópias
com o objetivo de conferir as informações fornecidas no em papel, os projetos para edificação deverão apresentar
projeto pelo interessado e as condições para implantação arquivo georeferenciado em meio digital da planta de
da edificação projetada no terreno. situação e locação, em formato compatível com a planta
Art. 18 - Nenhuma obra de edificação, pública fornecida pela Prefeitura.
ou particular, será executada sem a respectiva aprovação § 4° - As cotas do projeto do edifício indicadas
do projeto, assim como seu devido licenciamento pelo nos desenhos de maior escala prevalecerão no caso de
órgão competente do município de Manaus. divergência, sobre as indicadas nos desenhos de menor
Parágrafo único - Os projetos relativos a escala.
edificações para a educação e para a saúde serão objeto § 5° - As cotas indicadas sempre prevalecerão,
de análise especial pelos respectivos órgãos municipais em caso de divergência, sobre as medidas tomadas
competentes. diretamente nos desenhos.
Art. 19 - Para solicitação de análise de projeto e § 6° - Fica estabelecido um prazo máximo de
de licença para a obra, o interessado, ou seu representante 180 (cento e oitenta) dias, contados a partir do
legal, dirigirá ao órgão municipal competente requerimento licenciamento da obra, para apresentação dos projetos
acompanhado do respectivo projeto e dos documentos complementares constantes do parágrafo primeiro deste
exigidos por este Código. artigo.
Parágrafo Único - O requerimento deverá
consignar: Art. 22 - Na apresentação dos projetos de
I - o nome do titular da propriedade, da posse ou reformas, modificações ou ampliações de edificações
do domínio útil do imóvel, comprovado por documento existentes, serão observadas as seguintes convenções:
hábil; I- cor preta, nas partes a serem
II - a natureza e o destino da obra; conservadas;
III - o endereço da obra; II - cor vermelha, nas partes a serem
IV - Certidão de Informações Técnicas e/ou construídas;
Certidão de Diretrizes de Projeto de Edificação, se houver. III - cor amarela, nas partes a serem
Art. 20 - Os projetos deverão ser apresentados demolidas.
em três vias assinadas pelo proprietário ou interessado e Parágrafo UÚico - O órgão municipal de
pelos responsáveis pelo projeto e pela realização da obra. licenciamento e controle urbano fará anexar aos processos
Parágrafo Único - Na hipótese do requerente relativos a obras de reconstruções, reformas, modificações
ter adquirido o terreno em prestações, deverá acompanhar ou ampliações os respectivos processos referentes à
o projeto, além do documento do terreno, uma procuração edificação original.
para a construção requerida, passada pelo compromissário Art. 23 - Os processos referentes a
vendedor. grupamentos de edificações multifamiliares, vilas ou
Art. 21 - Os projetos para edificação deverão condomínios de edificações de unidades autônomas
constar de: somente entrarão em tramitação com a respectiva
I - planta de situação na escala mínima indicação do projeto das edificações no terreno.
adequada à leitura do projeto, indicando a posição da(s) (Modificado pelo Art. 7º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M.
edificação(ões) dentro do lote, o alinhamento predial oficial Nº 956)
do logradouro público, os desmembramentos ou Art. 24 - Todas as cópias dos projetos deverão
remembramentos a fazer, a orientação solar, a presença de conter a assinatura do titular da propriedade, da posse ou
corpos hídricos, a posição de árvores ou bosques do domínio útil do terreno, bem como do autor do projeto e
existentes no terreno, perfis longitudinal e transversal do do responsável pela execução da obra.
terreno em posição média tomando-se o meio-fio como § 1° - Os profissionais que assinarem como
referência de nível, e a cota de soleira; responsáveis pela elaboração do projeto e pela execução
II - indicação da situação do lote em relação a da obra responderão pelas infrações relativas às suas
uma esquina ou outra referência urbanística próxima, com a respectivas atribuições.
respectiva distância cotada; § 2° - Havendo mudança de construtor ou
III - plantas baixas cotadas na escala mínima responsável técnico, no decorrer das obras, o proprietário
adequada à leitura do projeto, de cada um dos pavimentos é obrigado a comunicar, imediatamente, por escrito, ao
do(s) edifício(s) e respectivas dependências; órgão municipal competente, indicando o nome do novo
IV - corte longitudinal e transversal do(s) profissional legal e devidamente habilitado. (Modificado
edifício(s) na escala mínima adequada à leitura do projeto; pelo Art. 8º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
V - elevação de todas as fachadas do(s)
edifício(s), na escala mínima adequada à leitura do projeto; Seção I
VI - elevação do gradil ou muro de fechamento Dos Prazos de Aprovação de Projeto
frontal do terreno, na escala mínima adequada à leitura do
projeto; Art. 25 - O Poder Executivo Municipal, terá 30
VII - perfis do terreno em escala mínima (trinta) dias úteis para pronunciar-se sobre os processos
adequada à leitura do projeto. referentes à aprovação de projetos.
§ 1° - Além dos desenhos e documentos § 1° - Caso os projetos não estejam de acordo
mencionados, nos projetos de edificação de usos com a legislação vigente, o interessado poderá corrigí-los e
residencial multifamiliar, comercial, de serviços e industrial reapresentá-los, conforme as exigências feitas pelo órgão
deverão ser apresentadas ao órgão municipal competente municipal competente, fixado então um novo prazo de
projetos de cálculo estrutural, nos prédios acima de 3 (três) tramitação para o despacho não superior a 30 (trinta) dias
pavimentos, de instalação de combate ao incêndio úteis.
aprovado pelo Corpo de Bombeiros, de instalações de § 2° - No caso do parágrafo anterior, o
esgotamento sanitário e elétrica, aprovados pelas interessado deverá reapresentar o projeto com as
respectivas concessionárias, para arquivo no órgão alterações necessárias no prazo de até 30 (trinta) dias, sob
municipal competente. pena de arquivamento.
§ 2° - As cópias dos projetos deverão ser § 3° - O procedimento previsto nos parágrafos
apresentadas ao órgão municipal competente, para efeito anteriores poderá se repetir por mais 02 (duas) vezes.
de análise e aprovação, em formato múltiplo do tamanho
68 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

Art. 26 - Os prazos poderão ser prorrogados a competente, devendo ser anexados ao processo os
pedido do interessado e a juízo do órgão municipal documentos necessários.
competente, desde que, devidamente justificados. § 1° - Para a obtenção do Habite-se de
residências unifamiliares deverão ser apresentados os
Seção II seguintes documentos:
Do Alvará de Licença de Obra I - documentos comprobatórios do aceite dos
concessionários relativos às redes de energia elétrica,
Art. 27 - Aprovado o projeto, o órgão municipal abastecimento de água e esgoto sanitário ou, no caso de
competente poderá emitir o alvará de licença para a obra inexistência dessas duas últimas redes, soluções
simultaneamente neste ato ou no prazo de até 180 (cento e adequadas para o abastecimento de água e o destino final
oitenta) dias, a pedido do interessado. dos esgotos sanitários;
§ 1° - O órgão municipal competente entregará II - documentos comprobatórios de aprovação
ao interessado duas cópias do projeto aprovado, ficando do projeto nos órgãos federais e estaduais competentes em
arquivada a terceira e o arquivo digital da planta de assuntos relacionados à proteção do meio ambiente,
situação e locação. quando for o caso;
§ 2° - O alvará de licença de construção III - registro de Imóveis referente a
conterá, sob número de ordem, data, prazo de validade, remembramento, desmembramento ou retificação de
nome do proprietário, do construtor e do responsável metragem do terreno na Vara de Registros Públicos,
técnico, natureza da obra e visto do responsável do Poder quando for o caso;
Executivo Municipal, assim como qualquer outra indicação IV - certificado de visto fiscal de tributos,
julgada essencial. (Modificado pelo Art. 9º da Lei 751 de fornecido pela Secretaria Municipal de Economia e
07/01/04, D.O.M. Nº 956) Finanças.
Art. 28 - Caso ocorram alterações nas normas § 2° - Para a obtenção do Habite-se de
de edificação, ou mesmo nas normas legais de uso e edificações destinadas a outros usos deverão ser
ocupação do solo ou de parcelamento do solo urbano, que apresentados os seguintes documentos:
incidam sobre os projetos aprovados, antes de iniciadas as I - certificados de funcionamento e garantia dos
obras, o interessado terá que, no prazo máximo de 12 equipamentos e instalações de circulação e transporte,
(doze) meses, iniciar a obra. exaustão mecânica, condicionamento de ar, gás, coleta e
Parágrafo Único Findo o prazo estipulado no processamento primário do lixo e outros especiais, quando
caput, o projeto deverá se adequar à nova Legislação. previstos no projeto, fornecidos pelos respectivos
Art. 29 - Para as finalidades deste Código, fica responsáveis;
determinado que o início de obra corresponderá à II - certificado de vistoria apresentado pelo
execução de qualquer serviço que modifique as condições Corpo de Bombeiros, referente a instalações preventivas
da situação existente no imóvel. contra incêndio e pânico, na forma da legislação própria;
Art. 30 - Se depois de aprovado o requerimento III - documentos comprobatórios do aceite dos
e expedido o alvará de licença de construção, houver concessionários relativos às redes de energia elétrica,
necessidade de mudança de projeto, o interessado deverá abastecimento de água e esgoto sanitário ou, no caso de
requerer modificação do projeto aprovado, apresentando a inexistência dessas duas últimas redes, soluções
documentação exigida pelo órgão municipal competente. adequadas para o abastecimento de água e o destino final
(Errata I D.O.M. Nº 660 de 20/12/02). dos esgotos sanitários;
§ 1° - Será dispensado novo alvará se as IV - documentos comprobatórios do aceite dos
modificações não implicarem alterações do projeto naquilo concessionários relativos às instalações de gás, telefonia,
que estiver regulamentado pela legislação vigente ou não cabos de fibra ótica e outros previstos no projeto;
ocorrer acréscimo de área construída. V - certificado de aprovação das instalações
§ 2° - Aprovado o novo projeto, será expedido pela Vigilância Sanitária da Prefeitura Municipal, conforme
novo alvará de construção mediante o pagamento das exigências da legislação específica;
taxas relativas à modificação. VI - documentos comprobatórios de aprovação
Art. 31 - O alvará de licença perderá a validade do projeto nos órgãos federais e estaduais competentes em
de aprovação do projeto nos seguintes casos: assuntos relacionados à proteção do meio ambiente, bem
I - quando os serviços de construção não como à implantação de empreendimentos industriais,
forem iniciados em um prazo de 2 (dois) anos, a contar da quando for o caso;
data da licença para a obra constante do alvará para VII - registro de Imóveis referente a
construção, se não renovado; remembramento, desmembramento ou retificação de
II - quando os serviços de construção metragem do terreno na Vara de Registros Públicos,
aprovados não estiverem concluídos dentro do prazo de 2 quando for o caso;
(dois) anos, a contar da data da licença para a obra VIII - certificado de visto fiscal de tributos,
constante do alvará para construção, se não renovado. fornecido pela Secretaria Municipal de Economia e
§ 1° - Antes de vencido o prazo de validade, o Finanças.
interessado deverá requerer renovação do alvará de Art. 34 - Será fornecido o Habite-se pelo órgão
licença para construção, pagando novos emolumentos. municipal competente, depois de realizada vistoria na obra
§ 2° - Quando houver interrupção nos serviços que ateste o cumprimento dos seguintes itens:
de construção licenciados, o interessado deverá comunicar I- conclusão da obra, obedecido ao
ao órgão municipal competente a paralisação para ter o projeto aprovado para a edificação;
benefício do período restante no prazo estabelecido para II - construção de passeios novos ou
sua execução. (Modificado pelo Art. 10º da Lei 751 de melhoria dos passeios existentes, fronteiros à testada do
07/01/04, D.O.M. Nº 956) lote;
Art. 32 - O alvará de licença para construção é III - colocação de placa de numeração oficial do
revogável a qualquer tempo, por ato do Prefeito que, imóvel.
calcado no seu poder de polícia, poderá considerar o Parágrafo Único - Nenhuma edificação poderá
interesse público ou razões de segurança justificáveis. ser habitada sem a prévia liberação pela autoridade
municipal competente, instruída pelo documento de Habite-
Seção III se.
Do Habite-se Art. 35 - Poderá ser concedido Habite-se parcial
nos seguintes casos:
Art. 33 - Concluída a obra de uma edificação I - quando se tratar de prédio onde uma parte
deverá ser solicitada vistoria para a expedição do Habite- puder ser utilizada independentemente da outra,
se, através de requerimento dirigido ao órgão municipal garantindo-se boas condições de acessibilidade,
69 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

ocupação e a segurança de quem utiliza a edificação; Art. 40 - O embargo e a interdição serão


(Modificado pelo Art. 11º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. comunicados ao interessado estabelecendo-se prazo para
Nº 956) o cumprimento das exigências que possam garantir a sua
II - quando existir mais de uma edificação revogação.
construída no mesmo lote, devendo estarem concluídas as § 1° - A comunicação do embargo e da
obras de acesso, passeios, muros, pavimentação e outras interdição se fará mediante qualquer das seguintes
julgadas indispensáveis às boas condições de modalidades:
habitabilidade e segurança do imóvel. I - Mediante assinatura de Termo de
Art. 36 - Expedido o Habite-se, o setor de recebimento pelo responsável pela obra;
cadastro imobiliário do Poder Executivo Municipal será II - afixação de notícia no local da obra ou da
instruído para atualização das informações sobre o imóvel construção;
em questão. III - carta registrada enviada ao interessado;
IV - publicação no órgão de imprensa oficial do
município.
CAPÍTULO III § 2° - O embargo e a interdição poderão implicar
Dos Procedimentos de Controle e Sanções em cancelamento do alvará de licença e demolição, parcial
ou totalmente, da construção no caso de impossibilidade de
reversão da situação que justificou a sua aplicação.
Art. 37 - No controle de obras, o Poder Art. 41 - A demolição administrativa, parcial ou
Executivo Municipal poderá adotar meios capazes de se totalmente, de uma obra ou edificação será imposta como
antecipar às infrações e orientar os interessados quanto à sanção, às custas dos responsáveis pela construção, nos
vigência e ao cumprimento das normas urbanísticas e casos de:
edilícias. I - incompatibilidade com a legislação vigente
Art. 38 - Qualquer cidadão é parte legítima para que não admita regularização;
denunciar infrações e propor ações destinadas a garantir o II - risco para a segurança pública que, no caso
cumprimento das normas urbanísticas e edilícias em vigor. de sua iminência, implicará o seu cumprimento imediato.
Art. 39 - No exercício do poder de polícia, serão § 1° - A demolição administrativa será
aplicadas pelo órgão municipal competente, através de ato comunicada através de notificação, entregue pessoalmente
administrativo, nos casos de violação das disposições deste ao interessado, com antecedência de 24 (vinte e quatro)
Código, as seguintes sanções ao infrator: horas da ação demolitória.
I - embargo - auto de infração que determina a § 2° - A ação demolitória se fará sem riscos à
paralisação imediata de uma obra, até a revogação da segurança pública e ao funcionamento dos sistemas
ordem; urbanos e das redes de serviços públicos.
II - multa - sanção pecuniária imposta por Art. 42 - As multas serão fixadas e cobradas em
infringência à legislação vigente; moeda oficial do Brasil, pelo seu valor nominal, corrigido
III - apreensão de ferramentas ou pelo indexador oficial do poder executivo municipal, vigente
equipamentos; na data de seu recolhimento e regulamentada em
IV - cassação de alvará de licença de obras; legislação específica pelo Executivo Municipal.
V - interdição - auto de infração que determina a § 1° - Sem prejuízo das responsabilidades civis
proibição imediata de uso de parte ou da totalidade de uma e criminais, serão aplicadas multas nos seguintes casos,
edificação, até a revogação da ordem; tomando-se em conta a gravidade da infração:
VI - demolição administrativa - auto de infração I - Apresentação de documentação para
que determina a destruição total ou parcial de uma obra ou aprovação com indicações falsas - R$ 2.000,00 (dois mil
edificação. reais);
§ 1° - As sanções serão dirigidas ao titular da II - início ou execução de obra de residência
propriedade, posse ou domínio útil do imóvel, sendo a unifamiliar sem licença do Poder Executivo - R$ 700,00
aplicação das sanções precedida de notificação ao infrator. (setecentos reais);
§ 2° - Aplica-se o embargo da obra nos casos III - início ou execução de obra de qualquer
de: outra natureza sem licença do Poder Executivo - R$
I - obra em andamento sem projeto aprovado e 1.500,00 (hum mil e quinhentos reais);
licença de construção, nos termos da lei; IV - realização de obra em cada item em
II - desobediência ao projeto aprovado que desacordo com o projeto aprovado, quando tratar-se de
implique violação às disposições deste Código, acréscimo de área, admitindo-se 10% (dez por cento) de
especialmente naquilo que diz respeito às diretrizes que variação - R$ 500,00 (quinhentos reais);
norteiam sua aplicação; V - infrações às disposições do Título V deste
Código, quanto às condições de segurança e meio
III - risco à segurança de pessoas, bens, ambiente de trabalho nas construções - R$ 700,00
instalações ou equipamentos, inclusive públicos ou de (setecentos reais);
utilidade pública. VI - ausência no local da obra do projeto
§ 3° - Aplica-se a apreensão de ferramentas ou aprovado ou do alvará de licença para construção - R$
equipamentos de obra caso o proprietário ou o responsável 200,00 (duzentos reais);
pela execução da obra ponha resistência ao embargo. VII - ocupação de obra ou edificação sem
Habite-se - R$ 700,00 (setecentos reais).
§ 4° - Aplica-se a cassação de alvará de licença
§ 2° - Nos casos de reincidência, as multas
de obra, no caso de execução da obra em desacordo com
serão acrescidas, em cada reincidência, de 20% (vinte por
as normas urbanísticas e edilícias.
cento) do seu valor original.
§ 5° - Aplica-se a interdição da edificação nos § 3° - A aplicação e o pagamento da multa não
casos de: exime o infrator de outras sanções previstas neste Código,
I - obra ocupada sem o respectivo Habite-se nem da correção dos fatos que geraram a sua imposição.
emitido pelo Poder Executivo Municipal; Art. 43 - O recurso de defesa far-se-á por
II - risco à segurança de pessoas, bens, petição, dentro do prazo de 7 (sete) dias contados da
instalações ou equipamentos, inclusive públicos ou de notificação do auto de infração, onde o interessado alegará,
utilidade pública; de uma só vez, toda matéria que entender útil, juntando os
III - ameaça à saúde pública. documentos comprobatórios das razões apresentadas.
§ 6° - A aplicação de uma penalidade não exclui § 1° - A petição mencionará, obrigatoriamente:
a aplicação de qualquer outra penalidade prevista neste
I - a autoridade julgadora a quem é dirigida;
Código.
70 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

II - a qualificação do interessado e o endereço CAPÍTULO I


para a notificação; Das Condições de Conforto, Habitabilidade e
III - os dados do imóvel ou a descrição das Segurança Geral nas Edificações
atividades exercidas;
IV - os motivos de fato e de direito em que se Seção I
fundamenta; Dos Compartimentos
V - as diligências que o interessado pretende
que sejam efetuadas, desde que justificadas as suas Art. 49 - É facultada a compartimentação
razões; interna de edificação ou unidade residencial, podendo ser
VI - o objetivo visado, com referência ao auto de adotada solução de ambientes integrados para diversas
infração que questiona. funções, exceto banheiros e ambientes onde as exigências
de segurança ou conforto ambiental dos usuários exijam a
§ 2° - A impugnação não terá efeito suspensivo
sua vedação e o controle do seu acesso.
da sanção e instaurará a fase contraditória do
§ 1° - A edificação ou unidade residencial
procedimento.
deverá ter área útil total de no mínimo 37,00 m2 (trinta e
§ 3° - A autoridade administrativa determinará, sete metros quadrados), excluídas vagas de garagem e
de ofício ou a requerimento do interessado, a realização frações ideais de áreas comuns de todo o imóvel.
das diligências que entender necessárias, fixando-lhe o § 2° - Nas edificações de uso habitacional
prazo e indeferirá as consideradas prescindíveis, temporário, tais como "flats", motéis e "apart-hotéis", a
impraticáveis ou protelatórias. unidade residencial poderá ter área útil total de no mínimo
§ 4° - Preparado o processo para decisão, a 25,00m2 (vinte e cinco metros quadrados), excluídas vagas
autoridade administrativa prolatará despacho no prazo de garagens e frações ideais de áreas comuns de todo o
máximo de 7 (sete) dias, resolvendo todas as questões imóvel.
debatidas e pronunciando a procedência ou improcedência Art. 50 - Os ambientes de permanência
da impugnação. prolongada de uma edificação, localizados em subsolo,
Art. 44 - Havendo renúncia à apresentação de deverão adotar soluções de iluminação e ventilação de
defesa ou recurso e a multa sendo paga no prazo do acordo com as exigências legais.
recurso, o valor da multa constante do auto de infração Art. 51 - Os compartimentos e ambientes
sofrerá a redução de 20% (vinte por cento). deverão ser posicionados na edificação e dimensionados
Art. 45 - A apresentação do recurso à decisão de forma a proporcionar conforto ambiental, térmico e
administrativa de primeira instância no prazo legal, acústico, e proteção contra a umidade, obtida pelo
suspenderá a exigibilidade da multa até a decisão da adequado dimensionamento e emprego dos materiais das
autoridade competente. paredes, cobertura, pavimento e aberturas, bem como das
§ 1° - Uma vez decorrido o prazo para a instalações e equipamentos.
apresentação da defesa, o processo será imediatamente Art. 52 - Os compartimentos das edificações,
encaminhado à autoridade encarregada de julgar. para os fins deste Código, são classificados segundo a
§ 2° - Se entender necessário, a autoridade função preponderante neles exercida, que determinará seu
julgadora poderá determinar a realização de diligência para dimensionamento mínimo e necessidade adequada de
esclarecer questão duvidosa, bem como solicitar o parecer ventilação e iluminação.
da Procuradoria Geral do Município. Art. 53 - Os compartimentos deverão atender
Art. 46 - O autuado será notificado da decisão aos seguinte itens:
da primeira instância através do órgão oficial de imprensa I - salas - área mínima de 9,00m2 (nove metros
do Município nos mesmos termos do § 1° do Art. 40 deste quadrados), de tal forma que permita a inscrição de um
código. círculo de 2,70m (dois metros e setenta centímetros) em
Parágrafo Único Mantida a autuação e não qualquer região de sua área de piso;
sendo pago o valor correspondido no prazo de 10 (dez) II - quartos - área mínima de 9,00m2 (nove
dias contados da publicação da notificação, o órgão de metros quadrados), de tal forma que permita a inscrição de
controle urbano levará o débito à inscrição na Dívida do um círculo de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros)
Município e posteriormente à execução judicial. em qualquer região de sua área de piso;
(Acrescido pelo Art. 3º da Lei Nº 782 de 30/06/04, D.O.M. III - quartos de serviços - área mínima de 6,00m2
Nº1032 de 02/07/04). (seis metros quadrados) e largura mínima de 2,00m (dois
metros).
IV - cozinhas - área mínima de 6,00m2 (seis
TÍTULO III metros quadrados), de modo a permitir a inscrição de um
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PARA AS EDIFICAÇÕES círculo de 2,00m (dois metros) em qualquer região de sua
área de piso;
Art. 47 - A elaboração de projetos e a realização V - áreas de serviços - área mínima de 3,00m2
de obras sujeitas às disposições deste Código deverão (três metros quadrados), de modo a permitir a inscrição de
atender às Normas Técnicas aprovadas pela Associação um círculo de 1,20m (um metro e vinte centímetros) em
Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. qualquer região de sua área de piso;
§ 1° - O dimensionamento, o cálculo, a VI - banheiros - área mínima de 2,80m2 (dois
especificação e o emprego de materiais e elementos metros e oitenta centímetros quadrados), de modo a
construtivos deverão assegurar a estabilidade, a permitir a inscrição de um círculo de 1,20m (um metro e
segurança, o conforto ambiental e a salubridade das obras, vinte centímetros) em qualquer região de sua área de piso.
edificações e equipamentos. (Modificado pelo Art. 12º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M.
§ 2° - É de responsabilidade dos respectivos Nº 956)
profissionais o emprego de materiais, elementos ou VII área de serviço área mínima de 2,50 m2
componentes não consagrados pelo uso, podendo o Poder (dois metros e cinqüenta centímetros quadrados), de modo
Executivo Municipal exigir comprovação técnica prévia de a permitir a inscrição de um círculo de 1,20m (um metro e
bom desempenho daqueles que possam vir a comprometer vinte centímetros) em qualquer região de sua área de piso;
a qualidade das obras. (Incluído pelo Art. 12º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº
Art. 48 - Toda edificação de uso público deverá 956)
assegurar condições de acesso, circulação e uso por VIII banheiro de serviço área mínima de
pessoas portadoras de necessidades especiais, conforme 2,00m2 (dois metros quadrados), de modo a permitir a
disposições estabelecidas neste Código e na Norma inscrição de um círculo de 1,00 (um metro) em qualquer
Técnica Brasileira específica. região de sua área de piso; (Incluído pelo Art. 12º da Lei
751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
71 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.
2
IX lavabo área mínima de 1,30m (um metro
e trinta centímetros quadrados), de modo a permitir a
inscrição de um círculo de 1,00m (um mtero) em qualquer Seção II
região de sua área de piso. (Incluído pelo Art. 12º da Lei Da Implantação, Iluminação e Ventilação dos
751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956) Compartimentos
Art. 54 - Os banheiros de uso público ou
coletivo, com previsão de agrupamentos de bacias
sanitárias, deverão: Art. 58 - Sem prejuízo das exigências previstas
I - dispor de boxes para cada bacia sanitária na legislação municipal que dispõe sobre uso e ocupação
com área mínima de 1,00m2 (um metro quadrado); do solo, a implantação das edificações no lote estará
II - estar os boxes separados por divisão com condicionada ao atendimento destas normas, de forma a
altura mínima de 1,80m (um metro e oitenta centímetros); assegurar condições adequadas de iluminação e ventilação
III - terem o acesso aos boxes garantido por de seus compartimentos, sem prejuízo à vizinhança.
circulação com largura não inferior a 1,20m (um metro e Parágrafo Único - A implantação da edificação
vinte centímetros); no lote deverá também atender às exigências da legislação
IV - dispor, no mínimo, de um boxe adaptado ao ambiental vigente quanto a faixas não edificáveis previstas
uso por pessoas portadoras de necessidades especiais, e ao Plano de Proteção às Margens dos Cursos d'Água.
com dimensões mínimas de 1,70m (um metro e setenta Art. 59 - Para abertura de vãos de iluminação e
centímetros) por 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) ventilação dos compartimentos das edificações, deverão
ou de acordo com as disposições previstas na respectiva ser mantidos os afastamentos das divisas laterais e de
Norma Técnica Brasileira. fundos do lote previstos no quadro abaixo, excluído o
Art. 55 - Os compartimentos de permanência alinhamento dos logradouros públicos.
prolongada deverão ter pé-direito mínimo de 2,80m (dois § 1° - Nenhum afastamento entre a edificação e
metros e oitenta centímetros) e os de permanência as divisas do lote poderá ser inferior a 1,50m (um metro e
transitória, pé-direito mínimo de 2,40m (dois metros e cinqüenta centímetros), quando a área livre criada for
quarenta centímetros). utilizada para a abertura de vãos de iluminação e ventilação
§ 1° - No caso de tetos inclinados, o ponto mais dos compartimentos.
baixo deverá ter altura mínima de 2,20m (dois metros e § 2° - Para abertura de vãos de iluminação e
vinte centímetros) e o ponto médio, altura mínima de 2,40m ventilação de compartimentos de duas ou mais edificações
(dois metros e quarenta centímetros). localizadas em um mesmo lote, deverão ser garantidos,
§ 2° - No caso de varandas com tetos entre elas, o dobro dos mesmos afastamentos previstos no
inclinados, o ponto mais baixo deverá ter altura mínima de quadro abaixo.
2,20m (dois metros e vinte centímetros) e o ponto médio,
altura mínima de 2,40m (dois metros e quarenta AFASTAMENTOS MÍNIMOS DA EDIFICAÇÃO
centímetros).
§ 3° - No caso de porões, com altura igual ou Afastamentos
No Total de Afastamento
inferior a 2,20m (dois metros e vinte centímetros), todos os Laterias e de
Pavimentos Frontal (m)
compartimentos serão considerados de permanência Fundo (m)
transitória. 1 5,00 1,50
Art. 56 - Os projetos de habitações econômicas, 2 5,00 2,00
de iniciativa privada ou governamental, que se caracterizem 3 5,00 3,00
como projetos de interesse social ou integrantes de 4 ou mais * 0,20 x H** 0,25 x H**(lateral)
conjuntos habitacionais de interesse social, atenderão às 0,20 x H**(fundo)
seguintes exigências mínimas: (*) afastamento mínimo de 5,00 metros;
I - as salas terão área mínima de 9,00m2 (nove (**) altura total da edificação, excluindo-se caixa d água e
metros quadrados), de tal forma que permita a inscrição de caixa da escada. (Errata I D.O.M. Nº 660 de 20/12/02).
um círculo de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros);
II - os quartos terão a área mínima de 8,00m2 Art. 60 - Será admitida a ventilação e
(oito metros quadrados), de tal forma que permita a iluminação dos compartimentos por meio de áreas internas
inscrição de um círculo de 2,40m (dois metros e quarenta à edificação apenas para edifícios com até 4 (quatro)
centímetros); pavimentos e desde que atendidas às condições a seguir.
III - as cozinhas terão área mínima de 4,50m2 § 1° - As áreas internas destinadas à iluminação
(quatro metros quadrados e meio), de tal forma que admita e ventilação dos compartimentos deverão ser descobertas
a inscrição de um círculo de 1,60m (um metro e sessenta e poderão ser abertas, quando não possuírem uma de suas
centímetros); laterais ou faces, e fechadas quando constituírem um
IV - os banheiros terão área mínima de 2,00m2 prisma.
(dois metros quadrados), admitindo a inscrição de um § 2° - As áreas internas à edificação, destinadas
círculo de 1,00m (um metro); à iluminação e ventilação dos compartimentos deverão
V - o pé-direito mínimo será de 2,70m (dois obedecer ao seguinte dimensionamento mínimo, em função
metros e setenta centímetros). do número de pavimentos ou da altura máxima da
Art. 57 - Nas edificações onde forem previstas edificação:
unidades imobiliárias com mais de um pavimento, pés-
direitos duplos com aproveitamento de mezaninos ou DIMENSIONAMENTO MÍNIMO DAS ÁREAS INTERNAS À
compartimentos em andares intermediários de qualquer EDIFICAÇÃO PARA ILUMINAÇÃO E VENTILAÇÃO DOS
natureza, serão respeitados os mesmos limites mínimos de COMPARTIMENTOS
pé-direito estabelecidos neste Código, computando cada
um dos compartimentos ou ambientes superpostos para
fins de cálculo do gabarito máximo permitido pela legislação
No Total de Altura Área Interna Área
municipal, exceto subsolos, pavimentos de garagens,
Pavimentos Máxima Aberta (m2) Interna
pavimentos de uso comum, térreos ou pilotis.
(m) Fechada
Parágrafo Único - Serão admitidos mezaninos,
(m2)
nos pavimentos térreos ou de acesso às edificações,
destinados exclusivamente a áreas comuns ou de uso 1a2 4,00 a 7,00 8,00 9,00
coletivo do prédio, desde que ocupem no máximo 60% 3 10,00 a 12,00 9,00 10,00
(sessenta por cento) da área do pavimento imediatamente 4 12,00 a 15,00 10,00 11,00
superior e tenham pé-direito mínimo de 2,40m (dois metros
e quarenta centímetros).
72 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

§ 3° - As áreas internas destinadas à iluminação Art. 68 - Os espaços destinados ao acesso e


e ventilação dos compartimentos de permanência circulação de pessoas, tais como vãos de portas,
prolongada deverão permitir a inscrição de um círculo de, passagens, vestíbulos e corredores classificam-se em:
no mínimo, 3,0m (três metros) de diâmetro. I - de uso privativo - quando se destinarem às
Art. 61 - As aberturas para iluminação dos unidades residenciais unifamiliares e às edificações em
compartimentos de permanência prolongada deverão ter geral ou a seus compartimentos de uso restrito;
área equivalente a, no mínimo, 20% (vinte por cento) da II - de uso coletivo - quando se destinarem ao
área do compartimento. uso público ou coletivo, com acesso ao público em geral.
Parágrafo Único - Para o caso de Art. 69 - Os espaços de circulação de uso
compartimentos de permanência prolongada iluminados por privativo deverão ter largura mínima de 0,85m (oitenta e
áreas internas à edificação, a proporção será de 25% (vinte cinco centímetros) e os espaços de circulação de uso
e cinco por cento) da área do compartimento. coletivo deverão ter largura mínima de 1,20m (um metro e
Art. 62 - As aberturas para iluminação dos vinte centímetros).
compartimentos de permanência transitória deverão ter Parágrafo Único - As circulações de uso
área equivalente a, no mínimo, 15% (quinze por cento) da coletivo com compartimento superior a 10m (dez metros)
área do compartimento. deverão ter acrescido à largura mínima, estabelecida no
Parágrafo Único - Para o caso de caput, 0,07m (sete centímetros) por cada metro de
compartimentos de permanência transitória iluminados por compartimento excedente até o limite de 2,50m (dois
áreas internas à edificação, a proporção será de 18% metros e cinqüenta centímetros). (Modificado pelo Art. 14º
(dezoito por cento) da área do compartimento. da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
Art. 63 - As aberturas para ventilação deverão Art. 70 - Nas edificações de acesso público,
corresponder a, no mínimo, 50% (cinquênta por cento) pelo menos um dos acessos ao interior da edificação e um
das áreas mínimas destinadas à iluminação dos dos itinerários de comunicação interna das dependências
compartimentos. (Modificado pelo Art. 13º da Lei 751 de ou serviços deverão estar livres de barreiras arquitetônicas
07/01/04, D.O.M. Nº 956) e de obstáculos que impeçam ou dificultem a acessibilidade
Art. 64 - Todos os compartimentos de de pessoa portadora de necessidades especiais, de acordo
permanência prolongada, assim como os banheiros das com o que dispõe a Norma da ABNT.
edificações à habitação de serviços, deverão ter abertura Art. 71 - Os vãos de acesso às edificações e
comunicando diretamente com o exterior da edificação. aos compartimentos de permanência prolongada deverão
(Modificado pelo Art. 13º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. ter largura mínima de 0,80m (oitenta centímetros).
Nº 956) Art. 72 - O hall social e de serviços, nas
Parágrafo único Serão dispensadas de edificações providas de escada de escape, deverão ser
ventilação e iluminação direta as copas, cozinhas e quartos interligados.
de empregados, ventilados e iluminados através de área de Parágrafo único A interligação será
serviço, desde que o vão destinado a estes fins, seja, no dispensada caso as edificações sejam providas de elevador
mínimo de 25% (vinte e cinco por cento) da área do maior de emergência.
compartimento a ser atendido. (Incluído pelo Art. 13º da
Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
Art. 65 - Será permitida a iluminação artificial e Subseção I
a ventilação indireta ou induzida para cozinhas, de edifícios Das Escadas e Rampas
não residenciais, lavanderias, circulações vestiários e
lavabos, desde que atendidas às normas técnicas
específicas para dimensionamento de dispositivos Art. 73 - As escadas de segurança ou de
apropriados a tais fins: escape deverão atender aos seguintes requisitos:
I - através de dutos de exaustão horizontal com I - ter degraus com altura mínima de 0,16m
seção de área mínima igual a 0,25m2 (vinte e cinco (dezesseis centímetros) e máxima de 0,19m (dezenove
centímetros quadrados) e dimensões não inferiores a centímetros) e piso com profundidade mínima de 0,27m
0,25m (vinte e cinco centímetros) e comprimento máximo (vinte e sete centímetros) e máxima de 0,33m (trinta e três
de 5,0m (cinco metros) até o exterior, se tiver uma única centímetros);
saída, ou de 15,0m (quinze metros), caso disponha de II - ser construídas com material incombustível e
aberturas para o exterior nas duas extremidades do duto; piso com acabamento antiderrapante;
II - através de duto de exaustão vertical com III - Ser dotadas de corrimão contínuo, em
seção de área mínima igual a 6% (seis por cento) da altura ambos os lados, quando o desnível entre pisos for superior
total do duto e dimensões não inferiores a 0,60m (sessenta a 1,0m (um metro);
centímetros), que deverá dispor de tomada de ar na base, IV - não ser dotadas de qualquer tipo de
aberta diretamente para o exterior ou indiretamente para dispositivo, equipamento ou tubulação que possibilitem a
duto horizontal com seção mínima igual à metade da seção expansão de fogo ou fumaça para o seu ambiente;
do duto vertical e saída de ar superior, situada a, no V - ter o patamar de acesso ao pavimento no
mínimo, 1,00m (um metro) acima da cobertura, com mesmo nível do piso da circulação;
aberturas em lados opostos de, no mínimo, área igual a da VI - ter lanços retos e patamares intermediários
seção do duto; quando houver mudança de direção ou quando exceder a
III - através de meios mecânicos dimensionados 16 (dezesseis) degraus;
de acordo com as Normas Técnicas Brasileiras. VII - ser dispostas de forma a assegurar
Art. 66 - Os banheiros e quartos de serviço passagem de pessoas com altura livre igual ou superior a
poderão ter vãos iluminados e ventilados indiretamente 2,40m (dois metros e quarenta centímetros);
através dos vãos das áreas de serviços. VIII - Dispor de iluminação e ventilação que
possibilite a circulação com segurança;
Art. 67 - Para compartimentos destinados a IX Possuir corrimão intermediário, quando a
atividades especiais, que por sua natureza não possam ter largura for igual ou superior a 2,40m (dois metros e
aberturas para o exterior, serão admitidas iluminação e quarenta centímetros), garantindo largura mínima de 1,20
ventilação artificiais, desde que justificadas pela natureza (um metro e vinte centímetros) para cada lance.
das atividades e dimensionadas de acordo com as Normas Parágrafo Único - Além das exigências
Técnicas Brasileiras. impostas no caput, as escadas de escape deverão atender
às normas estabelecidas pelo Corpo de Bombeiros.
Seção III Art. 74 - A largura mínima admitida para as
Dos Acessos e Circulações nas Edificações escadas de uso público ou coletivo é de 1,20m (um metro e
vinte centímetros).
73 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

Parágrafo Único - As escadas de uso privativo, II - a vaga para automóveis de pessoas


desde que localizadas dentro de uma unidade residencial portadoras de necessidades especiais em garagem ou
unifamiliar, bem como àquelas de uso eventual, poderão ter estacionamento coletivo deverá observar as dimensões
largura mínima de 0,80m (oitenta centímetros). especificadas nas Normas Técnicas da ABNT;
Art. 75 - Escadas do tipo marinheiro ou em III - a vaga para motocicletas e motonetas em
leque somente serão admitidas quando de uso privativo garagem ou estacionamento coletivo terá dimensões
ou eventual, para acesso a compartimentos ou instalações mínimas de 1,0m (um metro) de largura, 2,0m (dois metros)
de serviços tais como casas de máquinas, torres ou de comprimento e altura de 2,20m (dois metros e vinte
depósitos. (Modificado pelo Art. 15º da Lei 751 de centímetros);
07/01/04, D.O.M. Nº 956) IV - a vaga para caminhões de até 6,0t (seis
Art. 76 - Em cada pavimento nenhum ponto toneladas) em garagem ou estacionamento privativo ou
poderá distar de mais de 35,0m (trinta e cinco metros) da coletivo terá dimensões mínimas de 3,0m (três metros) de
escada mais próxima. largura, 7,50m (sete metros e meio) de comprimento e
Art. 77 - Em edificações verticais com altura altura de 3,50m (três metros e meio);
igual ou superior a 12,00m (doze metros), será obrigatória a V - a vaga para ônibus e caminhões com mais
construção de escadas de emergência, atendendo aos 6,0t (seis toneladas) em garagem ou estacionamento
requisitos previstos na legislação específica do Corpo de privativo ou coletivo terá dimensões mínimas de 3,50m (três
Bombeiros. metros e meio) de largura, 12,0m (doze metros) de
Art. 78 - As rampas poderão ser construídas em comprimento e altura de 3,50m (três metros e meio).
substituição às escadas ou para garantir o acesso por
pessoas portadoras de necessidades especiais, devendo Art. 84 - Será admitida a localização de vagas
atender às disposições previstas na respectiva Norma de garagem para guarda de veículos nos subsolos,
Técnica Brasileira. enterrados ou semi-enterrados, das edificações que
poderão ocupar toda a área do terreno, a exceção da área
correspondente ao afastamento frontal mínimo e taxa de
Subseção II permeabilidade estabelecidos na Lei de Uso e Ocupação
Das Garagens e Estacionamentos para Guarda de do Solo para o imóvel.
Veículos
Seção IV
Das Edículas
Art. 79 - As garagens e os estacionamentos
atenderão às seguintes exigências básicas:
I - as faixas de manobras de veículos terão Art. 85 - Será admitida a construção de edículas
largura mínima de 5,0m (cinco metros); dentro de lote urbano, como anexo de qualquer tipo de
II - os estacionamentos de uso público ou edificação, desde que atendidas às normas deste Código e
coletivo terão área de acumulação, acomodação e manobra às seguintes exigências:
para veículos calculada para comportar, no mínimo, 3% I - afastamento frontal de acordo com o
(três por cento) da sua capacidade; estabelecido na Lei de Uso e Ocupação do Solo;
III - as rampas para veículos terão declividade II - afastamento dos limites laterais e de fundos
máxima de 15% (quinze por cento), sendo admitida a do terreno de, no mínimo 1,50m (um metro e meio) para as
declividade de até 20% (vinte por cento) em trechos de empenas que dispuserem de vãos de ventilação e
rampa com comprimento máximo de 10,0m (dez metros); iluminação;
IV - nos acessos às garagens e aos III - altura máxima de 4,00m (quatro metros) no
estacionamentos coletivos ou de edificações de uso ponto de encontro na divisa de muro, quando colada nas
residencial multifamiliar, as rampas para veículos deverão divisas. (Modificado pelo Art. 16º da Lei 751 de 07/01/04,
ser iniciadas com uma distância mínima de 2,0m (dois D.O.M. Nº 956)
metros) do alinhamento para dentro do terreno;
V nas edificações de uso residencial
CAPÍTULO II
unifamiliar a rampa de acesso deverá ser iniciada, no
Do Relacionamento dos Imóveis com o Espaço Público
mínimo, a partir do alinhamento para o interior do terreno.
e a Vizinhança
Art. 80 - O cálculo do número de vagas de
garagem ou de estacionamento exigidas nas edificações,
segundo seu uso e suas atividades, será feito de acordo Art. 86 - Sem prejuízo de outras disposições
com o estabelecido na Lei de Uso e Ocupação do Solo. pertinentes da legislação, serão respeitadas as seguintes
Art. 81 - O número de vagas para portadores de condições urbanísticas e ambientais de relacionamento dos
necessidades especiais deverá atender às seguintes imóveis com o espaço público adjacente e com a
proporções: vizinhança:
I - 3% (três por cento) nos estacionamentos de I - nenhum elemento construtivo poderá avançar
10 (dez) a 100 (cem) vagas e no mínimo 1 (uma) vaga, sobre a superfície, o espaço aéreo ou o espaço
II - 1% (um por cento) nos estacionamentos com subterrâneo dos logradouros públicos ou dos imóveis
mais de 100 (cem) vagas e no mínimo 2 (duas) vagas. vizinhos, tomando-se como referências os alinhamentos
Art. 82 - As edificações de uso comercial, de oficiais dos logradouros públicos e os limites dos lotes
serviços ou industrial com previsão de armazenagem de contíguos;
material, segundo seu porte e suas atividades, deverão ser II - fica proibido o despejo de águas pluviais
dotadas de área para carga e descarga de material, de recolhidas no espaço aéreo dos lotes, inclusive de beirais,
acordo com o estabelecido na Lei de Uso e Ocupação do diretamente nos logradouros públicos e nos imóveis
Solo. vizinhos, devendo estas serem conduzidas através de
Art. 83 - O dimensionamento de vagas para dutos próprios à rede pública de drenagem ou servidões
garagem ou estacionamento de veículos deverá atender ao oficiais internas dos quarteirões, quando existirem;
que segue: III - a altura máxima dos muros divisórios
I - a vaga para automóveis em garagem ou construídos nos limites frontais dos lotes será de 3,0m (três
estacionamento privativo ou coletivo terá dimensões metros);
mínimas de 2,50m (dois metros e meio) de largura, 5,0m IV - deverão ser observadas as disposições
(cinco metros) de comprimento e altura de 2,40m (dois contidas na Lei de Uso e Ocupação do Solo de área
metros e quarenta centímetros); mínima permeável do terreno para drenagem natural de
águas pluviais precipitadas no imóvel;
74 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

V - o nivelamento das edificações nos lotes, em Art. 89 - O projeto e a execução de instalações


relação ao greide dos logradouros de acesso, será feito de elétricas nas edificações deverão atender às Normas
modo a facilitar o escoamento de águas pluviais e esgotos Técnicas Brasileiras e às disposições da legislação
sanitários por gravidade para as respectivas redes públicas, estadual e municipal pertinente.
implantadas ou previstas; Art. 90 - Os botijões, cilindros e recipientes em
VI - é obrigatória a manutenção de placas de geral de armazenamento de gás domiciliar ou industrial
identificação dos imóveis, de acordo com numeração e deverão ser instalados no pavimento térreo e em área
padrão oficial estabelecidos pelo Poder Executivo externa aberta e ventilada da edificação, em condições de
Municipal; fácil acesso do logradouro público, excluídas as residências
VII - os acessos de veículos aos prédios unifamiliares.
deverão ser projetados de modo que a soma total das Art. 91 - As antenas de televisão ou
larguras das faixas de entradas ou saídas não ultrapasse telecomunicações, bem como pára-raios ou qualquer outra
6,0m (seis metros), sendo obrigatória a instalação de estrutura técnica especial instalada nas edificações,
sinaleiras para pedestres, nos casos de oficinas e deverão estar integradas à sua arquitetura, de modo a
concessionárias de automóveis, garagens ou favorecer boas soluções paisagísticas para o ambiente
estacionamentos com mais de 6 (seis) vagas para veículos; urbano da cidade.
VIII - é obrigatória a instalação de caixa coletora § 1° - Será admitida a instalação de antenas de
de correspondência em local acessível dos imóveis para serviços de telecomunicação sobre os telhados das
utilização pelo serviço de correios, exceto em imóveis edificações, desde que observada a altura máxima de 5,0m
constituídos na forma de condomínios; (cinco metros) acima da laje de cobertura do último
IX - nos estabelecimentos que abriguem pavimento.
atividades capazes de produzir ruído, com som amplificado, § 2° - Não será admitida a instalação de antenas
em áreas residenciais, é obrigatório o isolamento acústico em edificações ou em estruturas de sustentação
dos respectivos recintos localizadas a uma distância inferior a 30,0m (trinta metros)
de outra edificação com altura superior, salvo em casos que
CAPÍTULO III tenham sido autorizados pela Agência Nacional de
Das Instalações Prediais Telecomunicações.

Seção I Seção III


Das Instalações Sanitárias Das Instalações de Segurança

Art. 87 - O projeto e a execução de obras de Art. 92 - Além dos casos previstos nas normas
instalações de água e esgotos obedecerão, além das estaduais e municipais, será obrigatória a instalação de
Normas Técnicas Brasileiras pertinentes, às disposições pára-raios em:
das normas estaduais e municipais vigentes. I - edificações com altura igual ou superior a
Parágrafo Único - Incluem-se no caput o 12,0m (doze metros), medida da cota de soleira até a linha
projeto e a realização de obras, para fins públicos ou de cumeeira da cobertura;
privados, de: II - hospitais;
I - instalações domiciliares de água, incluindo III - aeroportos e estações terminais de
poços de abastecimento em áreas não providas de rede transportes em geral;
pública; IV - Escolas, creches, auditórios, cinemas,
II - instalações de esgotos, incluindo soluções teatros, casas de espetáculos, estádios de esportes,
de destino final em áreas não providas de rede pública; templos religiosos, penitenciárias e outros locais sujeitos à
III - piscinas. aglomeração de pessoas, a critério do Corpo de Bombeiros
Art. 88 - O projeto e a realização de obras de do Estado do Amazonas.
edificações, naquilo que se refere à coleta, ao Parágrafo Único - O projeto e a instalação de
acondicionamento e ao tratamento primário de resíduos pára-raios atenderá às Normas Técnicas Brasileiras
sólidos, além das disposições da Lei Orgânica do específicas sobre o assunto.
Município, do Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus
e da legislação que dispõe sobre parcelamento, uso e
ocupação do solo urbano, deverão atender às seguintes Seção IV
exigências: Dos Elevadores
I - é vedada a instalação e utilização de
incineradores de resíduos sólidos nas edificações, podendo
Art. 93 - Os elevadores, ou qualquer outro
a incineração somente ser realizada, em locais e condições
equipamento mecânico de transporte vertical, não poderão
apropriadas, pela autoridade competente no assunto;
constituir-se no único meio de circulação e acesso às
II - os locais destinados ao depósito dos
edificações e seus distintos pavimentos.
resíduos sólidos nas edificações deverão ter acesso direto
Art. 94 - As edificações com mais de 4 (quatro)
a partir do logradouro público, com largura mínima de
pavimentos, incluindo pilotis, ou que apresentarem altura
1,20m (um metro e vinte centímetros) e altura mínima de
superior a 12,0m (doze metros) em relação à cota de
2,40m (dois metros e quarenta centímetros), pisos e
soleira do pavimento de acesso, deverão ser
paredes revestidos com material impermeável e proteção
obrigatoriamente servidas por 1 (um) elevador de
contra emanação de odores e penetração de animais.
passageiros.
§ 1° - A coleta, o acondicionamento e o
Art. 95 - As edificações com mais de 8 (oito)
tratamento primário dos resíduos industriais serão objeto de
pavimentos, incluindo pilotis, medidos da soleira do
exigências, caso a caso, pelo órgão municipal competente,
pavimento de acesso ao topo da laje de teto do último
com a interveniência do órgão competente estadual,
pavimento, deverão ser obrigatoriamente servidas por 2
conforme o tipo e o volume dos resíduos produzidos.
(dois) elevadores de passageiros.
§ 2° - Serão estimuladas soluções de coleta,
Art. 96 - Nas edificações de uso público deverá
acondicionamento e tratamento primário nas edificações
ser garantido o acesso de pessoas portadoras de
que promovam o reaproveitamento e a reciclagem dos
necessidades especiais a todos os pavimentos e seus
resíduos sólidos.
compartimentos, através de rampas adequadas e de
elevadores segundo as Normas Técnicas Brasileiras
específicas, devendo ser instalado pelo menos 1(um)
Seção II
elevador adaptado para esta finalidade.
Das Instalações de Energia e Telecomunicações
75 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

Art. 97 - Nos poços de elevadores somente será nas faixas frontais às edificações; (Modificado pelo Art.
permitida a passagem de fiação elétrica indispensável ao 18º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
próprio funcionamento do sistema. VII via exclusiva de circulação de pedestres
Art. 98 - Os espaços de circulação fronteiros às com largura mínima de 3,00m (três metros), quando não
portas dos elevadores, em qualquer andar, não poderão ter houver circulação de veículos; (Modificado pelo Art. 18º
largura inferior a 1,50m (um metro e cinqüenta da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
centímetros). VIII - dispor de vagas para estacionamento de
Art. 99 - Na instalação dos elevadores deverão veículos na proporção de 1 (uma) vaga para cada unidade
ser observados os requisitos previstos nas respectivas residencial, para uso dos moradores e 1(uma) vaga para
Normas Técnicas Brasileiras, devendo ser dotados de cada 10 (dez) unidades residenciais para uso de visitantes;
sistemas de segurança que garantam sua movimentação (Modificado pelo Art. 18º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M.
em caso de pane ou falta de energia elétrica. Nº 956)
Art. 100 - Os elevadores de serviço e carga IX reservar 5% (cinco por cento) do terreno
deverão satisfazer às normas previstas para elevadores de para áreas verdes, nas vilas com mais de 30 (trinta)
passageiros, no que lhes for aplicável e com as adaptações unidades, não sendo admitida a coincidência de áreas
adequadas conforme as condições especificadas. verdes com áreas de preservação permanente. (Incluído
Art. 101 - Os elevadores de carga deverão pelo Art. 13º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
dispor de acessos próprios, independentes e separados
dos corredores, passagens ou espaços de acesso aos Seção III
elevadores de passageiros. Dos Condomínios de Unidades Autônomas

TÍTULO IV Art. 105 - Será permitida a implantação de


DAS DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARA AS condomínios, instituídos por unidades autônomas ou lotes
EDIFICAÇÕES POR USO urbanizados para fins residenciais, na forma estabelecida
nos artigos 1o e 8o da Lei Federal n° 4.591, de 16 de
Art. 102 - Além das demais disposições deste dezembro de 1964, na Área Urbana e na Área de Transição
Código, especialmente as Disposições Gerais para da cidade de Manaus. (Modificado pelo Art. 19º da Lei
Edificações, o projeto dos edifícios, em função de sua 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
finalidade ou do seu uso, deverá observar as disposições a Art. 106 - Na implantação de condomínios de
seguir. unidades autônomas deverão ser observados os seguintes
parâmetros:
CAPÍTULO I I - ocupar terreno de, no máximo, 120.000,0m2
Das Edificações para Residência Permanente (cento e vinte mil metros quadrados);
II cada unidade residencial deverá ocupar
Seção I lote com área mínima de 200,00m2 (duzentos metros
Das Residências Unifamiliares quadrados), observadas as dimensões mínimas de
lotes estabelecidas na Lei de Parcelamento do Solo;
Art. 103 - A habitação poderá dispor de (Modificado pelo Art. 20º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M.
ambientes integrados, exceto as instalações sanitárias e Nº 956)
ambientes para os quais seja necessária a vedação e o III - via interna de circulação com largura mínima
controle de acesso, a fim de garantir condições de de 10,0m (dez metros), incluindo passeios de 1,50m (um
segurança ou conforto ambiental dos usuários, nos termos metro e cinqüenta centímetros);
do disposto no Art. 49 deste Código. IV - dispor de vagas para estacionamento de
Parágrafo único As edificações residenciais veículos na proporção de 1(uma) vaga para cada unidade
unifamiliares em lotes cuja área seja igual ou inferior a residencial, para uso dos moradores e 1(uma) vaga para
800,00m2 (oitocentos metros quadrados) ficam dispensadas cada 4 (quatro) unidades residenciais para uso de
da taxa de permeabilidade mínima. (Incluído pelo Art. 17º visitantes;
da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956) V nos condomínios com mais de 20 (vinte)
unidades residenciais, destinação obrigatória de pelo
menos 5% (cinco por cento) da área total do terreno
Seção II para implantação de áreas arborizadas e de pelo menos
Das Vilas 5% (cinco por cento) para áreas de esporte e de lazer,
não sendo admissível a coincidência dessas com áreas de
preservação permanente; (Modificado pelo Art. 20º da Lei
Art. 104 - Será permitida a implantação de vilas
751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
dentro da Área Urbana, desde que observadas as normas
VI - afastamento mínimo entre edificações de
deste Código e atendidos aos seguintes parâmetros:
unidades residenciais distintas deverá obedecer ao cálculo
I - conter um máximo de 40 (quarenta) unidades
da soma dos afastamentos frontais, laterais e de fundos
residenciais;
mínimos exigidos para dois imóveis, de acordo com as
II - ocupar terreno de, no máximo, 10.000,00m2
normas da Lei de Uso e Ocupação do Solo e as
(dez mil metros quadrados), observados os afastamentos
disposições deste Código.
para os limites do lote; (Modificado pelo Art. 18º da Lei
§ 1° - Ficam excluídos da obrigatoriedade de
751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
atendimento aos parâmetros acima os condomínios
III - respeitar o CAMT e demais parâmetros
constituídos por até 05 (cinco) unidades habitacionais
estabelecidos pela Lei de Uso e Ocupação do Solo para o
independentes em edifícios isolados, agrupados por até 05
terreno, limitando-se a altura máxima da edificação em
(cinco) unidades habitacionais independentes em edifícios
8,00m (oito metros); (Modificado pelo Art. 18º da Lei 751
isolados, agrupados, geminados e/ou superpostos,
de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
observados os afastamentos para os limites do lote.
IV - observar a taxa máxima de ocupação do
(Incluído pelo Art. 20º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº
terreno total de 60% (sessenta por cento); (Modificado
956)
pelo Art. 18º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M. Nº 956)
§ 2° - Somente será permitida área superior
V - ocupar área de terreno por unidade
definida no inciso I deste artigo se houver expressa
residencial de, no mínimo, 60,00m2 (sessenta metros
anuência do CMDU, baseada em parecer da Comissão
quadrados);
Técnica de Planejamento e Controle urbano, proferido em
VI - via interna de circulação de veículos com
regular processo administrativo (Incluído pelo Art. 20º da
largura mínima de 6,0m (seis metros), acrescida de 1,50m
Lei 751 de 11/03/04, D.O.M. Nº 956 REPUBLICAÇÃO,
(um e cinquênta metros) para a circulação de pedestres
76 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

NO QUAL FOI VETADO, MAS MANTIDA PELA CMM NO Art. 114 - O grupamento de edificações terá
D.O.M. Nº 967 DE 26/03/04) vias internas descobertas, para pedestres e veículos, com
Art. 107 - Os projetos para condomínios de largura suficiente para atender ao número total de
unidades autônomas com 48 (quarenta e oito) ou mais edificações, excluídas as que, dispondo de acesso direto
unidades residenciais deverão ser submetidos à consulta para logradouro público, distem até 20,0m (vinte metros)
prévia dos órgãos municipais responsáveis pelo deste.
planejamento urbano, meio ambiente e pelo sistema viário § 1° - As características das vias internas para
urbano. veículos, quando servirem de acesso a duas ou mais
Art. 108 - As áreas verdes dos condomínios de edificações, atenderão ao disposto na Lei de Parcelamento
unidades autônomas estarão sujeitas ao controle do órgão do Solo Urbano.
municipal responsável pela proteção ambiental, sendo § 2° - As vias internas para pedestres, isoladas
consideradas Zonas de Controle Ambiental. ou que acompanhem as vias internas para veículos, devem
ser faixas contínuas com largura mínima de 2,0m (dois
Seção IV metros), dispostas de cada lado e em toda a extensão das
Das Edificações Residenciais Multifamiliares vias internas, desde o logradouro público e prolongando-se
até o acesso de cada edificação.
Art. 109 - As edificações residenciais Art. 115 - Ressalvada a possibilidade de
multifamiliares com 8 (oito) unidades habitacionais ou mais, desmembramento, na forma da lei, cada grupamento, em
ou com área total construída superior a 800,00m2 relação ao lote, será sempre um condomínio indivisível, ao
(oitocentos metros quadrados), deverão dispor de: qual estarão definitiva e obrigatoriamente afetos o
I - hall de entrada com previsão para instalação beneficiamento, a conservação e a manutenção das partes
de serviço de portaria; comuns, sendo as vias internas consideradas vias
II - local para reuniões e abrigo da particulares.
administração; Art. 116 - O grupamento poderá ser executado
III - local para recreação dos moradores, em parceladamente, sendo permitida a implantação do
condições de segurança, com área contínua, não grupamento de edificações, em caráter evolutivo, desde
compartimentada, calculada na proporção de 1,0m2 (um que:
metro quadrado) por compartimento habitável do prédio, I - Na etapa inicial sejam construídas as
garantindo-se o mínimo de 40,0m2 (quarenta metros instalações mínimas, de uso comum, previstas na
quadrados) e que permita a inscrição de um círculo de 5,0m legislação;
(cinco metros) de diâmetro em qualquer região de sua área II - Seja apresentado para aprovação o projeto
de piso; completo do grupamento de edificações a ser implantada;
IV - sanitários e vestiários para empregados e III - Seja apresentado para aprovação do órgão
pessoal em serviço. licenciador a proposta de implantação evolutiva do
Art. 110 - O comprimento máximo das grupamento de edificações; e
edificações residenciais multifamiliares não poderá exceder IV - Seja emitida certidão de Habite-se parcial
de 45,0m (quarenta e cinco metros) em qualquer de seus por cada etapa concluída.
lados. CAPÍTULO II
Das Demais Edificações
Seção V
Dos Grupamentos de Edificações Seção I
Das Edificações para Residência Temporária e
Art. 111 - Será permitida a implantação de Hospedagem
grupamento de edificações dentro da área urbana, nos
locais estabelecidos pela Lei de Uso e Ocupação do Solo. Art. 117 - Os estabelecimentos de hospedagem,
Parágrafo Único - Para efeito deste Caput, além das demais disposições aplicáveis deste Código, do
considera-se grupamento de edificações a implantação de Código Sanitário de Manaus, da legislação vigente e das
duas ou mais edificações multifamiliares em um mesmo Normas Técnicas Brasileiras, deverão atender às seguintes
lote. exigências mínimas:
Art. 112 - Os grupamentos de edificações com 8 I - obrigatória a existência de ambiente de estar
(oito) unidades habitacionais ou mais, ou com área total para utilização dos hóspedes, vestíbulo de entrada com
construída superior a 800,0m2 (oitocentos metros local para portaria e recepção;
quadrados), deverão atender ao disposto no artigo 108 II - deverão dispor de ambiente para refeições
deste Código. ou de restaurante, na proporção de 1,0m2 (um metro
Art. 113 - O licenciamento de grupamento de quadrado) por dormitório;
edificações em terrenos com mais de 10.000,00 m2 (dez III - deverão dispor de banheiros privativos ou
mil metros quadrados) dependerá de cessão gratuita ao coletivos, para os hóspedes;
Município de um lote destinado ao equipamento IV - se os dormitórios não forem dotados de
comunitário, que atenda ao seguinte: (Errata I D.O.M. Nº banheiros privativos, deverá ser instalado um lavatório em
660 de 20/12/02). cada dormitório e os banheiros coletivos serão separados
I - ser localizado de frente para logradouro por sexo;
público; V - deverão dispor de banheiros e vestiários
II - apresentar forma regular e testada mínima para os empregados, separados por sexo;
de 20,0m (vinte metros); VI - todas as instalações de serviço deverão ter
III - ter área equivalente a 5% (cinco por cento) acesso independente às destinadas aos hóspedes.
da área total do terreno; Art. 118 - Nos locais de trabalho sujeitos às
IV - apresentar declividade máxima de 10% (dez disposições da Consolidação das Leis do Trabalho, é
por cento). obrigatória a observância das Normas Regulamentadoras
§ 1° - O lote a ser destinado ao equipamento relativas à segurança e medicina do trabalho.
comunitário poderá ser desmembrado da área do terreno
do grupamento ou estar localizado até uma distância Seção II
máxima de 500,00m (quinhentos metros) do acesso Das Edificações para Produção e Armazenagem
principal ao grupamento.
§ 2° - O lote a ser doado ao Município deverá Art. 119 - O projeto e a construção de
estar perfeitamente delimitado e caracterizado no projeto do edificações, estabelecimentos ou compartimentos,
grupamento. destinados à armazenagem, acondicionamento,
§ 3° - VETADO conservação, preparo, fabricação, manipulação, transporte
77 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

e comercialização de gêneros alimentícios ou Abastecimento e de Serviços de Veículos deste Código.


medicamentos, bem como de locais onde se exerçam
atividades que direta ou indiretamente possam interferir na Art. 124 - Não será admitida a instalação de
saúde individual ou coletiva, deverão atender às garagens e oficinas em subsolo ou em pavimentos semi-
disposições da legislação relativa à vigilância sanitária, enterrados.
inclusive o Código Sanitário de Manaus.
§ 1° - Incluem-se entre as edificações e Seção V
estabelecimentos mencionados acima, além das indústrias, Dos Postos de Abastecimento e de Serviços de
as farmácias, drogarias, açougues, bares, restaurantes, Veículos
lanchonetes, churrascarias, pastelarias, pizzarias,
mercados, supermercados e congêneres, unidades de
saúde médico-hospitalar, ambulatorial e laboratorial, bem Art. 125 - Os postos de abastecimento de
como toda e qualquer atividade que mantenha combustível, de lubrificação e lavagem de veículos, além
reservatórios de água, piscinas, cozinhas ou sanitários das demais disposições aplicáveis deste Código, da
voltados para o atendimento público ou ainda produzam legislação vigente e das Normas Técnicas Brasileiras,
rejeitos, efluentes ou resíduos de qualquer natureza. deverão atender às seguintes exigências:
§ 2° - As edificações e estabelecimentos I lotes com testada mínima de 30,0m (trinta
mencionados, conforme o tipo de atividade e o número de metros) e área não inferior a 900,0m2 (novecentos metros
trabalhadores, deverão dispor de instalações quadrados);
complementares, tais como vestiário, refeitório, ambulatório II - as bombas abastecedoras de combustível
e creche, de acordo com o estabelecido na Consolidação serão afastadas, no mínimo, 5,0m (cinco metros) do
das Leis do Trabalho e nas Normas Regulamentadoras alinhamento do logradouro público;
relativas à segurança e medicina do trabalho. III - as coberturas das bombas abastecedoras
de combustível não poderão ultrapassar os alinhamentos e
demais limites do terreno;
Seção III IV - as edificações necessárias ao
Das Edificações para Fins Comerciais funcionamento do estabelecimento serão afastadas, no
mínimo, 4,0m ( quatro metros) das bombas
Art. 120 - As edificações para fins comerciais, abastecedoras de combustíveis e deverão respeitar os
além das demais disposições aplicáveis deste Código, do afastamentos frontais, laterais e de fundos estabelecidos
Código Sanitário de Manaus, da legislação vigente e das neste Código e na Lei de Uso e Ocupação do Solo;
Normas Técnicas Brasileiras, deverão atender às seguintes V - haverá muro divisório com terrenos vizinhos,
exigências: com altura mínima de 2,0m (dois metros);
I - as áreas de atendimento das lojas deverão VI - haverá banheiros exclusivos para usuários e
ter área mínima de 12,0m2 (doze metros quadrados) de tal vestiários para os empregados, ambos separados por sexo;
forma que permita a inscrição de um círculo de 2,70m (dois VII - deverá haver via fronteiriça ao posto,
metros e setenta centímetros) em qualquer região de sua coincidente com o afastamento frontal, liberada ao trânsito
área de piso; de pedestres e de veículos, que não poderá ser utilizada
II - deverão ter, em cada pavimento, sanitários como pátio de estacionamento ou de manobras;
separados por sexo, proporcionais ao movimento previsto VIII - os pisos das áreas de acesso, circulação,
de usuários permanentes e visitantes. abastecimento e serviços deverão ser revestidos de
Art. 121 - Os bares, restaurantes e congêneres, material resistente ao desgaste de solventes, impermeável
além de vestiários para os trabalhadores, terão sanitários e antiderrapante;
separados por sexo localizados de tal forma que assegure IX - serão providos de canaletes nos pisos, para
fácil acesso ao público. coleta das águas, acompanhando toda a extensão do
alinhamento do terreno junto ao logradouro público, e
Seção IV quando necessário provido de grelhas;
Das Oficinas e Garagens de Veículos X - Nos postos de abastecimento de
combustíveis onde haja lavagem ou lubrificação de
veículos, os compartimentos destinados a esta finalidade
Art. 122 - As oficinas e garagens de veículos, deverão ser projetados de modo a proteger a vizinhança e
além das demais disposições aplicáveis deste Código, da o logradouro público de incômodos do seu funcionamento,
legislação vigente e das Normas Técnicas Brasileiras, devendo os despejos de óleo passar por caixa de areia e
deverão atender às seguintes exigências: caixa separadora de óleo antes de serem lançados na rede
I - proibida a utilização de material combustível pública de esgotos sanitários ou outro destino, de acordo
na edificação; com as exigências do órgão municipal responsável pelo
II - os pisos serão executados com material meio ambiente.
lavável e impermeável; XI os proprietários ou arrendatários de postos
III - haverá banheiros e vestiários para os de abastecimento de combustíveis que permitirem a
trabalhadores, separados por sexo; realização de eventos e/ou aglomeração de pessoas, cujas
IV - haverá muro divisório com terrenos vizinhos, atividades ou posturas coloquem em risco a segurança da
com altura mínima de 2,0m (dois metros); população, serão advertidos podendo perder a licença para
V - haverá proteção contra interferências dos funcionamento.
processos de trabalho adotados no estabelecimento para a Art. 126 - Os postos de abastecimento de
segurança, o conforto e a qualidade ambiental na combustíveis deverão reservar para passeio de pedestres,
vizinhança e nos logradouros públicos adjacentes; no mínimo, sem rebaixamento do meio-fio fronteiro à sua
VI - os despejos de óleo deverão passar por testada:
caixa de areia e caixa separadora de óleo antes de serem I - uma faixa de 2,0m (dois metros) de
lançados na rede pública de esgotos sanitários ou outro comprimento junto a cada uma das divisas laterais do
destino, de acordo com as exigências do órgão municipal imóvel;
responsável pelo meio ambiente. II - uma faixa de 3,0m (três metros) de
Parágrafo Único - Será permitida a construção comprimento em frente a cada conjunto de bombas de
de garagens e oficinas integradas a estabelecimentos abastecimento.
industriais e de armazenagem. Parágrafo Único Nos lotes de esquina deverá
Art. 123 - Os serviços de abastecimento, ser reservada, no mínimo, uma faixa correspondente a
lavagem e lubrificação existentes nas garagens e oficinas 5,0m (cinco metros) para cada lado, contados a partir da
estarão sujeitos às normas relativas aos Postos de
78 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

interseção das vias, sem rebaixamento do meio-fio fronteiro


à testada.
Art. 133 - As edificações para prestação de
Seção VI serviços de saúde, além de atender às disposições deste
Das Edificações para Ensino e Creche Código, do Código Sanitário de Manaus, das normas
específicas dos órgãos fiscalizadores desta atividade, das
Art. 127 - As creches e edificações para o Normas Técnicas Brasileiras pertinentes e da legislação
ensino pré-escolar deverão apresentar arquitetura e federal, estadual e municipal, deverão observar as
condições técnico-construtivas compatíveis com o grupo seguintes exigências:
etário que compõe a sua clientela. I - todos os vãos de iluminação dos
Art. 128 - As instalações sanitárias, compartimentos de permanência prolongada deverão ser
interruptores de luz, maçanetas, portas, bancadas e demais voltados para orientação entre NE e SE;
elementos construtivos, inclusive integrantes do mobiliário, II - as circulações para trânsito permanente ou
deverão permitir a sua utilização autônoma e segura por eventual de pacientes terão largura mínima de 2,0m (dois
crianças de até 4 (quatro) anos, bem como para crianças metros);
portadoras de deficiências especiais. III - os elevadores deverão atender às
Art. 129 - É obrigatória a existência de área livre dimensões das normas específicas, devendo ser instalados
externa de recreação, arborizada, com área proporcional à elevadores exclusivos para atendimento aos pacientes e
capacidade prevista do estabelecimento, nunca inferior a para uso de serviço;
50,0m2 (cinqüenta metros quadrados). Art. 134 - Serão admitidos consultórios e
Art. 130 - A interligação de níveis diferentes ou clínicas, sem internação de pacientes, em salas de
pavimentos limitados a 2 (dois) da edificação será feita por edificações destinadas ao uso comercial e de serviços,
meio de rampas com declividade máxima de 6% (seis por observadas as disposições da Lei de Uso e Ocupação do
cento). Solo.
Art. 135 - Será admitida a adaptação de
edificações residenciais unifamiliares para instalação de
Seção VII clínicas destinadas à internação de pacientes, observadas
Das Edificações para Reunião de Público as disposições da Lei de Uso e Ocupação do Solo.

Art. 131 - Nas edificações e nos


estabelecimentos destinados à reunião de público, Seção IX
incluídos cinemas, teatros, auditórios, casas de espetáculos Das Edificações para Fins Esportivos
e templos de culto, além das disposições do Código
Sanitário de Manaus, das Normas Técnicas Brasileiras
pertinentes e da legislação estadual e municipal de
segurança contra incêndio, serão atendidas as seguintes Art. 136 - Os projetos de edificações para fins
exigências: esportivos, além de atenderem às disposições deste
I - as platéias com assentos fixos deverão ter Código, das Normas Técnicas Brasileiras pertinentes e da
espaços internos para acesso, circulação e escoamento legislação federal, estadual e municipal, deverão observar
dos usuários, atendendo às dimensões e características as seguintes exigências:
estabelecidas nas normas de segurança; I - as arquibancadas não poderão ser
II - a disposição dos assentos deverá oferecer construídas em madeira;
condições adequadas de circulação, conforto e visibilidade II - os estádios e ginásios esportivos deverão ter
dos usuários, observando distância mínima entre filas de instalações sanitárias para o público em geral e destinadas
90cm (noventa centímetros) de encosto a encosto; também para portadores de necessidades especiais,
III - todas as portas de circulação interna de separada por sexo, independente das destinadas aos
público deverão abrir nas duas direções, admitindo-se que atletas em número proporcional à sua capacidade;
as portas utilizadas exclusivamente para saída, inclusive as III - as saídas, sejam portas, circulações,
de emergência, abrirão para fora do recinto, no sentido de escadas ou rampas, deverão garantir a vazão do público
facilitar o escape do fluxo de pessoas na direção do das dependências a que atendem, calculadas na base de:
logradouro público; a) 1,0m (um metro) de largura para cada 500
IV - haverá banheiros exclusivos para usuários e espectadores em estádios e ginásios com capacidade
vestiários para os empregados, ambos separados por sexo inferior a 5.000 (cinco mil), espectadores, com um mínimo
e com condições adequadas de atender às necessidades de 5,0m (cinco metros) de largura;
dos portadores de necessidades especiais; b) 1,0m (um metro) de largura para cada
V - as bilheterias terão guichês afastados, no 1.000 espectadores, em estádios e ginásios com
mínimo, 3,0m (três metros) do alinhamento do logradouro capacidade superior a 5.000 (cinco mil) espectadores, com
público; um mínimo de 10,00m (dez metros) de largura.
VI - todos os espaços internos e externos IV O acesso às arquibancadas tem que ter
deverão ser providos de instalação de iluminação de rampas para o deslocamento de portadores de
emergência; necessidades especiais;
VII - a edificação deverá ser provida de V a criação de saídas de emergências.
tratamento acústico interno, para redução dos ruídos aos
níveis estabelecidos no Código Ambiental de Manaus.
Art. 132 - Os locais de reunião com capacidade Seção X
superior a 100 (cem) espectadores deverão dispor de Das Edificações para Fins Especiais
acomodações especiais para portadores de necessidades
especiais na proporção de, no mínimo, 3% (três por cento)
da lotação total, bem como condições de acesso e Art. 137 - Os projetos de edificações para fins
circulação, de acordo com as disposições das Normas especiais que, pela natureza e excepcionalidade do seu
Técnicas específicas. programa arquitetônico, não hajam sido tratadas em todo
ou em parte neste Código, serão objeto de análise pelo
órgão de planejamento urbano.
Art. 138 - As edificações de uso misto
Seção VIII atenderão às disposições legais pertinentes a cada uma de
Das Edificações para Prestação de Serviços de Saúde suas partes funcionais, sem interferências que ameacem a
79 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

segurança, a acessibilidade, a salubridade e o conforto Habite-se, com a finalidade de atualização da base de


ambiental do conjunto. dados da Administração Municipal.

Seção X TÍTULO IV
Das Edificações Temporárias DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS E DA SEGURANÇA DE
TRABALHO NAS OBRAS

Art. 139 - Instalações provisórias do tipo circos,


parques de diversões, feiras e outras de caráter temporário Art. 146 - As condições ambientais e de
de afluência de público em geral, além de outras segurança de trabalho nas construções, além das
disposições da legislação municipal, estadual e federal, disposições específicas deste Código, são reguladas pela
deverão atender às seguintes exigências: Norma Regulamentadora n° 18, estabelecida no âmbito da
I - implantação dentro do terreno que garanta Consolidação das Leis do Trabalho.
afastamento mínimo de 5,0m (cinco metros) do alinhamento Art. 147 - É obrigatória a inspeção prévia e
com o logradouro público, das divisas com terrenos periódica das instalações e equipamentos de segurança
vizinhos e de qualquer edificação; para sua utilização ou funcionamento nas obras.
II - isolamento do terreno por muro, gradil ou Art. 148 - Nenhuma obra, inclusive de
cerca metálica; demolição, poderá ser realizada sem que haja no
III - acessos independentes para entrada e alinhamento do logradouro público um tapume provisório
saída do público, em condições de segurança para escape; que ofereça a necessária segurança e proteção aos
IV - banheiros exclusivos para usuários e para pedestres.
empregados, ambos separados por sexo, proporcionais ao § 1° - No caso de obras em edificações
movimento previsto e com solução adequada de destino existentes ou de construções projetadas com qualquer de
final dos dejetos que não comprometa a qualidade do meio suas faces no alinhamento de logradouros públicos, cujos
ambiente; passeios tenham largura igual ou inferior a 1,50m (um
V - no caso da utilização de animais ferozes, as metro e meio), o órgão municipal competente definirá, caso
jaulas, instalações em geral e as condições de controle dos a caso, com base em vistoria do local, a solução transitória
animais deverão garantir segurança ao público; a adotar, devendo-se para tanto buscar-se alternativa que
VI - instalação de iluminação de emergência. garanta o trânsito livre e seguro de portadores de
necessidades especiais enquanto possa durar a obstrução
Art. 140 - A autorização para as instalações do passeio.
provisórias será concedida pelo Poder Executivo Municipal, § 2° - No caso de passeios com largura maior
após análise de projeto apresentado pelo empreendedor ao que 1,50m (um metro e meio), os tapumes poderão ocupar
órgão municipal competente, que deverá ser assinado por até 1/3 (um terço) de sua largura.
profissional habilitado, responsável pela execução e § 3° - Quando os serviços na fachada se
manutenção das instalações. desenvolverem à altura superior a 4,0m (quatro metros),
será obrigatória a cobertura de proteção aos pedestres,
Parágrafo Único - Para a autorização de com altura mínima de 2,40m (dois metros e quarenta
instalação de parques de diversões, também deverá ser centímetros).
apresentado profissional habilitado que assumirá a § 4° - Durante o período de execução da obra
responsabilidade técnica pela instalação e manutenção dos deverá ser mantido revestimento adequado do passeio
equipamentos de diversão. fronteiro ao tapume de modo a garantir boas condições ao
trânsito público.
Art. 141 - A desmontagem das estruturas e Art. 149 - Os tapumes e outras instalações
instalações temporárias, bem como a limpeza do terreno, provisórias de obras não poderão prejudicar a arborização
se fará, às expensas do interessado, no prazo da licença e a iluminação públicas, a visibilidade de placas da
para funcionamento da atividade. sinalização de trânsito, o funcionamento do mobiliário
urbano e outras instalações de interesse público.
CAPÍTULO III Parágrafo Único - Os andaimes deverão ser
Da Mudança de Uso dimensionados, calculados, instalados, utilizados e
mantidos de modo a oferecer segurança no seu uso aos
Art. 142 - Nos processos referentes à mudança trabalhadores da obra, pedestres e vizinhos conforme com
de uso das edificações serão observadas a compatibilidade as Normas Técnicas Brasileiras,.
com as exigências da Lei de Uso e Ocupação do Solo e as Art. 150 - A montagem e desmontagem de
devidas adaptações da arquitetura do imóvel original, de andaimes suspensos deverá ser feita exclusivamente por
modo a atender aos requisitos exigidos pela legislação para pessoas habilitadas, devidamente providas dos
o novo uso pretendido. equipamentos de segurança.
§ 1° - Nas mudanças de uso durante a Art. 151 - É vedada a utilização de qualquer
execução da obra, em caso de alteração das características parte do logradouro público para operações de carga e
arquitetônicas, será exigida a apresentação de projeto descarga, deposição mesmo que temporária de materiais
modificado para aprovação. de construção, instalação de canteiro de obras ou
§ 2° - O Habite-se para a edificação no caso construções transitórias.
citado no parágrafo primeiro só será concedido após a Art. 152 - Para o necessário o rebaixamento de
aprovação do projeto de modificação. lençóis d água para a construção de pavimentos em
Art. 143 - Os pedidos de mudança de uso após subsolos, serão tomadas providências para evitar danos
a concessão de Habite-se serão solicitados à Secretaria aos prédios vizinhos e logradouros públicos que possam
Municipal de Economia e Finanças que encaminhará o ser afetados.
processo ao órgão municipal responsável pelo
licenciamento das edificações para verificação da Art. 153 - Nas proximidades de escavações
compatibilidade do novo uso à legislação. necessárias em logradouros públicos e canteiros de obras,
Art. 144 - Quando houver modificação da deverá ser colocada cerca de proteção e sistema adequado
edificação nas mudanças de uso, o projeto de alterações de sinalização para o trânsito.
será apresentado para aprovação. Art. 154 - As obras e seus acessos deverão ser
Art. 145 - O setor municipal de cadastro técnico convenientemente iluminadas, natural ou artificialmente,
será informado da mudança de uso das edificações, após o conforme as necessidades das distintas tarefas a executar.
80 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

Art. 155 - Obras ou serviços emergenciais, do Município de Manaus, Estado do


realizados para evitar o desabamento ou a ruína de Amazonas, e dá outras
edificações, poderão ser iniciados através de comunicação providências.
ao órgão municipal competente sobre a natureza das
intervenções a serem executadas, que deverão contar com
a assistência de profissional habilitado, após vistoria técnica O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no
e autorização prévia do Poder Executivo Municipal. uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 80,
inciso IV, da Lei Orgânica do Município.

TÍTULO VI FAZ SABER que o Poder Legislativo decretou


DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS e eu sanciono a presente

LEI:
Art. 156 - O Poder Executivo Municipal tomará
providências administrativas que contribuam para promover
TÍTULO I
a eficácia deste Código, no prazo de 180 (cento e oitenta
dias), especialmente as seguintes:
I - revisão da organização administrativa dos DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
órgãos municipais implicados nos assuntos da lei, no
sentido de buscar agilidade e especialização no Art. 1o. Esta Lei institui normas gerais de polícia
atendimento das suas funções; administrativa, de competência do Município de Manaus,
II - realização de um programa de reciclagem de para condicionar e restringir o uso de bens, atividades e
pessoal, especialmente dos responsáveis pela tramitação direitos individuais em benefício da coletividade.
de processos e pela fiscalização de obras, com o objetivo
de atualizá-los a respeito das disposições deste Código. §1o. Esta Lei integra as Posturas Municipais,
Art. 157 - Dentro do prazo de 180 (cento e formada conjuntamente pelo Código Sanitário, Código
oitenta) dias contados a partir da data de regulamentação Ambiental, Código de Obras e Edificações e outros
deste artigo os imóveis, cujos usos eram permitidos na instrumentos e normas, de competência do Município,
legislação anterior, que procederem à regularização, relacionados à polícia administrativa.
poderão se beneficiar de redução da taxa em valor
equivalente à taxa de licenciamento e habite-se dos
§2o. Sempre que tratar de temas relacionados à
imóveis novos. (Modificado pelo Art. 21º da Lei 751 de
vizinhança, comercialização e exposição de produtos,
07/01/04, D.O.M. Nº 956)
conduta e convivência em logradouros públicos, deverão
Parágrafo Único Ato do Poder Executivo
ser observados os valores consagrados da Constituição
definirá os procedimentos técnicos e administrativos para
Federal, Código Civil, Código do Consumidor, Código
aplicação do estabelecido no caput deste artigo.
Nacional de Trânsito, Código Penal, Estatuto da Cidade e
(Modificado pelo Art. 21º da Lei 751 de 07/01/04, D.O.M.
Estatuto da Criança e do Adolescente.
Nº 956)
Art. 158 - O Executivo atualizará, no prazo de
1(um) ano, os valores estabelecidos no art. 42 desta lei. Art. 2o. As medidas previstas nesta Lei devem
Art. 159 - VETADO. ser interpretadas e aplicadas, no que couber, em
Art. 160 VETADO. combinação com o que estabelecem os demais
instrumentos de Posturas Municipais, a Lei do Plano Diretor
do Município de Manaus e a legislação que o complementa,
Art. 161 - Esta Lei entrar em vigor na data de em especial, no tocante ao zoneamento, parcelamento, uso
sua publicação, revogadas as disposições em contrário e e ocupação do solo.
expressamente as Leis 1.208 de 25/03/1975; 1.227 de Art. 3o. Compete aos Poderes Municipais, seus
3/11/1975; 1.427 de 22/05/1979 e 1.701 de 20/12/1983. agentes políticos e administrativos, nos limites de suas
atribuições, zelar pela observância das normas dispostas
Manaus, 04 de NOVEMBRO de 2002. nesse Código, através do exercício regular do poder de
polícia administrativa e dos respectivos instrumentos, entre
os quais o licenciamento e autorização de atividades,
ALFREDO PEREIRA DO NASCIMENTO vistorias e de programas permanentes de verificações de
Prefeito Municipal de Manaus campo.

Parágrafo Único. As ações de polícia


YOLANDA CORRÊA PEREIRA administrativa de que trata esse Código, deverão ser
Procuradora-Geral do Município complementadas por programas, ações e instrumentos de
educação ambiental e valorização da cidadania, que
assegurem à população o conhecimento da lei e dos
RAUL ARMONIA ZAIDAN procedimentos necessários ao seu cumprimento.
Secretário-Chefe do Gabinete Civil
Art. 4o. As pessoas físicas ou jurídicas de direito
público ou privado, sujeitas aos preceitos e regras que
constituem essa Lei, são obrigadas a colaborar com o
desempenho da fiscalização municipal, fornecendo as
informações que se fizerem necessárias e facilitando o
acesso aos locais e equipamentos objetos de vistoria.
Parágrafo Único. A inobservância deste artigo constitui
LEI N° 674, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2002 fator agravante na aplicação de penalidades.

TÍTULO II
RELATIVO ao Licenciamento e DA FISCALIZAÇÃO DE POSTURAS
Fiscalização de Atividades em
Estabelecimentos e Logradouros, CAPÍTULO I
que integra o Conjunto de Posturas
81 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Município e, dependendo da atividade e localização, deverá


atender:
Art. 5o. A Prefeitura organizará o sistema de
Posturas Municipais, serviço de caráter permanente que, às disposições do Plano Diretor de Manaus e da
para fins de que trata este Código, se apoiará nos legislação correlata;
seguintes elementos operacionais: às disposições do Código Ambiental de Manaus;
às disposições do Código de Obras e
Instrumentos de Posturas Municipais; Edificações do Município de Manaus;
Cadastro Técnico Municipal; às exigências do Código Sanitário de Manaus;
Cadastros de Contribuintes de ISS; ao controle ambiental da União e do Estado, no
Cadastro de Logradouros; que for pertinente;
Lei do Plano Diretor e Mapa de Zoneamento às disposições do Patrimônio Histórico da União
Urbano; e do Estado;
Demais sistemas de informação e processos
VII - às exigências da Capitania dos Portos;
relacionados ao tema.
VIII - às exigências do Corpo de Bombeiros;
Parágrafo Único. O sistema de Fiscalização de
Posturas Municipais integrará os serviços de Vigilância e IX - às exigências legais de habilitação.
Inspeção Sanitária, Fiscalização de Obras, Fiscalização
Ambiental, Fiscalização de Trânsito, Guarda Municipal, §1o. O imóvel do estabelecimento deverá estar
Fiscalização Tributária e Procuradoria. devidamente cadastrado na Prefeitura, através do Cadastro
Técnico Municipal.
Art. 6o. As visitas para fins de fiscalização aos
§2o. A isenção ou imunidade tributária, de
estabelecimentos e logradouros, poderão ser realizadas a
qualquer natureza, não implica dispensa da Licença ou
qualquer momento, sempre que a Prefeitura julgar
Autorização.
conveniente, a fim de assegurar o cumprimento das
disposições desta Lei ou para resguardar o interesse
§3°. A concessão da Licença poderá ser
público.
condicionada à execução de reformas ou instalações, que
serão determinadas pela Prefeitura, de forma a garantir as
Parágrafo Único. Caso seja observada exigências legais.
qualquer irregularidade, o órgão competente da Prefeitura
deverá determinar as providências cabíveis e, conforme o §4o. Nova Licença deverá ser requerida a cada
caso, proceder a notificação preliminar ou lavrar o alteração da atividade do estabelecimento ou suas
competente auto de infração, na forma prevista por esta características essenciais.
Lei, para que o interessado tome imediato conhecimento da
ocorrência. Art. 9o. A Licença será concedida somente para
estabelecimentos em edificações devidamente
CAPÍTULO II regularizadas pela Prefeitura.
DO PROCESSO ADMINISTRATIVO
Art. 10. Nos casos de estabelecimentos em
Seção I edificações irregulares, situados em terrenos ocupados por
Das Licenças tempo superior a 5 (cinco) anos, poderá ser concedida
Licença para funcionamento nas seguintes situações:
Art. 7o. Qualquer atividade ou estabelecimento
comercial, industrial, de prestação de serviços ou similar imóveis situados em Áreas de Especial Interesse
poderá ser exercida ou instalar-se no Município de Manaus, Social AEIS;
de forma fixa ou provisória, desde que tenha recebido da imóveis em processo de regularização fundiária
Prefeitura a devida Licença de localização e e de legalização da construção;
funcionamento. demais casos previstos em Lei.
§1o. A Lei de Uso e Ocupação do Solo de
§1°. O Executivo, nos termos do Código Manaus definirá as atividades que poderão ser exercidas
Tributário Municipal, fixará taxa de Licença de nas áreas de que trata o artigo.
estabelecimentos e atividades, em decorrência do exercício
regular do poder de polícia do Município, que regula a §2o. A irregularidade da construção não
prática de ato ou abstenção de fato em razão de interesse desobriga o interessado ao cumprimento das exigências
público concernente à segurança, à higiene, à saúde, à descritas no artigo 8o.
ordem, aos costumes, à localização e ao funcionamento de
estabelecimentos comerciais, industriais e prestadores de Art. 11. O funcionamento de qualquer
serviço, à tranqüilidade pública, à propriedade, aos direitos estabelecimento comercial, industrial ou prestador de
individuais e coletivos e à legislação urbanística a que se serviços, sem a necessária Licença ou Autorização,
submete qualquer pessoa física ou jurídica das atividades consiste em infração grave à presente Lei.
licenciadas.

§2°. A Licença será expressa por meio de alvará Parágrafo Único. Quando o uso do
que, para efeitos de fiscalização, deverá ser exposto em estabelecimento em situação irregular depender de parecer
local próprio e facilmente visível, exibindo-se à autoridade técnico de órgãos de controle ambiental, vigilância
municipal sempre que esta o solicitar. sanitária, Corpo de Bombeiros ou quando implicar em risco
§3°. A Licença terá caráter provisório e precário, para a população, sua interdição será imediata.
sendo válida, conforme o caso e as disposições desta Lei,
pelo prazo nela estipulado Seção II
Art. 8o. A Licença será concedida mediante Das Vistorias
apresentação de parecer técnico favorável quanto à
localização, a ser expedido em consulta prévia ao órgão
Art. 12. A Prefeitura deverá realizar vistorias
responsável pelo licenciamento e controle urbano no
antes do início do funcionamento de qualquer
estabelecimento comercial, industrial ou de prestação de
82 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

serviços, para verificação da obediência às exigências do III - a assinatura do agente fiscalizador e a


licenciamento da atividade e, conforme o caso, da indicação do seu cargo ou função;
adequação das instalações ao fim a que se destinam. IV - a assinatura do próprio infrator ou dos seus
representantes, ou mandatários ou prepostos, ou a menção
§1°. A vistoria de que trata a presente Lei não da circunstância de que o mesmo não pode ou se recusou
substitui, tampouco dispensa, as vistorias previstas pelo a assinar;
Código Sanitário, Código Ambiental e pelo Código de V - local e data da notificação.
Obras e Edificações.

§2o. A vistoria deverá ser realizada na presença Seção IV


do proprietário ou responsável pelo estabelecimento ou Da Representação
atividade e far-se-á em dia e hora previamente marcados.
Art. 15. Quando incompetente para notificar o
§3o. Se o local a ser vistoriado for encontrado infrator, o servidor municipal deve, e qualquer pessoa pode
fechado no dia e hora marcados para a vistoria, o agente representar perante o órgão ou autoridade competente
fiscal fará a notificação do fato, anexando-a ao processo de contra toda ação ou omissão contrária à disposição deste
concessão da Licença, que ficará suspensa até a Código ou de outras leis e regulamentos do Município.
realização de nova vistoria.
§1o. A representação, feita por escrito,
Seção III mencionará, em letra legível, o nome, endereço do seu
Da Notificação autor, os elementos ou circunstâncias em razão das quais
se tornou conhecida a infração, acompanhada de prova ou
Art. 13. A Notificação é o instrumento descritivo devidamente testemunhada.
no qual a fiscalização comunica alguma irregularidade
verificada em relação à esta Lei e intima o infrator à §2o. Recebida a representação, a autoridade
eliminação ou correção dentro de prazo determinado. competente providenciará imediatamente as diligências
para verificar a respectiva veracidade e, conforme couber,
notificará o infrator, autuar-lo-á ou arquivará a
§1o. A Notificação será aplicada, sempre com o
representação.
intuito educativo.

§2o. A Notificação deverá sempre preceder à Seção V


lavratura de autos de infração, multas e interdições de Do Auto de Infração
estabelecimentos, serviços e atividades, exceto para os
seguintes casos, quando será lavrado o auto de infração
independentemente da notificação preliminar: Art. 16. Auto de infração é o instrumento
descritivo no qual a fiscalização aplica a sanção cabível a
situações em que se constate perigo iminente qualquer violação desta e de outras leis, decretos e
para a comunidade; regulamentos do Município. (Errata II D.O.M. Nº 801 de
atividades de risco ao meio ambiente e ao 23/07/03)
patrimônio histórico;
irregularidade no funcionamento, nos termos do Art. 17. Será considerado infrator todo aquele
artigo 11 desta Lei; que cometer, mandar, constranger, ou auxiliar alguém a
demais situações previstas em lei. praticar infrações e, ainda, os encarregados da execução
§3o. A notificação será entregue ao infrator, das Ieis que tendo conhecimento da infração, deixarem de
sempre que possível, no ato do exercício do poder de autuar o infrator.
polícia, salvo situações excepcionais, quando far-se-á Art. 18. O auto de infração será lavrado, com
mediante remessa postal, com emissão de aviso de precisão e clareza, pelo agente da fiscalização da
recebimento. (Errata II D.O.M. Nº 801 de 23/07/03) Prefeitura e deverá conter as seguintes informações:
§4o. As omissões ou incorreções da notificação I - o local, a data e a hora da lavratura;
não acarretarão sua nulidade quando do termo constarem II - identificação do autuado: nome e/ou razão
elementos suficientes para a determinação da infração e do social; ramo de atividade; CNPJ/CNPF; número e a data do
infrator. alvará de Licença; endereço e CEP;
III - a descrição clara e precisa do fato que
§5o. No caso de ausência do infrator ou de sua
constitui infração e, se necessário, as circunstâncias
recusa em assinar a notificação, o agente fiscalizador fará
pertinentes;
registro dessa circunstância, colhendo a assinatura de 1
IV - a capitulação do fato, com a citação
(uma) testemunha.
expressa do dispositivo legal infringido e do que lhe comine
§6o. O prazo para a regularização da situação a penalidade;
constatada será arbitrado pelo fiscal por período que não V - penalidade cabível e intimação para
deve exceder 20 (vinte) dias. apresentação de defesa, dentro do prazo de 20 (vinte) dias;
VI - a assinatura do agente autuante e a
§7o. Decorrido o prazo estabelecido sem que o indicação do seu cargo ou função;
infrator tenha regularizado a situação apontada, lavrar-se-á VII - a assinatura do próprio autuado ou infrator
o respectivo auto de infração, nos termos dos artigos 16 e ou dos seus representantes, ou mandatários ou prepostos,
seguintes, deste Código. ou a menção da circunstância de que o mesmo não pôde
ou se recusou a assinar.
Art. 14. Da notificação deverão constar as
seguintes informações: Parágrafo Único. A assinatura do autuado não
I - identificação do intimado: nome e/ou razão importa em confissão nem a sua falta ou recusa em
social; ramo de atividade; CNPJ/CNPF; número e a data do nulidade do auto ou agravamento da infração.
alvará de Licença; endereço e CEP; Art. 19. Dará motivo à lavratura de auto de
II - motivo da notificação, com a descrição da infração:
ocorrência que constitui infração, preceito legal infringido,
procedimentos e prazo para correção da irregularidade;
83 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

I - descumprimento de notificação preliminar, §2o. A devolução das coisas apreendidas só se


emitida pelo agente fiscalizador, em função de fará depois de pagas as multas devidas e as despesas da
irregularidade verificada em relação à esta Lei; Prefeitura com a apreensão, transporte e depósito.
II - casos de perigo iminente ou infrações
Art. 24. No caso de não serem reclamadas e
flagrantes que coloquem em risco a integridade física de
retiradas dentro de 5 (cinco) dias úteis, as coisas
pessoas e bens, exigindo ação imediata por parte do Poder
apreendidas serão vendidas em leilão público pela
Público;
Prefeitura.
III - casos de funcionamento clandestino de
estabelecimentos, nos termos do artigo 11 desta Lei. §1o. O leilão público será realizado em dia e
hora designados por edital, publicado na imprensa com
Art. 20. O autuado será notificado da lavratura antecedência mínima de 8 (oito) dias.
do auto de infração: §2o. A importância apurada será aplicada para
cobrir as despesas de apreensão, transporte, depósito e
I - pessoalmente, no ato da lavratura, mediante manutenção, estas quando for o caso, além das despesas
entrega de cópia do auto de infração ao próprio autuado, do edital.
seu representante, mandatário ou preposto, contra
§3o. O saldo restante será entregue ao
assinatura-recibo, datada no original, ou a menção da
proprietário, mediante requerimento devidamente instruído
circunstância de que o mesmo não pode ou se recusa a
e processado.
assinar;
II - por via postal registrada, acompanhada de §4o. Se o saldo não for solicitado no prazo de 15
cópia do auto de infração, com aviso de recebimento a ser (quinze) dias, a partir da data da realização do leilão
datado, firmado e devolvido ao destinatário ou pessoa de público, será o mesmo recolhido aos cofres municipais para
seu domicílio; Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano.
III - por publicação, em Diário Oficial do
Art. 25. Quando se tratar de material ou
Município, na sua íntegra ou de forma resumida, quando
mercadoria perecível, haverá doação imediata às
improfícuos os meios previstos nos incisos anteriores,
instituições de caridade que sejam reconhecidas de
presumindo-se notificado 48 (quarenta e oito) horas depois
utilidade pública, a critério do órgão fiscalizador.
da publicação.
Parágrafo Único. Se for verificada a
deterioração do material este será recolhido pelo serviço de
limpeza urbana.
CAPÍTULO III
DAS SANÇÕES Art. 26. As coisas apreendidas em decorrência
de irregularidades que as tornem ilegalizáveis serão
inutilizadas e destruídas pela Prefeitura sem direito à
Seção I indenização ao seu proprietário ou responsável.
Disposições Gerais
Seção III
Art. 21. A inobservância desta Lei, por ação ou Das Multas
omissão de pessoa física ou jurídica, autoriza, a Prefeitura Art. 27. As multas são sanções pecuniárias
a aplicação das seguintes sanções, conforme o caso: impostas aos infratores das disposições legais deste
Código ou de outras leis e regulamentos municipais.
I - apreensão de material;
II - multa; §1o. A ação ou omissão que esteja dando causa
III - interdição ou suspensão de atividades; a dano ambiental significativo, a critério da autoridade
IV - cassação da Licença ou Autorização. competente, poderá ser punida com multa diária contínua,
§1o. As sanções a que se refere esta Lei não até que cessem as causas da infração.
isentam o infrator da obrigação de reparar o dano §2o. Na aplicação da multa, sempre que
resultante da infração. possível, a autoridade fiscalizadora levará em consideração
a capacidade econômica do infrator.
§2o. A aplicação de uma das sanções previstas
não prejudica a de outra, se cabível. Art. 28. As multas serão expressas em moeda
corrente e corrigidas anualmente pelo índice determinado
Art. 22. Para a definição da sanção cabível, a pelo Executivo, sendo arbitradas pela autoridade
autoridade fiscalizadora, a seu juízo, classificará a infração competente de acordo com o anexo a esta Lei.
em leve, grave e gravíssima, considerando:
Parágrafo Único. O valor das multas diárias
I - suas conseqüências para o meio ambiente, o será arbitrado, em moeda corrente, pela autoridade
patrimônio público, para a saúde e integridade física dos competente, com fundamento nos dispositivos infringidos e
cidadãos ou para a segurança e a ordem pública; nos intervalos de valores fixados no Anexo a esta Lei.
II - verificação de dolo, fraude ou má-fé;
III - os antecedentes do infrator com relação às Art. 29. A aplicação da multa poderá ocorrer a
disposições desta Lei e de sua regulamentação; qualquer época, durante ou depois de constatada a
IV - demais circunstâncias atenuantes e infração, obedecendo-se o prazo estipulado no auto de
agravantes. infração.

Seção II Art. 30. Nas reincidências, as multas serão


Da Apreensão de Bens aplicadas em dobro.
Parágrafo Único. Considera-se reincidência a
Art. 23. Serão apreendidos e recolhidos ao repetição de infração a um mesmo dispositivo deste
depósito da Prefeitura qualquer material, mercadoria, Código.
equipamento e animal que se apresentarem em desacordo
com as prescrições desta Lei. Art. 31. Aplicada a multa, não fica o infrator
§1o. Toda apreensão deverá constar de termo desobrigado do cumprimento da exigência que a tiver
lavrado pela autoridade municipal competente, com a determinado.
especificação precisa da coisa apreendida.

Seção IV
84 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

Da Interdição
§1o. A petição mencionará, obrigatoriamente:

Art. 32. Por interdição do estabelecimento I - a autoridade julgadora a quem é dirigida;


entende-se a suspensão de seu funcionamento nas II - a qualificação do interessado e o endereço
seguintes situações: para a notificação;
III - os dados do imóvel ou a descrição das
I - descumprimento das notificações de infração atividades exercidas;
aos dispositivos desta Lei; IV - os motivos de fato e de direito em que se
II - reincidências de infração grave; fundamenta;
III - exercício de atividade diferente da requerida V - as diligências que o interessado pretende
e licenciada; que sejam efetuadas, desde que justificadas as suas
IV - perigo iminente ou risco para o meio razões;
ambiente e patrimônio histórico; VI - o objetivo visado, com referência ao auto de
V - funcionamento sem a respectiva Licença ou infração que questiona.
Autorização para as situações prevista pelo artigo 11 desta
Lei. §2o. A impugnação terá efeito suspensivo da
sanção e instaurará a fase contraditória do procedimento.
Parágrafo Único. Da interdição deverá ser
lavrado termo pela autoridade municipal competente e §3o. A autoridade administrativa determinará, de
conterá as mesmas informações do auto de infração, ofício ou a requerimento do interessado, a realização das
especificando, ainda, que passados os 30 (trinta) dias, a diligências que entender necessárias, fixando-lhe o prazo e
interdição só será suspensa após o cumprimento das indeferirá as consideradas prescindíveis, impraticáveis ou
exigências que o motivarem e mediante requerimento do protelatórias.
interessado, acompanhado dos respectivos comprovantes
do pagamento das multas e tributos devidos. §4o. Preparado o processo para decisão, a
autoridade administrativa prolatará despacho no prazo
Art. 33. As edificações em ruínas ou imóveis máximo de 30 (trinta) dias, resolvendo todas as questões
desocupados que estiverem ameaçados em sua debatidas e pronunciando a procedência ou improcedência
segurança, estabilidade e resistência deverão ser da impugnação.
interditados ao uso, até que tenham sido executadas as
providências adequadas, atendendo-se às prescrições do Art. 37. Havendo renúncia à apresentação de
Código de Obras e Edificações e, conforme o caso, ao defesa ou recurso, o valor das multas constantes do auto
Patrimônio Histórico da União e do Estado. de infração sofrerá as seguintes reduções:

I - 80% (oitenta por cento) do valor da multa


Seção V fiscal, se paga em 10 (dez) dias contados da lavratura do
Da Cassação de Licença auto;
II - 70% (setenta por cento) do valor da multa
fiscal, se paga em 20 (vinte) dias contados da lavratura do
auto;
Art. 34. A Licença de funcionamento de III - 50% (cinqüenta por cento) do valor da multa
qualquer estabelecimento comercial, industrial ou prestador fiscal, se paga em 30 (trinta) dias contados da lavratura do
de serviços poderá ser cassada nos seguintes casos: auto.
I - quando no estabelecimento forem exercidas
atividades prejudiciais à saúde, à higiene e à segurança
pública, responsabilidade do proprietário, em desacordo Art. 38. A apresentação do recurso à decisão
com a Licença concedida e contrária às disposições desta administrativa de primeira instância no prazo legal,
Lei; suspenderá a exigibilidade da multa até a decisão da
II - nas ações integradas com o poder de polícia autoridade competente.
do Estado e União, quanto ao exercício ilegal e clandestino
de atividades no estabelecimento licenciado ou em §1o. Uma vez decorrido o prazo para a
logradouros públicos; apresentação da defesa, o processo será imediatamente
III - nos demais casos legalmente previstos. encaminhado à autoridade encarregada de julgar.

Art. 35. Publicado o ato de cassação da licença, §2o. Se entender necessário, a autoridade
bem como expirado o prazo de vigência da mesma, o julgadora poderá determinar a realização de diligência para
agente fiscalizador procederá, imediatamente e conforme o esclarecer questão duvidosa, bem como solicitar o parecer
caso: da Procuradoria Jurídica do Município e vistoria técnica
I - o fechamento do estabelecimento; com parecer.
II - a remoção ou desmonte do mobiliário
urbano; Art. 39. O autuado será notificado da decisão da
III - a retirada do ambulante. primeira instância:

Parágrafo Único - Sem prejuízo das multas I - por via postal registrada, com aviso de
aplicáveis, o órgão fiscalizador poderá, a fim de dar recebimento a ser datado, firmado e devolvido ao
cumprimento às ações previstas no presente artigo, destinatário ou pessoa de seu domicílio;
requisitar o concurso de força policial. II - por publicação, em jornal de circulação em
CAPÍTULO IV Manaus, na sua íntegra ou de forma resumida, presumindo-
DA DEFESA E DO RECURSO se notificado 48 (quarenta e oito) horas depois da
publicação.

Art. 36. A defesa far-se-á por petição, dentro do Art. 40. Da decisão administrativa de primeira
prazo de 20 (vinte) dias contados da lavratura do auto de instância caberá recurso ao Conselho Municipal de
infração, onde o interessado alegará, de uma só vez, toda Desenvolvimento Urbano, interposto no prazo de 20 (vinte)
matéria que entender útil, juntando os documentos dias contados da ciência da decisão de primeira instância.
comprobatórios das razões apresentadas.
85 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

§1o. O recurso far-se-á por petição, facultada a III - executar lavagem e consertos de veículos,
juntada de documentos a ser anexada ao processo máquinas e equipamentos, salvo em situações
administrativo próprio, que deverá conter, ainda, a emergenciais previstas nas leis de trânsito,
qualificação e endereço do peticionário. IV - utilizar chafarizes, fontes ou tanques
situados em logradouros públicos, para lavagem de roupas,
§2o. É vedado, em uma só petição, interpor animais, veículos ou objetos de qualquer natureza;
recursos referentes a mais de uma decisão, ainda que V - derivar águas servidas, para logradouros
versem sobre o mesmo assunto e alcancem o mesmo públicos;
recorrente, salvo quando as decisões forem proferidas em VI - conduzir, sem as precauções devidas,
um único processo. quaisquer materiais que possam comprometer a limpeza
dos logradouros públicos;
Art. 41. A decisão administrativa de segunda VII - instalar equipamentos destinados à
instância é irrecorrível e produzirá os seguintes efeitos, lavagem de veículos ou lava-à-jato nos logradouros
conforme o caso: públicos de Manaus;
VIII - instalar qualquer equipamento ou
§1o. Mantida a autuação e não sendo pago o mobiliário urbano sem a devida autorização da Prefeitura.
valor correspondente, o órgão de controle urbano
levará o débito imediatamente à inscrição na Dívida Art. 44. Os logradouros públicos deverão
Ativa do Município e posteriormente à execução atender à normas gerais e critérios básicos para a
judicial, mantendo-se ainda, conforme o caso: (Alterado promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de
pelo Art. 4º da Lei Nº 782 de 30/06/04, D.O.M. Nº1032 de necessidades especiais ou com mobilidade reduzida, nos
02/07/04). termos definidos pelas normas técnicas federais.

I a interdição do estabelecimento até a §1o. Os passeios deverão ser livres de qualquer


correção da irregularidade constatada; (Alterado pelo entrave ou obstáculo, fixo ou removível, que limite ou
Art. 4º da Lei Nº 782 de 30/06/04, D.O.M. Nº1032 de impeça o acesso, a liberdade de movimento e a circulação
02/07/04). com segurança das pessoas.
II as demais penalidades aplicadas por
meio de auto de infração. (Alterado pelo Art. 4º da Lei
Nº 782 de 30/06/04, D.O.M. Nº1032 de 02/07/04). §2o. Os estabelecimentos de revenda,
manutenção e locação de automóveis, não poderão se
utilizar dos passeios públicos para estacionamento de
§2o. Quando a decisão tornar insubsistente a
veículos.
autuação produz os seguintes efeitos, conforme o caso:

I - autoriza o autuado a receber a devolução da §3o. É vedada a abertura de portões de


multa paga indevidamente, no prazo de 10 (dez) dias após edificações para o passeio público, devendo o proprietário
requerê-la; do imóvel promover as adaptações necessárias para que o
II - levanta a interdição do estabelecimento; acesso ao imóvel não configure entrave ou obstáculo,
III - revoga as penalidades aplicadas mesmo que temporário, a circulação das pessoas.
indevidamente.
§4o. Os logradouros públicos deverão ser
adaptados, obedecendo ordem de prioridade que vise à
TÍTULO III maior eficiência das modificações, para promover a
DOS LOGRADOUROS PÚBLICOS acessibilidade de que trata o caput do artigo.

Art. 45. É vedada a obstrução ou fechamento


Seção I
de logradouros públicos por meio de guaritas, cancelas,
Disposições Gerais
portões e elementos similares, exceto nas situações
previstas pela autoridade de trânsito do Município.
Art. 42. Consideram-se logradouros públicos os
espaços destinados à circulação de pessoas, veículos ou Art. 46. As depredações ou destruições de
ambos, compreendendo ruas, travessas, praças, estradas, pavimentação, guias, passeios, pontes, galerias, bueiros,
vielas, largos, viadutos, escadarias e etc. que se originem muralhas, balaustradas, bancos, postes, lâmpadas, obras
de processo legal de ocupação do solo ou localizados em ou acessórios existentes nos logradouros públicos, serão
Áreas de Especial Interesse Social. coibidas mediante ação direta da Prefeitura que, julgando
necessário, pedirá o concurso da força policial e também
podendo penalizar o infrator com a prestação de serviços à
Parágrafo Único. Cabe ao proprietário
comunidade.
realizar as obras necessárias ao calçamento e conservação
do passeio correspondente à testada do imóvel, observado
o Artigo 61 desta lei e as exigências das normas municipais §1o. Os infratores do presente artigo, além das
de arruamento e passeios. sanções cabíveis, ficam obrigados a indenizar a Prefeitura
Art. 43. É dever da população cooperar com a das despesas que esta fizer para reparar os danos
Prefeitura na conservação e limpeza dos logradouros causados nos leitos dos logradouros públicos, nas
públicos urbanos, ficando vedado à população: benfeitorias ou nos acessórios neles existentes.
§2o. Caso as destruições que constam do
I - fazer varredura ou limpeza de objetos do presente artigo forem causadas por acidente involuntário,
interior de edificações, terrenos ou veículos para os ficará dispensado o acréscimo de 20% (vinte por cento)
logradouros públicos; estabelecido no § 1o deste artigo.
II - atirar nos logradouros públicos, resíduos,
detritos, caixas, envoltórios, papéis, pontas de cigarros, Art. 47. A Prefeitura poderá autorizar a
líquidos e objetos em geral através de janelas, portas de celebração de ajustes relativos à manutenção, conservação
edificações e abertura de veículos, em direção a passeios ou restauro, no todo ou em parte, de becos, escadarias,
públicos; ruas, praças, parques, jardins, monumentos, chafarizes,
murais e outros logradouros públicos.
86 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

§ 1o. O serviço poderá consistir na doação, por Seção III


parte de particulares, de materiais, realização de obras de Da Higiene dos Logradouros
melhoramentos e restauro, prestação de serviços de
iluminação e varrição ou doação de materiais, mobiliário ou Art. 52. A limpeza dos passeios fronteiriços às
equipamentos, sempre a título gratuito, em benefício do edificações será de responsabilidade de seus ocupantes ou
Município. proprietários.
§1o. O lixo ou detritos sólidos resultante da
§ 2o. Qualquer que seja a modalidade de
limpeza de que trata este artigo, será obrigatoriamente
contrato, deverão ser observados, integralmente, as
acondicionado em vasilhames de coleta de lixo domiciliar.
disposições desta Lei, da Lei Orgânica do Município, Plano
Diretor e legislação urbanística correlata, Código de Obras §2o. Os vasilhames devem ser mantidos
e Edificações e Código Tributário de Manaus, bem como as fechados e atender aos modelos indicados pela Prefeitura
normas e regulamentos administrativos quanto aos ou empresa concessionária do serviço de coleta de lixo
requisitos para o recebimento de bens. domiciliar.

§ 3o. Qualquer que seja o objeto do contrato, a §3o. Os estabelecimentos comerciais, ficam
empresa autorizada ficará responsável, total ou obrigados a manter serviço diário de limpeza do passeio
parcialmente, conforme o caso, pela conservação da área fronteiriço aos seus limites.
durante a vigência do acordo.
§4o. A lavagem do passeio deve ser feita em dia
e hora de pouca movimentação de pedestres e as águas
§ 4o. Quando o logradouro localizar-se em área servidas escoadas completamente.
de preservação histórica ou quando tratar-se de bem
tombado, só será efetuado os ajustes que trata o artigo, §5o. A existência de entrada de veículos e
mediante parecer favorável do órgão público responsável acessos a edificações, obriga o ocupante da edificação a
pela proteção do patrimônio cultural. tomar providências para que ali não se acumulem águas
nem detritos.
§ 5o. A Prefeitura permitirá que conste, na área
§6o. A execução de serviços de construção de
ou logradouro objeto do contrato, placa indicativa contendo
edificações, bem como de conserto e conservação de
o nome da empresa, nos moldes definidos pelo artigo 71
edificações, obriga o responsável pelas obras a
desta Lei.
providenciar para que o leito do logradouro público, no
trecho compreendido pelas obras, seja mantido
permanentemente em perfeito estado de limpeza.
Seção II
Do Trânsito §7o. Não é permitido lavar com mangueiras,
veículos automotores nas ruas, calçadas e logradouros
públicos.
Art. 48. O trânsito, em condições seguras, é um Art. 53. Os veículos empregados no transporte
direito de todos e dever da Prefeitura que, no âmbito de de lixo e resíduos de qualquer natureza deverão ser
suas competências definidas pelo Código de Trânsito dotados dos elementos necessários ao adequado
Brasileiro, definirá em regulamento as medidas necessárias acondicionamento da carga, evitando seu transbordo,
para garantir esse direito. dispersão aérea e queda nos passeios e vias.

Art. 49. Os usuários das vias, além de §1o. Na carga ou descarga de veículos, deverão
obediência às normas gerais de circulação e conduta, ser adotadas as precauções para evitar que o passeio do
definidas pelo Código de Trânsito Brasileiro, devem: logradouro fique interrompido.
§2o. Imediatamente após o término da carga ou
I - abster-se de todo ato que possa constituir descarga de veículos, o ocupante da edificação
perigo ou obstáculo para o trânsito, ou ainda causar danos providenciará a limpeza do trecho do logradouro público
às propriedades públicas ou privadas; afetado, recolhendo os detritos ao seu depósito particular
II - abster-se de obstruir o trânsito ou torná-lo de lixo
perigoso, atirando, depositando ou abandonando nos
logradouros objetos, animais ou substâncias, ou neles §3o. Os resíduos industriais ou de extração
criando qualquer outro obstáculo; mineral deverão ser transportados, pelos proprietários dos
estabelecimentos que os produzem, para local previamente
§ 1o. Sempre que houver necessidade de designado por ocasião do licenciamento em veículos
interrupção do trânsito, esta deverá ser feita mediante adequadamente vedados.
autorização da Prefeitura e através de sinalização
adequada, visível de dia e luminosa à noite, salvo em
situações emergenciais. Seção IV
Do Mobiliário Urbano

§ 2o. A Prefeitura definirá, através de Art. 54. Considera-se mobiliário urbano a


regulamento, as áreas e os horários de carga e descarga coleção de artefatos fixos ou temporários, implantados nos
de materiais em consonância com a legislação de uso do logradouros públicos, de natureza utilitária ou de interesse
solo e hierarquização do sistema viário. urbanístico, paisagístico, simbólico ou cultural, superpostos
Art. 50. A sinalização de trânsito nos ou adicionados aos elementos da urbanização ou da
logradouros públicos, será constituída por mobiliário urbano edificação.
adequado, conforme definido pelo Código de Trânsito
Brasileiro, sendo expressamente proibida sua danificação, §1o. Para efeito desta lei, o mobiliário urbano
depredação, deslocamento ou alteração de suas classifica-se em:
mensagens ou propriedades físicas e estéticas.
I - estruturas: conjuntos de dois ou mais
Art. 51. A Prefeitura pode impedir o trânsito de elementos, independentes, que se complementam para o
qualquer veículo que possa ocasionar danos à via pública. desempenho de uma função, podendo ser de suporte,
como postes e sinalização vertical de trânsito; acessório
como caçamba estacionária de lixo, hidrante e respirador
87 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

ou utilitário, como telefones públicos, caixa coletora de lixo XVI. banner: equipamento publicitário
e correio e parquímetro; confeccionado em tira vertical de tecido ou material flexível,
fixado na extremidade superior, no interior do imóvel ou em
II barracas, cabines e quiosques removíveis:
logradouro público, destinado à veiculação de eventos.
elementos que guardam semelhança com edificação, cuja
XVII. totem: equipamento publicitário
função é abrigar algum tipo de atividade humana, como
confeccionado em materiais diversos, com ou sem
banca de jornal, abrigo de ponto de ônibus, coreto, cabines
iluminação, fixado diretamente ao solo ou sobre base
policial, de informação turística e de banco 24 horas;
própria.
III - elementos de ordenação: elementos usados XVIII. empena: equipamento publicitário
para proporcionar conforto, segurança e proteção ao confeccionado em material flexível, apoiado em estrutura
pedestre e ao sistema viário, como frades, rampas, guarda- metálica, com iluminação própria, fixado na empena cega
corpos, cancela, peitoril, cavalete, cones e tapumes; de edifícios e destinado à veiculação de anúncios.
IV - elementos paisagísticos: aqueles que XIX. relógio e termômetro: equipamento
guardam significado simbólico para a cultura da cidade, publicitário composto de painel luminoso, com duas faces,
orientação cívica ou composição da paisagem urbana, em geral montado sobre suporte metálico, com função de
como esculturas, monumentos, estátuas, pedestais, arco, informar o horário e alternadamente a temperatura do local,
mastro, chafariz, pórtico, bica, jardineira e canteiros; além de anunciar produtos e serviços.
XX. topo: equipamento publicitário
V - elementos de lazer: aqueles destinados à confeccionado em material flexível, apoiado em estrutura
funções esportivas e recreativas, como bancos e mesas, metálica, com ou sem iluminação e fixado no topo das
bicicletários, equipamentos infantis e esportivos; edificações;
VI - engenhos publicitários: usados para § 2°. Os equipamentos de publicidade que não
veiculação de mensagem publicitária, anúncios, tenham sido regulamentados por esta lei ficarão sujeitos à
propaganda, como painéis, letreiros, tabuletas, relógios análise específica dos órgãos competentes para sua
digitais, totens, balões infláveis, banners e outros de instalação.
natureza similar, luminosos ou não, regulados por seção
específica desta Lei. § 3°. Os equipamentos publicitários compostos
VII. Outdoor: equipamento publicitário composto de estrutura metálica, com ou sem iluminação própria, e
por painel rígido para fixação de cartazes substituíveis, fixados sobre as calçadas ou no interior de residências,
dotado ou não de iluminação própria, destinado à obrigatoriamente deverão dispor de aterramento, com a
veiculação de anúncios e serviços. finalidade de eliminar descargas elétricas, obedecendo às
normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas
VIII. painel luminoso: (backlight) ou iluminado ABNT;
(frontlight), painel multifacetado (friedro) e similares:
equipamentos publicitários compostos por painéis, §4o. A Prefeitura, mediante regulamento,
geralmente confeccionados em vinil impresso, montados definirá as normas de padronização para o mobiliário
em estruturas metálicas com iluminação embutida urbano, conforme a legislação de uso de solo e aspectos
(backight) ou direcional (fronlight), podendo ter mensagens paisagísticos e urbanísticos locais.
estáticas ou com movimento (friedo), fixados em coluna
própria, destinado à veiculação de anúncios. Art. 55. Nenhum mobiliário urbano poderá ser
IX. painel eletrônico: equipamento publicitário instalado sem a devida autorização da Prefeitura, que
em materiais diversos, dotado ou não de iluminação observará aspectos relacionados à utilidade, acessibilidade,
própria, fixado em fachadas ou colocado sobre estrutura material construtivo, segurança e estética urbana.
própria, no interior do imóvel, identificando sua atividade.
§1o. A Prefeitura, através do órgão responsável
X. letreiro ou placa: equipamento publicitário pelo desenho e estética urbanos, poderá, a seu juízo,
confeccionado em chapa metálica, fixado em logradouro impedir a instalação ou remover, as custas do infrator,
público através de suporte metálico, destinado à qualquer mobiliário urbano considerado inadequado.
sinalização turística, educativa ou indicação de localização
de equipamentos especiais e de logradouros públicos, §2o. Fica proibida a instalação de canteiros
admitindo a aposição de placa publicitária nos termos de sobre passeio de logradouro público, exceto para os bairros
permissão da Prefeitura. e áreas que forem objeto de projetos de urbanização
XI. placa sinalizadora: equipamento publicitário aprovados e/ou executados pela Prefeitura.
confeccionado em chapa metálica, fixada em logradouro
público através de suporte metálico, destinado à §3o. A instalação de mobiliário urbano nas áreas
sinalização turística, educativa ou indicação de localização de preservação de patrimônio histórico e cultural fica
de equipamentos especiais e de logradouro público, subordinada a parecer do órgãos competentes, em âmbito
admitindo a aposição de placa publicitária nos termos de estadual e federal.
permissão da Prefeitura.
XII. placa sinalizadora: tipo totem: equipamento §4° Os responsáveis pelas faixas, banners e
publicitário confeccionado em chapa metálica, com base infláveis poderão colocá-los no período máximo de cinco
em concreto armado, fixado no passeio público, destinado dias antes e retirá-los até no máximo quarenta e oito horas
à indicação de logradouro público, admitindo espaço depois do evento ao qual se destina;
publicitário, podendo ser utilizado somente quando se tratar
de projetos especiais, de uso coletivo, nos termos de §5° O equipamento publicitário do tipo empena
permissão da Prefeitura. deverá respeitar o distanciamento mínimo de quinhentos
XIII. pintura publicitária: anúncio aplicado metros de raio de outro equipamento do mesmo tipo;
diretamente sobre muros, paredes, fachadas, toldos de §6° O licenciamento do equipamento publicitário
edificações e na superfície externa das bancas de revista. não apenas se constitui em uma obrigatoriedade, como
XIV. inflável: equipamento publicitário torna a empresa proprietária do equipamento ou
confeccionado em material sintético, inflável, para a proprietária do imóvel responsável por quaisquer danos
divulgação de eventos, propaganda ou anúncio. materiais e pessoais que porventura venha a causar em
XV. faixa: equipamento publicitário decorrência de sua instalação e manutenção nos termos da
confeccionado em tira horizontal de tecido ou material lei;
flexível, fixado nas laterais, ou em logradouro público, §7° É vedada a superposição de equipamentos
destinado à veiculação de evento. do mesmo tipo ou tipos diferentes;
88 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

§8° É vedada na área urbana do Município a Parágrafo Único. nas áreas de preservação
colocação de equipamentos publicitários que emitam histórica, não poderão ser instalados sem autorização das
odores ou causem poluição sonora. autoridades responsáveis pelo Patrimônio Histórico e
Cultural.
Art. 56. Os sinais de tráfego, semáforos, postes Art. 60. Para comícios políticos, festividades
de iluminação ou quaisquer outros elementos verticais de cívicas e religiosas de caráter popular, poderão ser
sinalização que devam ser instalados em itinerário ou armados coretos ou palanques provisórios nos logradouros
espaço de acesso para pedestres deverão ser dispostos de públicos mediante autorização da Prefeitura e o
forma a não dificultar ou impedir a circulação e comodidade atendimento às seguintes condições:
das pessoas.
I - atendimento às especificações técnicas
Parágrafo Único. Os semáforos para pedestres estabelecidas pela Prefeitura para a sua instalação;
instalados nos logradouros públicos deverão estar II - atendimento às orientações de serviço de
equipados com mecanismo que emita sinal sonoro suave, trânsito local a fim de não tumultuarem o trânsito público;
intermitente e sem estridência, que sirva de guia ou III - provimento das instalações elétricas
orientação para a travessia de pessoas portadoras de adequadas, quando de utilização noturna, de acordo com
deficiência visual, sempre que a intensidade e as determinações do Código de Obras e Edificações;
periculosidade do fluxo de veículos o exigir. IV - não ocorrência de prejuízo ou dano ao
calçamento, meio-fio, guias, sarjetas e escoamento das
Art. 57. Ao pedido de autorização para águas pluviais.
instalação de mobiliário urbano, o requerente deverá
apresentar a seguinte documentação: §1o. Os coretos ou palanques de que trata o
artigo deverão ser removidos no prazo de 24h (vinte e
I - nome e/ou razão social, ramo de atividade, quatro) horas, a contar do encerramento do ato público.
CNPJ/CNPF, CEP e endereço;
§2o. O responsável pelo evento deverá
II - planta de localização e/ou situação;
providenciar, no mesmo prazo da remoção do
III - desenho da intervenção proposta;
equipamento, a limpeza do local e o reparo de eventuais
IV - outros detalhes que se fizerem necessários.
danos causados ao patrimônio público em decorrência do
evento propriamente dito ou da operação de remoção e
desmonte.
Seção V
Do Uso dos Logradouros Art. 61. Nenhum serviço ou obra que exija
levantamento de guias ou escavações na pavimentação de
logradouros públicos poderá ser executado sem prévia
Art. 58. A ocupação de passeios e vias de autorização da Prefeitura, exceto quando se tratar de
pedestres com mesas, cadeiras ou outros objetos deverá reparo de emergência nas instalações de serviços públicos,
ser autorizada pela Prefeitura a estabelecimentos a ser realizado pelo órgão competente ou empresa
comerciais, desde que satisfeitos, cumulativamente, os concessionária.
seguintes requisitos:
§ 1o. O executor do reparo fica obrigado à
I - ocuparem apenas a parte do passeio recomposição do passeio e da pavimentação, respeitando
correspondente à testada do estabelecimento para o qual os materiais empregados, a estética e o mobiliário urbano
foram autorizadas; preexistente;
II - deixarem livre de barreiras, para o trânsito
público, uma faixa de passeio com largura não inferior a § 2o. As obras e serviços de reparos em
1,20m (um metro e vinte centímetros). logradouros nas áreas de preservação histórica não
poderão ser realizados sem orientação do Patrimônio
§1o. A ocupação de passeios e vias de que trata Histórico Federal e Estadual.
o artigo só será autorizado em logradouros previamente
definidos pela Prefeitura, em conformidade com a § 3o. Quando os serviços de reposição de guias
legislação de uso do solo. ou recomposição de pavimentação de logradouro público
forem executados pela Prefeitura, esta cobrará a quem de
§2o. O pedido de autorização precária para direito a importância correspondente às despesas.
colocação de mesas nas calçadas deverá ser
acompanhado de uma planta de localização do Art. 62. Qualquer entidade que tiver de executar
estabelecimento, indicando a testada, a largura do passeio, serviço ou obra em logradouro deverá fazer comunicação
o número e a disposição das mesas e cadeiras. às outras entidades de serviços públicos interessadas ou
porventura atingidas pela execução dos trabalhos.
Art. 59. Sobre os passeios ou logradouros
exclusivos de pedestres, poderá ser autorizada a instalação Art. 63. A Prefeitura exigirá, nos locais de obras
de toldos ou coberturas de lona encerada ou material e construções, a montagem de tapumes e andaimes
similar, que obedeçam aos seguintes requisitos: seguros, conforme as exigências do Código de Obras e
Edificações.
I - deverão ser retráteis ou de fácil remoção;
II - não poderão exceder a parte do passeio ou §1o. Além de alinhamento do tapume, não se
logradouro correspondente à testada do estabelecimento permitirá a ocupação de qualquer parte do passeio com
para o qual foram autorizadas; materiais de construção.
III - não avançar mais que 1/3 (um terço) da §2o. Os tapumes serão construídos respeitando
largura do passeio; um mínimo de 1,20m (um metro e vinte centímetros) do
IV - nos pavimentos térreos, a altura mínima passeio.
será de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros), entre §3o. Os materiais de construção descarregados
a calçada e o limite inferior do mesmo; fora da área limitada pelo tapume serão, obrigatoriamente,
V - não poderão dificultar o escoamento das removidos para o interior da obra dentro de duas horas, no
águas pluviais; máximo, contadas da descarga dos mesmos.
VI - suas laterais de deverão ser abertas, sem
obstrução do trânsito de pedestres.
89 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

Seção VI o dia 31 de janeiro de cada ano, a relação dos locais onde


Dos Engenhos Publicitários pretendem veicular publicidade.

Parágrafo Único. Dos locais relacionados pelas


Art. 64. A instalação de qualquer engenho empresas para instalação de engenhos publicitários, no
publicitário depende de autorização da Prefeitura, nos mínimo 30% (trinta por cento) deverão pertencer a áreas
termos definidos por esta lei, nos artigo 7o e seguintes. privadas.

§1o. Entende-se por engenho publicitário o Art. 67. É vedada a instalação de faixas, placas,
mobiliário urbano destinado à veiculação de anúncio totens, painéis, banners e murais publicitários nas áreas de
publicitário, em logradouro público ou área privada que se preservação histórica e cultural, excetuando-se tabuletas ou
exponha ao público, como painéis (outdoors), letreiros, galhardetes, vinculados a estabelecimento comercial ou de
tabuletas, relógios digitais, totens, balões infláveis, banners serviços, ainda assim, subordinada a aparecer favorável
e outros de natureza similar, luminosos ou não. dos órgãos competentes, em âmbito estadual e federal.

§2o. Não considera-se publicidade as Art. 68. A Prefeitura, através do órgão


expressões de indicação, tais como placas de identificação responsável pela legislação de uso do solo, definirá os
dos estabelecimentos, tabuletas indicativas de sítios, logradouros e rotatórias onde será permitida a instalação
granjas, serviços de utilidade pública, hospitais, de painéis e outros engenhos publicitários e sua quantidade
ambulatórios, prontos-socorros e, nos locais de construção, máxima tolerada.
as placas indicativas dos nomes dos engenheiros, firmas e
arquitetos responsáveis pelo projeto ou pela execução de Art. 69. Fica proibida a instalação de engenhos
obra pública ou particular. publicitários nos logradouros públicos ou para estes
expostos, nas seguintes situações:
§ 3°. A publicidade veiculada em muros,
tapumes, faixas e postes (murais e cartazes) está sujeita às I - na UES Centro Antigo, definida pelo Plano
mesmas exigências e penalidades previstas em lei para Diretor Urbano e Ambiental de Manaus e legislação
publicidade por meio de engenhos publicitários, devendo os urbanística correlata, orla fluvial, praças e parques;
responsáveis pela confecção do material publicitário e/ou II - quando, de alguma forma, causar danos ou
pela realização dos eventos ser penalizados. prejuízos às fachadas das edificações, aos aspectos
paisagísticos da cidade e à visualização de panoramas
Art. 65. Ao pedido de autorização para naturais e patrimônio histórico, artístico e cultural, qualquer
instalação de engenho publicitário ou veiculação de que seja o ponto tomado como referência;
mensagem publicitária, o requerente deverá apresentar a III - quando interferir no mobiliário destinado aos
seguinte documentação: serviços urbanos de comunicação, iluminação e distribuição
de energia elétrica;
I - nome e/ou razão social, ramo de atividade, IV - quando prejudicar a visibilidade das
CNPJ/CNPF, CEP e endereço da firma publicitária; indicações do interesse público, tais como sinais de
II - inscrição no Cadastro Municipal de Empresa trânsito, nomes de ruas e outros;
Publicitária; V - quando prejudicar a segurança do trânsito
III - fotografia do imóvel e vizinhança ou do de pedestres e veículos;
veículo; VI - emitam luz de grande intensidade, em
IV - planta de localização e/ou situação com a movimento ou intermitente, que possa comprometer a
posição do engenho publicitário; segurança do trânsito ou causar incômodo à vizinhança e
V - endereço do estabelecimento ou localização aos transeuntes.
do engenho publicitário; VII - quando atrapalhar a visibilidade de
VI - desenho da intervenção proposta; edificações como Estádio Vivaldo Lima, Vila Olímpica
VII - outros detalhes que se fizerem Umberto Calderado e Memorial da Amazônia (Bola da
necessários. Suframa).

§1o: A autorização deverá constar, na parte Art. 70. A instalação de painéis ( outdoors ) ao
frontal e em local bem visível de cada engenho publicitário, longo de logradouro deverá obedecer às seguintes
bem como a respectiva identificação da firma que o explora. exigências:

I - cada painel terá, no máximo 3,0 m ( três


§2o: O órgão responsável deverá responder ao
metros ) de altura por 9,0 m (nove metros) de largura;
interessado no prazo de 15 (quinze) dias.
II - será admitido grupo de no máximo quatro
painéis consecutivos, preservada a distância mínima de 50
§3o: Autorizada a instalação do engenho cm (cinqüenta centímetros) entre cada painel;
publicitário, o interessado terá o prazo de 20 (vinte) dias III - a distância mínima de 50,00 (cinqüenta
para fazê-lo, sob pena de seu cancelamento. metros) entre cada grupo de painéis, sendo admitido, no
máximo, 1 (um) grupo de painéis por face de quadra;
§4o: A Prefeitura poderá condicionar a (Alterado pelo Art. 5º da Lei Nº 782 de 30/06/04, D.O.M.
autorização, conforme a natureza do engenho publicitário e Nº1032 de 02/07/04).
tipo de veiculação, à apresentação, por parte do IV - cada painel deverá reservar, em lugar
interessado, de laudos técnicos ou parecer favorável de visível, plaqueta de identificação com, no mínimo, 20 cm
órgãos de controle ambiental, trânsito, proteção ao vôo e (vinte centímetros) de altura por 1,0 m (um metro)
navegação ou de preservação de patrimônio histórico e contendo o nome e telefone da empresa e número do
cultural. processo de autorização do órgão competente.
§5o: A Prefeitura poderá, a bem do interesse Parágrafo Único Somente será permitida
público, revogar a qualquer tempo, a autorização concedida quantidade acima àquela definida no inciso III deste
e proceder ou exigir a remoção do engenho publicitário artigo se houver expressa anuência do CMDU, baseada
para outro local, desobrigando-se a qualquer ressarcimento em parecer da Comissão Técnica de Planejamento e
ao responsável. Controle Urbano, proferido em regular processo
administrativo. (Acrescido pelo Art. 5º da Lei Nº 782 de
Art. 66. As empresas matriculadas no Cadastro 30/06/04, D.O.M. Nº1032 de 02/07/04).
Municipal de Empresa Publicitária deverão apresentar, até
90 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

Art. 71. As placas de anúncio de manutenção, §1o. Do projeto deverão constar as medidas de
conservação e restauro de logradouros, nos termos do segurança cabíveis, inclusive de isolamento da área, que
artigo 47 desta Lei, não deverão exceder às dimensões de serão de inteira responsabilidade do promotor do evento e
25cm (vinte e cinco centímetros) por 35cm (trinta e cinco do responsável técnico.
centímetros), com altura máxima de 45cm (quarenta §2o. As áreas onde for autorizada a queima de
centímetros) do piso e só será admitida uma única placa fogos deverão manter distância mínima de 300m (trezentos
por cada logradouro supracitado. metros) de hospitais, casas de saúde, sanatórios, casas de
repouso, postos de combustíveis, escolas e repartições
Art. 72. Os engenhos publicitários deverão ser públicas nas horas de funcionamento.
mantidos em perfeito estado de conservação dos materiais,
segurança, estabilidade e estética. §3o. A escolha das áreas deverá obedecer às
diretrizes de uso do solo definidas pela legislação
§1o: Qualquer alteração nas características urbanística.
físicas do engenho publicitário, sua substituição por outro
de características distintas, mudança de local, deverá ser Art. 77. A realização de divertimentos, desfiles,
objeto de nova autorização por parte do órgão licenciador. passeatas, competições e festejos populares em
logradouros públicos, dependerá de trajeto e local
§2o: Havendo destruição total ou parcial do previamente autorizados pela Prefeitura, que o fará em
engenho publicitário, ficam os seus responsáveis obrigados função das prioridades do trânsito de veículo e pedestres,
a reconstruir a parte danificada, ou promover sua bem como as disposições da legislação urbanística e
substituição ou remoção, no prazo de 48 h (quarenta e oito edificações de uso especial.
horas) após o ocorrido.
Art. 78. A exploração de atividades esportivas
Art. 73. Quando o conteúdo da mensagem ou recreativas nos rios e igarapés e demais corpos hídricos
publicitária for ofensiva aos direitos dos cidadãos, nos de Manaus dependerá de autorização da Prefeitura, e
termos da Constituição Federal, ou ainda contenham obedecerá os seguintes requisitos:
incorreções de linguagem, o engenho publicitário poderá, a
juízo da autoridade competente, ser interditado, desfeito ou I - os esportes náuticos que envolverem
ter sua exibição cancelada. equipamentos flutuantes puxados a barco a motor, só
poderão ser utilizados em áreas demarcadas por
Art. 74. A veiculação de publicidade em faixas e sinalizadores apropriados, conforme orientação de órgão
galhardetes, respeitando o disposto no artigo 44 desta Lei, competente;
será permitida nas seguintes condições: II - não serão permitidas instalações fixas para
guarda de material ou equipamentos nas margens de rios e
I - quando as faixas forem rebocadas por igarapés, em decorrência da exploração de atividade
aeronave ou balões dirigíveis devidamente licenciados pelo esportiva ou recreativa;
Departamento de Aviação Civil - DAC; III - a montagem de arquibancadas, arenas,
palcos, quadras esportivas deverão obedecer às
II - como propaganda de caráter assistencial, disposições do Código de Obras e Edificações, quanto às
cívico, educacional, científico ou turístico, em locais instalações e estabilidade e sua localização dependerá da
determinados e em caráter temporário, desde que não seja legislação de uso do solo e da proximidade de edificações
veiculada marcas de firmas ou produtos, podendo ser de uso especial;
autorizadas sem ônus pelo órgão licenciador; IV - a empresa exploradora da atividade é
III - no caso do inciso II, havendo veiculação de integralmente responsável pelo perfeito estado e asseio
publicidade, o anúncio ficará sujeito ao pagamento da todas as instalações e equipamentos, bem como pelas
respectiva taxa prevista pelo Código Tributário Municipal; medidas que se fizerem necessárias junto ao Poder de
IV - quando objetive a promoção de festas, Polícia Estadual quanto à segurança do público e dos
reuniões, comemorações e afins, se colocadas em imóveis participantes;
de estabelecimentos licenciados para tal fim. V - são permitidas a instalação de barracas e
tendas, em caráter temporário, para guarda de
Art. 75. A publicidade em partes externas de equipamentos e funções auxiliares da atividade em
carrocerias de veículos automotores será autorizada desde questão, desde que não comprometam a estética urbana
que fique limitada ao número máximo de 3 (três) anúncios ou padrões urbanísticos definidos para o local.
por veículo.
§1o. Ao conceder a autorização, a Prefeitura
§1°. O engenho publicitário em questão não estabelecerá as restrições que julgar convenientes à
poderá, em nenhuma hipótese, prejudicar a visibilidade do manutenção da ordem e do sossego público.
condutor ou passageiro.
§2o. Em nenhuma hipótese, o funcionamento
§2°. No caso de veículo de transporte coletivo, poderá prejudicar o interesse público, nem suas instalações
os anúncios não poderão interferir na perfeita identificação poderão deixar de oferecer suficiente segurança aos
da origem e destino do itinerário, da empresa prestadora do freqüentadores, aos transeuntes e à vizinhança.
serviço e do número de registro do carro.
Art. 79. Nos festejos e divertimentos populares
de qualquer natureza serão usados copos e pratos de
material descartável.
Seção VII
Dos Divertimentos, Festejos e Competições
TÍTULO IV
DOS ESTABELECIMENTOS E ATIVIDADES
Art. 76. As grandes queimas de fogos de artifício e ECONÔMICAS
espetáculos pirotécnicos só serão realizados em locais
autorizados pela Prefeitura, mediante projeto aprovado pelo CAPÍTULO I
Corpo de Bombeiros e apresentação de termo de DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
responsabilidade técnica, assinado por profissional
legalmente habilitado.
91 Diário Oficial do Município de Manaus terça-feira, 05 de novembro de 2002.

Art. 80. Os estabelecimentos destinados a Art. 83. É livre o horário de funcionamento dos
qualquer atividade comercial, industrial, prestação de estabelecimentos comerciais no Município de Manaus,
serviços só poderão funcionar mediante licença ou desde que sejam obedecidos os termos do respectivo
autorização da Prefeitura de Manaus, nos termos do artigo acordo coletivo de trabalho das respectivas atividades.
7o e seguintes desta Lei. Parágrafo Único. a Prefeitura obstará o
§ 1o. Considera-se estabelecimento, para efeitos funcionamento dos estabelecimentos comerciais que
desta Lei, qualquer imóvel, mobiliário ou local, de caráter desobedeçam ao acordo citado, observada, em cada caso,
permanente ou temporário, fixo ou móvel, onde pessoas a legislação trabalhista.
físicas ou jurídicas exerçam suas atividades.
Art. 84. O horário adicional de funcionamento
§ 2o. A obrigação imposta neste artigo incide dos estabelecimentos comerciais independerá de
também sobre o exercício de atividades em residências e autorização de horário extra, desde que vigente a
em locais já licenciados, sempre que a atividade exigir respectiva licença de localização e funcionamento.
instalações adequadas ou produza algum tipo de ruído ou
de resíduo diferente daqueles característicos da função
Seção II
residencial.
Da Defesa do Consumidor
§ 3o. Os estabelecimentos licenciados estão
sujeitos à taxa de licença, conforme estabelecido no Código Art. 85. A Prefeitura atuará concorrentemente
Tributário de Manaus. com a União e o Estado na fiscalização dos direitos do
consumidor de acordo com o artigo 55 da Lei Federal no
Art. 81. Os estabelecimentos de que trata esta 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Proteção e
Lei, além das exigências dos demais instrumentos de Defesa do Consumidor).
Posturas Municipais, obedecerão os seguintes requisitos de
higiene pública: §1o. Os estabelecimentos comerciais ou
industriais serão obrigados, antes do início de suas
I - deverão ser asseguradas condições de atividades, e anualmente, a submeterem-se à aferição dos
higiene e conforto nas instalações destinadas a refeições instrumentos de medição utilizados em suas transações
ou a lanches e nos locais de trabalho; comerciais, de acordo com as normas estabelecidas pelo
II - serão proporcionadas aos empregados, Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade
facilidades para obtenção de água potável em locais de Industrial (INMETRO).
trabalho, especialmente bebedouros de jato inclinado e
guarda-protetora, não instalados em pias ou lavatórios; §2o. O órgão de fiscalização de posturas
III - onde se servem líquidos é proibido o uso de manterá em sua sede, bem como nas proximidades de
copos coletivos ou a existência de torneiras sem proteção; centros comerciais, pontos de informação munidos de
IV - mesmo quando o trabalho for realizado a balanças permanentemente atualizadas para os
céu aberto, será obrigatório o provimento de água potável consumidores conferirem o peso de suas compras.
aos empregados de serviço;
V - os recintos e dependências serão mantidos §3o. O Município organizará o Conselho
em estado de higiene compatível com a natureza de seu Municipal de Defesa do Consumidor, o qual receberá e
trabalho; encaminhará as denúncias recebidas do público sobre atos
VI - o serviço de limpeza geral dos locais de lesivos a sua economia.
trabalho será realizado fora do expediente da produção e
por processo que reduza ao mínimo o levantamento de §4o. A Prefeitura poderá estabelecer acordos
poeiras; com a fiscalização do Governo Estadual e federal para,
VII - as paredes dos locais de trabalho deverão através do Conselho Municipal de Defesa do Consumidor,
ser conservadas em permanente estado de limpeza, sem definir e aplicar aos infratores as sanções cabíveis,
umidade aparente, infiltrações ou rachaduras. inclusive multas, no âmbito do Sistema Nacional de Defesa
do Consumidor (SNDC).
Art. 82. Materiais, substâncias e produtos
empregados na manipulação e transporte, em locais de Art. 86. Os produtos alimentícios, incluindo-se
trabalho, deverão conter etiqueta de sua composição, as bebidas, só poderão ser comercializados em Manaus,
recomendações do socorro imediato em caso de acidente, quando oriundos de estabelecimentos comerciais ou
bem como o símbolo correspondente a determinados industriais, registrados nos órgãos competentes,
perigos, segundo padronização nacional ou internacional: devidamente acondicionados nos invólucros ou recipientes
de origem de origem, apresentando indicações precisas a
§1o. Os responsáveis pelo emprego de respeito da marca, data de fabricação, data de validade,
substâncias nocivas afixarão, obrigatoriamente, avisos e origem e composição, excetuando-se os considerados
cartazes sobre os perigos que acarreta a manipulação típicos e aqueles autorizados pela legislação de inspeção
dessas substâncias, especialmente se produz sanitária.
aerodispersóides tóxicos, irritantes ou alergênicos.
CAPÍTULO III
§2o. Deverão ser tomadas medidas capazes de DOS ESTABELECIMENTOS
impedir, seja por processos gerais ou por dispositivos de
proteção individual, absorção ou assimilação pelo Seção I
organismo humano de aerodispersóides tóxicos, irritantes e Disposições Gerais
alergênicos.
Art. 87. A licença para estabelecimentos e
autorização para atividades temporárias serão concedidas
CAPÍTULO II mediante a apresentação dos seguintes documentos:
DO COMÉRCIO
I - parecer técnico de localização e uso, a ser
expedido em consulta prévia à Prefeitura, nos termos do
Seção I o
artigo 8 desta Lei;
Horário de Funcionamento
II - registro público de firma individual ou pessoa
jurídica no órgão competente, quando for o caso;
92 terça-feira, 05 de novembro de 2002.
Diário Oficial do Município de Manaus

III - prova de habilitação profissional de pessoa paga ou não, destinadas ao entretenimento, recreio ou
física ou jurídica, quando for o caso; prática de esportes.
IV - Certificado de Inspeção do Corpo de
Bombeiros; § 1o. Para fins de licenciamento e fiscalização,
V - prova de direito ao uso do local; ficam adotadas as seguintes designações para os diversos
VI - prova de inscrição no fisco federal tipos de casas de diversões:
(CNPJ/CNPF) e, conforme o caso, estadual; I - cinema, teatro e auditório (em recinto fechado
VII - Habite-se, observadas as prerrogativas do ou aberto);
artigo 10 desta Lei; II - casas de forró; quadras, curral de boi-
VIII - inscrição do imóvel no Cadastro Técnico bumbá, quadras de escola de samba e casas de show;
Municipal; III - boites, discotecas e danceterias;
IX - prova de endereço do(s) proprietário(s); IV - restaurantes com pista de dança ou música
X - quaisquer documentos, exigidos no parecer ao vivo;
de consulta prévia, de aceitação das instalações, V - boliche, bilhar, sinuca; casas de diversões e
maquinaria, equipamentos e motores, conforme o caso. jogos eletrônicos;
VI - circo;
Parágrafo Único. Os documentos exigidos para VII - parque de diversões;
a concessão de licença ou autorização deverão ser VIII - bingos;
mantidos no estabelecimento para apresentação à IX - salões de festas, bailes e buffets;
fiscalização, sempre que necessário, sendo admitida a X - clubes (local destinado a reuniões literárias,
cópia devidamente autenticada. recreativas, dançantes e outros divertimentos, ou à prática
de jogos permitidos ou esporte de qualquer modalidade);
Art. 88. Será objeto de autorização os XI - outros estabelecimentos que se
estabelecimentos que se enquadrarem nas seguintes enquadrarem do disposto no caput deste artigo.
situações:
§ 2o. A autorização para funcionamento dos
I - quando o funcionamento for por prazo estabelecimentos de que trata o artigo não poderá exceder
determinado; o período de 1 (um) ano e deverá ser renovada
II - funcionamento de stand de vendas em anualmente.
empreendimento imobiliário;
III - exposições, feiras promocionais, congresso, Art. 92. É livre o horário de funcionamento de
encontro, simpósio e eventos análogos; estabelecimentos de diversão, respeitados:
IV - instalação de mobiliário urbano fixo, como
trailers e quiosques, para exercício de pequeno comércio I - a tranqüilidade e decoro públicos;
em logradouro ou área particular; II - a legislação de uso do solo;
V - instalação de atividades extrativas minerais; III - a circulação de veículos e pedestres;
VI - instalação e funcionamento de circos, IV - os dispositivos do Código Ambiental
parques de diversões, arenas e palcos; relativos aos ruídos.
VII - exercício temporário de atividades festivas, V - a capacidade de lotação.