Você está na página 1de 8

NÚCLEO - RIO DE JANEIRO

Rua Costa Lobo, 350 - Parte


CEP: 20911-180
Contato: afro.republicano@gmail.com

Movimento Negro nos Partidos Políticos do Brasil

Combate ao Racismo
Partido : Partido dos Trabalhadores (PT - 13)

Release : Partido de esquerda divido em diversas correntes, entras elas, que não comtemplam
políticas de promoção da igualdade racial explicitamente. É o que chamamos hoje de a "A direita
do PT" . Apesar de tudo, o partido do presidente Lula tem tido destaque na luta pela inserção da
população afro-descendente nos últimos anos. O Partido foi o responsável pela criação do
Ministério da Igualdade Racial, a SEPPIR (Secretaria Especial de Promoção da Igualdade
Racial). Conta hoje com diversos postos em setores na área de Políticas de Promoção da
Igualdade Racial (PIR). Em nível federal, conta com o cargo do ministro da SEPPIR, hoje na
pessoa de Edson Santos, e no Rio de Janeiro, tem a Secretaria que cobre as questões PIR no
Estado, com a ex-governadora Benedita da Silva (Secretaria Estadual de Assistência Social e
Direitos Humanos), além de em nível municipal, contar com a Coordenadoria Especial de
Políticas de Promoção da Igualdade Racial (CEPPIR), cujo coordenador é Carlos Alberto
Medeiros.

Estrura Política PIR :

Executivo Estadual : Benedita da Silva (Secretária SEASDH)


Executivo Municipal (Capital) : Carlos Alberto Medeiros ( Coordenador CEPPIR) ; Jurema Batista
Legislativo Federal (Rio de Janeiro) : Carlos Santana
Legislativo Estadual : Gilberto Palmares ; Inês Pandeló (Vice-Presidente da Comissão de Combate
às Discriminações e Preconceitos ALERJ)
Legislativo Municipal (Capital) : 0

Estrutura Interna Partidária :

Nível União : Secretaria Setorial de Combate ao Racismo


Link :
http://www.pt.org.br/portalpt/index.php?option=com_content&task=section&id=13&Itemid=239

Nível Rio de Janeiro : Secretaria Setorial de Combate ao Racismo - Rio de Janeiro


Link : http://www.ptrj.org.br/
http://www.ptrj.org.br/documentos/boletim/boletim_eletronico_7_edicao.pdf

Participação em Políticas Públicas para o Negro no RJ : Grande, a maior dentre os partidos


políticos brasileiros. Não podia ser diferente sendo o partido que tem a Presidência da República
nas mãos e muita influência nos Estados.

Grau de Militância Atual : Militância negra consistente e organizada, com grande número de
filiados e simpatizantes.

Partido : Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB - 15)

Release : É o Partido mais "murilo" do Brasil. Não detém o Executivo brasileiro mas se faz
presente em grande peso nas estruturas político-administrativas do Brasil. No momento está em
crise. O Partido mantém sua política racial bem organizada. Mantém um Núcleo Afro Nacional,
desmembrado nos Estados. O presidente é do Rio de Janeiro, Jorge Coutinho, recém-
empossado. Pelo número de prefeituras e parlamentares no território brasileiro e pelo
consequente peso político, os resultados das políticas PIR do Partido é muito abaixo do ideal. No
Rio de Janeiro, para termos uma idéia, o Partido conta com o governo do Estado, a prefeitura da
capital, e as presidências das duas maiores Casas Legislativas(ALERJ e CMRJ).

Estrura Política PIR :

Executivo Estadual : *******


Executivo Municipal (Capital) : *******
Legislativo Federal (Rio de Janeiro) : *******
Legislativo Estadual : *******
Legislativo Municipal (Capital) : *******

Estrutura Interna Partidária :

Nível União : PMDB - Núcleo Afro


Link : http://www.pmdb.org.br/?a=afro

Nível Rio de Janeiro : PMDB Afro-brasileiro (RJ)


Link : http://www.pmdbafrobrasileiro.blogspot.com/

Participação em Políticas Públicas para o Negro no RJ : Praticamente nula. Pela força no


Estado, seria obrigação ter políticas de promoção da igualdade racial com mais ênfase e êxito.
Grau de Militância Atual : Muito Baixo. Baixo número de filiados e simpatizantes.

Partido : Partido Democrático Trabalhista (PDT - 12)

Release : Partido do lendário político Leonel Brizola, o PDT tem história no Movimento Negro.
Abdias do Nascimento, considerado a maior bandeira do MN brasileiro, foi senador pela legenda.
Já Carlos Alberto de Oliveira - mais conhecido como Caó - foi o autor da lei que regulamentou o
crime de racismo no Brasil, Lei 7.437 de 1985, que ficou conhecida como Lei Caó. Carlos Alberto
era deputado federal pelo partido na época. Com a morte do seu maior líder, Brizola (em 2004),
é inegável a perda de espaço do partido no cenário político, algo que já se constatava nos
últimos anos. Por consequência, seus movimentos sociais também perderam visibilidade. O PDT
mantém uma Secretaria Nacional do Movimento Negro, e no Rio de Janeiro, a Secretaria
Regional do Movimento Negro.

Estrura Política PIR :

Executivo Estadual : *******


Executivo Municipal (Capital) : *******
Legislativo Federal (Rio de Janeiro) : *******
Legislativo Estadual : *******
Legislativo Municipal (Capital) : *******

Estrutura Interna Partidária :

Nível União : Secretaria Nacional do Movimento Negro PDT


Links : http://pdt12.locaweb.com.br/paginasmenu.asp?id=16
http://secretariamovimentonegropdt.blogspot.com/

Nível Rio de Janeiro : Secretaria Regional do Movimento Negro PDT - RJ


Links : http://secestadualmovnegropdtrj.blogspot.com/

Participação em Políticas Públicas para o Negro no RJ : Praticamente nula. Sem


parlamentares envolvidos diretamente com a causa e sem representatividade no Executivo em
cargos competentes.

Grau de Militância Atual : Militância negra conscientizada e com histórico importante. Bom
número de filiados e simpatizantes.
Partido : Partido Socialista Brasileiro (PSB - 40)b
Release : Um dos maiores partidos de esquerda do Brasil. Sua militância, o Movimento Negro
Socialista, tem apenas 4 anos. No Rio de Janeiro, mantém uma Secretaria Estadual.

Estrura Política PIR :

Executivo Estadual : *******


Executivo Municipal (Capital) : *******
Legislativo Federal (Rio de Janeiro) : *******
Legislativo Estadual : *******
Legislativo Municipal (Capital) : *******

Estrutura Interna Partidária :

Nível União : Movimento Negro Socialista


Links : http://www.psbnacional.org.br/index.php/content/view/1816.html
http://www.marxist.com/movimento-negro-socialista-reuniao-nacional.htm
http://www.psbnacional.org.br/index.php/content/view/5316.html

Nível Rio de Janeiro : *******

Participação em Políticas Públicas para o Negro no RJ : Praticamente nula. Sem


parlamentares envolvidos diretamente com a causa e sem representatividade no Executivo em
cargos competentes.

Grau de Militância Atual : Militância negra conscientizada. Bom número de filiados e


simpatizantes.

Partido : Partido Republicano Brasileiro (PRB - 10)

Release : Partido que com poucos anos de existência, se destaca, primeiramente, por ter um
presidente afro-brasileiro - e que se considera como tal. Cúpulas partidárias com negros em
posições executivas são praticamente inexistentes, imagine presidindo-as. O PRB cresce em
todo território brasileiro, e desde sua criação, abre os olhos para as demandas da população
negra. O Partido conta com sua militância em nível nacional, o PRB Afro, e tem o projeto de
criar Núcleos nos Estados - iniciado em 2009 no Rio de Janeiro, com o Núcleo PRB Afro - Rio
de Janeiro. O PRB Afro tem hoje a presidência do vereador do município do Rio de Janeiro João
Mendes de Jesus, único presidente de militância afro-partidária com mandato eletivo no Brasil.
No Rio de Janeiro, o partido ainda conta com a Deputada Estadual Beatriz Santos, presidente da
Comissão de Combate às Discriminações e Preconceitos de Raça, Cor, Etnia, Religião e
Procedência Nacional da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Estrura Política PIR :

Executivo Estadual : *******


Executivo Municipal (Capital) : *******
Legislativo Federal (Rio de Janeiro) : *******
Legislativo Estadual : Beatriz Santos (Presidente da Comissão de Combate às Discriminações e
Preconceitos ALERJ)
Legislativo Municipal (Capital) : João Mendes de Jesus

Estrutura Interna Partidária :

Nível União : PRB Afro


Links : http://www.prb10.org.br/unideia/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=35

Nível Rio de Janeiro : Núcleo PRB Afro RJ


http://www.afro-republicano.blogspot.com

Participação em Políticas Públicas para o Negro no RJ : Muito boa, apenas atrás do PT.
Diferente do Partido dos Trabalhadores, não possui representatividade no executivo. Mas conta
com ótimo engajamento no legislativo, em nível municipal (CMRJ) e estadual (ALERJ). O
vereador da capital e líder do PRB no município, João Mendes de Jesus, única voz negra em
sua Casa legislativa, é autor de um projeto de lei que cria a Comissão da Igualdade Étnico-
Racial. Na Assembleia Legislativa, a deputada Beatriz transformou a antes "desprestigiada"
comissão que preside, de Combate aos Preconceitos e Discriminações, numa das comissões
mais itinerantes, participativas e atuantes da ALERJ.

Grau de Militância Atual : Por estar em crescimento, apresenta baixo número de filiados e
simpatizantes em nível nacional.

PARTIDOS QUE NÃO APRESENTAM POLÍTICAS DE


PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL EM SUAS PRIORIDADES

Observe bem. E com cuidado. Apenas 5 partidos do Brasil apresentam comprometimento direto
com os nossos direitos, dentre os 27 registrados legalmente no TSE. Isto é sério. O Partido é a
base do político, geralmente ele forma fundamentos e convicções dos parlamentares
pertencentes aos seus quadros. Se um Partido não abre espaços democráticos e amplos para
as políticas direcionadas à população afro-descendente, sem dúvida o maior prejudicado sou eu,
é você - como afro-brasileiros. Do acesso ao mercado de trabalho e educação ( com as políticas
afirmativas ) às especificidades no campo da saúde pública ( anemia falciforme), é fato que as
políticas públicas para os negros é questão prioritária no Estado Brasileiro.

A política é a maior ferramenta de mudança que nós temos. Saiba escolher bem quem irá
manuseá-la como seu representante. Abaixo, a lista "branca" de partidos políticos que tratam
com desleixo o negro no Brasil :

Exemplo de como partidos dessa estirpe podem prejudicar você e sua família, como afro-
brasileiros:

21 de Julho de 2009 - DEM ajuíza ação contra o sistema de cotas raciais instituído
por universidades públicas
A instituição de cotas raciais na Universidade de Brasília (UnB) foi objeto da Arguição de
Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 186 ajuizada, com pedido de
suspensão liminar, pelo Democratas (DEM) no Supremo Tribunal Federal (STF). O
partido tem a finalidade de que seja declarada a inconstitucionalidade de atos do poder
público que resultaram na instituição de cotas raciais na universidade.
Conforme a ação, o resultado do 2º vestibular 2009 da Universidade de Brasília, no qual
foi instituído o sistema de acesso por meio de cotas raciais, foi publicado no dia 17 de
julho de 2009 e o registro dos estudantes aprovados, cotistas e não-cotistas, está previsto
para os dias 23 e 24 de julho de 2009.
O partido salienta que a violação aos preceitos fundamentais decorre de específicas
determinações impostas pelo Poder Público (Universidade de Brasília). Atos
administrativos e normativos determinaram a reserva de cotas de 20% do total das vagas
oferecidas pela universidade a candidatos negros (dentre pretos e pardos).
O DEM assevera que acontecerão danos irreparáveis se a matrícula na universidade for
realizada pelos candidatos aprovados com base nas cotas raciais, "a partir de critérios
dissimulados, inconstitucionais e pretensiosos da Comissão Racial". "A ofensa aos
estudantes preteridos porque não pertencem à raça "certa" é manifesta e demanda
resposta urgente do Judiciário", argumenta o partido.
Atos questionados
Na ação, o DEM contesta os seguintes atos: i) Ata da Reunião Extraordinária do
Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade de Brasília (CEPE), realizada
no dia 6 de junho de 2003; ii) Resolução nº 38, de 18 de junho de 2003, do CEPE; iii)
Plano de Metas para a Integração Social, Étnica e Racial da Universidade de Brasília -
UnB; iv) dispositivos do Edital nº 2, de 20 de abril de 2009, do 2º Vestibular de 2009, do
Cespe.
Preceitos fundamentais vulnerados
Os advogados do partido ressaltam que estão sendo violados diversos preceitos
fundamentais estabelecidos pela Constituição Federal de 1988. São eles: os princípios
republicano (artigo 1º, caput) e da dignidade da pessoa humana (inciso III); dispositivo
constitucional que veda o preconceito de cor e a discriminação (artigo 3º, inciso IV);
repúdio ao racismo (artigo 4º, inciso VIII); Igualdade (artigo 5º, incisos I), Legalidade
(inciso II), direito à informação dos órgãos públicos (XXXIII), combate ao racismo
(XLII) e devido processo legal (LIV).
Além disso, seriam feridos os princípios da legalidade, da impessoalidade, da
razoabilidade, da publicidade e da moralidade, corolários do princípio republicano (artigo
37, caput); direito universal à educação (artigo 205); igualdade nas condições de acesso
ao ensino (artigo 206, caput e inciso I); autonomia universitária (artigo 207, caput);
princípio meritocrátivo - acesso ao ensino segundo a capacidade de cada um (artigo 208,
inciso V).
Pedido de liminar
Por essas razões, o partido pede a concessão da medida liminar pelo STF a fim de
suspender a realização da matrícula dos alunos aprovados mediante o sistema universal e
o sistema de cotas para negros na Universidade de Brasília, que acontecerá nos próximos
dias 23 e 24 de julho de 2009. Requer que o Cespe divulgue nova listagem de aprovados,
a partir das notas de cada candidato, independentemente do critério racial, determinando
que somente após essa divulgação os alunos realizem a matrícula, obedecendo à
classificação universal.
Pede que o Cespe abstenha-se de publicar quaisquer editais para selecionar e/ou
classificar candidatos para ingresso na universidade com acesso diferenciado baseado na
raça. Também solicita que o Cespe/UnB não pratique "qualquer ato institucional
racializado para tentar identificar quem é negro dentre os candidatos, suspendendo a
Comissão Racial instituída pelo item 7 e subitens, do Edital nº 2/2009, Cespe/UnB".
Por fim, pede para que juízes de tribunais de todo o país, tanto da Justiça Federal quanto
da estadual, suspendam imediatamente todos os processos que envolvam a aplicação do
tema cotas raciais para ingresso em universidades, até o julgamento definitivo da ADPF,
"ficando impedidos de proferir qualquer nova decisão que, a qualquer título, garanta o
acesso privilegiado de candidato negro em universidade em decorrência da raça". Assim,
requer que sejam suspensos, com eficácia ex tunc (retroativa), os efeitos de qualquer
decisão que tenham garantido a constitucionalidade das cotas raciais implementadas pela
Universidade de Brasília.
Pedido sucessivo
O partido requer, sucessivamente, que em caso de a Corte entender pelo descabimento da
ADPF, seja o pedido recebido como Ação Direta de Inconstitucionalidade, "em
homenagem ao princípio da fungibilidade processual, porquanto observados nesta peça
todos os demais requisitos necessários à propositura da ADI, possibilidade esta que já foi
reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal".